DESMATERIALIZAÇÃO E ASPECTOS JURÍDICOS. (*) João Batista Caldeira de Oliveira Júnior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESMATERIALIZAÇÃO E ASPECTOS JURÍDICOS. (*) João Batista Caldeira de Oliveira Júnior"

Transcrição

1 DESMATERIALIZAÇÃO E ASPECTOS JURÍDICOS (*) João Batista Caldeira de Oliveira Júnior Partindo-se da premissa de que com a globalização houve um extraordinário desenvolvimento tecnológico: como lidar juridicamente com esse fenômeno? como regulamentar certas matérias, por natureza difíceis de serem regulamentadas, como é o caso do comércio eletrônico, e-business ou e-commerce ou mesmo aspectos jurídicos da desmaterialização nos títulos virtuais? É interessante notar que tais avanços tecnológicos ocorreram, em regra, por intermédio do desenvolvimento de um importante instrumento: o computador. Este, funcionando como "engrenagem" necessária para novas descobertas vem deixando rastros de sua contribuição, direta ou indiretamente, em todas as áreas do conhecimento -humano. Expansão do chamado comércio eletrônico ou e-commerce. Hoje: milhares de transações on line são efetivadas instantaneamente por pessoas e empresas em diversas áreas do globo. O avanço nos meios de comunicação está sendo o grande responsável pelo incrível progresso em todos os níveis do conhecimento. A informação, em se tratando de internet, tem se transformado em uma verdadeira mercadoria onde são considerados dois elementos que se complementam: o conteúdo e a forma. A valoração de tais elementos faz com que a informação passe a constituir um verdadeiro bem jurídico, merecendo toda a tutela legal como os demais bens jurídicos de maneira geral. [1] O artigo 48 do nosso código civil, datado de 1916, reza que são considerados móveis, para fins legais, os direitos de obrigação (inciso II) e os direitos de autor (inciso III). Ora, podemos considerar a informação como um bem jurídico da categoria dos móveis. É a própria lei que os classifica dessa forma. Como bem lembrar a professora Maria Helena Diniz, [2] a propriedade imaterial também é coisa móvel e abrange aquele direitos que advém do poder de criação do indivíduo. O uso ilícito ou lícito da informação no meio da informática tem levantado problemas na seara jurídica. Não cabe, em nosso entender, aqui discutirmos as vicissitudes que a tecnologia trará ao meio jurídico, mas é certo que o legislador há de estar preparado para as mais diversas conseqüência de ordem jurídica advindas do meio virtual. Em 1980, foi adotado pelo Conselho da Europa um controle para a proteção de caráter pessoal de informações. A circulação das informações, idéias é conhecido como fluxo de dados transfronteiras ou simplesmente (FDT), como bem lembra Liliana Minardi Paesani.[3] DIREITO COMERCIAL PROPRIAMENTE DITO Em relação ao direito comercial propriamente dito, já ressalvava Tullio Ascarelli (1969), na obra Teoria Geral dos Título de Crédito, que nos encontramos em uma economia creditória e nela os títulos de crédito constituem a construção mais importante do direito comercial moderno. SÃO ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DO CRÉDITO:

2 A CONFIANÇA; (no sentido de que, ao entregar um bem ao devedor, o credor demonstra confiar que o devedor pague ou devolva, no prazo acertado); O TEMPO; (no sentido de que nas relações comerciais sempre há um período de tempo mediando entre a entrega do bem e sua devolução para pagamento); O grande comercialista Vivante, 1904, em sua célebre definição de títulos de crédito dizia: título de crédito É o documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele mencionado". Princípios gerais dos títulos de crédito (características). São três os princípios clássicos informadores do regime jurídico cambial: cartularidade, literalidade e autonomia. A cartularidade dos títulos cambiários é a condição exigida para que o credor de um título de crédito possa exercer os direitos cambiários contidos no documento. Daí a necessidade do apossamento físico (posse) de tal documento. (cártula). Outro princípio é o da literalidade, segundo o qual os atos jurídicos não instrumentalizados na própria cártula não teriam eficácia frente ao direito cambiário e suas relações. Assim, o que não estivesse expressamente consignado no título de crédito não teria o condão de produzir conseqüências no mundo das relações jurídico-cambiais. Por fim, o princípio da autonomia estabelece que as obrigações representadas por um mesmo título de crédito são independentes entre si. De ver-se, contudo, que a CIRCULABILIDADE é também um fator característico e peculiar dos títulos de crédito, de fundamental importância prática. MAS QUAL O OBJETIVO DE TODO ESSE REGIME JURÍDICO? Todo esse regime teve por escopo a tutela do próprio crédito comercial e a garantia da circulabilidade do crédito como um todo. Não obstante, para certa doutrina todo esse mecanismo tende a tornar-se obsoleto frente às novas descobertas da tecnologia, notadamente na circulação virtual dos créditos, possibilitada em função da internet. No título de crédito clássico, o direito materializa-se no documento, sendo imprescindível a posse física ou material da cártula para se poder fazer valer os direitos nela mencionados. Tal idéia hoje deve ser revista, na medida do surgimento de meios modernos de comunicação de dados, principalmente através do meio magnético e internet. Esta materialização tende ao constante e crescente desaparecimento ou descartularização, como dizem alguns comercialistas. Os títulos de crédito, que tiveram como marco de surgimento a Idade Média, idealizados como instrumentos destinados à possibilitar a circulação do crédito, têm paulatinamente perdido seu vigor, justamente com os avanços nas telecomunicações, notadamente no setor da informática. De fato, após terem cumprido sua função precípua, ao longo do tempo, tais documentos convergem, segundo parte da doutrina, de maneira inequívoca, inexorável no sentido de sua extinção, como instituto jurídico. O direito cambiário, por certo, sofrerá grandes mudanças, notadamente em razão da rapidez que hoje flui o crédito. Tudo isso se dá, principalmente, por causa da grande utilização dos processos magnéticos para obtenção das informações. O fenômeno da desmaterialização dos títulos de crédito é hoje realidade não somente em nível do direito comparado, mas notadamente em nosso próprio direito. Trata-se de um dos traços da globalização. A nova tendência, apontada pela doutrina

3 pátria, da descartularização dos títulos faz ruir antigos dogmas referentes a princípios secularmente adotados, como é o caso do princípio da cartularidade. Antigos e respeitados conceitos devem ser reavaliados, ou pelo menos rediscutidos em nível científico, na medida que a explosão de tecnologia avança nos meios de comunicação. A desmaterialização, no registro da circulação do crédito em meio magnético, fez com que determinados preceitos do direito perdessem sobremaneira a importância. Conceitos cambiários como os princípios da Cartularidade, da literalidade, distinção entre atos "em branco" e "em preto" vêm perdendo o destaque que sempre tiveram no âmbito do direito comercial. Mas como adaptar-se à nova realidade? Existe Legislação já a respeito desse novo ramo do direito (direito da Informática)? SOBRE O ELEMENTO SEGURANÇA: Com relação à segurança em suportes magnéticos e eletrônicos, em 1976, criou-se uma técnica conhecida por criptografia assimétrica ou - como também é chamada - criptografia de chave pública, possibilitando abrir-se um precedente no meio jurídico para o início da conscientização do conceito de documento eletrônico, particularizando-o do tradicional conceito de documento, que sempre foi corporificado no meio papel. [OBS: NA REALIDADE A CRIPTOGRAFIA É MUITO ANTIGA, E FOI MUITO USADA NAS PRIMEIRAS E SEGUNDAS GUERRAS MUNDIAIS. TAMBÉM ATÉ HOJE É UTILIZADA PELO PENTÁGONO, NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA] Criptografia de Chave Pública (exemplo prático) A Criptografia de chave Pública, portanto, também conhecida como Criptografia Assimétrica, usa um par de chaves, uma chave pública e uma chave secreta. A chave pública é usada para criptografar uma mensagem que só a chave secreta correspondente pode descriptografar. A chave pública é feita para ser distribuída, enquanto a chave secreta não deve ser distribuída. Mesmo que as chaves sejam relacionadas, é matematicamente impraticável derivar uma chave da outra. EXEMPLO DE TEXTO CRIPTOGRAFADO SERIA ALGO COMO: -----BEGIN PGP PUBLIC KEY BLOCK----- Version: GnuPG v1.0.0 (GNU/Linux) Comment: For info see mqgibdfygxcrbaclzpk+9kxwe4njl2b4z3ytyifxwegfteju3fm4u//cqwqanxvk gvry0gmhunkxfj2yk+bfkcjanmrzbskctzxso27cv63taqw8onkwyzdthifkvpb2 Srsh3ipp+qOcmk1IQXu5hmL80Xx2F0Wwl95p8uLeCkepBVC8gr4awpRHswCgz3YR EfUAhjYPgklzGdqkKxUD23MEAJAF5GYXwVxfzPZcgxOs1jpUel60wLXXQaDRmJ7i mlhbwu/j6dmdei0taswrtgt8ms90/pybj1ssrzh7sqcwtuysmjypx/beiqhnwztn I/TXSC8Wn+SPXcqTPIEEZnJJuZTWFujoHzZgu3ARqtDFMi7Rt3SPCFRBrTwoykZX ztxma/9kgamqkdo9wpxrr9uxi5stx3bmripbi/msk3pxcxo2a5eaqadsvb/83jow 3rpApg/9HL6HwGMO6Qbh55rjbpBkaH0q0VK52aTt259PqtbE86jiPNxo3XR62UH2 bhwfanm6ipbq+ee7vqmglto5wbiljykkx+q5fvy9o7vbjsyej7qkumljacbkyw5r b3dza2kgphjpy2hac2f0dxjubgluay5jb20+ifueexecabufajfygxcdcwodaxud AgMWAgECF4AACgkQhSdZBHa/b61NXACgnfDwwAg3Oc/pFTFLajsJETx52K4AoK1f +izccmhkgd3nqhcqxrh5diefuqenbdfygyaqbad6lucmmwlreffkhard2svnfnwg g48zu5q4ef1w03r+nlwbbocxocsthyhny1pqxwawzsb3yahmgghy8qhlckovcmse Qp8IjFzykt+dWzyOwRcxa9Kpo3KxD2pFzU8feQzW9F7LVv+j5SxJsPijrxjeeE0X nsr9q8mytlrd7e8/4wadbgp/v+gwrei9uds/io2vdve6h9p7m1myu8negvjoofeo IEVJoZgu+wuaJ+m3IhABzcS8ZlDZ481hwjBT9RmLB0pyNqHQyamvGsZVvAdzNIll

4 JMjhCxOTBNWI5A1dI2C9y4lBz/7En97k0JswsLSHsTS2+4RkdfVjHW2jjP0Kl7AF 8uGIRgQYEQIABgUCN9iDIAAKCRCFJ1kEdr9vrVNeAKC4fcHmplnjr+DXV6WLdAY+ ud4otgcgnir2jq2fflmu/u63bwtk6pmmn2c= =Unun -----END PGP PUBLIC KEY BLOCK----- fonte: acesso em: Um exemplo de utilização poderia ser o seguinte: JOÃO torna sua chave pública disponível para o mundo colocando-a em seu website, enviando por para amigos, etc. Se desejo enviar uma mensagem criptografada a JOÃO, uso o GnuPG com a chave pública de JOÃO para criptografar a mensagem, passando a mensagem de texto simples (plaintext) para texto criptografado (ciphertext). Uma que a mensagem esteja criptografada, somente a pessoa que possui a chave secreta de JOÃO pode descriptografar a mesma. Uma vez criptografada a mensagem para JOÃO, eu não posso derivar a mensagem original do ciphertext. Sem acesso à chave secreta de JOÃO, a única forma de descriptografar a mensagem é usando um ataque de força bruta. Um ataque de força bruta vai exigir que toda chave possível seja testada para descriptografar a mensagem. E consome o equivalente computacional a bilhões de mainframes durante trilhões de anos. Garantir que a chave secreta de JOÃO não seja comprometida é essencial para manter suas mensagens seguras. Com essa técnica é possível gerar assinaturas pessoais de documentos eletrônicos, uma vez que a chave particular do usuário é difícil ser violada. As assinaturas digitais geradas desta forma acabam por vincularem-se ao próprio documento eletrônico que, ante a menor alteração, a assinatura se torna inválida. Com isso, permite-se apontar a autoria do documento, evitando-se ou, pelo menos, minorando a possibilidade de fraudes no meio eletrônico. EXEMPLO DA UTILIZAÇÃO NOS TÍTULOS DE CRÉDITO (DUPLICATA VIRTUAL) Numa hipótese imaginária vamos supor que: O comerciante x venda e entregue uma mercadoria a y. x saca uma duplicata virtual contra y, gerando nos computadores um registro correspondente à duplicata mercantil sacada contra x (comprador), e após, lança a operação no Livro de Registro de Duplicatas. x assinada eletronicamente o registro eletrônico da duplicata, utilizando de uma chave privada (valendo-se da chamada criptografia), enviando-a por EDI eletronic data interchange, ou seja, intercomunicação eletrônica de dados ao comprador y no sentido que ele aceite. O Título está, dessarte, assinado eletronicamente pelo emitente. y receberá, por intermédio do EDI um recibo eletrônico da operação toda. Por intermédio desse sistema EDI e com a utilização da criptografia seria admissível, em tese, endossos a avais, todos se valendo da assinatura digital (havendo como pressuposto ou condição sine qua non que o sistema é dotado de segurança). Toda essa operação ainda, segundo alguns como, v.g., PAULO FRONTINI poderia se dar com a ingerência da autoridade certificadora que intermediaria todas essas operações (órgão custeador). Como ter a certeza e segurança de que o conteúdo da informação não foi alterado (modificado) durante a veiculação da mesma? COMO RESOLVER O PROBLEMA DA AUTENTICAÇÃO DOS DOCUMENTOS ELETRÔNICOS?, CERTAS TÉCNICAS TÊM SIDO DESENVOLVIDAS, COMO É O CASO DA ASSINATURA DIGITAL. NAS PALAVRAS DE CARLOS ALBERTO ROHRMANN: Assinatura digital...nada mais é do que um identificador que é acrescido a um determinado pacote de dados digitais,

5 gerado por uma chave privada de assinatura do assinante e que só será decodificado por uma chave pública associada àquele assinante e garantida por uma autoridade de certificação, que faz a identificação das partes e a posterior certificação, emitindo certificados de autenticidade da chave pública utilizada. Ainda, segundo o autor, Autoridade certificadora é um órgão público ou privado, que procura preencher a necessidade de uma terceira parte de confiança no comércio eletrônico que fornece certificados digitais, atestando algum fato acerca do sujeito do certificado. Essas autoridades equivalem-se aos cartórios como são conhecidos hoje. A função então dessas Autoridades Certificadoras é basicamente em emitir certificados. A assinatura digital é obtida através de uma complexa operação matemática, tendo como componentes dois elementos: o documento eletrônico e ; a chave privada. Esta última, somente é de conhecimento do usuário do sistema. Relativamente ao problema da conferência de assinaturas, diferentemente do que se dá com a conferência de documentos comuns (meio papel), a conferência da assinatura digital é feita com o uso da chave pública (public domain), que se compara com a chave privada: a alteração do documento ( fraude ) pode ser verificada se ao comparar-se os documentos não ocorrer perfeito sincronismo das resultantes matemáticas. Os projetos de lei que tramitam hoje no Congresso Nacional dispõem sobre o papel do tabelião virtual, que é o encarregado, por força de lei, em realizar a conferência das assinaturas eletrônicas. EM TERMOS DE LEGISLAÇÃO (Direito Positivo) O QUE TEMOS? Como o tema é recente inexistem praticamente regulamentações jurídicas. cabe a nós, operadores do direito, desenvolvermos técnicas legislativas para assegurarmos direitos como: o do consumidor (por exemplo nos contratos eletrônicos, o direito autoral (copy right do direito norte americano etc). O paradigma legislativo, por exceção histórica em matéria jurídica, é necessariamente o direito norte americano pelo simples fato de que os EUA foram o berço do desenvolvimento da Internet como hoje a conhecemos. O meio eletrônico está sendo muito utilizado ultimamente na área tributária, pela Receita Federal, para a declaração, por exemplo do Imposto de Renda; os bancos têm cada vez mais se utilizado do meio eletrônico e da internet para diminuir custos e aumentar a operacionalidade. O Comércio, de maneira geral, está cada vez mais utilizando-se da internet para compra e venda de mercadorias e prestação de serviços O Brasil já conta com 8 milhões de internautas e com a perspectiva de movimentar U$2,7 bilhões no comércio eletrônico até As perspectivas otimistas do sucesso de negócios através da rede crescem a cada dia. Estudos concluem que a presença virtual pode significar a sobrevivência da própria empresa. Para o consumidor estima-se que as compras pela internet chegam a ser 15% mais baratas que as demais. Para o fornecedor a redução dos custos associados à estrutura de vendas podem ser até 80% menores. PORTANTO, É FUNDAMENTAL O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE TODO UM APARATO LEGISLATIVO PARA QUE TODOS POSSAM EXIGIR SEUS DIREITOS OU PROTEGÊ-LOS; ALIÁS, COMO ESTAMOS DIANTE DE UM FENÔMENO GLOBALIZADO, FAZ- SE MISTER UMA HARMONIZAÇÃO LEGISLATIVA E DE UMA LEI MODELO (HOJE A UNCITRAL ( United nations Commision on Iternational trade law ) QUE SIRVA DE PARADIGMA PARA TODOS OS ESTADOS. DAS LEIS:

6 * NOS EUA: ANO 2000 Nos EUA segue a discussão a respeito das transações eletrônicas com o objetivo de se estabelecer regras uniformes. Destaca-se a denominada Uniform Computer Information Transactions Act (UNCITRAL), com a participação de diversos representantes da sociedade civil, de advogados e do próprio Governo Federal. Mas ante `a inexistência de uma lei uniforme regulamentadora, os EUA, notadamente nos Estados da Califórnia e de Washington editaram suas leis em 1998, iniciando, juridicamente, o processo de regulamentação da matéria, dos interesses principalmente comerciais e dos consumidores desses tipos de serviços. - Destaque: Decreto S 1618, de 21 de outubro de A chamada e-sign Bill S761 aprovada agora recentemente (Julho de 00) regulamenta o comércio eletrônico, as reproduções digitais e prevê a utilização da ASSINATURA ELETRÔNICA. NA ARGENTINA: há o decreto 427/98, publicado no Boletim Oficial de 21 de abril de 1998 e prevê o uso da firma digital em toda a Administração Pública da Argentina (Nacional). Veja que a Argentina, relativamente `a utilização dos meios digitais, está na vanguarda. La ley de Cheque Argentina (24.452).- O artigo 2º, no inciso 6º dessa lei estabelece que el Banco Central autorizará el uso de sistemas electrónicos de reproducción de firmas o sus sustitutos para el libramiento de cheques, en la medida que su implementación asegure la confiabilidad de la operación de emisión y autenticación en su conjunto, de acuerdo con la reglamentación que el mismo determine. No âmbito da Argentina 3 serviços de forma eletrônica são prestados de forma freqüente: A) Compensación electrónica de Cheques y Truncamiento B) Débito Direto (Aqui este serviço propicia que uma empresa estabeleça conexão eletrônica on line a um banco do sistema podendo com isso debitar quantias da conta de um consumidor final. (É contratual o serviço. Havendo taxas de manutenção). No Brasil há esse tipo de serviço prestado pelas Instituições financeiras. C) Transferências EUROPA: na Europa a regulamentação da matéria tem seguido no mesmo sentido, ou seja, em conformidade com as recomendações que se depreendem nas guidelines for consumer Protection in the context of Eletronic Commerce, com edição em 1999, visando a proteção do consumidor on line. EM PORTUGAL: O decreto-lei 290-D de 2 de agosto de 1999 dispõe sobre a assinatura digital. Obs: No artigo 2º desse diploma alguns incisos estabelecem algumas definições tais como: c) Assinatura digital: processo de assinatura electrônica baseado em sistema criptográfico assimétrico composto de um algoritmo ou série de algoritmos, mediante o

7 qual é gerado um par de chaves assimétricas exclusivas e interdependentes, uma das quais privada e outra pública, e que permite ao titular usar a chave privada para declarar a autoria do documento electrónico ao qual a assinatura é aposta e concordância com o seu conteúdo, e ao declaratário usar a chave pública para verificar se a assinatura foi criada mediante o uso da correspondente chave privada e se o documento electrónico foi alterado depois de aposta a assinatura; d) chave privada: elemento do par de chaves assimétricas destinado a ser conhecido apenas pelo titular, mediante o qual se apõe a assinatura digital no documento electrónico, ou se decifra um documento electrónico previamente cifrado com a correspondente chave pública; e) chave pública: elemento do par de chaves assimétricas destinado a ser divulgado, com o qual se verifica a assinatura digital aposta no documento electrónico pelo titular do par de chaves assimétricas, ou se cifra um documento electrónico a transmitir ao titular do mesmo par de chaves. i) certificado de assinatura: documento electrónico autenticado com assinatura digital e que certifique a titularidade de uma chave pública e o prazo de validade da mesma chave O artigo 7º, que fala sobre as assinaturas digitais dispõe que: a aposição de uma assinatura digital a um documento electrónico ou a uma cópia deste equivale à assinatura autógrafa dos documentos com forma escrita sobre suporte papel... O artigo 12 (que fala sobre a Credenciação da entidade certificadora) dispõe: será concedida a credenciação de entidades certificadoras de assinaturas digitais, mediante pedido apresentado `a autoridade credenciadora, a entdidade que satisfaçam os seguintes requisitos: Estejam dotadas de capital e meios financeiros adequados; Dêem garantias de absoluta integridade e independência... Disponham de recursos técnicos... Mantenham contrato de seguro válido...; [e outros requisitos específicos] O artigo 29 dispõe sobre a Emissão das chaves e dos certificados pela autoridade certificadora. Obs: O certificado de assinatura inclui vários elementos tais como : validade, conteúdo, as chaves pública e privada, o número de série do certificado, etc. NA COLÔMBIA: ley 527 de agosto de 1999: regulamenta o uso de mensagens de dados. O comércio eletrônico e as firmas digitais e se estabelece as entidades de certificação. Obs: no artigo 3º, também se verifica a preocupação de se estabelecer uma uniformidade no tratamento dessa nova matéria : interpretación: en la interpretación de la presente ley habrán de tenerse em cuenta su origen internacional, la necessidad de promover la uniformidad de su aplicación y la observancia de la buena fe. A partir do artigo 28 a lei estabelece toda a regulamentação necessária sobre as firmas digitais, certificados e as entidades certificadoras. NO BRASIL: O anteprojeto, baseado no modelo da UNCITRAL e na diretriz da União Européia, dispõe sobre o comércio eletrônico, a validade jurídica do documento eletrônico

8 e a assinatura digital.projeto de lei 1589/99 (projeto da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional São Paulo), encontra-se apensado ao projeto de n. 1483/99, do Deputado Federal Luciano Pizzato. PROJETO N. 1589/99 Com 52 artigos : fala em síntese: do comércio eletrônico; do contrato eletrônico (artigo 6 ); das normas de defesa do consumidor (artigo 13); um título inteiro sobre DOCUMENTOS ELETRÔNICOS (artigo 14 e ss.); obs: há a previsão inclusive do problema da falsidade de documentos eletrônicos (artigo 21); certificados eletrônicos; (artigo 24); certificação eletrônica pelo tabelião; (artigo 25); da autenticação eletrônica (artigo 33); registros eletrônicos (como é feito o registro desses documentos) (artigo 36); das autoridades competentes; (artigo 37); das sanções administrativas (artigo 41); das sanções penais (artigo 43); Segundo o projeto: TÍTULO I - DEFINIÇÕES GERAIS Capitulo I - Do âmbito de aplicação Art. 1º - A presente lei regula o comércio eletrônico, a validade e o valor probante dos documentos eletrônicos, bem como a assinatura digital. Art. 2º - A interpretação da presente lei deve considerar o contexto internacional do comércio eletrônico, o dinâmico progresso dos instrumentos tecnológicos, e a boa-fé das relações comerciais. Art A certificação da chave pública, feita pelo tabelião na forma do Capitulo II do Titulo IV desta lei, faz presumir sua autenticidade. Art.17 - A certificação de chave pública, feita por particular, prevista no Capitulo I do Titulo IV desta lei, é considerada uma declaração deste de que a chave pública certificada pertence ao titular indicado e não gera presunção de autenticidade perante terceiros. TÍTULO IV- CERTIFICADOS ELETRÔNICOS Capítulo I - Dos certificados eletrônicos privados Art Os serviços prestados por entidades certificadas privadas são de caráter comercial, essencialmente privados e não se confundem em seus efeitos com a atividade de certificação eletrônica por tabelião, prevista no Capitulo II deste Titulo. Capitulo II - Dos certificados eletrônicos públicos Seção I - Das certificações eletrônicas pelo tabelião Art O tabelião certificará a autenticidade de chaves públicas entregues pessoalmente pelo seu titular, devidamente identificado; o pedido de certificação será efetuado pelo requerente em ficha própria, em papel, por ele subscrita, onde constarão dados suficientes para identificação da chave pública, a ser arquivada em cartório.

9 PROJETO DE LEI DO SENADO 672 DE (que também dispõe sobre o comércio eletrônico) Estabelece, entre outras coisas, o que se deve entender por: Mensagem eletrônica (informação gerada, enviada, recebida ou arquivada eletronicamente, por meio óptico ou por meios similares, incluindo, entre outros intercâmbio eletrônico de dados (EDI), correio eletrônico, telegrama, telex, fax, nos termos do inciso I artigo 2º. Inciso II intercâmbio eletrônico de dados (EDI) a transferência eletrônica, de computador para computador, de informações estruturadas de acordo com um padrão estabelecido para tal fim. Artigo 3º reza que Na interpretação desta lei, levar-se-á em consideração a necessidade de promover a uniformidade de aplicação de normas sobre o comércio eletrônico em nível internacional. Como se depreende deste dispositivo verifica-se a preocupação do legislador em estabelecer uma diretriz hermenêutica nos moldes efetivados pela própria UNCITRAL (norma paradigma para os demais Estados). PROJETO DE LEI 1483 DE 1999 (HÉLIO DE OLIVEIRA SANTOS): Institui a fatura eletrônica e a assinatura digital nas transações de comércio eletrônico. PROJETO DE LEI 2644 DE 1996: dispõe sobre a elaboração, o arquivamento e o uso dos documentos eletrônicos. Artigo 1º considera-se documento eletrônico, para efeitos desta lei, todo documento, público ou particular originado por processamento eletrônico de dados e armazenado em meio magnético, optomagnético, eletrônico ou similar. Há também a recente MP de 27 de Julho de 2001 que Instituiu a Infra- Estrutura de Chaves Públicas Brasileira ICP Brasil. (no seu artigo 12 reza que consideram-se documentos públicos ou particulares, para todos os fins legais, os documentos eletrônicos de que trata essa medida provisória. E no 1º As declarações constantes dos documentos em forma eletrônica produzidos com a utilização de processo de certificação disponibilizado pela ICP Brasil presumem-se verdadeiros em relação aos signatários, na forma do art. 131 da lei 3071, de 1º de janeiro de 1916 (código civil). MEDIDA PROVISÓRIA No , DE 24 DE AGOSTO DE (JÁ REEDITADA) fonte: acesso em: Institui a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, transforma o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação em autarquia, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: Art. 1o Fica instituída a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, para garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica, das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações eletrônicas seguras. Art. 2o A ICP-Brasil, cuja organização será definida em regulamento, será composta por uma autoridade gestora de políticas e pela cadeia de autoridades certificadoras composta pela Autoridade Certificadora Raiz - AC Raiz, pelas Autoridades Certificadoras - AC e pelas Autoridades de Registro - AR.

10 REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL NO COMITÊ GESTOR ICP-BRASIL: Art. 3o A função de autoridade gestora de políticas será exercida pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil, vinculado à Casa Civil da Presidência da República e composto por cinco representantes da sociedade civil, integrantes de setores interessados, designados pelo Presidente da República, e um representante de cada um dos seguintes órgãos, indicados por seus titulares: I - Ministério da Justiça; II - Ministério da Fazenda; III - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; IV - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; V - Ministério da Ciência e Tecnologia; VI - Casa Civil da Presidência da República; e VII - Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. 1o A coordenação do Comitê Gestor da ICP-Brasil será exercida pelo representante da Casa Civil da Presidência da República. 2o Os representantes da sociedade civil serão designados para períodos de dois anos, permitida a recondução. 3o A participação no Comitê Gestor da ICP-Brasil é de relevante interesse público e não será remunerada. 4o O Comitê Gestor da ICP-Brasil terá uma Secretaria-Executiva, na forma do regulamento. Art. 4o Compete ao Comitê Gestor da ICP-Brasil: I - adotar as medidas necessárias e coordenar a implantação e o funcionamento da ICP-Brasil; II - estabelecer a política, os critérios e as normas técnicas para o credenciamento das AC, das AR e dos demais prestadores de serviço de suporte à ICP-Brasil, em todos os níveis da cadeia de certificação; III - estabelecer a política de certificação e as regras operacionais da AC Raiz; IV - homologar, auditar e fiscalizar a AC Raiz e os seus prestadores de serviço; V - estabelecer diretrizes e normas técnicas para a formulação de políticas de certificados e regras operacionais das AC e das AR e definir níveis da cadeia de certificação; VI - aprovar políticas de certificados, práticas de certificação e regras operacionais, credenciar e autorizar o funcionamento das AC e das AR, bem como autorizar a AC Raiz a emitir o correspondente certificado;

11 VII - identificar e avaliar as políticas de ICP externas, negociar e aprovar acordos de certificação bilateral, de certificação cruzada, regras de interoperabilidade e outras formas de cooperação internacional, certificar, quando for o caso, sua compatibilidade com a ICP-Brasil, observado o disposto em tratados, acordos ou atos internacionais; e VIII - atualizar, ajustar e revisar os procedimentos e as práticas estabelecidas para a ICP-Brasil, garantir sua compatibilidade e promover a atualização tecnológica do sistema e a sua conformidade com as políticas de segurança. UTILIZAÇÃO DA CRIPTOGRAFIA: Art. 6o Às AC, entidades credenciadas a emitir certificados digitais vinculando pares de chaves criptográficas ao respectivo titular, compete emitir, expedir, distribuir, revogar e gerenciar os certificados, bem como colocar à disposição dos usuários listas de certificados revogados e outras informações pertinentes e manter registro de suas operações. Parágrafo único. O par de chaves criptográficas será gerado sempre pelo próprio titular e sua chave privada de assinatura será de seu exclusivo controle, uso e conhecimento. RECONHECIMENTO DA VALIDADE JURÍDICA DOS DOCS. ELETRÔNICOS: Art. 10. Consideram-se documentos públicos ou particulares, para todos os fins legais, os documentos eletrônicos de que trata esta Medida Provisória. 1o As declarações constantes dos documentos em forma eletrônica produzidos com a utilização de processo de certificação disponibilizado pela ICP-Brasil presumem-se verdadeiros em relação aos signatários, na forma do art. 131 da Lei no 3.071, de 1o de janeiro de Código Civil. 2o O disposto nesta Medida Provisória não obsta a utilização de outro meio de comprovação da autoria e integridade de documentos em forma eletrônica, inclusive os que utilizem certificados não emitidos pela ICP-Brasil, desde que admitido pelas partes como válido ou aceito pela pessoa a quem for oposto o documento. NOVIDADE! * O Brasil recentemente está adotando um novo sistema de pagamentos, conhecido por SPB. O que é o SPB? Hoje, você já usa um sistema de pagamentos. É ele que permite a compensação dos cheques, pagamentos de contas e outras operações financeiras. Mas estas transações são tratadas de madrugada, quando os cheques, DOCs etc. são trocados na Câmara de Compensação. Este processo não garante - por exemplo - que um pagamento feito por cheque possa ser quitado no ato. Na prática, somente após a compensação (que ocorre, no mínimo, em 24 horas) é que o pagamento pode ser dado como realizado. O novo Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) será um meio mais seguro e ágil, on-line, com maior transparência, que as operações hoje realizadas no sistema financeiro. Com o novo SPB, os clientes poderão transferir seus recursos entre bancos em questão de minutos, de forma definitiva e irrevogável. Para que isto ocorra, os clientes não poderão ter saldo negativo em suas contas-correntes em nenhum momento.

12 Câmaras de pagamentos Estão sendo criadas empresas especializadas, que concentrarão o fluxo de pagamentos e recebimentos de todas as instituições financeiras. A comunicação será totalmente eletrônica. Estas empresas são as câmaras de pagamentos, também conhecidas como clearings. Além de conectar os bancos entre si, as clearings também oferecerão garantias de que os pagamentos serão feitos até o final do dia. Isto é uma facilidade que os bancos colocarão à disposição de sua clientela, a partir de novembro de O que muda? Para a grande maioria dos negócios que fazemos no dia-a-dia, o novo sistema não será percebido. Porém, para as pessoas e empresas que precisarem fazer pagamentos, saques, aplicações ou empréstimos de grandes valores (inicialmente, acima de R$ 5 mil), seu relacionamento com o banco deve ser alterado, exigindo maior controle sobre a entrada e saída de recursos. No caso dos saques de numerário, estes deverão ser comunicados previamente. Jornal de Brasília - 23/04/ Cheque com os dias contados Quando o novo Sistema de Pagamentos Brasileiro entrar em vigor, talões serão substituídos. Uma mania do brasileiro, o cheque, está na mira do Banco Central (BC). Em janeiro, quando o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) entrar definitivamente em vigor, esta forma de pagamento deve custar aos bancos muito mais que uma operação eletrônica, feita com um cartão magnético. Com isso, a expectativa é de que os cartões, sejam de débito ou crédito, substituam os cheques. O cheque não é mais um meio de pagamento usual em outros países, pois a compensação é muito lenta. Nos Estados Unidos, leva de sete a dez dias. Diante disso, fazer um pagamento de forma eletrônica é muito mais prático. No Brasil, a compensação leva até 48 horas, ritmo imposto durante a época da inflação alta, quando um dia sem o crédito significava uma perda muito grande para o consumidor. Josino Garcia, da empresa de tecnologia T4B [fábrica de software Technology For Banking], criada para dar assessoria aos bancos com o novo sistema de pagamentos, explica que o Banco Central quer desestimular o cheque por causa da compensação noturna. "A intenção é fazer com que a maior parte das transações seja feita em tempo real, diminuindo riscos para o sistema financeiro". Em um primeiro momento, os cheques desestimulados serão os acima de R$ 5 mil, que passarão a ser compensados na nova Câmara Interbancária de Pagamentos. Apesar de representar apenas 20% da quantidade de cheques emitidos, os maiores de R$ 5 mil são responsáveis por cerca de 80% do volume financeiro desta forma de pagamento. Garcia acredita que o BC e o próprio sistema bancário irão criar tarifas para provocar a migração do cheque para o meio eletrônico. "Será como o DOC, por exemplo, que se passa com uma tarifa muitas vezes acima de R$ 10. Pode-se criar uma coisa similar para os cheques, que só passarão a ser usados em casos reais de necessidade". O presidente da Associação Comercial de São Paulo, Abram Szajman, diz que o comércio vai se adaptar se o cheque estiver com os dias contados. "Com certeza, encontraremos alternativas. Atualmente, muitas lojas fazem acordos com administradoras de cartões para parcelar as compras sem juros. Se os cartões ficarem

13 mais acessíveis, não vejo problema na substituição". O SPB permitirá a troca de dinheiro em tempo real entre as instituições financeiras e entre elas e o BC, por meio de uma rede privada. A idéia é evitar o risco sistêmico, pois as posições dos bancos só são conhecidas durante a compensação, feita à noite. O período de testes do SPB começa em junho e foi ampliado de dois para cinco meses. A implementação definitiva terá início em janeiro. Quanto a mudança vai custar ao sistema bancário ainda é uma incógnita. Os preços variam, indo de R$ 400 milhões a R$ 1,5 bilhão. Alguns Problemas a serem discutidos e enfrentados: (segurança e preservação de conteúdo nas mensagens) hacking; spamming; (envio de mensagens não solicitadas no pessoal); trojan horses ; criptografia (até que ponto é segura a técnica criptográfica?) = ataques de força bruta. (*) João Batista Caldeira de Oliveira Júnior é advogado, pós-graduando pela Universidade Estadual Paulista (UNESP-FRANCA), em Direito Empresarial, desenvolvendo pesquisa científica sobre títulos de Crédito e o Direito de Informática, com subsídio da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). Atualmente é Membro e um dos responsáveis pela Revista do Instituto Paulista de Direito Comercial e da Integração (IPDCI), compondo também o Conselho Editorial da Revista. O IPDCI tem sede em Ribeirão Preto/SP, sob a Presidência do Prof. Dr. Paulo Roberto Colombo Arnoldi. do autor: BIBLIOGRAFIA ABRÃO, Nelson. Direito Bancário. 6. ed. São Paulo: Saraiva, ABRÃO, Nelson. Curso de Direito Bancário. 2. ed. São Paulo: RT, Cibernética e Títulos de Crédito. Revista dos Tribunais, n. 19, ano XIV, ALEGRIA, Hector. La Llamada Desmaterializacion de los titulos circulatorios y la redefinicion de la categoria.. Congreso de Derecho Comercial. Asociación de Abogados. Argentina, Disponível em: Acesso em: ALMEIDA, Amador Paes de. Teoria e Prática dos Títulos de Crédito. São Paulo: Saraiva, ALTMARK, Daniel Rafael A Bielsa, Ettore Goammamtpmop. Antonio A. Martino. Informática y Derecho. v. 1, Buenos Aires: Delpama, ALVIM, Aruda. Manual de direito processual civil. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, Coleção de Estudos e Pareceres. Direito comercial. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, ANDRADE SANTOS, Maria Cecília de. Contratos Informáticos breve estudo. Revista dos

14 Tribunais, v ARNOLDI, Paulo Roberto Colombo. Ação Cambial. São Paulo: Saraiva, Teoria Geral dos Títulos de Crédito. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense, Teoria Geral do Direito Comercial: Introdução à Teoria da Empresa.. São Paulo: Saraiva, A Classificação dos Títulos de Crédito - Paradigma, in Revista do Centro de Pós-Graduação da UNAERP, n. 5, jun./92. ARRAIA, Celestino R. Títulos Circulatórios, Buenos Aires, Astrea, ARRUDA JR, Itamar. Consisderações ao PL n. 1589/99. Revista Eletrônica do Centro Brasileiro de Estudos Jurídicos da Internet. Julho, 2001 Acesso em : Disponível em: < > ASCARELLI, Tullio. Teoria Geral dos Títulos de Crédito. 2. ed. São Paulo: Saraiva, iniciation al estúdio Del derecho mercantil. 1. ed., ASQUINI, Alberto. Corso Di Dirritto Commerciale. Titoli di credito e in particulare cambial e titoli Bancari di pagamento. Padova: Cedam, ATHENIENSE, Alexandre. Internet e o Direito. 1. ed. Belo Horizonte: Inédita, RESERVA TÉCNICA - FAPESP AZPICUELTA, Hermilio Tomás. Derecho informático. Abeledo-Perrot: Buenos Aires, s.d. BARBI, Celso Agrícola. Comentários ao código de processo civil. Forense, ed. Rio de Janeiro: BATALHA, Wilson de Souza Campos. Títulos de Crédito. Rio de Janeiro: Forense, BORGES, João Eunápio. Títulos de Crédito. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense, BRASIL. Projeto de lei n /96: Dispõe sobre a elaboração, o arquivamento e o uso de documentos eletrônicos. Acesso em : disponível em: <http://www.datavenia.com/proj2644.htm> Autor: Deputado Federal Jovair Arantes. BROSETA, Mannuel. Manual de Derecho Mercantil. 10. ed. São Paulo: Forense, BULGARELLI, Waldirio. Títulos de Crédito. 9. ed. São Paulo: Atlas, Problemas de direito comercial moderno. 1. ed BUSSADA, Wilson. Duplicata Interpretada pelos Tribunais. V1. Campinas: Julex Livros, CHAVES, Antonio. Direitos Autorais na Computação de Dados: Software, circuitos integrados, embalagem criativa, duração dos direitos conexos. São Paulo: LTr, CARRARIS, A. Huecky Ceans Wihelm, Derecho de Los Títulos Valor, Barcelona, Editorial Ariel, S.A., título original Rechf der Werípapiere, 1988.

15 CARNELUTTI, Francesco. Teoria Cambiária. Pádua, Instituições do Processo Civil. Editora Servanda, CANCELLIER DE OLIVO, Luiz Carlos. Direito e Internet. A regulamentação do Ciberespaço. Florianópolis: Editora da UFSC, COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial., vol. 1, SP : Saraiva, Manual de Direito Comercial, 5. ed. São Paulo: Saraiva, CORRÊA, Gustavo Testa. Aspectos Jurídicos da Internet. São Paulo: Saraiva, CORREIA, Miguel J. A. Pupo. Direito comercial. 3. ed. Lisboa, Sociedade de Informação e Direito: A assinatura Digital. Revista Electrônica de Derecho Infomático. Julho, Disponível:<http://publicaciones.derecho.org/redi/No._12 Julio_de_1999/Sociedade>A cesso em: DAROLD, Ermírio Amarildo. Protesto Cambial. Duplicatas e Boletos. 1. ed. Curitiba: Juruá, DIAS, Darlan Airton. A executividade das duplicatas virtuais. Faculdade de Direito da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 1999, não publicado. DINIZ, Maria Helena, Compêndio de Introdução à Ciência do Direito, São Paulo: Saraiva, ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 14. ed. Trad. Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: Perspectiva, EIZAGUIRRE, José Maria de. Bases para una reelaboracion de la Teoria General de los títulos-valores. Revista de direito mercantil n. 163, Madrid: 1982 ESPANÉS, Luis Moisset de. Informática, seguridade jurídica y responsabilidade del relgistrador. Revista de direito civil, São Paulo, v.14, n. 51, p , jan./mar FAZZIO JÚNIOR, Waldo. Fundamentos de Direito Comercial: Empresário, sociedades comerciais, títulos de crédito. 2. ed. São Paulo: Atlas, FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Aurélio Séc. XXI. Versão 3.0. São Paulo: Nova Fronteira, FERREIRA, Waldemar. Tratado de direito Comercial. v. 8, FERRI, Giuseppi. Manuale di diritto Commerciale. 2. ed. Turim, FORGIONI, Paula A. Apontamentos sobre Aspectos Jurídicos do E-Commerce. Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro. n São Paulo: Revista dos Tribunais, FRONTINE, Paulo Salvador. Títulos de Crédito e Títulos Circulatórios: Que futuro a informática lhes reserva? São Paulo: Revista dos Tribunais,1996. v. 730, p. 50 e ss. FORGIONI, Paula A. Apontamentos sobre Aspectos Jurídicos do E-Commerce. Revista

16 de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro. n São Paulo: Revista dos Tribunais, GAMA, Ricardo Rodrigues. Letra de Câmbio e Nota Promissória. Doutrina e jurisprudência Legislação. Prática. São Paulo: Editora de Direito, GANDELMAN, Henrique. De Gutemberg à Internet. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, GORE, Al. The emerging digital economy II. A look ahead. Acesso em: 06/10/99. Disponível em: <http://www.ecommerce.gov/ede/summary.html> GONZAGA, Vair. Título de Crédito Legislação e Jurisprudência. v 1. Campinas: Bookseller, GRECO FILHO, Vicente. Direito processual civil brasileiro. 1984, v ed. São Paulo: Saraiva, GRECO, Marco Aurélio. Internet e Direito. 2 ed. São Paulo: Dialética, GUALTIERI, Giuseppe. I titoli di credito, 1. ed GUSMÃO, Paulo Dourado. Introdução ao Estudo do Direito, 10. ed., Rio de janeiro: Forense, JUNQUEIRA, Mirian. Contratos Eletrônicos. Rio de Janeiro: Mauad, LACERDA, Paulo de. A cambial no direito brasileiro. RJ., LEGÓN, Fernando A. Elementos Del Derecho Comercial. Editorial Astrea: Buenos Aires, LICKS, Otto Banho. Transmissão de Dados e Rede de Valor Agregado. Rio de janeiro: UERJ. Fac. Direito. LIMA NETO, José Henrique Barbosa Moreira. Eletrônico. (Internet). Rio de Janeiro, Aspectos Jurídicos do Documento LUCCA, Newton de. Aspectos da Teoria dos Títulos de Crédito., livraria Pioneira de Direito Empresarial, São Paulo:Livraria Pioneira Editora, A cambial-extrato. São Paulo: Revista dos Tribunais,1985. LUZ, Aramy Donelles da. Para uma fácil compreensão dos Título de Crédito. São Paulo: Saraiva, MACHADO, Antônio Cláudio da Costa. Código de processo civil interpretado. São Paulo: Saraiva, MAGALHÃES, Roberto Barcellos de. Tratado de Direito Cambiário. V1 2. ed. São Paulo: Editora Jurídica e Universitária, MARQUES, José Frederico. Manual de direito processual civil. Saraiva, ed. São Paulo: MARTINO, Antonio A. Reconocimiento del Valor Jurídico del Documento Digital en Italia: Breve historia de una ley. R.E.D.I (REVISTA ELETRÓNICA DE DERECHO INFORMÁTICO) Itália, n. 16, Novembro de 1999.

17 Acesso em: disponível em: _Noviembre_de_1999/10 MARTINS, Fran. Títulos de Crédito. v 1: Letra de Câmbio e Nota Promissória Segundo a Lei Uniforme. 13. ed. Rio de Janeiro: Forense, MARTINS, Fran. Títulos de Crédito. v 2: Letra de Câmbio e Nota Promissória Segundo a Lei Uniforme. 13. ed. Rio de Janeiro: Forense, Cartões de Crédito Forense: Rio de Janeiro, MARTINS, Guilherme Magalhães. Revista dos Tribunais. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, v. 776, junho de MARTINS, Henrique Assinaturas Eletrônicas O primeiro passo para o desenvolvimento do comércio eletrônico?. Revista Eletrônica do Centro Brasileiro de Estudos Jurídicos da Internet. Acesso em : Disponível em: < > MARTINS, Ives Gandra da Silva. In: A imunidade do livro eletrônico. São Paulo: Jornal o Estado de São Paulo (14/09), MARZOCHI, Marcelo de Luca. Direito.br : Aspectos Jurídicos da Internet no Brasil. 1. ed. São Paulo: Ltr, MENDONÇA, J. X. Carvalho. Tratado de Direito Comercial Brasileiro. v 5, 2. parte, MIRANDA, Maria Bernardete. Manual dos Títulos de Crédito. São Paulo: Iglu, MIRANDA, Pontes de. Comentários ao código de processo civil. São Paulo: Forense, Tratado de direito cambiário. Max Lim., (atualizado por Vilson Rodrigues Alves). Tratado de direito cambiário. 2. ed. Campinas: Bookseller, 2001 NASSAR, Rosita de nazaré Sidrim, Títulos de Crédito e Ação Cambiária, in Revista do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, v. 38, ano 30. NEGRÃO, Theotonio. Código de processo civil. 24. ed. São Paulo: Malheiros, NERY JUNIOR, Nelson / Rosa Maria Andrade Nery, Código de Processo Civil Comentado. 2. edição, São Paulo: Revista dos Tribunais, NUNES, Luiz Antonio Rizzatto. Manual da Monografia: Como se faz uma monografia, uma dissertação, uma tese. 1. ed. São Paulo: Saraiva, PAESANI, Liliana Minardi. Direito de Informática. 2. ed. São Paulo: Atlas, PARIZATTO, João Roberto. Nova lei de Protestos e Títulos de Crédito. Lei 8492 de São Paulo: Editora de Direito LTDA, PENTEADO, Mauro Rodrigues. Títulos de Crédito no Projeto de Código Civil. Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro. n São Paulo: Revista dos Tribunais,1996. PINTO, Paulo José da Silva. Direito Cambiário. 2. ed., PLÁCIDO e SILVA, Vocabulário Jurídico, Rio de Janeiro, Ed. Forense, vol. 111.

18 PONT, Manuel Broseta. Manual de Derecho Mercantil. 10 ed. Madrid: Tecnos, KLEIDERMACHER, Arnoldo. De los títulos incartáceos informáticos o escriturales. Revista Eletrônica Justiniano.com. Argentina. Disponível em: acesso em: REALE, Miguel, Lições Preliminares de Direito, Bushatsky, REQUIÃO, Rubens. Aspectos modernos de Direito comercial. v. 1, 2. ed. São Paulo: Saraiva, Curso de Direito Comercial. 20. ed. São Paulo: Saraiva, v. 2., REZENDE, Pedro Antonio Dourado. Totalitarismo Digital. Revista Eletrônica do Centro Brasileiro de Estudos Jurídicos da Internet. Julho de Acesso em : Disponível em: < > RICAURTE, Hermando Sarimiento. La Tarjeta de Crédito. Bogotá, RIPERT, Geoges. Tratado de derecho comercial: operaciones comerciales. 1. ed. Vol 3, ROCCO, Alfredo, Príncipii di Diritto Comerciale, Turim, RODIÈRE, René e RIVES LANGE, Jean Louis. Droit Bancaire. Paris, RODRIGUEZ, Joaquim. Curso de direito mercantil. 7. ed., México: Porrua, ROHRMANN, Carlos Alberto. O Direito comercial virtual a assinatura digital. Revista da Faculdade de Direito Milton Campos, Belo Horizonte, n RUDIO, Franz Victor. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. Petrópolis: Editora Vozes LTDA, SALORD, Carlos de Paladella. El Documento Electrónico como Prueba - La Reforma del Código Civil Francés. R.E.D.I (REVISTA ELETRÓNICA DE DERECHO INFORMÁTICO) Espanha, n. 26, Setembro de Acesso em: Disponível em: Septiembre_del_2000/3 Acesso em: SANT ANNA, Rubens. Títulos de crédito: doutrina e jurisprudência. 4. ed., SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. 14. ed. São Paulo: Saraiva, SANTOS, Theophilo de Azevedo. Do Endosso. Doutrina e Prática. Jurisprudência. Rio de Janeiro: SATOLIM, Cesar Viterbo Matos. Formação e eficácia probatória dos contratos por computador. São Paulo: Saraiva, SCHOUERI, Luís Eduardo (coord.). Internet O Direito na Era Virtual. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, SWENSSON, Walter Cruz et al. Direito e Internet. São Paulo: Themis Livraria e Editora,

19 2001. STUBER, Walter Douglas. A internet sob a ótica jurídica. Revista dos Tribunais: São Paulo. v.749, mar THALLER, Traité Elementaire de Droit Comercial, 7. ed., rev. por J. Percerou, Paris, THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de direito processual civil. janeiro: Forense, URIA, Rodrigo. Derecho Mercantil. 8. ed. Madrid, ed. Rio de VENTURA, Eloy Câmara. A Evolução do Crédito : Da antiguidade aos Dias Atuais. Curitiba: Juruá Editora, VIANA, Bonfim. Desconto Bancário. Fortaleza: Fundação Raul Barbosa, XIMENES, Fernando B.(tradutor). Microsoft Press: Dicionário de Informática Inglês- Português e Português Inglês. Rio de Janeiro: Campus, [1] Liliana Minardi Paesani. Direito de Informática. p. 22 [2] Código Civil Anotado, p. 71 [3] Direito de Informática, p. 28

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Katyúscia Kelly Pereira de Sousa Feitoza* Títulos de crédito são documentos que representam obrigações

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Turma DIREITO Nome da Disciplina / Curso DIREITO COMERCIAL II D- 32DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/01) D- 27 DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/02)

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL 1 TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL Juliana de Oliveira Carvalho Martins Ferreira 1 RESUMO: Na busca pelo aprimoramento do conhecimento acerca dos títulos de crédito, faz-se necessária uma

Leia mais

Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural. A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n.

Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural. A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n. Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural Gustavo Ribeiro Rocha A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n. 8.929/94, é um documento emitido pelo produtor rural ou por

Leia mais

Portanto seremos obrigados a adaptar ou elaborar legislações, e isso há de ser agora, pois a evolução da informática é extraordinária e não espera.

Portanto seremos obrigados a adaptar ou elaborar legislações, e isso há de ser agora, pois a evolução da informática é extraordinária e não espera. 1 Títulos de Crédito em face da Revolução Eletrônica Karine Paola Vasconcelos Costa,aluna do curso de Direito-manhã, 5º período,do Centro Universitário Newton Paiva. Diante a banalização da ciência da

Leia mais

Contratos Empresariais em Espécie

Contratos Empresariais em Espécie Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Empresarial Contratos Empresariais em Espécie Carga Horária: 28 h/a 1- Ementa Obrigações

Leia mais

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Cheque e Duplicata Crédito ETIMOLOGIA E SEMÂNTICA A palavra crédito é derivada do latim "Creditum", Credere que significa, coisa emprestada, empréstimo, dívida, depositar confiança em, confiar em, dar

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais da Disciplina

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

1. Formalidade versus informalidade e a perspectiva dos Direitos Humanos

1. Formalidade versus informalidade e a perspectiva dos Direitos Humanos 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-38 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Títulos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Do papel ao meio eletrônico: a validade jurídica dos documentos eletrônicos e a assinatura Carolina Cunha dos Reis* Projeto de Monografia 1. INTRODUÇÃO No âmbito nacional, encontram-se

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Levi Hülse Período/ Fase: 10ª Semestre: 1º Ano: 2015 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004.

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. 1 REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. Lécio Goulart Costa * Acadêmico do curso de Direito Contabilista Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos gerais da CCB

Leia mais

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 A CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ESTRUTURA JURÍDICA 1.1 AS ORDENS DE PAGAMENTO Há títulos de crédito que estão estruturados na forma de ordens de pagamento.

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

A relação dos Títulos de Crédito e Documentos eletrônicos no mundo moderno

A relação dos Títulos de Crédito e Documentos eletrônicos no mundo moderno 1 A relação dos Títulos de Crédito e Documentos eletrônicos no mundo moderno Vera Lúcia Guimarães Gabrich Fonseca * Os avanços tecnológicos demonstram a necessidade do homem na busca de modernização de

Leia mais

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 1 CONFIAR EM CERTIFICADOS DIGITAIS? ITI O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação

Leia mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais * Informações de janeiro/2002 * Sumário Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB Benefícios do Novo SPB O que é Porque mudar O que muda O que muda com o novo SPB Transferências só com

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO PROGRAMA DE DISCIPLINA II. Disciplina: DIREITO COMERCIAL II (D-49) Área: Ciências Sociais Período: 9º (nono) Turno: matutino/noturno Ano: 2013.1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04 III. Pré-Requisito:

Leia mais

DOCUMENTOS ELETRÔNICOS

DOCUMENTOS ELETRÔNICOS DOCUMENTOS ELETRÔNICOS 1 CONCEITO DE DOCUMENTO Documento = todo registro físico que permita armazenar informação de forma que impeça ou permita detectar eliminação ou alteração. Chiovenda; documento é

Leia mais

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Carreira Policial Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Apostila

Leia mais

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D. 40 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Títulos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Evandro Muniz Período/ Fase: 10ª Semestre: 2º Ano: 2012 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

Proteção do consumidor no comércio eletrônico e as limitações do Decreto 7.962/2013

Proteção do consumidor no comércio eletrônico e as limitações do Decreto 7.962/2013 Proteção do consumidor no comércio eletrônico e as limitações do Decreto 7.962/2013 2013 Ivanildo Figueiredo Mestre e Doutorando em Direito (UFPE) Professor de Direito da Informática e Direito Empresarial

Leia mais

Direito Comercial. Estabelecimento Comercial

Direito Comercial. Estabelecimento Comercial Direito Comercial Estabelecimento Comercial 1. Noção Geral 2. Conceito 3. Natureza Jurídica 4. Estabelecimento x Patrimônio 5. Estabelecimento Principal e Filiais 6. Elementos Componentes do Estabelecimento

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO. Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO. Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 Componente Curricular: Direito Processual Civil III Código: DIR-465 CH Total: 60 horas Pré-requisito:

Leia mais

Portal Cidadão - Governo

Portal Cidadão - Governo Portal Cidadão - Governo A Certisign Manaus Recife Brasília Goiânia Belo Horizonte São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre A Certisign Pioneira no mercado Certificação na América Latina Única com foco exclusivo

Leia mais

DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS. por Ana Amelia Menna Barreto

DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS. por Ana Amelia Menna Barreto DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS por Ana Amelia Menna Barreto ÁTOMOS E BITS A civilização está se alterando em sua concepção básica Estamos passando dos átomos para os bits, onde a

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves comentários aos contratos eletrônicos Alessandro Fonseca* Conceito e Contratação nos dias atuais Conceito de contrato eletrônico Antes de abordar o conceito de contrato eletrônico,

Leia mais

Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom TJPE. Ilustração Gerência de Atendimento Técnico

Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom TJPE. Ilustração Gerência de Atendimento Técnico Conceitos de Segurança da Informação, Certificação Digital e suas Aplicações no TJPE 3ª Edição - Maio/2013 Elaboração Núcleo de Segurança da Informação SETIC Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom

Leia mais

E-DOC 2012 CURITIBA DOCUMENTOS DIGITAIS E SEUS ASPECTOS LEGAIS. ANGELO VOLPI NETO angelo@volpi.not.br GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS

E-DOC 2012 CURITIBA DOCUMENTOS DIGITAIS E SEUS ASPECTOS LEGAIS. ANGELO VOLPI NETO angelo@volpi.not.br GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS E-DOC 2012 CURITIBA DOCUMENTOS DIGITAIS E SEUS ASPECTOS LEGAIS ANGELO VOLPI NETO angelo@volpi.not.br DOCUMENTOS DIGITAIS Qual o seu valor legal? O que fazer para agregar-lhes valor probatório? O que fazer

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto possível prática, dos principais temas relacionados à introdução ao estudo do Direito Comercial.

PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto possível prática, dos principais temas relacionados à introdução ao estudo do Direito Comercial. Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Empresarial I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Empresarial Área: Privado PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO ELETRÔNICOS

TÍTULOS DE CRÉDITO ELETRÔNICOS TÍTULOS DE CRÉDITO ELETRÔNICOS TÍTULOS DE CRÉDITO Conhecida é a definição de TÍTULO DE CRÉDITO dada por Cesare Vivante e adotada em nosso Código Civil, no sentido de que título de crédito é o documento

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Assinatura e Certificação Digital

Assinatura e Certificação Digital e Certificação Digital Por Rafael Port da Rocha 2006 Versão: 07/04/06 20:28 Notas de ula - 2006 Rafael Port da Rocha 1 Características Básicas para um Processo de Comunicação I B C utenticidade: O usuário

Leia mais

As Sociedades Empresárias no Código Civil

As Sociedades Empresárias no Código Civil 1 As Sociedades Empresárias no Código Civil Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. EMENTA (Síntese do Conteúdo) OBJETIVOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. EMENTA (Síntese do Conteúdo) OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Código: EASD026 Pág/Pág: 01/05 CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MODALIDADE A DISTÂNCIA

Leia mais

USO DE CONTROLES CRIPTOGRÁFICOS. 1 OBJETIVO Estabelecer regras sobre o uso efetivo e adequado de criptografia na proteção da informação.

USO DE CONTROLES CRIPTOGRÁFICOS. 1 OBJETIVO Estabelecer regras sobre o uso efetivo e adequado de criptografia na proteção da informação. 1786/2015 - Quinta-feira, 06 de Agosto de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia

Leia mais

Aspectos controversos dos planos de opções de compra de ações

Aspectos controversos dos planos de opções de compra de ações Aspectos controversos dos planos de opções de compra de ações Dinorá Carla de Oliveira Rocha Fernandes Advogada. Mestranda em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos. Especialista em

Leia mais

CAPACITAÇÃO PROCESSO ELETRÔNICO

CAPACITAÇÃO PROCESSO ELETRÔNICO CAPACITAÇÃO EM PROCESSO ELETRÔNICO Caros Colegas! Essa é uma apostila eletrônica, utilize apenas em seu computador pessoal. Não recomendamos imprimir, devido ao seu grande volume. Para efetivo funcionamento

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa Pró-Reitoria de Recursos Humanos Diretoria de Provimento, Capacitação e Qualidade de Vida no Trabalho

Universidade Estadual de Ponta Grossa Pró-Reitoria de Recursos Humanos Diretoria de Provimento, Capacitação e Qualidade de Vida no Trabalho DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO DIREITO INTERNACIONAL 1- Tratado Internacional 2- Mercosul 3- União Europeia 4- Estados como sujeitos do Direito Internacional 5- Órgãos das Relações entre os Estados

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013 Assunto: Estabelece

Leia mais

O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil

O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil 1 O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora

Leia mais

Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida

Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida Práticas e Intervenção em Qualidade de Vida Capítulo 8 Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida MARCO ANTONIO BETTINE DE

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL Autor(es) FATIMA ANDREA KISIL MENDES Orientador(es) RENATA RIVELLI MARTINS SANTOS 1. Introdução

Leia mais

COMUNICADO. Fonte de Consulta. BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2010.

COMUNICADO. Fonte de Consulta. BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2010. ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO COMUNICADO A MESA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO 12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO A duplicata mercantil é um documento criado pelo legislador brasileiro. O Código Comercial, embora revogado, previa, em seu art. 219, que nas vendas por atacado, o vendedor

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Assinatura Digital: problema

Assinatura Digital: problema Assinatura Digital Assinatura Digital Assinatura Digital: problema A autenticidade de muitos documentos, é determinada pela presença de uma assinatura autorizada. Para que os sistemas de mensagens computacionais

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA O curso é estruturado de sorte a oferecer uma visão panorâmica dos principais aspectos dos títulos

Leia mais

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : DUPLICATA Material de apoio para a disciplina Direito Empresarial Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com base nas

Leia mais

APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : NOTA PROMISSÓRIA

APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : NOTA PROMISSÓRIA APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : NOTA PROMISSÓRIA Material de apoio para a disciplina Direito de Empresa Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Direito Processual Civil IV Código:DIR-000 CH Total: 60h Pré-requisito: Direito Processual

Leia mais

O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL

O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL Resumo A necessidade de comprovar a autenticidade de documentos e atribuir lhes um valor legal, seja através de uma assinatura de próprio

Leia mais

Ementas das disciplinas do 4º período. DISICIPLINA: DIREITO EMPRESARIAL II (SOC. EMPRESARIAIS) C/H: 80h/a

Ementas das disciplinas do 4º período. DISICIPLINA: DIREITO EMPRESARIAL II (SOC. EMPRESARIAIS) C/H: 80h/a 1 DISICIPLINA: DIREITO EMPRESARIAL II (SOC. EMPRESARIAIS) C/H: 80h/a Teoria geral do direito societário. Sociedade empresária. Constituição das sociedades contratuais. Sociedades contratuais menores. Sociedade

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO A

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO A JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº200770530011010/PR RELATORA : Juíza Ana Carine Busato Daros RECORRENTE : JUAREZ FIGUEIREDO RECORRIDO : CAIXA ECONOMICA FEDERAL E NASCIMENTO & CÉSAR LTDA EPP VOTO

Leia mais

DISCIPLINA: Direito Empresarial SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre. CH total: 72h

DISCIPLINA: Direito Empresarial SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre. CH total: 72h DISCIPLINA: Direito Empresarial SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR131 1. EMENTA: Histórico. Conceito. Características. Empresário: qualidade, prerrogativas

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Títulos de Créditos Eltrônicos: fim da cartularidade? Ana Carolina Lucena Romeiro de Melo* INTRODUÇÃO O avanço tecnológico que vivemos nos dias de hoje atinge os diversos ramos sociais.

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE CERTIFICADOS DIGITAIS COMO SOLUÇÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

UM ESTUDO SOBRE CERTIFICADOS DIGITAIS COMO SOLUÇÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO UM ESTUDO SOBRE CERTIFICADOS DIGITAIS COMO SOLUÇÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Emerson Henrique Soares Silva Prof. Ms. Rodrigo Almeida dos Santos Associação Paraibana de Ensino Renovado - ASPER Coordenação

Leia mais

O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL?

O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL? O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL? Os computadores e a Internet são largamente utilizados para o processamento de dados e para a troca de mensagens e documentos entre cidadãos, governo e empresas. No entanto,

Leia mais

MAIO / 2007. Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança

MAIO / 2007. Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança Siissttema de Assssiinattura Diigiittall MAIO / 2007 Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança A internet facilitando nossa vida As exigências e as pressões crescentes da vida moderna, o caos urbano,

Leia mais

DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV. CH total: 72h. SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre

DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV. CH total: 72h. SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR137 1. EMENTA: Aspectos gerais da execução. Liquidação de sentença. Execução de

Leia mais

Presidência da República do Brasil Casa Civil Instituto Nacional de Tecnologia da

Presidência da República do Brasil Casa Civil Instituto Nacional de Tecnologia da Presidência da República do Brasil Casa Civil Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) Supremo Tribunal Federal 1º Seminário de Gestão da Informação Jurídica em Espaços Digitais 12 a 14 de

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual Novo Código Comercial Livro III Das obrigações dos empresários Cibele Frandulic Shimono Guilherme Setoguti J. Pereira Luiz Rafael de Vargas Maluf Rafael Villac Vicente de Carvalho 22 de novembro de 2011

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 4 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 4 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 4 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica Criptografia

Leia mais

Impacto da Certificação Digital nas Empresas. Francimara T.G.Viotti Diretoria de Gestão da Segurança Banco do Brasil Julho/2011

Impacto da Certificação Digital nas Empresas. Francimara T.G.Viotti Diretoria de Gestão da Segurança Banco do Brasil Julho/2011 Impacto da Certificação Digital nas Empresas Francimara T.G.Viotti Diretoria de Gestão da Segurança Banco do Brasil Julho/2011 Tópicos Certificação Digital InfraInfraestrutura de Chaves Públicas Brasileira

Leia mais

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito processual civil. 42. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005. v. 1.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito processual civil. 42. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005. v. 1. ÁREA 5 DIREITO PROCESSUAL CIVIL, I, II, III, IV, V e VI DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Sujeitos do processo. Litisconsórcio. Intervenção de terceiros. Petição inicial. Causa de pedir. Pedido. Citação. Atos

Leia mais

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO:

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO: TÍTULOS DE CRÉDITO: CRÉDITO = alargamento da troca. Venda a prazo Empréstimo Documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele mencionado.(vivante) joao@joaopereira.com.br TÍTULO

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Conceitos Segurança da Informação Assinatura Digital Certificado Digital Criptografia Legislação Aplicabilidade no TJMG AGENDA Segurança da Informação É a proteção da informação de vários tipos de ameaças

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Institui Regime Especial para dispensa da guarda e arquivo das Notas Fiscais de Serviços, condicionada à guarda e ao arquivo, pelo período decadencial, dos respectivos

Leia mais

Certificados Digitais - Perguntas Frequentes

Certificados Digitais - Perguntas Frequentes Certificados Digitais - Perguntas Frequentes O que é um certificado digital? O certificado, na prática, equivale a uma carteira de identidade, ao permitir a identificação de uma pessoa, quando enviando

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow

Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow Swiss High Security Identity Solutions Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow SWISSCAM (Comitê Jurídico) 8 de maio de 2009 Fatores de segurança jurídica Condicionantes legislativas,

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 44 4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 4.1 Cheque O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Gisele Helena MARTINEZ 1 - RGM 73616 Renato Francisco Saldanha SILVA 2 Thiago Lopes da SILVA 3

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Gisele Helena MARTINEZ 1 - RGM 73616 Renato Francisco Saldanha SILVA 2 Thiago Lopes da SILVA 3 CERTIFICAÇÃO DIGITAL Gisele Helena MARTINEZ 1 - RGM 73616 Renato Francisco Saldanha SILVA 2 Thiago Lopes da SILVA 3 Resumo A informação é considerada o maior valor de uma empresa ou de uma pessoa. A velocidade

Leia mais

I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DIREITO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL II EMENTA

I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DIREITO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL II EMENTA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DEPARTAMENTO DE DIREITO Campus Universitário - Trindade - Caixa Postal 476 88040-900 - Florianópolis - Santa

Leia mais

AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS. RETIFICAÇÃO AO EDITAL Nº. 003/2015

AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS. RETIFICAÇÃO AO EDITAL Nº. 003/2015 RETIFICAÇÃO AO EDITAL Nº. 003/2015 No Edital nº. 003/2015, publicado no Diário Oficial do Estado nº. 2459 de 05/02/15, em Anexo IV Temas para prova didática, à fls. 11-13: 1. No anexo IV Temas para prova

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12 DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12 12.1. Pessoa jurídica: atribuição de personalidade a um ente que se torna sujeito de direitos e obrigações. 12.2. Principais pessoas jurídicas: associações

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 Componente Curricular: Direito Empresarial II Código: DIR- 467 Pré-requisito: Direito Empresarial

Leia mais

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA Resumo JOÃO BATISTA DE ALVARENGA 1 O objetivo do trabalho proposto é analisar as origens das relações comerciais, sua evolução até o momento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Virtualização do processo judicial André Luiz Junqueira 1. INTRODUÇÃO A Associação dos Juizes Federais do Brasil (AJUFE) encaminhou um projeto de lei sobre a informatização do processo

Leia mais

VOTO EM SEPARADO I RELATÓRIO

VOTO EM SEPARADO I RELATÓRIO VOTO EM SEPARADO Perante a COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 121, de 2008, do Senador Magno Malta, que proíbe as empresas de cartões

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - MONITORIA

MATERIAL DE APOIO - MONITORIA MATERIAL DE APOIO - MONITORIA Índice 1. Artigo Correlato 1.1. Títulos de crédito eletrônicos 2. Jurisprudência correlata 2.1. ADI 608 / DF - DISTRITO FEDERAL 3. Assista! 3.1. Principio da cartularidade

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Evandro Muniz Período/ Fase: 9ª Semestre: 2º Ano: 2013 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS Angelo Volpi Neto angelo@volpi.not.br www.volpi.not.br LEGALIDADE DOCUMENTOS DIGITAIS Cod. Civil art. 225. As reproduções fotográficas, cinematográficas,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Autos n. 0006589-45.2015.4.03.6181 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO

Leia mais

Aprendendo com a Indústria Bancária

Aprendendo com a Indústria Bancária Aprendendo com a Indústria Bancária CAMINHOS PARA OS PILARES DA AUTENTICAÇÃO COMPLETAMENTE SEGURA GILBERTO RODRIGUES JR. 22/05/2015 Agenda Uso do Certificado Digital no Segmento Bancário Motivação Como

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito Processual Civil

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 529, DE 23 DE MAIO DE 2016 Documento nº 00000.029651/2016-57

RESOLUÇÃO Nº 529, DE 23 DE MAIO DE 2016 Documento nº 00000.029651/2016-57 RESOLUÇÃO Nº 529, DE 23 DE MAIO DE 2016 Documento nº 00000.029651/2016-57 Dispõe sobre o uso de Certificado Digital no âmbito da Agência Nacional de Águas ANA. O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA DE ÁGUAS-ANA,

Leia mais