RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PROVEDORES DE ACESSO A INTERNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PROVEDORES DE ACESSO A INTERNET"

Transcrição

1 89 RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PROVEDORES DE ACESSO A INTERNET Regiane Scoco Laurádio 1 Sumário: 1. Introdução. 2. Responsabilidade Civil Responsabilidade Civil no Código Civil Responsabilidade Civil no Código de Defesa do Consumidor. 3. Deveres dos Provedores de Acesso a Internet. 4. Tipos de Provedores de Acesso. 5. Conclusão. 6. Bibliografia. Resumo: O presente trabalho visa abordar a responsabilidade civil dos provedores de acesso a internet, passando da esfera cível para a dos direitos do consumidor, conceituando os tipos de provedores, seus deveres e suas responsabilidades. Palavras-chave: Direito - Responsabilidade Civil Provedores - Internet Código Civil Código de Defesa do Consumidor. 1. INTRODUÇÃO: A internet rede mundial de computadores é um fenômeno mundial, integrando a vida cotidiana de milhões de pessoas ao redor do mundo todo, sendo que é através dela que muitas pessoas navegam para adquirir conhecimentos, realizar trabalhos e pesquisas, fazer pagamento de contas e acessar aplicações financeiras, bem como a utilizam para a aquisição de bens e serviços. A internet surgiu nos Estados Unidos no final da década de 60, com o objetivo de facilitar a comunicação durante o período da Guerra Fria. No início, apenas funcionários do Departamento de Defesa norte americano tinham acesso ao envio das mensagens eletrônicas, o que conhecemos hoje como s. 1 Graduada pelo Centro Universitário Padre Anchieta. Mestranda em Direito das Relações Sociais, sub-área de Direitos Difusos e Coletivos pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora Convidada do Curso de Pós-Graduação Lato Senso, Direito Material e Processual Civil do Centro Universitário Padre Anchieta e Professora-Tutora da Fundação Getúlio Vargas. Advogada.

2 90 No ano de 1989 o projeto do governo foi abandonado e os novos investimentos criaram um sucessor comercial o qual se dá o nome de internet. Graças aos avanços tecnológicos hoje a internet é vista como um meio de comunicação que interliga dezenas de milhões de computadores no mundo inteiro e permite o acesso a uma quantidade de informações praticamente inesgotáveis, anulando toda a distância de lugar e tempo. 2 No Brasil o uso da internet é crescente. Segundo pesquisa realizada pelo IBOPE (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística), em dezembro de 2007, ficou constatado que o Brasil é um dos países com maior tempo médio de navegação doméstica, (aproximadamente 22h59min), ao lado da França (20h34min), Estados Unidos (19h47min), Alemanha (19h00min) e Japão (17h46min). 3 A internet é uma realidade crescente na sociedade de consumo, onde a cada dia vão se multiplicando os acessos e as transações realizadas através desta rede mundial. Em decorrência do uso massificado da internet, considerado hoje como um fenômeno de consumo, é necessário o estudo sobre a responsabilidade civil dos provedores de acesso a internet. 2. Responsabilidade Civil: Nosso ordenamento jurídico prisma pelo instituto da responsabilidade civil. RUI STOCO nos ensina que: a noção de responsabilidade pode ser haurida da própria origem da palavra, que vem do latim respondere, responder a alguma coisa, ou seja, a necessidade que existe de responsabilizar alguém por seus atos danosos. 4 CARLOS ALBERTO BITTAR complementa afirmando que o ser humano, porque dotado de liberdade de escolha e de discernimento, deve responder por seus atos. A liberdade 2 PAESANI, Liliana Minardi. Direito e Internet Liberdade de informação, privacidade e responsabilidade civil. Editora Atlas. 4ª edição. P INSTITUTO BRASILEIRO DE OPINIÃO PÚBLICA E ESTATÍSTICA. Notícias, Internet, IBOPE//NetRatings, IBOPE Inteligência - Área: Notícias\Press Releases\2007. Publicação de 18/01/2008. Disponível em: <www.ibope.com.br>. Acesso em: 21 ago Obs. Até a data da pesquisa Itália, Espanha e Reino Unido ainda não haviam divulgado seus dados. 4 STOCO, Rui. Tratado de Responsabilidade Civil. 6ª Edição, São Paulo : Editora Revista dos Tribunais, 2004, p. 118.

3 91 e a racionalidade, que compõem a sua essência, trazem-lhe, em contraponto, a responsabilidade por suas ações ou omissões, no âmbito do direito, ou seja, a responsabilidade é corolário da liberdade e racionalidade. 5 Desta forma, todo aquele que causar dano à alguém deve repará-lo, sendo que esta reparação pode ser material ou moral, dependendo da situação fática. Vale ressaltar que temos dois tipos de responsabilidade civil: a subjetiva e a objetiva. Para caracterizar a responsabilidade civil é necessária a presença dos seguintes elementos: ação ou omissão; nexo de causalidade, dano e a culpa. De forma bem sucinta, a responsabilidade subjetiva depende da prova da culpa do agente e na responsabilidade objetiva o elemento culpa não precisa ser provado, pois, o autor do dano assume o risco, bastando assim, o nexo causal entre a conduta do agente e as conseqüências que ela acarretou Responsabilidade Civil no Código Civil: O artigo 927 do Código Civil disciplina a responsabilidade civil da seguinte forma: Art. 927: Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187) causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo. Parágrafo único: Haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos específicos em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem. A regra adotada pelo diploma legal é a responsabilidade subjetiva fundamentada na teoria da culpa trazendo, entretanto, no parágrafo único do artigo supracitado a possibilidade de se ter a responsabilidade objetiva, fundada na teoria do risco criado. 5 BITTAR, Carlos Alberto. Responsabilidade Civil nas Atividades Perigosas, in Responsabilidade Civil Doutrina e Jurisprudência. Coord. Yussef Said Cahali, 2ª edição, São Paulo : Saraiva, 1988, p

4 92 A exceção trazida no parágrafo único diz respeito aos casos específicos em lei ou, quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem. Vale destacar que GEORGE RIPERT 6, ao mencionar a teoria do risco criado pondera que não é por ter causado o risco que o autor é obrigado à reparação, mas sim porque o causou injustamente. Na lição de NELSON NERY JUNIOR, O sistema subsidiário do CC é o da responsabilidade civil objetiva (CC 927 par. ún.), que se funda na teoria do risco; para que haja o dever de indenizar é irrelevante a conduta (dolo ou culpa) do agente, pois, basta a existência: a) do dano; e b) do nexo de causalidade do dano. 7 A responsabilidade objetiva está sedimentada na expressão independentemente de culpa, onde a vitima necessita apenas provar o nexo de causalidade entre a conduta ilícita do autor do fato danoso e o dano por ela sofrido. Na Lei civil, quando o legislador fala nos casos especificados em lei, deve-se compreender como sendo as leis especiais que determinam a responsabilidade objetiva, como, por exemplo, o Código de Defesa do Consumidor, o qual mencionaremos mais adiante. O legislador ainda se utiliza da expressão atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano, que deve ser entendida como serviços praticados por determinada pessoa física ou jurídica, que deve ser habitualmente desenvolvida pelo autor do dano, ou seja, deve ser habitual e reiterada, sendo vedada aquela meramente esporádica ou momentânea, devendo, ainda, guardar ligação direta com o objeto social por ela desenvolvido. Note-se que a atividade desenvolvida pelo autor do dano deve por sua natureza consistir em risco decorrente da função normalmente desenvolvida. Vale salientar que não é qualquer atividade normalmente desenvolvida que o legislador pretendeu abranger, mas, somente aquelas cuja própria natureza da atividade ou pelas características dos meios utilizados contém uma intensa possibilidade de provar o dano em razão da sua potencialidade ofensiva. Muito se tem discutido sobre a possibilidade dos provedores de acesso à internet serem enquadrados nesta atividade de risco. 6 RIPERT, Georges, A regra moral nas obrigações civis, 2ª Ed. Trad. Osório de Oliveira, Campinas: Bookseller, NERY. Nelson Junior. Código Civil Comentado. 6ª Ed. Revista dos Tribunais. Pag. 733.

5 perigosas. 8 Em citação feita pelo referido autor, a autora ERICA BRANDINI BARBAGALO 93 Para o autor MARCEL LEONARDI, as atividades dos provedores de serviços da Internet não podem ser consideradas atividades de risco, nem atividades econômicas expõe que as atividades desenvolvidas pelos provedores de serviços na Internet não são atividades de risco por sua própria natureza, nem implicam em riscos para direitos de terceiros maiores que os riscos de qualquer atividade comercial. E interpretar a norma no sentido no sentido de que qualquer dano deve ser indenizado, independente do elemento culpa, pelo simples fato de ser desenvolvida uma atividade, seria, definitivamente, onerar os que praticam atividades produtivas regularmente e, conseqüentemente atravancar o desenvolvimento. 9 Contrapondo o posicionamento acima exposto, o autor BRUNO MIRAGEM, menciona que as atividades habitualmente realizadas na internet - em caráter profissional, no mais das vezes, pelo provedor de conteúdo dão causa a risco de danos a terceiros. Nesse sentido, correta a aplicação da cláusula geral de responsabilidade por risco, assinalado o caráter objetivo desta responsabilidade para o efeito de afastar a necessidade de demonstração da culpa do provedor de Internet. 10 Vale salientar que o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo em alguns julgados vem considerando a atividade dos provedores de acesso a internet como sendo atividade de risco, 11 porém, em decisão recente do Egrégio Superior Tribunal de Justiça, a Ministra Nancy Andrighi menciona que os provedores de acesso a internet não desenvolvem atividade considerada de risco LEONARDI. Marcel. Responsabilidade Civil na Internet e nos demais meios de comunicação. P LEONARDI. Marcel. Responsabilidade Civil dos Provedores de Serviços de Internet. Ed. Juarez de Oliveira, p MIRAGEM. Bruno. Responsabilidade por danos na sociedade de informação e proteção do consumidor: desafios atuais da regulação jurídica da Internet. P Indenização por dano moral. Foto desnuda da autora hospedada no site kit.net. Responsabilidade da ré caracterizada, na condição de provedora. Irrelevância sobre eventual dificuldade de monitorar e analisar todos os sites, pois integra o risco da atividade que exerce. Exposição do pólo ativo à situação vexatória caracterizado o dano moral. Verba reparatória deve ser compatível com as peculiaridades da demanda. Sucumbência integral por parte da ré, vencida na demanda. Apelos providos em parte. (TJ, Apelação Cível nº /0-00. J , rel. Des. Natan Zelinschi de Arruda). 12 (...) 3. A fiscalização prévia, pelo provedor de conteúdo, do teor das informações postadas na web por cada usuário não é atividade intrínseca ao serviço prestado, de modo que não se pode reputar defeituoso, nos termos do art. 14 do CDC, o site que não examina e filtra os dados e imagens nele inseridos.

6 Responsabilidade Objetiva no Código de Defesa do Consumidor: O Código de Defesa do Consumidor, como já mencionado, também consagra o referido instituto da responsabilidade civil e conforme os ditames do art. 14 do CDC, o fornecedor de serviços responde, independentemente de culpa: Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação de serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos. Desta forma, o CDC adotou a teoria da responsabilidade objetiva. No que tange ao serviço, o 1º do art. 14 disciplina sobre a segurança que o consumidor deve esperar dos prestadores de serviços: 1º - O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o consumidor dele pode esperar, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais: I o modo de seu funcionamento; II o resultado e o risco que razoavelmente dele se esperam; III a época em que foi fornecido. 4. O dano moral decorrente de mensagens com conteúdo ofensivo inseridas no site pelo usuário não constitui risco inerente à atividade dos provedores de conteúdo, de modo que não se lhes aplica a responsabilidade objetiva prevista no art. 927, parágrafo único, do CC/ Ao ser comunicado de que determinado texto ou imagem possui conteúdo ilícito, deve o provedor agir de forma enérgica, retirando o material do ar imediatamente, sob pena de responder solidariamente com o autor direto do dano, em virtude da omissão praticada. 6. Ao oferecer um serviço por meio do qual se possibilita que os usuários externem livremente sua opinião, deve o provedor de conteúdo ter o cuidado de propiciar meios para que se possa identificar cada um desses usuários, coibindo o anonimato e atribuindo a cada manifestação uma autoria certa e determinada. Sob a ótica da diligência média que se espera do provedor, deve este adotar as providências que, conforme as circunstâncias específicas de cada caso, estiverem ao seu alcance para a individualização dos usuários do site, sob pena de responsabilização subjetiva por culpa in omittendo. 7. Ainda que não exija os dados pessoais dos seus usuários, o provedor de conteúdo, que registra o número de protocolo na internet (IP) dos computadores utilizados para o cadastramento de cada conta, mantém um meio razoavelmente eficiente de rastreamento dos seus usuários, medida de segurança que corresponde à diligência média esperada dessa modalidade de provedor de serviço de internet. 8. Recurso especial a que se nega provimento. ( STJ - REsp SP (2010/ ) J , Relatora: Ministra Nancy Andrighi)

7 95 Os provedores de acesso a internet celebram com seus usuários um contrato de prestação continuada de serviços, devendo, pois, utilizar-se de tecnologia apropriada para evitar danos. Esta preocupação deve se dar não somente no ato da contratação do serviço, mas, por todo o período em que perdurar o contrato. Desta forma, os provedores devem manter seus equipamentos informáticos e programas de computador atualizados, tendo em vista a evolução tecnologia que temos presenciado a cada dia. Como neste ramo tão dinâmico as tecnologias vão se aperfeiçoando rapidamente, não é porque uma nova técnica foi descoberta e a anterior se tornou obsoleta que o serviço é considerado defeituoso. No caso concreto deve-se considerar se na época da execução dos serviços o provedor se utilizava de equipamentos adequados ou não para garantir a segurança dos seus usuários. No que tange as cláusulas excludentes de responsabilidade, o 3º do art. 14 dispõe sobre o assunto: Art. 14 (...) 3º - O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar: I que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste; II a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro; (...) Como se verifica os provedores somente não serão responsabilizados pelos danos ocasionados se provarem uma das hipóteses acima mencionadas. Os fornecedores ainda respondem pela disparidade entre a oferta ou mensagem publicitária apresentada e o serviço efetivamente prestado, tudo nos moldes do artigo 20 do Código de Defesa do Consumidor: Art. 20 O fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os tornem impróprios ao consumo ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade com as indicações constantes da oferta ou

8 96 mensagem publicitária, podendo o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha: I a reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível; II a restituição imediata da quanta paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos; III o abatimento proporcional do preço. (...) Importante salientar que o Código de Defesa do Consumidor, traz ainda a vedação de qualquer cláusula contratual que impossibilite ou exonere o fornecedor de responder pelos danos ocasionados aos consumidores. 3. Deveres dos Provedores de Acesso a Internet: Dentre os principais deveres dos provedores de serviços a internet estão os de utilizar tecnologias apropriadas para evitar o extravio de informações através do acesso dos hackers, conhecer os dados dos usuários da rede e mantê-los em sigilo; conhecer os dados de conexão; não monitorar as informações dos usuários, não censurar, dentre outras. Devemos entender por dados cadastrais as informações pessoais dos usuários e por dados de conexão, o número do IP Internet Protocol - utilizado durante a conexão com a internet. Existem várias legislações tramitando pela Câmara dos Deputados com o intuito de regulamentar a atividade dos provedores, sendo uma delas o Substitutivo ao Projeto de Lei n de 2001, onde foram apensados o Projeto de Lei do Senado n. 151/2000 e os Projetos de Lei n /2000, n /2000, n /2000, n /2001, n /2001, n /2002, n /2002 e n. 18/2003, sendo que este substitutivo ainda tramita pela Câmara dos Deputados. O parágrafo 1º do art. 2º do Substitutivo acima mencionado, determina que deverão ser registrados, sem prejuízo de outros dados, as seguintes informações: I identificação da origem da transação e do seu destinatário; II horários de início e conclusão da transação; III número de telefone ou identificação do ponto de rede utilizado para efetuar a conexão, salvo impossibilidade técnica.

9 97 Referido Substitutivo disciplina ainda, no art. 3º que o uso do serviço de acesso dependerá de prévio cadastramento do usuário junto ao provedor de acesso, contendo, pele menos, sua identificação civil, seu domicílio e sua inscrição no CPF ou CNPJ, tudo isso para que os provedores tenham o pleno conhecimento de seus usuários. Tais medidas visam a propiciar uma melhor identificação do usuário dos serviços da internet. Os projetos que tramitam prismas pelo sigilo de tais informações, sendo que o Projeto de Lei 5.403/2001 estabelece um prazo para que os provedores fiquem responsáveis pela guarda de tais informações, ou seja, durante o período de três anos estas informações devem ficar arquivadas, podendo este prazo ser estendido caso haja autorização judicial. Note-se que as legislações acima mencionadas tendem a regulamentar um mercado que se desenvolve de forma dinâmica, porém, ainda sem regulamentações específicas. 3. Tipos de provedores de acesso: Os provedores pessoa natural ou jurídica que presta atividades relacionadas ao aproveitamento da rede, de forma organizada, com caráter duradouro e finalidade lucrativa, ou seja, à título profissional 13 - são os responsáveis pela viabilidade de acesso à rede mundial de computadores. Para entendermos a questão da responsabilidade civil dos provedores da internet, temos que diferenciá-los, ou seja, conceituar o que são provedores de backbone, provedores de acesso, provedores de correio eletrônico, provedores de hospedagem, provedores de conteúdo e provedores de informação, pois, cada um possui uma natureza distinta. Importante salientar que embora cada um possua uma atividade diferenciada, estes serviços podem ser oferecidos conjuntamente a um mesmo usuário. Os provedores de backbone ou de infra-estrutura são aqueles que, detém as estruturas de rede capazes de manipular grandes volumes de informações, formadas por roteadores de tráfego interligados por circuitos de alta velocidade MARTINS, Guilherme Magalhães. Responsabilidade civil por acidentes de consumo na internet. São Paulo: Ed. RT, 2008, p LEONARDI. Marcel. Responsabilidade Civil na Internet e nos demais meios de comunicação. P. 73

10 98 Sua função é a de oferecer conectividade, ou seja, os provedores de backbone vendem acesso à infra-estrutura a outras empresas, que acabam fazendo a revenda de acesso ou hospedagem para usuários finais. É importante salientar que os consumidores finais, dificilmente tem conhecimento de quem seja o provedor backbone do site de acesso ou hospedagem que eles navegam. Já o provedor de acesso, é a pessoa jurídica fornecedora de serviços que consistem em possibilitar o acesso de seus consumidores à internet. 15 Em geral o provedor de acesso é uma prestadora de serviços gratuitos ou não, de acesso a conteúdo de máquinas ligadas a grande rede, que mediante uma conexão com a máquina do usuário do serviço, permite-lhe fornecer e receber informações deste, passando o mesmo a fazer parte da Internet enquanto conectado. 16 O provedor de acesso apenas oferece o acesso à internet. Para ser caracterizada como provedor de acesso a pessoa jurídica não necessita prestar os serviços de correio eletrônico, hospedagem de páginas, dentre outros, que podem ser considerados serviços acessórios. O provedor de correio eletrônico é a pessoa jurídica fornecedora de serviços que consiste em possibilitar o envio de mensagens do usuário a seus destinatários, armazenar as mensagens enviadas a seu endereço eletrônico até o limite de espaço disponibilizado no disco rígido de acesso remoto e permitir somente ao contratante do serviço o acesso ao sistema e às mensagens, mediante o uso de um nome de usuário e senha exclusivos. 17 Já o provedor de hospedagem pode ser definido como a pessoa jurídica fornecedora de serviços que consiste em possibilitar o armazenamento de dados em servidores próprios de acesso remoto, permitindo o acesso de terceiros a esses dados, de acordo com as condições estabelecidas com o contratante do serviço. 18 Finalmente, o provedor de conteúdo, é toda pessoa física ou jurídica que disponibiliza na internet as informações criadas ou desenvolvidas pelos provedores de informação, utilizando servidores próprios ou os serviços de provedores de hospedagem para armazenálas Ibidem. 16 MATTE, Maurício. Internet, comércio eletrônico. São Paulo: LTr, P LEONARDI. Marcel. Responsabilidade Civil na Internet e nos demais meios de comunicação. P LEONARDI. Marcel. Responsabilidade Civil na Internet e nos demais meios de comunicação. P Ibidem.

11 99 4. Responsabilidade Civil dos Provedores de Acesso a Internet por seus próprios atos, através do Código Civil e do Código de Defesa do Consumidor: Para que possamos estabelecer a responsabilidade civil dos provedores de acesso a internet, em decorrência de seus próprios atos, é necessária a analise da natureza exercida, ou seja, da verificação de que tipo de provedor estamos tratando e qual é o serviço oferecido, se destinado ao consumidor final ou, se destinado a um intermediário, para que possamos enquadrar uma situação no âmbito do direito do consumidor ou no âmbito do direito civil. Os provedores de backbone, por não prestam serviços diretamente aos consumidores finais, ou seja, eles disponibilizam a sua infra-estrutura, para que empresas façam a revenda de acesso ou hospedagem para usuários finais, não estão vinculados aos ditames do Código de Defesa do Consumidor, respondendo assim com base na lei civil. Já os provedores de acesso, considerados prestadores de serviços, se enquadram perfeitamente no conceito de fornecedor estabelecido nos ditames do artigo 3º do Código de Defesa do Consumidor. Como dito anteriormente, eles são os responsáveis pela conexão dos usuários as grandes máquinas ligadas a rede e pode ser oferecidos de forma gratuita ou onerosa aos internautas, ou seja, eles prestam serviços destinados aos consumidores finais. Desta forma, em decorrência da má prestação dos serviços, como por exemplo, falha na conexão; velocidade oferecida inferior a contratada; interrupção total da conexão, queda na qualidade ou na velocidade do sinal, dentre tantas outras situações, respondem os provedores de acesso nos termos da lei consumeirista. Já os provedores de conteúdo, que fazem a intermediação de produtos e serviços e, portanto, exercem o controle editorial prévio sobre as informações disponíveis na web site, respondem de forma concorrente com o provedor de informação que é o autor dos dados disponibilizadas. Importante frisar que quando os provedores de conteúdo ou de informação, causarem danos à consumidores, estes devem responder com base no Código de Defesa do Consumidor, pois, o artigo 14 assim determina. Quando as informações veiculadas na rede não incidirem na esfera dos direitos do consumidor, como por exemplo, a veiculação de uma reportagem caluniosa a um artista, eles

12 100 respondem de forma objetiva, mas, com fundamento no parágrafo único do artigo 927 do Código Civil. Os provedores de correio eletrônico, dentre outras funções, estão obrigados a guardar o sigilo das mensagens enviadas e recebidas. Note-se que é através de senha de acesso que o usuário tem acesso a sua conta de . Desta forma, estes provedores devem tomar todas as medidas possíveis para que haja sigilo nas informações trocadas entre os usuários, em decorrência do inciso XII do artigo 5º da Constituição Federal, que assegura o sigilo de correspondência. Como pode ser observado o serviço prestado por estes provedores se enquadra perfeitamente nos ditames do Código de Defesa de Consumidor. Os provedores de hospedagem devem assegurar o armanezamento de arquivos e permitir o seu acesso pelos internautas, sendo que devem manter atualizados programas de proteção contra invasão de servidores. Neste sentido, devem empregar meios tecnológicos suficientes para evitar o ataque de hackers, respondendo assim nos termos dos artigos 14 e 20 do Código de Processo Civil. 5. Conclusão: Podemos concluir que a internet hoje é considerada um fenômeno mundial, onde a cada dia, milhares e milhares de pessoas a utilizam como mecanismo de informação, buscando comodidade na hora de adquirir produtos e serviços, de realizar suas operações bancárias, enfim, existe um mundo a ser garimpado através desta fascinante rede mundial. Quando falamos em responsabilidade civil dos provedores de acesso a internet em decorrência de seus próprios atos a situação fica mais clara, ou seja, ora os provedores se enquadrarão no âmbito do Código de Defesa do Consumidor, ora no âmbito do Direito Civil, dependendo do tipo de serviço prestado, se ao consumidor final ou a um intermediário. A divergência reside quando a responsabilidade civil se dá em decorrência de ato de terceiro ou dos seus usuários. Há os que entendem que a atividade desenvolvida pelos provedores de acesso a internet deve ser enquadrada como atividade de risco e, portanto, devem responder com base nos ditames do parágrafo único do artigo 927 do CC de forma objetiva.

13 101 Uma segunda corrente, porém, da qual compartilhamos o entendimento, aponta que os provedores de acesso a internet não desenvolvem atividades de risco e somente podem ser responsabilizados por atos de terceiros ou de seus usuários, se, por exemplo, veiculada uma noticia difamatória, o provedor notificado, não a tirar de circulação. Vale salientar que está é a posição defendida pela Ministra Nancy Andrighi ao proferir decisão no REsp nº Diante de todas as considerações apontadas neste breve estudo sobre o assunto, finalizamos com os dizeres de VICENTE GRECO FILHO a Internet não passa de mais uma pequena faceta da criatividade do espírito humano e como tal deve ser tratada pelo direito, especialmente o penal. Evoluir, sim, mas sem querer correr atrás, sem se precipitar e, desde logo, afastando a errônea idéia de que a ordem jurídica desconhece ou não está apta a disciplinar o novo aspecto da realidade. E pode fazê-lo no maior número de aspectos, independentemente de qualquer modificação GRECO. Vicente Filho. Algumas observações sobre o direito penal e a Internet, in Revista de Direito Mackenzie, vol. 1. N. 1, p. 35/39.

14 Bibliografia: BITTAR, Carlos Alberto. Responsabilidade Civil nas Atividades Perigosas, in Responsabilidade Civil Doutrina e Jurisprudência. Coord. Yussef Said Cahali, 2ª edição, São Paulo : Saraiva, GRECO. Vicente Filho. Algumas observações sobre o direito penal e a Internet, in Revista de Direito Mackenzie, vol. 1. N. 1. São Paulo, jan./jun LEONARDI, Marcel. Responsabilidade Civil na Internet e nos demais meios de comunicação. São Paulo: Saraiva, MATTE, Maurício. Internet, comércio eletrônico. São Paulo: LTr, MIRAGEM, Bruno. Responsabilidade por danos na sociedade de informação e proteção do consumidor: desafios atuais da regulação jurídica da Internet. Revista de Direito do Consumidor Ano 18 n. 70 abr. jun./2009 São Paulo: Saraiva. NERY, Nelson Junior. Código Civil Comentado. 6ª Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, PAESANI, Liliana Minardi. Direito e Internet Liberdade de informação, privacidade e responsabilidade civil. 4ª Ed. São Paulo: Atlas, RIPERT, Georges, A regra moral nas obrigações civis, 2ª Ed. Trad. Osório de Oliveira, Campinas: Bookseller, SOBRINHO, Waldo Augusto Roberto. Algunas de Las Nuevas Responsabilidades Legales Derivadas de Internet. Revista Direito do Consumidor. 38/2001 abr. jun./2001. São Paulo: Saraiva. STOCO, Rui. Tratado de Responsabilidade Civil. 6ª Edição, São Paulo : Editora Revista dos Tribunais, VAZ, Patricia Milano. O consumo internacional através dos provedores de acesso a internet. Revista de Direito do Consumidor 52/2004 out.dez./2004. São Paulo: Saraiva.

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA fls. 1 Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada> faço estes autos conclusos à(o) MM. Juiz(a) de Direito. Eu,, Escrevente, Subsc. SENTENÇA Processo

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000396566 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0266410-42.2012.8.26.0000, da Comarca de Guarujá, em que é agravante GOOGLE BRASIL INTERNET

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

SENTENÇA. Tutela antecipada concedida às fls. 182.

SENTENÇA. Tutela antecipada concedida às fls. 182. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0102487-25.2012.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Espécies de Contratos Requerente: Valdirene Aparecida de Marchiori Requerido: Google Brasil Internet Ltda

Leia mais

Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço

Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço Por André Motoharu Yoshino Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO NONA CÂMARA CÍVEL

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO NONA CÂMARA CÍVEL NONA CÂMARA CÍVEL Apelação nº 0455812-71.2011.8.19.0001 Apelante: RADIO PANAMERICANA SA Apelado: HI MIDIA SA Relator: Desembargador ROBERTO DE ABREU E SILVA DIREITO AUTORAL. USO INDEVIDO DE MARCA. VIOLAÇÃO

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0035092-08.2012.8.19.0004 APELANTE: BANCO BRADESCO S/A APELADO: BRUNO GARCIA DE SÁ RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO DO CONSUMIDOR AÇÃO SOB O RITO SUMÁRIO

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO 1 Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves comentários aos contratos eletrônicos Alessandro Fonseca* Conceito e Contratação nos dias atuais Conceito de contrato eletrônico Antes de abordar o conceito de contrato eletrônico,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO fls. 1 Registro: 2013.0000264740 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0035940-51.2009.8.26.0506, da Comarca de Ribeirão Preto, em que é apelante/apelado GOOGLE BRASIL INTERNET

Leia mais

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02 60 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR II

DIREITO DO CONSUMIDOR II DIREITO DO CONSUMIDOR II RESPONSABILIDADE CIVIL Prof. Thiago Gomes Direito do Consumidor II RESPONSABILIDADE CIVIL DO FORNECEDOR 1. CONTEXTUALIZAÇÃO E agora Doutor? Direito do Consumidor II RESPONSABILIDADE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000505961 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos destes autos do Apelação nº 0201240-56.2008.8.26.0100, da Comarca São Paulo,

Leia mais

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor:

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor: CONSUMIDOR E SITES DA INTERNET Ingrid Melania Rasmusen Amaya Introdução Análise sob a ótica do Código de Defesa do Consumidor - Codecom considerando-se cliente o proprietário responsável pelo site a ser

Leia mais

Barrichello versus Google

Barrichello versus Google Barrichello versus Google Fernando Stacchini Advogado graduado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Especialista em Contratos e Propriedade Intelectual. Sócio de Stacchini Advogados.

Leia mais

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Segurança Cibernética X Segurança Legal Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Agenda Introdução: por que devemos nos preocupar? Questões Cíveis. QuestõesTrabalhistas. O

Leia mais

Questões Jurídicas no Marketing Digital

Questões Jurídicas no Marketing Digital Questões Jurídicas no Marketing Digital Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.395.768 - RJ (2010/0224825-4) RELATOR : MINISTRO RAUL ARAÚJO RECORRENTE : GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA ADVOGADO : EDUARDO LUIZ BROCK E OUTRO(S) RECORRIDO : ELMA ENI DOS SANTOS ADVOGADO

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Deputado Federal Alessandro Lucciola Molon (Partido dos Trabalhadores Rio de Janeiro) Relator do Projeto de Lei 2.126/2011 (Lei 12.965/2014) 16 Giugno 2014 Montecitorio publicado no D.O.U. de 24.4.2014

Leia mais

Propriedade Intelectual nº16

Propriedade Intelectual nº16 Intelectual nº16 Destaques STJ - Não se aplica a responsabilidade objetiva ao provedor de correio eletrônico por não fazer a fiscalização prévia das mensagens enviadas TJSP No caso de depósitos realizados

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0433.12.013113-4/001 Númeração 0131134- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Wagner Wilson Des.(a) Wagner Wilson 23/01/2014 03/02/2014 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000724329 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4000515-21.2013.8.26.0451, da Comarca de Piracicaba, em que são apelantes MÔNICA RODRIGUES DE FARIA e MONIQUE

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE OSMAR LOPES JUNIOR CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE A internet rompe barreiras, fronteiras e qualquer

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO

RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil IVI Publicação no semestre 2014.1 no curso de Direito. Autor: Vital

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 1/5 PROJETO DE LEI Nº /2015 A CÂMARA MUNICIPAL DE MACEIÓ DECRETA: DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DAS EMPRESAS QUE FORNECEM SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET COMPENSAREM, POR MEIO DE ABATIMENTO OU DE RESSARCIMENTO,

Leia mais

1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB

1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB 1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB Estas políticas de privacidade (as "Políticas de Privacidade") entrarão em vigor desde sua aceitação para os usuários do S.C.A Serviço de

Leia mais

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização Contribuição de Dr. Rodrigo Vieira 17 de dezembro de 2008 Advocacia Bueno e Costanze O fornecimento de senhas

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor. Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail.

Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor. Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail. Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail.com - A política econômica de defesa do consumidor. -- Liberalismo,

Leia mais

A nova responsabilidade civil escolar

A nova responsabilidade civil escolar A nova responsabilidade civil escolar Introdução Atualmente, constata-se enorme dificuldade em relação à busca e à definição dos reais limites da responsabilidade civil das escolas particulares e públicas

Leia mais

O acesso ao Site é gratuito, através de qualquer dispositivo com acesso à

O acesso ao Site é gratuito, através de qualquer dispositivo com acesso à Termos de Uso Sobre o Site Este site e seu conteúdo (o Site ) são de propriedade exclusiva da ROIA COMÉRCIO DE BIJUTERIAS E ACESSORIOS LTDA., sociedade limitada, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 15.252.911/0001-83

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil dos Provedores de Internet e Comentários ao Marco Civil da Internet

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil dos Provedores de Internet e Comentários ao Marco Civil da Internet Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Responsabilidade Civil dos Provedores de Internet e Comentários ao Marco Civil da Internet Raquel Duarte Silva Rio de Janeiro 2014 RAQUEL DUARTE SILVA

Leia mais

EXPERT GROUP MEETING ON SUSTAINABLE URBAN TRANSPORT: MODERNISING AND GREENING TAXI FLEETS IN LATIN AMERICAN CITIES

EXPERT GROUP MEETING ON SUSTAINABLE URBAN TRANSPORT: MODERNISING AND GREENING TAXI FLEETS IN LATIN AMERICAN CITIES EXPERT GROUP MEETING ON SUSTAINABLE URBAN TRANSPORT: MODERNISING AND GREENING TAXI FLEETS IN LATIN AMERICAN CITIES United Nations Department of Economic and Social Affairs (DESA) Rio de Janeiro, 18 e 19

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2014.0000487829 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2014.0000487829 ACÓRDÃO fls. 2 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000487829 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0150136-83.2012.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante SAMPI INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

Leia mais

ANEXO I TERMO DE ADESÃO DE ACESSO GRATUITO À INTERNET MUNICIPAL DADOS PESSOAIS NOME CPF RG SSP ENDEREÇ Nº O

ANEXO I TERMO DE ADESÃO DE ACESSO GRATUITO À INTERNET MUNICIPAL DADOS PESSOAIS NOME CPF RG SSP ENDEREÇ Nº O ANEXO I TERMO DE ADESÃO DE ACESSO GRATUITO À INTERNET MUNICIPAL Em que são partes: O MUNICIPIO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA, inscrito no CNPJ/MF sob o nº:. 46.429.379/0001 50, doravante designado simplesmente

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2014.0000669915 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0007471-13.2013.8.26.0002, da Comarca de, em que são apelantes ODEBRECHT REALIZAÇÕES IMOBILIÁRIAS E PARTICIPAÇÕES

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS Pontuação conforme Edital: a) Juiz Leigo PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS PROVA ÁREA DE CONHECIMENTO NÚMERO DE QUESTÕES Direito Constitucional PONTUAÇÃO PARA CADA QUESTÃO Direito Administrativo

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DO ESTADO NOS CASOS DE OMISSÃO

A RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DO ESTADO NOS CASOS DE OMISSÃO A RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DO ESTADO NOS CASOS DE OMISSÃO SILVA, R. M. Resumo: O tema apresentado é de muita importância tendo em vista todos os danos que o Estado causa aos seus cidadãos. Danos

Leia mais

Termos de Uso - Contrato

Termos de Uso - Contrato Termos de Uso - Contrato 1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA COMPRA DE CURSO ONLINE NO SITE WWW.ALEMÃOONLINE.COM.BR 1.1. A contratada (nome fantasia) FCD., inscrita no CNPJ 22.030.123/00001-08, localizada

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários. Carlos Eduardo Patrício Narciso

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários. Carlos Eduardo Patrício Narciso Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários Carlos Eduardo Patrício Narciso Rio de Janeiro 2012 CARLOS EDUARDO PATRÍCIO NARCISO Responsabilidade

Leia mais

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br Questões Jurídicas Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar atos jurídicos? Precisamos

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 2216384-69.2011.8.19.0021 APELANTE: TERESA RAMOS DE SANTANA APELADO: RICARDO ELETRO DIVINOPOLIS LTDA APELADO: ZTE DO BRASIL COMERCIO SERVIÇOS E PARTICIPAÇÕES LTDA RELATOR: DES. FERNANDO

Leia mais

UNIDADE 5 INFORMÁTICA E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR. Objetivos. Conteúdos. Definir a relação de consumo na internet.

UNIDADE 5 INFORMÁTICA E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR. Objetivos. Conteúdos. Definir a relação de consumo na internet. INFORMÁTICA E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR Objetivos Definir a relação de consumo na internet. Conceituar contratos eletrônicos e identificar mecanismos de proteção ao consumidor. Compreender a responsabilidade

Leia mais

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Michele Oliveira Teixeira advogada e professora do Centro Universitário Franciscano em Santa Maria (RS) Simone Stabel

Leia mais

ACÓRDÃO. -náj~ AC no 001.2008.006016-1/001

ACÓRDÃO. -náj~ AC no 001.2008.006016-1/001 -náj~ -,7,7 g5 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 001.2008.006016-1/001 - CAMPINA

Leia mais

Cyberbullying na Web 2.0 (Orkut) e a Responsabilização Civil Objetiva

Cyberbullying na Web 2.0 (Orkut) e a Responsabilização Civil Objetiva Cyberbullying na Web 2.0 (Orkut) e a Responsabilização Civil Objetiva Thiago Graça Couto Advogado Associado da Covac Sociedade de Advogados, especialista em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade

Leia mais

Com sede na Rua Conselheiro João Alfredo, 102B Mooca São Paulo/SP CEP: 03106-060

Com sede na Rua Conselheiro João Alfredo, 102B Mooca São Paulo/SP CEP: 03106-060 Política de Privacidade da Babyou A Política de Privacidade da Babyou foi elaborada para reafirmar nosso compromisso com a privacidade e a segurança das informações que coletamos de nossos clientes e internautas.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL 1 RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL FABRICIO, M. A. F. Resumo: O presente trabalho tem por finalidade um estudo sobre a responsabilidade civil do sítio no comércio eletrônico,

Leia mais

OBJETIVIZAÇÃO DA RESPONSABILIDADE CIVIL. Ney Stany Morais Maranhão

OBJETIVIZAÇÃO DA RESPONSABILIDADE CIVIL. Ney Stany Morais Maranhão BREVE REFLEXÃO SOBRE O INSTIGANTE OBJETIVIZAÇÃO DA RESPONSABILIDADE CIVIL Ney Stany Morais Maranhão FENÔMENO DA BREVE REFLEXÃO SOBRE O INSTIGANTE FENÔMENO DA OBJETIVIZAÇÃO DA RESPONSABILIDADE CIVIL Elaborado

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Os efeitos da globalização na responsabilidade civil dos provedores de Internet no Brasil Felipe Dutra Asensi* A Internet manifestação concreta da globalização conta com os seguintes

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE EMAIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE EMAIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE EMAIL De um lado, M&T Logística e Tecnologia Ltda, sediada na cidade de Belo Horizonte/MG na, denominada CONTRATADA e de outro lado, pessoa física ou jurídica, neste denominada

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE "SITE"

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE "SITE" De um lado, BASE64 Serviços de Informática Ltda, sediada na cidade de São Bernardo do Campo na Av. Padre Anchieta nº 839, cep 09891-420, CNPJ nº

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000616201 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1104950-49.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA, é apelada

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE O MARCO CIVIL DA INTERNET

APONTAMENTOS SOBRE O MARCO CIVIL DA INTERNET APONTAMENTOS SOBRE O MARCO CIVIL DA INTERNET Márcia Fernandes BEZERRA 1. RESUMO: A popularização da internet avulta vários conflitos a serem solucionados pelos operadores do direito. Trata-se de questões

Leia mais

HOTlink Informática LTDA.

HOTlink Informática LTDA. HOTlink Informática LTDA. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PESSOA FÍSICA Por este instrumento particular de contrato, a HOTLINK INFORMÁTICA LTDA., CNPJ número 01.757.239/0001-73, com sede administrativa

Leia mais

PROCON CAMPINAS. MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida

PROCON CAMPINAS. MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida PROCON CAMPINAS MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida Bem diz o ditado: Quem casa quer casa! Com casas e apartamentos cada vez

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 5 TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000527400 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0010031-52.2012.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 RESUMO Finalidade da Responsabilidade Civil Segurança Jurídica Sistema de Garantias Tutela

Leia mais

*02099563* k. ", ---, S2 - ' Vistos, relatados e discutidos estes autos- de N. *"* APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 604.346-4/7-00; da" Comarca de.

*02099563* k. , ---, S2 - ' Vistos, relatados e discutidos estes autos- de N. ** APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 604.346-4/7-00; da Comarca de. 1 PODER jydiciario TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Ç - - ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA Q - -. ACÓRDÃO"' REGISTRADO(A)SOBNo S ' i imin mu mil um mu mil uni um mi mi I '

Leia mais

Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av.

Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av. Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av. Tancredo Neves, nº 939, Sala 907, bairro Caminho das Arvores,

Leia mais

3. Segundo a legislação partidária, no que se refere à filiação partidária, DIREITO ELEITORAL

3. Segundo a legislação partidária, no que se refere à filiação partidária, DIREITO ELEITORAL DIREITO ELEITORAL 1. Com base na Lei n.º 9.504/1997, que estabelece normas para as eleições, assinale a opção correta. a) Tanto durante a propaganda para eleição proporcional como durante a propaganda

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O presente contrato estabelece condições para os relacionamentos comerciais derivados da contratação do uso da Loja virtual sistema denominado LOJA EFICAZ, constituída

Leia mais

Contrato de Hospedagem de Website/Domínio

Contrato de Hospedagem de Website/Domínio CONTRATO DE HOSPEDAGEM DE WEB-SITE/DOMÍNIO CONTRATADA: GLOBEWEB AGENCIA DIGITAL E RKL INFORMATICA LTDA - ME, com sede em Mauá, na Rua Almirante Barroso, nº 98, Bairro Vila Bocaina, Cep 09310-030, no Estado

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Introdução. - O Estado é o sujeito responsável. - Na responsabilidade civil do Estado os princípios próprios são mais rigorosos (atuação Estatal é uma imposição, devendo o Estado ser responsabilizado de

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A Política de Privacidade da SOS EMPRESARIAL foi elaborada para reafirmar nosso compromisso com a privacidade e a segurança das informações que coletamos de nossos clientes e usuários.

Leia mais

Responsabilidade Civil do fornecedor em razão da Perda do Tempo Livre com fundamento no Código de Defesa do Consumidor 1

Responsabilidade Civil do fornecedor em razão da Perda do Tempo Livre com fundamento no Código de Defesa do Consumidor 1 Responsabilidade Civil do fornecedor em razão da Perda do Tempo Livre com fundamento no Código de Defesa do Consumidor 1 1. INTRODUÇÃO A responsabilidade civil está vinculada à questão de que todos nós

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2011.0000299990 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9000322-04.2010.8.26.0037, da Comarca de Araraquara, em que é apelante/apelado DORIVAL CAVICHIONI JUNIOR (JUSTIÇA

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014) Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Ecosistema Agenda Breve histórico sobre Direito Digital. O Marco Civil e as pessoas de TI:

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA OCORRENCIAONLINE.COM

CONTRATO PARTICULAR DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA OCORRENCIAONLINE.COM CONTRATO PARTICULAR DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA OCORRENCIAONLINE.COM De um lado, a empresa OcorrenciaOnline.com Informática Ltda, com sede em São Paulo, na Av. Rouxinol, 1041 - cj 1402, bairro Moema,

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor O Dano Moral e o Direito Moral de Autor Guilherme L. S. Neves Advogado especializado em Direito do Entretenimento Associado à Drummond e Neumayr Advocacia 11/05/2007 Introdução: Como é cediço, o direito

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0396174-39.2013.8.19.0001 APELANTE/APELADO: MARIANA BAPTISTA CARVALHO DE OLIVEIRA APELANTE/APELADO: APPLE

Leia mais

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO FLÁVIO LANDI (*) A Lei n. 10.406, publicada aos 11.1.2002, com vacatio legis de um ano, instituiu

Leia mais

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa PRÁTICAS COMERCIAS Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa CONCEITO Práticas comerciais são os procedimentos, mecanismos, métodos e técnicas utilizados pelos fornecedores para,

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES LOCADOR: Obra24horas Soluções Web para Engenharia Ltda., com sede na Rua Formosa, 75 1º andar

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATOR: Senador EDUARDO AZEREDO

PARECER Nº, DE 2008. RELATOR: Senador EDUARDO AZEREDO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado n 279, de 2003, que dispõe sobre a prestação dos serviços de correio eletrônico,

Leia mais

Termo de Uso e Política de Confidencialidade Acesso ao Website

Termo de Uso e Política de Confidencialidade Acesso ao Website Termo de Uso e Política de Confidencialidade Acesso ao Website Ao acessar este website e quaisquer de suas páginas, você estará aceitando seus termos e condições de uso. Este website e os produtos através

Leia mais

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR SOMOS PRIVACIDADE ANÔNIMOS DE NA DADOS INTERNET? VERA KAISER SANCHES KERR SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Características Redução considerável do custo da transmissão de dados Uso das tecnologias de armazenamento

Leia mais