PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio"

Transcrição

1 PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

2 NOMENCLATURA Pilha: dispositivo constituído unicamente de dois eletrodos e um eletrólito, arranjados de maneira a produzir energia elétrica. Bateria: conjunto de pilhas agrupadas em série ou paralelo. Atualmente os termos pilhas e baterias são usados indistintamente.

3 CLASSIFICAÇÃO PRIMÁRIA NÃO RECARREGÁVEL BATERIA Pilha seca e pilha alcalina. SECUNDÁRIA RECARREGÁVEL Bateria de chumbo, bateria de níquel/cádmio, bateria de íons lítio e células de combustível.

4 Potencial ( E ):1,5 V. PILHA SECA OU COMUM Reações complexas; as mais prováveis são: Inventada em 1860 pelo químico francês George Leclanché. Ânodo constituído de zinco metálico, cátodo de um bastão de grafite rodeado de pó de dióxido de manganês (MnO 2 ) e grafite, e o eletrólito é uma pasta formada de cloreto de amônio e cloreto de zinco. Ânodo: Zn(s) Zn 2+ (aq) + 2e - Cátodo: 2 NH 4+ (aq) + 2 MnO 2 (s) + 2e - 2 NH 3 (g) + Mn 2 O 3 (s) + H 2 O(l) DESVANTAGENS: Formação de gás que impede o fluxo de íons. Reações paralelas ( prateleira ) que provocam vazamentos. Presença de mercúrio, chumbo e cádmio riscos ao meio ambiente.

5 PILHA ALCALINA Semelhante à pilha de Leclanché. Substituição do NH 4 Cl por KOH alcalina. Reações que ocorrem: Ânodo: Zn(s) Zn 2+ (aq) + 2e - Cátodo: 2 MnO 2 (s) + H 2 O(l) + 2e - Mn 2 O 3 (s) + 2 OH - (aq) VANTAGENS: Menor risco de vazamento. Maior durabilidade (ausência de gás amônia, maior condutividade elétrica do KOH e desgaste lento do zinco em meio básico). Ausência de mercúrio, chumbo e cádmio.

6 BATERIA DE CHUMBO Construída em 1859 pelo francês Raymond Planté. Usada nos automóveis, consiste em 6 pilhas de 2 V ligadas em série. Ânodo constituído de chumbo e cátodo de óxido de chumbo IV (PbO 2 ), ambos mergulhados em solução de ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ). Reações que ocorrem: Ânodo: Pb(s) + SO 4 2- (aq) PbSO 4 (s) + 2e - Cátodo: PbO 2 (s) + 4 H + (aq) + SO 4 2- (aq) + 2e - PbSO 4 (s) + 2 H 2 O(l)

7 Reação global : Pb(s) + PbO 2 (s) + 2 H 2 SO 4 (aq) descarga carga 2 PbSO 4 (s) + 2 H 2 O(l) Avaliação da carga da bateria densidade da solução de ácido sulfúrico. Bateria carregada: densidade igual a 1,28 g/cm 3. Bateria descarregada: densidade inferior a 1,20 g/cm 3. A recarga da bateria é feita pelo alternador. DESVANTAGENS: Adição periódica de água destilada decomposição da água da solução. Utilização de chumbo metal pesado e tóxico riscos ao meio ambiente. Bateria selada

8 BATERIA DE NÍQUEL/CÁDMIO Utilizada em filmadoras, aparelhos eletrônicos portáteis, telefones sem fio etc. Ânodo constituído de cádmio metálico e cátodo por hidróxido(óxido) de níquel III imerso em uma solução de KOH. Fornece um potencial constante de aproximadamente 1,4 V podendo ser recarregada diversas vezes. Reações que ocorrem: Ânodo: Cd(s) + 2 OH - (aq) Cd(OH) 2 (s) + 2e - Cátodo: 2 NiO(OH)(s) + 2 H 2 O(l) + 2e - 2 Ni(OH) 2 (s) + 2 OH - (aq) DESVANTAGENS: Alto custo de produção. Utilização de cádmio metal pesado e tóxico riscos ao meio ambiente. Efeito memória.

9 Substituição das baterias de níquel/cádmio pelas baterias de níquel/hidreto metálico. PRINCIPAL DIFERENÇA: Substituição do cádmio por hidrogênio na forma de hidreto metálico. Reações que ocorrem: Ânodo: 2 MH(s) + 2 OH - (aq) 2 M(s) + 2 H 2 O(l) + 2e - Cátodo: 2 NiO(OH)(s) + 2 H 2 O(l) + 2e - 2 Ni(OH) 2 (s) + 2 OH - (aq) Fornece um potencial constante de aproximadamente 1,2 V podendo ser recarregada diversas vezes. VANTAGENS E DESVANTAGENS EM RELAÇÃO ÀS BATERIAS DE NÍQUEL/CÁDMIO: Maior desempenho. Custo superior.

10 BATERIA DE ÍONS LÍTIO Utiliza íons lítio dissolvidos em solventes não aquosos. Fornece um potencial que varia entre 3,0 a 3,5 V podendo ser recarregada diversas vezes. Ânodo constituído de grafite, cobre e íons lítio intercalados nas camadas de carbono e cátodo de óxido de cobalto litiado (Li x CoO 2 ). Durante o processo de descarga, os íons lítio migram desde o interior do material que compõe o ânodo até dentro do material do cátodo e os elétrons movem-se através do circuito externo. Reações que ocorrem: Ânodo: oxidação do carbono e liberação de íons lítio. Cátodo: redução do cobalto com entrada de íons lítio.

11 VANTAGENS: Alto desempenho. Menor massa e tamanho. Menor risco ambiental.

12 CÉLULAS DE COMBUSTÍVEL Surgiu a partir dos questionamentos da relação entre obtenção de energia elétrica e impacto ambiental. Constituída de dois eletrodos porosos separados por um eletrólito e conectados por um fio externo condutor. Utiliza hidrogênio (H 2 ) e oxigênio (O 2 ), usualmente do ar, na forma de um fluxo de gás. Reações que ocorrem: Ânodo: H 2 (g) 2 H + (aq) + 2e - Cátodo: ½ O 2 (g) + 2 H + (aq) + 2e - H 2 O(l) Reação global: H 2 (g) + ½ O 2 (g) H 2 O(l) As células de combustível são dispositivos geradores de energia eficientes e essencialmente não poluentes.

13 BATERIA SELADA Não necessitam de reposição periódica de água. Substituição da liga chumbo-antimônio por chumbo-cálcio que impede a decomposição da água. Visor na tampa permite verificar se a bateria está carregada (esfera verde). Verde carregada Densidade da esfera menor que a da solução.

Sumário 20 Pilhas/Baterias

Sumário 20 Pilhas/Baterias Sumário 2 Pilhas/Baterias 1. Definições e características 2. Baterias primárias 2.1 Baterias de Leclanché (pilhas secas) 2.2 Baterias Alcalinas 2.3 Baterias de Lítio 3. Baterias secundárias 3.1 Baterias

Leia mais

Corrosão Eletroquímica. Sumário 21 - Baterias e Corrosão. Definições e características Baterias primárias. Baterias secundárias

Corrosão Eletroquímica. Sumário 21 - Baterias e Corrosão. Definições e características Baterias primárias. Baterias secundárias Sumário 21 - Baterias e Corrosão Definições e características Baterias primárias Baterias de Leclanché (pilhas secas) Baterias Alcalinas Baterias de Lítio Baterias secundárias Baterias de chumbo Baterias

Leia mais

Células(Pilhas/ Baterias) Comerciais

Células(Pilhas/ Baterias) Comerciais Pilha-célula galvânica Células(Pilhas/ Baterias) Comerciais Bateria- conjunto de pilhas ou células galvânicas ligadas em série Características: Diferença de potencial constante (V), gerada durante um certo

Leia mais

d) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,30 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni) e) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,74 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni)

d) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,30 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni) e) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,74 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni) 1. (Ufpr 2013) As baterias são indispensáveis para o funcionamento de vários dispositivos do dia a dia. A primeira bateria foi construída por Alessandro Volta em 1800, cujo dispositivo consistia numa pilha

Leia mais

PILHAS ELETROQUÍMICAS

PILHAS ELETROQUÍMICAS PILHAS ELETROQUÍMICAS As pilhas eletroquímicas são dispositivos capazes de produzir energia elétrica à custa de uma reação redox espontânea. Como as primeiras pilhas foram construídas por Galvani e Volta,

Leia mais

Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP-2011. A Química das Baterias

Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP-2011. A Química das Baterias Autor: Daniel Arjona de Andrade Hara Série: Primeira Ensino Médio Profs. : Roberto Mauro da Fonseca Colégio: Objetivo Granja Viana Cidade: Cotia, SP Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química

Leia mais

21814. (Ufg) Observando a tira, responda:

21814. (Ufg) Observando a tira, responda: 17054. (Unesp) As baterias dos automóveis são cheias com solução aquosa de ácido sulfúrico. Sabendo-se que essa solução contém 38% de ácido sulfúrico em massa e densidade igual a 1,29g/cm, pergunta-se:

Leia mais

As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos

As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos 3. Níquel Hidreto Metálico (NiMH) Ânodo: composto intermetálico capaz de se ligar ao H. Cátodo: NiOOH. Electrólito alcalino, li geralmente KOH. Pode ter 2 a 3

Leia mais

Nesta última década assistiu-se

Nesta última década assistiu-se QUÍMICA E SOCIEDADE Nerilso Bocchi, Luiz Carlos Ferracin e Sonia Regina Biaggio Este artigo define o que são pilhas e baterias, apresentando o funcionamento das que mais freqüentemente aparecem no dia-a-dia

Leia mais

ELETROQUÍMICA Potenciais padrão a 298K Metais Cu Mg Zn Soluções CORRETO ordem crescente de reatividade

ELETROQUÍMICA Potenciais padrão a 298K Metais Cu Mg Zn Soluções CORRETO ordem crescente de reatividade ELETROQUÍMICA 1- (FURG) Deixou-se por um determinado tempo um fio de estanho e um fio de ferro mergulhados em uma solução aquosa de sulfato de cobre (CuSO 4 ). A respeito desse experimento pode-se afirmar

Leia mais

Semana Europeia da Prevenção Introdução As Pilhas e Baterias são um resíduo considerado perigoso para o ambiente, sempre que não sejam devidamente encaminhadas para tratamento. Os Produtores de Pilhas

Leia mais

PILHAS E BATERIAS. Estudo da capacidade disponível para pilhas recarregáveis MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELETROTÉCNICA E DE COMPUTADORES

PILHAS E BATERIAS. Estudo da capacidade disponível para pilhas recarregáveis MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELETROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PILHAS E BATERIAS Estudo da capacidade disponível para pilhas recarregáveis 1MIEEC01_04 André Galiza (201403181) Daniel Gonçalves (201402775) Isa Almeida (201403568) Mário Carvalho (201402929) Tiago Pereira

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 6 - Conversão de Outras Energias em Energia Elétrica. Sorocaba, Março de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 6 - Conversão de Outras Energias em Energia Elétrica. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 6 - Conversão de Outras Energias em Energia Elétrica Sorocaba, Março de 2015. CONVERSÃO DE OUTRAS ENERGIAS

Leia mais

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR Recentemente estive envolvido na elaboração de um laudo técnico pericial referente ao um princípio de incêndio ocorrido em um local onde estavam sendo

Leia mais

Corrosão de peças metálicas à atmosfera Condições para que ocorra:

Corrosão de peças metálicas à atmosfera Condições para que ocorra: Corrosão de peças metálicas à atmosfera Condições para que ocorra: existência de zonas catódicas e anódicas; possibilidade de circulação de electrões entre elas; presença do electrólito para transporte

Leia mais

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)?

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? EXERCÍCIOS REVISÃO 1ª série 1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? 2. Qual a fórmula do composto formado entre o potássio, K (Z = 19) e o enxofre, S (Z =

Leia mais

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil Introdução As baterias estão em todos os lugares, carros, computadores, laptops, MP3 players e telefones celulares.

Leia mais

Pilhas ou células eletroquímicas

Pilhas ou células eletroquímicas Capítulo 16 Pilhas ou células eletroquímicas Neste capítulo Reações de oxirredução produzindo corrente elétrica. Células eletroquímicas. Caráter oxidante e potencial padrão. Determinação do potencial padrão

Leia mais

ENERGIA DO HIDROGÊNIO - Célula de Combustível Alcalina

ENERGIA DO HIDROGÊNIO - Célula de Combustível Alcalina Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica PPGEE0030 - INTRODUÇÃO ÀS ENERGIAS RENOVÁVEIS Docente: Professor Doutor João Tavares Pinho Discente:

Leia mais

ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS

ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS 95 ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS Questão 01) Uma maneira de proteger estruturas metálicas da corrosão em ambientes úmidos é ligá-las eletricamente a metais com potenciais de oxidação maiores do que o do metal

Leia mais

GERADOR ELECTROQUÍMICO:

GERADOR ELECTROQUÍMICO: CARACTERÍSTICAS DE UMA PILHA A expressão corrente pilha eléctrica designa um gerador electroquímico não recarregável. GERADOR ELECTROQUÍMICO: Um gerador electroquímico é um dispositivo capaz de transformar

Leia mais

Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP Pilha ou Bateria: um quase eterno dilema

Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP Pilha ou Bateria: um quase eterno dilema Autor: Gabriel Augusto Ginja Série: Primeira do Ensino Médio Prof. : Rubens Conilho Junior Colégio: Etapa Cidade: São Paulo, SP Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP-2011 Pilha ou

Leia mais

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO Valentim M B Nunes, 2003 ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO CÉLULAS GALVÂNICAS OU ELECTROQUÍMICAS 1. Revisão de reacções redox Consideremos o seguinte dispositivo experimental, em que uma barra de zinco é colocada

Leia mais

Instrução: Leia o texto para responder as questões de números 1 e 2.

Instrução: Leia o texto para responder as questões de números 1 e 2. UNESP/2011/1 Instrução: Leia o texto para responder as questões de números 1 e 2. Não basta matar a sede. Tem de ter grife Existem cerca de 3 mil marcas de água no mundo, mas só um punhado delas faz parte

Leia mais

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA PILHAS

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA PILHAS TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA Prof. Borges PILHAS 1. (Uepg 2010) A figura a seguir ilustra o esquema de uma pilha formada por um eletrodo de Zn em solução de Zn 2+ e um outro eletrodo

Leia mais

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up. Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012 António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.pt Capítulo 3 Baterias Solares As baterias solares, também conhecidas

Leia mais

Na indústria, um dos processos de obtenção do ácido sulfúrico consiste no tratamento térmico vigoroso da pirita (FeS 2

Na indústria, um dos processos de obtenção do ácido sulfúrico consiste no tratamento térmico vigoroso da pirita (FeS 2 QUÍMICA 20 Na indústria, um dos processos de obtenção do ácido sulfúrico consiste no tratamento térmico vigoroso da pirita (FeS 2 ) na presença de corrente de ar (reação de ustulação). Os produtos obtidos

Leia mais

E L E T R O Q U Í M I C A

E L E T R O Q U Í M I C A UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE E L E T R O Q U Í M I C A Professora: Dra. Sonia B. Faldini 2003 1 Introdução A Eletroquímica tem aplicação em muitas áreas da química, da biologia e da física. Desenvolvimentos

Leia mais

Metais Pesados Tóxicos. -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg.

Metais Pesados Tóxicos. -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg. Metais Pesados Tóxicos -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg. -Locais de fixação final desses metais pesados: Solos e Sedimentos; Características

Leia mais

Baterias de Chumbo. A A bateria de chumbo-ácido cido foi inventada por. período que remonta aos primórdios rdios das células galvânicas.

Baterias de Chumbo. A A bateria de chumbo-ácido cido foi inventada por. período que remonta aos primórdios rdios das células galvânicas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E DA NATUREZA-CCEN DEPARTAMENTO DE QUIMICA Disciplina: FísicoF sico-química II Professora: Claudia Braga BATERIAS DE CHUMBO ALUNO: RONALDO

Leia mais

Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello

Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello Fácil Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello Médio www.quimica.net/emiliano emiliano@quimica.net Difícil Níveis de dificuldade das Questões 01. Em um frasco,

Leia mais

ANEXO 12- TIPOS DE ACUMULADORES

ANEXO 12- TIPOS DE ACUMULADORES ANEXO 12- TIPOS DE ACUMULADORES 182 Conteúdo 1 Tipos de Acumuladores... 183 1.1 Acumuladores Ácido chumbo... 184 1.1.1 Manutenção e Vida dos Acumuladores.... 184 1.1.2 Carregamento de acumuladores... 185

Leia mais

Eletroquímica PROF. SAUL SANTANA

Eletroquímica PROF. SAUL SANTANA Eletroquímica PROF. SAUL SANTANA Como o Cobre é mais nobre que o Zinco, ele reduz oxidando o zinco Espontaneidade de reações de oxirredução e pilhas Forma metálica e forma oxidada Ferro oxidado (minério)

Leia mais

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO Departamento de Química Inorgânica IQ / UFRJ IQG 18 / IQG 31 9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO I. INTRODUÇÃO As reações de oxirredução estão entre as reações químicas mais comuns e importantes. Estão envolvidas

Leia mais

Histórico. O cádmio foi descoberto em 1817, por Friedrich Strohmeyer (1776-1835), a partir de impurezas do mineral calamina (Zn 2 CO 3

Histórico. O cádmio foi descoberto em 1817, por Friedrich Strohmeyer (1776-1835), a partir de impurezas do mineral calamina (Zn 2 CO 3 Histórico O cádmio foi descoberto em 1817, por Friedrich Strohmeyer (1776-1835), a partir de impurezas do mineral calamina (Zn 2 CO 3 ), dando origem ao nome do elemento. A etimologia deste mineral deriva

Leia mais

Questão 76. Questão 78. Questão 77. alternativa D. alternativa C. alternativa A

Questão 76. Questão 78. Questão 77. alternativa D. alternativa C. alternativa A Questão 76 O hidrogênio natural é encontrado na forma de três isótopos de números de massa, 1, 2 e 3, respectivamente: 1 1 H, 2 1 H e 3 1 H As tabelas periódicas trazem o valor 1,008 para a sua massa atômica,

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

MSPC INFORMAÇÕES TÉCNICAS

MSPC INFORMAÇÕES TÉCNICAS Pilhas e/ou baterias podem ser definidas como geradores químicos de energia elétrica. Tecnicamente, a unidade geradora básica é denominada célula. Em muitos casos práticos, a tensão fornecida por uma célula

Leia mais

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq) " 2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq) " 2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível.

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq)  2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq)  2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível. Química QUESTÃO 1 O metabissulfito de potássio (K 2 S 2 O 5 ) e o dióxido de enxofre (SO 2 ) são amplamente utilizados na conservação de alimentos como sucos de frutas, retardando a deterioração provocada

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

06/08/2014 FUNDAMENTOS DA CORROSÃO, PROTEÇÃO E DURABILIDADE DAS ARMADURAS FUNDAMENTOS DA CORROSÃO FUNDAMENTOS DA CORROSÃO

06/08/2014 FUNDAMENTOS DA CORROSÃO, PROTEÇÃO E DURABILIDADE DAS ARMADURAS FUNDAMENTOS DA CORROSÃO FUNDAMENTOS DA CORROSÃO Profa. Eliana Barreto Monteiro Corrosão Eletroquímica Quais as condições para que haja a corrosão eletroquímica? A maioria dos materiais em contato com o meio ambiente forma um sistema termodinamicamente

Leia mais

Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final

Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final Gustavo Henrique Branco VAZ¹; Vássia Carvalho SOARES²; ¹Estudante

Leia mais

QUIMICA I. Eletroquímica. Profa. Eliana Midori Sussuchi

QUIMICA I. Eletroquímica. Profa. Eliana Midori Sussuchi QUIMICA I Eletroquímica Profa. Eliana Midori Sussuchi Reações de oxiredução O Zn adicionado ao HCl produz a reação espontânea Zn(s) + 2H + (aq) Zn 2+ (aq) + H 2 (g). O número de oxidação do Zn aumentou

Leia mais

OS METAIS DO BLOCO S: METAIS ALCALINOS TERROSOS (GRUPO 2)

OS METAIS DO BLOCO S: METAIS ALCALINOS TERROSOS (GRUPO 2) OS METAIS DO BLOCO S: METAIS ALCALINOS (GRUPO 1) METAIS ALCALINOS TERROSOS (GRUPO 2) METAIS ALCALINOS (1A) Os Alcalinos são os elementos do Grupo 1 (1A) da Tabela Periódica. Formada pelos seguintes metais:

Leia mais

De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer?

De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer? De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer? Você sabia que denominamos bateria ao conjunto de pilhas associadas em série ou paralelo? Dessa forma, podemos dizer que bateria é o coletivo de pilhas,

Leia mais

7- (PUCCAMP) Examine as equações químicas a seguir: I- 2CrO 4

7- (PUCCAMP) Examine as equações químicas a seguir: I- 2CrO 4 OXIRREDUÇÃO 1- Se X, Y e Q apresentam número de oxidação máximo nas espécies químicas XO 4 2-, MgYO 3 e H 3 QO 4, então pertencem, respectivamente, à família dos: A) Metais Alcalinos, Carbono e Nitrogênio.

Leia mais

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1 1 2 3 4 5 COMPOSIÇÃO DA MATÉRIA O uso prático da eletricidade já é do conhecimento humano à mais de cem anos. A eletricidade consiste do movimento de elétrons em um condutor. Para poder entender o que

Leia mais

RECIFE. Colégio Salesiano Sagrado Coração. Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 2013 Disciplina: Química. Pilha (Espontâneo, ΔG < 0)

RECIFE. Colégio Salesiano Sagrado Coração. Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 2013 Disciplina: Química. Pilha (Espontâneo, ΔG < 0) RECIFE Colégio Salesiano Sagrado Coração ] Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 2013 Disciplina: Química Professor: Eber Barbosa 01 Introdução Eletroquímica é o estudo das relações existentes entre

Leia mais

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21 Questão 21 QUÍMICA A irradiação é uma técnica utilizada na conservação de alimentos para inibir a germinação, retardar o amadurecimento e destruir bactérias patogênicas. Os isótopos césio 137 e cobalto

Leia mais

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUESTÃO 01 Os valores das sucessivas energias de ionização de um átomo constituem uma evidência empírica da existência de níveis de energia. Os diagramas abaixo pretendem representar,

Leia mais

CAPÍTULO 7 ELETROQUÍMICA

CAPÍTULO 7 ELETROQUÍMICA 1 CAPÍTULO 7 ELETROQUÍMICA SUMÁRIO 7.1 Introdução...216 7.2 Forma de condução...217 7.2.1 Condução metálica ou eletrônica...217 7.2.2 Condução eletrolítica ou iônica...219 7.3 Reações espontâneas e célula

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

Guia do Professor. Olá Professor(a)! Este Guia tem por finalidade ajudar você a conduzir as atividades propostas para o estudo da Eletrólise!

Guia do Professor. Olá Professor(a)! Este Guia tem por finalidade ajudar você a conduzir as atividades propostas para o estudo da Eletrólise! Olá Professor(a)! Este Guia tem por finalidade ajudar você a conduzir as atividades propostas para o estudo da Eletrólise! O vídeo Eletrólise faz parte do Programa A Química nossa de cada dia, Foi produzido

Leia mais

ELETRÓLISE - TEORIA. Eletrólitos são condutores iônicos de corrente elétrica. Para que ocorra essa condução, é necessário:

ELETRÓLISE - TEORIA. Eletrólitos são condutores iônicos de corrente elétrica. Para que ocorra essa condução, é necessário: ELETRÓLISE - TEORIA Introdução Dentro do estudo de eletroquímica temos a eletrólise, que consiste num processo não-espontâneo, baseado na decomposição de uma espécie química (eletrólito) por uma corrente

Leia mais

EQUAÇÕES REDOX 7.1 As semi reações Consideramos a oxidação como a perda de elétrons Ex: Mg (s) Mg +2 (s) +2e Par redox Ox/Red Mg +2 /Mg

EQUAÇÕES REDOX 7.1 As semi reações Consideramos a oxidação como a perda de elétrons Ex: Mg (s) Mg +2 (s) +2e Par redox Ox/Red Mg +2 /Mg Eletroquímica ELETROQUÍMICA/ EQUAÇÕES REDOX / CÉLULAS GALVÂNICAS / ELETRÓLISE Eletroquímica Interação da eletricidade e reações químicas ELETRICIDADE REAÇÕES QUÍMICAS Definição :Eletroquímica é o ramo

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Marcelly da Silva Sampaio RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1 Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1 CORROSÃO METÁLICA: É a deterioração e a perda de material devido a ação química ou eletroquímica do meio ambiente,

Leia mais

Hidrogênio x Hidrogênio Hidrogênio x Não metal Não metal x Não metal

Hidrogênio x Hidrogênio Hidrogênio x Não metal Não metal x Não metal LIGAÇÃ QUÍMICA Introdução: s átomos, ao se unirem, procuram perder ou ganhar elétrons na última camada até atingirem a configuração eletrônica de um gás nobre. Teoria do octeto: s átomos dos elementos

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 CATEGORIA EM-2 Nº INSCRIÇÃO: Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 Questão 3: O chamado soro caseiro é uma tecnologia social que consiste na preparação e administração de uma mistura de água,

Leia mais

EXERCÍCIOS DO ITA (1980-1999)

EXERCÍCIOS DO ITA (1980-1999) EXERCÍCIOS DO ITA (1980-1999) 1- (ITA-1980) Um ânion mononuclear bivalente com 10 elétrons apresenta: a) 10 prótons nucleares b) a mesma estrutura eletrônica que a do Mg 2+. c) número de massa igual a

Leia mais

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição A lição enfoca o conceito de fluxo de elétrons, através da demonstração de circuitos elétricos em uma lanterna,

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Eletroquímica David P. White Reações de oxiredução O Zn adicionado ao HCl produz a reação espontânea Zn(s) + 2H + (aq) Zn 2+ (aq) + H 2 (g). O número de oxidação do

Leia mais

PILHAS E BATERIAS. Bolsistas: Matheus Liz Mariela Ana Claudia. Nayara Gabriela Andressa. Novembro/2015

PILHAS E BATERIAS. Bolsistas: Matheus Liz Mariela Ana Claudia. Nayara Gabriela Andressa. Novembro/2015 PILHAS E BATERIAS Bolsistas: Matheus Liz Mariela Ana Claudia Nayara Gabriela Andressa Novembro/2015 Sumário Definição Histórico: Pilha de Volta (1800) Pilha de Daniell (1836) Pilha de Leclanché Pilha Alcalina

Leia mais

Sistemas e Circuitos Eléctricos

Sistemas e Circuitos Eléctricos Sistemas e Circuitos Eléctricos 1º Ano/1º Semestre EACI 1º Laboratório: Introdução ao Material de Laboratório Pretende-se nesta aula de laboratório que o aluno se familiarize com o material/equipamento

Leia mais

Simulador de Química Reações de dupla-troca

Simulador de Química Reações de dupla-troca Lista de exercícios A seguir, apresentamos uma série de exercícios relacionados ao tema de reações de dupla- -troca. Na primeira parte, estão atividades baseadas no conteúdo multimídia Simulador de Química

Leia mais

Balanceamento Íon-elétron Células Combustíveis

Balanceamento Íon-elétron Células Combustíveis Balanceamento Íonelétron Células Combustíveis Esse método deve ser utilizado para fazer o balanceamento das reações de óxido redução envolvidas na célula combustível. 1º Exemplo: Faça a balanceamento da

Leia mais

Exercícios Sobre LigaÇões iônicas

Exercícios Sobre LigaÇões iônicas Exercícios Sobre LigaÇões iônicas Dados: 01. (Ufrj - adaptado) A caiação é um processo tradicionalmente utilizado na pintura de casas. Uma das maneiras de se preparar o pigmento consiste em misturar cal

Leia mais

Eletroquímica & Eletrólise

Eletroquímica & Eletrólise Eletroquímica & Eletrólise A eletroquímica abrange todos os processos químicos que envolvem transferência de elétrons. Quando um processo químico ocorre, produzindo transferência de elétrons, é chamado

Leia mais

51ª-53ª AULAS PILHAS E BATERIAS Pilhas electroquímicas Pilhas recarregáveis (baterias) Pilhas de combustível (fuel cells)

51ª-53ª AULAS PILHAS E BATERIAS Pilhas electroquímicas Pilhas recarregáveis (baterias) Pilhas de combustível (fuel cells) 51ª-53ª AULAS PILHAS E BATERIAS Pilhas electroquímicas Pilhas recarregáveis (baterias) Pilhas de combustível (fuel cells) 1 1) Uma pilha não é (em princípio) recarregável e uma bateria é. 2) Uma pilha

Leia mais

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL Fernando Nascimento 1-21370122 Gabriela Sampaio Rêma 2-21370051 Marcos Vinícius Lemos da Silva 3-21270116 Paula da Silva Nogueira 4-21370049 RESUMO Poucas

Leia mais

Prof. Rafa - Química Cálculo Estequiométrico

Prof. Rafa - Química Cálculo Estequiométrico Prof. Rafa - Química Cálculo Estequiométrico Lista de exercícios 01. (UFBA) Hidreto de sódio reage com água, dando hidrogênio, segundo a reação: NaH + H 2 O NaOH + H 2 Para obter 10 mols de H 2, são necessários

Leia mais

PROF: Alex LISTA 3 DATA: 22/06/2011

PROF: Alex LISTA 3 DATA: 22/06/2011 NOME: PROF: Alex LISTA 3 DATA: /06/0 Estudar para segunda fase-uftm. Com a finalidade de manter uma imagem jovem, muitas pessoas eliminar as rugas do rosto utilizando a quimioesfoliação (peeling químico),

Leia mais

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Energia para realizar reações químicas: eletrólise do iodeto de potássio aquoso Existem reações químicas não espontâneas, mas que são realizadas com rapidez

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 Questão 2: O grafite e o diamante são substâncias simples e naturais do elemento carbono. Outras estruturas de substâncias simples do carbono, como o fulereno-60, fulereno-70 e nanotubos de carbono, são

Leia mais

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS UNIDADE 2 - LIGAÇÕES INTERATÔMICAS 2.1. FORÇAS DE LIGAÇÃO FORTES Importante conhecer-se as atrações que mantêm os átomos unidos formando os materiais sólidos. Por exemplo, uma peça de cobre contém 8,4x10

Leia mais

BATERIAS ENERGIA DE ÍON DE LÍTIO

BATERIAS ENERGIA DE ÍON DE LÍTIO BATERIAS ENERGIA DE ÍON DE LÍTIO MANUAL DO USUÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. ENERGIA ELETRO-QUÍMICA 2.1 AS BATERIAS 2.2 TIPOS DE BATERIAS 2.3 - BATERIAS DE LÍTIO E BATERIAS DE ÍON DE LÍTIO 3. MODO DE USAR 3.1

Leia mais

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar A U A UL LA Usinagem por eletroerosão Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar uma importante competição esportiva, esteja encarregado de providenciar um grande número de medalhas. O problema é que

Leia mais

Instruções. Se o Caderno estiver incompleto ou contiver imperfeição gráfica que prejudique a leitura, peça imediatamente ao Fiscal que o substitua.

Instruções. Se o Caderno estiver incompleto ou contiver imperfeição gráfica que prejudique a leitura, peça imediatamente ao Fiscal que o substitua. 2 1 Instruções Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Química

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Química 26. Alternativa (C) Assunto: Propriedades físicas das substâncias densidade Os materiais apresentam diferentes densidades e mesma massa envolvida logo,

Leia mais

Metais alcalinos - Grupo 1A

Metais alcalinos - Grupo 1A Metais alcalinos - Grupo 1A Li / Na / K / Rb / Cs / Fr Na e K são os mais abundantes ns 1 - aparecem normalmente como iões positivos ( +) Não se encontram isolados na natureza / reacção com não-metais

Leia mais

Aterramento Elétrico. Prof.: Ademir Justino Site: www.ademirjustino.com.br

Aterramento Elétrico. Prof.: Ademir Justino Site: www.ademirjustino.com.br Aterramento Elétrico O terra é um conector que possui valor igual a zero Volt absoluto, ele é o responsável por eliminar a sujeira elétrica dos componentes, pois toda carga eletrostática acumulada neles

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz ATERRAMENTO ELÉTRICO Sistema de aterramento elétrico ATERRAMENTO ELÉTRICO Mas o que é o terra? Qual a diferença entre terra, neutro, e massa(carcaça do Equipamento)?

Leia mais

Introdução; Recomendações sobre segurança; Procedimentos de Manutenção Preventiva Gerador Fotovoltaico; Baterias; Componentes de condicionamento de

Introdução; Recomendações sobre segurança; Procedimentos de Manutenção Preventiva Gerador Fotovoltaico; Baterias; Componentes de condicionamento de Introdução; Recomendações sobre segurança; Procedimentos de Manutenção Preventiva Gerador Fotovoltaico; Baterias; Componentes de condicionamento de potência; Procedimentos de Inspeção e Manutenção Corretiva;

Leia mais

Química Avançada 06 - Soluções

Química Avançada 06 - Soluções Química Avançada 06 - Soluções Nome: Turma: 1) (UFF-adaptada) O ácido nítrico é um importante produto industrial. Um dos processos de obtenção do ácido nítrico é fazer passar amônia e ar, sob pressão,

Leia mais

Eletrólise. Energia elétrica. Energia química. pilhas

Eletrólise. Energia elétrica. Energia química. pilhas Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica Pet - Agronomia Petiana: Tatiane Almeida Tutor: José Ribamar Torres Conceito ELETROQUÍMICA Energia química eletrólise pilhas Energia elétrica Transformação

Leia mais

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS Ácido ídrico eto oso ito ico ato Sal nome do ácido de origem eto ito ato nome do cátion da base de origem +y B x +x A y Como pode cair no enem O etanol é considerado um

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação

Coordenação Geral de Acreditação Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS ESCOPOS DE ACREDITAÇÃO VOLTADOS AOS LABORATÓRIOS DE ENSAIOS QUE ATUAM NA ÁREA DE ATIVIDADE: MEIO AMBIENTE, SUBÁREAS DE ATIVIDADE: ÁGUAS,

Leia mais

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO - DEFINIÇÃO Ferrugem Deterioração Oxidação Perda de material ASTM G15: Reação química ou eletroquímica entre um material (geralmente metálico)

Leia mais

a) Isoeletrônicas e ligantes fortes. b) Isoeletrônicas e ligantes fracos. c) Homólogas e ligantes fracos. d) Homólogas e ligantes fortes.

a) Isoeletrônicas e ligantes fortes. b) Isoeletrônicas e ligantes fracos. c) Homólogas e ligantes fracos. d) Homólogas e ligantes fortes. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

H = +25,4 kj / mol Neste caso, dizemos que a entalpia da mistura aumentou em 25,4 kj por mol de nitrato de amônio dissolvido.

H = +25,4 kj / mol Neste caso, dizemos que a entalpia da mistura aumentou em 25,4 kj por mol de nitrato de amônio dissolvido. Lei de Hess 1. Introdução Termoquímica é o ramo da termodinâmica que estuda o calor trocado entre o sistema e sua vizinhança devido à ocorrência de uma reação química ou transformação de fase. Desta maneira,

Leia mais

PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14

PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14 PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14 Nome: Nº de Inscrição: Assinatura: Questão Valor Grau 1 a 2,0 2 a 2,0 3 a 2,0 4 a 2,0 5 a 2,0 Total 10,0 IMPORTANTE: 1) Explique e justifique a resolução de todas as questões.

Leia mais

Eletroquímica Pilhas (II)

Eletroquímica Pilhas (II) Eletroquímica Pilhas (II) EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-SP) Para montar uma pilha, dispõe-se dos materiais e dos dados a seguir. Materiais: uma lâmina de cobre; dois béqueres; uma lâmina de zinco; um

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA PLANIFICAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA QUÍMICA 12º ANO Metas curriculares Metais e ligas metálicas Combustíveis, energia e ambiente

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Oxidação e Redução EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (UEL-PR) A água das piscinas é reutilizada muitas vezes e, para impedir o desenvolvimento de microorganismos, deve ser convenientemente tratada. Uma das substâncias

Leia mais

vidros à base de NHƒ. Justifique sua resposta por meio das reações químicas envolvidas.

vidros à base de NHƒ. Justifique sua resposta por meio das reações químicas envolvidas. 1) [UFC-2009] A hidrazina, N H, é um produto altamente tóxico e explosivo. Dadas as semi-reações de redução apresentadas a seguir, responda o que se pede. CØO+H O+2eë2OH+CØ N H +2H O+2eë2NHƒ+2OH E = 0,90

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Química Júnior Fase II QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

Olimpíada Brasileira de Química Júnior Fase II QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA OLIMIPÍADA BARSILEIRA DE QUÍMICA JR 2011 FASE II Olimpíada Brasileira de Química Júnior Fase II QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 01 Os moradores de um bairro organizaram uma campanha sobre coleta seletiva

Leia mais

Actividade de Química 12º ano

Actividade de Química 12º ano Actividade de Química 12º ano AL 1.3- Corrosão e Protecção dos metais O laboratório é um local de trabalho onde a segurança é fundamental na manipulação de materiais e equipamentos, devendo por isso adoptar-se

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos. Prof. Maximiliano Segala Prof. Antônio Ruas Saneamento Básico e Saúde Pública

Ciclos Biogeoquímicos. Prof. Maximiliano Segala Prof. Antônio Ruas Saneamento Básico e Saúde Pública Ciclos Biogeoquímicos Prof. Maximiliano Segala Prof. Antônio Ruas Saneamento Básico e Saúde Pública Introdução Energia solar proporciona condições para síntese de matéria orgânica pelos seres autótrofos

Leia mais

Usinagem I. 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ

Usinagem I. 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ Usinagem I 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem Processos não- convencionais O termo usinagem não tradicional refere- se a este grupo, que remove o material em excesso de uma

Leia mais