HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS"

Transcrição

1 HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS LONDRINA PR 2015

2

3 HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Bacharelado em Ciência da Computação da Universidade Estadual de Londrina para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. Orientador: Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros LONDRINA PR 2015

4 Hugo Queiroz Abonizio A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras/ Hugo Queiroz Abonizio. Londrina PR, p. : il. (algumas color.) ; 30 cm. Orientador: Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros Universidade Estadual de Londrina, Governança de TI 2. PDTI I. Rodolfo Miranda de Barros II. Universidade Estadual de Londrina. III. Faculdade de xxx. IV. Título CDU 02:141:005.7

5 HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Bacharelado em Ciência da Computação da Universidade Estadual de Londrina para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros Universidade Estadual de Londrina Orientador Prof. Dr. Segundo Membro da Banca Universidade/Instituição do Segundo Membro da Banca Prof. Dr. Terceiro Membro da Banca Universidade/Instituição do Terceiro Membro da Banca Prof. Ms. Quarto Membro da Banca Universidade/Instituição do Quarto Membro da Banca Londrina PR, 19 de outubro de 2015

6

7 Este trabalho é dedicado às crianças adultas que, quando pequenas, sonharam em se tornar cientistas.

8

9 AGRADECIMENTOS Os agradecimentos principais são direcionados à Gerald Weber, Miguel Frasson, Leslie H. Watter, Bruno Parente Lima, Flávio de Vasconcellos Corrêa, Otavio Real Salvador, Renato Machnievscz 1 e todos aqueles que contribuíram para que a produção de trabalhos acadêmicos conforme as normas ABNT com L A TEX fosse possível. Agradecimentos especiais são direcionados ao Centro de Pesquisa em Arquitetura da Informação 2 da Universidade de Brasília (CPAI), ao grupo de usuários latex-br 3 e aos novos voluntários do grupo abntex2 4 que contribuíram e que ainda contribuirão para a evolução do abntex2. 1 Os nomes dos integrantes do primeiro projeto abntex foram extraídos de < br/projects/abntex/> 2 < 3 < 4 < e <

10

11 A indiferença é o peso morto da história. É a bala de chumbo para o inovador, é a matéria inerte em que se afogam freqüentemente os entusiasmos mais esplendorosos, é o fosso que circunda a velha cidade e a defende melhor do que as mais sólidas muralhas, melhor do que o peito dos seus guerreiros, porque engole nos seus sorvedouros de lama os assaltantes, os dizima e desencoraja e às vezes, os leva a desistir de gesta heróica. (Os Indiferentes, Antonio Gramsci)

12

13 ABONIZIO, H. Q.. A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras. 43 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciência da Computação) Universidade Estadual de Londrina, Londrina PR, RESUMO Segundo a o resumo deve ressaltar o objetivo, o método, os resultados e as conclusões do documento. A ordem e a extensão destes itens dependem do tipo de resumo (informativo ou indicativo) e do tratamento que cada item recebe no documento original. O resumo deve ser precedido da referência do documento, com exceção do resumo inserido no próprio documento. (... ) As palavras-chave devem figurar logo abaixo do resumo, antecedidas da expressão Palavras-chave:, separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto. Palavras-chave: Governança de TI, PDTI, COBIT, ITIL

14

15 ABONIZIO, H. Q.. The importance of MPIT in the implementation of IT Governance in Prefectures Brazilian. 43 p. Final Project (Bachelor of Science in Computer Science) State University of Londrina, Londrina PR, ABSTRACT This is the english abstract. The Abstract in English should be faithful to the Resumo in Portuguese, but not a literal translation. Keywords: IT governance, MPIT, COBIT, ITIL

16

17 LISTA DE ILUSTRAÇÕES

18

19 LISTA DE TABELAS

20

21 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT BNDES IBGE IBICT NBR Associação Brasileira de Normas Técnicas Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Instituto Nacional de Geografia e Estatística Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Norma Brasileira

22

23 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Governança Governança Corporativa Governança de TI PDTI - Plano Diretor de Tecnologia da Informação COBIT ITIL RESULTADOS E DISCUSSÃO Estudo de caso CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES 35 APÊNDICE A QUISQUE LIBERO JUSTO ANEXOS 39 ANEXO A MORBI ULTRICES RUTRUM LOREM Trabalhos Publicados pelo Autor

24

25 23 1 INTRODUÇÃO Atualmente, a Tecnologia da Informação deixou de ser somente utilizada como suporte ao negócio das organizações e passou a um papel de alinhamento aos objetivos organizacionais. O atual contexto de intensas mudanças faz com que as organizações tenham que se adaptar rapidamente ao mercado ou ambiente de atuação, não podendo mais simplesmente responder às demandas geradas, e nesse escopo mostra-se importante o planejamento estratégico de TI. Com o papel imprescindível que a Tecnologia da Informação e Comunicação assumiu nos últimos anos nas empresas e organizações públicas, a automação e digitalização dos processos se faz cada vez mais necessário. O crescente volume de informações, instrumentos de diagnóstico e planejamento deixam de ser visto como fonte de custos e gastos, que servem apenas como suporte do negócio principal, e passam a ser um ativo estratégico alinhado aos objetivos da organização. Desta forma, o Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) é um instrumento de planejamento, diagnóstico e gestão dos recursos de informática no escopo de entidade ou organização[1] de suma importância na governança de TIC. Um grande obstáculo em relação à TIC, entretanto, é como aplicá-la da melhor maneira, para obter os melhores resultados. A partir daí, metodologias e frameworks como o COBIT e o ITIL surgem como forma de nortear a governança a partir de boas práticas já utilizadas no mundo inteiro em organizações públicas ou privadas.

26

27 25 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Governança Governança Corporativa A governança corporativa surge como conceito na década de 90, como forma um sistema de dirigir e monitorar uma organização tendo em vista o relacionamento entre os conselhos, equipe executiva e os orgãos envolvidos[2]. Desde seu início, vários esforços foram tomados no intuito de criar relatórios de boas práticas e regular a governança. Dentre as formas de regulação, temos a Lei Sarbanes- Oxley, aprovada em Julho de 2002 nos Estados Unidos[3]. A legislação que entreva em vigor fez com que a boa Governança Corporativa se tornasse lei, garantindo os princípios: transparência de informação entre as partes interessadas; equidade de tratamento entre as partes envolvidas no negócio; prestação de contas; e obediência às leis do país Governança de TI O guia do COBIT 5[4] conceitua governança de TI como um subconjunto da estratégia de governança corporativa, focando especificamente na parte dos sistemas de tecnologia da informação, gerenciando suas performances e riscos. O principal foco da governança de TI é assegurar que as necessidades dos stakeholders - pessoas ou grupos de interesse na organização - sejam alcançadas direcionando os investimentos. Governança de TI é o conjunto de processos e estruturas no escopo organizacional que envolvem a direção, gerentes de TI e gerentes de negócio na coordenação do uso de TI e no monitoramento de seus resultados, com o objetivo de promover o alinhamento entre estratégias e operações das áreas de TI e de negócios[5]. Para se obter maturidade em governança de TI existem alguns modelos e metodologias disponíveis[3]. Os principais são: O COBIT (Control Objectives for Information and Related Technology), que é um guia para obter melhor controle da organização da TI; o ITIL (Information Technology Infrastructure Library), que foca na parte operacional dos serviços; PMBOK (Project Management Body of Knowledge), que apresenta melhores práticas no gerenciamento de projetos; CMM (Capability Maturity Model), modelo que descreve diretrizes para desenvolvimento de software. Dentre estas, o ITIL aparece como mecanismo de governança de TI mais adotado em empresas brasileiras, com 17,70% das empresas, seguido do COBIT, com 13,86%[6].

28 26 Sendo assim, a Governança de Tecnologia da Informação - também referida como Governança de Tecnologia da Informação e Comunicação (GTIC) - difere da Gestão de TIC visto que a governança é voltada à alta administração e aos executivos, enquanto a gestão é voltada à eficiência operacional dos produtos e serviços de TIC. 2.2 PDTI - Plano Diretor de Tecnologia da Informação O Plano Diretor de Tecnologia da Informação é um documento de planejamento das ações de TI que apoiam as atividades finais das organizações[1]. O PDTI tem como objetivo sistematizar as ações de TI servindo de instrumento para gestão dos recursos e diagnóstico em um período estabelecido. Em 2010 o documento se tornou obrigatório a partir da Instrução Normativa SLTI 04/2010[7], pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI), do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP), órgão central do Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática (SISP). O SISP disponibiliza um guia de elaboração de PDTI, apreentando a importância do planejamento de TI, os processos para elaboração do documento e de acompanhamento, dentre outras sugestões[8]. Segundo o guia de elaboração[9], o PDTI deve definir indicadores de acordo com os objetivos estratégicos da organização, o planejamento de investimentos e a identificação e gestão de riscos. O modelo apresentado como referência aborda elementos estratégicos como missão, visão, valores e análise SWOT; e também elementos tipicamente táticos como projetos e ações necessárias para alcançar os objetivos e metas da organização. 2.3 COBIT O COBIT (Control Objectives for Information and related Technology) é um framework que tem como objetivo auxiliar no processo de gestão da TIC, sugerindo uma série de boas práticas na organização. Desta forma, o COBIT se propõe a orientar as decisões acerca da TIC. Segundo [3], o COBIT é orientado a negócio, ou seja, ele sugere a implementação de controles e métricas na organização visam direcionar a TIC de acordo com os objetivos organizacionais, uma vez que é orientado a negócios. O framework é desenvolvido pela ISACA (Information Systems Audit and Control Association) através do ITGI (IT Governance Institute) e, de acordo com [10], possui como benefícios:

29 27 Melhor alinhamento baseado no foco do negócio; Visão mais fácil de entender das tarefas de TI; Clareza em determinar as responsabilidades, baseadas nos processos; A organização do COBIT consiste em diversos processos divididos em quatro domínios: planejar e organizar; adquirir e implementar; entregar e suportar; monitorar e avaliar. Segundo [11] e [12], os domínios dos processos são definidos como: Planejar e Organizar: estatégias ligadas ao uso da TI na organização, tendo em vista a arquitetura da informação, direcionamento tecnológico, investimentos, riscos, dentre outros fatores para alcançar os objetivos de negócio. Adquirir e Implementar: questões de implementação e aquisição de sistemas e infraestrutura, além de reutilização de soluções já implementadas na corporação. Entregar e Suportar: estratégias para entrega dos serviços requisitados ao usuário final, bem como suporte ao cliente. Monitorar e Avaliar: monitora o desempenho visando avaliar a qualidade dos processos. 2.4 ITIL O ITIL (Information Technology Infrastructure Library), elaborado no final da década de 80 pelo governo britânico, é o framework mais utilizado para o gerenciamento dos serviços de TI[5]. A biblioteca foi criada com o intuito de agrupar informações sobre como as maiores empresas gerenciavam seus serviços de TI, para assim o setor público inglês apresentar alta eficiência e baixo custo[13]. A terceira versão da ITIL traz um conjunto de cinco livros para descrever o ciclo de vida do serviço: Estratégia de Serviço (Service Strategy), Desenho de Serviço (Service Design), Transição de Serviço (Service Transition), Operação de Serviço (Service Operation) e Melhoria Contínua de Serviço (Continuous Service Improvement), além de um livro de introdução[3]. Abaixo são descritas as etapas do ciclo de vida de um serviço: Estratégia de Serviço: raíz do ciclo de vida atuando alinhar os serviços com os objetivos da organização, para assim agregar valor ao serviço.

30 28 Desenho de Serviço: tem o objetivo de modelar um novo serviço - ou alterar um já existente - de acordo com os requisitos da organização. Transição de Serviço: torna real o que foi modelado na fase de desenho, trazendo o projeto para a realidade da organização. Operação de Serviço: visa manter os serviços operando da maneira esperada de acordo com as fases anteriores, garantindo suporte aos serviços. Melhoria Contínua de Serviço: tem como finalidade tornar os processos mais eficientes, mantendo o serviço alinhado com os objetivos de negócio através da identificação e implementação de melhorias. Para obter melhoria contínua dos serviços de TI, o ITIL se baseia no padrão PDCA, referente às fases: Plan, que compreende o planejamento da ação determinando metas e objetivos; Do, é a fase de execução do que foi planejado; Check, utiliza os critérios da fase de planejamento para avaliar o desempenho do que foi executado; Act, que representa a ação a ser tomada com a finalidade de identificar desvio das metas identificados na fase de avaliação[13].

31 29 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 Estudo de caso

32

33 31 4 CONCLUSÃO Sed consequat tellus et tortor. Ut tempor laoreet quam. Nullam id wisi a libero tristique semper. Nullam nisl massa, rutrum ut, egestas semper, mollis id, leo. Nulla ac massa eu risus blandit mattis. Mauris ut nunc. In hac habitasse platea dictumst. Aliquam eget tortor. Quisque dapibus pede in erat. Nunc enim. In dui nulla, commodo at, consectetuer nec, malesuada nec, elit. Aliquam ornare tellus eu urna. Sed nec metus. Cum sociis natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Pellentesque habitant morbi tristique senectus et netus et malesuada fames ac turpis egestas. Phasellus id magna. Duis malesuada interdum arcu. Integer metus. Morbi pulvinar pellentesque mi. Suspendisse sed est eu magna molestie egestas. Quisque mi lorem, pulvinar eget, egestas quis, luctus at, ante. Proin auctor vehicula purus. Fusce ac nisl aliquam ante hendrerit pellentesque. Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos hymenaeos. Morbi wisi. Etiam arcu mauris, facilisis sed, eleifend non, nonummy ut, pede. Cras ut lacus tempor metus mollis placerat. Vivamus eu tortor vel metus interdum malesuada. Sed eleifend, eros sit amet faucibus elementum, urna sapien consectetuer mauris, quis egestas leo justo non risus. Morbi non felis ac libero vulputate fringilla. Mauris libero eros, lacinia non, sodales quis, dapibus porttitor, pede. Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos hymenaeos. Morbi dapibus mauris condimentum nulla. Cum sociis natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Etiam sit amet erat. Nulla varius. Etiam tincidunt dui vitae turpis. Donec leo. Morbi vulputate convallis est. Integer aliquet. Pellentesque aliquet sodales urna.

34

35 33 REFERÊNCIAS [1] Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Plano Diretor de Tecnologia da Informação [2] MOREIRA, A. W. Diferenças entre gestão de TI e governança de TI uma breve comparação. [3] BRIGANó, G. U. Um Framework para Desenvolvimento de Governança de TIC [4] INSTITUTE, I. G. COBIT 5 - A Management Guide [5] TACONI, L. H. GAIA Catálogo de Serviços de TI: Um Framework para construção de catálogos de serviços de tecnologia da informação [6] LUNARDI G. L.; BECKER J. L.; MAÇADA, A. C. G. Governança de ti e suas implicações para a gestão da ti: um estudo acerca da percepção dos executivos. XXXIV Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, [7] TEIXEIRA VOLNEY ZANARDI JUNIOR, E. S. d. N. F. R. d. S. R. F. I. Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) do Ibama [8] Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Guia de elaboração de PDTI do SISP [9] Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Guia de PDTI do SISP - Versão [10] INSTITUTE, I. G. CobiT 4.1 Excerpt [11] SORTICA EDUARDO A., C. S. C. T. C. Governança de TI: Comparativo entre COBIT e ITIL. [S.l.]: Anais do Congresso Anual de Tecnologia da Informação CATI, [12] NEVES, W. C. G. das. Diretrizes para implantação da governança de tecnologia da informação com base no COBIT, a partir da ISO 9001: aspectos de gerenciamento de projetos [13] FONSêCA, A. C. de C. Estudo de caso do controle de acesso à informação em uma secretaria do governo federal

36

37 Apêndices

38

39 37 APÊNDICE A QUISQUE LIBERO JUSTO Quisque facilisis auctor sapien. Pellentesque gravida hendrerit lectus. Mauris rutrum sodales sapien. Fusce hendrerit sem vel lorem. Integer pellentesque massa vel augue. Integer elit tortor, feugiat quis, sagittis et, ornare non, lacus. Vestibulum posuere pellentesque eros. Quisque venenatis ipsum dictum nulla. Aliquam quis quam non metus eleifend interdum. Nam eget sapien ac mauris malesuada adipiscing. Etiam eleifend neque sed quam. Nulla facilisi. Proin a ligula. Sed id dui eu nibh egestas tincidunt. Suspendisse arcu.

40

41 Anexos

42

43 41 ANEXO A MORBI ULTRICES RUTRUM LOREM. Sed mattis, erat sit amet gravida malesuada, elit augue egestas diam, tempus scelerisque nunc nisl vitae libero. Sed consequat feugiat massa. Nunc porta, eros in eleifend varius, erat leo rutrum dui, non convallis lectus orci ut nibh. Sed lorem massa, nonummy quis, egestas id, condimentum at, nisl. Maecenas at nibh. Aliquam et augue at nunc pellentesque ullamcorper. Duis nisl nibh, laoreet suscipit, convallis ut, rutrum id, enim. Phasellus odio. Nulla nulla elit, molestie non, scelerisque at, vestibulum eu, nulla. Ut odio nisl, facilisis id, mollis et, scelerisque nec, enim. Aenean sem leo, pellentesque sit amet, scelerisque sit amet, vehicula pellentesque, sapien.

44

45 43 TRABALHOS PUBLICADOS PELO AUTOR Trabalhos publicados pelo autor durante o programa (obrigatório somente para teses de doutorado e dissertações de mestrado no template DC/UEL). 1. Jose da silva, autor2 da silva, orientador da silva, Título do artigo, local onde foi publicado, mês/ano, editora, número de página, isbn, (Qualis CC 2012, xx) 2. Jose da silva, autor2 da silva, orientador da silva, Título do artigo, local onde foi publicado, mês/ano, editora, número de página, isbn, (Qualis CC 2012, xx) 3. Jose da silva, autor2 da silva, orientador da silva, Título do artigo, local onde foi publicado, mês/ano, editora, número de página, isbn, (Qualis CC 2012, xx) 4. Jose da silva, autor2 da silva, orientador da silva, Título do artigo, local onde foi publicado, mês/ano, editora, número de página, isbn, (Qualis CC 2012, xx)

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo INSTITUTO POLITÉCNICO MANUAL DE REGRAS BÁSICAS CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo Capa Tese de Mestrado INSTITUTO POLITÉCNICO Dimensões da capa: A4+lombada variável+a4 Papel: Coché

Leia mais

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone buscar no site OK Página inicial links rápidos a fazenda santa maria nononononono não- título em destaque texto complementar Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Praesent vestibulum

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL I. Objetivos e Descrição Redesign do website que a empresa possui, acrescentando novos recursos, informações mais detalhadas dos produtos e serviços,

Leia mais

wireframe do novo site

wireframe do novo site wireframe do novo site home METRÔ PAINÉIS S ANUNCIE QUEM SOMOS Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam imperdiet sed eros ut luctus. Suspendisse eu vulputate massa. Nullam dignissim,

Leia mais

d ce R E V I S T A D I G I TA L

d ce R E V I S T A D I G I TA L d ce R E V I S T A D I G I TA L Doce Revista Digital Há 25 anos no mercado, a imagem da Doce Revista é marcada pelo jornalismo ágil e independente. É a única publicação nacional voltada exclusivamente

Leia mais

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design Índice Capítulo Apresentação... O logo e seus elementos... Variações cromáticas... Reduções e reservas... Aplicação em fundos de cor... Tipografias de apoio... Usos indevidos... Cartão de Visita... Pág.

Leia mais

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento Sorriso Entrevista Dr Alisson explica as vantagens dos aparelhos Autoligados Comportamento O que te faz feliz? Fique Ligado Participe, curta, compartilhe e ganhe brindes especiais Escova de dentes: A maior

Leia mais

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de Relatório

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 2015

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Mato Grosso do Sul aguardamos envio de uma imagem de mato grosso do sul Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS

Leia mais

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com Wireframes 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas

Leia mais

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão wireframe homepage tipo Quem somos Doações em dinheiro Onde r ajuda para animais carentes equipe Doações em mantimentos onde denunciar maus tratos banner 720 álbum x 160 de fotos Doaçòes medicinais Feiras

Leia mais

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE MENU EMBRACE THE FUTURE ÁREAS DE NEGÓCIO SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS EM DESTAQUE PORTUGAL MARROCOS ARGÉLIA EDIFÍCIO PLATINUM GANA ANGOLA ARGENTINA O Grupo Ramos Ferreira vai ser responsável, em parceria

Leia mais

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema Ven.ti.la.dor adj (ventilar+dor2) Que ventila; ventilante. sm 1 Aparelho que renova o ar de ambientes fechados ou que o põe em circulação; aparelho que produz corrente de ar. Recursos Naturais { Cores

Leia mais

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO Ludmyla Sathler Aguiar do Nascimento 1 GD12 Educação Matemática e Inclusão A leitura e compreensão textual expõem o quanto

Leia mais

Wireframes. Definição. Wireframes

Wireframes. Definição. Wireframes Wireframes Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas importâncias

Leia mais

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade?

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Índice O que é a Marca? Conceito 4 Personalidade da Marca 5 Como ela é? Marca Principal Versão

Leia mais

Normas para envio de artigos:

Normas para envio de artigos: NORMAS PARA ENVIO DE ARTIGOS Formatação da página: recuo superior e da lateral esquerda de 3 cm. Recuo inferior e da lateral direita de 2,5 cm, conforme a formatação deste documento. Título: fonte Arial,

Leia mais

R.Boquino Manual de Identidade Visual

R.Boquino Manual de Identidade Visual R.Boquino Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO SUMÁRIO 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 1.10 1.11 1.12 1.13 1.14 1.15 1.16 Introdução Assinatura institucional Malha de construção Assinatura

Leia mais

Arquitetura de Informação - 7

Arquitetura de Informação - 7 Arquitetura de Informação - 7 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Ícone Imagem Banner Logotipo Título 1 Título 2 Tabela Disclaimer Título 1 Título 2 Ícone Ícone Imagem

Leia mais

NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LONDRINA PR 2015 NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA

Leia mais

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope 32 20

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2013, v Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ Sumário Sumário 1. Apresentação 2. O logo e seus elementos...... 3. Variações Cromáticas 4. Reduções e Reservas 5. Aplicação em fundo de cor 6. Tipografias de apoio 7. Usos indevidos..................

Leia mais

MANUAL DE USO DE MARCA

MANUAL DE USO DE MARCA MANUAL DE USO DE MARCA INTRODUÇÃO A MARCA FAPEU A marca é um dos bens mais preciosos de uma empresa. Ela existe para ser vista e lembrada pelos consumidores, identificando-se com os produtos, serviços

Leia mais

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA CAPITANIA MULTI CRÉDITO PRIVADO OS CAMINHOS PARA UMA Apresentação de Produto 2º Tri 2009 APOSENTADORIA PLANEJADA Capitânia Asset & Risk Management www.capitania.net Rua Dona Leopoldina, 48 São João -Porto

Leia mais

Index. RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872. RGB: 0-168-89 Hex: #00A859. RGB: 96-96-98 Hex: #606062

Index. RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872. RGB: 0-168-89 Hex: #00A859. RGB: 96-96-98 Hex: #606062 Index RGB: 174-51-54 Hex: #Ae3336 RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872 RGB: 0-168-89 Hex: #00A859 RGB: 168-207-69 RGB: 210-226-139 RGB: 75-75-77 Hex: #A8CF45 Hex: #D2E28B Hex: #4B4B4D RGB: 96-96-98 Hex: #606062

Leia mais

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Modelo canônico de Projeto de pesquisa em conformidade

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA MECÂNICA PRIMEIRO AUTOR SEGUNDO AUTOR TERCEIRO AUTOR QUARTO AUTOR QUINTO AUTOR SEXTO AUTOR TÍTULO COMPLETO DO PROJETO PROJETO

Leia mais

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa 1 Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio A Identidade Visual da Afeal é um de seus principais

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.5 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.3 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2014, v-1.9.2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.3 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Modelo canônico de Projeto de pesquisa em conformidade

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.5 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação. Apresentações. Prof. Jesús P. Mena-Chalco 3Q-2016

CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação. Apresentações. Prof. Jesús P. Mena-Chalco 3Q-2016 1 CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 3Q-2016 2 Pratique, pratique, pratique,. Pode inovar, não ha regra apenas sugestões. Pode falar

Leia mais

Manual de Normas Gráficas. CASES - Cooperativa António Sérgio para a Economia Social

Manual de Normas Gráficas. CASES - Cooperativa António Sérgio para a Economia Social Manual de Normas Gráficas CASES - Cooperativa António Sérgio para a Economia Social CASES 2015 Assinatura CASES Versões da assinatura CASES v1 v3 v5 Positivo v2 v4 v5 Negativo v1. Esta assinatura deverá

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Capítulo 1 Normatização Geral 1. Conceito de Marca 1.1. Identidade de Foz do Iguaçu 1.2. Pôster Conceitual 2. Assinaturas Padrão 2.1. Assinaturas em Português 2.2. Assinaturas

Leia mais

BRAND GUIDELINES RTP MÚSICA

BRAND GUIDELINES RTP MÚSICA RTP MÚSICA VERSÃO VERTICAL GRELHA / EIXOS BRAND GUIDELINES GRELHA / EIXOS VERSÃO VERTICAL VERSÃO HORIZONTAL BRAND GUIDELINES VERSÃO MOSCA COMPORTAMENTOS CROMÁTICOS (VERSÃO HORIZONTAL E VERTICAL) Cor Directa

Leia mais

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013 Frutacor lança coleção Inverno 2014 Fashion City Brasil participará da Fenim Confira o festival de Jazz no CCCP Bodytech loren ipsum ad vitor

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, JORNALISMO E SERVIÇO SOCIAL COLEGIADO DE JORNALISMO PROJETOS EXPERIMENTAIS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

Leia mais

advisor senior seu sucesso nosso compromisso senior advisor

advisor senior seu sucesso nosso compromisso senior advisor senior advisor COACHING FINANCEIRO BRANDING SERVIÇOS CONTÁBEIS COACHING FINANCEIRO SERVIÇOS CONTÁBEIS BRANDING A Senior Advisor é uma consultoria multidisciplinar, que tem como foco principal, auxiliar

Leia mais

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX www.in-lex.pt Para mais informação consulte o nosso site ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 Data da Publicação Dimensões Papel Capa Papel Miolo Hardcover Início de 2015 230 (largura) x 297 (altura)

Leia mais

Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques

Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques Autenticação do Substrato, Validação do Correntista e Armazenamento de imagens verdadeiras em arquivos seguros Fraudes Truques Jogos

Leia mais

Marca. Depto. de Marketing do Pirâmide Natal Resort & Convention - V. 01 - Revisado em 28/05/2008.

Marca. Depto. de Marketing do Pirâmide Natal Resort & Convention - V. 01 - Revisado em 28/05/2008. Marca Esta é a Marca que deve ser utilizada prioritariamente. Existe uma relação única entre tipologia, corpo, forma e cores que deve ser rigorosamente respeitada. Qualquer alteração modifica totalmente

Leia mais

ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS

ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS LONDRINA PR 2016 ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS Trabalho de Conclusão

Leia mais

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat ECA-USP Manual Simplificado de Identidade Visual Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat Logotipo Grade de Construção Identidade Visual/Cor Grade de Construção Identidade

Leia mais

MODELO PARA EDITORAÇÃO DE LIVRO Guia do Usuário

MODELO PARA EDITORAÇÃO DE LIVRO Guia do Usuário MODELO PARA EDITORAÇÃO DE LIVRO Guia do Usuário 2016 Esta página ficará em branco. LOREM IPSUM (título) dolor (subtítulo) Falsa folha de rosto. Nesta folha conterá apenas o título e o subtítulo (se necessário)

Leia mais

ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores

ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores MERCM Mestrado em Eng. de Redes de Comunicação e Multimédia Dissertação

Leia mais

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Selos de Certificação Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Sumário 01. Abertura 02. Versões Cromáticas 03. Regras de Uso 04. Exemplos de Aplicações 05. Arquivos 2 01. Abertura Os Selos de Certifi

Leia mais

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho edição 01 ano 01 Fevereiro de 2015 Publicação bimestral com distribuição gratuita no Circuito das Águas Paulista www.circuitosaude.com.br SEJA FELIZ o poder da alegria pág.7 TEM IDADE CERTA para uso do

Leia mais

SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES

SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES LONDRINA PR 2013 SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Bacharelado em Ciência da Computação da

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE

MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE LONDRINA PR 2015 MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO

Leia mais

Manual de Normas Gráficas

Manual de Normas Gráficas Manual de Normas Gráficas A criação da identidade visual da Proxira, tem por base um sistema de aplicações coerente, organizado e bem definido. O manual de identidade visual apresentado reúne os elementos

Leia mais

GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA

GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA 1 2 Introdução 04 A logomarca 05 Variantes de cor 06 Dimensões mínimas 07 Área de não-interferência 08 Usos incorretos 09 Cores institucionais 10 Tipografia Grafismo 11 12

Leia mais

Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular

Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular Jessica Caroline Silva de Freitas Kelly Isaura Graciano da Silva Bento Sabrina

Leia mais

KIT DE NORMAS GRAFICAS

KIT DE NORMAS GRAFICAS KIT DE NORMAS GRAFICAS ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 INTRODUÇÃO CONCEÇÃO DO SELO CORES DO SELO SELO MONOCROMÁTICO REFERÊNCIAS DE COR OUTRAS CORES FUNDOS FOTOGRÁFICOS ÁREA DE PROTEÇÃO REDUÇÃO TIPOGRAFIA

Leia mais

d ce D I G I TA L ATENÇÃO NAS MÍDIAS DIGITAIS, OS DESCONTOS DIFEREM DOS PRATICADOS NA MÍDIA IMPRESSA. CONSULTE-NOS. R E V I S T A

d ce D I G I TA L ATENÇÃO NAS MÍDIAS DIGITAIS, OS DESCONTOS DIFEREM DOS PRATICADOS NA MÍDIA IMPRESSA. CONSULTE-NOS. R E V I S T A d ce R E V I S T A D I G I TA L ATENÇÃO NAS MÍDIAS DIGITAIS, OS DESCONTOS DIFEREM DOS PRATICADOS NA MÍDIA IMPRESSA. CONSULTE-NOS. Doce Revista Digital Há 31 anos no mercado, a imagem da Doce Revista é

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Normas Normas.indd indd :09:36 12:09:36

MANUAL DE NORMAS Normas Normas.indd indd :09:36 12:09:36 MANUAL DE NORMAS Universo cromático Pantone 470 C C M Y K 0% 58% 100% 33% Black 50% Black Família Tipográfica Barmeno Regular utilizado nas palavras municipal de lisboa abcdefghijklmnopqrstuvxz ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXZ

Leia mais

Monografia Índice Completo

Monografia Índice Completo Monografia Definição: dissertação a respeito de um assunto único; estudo minucioso a fim de esgotar determinado tema relativamente restrito. Monografia é uma dissertação sobre um ponto particular de uma

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing 19/Nov/13 MUITOS MISTÉRIOS DURANTE UM JANTAR DE COMEMORAÇÃO. SERÁ UMA ARMADILHA? NÃO, APENAS MOTIVOS PARA MUITAS GARGALHADAS.

Leia mais

Arquitetura de Informação para Web

Arquitetura de Informação para Web Arquitetura de Informação para Web Aula introdutória sobre Arquitetura de Informação para Web na ECA - USP Guilhermo Almeida dos Reis reis@guilhermo.com www.guilhermo.com Novembro / 2004 Agenda Definições

Leia mais

POCH MANUAL DE NORMAS

POCH MANUAL DE NORMAS POCH MANUAL DE NORMAS 2015 A MARCA A marca é o elemento mais identificativo da identidade corporativa. A normalização da mesma é essencial para preservar a sua legibilidade e percepção. Por esse motivo,

Leia mais

Máquinas de Lavar Loiça Profissionais. Tabela de Preços 2013. Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree

Máquinas de Lavar Loiça Profissionais. Tabela de Preços 2013. Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree Máquinas de Lavar Loiça Profissionais Tabela de Preços 2013 Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree SteelTech 13-00 916260 998,00 com cesto 35x35 cm 1.200,50 SteelTech 13-00 S 916263 1.212,75 com descalcificador

Leia mais

MANUAL DE NORMAS. Guia de identidade visual. Abril. 2016

MANUAL DE NORMAS. Guia de identidade visual. Abril. 2016 MANUAL DE NORMAS Guia de identidade visual Abril. 2016 A logomarca tem como base a interação com as pessoas. É por isso que é tão importante que todos os que trabalham com a logomarca Nosso Shopping percebam

Leia mais

12EDIÇÃO In-Lex ANUÁRIO das Sociedades de Advogados IN-LEX

12EDIÇÃO In-Lex ANUÁRIO das Sociedades de Advogados IN-LEX www.in-lex.pt ª 12EDIÇÃO In-Lex 2017 ANUÁRIO das Sociedades de Advogados IN-LEX Lorem ipsum dolor sit amet, Suspendisse at tellus. Nullam in nisl. Curabitur dolor metus, consectetuer adipiscing elit. nisl.

Leia mais

MANUAL NORMAS GRÁFICAS

MANUAL NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS NOVEMBRO 2016 MIGUEL GATA INTRODUÇÃO 2 MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS BEM-VINDO ao Manual de Normas Gráficas da ESCOLA PROFISSIONAL PRÁTICA UNIVERSAL BRAGANÇA Dada a importância que

Leia mais

MUSEU do FUTEBOL manual da marca

MUSEU do FUTEBOL manual da marca manual da marca MUSEU do FUTEBOL manual da marca 03 06 07 11 13 14 15 19 23 24 25 conceito ASSINATURAS PREFERENCIAIS ASSINATURAS secundárias dimensões da marca uso da tipologia Auxiliar opções de uso da

Leia mais

Edital de Chamada para Trabalhos Acadêmicos

Edital de Chamada para Trabalhos Acadêmicos Edital de Chamada para Trabalhos Acadêmicos A Comissão Organizadora do VI Encontro Estudantil Regional de Relações Internacionais EERRI convida a comunidade acadêmica de relações internacionais para o

Leia mais

IFDR, IP MANUAL DE NORMAS

IFDR, IP MANUAL DE NORMAS IFDR, IP MANUAL DE NORMAS Este guia de normas representa, no seu conteúdo, o conjunto das regras básicas de utilização da marca, bem como das suas declinações e complementos visuais. A utilização dos elementos

Leia mais

VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS TÍTULO DO TRABALHO

VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS TÍTULO DO TRABALHO VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS TÍTULO DO TRABALHO LONDRINA PR 2013 VINÍCIUS FERNANDES DE JESUS TÍTULO DO TRABALHO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA CONSTRUÇÃO HORIZONTAL CONSTRUÇÃO VERTICAL LOGÓTIPO de artes e design de artes e design de tecnologia do mar de tecnologia do mar de saúde de tecnologia

Leia mais

Após Renato acelerar tramitação, Senado vota hoje PEC do teto

Após Renato acelerar tramitação, Senado vota hoje PEC do teto Dourados-MS, 12 de Janeiro de 2020. Digite e pressione enter... MS BRASIL MUNDO POLÍTICA ESPORTES FESTAS&EVENTOS ENTREVISTAS ARTIGOS COLUNAS + EDITORIAS Full banner capa 1 (728x90px) FULL BANNER DESKTOP

Leia mais

Trabalho 2. Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias. 10 de Fevereiro de 2013

Trabalho 2. Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias. 10 de Fevereiro de 2013 Trabalho 2 Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias 10 de Fevereiro de 2013 Resumo Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Etiam lobortis facilisis sem. Nullam nec mi et neque

Leia mais

Brand Identity Guidelines

Brand Identity Guidelines Brand Identity Guidelines manual PARA QUÊ? Índice 1.0 Logotipo 00 1.1 Apresentação 00 1.2 Cores Institucionais 00 1.3 Símbolo 00 1.4 Família Tipográfica 00 1.5 Redução 00 1.6 Versões 00 Este manual explica

Leia mais

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - TECCOGS ISSN:

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - TECCOGS ISSN: Normas para publicação Formatação da página (margens): Topo: 3,3 cm Inferior: 3 cm Esquerda: 2,3 cm Direita: 2 cm Título: Fonte: Arial, 14 Alinhamento do texto: à esquerda Norma para publicação Autoria:

Leia mais

QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL. Joaquim Brás/ CCS

QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL. Joaquim Brás/ CCS QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL Joaquim Brás/ CCS Responsabilidades dos Empresários Constatação as boas práticas de gestão estão longe de fazer parte do dia-a-dia da maior parte das nossas empresas, em

Leia mais

A A. Caixas. Prof.: Ivan R. Pagnossin. Tutora: Juliana Giordano. Largura. Altura. Altura total. Linha-base. Profundidade. Ponto-de-referência

A A. Caixas. Prof.: Ivan R. Pagnossin. Tutora: Juliana Giordano. Largura. Altura. Altura total. Linha-base. Profundidade. Ponto-de-referência Prof.: Ivan R. Pagnossin Tutora: Juliana Giordano Coordenadoria de Tecnologia da Informação Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada Definição e dimensões Largura Altura Profundidade g Altura total Linha-base

Leia mais

INAUGURAÇÃO DA SEDE DA EGRN

INAUGURAÇÃO DA SEDE DA EGRN INAUGURAÇÃO DA SEDE DA EGRN Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Aliquam ornare ante vitae lacus varius gravida. Proin non sapien bibendum, aliquam quam luctus, mattis felis. Proin

Leia mais

ANEXO DO CONCURSO LITERÁRIO INTERNACIONAL. A Primeira Conferência

ANEXO DO CONCURSO LITERÁRIO INTERNACIONAL. A Primeira Conferência ANEXO DO CONCURSO LITERÁRIO INTERNACIONAL A Primeira Conferência (Capa título do trabalho) Emmanuel Bailly x 1 2 1.- Curriculum Vitae do Autor 2.- Ficha de Inscrição do Autor 2.1.- Dados pessoais: Nome:

Leia mais

TÍTULO DA MONOGRAFIA

TÍTULO DA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE COMPUTAÇÃO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO NOME SOBRENOME TÍTULO DA MONOGRAFIA Belém 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS 01 03 APRESENTAÇÃO Este guia de identidade uniformiza a utilização da marca Fundação Bienal de Cerveira. Estas normas devem ser cumpridas de modo rigoroso para que a imagem da

Leia mais

Câmara Municipal de Vagos Normas Gráficas

Câmara Municipal de Vagos Normas Gráficas 01 Índice Introdução # 3 Marca # 4 Logótipo # 5 Símbolo # 6 Construção Identidade # 7 Versões # 8-9 - 10 Arquitetura Marca # 11 Identidade Inglês # 12 Identidade Espanhol # 13 Área de proteção # 14 Dimensões

Leia mais

Cartão Loja. Cartão Pessoal. José Maria Diretor Administrativo. Buscamos e aviamos sua receita TELEVENDAS.

Cartão Loja. Cartão Pessoal. José Maria Diretor Administrativo. Buscamos e aviamos sua receita TELEVENDAS. Aplicações Cartão Loja Buscamos e aviamos sua receita www.pharmasu.com.br Matriz: Av. C-159 nº 670 Filial T-9: Av. T- 9 nº 2.811 (62) 3526-4910 Farmacia Ipasgo: Av. Anhanguera nº 8517 Campinas (62) 3526-5900

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS REIDENCIAL AUTOMAÇÃO WIRELESS A Globus Soluções Inteligentes em controles, inspirada no desejo de oferecer conforto, segurança, redução de custos de energia, uso fácil, melhor

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática TÍTULO DO TRABALHO EM MAIÚSCULAS Nome Completo do Aluno Dissertação orientada pelo Prof. Doutor Nome Completo do Orientador DISSERTAÇÃO

Leia mais

. Aplicações - Impresso e Digital...21 Suporte: papel offset 90 g/m². . Aplicações - Cartão de Visitas...22 Impressão: jato de tinta

. Aplicações - Impresso e Digital...21 Suporte: papel offset 90 g/m². . Aplicações - Cartão de Visitas...22 Impressão: jato de tinta MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Fevereiro/2009 01 Índice. A Identidade Corporativa do Ministério Público do Estado do Amazonas...5 ÍNDICE. Marca MP-AM...6. Composição do brasão (símbolo)...6. Espada...6.

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Abril de 2014

Manual de Identidade Visual. Abril de 2014 Manual de Identidade Visual Abril de 2014 ÍNDICE 03 Para que serve este manual? 04 O logotipo 06 Variações do logotipo 07 Escala cromática 08 Fundos preferenciais 09 Malha construtiva 10 Área de não-interferência

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 2015

Leia mais

Manual de normas - AREANATejo Índice 02

Manual de normas - AREANATejo Índice 02 Índice 02 1.1 Logótipo da AREANATejo 1.2 Grelhas de construção 1.3 Cor 1.4 Tipografia Oficial 1.5 Reduções Máximas do Logótipo 1.6 Comportamentos a uma cor 1.7 Comportamento Cromático sobre Fundo de Cor

Leia mais

Revista Universitária de Comunicação e Multimédia Número 1/bimestral/Abril/2010/UTAD/gratuita

Revista Universitária de Comunicação e Multimédia Número 1/bimestral/Abril/2010/UTAD/gratuita Revista Universitária de Comunicação e Multimédia Número 1/bimestral/Abril/2010/UTAD/gratuita Concursos Empregos Proxima edição/fi cha técnica 19 Prêmio Design MCB http://www.mcb.sp.gov.br web designer

Leia mais

DE PRODUTOS. VISITE NOSSO SITE: FORMA DE BAURU C/ ROLO PARA PINTURA 15CM C/ ESPREMEDOR DE LARANJA C/

DE PRODUTOS. VISITE NOSSO SITE:  FORMA DE BAURU C/ ROLO PARA PINTURA 15CM C/ ESPREMEDOR DE LARANJA C/ CATÁLOGO 2015 DE PRODUTOS FORMA DE BAURU C/1 009118 ROLO PARA PINTURA 15CM C/1 009197 ESPREMEDOR DE LARANJA C/1 009149 FURA COCO C/1 009301 Página 12 Página 12 VISITE NOSSO SITE: www.grupoufs.com.br HISTÓRIA

Leia mais

A C R A M A L D A U N A

A C R A M A L D A U N A MANUAL DA MARCA BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO 01 CONCEITO E CONSTRUÇÃO DA MARCA 02 GRADE 04 PALETA DE CORES 05 APLICAÇÕES MONOCROMÁTICAS 05 APLICAÇÕES 06 CRÉDITOS 07 01 BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO BRIEFING...

Leia mais

NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO

NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO PEDRO M. AREZES Universidade do Minho v2.0 07.04.2011 Nota Introdutória As notas que se seguem fazem parte de uma pequena compilação de informação

Leia mais

A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas

A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas PLANOS PLUS & TOP A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas Pesquisar Reclamar Comparar Responder Replicar Resolver Consumidores ReclameAQUI Empresas O ReclameAQUI

Leia mais

Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado

Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado Normas para apresentação e elaboração dos Trabalhos Finais Nota prévia: As normas agora aprovadas devem ser entendidas

Leia mais