Provedor de Justiça Infantil (Ombudsman for Children) uma voz independente para crianças e adolescentes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Provedor de Justiça Infantil (Ombudsman for Children) uma voz independente para crianças e adolescentes"

Transcrição

1 Provedor de Justiça Infantil (Ombudsman for Children) uma voz independente para crianças e adolescentes

2 Quem é o Provedor de Justiça Infantil? Emily Logan é o primeiro Provedor de Justiça Infantil na Irlanda. Emily trabalhou como enfermeira para crianças durante 22 anos antes de ser Provedora de Justiça Infantil. Emily tem-se dedicado profissionalmente à promoção dos direitos e da assistência social das crianças, através do seu trabalho como enfermeira para crianças, nos vários cargos como Directora de Enfermaria que tem ocupado e, recentemente, como Provedora de Justiça Infantil. Começou a trabalhar com crianças no Temple Street Hospital no início da década de Emily dedicou então 10 anos a trabalhar no Reino Unido, no Guy's Hospital e no Great Ormond Street Hospital, onde integrou uma equipa de investigação que tratou de todos os incidentes clínicos posteriores ao homicídio de quatro crianças, cometidos por uma enfermeira diplomada num outro hospital. Emily voltou para a Irlanda para exercer o cargo de Directora de Enfermaria no Our Lady's Hospital para Crianças Doentes, em Crumlin, e foi posteriormente nomeada Directora de Enfermaria no Tallaght Hospital. Emily é titular de um MBA e de um MSC em Psicologia e de um Diploma em Meditação. Emily foi nomeada Provedora de Justiça Infantil em Dezembro de 2003, mas só começou a exercer as suas funções em Março de O processo de selecção foi muito inovador. O processo envolveu apenas três adultos. As outras 15 pessoas eram menores. Estes menores estiveram envolvidos logo desde o início do processo. As suas ideias foram incluídas na descrição do trabalho e contribuíram para o design do anúncio do trabalho, que ganhou um prémio. O primeiro período de seis anos de Emily Logan como Provedora de Justiça Infantil terminou em Dezembro de Emily foi novamente nomeada para o mesmo cargo para um novo período de seis anos, após as resoluções ditadas por ambas as Houses of the Oireachtas. O Provedor de Justiça Infantil é um cargo presidencial e depende organicamente das Oireachtas. 2

3 O que é um Provedor de Justiça Infantil? A palavra Ombudsman (Provedor de Justiça, em português) é de origem Escandinava. "Ombuds" significa defensor dos direitos e "man" refere-se às pessoas cujos direitos são defendidos - a humanidade. Um Provedor de Justiça é uma pessoa que salvaguarda os direitos dos indivíduos ou de grupos específicos em relação aos poderes e acções governamentais e de outros órgãos públicos. A Noruega foi o primeiro país a nomear um Provedor de Justiça especificamente para defender os direitos das crianças e adolescentes, em Hoje, muitos países dispõem de provedores de justiça infantil. Inicialmente, os serviços do Provedor de Justiça Infantil foram criados para investigar independentemente as reclamações contra organismos públicos. Após a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, que foi adoptada em 1989, para além das investigações deste tipo de reclamações, os serviços do Provedor de Justiça Infantil de todo o mundo têm lutado para defender os direitos das crianças e dos adolescentes, de acordo com a Convenção das Nações Unidas. Na Irlanda, desde 1996, muitas pessoas envolvidas nos direitos das crianças pressionaram o Governo para a instituição dum Provedor de Justiça Infantil irlandês. O Provedor de Justiça Infantil, que estabelece a função e os poderes deste Serviço, foi aprovado pelo Dáil e pelo Seanad em Emily Logan exerceu o cargo de primeira Provedora de Justiça Infantil na Irlanda, em Março de

4 Qual é a função do Provedor de Justiça Infantil? O Serviço do Provedor de Justiça Infantil foi estabelecido através da Lei do Provedor de Justiça Infantil de O objectivo do Provedor de Justiça Infantil é a defesa e salvaguarda dos direitos e assistência social das crianças e dos adolescentes menores de 18 anos. O Provedor de Justiça Infantil é independente do Governo e depende organicamente das Oireachtas. A Lei do Provedor de Justiça Infantil de 2002 descreve com detalhe quais são as funções do Provedor de Justiça Infantil. Os três âmbitos de trabalho principais definidos na Lei do Provedor de Justiça Infantil de 2002 são: Defesa dos direitos das crianças Em 1989, a Assembleia Geral das Nações Unidas adoptou a Convenção sobre os Direitos da Criança. Este documento é uma referência sobre como devem ser tratadas as crianças e sobre os direitos que possuem. A Lei do Provedor de Justiça Infantil de 2002 estabelece que o Provedor de Justiça deve usar a Convenção das Nações Unidas como uma ferramenta para a defesa dos direitos das crianças. Um dos direitos mais importantes na Convenção sobre os Direitos da Criança é o Artigo 12. Este artigo estabelece que as crianças e adolescentes têm direito a ser ouvidos em relação aos assuntos que os afectem. A Irlanda prometeu respeitar todos os direitos das crianças e adolescentes considerados no referido documento. A maioria dos restantes países do mundo também assinou a Convenção. 4

5 O Serviço conta com crianças e adolescentes envolvidos em projectos no âmbito das suas três funções. A sua participação aumenta a eficácia das nossas acções. Reclamações e investigações O Provedor de Justiça Infantil tem a competência para investigar reclamações sobre serviços fornecidos a crianças e adolescentes menores de 18 anos por órgãos, escolas e hospitais públicos. O critério padrão determina a intervenção no caso em que uma criança tenha ou possa ter sido afectada negativamente pela acção ou inacção dum órgão público e que tenha ou possa ter tido uma incorrecta administração. Em relação às reclamações, a OCO não exerce a função de advogado da criança, nem de adversário para o organismo público. A OCO faz o seu melhor para encontrar soluções positivas para todas as partes. Respeitamos os denunciados e procuramos fornecer-lhes apoio na compreensão dos assuntos, para aprender e, quando for necessário, alterar os sistemas e processos correspondentes. A OCO esforça-se para assegurar que a experiência para ambas as partes seja construtiva, para poder conseguir os resultados mais positivos para a criança no centro da reclamação, o organismo público no centro da reclamação e, basicamente, para todas as crianças que estiverem em contacto com os organismos públicos. As reclamações podem ser efectuadas por crianças e adolescentes menores de 18 anos ou por adultos em seu nome. Antes de o Provedor de Justiça Infantil poder investigar um caso, devem ser seguidos os procedimentos de reclamação locais (os procedimentos próprios da escola, organismo público ou hospital). Este facto é importante para que as pessoas envolvidas possam ter a oportunidade de solucionar o problema. O Serviço do Provedor de Justiça Infantil irá confirmar se tal aconteceu, antes de o 5

6 Serviço investigar qualquer reclamação. O Serviço pode fornecer aconselhamento sobre como efectuar reclamações localmente. Investigação e legislação Para proteger e defender os direitos e assistência social das crianças e adolescentes, é essencial que o trabalho da OCO seja baseado no desenvolvimento de políticas perceptivas e cautelosas. A realidade é que, devido a um número de razões complexas, muitas crianças são hoje vulneráveis na Irlanda. Este problema tem de mudar. Trabalhamos arduamente para assegurar que a legislação, políticas nacionais e serviços estatais para crianças e adolescentes cumpram os padrões internacionais sobre direitos humanos e que, especialmente, cumpram as obrigações da Irlanda em relação à Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança. A Lei do Provedor de Justiça Infantil de 2002 estabelece a função de investigação e política da OCO. Esta função inclui o aconselhamento aos Ministros acerca do desenvolvimento e a coordenação de políticas encaminhadas para as crianças; a monitorização e revisão da operação de legislação relativa aos direitos e assistência social das crianças; o empreendimento, promoção e publicação de investigações acerca de qualquer aspecto relacionado com os direitos e assistência social das crianças; e o aconselhamento aos Ministros acerca da implementação de propostas legislativas relevantes encaminhadas especificamente para as suas implicações com as crianças e a respectiva assistência social. 6

7 Como contactar-nos Site Endereço postal Millennium House Great Strand Street Dublin 1 Telefone Linha gratuita de reclamações

8 Comunicar uma reclamação ao Serviço do Provedor de Justiça Infantil Quem pode comunicar uma reclamação? Pode comunicar uma reclamação ao Provedor de Justiça Infantil se: tiver menos de 18 anos e achar que qualquer acção realizada por um organismo público, escola ou hospital voluntário o tenha tratado de modo injusto; ou se for um adulto e desejar comunicar uma reclamação em nome duma criança ou adolescente menor de 18 anos, se considerar que a criança foi afectada negativamente por qualquer acção realizada por um organismo público, escola ou hospital voluntário. Se não for o pai da criança, os pais deverão ser informados acerca da reclamação. Contra quem posso comunicar uma reclamação? 8

9 Pode comunicar uma reclamação sobre: - um organismo público / escola / hospital O Serviço do Provedor de Justiça Infantil pode apenas investigar as reclamações contra organismos públicos, escolas credenciadas pelo Ministério da Educação e Habilitações e hospitais voluntários (hospitais com conselho de administração próprio). O Provedor de Justiça Infantil não pode investigar reclamações efectuadas contra organizações privadas, como creches privadas. O que posso denunciar? O Provedor de Justiça Infantil pode investigar uma denúncia sempre que qualquer acção tenha provocado um efeito negativo numa criança, que tenha sido: efectuada sem a autoridade apropriada; resultado de negligência ou descuido; baseada em informações incompletas ou erradas; baseada em discriminação; baseada em práticas de gestão inadequadas; ou não baseada em práticas de gestão justa. Quando posso fazer a denúncia? É muito importante que siga os procedimentos de denúncia locais em primeiro lugar. Por isso, deve comunicar a denúncia directamente à organização em causa e dar uma oportunidade de solucionar o problema. Se após este passo não estiver satisfeito, pode fazer a denúncia ao Provedor de Justiça Infantil. Para fazer a denúncia, pode: Escrever para: Ombudsman for Children s Office Millennium House Great Strand Street 9

10 Dublin 1 Ou Por para Ou Ligar para nós, através da linha gratuita Ou Comunicar a denúncia directamente na Internet, através do site Como posso fazer a denúncia? Quando enviar uma denúncia por escrito, deverá incluir tanta informação quando possível, incluindo: uma explicação breve acerca da denúncia; os seus detalhes de contacto; os detalhes de contacto do organismo acerca do qual realiza a denúncia, se for possível; e outros detalhes de contacto relevantes e úteis, como o nome e número de telefone do seu assistente social, director da escola, etc. Se conhecer alguém que precise da ajuda do nosso Serviço e que não possa escrever a denúncia ou ler correspondência escrita, contacte um dos nossos membros e iremos encontrar alternativas mais apropriadas de comunicação. A OCO também desenvolveu materiais de denúncia para crianças e adolescentes, que estão disponíveis em ou através do nosso Serviço. 10

11 Organismos que o Provedor de Justiça Infantil pode investigar 1. Escolas primárias e pós-primárias (incluindo Gaelscoileanna) e as cinco escolas de correcção de crianças na Irlanda credenciadas pelo Ministério da Educação e Habilitações 2. Hospitais voluntários (hospitais com conselho de administração próprio) 3. Autoridades locais 4. Serviço Público de Saúde e Autoridades Sanitárias (anteriormente Health Boards) 11

12 5. Ministérios governamentais 6. Organismos públicos que forneçam serviços a crianças e adolescentes. Se não tiver a certeza sobre se o organismo objecto da sua denúncia está incluído no âmbito da OCO, contacte-nos e iremos aconselhá-lo. Por vezes, não intervimos A Lei do Provedor de Justiça Infantil de 2002 detalha as responsabilidades e obrigações do Provedor de Justiça Infantil. O Serviço do Provedor de Justiça Infantil não pode intervir numa denúncia se: for contra um organismo que não seja um organismo público, escola ou hospital, ou qualquer outro organismo não especificado na Lei do Provedor de Justiça Infantil de 2002; a criança não foi tratada de maneira injusta; 12

13 a pessoa que efectuar a denúncia não tenha feito os esforços suficientes para resolver a situação com o organismo em causa, por exemplo, através do procedimento de reclamação ou denúncia próprio do organismo; já foi investigado anteriormente por qualquer outro Serviço do Provedor de Justiça; estiver relacionado com um caso judicial especificamente excluído das competências do Provedor de Justiça Infantil de acordo com a Lei do Provedor de Justiça Infantil de Uma denúncia é considerada fora da nossa competência, de acordo com a Lei do Provedor de Justiça Infantil de 2002, se: estiver a ser processado por um tribunal; afectar ou estiver relacionado com procedimentos militares ou de segurança nacional; estiver relacionado com o recrutamento ou nomeação de pessoal; estiver relacionado com um contrato de serviços ou de emprego; estiver relacionado com o modo de garantir asilo, imigração, nacionalização ou cidadania; for apresentada sobre o funcionamento de prisões e outros locais de detenção (sem incluir as escolas de correcção de crianças - a OCO tem competência para investigar o funcionamento deste tipo de escolas); estiver relacionado com resultados de exames; e se a denúncia não for efectuada durante os dois anos seguintes à ocorrência ou seguintes à descoberta da acção, excepto em circunstâncias especiais. 13

14 Se não o pudermos ajudar, talvez estas organizações possam... Outros Serviços de Provedoria de Justiça Financial Services Ombudsman (Provedor de Justiça de Serviços Financeiros) 14

15 3rd Floor, Lincoln House, Lincoln Place, Dublin 2 Chamada local: T: F: W: O Provedor de Justiça de Serviços Financeiros é um funcionário estatutário que trata, de forma independente, as denúncias não resolvidas de consumidores acerca das suas relações individuais com todos os fornecedores de serviços financeiros. Garda Síochana Ombudsman Commission (Comissão de Provedoria de Justiça da Garda Síochana) 150 Abbey Street Upper, Dublin 1. Chamada local: T: F: W: A Comissão de Provedoria de Justiça da Garda Síochána é um órgão estatutariamente competente, que tem a obrigação e as competências para: Investigar directa e independentemente denúncias contra membros da Garda Síochána; Investigar qualquer assunto, ainda que não exista qualquer denúncia, onde aparentemente um agente da Garda possa ter cometido uma infracção ou possa ter agido de modo a justificar um processo disciplinar; 15

16 Investigar qualquer prática, política ou procedimento da Garda Síochána tendo por objectivo reduzir a incidência das denúncias derivadas dos mesmos. Office of the Ombudsman (Serviço da Provedoria de Justiça) 18 Lr. Leeson Street, Dublin 2. T: Chamada local: F: (01) W: O Serviço da Provedoria de Justiça examina as denúncias acerca das acções administrativas dos ministérios governamentais, o Conselho Executivo dos Serviços de Saúde (Health Service Executive), as autoridades locais e An Post. Ombudsman for the Defence Forces (Provedor de Justiça das Forças de Defesa) 13/15 Lower Hatch Street Dublin 2 T: F: W: O Provedor de Justiça das Forças de Defesa investiga as denúncias apresentadas por membros e antigos membros das Forças de Defesa. Provedor de Justiça de Pensões 36 Upper Mount Street Dublin 2 16

17 T: +353 (0) F: (0) W: O Provedor de Justiça de Pensões investiga e toma decisões acerca das denúncias e disputas relativas aos sistemas de pensões, aos planos pessoais de pensões de reforma (PRSAs) e contratos fiduciários anuais de pensões. Press Ombudsman (Provedor de Justiça de Imprensa) 1, 2 & 3 Westmoreland Street Dublin 2 T: Chamada local: F: W: O Provedor de Justiça de Imprensa visa fornecer aos cidadãos um método rápido, justo e gratuito para resolver qualquer queixa que possa ocorrer em relação aos jornais e periódicos que quebrarem o respectivo Código Profissional. An Comisinéir Teanga An Spidéal, Co. na Gaillimhe Tel: Fax: (091) A função do Comissário Teanga é procurar garantir que os órgãos públicos cumpram as disposições da Lei de Línguas Oficiais e tomar todas as medidas necessárias para assegurar o cumprimento das obrigações dos referidos órgãos de acordo com a Lei. 17

18 Outras organizações: Barnardos Callsave: Tel (01) Os serviços de Barnardos incluem: apoio familiar aconselhamento por luto a crianças que tenham sofrido a perda duma pessoa próxima; e Guardian ad litem representação dos interesses das crianças perante os tribunais. ISPCC/Childline Linha gratuita: A Childline é um serviço de atendimento para crianças organizado pela Sociedade Irlandesa para a Prevenção da Crueldade contra a Criança (ISPCC). Conselho Nacional da Educação Especial T: F: W: O Conselho Nacional da Educação Especial organiza serviços educativos e de assistência educativa para crianças com incapacidades que apresentem necessidades educativas especiais. O serviço local é fornecido por um organizador de necessidades educativas especiais. A sua escola local poderá fornecer-lhe os dados de contacto ou, em alternativa, pode contactar o NCSE directamente através do número acima referido. 18

19 National Educational Welfare Board (Conselho Nacional de Assistência Educativa) T: (01) W: A função principal do Conselho é assegurar que todas as crianças no Estado frequentem uma escola oficial ou recebam a educação apropriada. Health Information and Quality Authority (HIQA) (Autoridade de Qualidade e Informação Sanitária) T: (021) Delegação regional de Dublin. Tel: (01) A HIQA é responsável pela qualidade e segurança nos serviços de assistência sanitária e social na Irlanda. Irish Association of Young People in Care (IAYPIC) (Associação Irlandesa de Crianças em Regime de Acolhimento Familiar) T: W: A função da IAYPIC é dar voz às crianças em regime de acolhimento familiar, defender os seus direitos, fornecer-lhes informação, aconselhamento e apoio e promover a sua participação. Irish Refugee Council (IRC) (Conselho de Refugiados Irlandeses) T: W: O Conselho Irlandês dos Refugiados visa: 19

20 assegurar que todos os aspectos da prática e políticas de asilo e refúgio (legal, social, económico e cultural) na Irlanda respeitam a legislação internacional e os direitos humanos dos refugiados e requerentes de asilo; favorecer o trabalho em rede, a troca de informações e as necessidades jurídicas das comunidades de refugiados e requerentes de asilo, dos sócios da IRC e das organizações com finalidades semelhantes. Envolvimento de crianças e jovens com a OCO As crianças e jovens são o centro da atenção do nosso trabalho no Serviço da Provedoria de Justiça Infantil (OCO). As crianças e os jovens têm muito para nos ensinar sobre as suas experiências e são sempre muito generosos com os seus conhecimentos, pontos de vista e tempo. É apenas com a sua contribuição que o nosso trabalho faz sentido e acresce sucesso ao nosso trabalho. A Lei da Provedoria de Justiça Infantil de 2002, que define o procedimento de funcionamento da OCO, estabelece que as crianças devem poder influenciar o trabalho do Provedor de Justiça Infantil. A Secção 7(2) (a) da Lei da Provedoria de Justiça Infantil de 2002 estabelece que o Provedor de Justiça Infantil deve reunir-se regularmente com grupos de crianças e adolescentes. O nosso dever é trabalhar em nome de todas as crianças e adolescentes menores de 18 que vivem na Irlanda. Reunimo-nos com crianças e adolescentes com a máxima frequência, para ter a certeza de que o nosso trabalho é relevante. Trabalhamos por todo o país para nos reunirmos com crianças e adolescentes em vários eventos e muitos visitantes vêm falar connosco na OCO. 20

21 Os adolescentes trabalham connosco em muitos projectos diferentes, como o nosso aconselhamento a crianças que vieram para a Irlanda sem os pais; o nosso aconselhamento a adolescentes na Instituição de St Patrick; e através do nosso trabalho de denúncias. Por vezes, dão-nos conselhos sobre como fazer o nosso trabalho, outras vezes ensinamos-lhes o que fazemos e conversamos acerca dos direitos das crianças. O que é o YAP? O YAP é um grupo de jovens entre 12 e 17 anos que ajudaram a orientar o trabalho do nosso Serviço desde o início. Este grupo muda a cada poucos anos e a OCO, por vezes, prescinde desta estrutura para poder certificar-se de que se reúne e consulta o maior número de jovens diferentes e no máximo de maneiras possível. Os jovens do YAP oferecem-nos uma visão jovem. Participam como individuais a título pessoal e não como representantes de outros jovens. O que fazem os membros do YAP? A função do YAP é muito extensa. Os seus membros: dedicam-se à contratação do nosso pessoal; do seu ponto de vista jovem, analisam a nossa comunicação externa com crianças e jovens por exemplo, o site, o material informativo, os relatórios anuais, cartazes; aconselham-nos acerca da melhor maneira de comunicarmos com crianças e adolescentes; ajudam a informar-nos acerca dos temas emergentes para crianças e adolescentes; aconselham-nos acerca do planeamento e desenvolvimento de eventos da OCO; participam no design e desenvolvimento contínuo das instalações da OCO; participam no planeamento da OCO; 21

22 estão activamente envolvidos na promoção do trabalho da OCO e da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (UNCRC) com outras crianças e adolescentes; ajudam a OCO com as tarefas de comunicação na rádio e TV; e realizam pesquisas de opinião acerca dos assuntos de investigação e políticas novas para a OCO. Visitas à OCO O nosso Serviço recebe regularmente visitas de escolas, nas quais organizamos workshops onde as crianças e adolescentes podem aprender acerca dos seus direitos. Os estudantes de escolas primárias e pós-primárias e membros de grupos de jovens participam nestes workshops. Os workshops são concebidos como complemento ao currículo académico acerca dos direitos humanos em uso na escola e nas instituições de jovens. Baseiam-se na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (UNCRC) e no papel do Serviço da Provedoria de Justiça Infantil. As crianças e adolescentes têm estado activamente envolvidos no design dos workshops. Dão-nos uma oportunidade contínua de saber a opinião das crianças e dos adolescentes acerca dos assuntos relacionados com o nosso trabalho. Outros âmbitos de envolvimento dos jovens: Em Dezembro de 2005, pedimos ao Centro de Investigação Infantil, no Trinity College de Dublin, para estudar qual seria a melhor maneira para as crianças participarem nas nossas actividades. Pedimos-lhes um modelo que nos mostre como as crianças podem trabalhar connosco nos nossos âmbitos de trabalho e através deles. Como parte deste projecto, organizamos uma jornada especial onde os membros do YAP ajudaram a gerir os encontros com jovens de idades diferentes, de várias zonas da Irlanda e com perfis de vida diferentes. Trabalharam para descobrir a melhor maneira para nos comunicarmos com os jovens e a incluí-los nos vários aspectos do nosso trabalho. 22

23 O YAP e as visitas à OCO são exemplos de estruturas que estabelecemos para assegurar que ouvimos o que os jovens têm a dizer. O nosso site Quisemos ter a certeza de que o nosso site era interessante e relevante para os jovens e, por isso, organizámos um concurso para encontrar ideias para o novo site da OCO. Os finalistas reuniram-se com uma empresa de design e encontraram ideias para o aspecto do site e para vários sites diferentes. Pedimos a três outros grupos de jovens para nos ajudarem a escrever conteúdos "para jovens" e verificamos com outros jovens até o site estar pronto para ser apresentado. A Grande Votação Em 2007, organizámos a maior consulta infantil e juvenil da Irlanda. Cerca de crianças e jovens de 4 a 18 anos de 550 escolas, Centros Youthreach e Centros de Formação de Viajantes Sénior votaram nos assuntos em que a OCO deve trabalhar, em seu nome. As crianças e jovens disseram-nos que a "Família e Atenção" é o assunto mais importante para eles. Também votaram na "Educação", "Jogos e Lazer", "Serem Ouvidos" e "Saúde, Riqueza e Bem-estar Material". A OCO continua a trabalhar em todos estes assuntos através do seu trabalho de denúncias e investigações, políticas e legislação e de educação e participação. 23

24 Política e legislação A Lei de Provedoria de Justiça Infantil de 2002 estabelece o tipo de política e legislação segundo a qual trabalhamos. Quais são as nossas políticas? Aconselhamos o Governo sobre como tratar com aspectos importantes para crianças e jovens. Mantemo-nos informados acerca das leis que afectam as crianças e fazemos recomendações com o objectivo de melhorar a legislação. Encorajamos as organizações públicas a defender os direitos e bem-estar das crianças. Como fornecemos aconselhamento ao Governo Escrevemos relatórios ao Governo que detalham os nossos conselhos e recomendações. Reunimo-nos com ministros, funcionários públicos e membros da Oireachtas para discutir as nossas posições e encontrar soluções para os problemas. 24

25 No passado, aconselhamos ao Governo em vários aspectos, como: a protecção contra o abuso infantil; o sistema penal; como alterar a Constituição para oferecer uma melhor protecção para os direitos das crianças; as condições e circunstâncias em que vivem as crianças que vieram para a Irlanda sem os pais; e o estabelecimento de mecanismos de revisão das circunstâncias da mortalidade infantil na Irlanda, para reduzir totalmente as mortes evitáveis. Ouvimos as crianças Ouvimos as crianças e os jovens quando realizamos o nosso trabalho. As suas vozes ajudam-nos a decidir em que aspectos devemos trabalhar e o que podemos fazer. Então, usamos os nossos poderes e a nossa posição para dar atenção a essas vozes perante o Governo e a Oireachtas. 25

26 Resumo da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança Todas as crianças e jovens têm os mesmos direitos. A Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança lista os direitos que todas as crianças e jovens devem ter. Todas as crianças têm os mesmos direitos e é da responsabilidade dos jovens e dos adultos assegurar o respeito dos mesmos. Todas as crianças menores de 18 anos têm: o direito à vida; o direito a um nome e nacionalidade; o direito a serem respeitados os seus direitos por pessoas que tomarem decisões ao seu respeito; o direito a estar com os seus pais ou com quem tratar melhor deles; o direito a opinar sobre o que lhes diz respeito e o dever dos adultos de ouvi-los e considerar seriamente as suas opiniões; 26

27 o direito a ter ideias e dizer o que pensam; o direito de praticar a sua religião; o direito de se encontrar com outras crianças; o direito de ter a informação de que precisam; o direito de receber atenção especial, educação e formação, se necessárias; o direito de receber assistência médica; o direito de ser suficientemente alimentados e dispor de água limpa; o direito à educação livre; o direito de jogar e descansar; o direito de falar a sua própria língua; o direito de aprender e desfrutar da sua própria cultura; o direito de não serem usados como trabalhadores baratos; o direito de não serem magoados ou negligenciados; o direito de não serem usados como soldados em guerras; o direito de serem protegidos do perigo; e o direito de conhecer os seus direitos e responsabilidades. 27

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

Apresentar queixa por corrupção à ICAC

Apresentar queixa por corrupção à ICAC Apresentar queixa por corrupção à ICAC A função da ICAC A Comissão Independente Contra a Corrupção foi fundada em 1988 para investigar e reduzir a corrupção no sector público de NSW. Sobre a ICAC A ICAC

Leia mais

I. Em primeiro lugar apresente a queixa à instituição seguradora autorizada

I. Em primeiro lugar apresente a queixa à instituição seguradora autorizada DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A PROSSEGUIR NO TRATAMENTO DE QUEIXAS CONTRA SEGURADORAS, MEDIADORES DE SEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES DE DIREITO PRIVADO Introdução 1. Ao abrigo do Estatuto

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

O que fazer se não ficar satisfeito ou se tiver preocupações relativamente aos nossos Serviços

O que fazer se não ficar satisfeito ou se tiver preocupações relativamente aos nossos Serviços Contactos Chief Executive (Director Administrativo) Tel.: 01225 428331 Complaints Manager (Gestor de Reclamações) Complaints@ruh-bath.swest.nhs.uk Tel.: 01225 821857 PALS Manager pals@ruh-bath.swest.nhs.uk

Leia mais

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E DOS DIREITOS HUMANOS DIRECÇÃO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris As Instituições Nacionais

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

Carta dos Direitos do Cliente

Carta dos Direitos do Cliente A pessoa com deficiência ou incapacidade, deve ser educada e viver na comunidade, mas com programas e apoios especiais. Cercisiago Carta dos Direitos do Cliente Março de 2010 Carta dos Direitos do Cliente

Leia mais

A sua reclamação e o provedor de justiça (Ombudsman)

A sua reclamação e o provedor de justiça (Ombudsman) A sua reclamação e o provedor de justiça (Ombudsman) Acerca do provedor de justiça O Financial Ombudsman Service pode intervir se tiver apresentado uma reclamação a uma instituição financeira e não tiver

Leia mais

Como reclamar de um profissional de saúde. Índice

Como reclamar de um profissional de saúde. Índice Como reclamar de um profissional de saúde Índice Acerca desta brochura... 1 O que é o HPC?... 1 O que significa aptidão para exercer?... 2 E se não ficar satisfeito com um registante?... 2 Quem pode fazer

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos...

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Uma introdução aos direitos da criança Todas as pessoas têm direitos. Se fores um rapaz ou uma rapariga com menos de 18 anos, tens também certos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

Se tiver uma queixa... If you have a complaint...

Se tiver uma queixa... If you have a complaint... Cambridge & Peterborough NHS NHS Foundation Trust Compreendemos a saúde mental, compreendemos as pessoas Se tiver uma queixa... If you have a complaint... Abril 2010 Em parceria com a Universidade de Cambridge

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução 3 Introdução Este livreto explica em linguagem clara o que o (DPP) faz. O livreto tenta responder às perguntas que as pessoas nos fazem mais frequentemente. Ele não lida com cada situação possível e não

Leia mais

Discriminação e racismo

Discriminação e racismo Direitos trabalhistas Bancos 49 a 05 Discriminação e racismo Discrimination and Racism 05 50 VIDA NA IRLANDA O que é discriminação? Na Irlanda, a discriminação tem significado específico de acordo com

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Mediação Familiar Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Altera a Organização Tutelar de Menores, nomeadamente através da introdução de novos artigos de que destacamos aquele que se refere à mediação Artigo 147.º

Leia mais

Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978

Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978 Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978 O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição

Leia mais

ANÚNCIO Nº AfCHPR/07/2011

ANÚNCIO Nº AfCHPR/07/2011 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA AFRICAN COURT ON HUMAN AND PEOPLES RIGHTS COUR AFRICAINE DES DROITS DE L HOMME ET DES PEUPLES P.O Box 6274 Arusha, Tanzania, Tel: +255 732 979506/9; Fax: +255

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS 01 - Modelo de protecção das crianças e jovens em risco 02 - O que são as CPCJ? 03 - Qual o papel/funções do Ministério Público? 04 - Modelo de intervenção 05 - Conceito

Leia mais

Tradução da brochura sobre Admissões às Escolas Secundárias em Brighton & Hove em 2012/13

Tradução da brochura sobre Admissões às Escolas Secundárias em Brighton & Hove em 2012/13 Tradução da brochura sobre Admissões às Escolas Secundárias em Brighton & Hove em 2012/13 Introdução Este resumo dos procedimentos de admissão à escola é para os pais que falam inglês como língua estrangeira.

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012)

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) Plano de Protecção à Criança do CENTRO DE EDUCAÇÃO DELTA CULTURA (CEDC) (Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) INTRODUÇÃO: Este documento é o Plano de Protecção

Leia mais

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas,

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas, Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL Odivelas, 20 de Novembro 2010 Caros Colegas, Estando a terminar este ano de trabalho na Federação Concelhia de Odivelas, da qual eu fiz parte dos seus Órgãos Sociais neste

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU O Provedor de Justiça Europeu procede a inquéritos para esclarecer eventuais casos de má administração na atuação de instituições, organismos, gabinetes e agências da União

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

EU CONTO! Autorrepresentação e Cidadania - capacitar pessoas com deficiência intelectual

EU CONTO! Autorrepresentação e Cidadania - capacitar pessoas com deficiência intelectual EU CONTO! Autorrepresentação e Cidadania - capacitar pessoas com deficiência intelectual Eu conto! Palavras explicadas Vai encontrar no texto deste guia algumas palavas a negrito. Estas palavras podem

Leia mais

Estabelecendo Prioridades para Advocacia

Estabelecendo Prioridades para Advocacia Estabelecendo Prioridades para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

ADMISSÃO HOSPITALAR PARA AVALIAÇÃO

ADMISSÃO HOSPITALAR PARA AVALIAÇÃO ADMISSÃO HOSPITALAR PARA AVALIAÇÃO (Secção 2 da Lei de Saúde Mental de 1983) 1. NOME DO DOENTE 2. NOME DO RESPONSÁVEL PELO SEU TRATAMENTO (O SEU MÉDICO RESPONSÁVEL ) 3. NOME DO HOSPITAL E ENFERMARIA Porque

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, RECOMENDAÇÃO 190 SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

Assistência Médica e Saúde

Assistência Médica e Saúde Assistência Médica e Saúde O Governo da RAEM define e prossegue as linhas de acção governativa de Tratamento seguro e adequado com prioridade para a prevenção em correspondência à directriz de elevar a

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Por vezes surgem perguntas relativas a Intermediários Promotores

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 011-551 7700 Fax : 011-551 7844 website : www. au.int Criada como um organismo Pan-africano continental único,

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de medicina geral a prestar a favor do gabinete médico do Parlamento Europeu em Estrasburgo 2014/S 114-199811

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de medicina geral a prestar a favor do gabinete médico do Parlamento Europeu em Estrasburgo 2014/S 114-199811 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:199811-2014:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de medicina geral a prestar a favor do gabinete médico do Parlamento

Leia mais

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) Ministério da Educação Janeiro

Leia mais

Concurso Escola Mundo: Estudantes em Acção

Concurso Escola Mundo: Estudantes em Acção NEWSLETTER nº7 CONTEÚDOS: Pág.1 Concurso Escola Mundo: Estudantes em Acção Pág.1 Acções de Estudantes em Portugal Pág.2 Acções de Estudantes na Estónia Pág.3 Acções de Estudantes na Bulgária Pág.3 Acções

Leia mais

Conselho Nacional de Educação. Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006)

Conselho Nacional de Educação. Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006) Votos de Pesar VOTOS DE PESAR Conselho Nacional de Educação Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006) Faleceu hoje, vítima de doença prolongada, a Prof. a Doutora Maria Teresa Vieira

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Acerca deste folheto

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Acerca deste folheto O Papel do DPP Gabinete do Procurador-Geral Novembro 2015 O Papel do DPP 3 Acerca deste folheto Este livreto explica em linguagem clara o que o Escritório do Procurador-Geral (DPP) faz. O livreto tenta

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega

Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega Njal Hoestmaelingen, Diretor do Instituto de Direito e Política Internacional (ILPI) Discurso feito por Njaal Hoestmaelingen no Seminário de

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

Glossário. Assembleia de Voto É o local onde o eleitor vota, ou o conjunto de cerca de 1.000 eleitores que a integram.

Glossário. Assembleia de Voto É o local onde o eleitor vota, ou o conjunto de cerca de 1.000 eleitores que a integram. Glossário Apuramento Geral É a determinação final e a nível nacional através de escrutínio, da vontade expressa pelos eleitores relativamente à escolha dos Deputados ao Parlamento e do Presidente da República.

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO A disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro de 1998 Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do

Leia mais

student complaints procedure (Portuguese)

student complaints procedure (Portuguese) student complaints procedure (Portuguese) Reclamações contra os centros afiliados ao English UK Este documento descreve como o English UK lida com reclamações contra os seus centros de linguagem afiliados.

Leia mais