Aula 7. Principais problemas ambientais e as legislações brasileiras. Thalles Pedrosa Lisboa/ Prof. Rafael Arromba de Sousa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 7. Principais problemas ambientais e as legislações brasileiras. Thalles Pedrosa Lisboa/ Prof. Rafael Arromba de Sousa"

Transcrição

1 Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Aula 7 Principais problemas ambientais e as legislações brasileiras Thalles Pedrosa Lisboa/ Prof. Rafael Arromba de Sousa Juiz de Fora, 2 o semestre de

2 Principais problemas ambientais e as legislações brasileiras 1. Principais causadores de poluição do ar 2. Efeito estufa 3. Chuva ácida 4. Depleção da camada de ozônio 5. Resoluções de CONAMA 2

3 A poluição atmosférica A interação com o meio ambiente produz resíduos que podem poluir o ar; A presença de agentes poluentes varia em função da localização, atividades que são realizadas na área, etc; Esta poluição é responsável por diversos problemas nos grandes centros urbanos, como por exemplo, a saúde humana; 3

4 Efeito estufa Refere-se a uma contenção de calor promovido pelas moléculas dos gases estufa; Fenômeno normal e benéfico, tem as moléculas de vapor d água como principais responsáveis; Os efeitos causados pelo aumento exacerbado na concentração de gases estufa como o CO 2, CH 4 e o N 2 O, podem levar a problemas sérios relacionados ao aquecimento global; 4

5 Efeito estufa 5

6 Efeito estufa Princípio físico-químico: Moléculas como CO 2, CH 4, H 2 O e O 3 Absorvem radiação solar e vibram na frequência da radiação infravermelha Contenção de calor Assim o acréscimo de gases estufa na atmosfera modifica a quantidade de calor retido A camada de ozônio funciona como um filtro natural para radiação solar ultravioleta de forma que apenas raios com comprimento de onda no visível atinjam a superfície terrestre. Os gases estufa funcionam com uma camada de bloqueio para a radiação infravermelho. 6

7 Principais causadores de poluição do ar Dióxido de carbono (CO 2 ) 60% do efeito estufa Metano (CH 4 ) 15% do efeito estufa, potencial de aquecimento 25x Óxido nitroso (N 2 O) 5% do efeito estufa, potencial de aquecimento 300x Ozônio (O 3 ) 8% do efeito estufa Hidrofluorcarbonetos (HFCs) x (substitutos dos CFCs) Perfluorcarbonetos (PFCs) x Halocarbonetos destaque para os CFCs, 12% do efeito estufa, potencial de aquecimento 10000x 7

8 Geração de gases estufa Tratamento e Disposição de Resíduos 4% Desmatamento 10% 0% Transportes 14% Geração de Eletricidade 21% Agricultura 13% Produção e Distribuição de Combustíveis Fósseis 11% Processos Industriais 17% Uso Residencial, Comercial e Serviços 10% 8

9 Algumas curiosidades Segundo o IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) o Brasil está entre os 5 maiores emissores de gases estufa e isto se deve a atividades de desmatamento e manejo do solo; Atualmente são despejados no ar cerca de 5 bilhões de toneladas de CO 2 por ano. Há 100 anos eram lançados 60 milhões de toneladas. 9

10 Níveis de gases estufas na atmosfera 10

11 Emissões de GEE no Brasil Instituída pela Lei nº , de 2009, a Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC) oficializa o compromisso voluntário do Brasil perante a ONU em diminuir a emissão de GEE até

12 Chuva ácida O termo chuva ácida refere-se à acidez acentuada produzida na água da chuva pela poluição atmosférica; Foi utilizado pela primeira vez no século XVIII para descrever a precipitação ácida que ocorreu sobre a cidade de Manchester no início da Revolução Industrial; 12

13 Chuva ácida Naturalmente a chuva é ácida (ph aproximadamente 5,5) devido à presença de dióxido de carbono (CO 2 ) na atmosfera: CO 2 + H 2 O H 2 CO 3 2H + + CO 3 2- Em consequência da poluição atmosférica (óxidos de enxofre e nitrogênio) o ph da chuva pode variar entre 5,0 e 2,2; Além da chuva ácida pode ocorrer ainda a deposição de partículas (precipitação seca) ou ainda a neve ácida; 13

14 Reações na atmosfera Reações dos compostos de nitrogênio: 2NO + O 2 2NO 2 2NO 2 + H 2 O HNO 2 + HNO 3 2HNO 2 + O 2 2HNO 3 Reações dos compostos de enxofre: SO 2 + ½O 2 SO 3 SO 3 + H 2 O H 2 SO 4 14

15 Processo da chuva ácida Causa danos em diferentes ambientes (áreas urbanas e rurais); 15

16 Consequências da chuva ácida Efeitos sobre monumentos e construções: H + + CaCO 3(s) HCO Ca 2+ 16

17 Consequências da chuva ácida Efeito sobre as plantas: Europa, América do Norte e alguns países asiáticos são os mais afetados. No Brasil, as cidades mais afetadas são: Rio de Janeiro, São Paulo e Cubatão. Floresta na Alemanha entre 1970 e

18 Consequências da chuva ácida Efeitos sobre o ambiente aquático: Tolerância de algumas espécies aquáticas em relação à acidez da água. 18

19 Química do ozônio Importante constituinte (estratosfera); Mas também é um poluente (troposfera); Um dos causadores do smog fotoquímico. 19

20 O ozônio na estratosfera Presente naturalmente na estratosfera o O 3 absorve a radiação UV na faixa de 220 a 320 nm; O 3(g) Radiação UV O 2(g) + O (g) O 2(g) Radiação UV 2O (g) O (g) + O 2(g) O 3(g) 20

21 O ozônio da estratosfera na presença de poluentes Na estratosfera, podem ocorrer reações fotoquímicas com os poluentes possibilitando a decomposição do ozônio catalisada por estes poluentes resultando assim na degradação da camada de ozônio; CCl 3 F (g) Radiação UV CCl 2 F (g) + Cl (g) Cl (g) + O 3(g) ClO (g) + O 2(g) ClO (g) + O (g) O 2(g) + Cl (g) 21

22 O ozônio da estratosfera na presença de poluentes As reações podem ocorrer também com percursores de NO; 2O (g) + O (g) 2NO (g) NO (g) + O 3(g) NO 2(g) + O 2(g) 22

23 Luz Solar Smog fotoquímico Smog fotoquímico é o efeito visível (camada roxo-acinzentada) na atmosfera do resultado de poluentes e de suas reações catalisadas pela luz solar (reações fotoquímicas); Oxigênio (O 2 ) + Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) + Óxidos de Nitrogênio (NO x ) Ozônio (O 3 ) Troposférico Historicamente descobriu-se esse tipo de fenômeno pela primeira vez e Los Angeles, de década de

24 Aspectos sócio-políticos Criado em 1985 foi formalizada a Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio; Em 1987 surgiu o Protocolo de Montreal que entrou em vigor a partir de 01 de janeiro de 1989; O Protocolo de Montreal visa proteger a camada de ozônio através da redução e substituição de substâncias nocivas à mesma; O Brasil se aderiu em 1990 por meio do Decreto nº ; Tem sido alterado através de emendas (Reuniões Internacionais Regulares); 24

25 Protocolo de Montreal Divisão das substâncias destruidoras de ozônio em 7 famílias compostas à bases de cloro, flúor ou hidrocarbonetos à bases de bromo: Clorofluorcarbonos (CFCs); Hidroclorofluorcarbonos (HCFCs); Halons; Hidrobromofluorcarbonos (HBFCs) Tetracloreto de carbono (CTC); Metil clorofórmio (TCA); Brometo de metila (MeBr); 25

26 Protocolo de Montreal 26

27 Qualidade do ar e legislações Resolução CONAMA nº 005/89, de 15/06/1989 que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR; Resolução CONAMA nº 003/90, de 18/06/1990 Estabeleceu os padrões nacionais de qualidade do ar Definiu a forma de amostragem Definiu os métodos para a monitoração de diferentes parâmetros: - Partículas totais em suspensão - Fumaça - SO 2 - Partículas inaláveis - CO - NO 2 - O 3 27

28 Qualidade do ar e legislações Define-se que poluente atmosférico é qualquer forma de matéria ou energia com intensidade e em quantidade, concentração, tempo ou características em desacordo com os níveis estabelecidos, e que tornem ou possam tornar o ar: impróprio, nocivo ou ofensivo à saúde; inconveniente ao bem-estar público; danoso à fauna e flora; prejudicial à segurança e às atividades cotidianas; 28

29 Qualidade do ar e legislações Métodos de análise propostos pelo INMETRO e na ausência deles recomendados pelo IBAMA; O monitoramento é de responsabilidade dos Estados; Ficam estabelecidos os Níveis de Qualidade do Ar para elaboração do Plano de Emergência para Episódios Críticos de Poluição do Ar; Níveis de ATENÇÃO, ALERTA e EMERGÊNCIA. 29

30 Qualidade do ar e legislações Resolução CONAMA nº 018/86, de 06/05/1986 que dispões sobre a criação do programa de controle da poluição causada por veículos automotores PROCONVE. Estabelece os limites máximos de emissão para motores e veículos novos; Exigências tecnológicas (prazos); Os limites máximos para emissão de compostos de chumbo não são regulamentados no Brasil, visto que o uso dos compostos de chumbo tetraetila como aditivo foram abolidos na década de

31 Qualidade do ar e legislações Resolução CONAMA nº 297/02, de 26/02/2002 que institui o programa de controle da poluição do ar por motocicletas e veículos similares PROMOT....enquanto um carro roda em média 30 km/dia, as motos de entrega percorrem até 180 km/dia, poluindo tanto quanto os automóveis... Observou-se que entre 2000 e 2009 houve uma redução de 70 a 80% nas emissões de gases poluentes. 31

32 Referências Bibliográficas Baird, C. Química Ambiental; Tradução Maria Angeles Lobo Recio e Liz Carlos M. Carrera, 2 ed, Porto Alegre, Bookman, 2002; Nascentes, C. C; Costa, L. M. Quimica Ambiental, Universidade Federal de Minas Gerais, 2011;

33 33

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 6 - Poluição do Ar. Professor Sandro Donnini Mancini. Setembro, 2015.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 6 - Poluição do Ar. Professor Sandro Donnini Mancini. Setembro, 2015. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 6 - Poluição do Ar Professor Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015. POLUIÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA Será que o homem já se conscientizou do poder destrutivo das suas mãos? Hoje, é freqüente ouvirmos falar do efeito estufa Mas quem é esse vilão que nos apavora? O efeito estufa

Leia mais

Os fenômenos climáticos e a interferência humana

Os fenômenos climáticos e a interferência humana Os fenômenos climáticos e a interferência humana Desde sua origem a Terra sempre sofreu mudanças climáticas. Basta lembrar que o planeta era uma esfera incandescente que foi se resfriando lentamente, e

Leia mais

Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre

Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre Atmosfera Atmosfera é a camada gasosa ao redor da Terra. Hidrosfera é a parte líquida da Terra que corresponde a cerca de 80% da superfície. A água dos

Leia mais

Poluição do ar. Tempo de residência: tempo médio de permanência da espécie no ar.

Poluição do ar. Tempo de residência: tempo médio de permanência da espécie no ar. Poluição do ar Para avaliar a extensão de alcance do poluente, deve-se conhecer o tempo de residência da espécie na atmosfera e as condições atmosféricas Tempo de residência: tempo médio de permanência

Leia mais

Gestão de energia: 2008/2009

Gestão de energia: 2008/2009 Gestão de energia: 2008/2009 Aula # T12 Energia e Ambiente Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt Dr. Eng. João Parente Efeito de estufa Aula # T12: Energia e ambiente Slide 2 of 53 Efeito de estufa

Leia mais

Recursos Atmosfericos

Recursos Atmosfericos Recursos Atmosfericos Professor: Neyval Costa Reis Jr. Departamento de Engenharia Ambiental Centro Tecnológico UFES Programa Detalhado Atmosfera Camadas Constituintes Balanço de energia Ventos na atmosfera

Leia mais

Aula 5 QUÍMICA DA ATMOSFERA - PARTE II. Carlos Alexandre Borges Garcia Elisangela de Andrade Passos

Aula 5 QUÍMICA DA ATMOSFERA - PARTE II. Carlos Alexandre Borges Garcia Elisangela de Andrade Passos Aula 5 QUÍMICA DA ATMOSFERA - PARTE II META Apresentar o efeito estufa; Apresentar o Protocolo de Kyoto; Apresentar a importância da camada de ozônio; Apresentar a amostragem de material particulado; Apresentar

Leia mais

Aula 24 Poluição. Poluição do ar. Os principais poluentes do ar são: compostos sulfurosos, nitrogenados e monóxido de carbono.

Aula 24 Poluição. Poluição do ar. Os principais poluentes do ar são: compostos sulfurosos, nitrogenados e monóxido de carbono. Aula 24 Poluição A poluição é a alteração do equilíbrio ecológico devido à presença de resíduos em quantidade que o ambiente tem de absorver provocando danos ao seu funcionamento. Os resíduos podem ser

Leia mais

Escola do Campus da Caparica Ano Lectivo 2006/2007 Ciências Naturais 9º Ano. Nome: N.º: Turma:

Escola do Campus da Caparica Ano Lectivo 2006/2007 Ciências Naturais 9º Ano. Nome: N.º: Turma: Escola do Campus da Caparica Ano Lectivo 2006/2007 Ciências Naturais 9º Ano Teste de avaliação = Alterações climáticas Duração 90 min. Nome: N.º: Turma: O teste é constituído por 3 grupos: Grupo I 15 questões

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

Estudo comparativo dos limites legais de Emissões Atmosféricas no Brasil, EUA e Alemanha.

Estudo comparativo dos limites legais de Emissões Atmosféricas no Brasil, EUA e Alemanha. Estudo comparativo dos limites legais de Emissões Atmosféricas no Brasil, EUA e Alemanha. Ricardo de Lima Silva (1) ; Cristiane Ferreira Pimenta (2) ; Prof. Neimar Freitas Duarte (3). (1) Mestrando em

Leia mais

Principais Problemas Ambientais

Principais Problemas Ambientais Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Ambiental (2017/2) Química Atmosférica (Parte 2) Principais Problemas Ambientais Felipe Dias dos Reis Principais

Leia mais

o buraco da camada de ozônio sobre a Antártida está lentamente se curando

o buraco da camada de ozônio sobre a Antártida está lentamente se curando CAMADA DE OZÔNIO O ozônio (O 3 ) é produzido pela ação da luz ultravioleta proveniente do Sol sobre o oxigênio (O 2 ) do ar. A camada de ozônio é uma porção da estratosfera situada a cerca de 22 km do

Leia mais

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modernidade trouxe vantagens e prejuízos Poluição causada pelas organizações afeta diretamente a natureza Criação de Leis para minimizar

Leia mais

Interacção da Radiação com a Matéria

Interacção da Radiação com a Matéria Interacção da Radiação com a Matéria Já sabemos que: As radiações eletromagnéticas têm comportamento ondulatório e corpuscular. Cada radiação apresenta as suas características individuais; Os corpúsculos

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Aula 6: Química Atmosférica (Parte 2)

Aula 6: Química Atmosférica (Parte 2) QUI 106 Química Analítica Ambiental (2017/1) Departamento de Química UFJF www.ufjf.br/baccan Aula 6: Química Atmosférica (Parte 2) Principais problemas ambientais; Legislações brasileiras. Estagiária:

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR José de Sena Pereira Jr. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente, e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

QUANDO FALAMOS EM ATMOSFERA O QUE NOS VÊM À CABEÇA?

QUANDO FALAMOS EM ATMOSFERA O QUE NOS VÊM À CABEÇA? ATMOSFERA Módulo Tecnologia de controle da poluição atmosférica e sonora Prof. Msc. Luiz Rogério Mantelli Novembro de 2012 QUANDO FALAMOS EM ATMOSFERA O QUE NOS VÊM À CABEÇA? 1 Nitrogênio (N 2 ) 780.840

Leia mais

INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS

INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS INTRODUÇÃO Por iniciativa da Belgo Mineira Participação e da DaimlerChrysler - Juiz de Fora, e sob a interveniência da FEAM-MG, foi assinado termo aditivo com a UFJF, pelo qual as empresas cediam ao Laboratório

Leia mais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. Maria Lúcia Pereira Antunes UNESP Unidade Diferenciada Sorocaba/Iperó. Eng. Ambiental GEA Grupo de Estudo Ambientais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. Maria Lúcia Pereira Antunes UNESP Unidade Diferenciada Sorocaba/Iperó. Eng. Ambiental GEA Grupo de Estudo Ambientais POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Maria Lúcia Pereira Antunes UNESP Unidade Diferenciada Sorocaba/Iperó Eng. Ambiental GEA Grupo de Estudo Ambientais O Desenvolvimento de nossa sociedade urbana e industrial, por não

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Química Ambiental 23. Parte I: AR E ENERGIA 37 Capítulo 2: A Química da Estratosfera: A Camada de Ozônio 39

Capítulo 1: Introdução à Química Ambiental 23. Parte I: AR E ENERGIA 37 Capítulo 2: A Química da Estratosfera: A Camada de Ozônio 39 Capítulo 1: Introdução à Química Ambiental 23 A NATUREZA DA QUÍMICA AMBIENTAL E A ORGANIZAÇÃO DESTE LIVRO 24 UM ESTUDO DE CASO: OS PRODUTOS QUÍMICOS TÓXICOS E OS RECÉM-NASCIDOS 25 ABORDAGENS PARA A PREVENÇÃO

Leia mais

DIA MUNDIAL DA PRESERVAÇÃO DA CAMADA DE OZONO

DIA MUNDIAL DA PRESERVAÇÃO DA CAMADA DE OZONO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO DO AMBIENTE UNIDADE NACIONAL DO OZONO 16 DE SETEMBRO DIA MUNDIAL DA PRESERVAÇÃO DA CAMADA DE OZONO LUANDA - ANGOLA 2010 Angola 1 PROTOCOLO

Leia mais

Química Ambiental. Agatha Lopes. Aula 6 Química Atmosférica (Parte 2) Principais problemas ambientais Legislações brasileiras

Química Ambiental. Agatha Lopes. Aula 6 Química Atmosférica (Parte 2) Principais problemas ambientais Legislações brasileiras Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Ambiental Prof. Dr. Rafael Arromba de Sousa Aula 6 Química Atmosférica (Parte 2) Principais problemas ambientais

Leia mais

Efeitos da poluição do ar sobre as plantas

Efeitos da poluição do ar sobre as plantas Saiba mais Efeitos da poluição do ar sobre as plantas Marcelle Dafré Martinelli A poluição atmosférica é um dos principais problemas ambientais das grandes metrópoles, como a cidade de São Paulo, devido

Leia mais

1. Evolução da atmosfera

1. Evolução da atmosfera 1. Evolução da atmosfera Breve história O nosso planeta está envolvido por uma camada gasosa atmosfera cuja espessura é de aproximadamente 1110 km (+- 1/5 do raio terrestre). Esta camada gasosa tem várias

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza-sociedade: questões ambientais. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013

AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013 AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013 / Nome: nº 1. Atualmente, a troposfera é constituída por espécies maioritárias, como o azoto, N 2, o oxigénio,

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS e o PAPEL DA ESCOLA. Prof.ª Ms. LUCIANE CORTIANO LIOTTI

MUDANÇAS CLIMÁTICAS e o PAPEL DA ESCOLA. Prof.ª Ms. LUCIANE CORTIANO LIOTTI MUDANÇAS CLIMÁTICAS e o PAPEL DA ESCOLA Prof.ª Ms. LUCIANE CORTIANO LIOTTI MUDANÇAS CLIMÁTICAS O QUE É? FONTE: GALLEGO, J. L.,2008 O PLANETA TERRA A Terra é um Planeta muito especial! Sua atmosfera funciona

Leia mais

a elevação do nível dos oceanos devido ao derretimento das calotas polares.

a elevação do nível dos oceanos devido ao derretimento das calotas polares. QUESTÃO O impacto do aquecimento global será grave, abrangente e irreversível, segundo um relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC, na sigla em inglês) divulgado em

Leia mais

e hexafluoreto de enxofre

e hexafluoreto de enxofre 4. (Mackenzie 05) Os gases do efeito estufa envolvem a Terra e fazem parte da atmosfera. Estes gases absorvem parte da radiação infravermelha refletida pela superfície terrestre, impedindo que a radiação

Leia mais

Proteção da Camada de Ozônio: Convenção de Viena e Protocolo de Montreal

Proteção da Camada de Ozônio: Convenção de Viena e Protocolo de Montreal Ficha Catalográfica (preparado pelo Setor de Biblioteca da CETESB) S242e São Paulo (Estado). Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Entendendo o Meio Ambiente / Coordenador geral [do] Secretário de Estado

Leia mais

Processos de Produção

Processos de Produção Processos de Produção Processos de Produção PRINCIPAIS ASPECTOS AMBIENTAIS: Emissões atmosféricas Geração de Resíduos Geração de Efluentes Processos de Produção Aspecto Emissões atmosféricas Impacto Poluição

Leia mais

INFLUÊNCIA HUMANA SOBRE O MEIO AMBIENTE. Industrialização. habitat e saúde. Preocupação ambiental

INFLUÊNCIA HUMANA SOBRE O MEIO AMBIENTE. Industrialização. habitat e saúde. Preocupação ambiental INFLUÊNCIA HUMANA SOBRE O MEIO AMBIENTE Industrialização Efeitos sobre habitat e saúde Preocupação ambiental POLUIÇÃO Poluente: substância presente em concentrações maiores que as naturais como resultado

Leia mais

Homem x Ambiente. Homem x Água. Preocupação Ambiental. Água no Planeta. Água no Corpo Humano 09/09/2015

Homem x Ambiente. Homem x Água. Preocupação Ambiental. Água no Planeta. Água no Corpo Humano 09/09/2015 09/09/2015 Homem x Ambiente A dicotomia homem homem--natureza é um paradoxo paradoxo.. A hominização do ser humano humano,, nos distanciou dos ciclos naturais em decorrência do crescimento populacional

Leia mais

Bruno Maiolli Razera 1 ; Paulo Giovani Basane 2 ; Renan Vinicius Serbay Rodrigues 3 ; José Hilton Bernardino de Araújo

Bruno Maiolli Razera 1 ; Paulo Giovani Basane 2 ; Renan Vinicius Serbay Rodrigues 3 ; José Hilton Bernardino de Araújo DIAGNÓSTICO DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DE ORIGEM VEICULAR POR MEIO DE ANALISADOR PORTÁTIL DE GASES NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO-PR E ANÁLISE DOS SEUS EFEITOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO Bruno Maiolli Razera 1

Leia mais

Professor: Márcio Luiz

Professor: Márcio Luiz Capítulo 14 Meio Ambiente Global Geografia 1ª Série Conteúdo complementar O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de seis gases do efeito estufa em

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. BOLETIM INFORMATIVO DO VIGIAR/RS VIGIAR/NVRAnB/DVAS/CEVS/SES-RS (nº 30/2012 de 28/06/2012)

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. BOLETIM INFORMATIVO DO VIGIAR/RS VIGIAR/NVRAnB/DVAS/CEVS/SES-RS (nº 30/2012 de 28/06/2012) CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Objetivo do Boletim BOLETIM INFORMATIVO DO VIGIAR/RS VIGIAR/NVRAnB/DVAS/CEVS/SES-RS (nº 30/2012 de 28/06/2012) Disponibilizar informações do Instituto Nacional de

Leia mais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais (1) Leonardo

Leia mais

QUI163 Química Ambiental Aula 6. Química da Atmosfera - Parte II PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS E AS REAÇÕES QUÍMICAS ENVOLVIDAS

QUI163 Química Ambiental Aula 6. Química da Atmosfera - Parte II PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS E AS REAÇÕES QUÍMICAS ENVOLVIDAS Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química QUI163 Química Ambiental Aula 6 Química da Atmosfera - Parte II PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS E AS REAÇÕES

Leia mais

Controle da Poluição Atmosférica Parte 1

Controle da Poluição Atmosférica Parte 1 CEFET-MG Departamento de Engenharia Ambiental Gestão da Qualidade do Ar Controle da Poluição Atmosférica Parte 1 Prof. Marcos Vinicius Ribeiro Departamento de Engenharia Ambiental CEFET-MG Belo Horizonte,

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos 1. Nível de Ensino: Ensino Médio 2. Conteúdo Estruturante: Biogeoquímica 2.1 Conteúdo Básico: Matéria, Composição dos elementos químicos. 2.2 Conteúdo Específico:

Leia mais

União em benefício global

União em benefício global União em benefício global o completar 20 anos de vigência em Setembro de 2007, o Protocolo de Montreal consolida-se A como um dos mais eficientes acordos multilaterais estabelecidos pelo sistema das Nações

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase 6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: Geografia Professores do Estúdio: Jefferson

Leia mais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Profa.Eliane C.Gomes 1- INTRODUÇÃO 1.1-COMPOSIÇÃO DO AR NORMAL

Leia mais

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima.

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. MINUTA PROJETO DE LEI Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Química Ambiental Aula 06. Química da Atmosfera - Parte II PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS E AS LEGISLAÇÕES BRASILEIRAS. Prof. Rafael Arromba de Sousa

Química Ambiental Aula 06. Química da Atmosfera - Parte II PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS E AS LEGISLAÇÕES BRASILEIRAS. Prof. Rafael Arromba de Sousa Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Ambiental Aula 06 Química da Atmosfera - Parte II PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS E AS LEGISLAÇÕES

Leia mais

Protocolo de Montreal para Proteçao da Camada de Ozônio

Protocolo de Montreal para Proteçao da Camada de Ozônio MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Protocolo de Montreal para Proteçao da Camada de Ozônio Ações de Controle do Comércio de SDOs

Leia mais

RELATÓRIO AMBIENTAL DE NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO

RELATÓRIO AMBIENTAL DE NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO RELATÓRIO AMBIENTAL DE NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO Descrição Emissões de CO2 Evento: C3 Drive and Fun Experience Local: Aldeia da Serra - São Paulo Data: 31 de agosto de 2013 Inventário de Emissões de GEE**

Leia mais

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome:

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome: Atividade de Estudo - Ciências 4º ano Nome: 1- Imagine que o quadriculado abaixo seja uma representação da composição do ar. No total, são 100 quadradinhos. PINTE, de acordo com a legenda, a quantidade

Leia mais

QUI106 - Química Analítica Ambiental Aula S08. Química da Atmosfera - Parte II PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS E AS REAÇÕES QUÍMICAS ENVOLVIDAS

QUI106 - Química Analítica Ambiental Aula S08. Química da Atmosfera - Parte II PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS E AS REAÇÕES QUÍMICAS ENVOLVIDAS Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química QUI106 - Química Analítica Ambiental Aula S08 Química da Atmosfera - Parte II PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS

Leia mais

Prof: Marcio Santos Enem 2009

Prof: Marcio Santos Enem 2009 Prof: Marcio Santos Enem 2009 Mapa Mundi Ciências Humanas Aula III Brasil Características Políticas - Nome: República Federativa do Brasil - 5º país do mundo em população - 5º país do mundo em território

Leia mais

Fluxo de energia. e Ciclos biogeoquímicos. Profª Reisila Mendes. BIOLOGIA 1ª série

Fluxo de energia. e Ciclos biogeoquímicos. Profª Reisila Mendes. BIOLOGIA 1ª série Fluxo de energia e Ciclos biogeoquímicos BIOLOGIA 1ª série Profª Reisila Mendes Fluxo de energia na cadeia alimentar Fluxo da matéria nos ecossistemas Ciclo da água 1 precipitação 2 infiltração 3 - evapotranspiração

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Luis F. M. Serrano Consultor: Victor Sette Gripp Período de Referência: 2012 São Paulo, Abril de 2013 Elaboração: INTRODUÇÃO

Leia mais

Elementos e fatores climáticos

Elementos e fatores climáticos Elementos e fatores climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade,

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe;

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; Elementos essenciais a vida: - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; - Micronutrientes principais: Al, Bo, Cr, Zn, Mo e o Co. Bio organismos

Leia mais

O universo das emissões atmosféricas e a atuação do setor industrial

O universo das emissões atmosféricas e a atuação do setor industrial Emissões Atmosféricas O universo das emissões atmosféricas e a atuação do setor industrial 26 Revista Meio Ambiente Industrial Julho/Agosto 2009 Fotos: Holcim A indústria vem buscando, nas últimas décadas,

Leia mais

Química da atmosfera Atmosfera: a vida no planeta

Química da atmosfera Atmosfera: a vida no planeta Atmosfera: a vida no planeta Arnaldo Alves Cardoso Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/

Leia mais

ENERGIA SOLAR VS. ENERGIAS SUJAS. Danielle Beatriz de Sousa Borges Isadora M. Carvalho A. Menezes

ENERGIA SOLAR VS. ENERGIAS SUJAS. Danielle Beatriz de Sousa Borges Isadora M. Carvalho A. Menezes ENERGIA SOLAR VS. ENERGIAS SUJAS Danielle Beatriz de Sousa Borges Isadora M. Carvalho A. Menezes Pibid Física UFTM - 2013 1 ENERGIA LIMPA VS. ENERGIA SUJA VS. ENERGIA NÃO RENOVÁVEL 2 Energias Limpas HIDROELÉTRICAS

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS Biologia e Geologia

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS Biologia e Geologia ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS Biologia e Geologia 10º Ano Nome: N.º Título original: An Inconvenient Truth Título (Portugal): Uma Verdade Inconveniente Realização: Davis Guggenheim Intérprete: Al Gore

Leia mais

FAQ - PROGRAMA REDUZA E COMPENSE CO2

FAQ - PROGRAMA REDUZA E COMPENSE CO2 FAQ - PROGRAMA REDUZA E COMPENSE CO2 1. O que é compensação? 2. O que é CO2? O que são gases de efeito estufa? 3. O que é crédito de carbono? 4. Eu sou obrigado a compensar as minhas emissões? 5. O que

Leia mais

Composição e Estrutura da Atmosfera

Composição e Estrutura da Atmosfera Composição e Estrutura da Atmosfera O meio ambiente global possui 4 domínios: a atmosfera, predominantemente gasosa; a hidrosfera, que engloba a massa líquida planetária; a litosfera, constituída de sua

Leia mais

Reações fotoquímicas. Tatiana Dillenburg Sain t Pierre. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Reações fotoquímicas. Tatiana Dillenburg Sain t Pierre. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Reações fotoquímicas Tatiana Dillenburg Sain t Pierre Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR 1. CONCEITOS

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR 1. CONCEITOS MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR 1. CONCEITOS Qualidade do ar: termo usado, normalmente, para traduzir o grau e poluição no ar que respiramos. Produto da interação de um complexo conjunto de fatores, entre

Leia mais

Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE

Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE CLIMA Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE Curitiba, PR 9 de novembro de 2009 Laura Valente de Macedo, Diretora Regional, ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade, Secretariado

Leia mais

Poluição atmosférica, efeito estufa, chuva ácida, aquecimento global... estamos acabando com nosso Planeta?

Poluição atmosférica, efeito estufa, chuva ácida, aquecimento global... estamos acabando com nosso Planeta? C O L ÉGIO IMPE R AT R I Z L EOPOLDI N A Ensino Médio 3º. Bimestre Revisão para ENEM Série: 2º e 3º Matéria: Química Professor: César Santos Poluição atmosférica, efeito estufa, chuva ácida, aquecimento

Leia mais

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO Profº Júlio César Arrué dos Santos Ciclo da Água Fonte: http://www.aguasdevalongo.net/veolia/infantil/default.asp O ciclo da água que está apresentado

Leia mais

Vegetação Invertida Plantas Deciduais / Caducifólias O Reservatório de Água do Mundo Solos Inférteis Ferro / Alumínio Hoje Simplificado Considerado

Vegetação Invertida Plantas Deciduais / Caducifólias O Reservatório de Água do Mundo Solos Inférteis Ferro / Alumínio Hoje Simplificado Considerado CERRADO - Feio Vegetação Invertida Plantas Deciduais / Caducifólias O Reservatório de Água do Mundo Solos Inférteis Ferro / Alumínio Hoje Simplificado Considerado Por Muito Tempo Feio Duas Estações Bem

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa RL Sistemas de Higiene Ltda. 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA. Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo

GERAÇÃO DE ENERGIA. Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo GERAÇÃO DE ENERGIA Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Tipos de Geração de Energia

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE Mudanças Climáticas Temperatura Precipitação Nível do Mar Saúde Agricultura Florestas Recursos Hídricos Áreas Costeiras Espécies e Áreas Naturais Mudanças Climáticas

Leia mais

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial Seminário de Oportunidades para Financiamento de Projetos de Eficiência Energética e MDL Fundação Getúlio Vargas MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial F U N D A Ç Ã O B R A S I

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

QUI106 - Química Analítica Ambiental. Prof. Rafael Arromba de Sousa

QUI106 - Química Analítica Ambiental. Prof. Rafael Arromba de Sousa Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química QUI106 - Química Analítica Ambiental Aula 7 Química da Atmosfera - Parte II PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS

Leia mais

Capítulo 2 - Poluição

Capítulo 2 - Poluição Capítulo 2 - Poluição Biologia e bioquímica da poluição Poluição Ar Água Solo Ciências do Ambiente Prof. Alessandro de Oliveira Limas Biologia e bioquímica da poluição Caracterização da poluição Alteração

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Química Analítica Ambiental. Aula 5 Química da Atmosfera Parte II

Química Analítica Ambiental. Aula 5 Química da Atmosfera Parte II Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química Química Analítica Ambiental Aula 5 Química da Atmosfera Parte II Profa. Lilian Silva Juiz de For a, 2012 Chuva

Leia mais

Consumo Nacional de Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio CFC.

Consumo Nacional de Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio CFC. Nome do Indicador: Consumo Nacional de Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio CFC. Os clorofluorcarbonos (CFC's) são substâncias artificiais que foram por muito tempo utilizadas nas indústrias de

Leia mais

CONTROLE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL. Contextualização. tratamento com solução química. dissociação de 50% de seus componentes

CONTROLE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL. Contextualização. tratamento com solução química. dissociação de 50% de seus componentes CONTROLE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL Contextualização Fabricação de celulose processo químico digestão da celulose tratamento com solução química dissociação de 50% de seus componentes separação

Leia mais

O MUNDO ONDE VIVEMOS!

O MUNDO ONDE VIVEMOS! O MUNDO ONDE VIVEMOS! PLANETA TERRA BIOSFERA (SERES VIVOS) ATMOSFERA (AR) HIDROSFERA (ÁGUA) LITOSFERA (TERRA) AMBIENTE NO SÉC. S XX A TEMPERATURA DA TERRA AUMENTOU MAIS OU MENOS DE 0,6ºC C A 2ºC. 2 AS

Leia mais

INFLUÊNCIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE DOENÇAS: FERRUGEM DO EUCALIPTO NO BRASIL. Engº Agrônomo, M. Sc. Willian Bucker Moraes

INFLUÊNCIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE DOENÇAS: FERRUGEM DO EUCALIPTO NO BRASIL. Engº Agrônomo, M. Sc. Willian Bucker Moraes UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA - UNESP FACULDADE DE CIENCIAS AGRONOMICAS DEPARTAMENTO DE DEFESA FITOSSANITÁRIA INFLUÊNCIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE DOENÇAS: FERRUGEM

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.570, DE 2013 (Do Sr. Alexandre Leite)

PROJETO DE LEI N.º 5.570, DE 2013 (Do Sr. Alexandre Leite) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.570, DE 2013 (Do Sr. Alexandre Leite) Regulamenta a obrigatoriedade da Neutralização de carbono em eventos realizados as margens de represas, lagos, rios, córregos,

Leia mais

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC RESENHA Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC Por Ana Maria Heuminski de Avila Universidade Estadual de Campinas Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura - CEPAGRI CIDADE

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

O Petróleo é um fonte de energia não renovável, e no momento uma das maiores fontes de energia para a humanidade.

O Petróleo é um fonte de energia não renovável, e no momento uma das maiores fontes de energia para a humanidade. PETRÓLEO Atualmente o Petróleo é um dos recursos naturais de que a nossa sociedade mais depende, pois diversos produtos que conhecemos e utilizamos são derivados desse combustível que move o mundo. O Petróleo

Leia mais

A Biosfera e seus Ecossistemas

A Biosfera e seus Ecossistemas A Biosfera e seus Ecossistemas UNIDADE I ECOLOGIA CAPÍTULO 2 Aula 01 Níveis de organização Hábitat e nicho ecológico Componentes do ecossistema Cadeia e teia alimentar 1. INTRODUÇÃO À ECOLOGIA X Ecologia

Leia mais

Fontes de Energia e Meio Ambiente

Fontes de Energia e Meio Ambiente UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS ICE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Fontes de Energia e Meio Ambiente Alunos: Arina Estefânia Gomes Flávia Campos

Leia mais

O OZONO NA ATMOSFERA. Maria do Anjo Albuquerque

O OZONO NA ATMOSFERA. Maria do Anjo Albuquerque O OZONO NA ATMOSFERA O buraco na camada de ozono é a região sobre Antárctica com um total de 220 ou menos unidades de Dobson A imagem mostra o buraco em outubro de 2004. Imagem obtida pelo satélite Aura

Leia mais

Conteúdo: Aula: 12 assíncrona. Ciclo da água e dos nutrientes. Ciclo do nitrogênio, carbono e oxigênio. CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: Aula: 12 assíncrona. Ciclo da água e dos nutrientes. Ciclo do nitrogênio, carbono e oxigênio. CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula: 12 assíncrona Conteúdo: Ciclo da água e dos nutrientes. Ciclo do nitrogênio, carbono e oxigênio. 2 CONTEÚDO E

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Legislação ambiental 1: uso regular

Legislação ambiental 1: uso regular Os testes tribológicos foram conduzidos em um equipamento específico para este tipo de análise, porque trabalha com pequenas quantidades de materiais (peça, ferramenta e fluído de corte). Tal equipamento

Leia mais