Sistema Telemétrico Autônomo para Monitoramento e Automação de Malhas Metroferroviárias. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Telemétrico Autônomo para Monitoramento e Automação de Malhas Metroferroviárias. Resumo"

Transcrição

1 Sistema Telemétrico Autônomo para Monitoramento e Automação de Malhas Metroferroviárias Resumo O presente trabalho descreve um novo método para monitoramento e rastreamento de trens, baseado na transmissão de sinais via radiofrequência, composto por sensores estrategicamente posicionados no trem e ao longo da via. Para seu funcionamento, o sistema de supervisão e controle receberá os dados enviados pela intranet, o que lhe permitirá avaliar a posição e velocidade do trem. Mediante os endereços de cada dispositivo na rede de sensores, o sistema será capaz de obter a localização e exibir em uma tela o rastreamento dos trens, possibilitando ao controlador ter uma visão geral do posicionamento de cada trem em toda a malha ferroviária. Além disso, a velocidade é monitorada. Sabendo da velocidade e da localização do trem, o controlador de tráfego poderá realizar estratégias operacionais, a fim de agilizar o tráfego e reduzir o tempo de espera dos passageiros. Introdução Este trabalho propõe um sistema de localização e monitoramento de trens baseado no protocolo ZigBee de comunicação. O padrão ZigBee/IEEE de comunicação tem sido utilizado em sistemas de medição em várias áreas (Hwang e Baek 2007, Bucci et al 2002, Dunbar 2001, Ramamurthy et al 2007, Ferrari et al 2006, Ferrigno et al 2005, Wheeler 2007, Tsai et al 2007). Isso se deve, entre vários fatores, ao fato de ser uma tecnologia de baixo custo, baixo consumo, confiável e suportar um grande número de nós (Ciardiello 2005, Egan 2005, Poole 2004). Os métodos convencionais de manutenção e monitoramento de trens baseados em inspeção periódica podem não ser suficientes para evitar alguns defeitos operacionais (Aboelela et al 2006). Por isso, nos últimos anos estão sendo feitos vários estudos para viabilização de sistemas que permitam o monitoramento de trens em tempo real. Em Aboelela et al (2006), é proposto um sistema de algoritmo peculiar, que utiliza uma rede de sensores sem fio para monitoramento da linha para diagnosticar e prevenir possíveis falhas. Nesse sistema, os sensores estão dispostos ao longo da via, e os dados relativos às medidas dos trilhos são transmitidos para as estações bases. Outras técnicas têm sido utilizadas para o diagnóstico de falhas em linhas férreas utilizando sensores na própria via. Em Delprete e Rosso (2008), é verificado o desgaste por fadiga dos trilhos e o risco de quebra utilizando strain gauges. Em Kenneth et al (2008), é proposto um sistema telemétrico que utiliza link Radiofrequência (RF) e dual probe-fed radiating cavities, fornecendo a tensão e a deformação sofrida pelos trilhos. Os sistemas que utilizam sensores ao longo da via geralmente apresentam alto custo quando comparados aos sistemas cujos sensores estão localizados nos trens, devido à grande quantidade de sensores necessários para ter um bom desempenho. Outro ponto que se deve observar é o tempo de vida desses sistemas, cujos sensores estão sujeitos a intempéries e ao vandalismo. 1

2 Mirabadi et al (1999) propôs um "sistema de navegação a bordo do comboio" OTNS (Onboard Train Navigation System), método que permite o diagnóstico de falhas e identificação da localização dos trens em uma ferrovia com radar Doppler, balizas de base (ou balizas) e sensores de giroscópios. Em Nejikovsky e Keller (2000), GPS (Global Positioning System) receptores são usados em combinação com o transceptor sem fio, fornecendo as coordenadas do trem a uma estação de controle central equipado com Sistemas de Informação Geográfica (SIG) baseado em terminais. Ao mesmo tempo, os sensores associados ao transceptor emitem diversos eventos relacionados com o trem em movimento. O sistema proposto, assim como o Nejikovsky e Keller (2000), apresenta a vantagem do monitoramento remoto em uma estação base, que permite tomadas de decisões e envios de sinais de controle baseados em dados de tráfego da via. Essa característica não é observada em Mirabadi et al (1999), onde as informações são disponibilizadas apenas no próprio trem em movimento, e em Aboelela et al (2006), Delprete e Rosso (2008) e Kenneth et al (2008), onde o monitoramento é feito através das linhas férreas. O sistema apresentado neste trabalho também evita as falhas por interferência eletromagnética observadas em sistemas que utilizam receptores GPS quando o trem está trafegando em túneis (Bertran e Delgado-Penín 2004), como em Nejikovsky e Keller (2000). Além disso, apresenta um custo mais baixo. Uma rede ZigBee permite a formação de grande redes de sensores, suportando mais de nós (Ciardiello 2005). No sistema ora apresentado, em uma ou mais centrais de monitoramento são captadas as informações fornecidas pelos sensores a bordo, assim como a localização dos trens em tempo real. Isso permite estudos de simuladores ou de automação de tráfego, visando a uma significante economia de energia e minimizando a deteriorização de equipamentos (Leahy et al 1993). O sistema proposto neste trabalho consiste de um OTNS, que utiliza sensores integrados para os módulos ZigBee a bordo do trem em movimento, permitindo o monitoramento dos parâmetros de desempenho dinâmico do veículo, como a velocidade do trem e a localização na via. O sistema proposto utiliza tecnologia ZigBee e permite a automação de sistemas metroviários para o monitoramento wireless de trens de forma segura, de baixíssimo custo e boa precisão. Redes de Sensores Sem Fio com ZigBee Durante o percurso do trem, diferentes sinais serão enviados da cabine dos trens para uma estação base com a ajuda de roteadores. Para captação desses sinais, será montada uma rede de sensores sem fio (RSSF) por toda a via onde os trens trafegam. Para comunicação entre os nós da rede, é utilizada a tecnologia ZigBee. O protocolo ZigBee é desenvolvido por uma aliança de empresas de diferentes segmentos do mercado chamada "ZigBee Alliance" e segue o padrão IEEE para implementação das camadas MAC (Medium Access Control) e PHY (Physical Layer). As demais camadas do protocolo são definidas pela ZigBee Alliance. 2

3 O ZigBee oferece atualmente interfaces com velocidade de conexão de 250kbps, opera em frequências livres de até 2,4GHz e possui um alcance de transmissão de até 1.600m, dependendo diretamente da potência dos equipamentos e de características ambientais (obstáculos físicos, interferência eletromagnética, etc.). Ele apresenta algumas vantagens importantes sobre os demais protocolos de comunicação, como o WiFi e Bluetooth, por exemplo. Seu consumo de energia é geralmente mais baixo que nas redes com WiFi ou Bluetooth. Uma característica importante do ZigBee que o diferencia dos outros protocolos é que ele permite expandir uma rede por meio de milhares de nós. Teoricamente, uma rede ZigBee pode conter cerca de nós, embora, na prática, não é recomendável exceder nós em uma rede (Ascariz 2007). Outra vantagem do protocolo ZigBee é a velocidade com que novos nós podem ser adicionados à rede: 30 ms; enquanto um nó que estava em estado de sono pode ser acordado em 15 ms, e então começar a comunicação com outros nós da rede. Esse aspecto pode ser vital para muitas aplicações industriais (Ascariz 2007). Uma rede ZigBee é composta por três tipos de nós: Nós Finais, Roteadores e Coordenador. O Coordenador é responsável pela inicialização, distribuição de endereços, manutenção da rede e reconhecimento de todos os nós, entre outras funções, podendo servir como ponte entre várias outras redes ZigBee. Os Roteadores têm a característica de um nó normal na rede, mas com poderes extras de também exercer a função de roteador intermediário entre nós sem precisar do Coordenador. Por meio de roteadores, uma rede ZigBee pode ser expandida e, assim, ter mais alcance. Os Nós Finais, onde os atuadores ou sensores serão ligados, são responsáveis por captar os sinais dos sensores e enviá-los para o nó coordenador da rede. O ZigBee suporta três topologias de rede: estrela, malha e cluster-árvore. Para esse trabalho, será utilizada uma rede com topologia em malha. Esse tipo de rede foi escolhido porque os nós finais, que ficarão instalados nas cabines dos trens, estarão em constante movimento e terão que se comunicar com qualquer um dos roteadores instalados ao longo das vias férreas. Esses roteadores, por sua vez, retransmitirão os dados recebidos para outros nós roteadores até que os dados alcancem uma estação base. Uma rede em malha garante uma maior confiabilidade, pois em caso de falha de um roteador os nós finais podem facilmente se associar a outro, garantindo assim a entrega dos dados ao coordenador. Os pacotes de dados do protocolo podem ter formatos diferentes, dependendo do fabricante do dispositivo de transmissão e do tipo de aplicação para o qual foi projetado. No sistema proposto neste artigo, foram utilizados dispositivos projetados para o desenvolvimento de redes de sensores em malha. Eles possuem 4 canais de I/O analógicos e 8 digitais, além de conversores analógicos/digitais embutidos. Os valores obtidos nos canais analógicos e digitais habilitados no dispositivo são colocados no pacote a ser enviado juntamente com outros dados, como endereço do dispositivo, quantidade de canais habilitados e qualidade de link do sinal (RSSI). 3

4 Visão Geral do Sistema O sistema de telemetria proposto será organizado em três módulos: Estações Móveis, Estações Base e Estação Central, conforme a Figura 1. Figura 1 Arquitetura do sistema. As Estações Móveis (EM) estarão localizadas nas cabines dos trens, e cada EM será composta de um nó final, que terá suas entradas analógicas ligadas a diversos sensores para medição de grandezas como a velocidade e a corrente do motor de tração. A Figura 2 ilustra a arquitetura básica de uma estação móvel. O microcontrolador do nó final recebe os sinais dos sensores, realiza o processamento dos dados e irradia o sinal por frequência de rádio utilizando um transceiver e uma antena. Figura 2 Arquitetura básica da EM. 4

5 Os Nós Finais têm seu endereço de destino configurado com o endereço do nó coordenador da rede. Dessa forma, os nós roteadores, ao receberem os dados enviados pelos nós finais, os retransmitirão até alcançarem o nó coordenador da rede. As Estações Base (EB) estarão localizadas em um ponto da via próxima às estações de passageiros. Elas serão compostas de um Nó Coordenador conectado a um circuito FPGA (Field Programmable Gate Arrays), com um sistema embarcado para processamento dos dados colhidos pelo coordenador. Esse sistema atua como um sistema servidor de dados para a rede ethernet que interliga as estações do metrô. O coordenador de cada EB captura os dados enviados pelas EM ao passarem na área abrangida pela rede de uma estação de passageiros e, por meio da comunicação serial, repassa os dados recebidos para a FPGA, onde um sistema embarcado decodifica o pacote do protocolo ZigBee, realiza os cálculos necessários sobre os valores referentes às grandezas medidas nas cabines dos trens, empacota os dados calculados no protocolo TCP/IP e os envia pela intranet, que interliga as estações até a Estação Central (EC). Como o nó coordenador não pode ser conectado diretamente à intranet, e este precisa ser colocado em pontos estratégicos da via, o que inviabiliza o uso de um computador comum para processamento e envio dos dados, optou-se por utilizar um FPGA para realizar essa tarefa. O FPGA possibilita o desenvolvimento de um sistema embarcado capaz de realizar várias tarefas em paralelo, permitindo que os processos de tratamento dos dados (cálculo das medidas de velocidade e posição), recebidos das EM e dos processos de gerenciamento de conexões e envio de dados para o sistema de supervisão, possam ser executados paralelamente. Além das vantagens citadas anteriormente, o FPGA possibilita a montagem de um hardware customizado com interfaces para acesso aos periféricos necessários ao sistema. O circuito que constitui o sistema de tratamento da EB é composto basicamente por um FPGA, com um processador embarcado soft-core para processamento dos dados, uma interface UART (RS232) para conexão com o coordenador, módulos de memória SRAM e SDRAM e uma interface ethernet para comunicação com uma rede local. A Figura 3 apresenta a arquitetuta desse sistema. UART FPGA SRAM Ethernet Processador SDRAM Figura 3 Arquitetura do sistema embarcado da EB. 5

6 A Estação Central (EC) está situada no Centro de Controle Operacional (CCO) e consiste em um sistema para recepção, armazenamento e visualização das medidas obtidas em tempo real. O sistema de supervisão localizado no CCO (Figura 4) recebe os dados enviados pela intranet de todas as EB, extrai os dados referentes às medidas obtidas e mostra em tempo real essas informações. Figura 4 Máscara software de supervisão CCO. O sistema da Estação Central exibe gráficos dos dados de velocidade do trem e sua localização na via em tempo real (Figura 5), como também possibilita consultas aos dados armazenados em banco de dados, permitindo aos engenheiros realizar estudos e gerar relatórios que ajudarão a tomar medidas preventivas e corretivas. Figura 5 Máscara software de velocidade e posição do trem. 6

7 Técnicas de Localização Neste trabalho, existem duas sugestões possíveis para localização de trens em vias permanentes. Uma delas utiliza propriedades do próprio protocolo ZigBee/IEEE Cada trem que trafega na via possui uma unidade móvel com um endereço permanente, assim como todos os componentes da via. Quando uma unidade móvel transmite as informações dos sensores, também é informado em cada pacote o endereço da respectiva unidade móvel, o endereço do roteador mais próximo e a potência de recepção desse sinal. Os roteadores são mapeados e se estima a posição por meio do cruzamento das informações do endereço do roteador mais próximo e da potência do sinal recebido. Por exemplo, na Figura 6 é recebido pelo nó Ca o pacote enviado pelo nó MS1 informando que o referido trem está ligado ao roteador Ra3 e que o pacote foi recebido com um determinado valor RSSI (Received Signal Strength Indication). Da mesma forma, no pacote recebido pelo nó Cb também constam as informações referentes ao roteador associado Rb2 e do respectivo RSSI. Figura 6 Localização dos trens na via. Outra proposta para localização seria utilizar sensores de velocidade e de corrente de armadura do motor de tração. A equação a seguir define a posição nesses termos: T = C. vdt + L 0 (1) Onde: C assume +1 ou -1 dependendo do sentido em que o trem trafega na via; v velocidade do trem na via em m/s; T localização do trem na via, em m; L 0 localização de referência do trem, em m. C é determinado pela leitura da corrente de armadura do motor, onde seria atribuído um valor -1 ou +1, dependendo do sentido de rotação do motor. Nas duas técnicas utilizadas de localização, os dados recebidos são correlacionados com dados de mapeamento do trem na via, permitindo que seja dada a localização do trem em tempo real na central de controle de operação. 7

8 Além desses algoritmos citados, outros também poderiam ser usados. Como em Saab (2000), onde é implementado um algoritmo baseado na fusão de um giroscópio, um sensor de velocidade ou um odômetro de baixo custo é montado no veículo em movimento. Mediante a correlação entre os dados de mapeamento e os dados fornecidos pelos sensores, é informado o posicionamento do trem. Resultados Os testes realizados em campo foram feitos em um trem de transporte público em linha férrea urbana, onde foi verificado o comportamento do sistema em diversos aspectos, cujos resultados foram comparados com os dados colhidos e armazenados por um instrumento de referência. O instrumento de referência utilizado foi um oscilógrafo Yokogawa, modelo OR100E, que atualmente é utilizado pela companhia de trens local para monitoramento preventivo. Para se determinar a posição do trem na via, foi utilizada a equação (1). A Figura 7 ilustra o gráfico da posição do trem entre duas estações obtidos por meio dos dados do oscilógrafo e dos dados fornecidos pelo sistema e o respectivo erro entre as medidas. Para esses testes, foi utilizada uma frequência de aquisição dos sinais de 8 Hz. 800 System Oscilograph Error 6 Position (m) Error (m) Time (s) -6 Figura 7 Localização dos trens na via por meio de dados do oscilógrafo e do sistema proposto e o respectivo erro entre as medidas. Com os dados da curva da Figura 7, foi obtido um índice de correlação entre as curvas de 99,998%, com um erro máximo de 4.3 m entre as medidas efetuadas. Foram realizadas medidas da velocidade, que podem auxiliar na avaliação do desempenho dos trens, para melhorar o desempenho no que diz respeito ao gasto de energia no tráfego e aumento do tempo de vida do trem. Estudos aprofundados também podem auxiliar na construção de softwares de simulação de tráfego. 8

9 A Figura 8 ilustra diferentes curvas de um mesmo trem operado por diferentes maquinistas, em um mesmo percurso, mostrando uma tendência diferente de utilização do motor de tração do trem por seus operadores. Velocidade (Km/ h) :06:58 21:35:20 22:32: Tempo (s) Figura 8 Coleta dos dados de velocidade em três diferentes horários. Conclusão Neste trabalho, foi apresentado um Sistema Telemétrico Autônomo para Monitoramento e Automação de Malhas Metroferroviárias, que utiliza o protocolo ZigBee/IEEE de comunicação. O sistema proposto surge como uma nova alternativa para monitoramento de trens, onde podem ser observados em tempo real dados de velocidade e localização do trem na via, por exemplo, além de dados relativos ao desempenho operacional do trem. Esse sistema tende a eliminar algumas deficiências existentes nos métodos do estado da arte, como as falhas por interferência eletromagnética em sistemas baseados em localizadores GPS ou os defeitos operacionais que não são detectados pelos métodos convencionais baseados em inspeções periódicas. Os testes realizados em trens de transporte público de linha férrea urbana mostraram a viabilidade de implementação, abrindo portas para a automação completa. O sistema apresenta um custo bem menor que os sistemas atuais, possuindo confiabilidade e capacidade de monitoramento de uma grande quantidade de variáveis em tempo real. Benefícios do sistema: Sistema de rede eletrônica embarcada telemétrica móvel, composto de hardware, de software, transdutores para medição e controle, autônomo e integrável na rede mundial, diferenciado dos existentes e com uma relação custo/benefício muito favorável; Aproveita a estrutura existente e se apresenta praticamente de forma não intrusiva. Possui uma arquitetura modulada, aberta, para incorporar novas tecnologias de medições e controle, e abrangência a qualquer conjunto de veículos que circulam em vias permanentes; Permite estudos teóricos de novas tecnologias para melhoria da gestão e de serviços para usuários; Base de dados desenvolvida, que permite o uso individual ou uma integração do acompanhamento dos elementos da rede pelos operadores, técnicos de manutenção; Produto com tecnologia nacional, que potencializa um grande mercado. Permite uma gestão moderna da operação, manutenção e melhoria de serviços para o usuário. 9

10 Referências Aboelela, E., Edberg, W., Papakonstantinou, C., Vokkarane, V., Wireless sensor network based model for secure railway operations. International Performance, Computing, and Communications Conference, 2006, September Munich, Germany, Ascariz, J. M. R., L., System for Measuring Power Supply Parameters with ZigBee Connectivity. in Proc IEEE Instrument and Technology Conf., 1-2. Bertran, E., Delgado-Penín, J. A., On the Use of GPS Receivers in Railway Environments. IEEE Transactions on Vehicular Technology, 53 (5), Bucci, G., Fiorucci, E., Landi, C., Ocera, G., The use of wireless network for distributed measurement applications. In Proc. IEEE Instrumentation and Measurement Technology Conference May 2002 Anchorage-AK, Ciardiello, T., Wireless communications for industrial control and monitoring. Computing & Control Engineering Journal, 16 (2), Delprete, C., Rosso, C., An easy instrument and a methodology for the monitoring and the diagnosis of a rail. Mechanical Systems and Signal Processing, 23 (3), Dunbar, M., Plug-and-play sensors in wireless networks. IEEE Instrumentation Measurement Magazine. 4 (1), Egan, D., The emergence of ZigBee in building automation and industrial control. Computing & Control Engineering Journal, 16 (2), Ferrari, P., Flammini, A., Marioli, D., Taroni, A., IEEE sensor networking. IEEE Transactions on Instrumentation and Measurement, 55(2), Ferrigno, L., Paciello, V., Pietrosanto, A., A Bluetooth-based proposal of instrument wireless interface. IEEE Transactions on Instrumentaton and Measurement, 54 (1), Hwang, I-K., Baek, J.-W., 2007.Wireless Access Monitoring and Control System based on Digital Door Lock. IEEE Transactions on Consumer Electronic,53(4), Kenneth E. Browne, Chi-Chih Chen, John L. Volakis, A Novel Radiator for a 2.4 GHz Wireless Unit to Monitor Rail Stress and Strain, IEEE Transactions on Antennas and Propagation, VOL. 56, NO. 3, MARCH 2008, pp Leahy, F., Judd, M., Shortis, M., Measurement of railway profiles using GPS integrated with other sensors. in Proc. IEEE-IEE Vehicle Navigation Information Systems Conf., Mirabadi, A., Mort, N., Schmid, F., Design of fault tolerant train navigation systems. in Proc. Amer. Control Conf., 1, Nejikovsky, B., Keller, E., Wireless communications based system to monitor performance of rail vehicles. in Proc. ASMEE-IEEE Railroad Conference, Poole, I., What exactly is ZigBee?. Communications Engineer, 2 (4), Ramamurthy, H., Prabhu, B. S., Gadh, R., A. M. Madni, Wireless industrial monitoring and control using a smart sensor platform. IEEE Sensors Journal, 7 (5), Saab, S. S., 2000.A Map Matching Approach for Train Positioning Part I:Development and Analysis. IEEE Transactions on Vehicular Technology,49(2), Tsai, H.-M., Tonguz, O. K., Saraydar, C., Talty, T., Ames, M., Macdonald, A., Zigbee-based intra-car wireless sensor networks: a case study. IEEE Wireless Communications, 14 (6), Wheeler, A., Commercial applications of wireless sensor networks using ZigBee. IEEE Communications Magazine, 45 (4),

RailBee Sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias

RailBee Sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias RESUMO RailBee Sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias O proposto sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias utiliza a transmissão de sinais

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos eudisley@les.ufpb.br Francisco A. Belo belo@les.ufpb.br Manuella D. C. Silva manuella@les.ufpb.br

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4)

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) Saulo Menechine 1, Munif Gebara Junior 2 RESUMO: Com

Leia mais

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO Luiz Carlos Miller Araras, outubro de 2010 DA LOCALIZAÇÃO DO DISPOSITIVO: O GPTD captura

Leia mais

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SUBESTAÇÕES SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SCMS / STRAY CURRENT MONITORING SYSTEM (SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CORRENTE DE FUGA) Definição de corrente de fuga O funcionamento dos sistemas

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Rede ATIVOS E PASSIVOS Além dos dispositivos que atuam na borda da rede (computadores, tablets, smartphones, etc), uma rede é

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Existem várias finalidades para medição de energia, dentre elas vamos destacar as seguintes: Consumo mensal de energia A grandeza medida é

Leia mais

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS Resumo O transporte público atualmente vem passando por diversas mudanças e uma delas é a qualidade nos

Leia mais

O uso do CP em sinalização de ferrovias

O uso do CP em sinalização de ferrovias O uso do CP em sinalização de ferrovias Introdução Um Sistema de Sinalização e Controle ferroviário é responsável por garantir a segurança das operações de movimentação dos trens, permitindo a operação

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB PARA UTILIZAÇÃO COM SISTEMAS NO BREAKS MONOFÁSICOS GUARDIAN LINHAS ENERGIZA E SEICA DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR O GT GPRS é um equipamento wireless que executa a função de recepção e transmissão de dados e voz. Está conectado à rede de telefonia celular GSM/GPRS, para bloqueio

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Avaliação de Área de Cobertura de Sinal Eletromagnético de Dispositivos de Comunicação de Dados Sem Fio Instalados em Medidores de Energia Elétrica

Avaliação de Área de Cobertura de Sinal Eletromagnético de Dispositivos de Comunicação de Dados Sem Fio Instalados em Medidores de Energia Elétrica XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Avaliação de Área de Cobertura de Sinal Eletromagnético de Dispositivos de Comunicação

Leia mais

MONITORAMENTO WIRELESS EM TEMPERATURA, UMIDADE, PRESSÃO & GPS

MONITORAMENTO WIRELESS EM TEMPERATURA, UMIDADE, PRESSÃO & GPS 1 AR AUTOMAÇÃO EMPRESA & SOLUÇÕES A AR Automação é uma empresa especializada no desenvolvimento de sistemas wireless (sem fios) que atualmente, negocia comercialmente seus produtos e sistemas para diferentes

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. 1. Sistema de Monitoramento da Frota O Sistema de Monitoramento da Frota será implantado pela concessionária para

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

GT BLOCK LBS RASTREAMENTO VIA CÉLULA COM BLOQUEADOR

GT BLOCK LBS RASTREAMENTO VIA CÉLULA COM BLOQUEADOR GT BLOCK LBS RASTREAMENTO VIA CÉLULA COM BLOQUEADOR Esta tecnologia torna possível o sistema de anti sequestro, rastreamento, escuta e bloqueio de veículos conforme a área de cobertura, que ao ser acionado,

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 ANTENA. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 ANTENA. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 ANTENA 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o layout para ligação da antena do módulo ME1513, de

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Ferramenta computacional autônoma para aquisição remota de dados de gerência em equipamentos de sinalização

Ferramenta computacional autônoma para aquisição remota de dados de gerência em equipamentos de sinalização Ferramenta computacional autônoma para aquisição remota de dados de gerência em equipamentos de sinalização Roteiro Visão geral do problema. O sistema de sinalização da EFVM; Manutenção das características

Leia mais

AUTOMAÇÃO PARA OPERAÇÃO EM TRANSPORTE DE PASSAGEIROS. Apresentação : Marcelo Zugaiar

AUTOMAÇÃO PARA OPERAÇÃO EM TRANSPORTE DE PASSAGEIROS. Apresentação : Marcelo Zugaiar AUTOMAÇÃO PARA OPERAÇÃO EM TRANSPORTE DE PASSAGEIROS Apresentação : Marcelo Zugaiar 1 Automação para Operação em Transporte de Passageiros Condução automática dos trens Estações inteligentes Sistema de

Leia mais

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless DQuest Localização Localização, controle e gerenciamento de frotas Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

Leia mais

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Módulos sem fio para Smart Metering Por Peder Martin Evjen, M.Sc.E.E., Managing Director, Radiocrafts AS A tendência em AMR e Smart Metering é utilizar tecnologia

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

Digitalização de Sistemas Elétricos. Eduardo Gorga Superintendente de Engenharia

Digitalização de Sistemas Elétricos. Eduardo Gorga Superintendente de Engenharia Digitalização de Sistemas Elétricos Eduardo Gorga Superintendente de Engenharia A engenharia é a ciência e a profissão de adquirir e de aplicar os conhecimentos matemáticos, técnicos e científicos na criação,

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Julho/2010 Objetivo Este tutorial tem como objetivo fornecer informações técnicas e recomendações na utilização de roteadores 3G para implantação

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Arquitetura Token Ring Arquitetura FDDI IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Usada em redes que possuem computadores de grande porte da IBM Opera nas camadas 1 e 2 do

Leia mais

ONEPROD MVX. Manutenção condicional online para máquinas críticas. Brand of ACOEM

ONEPROD MVX. Manutenção condicional online para máquinas críticas. Brand of ACOEM ONEPROD MVX Manutenção condicional online para máquinas críticas Brand of ACOEM O ONEPROD MVX é um sistema de monitoramento em tempo real multicanais, criado para a confiabilidade das máquinas industriais

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS Descrição As necessidades de telemedição (ou telemetria) e telecomando têm sido cada vez mais utilizadas nas mais variadas aplicações, principalmente onde o volume

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES 1 2 REDES DE COMPUTADORES ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Classificação quanto ao alcance geográfico LAN Local Area Network, tem alcance em nível de empresas, órgãos, organizações ou casas.

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Medidor de energia embarcado para máquinas industriais implementado em rede de sensor sem fio

Medidor de energia embarcado para máquinas industriais implementado em rede de sensor sem fio Medidor de energia embarcado para máquinas industriais implementado em rede de sensor sem fio Edson Taira Procopio, PUC-Campinas SÃO PAULO Brasil ed_taira@hotmail.com Jose Luis Pagotto, PUC-Campinas SÃO

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO DOS RFID s O Um sistema de RFID é composto, basicamente, por uma antena, que funciona como receptor, faz a leitura do sinal

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais