PARQUE HARMONIA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARQUE HARMONIA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL"

Transcrição

1 PARQUE HARMONIA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL 1

2 APRESENTAÇÃO Desde 2001, o Acampamento Intercontinental da Juventude tem estabelecido questionamentos e práticas, buscando alternativas para um outro mundo possível. A Comissão Ambiental (CAM) do Comitê Organizador do Acampamento Intercontinental da Juventude do Fórum Social Mundial 2005 visa fomentar o debate, a troca de experiências e a concretização de práticas sustentáveis para a problemática sócio-ambiental. Vemos como um desafio planejar a ocupação do Parque Harmonia, levando em conta os processos energéticos deste sistema e desenvolvendo ações que minimizem o impacto ambiental. O Cronograma de atividades anuais do Parque impõe diferentes situações de estresse e impacto ao ambiente e todas as comunidades do Parque. O Acampamento Farroupilha e o Acampamento da Juventude, certamente destacam-se como os eventos mais impactantes devido ao público acolhido e a área de atuação. Infelizmente até hoje não houve um Estudo de Impacto Ambiental detalhado e efetivo para nenhum dos eventos propostos no Parque. Acreditamos porém que uma avaliação mínima dos impactos gerados deve ser feita, para que haja parâmetros para o planejamento e organização dos eventos. Além disso, o Estudo de Impacto Ambiental para atividades potencialmente poluidoras é lei de acordo com o artigo 71 do Código Estadual do Meio Ambiente (Anexo 1). Levando em consideração as diretrizes propostas pelo FSM 2005, de transformar os recursos que este processo capta para a sua viabilização em benfeitorias permanentes para a cidade de Porto Alegre e seus habitantes, o foco neste caso são ações que beneficiem o Parque Harmonia. Serão trabalhadas ações que visam suprir necessidades do Parque Harmonia, como: ampliação dos conhecimentos sobre o metabolismo da área através de levantamento de dados sobre os componentes bióticos e abióticos; elaboração e viabilização de ferramentas para o melhor manejo do Parque; desenvolvimento de atividades de orientação e alfabetização ambiental com a comunidade local (moradores, administradores e outros envolvidos no processo de utilização do espaço). 2

3 INFORMAÇÕES GERAIS Empreendimento: 5º Acampamento Intercontinental da Juventude do Fórum Social Mundial Local do Empreendimento Parque Harmonia, Bairro Centro Porto Alegre Identificação do empreendedor Comitê Organizador do 5º Acampamento Intercontinental da Juventude do Fórum Social Mundial Bióloga Responsável: Potira Preiss Consultor ambiental: Dilton de Castro - ecólogo Equipe de Trabalho: Michelle Guterres Acadêmica de Ciênicas Biológicas > ULBRA Thiers Wilberger Acadêmica de Ciênicas Biológicas > UNISINOS Carlos Eduardo Velho Acadêmica de Ciênicas Biológicas > ULBRA Tatiana Coelho Balbão Acadêmica de Ciênicas Biológicas > UNISINOS Felipe Drago Acadêmico de Arquitetura e Urbanismo > UFRGS Tiago Eduardo Genehr Movimento Roessler para Defesa Ambiental 3

4 Itamaragiba Rodrigues - ONG Biosfera CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INFLUÊNCIA O Parque Situado no Centro de Porto Alegre (Fig. 1), o Parque foi inicialmente chamado de Porto dos Casais e depois passou a denominar-se, pela lei n 5066, de 1981, Parque da Harmonia. Em 25 de março de 1987, pela lei municipal nº 5885, passou a chamar-se Parque Maurício Sirotsky Sobrinho. Com 97 hectares, durante o ano o Parque é mantido, freqüentado e utilizado por uma comunidade local composta por administradores, moradores de rua, esportistas, grupos religiosos, tradicionalistas, turistas, etc (Fig. 2-5). Também se caracteriza por sediar e receber durante o ano diferentes atividades, tais como o Acampamento Farroupilha em setembro e o Acampamento Intercontinental da Juventude do FSM em janeiro. A comunidade local também é composta por uma avifauna diversa (Anexo 2), pequenos mamíferos e uma vegetação (Anexo 3) parte exótica, parte nativa possuindo espécies imunes ao corte como a corticeira-do-banhado (Erythrina crista-galli) e figueiras nativas (Ficus organensis), bem como espécies ameaçadas de extinção (bromeliaceas, liliáceas,etc). Área de Especial Proteção - A Reserva A área do Parque Harmonia foi criada pelo aterramento da Orla do Guaíba. Em um dos processos de aterramento, uma ilha composta por resquícios de mata marginal do Lago Guaíba foi incorporada. A área mantém um ecossistema de banhado e de acordo com o artigo 51 do código Estadual do Meio Ambiente deve ser considerada uma área de especial proteção (Anexo 4). 4

5 Pela comunidade local do Parque a área é considerada uma Reserva (Fig. 6-8) e sustenta diversas espécies animais e vegetais que dependem da boa conservação deste ambiente. A área abriga uma vegetação de plantas nativas características de banhados e originalmente abrigava uma fauna de diversas espécies de pequenos mamíferos, aves e répteis sendo um espaço utilizado para alimentação e reprodução destes animais. A Reserva tem sofrido diferentes agressões e impactos que ao longo do tempo vem causando uma série de alterações neste sistema. A população de espécies vegetais exóticas tem aumentado gradativamente, competindo com a vegetação nativa. A dispersão da fauna também é crescente, sendo bastante raro a observação de pequenos mamíferos e répteis. Apesar de não ser permitida a circulação de pessoas neste espaço, a área é constantemente invadida por pessoas em busca de lenha para a queima e outras atividades. Tais invasões promovem a deposição de resíduos (Fig. 9) e agravam a dispersão da fauna, contribuindo para o desgaste deste ecossistema. Fig. 1 Imagem aérea IMPACTO Método de Referência Como referência para a classificação dos impactos, utilizaremos o método da Matriz de Leopold para as prováveis alterações no ambiente pelo Acampamento Intercontinental da Juventude

6 Para cada uma das 03 fases do projeto, planejamento, instalação e operação, relacionamos o fator ambiental com sua importância qualificada em 06 parâmetros: duração: se o impacto é permanente ou temporário; aspecto: se o impacto é positivo ou negativo; reversibilidade: se o impacto é reversível ou irreversível; fase de ocorrência: se o impacto ocorrerá durante o planejamento, na instalação ou operação; abrangência espacial: se o impacto é local ou regional; nível de certeza: se a ocorrência do impacto é pouco provável, provável ou certeza absoluta. Os possíveis impactos identificados para a área do parque são (Anexo 5 Matriz de Impactos). a) negativos: Alterações da Paisagem, Alteração do Padrão de Uso e Ocupação do Solo, Pisoteio na vegetação rasteira, Emissão de ruídos, Dispersão da fauna, Disposição inadequada de resíduos sólidos, Congestionamento e conseqüente aumento da emissão de gases; b) positivos: incremento na infra-estrutura do Parque (eletricidade, ampliação e melhoramento do sistema de saneamento, abastecimento de água, instalação de redes lógica, etc...), desenvolvimento das atividades econômicas, aumento da segurança do Parque e receptividade pela população. PLANEJAMENTO O planejamento de ocupação e construção do AIJ 2003 deverá levar em consideração principalmente a utilização dos espaços de acordo com as atividades 6

7 proposta. Destacamos algumas áreas e atividades que requerem um cuidado especial (Fig.10 Mapa de áreas). Área de Preservação No entorno da Área de Preservação deve ser respeitada uma área de no mínimo 30 m sem qualquer tipo de ocupação. As atividades propostas próximas à Área devem ser atividades que necessitem de pouca infra-estrutura (saneamento, eletricidade, etc...), bem como ser atividades gerem baixa emissão de ruídos. Saneamento A instalação de estruturas tais como sanitários, chuveiros e cozinhas devem ser planejada com cautela pois o Parque Harmonia possui grande deficiência no tratamento de esgotos (tanto águas cinzas como águas negras). Sistemas simples de tratamento de resíduos líquidos devem ser pensados para minimizar o impacto gerado. Espaços de Atividades A disposição dos espaços de atividade deve levar em conta a emissão de ruídos gerada, principalmente para atividades de palco e projeção que devem estar preferencialmente em locais distantes à áreas sensíveis e espaços residenciais (tanto bairros do Acampamento, como da cidade). Neste sentido, acreditamos que o espaço mais adequado para o locação de um palco seja na orla como indicado na fig. 10. Sistemas e métodos de isolamento acústico podem e devem ser pensados. Áreas alagadiças Por estar em uma região aterrada e o lençol freático ser muito raso, o solo do Parque é bastante úmido. Algumas áreas são mais alagadiças e tendem a piorar em períodos de chuva. A utilização destes espaços deve ser evitada ou usada com cautela e preferencialmente para atividades que não necessitem de estruturas construídas. Estruturas propostas Levando em conta a temporalidade do Acampamento, as estruturas propostas devem priorizar técnicas e materiais de baixo impacto ambiental tais como técnicas de bioconstrução e estruturas que não necessitam de fundações. Os espaços construídos do Parque devem ser utilizados ao máximo, diminuindo assim a demanda de recursos e impacto no local. 7

8 Fig Mapa de áreas INSTALAÇÃO Aumento da circulação de pessoas A partir de novembro o Comitê Organizador do Acampamento Intercontinental da Juventude (COA) estará freqüentando o Parque de forma mais intensa, desenvolvendo as etapas finais do processo de articulação e construção do 5º Acampamento. O aumento do fluxo de pessoas no Parque pode ser considerado como algo positivo no sentido de aumento de segurança, bem como uma aproximação maior entre o projeto do Acampamento e a comunidade local do Parque. Obras Durante a fase de implementação, uma série de obras estarão ocorrendo na área do Parque. As atividades variam desde aumento da estrutura de saneamento básico, instalação de rede elétrica e lógica até a construção dos espaços do AIJ. Entre os impactos negativos destas atividades podemos citar a remoção da cobertura vegetal existente, movimento do solo, circulação de veículos e aumento da emissão de ruídos. Como medida mitigadora à realização destas atividades deve respeitar os horários previstos pela legislação municipal, das 7 às 19h. Entre as obras, já podemos citar a construção do espaço para ser utilizado como escritório pelo COA, utilizando a tecnologia Epotec (paredes com estruturas prémoldadas) e telhado com Tetra-pak reutilizado. Após o Acampamento a estrutura ficará como patrimônio do Parque, podendo ser considerado portanto um impacto positivo. OPERAÇÃO Trânsito Respeitando o artigo XVII do decreto n Regulamento dos Parques Municipais de Porto Alegre (aprovado em 9 de março de 1998), com o objetivo de minimizar o impacto tanto no solo, como da emissão e gases e ruídos, o trânsito de veículos dentro do Parque durante o Acampamento deverá ser restringido à prestação de serviços essenciais de infraestrutura (abastecimento de alimentos, recolhimento de resíduos, etc...) e atendimentos de emergência. O trânsito nas Av. Beira Rio e Av. Augusto de Carvalho deve ser bloqueado, não só pelo possível impacto gerado pela saturação do trânsito mas também por questões de 8

9 segurança devido ao grande fluxo de pedestres esperado e pelo uso planejado para ciclovia durante o Fórum. Gestão e tratamento dos resíduos sólidos A gestão e o tratamento de resíduos durante o 5º Acampamento devem ser estruturados. As experiências desenvolvidas nos Acampamentos passados de Unidades de Triagem, Unidades de Compostagem e políticas de redução de resíduos cumprem esta necessidade e estarão sendo reeditadas pelo COA. Em anexo (Anexo 6) segue o projeto de Gestão de Resíduos para 2005 na integra. Tratamento dos resíduos líquidos O tratamento dos resíduos líquidos também deve ser pensado, tanto para águas cinzas (águas servidas dos chuveiros) como águas negras (resíduos dos sanitários e cozinha), principalmente pela carência de estruturas de saneamento básico no Parque. Os resíduos líquidos que devem receber maior atenção são os resíduos provenientes das cozinhas e praças de alimentação, assim como os resíduos dos sanitários e chuveiros. Sistemas de tratamento e filtragem podem ser elaborados e iniciativas já desenvolvidas em Acampamentos anteriores podem ser reeditadas. Sinalização e informação A sinalização do Acampamento deve levar em conta não só a facilitação do fluxo de pessoas e atividades, mas também a informação sobre áreas mais sensíveis, limites quanto a utilização dos espaços, questões de segurança e saúde (não balneabilidade do Lago Guaíba, potabilidade da água, etc...). AÇÕES PROPOSTAS Buscando evitar situações tais como as exemplificadas no Registro de Impactos e Danos em anexo (Anexo 7), e buscando compensar os impactos causados pelo 5 º AIJ, propomos algumas ações para melhoria da área do Parque. Programa de recuperação de áreas degradadas: Aumento da vegetação Tendo em vista o desmatamento que o Parque vem sofrendo propomos um incremento na vegetação através do plantio de espécies arbóreas nativas. Um 9

10 planejamento paisagístico mais de acordo com bioma do estado deve ser trabalhado. A escolha das espécies também deve levar em conta a fauna local, dando preferência a espécies cujos frutos possam servir de alimento, tais como espécimes do gênero Ficus nativas do estado (Ficus organensis, F. insipida, F. enormis) e gerivás (Syagrus romanzoffiana). Programa de Proteção Ambiental Proteção das Corticeiras A corticeira-do-banhado (Erythrina crista-galli) é nativa do estado e é espécie imune ao corte de acordo com o Art. 33, parágrafo I do Código Florestal Estadual de 21 de janeiro de Atualmente existem cerca de 8 espécimes de corticeira-do-banhado, espalhadas pela área do Parque Harmonia. Devido à importância extrema desta espécie, propomos a execução de uma proteção natural ao redor dos indivíduos do Parque. A proteção pode ser feita através do plantio de espécies arbustivas nativas (tais como as cactáceas do gênero Opuntia e Cereus) ou exóticas como a coroa-de-cristo (Euphorbia millii) evitando assim o mau trato e depredação dos indivíduos, contribuindo para a conscientização e cumprimento da Legislação Ambiental. Proteção da Área de Especial Proteção - A Reserva Com os objetivos de proteger este espaço de forma mais efetiva, propomos a substituição da cerca atual por uma nova cerca que onde seja respeitado um espaço de respiro e o transito de animais silvestres seja facilitado. Deve haver um espaço de respiro entre a cerca e a vegetação, permitindo assim um espaço mais amplo para o desenvolvimento e reprodução das espécies arbóreas, bem como a formação de uma vegetação de transição entre a vegetação da reserva e o gramado do Parque. 10

11 A cerca deve ser alocada a uma altura de cerca de 20 a 25 cm do solo permitindo a passagem de animais, incentivando assim o resgate de um corredor ecológico entre a Reserva e a Orla. Por outro lado, o transito de humanos deve ser evitado através do aumento da altura da cerca (3m de altura). Além disso propomos um manejo da vegetação da área através da gradual introdução de espécies nativas características deste ambiente e conseqüente diminuição de exóticas. Programa de Medidas Compensatórias e Mitigadoras Reaproveitamento dos resíduos orgânicos Tendo ciência da quantidade de resíduos orgânicos produzidos durante o Acampamento, bem como a grande quantidade de resíduos gerados pela manutenção do Parque Harmonia, estaremos construindo composteiras para o tratamento destes resíduos. Através da decomposição natural, os resíduos orgânicos são transformados em composto/fertilizante, proporcionando assim a ciclagem dos nutrientes. O composto gerado será utilizado para a melhoria do solo do Parque, servindo também de certa forma como medida mitigadora ao impacto causado pelo Acampamento na cobertura do solo do Parque Harmonia. A proposta visa também estimular os acampados a mudarem suas atitudes em relação aos resíduos orgânicos, através da informação e a alfabetização ambiental. Devido ao tempo que o composto necessita para amadurecer, pretendemos iniciar a construção e manutenção das composteiras no período de novembro para que o processo de decomposição possa realmente ser observado durante o Acampamento. Com a intenção de que o trabalho e os recursos investidos neste projeto tenham uma continuidade, propomos que as composteiras sejam consideradas patrimônio do Parque Harmonia e que sejam utilizadas para manutenção e melhoria do Parque. Sendo assim, este período de organização (novembro/dezembro) servirá para a orientação e conhecimento da comunidade local do Parque sobre o processo de compostagem, seus métodos, tipos de resíduos, necessidades e formas de manutenção. 11

12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Efe,M.A., Mohr, L.V., Bugoni, L. Guia Ilustrado das Aves dos Parques de Porto Alegre. Porto Alegre: PROAVES, SMAM, COPESUL, CEMAVE,

PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 4.8 Programa de Acompanhamento e Resgate de Fauna durante a Limpeza e Enchimento da Área do Reservatório Revisão 00 NOV/2013

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Sarah Rachel Oliveira do Amparo Furtado*, Alexandra Helena Lisboa Boldrin** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS:

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS: Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE Plano de Metas EP+20 +5 O O que diz a AGENDA AMBIENTAL ÁGUA Reaproveitamento de águas de chuva Tratamento de águas cinzas Fitodepuração do Rio Rainha 1.

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

3. PROGRAMA DE TECNOLOGIAS AMBIENTALMENTE AMIGÁVEIS

3. PROGRAMA DE TECNOLOGIAS AMBIENTALMENTE AMIGÁVEIS 3. PROGRAMA DE TECNOLOGIAS AMBIENTALMENTE AMIGÁVEIS O Gaia Village privilegia a sustentabilidade das construções para reduzir os impactos ecológicos impostos ao meio ambiente. As construções existentes

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 1 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 2 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque ALIMENTAÇÃO RESÍDUOS MATERIAIS ENERGIA ÁGUA TRANSPORTE BIODIVERSIDADE AGENDA AMBIENTAL Escola Parque AÇÕES SOLIDÁRIAS EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE \ ENTORNO EXTERI\\OR ENRAIZAMENTO PEDAGÓGICO ENRAIZAMENTO

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais

Parecer sobre o Plano de Manejo e a situação jurídica atual da APA de Maricá

Parecer sobre o Plano de Manejo e a situação jurídica atual da APA de Maricá Werther Holzer Désirée Guichard Freire Parecer sobre o Plano de Manejo e a situação jurídica atual da APA de Maricá O Decreto Estadual nº 41 048 de 04 de dezembro de 2007, em vigor, não assegurar a integridade

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

PLANTIO DE ARAUCÁRIAS EM DIVISAS ENTRE PROPRIEDADES E ESTRADAS

PLANTIO DE ARAUCÁRIAS EM DIVISAS ENTRE PROPRIEDADES E ESTRADAS Estradas com araucárias 2012 Projeto Estradas com Araucárias PLANTIO DE ARAUCÁRIAS EM DIVISAS ENTRE PROPRIEDADES E ESTRADAS Introdução 2 Uma estrada de rodagem pode causar graves impactos ambientais, com

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

1. Programa Manaus Verde e Viva

1. Programa Manaus Verde e Viva 1. Programa Manaus Verde e Viva No intuito de fortalecer a arborização da cidade a Prefeitura de Manaus por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade - SEMMAS a administração deu

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO -

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL Vitória (ES), 06 de novembro de 2014 USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - Adonias de Castro Virgens

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA :

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : 1- INFORMAÇÕES GERAIS : IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO : Trata-se de uma Fábrica de Artefatos de Materiais Plásticos ( Sacos para Lixo ). IDENTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Exercício Capítulo 5 Aluno: Vinicius Nóbrega De acordo com a imagem dos aerogeradores em ambiente litorâneo e o exemplo de um mapa

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de propostas com vistas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

1. Fomentar ações de Educação Ambiental - (incluir o assunto no GT de Educação) 2. Utilizar adequadamente os recursos hídricos

1. Fomentar ações de Educação Ambiental - (incluir o assunto no GT de Educação) 2. Utilizar adequadamente os recursos hídricos Elevar o nível de conscientização ambiental da Sociedade Santa-mariense Incentivar ações de educação ambiental e sanitária nas escolas Horas Aulas/palestrar Número de horas aula/palestra Realizar um diagnóstico

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) TR GERAL

Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) TR GERAL Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) TR GERAL ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) ATENÇÃO O ESTUDO DEVE CONTER, COMO ITEM OBRIGATÓRIO, UMA FOLHA

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011

Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011 Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011 289ª Reunião Ordinária do Plenário do CONSEMA Dispõe sobre a elaboração e a atualização de lista de espécies exóticas com potencial de bioinvasão no Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 17, DE 28 DE MAIO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 17, DE 28 DE MAIO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 17, DE 28 DE MAIO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO E O MINISTRO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso da atribuição que lhes confere o

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO ACEIRO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

IMPLANTAÇÃO DO ACEIRO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS IMPLANTAÇÃO DO ACEIRO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS E OUTRAS INFRA-ESTRUTURAS NO SAPIENS PARQUE Florianópolis, 23 de julho de 2008 1. OBJETIVO DESTE DOCUMENTO Este documento busca informar a comunidade

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Lei n o 10.165, de 25 de novembro de 2013. Publicado no DOE, em 26/11/2013

Lei n o 10.165, de 25 de novembro de 2013. Publicado no DOE, em 26/11/2013 Lei n o 10.165, de 25 de novembro de 2013. Publicado no DOE, em 26/11/2013 Dispõe sobre a Política Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, autoriza instituir o Fundo Estadual de Pagamento por Serviços

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia SMAMA DDRGA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Parque Nacional da Serra da Bocaina Estrada Paraty-Cunha

Parque Nacional da Serra da Bocaina Estrada Paraty-Cunha Parque Nacional da Serra da Bocaina Estrada Paraty-Cunha Audiência Pública Ministério Público Federal Rio de Janeiro 01 de março de 2013 Localização Regional Paraty, Angra dos Reis e Ubatuba, importantes

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA

SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA BRASIF S.A. Administração e Participações SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA - Estudo de Impacto Ambiental - EIA - Relatório de Impacto Ambiental - RIMA FAZENDA FORNO GRANDE Município de Castelo-ES Termo

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

Trata-se de solicitação de Licença Municipal de...

Trata-se de solicitação de Licença Municipal de... INDICE 1- Motivo do parecer 2- Descrição da(s) atividade(s) 3- Caracterização ambiental da área de implantação 3.1-Antes do empreendimento 3.2-Após a implantação do empreendimento 4- Unidades de Conservação-UC

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES Elias Silva 1 COM A FAUNA SILVESTRE 1 Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br 1 1

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores

As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores As abelhas são os insetos polinizadores mais importantes, pois a maioria das espécies de plantas é polinizada por esses animais. Tanto a fase jovem

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO CIDADANIA AMBIENTAL A resposta da sociedade de Araxá aos problemas ambientais se dá através das ações de educação ambiental. Destacam-se as atividades de educação ambiental promovidas por escolas, organizações

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 06 Programa de Gestão Ambiental Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 6.1 INTRODUÇÃO Segundo Souza (2000), a Gestão Ambiental pressupõe uma ação planejadora

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO O Brasil como país megadiverso é responsável pela gestão do maior patrimônio natural do mundo. São mais de 120 mil

Leia mais

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC).

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC). Zoneamento O Zoneamento é o instrumento de ordenação territorial usado para atingir melhores resultados no manejo de qualquer unidade territorial básica (UTB). No caso desse exercício, as UTBs de interesse

Leia mais

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA Documento referendado pela plenária da I Conferência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia. O momento mais importante de qualquer reflexão sobre os problemas de uma cidade é

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO BÁSICO JUSTIFICATIVA: A

: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO BÁSICO JUSTIFICATIVA: A Indicadores do Programa Unidade de Medida Índice recente LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - ANEXO III - METAS E PRIORIDADES PROGRAMA: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS DA PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA FLORESTA NACIONAL DE PASSA QUATRO MG

INFORMAÇÕES BÁSICAS DA PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA FLORESTA NACIONAL DE PASSA QUATRO MG INFORMAÇÕES BÁSICAS DA PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA FLORESTA NACIONAL DE PASSA QUATRO MG (Desde de 2005 vem sendo discutida a proposta de ampliação da Flona de Passa Quatro, ano em que foi elaborado o projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE ALUNA: ORIENTADORA: TERESA FARIA NOVEMBRO 2011 AGRADECIMENTOS AGRADEÇO A TODOS QUE ACREDITARAM,

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Destinação Adequada de Resíduos Orgânicos

Destinação Adequada de Resíduos Orgânicos Destinação Adequada de Resíduos Orgânicos Compostagem na cidade de São Paulo Comissão do Meio Ambiente Câmara Municipal de São Paulo 23 de maio de 2012 Inspiração para viver em harmonia com a natureza

Leia mais

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1 CONTEÚDO Pág. 1 INTRODUÇÃO...1.1 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 2 CONTEXTO GEOGRÁFICO...2.1 3 CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO MINERAL...3.1

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CAMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar) Dispõe sobre a adoção de medidas que assegurem a circulação segura de animais silvestres no território nacional, com a redução de acidentes

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

O PAPEL DAS ONG`s NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Jorge Amaro de Souza Borges Técnico Agrícola Acadêmico de Ciências Biológicas Fiscal Ambiental Alvorada

O PAPEL DAS ONG`s NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Jorge Amaro de Souza Borges Técnico Agrícola Acadêmico de Ciências Biológicas Fiscal Ambiental Alvorada O PAPEL DAS ONG`s NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Jorge Amaro de Souza Borges Técnico Agrícola Acadêmico de Ciências Biológicas Fiscal Ambiental Alvorada O Maricá - Ong sócio-ambientalista sediada em Viamão; - Fundada

Leia mais