BIOENGENHARIA EM UMA OBRA DE GASODUTO BIOENGINEERING IN A WORKMANSHIP OF GAS PIPELINE NOVEMBRO DE 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIOENGENHARIA EM UMA OBRA DE GASODUTO BIOENGINEERING IN A WORKMANSHIP OF GAS PIPELINE NOVEMBRO DE 2009"

Transcrição

1 BIOENGENHARIA EM UMA OBRA DE GASODUTO BIOENGINEERING IN A WORKMANSHIP OF GAS PIPELINE NOVEMBRO DE BRUNNO PORTILHO SOUZA Acadêmico do Curso de Gestão Ambiental Faculdade Católica TO 2 KAIO VASCONCELOS DE OLIVEIRA Acadêmico do Curso de Gestão Ambiental Faculdade Católica TO 3 CID TACAOCA MURAISHI Professor da Faculdade Católica do Tocantins para os cursos de Agronomia, Gestão Ambiental e Zootecnia. Endereço¹: 106 Norte Alameda 02 QI 2 Lote 9/11 Palmas - TO CEP: Tel.: (63) RESUMO Este artigo tem como temática a Bioengenharia utilizada em obras que impactam o meio ambiente, especificamente na construção de gasodutos. Abordamos técnicas que minimizam as ações impactantes que o empreendimento necessita fazer para construir o gasoduto. Algumas técnicas utilizam a própria supressão vegetal, que é a idéia principal da Bioengenharia, para o reaproveitamento da mesma. Apresentamos algumas técnicas que se utiliza na Bioengenharia, tais como; Taludes, Bota Foras e Estivas. PALAVRAS-CHAVES: Bioengenharia Gasoduto Ações Impactantes ABSTRACT This article has the theme the Bioengineering used in workmanships that results in environment impacts, specifically in the construction of gas pipelines. We approach techniques that minimize the impacting actions that the enterprise needs to do to build the gas pipelines. Some techniques use the vegetal suppression, which is the main idea of Bioengineering, is the reuse of the same. We present some techniques that are used in the Bioengineering, such as; Slope, Bota - Foras and Trim. KEYWORDS: Bioengineering Gas Pipelines Impacting Actions

2 2 1. INTRODUÇÃO A Bioengenharia consiste em técnicas em que plantas, ou parte destas, são usadas como material vivo de construção. Sozinhos, ou combinadas com materiais inertes, tais plantas devem proporcionar estabilidade às áreas em tratamento, e nessas técnicas não só os materiais inertes como; madeiras, pedras, geotêxteis, estruturas de metais e concretos, mas também a vegetação é entendida como componente construtivo, em obras que visam a perenização de cursos d água, estabilização de encostas e taludes, tratamento de voçorocas e o controle da erosão do solo de modo geral. Um empreendimento de grande amplitude como a Obra de Gasoduto Paulínia- SP/Jacutinga MG necessita em todo o seu percurso na implantação dos gasodutos, de ferramentas que mitiguem as ações impactantes na qual o meio ambiente está sucessível neste processo, como o uso da Bioengenharia. Alguns exemplos serão citados posteriormente em maiores detalhes, como a construção de Taludes, Estivas e Bota-Foras. A instalação do Gasoduto segue o estabelecido num Projeto Básico Ambiental (PBA), que visa à padronização do método na execução dos serviços, priorizando a preservação do meio ambiente. A princípio acontece à execução da abertura da picada pelo grupo da Topografia, em seguida é realizada a supressão vegetal da Faixa de Servidão, na largura de 30 (trinta) metros. Esses serviços são realizados por um equipamento denominado Trator de Esteira com lâmina onde posteriormente é feito o desgalhamento das árvores. A madeira não utilizada na obra é distribuída na lateral da faixa e posteriormente a faixa é aplainada, para facilitar o trânsito de autos, máquinas, bem como os procedimentos de abertura de valas. Esse método oferece sérios riscos à fauna e flora por fatores a serem considerados. Depois de algumas etapas, analisa-se qual técnica utilizar dependendo de onde a Faixa de Servidão estiver passando, se for perto de morros e encostas sem uma vegetação apropriada para suportar fenômenos da natureza ou ações antrópicas advindas de movimentação do solo (maquinário, pisoteio, entre outros), citaremos então o Talude como técnica de Bioengenharia. Como já citado anteriormente, para contenção de sedimentos, caso ocorra uma precipitação e venha a carrear o solo nu, contando também com sustentação do maquinário utilizando toras de eucalipto em áreas brejosas, podemos citar a Estiva. Também

3 3 em conseqüência da supressão vegetal de modo geral, utilizaríamos os Bota-Foras para depósito desses sedimentos, o que ajudaria também a tratar áreas de voçorocas. O papel do Gestor Ambiental neste tipo de caso é fazer com as medidas corretivas, potencializadoras ou mitigadoras sejam aplicadas de forma que não haja riscos ao Meio Ambiente e seus recursos naturais, ou seja, tentar reduzir ao máximo os impactos gerados pelo empreendimento. E junto a uma equipe multidisciplinar supervisionar toda a problemática envolvida com o Meio Ambiente, catalogar fauna e flora, entre outros. Este estudo compreende análise e discussão do empreendimento Gasoduto Paulínia-SP / Jacutinga-MG, que visa a construção de tubulações com uma extensão de 100 Km não lineares. 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1. Bioengenharia A Bioengenharia é a utilização de materiais provenientes de plantas vivas e mortas, e técnicas flexíveis de engenharia para mitigar problemas ambientais, tais como encostas erodidas e desestabilizadas, margens de rios, sistemas de trilhas, aterros sanitários, áreas mineradas etc. Ao contrário de outras tecnologias, nas quais as plantas são meramente um componente estético do projeto, nos sistemas de Bioengenharia as plantas são um dos componentes mais importantes. (ARAUJO, 3ed., p. 167) As técnicas de Bioengenharia dependem do conhecimento biológico para construir estruturas geotécnicas e hidráulicas e para fortalecer encostas e margens de rios instáveis. Plantas inteiras ou suas partes são utilizadas como materiais de construção para reforçar locais instáveis, em combinação com materiais de construção tradicionais. Dessa forma, a engenharia biotécnica não substitui a engenharia hidráulica ou geotécnica tradicional (como, por exemplo, geotêxteis ou blocos de concreto), mas complementa e melhora os outros métodos de engenharia. (ARAUJO, 3ed., p. 167) Os Projetos de Bioengenharia tem a intenção de mitigar os impactos ocasionados por ações antrópicas ou acelerar a recuperação de um local degradado.

4 Projeto Básico Ambiental Projeto Básico Ambiental (PBA) é uma ferramenta importante como subsídio para as fases de implantação e pré-operação do empreendimento, no que diz respeito à prevenção e/ou minimização de impactos ambientais negativos passíveis de ocorrência durante o processo construtivo e o seu inicio de operação de um empreendimento. (PETROBRÁS, 2007) 2.3. Plano Ambiental para Construção A construção de um gasoduto consiste em um processo seqüencial envolvendo, basicamente, as atividades de implantação de canteiros, áreas de armazenamento da tubulação e alojamentos, melhoria de acessos, abertura da faixa de servidão (em locais de faixa nova), limpeza da faixa de servidão (em locais de faixa compartilhada), estocagem de materiais, desfile da tubulação, soldagem da tubulação, escavação da vala, abaixamento da tubulação e cobertura da vala, recomposição da faixa, teste hidrostático, proteção catódica, instalação de Válvulas de Bloqueio, construção das estações de medição e de limitação de pressão. (PETROBRÁS, 2007) Abertura de Pista Para que haja o acesso de equipamentos e veículos necessários para a construção do Gasoduto, é de suma importância a preparação da faixa, visando sempre o melhor para o meio ambiente envolvido. Para que esse processo ocorra, é preciso remover 30 cm da primeira camada do solo e posteriormente armazenar em forma de banco de sementes, evitando assim a retirada em excesso, mantendo sempre que possível, as curvas de níveis originais do terreno. É necessário realizar terraplanagem nos locais de difícil acesso, ou em terrenos muito acidentados e devido a esse processo, pode ocorrer o acumulo de material orgânico muito volumoso que prevê a utilização de determinadas áreas para tal despejo, chamados de botaforas. Em áreas úmidas os impactos potenciais poderão ser minimizados, com as seguintes ações:

5 5 Diminuir o tempo de construção e limitar a quantidade de equipamentos e atividades dentro das áreas, para reduzir os distúrbios nos solos umedecidos; Estabilizar as áreas elevadas, quando necessário, para evitar erosão. Inspecionar a faixa de domínio (Faixa de 30m onde haverá a construção das tubulações) periodicamente, durante e após a construção, e consertar qualquer dispositivo de controle de erosão (drenagens, barreiras de contenção, entre outros) e áreas recuperadas. Utilizar uma única área de passagem de veículos dentro da faixa; Restaurar as terras úmidas na sua configuração e contornos originais. Para travessia em solos úmidos poderá ser adotado qualquer um dos três métodos citados abaixo: Método I Este método será usado, desde que o solo esteja seco o suficiente para suportar o equipamento de construção. Sendo aplicado normalmente em períodos de poucas chuvas e quando o nível do lençol freático estiver abaixo. Limpeza da faixa Não há nenhuma técnica de sustentação do solo, devido à estabilidade do solo; Nenhum equipamento com pneus de borracha será permitido nas terras úmidas, salvo os que não danifiquem o sistema de raízes existente na localidade; Todas as madeiras/toras e os arbustos serão removidos das terras úmidas; Nenhum detrito ou toco será enterrado nas terras úmidas; Por meio de fotografias, o Inspetor Ambiental documentará as áreas, antes e depois da limpeza, fazendo a comparação e adequação para os trabalhos de recomposição. Nivelamento O nivelamento se limitará às áreas acima da vala, a não ser quando a topografia, como no caso de declives, exija um nivelamento por medida de segurança. Quando existir terraplanagem, o solo superior será segregado e recolocado com uma camada uniforme em todas as áreas niveladas.

6 6 Método II Será usado na travessia de terras com solos saturados ou com solos que não consigam suportar um equipamento nas condições naturais, quando será preciso estabilizar a faixa. Limpeza da Faixa A faixa será estabilizada pelo uso de pedaços de madeira, pista com estiva e esteira de madeira. O material ficará contido na faixa; O Inspetor Ambiental irá documentar, por meio de fotografias, todas as atividades dessas áreas. Nivelamento Dadas as restrições de construção associadas a solos saturados de áreas úmidas e geralmente planas, o nivelamento não será necessário. A necessidade de nivelamento será limitada às áreas diretamente sobre o percurso da vala, a não ser quando a topografia exigir um nivelamento adicional, por medida de segurança. Método III É o método pelo qual uma seção flutuante de tubulação, previamente montada, é empurrada e puxada sobre uma vala inundada. As bóias são removidas e a tubulação revestida de concreto afunda dentro da vala. A seção do duto, que deverá flutuar para sua colocação, será reta ou quase reta, para poder flutuar dentro da área onde a vala for escavada. Esse método poderá ser usado nas grandes extensões de áreas úmidas, onde o nível da água for alto o suficiente, na época da construção, para fazer com que o duto flutue dentro da vala e para que esse nível seja mantido sem nenhum tipo de problema. Este método minimiza os impactos no terreno citado. Requer menos limpeza/remoção do que os métodos anteriores. Limpeza/Remoção A limpeza da área úmida será reduzida ao mínimo (a área a ser limpa se limitará somente à largura necessária à instalação do duto);

7 7 Árvores e arbustos serão retirados por equipamentos de baixa pressão de solo, ou por equipamentos sustentados por uma esteira de madeira; O Inspetor Ambiental irá documentar, por meio de fotografias, todas as atividades dessas áreas. Nivelamento Não será necessário, devido à topografia dessas áreas, que são tipicamente planas e sem afloramento rochoso.(petrobrás, 2007) Desmonte de Rocha Em alguns casos poderá ocorrer a existência de rochas de difícil e/ou inviável remoção no caminho da faixa (por serem grandes na maioria das vezes), e uma das alternativas é utilizar explosivos ou massas expansivas, que ao detonarem as mesmas, facilitarão sua relocação. Durante a explosão para a fragmentação das rochas, deverão ser tomadas precauções para minimizar os danos em áreas e estruturas adjacentes, tais como; Instalação de barreiras de contenção, para proteger os cursos d água, Áreas de Proteção Permanentes (APP s) e moradores circunvizinhos, de uma possível fragmentação de rocha indesejável que possa vir a atingi-los. Implantação de sinais de advertência, bandeiras e barricadas; Em caso de detonação em Áreas de Preservação Permanente ou próximas a elas, deverá ser elaborado um procedimento específico para o desmonte de rocha.(petrobrás, 2007) 3. MATERIAIS E MÉTODOS Foram realizados no empreendimento ao longo de seu percurso, algumas visitas técnicas, estudos gerais sobre sua composição, (análise dos Projetos Básicos Ambientais, Legislação vigente e Projetos da obra), e aquisição de conhecimentos básicos sobre os variados componentes que utilizam a Bioengenharia. Foram retiradas fotografias de toda estrutura física, biótica e antrópica do empreendimento.

8 Estiva Feita de toras de eucalipto reaproveitadas da supressão vegetal decorrente da faixa de servidão, junto com uma manta impermeável e sacos de areia que servem de proteção lateral para dar sustentação aos maquinários e/ou equipamentos, devido a uma possível instabilidade do solo (áreas brejosas, por exemplo), e devido ao grande peso destes equipamentos. Sem a estiva, pode-se gerar uma compactação do local, gerando um possível fator impactante. (PETROBRÁS, 2007) Para sua construção, as toras serão dispostas nos sentidos longitudinais e transversais à faixa de domínio e sua construção é feita manualmente, com uma largura suficiente para a movimentação dos equipamentos onde será feito a construção do duto sobre a estiva. Após o recobrimento da vala, a estiva será totalmente removida juntamente com os resíduos da construção e posteriormente dispostos de acordo com o programa específico Bota Fora Devido ao volume de material excedente oriundo da terraplanagem e demais escavações necessárias à implantação do Gasoduto, prevê-se a utilização de determinadas áreas, e algumas restrições são cabíveis a tal uso; Não poderá ser dispostos aterros de bota-fora em áreas de cobertura vegetal que contenham espécies nativas, nem em áreas com remanescentes florestais, independentemente do estágio de sucessão vegetal em que se encontrem; Não poderá ser utilizado em APP; Não poderá ser disposto aterros de bota-fora em áreas onde possa vir a assorear corpos d água; Bota-Foras temporários poderão ser formados durante abertura de pistas e cortes, cujos materiais venham a ser utilizados para recobrimento de vala e recomposição de talude; Bota-Foras permanentes serão dispostos em locais com anuência do proprietário da área, bem como procedimentos de vistoria pelos Inspetores da Fiscalização da PETROBRÁS e da Gestão Ambiental do Empreendimento; Todas as áreas utilizadas para a disposição do material excedente de cortes e nivelação da pista serão devidamente recompostas seguindo o Programa de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD);

9 9 Durante as instalações de Bota-Foras, serão implantados dispositivos provisórios, de controle de erosão e contenção de sedimento, até a perfeita consolidação da proteção vegetal. (PETROBRÁS, 2007) 3.3. Talude Plano inclinado que limita um terreno e tem como função garantir a estabilidade do terreno. A sua geometria por natureza em terrenos é de 45º graus não sendo aconselhável uma inclinação superior, pois não há garantia de sustentação. Em escavações também é normal que sejam de 45º, mas em zonas rochosas esse valor pode ser superior justamente porque a estabilidade do mesmo não está em causa. (PETROBRÁS, 2007) Os taludes de corte e aterro resultantes da construção de estradas, rodovias, aeroportos, indústrias e outros empreendimentos necessitam, além da drenagem, serem protegidos de maneira eficiente para evitar a formação de focos erosivos e deslizamentos. As técnicas e produtos a serem utilizados dependem de vários fatores, como: inclinação do talude, suscetibilidade à erosão, tipo de proteção desejada (definitiva ou temporária), altura do talude, tipo de drenagem adotada, etc. O uso da técnica inadequada irá comprometer a segurança do talude, por isso é necessário obter todas as informações para escolher a técnica e produtos corretos. Existem vários tipos de mantas, geralmente constituídos por uma malha geossintética leve de reforço, e, conforme a aplicação, com inclusões de fibras de origem vegetal, tais como palha e fibra de coco. Reduz os custos de conservação ao evitar o aterramento de drenagens, aumentam a capacidade de retenção de água do solo e reduz a evaporação, protegem os taludes contra a erosão eólica e hidráulica em obras de paisagismo e controle da erosão. (Agraria Verde) Também pode ser utilizada a técnica de hidrossemeadura, e essa técnica visa repor a camada vegetal natural da região reconstruindo o meio ambiente degradado. A hidrossemeadura nada mais é que um composto de sementes transitórias e definitivas, tratadas juntamente com produtos fertilizantes, retentores de umidade, orgânicos, corretores de PH, etc, misturados com água limpa, formando uma dispersão coloidal, mistura emulsificante de aspecto gelatinoso, que é aplicada mecânica e diretamente nos mais diversos tipos de solos, previamente preparados, das mais variadas pedogêneses. (Engenheiros de Verde)

10 10 A hidrossemeadura pode ser aplicada em qualquer tipo de solo (arenoso, rochoso, etc.), morros, taludes de corte e aterro, rodovias, barragens, ferrovias, e em locais onde possam ocorrer instabilidades de características geológicas. (Engenheiros de Verde) 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES A implantação de um gasoduto envolve uma série de atividades que, dependendo da natureza dos terrenos, podem causar impactos variáveis ao meio ambiente. Uma das principais preocupações de ordem ambiental nas atividades de construção é o controle da erosão e da geração de sedimentos oriundos das escavações e movimentações de terra Estiva Através das visitas técnicas observou-se que, para considerar uma estiva bem construída, há de se enquadrar que deverão ser seguidas todas as obrigações no seu aspecto de montagem. Todas as medidas de contenção têm que ser seguidas de acordo com o Plano Ambiental para Construção (PAC), para que não haja nenhum imprevisto em decorrência de possíveis precipitações. Pequenas falhas podem causar grandes prejuízos tanto para o Meio Ambiente quanto para o empreendedor. Figura 1 Projeto de construção da estiva Figura 2 Projeto de contenção da estiva Devido seu processo ser todo manual, as falhas que ocorrem são por falta de atenção dos operadores.

11 11 Todo processo de drenagem e contenção da estiva se houver qualquer alteração poderá causar uma série de desastres locais, como assoreamento da área brejosa e possíveis erosões, com isso causando impacto ambiental, pois estará alterando as qualidades físicas, químicas e bióticas do local. Para o empreendedor qualquer erro, trará um prejuízo financeiro considerável, pois o mesmo terá que recuperar a área e deixar o local como de primeiro Figura 3 Construção da estiva usando manta impermeável Figura 4 Adicionando toras de eucalipto momento. A etapa de construção da estiva se inicia colocando a manta impermeável para que as toras de eucalipto não tenham contato direto com o solo, posteriormente são colocadas as toras, a primeira camada é colocada no sentido transversal, já a segunda camada é colocada no sentido horizontal, e dentre o espaçamento de 5 (cinco) toras é colocado uma estaca no sentido vertical, dando uma maior sustentabilidade na estiva e consequentemente beneficiando-a para uma possível contenção de água em dias de chuva.

12 12 Figura 3 Estiva com falha na drenagem Figura 2 Estiva pronta Figura 1 Contenções de drenagem da estiva Toda estiva após ser construída necessita ter todo um processo de drenagem, para que quando houver chuva, não ocorra o carreamento do solo em áreas brejosas. As grandes falhas causadas na construção de uma estiva são decorrentes do processo de montagem, pois uma falha ou uma inapropriada montagem de contenção de água podem causar sérios danos ao meio ambiente Bota-Fora Termo da Engenharia Civil que designa genericamente os produtos naturais, não servíveis a curto prazo, e que necessitam ser colocados de lado, provisoriamente ou definitivamente. Segundo a Resolução CONAMA 307/2002, resíduos de construção civil não poderão ser dispostos em aterros de resíduos domiciliares, e em áreas de bota-foras, em encostas, corpos d água, lotes vagos e em áreas protegidas por Lei. Figura 7 Área de Bota Fora Figura 8 Bota Fora no processo de recomposição

13 13 São resíduos provenientes de terraplanagens e detonações que são depositados em áreas com uma declividade que possa causar erosão. Uma boa localidade para o depósito de resíduos sólidos em alta declividade é em Voçorocas, pois aproveita-se da topografia do terreno para o preenchimento com os resíduos citados anteriormente e assim beneficiando os interessados pois não há prejuízo financeiro desta forma. O Bota-Fora é construído de acordo com o terreno, onde anteriormente é feita uma análise do solo para saber as características locais, para que assim não haja nenhuma alteração da mesma. Na área escolhida para Bota-Fora, há a utilização de maquinário para que seja feito a supressão vegetal (geralmente o mínimo, com gramíneas e arbustos), são construídos em forma de escadarias, e na sua recomposição na parte dos taludes são colocadas as mantas, para evitar que ocorram erosões até a implantação de gramíneas com a hidrossemeadura, para que assim não ocorra nenhum tipo de problema ao meio ambiente Talude Em função do seu traçado geométrico, alguns taludes podem ser íngremes, altos e extremamente expostos ao intemperismo. A solução mais recomendável é a aplicação de um revestimento vegetal (manta) sobre o talude exposto, com a finalidade de protegê-lo, evitando que o solo superficial seja carreado e que, consequentemente ocorra imprevisíveis fenômenos erosivos.

14 14 Figura 9 Corte de talude Figura 4 Talude cortado 5. CONCLUSÃO Dentre todas as técnicas em obras que o empreendedor de grande porte utiliza para mitigar as ações impactantes geradas pelo empreendimento, a Bioengenharia se destaca, simplesmente pelo motivo de utilizar a própria natureza para evitar impactos ambientais de grande amplitude causados pelo homem. A utilização de técnicas como as citadas nesse trabalho mitigam a degradação ambiental que se intensifica ao longo do percurso do empreendimento, ajudando assim o Meio Ambiente a regenerar-se com o passar da obra e ajudando também o empreendedor que não precisará arcar com altos custos, por estar utilizando da própria natureza para preservação da mesma. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGRARIA VERDE, LDA. Manta orgânica biodegradável. <http://www.agrariaverde.pt/geosinteticos/geotextil_biomanta.pdf> Acesso em: 20 de outubro de ARAUJO, Gustavo Henrique de Souza. Gestão Ambiental de Áreas Degradadas. 3.ed. Bertand Brasil, 167 p CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinado as ações

15 15 necessárias de forma a minimizar os impactos ambientais. Resolução n 307, de 05 de Julho de ENGENHEIROS DE VERDE. Hidrossemeadura. <http://www.engenheirosdoverde.com.br/hidrossemeadura.html> Acesso em: 02 de novembro de PETROBRAS/BIODINÂMICA. Gasoduto Paulínia Jacutinga: Projeto Básico Ambiental EIA. Rio de Janeiro, 2007.

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

ÍNDICE. 12.2 - Plano de Conservação da Flora... 1/10. 12.2.1 - Programa de Supressão da Vegetação... 1/10

ÍNDICE. 12.2 - Plano de Conservação da Flora... 1/10. 12.2.1 - Programa de Supressão da Vegetação... 1/10 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 12.2 - Plano de Conservação da Flora... 1/10 12.2.1 - Programa de Supressão da Vegetação... 1/10 Índice 1/1 2619-00-EIA-RL-0001-00

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS Cristiana Arruda Corsini & Dorival Zanóbia Eng a. Agrônoma, Agrimensor, Verbo Conservação de Áreas Verdes - Araras SP. verbo@laser.com.br

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO SARJETAS E VALETAS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-01/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de sarjetas e valetas,

Leia mais

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO. Participaram da vistoria os seguintes representantes: BOA VISTA

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO. Participaram da vistoria os seguintes representantes: BOA VISTA PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO RELATÓRIO N.º 023/2012 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: Processo Judicial 2008.72.04.002971-7

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO PROTEÇÃO VEGETAL Grupo de Serviço OBRAS COMPLEMENTARES Código DERBA-ES-OC-04/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de proteção

Leia mais

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS Mestre e Doutora pela EPUSP- Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Professora do CEFET-SP

Leia mais

Biomanta Antierosiva de Palha Unidimensional (Tela Biotêxtil 400UP)

Biomanta Antierosiva de Palha Unidimensional (Tela Biotêxtil 400UP) SÉRIE ARP-440 Biomanta Antierosiva de Palha Unidimensional (Tela Biotêxtil 400UP) Produto: translúcido e flexível, constituído de fibras vegetais dilaceradas e desidratadas (palha agrícola), entrelaçadas

Leia mais

COMPONENTE AMBIENTAL EM PROJETOS RODOVIÁRIOS. - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental

COMPONENTE AMBIENTAL EM PROJETOS RODOVIÁRIOS. - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental - Empreendimentos Rodoviários - Impacto Ambiental - Legislação vigente - Licenciamento Ambiental - Estudos e Relatórios Ambientais - Componente Ambiental DNIT Conceitos

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

Terraplenagem - cortes

Terraplenagem - cortes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA

RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO N.º 036/2009 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: ACP 2008.72.04.002971-7 No dia 17 de agosto do corrente ano, foi realizado

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS histórico Os Muros Terrae são sistemas de contenção para muros em aterro ou em corte. Trata-se de um processo construtivo desenvolvido com base nos chamados muros segmentais, compostos

Leia mais

ES MA 05 RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA UTILIZAÇÃO DE ÁREAS DE JAZIDAS, CAIXAS DE EMPRÉSTIMOS E BOTA FORA. 1. Generalidades

ES MA 05 RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA UTILIZAÇÃO DE ÁREAS DE JAZIDAS, CAIXAS DE EMPRÉSTIMOS E BOTA FORA. 1. Generalidades ES MA 05 RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA UTILIZAÇÃO DE ÁREAS DE JAZIDAS, CAIXAS DE EMPRÉSTIMOS E BOTA FORA 1. Generalidades A presente Especificação Técnica trata dos procedimentos para a utilização

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 1 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 2 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2

Leia mais

SAMARCO MINERAÇÃO S.A.

SAMARCO MINERAÇÃO S.A. SAMARCO MINERAÇÃO S.A. MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DA LINHA 03 DE MINERODUTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL DO EMPREENDIMENTO OS Tramitação Via Data 1SAMA013-OS-00003 1SAMA013-TR-000021

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-D01 OBRAS DE DRENAGEM SUPERFICIAL DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 8 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E BJETIVO... 10 2. S... 10 3. LOCAÇÃO DA OBRA... 12 4. LIMPEZA DO TERRENO...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM Rua da Alegria, Bairro Estância Velha PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS RS CONTRATO 178/2011 TOMADA DE PREÇOS 018/2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VALEC NAVA - 06 1 de 8 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VALEC NAVA - 06 2 de 8 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES...

Leia mais

4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL

4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL 141 4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL Este capítulo se destina a apresentação de algumas tipologias multifuncionais de infraestrutura verde que podem ser aplicadas à área de estudo

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2013 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 Serviços de Terraplanagem na Subestação de Interligação à Rede Básica Construção de novo Bay de Saída

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Educação Ambiental. Cartilha do Trabalhador. Ferrovia de Integração Oeste Leste - FIOL

Educação Ambiental. Cartilha do Trabalhador. Ferrovia de Integração Oeste Leste - FIOL Educação Ambiental Cartilha do Trabalhador Ferrovia de Integração Oeste Leste - FIOL 2 Introdução Esta cartilha foi elaborada pelo Programa de Educação Ambiental da Ferrovia de Integração Oeste Leste -

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 6 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

Estrada de Rodagem Terraplanagem

Estrada de Rodagem Terraplanagem Estrada de Rodagem Terraplanagem Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 O motivo para realizar terraplenagem é que o terreno natural não é adequado ao tráfego

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Resoluções Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO Nº 349, DE 16 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos

Leia mais

O objetivo do Programa de Gestão Ambiental é utilizar ferramentas de gestão que garantam a execução das ações planejadas.

O objetivo do Programa de Gestão Ambiental é utilizar ferramentas de gestão que garantam a execução das ações planejadas. JUNHO 2010 2 de 12 2. PROGRAMAS OBRIGATÓRIOS 2.1. PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL (ESSE ITEM É REFERENTE AO ITEM 5.1.1 DO TERMO DE REFERENCIA) O objetivo do Programa de Gestão Ambiental é utilizar ferramentas

Leia mais

5.4 Passivos Ambientais

5.4 Passivos Ambientais 5.4 Passivos Ambientais 5.4.1 Considerações Gerais Considerase Passivo Ambiental como toda a ocorrência decorrente de: Falha na construção, restauração ou manutenção de rodovia, capaz de atuar como fator

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prof. Dr. Paulo S. Hemsi Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Ponta Grossa, 24 de Agosto de 2011 Aterro de Resíduos Sistema de engenharia projetado, construído,

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES Guilherme Mendonça da Cunha (PETROBRAS), Giovani Schifino Dellamea, Renato Fernandes, Wilson José de Oliveira. RESUMO Este Trabalho apresenta

Leia mais

Apps de Topo de Morro. Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva

Apps de Topo de Morro. Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva Apps de Topo de Morro Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva Funções Ambientais das Áreas de Preservação Permanente (espaço territorial especialmente protegido: art.225 CF; Lei

Leia mais

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br)

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES: CAUSAS E SOLUÇÕES EM QUALQUER RAMO DA ATIVIDADE HUMANA VALE UMA LEI BÁSICA: A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA

Leia mais

GEOGRELHAS TECIDAS PARA TALUDE REFORÇADO COM ELEMENTOS TERRAMESH VERDE

GEOGRELHAS TECIDAS PARA TALUDE REFORÇADO COM ELEMENTOS TERRAMESH VERDE GEOGRELHAS TECIDAS PARA TALUDE REFORÇADO COM ELEMENTOS TERRAMESH VERDE Eder José Paulo Tavares Engenheiro Civil Maccaferri do Brasil eder.tavares@maccaferri.com.br Petrucio José dos Santos Junior MSc.

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABERTURA DE VALAS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO FOLHA ET-6000-6520-940-TME-002 ET-65-940-CPG-002 1 / 8 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

PROJETO: MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO NA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA REFINARIA PREMIUM II (RPRE-II), DUTOVIA, ÁREA AUXILIAR E TERMINAL DO PECÉM (TECEM) - CE

PROJETO: MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO NA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA REFINARIA PREMIUM II (RPRE-II), DUTOVIA, ÁREA AUXILIAR E TERMINAL DO PECÉM (TECEM) - CE PROJETO: MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO NA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA REFINARIA PREMIUM II (RPRE-II), DUTOVIA, ÁREA AUXILIAR E TERMINAL DO PECÉM (TECEM) - CE. 2º RELATÓRIO (Dezembro 2013 a Fevereiro, 2014) Recife,

Leia mais

do substrato gnáissico.

do substrato gnáissico. 55 6.2 - Descrição de eventos locais Informações obtidas em campo possibilitaram a descrição de eventos locais que permitem caracterizar situações práticas relacionadas aos processos erosivos. A presença

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia.

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM Objetivo: a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. Terraplenagem mecanizada: requer grandes investimentos em equipamentos

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV.

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV. IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE Silva, J.V.F. 1 ; Miyazaki, L.C.P. 2 ; 1 UFU/FACIP Email:joaovictorfs14@yahoo.com; 2 UFU/FACIP Email:lecpgeo@gmail.com; RESUMO: O objetivo deste trabalho

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS SOB A INFLUÊNCIA DE EROSÕES DE GRANDE PORTE

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS SOB A INFLUÊNCIA DE EROSÕES DE GRANDE PORTE COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T99 A17 RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS SOB A INFLUÊNCIA DE EROSÕES DE GRANDE PORTE Adalberto

Leia mais

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

Critérios Ambientais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos

Critérios Ambientais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos Critérios Ambientais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos Este Anexo tem como objetivo orientar a elaboração dos estudos ambientais necessários à preparação dos projetos do PROSAMIM/BID. Para contemplar

Leia mais

11º Relatório de Monitoramento Socioambiental

11º Relatório de Monitoramento Socioambiental Foto 01: A área de empréstimo teve a exploração de solo encerrada e passou a receber tratamento para encerramento e recuperação. A superfície do terreno foi reconformada, com a eliminação das cavas, pilhas

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM

EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM Unidades de tração ou tratores Representa a máquina matriz da terraplenagem. Trator: Unidade autônoma. Executa a tração ou empurra outros equipamentos para o aumento da tração

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Custos Totais de Implantação do Empreendimento PLANILHA 01 AEROPORTO

Custos Totais de Implantação do Empreendimento PLANILHA 01 AEROPORTO Custos Totais de Implantação do PLANILHA 01 AEROPORTO 1. Custo de aquisição do terreno, reassentamentos (com toda infraestrutura) e outras ações de caráter indenizatório. 2. Estudos ambientais 3. Projetos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) Marcos Timóteo Rodrigues de Sousa * ABSTRACT

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) Marcos Timóteo Rodrigues de Sousa * ABSTRACT Science in Health 2010 mai-ago; 1(2): 111-6 METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) METHOD OF MAPPING AND INTERPRETATION OF TRAIL: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA)

Leia mais

TERRAPLENAGEM. Caracterização do Serviço de Terraplenagem

TERRAPLENAGEM. Caracterização do Serviço de Terraplenagem TERRAPLENAGEM Caracterização do Serviço de Terraplenagem O serviço de terraplenagem tem como objetivo a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia, tais como açudes, canais

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

CIDADE SISTEMA AMPLIAÇÃO/ OU IMPLANTAÇÃO

CIDADE SISTEMA AMPLIAÇÃO/ OU IMPLANTAÇÃO MODELO PCA CIDADE SISTEMA AMPLIAÇÃO/ OU IMPLANTAÇÃO MÊS/ANO 1/16 OBJETIVO O Plano de Controle Ambiental tem como objetivo, apresentar e descrever as propostas de medidas mitigadoras e compensatórias do

Leia mais