Proteção Catódica O Efetivo Combate à Corrosão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proteção Catódica O Efetivo Combate à Corrosão"

Transcrição

1 Proteção Catódica O Efetivo Combate à Corrosão Renato de Mello Brandão Horta Petrobras/UO-BC/IPP/EISUP Gestor: Petrobras/UO-BC Versão: 0 23/10/2015 NP-1

2

3 CUSTO DA CORROSÃO NA INDÚSTRIA E PARA A SOCIEDADE

4 Importância do estudo da corrosão Viabilizar economicamente as instalações industriais construídas com materiais metálicos; Manter a integridade física dos equipamentos e instalações industriais; Garantir a máxima segurança operacional, evitando-se acidentes, paradas operacionais não-programadas, lucros cessantes e problemas de poluição ambiental.

5

6 CORROSÃO Corrosão em plataforma semissubmersível com o sistema de proteção catódica inoperante (Corrosão alveolar severa dispersa) Incidência de corrosão em cordão de solda favorecendo a ocorrência de trincas por fadiga

7 ELEMENTOS NECESSÁRIOS PARA FORMAÇÃO DA PILHA ELETROQUÍMICA 1. ANODO 2. CATODO 3. LIGAÇÃO ELÉTRICA ENTRE AMBOS 4. ELETRÓLITO

8 CORROSÃO ELETROQUÍMICA

9 PILHA GALVÂNICA

10 PILHA GALVÂNICA

11 PILHA GALVÂNICA Utilização de materiais dissimilares

12 PILHA GALVÂNICA Corrosão na chapa do fundo de tanque devido à interligação elétrica com materiais dissimilares (aterramento em cobre e linha em liga de aço inox).

13 SÉRIE GALVÂNICA EXTREMIDADE ANÓDICA (MENOS NOBRE) 1 - Magnésio e suas ligas 2 - Zinco 3 - Alumínio comercialmente puro(1100) 4 - Cádmio 5 - Liga de alumínio(4,5 Cu,1,5 Mg, 0,6 Mn) 6 - Aço carbono 7 - Ferro fundido 8 - Aço inoxidável (13 Cr ativo) 9 - Ni-Resist (ferro fundido com alto níquel) 10 - Aço inoxidável (ativo) AISI-304 (18-8 Cr-Ni) 11 - Aço inoxidável (ativo) AISI-316 ( Cr-Ni-Mo) 12 - Liga de chumbo e estanho (solda) 13 - Chumbo 14 - Estanho 15 - Níquel (ativo) 16 - Inconel (ativo) 17 - Latões (Cu-Zn) 18 - Cobre 19 - Bronze (Cu-Sn) 20 - Cupro níqueis (60-90 Cu, Ni) 21 - Monel (70 Ni 30 Cu) 22 - Solda prata 23 - Níquel (passivo) 24 - Inconel (passivo) 25 - Aço inoxidável ao cromo (11-13 Cr passivo) 26 - Aço inoxidável AISI-304 (passivo) 27 - Aço inoxidável AISI-316 (passivo) 28 - Prata 29 - Titânio 30 - Grafite 31 - Ouro 32 - Platina EXTREMIDADE CATÓDICA ( MAIS NOBRE) O adequado uso da tabela de Série Galvânica Prática ajuda na melhor seleção de materiais para equipamentos e instalações metálicas diversas, sob o ponto de vista da prevenção ou redução do processo corrosivo

14 PROTEÇÃO ANTICORROSIVA OBJETIVO Retardar o avanço da corrosão eletroquímica impedindo ou controlando o funcionamento das pilhas de corrosão. Atua em um dos elementos constituintes das pilhas: No metal; No meio corrosivo; Nos potenciais das pilhas (PROTEÇÃO CATÓDICA); Na interface entre o metal e o eletrólito.

15 PROTEÇÃO CATÓDICA Definição: Técnica que consiste em proteger contra a corrosão a estrutura metálica atuando nos potenciais eletroquímicos da mesma. Os revestimentos anticorrosivos e a proteção catódica estão intimamente ligados. quanto melhor o revestimento mais baixo o custo da proteção catódica. quanto pior ou mais degradado estiver o revestimento maior será a quantidade de corrente necessária para a proteção da estrutura metálica (tanto a de polarização quanto a de manutenção).

16 FALHA DE REVESTIMENTO EXTERNO DE DUTO

17 PROTEÇÃO CATÓDICA Eliminação das áreas anódicas (corrosão) do aço ao ser posto em contato com um metal mais ativo (anódico).

18 PROTEÇÃO CATÓDICA Vantagens na Utilização da Técnica Proteção permanente contra corrosão de instalações metálicas enterradas ou submersas, revestidas ou não; Baixo custo de implantação, entre 1% e 2% do custo total da estrutura a ser protegida; Garantia de integridade da instalação; Controle da corrosão evitando-se acidentes ecológicos por conta de vazamento de produtos agressivos e danosos ao meio ambiente; Possibilidade de aplicação de materiais de menor custo como o aço carbono.

19 PROTEÇÃO CATÓDICA Tipos de Sistemas CORRENTE GALVÂNICA CORRENTE IMPRESSA

20 PROTEÇÃO CATÓDICA SELEÇÃO DO MÉTODO A SER USADO Sistema Galvânico Indicado somente para eletrólitos de baixa resistividade elétrica Indicado para pequenas instalações (exceto marítimas com eletrólito que possuem baixa resistividade elétrica) Contra-indicado para estruturas sujeitas a fortes correntes de interferência Não possibilita regulagem, ou aceita regulagem precária É menos sujeita a interrupções de funcionamento Pode necessitar de substituição periódica dos anodos É muito usado para a proteção de plataformas de petróleo e tubulações submersas no mar Sistema por Corrente Impressa Indicado para qualquer eletrólito (não há limitação quanto à resistividade elétrica) Indicado para instalações de qualquer porte Indicado para instalações sujeitas a correntes de interferência Possibilita ampla regulagem É mais sujeito a interrupções de funcionamento Necessita de inspeção e manutenção dos retificadores Custo inicial em geral maior que o do sistema galvânico, dependendo da instalação

21 PROTEÇÃO CATÓDICA ESTRUTURAS ONSHORE PROTEGIDAS PELO SPC 1. Dutos de transporte (oleodutos, gasodutos, adutoras, minerodutos, derivados de petróleo, produtos químicos, etc) 2. Tanques de armazenamento de água, óleo, derivados de petróleo e produtos químicos 3. Cabos telefônicos com revestimentos metálicos 4. Estacas metálicas de fundação de píeres 5. Torres de linhas de transmissão em alta tensão 6. Equipamentos de processo (Ex.: trocador de calor)

22 PROTEÇÃO CATÓDICA ESTRUTURAS OFFSHORE PROTEGIDAS PELO SPC 1. Parte interna dos tanques de carga, lastro e slop 2. Parte interna de equipamentos de processo, por exemplo, separadores de gás (SG), tratadores de óleo (TO) e trocadores de calor 3. Parte externa de equipamentos submersos submarinos como, por exemplo, árvores de natal molhada (ANM) e manifolds 4. Parte externa de linhas de produção submersas (risers)

23 5. Parte externa de linhas de escoamento submersas diversas (gás, óleo) 6. Parte externa das jaquetas das plataformas fixas 7. Externo dos cascos das plataformas FPSO, FSO e plataformas SS 8. Turrets de navios de produção (FPSO) PROTEÇÃO CATÓDICA ESTRUTURAS OFFSHORE PROTEGIDAS PELO SPC

24 PROTEÇÃO CATÓDICA GALVÂNICA TIPOS DE ANODOS

25 PROTEÇÃO CATÓDICA POR CORRENTE IMPRESSA TIPOS DE ANODOS

26 PROTEÇÃO CATÓDICA POR CORRENTE IMPRESSA TIPOS DE ANODOS

27 PROTEÇÃO CATÓDICA POR CORRENTE IMPRESSA - RETIFICADOR Retificador refrigerado a ar, instalado abrigado, para evitar vandalismo Painel frontal, interior do equipamento Instrumentos básicos de leitura disponíveis (voltímetros CA e CC, amperímetro, shunt, horímetro)

28 PROTEÇÃO CATÓDICA POR CORRENTE IMPRESSA - RETIFICADOR ESQUEMA ELÉTRICO

29 PROTEÇÃO CATÓDICA POR CORRENTE IMPRESSA - RETIFICADOR

30 PROTEÇÃO CATÓDICA POR CORRENTE IMPRESSA - RETIFICADOR

31 PROTEÇÃO CATÓDICA POR CORRENTE IMPRESSA - RETIFICADOR

32 PROTEÇÃO CATÓDICA POR CORRENTE IMPRESSA - RETIFICADOR

33 PROTEÇÃO CATÓDICA POR CORRENTE IMPRESSA - RETIFICADOR

34 PROTEÇÃO CATÓDICA POR CORRENTE IMPRESSA - RETIFICADOR

35 PROTEÇÃO CATÓDICA - JUNTAS DE ISOLAMENTO ELÉTRICO Limitam o fluxo de corrente de proteção catódica ao trecho enterrado do duto Junta de Isolamento Elétrico Tipo Monobloco Ex.: 12 x 600 # x 60 o C (pressão trabalho = 100 kgf/cm 2 e peso = 188 kg)

36 PROTEÇÃO CATÓDICA - JUNTAS DE ISOLAMENTO ELÉTRICO Junta Isolante Tipo Par de Flanges

37 PROTEÇÃO CATÓDICA - JUNTAS DE ISOLAMENTO ELÉTRICO Acessórios da Junta Isolante Tipo Par de Flanges

38 PROTEÇÃO CATÓDICA - JUNTAS DE ISOLAMENTO ELÉTRICO Junta Isolante Tipo Par de Flanges

39 PROTEÇÃO CATÓDICA - JUNTAS DE ISOLAMENTO ELÉTRICO

40 PROTEÇÃO CATÓDICA - DISPOSITIVO DE PROTEÇÃO DE JUNTAS ISOLANTES Dispositivos de proteção contra transientes elétricos podem ser instalados em juntas isolantes tipo monobloco ou tipo par de flanges.

41 PROTEÇÃO CATÓDICA - ELETRODOS DE REFERÊNCIA PARA SOLO Zn (Zinco) Cu/CuSO4 (Cobre/Sulfato de Cobre)

42 PROTEÇÃO CATÓDICA - PONTOS DE TESTE PARA MEDIÇÃO DE POTENCIAL E/OU INTERLIGAÇÃO ELÉTRICA DE INSTALAÇÕES

43 PROTEÇÃO CATÓDICA - PONTOS DE TESTE PARA MEDIÇÃO DE POTENCIAL E/OU INTERLIGAÇÃO ELÉTRICA DE INSTALAÇÕES O eletrodo de referência deve ser posicionado no solo, sobre o duto ou instalação a ser medida. O local deve ser molhado de forma a melhorar o contato eletrodo/solo, principalmente em regiões muito secas.

44 PROTEÇÃO CATÓDICA - PONTOS DE TESTE PARA MEDIÇÃO DE POTENCIAL E/OU INTERLIGAÇÃO ELÉTRICA DE INSTALAÇÕES

45 PROTEÇÃO CATÓDICA - PONTOS DE TESTE

46 PROTEÇÃO CATÓDICA - PONTOS DE TESTE PARA MEDIÇÃO DE POTENCIAL E/OU INTERLIGAÇÃO ELÉTRICA DE INSTALAÇÕES

47 PROTEÇÃO CATÓDICA CRITÉRIOS DE PROTEÇÃO ONSHORE Serve para verificar se uma estrutura metálica em um eletrólito está sob o controle da corrosão eletroquímica 1) Potenciais entre -850 mv e mv, ER Cu/CuSO 4. 2) Potencial OFF de 100 mv em relação ao potencial natural da estrutura. NOTA: Outros critérios existem em função da resistividade elétrica do solo, uso de aços ou ligas especiais, temperatura mais elevada, presença de bactérias anaeróbicas (BRS), o que deve ser considerado no dimensionamento e principalmente na fase de pré-operação do sistema.

48 DIAGRAMA DE POURBAIX Potencial x ph Podem ser observadas as regiões de corrosão (formação de Fe2+), de passivação (formação de óxidos), e de imunidade (ferro em estado puro). É justamente essa região do diagrama que serve de base à aplicação da proteção catódica como técnica anticorrosiva.

49 PROTEÇÃO CATÓDICA - APLICAÇÃO

50 PROTEÇÃO CATÓDICA - APLICAÇÃO Proteção por corrente impressa externa de fundo de tanque

51 PROTEÇÃO CATÓDICA - APLICAÇÃO Proteção por corrente impressa com leito profundo externa de fundo de tanque

52 PROTEÇÃO CATÓDICA - APLICAÇÃO proteção externa para um tanque enterrado

53 PROTEÇÃO CATÓDICA - APLICAÇÃO Proteção de tubulação enterrada com anodos inertes de corrente impressa

54 PROTEÇÃO CATÓDICA - APLICAÇÃO

55 Plataforma Fixa APLICAÇÕES OFFSHORE UNIDADES ESTACIONÁRIAS DE PRODUÇÃO Plataforma Autoelevatória Plataforma Semissubmersível Navio Existe mais de m 2 de instalações metálicas submersas protegidas contra corrosão na Bacia de Campos dentre as plataformas da Petrobras

56 APLICAÇÕES OFFSHORE - EQUIPAMENTOS SUBMARINOS Arranjo típico de instalações submarinas com proteção catódica (PLET, ANM, Manifold, etc)

57 APLICAÇÕES OFFSHORE - EQUIPAMENTOS SUBMARINOS Wet Christmas Tree - Árvore de Natal Molhada Equipamento mecânico usado em poços submarinos composto, basicamente, de conectores e válvulas, com a finalidade de interligar as tubulações internas e externas ao poço, e de permitir o controle do fluxo de fluidos através dele.

58 APLICAÇÕES OFFSHORE - EQUIPAMENTOS SUBMARINOS Manifold submarino Conjunto de tubos interligando diversas linhas de chegada com uma ou mais saídas, contendo válvulas e instrumentos para o controle do fluxo de fluidos. Pipeline End Manifold (PLEM) - Coletor de Extremidade de Duto Submarino Conjunto de tubulações e válvulas montado sobre quadro estrutural metálico, instalado na extremidade submarina de um ou mais dutos submarinos.

59 APLICAÇÕES OFFSHORE - EQUIPAMENTOS SUBMARINOS Pipeline End Termination (PLET) - Extremidade de Duto com Conexão Vertical Conexão vertical montada sobre quadro estrutural metálico instalado na extremidade submarina de um ou mais dutos submarinos.

60 Blow Out Preventor (BOP) - Preventor de Erupções Equipamento mecânico que compreende válvulas que permitem isolar um poço de petróleo em caso de fluxo incontrolável. Permite a vedação contra tubos ou até mesmo corte de tubos.

61 APLICAÇÕES OFFSHORE EXTERNO DO CASCO DE SEMISSUBMERSÍVEIS Anodos galvânicos instalados no flutuador da PETROBRAS XV (Japão)

62 APLICAÇÕES OFFSHORE EXTERNO DO CASCO DE SEMISSUBMERSÍVEIS

63 APLICAÇÕES OFFSHORE EXTERNO DO CASCO DE SEMISSUBMERSÍVEIS Anodos galvânicos Instalados em plataforma tipo Spar Buoy (Unidade tubular de grande calado)

64 APLICAÇÕES OFFSHORE EXTERNO DO CASCO DE NAVIOS E INTERNO DE TANQUES

65 APLICAÇÕES OFFSHORE EXTERNO DE DUTOS RÍGIDOS REVESTIDOS

66 PROTEÇÃO CATÓDICA CRITÉRIOS DE PROTEÇÃO OFFSHORE Serve para verificar se uma estrutura metálica em um eletrólito está sob o controle da corrosão eletroquímica Para plataformas e demais estruturas offshore é a polarização das partes submersas e enterradas, e acessórios interligados, a valores de potencial nas seguintes faixas: Potenciais entre -800 mv e mv, ER Ag/AgCl Potenciais entre +250 mv e -100 mv, ER Zn

67 PROTEÇÃO CATÓDICA CRITÉRIOS DE PROTEÇÃO OFFSHORE

68 DNV-RP-B101 PROTEÇÃO CATÓDICA MONITORAMENTO DO SISTEMA

69 ELEMENTOS DO SISTEMA ANODOS GALVÂNICOS TIPO BRAÇADEIRA PARA DUTOS SUBMARINOS

70 ELEMENTOS DO SISTEMA Anodo galvânico em liga de alumínio tipo braçadeira bipartido em duto rígido (riser)

71 ELEMENTOS DO SISTEMA ANODOS GALVÂNICOS DO TIPO ALONGADO E ACHATADO PARA TANQUES E EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

72 ELEMENTOS DO SISTEMA ANODO INERTE DE CORRENTE IMPRESSA

73 ELEMENTOS DO SISTEMA COFFERDAM PARA ENTRADA DE CABO DO ANODO INERTE

74 ELEMENTOS DO SISTEMA COFFERDAM PARA ENTRADA DE CABO DO ANODO INERTE Irregularidades na instalação!

75 ELEMENTOS DO SISTEMA

76 PROTEÇÃO CATÓDICA IMPORTÂNCIA DO CORRETO DIMENSIONAMENTO: SUBDIMENSIONAMENTO -> ESTRUTURA DESPROTEGIDA SUPERDIMENSIONAMENTO -> H 2, DELAMINAÇÃO CATÓDICA, CORRENTES DE INTERFERÊNCIA (ELETROLÍTICA)

77 CORROSÃO COM EMPOLAMENTO POR HIDROGÊNIO O hidrogênio atômico penetra no material metálico difundindo-se rapidamente, devido ao seu pequeno tamanho, em regiões com descontinuidades e inclusões. Sua união com outro hidrogênio atômico gera hidrogênio molecular que, por sua maior dimensão, provoca bolhas e empolamentos no material. Apesar de não ser corrosão, é um problema que pode ter origem no processo de proteção contra corrosão.

78 REVITALIZAÇÃO DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO CATÓDICA OFFSHORE - Conceito de anodo remoto - Requisitos para revitalização - Aplicações

79 PROTEÇÃO CATÓDICA A magnitude do campo elétrico ao redor do anodo é função da resistividade da água do mar, da saída de corrente do anodo e de sua distância. Campo elétrico do anodo sem efeito sobre a estrutura Campo elétrico do anodo afetando a estrutura

80 PROTEÇÃO CATÓDICA REQUISITOS NECESSÁRIOS AO SPC PARA REVITALIZAÇÃO - Instalação na locação e facilidade para isso; - Baixo custo; - Proteção integral da estrutura; - Facilidade de operação; - Facilidade de manutenção; - Robustez do sistema; - Composição otimizada sem perda da confiabilidade e da garantia de integridade das instalações; - Arranjo físico do sistema resistente a danos mecânicos (interferência com embarcações, quedas de objetos, ondas, correnteza, etc); - Qualidade dos materiais a serem empregados; - Compatibilidade dos materiais a serem empregados.

81 REVITALIZAÇÃO COM ANODOS GALVÂNICOS Dupla de anodos galvânicos (Dual-Clamp) Instalação de dupla de anodos galvânicos em jaqueta de plataforma fixa de produção

82 REVITALIZAÇÃO COM ANODOS GALVÂNICOS Instalação de skid de anodos galvânicos por meio de cabo elétrico e braçadeira de fixação (clamp) em jaqueta de plataforma fixa de produção

83 REVITALIZAÇÃO DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO CATÓDICA EM DUTOS E EQUIPAMENTOS SUBMARINOS

84 REVITALIZAÇÃO COM ANODOS GALVÂNICOS A conexão dos skids com o duto seria por um cabo elétrico e com uma braçadeira (clamp) Detalhe do clamp de fixação

85 REVITALIZAÇÃO COM ANODOS GALVÂNICOS REGISTRO FOTOGRÁFICO

86 REVITALIZAÇÃO COM ANODOS GALVÂNICOS REGISTRO FOTOGRÁFICO

87 REVITALIZAÇÃO DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO CATÓDICA EM PIER DE ATRACAÇÃO DE NAVIOS (PARACURÚ CE)

88 REVITALIZAÇÃO NO PIER DE ATRACAÇÃO

89 REVITALIZAÇÃO DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO CATÓDICA EM PLATAFORMAS MARÍTIMAS FIXAS DE PRODUÇÃO

90 Jaqueta: Parte estrutural de uma plataforma fixa de produção que vai desde a fundação no leito marinho até pouco acima do nível do mar, e sobre a qual são instalados todos os módulos/estruturas (acomodação, utilidades, processamento, heliponto, torres, dentre outros). PLATAFORMA FIXA

91 PLATAFORMA FIXA Sistema original por corrente galvânica com anodos de sacrifício soldados à estrutura da jaqueta. SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA JAQUETAS: Região emersa e zona de variação de maré (ZVM) -> esquema de pintura/revestimento. Região continuamente imersa -> somente por anodos galvânicos.

92 PLATAFORMA FIXA Anodos em liga de alumínio instalados em uma jaqueta da Petrobras (Fonte: PETROBRAS)

93 PLATAFORMA FIXA Anodos em liga de alumínio instalados em uma jaqueta da Petrobras (Fonte: PETROBRAS)

94 PLATAFORMA FIXA CONFIGURAÇÕES DE PROJETOS EXISTENTES (Bacia de Campos) Número de anodos: anodos Tipo de material do anodo: liga de alumínio Área total a ser protegida: m² m² Massa bruta do anodo: 520 kg 700 kg Massa líquida do anodo: 440 kg 620 kg Corrente total requerida: A A

95 ACOMPANHAMENTO /DIAGNÓSTICO DO SPC desgaste generalizado leve desgaste generalizado severo Anodos galvânicos instalados em jaquetas (Fonte: PETROBRAS) desgaste irregular

96 ACOMPANHAMENTO /DIAGNÓSTICO DO SPC 1. Acompanhamento por meio de inspeção periódica com intervalo máximo de 5 anos (ROV e mergulho raso). Inspeção visual; Inspeção dimensional; Verificação da fixação dos anodos galvânicos; Medição de potencial eletroquímico. 2. Emissão de relatório com recomendações técnicas de inspeção. 3. Medições de potencial adicionais até 30 m ou mais com eletrodo de referência portátil pendular (ERPP).

97 ACOMPANHAMENTO /DIAGNÓSTICO DO SPC MEDIÇÃO DE POTENCIAL (VEÍCULO OPERADO REMOTAMENTE ROV) (Fonte: DEEPWATER)

98 ACOMPANHAMENTO /DIAGNÓSTICO DO SPC MEDIÇÃO DE POTENCIAL (ELETRODO PORTÁTIL UTILIZADO PELO MERGULHO) (Fonte: DEEPWATER)

99 ACOMPANHAMENTO /DIAGNÓSTICO DO SPC MEDIÇÃO DE POTENCIAL (ELETRODO PORTÁTIL PENDULAR - ERPP) (Fonte: PETROBRAS)

100 PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO POR CORRENTE IMPRESSA Sistemas contemplados na revitalização (Pioneirismo em jaquetas no Brasil) 1- Anodos Instalados no Leito Marinho 2- Anodos Fixados em Tirantes

101 PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO POR CORRENTE IMPRESSA Instalação submarina de conjuntos de anodos inertes fixados em bóias conectadas em um skid metálico assentado no leito marinho. (Fonte: DEEPWATER)

102 PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO POR CORRENTE IMPRESSA Detalhe de skid de anodos assentado no leito marinho (Fonte: DEEPWATER)

103 PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO POR CORRENTE IMPRESSA SISTEMA COM ANODOS INSTALADOS NO LEITO MARINHO 5 a 10 pontos de injeção de corrente alocados ao redor da jaqueta; Levantamento cuidadoso das instalações metálicas submarinas existentes, a fim de se evitar interferências eletrolíticas indesejáveis do novo sistema nestas instalações; Instalação adequada e robusta dos elementos submarinos (anodos, cabos elétricos, eletrodos de referência) de forma evitar danos e fragilização prematura do sistema; Utilização de recursos de embarcação de apoio, mergulho raso e equipamento ROV.

104 PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO POR CORRENTE IMPRESSA SISTEMA COM ANODOS FIXADOS EM TIRANTES Instalação submarina de conjuntos de anodos inertes fixados em cabos metálicos tensionados desde o deck inferior da plataforma até o leito marinho. Normalmente estes conjuntos são alocados pela parte interna da jaqueta. (Fonte: DENORA)

105 PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO POR CORRENTE IMPRESSA SISTEMA COM ANODOS FIXADOS EM TIRANTES AO LONGO DA JAQUETA 5 a 10 pontos de injeção de corrente (conjuntos de cabos tensionados); Distribuição de corrente uniforme, reduzindo riscos de sombreamento como também regiões de sub ou superproteção; Utilização de recursos de escalador industrial, mergulho raso e equipamento ROV.

106 REVITALIZAÇÃO DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO CATÓDICA EM UNIDADES MARÍTIMAS SEMISSUBMERSÍVEIS

107 PREMISSAS Dimensionado para uma vida útil mínima de 10 anos; Anodos são instalados suspensos na posição vertical; O número de pontos de injeção de corrente a serem instalados deve ser o mínimo possível, garantindo-se a proteção integral da estrutura; Utilização de anodos inertes de titânio revestido com óxidos mistos de metais nobres (Ti MMO), dimensões em torno de 2.500mm de comprimento x 100mm de diâmetro, e capacidade de corrente em torno de 200A a 250A/anodo.

108 ANODOS REMOTOS

109 ANODOS REMOTOS Fonte: Memória de Cálculo nº MC CJI-050

110 ANODOS REMOTOS

111 ANODOS REMOTOS Fonte: Relatório de Intervenção Submarina Junho a Agosto/2011 Mergulho Raso e ROV

112 ANODOS REMOTOS Fonte: Relatório de Intervenção Submarina Junho a Agosto/2011 Mergulho Raso e ROV

113 ANODOS REMOTOS REGISTROS DA INSPEÇÃO VISUAL Fonte: Relatório de Intervenção Submarina Setembro a Outubro/2011 Mergulho Raso e ROV

114 RESUMO DE PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO DE SEMISSUBMERSÍVEIS forma Área protegida (m 2 ) SPC original Motivo da substituição SPC revitalização Início de operação Performance (inspeções submarinas) Galvânico (600 a 650 anodos soldados) Final da vida útil Corrente impressa (2 retificadores 450Acc cada + 12 anodos em tirantes + 2 ER) 1999 Proteção integral (1 inspeção ), sem informações sobre corrente dos retificadores Galvânico e depois corrente impressa para 10 anos (na conversão da unidade em 1990) Final da vida útil e danos ao SPC por corrente impressa Corrente impressa (2 retificadores 400Acc cada + 2 anodos suspensos + 2 ER) 2002 Proteção integral (2 inspeções 2006 a 2008) Sistema opera injetando aprox. 200A total Galvânico (514 anodos soldados) Final da vida útil Corrente impressa (2 retificadores 200Acc cada + 2 anodos suspensos + 2 ER) 2009 Proteção integral (1 inspeção 2011) Sistema opera injetando aprox. 100A total

115 CONCLUSÕES A proteção catódica aplicada em complementação aos revestimentos protetores constitui-se no único meio eficiente para assegurar a proteção contra a corrosão de instalações terrestres e marítimas, e garantir a integridade e segurança das instalações on e offshore. Falhas de revestimento podem sobrecarregar o sistema de proteção catódica e prejudicar a distribuição de corrente. Dimensionamentos podem ser feitos utilizando-se de ferramentas de simulação numérica, verificando e otimizando o projeto. Projetos de revitalização com corrente impressa mostraram resultados excelentes em relação aos valores de potencial obtidos, e corrente de manutenção bem reduzida.

116 OBRIGADO PELA ATENÇÃO! Renato de Mello Brandão Horta

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e-

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e- 1 Proteção catódica A proteção catódica é um dos métodos mais empregados para a proteção de grandes estruturas quer seja enterradas ou submersas (parcial ou totalmente). Assim, tubulações e tanques de

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO - DEFINIÇÃO Ferrugem Deterioração Oxidação Perda de material ASTM G15: Reação química ou eletroquímica entre um material (geralmente metálico)

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1 Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1 CORROSÃO METÁLICA: É a deterioração e a perda de material devido a ação química ou eletroquímica do meio ambiente,

Leia mais

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 A corrosão é a deterioração de metais e ligas por ação química do meio ambiente. Sendo este meio a água do mar ou o solo, metais e ligas que nele

Leia mais

PROTEÇÃO CATÓDICA PROGRAMAÇÃO

PROTEÇÃO CATÓDICA PROGRAMAÇÃO PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 2: PROTEÇÃO CATÓDICA DE DUTOS TERRESTRES Este material contém informações classificadas como NP1 PROGRAMAÇÃO 1.Introdução: Projeto de dutos;

Leia mais

Medição de Nível. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Nível. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Nível Profa. Michelle Mendes Santos Introdução Medir a variável nível em processos industriais é quantificar referenciais por meio da monitoração contínua ou discreta com o objetivo de avaliar

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

Termostatos KP. Brochura técnica MAKING MODERN LIVING POSSIBLE. Termostatos KP são interruptores elétricos ativados por temperatura com contatos SPDT.

Termostatos KP. Brochura técnica MAKING MODERN LIVING POSSIBLE. Termostatos KP são interruptores elétricos ativados por temperatura com contatos SPDT. MAKING MODERN LIVING POSSIBLE Brochura técnica Termostatos KP Termostatos KP são interruptores elétricos ativados por temperatura com contatos SPDT. Um termostato KP pode ser conectado diretamente a um

Leia mais

Estudo de Corrosão em Fundação de Torres Estaiadas

Estudo de Corrosão em Fundação de Torres Estaiadas Estudo de Corrosão em Fundação de Torres Estaiadas Neusvaldo Lira de Almeida 1, Sidney O. Pagotto Jr. 2, Leandro Santos Escudero 3 Marcus Garbelotti 4, José Antonio Jardini 5, Mário Masuda 6 Resumo - Estruturas

Leia mais

3 FORMAS DE CORROSÃO 3.1. CLASSIFICAÇÃO DA CORROSÃO. 3.1.1. Mecanismos. 3.1.2. Morfologia

3 FORMAS DE CORROSÃO 3.1. CLASSIFICAÇÃO DA CORROSÃO. 3.1.1. Mecanismos. 3.1.2. Morfologia 44 3 FORMAS DE CORROSÃO Neste capítulo serão apresentadas as classificações utilizadas para corrosão em dutos considerando o mecanismo, morfologia, fenomenologia, dimensionamento e gerenciamento. 3.1.

Leia mais

ROGERTEC. Proteção eficiente em qualquer estrutura enterrada? TERRA-ANODO G

ROGERTEC. Proteção eficiente em qualquer estrutura enterrada? TERRA-ANODO G Proteção eficiente em qualquer estrutura enterrada? Terraerra-Anodo G (TAG) Age galvanicamente com armaduras, fios e cabos de protensão, impedindo-os de corroer por 20 ou 30 anos, seja em solos de baixa

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES MATERIAIS ELÉTRICOS Prof. Rodrigo Rimoldi - CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES (Aula 6) Metais Mercúrio (Hg) Metais Único metal líquido à temperatura ambiente; Resistividade relativamente elevada (95 10-8

Leia mais

II.8.7 - Eventos Identificados

II.8.7 - Eventos Identificados 64 / 102 - Eventos Identificados.1 - Atividades de Instalação A aplicação da metodologia apresentada nos itens anteriores possibilitou a construção das planilhas de Análise Preliminar de Perigos. Especificamente

Leia mais

Manual Técnico de Coberturas Metálicas

Manual Técnico de Coberturas Metálicas Manual Técnico de Coberturas Metálicas Coberturas Metálicas Nas últimas décadas, as telhas produzidas a partir de bobinas de aço zincado, revolucionaram de maneira fundamental, a construção civil no Brasil,

Leia mais

Sistemas Marítimos. Hélio Y. Kubota Sala DE303 RiserProd e-mail: kubota@dep.fem.unicamp.br

Sistemas Marítimos. Hélio Y. Kubota Sala DE303 RiserProd e-mail: kubota@dep.fem.unicamp.br Sistemas Marítimos Hélio Y. Kubota Sala DE303 RiserProd e-mail: kubota@dep.fem.unicamp.br Visão Geral de um Sistema Marítimo Unidades de Perfuração / Produção Facilidades de Superfície / Fundo Riser, Flow

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais

Proteção Catódica em Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Proteção Catódica em Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Proteção Catódica em Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Definição Proteção Catódica (PC) é um método de proteção contra a corrosão de estruturas enterradas ou submersas baseado no princípio

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS

INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 5: INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS Este material contém informações classificadas como NP-1 INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS Aproximações

Leia mais

Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios Não Destrutivos, Salvador, agosto, 2002

Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios Não Destrutivos, Salvador, agosto, 2002 INSPEÇÃO EM LINHAS DE ANCORAGEM DE UNIDADES DE PRODUÇÃO Ricardo Célio Freire Gonçalves Luís Cláudio Sousa Costa Petróleo Brasileiro SA PETROBRAS Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios

Leia mais

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO O escoamento das plataformas é feito através de dutos que podem ser denominados dutos rígidos ou dutos flexíveis, de acordo com o material de que são constituidos.

Leia mais

06/08/2014 FUNDAMENTOS DA CORROSÃO, PROTEÇÃO E DURABILIDADE DAS ARMADURAS FUNDAMENTOS DA CORROSÃO FUNDAMENTOS DA CORROSÃO

06/08/2014 FUNDAMENTOS DA CORROSÃO, PROTEÇÃO E DURABILIDADE DAS ARMADURAS FUNDAMENTOS DA CORROSÃO FUNDAMENTOS DA CORROSÃO Profa. Eliana Barreto Monteiro Corrosão Eletroquímica Quais as condições para que haja a corrosão eletroquímica? A maioria dos materiais em contato com o meio ambiente forma um sistema termodinamicamente

Leia mais

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm)

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm) Barras de Pesagem Beckhauser Manual do Usuário Conheça seu equipamento em detalhes e saiba como aproveitar todo seu potencial no manejo. Leia atentamente este Manual antes de utilizar o produto e antes

Leia mais

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável Arames Barras chatas Bobinas Cantoneiras Chapas Discos Perfis Buchas Tubos Tubos de cobre para refrigeração Vergalhões, redondos, sextavados e

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA A CORROSÃO

PROTEÇÃO CONTRA A CORROSÃO PROTEÇÃO CONTRA A CORROSÃO Aços resistentes à corrosão atmosférica Pág 2 Galvanoplastia Pág 6 Pinturas Pág 11 Há uma tendência natural do ferro constituinte do aço retornar ao seu estado primitivo de minério,

Leia mais

PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio NOMENCLATURA Pilha: dispositivo constituído unicamente de dois eletrodos e um eletrólito, arranjados de maneira a

Leia mais

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio Ciclo de Vida do Empreendimento: Todos os empreendimentos tem um ciclo de vida - têm um início, um crescimento

Leia mais

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos A TORCISÃO A Torcisão foi fundada em 1968, iniciando suas atividades na fabricação de peças para a indústria automobilística. Em 2006, o grupo se expandiu e fundou

Leia mais

Tópicos Especiais de Corrosão

Tópicos Especiais de Corrosão Tópicos Especiais de 1 1.1 Fundamentos sobre e Oxidação 1.1.1 Introdução Todos os metais e ligas estão sujeitos à corrosão. Não há nenhum material que possa ser empregado em todas as aplicações. O ouro,

Leia mais

Miolo - Candy encastráveis 2011_list-CANDY-2010.qxd 5/20/11 3:58 PM Page 17. Catálogo Candy Encastre - PLACAS PLACAS K N O W S H O W

Miolo - Candy encastráveis 2011_list-CANDY-2010.qxd 5/20/11 3:58 PM Page 17. Catálogo Candy Encastre - PLACAS PLACAS K N O W S H O W Miolo - Candy encastráveis 2011_list-CANDY-2010.qxd 5/20/11 3:5 PM Page 17 Catálogo Candy Encastre - PLACAS 1 7 PLACAS K N O W S H O W Miolo - Candy encastráveis 2011_list-CANDY-2010.qxd 5/20/11 3:5 PM

Leia mais

Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto

Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto 4 NÍVEL Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto 4.1 Medição Direta É a medição que tomamos como

Leia mais

CORROSÃO DOS MATERIAIS METÁLICOS

CORROSÃO DOS MATERIAIS METÁLICOS Capítulo 8 CORROSÃO DOS MATERIAIS METÁLICOS 8.1 Conceitos gerais A corrosão pode ser definida como a dissolução eletroquímica de metais em íons, liberando elétrons, que ocorre quando metais dessemelhantes

Leia mais

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda. LPgomes@iecengenharia.com.br www.iecengenharia.com.br

Leia mais

DECRETO Nº 5.567 DECRETA

DECRETO Nº 5.567 DECRETA DECRETO Nº 5.567 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o disposto no Convênio ICMS 130/2007, DECRETA Art.

Leia mais

Equipamento sofisticado multiprocesso de soldagem para uso industrial exigente. Resumidamente

Equipamento sofisticado multiprocesso de soldagem para uso industrial exigente. Resumidamente Resumidamente Equipamento sofisticado com os mais recentes recursos tecnológicos e compatibilidade total com software de otimização de soldagem Todos os processos de soldagem a arco disponíveis: MIG, MIG

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO

SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO ROTEIRO INSTALAÇÕES MARÍTIMAS GESTÃO E ENGENHARIA DE PETRÓLEO E GÁS Introdução; Tipos de Unidades de Perfuração e Completação; Tipos de Unidades e Sistemas de Produção;

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2011 Instrução Técnica nº 37/2011 - Subestação elétrica 739 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2011 Subestação

Leia mais

ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO. João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A.

ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO. João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A. ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A. Trabalho apresentado na 6ª Conferência sobre Tecnologia

Leia mais

Tubo de Aço e Revestimentos. Eng. Rudinei Stoll

Tubo de Aço e Revestimentos. Eng. Rudinei Stoll Tubo de Aço e Revestimentos Eng. Rudinei Stoll Agenda Carbono Normas de Tubo e de Aço Processos de fabricação ERW SAWH Controle de Qualidade Revestimentos Isento de alcatrão - Fusion Bonded Epoxy (FBE)

Leia mais

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA Edson Hiromassa Takano 1 Ana Sofia C.M. D Oliveira 2 hiromassa@gmail.com 1 sofmat@ufpr.br 2 1, 2 Departamento de Engenharia Mecânica, Setor de

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Transmissor de Pressão Diferencial NP800H

Transmissor de Pressão Diferencial NP800H Transmissor de Pressão Diferencial NP800H MANUAL DE INSTRUÇÕES V2 DESCRIÇÃO O transmissor inteligente NP800H é utilizado na medição e monitoração de pressão diferencial em ambientes agressivos, onde além

Leia mais

Suplemento à proposta COM (2010)459 de um REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO

Suplemento à proposta COM (2010)459 de um REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 21.9.2010 COM(2010) 515 final 2010/0240 (NLE) Suplemento à proposta COM (2010)459 de um REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO que impõe medidas restritivas contra

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DETERIORADAS POR CORROSÃO. 17/2/2006 RRE/Corrosão 1

RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DETERIORADAS POR CORROSÃO. 17/2/2006 RRE/Corrosão 1 RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DETERIORADAS POR CORROSÃO 17/2/2006 RRE/Corrosão 1 Objetivos Nosso objetivo principal é apresentar o estado-da-arte da tecnologia de recuperação de estruturas de concreto deterioradas

Leia mais

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL Fernando Nascimento 1-21370122 Gabriela Sampaio Rêma 2-21370051 Marcos Vinícius Lemos da Silva 3-21270116 Paula da Silva Nogueira 4-21370049 RESUMO Poucas

Leia mais

ER900 & ES900 ESCADAS ROLANTES & ESTEIRAS

ER900 & ES900 ESCADAS ROLANTES & ESTEIRAS ER900 & ES900 ESCADAS ROLANTES & ESTEIRAS www.grupojmms.com A solução perfeita para sua demanda e necessidade. Nossas soluções buscam trazer benefícios e segurança para seu empreendimento. Uma escolha

Leia mais

0(025,$/'(6&5,7,92. (63(&,),&$d (67e&1,&$63$5$,167$/$d 2'2/27(

0(025,$/'(6&5,7,92. (63(&,),&$d (67e&1,&$63$5$,167$/$d 2'2/27( 35(* 235(6(1&,$/683$71ž 0(025,$/'(6&5,7,92 (63(&,),&$d (67e&1,&$63$5$,167$/$d 2'2/27( As presentes especificações estabelecem os requisitos mínimos a serem obedecidos no fornecimento e instalação dos materiais

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO

CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO 8 CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO 8.1 INTRODUÇÃO Em qualquer circuito elétrico, nota-se a presença de elementos condutores, que interligam os equipamentos elétricos às fontes e aos demais componentes

Leia mais

1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil

1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil 1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil A Petrobrás alcançou em julho de 2005 a média de produção de 1,76 milhões de barris por dia, sendo destes 1,45 milhões só na

Leia mais

Manômetros. Conexões Rosqueadas FIT Nº FI-S1201. Diâmetro 4" e 6. Modelo MV MVE. Material do Corpo Aço Inox. Pressão Máxima 28,0 barg FI-P32202

Manômetros. Conexões Rosqueadas FIT Nº FI-S1201. Diâmetro 4 e 6. Modelo MV MVE. Material do Corpo Aço Inox. Pressão Máxima 28,0 barg FI-P32202 Manômetros FIT Nº FI-S101 Modelo MV MVE Diâmetro 4" e 6 Conexões Rosqueadas do Corpo Pressão Máxima 8,0 barg FI-P30 EL 600 1/ Rosca até 50 bar 193 FI-P30-01 Edição 3 - Rev 1 EL 600 Transmissor de pressão

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote 2.3 Introdução Galvanização por Imersão a Quente por Processo Contínuo Versus Galvanização

Leia mais

SOLUÇÔES INTEGRAIS 1

SOLUÇÔES INTEGRAIS 1 SOLUÇÔES INTEGRAIS 111 Sistema estrutural de alumínio Perfis e acessórios Série MICRO Tipo... Liga... Estado... Tolerâncias dimensionais... Terminação... Sistema modular de perfis de alumínio e seus acessórios

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up. Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012 António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.pt Capítulo 3 Baterias Solares As baterias solares, também conhecidas

Leia mais

Tubos, Projetos Especiais e Processos Agregados

Tubos, Projetos Especiais e Processos Agregados Tubos, Projetos Especiais e Processos Agregados Toda a qualidade em aço que você precisa www.meincol.com.br voestalpine AG A voestalpine está segmentada em 4 divisões: voestalpine. Uma empresa com forte

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS Instalação do sistema de geração de ozônio na piscina coberta do Centro de Atividades do SESC Ceilândia. Brasília-DF COMAP/DIAD Página 1 BASES TÉCNICAS PARA

Leia mais

Características do processo

Características do processo SOLDAGEM POR OXIGÁS Processo de soldagem que utiliza o calor gerado por uma chama de um gás combustível e o oxigênio para fundir o metal-base e o metal de adição A temperatura obtida através da chama é

Leia mais

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Classificação dos materiais

Leia mais

Condutores elétricos

Condutores elétricos Sair da Norma Voltar para o Índice Alfabético Geral Condutores elétricos NOV 1986 NBR 5471 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900

Leia mais

PRODUTOS E SISTEMAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E DE COMUNICAÇÃO

PRODUTOS E SISTEMAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E DE COMUNICAÇÃO PRODUTOS E SISTEMS PR INSTÇÕES EÉTRICS E DE COMUNICÇÃO Perfilados, Eletrocalhas e eitos pág. 310 Perfilados e acessórios Perfilados, Eletrocalhas e eitos Perfilados e acessórios (pág. 310) 306 pág. 316

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS Ligações rosqueadas; Ligações soldadas; Ligações flangeadas; Ligações de ponta e bolsa; Outras Ligações: - Ligações de compressão; - Ligações patenteadas. 1 Fatores que influenciam

Leia mais

Reforços na suportação de bandeja, recheios e outros internos de Torres de Processamento 1. Definições

Reforços na suportação de bandeja, recheios e outros internos de Torres de Processamento 1. Definições Reforços na suportação de bandeja, recheios e outros internos de Torres de Processamento 1. Definições 1.1. Torres de processamento Torres, também denominadas colunas, servem para realizar as operações

Leia mais

Purgador Termostático de Pressão Balanceada Manual de Instalação e Manutenção

Purgador Termostático de Pressão Balanceada Manual de Instalação e Manutenção Purgador Termostático de Pressão Balanceada Manual de Instalação e Manutenção ÍNDICE Termo de Garantia 1.Descrição 2.Instalação 3.Manutenção 4.Peças de reposição 5.Informações Técnicas 1 TERMO DE GARANTIA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2015 Instrução Técnica nº 37/2011 - Subestação elétrica 739 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2015 Subestação

Leia mais

VÁLVULA ESFERA MONOBLOCO LATÃO FORJADO

VÁLVULA ESFERA MONOBLOCO LATÃO FORJADO VÁLVULA MONOBLOCO LATÃO FORJADO A Válvula de Esfera Monobloco GBR, possue corpo e peça única, oferecendo segurança absoluta com vedação estanque. São construídas em latão forjado, conforme DIN 17.660,

Leia mais

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Título APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Autores Eng o. Luiz Rodrigues Leite Jr. - Engenheiro II. Engenheiro Eletricista Eng o. Nilton Franco

Leia mais

ELETRÓLISE - TEORIA. Eletrólitos são condutores iônicos de corrente elétrica. Para que ocorra essa condução, é necessário:

ELETRÓLISE - TEORIA. Eletrólitos são condutores iônicos de corrente elétrica. Para que ocorra essa condução, é necessário: ELETRÓLISE - TEORIA Introdução Dentro do estudo de eletroquímica temos a eletrólise, que consiste num processo não-espontâneo, baseado na decomposição de uma espécie química (eletrólito) por uma corrente

Leia mais

00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS

00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS 00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS N.º DATA REVISÃO ELAB./ VERIF. ENGEPRO APROV. ENGEPRO APROV. CLIENTE ENG10A-LT-013 ATE XVI PROJETO BÁSICO - LOTE A LEILÃO Nº 007/2012 - ANEEL ELAB. VERIF. LT S 500

Leia mais

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica.

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. Materiais de Construção Metais José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt 1 Metais Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. 2 1 Propriedades Mecânicas Resistência à rotura Deformabilidade

Leia mais

Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão. Prevenção a Corrosão.

Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão. Prevenção a Corrosão. Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão Prevenção a Corrosão. o Definição Corrosão é definida como um ataque destrutivo e não intencional de um metal; esse ataque é eletroquímico e, normalmente,

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 INTRODUÇÃO Com o declínio das reservas onshore e offshore em águas rasas, a exploração e produção em águas profundas

Leia mais

Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios

Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas fixos de CO 2 : Os sistemas fixos diferem conforme a modalidade de armazenamento do meio extintor entre Sistemas

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

INTRODUÇÃO. Tradução: fora da terra. Mais empregado como a área da plataforma continental até uma lâmina d água de 2000 metros, no caso do Brasil.

INTRODUÇÃO. Tradução: fora da terra. Mais empregado como a área da plataforma continental até uma lâmina d água de 2000 metros, no caso do Brasil. INTRODUÇÃO 1. OFF-SHORE Tradução: fora da terra. Mais empregado como a área da plataforma continental até uma lâmina d água de 2000 metros, no caso do Brasil. 2. O MEIO AMBIENTE Vento Age nas partes expostas

Leia mais

NORMA TÉCNICA 40/2014

NORMA TÉCNICA 40/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 40/2014 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

CÉLULA / SENSOR ION-SELETIVO CLORO LIVRE INORGÂNICO

CÉLULA / SENSOR ION-SELETIVO CLORO LIVRE INORGÂNICO Head office: Via Catania 4, 00040 Pavona di Albano Laziale (Roma) Italy, Tel. +39 06 9349891 (8 lines) Fax +39 06 9343924 CÉLULA / SENSOR ION-SELETIVO CLORO LIVRE INORGÂNICO GUIA DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

Leia mais

Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8896)

Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções Termossifão pressurizado (EA8896) Índice 1. Aviso... 3 2. Caracteristicas técnicas... 4 3. Princípios da Operação... 4 3.1. Tubos de vácuo... 4 3.2. Heat Pipe... 5 4. Instalação...

Leia mais

Medição de Temperatura. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Temperatura. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Temperatura Profa. Michelle Mendes Santos Métodos de Medição Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

Medidores de Vazão Eletromagnéticos. E-Series da Rosemount DRAFT. Como causar um impacto positivo no seu processo.

Medidores de Vazão Eletromagnéticos. E-Series da Rosemount DRAFT. Como causar um impacto positivo no seu processo. Medidores de Vazão Eletromagnéticos E-Series da Rosemount DRAFT Como causar um impacto positivo no seu processo. A tecnologia E-Series faz muita diferença. A tecnologia E-Series da Rosemount realmente

Leia mais

1.1 Objetivo. 1.2 Considerações Iniciais

1.1 Objetivo. 1.2 Considerações Iniciais 1 Introdução 1.1 Objetivo O objetivo deste trabalho é avaliar o desempenho de um reparo em dutos, que utiliza multicamadas metálicas coladas; estudando seu comportamento e propondo modelos numéricos e

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM 1. APRESENTAÇÃO A Pós-graduação em Engenharia de Soldagem propicia a oportunidade de especialização na tecnologia e controle da qualidade da soldagem, além

Leia mais

Educação Química CINÉTICA QUÍMICA

Educação Química CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA É a parte da química que estuda a rapidez ou taxa de variação das reações e os fatores que nela influem. - Antigamente denominada de velocidade 1, é uma medida da rapidez com que são consumidos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2004

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2004 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2004 Subestação Elétrica ANEXO Modelo

Leia mais

Acumuladores hidráulicos

Acumuladores hidráulicos Tipos de acumuladores Compressão isotérmica e adiabática Aplicações de acumuladores no circuito Volume útil Pré-carga em acumuladores Instalação Segurança Manutenção Acumuladores Hidráulicos de sistemas

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

Estágio 3 Assentamento Final/Depuração. Estágio 1 Assentamento Primário. Estágio 2 Aeração/Oxigenação

Estágio 3 Assentamento Final/Depuração. Estágio 1 Assentamento Primário. Estágio 2 Aeração/Oxigenação A unidade Tricel é um sistema completo de tratamento de águas residuais domésticas, com base em processos de filtragem aerada submersos. Essa tecnologia, que utiliza a experiência da Tricel em sistemas

Leia mais

Anexo A 30/10/2014 10:01

Anexo A 30/10/2014 10:01 Licitação: PR-32/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS 23065.16923/2014-38 Anexo A 30/10/2014 10:01 Assunto: AQUISIÇÃO DE MATERIAIS PERMANENTES PARA O BIOTÉRIO CENTRAL Item Especificação do Material 1 5.208.005.026

Leia mais

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto 1.753.000.080 IM-D176-01 BR Rev.00 TR Tanque Flash Manual de Instalação e Manutenção 1. Termo de garantia 2. Informações gerais de segurança 3. Informações de segurança específicas do produto 4. Informações

Leia mais

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão AULA 2 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 3 Capítulo 5 Capítulo 6 Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão 1 MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS LIGAÇÕES ROSQUEADAS

Leia mais