creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. Rua Monte dos Burgos, Porto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. Rua Monte dos Burgos, 329 4250-316 Porto"

Transcrição

1 creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda.

2 CAPÍTULO I Estabelecimento, natureza e objectivos 1- O Espaço Brincar e Inventar é um estabelecimento de ensino de apoio à família que contempla a resposta social Creche e Jardim de Infância, para as quais existem espaços interiores e exteriores apropriados. 2- Este espaço pretende assumir-se como uma resposta educativa de qualidade de apoio à primeira infância, com projecto próprio, enfrentando os desafios de uma sociedade em permanente mudança com vista a um desenvolvimento harmonioso das crianças. 3- Destinado ao cuidado e acompanhamento pedagógico de crianças com idades compreendidas entre os 3 meses e os 6 anos, este espaço pretende oferecer variadíssimos serviços indo ao encontro dos interesses e necessidade dos pais/encarregados de educação. 4- Uma vez que cada criança é única e com potencialidades muito próprias, faz parte dos nossos princípios respeitar essa individualidade e unicidade. 5- Denominação e Sede Brincar e Inventar educação Infantil Lda,. é um estabelecimento de ensino e de apoio à infância, com carácter particular e cooperativo, com sede na Rua de Monte dos Burgos Porto. Conselho: Porto Distrito: Porto Freguesia: Ramalde Morada. Rua Monte dos Burdos, 329 Código Postal: 6- O presente Projecto de Regulamento Interno tem como objectivo formalizar a estrutura e o funcionamento para as respostas educativas Creche e Jardim de Infância, surgindo na sequência imediata do Projecto Educativo, uma vez que se apresenta como um instrumento de sistematização da organização escolar. 7- Este documento é de carácter normativo, abrangendo toda a comunidade educativa, órgãos, estruturas e serviços desta instituição, não pretendendo contudo, limitar a intervenção dos vários membros, mas sim facilitar a organização desta instituição educativa, visando contribuir para o seu bom funcionamento. 8- A Creche é uma resposta social desenvolvida em equipamento, de natureza sócio-educativa, para acolher crianças até 3 anos de idade, durante o período diário correspondente ao impedimento dos pais ou de pessoa que tenha a sua guarda de facto, vocacionada para o apoio à criança e à família. 3

3 9- O Jardim de Infância é um espaço com capacidade para receber 48 crianças com idades compreendidas entre os 3 anos e a idade de ingresso na escola de primeiro ciclo do ensino básico, distribuídas por 2 salas de actividades. 10- São objectivos específicos da creche: a) proporcionar o bem-estar e desenvolvimento integral das crianças num clima de segurança afectiva e física durante o afastamento parcial do seu meio familiar, através de um atendimento individualizado; b) colaborar estreitamente com a família numa partilha de cuidados e responsabilidades em todo o processo evolutivo das crianças; c) colaborar de forma eficaz no despiste precoce de qualquer inadaptação ou deficiência, assegurando o seu encaminhamento adequado. 11- São objectivos da educação pré-escolar A Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar estabelece como princípio geral que a Educação Pré-Escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida, sendo complementar da acção educativa da família, com a qual deve estabelecer estreita relação, favorecendo a formação e o desenvolvimento equilibrado da criança, tendo em vista a sua plena inserção na sociedade como ser autónomo, livre e solidário. Objectivos Pedagógicos a) promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base em experiências de vida democrática numa perspectiva de educação para a cidadania; b) fomentar a inserção da criança em grupos sociais diversos, no respeito pela pluralidade das culturas, favorecendo uma progressiva consciência como membro da sociedade; c) contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso a escola e para o sucesso da aprendizagem; d) estimular o desenvolvimento global da criança no respeito pelas suas características individuais incutindo comportamentos que favoreçam aprendizagens significativas e diferenciadas; e) desenvolver a expressão e a comunicação através de linguagens múltiplas com meios de relação, de informação estética e de compreensão do mundo; f) despertar a curiosidade e o pensamento crítico; g) proporcionar à criança ocasiões de bem-estar e de segurança nomeadamente no âmbito da saúde individual e colectiva; h) proceder à despistagem de inadaptações, deficiências ou precocidades e promover a melhor orientação e encaminhamento da criança; i) incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efectiva colaboração com a comunidade. Áreas de Conteúdo São três as Áreas de Conteúdo presentes nas Orientações Curriculares para a Educação Pré- Escolar definidas pelo Ministério da Educação que devem estar contempladas no Projecto Curricular de Grupo: 4

4 - Área de Formação Pessoal e Social; Educação Infantil Lda. - Área de Expressão e Comunicação que compreende três domínios: a) domínio das Expressões: Motora, Dramática, Plástica e Musical; b) domínio da Linguagem e Abordagem à Escrita; c) domínio da Matemática; - Área do Conhecimento o Mundo. CAPÍTULO II Processo de admissão de utentes 1- A admissão das crianças na creche e Jardim de infância Brincar e Inventar pressupõe uma préinscrição através do site a realizar até ao dia 31 de Abril de cada ano, uma entrevista com os pais e crianças candidatas onde serão apresentados os objectivos do projecto educativo e o regulamento interno. 2- A pré-inscrição não garante a efectivação da matrícula. 3- A admissão definitiva das crianças está condicionada pelos seguintes critérios: a) Ao número de vagas determinada pela lotação aprovada pela Segurança Social para a Creche (Berçário 8 crianças, Sala de aquisição da marcha aos 24 meses 10 crianças e Sala dos 24 aos 36 meses) e pela DREN (direcção geral de educação do norte) para o jardim de infância (24 crianças em cada uma das salas); b) Data de pré-inscrição; c) Existência de irmãos a frequentar o Centro Educativo; d) Idade, dando preferência a crianças mais velhas; CAPÍTULO III Matrículas 1- O processo de formalização da matrícula realizar-se-á durante o mês de Maio, após divulgação, via página da Brincar e Inventar na Internet, da lista graduada de crianças admitidas e de comunicação aos respectivos encarregados de educação. 2- São necessários os seguintes documentos para a organização do processo de matrícula: a) Boletim de Inscrição / Matrícula disponível na página Web da Brincar e Inventar; b) Cópia da Cédula Pessoal ou o Bilhete de Identidade da criança; c) 2 fotografias tipo passe da criança; d) Boletim de Vacinas actualizado; 5

5 e) Fotocópia do Cartão de Utente dos serviços de saúde ou de outro subsistema a que a criança pertença; f) Declaração médica comprovativa do estado de saúde da criança, indicando necessidades / problemas específicos; g) Fotocópia do Bilhete de Identidade do encarregado de educação; h) Número de Identificação Fiscal do encarregado de educação; i) Em casos especiais, certidão de sentença judicial que regule o poder paternal; j) Elementos de identificação das pessoas a quem se pode confiar a criança à saída das nossas instalações (fotografia, fotocópia do Bilhete de Identidade e telefone de contacto). 3- A matrícula só é considerada válida, após o cumprimento de todas as formalidades acima referidas. 4- Nos termos da legislação em vigor, entre o utente ou o seu responsável legal e a entidade gestora da instituição será celebrado, por escrito, um contrato de prestação de serviços. 5- Após a realização da matrícula, o valor desta não é reembolsável em caso de desistência do educando. 6- Caso não seja possível a admissão por inexistência de vagas, o encarregado de educação será avisado da posição que a criança ocupa na lista de espera. 7- A renovação da matrícula realizar-se-á durante o mês de Abril, cabendo aos encarregados de educação a responsabilidade de efectuarem a respectiva renovação da matrícula do(s) seu(s) educando(s) para o ano lectivo seguinte. 8- Caso os encarregados de educação não realizem a respectiva renovação de matrícula, a Brincar e Inventar não garante vaga para o próximo ano lectivo. CAPÍTULO IV Organização e funcionamento 1- A Creche e Jardim de Infância é composta por: - Berçário, com a respectiva copa de leite e fraldário com capacidade para 8 utentes; - Sala de actividades pedagógicas para crianças dos 12 aos 24 meses com capacidade para 10 utentes; - Sala de actividades pedagógicas para crianças dos 24 aos 36 meses com capacidade para 15 utentes; - Salas de actividades pedagógicas para crianças com idades compreendidas entre os 3 e 5 anos com capacidade para 24 utentes cada uma delas; - Sala Polivalente; 6

6 - Refeitório; - Instalação sanitária para crianças; - Instalação sanitária para adultos; Educação Infantil Lda. - Instalação sanitária equipada para pessoas com mobilidade adaptada; - Sala de isolamento; - Gabinete técnico; - Recepção / secretaria; - Parque exterior; - Horta Pedagógica. 2- A Brincar e Inventar funciona semanalmente de 2ª a 6ª feira com o seguinte horário: Abertura: 7:30 Encerramento: 19:30 3- Para o bom funcionamento da creche e do jardim de infância, todas as crianças devem chegar até às 10 horas. Se por qualquer motivo houver um atraso, o estabelecimento deve ser informado através de contacto telefónico. 4- No caso das crianças que frequentam o jardim de infância, a componente educativa termina às 18:00, sendo considerado o período desde as 18:00 até às 19:30 componente de apoio à família. Este serviço deverá ser requisitado pelos encarregados de educação, não estando incluído na mensalidade. 5- Caso uma criança permaneça no estabelecimento para além da hora de encerramento, os pais ficam sujeitos ao pagamento de uma multa de 5 por cada 15 minutos de atraso. 6 Horário das refeições do Jardim de Infância: Pequeno-Almoço 9:00- Para todas as Crianças que entram entre as 7:30 e as 8:30 Almoço 11:00 - Bebés (3 12 meses) 11:15-1 ano (12-24 meses) 2 anos (24-36 meses) 11:45 Sala 1 do jardim de Infância 12:30 Sala 2 do jardim de infância Lanche 14:30 Bebés (3-12 meses) 15:00 1 ano(12-24 meses) 2 anos (24-36 meses) 15:45 Sala 1 do jardim de infância 16:30 sala 2 do jardim de infância 7

7 7- Horário de atendimento aos Pais/Encarregados de Educação: - Direcção: das 14:00 às 18:00 (segunda-feira) - Coordenador Pedagógico: Creche: das 17:00 às 18:00 (quarta-feira) Jardim de infância: das 17:00 às 18:00 (quarta-feira) - Educador de Infância: Sala meses - das 17:00 às 18:00 (quinta-feira) Sala meses das 17:00 às 18:00 (quinta-feira) Sala 1 do Jardim de infância das 17:00 às 18:00 (sexta-feira) Sala 2 do Jardim de infância das 17:00 às 18:00 (sexta-feira) 8- Este estabelecimento está encerrado, para além dos fins-de-semana e feriados nacionais e municipal, nos dias: - 24 de Dezembro - Terça-feira de Carnaval - Outras situações devidamente justificadas poderão determinar o encerramento da Creche e Jardim de Infância. 9- A Brincar e Inventar possui um registo de assiduidade de cada criança. 10- As crianças só serão entregues aos pais/encarregados de educação ou responsáveis com documentos de identificação fornecidos no acto da matrícula e anexados ao processo do utente. No caso de existir alguma dúvida em relação às recolhas pontuais, a Brincar e Inventar reserva-se o direito de não permitir a saída da criança até devida confirmação pelos pais. 11- A responsabilidade da Brincar e Inventar sobre a criança cessa a partir do momento em que estas sejam entregues aos pais/encarregados de educação ou responsáveis. 12- O material necessário ao desenvolvimento das actividades será fornecido pelo Jardim de Infância. No entanto, os pais poderão colaborar, levando materiais, sempre que queiram, ou lhes seja solicitado. 13- No que diz respeito aos materiais de desgaste, os encarregados de educação, no momento da matrícula ou renovação da matrícula, deverão pagar um montante (presente na tabelas de preços) referente ao ano lectivo seguinte. 14- Os encarregados de educação devem fornecer: Fraldas Toalhetes Leites e papas, caso a criança faça alergia aos produtos adoptados pela instituição Muda completa de roupa devidamente identificada na mochila 8

8 Produtos de uso pessoal (cremes, soro fisiológico, entre outros); 15- As crianças não deverão trazer objectos de valor para o Jardim de Infância. Caso o façam, o estabelecimento não se responsabiliza pelos seus danos, ou perdas. 16- Todas as crianças deverão usar o uniforme, cor e modelo adoptados pela Brincar e Inventar, sendo um modelo para as meninas e um modelo para meninos, e o seu custo suportado pelos pais/encarregados de educação. 17- Na primeira semana do mês de Julho, as crianças terão o período de praia que deverá ser suportado pelos encarregados de educação. CAPÍTULO V Mensalidades 1- Os serviços prestados pela Brincar e Inventar têm um valor anual pago em 12 prestações mensais; 2- O valor da mensalidade é definido pela Direcção Administrativa, estando definido na tabela de preços praticada anualmente onde constam ainda todos os valores de serviços a cobrar; 3- No valor da mensalidade estão incluídos todas as actividades curriculares: Aulas de Expressão Plástica, Motora, Dramática e Musical e ainda de Inglês; 4- As actividades extra-curriculares: massagens para bebés, natação, karaté, ballet, rugby, dança, futebol, basquetebol e equitação, não se encontram incluídas na mensalidade; 5- O pagamento da mensalidade é efectuado até ao dia 8 de cada mês por transferência bancária ou cheque; 6- Sempre que o dia 8 coincida com um dia não útil, o prazo estender-se-á até ao dia útil seguinte; 7- O não pagamento da mensalidade até ao dia 8 de cada mês, poderá ser acrescido à mensalidade 10%, após a 1ª semana e 20%, após a segunda semana; 8- Beneficiam ainda de um desconto na mensalidade de 10%, quando se tratam de 2 irmãos e 20%, quando se tratam de mais de 2 irmãos; 9-Tendo em vista manter a vaga, sempre que a criança não esteja a frequentar a Creche ou o Jardim de Infância, por um período superior a 6 meses, por motivos de férias, doença ou outra situação, 9

9 deverão proceder ao normal pagamento da mensalidade, devendo no entanto informar a Direcção acerca do presumível período durante o qual a criança vai estar ausente; 10- As crianças cujos pais/encarregados de educação não satisfaçam, durante dois meses, sem motivo justificado o pagamento da comparticipação acordada, serão excluídas da frequência da Instituição; 11- A desistência da criança não obriga a restituição de qualquer importância recebida pela Brincar e Inventar; 12- Sempre que o encarregado de educação queira rescindir contrato, deverá fazê-lo com o mínimo de trinta dias de antecedência. Pelo não cumprimento do prazo estipulado, terão que liquidar a mensalidade do mês seguinte. Tabela de Preços mensalidade alimentação matrículas outros berçário 260 creche 240 jardim de infância 220 almoço 60 lanche 15 inscrição 180 renovação da matrícula 100 material de desgaste 50 prolongamento 22 CAPÍTULO VI Seguro das crianças 1- A Brincar e Inventar possui um seguro de acidentes pessoais que cobre acidentes durante a permanência das crianças na instituição e no exterior, sempre que acompanhadas pela educadora de infância e ou pelas auxiliares da acção educativa, quando a caminho ou no regresso de actividades complementares. Este seguro tem as seguintes coberturas: Morte Invalidez Permanente Despesas de Tratamento Responsabilidade Civil 10

10 CAPÍTULO VII Alimentação 1- A alimentação é estabelecida tendo em conta as necessidades relativas às diferentes fases de desenvolvimento das crianças e é orientada por um nutricionista. 2- A alimentação é confeccionada nas instalações da Brincar e Inventar, sendo variada e adequada, qualitativa e quantitativamente, à idade das crianças. 3- A ementa semanal será afixada na recepção e nas respectivas salas de actividades, assim como no site da instituição. 4- Os pais/encarregados de educação deverão comunicar à instituição a existência de dietas especiais, em caso de prescrição médica. 5- As farinhas e leites especiais serão da responsabilidade dos pais, desde que acompanhadas pela respectiva prescrição médica, e deverão ser entregues devidamente identificadas com o nome da criança. CAPÍTULO VIII Saúde 1- As crianças com temperatura a partir dos 38ºC não poderão frequentar as instalações. 2- É obrigatório a entrega de um número de telefone para contacto imediato dos pais/encarregados de educação ou outro familiar em caso de doença súbita ou outro imprevisto que ocorra durante o dia. Qualquer alteração do número de telefone e/ou morada deverá ser comunicada à Creche e Jardim de Infância. 3- Em caso de acidente ou doença súbita, a criança deverá ser assistida na instituição ou recorrer ao hospital mais próximo, avisando-se de imediato a família. 4- As crianças que ficarem com temperatura durante a permanência na creche e jardim de infância, ser-lhes-á administrado um antipirético caso não seja possível contactar os pais. Este medicamente só será aplicado desde que os pais assinem um termo de responsabilidade para o efeito. 5- Em caso de doença infecto-contagiosa e outras situações de contágio, a criança só deverá regressar acompanhada de uma declaração médica que comprove a sua total recuperação. 11

11 6- Sempre que as crianças fiquem em casa por motivo de doença a instituição deverá ser informada logo que esta seja detectada. 7- Os medicamentos prescritos podem ser enviados para a creche e jardim de infância desde que devidamente identificados com o nome da criança e acompanhados pela fotocópia da receita médica. A dosagem e o horário a que deve ser administrado o medicamento deve constar na caderneta do aluno. 8- Em caso de epidemia, a Direcção contactará a Delegação de Saúde e estes decidirão quais as medidas a serem tomadas. 9- Em caso de aparecimento de parasitas, a criança não pode permanecer na Instituição e só poderá regressar depois de retirados. CAPÍTULO IX Assistência médica e psicológica 1- A Brincar e inventar tem, entre o seu pessoal técnico, uma psicóloga devidamente credenciada para prestar assistência psicológica às crianças. 2- A assistência e apoio prestados pela psicóloga serão apenas de despiste. No entanto, se em alguma situação esta profissional notar algo de relevante na criança, os pais serão informados e com o seu consentimento, iniciar-se-á um processo de avaliação psicológica. 3- Para além desta profissional, a Brincar e Inventar deverá contar com o apoio de um pediatra, de um enfermeiro e de um dentista. CAPÍTULO X Organização dos grupos 1- As crianças são distribuídas por grupos constituindo unidades organizadas. Cada grupo será confiado a uma unidade técnica, sem impedimento de estimular a inter-comunicabilidade dos grupos/espaço. 2 - As educadoras de infância são responsáveis pela vigilância dos seus grupos de crianças. 3 - Na ausência da educadora de infância, as crianças ficam sob a vigilância das auxiliares de acção educativa. 12

12 4- No momento do descanso, as crianças ficam sob a vigilância das educadoras e auxiliares de acção educativa. 5 - Durante o ano lectivo serão programadas saídas das crianças para o exterior (passeios, cinema, circo, teatro, piqueniques, festas, etc). Para o efeito, no início do ano lectivo, os pais deverão assinar um termo de responsabilidade autorizando a saída dos filhos/educandos. 6 - As despesas com as idas a espectáculos ou outros serão suportadas pelos pais/ encarregados de educação. CAPÍTULO XI DOCUMENTOS DA ACÇÃO EDUCATIVA 1- O Projecto Educativo da Instituição é o documento que explicita a missão, a filosofia e as grandes finalidades do Estabelecimento Educativo. Faz referências aos princípios e valores fundamentais e comuns à comunidade escolar: a concepção da criança e da educação, constituindo o Bilhete de Identidade da escola. 2- O Projecto Educativo é concebido e desenvolvido no diálogo com os diferentes agentes educativos, desenvolvendo-se na relação com a comunidade enquanto oportunidade de enriquecimento dos saberes e da cultura escolar. 3- O Projecto Curricular de Grupo tem como referência as Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar e o Projecto Educativo da Instituição. É elaborado com o objectivo de responder às necessidades e especificidades de cada grupo de crianças. Nele se definem as prioridades, os conteúdos, os objectivos e respectivas estratégias, procedimentos metodológicos de acção e de avaliação. A sua construção é da responsabilidade do educador em colaboração com o coordenador pedagógico. 4- O Regulamento Interno é um documento de carácter normativo, elaborado pela Direcção Técnica, submetido à apreciação da Direcção Geral / Administrativa. Nele se definem as estruturas e normas jurídico-administrativas e laborais que regulam a organização interna da instituição. 5- O Plano Anual de Actividades é um instrumento de concretização operativa do Projecto Educativo da Instituição. Nele se definem objectivos a alcançar, estratégias, meios e recursos capazes de o pôr em prática. CAPÍTULO XII DISPOSIÇÕES GERAIS 13

13 1- Nos termos da legislação em vigor, esta instituição possui livros de reclamações que poderá ser solicitado junto da Direcção Geral/Administrativa, sempre que desejado. 2- A Direcção Geral/Administrativa da instituição deverá informar os encarregados de educação sobre quaisquer alterações ao presente regulamento com a antecedência mínima de 30 dias, relativamente à data da sua entrada em vigor. 3- Em caso de eventuais lacunas, as mesmas serão supridas pela entidade proprietária da instituição tendo em conta a legislação / normativos em vigor sobre a matéria. 4- Todos os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Direcção Geral/ Administrativa tendo em conta a legislação em vigor. Porto, 25 de Maio de 2010 A Direcção Geral (Dr.ª Alexandra Costa Pinto) 14

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE ANEXO I Norma I Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da Creche integrada no Centro Social Paroquial de Carnide. 2. A Creche destina-se a crianças

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche PREÂMBULO O presente regulamento regula a organização e o modo de funcionamento do NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. Este regulamento interno será

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 2 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS 1- O Externato João Alberto Faria - Infantil destina-se

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento da Creche 2014-2015

Regulamento Interno de Funcionamento da Creche 2014-2015 Regulamento Interno de Funcionamento da Creche 2014-2015 Capitulo I Disposições Gerais Norma I - Âmbito de Aplicação A Creche do Estabelecimento de Ensino Particular e Cooperativo, designado por Passinhos

Leia mais

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO -

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO - - NORMAS DE FUNCIONAMENTO - O Colégio Laranja e Meia destina-se a receber crianças dos 3 meses aos 6 anos. Horário - Abertura : 8.30 horas - Encerramento : 19 horas As actividades pedagógicas decorrem

Leia mais

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 Regulamento Interno 2013 / 2014 www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 REGULAMENTO INTERNO 2013 / 2014 ESCOLA LUA CRESCENTE (Creche, Jardim de Infância e ATL) I NATUREZA E OBJECTIVOS

Leia mais

Regulamento Interno da Creche

Regulamento Interno da Creche Regulamento Interno da Creche Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º (âmbito de aplicação) 1. O presente regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da creche integrada no Externato

Leia mais

Regulamento do Apoio à Infância

Regulamento do Apoio à Infância Regulamento do Apoio à Infância No âmbito da responsabilidade social os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa (SASULisboa), em complemento dos sistemas públicos de ação social asseguram, como

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2013/2014

REGULAMENTO INTERNO 2013/2014 REGULAMENTO INTERNO 2013/2014 Praceta Daniel Filipe nº 10 B Casal de S. Brás 2700-228 Amadora Tel.: 214929470 Fax: 214929479 E.mail: geral@bebedesonho.mail.pt Site: http://www.bebedesonho.com/ - 1 - PRINCÍPIOS

Leia mais

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 2012/13 RESPOSTA SOCIAL CRECHE Capítulo I - Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda,

Leia mais

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO As presentes Normas têm por objetivo regulamentar as questões de funcionamento das Atividades a realizar nos períodos de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro de Estimulação Precoce da designado por CEP, com acordo de cooperação para a resposta social de Creche

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO * * * LAR DE IDOSOS CENTRO DIA APOIO DOMICILIÁRIO O Centro Social Paroquial São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social

Leia mais

Regulamento da Creche da Assembleia da República

Regulamento da Creche da Assembleia da República Regulamento da Creche da Assembleia da República Despacho n.º 855/2005, de 23 de novembro de 2004 publicado no Diário da República, II Série, n.º 9, de 13 de janeiro de 2005 com as alterações introduzidas

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 Regulamento Interno Ano Lectivo 2007/2008 1. Admissão 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 3 meses e os 6 anos. 1.2. No acto da inscrição são necessários os

Leia mais

CATL-Oficina da Criança

CATL-Oficina da Criança Santa Casa da Misericórdia Mértola Centro Infantil Toda A CRIANÇA É UM ARTISTA AO SEU MODO. Precisamos oferecer um monte de possibilidades muitos materiais, muitas linguagens, pois possuir muitas linguagens

Leia mais

Creche. Regulamento Interno

Creche. Regulamento Interno Creche Regulamento Interno Os Pimentinhas Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento e sua natureza) 1 - «Os Pimentinhas Creche, Jardim de Infância e ATL», adiante

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CRECHE

REGULAMENTO INTERNO CRECHE REGULAMENTO INTERNO CRECHE Abril 2014 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 2/ 14 Capítulo I Natureza e Missão Artigo 1º Missão Tendo como inspiração a Doutrina

Leia mais

A qualidade humana e pedagógica que carateriza o Externato Eduarda Maria está associada aos seguintes fatores:

A qualidade humana e pedagógica que carateriza o Externato Eduarda Maria está associada aos seguintes fatores: PROJETO EDUCATIVO 2 Índice 1 Introdução 2 Quem Somos 2.1 O Externato Eduarda Maria 2.2 - Caraterização do Colégio 2.2.1 Caraterização Humana 2.2.2 Caraterização Física 2.2.3 Organização Estrutural 3 Projeto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

DE FUNCIONAMENTO. CAPíTULO. NORMAl Âmbito de Aplicação

DE FUNCIONAMENTO. CAPíTULO. NORMAl Âmbito de Aplicação ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES, Ld.a:. Rua Pedro Monteiro. noiootelefone: 239836584 Email: atlpeguenaserei@hotmail.com Site: www.apeguenasereia.com REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPíTULO I DISPOSiÇÕES

Leia mais

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DA FREGUESIA DE CUNHA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS)

Leia mais

Norma IV Funcionamento da Componente de Apoio à Família

Norma IV Funcionamento da Componente de Apoio à Família Norma I Enquadramento Institucional A ABLA é uma IPSS e ONGD de inspiração cristã evangélica criada em 1984 por beneméritos alemães. A Associação dispõe de múltiplas respostas sociais para todas as gerações

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC. I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação

Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC. I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação O presente Regulamento Interno tem por objetivo regulamentar o funcionamento do projeto Componente

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Creche da Fundação do Colégio de São Gonçalo de Amarante CRECHE. Regulamento Interno 2010/2011 2012/2013. Amarante

Creche da Fundação do Colégio de São Gonçalo de Amarante CRECHE. Regulamento Interno 2010/2011 2012/2013. Amarante Creche da Fundação do Colégio de São Gonçalo de Amarante CRECHE Regulamento Interno 2010/2011 2012/2013 Amarante Setembro de 2010 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação A Instituição

Leia mais

RIBA CÔA CENTRO INFANTIL

RIBA CÔA CENTRO INFANTIL RIBA CÔA CENTRO INFANTIL INTERNO R E G U L A M E N T O Santa Casa da Misericórdia do Sabugal Capítulo I Geral Artigo 1º 1. O Centro Infantil Riba Côa é uma instituição particular de assistência à infância

Leia mais

Regulamento Interno Creche Familiar

Regulamento Interno Creche Familiar Regulamento Interno Creche Familiar CAPITULO I O ESTABELECIMENTO Artigo 1º - Denominação e Sede A Bela Vista Centro de Educação Integrada, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, que se encontra

Leia mais

Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO IMP01.PC02/00 Valores, um desafio... REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) O Centro Social Paroquial de São João das

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO COMPLEXO SOCIAL (MOITA - OLIVEIRINHA) Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Janeiro. 2004 Capítulo I Natureza e Fins - Art.º 1.º 1.º O Serviço de Apoio

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA FOR.CET Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento de Funcionamento dos CET Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

Regulamento Interno. Para a Valência de Creche. Jardim de Infância Escola do Povo das Mercês. Instituição Particular de Solidariedade Social

Regulamento Interno. Para a Valência de Creche. Jardim de Infância Escola do Povo das Mercês. Instituição Particular de Solidariedade Social Regulamento Interno Para a Valência de Creche Jardim de Infância Escola do Povo das Mercês Instituição Particular de Solidariedade Social Ano Lectivo 2013/2014 Telefone:219217746 Índice Capitulo I Disposições

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação Anjos da Vida REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O SAD designado por Anjos da Vida Cuidados

Leia mais

CAPITULO I. 1. Este Regulamento Interno define o regime de funcionamento do Externato Pica-Pau.

CAPITULO I. 1. Este Regulamento Interno define o regime de funcionamento do Externato Pica-Pau. A educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação para a vida, é a própria vida. John Dewey CAPITULO I Artigo 1º - DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Este Regulamento Interno define o regime de

Leia mais

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA AAPPO IIO I DDOMI IICCI IILLI ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO DO

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Seguro Escolar

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Seguro Escolar MANUAL DE PROCEDIMENTOS Seguro Escolar Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Setembro de 2014 O Seguro Escolar constitui um sistema de proteção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência,

Leia mais

Regulamento Interno. Resposta Social da Creche. Capítulo I Disposições Gerais

Regulamento Interno. Resposta Social da Creche. Capítulo I Disposições Gerais Resposta Social da Creche Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Caracterização e localização) 1- O Centro Social de Oiã (adiante designado por Instituição), é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 CAPITULO I NATUREZA, FINS E OBJETIVOS A empresa de consultoria e assessoria de eventos PORMENOR MÁGICO, com sede em Guimarães juntamente com a empresa

Leia mais

A Educação, conceito que tem sido objecto de múltiplas definições, constitui um processo centrado na pessoa integral do educando, que importa

A Educação, conceito que tem sido objecto de múltiplas definições, constitui um processo centrado na pessoa integral do educando, que importa A Educação, conceito que tem sido objecto de múltiplas definições, constitui um processo centrado na pessoa integral do educando, que importa promover em todas as dimensões e potencialidades. I NORMAS

Leia mais

CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS

CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS - 2015 - PROJETO DINAMIZADO PELA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE ESPINHO REGULAMENTO Espinho, 4 de Maio de 2015 INDICE 1. Entidade responsável pela organização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO»

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» JULHO 2015 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 Artigo 1º (Definição Legal)... 3 Artigo 2º (Objectivos do Lar de Sant ana - Matosinhos)...

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares

Regulamento de Transportes Escolares Regulamento de Transportes Escolares PREÂMBULO Considerando que, A descentralização de competências da Administração Central do Estado, através da atribuição de mais competências às autarquias locais,

Leia mais

EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Normas de Funcionamento. da Componente de Apoio à Família (CAF)

EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Normas de Funcionamento. da Componente de Apoio à Família (CAF) EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Normas de Funcionamento da Componente de Apoio à Família (CAF) A educação pré-escolar destina-se a todas as crianças com idades compreendidas entre os 3 anos e a idade de ingresso

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social de S. Miguel de Arcozelo, Associação de Solidariedade Social, é uma Instituição

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAT

REGULAMENTO INTERNO DO CAT REGULAMENTO MISERICÓRDIA DA FREGUESIA DE SANGALHOS INTERNO DO CAT CAPITULO I Norma I Natureza do Estabelecimento Tipo de Estabelecimento: Centro de Acolhimento Temporário de Crianças e Jovens em Risco

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Creche

Regulamento Interno da Resposta Social de Creche Data: 24 de Abril de 2014 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE ENQUADRAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL DE CRECHE 1. O Centro Social Paroquial de S. Domingos de Rana, designado por CSPSDR é uma Instituição

Leia mais

ANEXO I (DO REGULAMENTO INTERNO DO COLÉGIO BOM JESUS) CRECHE ARTIGO PRIMEIRO. Destinatários

ANEXO I (DO REGULAMENTO INTERNO DO COLÉGIO BOM JESUS) CRECHE ARTIGO PRIMEIRO. Destinatários ANEXO I (DO REGULAMENTO INTERNO DO COLÉGIO BOM JESUS) CRECHE ARTIGO PRIMEIRO Destinatários A idade mínima para a frequência da Creche é de 3 meses de idade. ARTIGO QUARTO Áreas da Creche 1. A valência

Leia mais

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008).

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008). 1. O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes. O estágio integra o itinerário

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Resposta Social - CRECHE

REGULAMENTO INTERNO Resposta Social - CRECHE CRECHE DO POVO JARDIM DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO Resposta Social - CRECHE Aprovado em Assembleia Geral a 10/10/2012 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza e Fins 1. A Creche do Povo/Jardim

Leia mais

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Gerais Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento 1. Educação pré escolar Objetivos da educação pré escolar Oferta educativa: *Componente letiva *Componente não letiva (CAF) Ocupação

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

Regulamento Interno da Creche da Casa do Povo da Vila de Prado

Regulamento Interno da Creche da Casa do Povo da Vila de Prado I Definição Instituição Particular de Solidariedade Social A Casa do Povo da Vila de Prado é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, que foi criada para responder às necessidades sociais locais.

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO 1 º A Creche têm por fim satisfazer as necessidades das crianças nas diferentes etapas do seu desenvolvimento, entre os quatro meses de idade e 3 anos.

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio Ao abrigo do disposto no n.º 6 da Resolução nº 76/2002, de 2 de Maio determino: É aprovado o Regulamento do programa Mobilidade e

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

Regulamento Interno do ATL Juvenil Aprender Mais

Regulamento Interno do ATL Juvenil Aprender Mais Página 1 de 6 Regulamento Interno do Sede Fórum Luís de Camões, sala 9 Brandoa 2650-197 Amadora Tel: 21 476 02 06 Fax: 21 476 25 48 Telm: 91 054 14 04 E-mail: abcd.brandoa@sapo.pt Escola Básica 2, 3 Sophia

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ ESCOLAR E DO SERVIÇO DE REFEIÇÕES NO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO, DE GESTÃO DIRECTA DO MUNICÍPIO DE LEIRIA Aprovado em reunião de Câmara a 30

Leia mais

Junta de Freguesia de Ançã

Junta de Freguesia de Ançã REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS ÀS ACTIVIDADES DAS ASSOCIAÇÕES DESPORTIVAS, RECREATIVAS E CULTURAIS DA FREGUESIA DE ANÇÃ A importância do associativismo para o desenvolvimento harmonioso da freguesia

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Nota introdutória No âmbito das novas políticas sociais activas a Junta de Freguesia de Fridão elaborou o Diagnóstico Social da Freguesia. Face à realidade local encontrada

Leia mais

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida.

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida. I Entidade Organizadora AFUM Associação de Funcionários da Universidade do Minho (AFUM), Campus de Gualtar, 4710-057 Braga, Contribuinte n.º 503595772, número de registo 65/DRN. II Objectivo e caracterização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS agrupamento de escolas da abelheira VIANA DO CASTELO MANUAL DE PROCEDIMENTOS seguro escolar ÍNDICE Preâmbulo 2 Acidente Escolar 2 Procedimento Inicial 3 Preenchimento de Impressos 3 Assistência Médica

Leia mais

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS ESTATUTO DO ALUNO DIREITOS E DEVERES - LEI 39/2010, DE 2 DE SETEMBRO Artigo 7.º Responsabilidade dos alunos 1. Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento,

Leia mais

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3 ÍNDICE: 1. Introdução. 1 2. CONTEXTUALIZAÇÃO - Caracterização do meio 2 - Caracterização do espaço ATL... 2 3. Grupo - Caracterização do grupo. 3 - Caracterização da equipa/horário. 3 4. OBJETIVOS: - Objetivos

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015

REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015 REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015 PROJETO CONTINUAR SEMPRE A MEXER PROJETO NOVOS HORIZONTES 1 Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Âmbito As normas definidas no presente Regimento Interno visam estabelecer

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS P á g i n a 1 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação 1. A Benéfica e Previdente Associação Mutualista, com estatuto

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A ERPI, Jacinto Faleiro, Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

Leia mais

Capítulo 1 - Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF)

Capítulo 1 - Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) Capítulo 1 - Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) Norma I Enquadramento Institucional A ABLA é uma IPSS e ONGD de inspiração cristã evangélica criada em 1984 por beneméritos alemães. A Associação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO No quadro do protocolo celebrado em 27 de Março de 2003 entre a Fundação

Leia mais