VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS TÍTULO DO TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS TÍTULO DO TRABALHO"

Transcrição

1 VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS TÍTULO DO TRABALHO LONDRINA PR 2013

2

3 VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS TÍTULO DO TRABALHO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Bacharelado em Ciência da Computação da Universidade Estadual de Londrina para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. Orientador: Prof(a). Dr(a). Jandira Guenka Palma Coorientador: Prof(a). Dr(a). Nome do(a) Coorientador(a) LONDRINA PR 2013

4 Vinícius Fernandes de Jesus Título do Trabalho/ Vinícius Fernandes de Jesus. Londrina PR, p. : il. (algumas color.) ; 30 cm. Orientador: Prof(a). Dr(a). Jandira Guenka Palma Universidade Estadual de Londrina, Palavra-chave1. 2. Palavra-chave2. I. Orientador. II. Universidade xxx. III. Faculdade de xxx. IV. Título CDU 02:141:005.7

5 VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS TÍTULO DO TRABALHO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Bacharelado em Ciência da Computação da Universidade Estadual de Londrina para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. BANCA EXAMINADORA Prof(a). Dr(a). Jandira Guenka Palma Universidade Estadual de Londrina Orientador Prof. Dr. Segundo Membro da Banca Universidade/Instituição do Segundo Membro da Banca Prof. Msc. Terceiro Membro da Banca Universidade/Instituição do Terceiro Membro da Banca Londrina PR, 24 de novembrode 2013 LONDRINA PR 2013

6

7 Este trabalho é dedicado às crianças adultas que, quando pequenas, sonharam em se tornar cientistas.

8

9 AGRADECIMENTOS Os agradecimentos principais são direcionados à Gerald Weber, Miguel Frasson, Leslie H. Watter, Bruno Parente Lima, Flávio de Vasconcellos Corrêa, Otavio Real Salvador, Renato Machnievscz 1 e todos aqueles que contribuíram para que a produção de trabalhos acadêmicos conforme as normas ABNT com L A TEX fosse possível. Agradecimentos especiais são direcionados ao Centro de Pesquisa em Arquitetura da Informação 2 da Universidade de Brasília (CPAI), ao grupo de usuários latex-br 3 e aos novos voluntários do grupo abntex2 4 que contribuíram e que ainda contribuirão para a evolução do abntex2. 1 Os nomes dos integrantes do primeiro projeto abntex foram extraídos de org.br/projects/abntex/ e

10

11 Não vos amoldeis às estruturas deste mundo, mas transformai-vos pela renovação da mente, a fim de distinguir qual é a vontade de Deus: o que é bom, o que Lhe é agradável, o que é perfeito. (Bíblia Sagrada, Romanos 12, 2)

12

13 SOBRENOME, N. A.. Título do Trabalho. 44 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação). Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Estadual de Londrina, RESUMO Palavras-chave: latex. abntex. editoração de texto.

14

15 SOBRENOME, N. A.. Title of the Work. 44 p. Final Project (Undergraduation). Bachelor of Science in Computer Science State University of Londrina, ABSTRACT This is the english abstract. The Abstract in English should be faithful to the Resumo in Portuguese, but not a literal translation. Keywords: latex. abntex. text editoration.

16

17 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Processo geral de projeto de software. Figura adaptada de [1]

18

19 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Classificação dos padrões

20

21 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS GOF SRP OCP LSP ISP DIP MDD UML Gang of Four Single Responsibilty Principle Open Closed Principle Liskov Substitution Principle Interface Segregation Principle Dependency Inversion Principle Desenvolvimento Dirigido por Modelos Unified Modeling Language

22

23 LISTA DE SÍMBOLOS Γ Λ ζ Letra grega Gama Lambda Letra grega minúscula zeta Pertence

24

25 SUMÁRIO 1 Introdução Fundamentação Teórica Arquitetura de Software Arquiteto de Software Estilos de Arquitetura Arquitetura em camadas Arquitetura de Respositórios Projeto de Arquitetura Decomposição da Arquitetura Princípios do Projeto Orientado a Objetos Single Responsibilty Principle Open-Closed Principle Liskov Substitution Principle Interface Segregation Principle Dependency Inversion Principle Design Patterns Padrões de Arquitetura Trabalhos relacionados Sommerville Modelo Geral do Processo de Projeto de Software Projeto de Software Orientado a Objetos Proposta Estudo de Caso Conclusão Referências

26

27 25 1 INTRODUÇÃO O processo de construção de um software é uma tarefa difícil, que envolve dedicação e alto custo [2]. Porém, construir um software com uma arquitetura robusta, que agregue manutenibilidade, extensibilidade e escalabilidade para o mesmo, é uma tarefa ainda mais difícil [3], exigindo experiência e um alto conhecimento sobre o assunto [1]. Essa dificuldade tem se elevado, devido ao fato de que os softwares estão cada vez mais complexos e que os clientes necessitam que o sistema esteja pronto o quanto antes. Assim sendo, empresas diminuem o tempo da construção do software, adiantando a entrega do mesmo. [4]. Apesar de diminuir o tempo gasto com a construção do software, um sistema, depois de pronto, ainda possuirá um longo tempo de vida, se tornando um sistema legado [4]. Nesta etapa do ciclo de vida de um software se encontra a manutenção e extensão do mesmo, onde empresas, de um modo geral, concentram um alto investimento [4, 1]. Segundo Sommerville, a etapa de manutenção do software consiste em todas as alterações feitas no mesmo após sua entrega [1]. Essas alterações no sofware sempre serão necessárias, sendo que podemos dizer que essas mudanças podem pertencer a 3 (três) tipos de manutenção: [5, 1] Correção de erros: Correção de erros de escrita de cógido, que são os de menor custo; erros em termos de projeto de software, um pouco mais caro que o tipo anterior; e, com um maior custo em relação aos tipos de erros anteriores, temos os erros de requisitos de sofware. Mudança de ambiente: Manutenção feita para adaptar o sistema para um novo ambiente de software, onde ambiente seria um suporte para execução do sistema, como hardware ou sistema operacional. Mudança de requisito: Mudanças feitas para adaptar novos requisitos devido a alterações na regra de negócio ou de empresas clientes. De um modo geral, empresas concentram a maior parte dos recursos gastos durante o processo de software na etapa de manutenção [6]. Segundo Pressman, é comum a existência de empresas que concentram de 60% até 70% dos rescursos em manutenção de software [5]. Segundo pesquisas recentes, o custo investido na etapa de manutenção é um pouco maior que 60% do custo total do processo de software [7, 8]. Conforme mostrado por Pressman e Sommerville, alguns fatores são apontados como sendo os responsáveis pelo alto custo anteriormente citado [5, 1]:

28 26 Capítulo 1. Introdução Arquitetura de software mal estruturada: Durante o desenvolvimento e a manutenção não há uma devida atenção para a arquitetura do sistema. Código fonte ilegível: Desenvolvedores não se preocupam com a legibilidade do código, tornando difícil a compreensão do mesmo para novos membros da equipe. Falta (ou inexistência) de documentação: Pelo fato de atrasar o desenvolvimento de software, a documentação é deixada de lado. Além disso, há casos em que as documentações são desatualizadas, não condizendo com a implementação. Rotatividade da equipe: De um modo geral, empresas do mercado de TI possuem uma grande rotatividade de desenvolvedores, o que afeta a equipe de desenvolvimento original do sistema.

29 27 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 ARQUITETURA DE SOFTWARE Arquitetura de sofware é um termo que não possui um consenso geral em sua definição, tornando difícil sua definição [9]. Apesar dessa falta de consenso, pelas definições de Sommerville [1], Ralph Johnson [9] e Grady Booch [10], podemos interpretar que a arquitetura de um software consiste na estrutura dos componentes do sistema e nas regras de comunicação entre esses componentes [11]. Dessa forma, uma arquitetura de software, quando adequadamente documentada, facilita a compreensão da estrutura de um sistema, evitando a compreensão a partir do código fonte e ajudando nas comunicação com a equipe de desenvolvimento e com clientes [1]. Além disso, a arquitetura de um software nos permite perceber, de forma rápida, decisões na construção do software que influenciam no sucesso de sofware [5]. Assim, o desenvolvimento da arquitetura de um sistema afeta fatores como reuso, manutenibilidade, extensibilidade e escalabilidade [1] Arquiteto de Software Um arquiteto de software é o responsável por criar a arquitetura de um sistema a partir de seus requisitos, possuindo a tarefa de tomar decisões para organizar a estrutura e a interoperação entre os componentes do sistema [5]. O arquiteto de software sempre está preocupado com o andamento do projeto [9], realizando intensas colaborações, seja no auxílio à equipe de desenvolvimento em lógicas de programação, seja no auxílio à coleta de requisitos com especilistas sobre o domínio do problema [12]. Além dessas atividades, o arquiteto de software também possui a responsabilidade de ser o mentor da equipe de desenvolvimento, tornando-a capaz de tomar decisões importantes relacionadas com a arquitetura do sistema [9] Estilos de Arquitetura Estilos de arquitura de software são maneiras de se estruturar um software [1]. De um modo geral, todo software possui algum tipo de estilo de arquitura. Esses estilos de arquitetura de software são como estilos de arquitetura na construção civil. Com um estilo de arquitetura definido, um arquiteto civil consegue facilmente

30 28 Capítulo 2. Fundamentação Teórica identificar a estrutura geral de uma construção, mas não pode prever nada detalhado sobre ela [5]. Desta forma, o estilo de arquitetura de um software fornece informações superficiais sobre como o software é organizado. Os estilos de arquitetura servem como um template para projetar um software. Desta forma, esses estilos funcionam como uma estrutura guia para detalhar os componentes e módulos do software [5]. Há vários tipos de estilos de arquitetura de software, como arquitetura em camadas, piper and filter, modelo de repositórios, arquitetura cliente-servidor, arquitetura orientada a objetos, entre outros [1, 5]. Cada estilo de arquitetura possui uma maneira de organizar o sistema e uma característica que representa quando devemos utilizá-lo. Essas características, de uma maneira geral, são extraídas dos requisitos não funcionais do software [5]. Vale ressaltar que esses estilos de arquitetura não são mutuamente exclusivos. A seguir descrevemos dois estilos de arquitetura Arquitetura em camadas Nesse estilo de arquitetura o sistema é separado em camadas, onde cada camada possui uma funcionalidade bem definida e independente das outras camadas [5]. As camadas se comunicam entre sí através de uma interface de comunicação bem definida. De um modo geral, uma camada fornece serviços para sua camada superior e utiliza serviços de sua camada inferior. Porém, há casos em que camadas não adjacentes comunicam diretamente entre sí, para que não haja muita demora na comunicação entre elas [13]. Uma vantagem desse estilo de arquitetura é que podemos facilmente construir um software multiplataforma. Isso se dá pelo fato de que conseguimos substituir a implementação de uma camada sem afetar nenhuma outra camada. Além disso, também há a facilidade em adicionar novas camadas ao sistema [5]. Uma dificuldade enfrentada ao se utilizar o estilo em questão é que a separação lógica das camadas não é muito evidente e isso pode ser um problema para a qualidade do software [1]. Como exemplo desse estilo de arquitetura considere o padrão de arquitetura MVC (Model View Controller) [2, 1] e também o modelo de redes OSI (Open Systems Interconnection) [13, 14].

31 2.2. Decomposição da Arquitetura Arquitetura de Respositórios O estilo de arquitetura de repositórios é um estilo em que o software é dividido em vários componentes e esses componentes se comunicam através de dados compartilhados em um repositório central (por exemplo banco de dados) [13]. Desta forma, cada componente do sistema realiza uma leitura e/ou escrita nesse repositório central, respeitando a estrutura em que os dados são compartilhados [5]. Uma vantagem desses estilo é que podemos adicionar, remover ou modificar um componente sem realizar nenhuma alteração nos outros componentes [1]. Porém, uma desvantagem desse estilo é que todos os componentes dependem do repositório central. Sendo assim, qualquer erro que ocorra no repositório afetará os outros componentes [1]. O modelo de arquitetura blackboard é um exemplo de uma aplicação do estilo em questão, conforme ilustrado por Shaw e Garlan [13] Projeto de Arquitetura Neste trabalho, o projeto de arquitetura é considerado a atividade de definir a estrutura geral sistema, como estilo que será utilizado, quais componentes terão no sistema, entre outras. 2.2 DECOMPOSIÇÃO DA ARQUITETURA A decomposição da arquitetura de software consiste em projetar os componentes do sistema, elaborando sua estrutura e interface de comunicação. De forma contrária ao projeto de arquitetura de software, essa decomposição também aborda mais detalhes do projeto do software. Neste trabalho, a forma de decomposição abordada se limita ao paradigma orientado a objetos. A mesma é feita através do uso de princípios e técnicas do projeto orientado a objetos. Desta forma, entende-se como pré-requisito deste trabalho o conhecimento de conceitos basicos do paradigma em questão, como classes, objetos, herança, polimorfismo, interfaces e composição Princípios do Projeto Orientado a Objetos A seguir, alguns princípios de projeto orientado a objetos serão passados. Esses princípios são utilizados no momento em que se inicia a criação de classes e objetos. Tais princípios são aplicações de importantes fundamentos da orientação a objetos e por isso seguí-los agrega qualidade ao projeto do componente.

32 30 Capítulo 2. Fundamentação Teórica Primeiramente, definimos os princípios SOLID, que foram compilados e apresentados por Robert Cecil Martin [15] Single Responsibilty Principle Este princípio, que foi primeiramente descrito por Tom DeMacro [16] e Meilir Page-Jones [17] com o nome de coesão, afirma que uma classe deve possuir uma única responsabilidade, onde uma responsabilidade seria uma possibilidade de mudança [15]. Quando uma classe possui mais de uma responsabilidade, ela automaticamente possui mais de uma razão para sofrer alteração. Assim, mudanças em uma responsabilidade poderá afetar outra responsabilidade distinta. Com isso, uma alteração poderá afetar o sistema sem persepção alguma [15] Open-Closed Principle Introduzido por Bertrand Meyer, este princípio diz que o módulo de um software deve estar aberto para extensão e fechado para modificação [18]. O termo aberto para extensão significa que o comportamento do módulo pode ser expandido. Por exemplo, em um módulo de tradução de texto entre línguas naturais, uma extensão seria adicionar a tradução para uma nova língua (Português, Inglês, etc) [15]. Já o termo fechado para modificação refere-se à não modificação a base do módulo, matendo intacto o que já foi construído até o momento [18]. Em outras palavras, esse princípio denota que para realizar a expanção de um módulo não devemos modificar o seu estado atual, basta adicionar um novo comportamento que respeite as características desse módulo. A importância desse princípio se dá pela constante mudança sofrida pelo software durante o seu ciclo de vida [15]. Respeitar o princípio em questão permite que essas mudanças sejam feitas facilmente Liskov Substitution Principle Diretamente relacionado às propriedades de orientação a objetos herança e polimorfismo, o princípio em questão herda o nome de sua criadora, Barbara Liskov [19]. Para entender este princípio, considere as classes A e B, onde a classe B herda da classe A. Agora considere o programa P que possui uma referência para o objeto o1 do tipo A e que faz uma chamada ao método m de o1. Segundo o princípio de Liskov, substituir o tipo do objeto o1 para o tipo B não irá modificar o comportamento do programa [19].

33 2.2. Decomposição da Arquitetura 31 Ao violar este princípio, um programa, ao ser extendido, passará por modificações. Essas modificações deixam o mesmo instável e dificultam sua manutenção. Além disso, o princípio Open Closed também será violado [15]. Em sua essência, este princípio quer dizer que uma subclasse deve respeitar as definições estabelecidas por sua classe pai. Sempre vale lembrar que uma classe herda propriedades e comportamento de outra classe. Embora isso pareça trivial, sua violação é muito comum [15] Interface Segregation Principle Associado com o projeto de interfaces de um sistema, esse princípio diz que o cliente de uma interface não pode depender de métodos que ele não faz uso [15]. Em termos de projeto, isso quer dizer que uma interface não deve ser poluída, ou seja, ela deve possuir um pequeno conjunto de funcionalidades [15]. Violar esse princípio pode aumentar o acoplamento de um software, já que funcionalidades destintas se encontram no mesmo lugar e logo existe uma dependência entre elas [15] Dependency Inversion Principle Este princípio, muito utilizado na construção de frameworks [20], diz que um módulo não pode depender de um outro módulo, ambos devem depender de abstrações. Além disso, detalhes devem depender de abstrações, nunca o contrário [15]. O fato de depender de uma abstração torna o módulo mais fácil de se extender, já que basta trocarmos o detalhe (implementação) que respeita essa abstração. Além do mais, depender de abstrações diminui o acoplamento do software [15]. Esse princípio pode ser aplicado sempre que há alguma comunicação entre classes. Para aplicá-lo, Robert C. Martin utiliza algumas heurísticas [15]: Nenhuma variável de uma classe deve ter referência para uma classe concreta. Nenhuma classe deve ser subclasse de uma classe concreta. Nenhum método deve sobrescrever um método implementado pela classe pai. O princípio em questão se assemelha ao princípio utilizado pelo GOF na construção de design patterns (veja 2.2.2), que diz o seguinte Programe para uma interface, não para uma implementação [3].

34 32 Capítulo 2. Fundamentação Teórica Design Patterns Design patterns (padrões de projeto no português) são soluções tradicionais para problemas recorrentes no projeto de software [1]. Essas soluções são genéricas e buscam fazer o melhor uso de princípios e conceitos de orientação a objetos e geralmente fornecem reuso, flexibilidade e baixo acoplamento [3]. Sua origem vem da arquitetura civil, quando o arquiteto civil Christopher Alexander escreveu o livro A Pattern Language que fala sobre os padrões de projeto da construção civil [21, 5]. Foi neste livro que Ralph Johnson, John Vlissides, Richard Helm e Erich Gamma, conhecidos como Gang of Four (GOF), se basearam para popularizar os padrões de projeto de software, em meados da década de 90 [3]. Um benefício do uso de design patterns é que equipes de desenvolvimento de software, ao encararem algum problema no projeto de um sistema, podem reutilizar soluções existentes e então poupar tempo na construção do sistema [2]. Padrões de projeto podem ser aplicados para qualquer linguagem de programação orientada a objetos. Além disso, o uso de padrões de projeto permite que o desenvolvedor explique uma determinada solução apenas citando o nome do padrão utilizado [3]. Apesar de não ser regra, em geral um padrão possui quatro elementos [3]: Nome: Uma palavra ou duas que descreve o problema, a solução e a consequência de um padrão. O uso de nome em padrões de projeto aumenta o vocabulário de projeto de software e possibilita uma fácil referência aos padrões, podendo ser utilizado em conversas de equipe e documentações. Problema: Informa quando o padrão deve ser aplicado. Em geral, descreve o problema de projeto e seu contexto. Solução: Representa os elementos do projeto (classes, interfaces e objetos), as responsabilidades de cada um e o relacionamento entre eles. Consequências: São os resultados da aplicação do padrão de projeto. Esses resultados geralmente são dados em relação a espaço utilizado, tempo de resposta, flexibilidade, extensibilidade e portabilidade. A análise desses resultados ajuda a ponderar na escolha entre alternativas de padrões de projeto. Os padrões de projeto apresentados pelo GOF são classificados através de dois critérios [3]. O primeiro critério diz a respeito do propósito do padrão. Cada padrão pode ter um dos três propósitos: Criacional: Quando o padrão está relacionado com a criação de objetos.

35 2.3. Trabalhos relacionados 33 Propósito Escopo Criacional Estrutural Comportametal Classe Factory Method Adapter Interpreter Template Method Abstract Factory Adapter Chain of Responsibility Builder Bridge Command Prototype Composite Iterator Objeto Singleton Decorator Mediator Facade Memento Flyweight Observer Proxy State Strategy Visitor Tabela 1 Classificação dos padrões Estrutural: Padrão que se refere a composição de classe e objetos. Comportamental: Aborda os padrões que se referem a comunição entre objetos e classes. O segundo critério de classificação é o escopo do padrão, que pode ser dois valores: Classe: Quando o padrão se refere a relação entre classes e subclasses, conhecido como herença. Objeto: Tipo de padrão que se refere a relação entre objetos, ou seja, se diz respeito a composição dos mesmos. A lista dos padrões do GOF e sua classificação é exibida na tabela Padrões de Arquitetura Assim como no projeto de software, a ideia de padrões pode ser aplicada para o projeto de arquitetura 2.1.3, com uso de padrões de arquitetura. Padrões de arquitetura são soluções para problemas no projeto de arquitetura, tendo uma característica mais geral do que padrões de projeto [2]. Em geral, esse padrões ajudam a estruturar a arquitetura do sistema, auxiliam a construir o estilo de arquitetura do sistema [1, 5]. 2.3 TRABALHOS RELACIONADOS Nesta seção, uma lista de trabalhos relacionados ao processo de contrução da arquitetura de software serão apresentados.

36 34 Capítulo 2. Fundamentação Teórica Sommerville Nesta subseção serão apresentadas ideias sobre o processo do projeto de um software, que consiste desde a construção do estilo de arquitetura do software até a decomposição de seus módulos, segundo o autor Sommerville [1]. Primeiramente será explicado um modelo geral do processo de projeto de software, exibido pelo autor. Em seguida, será mostrado um conjunto das atividades mais importantes no processo de projeto de software utilizando orientação a objetos Modelo Geral do Processo de Projeto de Software O autor exibe um processo geral para se projetar um software, ilustrado pela figura 1. Note que esse processo é independente do tipo de processo de software utilizado. Figura 1 Processo geral de projeto de software. Figura adaptada de [1] Primeiramente, temos as entradas das atividades do projeto de software, fomentadas pela coleta dos requisitos. Essas entradas são descritas da seguinte forma: Informações sobre a plataforma: Informações sobre o ambiente em que o software vai ser executado. Esse ambiente é composto por softwares que interagem com o sistema, como banco de dados e sistemas operacionais.

37 2.3. Trabalhos relacionados 35 Especificação dos requisitos: São especificações sobre o que o software deve fazer. Descrição dos dados: Descrições sobre os dados utilizados no sistema, como por exemplo dados cadastrais. O autor descreve quatro atividades dentro do projeto de software, sendo projeto de arquitetura, projeto da interface, projeto dos componentes e projeto do banco de dados. O projeto de arquitetura é o momento de definição da estrutura geral do sistema (estilos de arquitetura 2.1.2), dos principais componentes e de seus relacionamentos. A segunda atividade, projeto de interface, consiste em definir a interface de comunicação utilizada pelos componentes. Respeitar essa interface de comunicação permite que o projeto de cada componente seja feito de maneira independente. A terceira atividade consiste em elaborar cada componente do sistema, de forma a projetar como o componente irá operar. Esse projeto pode ser a construção de um novo componente ou a adaptação de um componente existente. A última atividade, projeto do banco de dados, consiste em projetar a estrutura de dados do sistema e como essas estruturas serão representadas no banco de dados. Conforme ilustrado, essas quatro atividades produzem algumas saídas da etapa de projeto. A estrutura de cada saída varia de forma considerável. Segundo Sommerville, essas saídas podem ser representadas com um conjunto de diagramas, caso a abordagem do MDD (Desenvolvimento Dirigido por Modelos) for utilizada. No caso do uso de métodos ágeis, essas saídas podem ser representadas dentro do código Projeto de Software Orientado a Objetos De uma forma geral, um processo de projeto de software orientado a objetos possui algumas importantes atividades, sendo elas: Contexto do sistema e interações: Essa atividade consiste em compreender a relação do software que está sendo projetado com o seu ambiente externo. Isso ajuda a estruturar a maneira como o software vai interagir com outros sistema e quais funcionalidades ele ficará responsável. Projeto da arquitetura: É nesta atividade que a arquitetura do sistema será definida, identificando os principais componentes do sistema e o relacionamento entre eles. Para defini-la, são utilizados conceitos sobre o domínio do problema (coletados na etapa anterior) e conceitos sobre arquitetura de software, como estilos de arquitetura (2.1.2) e padrões de arquitetura ( ). Identificar objetos do sistema: Consiste em reconher as principais classes de objetos do sistema, através das informações sobre o sistema. Ao analisar informações como

38 36 Capítulo 2. Fundamentação Teórica funcionalidade e propriedade de um módulo ideias são formadas sobre possíveis objetos do sistema. Projetar modelos: Consiste em criar modelos, como diagramas UML, que representam partes do projeto de sistema, como a estrutura dos componentes, o fluxo de interação entre os objetos e os estados dos objetos. Especificar interfaces: Consiste em especificar a interface de comunicação entre os componentes. Essa interface tem que ser bem projetada, pois futuras mudanças podem causar um grande retrabalho. Essas atividades são dependentes uma das outras e variam a forma de execução de acordo com o sistema que será projetado.

39 37 3 PROPOSTA Escrita não iniciada.

40

41 39 4 ESTUDO DE CASO Escrita não iniciada.

42

43 41 CONCLUSÃO Sed consequat tellus et tortor. Ut tempor laoreet quam. Nullam id wisi a libero tristique semper. Nullam nisl massa, rutrum ut, egestas semper, mollis id, leo. Nulla ac massa eu risus blandit mattis. Mauris ut nunc. In hac habitasse platea dictumst. Aliquam eget tortor. Quisque dapibus pede in erat. Nunc enim. In dui nulla, commodo at, consectetuer nec, malesuada nec, elit. Aliquam ornare tellus eu urna. Sed nec metus. Cum sociis natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Pellentesque habitant morbi tristique senectus et netus et malesuada fames ac turpis egestas. Phasellus id magna. Duis malesuada interdum arcu. Integer metus. Morbi pulvinar pellentesque mi. Suspendisse sed est eu magna molestie egestas. Quisque mi lorem, pulvinar eget, egestas quis, luctus at, ante. Proin auctor vehicula purus. Fusce ac nisl aliquam ante hendrerit pellentesque. Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos hymenaeos. Morbi wisi. Etiam arcu mauris, facilisis sed, eleifend non, nonummy ut, pede. Cras ut lacus tempor metus mollis placerat. Vivamus eu tortor vel metus interdum malesuada. Sed eleifend, eros sit amet faucibus elementum, urna sapien consectetuer mauris, quis egestas leo justo non risus. Morbi non felis ac libero vulputate fringilla. Mauris libero eros, lacinia non, sodales quis, dapibus porttitor, pede. Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos hymenaeos. Morbi dapibus mauris condimentum nulla. Cum sociis natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Etiam sit amet erat. Nulla varius. Etiam tincidunt dui vitae turpis. Donec leo. Morbi vulputate convallis est. Integer aliquet. Pellentesque aliquet sodales urna.

44

45 43 REFERÊNCIAS 1 SOMMERVILLE, I. Software engineering. Boston: Pearson, ISBN FOWLER, M. Patterns of Enterprise Application Architecture. Boston, MA, USA: Addison-Wesley Longman Publishing Co., Inc., ISBN GAMMA, E. et al. Design patterns: elements of reusable object-oriented software. Boston, MA, USA: Addison-Wesley Longman Publishing Co., Inc., ISBN CHANG, C.-H.; LU, C.-W.; HSIUNG, P.-A. Pattern-based framework for modularized software development and evolution robustness. Information and Software Technology, v. 53, n. 4, p , ISSN PRESSMAN, R. Software engineering : a practitioner s approach. New York: McGraw-Hill Higher Education, ISBN TIAKO, P. Maintenance in joint software development. In: Computer Software and Applications Conference, COMPSAC Proceedings. 26th Annual International. [S.l.: s.n.], p ISSN REN, Y. et al. Research on software maintenance cost of influence factor analysis and estimation method. In: Intelligent Systems and Applications (ISA), rd International Workshop on. [S.l.: s.n.], p SU, C.-T.; YEH, D. Software architecture recovery and re-documentation tool of a hospital information system. In: Computer and Communication Engineering (ICCCE), 2012 International Conference on. [S.l.: s.n.], p FOWLER, M. Design - who needs an architect? Software, IEEE, v. 20, n. 5, p , ISSN BOOCH, G. Object-oriented analysis and design with applications. Upper Saddle River, NJ: Addison-Wesley, ISBN VALIPOUR, M. et al. A brief survey of software architecture concepts and service oriented architecture. In: Computer Science and Information Technology, ICCSIT nd IEEE International Conference on. [S.l.: s.n.], p BOOCH, G. The professional architect. Software, IEEE, v. 29, n. 1, p , ISSN GARLAN, D.; SHAW, M. An Introduction to Software Architecture. Pittsburgh, PA, USA, TANENBAUM, A. S.; WETHERALL, D. J. Computer Networks (5th Edition). [S.l.]: Prentice Hall, ISBN MARTIN, R. C. Agile Software Development, Principles, Patterns, and Practices. [S.l.]: Prentice Hall, ISBN

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS

HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS LONDRINA PR 2015 HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL I. Objetivos e Descrição Redesign do website que a empresa possui, acrescentando novos recursos, informações mais detalhadas dos produtos e serviços,

Leia mais

SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES

SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES LONDRINA PR 2013 SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Bacharelado em Ciência da Computação da

Leia mais

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone buscar no site OK Página inicial links rápidos a fazenda santa maria nononononono não- título em destaque texto complementar Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Praesent vestibulum

Leia mais

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de Relatório

Leia mais

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo INSTITUTO POLITÉCNICO MANUAL DE REGRAS BÁSICAS CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo Capa Tese de Mestrado INSTITUTO POLITÉCNICO Dimensões da capa: A4+lombada variável+a4 Papel: Coché

Leia mais

wireframe do novo site

wireframe do novo site wireframe do novo site home METRÔ PAINÉIS S ANUNCIE QUEM SOMOS Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam imperdiet sed eros ut luctus. Suspendisse eu vulputate massa. Nullam dignissim,

Leia mais

d ce R E V I S T A D I G I TA L

d ce R E V I S T A D I G I TA L d ce R E V I S T A D I G I TA L Doce Revista Digital Há 25 anos no mercado, a imagem da Doce Revista é marcada pelo jornalismo ágil e independente. É a única publicação nacional voltada exclusivamente

Leia mais

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design Índice Capítulo Apresentação... O logo e seus elementos... Variações cromáticas... Reduções e reservas... Aplicação em fundos de cor... Tipografias de apoio... Usos indevidos... Cartão de Visita... Pág.

Leia mais

Proposta de um processo de construção da arquitetura de software para aprendiz

Proposta de um processo de construção da arquitetura de software para aprendiz Proposta de um processo de construção da arquitetura de software para aprendiz Vinícius Fernandes de Jesus 1, Jandira Guenka Palma 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Leia mais

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento Sorriso Entrevista Dr Alisson explica as vantagens dos aparelhos Autoligados Comportamento O que te faz feliz? Fique Ligado Participe, curta, compartilhe e ganhe brindes especiais Escova de dentes: A maior

Leia mais

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com Wireframes 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas

Leia mais

A Database State Machine Approach. Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199

A Database State Machine Approach. Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199 A Database State Machine Approach Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199 Introdução Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Integer eget lacus vitae lorem varius pretium quis nec diam. Nulla

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Mato Grosso do Sul aguardamos envio de uma imagem de mato grosso do sul Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 2015

Leia mais

Wireframes. Definição. Wireframes

Wireframes. Definição. Wireframes Wireframes Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas importâncias

Leia mais

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão wireframe homepage tipo Quem somos Doações em dinheiro Onde r ajuda para animais carentes equipe Doações em mantimentos onde denunciar maus tratos banner 720 álbum x 160 de fotos Doaçòes medicinais Feiras

Leia mais

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO Ludmyla Sathler Aguiar do Nascimento 1 GD12 Educação Matemática e Inclusão A leitura e compreensão textual expõem o quanto

Leia mais

VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS ARQUITETURA DE SOFTWARE: UMA PROPOSTA PARA A PRIMEIRA APLICAÇÃO

VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS ARQUITETURA DE SOFTWARE: UMA PROPOSTA PARA A PRIMEIRA APLICAÇÃO VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS ARQUITETURA DE SOFTWARE: UMA PROPOSTA PARA A PRIMEIRA APLICAÇÃO LONDRINA PR 2013 VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS ARQUITETURA DE SOFTWARE: UMA PROPOSTA PARA A PRIMEIRA APLICAÇÃO

Leia mais

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE MENU EMBRACE THE FUTURE ÁREAS DE NEGÓCIO SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS EM DESTAQUE PORTUGAL MARROCOS ARGÉLIA EDIFÍCIO PLATINUM GANA ANGOLA ARGENTINA O Grupo Ramos Ferreira vai ser responsável, em parceria

Leia mais

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema Ven.ti.la.dor adj (ventilar+dor2) Que ventila; ventilante. sm 1 Aparelho que renova o ar de ambientes fechados ou que o põe em circulação; aparelho que produz corrente de ar. Recursos Naturais { Cores

Leia mais

Arquitetura de Informação - 7

Arquitetura de Informação - 7 Arquitetura de Informação - 7 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Ícone Imagem Banner Logotipo Título 1 Título 2 Tabela Disclaimer Título 1 Título 2 Ícone Ícone Imagem

Leia mais

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade?

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Índice O que é a Marca? Conceito 4 Personalidade da Marca 5 Como ela é? Marca Principal Versão

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO SUMÁRIO 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 1.10 1.11 1.12 1.13 1.14 1.15 1.16 Introdução Assinatura institucional Malha de construção Assinatura

Leia mais

Normas para envio de artigos:

Normas para envio de artigos: NORMAS PARA ENVIO DE ARTIGOS Formatação da página: recuo superior e da lateral esquerda de 3 cm. Recuo inferior e da lateral direita de 2,5 cm, conforme a formatação deste documento. Título: fonte Arial,

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2013, v Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Index. RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872. RGB: 0-168-89 Hex: #00A859. RGB: 96-96-98 Hex: #606062

Index. RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872. RGB: 0-168-89 Hex: #00A859. RGB: 96-96-98 Hex: #606062 Index RGB: 174-51-54 Hex: #Ae3336 RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872 RGB: 0-168-89 Hex: #00A859 RGB: 168-207-69 RGB: 210-226-139 RGB: 75-75-77 Hex: #A8CF45 Hex: #D2E28B Hex: #4B4B4D RGB: 96-96-98 Hex: #606062

Leia mais

NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LONDRINA PR 2015 NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA

Leia mais

R.Boquino Manual de Identidade Visual

R.Boquino Manual de Identidade Visual R.Boquino Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope

Leia mais

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.3 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Modelo canônico de Projeto de pesquisa em conformidade

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.5 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

J930. Padrões. Projeto. Introdução. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org)

J930. Padrões. Projeto. Introdução. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org) Padrões de J930 Projeto Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.3 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2014, v-1.9.2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.5 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org)

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) J930 Padrões Projeto de 1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

Introdução à Padrões de Projeto. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Padrões de Projeto. Glauber Magalhães Pires Introdução à Padrões de Projeto Glauber Magalhães Pires Agenda O que são padrões de projeto? Para que servem e por que utilizá-los? Elementos constituintes Como escolher o padrão a ser usado? Como são

Leia mais

MANUAL DE USO DE MARCA

MANUAL DE USO DE MARCA MANUAL DE USO DE MARCA INTRODUÇÃO A MARCA FAPEU A marca é um dos bens mais preciosos de uma empresa. Ela existe para ser vista e lembrada pelos consumidores, identificando-se com os produtos, serviços

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ Sumário Sumário 1. Apresentação 2. O logo e seus elementos...... 3. Variações Cromáticas 4. Reduções e Reservas 5. Aplicação em fundo de cor 6. Tipografias de apoio 7. Usos indevidos..................

Leia mais

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope 32 20

Leia mais

Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução

Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução Vítor E. Silva Souza vitorsouza@gmail.com http://www.javablogs.com.br/page/engenho http://esjug.dev.java.net Sobre o Instrutor Formação: Java: Graduação

Leia mais

Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques

Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques Autenticação do Substrato, Validação do Correntista e Armazenamento de imagens verdadeiras em arquivos seguros Fraudes Truques Jogos

Leia mais

Prof.ª Esp. Talita Pagani

Prof.ª Esp. Talita Pagani Especialização em Engenharia de Software Prof.ª Esp. Talita Pagani talita.cpb@gmail.com @talitapagani 21/02/2014 Design Patterns Aula 1 Prof.ª Esp. Talita Pagani 1 Informações gerais 1. Definição de Design

Leia mais

ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS

ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS LONDRINA PR 2016 ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS Trabalho de Conclusão

Leia mais

Marca. Depto. de Marketing do Pirâmide Natal Resort & Convention - V. 01 - Revisado em 28/05/2008.

Marca. Depto. de Marketing do Pirâmide Natal Resort & Convention - V. 01 - Revisado em 28/05/2008. Marca Esta é a Marca que deve ser utilizada prioritariamente. Existe uma relação única entre tipologia, corpo, forma e cores que deve ser rigorosamente respeitada. Qualquer alteração modifica totalmente

Leia mais

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa 1 Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio A Identidade Visual da Afeal é um de seus principais

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Capítulo 1 Normatização Geral 1. Conceito de Marca 1.1. Identidade de Foz do Iguaçu 1.2. Pôster Conceitual 2. Assinaturas Padrão 2.1. Assinaturas em Português 2.2. Assinaturas

Leia mais

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat ECA-USP Manual Simplificado de Identidade Visual Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat Logotipo Grade de Construção Identidade Visual/Cor Grade de Construção Identidade

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, JORNALISMO E SERVIÇO SOCIAL COLEGIADO DE JORNALISMO PROJETOS EXPERIMENTAIS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

Leia mais

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho edição 01 ano 01 Fevereiro de 2015 Publicação bimestral com distribuição gratuita no Circuito das Águas Paulista www.circuitosaude.com.br SEJA FELIZ o poder da alegria pág.7 TEM IDADE CERTA para uso do

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013 Frutacor lança coleção Inverno 2014 Fashion City Brasil participará da Fenim Confira o festival de Jazz no CCCP Bodytech loren ipsum ad vitor

Leia mais

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Selos de Certificação Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Sumário 01. Abertura 02. Versões Cromáticas 03. Regras de Uso 04. Exemplos de Aplicações 05. Arquivos 2 01. Abertura Os Selos de Certifi

Leia mais

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX www.in-lex.pt Para mais informação consulte o nosso site ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 Data da Publicação Dimensões Papel Capa Papel Miolo Hardcover Início de 2015 230 (largura) x 297 (altura)

Leia mais

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA CAPITANIA MULTI CRÉDITO PRIVADO OS CAMINHOS PARA UMA Apresentação de Produto 2º Tri 2009 APOSENTADORIA PLANEJADA Capitânia Asset & Risk Management www.capitania.net Rua Dona Leopoldina, 48 São João -Porto

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação Programação Orientada a Objetos Padrões de Criação Cristiano Lehrer, M.Sc. Objetivos Apresentar cada um dos 23 padrões clássicos descrevendo: O problema que solucionam. A solução. Diagramas UML (Unified

Leia mais

Programação Avançada. Padrões de Projeto de Software. Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos

Programação Avançada. Padrões de Projeto de Software. Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos Programação Avançada Padrões de Projeto de Software 1 Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos Introdução Projetar software OO reusável e de boa qualidade é uma tarefa difícil; Para realizar essa tarefa

Leia mais

Design Patterns. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Design Patterns. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Design Patterns Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Sumário Reuso de Software Introdução Benefícios e Desvantagens Visão do Reuso Padrões de Projeto

Leia mais

MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE

MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE LONDRINA PR 2015 MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO

Leia mais

GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA

GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA 1 2 Introdução 04 A logomarca 05 Variantes de cor 06 Dimensões mínimas 07 Área de não-interferência 08 Usos incorretos 09 Cores institucionais 10 Tipografia Grafismo 11 12

Leia mais

Padrões de Software (Software Patterns)

Padrões de Software (Software Patterns) Padrões de Software (Software Patterns) Cleidson de Souza - cdesouza@ufpa.br Departamento de Informática Universidade Federal do Pará Agenda! Definição! Histórico! Motivação! Exemplo Estratégia MVC! Forma

Leia mais

OO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE DESIGN

OO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE DESIGN OO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE DESIGN PATTERNS NAS MÉTRICAS E ESTIMATIVAS DE PROJETOS DE SOFTWARE: a utilização de padrões tem alguma influência nas estimativas? Ricardo Alexsandro de Medeiros Valentim 1

Leia mais

Arquitetura de Informação para Web

Arquitetura de Informação para Web Arquitetura de Informação para Web Aula introdutória sobre Arquitetura de Informação para Web na ECA - USP Guilhermo Almeida dos Reis reis@guilhermo.com www.guilhermo.com Novembro / 2004 Agenda Definições

Leia mais

Padrões de Projeto em Desenvolvimento Web SCC 266. Prof. Renata Pontin M. Fortes renata@icmc.usp.br PAE: Willian Watanabe (watinha@gmail.

Padrões de Projeto em Desenvolvimento Web SCC 266. Prof. Renata Pontin M. Fortes renata@icmc.usp.br PAE: Willian Watanabe (watinha@gmail. Padrões de Projeto em Desenvolvimento Web SCC 266 Prof. Renata Pontin M. Fortes renata@icmc.usp.br PAE: Willian Watanabe (watinha@gmail.com) 2.semestre 2010 Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing 19/Nov/13 MUITOS MISTÉRIOS DURANTE UM JANTAR DE COMEMORAÇÃO. SERÁ UMA ARMADILHA? NÃO, APENAS MOTIVOS PARA MUITAS GARGALHADAS.

Leia mais

Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Histórico Sobre Design Patterns A origem dos Design Patterns (Padrões de Desenho ou ainda Padrões de Projeto) vem do trabalho de um arquiteto

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

advisor senior seu sucesso nosso compromisso senior advisor

advisor senior seu sucesso nosso compromisso senior advisor senior advisor COACHING FINANCEIRO BRANDING SERVIÇOS CONTÁBEIS COACHING FINANCEIRO SERVIÇOS CONTÁBEIS BRANDING A Senior Advisor é uma consultoria multidisciplinar, que tem como foco principal, auxiliar

Leia mais

Padrões GoF. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Padrões GoF. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Padrões GoF Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Agenda Introdução Padrões de Criação Padrões de Estrutura Padrões de comportamento Leonardo Murta Padrões GoF 2 Introdução Os padrões GoF (Gamma

Leia mais

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS. PADRÕES DE SOFTWARE 1 Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.UECE) Julho-2009 CONTEÚDO Introdução aos Padrões de Software O quê são padrões?

Leia mais

Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos

Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos Ricardo Argenton Ramos [Baseado nos slides do professor Fabio Kon - USP] 1 Padrões de Projeto de Software OO Também conhecidos como Padrões de Desenho

Leia mais

Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular

Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular Jessica Caroline Silva de Freitas Kelly Isaura Graciano da Silva Bento Sabrina

Leia mais

Design Pattern Implementation in Java and AspectJ

Design Pattern Implementation in Java and AspectJ Design Pattern Implementation in Java and AspectJ Jan Hannemann Gregor Kiczales In Proceedings of 2002 ACM SIGPLAN conference on OOPSLA. NY, USA. Introdução 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução

Leia mais

Padrões clássicos ou padrões GoF O livro "Design Patterns (1994) de Erich Gamma, John Vlissides, Ralph Jonhson e Richard Helm, descreve 23 padrões de

Padrões clássicos ou padrões GoF O livro Design Patterns (1994) de Erich Gamma, John Vlissides, Ralph Jonhson e Richard Helm, descreve 23 padrões de Padrões de Projeto Disciplina: Engenharia de Software - 2009.1 Professora: Rossana Maria de Castro Andrade Assistente da disciplina: Ricardo Fernandes de Almeida 1 O que é um Padrão? Um padrão descreve

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO CURSO Engenharia Eletrônica MATRIZ FUNDAMENTAÇÃO LEGAL (Resolução do COEPP que aprovou a matriz curricular

Leia mais

QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL. Joaquim Brás/ CCS

QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL. Joaquim Brás/ CCS QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL Joaquim Brás/ CCS Responsabilidades dos Empresários Constatação as boas práticas de gestão estão longe de fazer parte do dia-a-dia da maior parte das nossas empresas, em

Leia mais

. Aplicações - Impresso e Digital...21 Suporte: papel offset 90 g/m². . Aplicações - Cartão de Visitas...22 Impressão: jato de tinta

. Aplicações - Impresso e Digital...21 Suporte: papel offset 90 g/m². . Aplicações - Cartão de Visitas...22 Impressão: jato de tinta MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Fevereiro/2009 01 Índice. A Identidade Corporativa do Ministério Público do Estado do Amazonas...5 ÍNDICE. Marca MP-AM...6. Composição do brasão (símbolo)...6. Espada...6.

Leia mais

Padrões de Desenho (Design Patterns)

Padrões de Desenho (Design Patterns) Padrões de Desenho (Design Patterns) O que são padrões de desenho Porque são úteis Conhecer alguns padrões 1 Padrões (Patterns) Design Patterns Explained: A New Perspective on Object-Oriented Design, Alan

Leia mais

Máquinas de Lavar Loiça Profissionais. Tabela de Preços 2013. Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree

Máquinas de Lavar Loiça Profissionais. Tabela de Preços 2013. Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree Máquinas de Lavar Loiça Profissionais Tabela de Preços 2013 Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree SteelTech 13-00 916260 998,00 com cesto 35x35 cm 1.200,50 SteelTech 13-00 S 916263 1.212,75 com descalcificador

Leia mais

Trabalho 2. Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias. 10 de Fevereiro de 2013

Trabalho 2. Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias. 10 de Fevereiro de 2013 Trabalho 2 Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias 10 de Fevereiro de 2013 Resumo Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Etiam lobortis facilisis sem. Nullam nec mi et neque

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

PADRÕES DE PROJETO. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) PADRÕES DE PROJETO Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Atributos de qualidade Boas práticas de projeto Code Smell Padrões de Projeto Atributos de qualidade Coesão Acoplamento Atributos de qualidade

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Nelson Ribeiro de Carvalho Júnior 1 RESUMO Atualmente o cenário mundial cuja dependência do software está cada vez mais evidente requer que

Leia mais

Linha de Produtos MAN Linha de Produtos Caminhões e Ônibus Volkswagen

Linha de Produtos MAN Linha de Produtos Caminhões e Ônibus Volkswagen Manual de Identidade Visual Linha de Produtos MAN Linha de Produtos Caminhões e Ônibus Volkswagen Página 1 Mais consistência para nossas marcas Introdução Página 2 O Manual de Identidade Visual explica

Leia mais

A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas

A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas PLANOS PLUS & TOP A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas Pesquisar Reclamar Comparar Responder Replicar Resolver Consumidores ReclameAQUI Empresas O ReclameAQUI

Leia mais

NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO

NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO PEDRO M. AREZES Universidade do Minho v2.0 07.04.2011 Nota Introdutória As notas que se seguem fazem parte de uma pequena compilação de informação

Leia mais

Manual de normas - AREANATejo Índice 02

Manual de normas - AREANATejo Índice 02 Índice 02 1.1 Logótipo da AREANATejo 1.2 Grelhas de construção 1.3 Cor 1.4 Tipografia Oficial 1.5 Reduções Máximas do Logótipo 1.6 Comportamentos a uma cor 1.7 Comportamento Cromático sobre Fundo de Cor

Leia mais

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio Arquitetura de Software Silvia Regina Vergilio Atividades de Projeto Projeto Geral ou Preliminar: fase que traduz a especificação do sistema em termos da arquitetura de dados e de módulos. Descreve a organização

Leia mais

Manual de Marcas do Sistema Fiep. Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná

Manual de Marcas do Sistema Fiep. Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná Manual de Marcas do Sistema Fiep. Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná 01 Tìtulo Capítulo SubTítulo Capítulo SubTítulo Capítulo SubTítulo Capítulo 05 12 16 02 Tìtulo Capítulo SubTítulo

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Abril de 2014

Manual de Identidade Visual. Abril de 2014 Manual de Identidade Visual Abril de 2014 ÍNDICE 03 Para que serve este manual? 04 O logotipo 06 Variações do logotipo 07 Escala cromática 08 Fundos preferenciais 09 Malha construtiva 10 Área de não-interferência

Leia mais

Programação com Objectos. Programação Centrada em Objectos. Home Page. Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre. Objectivos Programa Bibliografia Avaliação

Programação com Objectos. Programação Centrada em Objectos. Home Page. Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre. Objectivos Programa Bibliografia Avaliação Última actualização: 25 de Outubro de 2008 Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre ção com Objectos ção Centrada em Objectos Docente: Paulo Leocádio Web: www.uac.pt/~pleocadio E-mail: pleocadio@uac.pt : Competências:

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Guia de aplicação da marca GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Guia de aplicação da marca GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Guia de aplicação da marca GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Índice Apresentação...03 1. Marca / Versão positiva policromia...04 1.1. Marca / Versão positiva cores sólidas...05

Leia mais

Padrões de Software (Software Patterns)

Padrões de Software (Software Patterns) Padrões de Software (Software Patterns) Cleidson de Souza - cdesouza@ufpa.br Departamento de Informática Universidade Federal do Pará Agenda! Definição! Histórico! Considerações! Forma de um Padrão! Exemplo!

Leia mais

Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks

Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks Beatriz Franco Martins Souza (mbeatrizfranco@yahoo.com.br) Computer Science Department Federal University

Leia mais

Testes com Design Patterns

Testes com Design Patterns Helder da Rocha (helder.darocha@gmail.com) 31 de março de 2005 71. Que padrão de design pode ser usado para permitir que uma implementação específica e uma hierarquia de abstrações possa variar independentemente?

Leia mais

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos MANUAL DE MARCA SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos 2 Bem-vindo. Este manual define um conjunto de regras e recomendações que garantem uma aplicação correta dos elementos básicos da identidade CRITICAL

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS REIDENCIAL AUTOMAÇÃO WIRELESS A Globus Soluções Inteligentes em controles, inspirada no desejo de oferecer conforto, segurança, redução de custos de energia, uso fácil, melhor

Leia mais

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos MANUAL DE MARCA SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos 2 Bem-vindo. Este manual define um conjunto de regras e recomendações que garantem uma aplicação correta dos elementos básicos da identidade CRITICAL

Leia mais