Universidade do Estado de Santa Catarina Bacharelado em Ciência da Computação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade do Estado de Santa Catarina Bacharelado em Ciência da Computação"

Transcrição

1 Universidade do Estado de Santa Catarina Bacharelado em Ciência da Computação Estudo e Avaliação da Utilização de Bancos de Dados para o Armazenamento de Dados MIDI Trabalho de conclusão de curso submetido à Universidade do Estado de Santa Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Ciência da Computação. Joinville SC 2006

2 Universidade do Estado de Santa Catarina Bacharelado em Ciência da Computação Rafael Longo Estudo e Avaliação da Utilização de Bancos de Dados para o Armazenamento de Dados MIDI Trabalho de conclusão de curso submetido à Universidade do Estado de Santa Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Ciência da Computação. Leila Lisiane Rossi Joinville, Junho 2006

3 Estudo e Avaliação da Utilização de Bancos de Dados para o Armazenamento de Dados MIDI Rafael Longo Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado para a obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação e aprovada em sua forma final pelo Curso de Ciência da Computação do CCT/UDESC. Banca Examinadora Leila Lisiane Rossi Éverlin Fighera Costa Marques Luciana Rita Guedes Ghisleri

4 "O único homem que está isento de erros, é aquele que não arrisca acertar." (Albert Einstein)

5 À minha família Pai, Mãe e Lucas. À minha namorada Emylle. E aos meus amigos: Marcos, Otávio, Maurício e Gustavo. pelo apoio e compreensão.

6 Agradecimento especial a mestre Leila Lisiane Rossi pela orientação e incentivo.

7 SUMÁRIO SUMÁRIO...VII LISTA DE FIGURAS...X LISTA DE TABELAS...XII RESUMO...XIII ABSTRACT... XIV INTRODUÇÃO COMPUTAÇÃO MUSICAL HISTÓRICO O Padrão MIDI Conexões e portas MIDI Tipos de conexão MIDI Canais MIDI Mensagens MIDI Mensagens de canal (Channel Messages) Mensagens de sistema (System Messages) Tipos de Byte Armazenamento Midi Standard MIDI Softwares Seqüenciadores de Áudio MIDI e o Computador BANCO DE DADOS ORIENTADO A OBJETOS Histórico de Bancos de Dados Características dos BDOO Identidade dos Objetos Estrutura do Objeto Encapsulamento Hierarquias de classe e herança Polimorfismo Objetos Complexos Padrão ODMG Modelo de Objeto... 50

8 viii Linguagem de Definição (ODL) Linguagem de Consulta (OQL) Bancos de dados Objeto-Relacional e Relacional-Estendido Padrão SQL PARÂMETROS PARA CLASSIFICAÇÃO Determinação dos parâmetros de avaliação Binding Portabilidade e Flexibilidade Escalabilidade Gerenciamento de dados multimídia Segurança Performance ESCOLHA DOS BANCOS DE DADOS Intersystems Caché Postgres SQL ORACLE MySQL Jasmine MODO DE CLASSIFICAÇÃO A Pontuação Binding Portabilidade e Flexibilidade Escalabilidade Gerenciamento de Dados Multimídia Segurança Performance AVALIAÇÃO DOS BANCOS DE DADOS INTERSYSTEMS CACHÉ Binding Portabilidade e Flexibilidade Escalabilidade Gerenciamento de dados multimídia Segurança Performance POSTGRES Binding Portabilidade e Flexibilidade Escalabilidade Gerenciamento de dados multimídia Segurança... 95

9 ix Performance ORACLE Binding Portabilidade e Flexibilidade Escalabilidade Gerenciamento de dados multimídia Segurança Performance MYSQL Binding Portabilidade e Flexibilidade Escalabilidade Gerenciamento de dados multimídia Segurança Performance Considerações Finais da Avaliação CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

10 x LISTA DE FIGURAS Figura 1.2.3a. Canais MIDI. (RATTON, 1997) Figura 1.2.3b. Canais MIDI II. (RATTON, 1997) Figura 2.1a. Evolução dos Sistemas de BD (PILATT, 2003) Figura 2.1b. Evolução SGBDOO (EDELWEISS e GALANTE, 2005) Figura Exemplo de Polimorfismo (EDELWEISS e GALANTE, 2005) Figura 2.4. Arquitetura do Padrão ODMG (REIS, 2004) Figura 2.4.1a. Herança: Interface Classe (REIS, 2004) Figura 2.4.1b. Herança: Classe Classe (REIS, 2004) Figura 2.4.1c. Operações da interface ObjectFactory (REIS, 2004) Figura 2.4.2a. Exemplo de BDOO em UML (REIS, 2004) Figura 2.4.2b. Exemplo de ODL (REIS, 2004) Figura 2.4.3a. Exemplo de OQL (REIS, 2004) Figura 2.4.3b. Exemplo de uso do struct (REIS, 2004) Figura 2.4.3c. Exemplo de uso do element (REIS, 2004) Figura 4.1a. Arquitetura Caché (INTERSYSTEMS, 2005) Figura 4.1b. Modos de Acesso do Caché (CORREA, 2003) Figura 4.1c. Ferramentas Integráveis com o Cachê (INTERSYSTEMS, 2005) Figura Maneiras de conexão da Linguagem JAVA com o Caché (INTERSYSTEMS, 2005) Figura 6.1.1b. Inserindo Driver JDBC no CLASSPATH do UNIX Figura 6.1.1c. Inserindo Driver JDBC no CLASSPATH do WINDOWS Figura 6.1.1d. Inicializando o Driver JDBC Figura 6.1.1e. Conectando a Aplicação ao Caché Figura 6.1.1f. Alternativas de conexão com o Intersystems Caché Figura Instalação do Caché Figura 6.1.3a. Criando uma classe no Caché Studio Figura 6.1.3b. Inserindo dados a partir do Gerenciador Caché SQL Figura 6.1.5a. Configurando o Backup do Caché Figura 6.1.5b. Executando o Backup do Caché Figura 6.2.1a. Inserindo Driver JDBC no CLASSPATH do UNIX Figura 6.2.1b. Inserindo Driver JDBC no CLASSPATH do WINDOWS

11 xi Figura 6.2.1c. Inicializando o Driver JDBC Figura 6.2.1d. Conexão Php com PostGres Figura 6.2.3a. Criando banco de dados no Postgres Figura 6.2.3b. Ferramenta PgAdmin Figura 6.2.3c. Criando um Banco de Dados no Postgres com PgAdmin Figura 6.2.3d. Criando uma tabela no banco de dados Postgres com PSQL. 94 Figura 6.2.3e. SQL Manager 2005 for PostGres Figura 6.2.5a. Comando para Backup do PostGres Figura 6.2.5b. Comando para Restaurar o Backup do PostGres Figura 6.2.5c. Backup do PostGres com o PgAdmin Figura 6.2.1a. Inserindo Driver JDBC no CLASSPATH do UNIX Figura 6.2.1b. Inserindo Driver JDBC no CLASSPATH do WINDOWS Figura 6.2.1c. Inicializando o Driver JDBC Figura 6.3.1d. Conexão Php com Oracle Figura Instalação do Oracle Figura 6.3.3a. Criando uma tabela no ORACLE Figura 6.3.3b. Inserindo dados no banco de dados ORACLE Figura 6.3.4a. Criando Directory no ORACLE Figura 6.3.4b. Inserindo dados MIDI no ORACLE Figura 6.3.5a. Administração de Segurança no ORACLE Figura 6.3.5b. Backup e Restore do ORACLE Figura 6.4.1a. Inserindo Driver JDBC no CLASSPATH do UNIX Figura 6.4.1b. Inserindo Driver JDBC no CLASSPATH do WINDOWS Figura 6.4.1c. Conexão com MySql via Driver JDBC Figura 6.4.1d. Conexão Php com MySql Figura 6.4.3a. Ferramenta phpmyadmin Figura 6.4.3b. Criando uma tabela no MySql com phpmyadmin Figura 6.4.3c. Definindo campos de uma tabela com o phpmyadmin Figura 6.4.3d. Inserindo dados com phpmyadmin Figura Inserindo Arquivos em Campo BLOB com phpmyadmin Figura 6.4.5a. Comando para Backup do PostGres Figura 6.4.5b. Exportando o banco de dados com o phpmyadmin Figura 6.4.5c. Importando o banco de dados com o phpmyadmin

12 xii LISTA DE TABELAS Tabela a. Mensagens de Voz (RATTON, 1996) Tabela b. Mensagens de Modo (RATTON, 1996) Tabela c. Mensagens Controles (RATTON, 1996) Tabela a. Mensagens Comuns (RATTON, 1996) Tabela b. Mensagens em Tempo Real (RATTON, 1996) Tabela c. Mensagens Exclusivas (RATTON, 1996) Tabela Byte de Status (RATTON, 1996) Tabela 2.1. Comparação entre tipos de bancos de dados Tabela 4.1. Características do Caché Tabela 4.2. Pontuação para classificação dos quesitos Tabela 6.3. Resultado da Avaliação dos Banco de Dados

13 xiii RESUMO Este trabalho apresenta uma pesquisa dos bancos de dados que possuem a característica de suportar o armazenamento de dados multimídia, selecionando alguns destes para experimentos com armazenamento de arquivos com o formato MIDI. Nesse sentido, descreve também a pesquisa e a análise das particularidades, principais características, vantagens e desvantagens da utilização de cada um dos bancos selecionados. Como resultado, pretende-se obter uma classificação das melhores tecnologias de armazenamento a serem usadas em um futuro trabalho de criação de um seqüenciador MIDI. Palavras-Chave: MIDI, Seqüenciadores MIDI, Bancos de Dados, Dados Multimídia.

14 xiv ABSTRACT This paper presents a research of data bases that possess the characteristic to support the storage of multimedia data, selecting them for experiments with storage of archives with format MIDI. In this direction, it also describes the research and the analysis of the particularitities, main characteristics, advantages and disadvantages of the use of each one of the selected databases. As result, it is intended to get a classification of the best technologies of storage to be used in a future work of creation of a sequenciador MIDI. Key-word: MIDI, Sequenciador MIDI, Databases, Multimedia Data.

15 15 INTRODUÇÃO É evidente o grande avanço da tecnologia computacional, sendo utilizada nas mais diversificadas áreas do desenvolvimento humano. Sendo assim, quando unida esta evolução a uma grande manifestação artística que é a música, surgiu uma nova área para pesquisas e investimentos, que pode ser chamada de tecnologia musical. O grande marco para evolução desta área aconteceu por volta de Após estudos de David Smith da Sequential Circuits, em colaboração com a Roland, em agosto de 1983 divulgou-se a primeira versão do MIDI ou Musical Instrument Digital Interface. Trata-se de um esquema de interconexão física e um protocolo de comunicação que possibilita o controle e conexão de instrumentos musicais em tempo real. Sendo assim pode-se controlar qualquer equipamento através deste protocolo, pois o MIDI não transmite o áudio e sim informações de controle de performance. Com o passar dos anos surgiram diversas categorias de software que vieram a utilizar do padrão MIDI. O principal destes são os softwares para seqüenciamento ou simplesmente seqüenciadores MIDI. Tratase de uma ferramenta que possui recursos eficientes para a manipulação precisa dos eventos MIDI que codificam a música executada. O desenvolvimento de um software seqüenciador não é uma tarefa trivial. Para facilitar e tornar viável esta implementação, é possível dividila em quatro grandes etapas: Primeiramente, um estudo das principais funcionalidades que são encontradas nos seqüenciadores atuais, e também a definição das necessidades que poderiam vir a ser adicionadas; Pesquisa e análise das possibilidades de armazenamento de dados em formato MIDI, bem como a indicação das melhores alternativas; Pesquisa e análise das alternativas para a recuperação de dados em formato MIDI;

16 16 Por fim, a junção destes estudos finalizando com o desenvolvimento em si. A primeira etapa já foi devidamente realizada e bem finalizada no trabalho: O Padrão MIDI e um Estudo Comparativo entre Softwares Seqüenciadores Musicais, que foi desenvolvido pelo acadêmico Tobias Schroeder no primeiro semestre do ano de Dando continuidade, este trabalho tem o objetivo de apresentar a pesquisa e análise das melhores possibilidades para o armazenamento dos dados MIDI, informando as principais alternativas junto com suas vantagens e desvantagens. Este trabalho trás primeiramente um embasamento teórico, com definições sobre computação musical, padrão MIDI e outras relacionadas a estas no primeiro capítulo. No segundo capítulo têm-se uma descrição de definições relacionadas a Bancos de Dados Orientados a Objetos, Objetos Relacionais e Padrões ODMG e SQL-99. Nos três capítulos seguintes se apresentam os bancos de dados escolhidos para a avaliação, a definição dos quesitos em que estes serão avaliados e a forma de classificação dos bancos. O último capítulo descreve como foram feitos os testes em cada um dos bancos de dados juntamente com a classificação obtida por cada um destes. Também neste capítulo encontram-se as considerações finais sobre as avaliações propostas por este trabalho.

17 17 1. COMPUTAÇÃO MUSICAL A música é uma arte diversificada, importante e vastamente apreciada por todos os povos do mundo. Segundo MED (1996), música é a arte de combinar os sons simultânea e sucessivamente, com ordem, equilíbrio e proporção dentro do tempo. Como grande e importante arte que é, a música não poderia deixar de receber ferramentas e inovações tecnológicas, que visam trazer facilidades e melhorias para a área. O grande desenvolvimento tecnológico e a crescente evolução computacional, juntamente com a busca por novas alternativas para o aprendizado e a composição musical fizeram com que um novo ramo, objetivando a pesquisa e o desenvolvimento da computação unida à música, viesse a surgir: a Computação Musical. Segundo DA SILVA (1999) a Computação Musical aborda a natureza da forma sônica, os algoritmos fundamentais para a produção de sons, as técnicas de processamento de sinais, as linguagens para síntese de áudio e noções de sistemas musicais e linguagens auditivas em geral. O termo computer music quando traduzido ao pé da letra como música de computador, dá a idéia de que a música seria computadorizada (robôs falando, vozes estranhas e outras coisas que marcaram os filmes de ficção da década de 60) o que não condiz com o seu verdadeiro significado. Segundo RATTON (1997) o termo computer music fica melhor interpretado quando definido como informática musical. Sendo assim fica claro que não se trata da música computadorizada, mas sim dos recursos da informática que são utilizados na criação, manipulação, execução e reprodução da música. O uso de um computador não significa que ele faça a música. A utilização da informática aliada à música vai muito alem disso, pois disponibiliza ao artista (músico, compositor, arranjador ou projetista de som) uma grande variedade de ferramentas que em suas mãos tem um potencial enorme. Sendo assim é essencial a presença do músico e a boa utilização das ferramentas depende muito de seu talento e competência.

18 18 Por mais que os benefícios sejam imensos, e as inúmeras facilidades que se pode obter com a utilização da informática na área da música, ainda há um grande preconceito quanto à utilização destes recursos por parte dos artistas. Para RATTON (1997) o computador na música deve ser visto como um novo instrumento à disposição do artista. Com a grande diferença do enorme potencial, que pode ajudar muito se for dominada a técnica de como utiliza-lo e aprender a conviver com os limites existentes. Portanto, computer music é todo o universo tecnológico vinculado ao computador que se coloca a disposição para se fazer esta arte, a música. E assim é preciso que se saiba como usar estes recursos da melhor forma, para se produzir o melhor resultado, em todos os aspectos, mas principalmente em termos artísticos HISTÓRICO De acordo com alguns historiadores, as primeiras tentativas de se utilizar a eletricidade para controlar sons deram-se ainda no século XVIII, através das experiências de Jean-Baptiste de La Borde que, em 1759, construiu o Clavecin Electrique. Um instrumento de teclado que utilizava cargas eletrostáticas para fazer com que pequenas lâminas metálicas batessem em sinos, produzindo os sons. O marco inicial do desenvolvimento da música eletrônica foi sem dúvida a invenção do telefone por Alexandre Graham Bell em A partir desta invenção foi demonstrado que o som poderia ser convertido em sinais elétricos, e estes em som. Neste mesmo período o americano Elisha Gray desenvolveu um dispositivo onde lâminas de aço vibravam e produziam sons controlados por um circuito elétrico oscilante. Chamado de Musical Telegraph, a invenção podia transmitir sons através do telefone. Segundo RATTON (2001), em 1877 o lançamento do livro The Sensation of Tone foi fundamental para que outras pessoas pudessem partir para empreitadas em busca de novos instrumentos musicais. Este trouxe a primeira discussão sobre a composição do som, usando como base o teorema

19 19 de Fourier que demonstra matematicamente a formação de um som musical complexo a partir da soma de vários sons (oscilações) mais simples. Helmholtz, o escritor, também apresentou explicações sobre as características da percepção do ouvido humano a sons fracos e fortes, e demonstrou cientificamente as razões das consonâncias entre sons diferentes, que deram origem às escalas musicais e à harmonia. Em 1897, o norte-americano Thaddeus Cahill patenteou um instrumento denominado Telharmonium, que teve seu primeiro modelo completo foi apresentado ao público apenas em Também conhecido como Dynamophone, o instrumento utilizava um conjunto de dínamos com ressaltos em seus eixos que, ao passar na frente de bobinas, produziam sinais de corrente alternada com diferentes freqüências de áudio. Esses sinais eram, então, controlados por teclados de sete oitavas com sensibilidade ao toque, e era possível produzir notas desde 40 Hz até 4 khz. O sinal produzido pelos geradores era convertido em som e amplificado acusticamente por cornetas, pois naquela época não existiam amplificadores. A aparência do Telharmonium estava mais para uma usina elétrica do que para um instrumento musical, pois sua estrutura tinha mais de 18 metros de largura e pesava cerca de 200 toneladas. O custo do empreendimento foi de 200 mil dólares na época. A partir deste período, com a invenção e propagação da utilização da eletricidade, a evolução de todas as áreas tecnológicas tomou um grande impulso. Para RATTON (2001) a evolução da tecnologia musical ficou dividida em 4 fases ou etapas, que estariam ligadas as inovações tecnológicas de cada período: válvulas e motores, transistores e chips, microprocessadores, softwares e dispositivos virtuais. A primeira fase compreende o período que vai do início do século XX (invenção da válvula) até o final da década de 1940 (invenção do transistor). Um aspecto interessante dessa fase está no fato de os novos instrumentos terem sido desenvolvidos em vários países diferentes, coisa que não acontece nos dias de hoje, em que os principais lançamentos vem dos EUA ou do Japão, demonstrando claramente uma concentração de conhecimento tecnológico. Neste período destacou-se a invenção do Theremin, do Trautonium e do RCA Mark I. O primeiro, inventado por Lev Sergeivitch

20 20 Termen, tinha o funcionamento baseado no princípio do batimento de freqüências, descoberto no início da era do rádio: a combinação de duas freqüências altas, uma delas variando, pode produzir uma freqüência mais baixa. Tratava-se de um instrumento que possuía duas antenas, uma vertical e outra circular, horizontal. Movendo-se uma das mãos nas proximidades da antena vertical podia-se controlar a altura da nota, e movendo-se a outra mão próxima da antena circular podia-se ajustar o volume do som. O resultado era um som monofônico, em que o músico podia alterar a nota e a intensidade, mas com um timbre fixo. O Trautonium, apresentado em 1930 por Freidrich Adolf Trautwein, funcionava a base de circuitos osciladores que acionavam uma resistência, que por sua vez ajustava a freqüência de oscilação, dando a nota musical desejada. O universo da música eletrônica começou a ficar mais complexo no início da década de 1950 quando os engenheiros norte-americanos Harry Olsen e Herbert Belar concluíram a construção do sintetizador RCA Mark I, um sofisticado sistema de síntese de sons, que ocupava uma sala inteira do laboratório da RCA. Era o primeiro sintetizador desenvolvido para produzir qualquer som, baseado nos conceitos de que o som é composto de vários parâmetros: freqüência, amplitude, espectro e envoltória, que podem ser controlados independentemente em tempo-real. O equipamento usava válvulas, mas já possuía circuitos sofisticados para geração dos harmônicos, filtragem, geração de envoltória, modulação, mixagem etc. Em 1948, depois de exaustivas pesquisas, surgia nos laboratórios Bell (Estados Unidos) o primeiro transistor. As conseqüências que este novo dispositivo trouxe para o mundo foram de enorme impacto, pois ele possibilitou significativas reduções de tamanho, de consumo de energia e, sobretudo, de custo nos equipamentos eletrônicos. Obviamente, a indústria musical logo também tratou de aproveitá-lo. Já na década de 1960, passou a construir o modelo Chamberlin 600, controlado por um teclado de 35 notas, que usava fitas de 3/8 e continha gravações de instrumentos acústicos. Apesar de ter conseguido algum sucesso, por ser uma novidade, o Chamberlin tinha deficiências graves em sua construção que, freqüentemente, estragavam as fitas. Tentando obter uma

21 21 solução, Chamberlin pediu ajuda a uma empresa inglesa chamada Bradmatic que, em 1966, adquiriu os direitos de usar sua patente, e passou a produzir novos modelos já com o nome Mellotron que foi considerado o primeiro sampler, e foi muito usado pelos principais grupos de rock progressivo da década de Na Califórnia, Don Buchla, utilizando-se da invenção dos transistores e dos chips, e já fazendo parte da segunda fase desta evolução da tecnologia musical, construiu seu primeiro sintetizador modular em 1963, encomendado pelo San Francisco Tape Music Center. O sintetizador de Buchla gerava os sons por processo subtrativo, possuindo vários módulos, cada qual com uma função específica no processo de síntese (oscilador, filtro, gerador de envoltória etc). O meio de controle era um teclado feito com placas sensíveis à pressão do toque, e pouco depois Buchla também desenvolveu um seqüenciador analógico, que era capaz de memorizar algumas notas em loop, acionando o sintetizador. A década de 1970 foi marcada pela entrada dos fabricantes orientais no mercado. Como exemplo pode citar-se a Yamaha, a Korg e a Roland. Estes fabricantes cresceram em um bom ritmo e, com isso, lideram até hoje o mercado de instrumentos musicais eletrônicos, graças aos grandes investimentos em pesquisa e desenvolvimento. Com a popularização dos microprocessadores ao da década de 1970 a indústria musical teve um grande salto evolutivo. O foco das empresas da área passou a ser a eletrônica digital, e não mais os circuitos analógicos dos anos anteriores. Entre 1978 e 1984, a Sequential Circuits lançava o Prophet-5, que veio a ser um grande marco para a indústria de sintetizadores. Tratava-se de um sintetizador polifônico, programável e capaz de armazenar as programações de timbres na própria memória. Desenvolvido por John Bowen e Dave Smith, este instrumento estabeleceu um novo conceito em sintetizadores, aproximando de vez, a tecnologia digital da indústria de instrumentos musicais. O Prophet-5 ainda trabalhava com a síntese subtrativa analógica, porém todo o controle do acionamento de notas e geração de sons já era feito digitalmente, comandado por um microprocessador, o Zilog Z-80. Além da memorização

22 22 interna, este instrumento permitia a transferência de programas para uma fita de gravador cassete. A medida que crescia a utilização de microprocessadores também aumentava-se os recursos agregados pelos instrumentos musicais. No início da década de 1980 surgiu então uma nova categoria de instrumentos musicais: o sampler. Este pode ser definido como sendo uma amostra de áudio. Na verdade a forma correta é "sample". Sampler passa a ser então o equipamento que possui a função de digitalizar, processar, armazenar e reproduzir uma amostra de áudio. Qualquer som pode ser sampleado. Desde uma batida de um martelo em um prego até o mais valioso dos violinos. O primeiro modelo comercial foi apresentado em 1980 pela empresa australiana Fairlight, e seu preço era cerca de 30 mil dólares na época. Tratava-se de uma máquina digitalizada, que apresentava oito vozes de polifonia, um teclado de seis oitavas, duas unidades de disquete de 8 (para armazenamento dos sons digitalizados), e um monitor de vídeo para edição manual na tela. Invenção de Kim Ryrie e Peter Vogel, o instrumento era controlado por dois microprocessadores e além de ser um sampler, também operava com síntese aditiva. Em 1984, com o lançamento do Yamaha DX7, foi decretado o fim dos sintetizadores analógicos. Além de ser totalmente digital, o som era gerado por um processo jamais visto antes. Com desenvolvimento na Universidade de Stanford, a síntese FM, foi uma criação que causou um dos maiores impactos no mercado dos instrumentos musicais. Esta tornou possível a criação de sons de enorme complexidade. Isto era feito através da modulação da freqüência de uma senóide por outra de freqüência igual ou próxima. Além da enorme gama de timbres possíveis, o que mais impressionava era a expressividade, podendo-se ter uma mudança radical de sonoridade dependendo da força do toque na tecla. O DX7 ainda trazia mais inovações impressionantes: a polifonia de 16 notas, teclado com sensibilidade, a key velocity e o controle de expressividade também por sopro ou pedal, 32 memórias internas e mais 64 em cartucho, e uma das primeiras implementações de MIDI. E foi em meados da década de 1980 o grande marco na história recente da tecnologia musical, o surgimento do MIDI Musical Instrument Digital Interface, que surgiu para padronizar as comunicações entre

23 23 instrumentos eletrônicos. O MIDI originou uma grande revolução no campo da música computacional e é a tecnologia que viabilizou a união da música com a informática. Assim iniciou-se a fase atual de evolução da tecnologia musical, que além da utilização de microcomputadores para fins musicais, também é marcada pelo aprimoramento da qualidade das amostras sampleadas, surgimento de uma infinita variedade de softwares e opções computacionais que auxiliam e facilitam o trabalho de um artista musical O Padrão MIDI Embora o uso de informática para fins musicais exista praticamente desde o surgimento do computador, seu uso só se tornou verdadeiramente intensivo a partir da década de 80. Isto se deve a duas razões principais: o barateamento e a conseqüente popularização dos microcomputadores e da tecnologia de um modo geral, e o advento do Padrão MIDI. O MIDI (Musical Instrument Digital Interface) é um padrão de transmissão digital de informações ("comunicação de dados") desenvolvido especificamente para fins musicais. Trata-se de um esquema de interconexão física e um protocolo de comunicação que possibilita o controle e conexão de instrumentos musicais em tempo real. Sendo assim, pode-se controlar qualquer equipamento através deste protocolo, pois o MIDI não transmite o áudio e sim informações de controle de performance. RATTON (1997) compara o funcionamento do padrão MIDI ao de um terminal bancário. Segundo este, o terminal pode transferir informações de e para uma central de processamento, assim como os instrumentos musicais dotados de MIDI também podem "falar" entre si. Da mesma forma que os sistemas bancários, o sistema MIDI usa também códigos digitais (bits e bytes), só que os códigos não carregam informações de saldo, saques, depósitos, etc, mas sim informações que dizem respeito a execução musical, como notas musicais, volume, acionamento de pedais, troca de timbres, etc (na verdade,

24 24 há também algumas outras informações não-musicais, como configurações de equipamentos de estúdio). Definido no ano de 1983, como resultado de um acordo tecnológico entre os principais fabricantes de sintetizadores norte-americanos e japoneses, o MIDI foi introduzido no mesmo ano, equipando o sintetizador Prophet-600, fabricado pela Sequential Circuits (empresa que apresentou a proposta original do MIDI, que foi revisada e aprovada por todos). A partir daí, a indústria eletrônica musical passou a ter um padrão de comunicação, que viabilizou o surgimento de inúmeros instrumentos e equipamentos compatíveis entre si. A importância de um padrão como o MIDI é gigantesco. Antes do seu surgimento, vários fabricantes tentaram comercializar sistemas semelhantes, mas que só eram compatíveis com eles mesmos, a falta de uma padronização trazia um atraso para o desenvolvimento tecnológico desta área. Como o MIDI não tem um proprietário (a especificação é de domínio público), qualquer empresa ou fabricante pode fazer uso dele em seus produtos, não tendo que pagar absolutamente nada por isso. Padrões são muito importantes nos dias de hoje (imagine se os fabricantes de lâmpadas usassem roscas diferentes), e a gratuidade do uso do MIDI foi um fator essencial para a sua disseminação e evolução. Com o acesso facilitado à tecnologia, com o seu barateamento, e o surgimento de um sistema padronizado para a transferência de informações entre os instrumentos musicais, criaram-se as condições básicas para uma evolução global - e irreversível - na computação musical, em todos os níveis Conexões e portas MIDI Uma das maiores preocupações dos criadores do Padrão MIDI, foi de que a sua inclusão nos instrumentos musicais não gerasse um aumento no custo de fabricação destes. Isso foi alcançado graças à grande simplicidade dos circuitos de utilizados em sua interface, e às facilidades que usuário tem na hora de interconectar seus equipamentos. A peça-chave para a conexão MIDI

25 25 é um cabo que utiliza conectores do tipo DIN comuns, de cinco pinos (conhecidos outrora como "plug Philips"), interligados por um cabo de áudio blindado com dois condutores internos, que também são utilizados em cabos balanceados, usados por microfones profissionais. A transmissão de dados MIDI se dá de forma unidirecional, isto é, os dados trafegam em um único sentido, e por isso, costumamos designar os instrumentos como "transmissor" (aquele de onde a informação sai) e "receptor" (aquele aonde a informação chega). Alguns autores também designam os equipamentos como "mestre" e "escravo", respectivamente. Em alguns casos mais complicados, pode-se operar o MIDI em modo bidirecional, de forma que os equipamentos tanto recebem quanto transmitem informações. Mas esse modo de operação requer a utilização de dois cabos, um para cada sentido. Os instrumentos MIDI possuem portas apropriadas para as ligações deste padrão, que são: a MIDI In, a MIDI Out e a MIDI Thru. A primeira, a porta MIDI In, serve para o instrumento receber informações, é por ela que se entram os dados quando o instrumento é receptor. A porta MIDI Out, por sua vez, serve para o instrumento transmitir as informações, e por ela que saem os dados quando o instrumento é o transmissor. A terceira porta, MIDI Thru, é também uma saída de dados, mas ao invés de transmitir as informações geradas no próprio instrumento, ela serve para retransmitir para outros as informações recebidas pelo instrumento através da porta MIDI In. A MIDI Thru é uma espécie de "papagaio", repete todos os dados que são recebidos, e serve para fazer encadeamentos entre vários instrumentos. Alguns instrumentos podem vir a não ter a porta MIDI thru Tipos de conexão MIDI A forma mais simples e mais comum de interligação MIDI é quando a saída MIDI Out de um instrumento é conectada à entrada MIDI In de outro instrumento.

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução a Banco de Dados Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 12/06/2013 Sumário Motivação da Disciplina

Leia mais

Banco de Dados Capítulo 1: Introdução. Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista

Banco de Dados Capítulo 1: Introdução. Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista Banco de Dados Capítulo 1: Introdução Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista O que é um Banco de Dados (BD)? É uma coleção de dados relacionados e armazenados em algum dispositivo. Propriedades

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

A música e a voz. A música e a voz. Síntese musical. A música e a voz. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos: Definição:

A música e a voz. A música e a voz. Síntese musical. A música e a voz. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos: Definição: A música e a voz Tópicos: A música e a voz Técnicas de síntese digital de som Definição: Técnicas de produção de seqüências de áudio a partir de uma seqüência de eventos musicais. Tipos de síntese: tempo

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Atualmente, existem vários tipos de software para MIDI. Vamos falar das características principais de alguns deles :

Atualmente, existem vários tipos de software para MIDI. Vamos falar das características principais de alguns deles : Dicas MIDI O que são softwares plug-ins? São softwares que necessitam de um programa "hospedeiro" para trabalhar. A instalação de plug-ins em seu software acrescenta janelas e funções e principalmente

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Aula 01 Tecnologias e Perspectiva Histórica Edgar Noda Pré-história Em 1642, Blaise Pascal (1633-1662) construiu uma máquina de calcular mecânica que podia somar

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Memória. Memória. Memória. Memória. Memória Parte I. Computador eletrônico digital. Sistema composto por

Organização Básica de Computadores. Memória. Memória. Memória. Memória. Memória Parte I. Computador eletrônico digital. Sistema composto por Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Parte I Organização Básica de Computadores Computador eletrônico digital Sistema composto por processador memória dispositivos de entrada e saída interligados.

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI.

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI. Introdução Gerenciamento de Dados e Informação Introdução Sistema de Informação (SI) Coleção de atividades que regulam o compartilhamento e a distribuição de informações e o armazenamento de dados relevantes

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

1 Noções de software musical Conteúdo

1 Noções de software musical Conteúdo Introdução Conceitos básicos de software educacional e informática na educação O software musical como auxílio aos professores de música Software para acompanhamento Software para edição de partituras

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 7 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Aprender sobre a modelagem lógica dos dados. Conhecer os

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação e isolamento de dados (ilhas de informações)

Leia mais

Computadores I: Dados e informações

Computadores I: Dados e informações Computadores I: Dados e informações A1 Texto 1 Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 20/06/2005 Autor: B.Piropo Dado e informação Um computador é uma máquina que tem por fim processar

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Conhecer os dispositivos de armazenamento por meio do conceito e dos tipos de memórias utilizadas no computador. Subsistemas de memória Memória

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Introdução... 2. Características das placas de som... 2

Introdução... 2. Características das placas de som... 2 á Placa de som: principais características... 2 Introdução... 2 Características das placas de som... 2 Conversores ADC e DAC... 2 Resolução das placas de som... 2 Taxa de amostragem... 3 Resposta de freqüência...

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express Tecnologia PCI express Introdução O desenvolvimento de computadores cada vez mais rápidos e eficientes é uma necessidade constante. No que se refere ao segmento de computadores pessoais, essa necessidade

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui.

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3 Tecnologia FPGA Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3.1. FPGA: Histórico, linguagens e blocos Muitos dos

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Documento confidencial Reprodução proibida 1 Introdução Em um mundo onde as informações fluem cada vez mais rápido e a comunicação se torna cada vez mais

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Software Control Center

Software Control Center Software Control Center Uma solução empresarial de segurança IP, com capacidade de gerenciamento de vídeos, áudio e alarmes sobre redes IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MECANISMOS

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 02 Hardware e Software Sistemas de Informação Baseados no Computador - CBIS PROCEDIMENTOS PESSOAS HARDWARE SOFTWARE BANCO DE DADOS TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 3 Sistema de Informação Conceito, Componentes e Evolução Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Conceito: Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Administração pela Web Para MDaemon 6.0

Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos Reservados. Os nomes de

Leia mais

Introdução à Programação. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

Introdução à Programação. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Introdução à Programação Orientada a Objetos Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Fev/2014 Histórico das linguagens de programação ENIAC (1944) Programação

Leia mais

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Aula 04 Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Prof. Otávio Gomes otavio.gomes@ifmg.edu.br sites.google.com/a/ifmg.edu.br/otavio-gomes/ 1 Bytes A maioria dos microcomputadores

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação Significado que pessoas associam

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Sistemas de Armazenamento

Sistemas de Armazenamento M. Sc. isacfernando@gmail.com Especialização em Administração de Banco de Dados ESTÁCIO FIR Tipo de Não importa quanta memória seu smartphone tenha, ele nunca terá o bastante para guardar todas as suas

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FRANCIS RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais