REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche PREÂMBULO O presente regulamento regula a organização e o modo de funcionamento do NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. Este regulamento interno será distribuído gratuitamente aos Pais e/ou Encarregados de Educação da criança, quando se inicia a frequência na instituição ou sempre que seja objecto de actualização. Os Pais e/ou Encarregados de Educação devem, no acto de inscrição ou matrícula, conhecer o Regulamento Interno da instituição, aceitando e comprometendo-se ao seu cumprimento. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento, entidade titular e sua natureza, direcção) 1 NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. é um estabelecimento de educação e ensino privado que recebe crianças dos quatro meses aos três anos de idade distribuídas pelas valências berçário e creche. 2 - NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. é gerido por Anabela Maria Monteiro da Costa Cachado e Nádia Filipa da Costa Cachado, sócias gerentes, com sede na Rua Luís de Camões n.º 20, freguesia de Pinhal Novo, concelho de Palmela e distrito de Setúbal, com o NIF e matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Palmela. 3 A direcção da instituição é assegurada pelas sócias gerentes e, ao mesmo tempo, Anabela Maria Monteiro da Costa Cachado é a Directora Técnica. Artigo 2.º (Objectivo) NINHO DO SOL tem como objectivo colaborar e promover com as famílias o desenvolvimento global das crianças num ambiente estável e seguro, estimulante, agradável e de confiança, de forma a permitir àquelas um desenvolvimento dos seus níveis sensorial, motor, intelectual, afectivo e social. Artigo 3.º (Âmbito subjectivo) O Berçário e a Creche destinam-se a crianças com idades compreendidas entre os 4 meses e os 3 anos de idade, no máximo de 39 (trinta e nove), distribuídas da seguinte forma: a) Berçário e Sala Parque, com idades compreendidas entre os 4 meses e os 12 meses, com capacidade para 9 crianças, que serão acompanhadas por 2 Ajudantes de acção educativa; 1

2 b) Sala de 1 ano, com idades compreendidas entre a aquisição da marcha e os 24 meses, com capacidade para 12 crianças, que serão acompanhadas por 1 Educadora de Infância e 1 Ajudante de acção educativa; c) Sala dos 2 anos, com idades compreendidas entre os 24 meses e os 36 meses, com capacidade para 18 crianças, que serão acompanhadas por 1 Educadora de Infância e 1 Ajudante de acção educativa. CAPÍTULO II PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Artigo 4.º (Serviços mínimos e actividades complementares) 1 - NINHO DO SOL assegura a prestação dos seguintes serviços, abrangidos pela mensalidade (Anexo 1): a) frequência do berçário das 07:00 horas às 18:30 horas; b) frequência da creche das 07:00 horas às 19:00 horas; c) fornecimento de alimentação, nomeadamente almoço e lanche, após a introdução de todos os alimentos; d) qualquer introdução de alimentos deverá ser feita em casa; e) realização de actividades curriculares com material didáctico, de acordo com o Projecto Educativo deste estabelecimento; f) prestação de cuidados de higiene; g) atendimento às famílias. 2 - NINHO DO SOL providencia também outros bens e serviços não abrangidos pela mensalidade que, consequentemente, serão considerados como despesas extra e, como tal, serão pagos à parte da mensalidade: a) prestação de transporte casa/creche/casa; b) fornecimento de outros bens e serviços específicos não enquadrados nas alíneas anteriores, a apresentar e expor em local visível do estabelecimento (Anexo 1). CAPÍTULO III EQUIPA TÉCNICA Artigo 5.º (Equipa técnica) 1 - A equipa técnica do NINHO DO SOL é constituída por uma das gerentes, ao mesmo tempo directora técnica e educadora de infância, uma educadora de infância, uma técnica de educação, quatro ajudantes de acção educativa, sendo uma delas polivalente, e uma cozinheira. 2 - As respectivas competências constam dos artigos seguintes. 2

3 Artigo 6.º (Gerentes) Às gerentes do estabelecimento compete designadamente: a) assegurar a gestão corrente do estabelecimento; b) orientar e coordenar a equipa técnica; c) avaliar o desempenho dos trabalhadores; d) coordenar a acção educativa; e) aprovar o Projecto Educativo e o Projecto Pedagógico Curricular de Sala; f) elaborar um orçamento para efeitos de consumo de materiais didácticos; g) receber as inscrições das crianças que pretendam frequentar o Ninho do Sol; h) elaborar o processo individual de cada criança, garantindo o arquivo de toda a documentação necessária; i) atender os pais e/ou encarregados de educação; j) garantir o cumprimento de todas as normas de segurança; k) conceber ementas rotativas, assegurando o respectivo cumprimento; l) garantir a qualidade dos alimentos fornecidos ao estabelecimento; m) garantir a qualidade dos serviços prestados por outras entidades externas. Artigo 7.º (Directora Técnica) À directora técnica compete, para além do exercício das funções correspondentes à categoria de educadora de infância, o seguinte: a) supervisionar a elaboração do Projecto Educativo e proceder à sua aprovação; b) apresentar e coordenar o Projecto Pedagógico com a restante equipa; c) monitorizar o cumprimento dos objectivos do Projecto Pedagógico, procedendo à sua revisão, caso seja necessário; d) coordenar a acção educativa; e) assegurar a articulação entre as salas da valência. Artigo 8.º (Educadoras de Infância e Técnica de Educação) Às educadoras de infância e técnica de educação compete designadamente: a) fomentar o desenvolvimento físico e intelectual das crianças, estimulando-as a descobrir a sua individualidade, ao mesmo tempo que lhes despertam o interesse para o contacto com os outros; b) elaborar o plano anual de actividades de Sala; c) efectuar um levantamento de necessidades de materiais didácticos, para o ano lectivo; d) organizar e explicitar os meios educativos adequados ao desenvolvimento integral de cada criança; e) acompanhar a evolução de cada criança e do grupo; f) fomentar uma acção educativa integrada com a família; g) programar todas as actividades individuais e de grupo; 3

4 h) zelar pelo bem-estar das crianças; i) acompanhar o grupo durante as suas rotinas diárias, como alimentação, higiene e repouso. Às Ajudantes de acção educativa compete: Artigo 9.º (Ajudantes de acção educativa) a) participar nas actividades educativas, auxiliando as educadoras de infância; b) acompanhar o grupo durante as suas rotinas diárias, como alimentação, higiene e repouso; c) assegurar a organização, higiene e limpeza da sala e do estabelecimento em geral; d) assegurar o pleno funcionamento do período de abertura e de encerramento da creche. Artigo 10.º À cozinheira compete: (Cozinheira) a) preparar as refeições, de acordo com as ementas predefinidas pela gerente; b) garantir a qualidade na confecção e assegurar o cumprimento das normas de higiene e segurança alimentar; c) garantir a limpeza da cozinha e do refeitório. CAPÍTULO IV DIREITOS E DEVERES Artigo 11.º (Direitos e deveres dos pais e/ou encarregados de educação) 1 - Os pais e/ou encarregados de educação têm os seguintes direitos: a) conhecer o Regulamento Interno; b) ser informados sobre qualquer alteração nas rotinas diárias. 2 - Os pais e/ou encarregados de educação têm ainda os demais direitos consagrados na legislação aplicável vigente. 3 - Os pais e/ou encarregados de educação têm os seguintes deveres: a) cumprir o disposto no presente Regulamento após conhecimento e aceitação; b) informar o estabelecimento sobre qualquer alteração relativa à criança; c) informar a direcção do estabelecimento sempre que haja alteração da pessoa que vem buscar a criança; d) informar previamente a Educadora de Infância da sala ou a Gerência sempre que não autorizem uma saída específica; e) proceder ao pagamento da inscrição, da matrícula ou anualmente da renovação da matrícula, do seguro obrigatório de acidentes pessoais, bem como da respectiva mensalidade decorrente da permanência da criança na instituição; f) comunicar à Gerência por escrito, a desistência da criança com um mês de antecedência sobre a data em que a mesma deixará de frequentar a instituição, sob pena de pagamento da mensalidade respeitante a esse mesmo mês; 4

5 g) comunicar à Educadora de Infância eventuais períodos de ausência da criança, independentemente do respectivo motivo (doença ou qualquer outra situação) e proceder, nesse caso, ao pagamento da respectiva mensalidade; h) comunicar à responsável de sala qualquer doença da criança, entregando sempre documento com as indicações do médico, bem como quaisquer medicamentos prescritos à criança, com a indicação do seu nome, da hora e da dose a administrar durante o período em que está a frequentar a instituição; i) entregar à Gerência, até 15 de Setembro de cada ano, uma declaração médica comprovativa de que a criança não é portadora de doenças infecto-contagiosas; j) entregar à Gerência, após restabelecimento da criança, uma declaração médica comprovativa de que a criança se encontra totalmente recuperada; k) cumprir rigorosamente o horário de funcionamento do estabelecimento, avisando sempre que haja alguma situação imprevista. Artigo 12.º (Direitos e deveres do estabelecimento) 1 - NINHO DO SOL tem os seguintes direitos: a) alterar o presente regulamento, sempre que tal se revele necessário; b) conhecer sempre o estado de saúde, a informação médica e a prescrição medicamentosa de cada criança; c) receber o pagamento das inscrições e das mensalidades respeitantes às crianças que frequentam o Berçário e a Creche; d) receber o reembolso de eventuais despesas tidas com as crianças relativamente a bens ou serviços não incluídos na mensalidade; e) ter conhecimento da desistência da criança com um mês de antecedência sobre a data em que a mesma deixará de frequentar a instituição. 2 - NINHO DO SOL tem os seguintes deveres: a) publicitar, de forma adequada e atempada, as alterações ao presente Regulamento; b) respeitar as normas e os regulamentos estabelecidos por lei; c) elaborar o processo individual de todas as crianças; d) respeitar as crianças na sua individualidade, independência/dependência e formas de estar na vida; e) avisar os pais e/ou encarregados de educação sempre que a criança não se encontrar em perfeito estado de saúde, a fim de a recolherem; f) avisar previamente os pais e/ou encarregados de educação acerca da realização das saídas a passeio; g) prestar todos os serviços incluídos na mensalidade. 5

6 CAPÍTULO V INSCRIÇÃO E ADMISSÃO Artigo 13.º (Condições de inscrição, critérios e admissão) 1 - São condições de inscrição e critérios: a) a inscrição das crianças para a frequência do estabelecimento é sempre individual e não significa a sua admissão imediata; b) a inscrição é feita durante todo o ano, mediante o preenchimento de uma ficha de inscrição e a entrega da devida documentação a que se refere o número seguinte; c) sempre que existam vagas serão as mesmas preenchidas ao longo do ano lectivo; d) é obrigatória a renovação anual da matrícula e do seguro escolar a partir do mês de Maio, para as crianças que frequentem o ano em curso; e) As crianças que tenham irmãos a frequentar o mesmo estabelecimento têm prioridade em relação às restantes; f) As crianças que residam na freguesia de Pinhal Novo têm prioridade em relação às restantes. 2 - No acto de admissão ou da renovação anual da matrícula os pais/encarregados de educação devem assinar, respectivamente, um Contrato de Prestação de Serviços, ou adenda ao mesmo, preencher o respectivo impresso e apresentar os seguintes documentos, que farão parte integrante do processo individual de cada criança: a) uma fotografia, tipo passe, a cores; b) fotocópia simples da cédula pessoal, do boletim de nascimento ou do bilhete de identidade; c) fotocópia simples do boletim de vacinas actualizado; d) fotocópia simples do cartão de beneficiário dos serviços de saúde; e) declaração médica comprovativa de que a criança não é portadora de qualquer doença infecto-contagiosa e que mencione outros factores de interesse relacionados com a saúde física e mental; f) documento que especifique alguns cuidados especiais de que a criança necessite, nomeadamente em relação à alimentação; g) listagem de todos os contactos possíveis dos pais e/ou encarregado de educação, nomeadamente, contactos telefónicos pessoais e do emprego, morada completa e ainda contactos telefónicos de terceiros que possam ser contactados; h) em situações especiais, certidão da sentença judicial que determinou a regulação do Poder Paternal ou a Tutela; i) impresso, devidamente assinado, constante do Anexo A ao presente Regulamento e do qual faz parte integrante. 3 - Não será aceite a renovação da matrícula cujas mensalidades do ano anterior não estejam regularizadas. 6

7 4 - Quaisquer montantes entregues para efeitos de inscrição, de renovação da matrícula, de seguro, de mensalidades ou de bens ou serviços não incluídos na mensalidade não serão reembolsáveis em caso de desistência posterior. Artigo 14.º (Processo individual) 1 - No processo individual de cada criança deverão constar os seguintes elementos: a) Ficha de inscrição; b) Critérios de admissão aplicados; c) Exemplar do contrato de prestação de serviços; d) Exemplar da apólice de seguro escolar; e) Horário habitual de permanência da criança na creche; f) Identificação, endereço e telefone da pessoa a contactar em caso de necessidade; g) Autorização, devidamente assinada pelos pais ou por quem exerça as responsabilidades parentais, com identificação da(s) pessoa(s) a quem a criança pode ser entregue; h) Identificação e contacto do médico assistente; i) Declaração médica comprovativa do estado de saúde da criança e outras informações tais como dieta, medicação, alergias; j) Comprovação da situação das vacinas e grupo sanguíneo; l) Informação sobre a situação sociofamiliar; m) Registo de períodos de ausência, bem como de ocorrência de situações anómalas e outros considerados necessários; n) Registo da data e motivo da cessação ou rescisão do contrato de prestação de serviços; o) Informação adicional que possa interferir no normal funcionamento do serviço; p) Todos os elementos referentes à criança e à evolução do seu desenvolvimento durante a permanência na instituição. 2 O processo individual é de acesso restrito e deve ser permanentemente actualizado, assegurando a creche o seu arquivo em conformidade com a legislação vigente. 3 O processo individual da criança pode, quando solicitado, ser consultado pelos pais ou por quem exerça as responsabilidades parentais. CAPÍTULO VI MENSALIDADES Artigo 15.º (Mensalidades e forma de pagamento) 1 - O valor da mensalidade é atribuído de modo a garantir o bom funcionamento do estabelecimento e o necessário apoio pedagógico. 2 - As mensalidades entram em vigor no mês de Setembro de cada ano, sendo revistas no decorrer do ano seguinte (Anexo 1). 3 - As mensalidades deverão ser pagas até ao dia 6 do mês a que dizem respeito, sob pena de agravamento em 5% do seu valor. 7

8 4 - Sempre que se verifique recusa ou atraso no pagamento da mensalidade por um período superior a 45 dias, a frequência será suspensa até ser regularizada a situação. 5 - Se, decorridos 60 dias após o não pagamento da mensalidade a situação não for regularizada, proceder-se-á à exclusão da criança. 6 - A renovação da matrícula para o ano lectivo seguinte deverá ser paga a partir do mês de Maio. 7 - O valor correspondente à inscrição/renovação da matrícula é pago no respectivo acto de formalização. O seguro escolar é pago em Setembro de cada ano (Anexo 1). 8 - Em circunstância alguma o valor da inscrição, renovação da matrícula e seguro é reembolsável. 9 O pagamento da mensalidade referente ao mês de Agosto pode ser feito em 3 prestações - Dezembro, Fevereiro e Março. No caso de desistência até Julho, não serão reembolsáveis as prestações do mês de Agosto O pagamento das actividades e/ou serviços extra será processado juntamente com a mensalidade a que respeitam Todos os débitos serão exigidos pelo Ninho do Sol em sede de processo de execução fiscal. CAPÍTULO VII FUNCIONAMENTO Artigo 16.º (Horário de funcionamento) 1 NINHO DO SOL funciona de segunda-feira a sexta-feira, de acordo com o seguinte horário: a) Abertura 07h00m; b) Fecho 19h00m; 2 - NINHO DO SOL encerra nos feriados nacionais e municipal, terça-feira de Carnaval, férias de Verão, durante o mês de Agosto, e férias de Natal, sendo estas situações objecto de programação anual a divulgar a todos os pais e/ou encarregados de educação no início de cada ano civil. 3 - A entrada das crianças no estabelecimento não deverá ultrapassar as 09h30m, e a saída as 19:00h, exceptuando situações imprevistas ou de força maior das quais deverá ser dado conhecimento prévio ao elemento responsável pela equipa da sala e/ou à gerente. 4 - As actividades da sala encerram diariamente às 17h30m, seguindo-se um trabalho de prolongamento com as crianças que as frequentam. 5 As crianças que não frequentarem a actividade Praia, só poderão ser recebidas na instituição pelas 12h30m. Artigo 17.º (Recepção e entrega das crianças, saúde, higiene e medicamentos) A recepção e entrega das crianças, saúde, higiene e medicamentos regem-se pelas seguintes normas: 8

9 a) as crianças só poderão ser entregues aos pais ou a terceiro devidamente autorizado; b) se a guarda da criança estiver a cargo de um só dos progenitores, o contacto com o outro só não será permitido face a apresentação de documento legal comprovativo dessa proibição; c) as crianças devem ser entregues às pessoas que diariamente se encarregam delas e os pais deverão estar disponíveis para uma troca de impressões diárias, transmitindo os factos que podem ter reflexos no comportamento da criança; d) a criança só deve permanecer no Ninho do Sol enquanto estiver em perfeito estado de saúde e de higiene; e) após ausência por doença contagiosa, o regresso da criança ao estabelecimento fica condicionado à apresentação de uma declaração médica comprovativa de que aquela está em condições de voltar a frequentar a instituição; f) a administração de qualquer medicamento depende de prescrição médica, comprovada através da apresentação da respectiva fotocópia. g) o nome da criança, horas, forma e quantidade de administração do mesmo deverão constar, de forma legível, da embalagem. h) os medicamentos deverão ser entregues a uma das funcionárias, pelos pais e/ou encarregado de educação e não pelas crianças; i) qualquer criança a que sejam detectados parasitas na cabeça fica obrigada a permanecer em casa durante os dias necessários para tratamento. Artigo 18.º (Vestuário) 1 As crianças que frequentam as salas de 1 e 2 anos ficam obrigadas a usar bibe e chapéu. 2 - Cada criança deve possuir 2 bibes e um chapéu, identificados com o seu nome. 3 - Cada criança deverá entrar e sair do estabelecimento com o bibe vestido. 4 - Cada criança deverá trazer uma mochila, que será utilizada diariamente para trazer e levar os seus objectos pessoais um caderno de recados, uma muda de roupa, um babete, toalhetes, fraldas e um saco de plástico para a roupa suja - e que deverá estar identificada com o nome individual. 5 Os objectos das crianças devem vir marcados com o nome ou iniciais, para não se trocarem com os das restantes crianças. CAPÍTULO VIII ALIMENTAÇÃO Artigo 19.º (Alimentação) A alimentação será organizada da seguinte forma: a) as crianças poderão trazer e tomar o pequeno almoço até às 8h30m; b) durante a permanência da criança no estabelecimento ser-lhe-á fornecido o almoço e o lanche; 9

10 c) as ementas são mensais, podendo por motivos imprevistos estar sujeitas a alterações, e serão afixadas no estabelecimento em local visível, para fácil consulta; d) a execução de qualquer dieta fica condicionada à apresentação, com o respectivo pedido escrito, da prescrição médica; e) na impossibilidade da instituição realizar a dieta prescrita, deverá ser encontrada, em conjunto com a família, uma forma mais adequada para solucionar a questão; f) As farinhas e leites especiais serão da responsabilidade dos pais e deverão ser entregues às Educadoras, devidamente identificadas com o nome da criança. Antes do término das embalagens, as responsáveis da instituição avisarão os pais para a sua reposição. CAPÍTULO IX HIGIENE Artigo 20.º (Objectos de higiene obrigatórios) Todas as crianças que frequentem o Berçário e a Creche deverão trazer: a) 2 chupetas (para as crianças que a usam); b) caixa de chupeta; c) fraldas; d) toalhetes e uma caixa de toalhetes; e) cremes individuais (cara, rabinho). Artigo 21.º (Outros objectos) 1 - Todas as crianças que frequentem a Creche deverão ainda trazer: a) duas mudas completas de roupa (poderão andar na mochila); b) mochila identificada; c) bibe e chapéu, da cor da respectiva sala; d) capa para arquivar os trabalhos; e) lençóis; f) manta pequena; g) meias antiderrapantes. 2 - Cada criança poderá ainda trazer o seu objecto favorito para dormir. CAPÍTULO X CONTRATO Artigo 22.º Nos termos da legislação em vigor, entre o representante legal da criança e a entidade titular do Ninho do Sol Berçário e Creche é celebrado, por escrito, um contrato de prestação de serviços. 10

11 CAPÍTULO XI LIVRO DE RECLAMAÇÕES Artigo 23.º Nos termos da legislação em vigor, esta instituição possui livro de reclamações, que poderá ser solicitado à Directora Técnica, às Educadoras ou ao Pessoal Auxiliar, sempre que desejado. DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 24.º (Responsabilidade) 1 - NINHO DO SOL não se responsabiliza por quaisquer objectos pessoais que venham de casa. 2 - Qualquer acidente em tempo e espaço escolar está coberto pelo seguro escolar. 3 Ocorrendo um acidente, o estabelecimento avisará de imediato a família da criança acidentada e recorrerá à urgência hospitalar, salvo se for outra a solução proposta pela família, caso em que a mesma será da sua inteira responsabilidade. Artigo 25.º (Penalidades) 1 O incumprimento do dever a que se refere a alínea f) do n.º 3 do artigo 11.º obriga ao pagamento da mensalidade. Artigo 26.º (Autorizações) 1 As saídas de crianças do estabelecimento dependem de autorização dos pais e/ou encarregados de educação, conferida de acordo com o modelo constante do Anexo B ao presente Regulamento e do qual faz parte integrante. 2 Caso os pais e/ou encarregados de educação, tendo embora conferido a autorização genérica a que se refere o número um do presente artigo, não autorizem uma saída específica, devem os mesmos avisar a Educadora de Infância da sala ou a Gerência. 3 A filmagem e/ou fotografia das crianças no decurso da sua frequência do estabelecimento, para fins de documentar o desenvolvimento pessoal, trabalho pedagógico e realização de eventos, depende de autorização dos pais e/ou encarregados de educação, conferida de acordo com o modelo constante do Anexo C ao presente Regulamento e do qual faz parte integrante. Artigo 27.º (Cumprimento do Regulamento) 1 - A frequência da criança no estabelecimento implica a aceitação do presente Regulamento e obriga ao seu integral cumprimento, de acordo com as orientações legais em vigor. 2 - Todas as situações que não sejam previstas neste Regulamento serão decididas pela Gerência do NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. 11

12 Artigo 28.º (Entrada em vigor e publicitação) 1 - O presente Regulamento entra em vigor após a sua aprovação pela Segurança Social. 2 - O presente Regulamento será publicitado através de afixação em local visível do estabelecimento. 3 As situações omissas neste Regulamento serão analisadas pela Direcção do estabelecimento que poderá remeter para a legislação geral aplicável às respectivas situações. 4 O presente Regulamento poderá ser alterado sempre que seja considerado oportuno e com efeito a partir do ano escolar seguinte à data da sua alteração. Pinhal Novo,

13 ANEXO A ACEITAÇÃO E CONHECIMENTO DO REGULAMENTO INTERNO Eu,, pais e/ou encarregado(a) de educação de, da sala, declaro que tomei conhecimento do Regulamento Interno do NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda., cujo conteúdo aceito e me comprometo a cumprir. Pinhal Novo, de de. 13

14 ANEXO B AUTORIZAÇÃO GERAL PARA SAÍDAS DO ESTABELECIMENTO Eu,, pais e/ou encarregado(a) de educação, de, da sala, autorizo. não autorizo que o(a) meu(minha) filho(a) realize passeios com o NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. dentro do concelho de Palmela. (riscar o que não interessa) Esta autorização é válida até comunicação em contrário. Pinhal Novo, de de. 14

15 ANEXO C AUTORIZAÇÃO PARA FILMAGEM E FOTOGRAFIA DE CRIANÇA(S) Eu,, pais e/ou encarregado(a) de educação, de, da sala, autorizo. não autorizo que o(a) meu(minha) filho(a) seja fotografado(a) ou filmado(a) pelo (riscar o que não interessa) estabelecimento. Esta autorização é válida até comunicação em contrário. Pinhal Novo, de de. 15

Creche. Regulamento Interno

Creche. Regulamento Interno Creche Regulamento Interno Os Pimentinhas Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento e sua natureza) 1 - «Os Pimentinhas Creche, Jardim de Infância e ATL», adiante

Leia mais

Jardim-de-Infância. Regulamento Interno

Jardim-de-Infância. Regulamento Interno Jardim-de-Infância Regulamento Interno Os Pimentinhas Jardim-de-Infância CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento e sua natureza) 1 - «Os Pimentinhas Creche, Jardim de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 2 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO -

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO - - NORMAS DE FUNCIONAMENTO - O Colégio Laranja e Meia destina-se a receber crianças dos 3 meses aos 6 anos. Horário - Abertura : 8.30 horas - Encerramento : 19 horas As actividades pedagógicas decorrem

Leia mais

Creche. Regulamento Interno. Ano Letivo 2014/2015

Creche. Regulamento Interno. Ano Letivo 2014/2015 Creche Regulamento Interno Ano Letivo 2014/2015 Colégio Kria e Brinca Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento e sua natureza) 1 - Colégio Kria e Brinca, Lda»,

Leia mais

Regulamento Interno da Creche

Regulamento Interno da Creche Regulamento Interno da Creche Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º (âmbito de aplicação) 1. O presente regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da creche integrada no Externato

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE ANEXO I Norma I Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da Creche integrada no Centro Social Paroquial de Carnide. 2. A Creche destina-se a crianças

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. Rua Monte dos Burgos, 329 4250-316 Porto

creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. Rua Monte dos Burgos, 329 4250-316 Porto creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. CAPÍTULO I Estabelecimento, natureza e objectivos 1- O Espaço Brincar e Inventar é um estabelecimento de ensino de apoio

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS 1- O Externato João Alberto Faria - Infantil destina-se

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 CAPITULO I NATUREZA, FINS E OBJETIVOS A empresa de consultoria e assessoria de eventos PORMENOR MÁGICO, com sede em Guimarães juntamente com a empresa

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro de Estimulação Precoce da designado por CEP, com acordo de cooperação para a resposta social de Creche

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares

Regulamento de Transportes Escolares Regulamento de Transportes Escolares PREÂMBULO Considerando que, A descentralização de competências da Administração Central do Estado, através da atribuição de mais competências às autarquias locais,

Leia mais

Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC. I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação

Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC. I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação O presente Regulamento Interno tem por objetivo regulamentar o funcionamento do projeto Componente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA Divisão de Educação. Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela

MUNICÍPIO DE PALMELA Divisão de Educação. Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela 1 Preâmbulo O Concelho de Palmela, com aproximadamente 462 Km2, constitui-se como o maior da Península de Setúbal. Caracteriza-se como sendo

Leia mais

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 Regulamento Interno 2013 / 2014 www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 REGULAMENTO INTERNO 2013 / 2014 ESCOLA LUA CRESCENTE (Creche, Jardim de Infância e ATL) I NATUREZA E OBJECTIVOS

Leia mais

Regulamento do Apoio à Infância

Regulamento do Apoio à Infância Regulamento do Apoio à Infância No âmbito da responsabilidade social os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa (SASULisboa), em complemento dos sistemas públicos de ação social asseguram, como

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 Regulamento Interno Ano Lectivo 2007/2008 1. Admissão 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 3 meses e os 6 anos. 1.2. No acto da inscrição são necessários os

Leia mais

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida.

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida. I Entidade Organizadora AFUM Associação de Funcionários da Universidade do Minho (AFUM), Campus de Gualtar, 4710-057 Braga, Contribuinte n.º 503595772, número de registo 65/DRN. II Objectivo e caracterização

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2013/2014

REGULAMENTO INTERNO 2013/2014 REGULAMENTO INTERNO 2013/2014 Praceta Daniel Filipe nº 10 B Casal de S. Brás 2700-228 Amadora Tel.: 214929470 Fax: 214929479 E.mail: geral@bebedesonho.mail.pt Site: http://www.bebedesonho.com/ - 1 - PRINCÍPIOS

Leia mais

ACADEMIA PIONEIROS Férias

ACADEMIA PIONEIROS Férias sempre a mexer (regime OCUPAÇÃO ABERTA) Regulamento Interno Férias 2013 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Pioneiros e seus parceiros, em regime fechado;

Leia mais

Regulamento da Creche da Assembleia da República

Regulamento da Creche da Assembleia da República Regulamento da Creche da Assembleia da República Despacho n.º 855/2005, de 23 de novembro de 2004 publicado no Diário da República, II Série, n.º 9, de 13 de janeiro de 2005 com as alterações introduzidas

Leia mais

Regulamento Interno Academia Pioneiros

Regulamento Interno Academia Pioneiros Regulamento Interno Academia Pioneiros Art.º 1 - Informações Gerais 1. A Academia Pioneiros decorre nas suas próprias instalações, em regime fechado; 2. Cabe à Direção dos Pioneiros de Bragança Futsal

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE BAGUIM DO MONTE

JUNTA DE FREGUESIA DE BAGUIM DO MONTE Introdução O presente regulamento pretende ser um instrumento regulador da actividade da Biblioteca da Junta de Freguesia de Baguim do Monte. O principal objectivo é salvaguardar o interesse comum de todos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento da Creche 2014-2015

Regulamento Interno de Funcionamento da Creche 2014-2015 Regulamento Interno de Funcionamento da Creche 2014-2015 Capitulo I Disposições Gerais Norma I - Âmbito de Aplicação A Creche do Estabelecimento de Ensino Particular e Cooperativo, designado por Passinhos

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CRECHE

REGULAMENTO INTERNO CRECHE REGULAMENTO INTERNO CRECHE Abril 2014 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 2/ 14 Capítulo I Natureza e Missão Artigo 1º Missão Tendo como inspiração a Doutrina

Leia mais

Norma IV Funcionamento da Componente de Apoio à Família

Norma IV Funcionamento da Componente de Apoio à Família Norma I Enquadramento Institucional A ABLA é uma IPSS e ONGD de inspiração cristã evangélica criada em 1984 por beneméritos alemães. A Associação dispõe de múltiplas respostas sociais para todas as gerações

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha 1 REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA Capítulo 1 Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Gouveia (C.M.G.) compreende o âmbito, funções

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA FOR.CET Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento de Funcionamento dos CET Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO

REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO 1 I Natureza e Funções REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO A Mediateca do BCI FOMENTO é um centro de documentação integrado do BCI, SARL. A sua sede funciona na cidade do Maputo, dispondo de uma antena

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DA FREGUESIA DE CUNHA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS)

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 2012/13 RESPOSTA SOCIAL CRECHE Capítulo I - Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda,

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL EDITAL Nº 09/DAF-DAG/2009 ----- ANA TERESA VICENTE CUSTÓDIO DE SÁ, na qualidade de Presidente da Câmara Municipal de Palmela: --------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais... 3 2 - Ensino Básico... 4 3 - Ensino Secundário... 4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação Anjos da Vida REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O SAD designado por Anjos da Vida Cuidados

Leia mais

Regulamento do Fórum Municipal da Juventude

Regulamento do Fórum Municipal da Juventude Regulamento do Fórum Municipal da Juventude Capitulo I Âmbito e Estrutura Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento do Fórum Municipal da Juventude, adiante também designado apenas por Regulamento,

Leia mais

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EUZINHO ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EUzinho Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALMADA

JUNTA DE FREGUESIA DE ALMADA JUNTA DE FREGUESIA DE ALMADA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIOS A ENTIDADES E ORGANISMOS QUE PROSSIGAM NA FREGUESIA FINS DE INTERESSE PÚBLICO 1 - Nota Justificativa A prossecução do interesse público

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Resposta Social - CRECHE

REGULAMENTO INTERNO Resposta Social - CRECHE CRECHE DO POVO JARDIM DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO Resposta Social - CRECHE Aprovado em Assembleia Geral a 10/10/2012 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza e Fins 1. A Creche do Povo/Jardim

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Natal na desportiva Programa de ocupação de tempos livres Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - município de Loures 1 a) O Programa de ocupação de tempos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO No quadro do protocolo celebrado em 27 de Março de 2003 entre a Fundação

Leia mais

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações:

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações: I DISPOSIÇÕES GERAIS Preâmbulo O presente regulamento estabelece as normas gerais e as condições de cedência e utilização do complexo de piscinas municipais de Pombal, subordinando-se às disposições legais

Leia mais

Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-.

Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-. Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-. Ponto de situação da inscrição: Admitido N.º Processo: / / admitida mas interessada

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS Artigo 1º (OBJECTO E ÂMBITO) O presente regulamento tem por objecto a definição das regras aplicáveis à atribuição de apoios pela Câmara Municipal no exercício

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS agrupamento de escolas da abelheira VIANA DO CASTELO MANUAL DE PROCEDIMENTOS seguro escolar ÍNDICE Preâmbulo 2 Acidente Escolar 2 Procedimento Inicial 3 Preenchimento de Impressos 3 Assistência Médica

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Creche

Regulamento Interno da Resposta Social de Creche Data: 24 de Abril de 2014 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE ENQUADRAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL DE CRECHE 1. O Centro Social Paroquial de S. Domingos de Rana, designado por CSPSDR é uma Instituição

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS

CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS - 2015 - PROJETO DINAMIZADO PELA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE ESPINHO REGULAMENTO Espinho, 4 de Maio de 2015 INDICE 1. Entidade responsável pela organização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO As presentes Normas têm por objetivo regulamentar as questões de funcionamento das Atividades a realizar nos períodos de

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha Preâmbulo Na perspectiva de garantir a todos os cidadãos a participação solidária em acções de voluntariado, a Lei n.º 71/98,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez Regulamento de Controlo Interno Freguesia de Paçô Arcos de Valdevez 2013 Regulamento de Controlo Interno Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO COMPLEXO SOCIAL (MOITA - OLIVEIRINHA) Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Janeiro. 2004 Capítulo I Natureza e Fins - Art.º 1.º 1.º O Serviço de Apoio

Leia mais

DE FUNCIONAMENTO. CAPíTULO. NORMAl Âmbito de Aplicação

DE FUNCIONAMENTO. CAPíTULO. NORMAl Âmbito de Aplicação ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES, Ld.a:. Rua Pedro Monteiro. noiootelefone: 239836584 Email: atlpeguenaserei@hotmail.com Site: www.apeguenasereia.com REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPíTULO I DISPOSiÇÕES

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Regulamento Interno da Creche da Casa do Povo da Vila de Prado

Regulamento Interno da Creche da Casa do Povo da Vila de Prado I Definição Instituição Particular de Solidariedade Social A Casa do Povo da Vila de Prado é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, que foi criada para responder às necessidades sociais locais.

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO * * * LAR DE IDOSOS CENTRO DIA APOIO DOMICILIÁRIO O Centro Social Paroquial São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social

Leia mais

Regulamento Interno. Resposta Social da Creche. Capítulo I Disposições Gerais

Regulamento Interno. Resposta Social da Creche. Capítulo I Disposições Gerais Resposta Social da Creche Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Caracterização e localização) 1- O Centro Social de Oiã (adiante designado por Instituição), é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Câmara Municipal de Fafe

Câmara Municipal de Fafe ÍNDICE REMISSIVO. Artigo 1º - Disposições gerais. Artigo 2º - Objeto e âmbito da aplicação. Artigo 3º- Conceitos. Artigo 4º - Natureza do apoio. Artigo 5º - Condições de acesso ao Programa Ser Solidário.

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A ERPI, Jacinto Faleiro, Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Regulamento dos Campos de Férias

Regulamento dos Campos de Férias Regulamento dos Campos de Férias Arraiolos, 2007 O presente regulamento dos campos de férias do Monte ACE, pretende definir os direitos, deveres e regras a observar por todas as pessoas que envolvem as

Leia mais

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA AAPPO IIO I DDOMI IICCI IILLI ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO DO

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNÇÕES DO ARQUIVO MUNICIPAL Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Braga (C.M.B.) compreende e unifica numa só estrutura o âmbito,

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015

REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015 REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015 PROJETO CONTINUAR SEMPRE A MEXER PROJETO NOVOS HORIZONTES 1 Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Âmbito As normas definidas no presente Regimento Interno visam estabelecer

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRI O (11º e 12º ano)

ENSINO SECUNDÁRI O (11º e 12º ano) Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas ENSINO SECUNDÁRI O (11º e 12º ano) 2014 NORMAS GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Normas de Funcionamento. da Componente de Apoio à Família (CAF)

EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Normas de Funcionamento. da Componente de Apoio à Família (CAF) EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Normas de Funcionamento da Componente de Apoio à Família (CAF) A educação pré-escolar destina-se a todas as crianças com idades compreendidas entre os 3 anos e a idade de ingresso

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES CAPITULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Identificação) O Serviço de Apoio Domiciliário é uma resposta social

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA O principal objectivo deste Regulamento é salvaguardar o interesse comum de todos os utentes e permitir que a Biblioteca execute as suas funções de forma eficiente e eficaz. Desta

Leia mais