a) Apresentar o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA (NR-09);

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "a) Apresentar o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA (NR-09);"

Transcrição

1 REQUISITOS BÁSICOS DE SMS PARA SERVIÇOS DE CORTE E INÍCIO DOS TRABALHOS Como condição de acesso dos empregados da CONTRATADA e autorização do início dos serviços, a CONTRATADA deve atender e apresentar à FISCALIZAÇÃO as exigências descritas abaixo: a) Apresentar o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA (NR-09); b) Apresentar o Programa de Proteção Respiratória PPR (IN 1, de 11 de abril de 1994), quando aplicável. c) Apresentar o Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PCMSO (NR-07) e Atestado de Saúde Ocupacional ASO (Anexo Tabela 1 de risco e os respectivos exames a serem realizados de acordo com a exposição do empregado); d) Apresentar o Programa de Controle Auditivo - PCA; e) Apresentar a Relação nominal e comprovação de vínculo empregatício de todos os empregados que trabalharão os quais devem participar de briefing de SMS ou Curso Básico de Segurança ministrado pela PETROBRAS; f) A Recomendação de Segurança deve ser divulgada para os empregados que trabalharão na UO e registrada em documento que deve ser entregue cópia a fiscalização; As atividades ou locais especificadas abaixo apresentam seus itens básicos de forma a orientar seletivamente os serviços definidos como não aplicável no BAD para ao atendimento das exigências dos requisitos de SMS. Manutenção ( Oficinas, Almoxarifados, Galpões, Pipe Shop e similares ) Briefing de SMS Curso de Integração do Abastecimento Orientação Básica de Ergonomia Acompanhamento pelo fiscal, ou pessoa designada. Uso de EPIs recomendados pela fiscalização e SMS Reunião inicial para definição, orientação e implementação de medidas de controle. Certificado de capacitação para trabalho em espaço confinado. ÁREA INDUSTRIAL Briefing de SMS Curso de Integração do Abastecimento Orientação Básica de Ergonomia Acompanhamento pelo fiscal, ou pessoa designada. Uso de EPIs recomendados pela fiscalização e SMS Reunião inicial para definição, orientação e implementação de medidas de controle. Certificado de capacitação para trabalho em espaço confinado. Cadeado de LIBRA para visitante/prestador de serviço.

2 Nota 1: Trabalhos sujeitos à sistemática de LIBRA deverão ser classificados como ÁREA INDUSTRIAL Nota 2: Cabe ressaltar que independentemente dos cuidados acima relacionados, aspectos relativos ao cumprimento dos requisitos legais aplicáveis ou outros julgados necessários, a exemplo dos riscos potenciais envolvidos, devem ser considerados. Nota 3: Na evidencia dos riscos considerados na atividade não estarem contemplados nos programas legais da contratada torna-se obrigatório a inserção desses riscos, a ser cobrado pela fiscalização. Nota 4: Os serviços classificados como não aplicável no BAD, a contratada deve atender os seguintes itens: a) A contratada deve evidenciar a capacitação e treinamento da sua força de trabalho, conforme exigências dos requisitos legais, através de registros e outros documentos. b) A sistemática de conscientização deve está alinhada com as exigências de SMS da PETROBRAS. 1. RECOMENDAÇÕES DE SEGURANÇA 1.1. GERENCIAMENTO DOS REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS APLICAVÉIS A CONTRATADA deve atender os requisitos legais.e outros requisitos aplicáveis estabelecidos para Segurança e Saúde no Trabalho e para Meio Ambiente, aplicáveis à sua atividade As metas contratuais que deverão ser atendidas: Realização de DSMS Diálogo de Segurança Meio Ambiente e Saúde Investigação de Acidentes com e sem Afastamento Freqüência nas Reuniões Mensais de Contratadas realizadas pela PETROBRAS. (RC) LVGT Entrega de Relatório Estatístico Mensal - REM dentro do Prazo O Plano de Gestão da Contratada deve contemplar: Definição das atribuições e responsabilidades do responsável pela Gestão de SMS do Contrato.

3 Tratamento de acidentes e incidentes Os Acidentes do Trabalho devem ser comunicados ao INSS através da emissão de CAT, no prazo legalmente estabelecido, com cópia entregue ao Fiscal do Contrato e SMS. Cabe a CONTRATADA a guarda dos documentos originais Os acidentes com lesão, incidentes, desvios críticos e sistêmicos de SMS ocorridos na execução das atividades relacionadas com o objeto do contrato, devem ser investigados pela PETROBRAS Apresentar as evidências de implementação das recomendações provenientes das investigações e análises de acidentes A CONTRATADA deve comunicar imediatamente à FISCALIZAÇÃO e ao SMS qualquer ocorrência anormal com ou sem lesão e impactos ambientais significativos com ou sem dano ambiental Apresentar Plano de Atendimento ao Acidentado, que deve ser validado pela fiscalização e SMS Indicadores reativos Apresentar mensalmente (até o 5º dia útil do mês subseqüente), o Resumo Estatístico Mensal REM, contendo: Inspeções a) Programas de inspeção do local de trabalho, com vistas a identificar e corrigir situações que apresentem riscos de SMS, pelo menos uma vez por semana. b) Programa de Inspeções de SMS para máquinas e equipamentos pesados, pelo menos uma vez por mês (inclusive na mobilização). c) Programa de Inspeções de ferramentas manuais e pequenos equipamentos, pelo menos uma vez por mês. d) Programa de Inspeções para cabos e outros dispositivos de içamento de cargas, pelo menos uma vez por mês Cessão, subcessão, subcontratação e aquisição de bens Apresentar e implementar um mecanismo para garantir que as empresas subcontratadas ou cessionárias, autorizadas pela Petrobras, atendam a todos os Requisitos de SMS aplicáveis aos serviços contratados.

4 Apresentar e implementar um mecanismo para garantir se os produtos e equipamentos a serem adquiridos atendem as exigências de qualidade e segurança, meio ambiente e saúde (QSMS) EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI A CONTRATADA deverá fornecer, obrigatoriamente a todos os seus empregados, gratuitamente, EPIs aprovados pelo Ministério do Trabalho, com CA estampado no equipamento Independente das exigências dos requisitos legais ou características específicas do trabalho, exceto para as atividades desenvolvidas exclusivamente nos escritórios, a CONTRATADA deverá fornecer aos seus empregados, no mínimo, os seguintes EPI: a) Calçado de segurança. b) Capacete de segurança. c) Óculos de segurança. d) Luva de segurança. e) Protetor auricular Para os trabalhos onde haja a necessidade do uso de Cinto de Segurança, esse deve ser do tipo pára-quedista, Talabart Duplo: Com fita em 100% poliéster de alta resistência, atóxicos e que não propaguem chama, mosquetões de 53 mm, em aço forjado e com trava dupla (abertura de 22mm ou 50mm), com 1.60 m de comprimento. Nota: O uso do absorvedor de energia ou dispositivo retrátil deverá ser utilizado onde exista a possibilidade de queda livre igual ou superior a 6,0 (seis) metros PERMISSÃO DE TRABALHO (RE) LVGT- 117 Quando Aplicável Todo trabalho a ser realizado, em área previamente definida, e informada pela PETROBRAS, deve ser precedido de uma autorização por escrito, denominada Permissão para Trabalho PT, a ser emitida por empregado da PETROBRAS responsável pela área ou equipamento, podendo ser requisitada por empregado da CONTRATADA, devidamente credenciado junto a UNIDADE ORGANIZACIONAL A CONTRATADA deverá indicar por escrito a FISCALIZAÇÃO, as pessoas que, sob sua total responsabilidade, a representarão como requisitantes de PT. Essas pessoas só poderão requisitar PT após receber treinamento específico pelo SMS, com: a) Duração mínima de 08 (oito) horas; b) Obtenção de aproveitamento de 90% na avaliação escrita ao final do treinamento com validade de 24 (vinte e quatro) meses. Nota: O empregado que obtiver aproveitamento inferior a 90% será reprovado.

5 4.1. SERVIÇOS EM ALTURA (RE) LVGT- 119 Quando Aplicável Quando contrato exigir que a CONTRATADA execute serviços em altura, externa ou internamente a equipamentos e instalações, esta deverá fornecer Procedimento Especifico, em obediência à Norma Regulamentadora NR18, bem como as instruções complementares emitidas pela FISCALIZAÇÃO/SMS Quando e onde previsto instalação de balancins, os mesmos devem ser suspensos por cabos de aço, com sistema auto-trava Os trabalhadores deverão utilizar cinto de segurança, tipo pára-quedista e sistema de cabos individuais, independente do sistema de balancins, dotados de trava-quedas Não será permitido o uso de cordas de sisal, produtos sintéticos ou similares, conforme NR-18 e subitem da Lei Nos casos de uso de andaimes industriais, deverão estar de acordo com a Norma ABNT NBR-6494 e NR Todo acesso á escada vertical, superior a 4,5 metros deve ser dotado de cabo guia para trava-quedas Os cintos de segurança deverão ser do tipo pára-quedista com duplo talabarte. com absorvedor de impacto ou dispositivo retrátil TRANSPORTE E MOVIMENTAÇÃO DE PESSOAS E CARGAS (RE) LVGT- 123 Quando Aplicável Não será permitido o transporte de pessoas em veículos impróprios (ex.: veículos de carga) Os veículos destinados ao transporte de passageiros e de materiais deverão satisfazer, além das exigências previstas no Código Nacional de Trânsito, às condições técnicas e aos requisitos de segurança, higiene e conforto, conforme artigo 107 do CTB Serão exigidos, cursos de direção defensiva e primeiros socorros para os motoristas de veículos, bem como para os operadores de máquinas A CONTRATADA deverá fornecer os transportes necessários ao deslocamento de seus empregados na área interna da UNIDADE ORGANIZACIONAL Nas operações de carga, transporte, descarga, transbordo, limpeza e descontaminação dos veículos e equipamentos utilizados no transporte de produtos perigosos, a CONTRATADA deve, dentre outros requisitos, portar rótulos de risco e painéis de segurança específicos, de acordo com a legislação vigente Os veículos utilizados no transporte de produtos perigosos só poderão entrar na área da UNIDADE ORGANIZACIONAL após verificação do atendimento aos requisitos legais Todo veículo, máquina e equipamento, com motor a explosão, que tenha que adentrar as unidades operacionais, devem ter instalado, em seu escape, dispositivo corta-chama O transporte dos empregados da CONTRATADA para a UNIDADE ORGANIZACIONAL e vice-versa deverá ser feito em veículos, com uso máximo de 10 anos, apropriados para passageiros de acordo com a N.R. 18 da Portaria 3214, de 08 de junho de Todas as poltronas devem ser dotadas de cinto de segurança e os passageiros devem utilizá-los durante todo o trajeto.

6 O transporte de cargas deverá ser efetuado em veículos adequados, não sendo permitido o transporte simultâneo de cargas e de passageiros Na movimentação e transporte de pessoal e cargas, a CONTRATADA deve obedecer aos critérios da Petrobras, estabelecidos na norma de Trânsito e no padrão de Transporte e Movimentação de Carga ALIMENTAÇÃO As refeições servidas pela CONTRATADA aos seus empregados deverão seguir os padrões do PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador Portaria 87, de , do Ministério do Trabalho) e de outros requisitos legais aplicáveis. A CONTRATADA deverá apresentar à FISCALIZAÇÃO, no início dos serviços, cópia do registro no PAT, do restaurante fornecedor da alimentação aos seus empregados É proibido fazer as refeições ou consumir alimentos nas frentes de trabalho ou em qualquer outro local fora do (s) restaurante(s) ou refeitório(s) No fornecimento de alimentação aos seus empregados, a CONTRATADA deverá utilizarse de embalagem apropriada, de forma a manter boas condições de higiene e temperatura ideal para o consumo além do que os talheres deverão ser higienizados Nas frentes de trabalho deverá ser fornecida água potável, através de bebedouro ou com utilização de vasilhames e fornecimento de copos descartáveis, sendo a temperatura apropriada para o consumo No fornecimento de lanche, todos os itens devem ser devidamente embalados de acordo com a natureza e consistência, exceto os produtos embalados pelo fabricante. Não será aceito uso de saco plástico para servir produtos líquidos A contratada deverá apresentar à fiscalização, o Alvará da Vigilância Sanitária do fornecedor de alimentação. 2. AUTORIDADE E RESPONSABILIDADE 2.1. A CONTRATADA é responsável pelos atos de seus empregados e de suas subcontratadas, por quaisquer conseqüências cíveis e criminais decorrentes de inobservância de quaisquer leis, normas e regulamentos de Segurança Industrial, Saúde Ocupacional e Proteção ao Meio Ambiente vigentes no país. Não serão aceitas alegações de desconhecimento, pela CONTRATADA, das normas e regulamentos de Segurança Industrial, Saúde Ocupacional e Proteção ao Meio Ambiente, vigentes na PETROBRAS, ainda que as mesmas não estejam anexas ao presente documento, pois tais informações estão disponíveis para consulta no órgão gerenciador do contrato. Em complemento, a PETROBRAS disponibilizará informações sobre riscos potenciais existentes, visando subsidiar a CONTRATADA na elaboração de programas específicos sobre SMS e na emissão de laudos técnicos para fins de aposentadorias especiais, previstos na legislação vigente O não atendimento destas exigências poderá implicar na interrupção dos trabalhos, bem como as penalidades contratuais cabíveis. Poderá ocorrer a interrupção de qualquer trabalho no qual seja evidenciado risco iminente, que ameace a segurança, a saúde, o meio ambiente e o patrimônio A CONTRATADA deve proporcionar todas as condições para que a FISCALIZAÇÃO, ou qualquer outro órgão da UNIDADE ORGANIZACIONAL efetue inspeção periódica em suas instalações, verificando: a) O cumprimento dos requisitos legais; b) O estado de conservação dos dispositivos e equipamentos de proteção pessoal e das instalações; c) As condições dos veículos, máquinas e equipamentos;

7 d) A observância dos regulamentos, normas, bem como destas Instruções As dúvidas na interpretação deste requisito devem ser esclarecidas junto à FISCALIZAÇÃO do contrato ou com a área de Saúde, Meio Ambiente e Segurança Industrial SESMT Qualquer autuação da CONTRATADA, dentro da área da PETROBRAS, feita pela fiscalização do Ministério do Trabalho, ensejará a aplicação de multa por parte da PETROBRAS. Se a UNIDADE ORGANIZACIONAL for autuada pelo Ministério do Trabalho em decorrência do não cumprimento da legislação por parte da CONTRATADA, caberá a esta última ressarcir a PETROBRAS o valor equivalente A PETROBRAS se reserva o direito de fazer outras exigências com respeito à Segurança Industrial, Medicina do Trabalho e Meio Ambiente, sempre que julgue necessário para a proteção dos trabalhadores, do meio ambiente e dos equipamentos. As seguintes recomendações de Segurança, saúde e proteção ao meio ambiente foram elaboradas especialmente para evitar ocorrências de acidente, garantindo a saúde, o bem estar e a qualidade de vida dos prestadores serviços na área da UO devem ser passadas para os empregados das empresas contratadas. 1. Tome conhecimento dos riscos existentes na área onde vai realizar o serviço, bem como daqueles intrínsecos ao próprio serviço. 2. Conheça bem o trabalho que tem a fazer antes de iniciá-lo. 3. Em caso de dúvida consulte o seu supervisor ou empregado na UO. 4. Não fique sem acompanhamento de empregado na UO na área industrial (Processamento, Estocagem, Utilidades, Laboratório e Oficinas) 5. Não mexa nem toque nos equipamentos da Refinaria sem autorização por escrito (PT). 6. Obedeça a sinalização de Segurança existente na área quanto à velocidade máxima permitida, 30Km/hora, área interditada, proibido fumar, uso de equipamento de proteção individual, alta tensão, cuidados com produtos químicos, radioatividade, etc.. 7. Deixe a chave de ignição de seu veículo no contato e não trave as portas, exceto nos lugares onde haja sinalização autorizando o contrário. 8. Estacione o veículo de ré. 9. Mantenha limpo e em boa ordem o lugar onde está trabalhando. 10. Uso obrigatório botas, capacete, óculos de segurança, protetores auriculares e demais equipamentos de proteção individual. 11. O uniforme deve ser 100% (cem por cento) de algodão, tendo mangas longas. 12. Avise seu encarregado, ou empregado Petrobras, sobre qualquer anormalidade que possa causar incêndio, impacto ao meio ambiente ou acidente pessoal. 13. Não obstrua passagens, canaletas de drenagem, ruas e equipamentos de Controle a Incêndios/Emergências. 14. Siga as recomendações de emergência da UO. 15. Toda tarefa a ser realizada dentro da área industrial da refinaria necessita de PERMISSÃO PARA TRABALHO escrita. 16. Não adentre áreas interditadas. Em caso de necessidade consulte o pessoal da SEGURANÇA INDUSTRIAL. Em caso de EMERGÊNCIA disque Não participe de brincadeiras, nem seja responsável por elas no local de trabalho.

8 18. Se no local em que você estiver trabalhando ocorrer alguma Emergência desligue possíveis fontes de ignição com as quais estiver trabalhando. Não trabalhe em locais elevados sem uso do cinto de segurança. 19. Verifique se a máquina com a qual irá trabalhar apresenta condições normais de funcionamento e está aterrada. 20. Ligue ferramentas e equipamentos elétricos com plugues apropriados às tomadas na UO. Não improvise emendas. 21. Após o serviço, certifique-se de que as máquinas foram desligadas. 22. Feche os cilindros de gases após o uso. 23. Não mexa nas prevenções de Segurança. Obedeça às instruções constantes da Permissão para Trabalho que lhe será fornecida no início do trabalho. 24. É proibido o uso de lonas comuns na refinaria. Só utilize lonas antichama (não propagadoras de chama, auto-extinguiveis) 25. É proibido mexer em abrigos de mangueiras de incêndio. 26. Leia com atenção e aplique os procedimentos constantes do manual de padrões mínimos de segurança. 27. Apresente-se imediatamente no serviço médico se sofrer algum acidente. 28. Serviços em áreas descampadas ou em elevações serão imediatamente interrompidos em casos de chuvas ou descargas atmosféricas. 29. Não são permitidos o uso e o porte de celulares e pagers na área industrial. Outros equipamentos eletrônicos (ex.: máquinas fotográficas, filmadoras) também estão proibidos exceto quando haja autorização expressa de alguém responsável da Petrobras. Tabela 1 EXAMES MÉDICOS COMPLEMENTARES RISCO AGENTE EXAME PERIODICIDADE Físico Ruído Radiações Ionizantes Audiometria Hemograma Completo e Plaquetas Admissional, 06 meses após, e depois, Anual e Admissional e Semestral Radiações não ionizantes e luminosas Exame Oftalmológico Geral Admissional e Anual Poeiras não Fibrogênicas/ Fumos Metálicos RX Tórax e Espirometria Admissional e Bienal Poeiras Fibrogênicas RX Tórax Espirometria Admissional e Anual Admissional e Bienal Químico Tolueno e Xileno Ácido Hipúrico (Tolueno) e Ácido Metilhipúrico (Xileno) Admissional semestral ou a Critério Médico Benzeno Hemograma Completo, Plaquetas + Reticulócitos Ácido Transtransmucônico Admissional e Semestral Admissional, Anual e a Critério Médico Gases e Vapores em geral Hemograma Completo, Plaquetas Admissional, Anual e Solventes em geral TGO e TGP Admissional, Anual e

9 Biológico (Profissionais da Saúde) ANEXO 3 Bactérias, Fungos, Vírus, Protozoários Anti-HBs, Anti-HBc, Anti-HCV e HBsAg A critério da área local de saúde da unidade RISCO Função/Trabalhos EXAME PERIODICIDADE Acidentes Motorista, Operadores de Veículos Industriais (Operadores de Munck, Operadores de Empilhadeiras, Operadores de Guindastes), Operadores de Retro- Escavadeiras, Trabalhos em Altura, Trabalhos em Espaços Confinados, Trabalhos com Vasos de Pressão, Serviços envolvendo eletricidade Atividades laborativas que impliquem em porte de arma Glicemia, Gama GT, Oftalmológico, ECG EEG Glicemia, Gama GT, Oftalmológico, ECG EEG Avaliação psicológica - exame psicotécnico (Lei nº 7120/83), Exame Psiquiátrico, Exame Oftalmológico Admissional, Anual Admissional e Bienal Admissional, Anual Admissional e Bienal Anual

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a A aplicação de uma competente estratégia pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento de um programa de proteção contra quedas, bem como justificar o tempo investido em sua elaboração e administração.

Leia mais

O QUE É A NR 35? E-Book

O QUE É A NR 35? E-Book Nós da DPS Consultoria e Assessoria em Segurança do Trabalho, queremos inicialmente manifestar nossa satisfação pelo seu interesse em nosso E-book. Nossa meta é proporcionar a você um material para auxiliar

Leia mais

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa.

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa. Responsável Técnico: Eduardo Machado Homem Gerência de Segurança do Trabalho Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1 OBJETIVO Nº: PRO-3209-74-24-03

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6 1 OBJETIVO PÁG: 1 de 6 Estabelecer os princípios básicos para o uso de protetores auditivos na CP SOLUÇÕES. Facilitar a administração de todas as etapas para atender ao disposto no PCA Programa de Conservação

Leia mais

21/05/2013. A natureza equipou os seres com Equipamento de proteção natural. Gianfranco Pampalon. E o homem, a natureza equipou com inteligência...

21/05/2013. A natureza equipou os seres com Equipamento de proteção natural. Gianfranco Pampalon. E o homem, a natureza equipou com inteligência... A natureza equipou os seres com Equipamento de proteção natural Gianfranco Pampalon E o homem, a natureza equipou com inteligência... 1 Definição: 6.1 EPI é todo dispositivo ou produto, de uso individual

Leia mais

ANEXO III - EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Página 1 de 7

ANEXO III - EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Página 1 de 7 Página 1 de 7 1. OBJETIVO 1.1. Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações e procedimentos concernentes às atividades de Segurança, Proteção ao

Leia mais

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Transcrito pela Nutri Safety * 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12 PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12 Este procedimento tem por objetivo estabelecer os critérios a serem observados pelas empresas e suas subcontratadas com relação

Leia mais

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 6 E P I Equipamento de Proteção Individual Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A sexta Norma Regulamentadora, cujo título é Equipamento de Proteção Individual (EPI), estabelece: definições legais,

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho V FORUM - NR 32 São Paulo 09.06.2010 Noeli Martins auditora fiscal do trabalho médica do trabalho PORTARIA MTE 3214/78-33 Normas Regulamentadoras NR 01 Disposições Gerais NR 02 Inspeção Prévia NR 03 Embargo

Leia mais

Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes. Luciana Affonso Gerente Mkt

Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes. Luciana Affonso Gerente Mkt Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes Luciana Affonso Gerente Mkt SP, Agosto 2010 Definição EPI NR6 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

ANEXO IV - DIRETRIZES DE SEGURANÇA, MEIO- AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO IV - DIRETRIZES DE SEGURANÇA, MEIO- AMBIENTE E SAÚDE Página 1 de 11 ÍNDICE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS A PARA LICITAÇÃO ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. F REV. G DATA 30/01/09 10/07/09 EXECUÇÃO THIAGO THIAGO VERIFICAÇÃO THIAGO

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 1 pág de 16 Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 2 pág de 16 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE ANEXO Q12.6 NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS CD-70-911-CPG-003 1 / 7 ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

Procedimento de Segurança para Execução de Serviços

Procedimento de Segurança para Execução de Serviços Procedimento de Segurança para Execução de Serviços 1. OBJETIVO: Este procedimento tem como objetivo estabelecer requisitos básicos de segurança na execução de serviços realizados por empresa contratada

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PORTARIA N.º 30, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 Divulgar para consulta pública a proposta de texto de criação da Norma Regulamentadora N. º 31 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. A SECRETÁRIA

Leia mais

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO Elaborado por Ana Karolina Kalil Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 25/04/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

À Prova de Respingos (IP44)

À Prova de Respingos (IP44) 1 APLICAÇÃO: O Acionamento Elétrico Dupla Isolação são utilizados para acionar os vibradores de imersão pendular de concreto e bombas de mangotes, foi desenvolvido dentro das normas NR-10 para máxima segurança

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1 - Do Objeto e Campo de Aplicação Item 9.1 da NR 9 alterado pelo art. 1º da Portaria SSST nº 25 - DOU 30/12/1994 - Republicada

Leia mais

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO República de Angola Ministério da Energia e Águas GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO Guia de recomendações e orientações para a operação e a manutenção Emissão: MINEA/DNEE Dezembro

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

Manual de Instalação e Operações

Manual de Instalação e Operações Manual de Instalação e Operações Acionador On/Off Bivolt Sistema de Aquecimento para banheira de hidromassagem PARA SUA SEGURANÇA: Antes de Instalar este produto, leia atentamente este manual de instruções.

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE SMS 1 de 20 Í N D I C E D E R E V I S Õ E S REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 EMISSÃO PARA APROVAÇÃO A ORIGINAL Rev. A Rev. B Rev. C Rev. D Rev. E Rev. F Rev. G Rev.

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/6 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 INFORMATIVO 13/2015

Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 INFORMATIVO 13/2015 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di INFORMATIVO 13/2015 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS COM RADIAÇÕES IONIZANTES OU SUBSTÂNCIAS RADIOATIVAS: MTE DIVULGA NOTA EXPLICATIVA Portaria MTE nº

Leia mais

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1 Portaria nº 3.214, de 08 de Junho de 1978 O Ministro de Estado, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no Artigo 200, da Consolidação das Leis do Trabalho,

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas SEGURANÇA DO TRABALHO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Concórdia- SC 2014 1 EDICLÉIA KARINE

Leia mais

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA JANEIRO / 2014 DADOS DA EMPRESA Razão Social: MOBRA SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA LTDA. CGC: 87.134.086/0001-23, Endereço:

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI SETOR DE ZELADORIA HOSPITAL VETERINÁRIO

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI SETOR DE ZELADORIA HOSPITAL VETERINÁRIO EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI SETOR DE ZELADORIA HOSPITAL VETERINÁRIO Danielle Vargas TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 art. 6º - são direitos sociais a educação,

Leia mais

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA PROCEDIMENTO PARA ENTREGA DE DOCUMENTOS PARA ACESSO Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) Segue procedimento que deverá ser seguido exatamente como orientado para que o serviço contratado seja

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Conjunto de medidas educacionais, técnicas, médicas e psicológicas adotadas com o objetivo de prevenir acidentes. As causas de um acidente: a) condição insegura: Tal condição

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 194 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2010 (DOU de 08/12/10 Seção 1 Pág. 85) Altera a Norma

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA NÚMERO /DATA 009/01-25/10/2001 ORIGEM SRF/RFFC/ER-6 1.1 Tendo em vista que o contrato firmado com a Sul América não prevê a realização de exames admissionais,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS Anexo 3 do PRO-3209-74-24-03 Pág.: 1 de 5 RECOMENDAÇÕES GERAIS: - Não serão permitidos eletricistas da contratada intervirem nas instalações da contratante,

Leia mais

Proteção para os prestadores de primeiros socorros: evitar contato cutâneo e inalatório com o produto durante o processo.

Proteção para os prestadores de primeiros socorros: evitar contato cutâneo e inalatório com o produto durante o processo. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: OIL TREATMENT Aplicação: Aditivo concentrado para óleo de motor. Fornecedor: Orbi Quimica Ltda. Avenida Maria Helena, 600 - Leme SP Brasil - CEP

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Revisão: 00 Folha: 1 / 10 1. Definição CIPA Acidente 2. Objetivo A CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho

Leia mais

VM - Zinco - TM Código. Documento de Dados Revisão 1.1 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO DE HSMQ E DHO PARA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

VM - Zinco - TM Código. Documento de Dados Revisão 1.1 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO DE HSMQ E DHO PARA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS TM--087 Páginas 1 / 13 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO DE E DHO PARA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS Todos os prestadores de serviços para a Votorantim Metais devem apresentar a documentação completa, conforme categoria

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas SEGURANÇA DO TRABALHO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MODELO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NOME DA EMPRESA PERÍODO Dia / Mês / Ano a Dia / Mês / Ano 1 SUMÁRIO 3 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 4 4 OBJETIVO GERAL CONDIÇÕES PRELIMINARES 5 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O Moto Vibrador a Gasolina é utilizado para acionar os vibradores de imersão pendular de concreto e bombas de mangotes.

O Moto Vibrador a Gasolina é utilizado para acionar os vibradores de imersão pendular de concreto e bombas de mangotes. 1 APLICAÇÃO: O Moto Vibrador a Gasolina é utilizado para acionar os vibradores de imersão pendular de concreto e bombas de mangotes. ESPECIFICAÇÃO: Motor Gasolina: MODELO Potência Rotação Peso MGK-5.5

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção

Leia mais

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho 1 ME-01 REV00 13 3 1 2 14 9 10 12 4 5 6 7 11 8 1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho da porta

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA PARA EMPRESAS PARCEIRAS

MANUAL DE SEGURANÇA PARA EMPRESAS PARCEIRAS TÍTULO CÓDIGO PG-00-SQ-900 REVISÃO ÁREA DE CONTROLE SQ MANUAL DE SEGURANÇA PARA EMPRESAS PARCEIRAS PÁGINA 05 1/15 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. DESCRIÇÃO 4.1 Responsabilidades 4.2

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Fernando A. Ishida Tharik Honda Luan Felipe

Leia mais

APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: 031395948-01 ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº 118-01/0299-153.

APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: 031395948-01 ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº 118-01/0299-153. APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: 031395948-01 ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº 118-01/0299-153.092/00453-01-01 INSCRITO PELA A EMPRESA SINDOSCON SINDICATO DA INDÚSTRIA DE

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

Atos Administrativos. PREFEITURA DE JACOBINA/BA www.sitiosoficiais.org/ba/prefeitura/jacobina JACOBINA, BAHIA SEGUNDA-FEIRA 28 DE MAIO DE 2012

Atos Administrativos. PREFEITURA DE JACOBINA/BA www.sitiosoficiais.org/ba/prefeitura/jacobina JACOBINA, BAHIA SEGUNDA-FEIRA 28 DE MAIO DE 2012 2 Atos Administrativos 3 Condicionantes Comprar madeira devidamente legalizada, e com Certificação Ambiental; Nas operações de corte de madeira, utilizardispositivo empurrador e guia de alinhamento; Devido

Leia mais

Edital Nº. 08/2009-DIGPE 13 de dezembro de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 08/2009-DIGPE 13 de dezembro de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas HIGIENE E SAÚDE DO TRABALHO Edital Nº. 08/2009-DIGPE 13 de dezembro de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para Substituição e Manutenção de Chaves Fusíveis de Transformador em rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

MANUAL PARA MONTADORAS

MANUAL PARA MONTADORAS MANUAL PARA MONTADORAS 1. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO EVENTO: De 11 a 15 de Abril de 2016, das 08:00 às 18:00h. 2. PERÍODO DE MONTAGENS E DESMONTAGENS DOS STANDS Período de montagem de stands será de 21/03/2016

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas Autora Patrícia Lins de Paula A NR-20, Norma Regulamentadora 20 do Ministério do Trabalho e Emprego, trata

Leia mais

NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL

NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL PROCEDIMENTO INTERNO PARA INGRESSO DE COLABORADORES DAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS FLORESTAIS HISTÓRICO DAS REVISÕES: REVISÃO DESCRIÇÃO 01 Criação do procedimento 11/2007

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 Regulamenta a Lei nº 16.478/99, publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 23.02.99 CAPÍTULO I OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Art. 1º Estas normas têm

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0009-2014. CARGO: Engenheiro de Segurança do Trabalho MANAUS. SESI - Amazonas

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0009-2014. CARGO: Engenheiro de Segurança do Trabalho MANAUS. SESI - Amazonas COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0009-2014 CARGO: Engenheiro de Segurança do Trabalho MANAUS SESI - Amazonas O Departamento de Gestão de Pessoas do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Amazonas

Leia mais

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h.

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. 1 ANO DE GARANTIA SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR Manual de Instruções L I G U E G R Á T I S 0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. M.K. Eletrodomésticos Ltda. Estrada

Leia mais

Legislação de aprovação de produtos. Responsabilidades INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial

Legislação de aprovação de produtos. Responsabilidades INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Legislação de aprovação de produtos O processo de aprovação envolve 5 partes: Processos de Aprovação Brasil Silvia Pini Arruda Silvia.pini@msasafety.com 11 40705997 Ministério do trabalho (governo); Agência

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Determinar a metodologia para substituição de condutor de média tensão, em vão de rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO, se configura em uma obrigatoriedade legal a ser cumprida por todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores

Leia mais

Portaria Inmetro nº 388/2012 Códigos SGI 03807, 03808 e 03809

Portaria Inmetro nº 388/2012 Códigos SGI 03807, 03808 e 03809 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 41 Conforme o Artigo 193, da Lei 6.514, são consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA. REVISÃO 11/2010 1 INTRODUÇÃO A adoção das novas especificações técnicas dos equipamentos

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos e condições mínimas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento.

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2 Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. Aviso Importante Certifique-se de verificar o nível de óleo como é descrito a seguir: 1. Nível

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZES DE SGSSO PARA PRESTADORES DE SERVIÇO E DE FORNECEDORES CRÍTICOS.

MANUAL DE DIRETRIZES DE SGSSO PARA PRESTADORES DE SERVIÇO E DE FORNECEDORES CRÍTICOS. MANUAL DE DIRETRIZES DE SGSSO PARA PRESTADORES DE SERVIÇO E DE FORNECEDORES CRÍTICOS. Este manual de Diretrizes para Fornecedores e Prestadores de Serviço, tem como objetivo: informar os requisitos necessários

Leia mais

Portaria nº 1109 de 10 de dezembro de 2010

Portaria nº 1109 de 10 de dezembro de 2010 Portaria nº 1109 de 10 de dezembro de 2010 Dispõe sobre a Política de Segurança e Saúde no Trabalho e de Prevenção de Riscos Ocupacionais no âmbito da UFJF. A Pró-Reitora de Recursos Humanos da Universidade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 06)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 06) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 06) Oficina 06 Controles Operacionais de SST Regras Gerais de SST 4.4.6 Controle Operacional A organização deve determinar aquelas

Leia mais

Atualmente o uso desses é regulamentado pela NR-6 (Norma Regulamentadora).

Atualmente o uso desses é regulamentado pela NR-6 (Norma Regulamentadora). Introdução Os acidentes do trabalho constituem a face visível de um processo de desgaste e destruição física de parcela da força de trabalho no sistema capitalista. O Brasil, depois de ocupar durante a

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais