Acompanhamento de obra Procedimentos e orientações.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acompanhamento de obra Procedimentos e orientações."

Transcrição

1 Acompanhamento de obra Procedimentos e orientações.

2 Acompanhamento de obra Procedimentos e orientações 1. Armazenamento de equipamentos na obra Construção de edifícios com elevadores adjacentes Proteção para vãos de acesso às Caixas dos Elevadores e para furações no piso da Casa de Máquinas Normas de Inspeção para Aceitação da Schindler (SAIS) Estruturação de edificação para instalação de escadas/ esteiras rolantes. 6. Proteção para vãos estruturais de escadas e esteiras rolantes em edificações em fase de construção

3 Armazenamento de equipamentos na obra. Cuidados desde a entrega até a instalação dos elevadores. Armazenamento Ao especificar elevadores Atlas Schindler, arquitetos e engenheiros optaram pela qualidade dos nossos produtos e serviços. Para que essa qualidade não seja prejudicada, resultando em atraso no cronograma da obra ou em prejuízos financeiros, algumas ações básicas devem ser tomadas durante o período em que os equipamentos permanecem desmontados na obra. Por esse motivo, torna-se relevante que a construtora reserve locais apropriados e exclusivos para armazenagem de todos os componentes, desde a entrega até a efetiva montagem e instalação dos elevadores, conforme orientações expressas nos contratos de fornecimento da Atlas Schindler. Então, qual é a maneira correta de armazenar os equipamentos na obra? Providenciar o quartinho : destinado à guarda dos materiais frágeis e estratégicos, como peças de acabamento e componentes eletrônicos. Esse local deve ter no mínimo 20m² (para cada 10 pavimentos do edifício), além de possuir iluminação elétrica adequada, fechadura na porta (com abertura de no mínimo 90cm) e, se possível, prateleiras. 03

4 Reservar área próxima ao poço: destinada aos materiais de grande porte, como guias, máquina de tração, etc. A localização facilita e agiliza a montagem do elevador e será identificada e isolada pelos técnicos da Atlas Schindler. É fundamental que essa área seja de uso exclusivo para guarda dos componentes Atlas Schindler, evitando que se misturem com materiais de uso geral na obra ou que as embalagens sejam abertas antes do início do processo de montagem. As passagens para ambas as áreas devem sempre estar livres e desimpedidas para movimentação dos materiais durante o armazenameto e o processo de montagem. 04

5 Responsabilidades Pela guarda: após a estocagem na obra, o cliente assume a responsabilidade sobre a guarda e a integridade física dos equipamentos. Eventuais danos, extravios ou deterioração dos equipamentos, causados em decorrência da inexistência ou da não-conformidade do local de armazenamento, serão de inteira responsabilidade da construtora. Pela entrega e acomodação dos componentes: a distribuição das embalagens com os equipamentos Atlas Schindler na obra é feita por nossos técnicos, de maneira específica, respeitando o tipo de produto e a carga máxima para evitar riscos de acidentes e danos aos materiais. Por isso, se houver necessidade de movimentá-los, entre em contato com a Atlas Schindler. Importante: não mova as embalagens sem autorização e orientação de um técnico da Atlas Schindler. A Atlas Schindler quer o melhor para a sua obra. A correta armazenagem e os cuidados com a conservação dos componentes dos elevadores trarão importantes benefícios à sua obra: maior eficiência no processo de montagem, evitando possíveis atrasos no cronograma da obra; maior segurança quanto a extravios e danos aos equipamentos, evitando custos adicionais. Pense nisso: Você compraria uma TV de 40 polegadas de última geração e a deixaria na área de serviço da sua casa, em meio a blocos e ao cimento utilizados em uma reforma? Pode parecer estranha, mas a comparação com a falta de cuidado na armazenagem das partes do elevador que chegam às obras é válida e acontece com muito mais frequência do que você imagina. 05

6 Elevadores adjacentes Construção de edifícios com elevadores adjacentes. Sua obra atendendo à Norma NBR As normas técnicas da ABNT direcionadas para instalação, manutenção e funcionamento dos elevadores têm por objetivo ampliar a segurança das pessoas que interagem com esses equipamentos. A nova Norma NBR 16042, parágrafo 5.6.2, traz orientações importantes sobre a correta separação das caixas e poços de elevadores adjacentes posicionados lado a lado ou ao fundo. Confira as principais mudanças que devem ser feitas na obra para adequá-la a essa Norma. Separação das caixas e poços de elevadores adjacentes. A principal mudança para a construção de edifícios com elevadores adjacentes (Figura 1) é a necessidade de separar os poços e as caixas dos elevadores em toda sua Figura 1 extensão para a proteção das pessoas que trabalham nesse local. Veja nesse material todas as orientações necessárias para a adequação de sua obra. Qual o prazo para adequar sua obra a essa Norma? A Norma NBR entrou em vigor em 03 de abril de Para elevadores adjacentes sem casa de máquinas e com distância entre teto e partes móveis do outro elevador menor que 50 cm. 06 O que deve ser feito Para atender ao parágrafo da NBR 16042, sobre as vigas divisórias, deve ser construída uma parede de alvenaria (A), de concreto (B) ou de placas cimentícias (C) de alta resistência como ilustrado na Figura 2. Opcionalmente, a separação dos poços e caixas poderá ser feita em tela metálica (D) com malha de 30 mm e fio de 2 mm de diâmetro que suporte uma força aplicada de 300 N e deformação máxima de 15 mm. A tela metálica deve ser fixada entre as faces inferior e superior em cada pavimento conforme Figuras 3 e 4.

7 Figura 2 A B Figura 4 Figura 3 C D 300 N 15 mm 30 mm 2 mm Elevadores adjacentes com casa de máquinas. Elevadores adjacentes sem casa de máquinas e com distância entre teto e partes móveis do outro elevador maior ou igual a 50 cm. O que deve ser feito A divisão das caixas desses elevadores adjacentes deve ser, preferencialmente, feita conforme orientações da Norma NBR 16042, descrita no início deste material. No entanto, há também a possibilidade de se utilizar uma proteção temporária com telas resistentes fixadas às vigas intermediárias da caixa do elevador, que deverá permanecer instalada durante todo o processo de montagem dos equipamentos. Fixar a tela nas faces superior e inferior das vigas. Fixar a tela às vigas intermediárias fora da região de fixação dos suportes (vide planta de instalação). Tela resistente 07

8 Segurança para Atlas Schindler é prioridade. A segurança na produção, na montagem, na manutenção e na utilização dos nossos equipamentos está em primeiro lugar. Por isso, a Atlas Schindler possui o SAIS (Norma de Inspeção para Aceitação da Schindler), procedimento que atesta e certifica as perfeitas condições de montagem para a entrega efetiva dos equipamentos para o cliente. A Norma NBR agora faz parte dos itens inspecionados pelo SAIS e seu atendimento pela obra é requisito necessário para a entrega do equipamento. Responsabilidades Cliente Instalar e manter as divisões entre caixas de elevadores adjacentes conforme Norma NBR Montagem Atlas Schindler Entregar ao responsável da obra o documento de Acompanhamento de obra e fornecer as orientações para que sejam providenciados todos os procedimentos necessários, bem como conferir, durante visitas ao local, se as proteções estão em conformidade. Manter as proteções instaladas durante todo o processo de instalação dos elevadores. Caso não sejam cumpridas as especificações citadas no documento, o responsável pela obra será notificado formalmente que a montagem dos elevadores não será iniciada até que seja feita a adequação necessária. Será anexado ao termo do aviso do local como um item impeditivo da montagem. A programação ocorrerá após a regularização da proteção. Caso as proteções sejam danificadas ou retiradas durante o processo de montagem, os serviços serão paralisados até a adequação das proteções. A Atlas Schindler quer o melhor para sua obra. A separação correta das caixas de elevadores adjacentes garante a segurança de todos na obra. 08

9 Proteção para vãos de acesso às Caixas dos Elevadores e para furações no piso da Casa de Máquinas. É prioridade da Atlas Schindler garantir a segurança das pessoas em qualquer situação que envolva seus produtos e serviços, desde os usuários dos elevadores, passando pelos técnicos de manutenção e pelos funcionários das obras onde serão instalados equipamentos Atlas Schindler. No caso específico de edifícios em fase de construção, os cuidados devem considerar todos os procedimentos para o fechamento dos vãos de acesso às Caixas dos Elevadores e das furações no piso da Casa de Máquinas. Proteção para vãos Qual a maneira correta de proteger os vãos de acesso às Caixas dos Elevadores? A cada pavimento pronto, os vãos das portas devem ter fechamento provisório, com altura e largura variável necessária para o fechamento total, com material resistente (tipo madeirite e telas), seguramente fixado à estrutura. Esse fechamento provisório deve ser mantido até a colocação definitiva das portas dos elevadores, evitando, assim, queda e projeção de materiais e acidentes com os trabalhadores da obra. Detalhe da proteção para a porta de pavimento frontal Com tela Com madeirite Imagens ilustrativas 09

10 Nota: embora a tela atenda à Norma NR18, é extremamente vantajosa a utilização do madeirite, pois o mesmo tem maior vida útil, reaproveitamento em outras obras após a instalação do elevador, maior resistência a impactos e não permite a queda no poço de pequenos objetos que podem passar através da tela. Furações existentes no piso da Casa de Máquinas Os vãos existentes no piso da Casa de Máquinas são furos executados na laje pelos quais passam os cabos de tração, guias, linhas de prumada, entre outros. Todas as furações no piso da Casa de Máquinas devem ser fechadas com proteções de madeirite*, com espessura mínima de 12 mm, evitando assim a queda de materiais na Caixa dos Elevadores. Imagens ilustrativas Qual a maneira correta de proteger as furações no piso da Casa de Máquinas? Madeirite* O madeirite deve ser do mesmo modelo utilizado para moldes de concreto e deve estar em perfeito estado de conservação, isento de rachaduras, trincas ou emendas. Fixação com pregos O comprimento do prego deverá obrigatoriamente ser maior que a soma das espessuras das madeiras e ter as pontas dobradas. Vista Frontal 10

11 Vista Lateral Atenção: as proteções das furações no piso da Casa de Máquinas do elevador Schindler 5500 (cabina e contrapeso) devem ser feitas conforme IM0063 (009848). Responsabilidades Cliente Instalar e manter as proteções no piso da Casa de Máquinas e as proteções dos vãos das portas de pavimento que dão acesso à Caixa do Elevador, conforme Norma NR18. Montagem Atlas Schindler Entregar ao responsável da obra o documento de Acompanhamento de Obra e fornecer orientações para que sejam providenciados todos os procedimentos necessários, bem como conferir, durante visitas ao local, se o fechamento dos vãos está em conformidade. Manter as proteções instaladas durante todo o período anterior à instalação das portas definitivas, exceto quando a operação exigir a retirada das mesmas. Caso não sejam cumpridas as especificações citadas no documento, o responsável pela obra será notificado formalmente que a montagem dos elevadores não será iniciada até que seja feita a adequação necessária. Será anexado ao termo do aviso do local como um item impeditivo da montagem. A programação ocorrerá após a regularização da proteção. Caso as proteções sejam danificadas ou retiradas durante o processo de montagem, os serviços serão paralisados até a adequação das proteções. A Atlas Schindler quer o melhor para sua obra. O fechamento correto dos vãos de acesso às Caixas dos Elevadores e das furações existentes no piso da Casa de Máquinas nos edifícios em fase de construção garante a segurança de todos na obra. 11

12 SAIS Norma de Inspeção para Aceitação da Schindler (SAIS). Para a Atlas Schindler a segurança e a qualidade dos elevadores de sua obra estão em primeiro lugar. Os itens que mais apresentam irregularidades, atrasando a entrega dos elevadores em funcionamento são, em sua maioria, de fácil solução, se realizados no momento correto da obra. Queremos o melhor para sua obra. Por isso, contamos com a sua parceria. Cada obra, com suas características individuais, exige ações diferenciadas para que sejam evitadas situações inseguras durante a construção e a ocupação efetiva do empreendimento. Entre os pontos de atenção estão os elevadores. Sua instalação, manutenção e uso seguros dependem do cumprimento de procedimentos e requisitos para evitar acidentes, estabelecidos em normas técnicas nacionais, obrigatórias por lei e passíveis de multa. Este material tem a finalidade de auxiliá-lo na conformidade e no atendimento de todos os requisitos de segurança e funcionamento exigidos, já detalhados nas plantas e descritos em nossos contratos. É importante ressaltar que cada linha de produto Atlas Schindler possui o documento Norma de Inspeção para Aceitação da Schindler (SAIS) que define os pontos de inspeção antes da liberação para funcionamento dos elevadores com ou sem casa de máquinas. A autorização para instalação e uso dos nossos equipamentos está vinculada ao cumprimento e à conformidade dessas especificações. A inspeção para preenchimento do SAIS é realizada por técnicos altamente especializados e certificados para lidar com ferramentas próprias para esse fim e de forma independente da montagem e da manutenção Atlas Schindler, garantindo a isenção necessária às questões de qualidade e segurança. Verifique sempre as especificações expressas no contrato e nas plantas fornecidas pela Atlas Schindler. Caso não sejam cumpridas as especificações citadas no documento SAIS, o responsável pela obra será notificado formalmente de que o elevador será entregue desligado ou, até mesmo, não será entregue - dependendo da gravidade do item identificado pelo SAIS - até a adequação necessária. 12

13 1. Parte elétrica, incluindo o aterramento. Disjuntor principal com travamento na posição desligado. Dispositivo de Proteção de Corrente Residual. instalação de eletroduto com fiação (dois fios de 1,5mm²) entre a portaria e a caixa do elevador para instalação de campainha extra. instalação de cabo terra com distância máxima de 0,5m dos condutores fases do elevador. isolação do cabo terra verde/amarelo ou verde. o quadro parcial de força e de luz localizado na casa de máquinas deve conter: - barra de cobre para aterramento adequado. - disjuntor bipolar para circuito de luz com dispositivo para travamento mecânico na posição desligado com porta cadeado. - disjuntor tripolar com capacidade de ruptura mínima de 17kA (referência 380 V) com dispositivo para travamento mecânico na posição desligado com porta cadeado. - interruptor diferencial para corrente nominal de 25A e corrente residual de 30mA com dispositivo para travamento mecânico na posição desligado com porta cadeado, ligado em série com o disjunto bipolar do circuito de luz. o quadro geral de força e de luz localizado junto ao medidor deve conter: - barra de cobre para aterramento adequado. - disjuntor bipolar para circuito de luz. - disjuntor tripolar com capacidade de ruptura mínima de 17kA (referência 380 V). Obs.: Os números indicados são uma referência. Verifique a planta elétrica de cada obra porque os números podem sofrer variações. 2. Acessórios de içamento disponíveis e identificados. Gancho posicionado no teto ou nas vigas da Casa de Máquinas, com as seguintes características: 2a - Gancho deve ser fabricado em aço de baixo teor de carbono. deve ser pintado na cor amarelo brilhante. em torno do gancho deve ser pintada uma seção retangular (verificar dimensões na planta de instalação) na cor amarelo brilhante. no interior da seção retangular deve ser pintada, na cor preta, a indicação da carga máxima admissível. Ex.: 2T ou Kg (verificar capacidade na planta de instalação). 2b - Vigas devem suportar, em qualquer ponto, a carga vertical indicada na planta de instalação. devem ser pintadas na cor amarelo brilhante. na parte inferior de uma das vigas deve ser pintada, na cor preta, a indicação da carga máxima admissível. Ex.: 3T ou Kg (verificar capacidade na planta de instalação). Imagens ilustrativas 13

14 3. Iluminação da caixa. A iluminação da caixa do elevador deve ser operada a partir de interruptores paralelos. um interruptor deve ser instalado na parte interna da caixa, a uma distância máxima de 1m da porta do elevador e a 0,8m do piso da primeira parada, e outro interruptor deve ser instalado na casa de máquinas. Obs.: Responsabilidade do cliente. 4. Acesso ao poço do elevador. Na ocasião da montagem, deve ser instalada a escada marinheiro de acesso ao poço dos para-choques do elevador (verificar dimensões na planta de instalação). A escada deve: ser fabricada em material não combustível. estender até 80cm acima da soleira da porta de acesso. ser adequada às dimensões da caixa do elevador, respeitando uma distância mínima para posicionamento seguro dos pés. ser fixada em material que forneça sustentação (blocos não oferecem fixação segura). Obs.: Responsabilidade do cliente. 5. Portas de inspeção. Devem ser fabricadas em material não combustível. quando solicitadas, as portas de inspeção são instaladas no último pavimento e para acesso à caixa, conforme planta de instalação. devem possuir fechamento externo com trinco, permitindo o fechamento autônomo (sem uso de chaves). suas dimensões devem obedecer às orientações existentes na planta de instalação. as portas de inspeção não devem abrir para o interior da caixa. Imagens ilustrativas Obs.: Responsabilidade do cliente. 14

15 6. Aberturas na caixa. os vãos das portas devem ser protegidos com madeira ou fechamento provisório até a instalação dos elevadores. os vãos existentes após o chumbamento do conjunto de batentes dos elevadores e ao redor da caixa do elevador, devem ser preenchidos com enchimento e receber acabamento. Para elevadores sem casa de máquinas, deve ser providenciada uma abertura para ventilação no alto da caixa (verificar dimensões na planta de instalação). Obs.: Responsabilidade do cliente. 7. Espaço de segurança abaixo do carro. uma área no piso do poço dos para-choques deve ser pintada na cor amarelo brilhante (verificar dimensões da área na planta de instalação). Obs.: Responsabilidade do cliente. A Atlas Schindler quer estar sempre ao seu lado. Fique sempre atento aos itens abaixo: Parte elétrica, incluindo o aterramento. Disjuntor principal com travamento na posição desligado. Dispositivo de proteção de corrente residual. Acessórios de içamento disponíveis e identificados. Aberturas e iluminação da caixa. Acesso ao poço do elevador. Portas de inspeção. Espaço de segurança abaixo do carro. 15

16 Estruturação de edificação para instalação de escadas/esteiras rolantes. Requisitos de Espaço e Segurança do Usuário. Estruturação Normas A norma Mercosul NM195, a Europeia EN 115 e a Diretriz Europeia para Maquinário (98/37/EC) definem e regulam o projeto estrutural seguro e a instalação segura de escadas e esteiras rolantes em edifícios. As instruções de planejamento deste manual listam os requisitos a serem implementados pelo cliente na edificação e estruturas em torno da escada/ esteira rolante para garantir uma utilização segura. 1. Área de Acesso A) As áreas de acesso à escada/esteira rolante devem estar livres de obstáculos fixos ou móveis que dificultem a circulação de passageiros. Carrinhos de compras e bagagens não são permitidos nas escadas rolantes. Depósito de carrinhos próximo à escada rolante deve estar separado por barreiras. No caso de esteira rolante em que se prevê um elevado volume de tráfego e que foi projetada para transportar carrinhos de compras e bagagens, a área livre deve ter uma extensão de ao menos 5 m (ver Fig. 1a). Caso os carrinhos sejam encaixados uns nos outros quando transportados na esteira rolante, a área livre deverá ser adaptada de modo correspondente. Cada carrinho deve ter a largura de até 400 mm menor que as paletas, de forma a possibilitar o fluxo de passageiros. Imagens ilustrativas min. 5 m 16 Fig. 1a - Áreas de acesso às esteiras rolantes projetadas para transporte de carrinhos de compras e bagagens.

17 (1) B (2) B min. 2,5 m min. 2 m min. B + 2x80 mm min. 2xB + 2x80 mm Fig. 1b - Áreas de acesso às escadas/esteiras rolantes. B) Nos patamares de acesso, a área livre não confinada para acomodação dos passageiros deve ter as dimensões conforme as duas opções da Fig. 1b. A largura B é a distância entre as bordas externas dos corrimãos (ver Fig. 1b). C) A área de acesso deve ser plana e livre de obstáculo ou presença de degrau fixo. A inclinação máxima da área plana deve ser de 6 graus. A escada/esteira rolante e sua vizinhança devem ser suficiente e adequadamente iluminadas. A intensidade da iluminação nos patamares, incluindo os pentes, deve ser pelo menos 50 lux. D) Dispositivo fixo como barreira guia ou poste de sinalização para orientar o fluxo de passageiros deve ser instalado fora da área destinada à acomodação de acesso. Nota: Existem duas opções para área livre do patamar como mostra a Fig. 1b. 2. Vão livre superior min.2,3 m min.2,3 m min.2,3 m E) A área de translado dos passageiros sobre os degraus/paletas deve estar livre. Nenhum obstáculo deve invadir a zona de translado dos passageiros. F) A altura livre acima dos degraus da escada rolante ou paletas ou correia da esteira rolante, em quaisquer pontos, deve ser de no mínimo 2,30m (ver Fig. 2a). Fig. 2a Altura superior livre. Nota: Deve ter altura livre mínima de 2,3 m acima dos degraus/paletas ao longo de todo o percurso. 3. Vãos livres de segurança G) Para evitar colisão do passageiro com obstáculos ao longo do translado, o vão livre horizontal entre a extremidade exterior do corrimão e as paredes ou outros obstáculos não deve ser menor que 80 mm. Esta distância deve ser mantida até uma altura de pelo menos 2,10 m acima dos degraus da escada rolante e acima das paletas ou correias das esteiras rolantes (ver Fig. 2b). 17

18 H) Na parte inferior do corrimão, a distância horizontal mínima de 80 mm deve estender até 25 mm abaixo do corrimão (ver Fig. 3a e b). I) Onde obstáculos do edifício podem causar danos, devem ser tomadas medidas preventivas adequadas (ver item P). min.80 mm min. 2,1 m min.160 mm min. 2,3 m min.500 mm J) A distância entre as bordas externas dos corrimãos de escadas/esteiras dispostas lado a lado ou cruzadas não deve ser inferior a 160 mm (ver Fig. 2b). Fig. 2b Vão livre de segurança. 4. Barreiras de proteção, defletores de teto, proteções laterais K) Devem ser instalados dispositivos estruturais adequados em torno da escada/esteira rolante, a fim de evitar queda e que as pessoas tenham acesso aos corrimãos pelas laterais externas. Espaços laterais devem ser fechados, mantendo distâncias mínimas para balaustradas e corrimãos (ver Fig. 3a e b). 100 min min max. 120 max. Fig. 3a Fechamento dos espaços laterais e parapeitos mais altos do que os corrimãos. Mín. 100 mm mm mm Elevar a estrutura do prédio, no trecho que representa perigo, na lateral da escada/ esteira rolante em pelo menos 100mm acima da altura do corrimão e distanciado de 80 a 120mm da borda externa do corrimão (ver Fig. 3b). Max. 120 mm Fig. 3b - Fechamento dos espaços laterais. 18

19 L) O apoio da escada/esteira rolante deve estar a uma distância mínima de 1000 mm em relação à borda do piso para que a balaustrada não tenha que ser estendida (ver Fig. 4). min.1000 mm Fig. 4 Apoio da escada/esteira rolante no piso. M) Quando a distância b13 (ver Fig. 5a) entre a escada/esteira rolante e a parede adjacente for maior que 125mm, deve ser instalada barreira fixa cobrindo o vão até atingir 25 a 150mm de distância para o corrimão (h10 na Fig.5a) a fim de dissuadir pessoas a subir na lateral da balaustrada (pos. 2 na Fig.5a). h 10 h max. b 13 b 14 I Fig. 5a Barreira de proteção no vão da parede e entre balaustradas. N) Para a escada/esteira rolante instalada lado a lado, se a distância b14 (ver Fig. 5a) exceder 125 mm, deve ser instalada barreira de segurança fixa entre as balaustradas cobrindo até a altura atingir h10 (ver Fig. 5a e b). Imagens ilustrativas Fig. 5b Exemplo de barreira entre duas escadas rolantes. 19

20 O) Obstáculos (pos.1 na Fig.6a) devem ser fixados sobre as molduras externas a uma altura de (1000±50) mm (h9) acima do piso inferior, tendo comprimento de pelo menos 1000 mm (l5) e estendendo-se a uma altura alinhada com o corrimão, obedecendo as dimensões b10( 80 mm) e h10( mm) (ver Fig. 6a e b). b 10 1 h 10 b 13 i 5 1 h 9 Fig. 6a - Obstáculos nas molduras externas das balaustradas. Nota: b10 80mm h10 = mm b13 > 125mm b14 > 125mm h9 = (1000±50)mm I5 1000mm mm Mín. 1 m 1 m Fig. 6b Peça exemplo. 20

21 P) Nas interseções da escada/esteira rolante com o piso do pavimento superior e no cruzamento entre escadas/esteiras rolantes adjacentes, deve ser colocado acima das tampas das balaustradas um objeto de proteção (pos. 1 e 2 na Fig. 7a). Fig. 7a - Triângulos defletores de proteção da interseção entre escadas e com o piso superior. Por exemplo, um triângulo não perfurado de, no mínimo, 300mm de altura, não possuindo nenhuma extremidade cortante e estendendo-se por pelo menos 25mm abaixo da borda inferior do corrimão (ver Fig.7a,b e c). Exemplo de proteção triangular na interseção entre escadas cruzadas (ver Fig.7b) e exemplo de defletor na interseção com o piso superior (ver Fig.7c). Não é necessário atender ao requisito anterior (instalar triângulos e defletores) quando a distância entre a linha de centro do corrimão e qualquer obstáculo for maior ou igual a 500mm (ver Fig.2b). Imagens ilustrativas Min. 300 mm Min. 300 mm Min. 25 mm Abaixo da borda inferior do corrimão Min. 25 mm Abaixo da borda inferior do corrimão Fig. 7b Interseção com outra escada. Fig. 7c Interseção com o piso superior. 21

22 Q) Para dissuadir que pessoas usem a tampa da balaustrada como escorregador, devem ser colocados obstáculos na superfície dos revestimentos localizados entre a escada/esteira rolante e a parede (pos.3 na Fig.8). É obrigatório quando a distância b15 entre a estrutura do prédio (parede) e a linha de centro do corrimão for maior que 300 mm. A distância entre o corrimão e o obstáculo não deve ser menor que 100 mm (b17). O espaçamento entre obstáculos subsequentes não deve ser menor que 1800 mm. A altura (h11) do obstáculo não deve ser menor que 20 mm. O obstáculo não deve ter cantos ou arestas cortantes. R) A exigência anterior deve ser aplicada também nos revestimentos instalados entre as escadas/esteiras rolantes em instalação lado a lado quando a distância b16 entre as linhas de centro dos corrimãos for maior do que 400 mm (ver Fig.8). b 15 b 16 b 17 b 17 b 17 h h Fig. 8 Obstáculos antideslizamento. Nota: b15 > 300 mm b mm h11 > 20 mm b16 > 400 mm Distância entre obstáculos (pos.3) 1800 mm. 22

23 Proteção para vãos estruturais de escadas e esteiras rolantes em edificações em fase de construção. É prioridade da Atlas Schindler garantir a segurança das pessoas em qualquer situação que envolva seus produtos e serviços, desde os usuários dos elevadores, escadas e esteiras rolantes, passando pelos técnicos de manutenção e pelos funcionários das obras onde serão instalados equipamentos Atlas Schindler. No caso específico de edifícios em fase de construção, os cuidados devem considerar todos os procedimentos para o fechamento dos vãos estruturais até a colocação definitiva dos equipamentos. Proteção para vãos Qual a maneira correta de proteger os vãos estruturais onde serão instaladas escadas e esteiras rolantes? Em cada pavimento que existir esses vãos onde serão instaladas as escadas e esteiras rolantes, deve-se isolar seu acesso com um fechamento provisório, com altura e largura adequadas para seu total isolamento e proteção, com material resistente (tipo madeirite e telas). Esse fechamento provisório deve ser mantido até a colocação definitiva dos equipamentos, evitando, assim, queda e projeção de materiais e acidentes com os trabalhadores da obra. Como deve ser todo o conjunto de proteção dos vãos. Com madeirite Com tela 23

24 Vista lateral Vista frontal Importante: Para facilitar o momento da instalação, os tapumes das extremidades da escada devem ter sua fixação de encaixe. Detalhe da proteção. Estrutura do tapume individual. Tela Madeirite A estrutura individual da proteção que fecha provisoriamente o vão deve: Ter rodapé. Ter uma barra transversal no centro. Ter altura mínima de 140 cm. Ser travada uma na outra. Estar a uma distância de 200 cm do vão onde será montada a escada ou esteira rolante. 24

25 Nota: Embora a tela atenda às especificações, é extremamente vantajosa a utilização do madeirite, pois o mesmo tem maior vida útil, pode ser reaproveitado em outras obras após a instalação do equipamento, apresenta maior resistência a impactos e não permite a queda no vão de pequenos objetos que podem passar através da tela. Responsabilidades Cliente Instalar e manter as proteções dos vãos das escadas e esteiras rolantes até o momento da montagem dos equipamentos, conforme as especificações descritas neste documento. Atlas Schindler Entregar ao responsável da obra o documento de Acompanhamento de Obra e fornecer orientações para que sejam providenciados todos os procedimentos necessários, bem como conferir, durante visitas ao local, se o fechamento dos vãos está em conformidade. Manter as proteções instaladas durante todo o período anterior à montagem dos equipamentos, exceto quando a operação exigir a retirada das mesmas. Caso não sejam cumpridas as especificações citadas neste documento, o responsável pela obra será notificado formalmente que a montagem dos equipamentos não será iniciada até que seja feita a adequação necessária. Será anexado ao termo do aviso do local como um item impeditivo da montagem. A programação ocorrerá após a regularização da proteção. Caso as proteções sejam danificadas ou retiradas durante o processo de montagem, os serviços serão paralisados até a adequação das proteções. A Atlas Schindler quer o melhor para sua obra. O fechamento correto dos vãos estruturais para instalação das escadas e esteiras rolantes em edifícios em fase de construção garante a segurança de todos na obra. 25

3 pás. Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes.

3 pás. Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes. 3 pás Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes. Com design diferenciado o Efyx Lunik3 é pré-montado.

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA CATÁLOGO 2015 Metro Form System São Paulo Matriz Rua Maria Paula Motta, 239 CEP 07171-140 Guarulhos SP Brasil Fone: (11) 2431-6666 Rio de Janeiro Filial Rua Agaí,

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Schindler 9500AE Esteiras Rolantes Inclinadas. Confiáveis, eficientes e elegantes. Solução ideal para edifícios comerciais.

Schindler 9500AE Esteiras Rolantes Inclinadas. Confiáveis, eficientes e elegantes. Solução ideal para edifícios comerciais. Esteiras Rolantes Inclinadas. Confiáveis, eficientes e elegantes. Solução ideal para edifícios comerciais. Com as suas necessidades em mente. Esteiras Rolantes Inclinadas Sua segurança, nossa responsabilidade.

Leia mais

Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores?

Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores? Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores? Nós movimentamos 1 bilhão de pessoas a cada dia... Grupo Schindler Grupo Schindler - Fundado por Robert Schindler, em 1874, na Suíça

Leia mais

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos Porto Alegre, 18 de junho de 2012. A Assembleia Legislativa do RS Porto Alegre, RS REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

elevador access acionamento hidráulico

elevador access acionamento hidráulico elevador access acionamento hidráulico SET/2013 elevador access Indicado para permitir acesso a desníveis de até 7m Acesso a pavimentos (entre andares) em edificações residenciais e comerciais como bancos,

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

Manual para trabalhos em altura.

Manual para trabalhos em altura. Manual para trabalhos em altura. Montagem de andaimes. O trabalho de montagem de andaimes possui características peculiares, pois em geral, os pontos de ancoragem são o próprio andaime, o que requer uma

Leia mais

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO Rua Rishin Matsuda, 562 Vila Santa Catarina CEP 04371-000 São Paulo SP Tel. 11 5563-6477 Fax 11 5563-3107 www.elevadoreszenit.com.br FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO ORIENTAÇÃO ELEVADORES CARGAS

Leia mais

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM CRUZ ALTA/RS

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM CRUZ ALTA/RS ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM CRUZ ALTA/RS Página 1 de 7 I. OBJETIVO O presente documento visa estabelecer os requisitos, condições e diretrizes técnicas e administrativas necessárias

Leia mais

Soluções em mobilidade vertical para hospitais. Quando o que mais importa é confiabilidade e eficiência. Elevadores hospitalares Schindler

Soluções em mobilidade vertical para hospitais. Quando o que mais importa é confiabilidade e eficiência. Elevadores hospitalares Schindler Soluções em mobilidade vertical para hospitais. Quando o que mais importa é confiabilidade e eficiência. Elevadores hospitalares Schindler Ambientes onde precisão e confiabilidade são requisitos mínimos.

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar.

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. Catálogo Técnico Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. m a t e r i a i s p a r a c o n s t r u i r m e l h o r. Vigas leves de alta resistência A LP Viga I é fabricada pela LP Building

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br SOLUÇÕES PARA FACHADA metax.com.br Passarela para pedestres Estes equipamentos são utilizados em locais onde a instalação do andaime fachadeiro obstrui a passagem de via, ou seja, a fachada do prédio não

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: AIRES, LUMIAR FÊNIX, FÊNIX CONTR PETIT Obrigado por adquirir o VENTISOL. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES

INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES Objetivo: Analisar as condições de funcionamento e segurança dos seus equipamentos 19/06/2015 Autor: LUIZ BARATTA - SENGE / RJ 1 HISTÓRICO Estima-se que no Brasil

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Elevadores de Passageiros Conhecimentos iniciais: Normas da ABNT NORMA NBR - 5666 Elevadores Elétricos - Terminologia NORMA NBR - NM 207 Elevadores

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS ELEVADOR A CABO ELEVADOR DE CREMALHEIRA Elevador de cremalheira e pinhão Maior custo compra / aluguel; Maior padrão de segurança;

Leia mais

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico JUL/2011 Acionamento Hidráulico Atende às normas NBR 9050 e NBR15655-1 Movimentação por botão de pressionamento constante ou joystick

Leia mais

Laboratório de Controle de

Laboratório de Controle de Laboratório de Controle de Qualidade - LCQ SENAI/CETEMO Eng. Maria Ballestrin Bertarello NBR 15860/2010 Está dividida em duas partes Parte 1 Requisitos de segurança Parte 2 Métodos de ensaios Escopo berços

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini Elementos de Circulação o conjunto de elementos de um edifício destinado ao movimento de pessoas:

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

Manual de Referência Técnica Elevac 200

Manual de Referência Técnica Elevac 200 Apresentação O Elevador Pneumático Elevac, fabricado pela Elevac Tecnologia em Elevadores, indústria brasileira, com patente registrada, é um sistema de transporte vertical pneumático, sem cabos, pistões

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

TUTORIAL PARA PREPARO DE AMBIENTE DE RECEPÇÃO DE PLATAFORMA HIDRÁULICA TIPO PL-G DA DWA

TUTORIAL PARA PREPARO DE AMBIENTE DE RECEPÇÃO DE PLATAFORMA HIDRÁULICA TIPO PL-G DA DWA 2014 DWA CONSTRUÇÕES ELETROMECÂNICAS LTDA. TUTORIAL PARA PREPARO DE AMBIENTE DE RECEPÇÃO DE PLATAFORMA HIDRÁULICA TIPO PL-G DA DWA Orientação ao construtor para preparo do ambiente que irá receber a plataforma

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

EL2000. Elevadores Residenciais e de Uso Restrito para Acessibilidade. Guia de especificação para o modelo 2913. Revisão: Novembro de 2008

EL2000. Elevadores Residenciais e de Uso Restrito para Acessibilidade. Guia de especificação para o modelo 2913. Revisão: Novembro de 2008 EL000 Elevadores Residenciais e de Uso Restrito para Acessibilidade Guia de especificação para o modelo 913 Revisão: ovembro de 008 EL 000 Elevador Residencial Unifamiliar A Montele fabrica há 5 anos o

Leia mais

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E 2 PARABÉNS!!!! Você adquiriu um SPA Jacuzzi Premium, feito na mais alta exigência de qualidade. Apenas com alguns cuidados, seu SPA pode proporcionar anos de alegria

Leia mais

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I Circulações Verticais São meios não mecânicos e mecânicos que permitem a ligação entre planos de níveis

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL:

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL: 1.0 - OBJETIVO: Estabelecer procedimentos seguros para montagem, desmontagem e utilização de andaimes, em serviços de manutenção nas áreas da fábrica. 2.0 - APLICAÇÃO: Este procedimento se aplica à montagem,

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

PORTA PIACENZA MANUAL DA CONSTRUTORA

PORTA PIACENZA MANUAL DA CONSTRUTORA MANUAL DA CONSTRUTORA PIACENZA REV.1 e-mail: detectamax@detectamax.com.br Aviso As informações contidas neste manual estão sujeitas a alterações sem notificação prévia. Todos os cuidados foram tomados

Leia mais

Vantagens. - A grande variedade de medidas, tipos de pisos, sistemas construtivos, etc. - M o n t a g e m r á p i d a, s i m p l e s

Vantagens. - A grande variedade de medidas, tipos de pisos, sistemas construtivos, etc. - M o n t a g e m r á p i d a, s i m p l e s Mezaninos Os mezaninos permitem aproveitar ao máximo a altura útil de um local, duplicando ou triplicando sua superfície e acondicionando-a como área de armazenagem, vestuário, escritórios, etc. A instalação

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO CINTAS QUALITY FIX Condições gerais de segurança... 4 As cores na movimentação... 5 Fator de Segurança... 5 A etiqueta azul de rastreabilidade... 6 Dicas de movimentação... 6 Certificado

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

A m e l h o r s o l u ç ã o p a r a s u a e m p r e s a. LINHA ARMÁRIOS

A m e l h o r s o l u ç ã o p a r a s u a e m p r e s a. LINHA ARMÁRIOS A m e l h o r s o l u ç ã o p a r a s u a e m p r e s a. LINHA ARMÁRIOS LINHA DE ARMÁRIOS PRESTO MAIS QUALIDADE POR MUITO MENOS QUALIDADE GARANTIDA Com um dos parques fabris mais modernos da América Latina,

Leia mais

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso OUT / 2011 plataforma elevatória ac 02 Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios residenciais

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador)

Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador) Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador) Nota: As especificações técnicas abaixo são um modelo a ser adaptado para cada caso. ELEVADOR ELÉTRICO AUTOMÁTICO PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

FÓRUM NORDESTE SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO JOÃO PESSOA, 24/02/2016

FÓRUM NORDESTE SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO JOÃO PESSOA, 24/02/2016 FÓRUM NORDESTE SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO JOÃO PESSOA, 24/02/2016 NOVAS EXIGÊNCIAS LEGAIS APLICÁVEIS AOS ELEVADORES DE OBRAS ANTONIO PEREIRA DO NASCIMENTO SRTE-SP

Leia mais

Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho.

Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho. 0 IMPORTANTE LEIA E SIGA AS SEGUINTES INSTRUÇÕES Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho. ATENÇÃO Atenção indica uma situação potencialmente

Leia mais

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO -

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Material elaborado pelo departamento técnico da OfficeBrasil Desenvolvimento de Projetos e Produtos Última atualização: Março de 2013 Belo Horizonte, MG Linha Ohra

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA

DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA SCAFFOLDING DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA TESTE DE CARGA: ALUFASE Vs SOLDADURA Carga (Toneladas) / Deformação (mm) 7 6 O sistema de deformação a frio provou ser 3 vezes mais forte que

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: WIND MDF/PLAST. WIND LIGHT MDF/PLAST. COMERCIAL Obrigado por adquirir o VENTISOL. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 805, DE 24 DE OUTUBRO DE 1995

CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 805, DE 24 DE OUTUBRO DE 1995 CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 805, DE 24 DE OUTUBRO DE 1995 Estabelece os requisitos técnicos mínimos do pára-choque traseiro dos veículos de carga O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO, usando

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À EDIFICAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL RIO GRANDE DO SUL,

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 1 DO OBJETO 1.1 Prestação de serviços de instalação de piso elevado acessível, com fornecimento de componentes, acessórios e materiais, visando

Leia mais

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc.

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc. GRUAS Os modernos Canteiros de Obras se utilizam de GRUAS para reduzirem o número de operários, auxiliar no cumprimento de prazos apertados e viabilizar a implantação de diversos sistemas de pré-moldados

Leia mais

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O 18.15. Andaimes. 18.15.1.1 Os projetos de andaimes do tipo fachadeiro, suspensos e em balanço devem ser acompanhados pela respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica. (Nova redação dada pela Portaria

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL)

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MEDIDAS DE SEGURANÇA QUANTO À MONTAGEM E USO DE ANDAIMES SUSPENSOS 1. O andaime não deve ser montado muito próximo à redes de energia elétrica. 2. Não utilizar o andaime

Leia mais

Manual do Proprietário Escadas e Esteiras Rolantes

Manual do Proprietário Escadas e Esteiras Rolantes Manual do Proprietário Escadas e Esteiras Rolantes Índice Você acaba de adquirir um produto com a qualidade reconhecida Atlas Schindler. As escadas e esteiras rolantes... 1 Principais componentes... 2

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

All you need is a hoistway

All you need is a hoistway All you need is a hoistway O elevador sem casa de máquinas. Mais liberdade para seus projetos! A Otis sabe que não se trata de qualquer projeto - é o seu projeto. Com o sistema Gen2, reexaminamos cada

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA COBERTURA DE QUADRA POLIESPORTIVA

Leia mais

A simbologia se baseia em quatro elementos geométricos básicos: o traço, o círculo, o triângulo equilátero e o quadrado.

A simbologia se baseia em quatro elementos geométricos básicos: o traço, o círculo, o triângulo equilátero e o quadrado. PROJETO ELÉTRICO Aula 4 - Simbologia Elétrica Simbologia Elétrica A simbologia se baseia em quatro elementos geométricos básicos: o traço, o círculo, o triângulo equilátero e o quadrado. 1 O traço cheio

Leia mais

ANEXO XI - PADRÃO TÉCNICO PARA VEÍCULO TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS MÍNIMOS BÁSICOS

ANEXO XI - PADRÃO TÉCNICO PARA VEÍCULO TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS MÍNIMOS BÁSICOS ANEXO XI - PADRÃO TÉCNICO PARA VEÍCULO TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO REQUISITOS MÍNIMOS BÁSICOS Este documento tem como objetivo estabelecer as características básicas aplicáveis aos veículos produzidos para

Leia mais

HTS ELEVADORES IND. E COM. LTDA.

HTS ELEVADORES IND. E COM. LTDA. HTS ELEVADORES IND. E COM. LTDA. ELEVADORES DE OBRA ELEVADOR DE OBRA ELEVADOR DE OBRA Controle automático digital Eficiência de consumo: quando o a velocidade ou carga está abaixo da condição de regime

Leia mais

Manual Ref. Técnica Plataforma Elevac 250

Manual Ref. Técnica Plataforma Elevac 250 Apresentação 1 A Plataforma Elevac traz comodidade e praticidade para todas as pessoas com dificuldades permanentes ou temporárias de locomoção. Ideal para clínicas, escolas, hospitais, hotéis e quaisquer

Leia mais

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP 1 INDÍCE 1 - OBJETIVO 2 - NORMAS APLICÁVEIS 3 - GENERALIDADES

Leia mais

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Índice Capítulo Título Página 1 Informações Gerais 3 2 Segurança 4 3 Especificações Técnicas 5 4 Ferramentas, Instrumentos e Materiais 6

Leia mais

Elevadores elétricos de passageiros - Requisitos de segurança para construção e instalação de elevadores com maquinaria dentro da caixa

Elevadores elétricos de passageiros - Requisitos de segurança para construção e instalação de elevadores com maquinaria dentro da caixa JUL 2007 Projeto 04:010.13-002 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Elevadores elétricos de passageiros - Requisitos de segurança para construção e instalação de elevadores com maquinaria dentro

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013.

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. Processo 56220/2013-73 Pregão 26/2014 GRUPO 1 MESAS E ESTAÇÕES DE TRABALHO 1 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1200X770MM 2 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1600X770MM

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 250

Manual de Referência Técnica ELEVAC 250 Manual de Referência Técnica ELEVAC 250 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s ESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Plataforma Elevac 250 traz comodidade e praticidade para todas as pessoas com dificuldades permanentes

Leia mais

Schindler 3600 Muito espaço. Visual perfeito. Suavidade. Você terá uma experiência inesquecível em nossos elevadores.

Schindler 3600 Muito espaço. Visual perfeito. Suavidade. Você terá uma experiência inesquecível em nossos elevadores. Muito espaço. Visual perfeito. Suavidade. Você terá uma experiência inesquecível em nossos elevadores. Elevadores de Passageiros Schindler . Viagens muito mais rápidas, suaves e confortáveis para um número

Leia mais

MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 1 MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado pela Elevac Tecnologia em Elevadores, indústria brasileira, é um sistema de

Leia mais

- MINI GRUA RG MG 500.1 -

- MINI GRUA RG MG 500.1 - - MINI GRUA RG MG 500.1 - 2 ÍNDICE 1- APRESENTAÇÃO...3 2- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS...4 3- INSTRUÇÕES DE MONTAGEM MECÂNICA...5 3.1- SISTEMA DE FIXAÇÃO POR TRIPÉ...5 3.2- CONJUNTO DE ACIONAMENTO PRINCIPAL...6

Leia mais

Eletroímã VERSÃO DO MANUAL

Eletroímã VERSÃO DO MANUAL Eletroímã VERSÃO DO MANUAL 1.1 de 25/04/2013 3045 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Itens que Acompanham... 3 2.1. FECHBEM SUPER FS 150 e FS 200... 3 2.2. AUTOMAG F300 E F600... 4 3. Especificações Técnicas...

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado, para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum modo cair dela. Moisés (1473 A.C.). Deuteronômio 22.8 CADERNO DE PROTEÇÕES

Leia mais