DESENVOLVIMENTO DE DIRIGÍVEL INDOOR CONTROLADO VIA RÁDIO FREQÜÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE DIRIGÍVEL INDOOR CONTROLADO VIA RÁDIO FREQÜÊNCIA"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE DIRIGÍVEL INDOOR CONTROLADO VIA RÁDIO FREQÜÊNCIA Felipe Victor Procópio 1 Júlio Cesar Veríssimo 2 Juliano Coelho Miranda 3 RESUMO Este artigo tem o objetivo de descrever o desenvolvimento de um dirigível indoor rádio controlado e todas as tecnologias envolvidas em sua construção. Para esse fim foram utilizados conceitos de programação desktop (C#) e de micro controladores (PIC). O dirigível é basicamente constituído de: um balão inflado com gás hélio, uma estrutura de gôndola, uma câmera wireless e três motores de corrente contínua. Um dos motores controla o deslocamento do dirigível na direção horizontal, responsável pela propulsão. Um segundo motor controla o dirigível na direção vertical, responsável pela elevação. O terceiro motor localizado na parte traseira do balão é utilizado como leme, para controlar a direção do vôo. A câmera implantada na parte frontal do balão capta as imagens do ambiente. São apresentados maiores detalhes relativos ao desenvolvimento realizado (Hardware e Software) e o funcionamento do controle do dirigível no decorrer do artigo. Palavras Chave: dirigível, radio freqüência, gás hélio, aforge.net, comunicação serial, módulos de comunicação Xbee. 1 Aluno do Curso de Ciência da Computação do Centro Universitário do Sul de Minas UNIS-MG. 2 Aluno do Curso de Ciência da Computação do Centro Universitário do Sul de Minas UNIS-MG. ³ Professor do Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET, Ex Professor do Centro Universitário do Sul de Minas UNIS-MG.

2 1. REFERENCIAL TEÓRICO 1.1. DIRIGÍVEL Um dirigível é uma aeronave mais leve do que o ar, que pode ser controlada. Ao contrário de aeronaves mais pesadas, os dirigíveis sustentam-se através do uso de uma grande cavidade que é preenchida com um gás menos denso do que o ar, como o gás hélio ou mesmo o inflamável gás hidrogênio. (DIRIGÍVEL..., 2010, P. 1). Figura 1: Dirigível. Atualmente no Brasil, dirigíveis a base de gás hélio são utilizados para fins publicitários e para realização de transmissões de TV em eventos esportivos. A mais famosa dessas aeronaves possui o nome de Ventura, sendo mais conhecida como dirigível da Goodyear, por ser de propriedade dessa fabricante de pneus. (DIRIGÍVEL..., 2010, P. 1) ROBÓTICA Robótica é um ramo da tecnologia que engloba mecânica, eletrônica e computação, que atualmente trata de sistemas compostos por máquinas e partes mecânicas automáticas e controladas por circuitos integrados, tornando sistemas mecânicos motorizados, controlados manualmente ou automaticamente por circuitos elétricos. De uma forma geral, veículos robóticos abrangem sistemas aéreos, terrestres e subaquáticos. Na sua forma mais simples, esses sistemas podem ser operados remotamente, ou seja, controlados à distância por um operador humano, o tempo todo, para desempenhar determinada tarefa. Os sistemas robóticos aéreos são comumente denominados Veículos Aéreos Não-Tripulados (vants) ou, em Inglês, Unmanned Aerial Vehicles (uavs). Em termos de aeronaves, têm-se principalmente aviões, helicópteros e dirigíveis, existindo ainda propostas de aeronaves não convencionais. Apesar de serem

3 mais lentos e menos manobráveis que aviões e helicópteros, dirigíveis necessitam despender menos energia e podem permanecer por longos períodos em vôo; têm a capacidade de pairar no ar sobre áreas de interesse; podem decolar e pousar verticalmente sem necessidade de infraestrutura complexa; apresentam grande capacidade de carga relativa ao próprio peso e degradam lentamente em caso de falha (usualmente não caem abruptamente). Essas características, dentre outras, fazem com que os dirigíveis sejam uma plataforma aérea particularmente adequada para um amplo conjunto de operações de observação remota. (ROBÓTICA AÉREA..., 2010, P. 1) COMUNICAÇÃO SERIAL A maioria das mensagens digitais são mais longas que alguns poucos bits. Por não ser prático nem econômico transferir todos os bits de uma mensagem simultaneamente, a mensagem é quebrada em partes menores e transmitida sequencialmente. A transmissão bit-serial converte a mensagem em um bit por vez através de um canal. Cada bit representa uma parte da mensagem. Os bits individuais são então rearranjados no destino para compor a mensagem original. Em geral, um canal irá passar apenas um bit por vez. A transmissão bit-serial é normalmente chamada de transmissão serial, e é o método de comunicação escolhido por diversos periféricos de computadores. A transmissão byte-serial converte oito bits por vez através de oito canais paralelos. Embora a taxa de transferência seja oito vezes mais rápida que na transmissão bit-serial, são necessários oito canais, e o custo poderá ser maior do que oito vezes para transmitir a mensagem. Quando as distâncias são curtas, é factível e econômico usar canais paralelos como justificativa para as altas taxas de transmissão. A interface Centronics de impressoras é um caso típico de transmissão byte-serial. (PULGA, 2004) Taxa de Transferência (Baud Rate) A taxa de transferência refere-se à velocidade com que os dados são enviados através de um canal e é medido em transições elétricas por segundo. Na norma EIA232, ocorre uma transição de sinal por bit, e a taxa de transferência e a taxa de bit (bit rate) são idênticas. Nesse caso, uma taxa de 9600 bauds corresponde a uma transferência de 9600 dados por segundo, ou um período de aproximadamente, 104 ms (1/9600 s). Outro

4 conceito é a eficiência do canal de comunicação que é definido como o número de bits de informação utilizável (dados) enviados através do canal por segundo. Ele não inclui bits de sincronismo, formatação, e detecção de erro que podem ser adicionados à informação antes da mensagem ser transmitida, e sempre será no máximo igual a um Transmissão Assíncrona x Transmissão Síncrona Geralmente, dados serializados não são enviados de maneira uniforme através de um canal. Ao invés disso, pacotes com informação regulares são enviados seguidos de uma pausa. Os pacotes de dados binários são enviados dessa maneira, possivelmente com comprimentos de pausa variável entre pacotes, até que a mensagem tenha sido totalmente transmitida. O circuito receptor dos dados deve saber o momento apropriado para ler os bits individuais desse canal, saber exatamente quando um pacote começa e quanto tempo decorre entre bits. Quando essa temporização for conhecida, o receptor é dito estar sincronizado com o transmissor, e a transferência de dados precisa torna-se possível. Falhas na manutenção do sincronismo durante a transmissão irão causar a corrupção ou perda de dados. Duas técnicas básicas são empregadas para garantir a sincronização correta. Em sistemas síncronos, canais separados são usados para transmitir dados e informação de tempo. O canal de temporização transmite pulsos de clock para o receptor. Através da recepção de um pulso de clock, o receptor lê o canal de dado e armazena o valor do bit encontrado naquele momento. O canal de dados não é lido novamente até que o próximo pulso de clock chegue. Como o transmissor é responsável pelos pulsos de dados e de temporização, o receptor irá ler o canal de dados apenas quando comandado pelo transmissor, e, portanto a sincronização é garantida. (CANZIAN, 2009) MICROCONTROLADOR PIC O PIC é um componente eletrônico pertencente à classe dos microcontroladores programáveis de arquitetura Harvard e conjunto reduzido de instruções (RISC). Em síntese, é um microcomputador completo, consistindo de uma memória RAM, memória não volátil EEPROM, memória de programa, controladores de E/S digital e analógica (opcional) em torno de uma CPU com um conjunto reduzido de instruções, dentro de um único chip. O PIC pode ser programado para executar diversas tarefas, como

5 controlar um dispositivo eletromecânico, realizar medições, exibir informações em um display, ou simplesmente piscar luzes. A simplicidade, disponibilidade e o baixo custo são os principais atrativos do PIC. A programação pode ser feita em um PC com ferramentas disponíveis gratuitamente em Assembler ou C, mas requer o uso de um dispositivo programador para transferir o código do programa para dentro do PIC. Normalmente isto pode ser feito de duas maneiras: Inserindo-se o PIC no soquete apropriado do programador. Posteriormente, o PIC é transferido para o circuito definitivo, onde pode ser soldado diretamente à placa de circuito impresso ou inserido em um soquete. Conectando-se um programador serial em um soquete previamente soldado à placa de circuito impresso onde o PIC já reside. Isto é conhecido como In- Circuit Serial Programming ou ICSP. Esta modalidade é bastante prática e causa menos estresse ao PIC, por evitar seu constante manuseio durante repetidos testes. Há vários tipos diferentes de programadores cujo projeto pode ser encontrado na Internet ou adquirido pronto de determinados fornecedores. A maioria deles é de fácil construção e podem ser conectados ou à porta paralela ou à porta serial do computador. De fato, qualquer computador que disponha de uma dessas interfaces pode ser usado para programar o PIC. (PIC MICRO..., 2010, P. 1) RÁDIO FREQÜÊNCIA Rádio é um recurso tecnológico das telecomunicações utilizado para propiciar comunicação por intermédio da transcepção de informações previamente codificadas em sinal eletromagnético que se propaga através do espaço. O sistema de comunicação de rádio frequência é feito através de ondas eletromagnéticas propagadas no espaço, que por serem de comprimento diferente são classificadas em ondas curtas de alta frequência e ondas longas de baixa frequência, assim, utilizadas para fins diversos como televisão, rádio, avião, etc. Os sistemas de radiocomunicação normais são formados por dois componentes básicos:

6 Transmissor composto por um gerador de oscilações, que converte a corrente elétrica em oscilações de uma determinada frequência de rádio; um transdutor que converte a informação a ser transmitida em impulsos elétricos equivalentes a cada valor e um modulador, que controla as variações na intensidade de oscilação ou na freqüência da onda portadora, sendo efetuada em níveis baixo ou alto. Quando a amplitude da onda portadora varia segundo as variações da freqüência e da intensidade de um sinal sonoro, denomina-se modulação AM. Já quando a freqüência da onda portadora varia dentro de um nível estabelecido a um ritmo igual à frequência de um sinal sonoro, denomina-se modulação FM; Receptor Tem como componentes principais: a antena para captar as ondas eletromagnéticas e convertê-las em oscilações elétricas; amplificadores que aumentam a intensidade dessas oscilações; equipamentos para desmodulação; um alto-falante para converter os impulsos em ondas sonoras e na maior parte dos receptores osciladores para gerar ondas de radiofrequência que possam se misturar com as ondas recebidas. (RADIO..., 2010, P. 1) LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C# O C# (C Sharp) é uma linguagem de programação desenvolvida pela Microsoft que é completamente suportada pela plataforma.net Framework, abrange o poder e a versatilidade do Visual Basic, a força e a criatividade do C++ e a inteligência do Javascript para validações. Além disso, por ser derivado de C++ e C e por possuir uma grande semelhança com a linguagem de programação Java, permitindo que desenvolvedores destas linguagens pudessem se adaptar com facilidade ao C#. Segundo HADDAD (2004) o impacto do C# no mercado foi tão grande que muitas ferramentas e plataformas deixaram de existir. O C# possuiu grandes vantagens, uma delas é a possibilidade de maior interatividade com os usuários, que passam a poder postar informações a qualquer momento, com o C# controlando o envio e recebimento de dados, principalmente a partir da mesma pagina. Outra vantagem na utilização de C# é a programação orientada a objeto, não possível em C e em Visual Basic. Segundo HADDAD (2004) este seria um dos melhores recursos oferecido por esta linguagem, visto que os códigos podem ser utilizados facilmente, pois existem heranças, polimorfismo e encapsulamento. Outro tão esperado recurso oferecido pelo C# é o

7 recurso de programação orientada a evento, que significa não ter de programar linhas em Javascript para disparar os poucos eventos existentes em alguns controles. Em síntese, a linguagem de programação C# disponibiliza os seguintes aspectos: Maior interatividade com os usuários; Possui recurso de programação orientada a objeto; Desenvolvimento em ambiente Windows; Não precisa registrar componentes; Possui fácil validação e tratamento de dados. (VANTAGENS..., 2010, P. 1) AFORGE.NET FRAMEWORK O framework aforge.net é escrito em C# e é projetado para desenvolvedores e pesquisadores nas áreas de Visão Computacional e Inteligência Artificial. Atua diretamente nas áreas de processamento de imagens, redes neurais, algoritmos genéticos, aprendizado de máquina, robótica. O framework é composto por um conjunto de bibliotecas e aplicativos de exemplo, e tem várias bibliotecas que demonstram suas características: Aforge.Imaging Bibliotecas com funcionalidades de processamento de imagens e filtros. Aforge.Vision Biblioteca de visão computacional. Aforge.Neuro Biblioteca para redes neurais artificiais. Aforge.Genetic Biblioteca para computação evolucionária. Aforge.Fuzzy Biblioteca para lógica fuzzy. Aforge.machinelearning Biblioteca para aprendizado de maquinas. Aforge.Robotics

8 Biblioteca que provê suporte a alguns kits para robótica. Aforge.Video Conjunto de bibliotecas para processamento de vídeo. 2. DESENVOLVIMENTO Como já havia sido citado anteriormente o objetivo deste projeto é o desenvolvimento de um dirigível indoor radio frequência de baixo custo. Em um primeiro momento foi criado o protótipo do dirigível para testes referentes à estabilidade e velocidade do dirigível. Na segunda etapa, foi desenvolvido o software que é responsável pelo controle e captura de imagens através da câmera acoplada ao equipamento PROTOTIPAÇÃO Analisando as opções de dirigível (indoor, outdoor, rígido, flexível) foi necessária a criação de um protótipo para abstrair as funções e opções possíveis. O primeiro dirigível desenvolvido em nosso projeto possuía apenas dois motores, designados para propulsão e elevação e, não possuía um motor para controle de direção. Este era constituído de: - Três balões inflados de diâmetro 100 cm; - Dois motores (Propulsão e elevação); - Dois circuitos de rádio frequência (transmissor e receptor); - Uma bateria de 9 V para alimentação dos motores e do circuito. No primeiro instante, o intuito do desenvolvimento era apenas vislumbrar o que seria necessário para o desenvolvimento do projeto final. Era controlado por um Controle RF e inflado com gás hélio. O grande fator problema do protótipo era o peso dos equipamentos em relação à quantidade de gás hélio que seria utilizada. Um metro cúbico de hélio pode elevar cerca de 1000 gramas, por isso multiplicamos o volume do balão por 1000.

9 Por exemplo: um balão de 6 metros possui um raio de 3 metros. 3* 3 * 3 * 3,14 * 4/3 = 113 m3 de volume. 113 m3 * 1000 gramas/m3 = gramas ou 113 quilogramas. Realizando esses cálculos, levando em consideração o peso dos equipamentos, foi possível obter a quantia de hélio necessária para fazer o dirigível flutuar ARQUITETURA DO SISTEMA O sistema de comunicação aplicação/dispositivo será implementado na forma descrita pela figura 2 abaixo. Figura 2: Arquitetura de Comunicação do Sistema A comunicação será feita através do computador com a aplicação Visual C# que irá enviar/receber comandos através do Circuito Xbee transmissor o circuito transmissor logicamente necessita de um receptor que por sua vez será responsável por realizar a comunicação com o circuito que possui o PIC possibilitando assim a interpretação lógica dos comandos realizando o acionamento dos motores do dirigível.

10 2.3. DESENVOLVIMENTO DO CIRCUITO ELETRÔNICO O sistema de comunicação do dirigível deve possuir algo que faça a ligação entre a serial que irá receber os comandos e o PIC que será responsável por interpretar esses comandos através da sua programação sendo possível assim realizar o acionamento dos motores que irão movimentar o dirigível. Portanto para realizar essa comunicação foi criado um circuito eletrônico que foi constituído de: 2 Módulos X-Bee 1 Módulo Usb Xbee 1 Led 1 Placa Perfurada Para que os módulos Xbee Tx e RX possam se comunicar é necessário que o pino RX do PIC esteja conectado ao pino TX do Xbee. E o pino TX do PIC ao RX do Xbee. Na figura 3 temos a arquitetura do circuito eletrônico desenvolvido para o dirigível utilizando o software Multisim: U1 LM7805CT R1 1kΩ 1 V1 12 V 0 LINE VREG VOLTAGE Q1 COMMON BC C1 1mF D1 1N4007 K K1 1mH 1 Ω RA0 RA1 RA2 RA3 RA4T0CKI MCLR OSC1CLKIN VSS U2 PIC16F84A VDD 14 RB0INT 6 RB1 7 RB2 8 RB3 9 RB4 10 RB5 11 RB6 12 RB7 13 OSC2CLKOUT R2 1kΩ R3 1kΩ Q2 BC337 7 Q3 BC337 D2 1N4007 D3 1N4007 K K2 1mH 1 Ω K K3 1mH 1 Ω J1 HDR1X8 HDR1X2 J2 HDR1X2 J3 R4 1kΩ 4 Q4 BC337 8 D4 1N4007 K K4 1mH 1 Ω Figura 3: Arquitetura da placa principal.

11 2.4. VISUAL STUDIO COMPONENTE PORTA SERIAL A comunicação serial utilizada nesse projeto será feita através de uma porta serial virtual emulada pelo dispositivo transmissor e receptor RF. A comunicação serial utilizando o Visual Studio 2008 é de simples implementação, podendo se utilizar de um componente já existente no C# que realiza comunicação com a porta serial. A comunicação funciona da seguinte forma: Obtêm-se a conexão com a porta serial definindo a qual porta irá se conectar Ex: (COM1, COM2... Etc.). Definir a que velocidade (baud rate) será realizada a transmissão Definir os bits de paridade entre a comunicação Utilizar no projeto a biblioteca using System.IO.Ports que é responsável por utilizar os dispositivos de interface externa do computador. Depois de realizadas estas etapas era necessário abrir a conexão com a porta serial para que fosse possível enviar comandos a serem executados pelo lado receptor da porta serial REALIZANDO COMUNICAÇÃO RÁDIO FREQUÊNCIA Para realizar a comunicação via rádio frequência entre computador e dirigível, foram utilizados dois módulos X-Bee Pro, um deles conectado à placa COM-USBEE ligada ao computador, que emulara uma porta serial e o outro ligado no circuito do dirigível. A escolha dos módulos foi feita devido à facilidade de implementação, pois não necessitam de nenhuma configuração, pela qualidade e alcance de comunicação, que chega à 100m em linha reta.

12 Figura 4:Comunicação dos módulos X-Bee Pro 2.6. OBTER IMAGENS DE VÍDEO PARA O C# O projeto do dirigível Indoor RC possui uma câmera para captura de vídeo e exploração de ambientes possibilitando captação de imagens e também para que em futuros projetos fosse possível tornar-se um dirigível autônomo. Conhecendo as diversas opções de frameworks disponíveis para integração de vídeo no Visual Studio C#, a que mais se adequou ao projeto foi a Aforge 2.1, devido a sua fácil implementação e diversas fontes de pesquisa, incluindo o próprio site do desenvolvedor. Abaixo uma breve descrição: Aforge 2.1: Possui além das funções de captura de vídeo, funções de inteligência artificial e processamento de imagens já desenvolvidas, alem de ser escrito em C# e possuir código fonte livre e ampla documentação. 3. CUSTO DO PROJETO Apesar de ser um projeto com fins científicos e visando o menor custo possível alguns componentes geraram um custo aos participantes. Segue abaixo a planilha com os custos do projeto:

13 Quantidade Componente Valor 2 Módulos Xbee R$ 160,00 1 Microcontrolador (PIC) R$ 80,00 1 Placa CON-USBBEE R$ 90,00 1 Placa PROTO-BEE R$ 25, lbs Gás Hélio R$ 120,00 3 Balões R$ 6,00 1 Câmera s/ Fio R$ 79,90 3 Motores R$ 7,80 3 Hélices R$ 6,50 Tabela 1: Tabela de custo (Desenvolvida pelos autores) 4. PROJETOS FUTUROS O projeto desenvolvido mostrou-nos as diversas aplicações possíveis ao nosso protótipo. Como desenvolvimento futuro, consideramos a opção de implantação de uma câmera de maior resolução, para que o sistema possa ser utilizado na vigilância de ambientes. Também a substituição dos motores por outros mais potentes para que o projeto possa se tornar um dirigível Outdoor, podendo assim explorar ambientes externos. Levando em conta a melhoria no dispositivo de captura de imagens, seria possível implementar o processamento de imagens utilizando o framework AFORGE.NET para sensoriamento de movimentos, cores e etc. Após ser implementado como dirigível Outdoor, novamente uma gama de possibilidades nos é proposta, podendo ser acoplado ao dirigível um modulo GPS para localização do equipamento. E como uma aplicação de extrema importância, devemos citar também o desenvolvimento de um dirigível autônomo, que através do processamento das informações do meio externo seria capaz de operar sozinho.

14 5. CONCLUSÃO Este projeto possibilitou aumentar nossos conhecimentos em diversas áreas da computação, como programação e eletrônica. Durante o decorrer do projeto, foram utilizadas várias ferramentas de desenvolvimento, como Visual Studio C#, para criação do software de controle com a utilização do framework AFORGE.NET para obtenção e tratamento de imagens utilizando câmera acoplada ao dirigível. Com a utilização dessas ferramentas foi possível obter uma visão de situações perfeitamente aplicáveis dentro da realidade do mercado de desenvolvimento de software. Com todo o desenvolvimento do projeto, percebemos as diversas possibilidades de aplicação do projeto sendo não somente para fins publicitários, como foi inicialmente proposto, mas possibilitando a exploração nas áreas de monitoramento de ambientes, sistema autônomo de navegação, entre outras. ABSTRACT This article describes the development of an indoor radio controlled blimp and all the technologies involved in the project. For this purpose, we used the concepts of desktop programming (C#) and microcontrollers (PIC). The blimp is basically composed of: a balloon inflated with helium gas, a structure for the gondola, a wireless camera and three DC motors. The first motor, controls the displacement of the blimp in the horizontal direction, it s responsible for the propulsion. The second motor, controls the blimp in the vertical direction, it s responsible for the floatation. The third motor, placed at the rear of the blimp, controls the direction of flight, like a rudder. The camera placed in front of the blimp captures images of the environment. More details concerning the development of the project (Hardware and Software) and the control operation of the blimp are presented. Keywords: blimp, radio frequency, helium gas, aforge.net, serial communication Xbee communication modules.

15 6. REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO Dirigível, 2010, Disponível em: em 17 Set Rogercom, 2010, Disponível em: em 17 Set Robótica, 2010, Disponível em: em 17 Set PIC Micro hardware and software techniques to help you design your projects, 2010, Disponível em: em 19 Set Rádio (comunicação), 2010, Disponível em: em 17 Set C# Comunicação Serial, Disponível em: em 03 Out Vantagens do C#, Disponível em: em 03 Out Desenvolvendo com Framework aforge.net Disponível em: em 5 Out Artigo Controlo de um Dirigível, Disponível em: em 05 Out. 2010

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO

INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO Heleno Pontes Bezerra Neto (helenopontes@lccv.ufal.br) 1. Introdução 1.1. Motivação 1.2 Histórico e Desenvolvimento dos Computadores 1.3. Organização dos Computadores 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Placa Mãe Dispositivos (Onboard) São aqueles encontrados na própria Placa Mãe. Ex: Rede, Som, Vídeo e etc... Prof. Luiz

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com PIC18F4550 Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Agenda Características do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Datasheet

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Informática Informática - Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Sistema de Computação

Sistema de Computação Sistema de Computação Máquinas multinível Nível 0 verdadeiro hardware da máquina, executando os programas em linguagem de máquina de nível 1 (portas lógicas); Nível 1 Composto por registrados e pela ALU

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co.

Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co. Programação Daniel Corteletti Aula 2 Página 1/6 Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co. O microcontrolador PIC16F877 pode ser encontrado em diversos encapsulamentos: PDIP, QFP,

Leia mais

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Hardware Definição de Computador Computador Digital Componentes Básicos CPU Processador Memória Barramento Unidades de Entrada e

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Encoder Magnético. Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior. Leonardo Maciel Santos Silva

Encoder Magnético. Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior. Leonardo Maciel Santos Silva Encoder Magnético Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior Leonardo Maciel Santos Silva Yuri Faria Amorim Índice Resumo... 03 1. Introdução... 04 2. Desenvolvimento...

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Rádio Definido por Software - SDR

Rádio Definido por Software - SDR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Rádio Definido por Software - SDR Prof. Ramon

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião REDES SEM FIO Prof. Msc. Hélio Esperidião WIRELESS O termo wireless, significa sem fio, possui alguns sinônimos tais como: Rede sem fio Comunicação sem fio Computação Móvel Wi-FI? WI-FI? Wi-Fié uma marca

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

X 145880_40 2015-06-29

X 145880_40 2015-06-29 Índice Dynafleet... 1 Introdução... 1 Design e função... 1 Gerenciamento do sistema... 3 Conformidade ANATEL... 4 Dynafleet 1 Introdução Dynafleet, generalidades Dynafleet é a solução da Volvo para o gerenciamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA COMUNICAÇÃO DE DADOS SEM FIO UTILIZANDO UMA AGENDA ELETRÔNICA

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA COMUNICAÇÃO DE DADOS SEM FIO UTILIZANDO UMA AGENDA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU Centro de Ciências Exatas e Naturais Bacharelado em Ciências da Computação Trabalho de Conclusão de Curso PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA COMUNICAÇÃO DE DADOS SEM FIO UTILIZANDO

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Central de Alarme de Oito Zonas

Central de Alarme de Oito Zonas Central de Alarme de Oito Zonas R02 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS GERAIS:... 3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:... 3 CONHECENDO A CENTRAL:... 4 COMO A CENTRAL FUNCIONA:... 4 COMO APAGAR A MEMÓRIA DA CENTRAL:... 4 COMO

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Telecomunicações e Teleprocessamento

Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações Telecomunicações podem ser definidas como comunicações por meios eletrônicos, normalmente a grandes distâncias. Como veículos de transmissão podem

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Pedro H. M. Araújo 1, Renan P. Figueiredo 1, Douglas L. Dias 1, Sandro C. S. Jucá 1 1 Área da Telemática Instituto Federal

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Todos direitos reservados. Proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo mecânico, eletrônico, reprográfico, etc., sem a autorização, por escrito, do(s) autor(es) e da editora. LÓGICA DE

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Maycon Cirilo dos Santos¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil mayconsi2012@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

... Máquina 1 Máquina 2

... Máquina 1 Máquina 2 Exercícios Apostila Parte 1 Lista de Exercícios 1 1) Descreva sucintamente a função de (ou o que é realizado em) cada uma das sete camadas (Física, Enlace, Redes, Transporte, Sessão, Apresentação e Aplicação)

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Manual de Instruções. Rastreador Via Satelite para Automóveis e Caminhões

Manual de Instruções. Rastreador Via Satelite para Automóveis e Caminhões Manual de Instruções Manual de Instruções Esta embalagem contém: Módulo AT1000 1 relé de potência 1 alto falante 1 antena GPS 1 antena GSM 1 soquete p/ relé com cabo 1 conector com cabo Manual de instruções

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA PARA FUNCIONÁRIOS IFPE AULA 06. Wilson Rubens Galindo

INFORMÁTICA BÁSICA PARA FUNCIONÁRIOS IFPE AULA 06. Wilson Rubens Galindo INFORMÁTICA BÁSICA PARA FUNCIONÁRIOS IFPE AULA 06 Wilson Rubens Galindo SITE DO CURSO: http://www.wilsongalindo.rg3.net Caminho: Cursos Informática Básica para Servidores Grupo de e-mail: ibps2010@googlegroups.com

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

ARDUINO UNO Guia do Usuário

ARDUINO UNO Guia do Usuário ARDUINO UNO Guia do Usuário Heco Mecatrônica Ltda. e-mail: vendas@hecomecatronica.com.br Visite nosso site: www.hecomecatronica.com.br Loja Virtual: shop.hecomecatronica.com.br Guia do Usuário - Página

Leia mais

3. Cite o nome e características do ponto mais alto e do ponto mais baixo de uma onda?

3. Cite o nome e características do ponto mais alto e do ponto mais baixo de uma onda? Exercícios: 1. Sobre:Ondas Responda: a. O que é a Natureza de Ondas? b. O que origina as Ondas Mecânicas? c. As Ondas Mecânicas se propagam no vácuo? Explique a sua resposta. d. Quais são os elementos

Leia mais

Microinformática Introdução ao hardware. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP

Microinformática Introdução ao hardware. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Microinformática Introdução ao hardware Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Informática Informática é o termo usado para se descrever o conjunto das ciências da informação, estando incluídas neste grupo:

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores

Microcontroladores e Microprocessadores Microcontroladores e Microprocessadores Arquitetura Von Neumann e Arquitetura Harvard Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Componentes básicos de um computador Processamento Unidades de Entrada/Saída (I/O)

Leia mais

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS.

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS. INTRODUÇÃO BARRAMENTO EXPRESS. O processador se comunica com os outros periféricos do micro através de um caminho de dados chamado barramento. Desde o lançamento do primeiro PC em 1981 até os dias de hoje,

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

PAINEL DE SENHAS RBSG4JE. Imagem ilustrativa do painel. Operação/Configuração Painel Eletrônico de Senhas / Guichê com jornal de mensagens.

PAINEL DE SENHAS RBSG4JE. Imagem ilustrativa do painel. Operação/Configuração Painel Eletrônico de Senhas / Guichê com jornal de mensagens. PAINEL DE SENHAS RBSG4JE Imagem ilustrativa do painel Operação/Configuração Painel Eletrônico de Senhas / Guichê com jornal de mensagens. Há basicamente dois modos de operação no Painel de Senhas: - Operação

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com.

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com. Ponte levadiça digital... Projeto semestral primeira fase de 2003 Engenharia de Computação 4 período Em breve aqui novos projetos... Página inicial Pré-projeto Projeto FOTOS e Vídeos Funcionamento Esboços

Leia mais

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Microprocessadores Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Arquitetura de Microprocessadores; Unidade de Controle UC; Unidade Lógica Aritméticas ULA; Arquitetura de von Neumann; Execução de

Leia mais