Regulamento Interno Academia Pioneiros

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Interno Academia Pioneiros"

Transcrição

1 Regulamento Interno Academia Pioneiros Art.º 1 - Informações Gerais 1. A Academia Pioneiros decorre nas suas próprias instalações, em regime fechado; 2. Cabe à Direção dos Pioneiros de Bragança Futsal Clube determinar os prazos para a inscrição dos Participantes, lotação mínima e máxima; 3. A Academia Pioneiros foi desenvolvida para todos os interessados que queiram participar (sócios, simpatizantes, etc); 4. A Academia Pioneiros tem, normalmente, funcionamento durante todo o Ano; 5. O custo da inscrição na Academia Pioneiros varia em função das opções de serviços requeridos pelos Representantes Legais, (consultar tabela publicada em Os Participantes na qualidade de sócios, e com comprovativo de cotas em dia, usufruem de um desconto de 5%. 6. Desconto de 20% caso um membro parental se encontre desempregado e desconto de 40% caso se encontrem desempregados os dois membros parentais. 7. As atividades da Academia Pioneiros são asseguradas por uma estrutura humana que abrange: 7.1) Um Coordenador; 7.2) Um Diretor; 7.3) Um Treinador; 7.4) Um Massagista/Enfermeiro/Fisioterapeuta; 7.5) Um ou mais monitores/estagiários, em quantidade a determinar consoante o número e a idade dos Participantes bem como a natureza das atividades desenvolvidas, sendo assegurados, no mínimo: - Durante o período em que decorrem as atividades: um Monitor de equipa por cada seis Participantes, cujo escalão etário seja inferior a 10 anos; e um Monitor de equipa por cada dez Participantes, cujo escalão etário esteja compreendido entre os 10 e os 16 anos; Imp. 20/2013 1/9

2 Art.º 2 - Inscrição nos Estágios de Férias 1. A inscrição dos Participantes da Academia Pioneiros deve ser feita através do preenchimento de ficha de inscrição própria, disponibilizada pelos serviços administrativos ou no site dos Pioneiros, na Internet: 2. As inscrições devem ser efetivadas mediante o preenchimento da ficha de inscrição e o pagamento em dinheiro, por cheque ou transferência bancária; 3. A participação de jovens menores na Academia Pioneiros só pode ser efetivada, se devidamente autorizada pelo respetivo Representante Legal (mãe, pai ou tutor), mediante assinatura do termo de Responsabilidade, que se encontra presente na ficha de inscrição; 4. As admissões serão consideradas por ordem de chegada; 5. Não existindo vagas, o Participante poderá optar por se inscrever na lista de espera. Art.º 3 Documentação 1. Os Encarregados de Educação e Representantes Legais dos Participantes são responsáveis por fazer a correta inscrição e facultar toda a documentação necessária para o efeito, assim como prestar informações verídicas, e que se mostrem necessárias à integração dos mesmos, na Academia Pioneiros; 2. À chegada da Academia Pioneiros, cada Participante, ou Representante Legal do mesmo, deve entregar a declaração de observações médicas, na qual deve indicar se tem alergias ou doenças, se toma regularmente ou pontualmente medicamentos, lesões ou outro tipo de cuidados extras. Art.º 4 - Desistências, abandonos e lista de espera 1. O Participante ou o seu Representante Legal pode desistir da inscrição na Academia Pioneiros comunicando a sua intenção à Direção dos Pioneiros de Bragança Futsal Clube, nas seguintes condições: 1.1) Em caso de desistência, devidamente comunicada, que dê entrada nos nossos serviços 15 dias antes do início da data mencionada pelo Representante Legal nas atividades do Participante na Academia Pioneiros, tem direito à devolução da totalidade da inscrição; Imp. 20/2013 2/9

3 1.2) Em caso de desistência, devidamente comunicada, que dê entrada nos nossos serviços com menos de 15 dias para o início da data mencionada pelo Representante Legal nas atividades do Participante na Academia Pioneiros, não tem direito a qualquer reembolso; 1.3) Em caso de abandono do Participante da Academia Pioneiros, não tem direito a qualquer reembolso. 2. Em caso de desistência de um Participante inscrito, a vaga criada será preenchida, sempre que possível, pelo primeiro Participante em lista de espera. Este será contatado com a maior brevidade possível, de forma a concretizar a sua inscrição e proceder ao respetivo pagamento; 3. A exclusão/expulsão de Participante, por mau comportamento, não confere o direito ao reembolso do valor da inscrição na Academia Pioneiros; Art.º 5 - Participantes 1. Todos os Participantes devem cumprir o disposto no Regulamento Interno, assim como as instruções que lhes sejam dadas pela organização ou pessoal técnico; 2. Constituem direitos dos Participantes: 2.1) acompanhamento permanente pelos monitores/técnicos/diretores da Academia Pioneiros; 2.2) seguro de acidentes pessoais; 2.3) dispor de condições de higiene e segurança; 2.4) a Academia Pioneiros se responsabiliza pela guarda do equipamento desportivo do Participante e dos seus objetos pessoais desde de que devidamente entregues ao Diretor Responsável presente; 2.5) a Academia Pioneiros se responsabiliza por quaisquer danos eventualmente causados aos equipamentos utilizados da Academia Pioneiros pelo Atleta durante as suas atividades; 2.6) a Academia Pioneiros se compromete a oferecer ao Atleta serviços de primeiros-socorros, assim como disponibilizar serviço de tratamento e recuperação física, disponibilizar transporte ambulatorial para o serviço de Urgência Hospitalar. Os Pioneiros de Bragança Futsal Clube assume a responsabilidade por todos custos médicos e/ou hospitalares, assim como se responsabiliza por todos os custos médicos Imp. 20/2013 3/9

4 e/ou hospitalares privados ao Participante em casos de lesão grave, bem como pelos custos da sua reabilitação em fisioterapia. 3. Constituem deveres dos Participantes: 3.1) cumprir todas as instruções que lhe sejam dadas pelos monitores/técnicos/diretores e respetivo Coordenador da Academia Pioneiros, assim como cumprir o descrito no presente Regulamento Interno; 3.2) informar a Direção da Academia Pioneiros de quaisquer condicionantes que existam, nomeadamente quanto a necessidades específicas ou especiais cuidados de saúde a observar; 3.3) zelar pela boa utilização e conservação do material que lhe for disponibilizado pela organização da Academia Pioneiros; 3.4) entregar ao Diretor Responsável presente para guardar os seus objetos pessoais, não se responsabilizando a Direção da Academia Pioneiros pelo eventual desaparecimento dos mesmos caso a alínea 2.4 do Art.º 5 não seja cumprida. 3.5) estar inequivocadamente ciente do que se segue em relação à sua participação como competidor em representação da Academia Pioneiros nas competições oficiais e outros Eventos Desportivos de caráter particular. 3.6) o Participante se compromete, em caso de inscrição na modalidade de Futsal, a utilizar os equipamentos de segurança necessários para a prática do desporto, tais como, mas não limitados a : caneleiras e sapatilhas apropriadas para o futsal, mais joelheiras e cotoveleiras (no caso dos guarda-redes). 3.7) o Participante e Representante Legal não adquire, nem tampouco tem, direito sobre a Academia Pioneiros, cuja marca é de propriedade dos Pioneiros de Bragança Futsal Clube. 3.8) o Participante fica responsável por todo o material desportivo a que lhe for cedido pela Academia Pioneiros, preservado-os em bom estado de conservação, comprometendo-se a devolvê-los em perfeito estado ao fim da época mencionada. Em caso de extravio e danos que acarretem a perda total do bem, fica obrigado a ressarcir o proprietário dos prejuízos experimentados. 4. Na eventualidade dos Participantes não respeitarem o deveres anteriormente descritos, e prejudiquemo normal funcionamento da Academia pioneiros ou coloquem em risco a própria segurança e/ou dos restantes Participantes, a Direção da Academia Imp. 20/2013 4/9

5 Pioneiros tem a legitimidade para efetuar a exclusão, processando-se a exposição dos factos junto dos Representantes Legais. Art.º 6 - Autorização e responsabilidades do Representante Legal do Participante 1. A assinatura do termo de responsabilidade pelo Representante Legal afirma a concordância absoluta do presente Regulamento e do programa de atividades da Academia Pioneiros; 2. É da responsabilidade do Representante Legal a chegada do Participante à Academia Pioneiros e a recolha deste; 3. O Representante Legal do Participante é responsável pelas informações mencionadas na ficha de observações médicas, designadamente pelas descritas no nº2 do art. 3º do presente Regulamento; 4. A Academia Pioneiros não se responsabiliza por qualquer acidente, lesão ou dano ocorrido na deslocação dos Participantes e Representantes Legais para a Academia Pioneiros ou no seu regresso a casa. Art.º 7 Serviço de Transporte 1. A Academia Pioneiros é responsável, no caso de escolha deste serviço pelos Representantes Legais, pela deslocação em segurança dos Participantes desde o ponto de recolha definido até à Academia Pioneiros bem como da Academia Pioneiros ao ponto de entrega definido. 2. No serviço de Transporte da Academia Pioneiros, esta se responsabiliza por qualquer acidente, lesão ou dano ocorrido na deslocação dos Participantes para a Academia Pioneiros ou no seu regresso a casa, bem como nas deslocações para as provas oficiais ou de caráter particular. 3. Este serviço só é válido depois da assinatura pelo Representante Legal da Autorização da utilização pelo Participante dos Transportes da Academia Pioneiros, onde visa ser conhecedor na totalidade do Art.º 7 do presente Regulamento Interno. Art.º 8 Atividades 1. Os Treinadores da Academia Pioneiros são responsáveis pela elaboração do plano de treino a levar a efeito, de acordo com os escalões; Imp. 20/2013 5/9

6 2. Os Pioneiros de Bragança Futsal Clube são a entidade organizadora das atividades da Academia Pioneiros; 3. As atividades que se realizam na Academia Pioneiros enquadram-se nas seguintes áreas: 3.1) Desportivas/Competição; 3.2) Lúdicas e de Recreio; 3.3) Dinâmicas de Grupo; 3.4) Culturais; 4. As atividades da Academia Pioneiros, entre outras, tem a grande finalidade de aliar o estímulo cognitivo ao motor, desde atividades de aprendizagem, lúdicas, recreativas, desportivas e culturais; 5. Todos os Participantes terão acesso às atividades de acordo com a sua opção de escolha, a menos que por razões de ordem pessoal ou por indicação devidamente expressa pelos Encarregados de Educação; 6. Os Participantes são divididos por grupos de idade/escalão. Cada grupo tem monitores com qualificação e formação específica para o exercício das funções que desempenha; 7. A Direção da Academia Pioneiros tem o poder de cancelar as atividades em casos excecionais, tais como incêndios, ou outras circunstâncias absolutamente imprevistas. Art.º 9 - Direitos e Deveres da Entidade organizadora Pioneiros de Bragança Futsal Clube 1. Quais os Direitos dos Pioneiros de Bragança Futsal Clube: 1.1) Definir o plano de atividades/treino; 1.2) Definir os locais de realização das atividades propostas; 1.3) Selecionar toda a equipa técnica da Academia Pioneiros: Diretor, Coordenador, Treinador, Equipa Médica e Monitores; 1.4) Exigir aos Participantes o cumprimento do Regulamento Interno e as instruções dadas pelo pessoal técnico; 1.5) Ser informado pelos Representantes Legais dos Participantes, por escrito, sobre quaisquer condicionantes que existam, designadamente quanto à necessidade ou especiais cuidados de saúde a observar; Imp. 20/2013 6/9

7 1.6) Exigir ao coordenador, monitores e pessoal técnico o cumprimento das suas obrigações legais e regulamentares. 2. Quais os Deveres dos Pioneiros de Bragança Futsal Clube: 2.1) Executar o Plano de Atividades/Treino; 2.2) Garantir o acompanhamento permanente dos Participantes; 2.3) Tratar a informação concedida pelos Representantes Legais dos Participantes, respeitando a legislação em vigor relativa à proteção dos dados pessoais; 2.4) Efetuar um seguro de acidentes pessoais a todos os Participantes e equipa técnica; 2.7) Ter atualizado, durante o decorrer da Academia Pioneiros, um ficheiro onde conste: - Cronograma de Atividades/Treino; - Regulamento Interno; - Lista com a identificação dos Participantes e respetiva idade; - Contactos e declaração de autorização dos pais ou Representantes Legais dos jovens menores; - Apólices de seguros obrigatórios; - Contatos das entidades policiais, centro de saúde, hospital, quartel dos bombeiros da área de realização das atividades da Academia Pioneiros; - Ficha sanitária individual, com eventuais condicionantes dos Participantes, designadamente com necessidades de alimentação específicas ou especiais cuidados de saúde a observar; Art.º 10 - Direitos e Deveres do Coordenador e dos Monitores Coordenador 1. O Coordenador é o responsável pelo funcionamento da Academia Pioneiros, cabendo-lhe a direção técnica, pedagógica e administrativa da Academia Pioneiros; 2. Constituem direitos do Coordenador: 2.1) Definir o modo de realização das atividades a realizar; Imp. 20/2013 7/9

8 2.2) Avaliar as condições de exclusão de qualquer Participante que utilize comportamento que afete o normal funcionamento da Academia Pioneiros, ou tenha posto em causa a sua segurança ou a dos restantes Participantes; 2.3) Exigir do pessoal técnico o cumprimento das suas instruções. 3. Constituem deveres do Coordenador: 3.1) Selecionar e coordenar a equipa técnica; 3.2) Executar a gestão financeira do orçamento atribuído para a realização da Academia Pioneiros; 3.3) Contatar com as entidades de saúde, policiais e de proteção civil da área onde se vão realizar as atividades; 3.4) Elaborar o cronograma de atividades/treino e acompanhar a sua execução; 3.5) Garantir a realização da Academia Pioneiros, em função das normas esclarecidas no Regulamento Interno; 3.6) Interceder pela boa conservação dos equipamentos e instalações; 3.7) Garantir o cumprimento das normas de saúde, higiene e segurança; 3.8) Estabelecer contato com o Representante Legal do Participante e disponibilizar toda a informação pertinente; Monitores/Treinadores/Diretores/Equipa Médica 1. Compete aos monitores/treinadores/diretores/equipa médica acompanhar os Participantes durante as atividades da Academia Pioneiros, de acordo com o previsto no respetivo cronograma de atividades/treino. 2. Constituem direitos dos Monitores/Treinadores/Diretores/Equipa Médica: 2.1) exigir aos Participantes o cumprimento do Regulamento Interno, bem como as instruções que lhes são dadas; 2.2) receber instruções do coordenador sobre as atividades a desenvolver. 3. Constituem deveres dos Monitores/Treinadores/Diretores/Equipa Médica: 3.1) acompanhar os Participantes durante as atividades/treino, prestando-lhes todo o apoio e auxílio de que necessitem; Imp. 20/2013 8/9

9 3.2) cumprir e assegurar o cumprimento, pelos Participantes, das normas de saúde, higiene e segurança; 3.3) certificar a adequação e as condições de conservação e de segurança dos materiais a utilizar pelos Participantes, bem como zelar pela manutenção dessas condições. Art.º 10 Disposições Finais - Casos omissos Todos os casos omissos ou dúvidas sobre o teor do presente Regulamento Interno, serão analisados e tratados pela Direção da Academia Pioneiros.

ACADEMIA PIONEIROS Férias

ACADEMIA PIONEIROS Férias sempre a mexer (regime OCUPAÇÃO ABERTA) Regulamento Interno Férias 2013 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Pioneiros e seus parceiros, em regime fechado;

Leia mais

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EUZINHO ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EUzinho Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais

CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS

CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS - 2015 - PROJETO DINAMIZADO PELA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE ESPINHO REGULAMENTO Espinho, 4 de Maio de 2015 INDICE 1. Entidade responsável pela organização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 CAPITULO I NATUREZA, FINS E OBJETIVOS A empresa de consultoria e assessoria de eventos PORMENOR MÁGICO, com sede em Guimarães juntamente com a empresa

Leia mais

REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015

REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015 REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015 PROJETO CONTINUAR SEMPRE A MEXER PROJETO NOVOS HORIZONTES 1 Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Âmbito As normas definidas no presente Regimento Interno visam estabelecer

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Natal na desportiva Programa de ocupação de tempos livres Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - município de Loures 1 a) O Programa de ocupação de tempos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS

REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS PREÂMBULO O Projeto Pedagógico da União de Freguesias de Sacavém e Prior Velho foi elaborado ao abrigo da Legislação em vigor (Decreto-Lei 32/2011, de 07 de Março),

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O Presente Regulamento estabelece as condições

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo

Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo Exposição dos Motivos Do conjunto das atribuições que estão confiadas aos Municípios destacam-se as intervenções nas áreas de tempos livres e

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Introdução 1. As Autarquias locais desempenharam ao longo dos últimos anos um papel insubstituível no desenvolvimento

Leia mais

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO As presentes Normas têm por objetivo regulamentar as questões de funcionamento das Atividades a realizar nos períodos de

Leia mais

A Coordenação de Estágios informa:

A Coordenação de Estágios informa: A Coordenação de Estágios informa: I Informações gerais e Dúvidas frequentes sobre o Estágio: Tudo que você precisa saber sobre a nova lei de estágio 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

natura Campo de ferias surf adventures acampamento Verao 2010 Programa de Ocupação de Tempos Livres naturasines actividades de ar livre

natura Campo de ferias surf adventures acampamento Verao 2010 Programa de Ocupação de Tempos Livres naturasines actividades de ar livre acampamento Verao 2010 naturasines actividades de ar livre Programa de Ocupação de Tempos Livres Vem apanhar umas ondas connosco! A Naturasines, propõe um Programa de Férias em regime de acampamento, a

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO

MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA COORDENAÇÃO DE INTERAÇÃO SERVIÇO ESCOLA-EMPRESA MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO COLINAS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Bacharelado em Administração Modalidade a Distância é uma

Leia mais

Regulamento de Estágio/Projeto do Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial

Regulamento de Estágio/Projeto do Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial Regulamento de Estágio/Projeto do Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto Politécnico do Porto CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO

Leia mais

3. O que é estágio não obrigatório? É uma atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória. ( 2º do art. 2º da Lei nº 11.

3. O que é estágio não obrigatório? É uma atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória. ( 2º do art. 2º da Lei nº 11. 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, define o estágio como o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal Capítulo I ASPECTOS GERAIS Artigo 1.º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece um conjunto de normas a serem observadas e cumpridas pelos

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios Freguesia de Fátima Índice Nota justificativa... 2 Capítulo I - Disposições gerais... 2 Artigo 1.º Lei habitante... 2 Artigo 2.º Objeto... 3 Artigo 3.º Âmbito

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Seguro Escolar

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Seguro Escolar MANUAL DE PROCEDIMENTOS Seguro Escolar Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Setembro de 2014 O Seguro Escolar constitui um sistema de proteção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência,

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE ESTÁGIO

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE ESTÁGIO DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE ESTÁGIO 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA . Cria e regula a Gincana Nacional de Economia. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso de suas atribuições legais e regulamentares conferidas pela Lei 1.411, de 13 de agosto de 1951, Decreto 31.794, de

Leia mais

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo.

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. ATO 994/07 Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. Considerando a Lei Federal nº 6.494, de 07/12/1977, que dispõe sobre o estágio de estudantes de ensino superior,

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, constituído pelo recinto de jogos principal, ginásio e sala de musculação, é propriedade da

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08 MANUAL DE ESTÁGIOS Lei de estágio 11.788/08 O QUE É ESTÁGIO O estágio tem por finalidade proporcionar a complementação da formação acadêmica e permite que o estudante tenha acesso ao campo de sua futura

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIOS SOCIAIS A CIDADÃOS RESIDENTES NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA Artigo 1.º (Objeto) O presente Regulamento define a natureza, os objetivos e as condições de atribuição

Leia mais

4912 Diário da República, 1.ª série N.º 168 30 de agosto de 2012

4912 Diário da República, 1.ª série N.º 168 30 de agosto de 2012 4912 Diário da República, 1.ª série N.º 168 30 de agosto de 2012 Cláusula 4.ª Competências reconhecidas à escola Com o presente contrato, o Ministério da Educação e Ciência reconhece à escola as seguintes

Leia mais

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-VELHO. Regulamento da Utilização do Centro de Alto Rendimento (CAR) NOTA JUSTIFICATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-VELHO. Regulamento da Utilização do Centro de Alto Rendimento (CAR) NOTA JUSTIFICATIVA Regulamento da Utilização do Centro de Alto Rendimento (CAR) NOTA JUSTIFICATIVA O Desporto de Alto Rendimento reveste-se de especial interesse público na medida em que constitui um importante fator de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

TENNIS CLUB DA FIGUEIRA DA FOZ Escola de Ténis

TENNIS CLUB DA FIGUEIRA DA FOZ Escola de Ténis De acordo com o art.º 2º dos estatutos deste clube, o Tennis Club da Figueira da Foz tem uma que se rege pelo presente regulamento. 1. A funciona nas instalações do clube, sito na Avenida 25 de Abril,

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida.

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida. I Entidade Organizadora AFUM Associação de Funcionários da Universidade do Minho (AFUM), Campus de Gualtar, 4710-057 Braga, Contribuinte n.º 503595772, número de registo 65/DRN. II Objectivo e caracterização

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria de Estado de Cultura SEC/MT Biblioteca Publica Estadual Estevão de Mendonça

ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria de Estado de Cultura SEC/MT Biblioteca Publica Estadual Estevão de Mendonça REGULAMENTO DA POLÍTICA DE EMPRESTIMO DOMICILIAR CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO A Biblioteca Pública Estadual Estevão de Mendonça (BPEEM) criada pelo decreto n.º 307, de 26 de março de 1912, regulamentada

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente instrumento

Leia mais

DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO

DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PROJETO ALUNO EMPREENDEDOR DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO São Paulo 2015 PROJETO ALUNO EMPREENDEDOR DOCUMENTO NORTEADOR

Leia mais

Regulamento de Visitas de Estudo e Intercâmbios Escolares

Regulamento de Visitas de Estudo e Intercâmbios Escolares Cod. 152602 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Regulamento de Visitas de Estudo e Intercâmbios Escolares REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESC0LARES I - DEFINIÇÕES 1.1. Considera-se Visita

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objeto O presente Procedimento

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS agrupamento de escolas da abelheira VIANA DO CASTELO MANUAL DE PROCEDIMENTOS seguro escolar ÍNDICE Preâmbulo 2 Acidente Escolar 2 Procedimento Inicial 3 Preenchimento de Impressos 3 Assistência Médica

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO E DESPORTO

CENTRO DE ESTUDO E DESPORTO NOTA INTRODUTÓRIA Desde há muito que entendemos, no Clube de Ténis de Sassoeiros, que à formação académica dos nossos jovens deverá corresponder uma formação desportiva que contribua para o seu crescimento

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

Regulamento de Formação da B-Training, Consulting

Regulamento de Formação da B-Training, Consulting Regulamento de Formação da B-Training, Consulting Desde já seja bem-vindo à B-Training, Consulting! Agradecemos a sua preferência e desejamos que o Curso corresponda às suas expectativas e que obtenha

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

NORMA PROCEDIMENTAL CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 20.01.005 1/10 1. FINALIDADE Formalizar e disciplinar os procedimentos para a concessão de bolsas de extensão universitária destinadas a discentes da UFTM, oriundas de recursos financeiros da própria instituição.

Leia mais

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 265/XII Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n.ºs 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de maio A Assembleia

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MONITORIA 2013.1

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MONITORIA 2013.1 A Faculdade Unida da Paraíba, mantida pela Sociedade Paraibana de Educação e Cultura ASPEC com sede em João Pessoa, PB, torna públicas as regras de funcionamento do sistema de Monitoria no Curso de Graduação,

Leia mais

Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio FAN - CEUNSP SALTO. Campus V

Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio FAN - CEUNSP SALTO. Campus V Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio FAN - CEUNSP SALTO Campus V Regulamento Interno de Estágio Supervisionado e ou Trabalho Pedagógico Supervisionado FAN-CEUNSP-SALTO -Campus V O presente

Leia mais

PROGRAMA CULTURA SOCIAL PROJETO FÉRIAS DESPORTIVAS 2016 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

PROGRAMA CULTURA SOCIAL PROJETO FÉRIAS DESPORTIVAS 2016 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO PROGRAMA CULTURA SOCIAL PROJETO FÉRIAS DESPORTIVAS 2016 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO I - PROMOÇÃO Este projeto encontra-se inserido no Programa Cultura Social, programa de Voluntariado e Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA (AAAF) CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 93.º/E

ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA (AAAF) CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 93.º/E ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA (AAAF) CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 93.º/E Âmbito O presente Título destina-se a regular o funcionamento dos serviços de atividades de animação e apoio

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

1.1 1.2 III VI. VII VII 2.1 2.2 2.3

1.1 1.2 III VI. VII VII 2.1 2.2 2.3 EDITAL 50/2012 O Diretor-Geral da Secretaria de Estado da Educação, no uso das atribuições legais, com base na Resolução n.º 933/2010, e considerando a necessidade de contratar professores para atuarem

Leia mais

Regulamento. Escola de Ciclismo CCMC

Regulamento. Escola de Ciclismo CCMC Regulamento Escola de Ciclismo CCMC I Disposições Gerais 1.º Objetivo A de Macedo de Cavaleiros tem como objetivo principal contribuir para a criação de um espaço de lazer e ocupação dos tempos livres

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta no fomento de medidas de apoio ao

Leia mais

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A.

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. Janeiro 2014 Enquadramento A promoção da melhoria contínua da qualidade de serviço no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES REGIMENTAIS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES REGIMENTAIS 1 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES REGIMENTAIS Art. 1º - Este Regimento Interno estabelece processos e procedimentos necessários ao funcionamento e administração da COOPERATIVA e se regula

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

REGULAMENTO DO AUDITÓRIO DA CASA DO ESTUDANTE DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DO AUDITÓRIO DA CASA DO ESTUDANTE DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Regulamento do Auditório da Casa do Estudante 2012 REGULAMENTO DO AUDITÓRIO DA CASA DO ESTUDANTE DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Preâmbulo O Auditório da Casa do Estudante constitui um

Leia mais

Campo de Férias - FUBI

Campo de Férias - FUBI Campo de Férias - FUBI Regulamento Interno O presente regulamento dos campos de férias FUBI, pretende definir os direitos, deveres e regras a observar por todas as pessoas que envolvem as atividades, para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º. Os estágios obrigatórios ou não-obrigatórios, de estudantes de curso de graduação da Universidade do

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias desempenham um papel fundamental no desenvolvimento desportivo e no incremento da prática desportiva, devido

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-060 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2016 CBAt

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2016 CBAt EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2016 CBAt A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CBAt, associação civil de natureza desportiva, sem fins econômicos, com sede na Rua Jorge Chammas, 310, Vila

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Não será de responsabilidade da ACADEMIA qualquer tipo de acidente que ocorra durante a prática de atividade física.

Não será de responsabilidade da ACADEMIA qualquer tipo de acidente que ocorra durante a prática de atividade física. REGRAS BÁSICAS O aluno tem o direito, desde que devidamente cadastrado no Plano contratado e com o pagamento em dia, de freqüentar as aulas oferecidas pela Academia. Os horários e profissionais serão definidos

Leia mais

"CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA" CADERNO DE ENCARGOS

CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA CADERNO DE ENCARGOS "CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA" CADERNO DE ENCARGOS ARTIGO 1.º OBJETO O presente Caderno de Encargos diz respeito

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES Aprovado em 26 de março de 2013 0 ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESC0LARES

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

PADEL SEGURO DESPORTIVO ÉPOCA 2016 (ACIDENTES PESSOAIS) Manual de Procedimentos E Serviços Médicos Convencionados 1/7

PADEL SEGURO DESPORTIVO ÉPOCA 2016 (ACIDENTES PESSOAIS) Manual de Procedimentos E Serviços Médicos Convencionados 1/7 PADEL SEGURO DESPORTIVO ÉPOCA 2016 (ACIDENTES PESSOAIS) Manual de Procedimentos E Serviços Médicos Convencionados 1/7 Padel SEGURO DESPORTIVO ÉPOCA 2016 Manual de Procedimentos e Serviços Médicos Convencionados

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais