CONSTRUTOR DE WEBSITES UTILIZANDO FUNCIONALIDADES DO ZEND FRAMEWORK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTRUTOR DE WEBSITES UTILIZANDO FUNCIONALIDADES DO ZEND FRAMEWORK"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS RIO DO SUL JEAN FELIPE DIEL CONSTRUTOR DE WEBSITES UTILIZANDO FUNCIONALIDADES DO ZEND FRAMEWORK RIO DO SUL 2013

2 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS RIO DO SUL JEAN FELIPE DIEL CONSTRUTOR DE WEBSITES UTILIZANDO FUNCIONALIDADES DO ZEND FRAMEWORK Trabalho de Curso a ser apresentado ao Curso de Ciência da Computação da Área de Ciências Exatas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Ciências da Computação. Prof. Orientador: Fernando Augusto Salla RIO DO SUL 2013

3 JEAN FELIPE DIEL CONSTRUTOR DE WEBSITES UTILIZANDO FUNCIONALIDADES DO ZEND FRAMEWORK Trabalho de Curso de Ciência da Computação da Área de Ciências Exatas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, a ser apreciado pela Banca Examinadora, formada por: Prof. Orientador: Fernando Augusto Salla Banca Examinadora: Prof. MSc. Rodrigo Curvêllo Prof. Dr. Paulo César Rodacki Gomes Rio do Sul, Dezembro de 2013

4 Dedico este trabalho aos meus pais, meus irmãos e minha noiva que de uma forma ou de outra contribuíram para que eu pudesse viver este momento.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por dar força e saúde para que eu pudesse enfrentar e superar todos os desafios nesta jornada de formação profissional. Aos meus pais Lademir e Marileny, por seu apoio incondicional, por me mostrar a importância da educação, por seu amor, incentivo e paciência durante esta caminhada. Aos meus irmãos Miguel, André e Laís, que diretamente ou indiretamente me apoiaram nesta conquista. A minha noiva Ana Carla da Silva, que sempre esteve ao meu lado direta ou indiretamente e que me apoiou deste o início da faculdade. Aos meus colegas, que me ajudaram a alcançar este objetivo. Aos meus professores por seus ensinamentos. Em especial, o professor Juliano T. Brignoli, por sua colaboração na construção deste trabalho. Ao meu orientador, Fernando Augusto Salla, por ter acreditado e me auxiliado no desenvolvimento e conclusão deste trabalho.

6 No que diz respeito ao desempenho, ao compromisso, ao esforço, à dedicação, não existe meio termo. Ou você faz uma coisa bem-feita ou não faz. Ayrton Senna da Silva

7 RESUMO Com o crescente aumento na utilização da Internet, aumenta-se o consumo de informações. Disponibilizar estas informações exige agilidade e praticidade, independente de conhecimento técnico. Este trabalho apresenta a proposta de um construtor de websites que utiliza funcionalidades do Zend Framework, afim de reduzir o tempo na construção de projetos voltados para a Web. O construtor adotou padrões de projetos, as novas funcionalidades do HTML5 e CSS3 e programação orientada a objetos. Com este construtor é possível criar websites sem visualizar qualquer linha de código, apenas arrastando o elemento desejado, como imagens, textos ou tabelas. O construtor gera os arquivos, salva-os e os envia ao FTP especificado. Palavras-chave: website, Zend Framework, construtor de websites, interatividade.

8 ABSTRACT With the growing of the Internet, increases the information consumption. Providing this information requires agility and practicality, regardless of technical knowledge. This work presents a website builder that uses Zend Framework s features, to reduce the time to build projects for the Web. The constructor has adopted design patterns, the new features of HTML5 and CSS3 and object-oriented programming. With this constructor you can create website without visualize any line of code, just dragging the desired element, with images, text or tables. The constructor generates the files, saves it and then sends to the specified FTP. Keywords: website, Zend Framework, website builder, interactivity.

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AJAX - Asynchronous JavaScript and XML ASCII - American Standard Code for Information Interchange CSS - Cascading Style Sheets HTML - HyperText Markup Language HTTP - Hypertext Transfer Protocol IP - Internet Protocol JSON - JavaScript Object Notation MVC - Model View Controller PHP - Hypertext Preprocessor TCP - Transmission Control Protocol UML - Unified Modeling Language URL - Uniform Resource Locator XML - Extensible Markup Language W3C - World Wide Web Consortium

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Funcionamento da arquitetura cliente/servidor Figura 2 Exemplo de código HTML Figura 3 Exemplo de regras CSS Figura 4 Exemplo de código JavaScript Figura 5 Exemplo de código Jquery Figura 6 Exemplo de código PHP Figura 7 Fluxo de eventos em informações em uma arquitetura MVC Figura 8 Visão geral do construtor Figura 9 Modelo entidade-relacionamento Figura 10 Diagrama de caso de uso Figura 11 Diagrama de classe Figura 12 Diagrama de atividades Figura 13 Diagrama de sequência Figura 14 Tela inicial do construtor Figura 15 Página de banco de dados Figura 16 Página de informacões Figura 17 Página de detalhes Figura 18 Tela principal do construtor Figura 19 Exemplo de website criado em modo de visualização Figura 20 Página de dados de acesso ao FTP....49

11 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Padrões de projeto GoF Quadro 2 Requisitos funcionais do construtor Quadro 3 Requisitos não funcionais do construtor....33

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO TRABALHO ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ARQUITETURA CLIENTE/SERVIDOR HTML CSS JAVASCRIPT AJAX PHP PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS MVC DESIGN PATTERNS ZEND FRAMEWORK TRABALHOS CORRELATOS DESENVOLVIMENTO REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO Visão geral do construtor Modelagem de dados Diagrama de caso de uso Diagrama de classe Diagrama de atividades Diagrama de sequência IMPLEMENTAÇÃO Técnicas e ferramentas utilizadas Implementação do construtor de websites CONCLUSÕES EXTENSÕES...51

13 REFERÊNCIAS... 52

14 14 1 INTRODUÇÃO O mundo está em constante evolução. O tempo hoje é fator determinante durante cada etapa de desenvolvimento de um projeto. A competitividade exige produtividade e agilidade, ambas aliadas a qualidade como formas de conquistar o mercado e cumprir os prazos em um tempo menor do que de um possível concorrente. Ter presença na Web hoje, passou de um diferencial para quase que uma obrigação. Fowler (2004), define um website como qualquer sistema utilizado em um navegador Web, que seja processado em um servidor Web através de uma requisição HTTP e que interaja recebendo e enviando dados ao usuário. A Web permite cada vez mais a criação de aplicações robustas e de alto desempenho. Torna-se inviável a construção de softwares que necessitam ser instalados e executados máquina por máquina. Hoje, é possível acessar uma aplicação de qualquer parte do mundo, sendo necessário apenas um navegador Web. Não há necessidade de se instalar a aplicação e a responsabilidade pelo processamento fica quase sempre com o servidor e não em cada computador. Outra vantagem de aplicações construídas para Web, se dá na hora de atualizá-las e dar suporte. É necessário fazer estes processos uma única vez e apenas em um único local. O desenvolvimento é uma etapa que toma muito tempo na produção de um projeto. E na maioria dos casos, este tempo é limitado. Este trabalho propõe otimizar este tempo através da implementação de um construtor de websites. Serão adotadas as funcionalidades do Zend Framework, que tem como proposta, dar agilidade no desenvolvimento de um projeto. O construtor tem como objetivo facilitar a criação de websites dinâmicos sem a necessidade de desenvolvimento por meio de código, necessitando apenas da manipulação visual dos componentes, tendo como ambiente de execução um navegador Web.

15 OBJETIVOS DO TRABALHO O objetivo deste trabalho é desenvolver um construtor de websites dinâmico e interativo sem a necessidade de escrever código fonte, seguindo os padrões de desenvolvimento propostos pelo Consórcio World Wide Web (W3C), tendo como ambiente de execução um navegador Web. Os objetivos específicos do trabalho são: possibilitar a criação de websites dinâmicos sem a necessidade de conhecimento em programação Web ou contato com código-fonte; reduzir o tempo dedicado a criação de um website; seguir o padrão de codificação proposto pela W3C; criar websites acessíveis para todos os dispositivos. 1.2 ESTRUTURA DO TRABALHO A estrutura deste trabalho está apresentada em quatro capítulos, onde o segundo capítulo contém a fundamentação teórica necessária para o entendimento deste trabalho. O terceiro capítulo apresenta como foi desenvolvido construtor de websites, o diagrama de casos de uso, diagrama de classe, diagrama de sequência e o diagrama de atividades. Neste capítulo, também são representados a especificação que define o construtor, uma visão geral do seu funcionamento e a modelagem da base de dados gerada pelo construtor. Por fim, o quarto capítulo refere-se às conclusões do presente trabalho e sugestões para trabalhos futuros.

16 16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo, serão introduzidos alguns conceitos fundamentais e necessários para entendimento dos componentes utilizados neste trabalho. 2.1 ARQUITETURA CLIENTE/SERVIDOR Com a intenção de ligar hipertextos entre computadores diferentes utilizando links globais ou também conhecidos como hiperlinks, Tim Berners-Lee, em 1990, desenvolveu um software próprio e um protocolo para recuperar estes hipertextos. O protocolo era o HTTP e o texto deste protocolo, o HTML, assim dava início a Web. A Web é baseada na arquitetura cliente/servidor. O cliente, em sua maioria é um navegador Web que faz requisições a um servidor através do protocolo HTTP. O servidor, por sua vez, responde ao cliente enviando informações formatadas geralmente pela linguagem de marcação HTML. Para Forouzan (2004, p. 592): Um cliente é um programa, rodando na máquina local, que solicita os serviços de um servidor. Um programa cliente é inicializado por um usuário ou outra aplicação e é finalizado quando o serviço é terminado. Um cliente estabelece um canal de comunicação usando o endereço IP do host1 remoto e o número de porta conhecida do programa servidor específico que deseja acessar. O servidor, segundo Forouzan (2004, p. 593), é um programa, rodando na máquina remota, que oferece serviços aos clientes. Quando inicializado, o programa servidor abre portas de entrada para receber solicitações de clientes, mas nunca inicia um serviço até que seja solicitado a fazê-lo. Um servidor HTTP, utiliza a porta TCP 80 para receber as solicitações dos clientes. 1 Host - é uma máquina ou computador conectado a uma rede, que oferece informações, recursos, serviços e aplicações aos usuários.

17 17 Figura 1 - Funcionamento da arquitetura cliente/servidor. O HTTP, Hypertext Transfer Protocol ou Protocolo de Transferência de Hipertexto, segundo Gehrke (2002, p. 186): É o protocolo de comunição mais comum usado na Internet. É do tipo cliente-servidor no qual um cliente (normalmente um navegador Web) envia uma solicitação a um servidor HTTP, que, por sua vez, envia uma resposta de volta ao cliente. Costa (2008, p. 86) diz que o protocolo HTTP utiliza diretamente os serviços do protocolo de transporte TCP. 2.2 HTML HTML é a sigla em inglês para HyperText Markup Language, ou em português, linguagem para marcação de hipertexto. O HTML está nas versões 4.01 (versão atual) e HTML5 (versão em fase de desenvolvimento). O HTML foi criado em 1990 pelo cientista Tim Berners-Lee. A sua finalidade era tornar possível o acesso e a troca de informações e documentação de pesquisas entre cientistas de diferentes universidades. Até a versão 5, o HTML passou por sete versões oficiais e recomendadas pela W3C. A versão atual do HTML (4.01), foi recomendada em dezembro de 1999 pela W3C. Já a versão 5, teve suas especificações lançadas em maio de Até a escrita deste trabalho, a HTML5 encontra-se em fase de desenvolvimento, sendo

18 18 utilizada por muitos desenvolvedores em diversos projetos Web, porém, ainda não foi homologada pela W3C. Silva (2010a, p. 22) cita que: A linguagem de marcação HTML destina-se a estruturar uma página Web, não se devendo empregá-la para adicionar estilos ou apresentação visual aos elementos que constituem a página, sendo tais tarefas função das folhas de estilo em cascata. Os arquivos HTML são arquivos de textos no formato ASCII, que contém textos simples e é composto por tags. As tags, em sua grande maioria, são compostas por pares de abertura e fechamento, sendo que a tag de fechamento possui o mesmo nome da tag de abertura, porém, é precedida por uma barra(/), indicando onde o conteúdo começa e onde termina. A figura 2, a seguir, apresenta a estrutura básica de um arquivo HTML. <!DOCTYPE html> <html lang="pt"> <head> <meta charset="utf-8" /> <title>exemplo de código HTML</title> </head> <body> <main> <form> <label>digite seu nome</label> <input type="text" name="nome" /> </form> </main> </body> </html> Figura 2 - Exemplo de código HTML. Silva (2011, p. 36) em seu livro, diz que: As principais diferenças entre a HTML5 e a HTML 4, têm suas origens no fato de a HTML5 estar sendo desenvolvida com o propósito de substituir tanto a HTML criada nos anos 90 quanto a XHTML, que foi uma tentativa frustrada de reformular a HTML 4 como uma aplicação XML.

19 19 Neste trabalho, o HTML é utilizado como linguagem de marcação e serve como base para interface com o usuário. Foi adotado a versão HTML5, que possui novos elementos como barra de progresso, máscara para campos de formulário e validação de campos, dispensando assim o uso de JavaScript. O HTML5 também permite a utilização do atributo draggable, responsável por possibilitar um elemento possa ser arrastado dentro de um documento. É necessário que o usuário utilize um navegador Web atualizado e que este possua suporte a HTML CSS CSS é a abreviação para o termo folhas de estilo em cascata (Cascading Style Sheet). O CSS está nas versões 2.1 (versão atual) e CSS3 (versão em fase de desenvolvimento). O CSS foi proposto por Tim Berners-Lee em setembro de A estilização dos elementos era resolvido apenas pelos navegadores. Em dezembro de 1996, a versão CSS1 foi lançada como uma recomendação oficial pela W3C. A versão 2.1 foi proposta em agosto de 2002 e passou a status de recomendação pela W3C em junho Já a versão 3, foi proposta no ano de 2006, porém, ainda encontra-se em fase de desenvolvimento. Gomes (2010, p. 11) afirma que o CSS não é uma linguagem de programação nem uma linguagem de marcação. É uma sequência de declarações de propriedades e seus valores para a manipulação da forma como o conteúdo de uma página web será exibido. Na figura seguinte pode-se visualizar um exemplo código CSS que poderá ser utilizado para formatação de diversas páginas HTML.

20 20 body { background-color: #fff; color: #000; font-size: 12px; } div { width: 200px; height: 400px; margin: 10px auto; border: 1px solid #000; } h1 { font-weight: bold; text-align: center; } Figura 3 - Exemplo de regras CSS. Segundo Gomes (2010, p. 11): O CSS é responsável pelo aspecto da página, pelo layout, mas não somente para isso. Ele nasceu também com outra responsabilidade: garantir acessibilidade, tanto para máquinas quanto pessoas. Isso quer dizer que ele veio para agilizar a leitura das páginas web pelos navegadores e também facilitar a vida de usuários com necessidades especiais ou não. Algumas das mudanças da versão 3 da CSS em relação a versão 2.1, se dá na adoção de transições e animações de elementos, no uso de sombras em blocos e textos, bordas arredondadas, inclusão de fontes e suporte a media queries. A versão 3 dispensa em boa parte, o uso de linguagens como JavaScript, na interação dos elementos. O CSS foi utilizado no projeto para adicionar estilo aos elementos da ferramenta. Foi adotada a versão 3 do CSS, além da versão atual (2.1), reduzindo o uso de imagens e criando efeitos dinâmicos em textos e outros elementos. Para isso, é necessário que o usuário utilize um navegador que possua suporte aos principais módulos da CSS3.

21 JAVASCRIPT A linguagem JavaScript foi originalmente desenvolvida por Brendan Eich da Netscape em parceria com a Sun Microsystems com a finalidade de possibilitar aos desenvolvedores acrescentarem interatividade em uma página Web. Chamada de JavaScript 1.0, a primeira versão foi lançada em 1995 e introduzida no navegador Netscape 2.0 em O principal objetivo de sua criação era dar maior interação entre o usuário e a página e resolver o problema de validação de formulários no lado do cliente. Atualmente o nome oficial do JavaScript é ECMAScript e sua versão atual é a ECMA-262 v5.1. Em seu livro, Silva (2010a, p. 23) diz que: Em tese, precisamos apenas de um navgador para fazer funcionar scripts desenvolvidos com a linguagem JavaScript. Ao contrário, programas escritos em PHP, por exemplo, precisam ser hospedados em um servidor remoto configurado para rodar PHP ou visualizados localmente em um máquina na qual tenha sido instalado um servidor local com suporte para PHP. O JavaScript é uma linguagem que foi desenvolvida para rodar no lado cliente e seu funcionamento e interpretação dependem de funcionalidades implementadas no navegador do usuário. Os navegadores atuais hospedam um interpretador JavaScript e dão ao usuário a possibilidade de desabilitar a linguagem. Cansado da maneira de se escrever JavaScript para se chegar aos resultados pretendidos, John Resig, criou em 2006, a biblioteca jquery. Silva (2010b, p. 27) diz que: jquery é uma biblioteca JavaScript que possui as seguintes caracteríscas: - Utiliza seletores CSS para localizar elementos componentes da estrutura de marcação HTML da página; - Possui arquitetura compatível com instalação de plug-ins e extenções em geral; - É indiferente às inconsistências de renderização entre navegadores; - É capaz de interação implícita, isto é, não há necessidade de construção de loops para localização de elementos no documento; - Admite programação encadeada, ou seja, cada método retorna um objeto. - É extensível, pois admite criação e inserção de novas funcionalidades na biblioteca existente.

22 22 Nas figuras a seguir, são demonstrados exemplos de um código implementado em JavaScript e em seguida o mesmo código utilizando a biblioteca jquery. A sintaxe do código JavaScript pode ser observada na figura abaixo: <script type="text/javascript"> window.onload = function() { document.getelementbyid("btn").onclick = mudacor; }; function mudacor() { document.getelementbyid("cor").style.color = "#ff0"; }; </script> Figura 4 Exemplo de código JavaScript. A sintaxe do código implementado com a biblioteca jquery pode ser observada na figura a seguir: <script type="text/javascript"> $(document).ready(function() { $("#btn").click(function() { $("#cor").css("color","#ff0"); }); }); </script> Figura 5 Exemplo código biblioteca jquery. No dia 1 de julho de 2007, foi criada a biblioteca jquery UI por um grupo de desenvolvimento. Seu objetivo é possibilitar ao usuário criar elementos de interface de usuário com um mínimo de código e sintaxe idêntica à sintaxe da biblioteca jquery. Basicamente, sua função é utilizar eventos da jquery e acrescentar visual, como em menus, barras de progresso e botões. Neste trabalho, foi utilizado as bibliotecas jquery e jquery UI, ambas na versão , disponíveis em seus sites: jquery (http://www.jquery.com) e jquery UI (http://www.jqueryui.com). Elas dão suporte e dinâmica na movimentação dos

23 23 componentes escritos em HTML5 e em campos de seleção de cores. 2.5 AJAX O Ajax (Asynchronous JavaScript and XML), foi desenvolvido inicialmente por Jessé James Garret e, segundo Loundon (2010, p. 221), não se trata, na verdade, de uma nova tecnologia, mas sim de uma série de tecnologias sendo utilizadas de modo novo, unidas por um mecanismo que permite a comunicação entre o navegador e o servidor. Segundo Powers (2010, p. 352), o funcionamento do Ajax se dá com: Uma solicitação precisa ser enviada ao servidor, um serviço chamado e dados retornados. Entretanto, em vez de submeter um formulário e carregar uma nova página com a resposta, ou usar um iframe e scripting remoto, o Ajax lida com toda essa atividade dentro do contexto do mesmo documento da página web. Essa comunicação entre o cliente e o servidor, é chamada de comunicação assíncrona e é gerencia pelo objeto XMLHttpRequest do JavaScript. Para Powers (2010, p. 352), assícrona significa que a solicitação é enviada, mas o cliente não tem que parar e esperar até o processo terminar. Em vez disso, o cliente fornece uma função a ser chamada quando o estado da solicitação mudar. Loundon (2010), diz que: O nome do objeto (XMLHttpRequest) e o termo Ajax em si impliquem que o XML é o único formato para transferência de dados, na verdade também existem outros. Um deles, o JSON, é especialmente favorável, já que permite a passagem de uma string JavaScript sobre o qual você chama json_parse, para obter um objeto JavaScript. 2.6 PHP PHP é o acrônimo de Hypertext Preprocessor ou em português, pré-processador de hipertexto. É uma linguagem de programação open source,

24 24 criada em 1994 por Rasmus Lerdorf, voltada para o ambiente Web e que tem como uma de suas principais características a capacidade de se misturar ao HTML, tornando mais fácil a geração de páginas web-dinâmicas. Os programadores irlandeses, Zeev Suraski e Andi Gutmans, fundadores da Zend Company, desenvolveram os analisadores de sintaxe do PHP3 e do PHP4. Devido a necessidade de maior suporte a orientação a objetos, se fez necessário a criação de uma nova versão do PHP. Em julho de 2004 foi lançada a versão 5 com novos recursos, incluindo suporte a programação orientada a objetos. Soares (2010, p. 292) relata que: Uma das mais importantes mudanças no PHP, e provavelmente a principal, foi a total remodelação da linguagem para uma melhor aderência ao conceito de OO (orientação a objetos). Até a versão 4 o PHP tratava os objetos como tipos primitivos. Já na versão 5 do PHP a manipulação de objetos foi totalmente reescrita, permitindo uma melhor performance e muitas funcionalidades adicionais. A diferença principal está no fato de que no PHP5 os objetos são tratados como tais, existindo desta forma um ponteiro para o objeto. O PHP é uma linguagem de programação de código livre e possui diversas fontes disponíveis para pesquisa, como em artigos publicados na Internet e em publicações bibliográficas. Pode ser utilizado para se criar desde websites simples a aplicações robustas. A figura a seguir apresenta um exemplo de código PHP.

25 25 <?php $data = date("d-m-y"); $texto = "Exemplo de código PHP"; echo $data.' - '.$texto; $vetor = array(0,1,2,3,4,5,6,7,8,9,10); foreach ($vetor as $key => $value) { echo $value * 2; } $nome = $_POST['nome']; if(!empty($nome)) { echo 'O seu nome é: '.$nome; } else { echo 'Nenhum nome foi digitado'; } while($i < 50) { echo $i; $i++; }?> Figura 6 - Exemplo de código PHP A interpretação do código PHP é feita por servidores HTTP. Os dois servidores mais utilizados são o Apache e o Nginx. A função básica de um servidor HTTP é interpretar e executar o código e retornar ao cliente apenas código HTML puro como resposta. Assim, o PHP tem como principal vantagem ocultar informações no lado servidor, dando segurança em interações com serviços de bancos de dados ou aplicações que possuem informações confidenciais. O PHP, até o desenvolvimento deste trabalho, se encontra na versão e foi utilizado como linguagem de interação. O PHP é a linguagem base na escrita do Framework Zend, que será descrito a seguir. 2.7 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS Segundo Silva Filho (2011, p. 2) a Programação Orientada a Objetos

26 26 (POO) é uma abordagem de programação que serve de elo entre os problemas existentes e as soluções computacionais apresentadas no campo da programação. Em seu livro, Sebesta (2003, p. 432) diz que o conceito de programação orientada a objetos tem suas raízes na SIMULA 67, mas não foi amplamente desenvolvido até a evolução da Smalltalk a única linguagem puramente orientada a objeto. A orientação a objetos tem como objetivo combinar em uma única entidade os dados e funções que trabalham sobres estes dados. Essa entidade recebe o nome de objeto. A classe é a estrutura onde são definidos os atributos (dados) e métodos (funções). O objeto, ao instanciar uma classe, passa a ter o comportamento e o estado definidos nesta classe. Engholm Júnior (2010, p ), define atributo como: Uma abstração de uma característica aplicável ao domínio de negócio e representa propriedades de objetos individuais como nome, idade, peso ou cor. Do ponto de vista técnico, o atributo representa variáveis que armazenam informações sobre objetos, por exemplo, para a classe Pessoa, nome, data de nasc., local de nasc., sexo e endereço representam atributos dessa classe. Para Engholm Júnior (2010), um método pode ser definido como uma função que possue um conjunto de operações a serem executadas. Estas, recebem ou não valores por meio de parâmetros e ao serem chamadas por um objeto e podem retornar um determinado valor. Na classe podem ser definidos os tipos de acesso de seus atributos e métodos. O acesso é a possibilidade de outras classes ou objetos poderem executar ou não seus métodos e visualizar ou alterar seus atributos. Os tipos de acessos podem ser: público: o método ou atributo está disponível para todas as classes; protegido: o método ou atributo só poderá ser acessado pela própria classe ou sua hierarquia; privado: somente a própria classe poderá acessar o método ou atributo. Métodos e atributos podem ser chamados de membros

27 27 da classe. Outro recurso importante da programação orientada a objetos é a herança. Esta, é definida por Engholm Júnior (2010, p. 128), como um mecanismo permite criar novas classes a partir de classes já existentes, princípio conhecido em modelagem de sistemas como especialização. 2.8 MVC O MVC (Model-View-Controller), ou em português, Modelo, Visão e Controlador, é um padrão de projeto (design pattern) que visa dividir a aplicação em três camadas. Foi proposto Trygve Reenskaug na década de 70, quando este trabalhava na plataforma Smaltalk. A figura 7, apresenta o funcionamento do padrão de projeto MVC. Figura 7 Fluxo de eventos em informações em uma arquitetura MVC. Fonte: Almeida (2007). O Controlador (Controller), para Booch (2012), tem a função de controlar todo o fluxo de informações que passam pelo sistema. Ele define quais informações devem ser geradas, quais regras devem ser acionadas e para onde as informações devem ir. O controlador serve como uma camada intermediária entre a camada de visão e a camada de modelo. Dall`Oglio (2009) em seu livro, diz que a camada modelo (Model), é utilizada para manipular informações de forma mais detalhada. Esta camada é considerada o coração da aplicação e é responsável por tudo que será feito. Sua

28 28 função é modelar os dados e o comportamento por atrás do processo de negócios, se preocupando apenas com a persistência, manipulação e geração dos dados. Booch (2012) descreve a camada de visão (View), como a responsável por tudo que o usuário final visualiza. É sua função organizar e distribuir os componentes da interface na tela do usuário baseadas nas informações passadas pelo modelo. 2.9 DESIGN PATTERNS Design Patterns ou padrões de projeto, segundo Melo Junior (2007, p. 61): São como receitas de bolos, ou seja, práticas recomendadas para resolver problemas comuns e recorrentes, encontrados pelos analistas e arquitetos de sistemas. Ao mesmo tempo, representam uma técnica excelente para reduzir os custos de manutenção de aplicativos, através do privilégio da Composição sobre a Herança. Existem inúmeros padrões de projeto. Porém a grande maioria dos padrões foi criada especificamente para uma linguagem de programação ou framework, onde foram modelados seguindo as características das linguagens. O conceito de Design Patterns pode ser empregado em todo o tipo de ambiente de desenvolvimento orientado a objetos. Koscianski (2007, p. 289) em seu livro, diz que a referência atual mais conhecida para padrões de projeto de software são os chamados GoF Patterns. A sigla GoF vem de Gang of Four, em referência aos quatro autores do livro. O livro em questão, é o Design Patterns Elements of Reusable Object-Oriented Software, lançado em 1994, onde descrevem 23 padrões de projeto com soluções genéricas para os problemas mais comuns do desenvolvimento de software orientado a objetos.

29 29 Segundo Koscianski (2007, p. 290): Os padrões de projeto GoF são classificados em três tipos: creational (criacional ou de criação), structural (estrutural) e behavioral (comportamental): Criacional: ajuda a tornar o software independente de como os objetos são criados, compostos e representados; Estrutural: usado para identificar como agrupar objetos e classes para formar uma estrutura maior; Comportamental: usado em colaboração dos objetos para atingir um objetivo, com enfoque na interconexão dos objetos. O quadro 1 a seguir apresenta os 23 padrões GoF e sua classificação nas três categorias. Criação Estrutural Comportamental Abstract method Adapter Interpreter Factory method Bridge Template method Builder Composite Chain of responsability Prototype Decorator Command Singleton Facade Iterator Proxy Mediator Memento Flyweight Observer State Strategy Visitor Quadro 1 Padrões de projeto GoF Fonte: Koscianski (2007, p. 290) ZEND FRAMEWORK Segundo Jobstraibizer (2009, p. 44):

30 30 Um framework é um conjunto de componentes que contém uma arquitetura e uma estrutura interna básicas para o desenvolvimento de uma aplicação. Funciona como uma aplicação semipronta que precisa deve ser estendida e personalizada para que um sistema desenvolvido funcione corretamente. Geralmente são conhecidos como ambientes RAD (Rapid Development) framework. Em seu livro, Evans (2008) diz que, o Framework Zend é um framework híbrido, que pode ser usado em uma faixa mais ampla de projetos do que os frameworks de aplicação. Quanto a seus componentes, Evans (2008) cita que, no Framework Zend podem ser usados sozinhos como uma biblioteca de componentes, mas em seu núcleo, ele é uma implementação do padrão de projetos Model-View-Controller (MVC). Criado em 2005 pela Zend Technologies, o Framework Zend possui além das classes de MVC, componentes para todos os tipos de aplicações. Ele pode ser utilizado para persistência e gravação de dados, cálculos matemáticos, serviços de ou tratamento e manipulação de arquivos e dados. O Framework Zend está na sua versão 2. Nesta versão o framework deixou de ser apenas uma biblioteca de componentes que eram inclusos dentro da aplicação e passou a ser uma espécie de interface para o servidor de execução do PHP. Assim é necessário que ele seja instalado no computador para que se possa utilizar seus componentes. A versão 1 do framework também encontra-se disponível para dowload no site do framework e diferente da versão atual, não precisa ser instalado. Neste trabalho foi adotada a versão do Framework Zend. Esta versão não necessita ser instalada e pode ser usada em qualquer computador que possua suporte ao PHP 5. Ele será utilizado para interações com o serviço de banco de dados e validação dos dados enviados pelo usuário TRABALHOS CORRELATOS Como trabalhos correlatos foram encontradas as ferramentas Froont e

31 31 LayoutIt!. Ambas funcionam dentro de um navegador Web e possuem determinadas limitações. O Froont, é uma ferramenta para criação de websites responsivos, utilizando uma interface com elementos que podem ser arrastados ou editados. Está disponível apenas para usuários que possuam o navegador Chrome, da Google, sendo necessário a criação de uma conta para se ter acesso e salvar seus projetos. Por estar em fase de testes a ferramenta é um tanto confusa, lenta e a quantidade de código gerado é grande e desnecessária. O LayoutIt!, é um site ainda em fase beta, que tem como objetivo permitir a criação de websites utilizando o framework front-end Bootstrap, do Twitter. O usuário tem a possibilidade de arrastar o componente ao local desejado no website. O usuário tem a disponibilidade de baixar seu projeto, porém precisará se registrar. Tanto o Froont quanto o LayoutIt!, são alternativas limitadas, geram códigos extensos e são voltadas para o front-end, impossibilitando o usuário criar projetos com acesso a banco de dados ou processamento de dados de formulários, limitando-o a criar sites estáticos.

32 32 3 DESENVOLVIMENTO O presente capítulo, descreve os requisitos, a especificação e a implementação do projeto. São detalhados aspectos importantes acerca dos padrões de projetos, frameworks, bibliotecas e ferramentas que foram adotados no desenvolvimento deste projeto. 3.1 REQUISITOS O construtor desenvolvido, tem como objetivo ajudar as pessoas a criarem seus próprios websites, sem ajuda de um profissional ou de conhecimento técnico. Na sequência são apresentados os Requisitos Funcionais (RF) e os Requisitos Não Funcionais (RNF) atendidos pelo construtor. No Quadro 1 podem ser observados os RF e no Quadro 2 os RNF. REQUISITOS FUNCIONAIS RF01 Permitir ao usuário cadastrar as informações básicas do website RF02 Disponilizar interface para alteração das informações do website RF03 Interface para informações de acesso ao serviço de banco de dados RF04 Possibilitar o cadastro de logotipo, cores e fontes RF05 Propiciar área para arrastar e criar componentes no projeto RF06 Possibilitar a criação de uma nova página RF07 Permitir ao usuário modificar o conteúdo de uma página RF08 Conceder página de pré-visualização do projeto RF09 Viabilizar interface para preenchimento dos dados de conexão FTP RF10 Interface para publicação do projeto Quadro 2 - Requisitos funcionais do construtor. REQUISITOS NÃO FUNCIONAIS RNF01 Ser executado integralmente na Web

33 33 RNF02 Interface agradável, objetiva e trivial ao usuário RNF03 Ser implementado nas linguagens JavaScript e PHP 5 RNF04 Disponibilizar ao usuário um menu de ajuda RNF05 Utilizar banco de dados MySQL ou PostgreSQL RNF06 Ser compatível com os navegadores Web: Mozilla Firefox, Google Chrome e Opera Quadro 3 - Requisitos não funcionais do construtor. 3.2 ESPECIFICAÇÃO Nas subseções seguintes são abordadas as especificações do projeto desenvolvido. Foi utilizada a Unified Modeling Language (UML), com auxílio da ferramenta Astah, sendo criados os diagramas de caso de uso, atividades, classe e sequência. Para a criação do modelo entidade-relacionamento, foi utilizado a ferramenta MySQL Workbench Visão geral do construtor A figura 8 a seguir, foi criada para demonstrar de forma simplificada o fluxo de comunicação do construtor. Esta, não foi baseada em qualquer diagrama pertencente a UML, pois seu objetivo é demonstrar como é feita a ligação dos componentes no construtor e entre quais destes existem tais ligações.

34 34 Figura 8 Visão geral do construtor O construtor de websites pode ser divido em quatro partes principais conforme a figura 8. O usuário é responsável por fornecer os dados ao construtor. Ele deve informar dados de acesso ao base de dados, informações pessoais e do projeto a ser criado. Sua interação com o construtor se dá por meio de um navegador Web e é nele que o usuário irá criar seu projeto. O navegador é responsável pela execução do construtor e pela ligação com o usuário. É através dele que são feitas as requisições ao servidor Web e onde são mostradas as resposta do construtor ao usuário. O padrão de projetos MVC é uma abstração do código-fonte. É divido em três camadas. A camada view (visão), é responsável por se comunicar com o navegador, trazendo os dados e telas que serão visualizadas pelo usuário. O model é a camada responsável pela funções de lógica e persistência do construtor. No model, são utilizados os métodos do Zend Framework para gravação dos dados. A

35 35 camada de controller (controlador), faz a comunição entre o model (modelo) e a view. O controller também faz a junção dos dados da view com as funções do model e comunica-se com o banco de dados, solicitando ou enviando os dados. O padrão de projetos Singleton, é implementado e utilizado na camada model. Este padrão, permite que o construtor possa criar uma única instância de uma classe, mantendo um acesso global ao objeto dentro desta aplição. Com isso, evita-se reescrever um mesmo código ou instanciar várias vezes uma mesma classe. Seu uso no construtor, será descrito a seguir no item diagrama de classe. O banco de dados é responsável por armazenar os dados informados pelo usuário do construtor. Seu dever é gravar os dados enviados pelo controller ou retornar quando este é solicitado pelo controller. O sistema de banco de dados à ser utlizado será de escolha do usuário e as tabelas, serão criadas de forma automática pelo construtor Modelagem de dados Modelagem de dados consiste em representar as estruturas de dados e regras de negócio necessárias para suportar uma determinada área de negócios. Na figura a seguir, será apresentado o modelo físico onde pode-se observar a estrutura da base de dados gerada pelo construtor.

36 36 Figura 9 - Modelo entidade-relacionamento. As tabelas detalhe, informacao e usuario do modelo entidade-relacionamento da figura 9, são geradas pelo construtor após o preenchimento dos dados de acesso ao banco de dados de preferência do usuário. Os dados técnicos e informações do website a ser criado pelo construtor, são preenchidos em etapas pelo usuário e são armazenados nas tabelas da figura 9, correspondente a cada etapa executada Diagrama de caso de uso O diagrama de caso de uso, é um dos diagramas dísponíveis na UML. É aplicado na modelagem do comportamento de um sistema. O diagrama de caso de uso indica os passos necessários para o funcionamento do construtor. A figura 10 representa os casos de usos levantados.

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Aplicativos para Internet Aula 01

Aplicativos para Internet Aula 01 Aplicativos para Internet Aula 01 Arquitetura cliente/servidor Introdução ao HTML, CSS e JavaScript Prof. Erika Miranda Universidade de Mogi das Cruzes Uso da Internet http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/world-wide-web-ou-www-completa-22-anos-nesta-terca-feira.aspx

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX Bruno Simões Kleverson Pereira Marcos Santos Eduardo Barrere Associação Educacional Dom Bosco - AEDB RESUMO

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO Djalma Gonçalves Costa Junior¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil djalma.g.costajr@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS

BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS 21/11/2013 PET Sistemas de Informação Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 1 BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS Leonardo Pimentel Ferreira Higor Ernandes Ramos Silva 21/11/2013

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Guilherme Miranda Martins 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Módulo 11 A Web e seus aplicativos

Módulo 11 A Web e seus aplicativos Módulo 11 A Web e seus aplicativos Até a década de 90, a internet era utilizada por acadêmicos, pesquisadores e estudantes universitários para a transferência de arquivos e o envio de correios eletrônicos.

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Internet Internet é o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam entre si Internet não é sinônimo de WWW (World Wide

Leia mais

Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Capacitar o aluno para o trabalho com o framework JQuery. INTRODUÇÃO JQuery é uma biblioteca

Leia mais

Zend. Framework. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec. Desenvolvendo em PHP 5 orientado a objetos com MVC

Zend. Framework. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec. Desenvolvendo em PHP 5 orientado a objetos com MVC Zend Framework Desenvolvendo em PHP 5 orientado a objetos com MVC Flávio Gomes da Silva Lisboa Novatec 1 Introdução CAPÍTULO O desenvolvimento de aplicações tornou-se uma atividade extremamente complexa

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web

Introdução à Tecnologia Web Introdução à Tecnologia Web JavaScript Histórico e Características Índice 1 JAVASCRIPT... 2 1.1 Histórico... 2 1.2 Aplicações de JavaScript... 2 a) Interatividade... 2 b) Validação de formulários... 2

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Programação e Designer para WEB

Programação e Designer para WEB Programação e Designer para WEB Introdução Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa I t d ã hi t t Introdução a hipertexto. A

Leia mais

Ferramentas para Internet CST Sistemas para Internet

Ferramentas para Internet CST Sistemas para Internet Ferramentas para Internet CST Sistemas para Internet Marx Gomes Van der Linden ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida ) Ferramentas para Internet Web design: HTML CSS

Leia mais

DWEB. Design para Web. CSS3 - Fundamentos. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

DWEB. Design para Web. CSS3 - Fundamentos. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico DWEB Design para Web Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico CSS3 - Fundamentos E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual

Leia mais

Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery

Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery Professor: Marcelo Ricardo Minholi CH: 32 horas anuais (4 dias de 8 horas) Umuarama - 2012 Fundamentação Teórica: HTML (acrônimo para a expressão inglesa

Leia mais

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique.

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique. Lista de Revisão 1. Nos sistemas web, geralmente os usuários apresentam dois problemas típicos, a desorientação e a sobrecarga cognitiva. Discorra sobre esses problemas. 2. Apresente as principais diferenças

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

HTML5 E SUAS NOVIDADES

HTML5 E SUAS NOVIDADES HTML5 E SUAS NOVIDADES Gabrie Dalla Porta 1, Julio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil gabrieldallap@gmail.com, juliocesarp@gmail.com Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

MODELO SPI (SINGLE PAGE INTERFACE) PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB

MODELO SPI (SINGLE PAGE INTERFACE) PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB MODELO SPI (SINGLE PAGE INTERFACE) PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB Thiago Nery Teixeira Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Bacharelado

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução

Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução Vítor E. Silva Souza vitorsouza@gmail.com http://www.javablogs.com.br/page/engenho http://esjug.dev.java.net Sobre o Instrutor Formação: Java: Graduação

Leia mais

Web Design. Prof. Felippe

Web Design. Prof. Felippe Web Design Prof. Felippe 2015 Sobre a disciplina Fornecer ao aluno subsídios para o projeto e desenvolvimento de interfaces de sistemas Web eficientes, amigáveis e intuitivas. Conceitos fundamentais sobre

Leia mais

J930. Padrões. Projeto. Introdução. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org)

J930. Padrões. Projeto. Introdução. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org) Padrões de J930 Projeto Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

Criando Aplicações PHP com. Zend e Dojo. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec

Criando Aplicações PHP com. Zend e Dojo. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec Criando Aplicações PHP com Zend e Dojo Flávio Gomes da Silva Lisboa Novatec Copyright 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org)

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) J930 Padrões Projeto de 1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

Padrões GoF. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Padrões GoF. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Padrões GoF Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Agenda Introdução Padrões de Criação Padrões de Estrutura Padrões de comportamento Leonardo Murta Padrões GoF 2 Introdução Os padrões GoF (Gamma

Leia mais

Novemax Biblioteca OO para abstração de componentes HTML, desenvolvida em PHP

Novemax Biblioteca OO para abstração de componentes HTML, desenvolvida em PHP Novemax Biblioteca OO para abstração de componentes HTML, desenvolvida em PHP Isac Velezo de C. Aguiar isacaguiar@gmail.com Jailson Oliveira da Boa Morte jailsonboamorte@gmail.com Instituto de Matemática

Leia mais

Programação Avançada. Padrões de Projeto de Software. Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos

Programação Avançada. Padrões de Projeto de Software. Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos Programação Avançada Padrões de Projeto de Software 1 Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos Introdução Projetar software OO reusável e de boa qualidade é uma tarefa difícil; Para realizar essa tarefa

Leia mais

Introdução a PHP (Um Programa PHP)

Introdução a PHP (Um Programa PHP) Desenvolvimento Web III Introdução a PHP (Um Programa PHP) Prof. Mauro Lopes 1-31 16 Objetivos Nesta aula iremos trazer alguns conceitos básicos sobre PHP. Iremos trabalhar conceitos como server side scripts

Leia mais

Programação e Designer para WEB

Programação e Designer para WEB Programação e Designer para WEB Introdução Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Introdução a hipertexto. A linguagem HTML.

Leia mais

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza Técnicas e processos de produção Profº Ritielle Souza INTRODUÇÃO HTML Sigla em inglês para Hyper Text Markup Language, traduzindo daria algo como Linguagem para marcação de Hipertexto. E o que seria o

Leia mais

Minicurso introdutório de desenvolvimento para web em HTML5. Cristiano Costa

Minicurso introdutório de desenvolvimento para web em HTML5. Cristiano Costa Minicurso introdutório de desenvolvimento para web em HTML5 Cristiano Costa Sobre mim Graduando em Engenharia Eletrônica - UNIFEI Trabalhou em desenvolvimento de sistemas empresariais (Base em servidores

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) RELATÓRIO PARCIAL DE ATIVIDADES (AGOSTO/2007 A MAIO/2008) Aplicação de Padrões Web em Framework

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) RELATÓRIO PARCIAL DE ATIVIDADES (AGOSTO/2007 A MAIO/2008) Aplicação de Padrões Web em Framework PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) RELATÓRIO PARCIAL DE ATIVIDADES (AGOSTO/2007 A MAIO/2008) Aplicação de Padrões Web em Framework Fernando Henrique Malaquias Drª. Simone Nasser Matos

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Por Matheus Orion Principais tecnologias front-end HTML CSS JAVASCRIPT AJAX JQUERY FLASH JAVA APPLET Linguagens que executam no cliente HTML

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Desenvolvimento de Sistema de Gerenciamento e Controle para Academias João Antonio Aires 1, Sergio Ribeiro 2, Regiane Orlovski 3 1 Dicente no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

BURIPACK - DESIGN E INTERFACES WEB

BURIPACK - DESIGN E INTERFACES WEB 1 de 5 BURIPACK - DESIGN E INTERFACES WEB BC 41 LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM JAVASCRIPT E HTML (32h) Ajudar aos alunos no desenvolvimento do raciocínio lógico, a partir da prática em lógica de programação,

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Ambiente Web É o ambiente

Leia mais

Home Page da Estação Automática do IF-SC

Home Page da Estação Automática do IF-SC Home Page da Estação Automática do IF-SC Ana Paula Jorge Fraga Email: anaa_fraga@hotmail.com Artur da Silva Querino E-mail: arturquerino@gmail.com Kathilça Lopes de Souza E-mail: kathii16@hotmail.com Rayana

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

MURILO TONELLI DE OLIVEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR I E II JOINVILLE - SC

MURILO TONELLI DE OLIVEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR I E II JOINVILLE - SC MURILO TONELLI DE OLIVEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR I E II JOINVILLE - SC 2011 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS GUARAPUAVA CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET HELBERT DA ROCHA RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO GUARAPUAVA 2013 HELBERT DA ROCHA RELATÓRIO FINAL DE

Leia mais

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Objetivo e desafio do curso Como objetivo o curso irá tornar o aluno capaz de desenvolver um

Leia mais

Produto: Webscan Relatório II Programas desenvolvidos, testados e documentados

Produto: Webscan Relatório II Programas desenvolvidos, testados e documentados Produto: Webscan Relatório II Programas desenvolvidos, testados e documentados Sérgio Oliveira Campos Contrato N : 2008/000514 Sumário 1 Introdução 1 2 Bibliotecas Utilizadas 2 2.1 Reconhecimento de Texto

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Conceitos Web Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011 Tecnologias Web jgw@unijui.edu.br Conceitos Básicos Sistema

Leia mais

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO Curso Superior de Graduação em ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática Por AUGUSTO CARRICONDE

Leia mais

Frameworks para Desenvolvimento em PHP Elton Luís Minetto

Frameworks para Desenvolvimento em PHP Elton Luís Minetto Frameworks para Desenvolvimento em PHP Elton Luís Minetto Novatec capítulo 1 Introdução Uma das grandes vantagens do PHP é sua facilidade de aprendizado. Ao ler poucas páginas de tutoriais ou de algum

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS IRATI PROJETO DO CURSO DE PROGRAMADOR WEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS IRATI PROJETO DO CURSO DE PROGRAMADOR WEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS IRATI PROJETO DO CURSO DE PROGRAMADOR WEB IRATI 2012 SUMÁRIO 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

Programação Web com Webdev 19 Julio Cesar Pedroso Conteúdo

Programação Web com Webdev 19 Julio Cesar Pedroso Conteúdo Conteúdo INTRODUÇÃO... 6 Como acessar a ajuda on line?... 6 Conhecendo o WebDev... 8 Iniciando o WebDev... 8 Ambiente de desenvolvimento... 8 O Editor... 8 A barra de menus... 10 Os botões... 10 Os painéis...

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação Programação Orientada a Objetos Padrões de Criação Cristiano Lehrer, M.Sc. Objetivos Apresentar cada um dos 23 padrões clássicos descrevendo: O problema que solucionam. A solução. Diagramas UML (Unified

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Tecnologia Web Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Tecnologia Web Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Tecnologia Web Professor Machado 1 WWW - World Wide Web Surgiu da necessidade de troca de documentos entre institutos de pesquisas. Utiliza o protocolo HTTP (HyperText

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

PictureFrame: Um padrão para criação de imagens reutilizáveis

PictureFrame: Um padrão para criação de imagens reutilizáveis PictureFrame: Um padrão para criação de imagens reutilizáveis Paulo A. S. Costa 1,2,3, Ismayle S. Santos 1,2,3, Rossana M. C. Andrade 1,2,4 1 Grupo de Redes, Engenharia de Software e Sistemas - GREaT 2

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

Desenvolvimento em três camadas com PHP 5, MVC e AJAX

Desenvolvimento em três camadas com PHP 5, MVC e AJAX Desenvolvimento em três camadas com PHP 5, MVC e AJAX Almir Neto almirneto@gmail.com Otávio Calaça otaviocx@gmail.com http://phpendo.blogspot.com CoNaPHP CONISLI 2008 http://www.conaphp.com.br/ São Paulo,

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 1 CDI - Curso de Webdesign - Prof. Paulo Trentin Objetivos para esta aula Debater sobre

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

JavaScript. Guia do Programador. Maurício Samy Silva. Novatec

JavaScript. Guia do Programador. Maurício Samy Silva. Novatec JavaScript Guia do Programador Maurício Samy Silva Novatec Copyright Novatec Editora Ltda. 2010. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra,

Leia mais