MAPEAMENTO DAS TRILHAS E DOS IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS NO PICO DO CAMBIRELA, PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO, SC, BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPEAMENTO DAS TRILHAS E DOS IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS NO PICO DO CAMBIRELA, PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO, SC, BRASIL"

Transcrição

1 SOLDATELI, M.; PIMENTA, L.H.F. Mapeamento das trilhas e dos impactos ambientais negativos no Pico do Cambirela, Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, SC, Brasil. In: Congresso Nacional de Planejamento e Manejo de Trilhas, 1., 2006, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Universidade Estadual do Rio de Janeiro, CD Room. (completo). MAPEAMENTO DAS TRILHAS E DOS IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS NO PICO DO CAMBIRELA, PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO, SC, BRASIL Marcio Soldateli 1 ; Luiz Henrique Fragoas Pimenta 2 1 Biólogo, MSc. Eng a. Ambiental, professor do curso de Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI; Telefone: (48) Geógrafo, MSc. Eng a. Ambiental, coordenador do Centro de Visitantes do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro pela CAIPORA - Cooperativa para Conservação da Natureza; Telefone: (48) EIXO TEMÁTICO 1 A Trilha 1.1 Planejamento e Manejo INTRODUÇÃO O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, criado pela Lei N o de 01 de novembro de 1975, é administrado pela Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina FATMA e abrange os municípios de Florianópolis, Palhoça, Águas Mornas, Santo Amaro da Imperatriz, São Bonifácio, Paulo Lopes, Garopaba, Imaruí e São Martinho, além das Ilhas da Fortaleza, do Papagaio Pequeno, do Papagaio Grande, Irmã Pequena, Irmã do Meio, Irmã de Fora, Moleques do Sul, do Siriú, Coral e dos Cardos (figura 1). Corresponde a uma área de aproximadamente ha equivalente a cerca de 1% do território de Santa Catarina e, sozinho, responde por pouco menos de 1% do total da Mata Atlântica remanescente no país. É constituído por um conjunto de formações vegetais pertencentes ao domínio da Mata Atlântica, abrigando as formações de Floresta Atlântica, Floresta com Araucária, Campos de Altitude e Ecossistemas Costeiros. Por isso vem sendo reconhecido internacionalmente e apontado como prioridade para a conservação da

2 biodiversidade brasileira. Em 1993 a UNESCO estabeleceu a Reserva da Biosfera da Mata Atlântica em Santa Catarina, onde o parque foi incluído como Zona Núcleo e Área Piloto. Em 1999, o Workshop Avaliação e Ações Prioritárias para Conservação dos Biomas Floresta Atlântica e Campos Sulinos, promovido pelo Ministério do Meio Ambiente - MMA por meio do PROBIO, classificou o Parque como área prioritária para a conservação de diversas espécies (SOCIOAMBIENTAL, 2002). Figura 1: Localização do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro. Atualmente há uma crescente e desordenada procura pela visitação de suas áreas naturais para a prática de atividades recreativas, de turismo e de aventura, o que tem constituído grande fator de pressão sobre a biodiversidade e de conflito sócioambiental. Uma das áreas que mais sofre esta pressão são as serras do Parque, em

3 especial o Cambirela, nome dado a montanha localizada na Guarda do Cubatão, município de Palhoça (figura 2) O Pico do Cambirela é um dos pontos de maior proeminência do Parque do Tabuleiro, alcançando 922 metros de altitude, e de maior proximidade ao núcleo da Grande Florianópolis e à zona costeira, daí um dos fatores que fazem dele um local de referência para adeptos de montanhismo, caminhada e acampamento. Figura 2: Localização da área de estudo no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro (imagem LANDSAT)

4 A história de uso desta montanha é antiga, a sua base sofreu ações antrópicas como a retirada espécies arbóreas por madeireiras, hoje desativadas e a agricultura, principalmente na produção de mandioca e cana-de-açúcar, que abasteciam os engenhos artesanais familiares na produção de farinha e cachaça. Apesar de grande parte dessas áreas terem sido abandonadas e estarem em processo de regeneração, a montanha ainda vem sofrendo outros impactos à exemplo da mineração e mais recentemente do uso recreativo e turístico. A visitação ocorre de forma espontânea, por grupos independentes, principalmente moradores da grande Florianópolis e de forma organizada através de operadoras de ecoturismo e guias e condutores autônomos. Devido à falta de planejamento e controle, existem algumas trilhas que levam ao Pico do Cambirela, três delas são as mais conhecidas e utilizadas, as quais constituem o objeto de estudo deste trabalho. OBJETIVOS Identificar e avaliar os impactos negativos nas trilhas que levam ao Pico do Cambirela, a partir do levantamento de campo de indicadores ambientais, utilizando uma adaptação da metodologia de Manejo do Impacto de Visitantes (Visitor Impact Manegement VIM). METODOLOGIA A identificação e avaliação dos impactos negativos foram realizadas com base na coleta de dados e mapeamento em campo. Para isso, previamente, a partir da metodologia Manejo do Impacto de Visitantes (Visitor Impact Management VIM), baseada nos trabalhos de Kuss, Graefe e Vaske (1990), Mac Farland e Wallace (1997) e Freixêdas-Vieira, Passold e Magro (2000), foram definidos os indicadores biofísicos e sociais a serem utilizados e elaborada uma lista de referência para uso em campo. A partir da lista de referência de indicadores, foram coletados os dados em campo e com auxílio de um GPS (Global Position System), realizado o mapeamento das trilhas, dos atrativos naturais e dos pontos ou trechos que apresentavam impactos negativos, efetuando-se o registro fotográfico dos aspectos de interesse, com câmera digital. Os trabalhos de campo foram realizados nos meses de abril e maio de Posteriormente, os dados coletados foram processados, sendo inseridos no Sistema de Informações Geográficas (SIG) Arcview 3.2, do Parque Estadual da Serra

5 do Tabuleiro, permitindo a criação de uma base de dados, análise, interpretação e geração dos mapas temáticos da área estudada. RESULTADOS E DISCUSSÃO Caracterização geral da área A área de estudo está inserida no domínio morfoestrutural Embasamentos em Estilos Complexos na unidade geomorfológica Serras do Leste Catarinense, sendo formada por granitos e riolitos. O relevo, variando de suave ondulado a montanhoso, apresenta-se fortemente dissecado, com altas declividades, cristas angulosas e solos rasos com forte suscetibilidade à erosão. A vegetação é composta por Floresta Ombrófila Densa submontana e montana nas encostas e Campos de Altitude nas áreas mais elevadas. A área também apresenta espécies vegetais raras, ainda pouco conhecidas pela ciência. O principal atrativo natural desta trilha é o próprio Pico do Cambirela e as imponentes e diversificadas paisagens litorâneas e montanhosas observadas a partir dos mirantes naturais. As principais atividades realizadas são: montanhismo, caminhada e acampamento, realizadas principalmente por moradores da região, que visitam o Cambirela em grupos, sem adoção de condutas de mínimo impacto. As três trilhas mapeadas são descritas abaixo, numeradas como 1, 2 e 3. Todas estão inseridas na Zona de Uso, de acordo com o Zoneamento do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro (SOCIOAMBIENTAL, 2002). Descrição e mapeamento das trilhas (figura 3) Trilha 1 Esta trilha é a mais problemática das três mapeadas pois apresenta no seu início um processo de ravinamento e compactação de solo e no seu final próximo ao cume movimentação de massa nas altas declividades, com muitos fragmentos de rocha soltos com grande risco aos usuários. Além disso, apresenta um trecho vertical com corda de nylon fixa, sujeita as intempéries e em precárias condições de uso, também oferecendo grande risco ao usuário.

6 Grau de Dificuldade: muito difícil (pela distância e inclinação da trilha, com passagens que apresentam dificuldade técnica e grande risco). Tempo de Duração (tempo de subida): 3 horas. Distância Estimada (por GPS): metros. Trilha 2 Esta trilha é a que apresenta as melhores condições de uso, apesar de não ter sido planejada adequadamente. Nos trechos iniciais da trilha, em relevo suave-ondulado não apresenta maiores problemas de erosão. Na medida em que a encosta se torna mais íngreme, em relevo montanhoso, a trilha segue pelo fundo de um vale sobre rochas com muitas raízes expostas, em terreno úmido e escorregadio, sendo este o fator de maior risco aos usuários. Tempo de Duração (tempo de subida): 2 horas e 30 minutos. Distância Estimada (por GPS): metros. Trilha 3 Esta trilha, em seu trecho inicial esta inserida num relevo suave-ondulado, apresentando em grande parte processo de ravinamento. Em seguida, sob relevo montanhoso entra em terreno mais íngreme, sendo necessário em praticamente toda a subida o apoio das mãos, o que oferece médio a grande risco para usuários inexperientes. O Solo litólico apresenta muitos blocos de rochas e grande evidência de raízes expostas. Grau de Dificuldade: difícil (pela distância e grande inclinação da trilha, com passagens que apresentam dificuldade técnica e médio risco). Tempo de Duração (tempo de subida): 2 horas e 30 minutos. Distância Estimada (por GPS): metros.

7 Figura 3: Mapeamento das trilhas do Cambirela. Figura 4 Detalhe do Cambirela Imagem LANDSAT

8 Impactos negativos identificados Os principais impactos do uso público identificados, de forma geral, para as três trilhas mapeadas são listados abaixo: Diversas trilhas de acesso na base da montanha passando por propriedades particulares gerando conflitos com proprietários; Erosão (sulcos, ravinas e voçorocas) causada pelo pisoteio, agravada pela má definição do traçado das trilhas, falta de contenções e ausência de sistemas de drenagem; Risco ao usuário oferecido por passagens verticais com uso de cordas fixas em situação precária; Presença de lixo com maior concentração no divisor de águas, em locais de acampamento; Locais de acampamento apresentando em seus arredores latrinas a céu aberto; Corte de vegetação em áreas íngremes do topo da montanha para fazer fogueiras; Vandalismo e comportamento irresponsável por parte de alguns grupos de visitantes, com pichações, danos à vegetação, uso de fogos de artifício, etc. Conflitos de interesse e preferências entre visitantes e entre visitantes e comunidade local; Presença de espécies exóticas animais, a exemplo de cães levados por visitantes; Presença de espécies exóticas vegetais como Pinus sp., tanto na base como nas partes mais elevadas da montanha; Todos os impactos mencionados acima afetam em maior ou menor grau as três trilhas mapeadas. Devido às condições de abandono das trilhas e em função do tipo e intensidade de uso, tais impactos já eram previsíveis, porém nunca tinham sido identificados e avaliados de forma sistemática. São impactos comuns a diversas outras trilhas em diferentes Unidades de Conservação, que apresentam as mesmas condições em relação à falta ou deficiência de manejo do uso público. Em relação aos diversos acessos, à erosão e aos riscos ao usuário, um dos fatores primários que gera tais impactos é, principalmente, a própria definição do traçado das trilhas, estabelecida sem a adoção de critérios técnicos de planejamento. Os demais impactos, dependentes principalmente do comportamento dos usuários, tais como: abandono de lixo, deposição de fezes à céu aberto, corte de vegetação, fogueiras, vandalismo, presença de cães e conflitos entre visitantes e com

9 moradores locais, são gerados principalmente pela falta de um programa permanente de informação e educação ambiental aos visitantes, que esclareça os objetivos do Parque e defina uma regulamentação para o uso público. Estes problemas também são agravados pela ausência de fiscalização nas áreas de uso. Como forma de minimizar os impactos apresentados, são sugeridas algumas ações de manejo em caráter emergencial, mencionadas abaixo: Implantação de placas informativas na entrada das trilhas, contendo orientações aos visitantes para conduta de mínimo impacto; Implantação de drenagem em pontos críticos; Recuperação de ravinas e voçorocas; Fechamento de acessos e trilhas secundárias; Definição e sinalização de acesso único; Alteração de traçado da trilha em pontos críticos; Implementação de um programa de educação e conscientização de visitantes; Ações de fiscalização regular pelos órgãos competentes, como Polícia Ambiental e FATMA; Regularização e regulamentação da visitação, condicionadas à adoção de um plano emergencial de uso público. CONCLUSÃO Em função da história de uso do Cambirela, verificou-se que na última década a pressão da visitação vem aumentando significativamente, agravando ainda mais o quadro de impactos identificados neste trabalho. A continuidade desta situação é uma preocupação do órgão gestor do Parque e de entidades parceiras que atuam no âmbito da conservação da natureza. Felizmente, após vários anos de abandono, estão em fase inicial várias ações no sentido de fortalecer o planejamento e manejo do Parque. A FATMA, através de investimentos em infra-estrutura e realização de parcerias de cooperação técnica, vem implementando programas de pesquisa, educação ambiental e uso público, a exemplo de algumas ações que vem acontecendo por meio do Centro de Visitantes. Estas visam a capacitação das equipes envolvidas; a mobilização comunitária; a educação ambiental e; o desenvolvimento, aplicação e adaptação de

10 metodologias científicas nas diversas áreas de conhecimento, o que possibilita o aumento do conhecimento sobre o Parque. Para o manejo do uso público, um exemplo é a parceria formada entre a FATMA, a Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI e a CAIPORA - Cooperativa para Conservação da Natureza, para execução deste projeto de pesquisa que contou com apoio financeiro da Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina FAPESC. Neste sentido, juntamente com as demais ações em curso e caso haja possibilidade de continuidade e ampliação das mesmas, inclusive para as outras áreas do Parque (que também apresentam situação semelhante à do Cambirela), as perspectivas apontam para a reversão paulatina do quadro apresentado. Obviamente, na ausência de ações efetivas a tendência será a degradação generalizada das áreas de uso. BIBLIOGRAFIA CITADA FREIXÊDAS-VIEIRA, V. M.; PASSOLD, A. J.; MAGRO, T. C. Impactos do Uso Público: um guia de campo para utilização do método VIM. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 2, 2000, Campo Grande. Anais... Campo Grande: Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. Vol. II. p KUSS, F.R.; GRAEFE, A.R.; VASKE, J.J. Visitor Impact Manegement: a review of research. Vol. 1. Washington D.C.: National Parks and Conservation Association, MAC FARLAND, C.; WALLACE, J. Workshop Uso Público em Unidades de Conservação: Apostila. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 1997, Curitiba: Universidade Livre do Meio Ambiente: Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação. SOCIOAMBIENTAL PROJETOS AMBIENTAIS; DINÂMICA CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA. Proposta de Zoneamento do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro. Relatório. Florianópolis: Socioambiental /Dinâmica, 2002.

11 AGRADECIMENTOS Agradecemos à Fundação do Meio Ambiente FATMA pela possibilidade da realização deste trabalho no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, à Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina FAPESC pelo apoio financeiro ao projeto, e a equipe de apoio que auxiliou nos trabalhos de campo.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS TRILHAS E CARACTERIZAÇÃO DOS VISITANTES DO MORRO DO CAMBIRELA, MUNICÍPIO DE PALHOÇA, SC

LEVANTAMENTO DAS TRILHAS E CARACTERIZAÇÃO DOS VISITANTES DO MORRO DO CAMBIRELA, MUNICÍPIO DE PALHOÇA, SC LEVANTAMENTO DAS TRILHAS E CARACTERIZAÇÃO DOS VISITANTES DO MORRO DO CAMBIRELA, MUNICÍPIO DE PALHOÇA, SC Anastácio da Silva Júnior 1 Resumo Este trabalho foi realizado com o propósito de levantar e caracterizar

Leia mais

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) Marcos Timóteo Rodrigues de Sousa * ABSTRACT

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) Marcos Timóteo Rodrigues de Sousa * ABSTRACT Science in Health 2010 mai-ago; 1(2): 111-6 METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) METHOD OF MAPPING AND INTERPRETATION OF TRAIL: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA)

Leia mais

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos.

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos. PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA NA MATA ATLÂNTICA PARA ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS RIO DO SUL Autores: Alessandra Lariza KRUG, Marcelo

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1.

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015 Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. Identificação Contratação de consultoria de pessoa física (PF) para diagnóstico

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK Relatório Metodológico do Mapeamento de Uso do Solo

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

Políticas Públicas para as Unidades de Conservação de Santa Catarina: novos rumos e desafios

Políticas Públicas para as Unidades de Conservação de Santa Catarina: novos rumos e desafios Políticas Públicas para as Unidades de Conservação de Santa Catarina: novos rumos e desafios Resultados do Workshop Técnico Florianópolis/SC 26 de fevereiro de 2015 Relatório Executivo Projeto de Fortalecimento

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Gisele Garcia Alarcon, Marta Tresinari Wallauer & Cláudio Henschel de Matos

Gisele Garcia Alarcon, Marta Tresinari Wallauer & Cláudio Henschel de Matos MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO: DESAFIOS PARA O ENVOLVIMENTO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PARQUE Gisele Garcia Alarcon,

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 075-MA

FICHA PROJETO - nº 075-MA FICHA PROJETO - nº 075-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM BIODIVERSIDADE DA SERRA DOS ÓRGÃOS: UMA ALIANÇA ENTRE EDUCAÇÃO, TURISMO E CONSERVAÇÃO. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Parâmetros Básicos dos Estágios Sucessionais dos Campos de Altitude Associados à Floresta Ombrófila Mista, à Floresta Ombrófila Densa

Leia mais

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial O Turismo é a atividade mais promissora para a promoção do desenvolvimento sustentável Entretanto...o modelo adotado de Turismo no litoral brasileiro tem

Leia mais

TRILHAS ECOLÓGICAS COMO FERRAMENTAS DE EDUCAÇÃO E INTERPRETAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO DE CASO NA FLORESTA NACIONAL DE PALMARES, ALTOS/PI

TRILHAS ECOLÓGICAS COMO FERRAMENTAS DE EDUCAÇÃO E INTERPRETAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO DE CASO NA FLORESTA NACIONAL DE PALMARES, ALTOS/PI Salvador/BA 25 a 28/11/2013 TRILHAS ECOLÓGICAS COMO FERRAMENTAS DE EDUCAÇÃO E INTERPRETAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO DE CASO NA FLORESTA NACIONAL DE PALMARES, ALTOS/PI Amanda Alves Feitosa (*), Joécio Santos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE ELABORAÇÃO DO CÓDIGO ESTADUAL 2007: Determinação do Sr. Governador do Estado à FATMA Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina para a elaboração de

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR

Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR Andressa Stefany Teles 1 Flávia Ferreira dos Santos 2 Jasmine Cardozo Moreira 3 RESUMO Impactos

Leia mais

IV. Fomentar a solidariedade e a união, dos praticantes da atividade em Joinville e região;

IV. Fomentar a solidariedade e a união, dos praticantes da atividade em Joinville e região; CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE A CRIAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL MONTE CRISTA Este documento tem por objetivo fornecer informações que possam contribuir com a discussão sobre a criação do Parque

Leia mais

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO PROJETO DE PROTEÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM SANTA CATARINA (PPMA/SC) DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO DIAGNÓSTICO SOCIOECONÔMICO E AMBIENTAL RELATÓRIO FINAL

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE

PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE FASE II Estrada da Praia Brava: Adequação da Visitação Pública do Parque Estadual Serra do Mar Proponente: Ambiental Litoral Norte OSCIP PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE

Leia mais

EXCURSÃO AOS APARADOS DA SERRA (Cambará do Sul-RS)

EXCURSÃO AOS APARADOS DA SERRA (Cambará do Sul-RS) EXCURSÃO AOS APARADOS DA SERRA (Cambará do Sul-RS) ORGANIZADOR: Michel Marques Godoy (Serviço Geológico do Brasil - CPRM). DATA: 5ª.feira, dia 22 de outubro de 2015 (com qualquer clima) HORÁRIO: saída

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 12-06-2012 SEÇÃO I PÁG 142-144 RESOLUÇÃO SMA Nº 37, DE 05 DE JUNHO DE 2012 Define as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO ACEIRO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

IMPLANTAÇÃO DO ACEIRO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS IMPLANTAÇÃO DO ACEIRO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS E OUTRAS INFRA-ESTRUTURAS NO SAPIENS PARQUE Florianópolis, 23 de julho de 2008 1. OBJETIVO DESTE DOCUMENTO Este documento busca informar a comunidade

Leia mais

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi Justificativa para a criação da Unidade de Conservação - Ponta de Pirangi Os recifes de corais são ecossistemas que abrigam grande biodiversidade marinha, tendo, portanto uma grande relevância ecológica,

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO

PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO Autores: Jonathan J. Campos, William de O. Sant Ana, Jefferson de Faria, Maria G. R. de Souza,

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS NA SERRA DO MAR Contrato: IA-RBMA /CEPF 2005/2006 O MaB e as Reservas da Biosfera no Brasil 1991 (1992, 1993, 2000, 2002) RB

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO Título: DEFINIÇÃO DE METODOLOGIA PARA GESTÃO DO ORDENAMENTO DO USO PÚBLICO NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DA TIRIRICA RJ

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica

Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica Biodiversidade e Áreas Protegidas Anael Aymoré Jacob Coordenador do Bioma Amazônia - DIREP/ICMBIO Convenção

Leia mais

O que é a Programação? Justificativa:

O que é a Programação? Justificativa: O que é a Programação? A Programação consiste de temas a serem abordados a cada mês com caráter de evento (pequeno, médio ou de grande porte) com duração média de até 2 semanas/mês. Mesmo com cada mês

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO Título: DEFINIÇÃO DE METODOLOGIA PARA GESTÃO DO ORDENAMENTO DO USO PÚBLICO NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DA TIRIRICA RJ

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO PROJETO DE PROTEÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM SANTA CATARINA (PPMA/SC) DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO RELATÓRIO TÉCNICO DE DELIMITAÇÃO 03FAT0206R00 CURITIBA

Leia mais

A Estruturação das Unidades de Conservação Federais e Estaduais da Categoria Parque em Santa Catarina para o Atendimento ao Visitante 1

A Estruturação das Unidades de Conservação Federais e Estaduais da Categoria Parque em Santa Catarina para o Atendimento ao Visitante 1 A Estruturação das Unidades de Conservação Federais e Estaduais da Categoria Parque em Santa Catarina para o Atendimento ao Visitante 1 RESUMO Paulo dos Santos Pires 2 Paula Renata Machado e Silva 3 Gabriela

Leia mais

APA da Serra da Meruoca

APA da Serra da Meruoca SENADOR INÁCIO ARRUDA SENADO FEDERAL O Senador Inácio Arruda iniciou sua vida pública ainda na década de 80. Servidor público e eletrotécnico, foi eleito vereador em 1988, deputado estadual em 1990 e deputado

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal SERRA DO AMOLAR A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal 2015 O CAMINHO DAS ÁGUAS Quando adentram a planície, as águas diminuem de velocidade por conta da baixa declividade e dão origem a grandes

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil 1º Seminário Paulista de PSA- Novembro de 2009 - Clayton F. Lino A natureza

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES Guilherme Mendonça da Cunha (PETROBRAS), Giovani Schifino Dellamea, Renato Fernandes, Wilson José de Oliveira. RESUMO Este Trabalho apresenta

Leia mais

Palavras Chave: Geomorfologia Urbana, Mapeamento, Danos Ambientais, Planejamento Ambiental.

Palavras Chave: Geomorfologia Urbana, Mapeamento, Danos Ambientais, Planejamento Ambiental. ELABORAÇÃO DO MAPA DE DANOS AMBIENTAIS DA APA PETRÓPOLIS,VOLTADO À PREVISÃO DE MOVIMENTOS DE MASSA - MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS, ESTADO DO RIO DE JANEIRO BRASIL. BONATTO, G. (1), (1) Aluno do Programa de

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

MANUAL DO VOLUNTÁRIO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO VOLUNTEER PROGRAM MANUAL DO VOLUNTÁRIO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA O TRABALHO VOLUNTÁRIO EM UC'S NO MUNDO E NO BRASIL É notória a importância do voluntariado no mundo. Ela foi

Leia mais

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas 1 OBJETIVOS DA OFICINA 1. Apresentar a Estrutura da Agenda Regionais e das Agendas Municipais 2. Apresentar o Objetivo geral do Eixo 3. Apresentar as Diretrizes

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

VI - SITUAÇÃO ATUAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

VI - SITUAÇÃO ATUAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO VI - SITUAÇÃO ATUAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1 - INFRA-ESTRUTURA A infra-estrutura do Parque Estadual do Guartelá conta com as seguintes edificações: Portal (foto VI.01): O portal pode ser avistado pela

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição As praias da Conceição, Tainha, Porto da Vó, Retiro dos Padres, Caixa D Aço, Geremias, Gravatá, Poá e São Miguel encontram-se em processo avançado de urbanização (Fichas 43 a 52 e Anexo 1). Nestas praias

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA 1.1. NÚMERO: 02/ 2010 1.2. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

Projeto de Ecoturismo (turismo de base comunitária)

Projeto de Ecoturismo (turismo de base comunitária) Projeto de Ecoturismo (turismo de base comunitária) Mostra Local de: Guaraqueçaba Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Sociedade

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir.

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir. ANEXO 5.3 - CARACTERIZAÇÃO DO RELEVO DAS ÁREAS DO PNSB E ZONA DE AMORTECIMENTO A copartientação geoorfológica regional na qual insere-se os tipos de relevo das áreas do PNSB e Zona de Aorteciento é apresentada

Leia mais

DECRETO Nº 3.796-N, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1994

DECRETO Nº 3.796-N, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1994 DECRETO Nº 3.796-N, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1994 Institui Área de Proteção Ambiental do Pico do Goiapaba-Açu, nos Municípios de Fundão e Santa Teresa e dá outras Providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO

Leia mais

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil b) Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

Oficina de Planejamento Participativo da APA Ponta do Araçá

Oficina de Planejamento Participativo da APA Ponta do Araçá Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental Municipal da Ponta do Araçá PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO BELO Oficina de Planejamento Participativo da APA Ponta do Araçá Execução: Participação: Porto Belo

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal MINISTÉRIO DO MEIO AMBENTE SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS SUB PROJETO CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DOS ÓLEOS

Leia mais