Regulamento do Apoio à Infância

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento do Apoio à Infância"

Transcrição

1 Regulamento do Apoio à Infância No âmbito da responsabilidade social os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa (SASULisboa), em complemento dos sistemas públicos de ação social asseguram, como modalidade de apoio indireto, o funcionamento de um Jardim de Infância, destinado aos filhos dos estudantes que frequentam a Universidade de Lisboa. CAPÍTULO I UTENTES Artigo 1.º (Utentes) 1. O Jardim de Infância, doravante, também, designado por estabelecimento, destina-se aos filhos e equiparados, de estudantes da Universidade de Lisboa com idades compreendidas entre os 9 meses e a idade de ingresso no ensino básico. 2. Havendo vagas disponíveis pode, ainda, acolher crianças que sejam filhos de funcionários da Universidade de Lisboa ou filhos de estudantes e funcionários de outras instituições com as quais a Universidade de Lisboa estabeleça protocolos, para o efeito. Artigo 2.º (Conceito de equiparado) 1. São equiparados a filhos, para efeitos do presente Regulamento: a) Os enteados; b) Os tutelados; c) Os adotados; d) Os menores que, mediante confiança judicial ou administrativa, se encontrem a seu cargo com vista a futura adoção; e) Os menores confiados por decisão dos tribunais ou de entidades ou serviços legalmente competentes para o efeito.

2 CAPÍTULO II FUNCIONAMENTO Artigo 3.º (Instalações) O Jardim de Infância funciona nas instalações dos Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, sito na Cidade Universitária. Artigo 4.º (Projeto educativo / Atividades) 1. O estabelecimento assume-se como espaço educativo que visa promover o bem-estar e o desenvolvimento global e harmonioso de cada criança. 2. As atividades pedagógicas promovidas no estabelecimento baseiam-se na legislação vigente em articulação com o Projeto Educativo de Escola e os Planos de Trabalho de Turma. 3. O Jardim de Infância pautará a sua atuação no respeito pelos princípios de otimização da relação escola-família, de criação de um clima de confiança e cooperação recíproca, e de envolvimento da comunidade. Artigo 5.º (Calendário) 1. Este estabelecimento funciona durante todo o ano letivo, exceto aos fins de semana, feriados nacionais, feriado municipal de Lisboa e tolerâncias de ponto concedidas pelo Governo. 2. O ano letivo inicia-se até ao primeiro dia útil da terceira semana de setembro e termina no último dia útil de julho. 3. Excecionalmente e por motivos de higiene ou segurança, poderá ser determinado o encerramento temporário das instalações. Artigo 6.º (Horário) 1. O horário de funcionamento do estabelecimento é das 7:30 h às 18:30 h, de segunda a sexta-feira. 2. A entrada das crianças far-se-á entre as 7:30 h e as 9:30 h, devendo ser entregues aos cuidados da funcionária responsável pela sua receção.

3 3. A saída das crianças é realizada até às 18:30 h, sendo que as crianças apenas poderão abandonar as instalações na companhia dos pais ou das pessoas por eles previamente indicadas por escrito e devidamente identificadas. 4. O incumprimento do horário a partir das h incorre em penalização. O mesmo se aplica no atraso na hora de entrada, para crianças de idade de Jardim de Infância (dos 3 aos 5 anos). 5. A reincidência nos atrasos poderá dar lugar ao cancelamento da frequência do estabelecimento. Artigo 7.º (Seguro Escolar) As crianças que frequentam o estabelecimento estão abrangidas por um seguro, na modalidade de grupo, contra acidentes pessoais. Artigo 8.º (Assistência Médica) 1. O estabelecimento conta com o apoio de um médico com formação adequada, ao qual, não substituindo o pediatra de cada criança, compete: a) Velar pela salvaguarda da saúde, higiene e segurança das crianças, bem como pelo seu bom desenvolvimento, nos aspetos físico e emocional; b) Supervisionar os aspetos sanitários do estabelecimento; c) Cuidar da deteção de quaisquer doenças infecto-contagiosas e propor medidas; d) Colaborar no despiste de deficiências das crianças. 2. A pedido do médico ou da educadora responsável, os pais deverão apresentar no estabelecimento o boletim de vacinas das crianças, bem como qualquer outro documento relativo à saúde da criança que seja considerado relevante. 3. Durante a permanência das crianças no estabelecimento e em caso de acidente ou doença súbita, será providenciada a assistência adequada, se necessário recorrendo a assistência hospitalar, e, simultaneamente, será pedida a comparência imediata dos pais. 4. Quando for necessário administrar algum medicamento às crianças, o mesmo deve ser entregue pelos pais à educadora da sala ou à responsável pelo estabelecimento, acompanhado de prescrição médica onde conste o nome da criança e do medicamento, as horas a que deve ser tomado e respectiva dosagem, bem como quaisquer outras indicações necessárias.

4 Artigo 9.º (Doença) 1. Na comunicação da ausência por doença é obrigatória a indicação da natureza da mesma. 2. Deixarão de frequentar o estabelecimento, obrigatória e temporariamente, as crianças que sejam portadoras de doenças infecto-contagiosas ou em cujo agregado familiar tenha surgido alguma enfermidade desta natureza, bem como as que manifestem pediculose. Artigo 10.º (Regresso após doença) Após ausência superior a cinco dias úteis por estado de doença, o regresso da criança depende de apresentação de declaração médica comprovativa de que pode frequentar o estabelecimento e, sempre que se trate de doença infecto-contagiosa, que não oferece perigo de contágio. Artigo 11.º (Refeições) 1. No estabelecimento são diariamente servidas duas refeições (almoço e lanche), sendo a sua composição baseada nas orientações dietéticas recomendadas para a idade das crianças. 2. A ementa diária será afixada em local de fácil consulta para os pais. CAPÍTULO III CONDIÇÕES DE ADMISSÃO E FREQUÊNCIA Artigo 12.º (Admissão) 1. A admissão de crianças está condicionada à capacidade do estabelecimento que, atualmente e para o conjunto dos escalões etários, é de 94 crianças. Apenas serão admitidas crianças que: a) Sejam consideradas isentas de doenças infecto-contagiosas e possuam a vacinação em dia (de acordo com o Programa Nacional de Vacinação); b) Sendo portadoras de necessidades educativas especiais (NEE s), as mesmas permitam a sua integração e adaptação aos grupos organizados de crianças e desde que compatíveis com as características de estrutura física do estabelecimento. 2. O pedido de admissão reveste a forma de uma candidatura ou recandidatura e será realizado online, através do portal dos Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa

5 (), utilizando os mecanismos disponibilizados em altura própria para este efeito. 3. Para crianças que já frequentam o estabelecimento é obrigatória a recandidatura para o ano letivo seguinte, até ao dia 30 de junho. 4. As candidaturas funcionam durante todo o ano letivo, para as crianças que se inscrevam pela primeira vez. 5. Serão interditadas de frequentar o estabelecimento, no início de cada ano letivo, as crianças para as quais não haja sido formalizada e concluída a respetiva candidatura, nos prazos estipulados, bem como as crianças cujos pais tenham dívidas por liquidar. 6. É obrigatório o uso de bibe segundo modelo e padrão indicado pelo estabelecimento. Artigo 13.º (Seleção) 1. Na seleção e admissão das crianças no início de cada ano letivo, terão prioridade as crianças que frequentaram o estabelecimento até final do ano letivo transato, desde que reúnam as condições para o efeito. 2. As restantes vagas, bem como as que se verificarem ao longo do ano, serão preenchidas tendo em conta o escalão etário e a seguinte ordem de prioridades: a) Irmãos de crianças que já frequentam o estabelecimento desde que filhos de estudantes da Universidade de Lisboa; b) Irmãos de crianças que já frequentam o estabelecimento desde que filhos de funcionários da Universidade de Lisboa; c) Filhos de estudantes da Universidade de Lisboa; d) Filhos de funcionários da Universidade de Lisboa; e) Filhos de estudantes de outras Instituições de Ensino Superior com as quais a Universidade de Lisboa estabeleça protocolos; f) Filhos de funcionários de outras Instituições de Ensino Superior com as quais a Universidade de Lisboa estabeleça protocolos; g) Irmãos de crianças que frequentam o estabelecimento e cujos pais já perderam o vínculo. 3. Em caso de empate é dada prioridade à criança, cujo agregado familiar apresente menor rendimento, determinado em conformidade com o artigo 15º do presente regulamento. 4. O resultado da análise do processo de candidatura será transmitido aos pais, logo que estejam selecionadas as crianças. 5. Em caso de admissão, os pais ou quem os represente, serão convocados para uma primeira entrevista com o Técnico responsável.

6 Artigo 14.º (Inscrição) 1. A admissão e readmissão de cada criança está sujeita ao pagamento de uma taxa de inscrição que inclui o seguro escolar, em montante a afixar anualmente, que deverá ser paga em 50% no ato de inscrição e os restantes 50% com a primeira mensalidade 2. A desistência da inscrição deverá ser comunicada ao Jardim de Infância, com 10 dias úteis de antecedência. Artigo 15.º (Mensalidades) 1. A frequência do estabelecimento implica, a título de comparticipação, o pagamento de taxas e mensalidades cujos montantes a vigorar em cada ano letivo, serão aprovadas superiormente. 2. A mensalidade a aplicar a cada criança é definida em conformidade com a tabela superiormente aprovada, para cada ano letivo, em função do rendimento per capita anual ilíquido do agregado familiar determinado de acordo com a seguinte fórmula: C = R/N. Em que: C = Capitação; R = Rendimento ilíquido; N = (Número de pessoas do Agregado Familiar. 3. Consideram-se como pertencentes ao agregado familiar, os cônjuges, os descendentes e os ascendentes que comprovadamente coabitem com o agregado. 4. O rendimento do agregado familiar inclui os rendimentos ilíquidos que constam na declaração de IRS do ano anterior ao do início do ano letivo e outros colocados à disposição do agregado sem obrigatoriedade de constarem no IRS. 5. Os pais podem optar por não declarar os rendimentos do agregado familiar, sendo neste caso, aplicada a mensalidade máxima em vigor. 6. Caso haja irmãos a frequentar o estabelecimento, a partir do 2º filho, a mensalidade tem um desconto de 20%. 7. Decorrentes da análise do processo de admissão, os pais serão informados do montante da mensalidade a cobrar. 8. Quando os pais perdem a qualidade de estudantes ou de funcionários, os filhos poderão continuar no estabelecimento, desde que haja lugares disponíveis para o efeito

7 9. As mensalidades serão pagas através de multibanco, sendo que para este efeito, todos os meses será remetida electronicamente para o endereço de indicado na candidatura, uma fatura na qual constarão todos os elementos necessários à liquidação da mesma. 10. As mensalidades deverão ser pagas no prazo de 30 dias a contar da data de emissão da fatura. Em caso de incumprimento será aplicada uma penalização de 15% sob o total do valor em dívida. 11. A mensalidade do mês de julho será repartida pelos restantes meses do ano letivo. 12. A falta de pagamento de duas mensalidades implica a interdição de frequência do estabelecimento até regularização da situação, incluindo os valores de penalização aplicáveis. 13. Em situação de saída antecipada da criança, até ao dia 15 do mês em causa, desde que comunicada com uma antecedência mínima de 10 dias úteis, será cobrado 50% do valor da mensalidade e complementos, bem como a percentagem respeitante ao mês de julho. 14. Caso a saída se verifique após o 15º dia, será cobrado a totalidade da mensalidade e complementos, bem como a percentagem respeitante ao mês de julho. Artigo 16.º (Alteração da situação financeira) Qualquer alteração da situação económica do agregado familiar das crianças que tenha impacto na determinação da mensalidade deverá obrigatoriamente ser comunicada e comprovada, a partir da data da sua ocorrência. A mensalidade a cobrar, no período entre o mês de apresentação da alteração e o final do ano letivo, será proposta superiormente pelo Técnico responsável pelo acompanhamento do Jardim de Infância. CAPÍTULO IV RECURSOS HUMANOS Artigo 18.º (Pessoal) Os recursos humanos do estabelecimento são constituídos por uma educadora de infância com funções de coordenadora técnica, educadoras de infância e assistentes operacionais. Artigo 19.º (Descrição de funções) 1. No âmbito da coordenação direta do estabelecimento, compete à coordenadora técnica: a) Dar boa execução às diretrizes emanadas da Universidade de Lisboa;

8 b) Assegurar a coordenação pedagógica e técnica do estabelecimento; c) Coordenar a equipa educativa e proceder à respectiva distribuição de funções; d) Assegurar o cumprimento das regras de higiene, limpeza e conservação das instalações e equipamentos; e) Providenciar o melhor e mais rápido encaminhamento para as situações de emergência, designadamente no caso de acidentes com as crianças. 2. Compete a cada educadora de infância: a) Proporcionar um ambiente educativo, física e emocionalmente securizante; b) Planificar, executar e avaliar o Plano de Trabalho de Turma; c) Conceber, planificar e implementar atividades pedagógicas adequadas e diversificadas, que vão ao encontro das necessidades, interesses e potencialidades de cada criança individualmente e do grupo em que está integrada, proporcionando aprendizagens nos vários domínios curriculares; d) Organizar os espaços e materiais de forma a promover a sua exploração, a autonomia e a responsabilização das crianças; e) Organizar a rotina diária do grupo de forma estruturada e flexível; f) Avaliar o desenvolvimento de cada criança, reportando superiormente os casos ou situações que justifiquem avaliação especializada do ponto de vista clínico, psicológico ou de outra natureza; g) Estabelecer um clima de cordialidade, diálogo e proximidade com as famílias; h) Colaborar ativamente no trabalho de equipa. 3. Cabe a cada assistente operacional: a) Colaborar com a educadora da sala na implementação da prática pedagógica preconizada; b) Promover os cuidados necessários de higiene às crianças e intervir na criação de um envolvimento físico seguro; c) Providenciar a limpeza e organização dos materiais educativos da respetiva sala; d) Estabelecer um clima de cordialidade com as famílias; e) Colaborar ativamente no trabalho de equipa. CAPÍTULO V DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 20.º (Anulação do direito à frequência do Jardim de Infância) 1. Constitui motivo para anulação do direito à frequência do Jardim de Infância:

9 a) A ausência da criança por um período superior a 10 dias úteis ou a frequência manifestamente irregular sem que exista justificação por parte dos pais; b) A prestação de declarações falsas, tanto por inexatidão como por omissão, no processo de candidatura; c) A falta de pagamento de encargos com o estabelecido, designadamente mensalidades. Artigo 21.º (Sanções) A aplicação das sanções previstas no artigo 20.º, serão objeto de análise cuidada e fundamentada, competindo a decisão ao Administrador dos SASULisboa. Artigo 22.º (Omissões) Os casos não previstos no presente Regulamento ou quaisquer dúvidas na sua interpretação, serão resolvidos por Despacho do Administrador, mediante proposta do serviço que, nos termos dos estatutos dos SASULisboa, superintende o Apoio à Infância. Lisboa, 31 de março de 2014 O Administrador dos SASULisboa David Xavier

Regulamento da Creche da Assembleia da República

Regulamento da Creche da Assembleia da República Regulamento da Creche da Assembleia da República Despacho n.º 855/2005, de 23 de novembro de 2004 publicado no Diário da República, II Série, n.º 9, de 13 de janeiro de 2005 com as alterações introduzidas

Leia mais

Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º Artigo 1º Âmbito 1. O CASPAE, IPSS, Coimbra é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem por missão cumprir o dever moral de solidariedade e de justiça dos indivíduos, promovendo respostas

Leia mais

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 2012/13 RESPOSTA SOCIAL CRECHE Capítulo I - Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE ANEXO I Norma I Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da Creche integrada no Centro Social Paroquial de Carnide. 2. A Creche destina-se a crianças

Leia mais

EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Normas de Funcionamento. da Componente de Apoio à Família (CAF)

EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Normas de Funcionamento. da Componente de Apoio à Família (CAF) EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Normas de Funcionamento da Componente de Apoio à Família (CAF) A educação pré-escolar destina-se a todas as crianças com idades compreendidas entre os 3 anos e a idade de ingresso

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CRECHE

REGULAMENTO INTERNO CRECHE REGULAMENTO INTERNO CRECHE Abril 2014 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 2/ 14 Capítulo I Natureza e Missão Artigo 1º Missão Tendo como inspiração a Doutrina

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004 HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 REVOGADA RESOLUÇÃO Nº 145/04 Palmas, 08 de dezembro de 2004 Fixa normas para criação e autorização de funcionamento de instituições de educação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 2 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ ESCOLAR E DO SERVIÇO DE REFEIÇÕES NO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO, DE GESTÃO DIRECTA DO MUNICÍPIO DE LEIRIA Aprovado em reunião de Câmara a 30

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA (AAAF) CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 93.º/E

ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA (AAAF) CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 93.º/E ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA (AAAF) CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 93.º/E Âmbito O presente Título destina-se a regular o funcionamento dos serviços de atividades de animação e apoio

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

Regulamento da Creche da Assembleia da República

Regulamento da Creche da Assembleia da República Regulamento da Creche da Assembleia da República Despacho n.º 855/2005, de 23 de novembro de 2004 publicado no Diário da República, II Série, n.º 9, de 13 de janeiro de 2005 com as alterações introduzidas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

NORMAS MUNICIPAIS APLICÁVEIS À AÇÃO SOCIAL ESCOLAR E ATIVIDADES DE APOIO À FAMÍLIA

NORMAS MUNICIPAIS APLICÁVEIS À AÇÃO SOCIAL ESCOLAR E ATIVIDADES DE APOIO À FAMÍLIA NORMAS MUNICIPAIS APLICÁVEIS À AÇÃO SOCIAL ESCOLAR E ATIVIDADES DE APOIO À FAMÍLIA CAPÍTULO I SECÇÃO ÚNICA DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente Normativo estabelece as regras de funcionamento

Leia mais

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Tendo por base o n.º 8 do artigo 112.º e o artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, o Município de Nordeste

Leia mais

TENNIS CLUB DA FIGUEIRA DA FOZ Escola de Ténis

TENNIS CLUB DA FIGUEIRA DA FOZ Escola de Ténis De acordo com o art.º 2º dos estatutos deste clube, o Tennis Club da Figueira da Foz tem uma que se rege pelo presente regulamento. 1. A funciona nas instalações do clube, sito na Avenida 25 de Abril,

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares ATIVIDADES DE ANIMAÇAO E DE APOIO À FAMILIA. Pré-escolar do Concelho de Vila Nova de Poiares

Município de Vila Nova de Poiares ATIVIDADES DE ANIMAÇAO E DE APOIO À FAMILIA. Pré-escolar do Concelho de Vila Nova de Poiares Município de Vila Nova de Poiares ATIVIDADES DE ANIMAÇAO E DE APOIO À FAMILIA Pré-escolar do Concelho de Vila Nova de Poiares Normas de Funcionamento ATIVIDADES DE ANIMAÇAO E DE APOIO À FAMILIA Pré-escolar

Leia mais

REGULAMENTO CARTÃO IDENTIFICAÇÃO

REGULAMENTO CARTÃO IDENTIFICAÇÃO REGULAMENTO DO CARTÃO DE IDENTIFICAÇÃO Artigo 1.º Agrupamento Vertical de Escolas D. Dinis Principais funcionalidades do sistema informático para a gestão integrada para a administração escolar (GIAE)

Leia mais

G I A E (GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR)

G I A E (GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR) G I A E (GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR) REGIMENTO DE UTILIZAÇÃO 1. Introdução O presente regimento define e regula o funcionamento do Sistema de Gestão Integrada para a Administração Escolar,

Leia mais

DECPC Divisão de Educação

DECPC Divisão de Educação Conforme o Regulamento Municipal para as Atividades de Animação e Apoio à Família Prolongamento de Horário, aprovado na reunião de Câmara de 16 de julho de 2014 1/9 Índice 1. Enquadramento Legal... 3 2.

Leia mais

Norma IV Funcionamento da Componente de Apoio à Família

Norma IV Funcionamento da Componente de Apoio à Família Norma I Enquadramento Institucional A ABLA é uma IPSS e ONGD de inspiração cristã evangélica criada em 1984 por beneméritos alemães. A Associação dispõe de múltiplas respostas sociais para todas as gerações

Leia mais

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008).

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008). 1. O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes. O estágio integra o itinerário

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Gestão dos Refeitórios Escolares

Regulamento de Funcionamento e Gestão dos Refeitórios Escolares Regulamento de Funcionamento e Gestão dos Refeitórios Escolares Nota Introdutória Com este regulamento pretende-se sistematizar um conjunto de normas que disciplinam uma matéria tão importante como é o

Leia mais

Regulamento Interno da Creche

Regulamento Interno da Creche Regulamento Interno da Creche Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º (âmbito de aplicação) 1. O presente regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da creche integrada no Externato

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 CAPITULO I NATUREZA, FINS E OBJETIVOS A empresa de consultoria e assessoria de eventos PORMENOR MÁGICO, com sede em Guimarães juntamente com a empresa

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

3. O que é estágio não obrigatório? É uma atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória. ( 2º do art. 2º da Lei nº 11.

3. O que é estágio não obrigatório? É uma atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória. ( 2º do art. 2º da Lei nº 11. 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, define o estágio como o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE SERPA

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE SERPA NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE SERPA I - Introdução A Educação Pré-Escolar contribui de forma significativa

Leia mais

Câmara Municipal de Fafe

Câmara Municipal de Fafe ÍNDICE REMISSIVO. Artigo 1º - Disposições gerais. Artigo 2º - Objeto e âmbito da aplicação. Artigo 3º- Conceitos. Artigo 4º - Natureza do apoio. Artigo 5º - Condições de acesso ao Programa Ser Solidário.

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

A Coordenação de Estágios informa:

A Coordenação de Estágios informa: A Coordenação de Estágios informa: I Informações gerais e Dúvidas frequentes sobre o Estágio: Tudo que você precisa saber sobre a nova lei de estágio 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO AUDITÓRIO DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO AUDITÓRIO DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO AUDITÓRIO DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece as normas gerais e condições de utilização do auditório do Comité Olímpico de Portugal,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

Regulamento Interno SAD Serviço de Apoio Domiciliário

Regulamento Interno SAD Serviço de Apoio Domiciliário SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTO ANTÓNIO DE S. PEDRO DO SUL Regulamento Interno SAD Serviço de Apoio Domiciliário 3ª Versão Fevereiro/2015 2 Índice CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS, NATUREZA, FINS

Leia mais

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO -

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO - - NORMAS DE FUNCIONAMENTO - O Colégio Laranja e Meia destina-se a receber crianças dos 3 meses aos 6 anos. Horário - Abertura : 8.30 horas - Encerramento : 19 horas As actividades pedagógicas decorrem

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA AAPPO IIO I DDOMI IICCI IILLI ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO DO

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016 Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo CANDIDATURAS 1. O pagamento da taxa de candidatura (quando aplicável) só se efetua uma única vez, desde que

Leia mais

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Preâmbulo No âmbito dos novos desafios, exigências e problemas que se colocam às universidades nacionais e internacionais e aos

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º 1. Com o fim de estimular a valorização profissional e a especialização nos diversos domínios da Música, a Fundação

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais... 3 2 - Ensino Básico... 4 3 - Ensino Secundário... 4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DA FREGUESIA DE CUNHA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS)

Leia mais

Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC. I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação

Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC. I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação O presente Regulamento Interno tem por objetivo regulamentar o funcionamento do projeto Componente

Leia mais

Artigo. Grupo. integrante. Artigo. Artigo. novos. públicos;

Artigo. Grupo. integrante. Artigo. Artigo. novos. públicos; sedee do Grupo Desportivo Julho de 2012 CAPÍTULO I: ÂMBITO E ESTRUTURA 1º (Objeto) O presente regulamento define as regras de utilização e cedência das instalações da sede do Grupo Desportivoo e Recreativo

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O que é o Erasmus+? O Erasmus+ teve início no dia 1 de Janeiro de 2014. PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O Erasmus+ é o novo programa da UE para a educação, formação, juventude e desporto que se

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora Considerando que cabe às instituições de ensino superior aprovar a regulamentação necessária

Leia mais

Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF)

Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) 1 Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) nos estabelecimentos de educação pré-escolar da rede pública do concelho de Vendas Novas PREÂMBULO O Programa de Expansão

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 552 Diário da República, 1.ª série N.º 12 17 de Janeiro de 2008 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Decreto-Lei n.º 11/2008 de 17 de Janeiro A Lei n.º 147/99, de 1 de Setembro, que aprovou

Leia mais

ACADEMIA PIONEIROS Férias

ACADEMIA PIONEIROS Férias sempre a mexer (regime OCUPAÇÃO ABERTA) Regulamento Interno Férias 2013 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Pioneiros e seus parceiros, em regime fechado;

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO

GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO A Associação de Trabalhadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (ATFCUL) coloca ao dispor de todos os associados a partir de Fevereiro 2016 um Ginásio para

Leia mais

Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-.

Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-. Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-. Ponto de situação da inscrição: Admitido N.º Processo: / / admitida mas interessada

Leia mais

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios Freguesia de Fátima Índice Nota justificativa... 2 Capítulo I - Disposições gerais... 2 Artigo 1.º Lei habitante... 2 Artigo 2.º Objeto... 3 Artigo 3.º Âmbito

Leia mais

Art. 2º - Aprovar o Regulamento Geral do Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Detran/DF, que acompanha esta Instrução de Serviço.

Art. 2º - Aprovar o Regulamento Geral do Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Detran/DF, que acompanha esta Instrução de Serviço. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ INSTRUÇÃO Nº 12, DE 21 DE JANEIRO 2008 Cria o Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Departamento de Trânsito do Distrito Federal

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de julho de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 196/2014 Aprova o Calendário Escolar dos estabelecimentos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho (PREÂMBULO) Artigo 1.º Objeto O presente diploma procede à alteração do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho. Artigo 2.º Alterações

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PREÂMBULO Os vários serviços com intervenção na área social do universo da Câmara Municipal do Porto (de ora em diante

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s Regulamento Interno Serviço de Educação Especial 1 Artigo 1.º Definição 1.1. O Presente documento define e regula o funcionamento e a missão

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche PREÂMBULO O presente regulamento regula a organização e o modo de funcionamento do NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. Este regulamento interno será

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO COMPLEXO SOCIAL (MOITA - OLIVEIRINHA) Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Janeiro. 2004 Capítulo I Natureza e Fins - Art.º 1.º 1.º O Serviço de Apoio

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente estatuto visa regular o funcionamento e competências

Leia mais

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo MUNICIPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Regulamento Dr. Francisco Rodrigues de Araújo, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez: Faz público que a Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, na sua sessão

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO

PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO 2 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1.º Destino e funcionamento... 4 Artigo 2.º Época de funcionamento... 5 Artigo 3.º Interrupção

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

ÍNDICE. PREÂMBULO Pág. 02. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03. CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04. CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág.

ÍNDICE. PREÂMBULO Pág. 02. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03. CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04. CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág. ÍNDICE PREÂMBULO Pág. 02 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03 CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04 CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág. 10 CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES FINAIS Pág. 12 ANEXOS FICHAS DE CANDIDATURA

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE CAPÍTULO I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE Artigo 1.º (Constituição do Curso) 1. O Curso de Especialização em Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota Justificativa Os Municípios enquanto Autarquias Locais têm por objetivo

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º. A Bradesco Vida e Previdência S.A., doravante denominada EAPC, institui o Plano de Pecúlio por Morte, estruturado no Regime

Leia mais

Educação pré escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Matrículas

Educação pré escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Matrículas Educação pré escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Matrículas 1. Educação pré escolar e 1.º ciclo Conceito matrícula Quem é o Encarregado de Educação Pedido matrícula Prazos Renovação matrícula

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO Res. CONSUN nº 49/03, 10/12/03 Art. 1 o O presente documento objetiva fornecer as orientações

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28 DECRETO Nº. 810/2015, DE 03 DE FEVEREIRO DE 2015 Regulamenta o estágio de estudantes em órgãos municipais, com base na Lei Federal nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PATRIMÓNIO CULTURAL ENTRADA EM VIGOR EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Artigo 1º Objecto 1 O presente regulamento aplica-se

Leia mais

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO As presentes Normas têm por objetivo regulamentar as questões de funcionamento das Atividades a realizar nos períodos de

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DA AÇÃO EDUCACIONAL CLARETIANA EDUCLAR

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DA AÇÃO EDUCACIONAL CLARETIANA EDUCLAR REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DA AÇÃO EDUCACIONAL CLARETIANA EDUCLAR CÁPITULO I SUMÁRIO Art. 1. Do Objetivo 02 CAPÍTULO II Art. 2. Da Bolsa Social 02 Art. 3. Do Âmbito 02 Arts. 4 a 8. Das

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º. Os estágios obrigatórios ou não-obrigatórios, de estudantes de curso de graduação da Universidade do

Leia mais

2. Dos Cursos da UNISA, Turnos, Duração, Vagas, Locais de Funcionamento, Número de Alunos por Turma, Atos de Legalização e Modalidade de Ensino

2. Dos Cursos da UNISA, Turnos, Duração, Vagas, Locais de Funcionamento, Número de Alunos por Turma, Atos de Legalização e Modalidade de Ensino EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO AOS CURSOS PRESENCIAIS E SEMIPRESENCIAIS DE GRADUAÇÃO/HABILITAÇÕES/MODALIDADES E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA, DA UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO 2009 - TURMAS DE AGOSTO -

Leia mais

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045 Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045 ALERTA GRÁFICO Entidade Gestora: T-Vida, Companhia

Leia mais

Regimento. do Conselho Municipal de Educação. município, garantir o adequado ordenamento da rede educativa nacional e municipal;

Regimento. do Conselho Municipal de Educação. município, garantir o adequado ordenamento da rede educativa nacional e municipal; Regimento do Conselho Municipal de Educação Ao abrigo do artigo 8º do Decreto-Lei nº 7/2013, de 15 de janeiro, alterado pela Lei nº 41/2003, de 22 de agosto (objeto da Declaração de Retificação nº 13/2003,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-VELHO. Regulamento da Utilização do Centro de Alto Rendimento (CAR) NOTA JUSTIFICATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-VELHO. Regulamento da Utilização do Centro de Alto Rendimento (CAR) NOTA JUSTIFICATIVA Regulamento da Utilização do Centro de Alto Rendimento (CAR) NOTA JUSTIFICATIVA O Desporto de Alto Rendimento reveste-se de especial interesse público na medida em que constitui um importante fator de

Leia mais