Manual para Escolha de Bomba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual para Escolha de Bomba"

Transcrição

1 Manual para Escolha de Bomba

2 Vamos falar sobre bombas? Faça esta pergunta para um empreiteiro, "O que você espera de uma bomba d'água?" e as respostas estarão provavelmente conforme estas linhas: n Desempenho a capacidade de mover com rapidez um grande volume de água. n Baixo Tempo de manutenção a capacidade de deixar passar detritos sem causar entupimento n Durabilidade a capacidade de resistir a ambientes severos de trabalho. Até mesmo se você pensa que não possui alguma, são muito boas as chances de que você possua algumas bombas e simplesmente esqueceu de as considerar. Bombas estão entre os artigos mais amplamente fabricados no mundo e os muitos projetos delas permitem o seu uso em uma variedade de aplicações. Elas são usadas em tudo, de lavadoras de roupa, refrigeradores, carros e caminhões até obras, instalações de tratamento de água servida e instalações de processamento de alimento. n Valor todas as características acima a um preço econômico. Centrífuga. De alto pressão. Centrífuga para sólidos em suspensão. Submersível. De diafragma. De escorva.. Escorva zero. Com tantos tipos de bombas disponíveis para os empreiteiros, como você pode estar seguro ao fazer uma recomendação para uma aplicação específica? Uma vez que você fica familiarizado com as características das mais comuns bombas de aluguel, isso fica, de fato, mais fácil do que você poderia imaginar. Bombas tornam possível muitas tarefas cotidianas que nós freqüentemente temos que admitir. Realmente sem bombas nosso mundo seria um lugar muito diferente deste que nós conhecemos hoje. Projetos de Bomba D'água Comum Quantas bombas você possui? É de fato uma pergunta muito interessante. Se você perguntasse para um empreiteiro ou para um operador de loja de aluguel eles poderiam responder com qualquer número entre 1 e 50. Por outro lado um leigo poderia responder que ele não tem nenhuma necessidade de bombas em sua casa ou no trabalho. Assim, voltando à nossa pergunta original, quantas bombas você possui? Embora muitas bombas possam ser vistas em obras, há dois tipos muito comuns de bombas d'água na indústria de construção. Diferentes em projeto e aplicação cada uma delas serve basicamente para o mesmo propósito que é o de mover água do ponto A para o ponto B. Bombas & O Empreiteiro Como se notou anteriormente, existem muitos tipos de bombas disponíveis no comércio de hoje. Ainda não há uma bomba que se adapte perfeitamente para toda aplicação. Visto que a Multiquip visa principalmente a indústria de construção, nossas bombas são criadas para satisfazer às exigências do empreiteiro profissional. O primeiro tipo de bomba é o de projeto centrífugo. Este tipo usa um impulsor giratório para puxar a água para a bomba e pressurizar o fluxo de descarga. Entre as bombas de aluguel mais comuns se incluem os modelos padrão, centrífuga, centrífuga com fluido em suspensão, e submersível. Construção é um negócio competitivo com prazos finais e orçamentos aos quais os empreiteiros têm que se adequar para ter êxito. Uma tempestade pesada pode causar um atraso de vários dias ou até mesmo semanas em um serviço. Tempo de manutenção prolongado pode custar aos empreiteiros quantias significativas pois gratificações são freqüentemente pagas para se terminar trabalhos abaixo do orçado e antes do programado. Estas bombas serão apreciadas em maior detalhe mais tarde, após uma revisão de alguma teoria básica sobre bomba. O segundo tipo de bomba é o de projeto de deslocamento direto, onde a mais comum das quais é a do tipo de diafragma. Estas bombas fornecem uma quantidade fixa de fluxo por ciclo através da contração e expansão mecânica de um diafragma flexível. 2

3 Os Fundamentos da Teoria de Bombas É comum os clientes dizerem que eles precisam de uma bomba para retirar água de um buraco ou vala. Porém, bombas centrífugas e de diafragma de fato não retiram tanta água quanto aparece ou se eleva com auxílio da mãe natureza. Água, como eletricidade, sempre fluirá ao longo do caminho de resistência mínima. Para elevar água a bomba precisa prover um caminho (área de baixa pressão ou baixa resistência) através do qual a água irá naturalmente fluir. É importante então reconhecer o papel que a pressão atmosférica exerce criando a elevação de sucção. Ao nível do mar a atmosfera exerce uma força de 14,7 lb/pol2 (PSI) (1,033kgf/cm 2 ) a superfície da terra. O peso da atmosfera em um volume de água impedirá a sua elevação a menos que uma área de baixa pressão seja criada. Figura 1 mostra três tubos vazados, cada um com uma área superficial de 1 polegada quadrada, elevando-se do nível do mar para a atmosfera. No tubo (A) a pressão atmosférica é o mesma dentro e fora do tubo: 14.7 PSI. Como o peso que a atmosfera está exercendo atua igualmente pela superfície, nenhuma mudança acontece no nível da água dentro do tubo. No tubo (B) um vácuo perfeito é criado, fazendo com que a pressão atmosférica seja maior na água fora do tubo. Essa diferença de pressão faz com que a água flua naturalmente para a área de pressão mais baixa começando a encher o tubo até que ela alcance uma altura de 33,9 pés (10,33m). Por que 33,9 pés (10,33m) é a altura maior que a água pode se elevar neste exemplo? Porque neste momento o peso da água dentro do tubo exerce NENHUM VÁCUO ELEVAÇÃO ZERO Figura 1 VÁCUO PARCIAL ELEVAÇÃO DE 25 PÉS. VÁCUO PARCIAL ELEVAÇÃO DE 25 PÉS. uma pressão igual ao peso da atmosfera pressionando para baixo a superfície do oceano. Esta altura representa a máxima elevação teórica de sucção e pode ser verificada usando-se o seguinte cálculo: Divida pressão atmosférica ao nível do mar por 0,0361 lb/pol3 (o peso de uma polegada cúbica de água) para obter a elevação teórica de sucção. 14,7 (lb/pol²) 0,0361 (lb/pol3) = 407,28 (pol) 407,28 (pol) (12 pol/pé) = 33,9 (pé) (10,33m) Lembre-se que 33,9 pés (10,33m) é a máxima altura teórica de água que pode ser alcançada sob condições perfeitas ao nível do mar. Não se leva em consideração altitude, perda por atrito, temperatura, partículas em suspensão ou a impossibilidade da criação de um vácuo perfeito. Todas estas variáveis afetam o desempenho da bomba e reduzem a elevação teórica de sucção. A elevação útil de sucção, atingível para água fria (60 F) (15,5 C) ao nível do mar pela criação de um vazio parcial, é a de 25 pés (7,6m) apresentada no tubo (C). Projetos Centrífugos A maioria esmagadora das bombas dos empreiteiros é de força centrífuga para mover água. Força centrífuga é definida como a ação que faz alguma coisa, nesta caso a água, mover-se para longe do seu centro de rotação. Todas as bombas centrífugas usam um impulsor e uma voluta para criar o vácuo parcial e a pressão de descarga necessários para mover a água através da tubulação. O impulsor e a voluta constituem o coração de uma bomba e ajudam a determinar seu fluxo, pressão e capacidade efetiva de manobra. Um impulsor é um disco giratório com um conjunto de pás acopladas ao eixo motor que produz força centrífuga dentro da carcaça da bomba. Uma voluta é o envoltório estacionário A PRESSÃO dentro do qual o impulsor gira, e que ATMOSFÉRICA coleta, descarrega e recircula a água EXERCE UMA FORÇA que entra na bomba. Um difusor é DE 14,5 PSI AO NÍVEL DO MAR. usado em bombas de alta pressão e é semelhante a uma voluta porém com um projeto mais compacto. Muitos tipos de material podem ser usados em sua fabricação mas o ferro fundido é o mais comumente usado para aplicações de construção. Para que uma centrífuga, ou auto- -escorvante, bombeie, conseguindo assim o início do seu funcionamento, a carcaça deve ser antes preparada manualmente ou cheia com água. Depois, a menos que tenha sido seca ou drenada, uma quantidade suficiente de água deve permanecer na CADA COLUNA TEM UMA bomba para garantir uma rápida escorva ÁREA SUPERFICIAL DE na próxima vez que ela for acionada. 1 POLEGADA QUADRADA. 3

4 Como o impulsor agita a água (Figura 2 ), ele purga o ar da carcaça criando uma área de baixa pressão, ou vácuo parcial, no olho (centro) do impulsor. O peso da atmosfera na superfície da água empurra rapidamente a água através da mangueira e da carcaça da bomba para o olho do impulsor. A força centrífuga criada pelo impulsor rotativo faz a água seguir do olho, onde a pressão é mais baixa, para as pontas das pás, onde a pressão é mais alta. A velocidade das pás giratórias pressuriza a água pressionada através da voluta e descarregada da bomba. estacionária e outra rotativa, e é localizado no eixo da máquina entre o impulsor e carcaça traseira (Figura 3). Ele é projetado para prevenir contra infiltração interna de água que possa danificar a máquina. Bombas projetadas para trabalho em ambientes severos necessitarão de um selo que seja mais resistente à abrasão. Figura 3 Figura 2 Se a bomba é auto-escorvante, Por que eu preciso adicionar água? Há muitas bombas de última geração no mercado que não precisam ser preparadas manualmente antes de operação. Estas são bombas assistidas a vácuo que usam um compressor de ar ou algum outro dispositivo para separar o ar da água. Isto permite que a bomba parta seca e se prepare novamente sem a adição manual de água. Várias marcas comerciais diferentes são usadas para estas bombas (Escorva Zero, Não Escorva, etc.) e isso pode causar admiração nos clientes pois bombas de pequenos empreiteiros são chamadas de auto-escorvantes. A maioria das bombas centrífugas necessitam que a sua carcaça seja enchida com água (manualmente preparadas) antes da partida. Auto-escorvante é um termo usado para geralmente descrever muitos tipos de bombas centrífugas. Isto muito simplesmente significa que a bomba tem a capacidade de purgar ar de suas carcaça e mangueira de sucção criando assim um vácuo parcial que permite à água fluir livremente dentro da bomba. Todas as bombas Multiquip são por definição auto-escorvantes. A água passando através da bomba traz com ela sólidos e outros materiais abrasivos que irão gradualmente desgastar o impulsor ou a voluta. Este desgaste pode aumentar a distância entre o impulsor e a voluta resultando em fluxos e elevações diminuídos, e tempos de preparação mais longos. Inspeção periódica e manutenção são necessárias para manter as bombas funcionando como novas. Outro componente chave na bomba é o seu selo mecânico. Este componente sustentado com mola é composto de duas faces, uma 4 Selos são tipicamente resfriados pela água que passa através da bomba. Se a bomba está seca ou tem água insuficiente para a preparação poderá danificar o selo mecânico. Selos lubrificados a óleo e ocasionalmente lubrificados a graxa estão disponíveis em algumas bombas que fornecem lubrificação positiva no caso da bomba estar funcionando sem água. O selo tem uma peça de desgaste comum que também deve ser inspecionada periodicamente. Embora que a aplicação possa pedir uma bomba padrão, de alta pressão, ou de refugo, toda bomba centrífuga eleva e descarrega água da mesma maneira. A seção seguinte mostrará diferenças de projeto entre estas bombas. Bombas Centrífugas Padrão Bombas centrífugas padrão permitem uma escolha econômica para a finalidade geral de retirada de água. Vários tamanhos diferentes estão disponíveis porém os modelos mais comumente oferecidos estão na faixa de 2 a 4 polegadas com descargas de 37,5 a 132 litros por minuto (LPM) e alcance de elevações de 27 a 40 metros. Estas bombas só devem ser usadas em aplicações de água limpa (agrícola, industrial, residencial) pois elas têm uma capacidade de manobra de sólidos limitada a apenas 10% em volume. Os impulsores usam tipicamente um projeto com três pás (Figura 4A), e a voluta (Figura 4D) é compacta, evitando a passagem de sólidos grandes. A lei empírica é de que a bomba só permitirá a passagem de sólidos esféricos com diâmetro igual a ¼ do diâmetro da tubulação de sucção. Uma vantagem que estas bombas têm em relação a modelos de bombas centrífugas para sólidos em suspensão de tamanho semelhante é o seu baixo custo inicial. Há várias razões para esta diferença. São utilizados motores de menos potência que são menores e mais eficientes quanto ao combustível. Os selos mecânicos, desde que não estejam sujeitos a condições severas de funcionamento, podem ser feitos com material de menor custo. Além disso, as carcaças, menores e com menos peças usinadas, quando combinadas com motores menores tornam as bombas muito mais leves.

5 Bombas centrífugas de alta pressão são projetadas para uso em aplicações que requerem descargas a altas pressões e baixos fluxos. Empreiteiros podem usá-las para lavar equipamento no local de trabalho como também as instalar em reboques de água. Outros usos incluem irrigação e como bombas auxiliares de emergência em áreas onde há um alto risco de incêndio. Tipicamente estas bombas têm descarga em torno de 380 LPM e alcançam elevações superiores a 73 metros. A bomba pode ter uma tomada de sucção de até 2" e até três saídas de descarga de tamanhos variados para aumentar a versatilidade. Os impulsores usados nestas bombas têm um projeto fechado (Figura 4C) e não aberto como os usados em outros tipos de bombas centrífugas. Assim também o difusor (Figura 4F) é mais compacto que o de uma voluta regular para gerar descargas em altas pressões. Estas bombas devido ao seu projeto não são capazes de operar água com qualquer tipo de sólido ou mesmo arenosa. Lodo, areia ou entulho entupirá quase que imediatamente a bomba se for permitida a sua entrada na carcaça. Além disso, o impulsor e o difusor podem ser feitos de alumínio, em lugar de ferro fundido resistente ao desgaste, uma vez que eles não são sujeitos a materiais abrasivos. É recomendado que uma rede de malha seja sempre colocada sobre a peneira da sucção se a bomba estiver sendo usada em água suja. Bombas Centrífugas para Sólidos em Suspensão Bombas centrífugas para sólidos em suspensão têm o seu nome devido à sua capacidade para operar com grandes quantidades de sólidos, e serem a escolha preferida dos empreiteiros e da indústria de aluguel. Os tamanhos mais comuns são na faixa de 2" a 6" com descargas de 750 a LPM e elevação de até 45 metros. A lei empírica é que uma bomba de sólidos geralmente opera com sólidos esféricos de diâmetros até a metade do diâmetro de admissão da sucção. Sólidos (paus, pedras e refugos) passam sem entupir, tornando-as o ideal para as condições de água tipicamente encontradas em obras. Bombas para sólidos em suspensão operam com até 25% do volume em sólidos. Bombas para sólidos em suspensão oferecem outra vantagem que é a de poderem ser rápida e facilmente desmontadas para manutenção ou inspeção. Enquanto que bombas padrão necessitam de ferramentas especiais que nem sempre estão disponíveis, se pode ter acesso ao interior de uma bomba para sólidos em suspensão com ferramentas comuns. Os clientes ocasionalmente perguntam por que uma bomba para sólidos em suspensão custa mais do que uma bomba centrífuga. Um grande motivo é que as bombas para sólidos em suspensão necessitam de motores de mais alta potência. O impulsor é projetado com duas pás em ferro fundido (Figura 4B) e uma voluta grande (Figura 4E) necessária para dirigir o volume maior de água e entulho. O selo mecânico assim como o impulsor e a voluta é escolhido pela sua resistência à abrasão e a maioria das peças para a carcaça são usinadas. Enquanto que há um custo inicial mais alto, deve ser notado que isto é recuperado pela redução em manutenção, durante a vida da bomba. Bombas de Diafragma Bombas de diafragma usam um projeto de deslocamento direto melhor que a força centrífuga para mover a água através da carcaça. Isto significa que a bomba fornecerá uma quantidade específica de descarga por golpe, revolução ou ciclo. Versões movidas a motor são as mais comuns e tipicamente usam o eixo motor para girar uma biela de compensação que é acoplada a um diafragma flexível. A biela alternadamente levanta (expande) e abaixa (comprime) o diafragma a uma taxa de 60 ciclos por minuto (RPM). Figura 5A CENTRÍFUGA DE REFUGO DE ALTA PRESSÃO IMPULSORES Bomba de Diafragma Curso da Sucção Figura 5B A B C VOLUTAS D E F Figura 4 5 Bomba de Diafragma Curso da Descarga

6 PROJETOS DE BOMBAS COMUNS DE 2 " Padrão De Alta Pressão Para Sólidos em Suspensão De Diafragma Um vácuo é criado dentro da carcaça da bomba cada vez que o diafragma é elevado (Figura 5A). Isto abre a válvula de admissão e veda a válvula de descarga permitindo que água e ar entrem na bomba. Quando o diafragma é abaixado a pressão resultante veda a admissão e abre a válvula de saída que purga a água e o ar da carcaça da bomba (Figura 5B). Ao contrário dos projetos centrífugos a água dentro da carcaça é deslocada diretamente e nenhuma recirculação acontece. Bombas de diafragma são comumente chamadas porcas de lama, galinhas de lama e ventosas de lama. Seus nomes refletem a sua popularidade em aplicações onde profundidades rasas e lamacentas de água tornam ineficientes as bombas centrífugas. Uma bomba de diafragma fornece a mais baixa taxa de descarga e elevação em comparação com qualquer bomba do empreiteiro. Os modelos mais populares são os de 2 e 3 polegadas a gasolina produzindo descargas na faixa de 190 a 320 LPM. Elas têm a capacidade para deslocar o ar sem perder o arraste e de operar água com um teor de sólidos maior que 25% em volume. Aplicações em infiltrações lentas são as utilizações mais comuns para bombas de diafragma. Estas condições existem em qualquer vala ou escavação onde água subterrânea infiltra-se lentamente no local de trabalho e em áreas com lençóis d'água altos. Nestes ambientes bombas centrífugas ficam impossibilitadas de funcionar eficientemente pois os seus altos volumes de descarga combinados com baixos níveis de água lhes causam perder rapidamente o poder de arraste. Outra vantagem de projeto é que bombas de diafragma não correm o risco de se danificarem operando em seco por longos períodos de tempo. Visto que não existem existem nem impulsor nem voluta, as únicas peças a serem desgastadas são as válvulas chapeleta (admissão e saída) junto com o diafragma. Bombas Submersíveis Poucos artigos oferecem um rápido retorno de investimento e uma longa vida útil como as bombas submersíveis. Seu projeto compacto e aerodinâmico colocam-nas como o ideal para poços e outros serviços onde o espaço é limitado. Uma companhia típica de aluguel pode ter em estoque bombas de tamanhos de 2 a 6 polegadas operando com descargas que variam de 170 a 3000 LPM e elevações de até 42m. Submersíveis, elas têm a vantagem de serem capazes de trabalhar no suprimento de água. Como conseqüência a submersível não é sujeita às limitações de elevação de sucção como as outras bombas típicas do empreiteiro. Nenhuma mangueira de sucção é necessária, permitindo 6 economia de dinheiro e eliminando uma fonte potencial de problemas. A bomba só é limitada pelo alcance da descarga que ela é capaz de produzir. As bombas também podem ser classificadas pelo tamanho do motor e voltagem necessária. Unidades menores, com motores de 1/3 e 1/4 HP e 115 Volts são ideais para uso de proprietários residenciais ou obras de serviço leve. Empreiteiros de retirada de água experientes escolherão freqüentemente bombas com 230/460 Volts e motores trifásicos que oferecem desempenho mais alto e menor custo para operações prolongadas. Bombas elétricas submersíveis típicas Os motores das bombas têm eixo vertical para girar o impulsor e alcançar a velocidade necessária para criar a pressão de descarga. A água flui através do fundo e é descarregada pela parte de cima da carcaça de bomba. Bombas de refugo submersíveis usam um projeto de turbilhonamento que permite à bomba lidar com alguns sólidos sem que passem pela carcaça. Combinações entre eletricidade e água trazem obviamente um certo elemento de risco. Mais adiante, fica difícil e freqüentemente impossível saber se há um problema, uma vez que a bomba estará submergida. Por causa disso a bomba deve oferecer algumas proteções embutidas para assegurar segurança e resguardo contra dano ao equipamento. Uma bomba de alta qualidade terá seu motor alojado em um compartimento à prova d'água e equipado com sensores térmicos de sobrecarga que parem o motor impedindo dano de superaquecimento. Bombas também devem ser usadas com circuitos protegidos GFCI.

7 Alguns fabricantes podem optar por escolher de listar as suas bombas em um laboratório de testes independente. Há muitos laboratórios porém os mais comuns na América do Norte são Underwriter s Laboratories (UL) e o Canadian Standards Association (CSA). A manutenção é mínima e geralmente consiste de inspecionar periodicamente a fiação elétrica e o lubrificante do selo mecânico. Não há nenhuma das preocupações comuns com bombas de acionamento motor tais como ruído, combustível ou emissões. Caixas de controle e chaves de bóia estão disponíveis para operação desacompanhada de bombas submersíveis. As caixas fornecem proteção contra oscilações de voltagem e faseamento incorreto enquanto as chaves de bóia ligam e desligam a bomba de acordo com as variações dos níveis de água. Vários acessórios diferentes estão disponíveis, porém deve ser tomado cuidado para que sejam satisfeitas as exigências elétricas da bomba. Terminologia de Bomba Em qualquer área que trabalhe com bombas é necessário um conhecimento da terminologia comum nas suas aplicações. Foi explicado anteriormente que bombas elevam água com a ajuda de pressão atmosférica, pressurizando-a e a descarregando a partir da sua carcaça. A elevação útil de sucção, a nível do mar, é de 25 pés (7,6m). As especificações publicadas pela maioria dos fabricantes de bombas indicam-na como elevação máxima de sucção. O desempenho da bomba é medido pelo volume da descarga em litros por minuto e na pressão de elevação. Em geral acontece uma compensação entre elevação e descarga com um aumento na elevação causando uma diminuição na descarga ou vice-versa. Elevação se refere a ganhos ou perdas em pressão causados pela gravidade e atrito pois a água se move através ELEVAÇÃO TOTAL do sistema (Figura 6). Ela pode ser medida em lbs/in² (PSI) ou kgf/cm² mas é comumente indicada em pés (metros) de água em especificações publicadas. Para ilustrar isto considere que uma bomba de refugo Multiquip de 3" é indicada com uma elevação máxima de 90 pés (27m). Uma bomba deve produzir 1 PSI para elevar verticalmente uma coluna de água de 2,31 pés (0,70m). Então, dividindo o índice de elevação máxima de uma bomba por 2,31 se obterá a capacidade máxima de pressão da bomba. 90 (pés/elevação) 2,31 (pés/elevação) = 38,96 PSI (2,74kgf/cm²) Da mesma forma, multiplicando 2,31 pela capacidade máxima de pressão da bomba se obterá o índice de elevação máxima da bomba. 2,31 (pés/elevação) x 38,96 PSI = 90 (pés/elevação) (27m) Dependendo de como a medida é tomada, a elevação da sucção e a elevação da descarga podem também ser chamados estáticos ou dinâmicos. Estática indica que a medida não leva em conta o atrito causado pela água se movendo através da mangueira ou tubos. Dinâmica indica que perdas devido ao atrito foram consideradas no desempenho. ELEVAÇÃO TOTAL DE DESCARGA ELEVAÇÃO TOTAL DE SUCÇÃO Figura 7 Os seguintes termos são normalmente usados quando se faz referência a elevação ou alcance: Elevação Estática de Sucção A distância vertical da linha de água para a linha de centro do impulsor. Elevação Estática de Descarga A distância vertical da saída de descarga até o ponto de descarga ou o nível do líquido quando a descarga é feita no fundo de um tanque de água. Elevação Dinâmica de Sucção A elevação estática de sucção mais o atrito na linha de sucção. Também chamada de Elevação Total de Sucção. Elevação Dinâmica de Descarga A elevação estática de descarga mais o atrito na linha de descarga. Também chamada de Elevação Total de Descarga. Elevação Dinâmica total A Elevação Dinâmica de Sucção mais a Elevação Dinâmica de Descarga. Também chamada de Elevação Total. Figura 6 Perdas por atrito 7

8 Fatores de Bombeamento A altitude na qual uma bomba é operada aumentará ou diminuirá o seu desempenho. Em altitudes maiores a pressão atmosférica está diminuída reduzindo a elevação de sucção. Por isto a bomba deve ser posicionada tão perto da fonte de água quanto possível. A Tabela 1 mostra elevações de sucção a várias altitudes. TABELA 1 Elevação de Sucção a Várias Altitudes Altitude Elevação de Sucção em Metros Nível do mar 3,0 4,6 6,1 7,6 600m 2,7 4,0 5,4 6,7 1200m 2,4 3,6 4,8 6,0 1800m 2,1 3,2 4,2 5,3 2400m 1,9 2,8 3,8 4,7 3000m 1,7 2,6 3,4 4,3 A altitude afeta desempenho de motores. Uma regra empírica diz que motores a gasolina e a diesel perderão 3% de sua potência para cada 300 metros de elevação. Isto é devido ao ar rarefeito ou à falta de oxigênio no ar a maiores altitudes. A velocidade reduzida do motor diminui o fluxo e o alcance em altura. A Tabela 2 mostra percentual de queda no desempenho à medida que a altitude aumenta. Muitos fabricantes de motores apresentam métodos para superar esta perda oferecendo cabeçotes do motor para altitude, bem como também gicleur de carburador e filtros de ar projetados para uso em altitude. TABELA 2 Perda de Desempenho a Várias Altitudes Altitude Fluxo de Descarga Elevação de Descarga Nível do mar 100% 100% 600m 97% 95% 1200m 95% 91% 1800m 93% 87% 2400m 91% 83% 3000m 88% 78% Temperatura da água e elevação de sucção têm uma relação inversa. Com o aumento da temperatura da água a elevação útil de sucção vai diminuindo, porque água quente conduz mais ar, fazendo a bomba perder capacidade de arraste. Se a água está muito quente, pode ser necessário localizar a bomba abaixo do nível da água. Isto cria uma elevação líquida de sucção direta (NPSH). Sempre seja cauteloso quando bombear água quente, pois ela pode danificar sua bomba. É recomendável contatar o fabricante da bomba para determinar a máxima temperatura de operação. O Teste de Vácuo Cada vez que a bomba é devolvida de um aluguel, é conveniente fazer um teste de vácuo simples para determinar as capacidades de bombeamento e arraste do seu equipamento. Este teste leva apenas alguns segundos, e de nenhuma maneira requer um técnico qualificado. Para executar o teste de vácuo, a carcaça da bomba deve ser enchida com água e uma pequena quantidade de graxa ser aplicada no lado emborrachado do manômetro de vácuo. O porta de descarga deve estar aberta e livre de obstrução. Após dar partida na máquina e levá-la à RPM adequada, simplesmente aplique o conjunto de medição de vácuo na abertura de sucção. Em poucos segundos, um vácuo vai começar a se desenvolver e o medidor deve permanecer em posição durante o teste. Se a medida de vácuo indicar 25", então fica assegurado que a bomba é capaz de elevar água a 7,6 metros (assumindo-se que a mangueira de sucção e Manômetro de Vácuo acessórios estão corretamente colocados). Se este teste é executado a cada vez que uma bomba for enviada em aluguel, você pode eliminar reclamações do cliente sobre incapacidade da bomba operar. Se a bomba foi conferida e puxar 25" de vácuo, então o problema estará em outro lugar e você deve consultar o Guia de Procura de Defeito da Bomba. SELECIONANDO A BOMBA ADEQUADA PARA CONDIÇÕES TÍPICAS Centrífuga Aplicação Padrão de Diafragma para Sólidos em Suspensão Submersível Água Limpa X X Água Lodosa X X X X Água Suja X X X X Água Barrenta X X X Água com Silte X X X Água Abrasiva X X X Água com Alto teor de Sólidos X X Água de Fossa de Infiltração Lenta X X Água de Fossa de Infiltração Rápida X X X Tanque Séptico X X Poços de Inspeção X X X 8

9 Guia de Procura de Defeito da Bomba Se você receber chamadas do campo informando que a bomba não está funcionando corretamente, a lista seguinte pode lhe ajudar a determinar o problema. Se a bomba não fornece água suficiente: O motor pode não estar desenvolvendo a velocidade nominal. Peneira, válvula de admissão ou a linha de sucção podem estar entupidas. Linha de sucção ou acessórios podem estar com vazamento de ar. Selo mecânico pode estar gasto e vazando ar ou água. Verifique o orifício de drenagem. Pode haver muita folga entre impulsor e a voluta devido a desgaste. Para melhor desempenho consulte as recomendações do fabricante para o ajuste adequado. Revestimento interno da mangueira de sucção pode ter-se deteriorado. Este revestimento de borracha dentro das camadas do material pode ter sido arrastado sob o vácuo criado pela bomba. Elevação de sucção pode ser alta demais. Com elevação de 7,6m a bomba fornece cerca de 50% da água que fornece com elevação de 3m. A mangueira de sucção pode ser muito comprida, causando perda excessiva por atrito e reduzindo a capacidade da bomba. Elev. de descarga pode ser alta demais. Verifique perdas por atrito na mangueira ou tubulação. Troca por diâmetro maior pode solucionar. Se a bomba não desenvolve pressão suficiente: Motor pode não estar funcionando com sua velocidade nominal. Selo mecânico pode estar vazando. Confira o orifício de drenagem. Pode haver muita folga entre o impulsor e o corpo da bomba ou a voluta devido a desgaste. Para bom desempenho, consulte as instruções do fabricante para ajuste adequado. Se a bomba não escorva corretamente: Tenha certeza que a carcaça da bomba está cheia d'água. Olhe na linha de sucção ou acessórios. Verifique se todos os acessórios estão apertados e tenha a certeza de que não há nenhum vazamento na própria mangueira. Selo mecânico pode estar gasto e vazando ar. Borracha da válvula de admissão pode estar congelada na sede. Bomba pode estar funcionando muito lentamente. A folga entre o impulsor e o corpo da bomba ou da voluta pode estar muito grande devido a desgaste. Confira a instrução do manual do fabricante para ajuste adequado. Elevação de sucção pode ser muito alta. Ao nível do mar não deve ser usada com elevação além de 7,6m entre o nível da água e o centro do impulsor. Mantenha a bomba tão próxima da fonte de água quanto for seguramente possível. Linha de sucção ou peneira de sucção podem estar entupidas. A água pode estar quente demais para a elevação de sucção utilizada (Quando a temperatura da água ultrapassar 15,5 C, a elevação útil de sucção diminuirá) tornando difícil a operação. Pode ser necessário substituir a água na carcaça da bomba por água fria. Fazendo Sua Bomba Durar A lista de conferência seguinte pode lhe ajudar a manter suas bombas em ótimas condições. Inspecione os seguintes pontos mensalmente: Velocidade de arrastamento Capacidade Ruído na carcaça da bomba Juntas e anéis O-ring Vazamento de ar ou água na vedação do eixo Mangueira, arruelas da mangueira e peneira de sucção Inspecione os seguintes itens do funcionamento do motor: Nível de óleo do cárter Condição da vela de ignição Filtro de ar Ruído incomum no motor RPM adequada Ajuste do carburador A cada seis meses, confira o desgaste do impulsor, e a folga entre a face de impulsor e a voluta. Veja as recomendações do fabricante. Confira a vedação do eixo quanto a desgaste, como também a manga de eixo. Limpe as passagens da carcaça e voluta. Sugestões para Armazenagem de Bombas Escoe completamente a água da carcaça da bomba para prevenir dano por congelamento. Se a drenagem completa não for possível, coloque uma pequena quantidade de anticongelante na carcaça e gire o eixo de bomba para garantir a mistura. Vede as aberturas de sucção e descarga para prevenir a entrada de detritos ou outro material estranho. Se a bomba tem uma vedação lubrificada a óleo, escoe o óleo da cavidade do selo e reencha com Óleo de Motor 30. Para vedações refrigeradas a água, coloque cerca de meio litro de óleo lubrificante (novo ou usado) pela abertura de descarga da bomba e opere a máquina durante algum tempo. Isto irá prevenir corrosão excessiva e também manterá o selo mecânico lubrificado. 9

Bombas de Retirada de Água

Bombas de Retirada de Água Bombas de Retirada de Água Divisão de Equipamentos de Construção Geral da Multiquip Modelos de bombas de refugo, centrífugas e de diafragma Modelos de bombas centrífugas e de diafragma Bomba Centrífugas

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Gas-Lift - Vantagens

Gas-Lift - Vantagens Gas-Lift - Vantagens Método relativamente simples para operar O equipamento necessário é relativamente barato e é flexível Podem ser produzidos baixos ou altos volumes É efetivo sob condições adversas

Leia mais

EQUIPAMENTOS ROTATIVOS

EQUIPAMENTOS ROTATIVOS 1 INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS ROTATIVOS O objetivo da presente apostila é prestar informações mínimas, a nível técnico, sobre os principais equipamentos rotativos utilizados na indústria de petróleo e petroquímica.

Leia mais

COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO

COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO Página 1 de 6 COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO MOTOR WILLYS 6 CILINDROS BF-161 Com uma simples medição da pressão do óleo você pode avaliar o estado geral do seu motor Willys seja ele novo ou usado e evitar

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO. Obrigado por adquirir produtos Toyama.

ÍNDICE INTRODUÇÃO. Obrigado por adquirir produtos Toyama. INTRODUÇÃO ÍNDICE Obrigado por adquirir produtos Toyama. As aplicações das motobombas Toyama são diversas: Agricultura, indústrias, minas, empresas, construções, comunicação, cabeamento subterrâneo, manutenção

Leia mais

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

Springer - Carrier. Índice

Springer - Carrier. Índice Índice Página 1 - Diagnóstico de Defeitos em um Sistema de Refrigeração... 8 1.1 - Falha: Compressor faz ruído, tenta partir, porém não parte... 8 1.2 - Falha: Compressor funciona, porém não comprime...

Leia mais

DEFEITOS EM BOMBAS CENTRIFUGA E SOLUÇÕES

DEFEITOS EM BOMBAS CENTRIFUGA E SOLUÇÕES DEFEITOS EM BOMBAS CENTRIFUGA E SOLUÇÕES simples multiestágio BOMBEAMENTO INSUFICIENTE E NULO VAZÃO OU PRESSÃO NULAS OU INSUFICIENTE VÁLVULA PRESA OU ENTUPIDA ROTOR FURADO, ENTUPIDO OU COM DESGASTE EXECESSIVO

Leia mais

A NOSSA GAMA DE MOTO-BOMBAS TIPOS DE MOTO-BOMBAS ALTURA DE ELEVAÇÃO

A NOSSA GAMA DE MOTO-BOMBAS TIPOS DE MOTO-BOMBAS ALTURA DE ELEVAÇÃO Moto-Bombas 12 A NOSSA GAMA DE Das moto-bombas portáteis mais pequenas às grandes moto-bombas para resíduos, a Honda tem uma gama concebida para os mais diversos usos. Perfeitas para quem pretende um funcionamento

Leia mais

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS Manual do Operador COMPONENTES e ACESSÓRIOS Tampa do tanque de produtos químicos Bocal Lança Tanque de produtos químicos Vela de ignição Acionador de

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES.

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. ÍNDICE 1. Aplicações...3 2. Instalações hidráulicas...4

Leia mais

Manual de Operação. Lixadeira pneumática de alta velocidade 5"- TESM5P

Manual de Operação. Lixadeira pneumática de alta velocidade 5- TESM5P Manual de Operação Lixadeira pneumática de alta velocidade 5"- TESM5P . DADOS TÉCNICOS LIXADEIRA ORBITAL Modelo: Velocidade sem carga: Pressão de ar: Entrada de ar: Disco de lixa: Consumo de ar: TESM5P

Leia mais

MANUAL DE SERVIÇO TÉCNICO

MANUAL DE SERVIÇO TÉCNICO MANUAL DE SERVIÇO TÉCNICO BOMBAS PARA USO GERAL SÉRIES 32 E 432 TAMANHOS C - F - FH SEÇÃO TSM 310.1 PÁGINA 1 DE 7 ASSUNTO D CONTEÚDO Introdução........................ 1 Informações especiais.................

Leia mais

MASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35

MASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35 ANUAL DE INSTALAÇÃO DA BOBA ASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35 SUÁRIO 1. AVISOS GERAIS DE SEGURANÇA 3 2. PERIGOS NO ABUSO DO EQUIPAENTO 3 3. LIITES DE TEPERATURAS 4 4. FUNCIONAENTO DA BOBA CO SELAGE

Leia mais

Bomba injetora: todo cuidado é pouco

Bomba injetora: todo cuidado é pouco Bomba injetora: todo cuidado é pouco Bomba injetora: todo cuidado é pouco Veja como identificar os problemas da bomba injetora e retirá-la corretamente em casos de manutenção Carolina Vilanova A bomba

Leia mais

CSR/Instruções de inspeção para técnicos

CSR/Instruções de inspeção para técnicos INSTRUÇÕES DE INSPEÇÃO Escavadeiras CSR/Instruções de inspeção para técnicos Esta instrução é um recurso técnico informal. Para obter especificações e procedimentos corretos, refira-se sempre às instruções

Leia mais

Acumuladores hidráulicos

Acumuladores hidráulicos Tipos de acumuladores Compressão isotérmica e adiabática Aplicações de acumuladores no circuito Volume útil Pré-carga em acumuladores Instalação Segurança Manutenção Acumuladores Hidráulicos de sistemas

Leia mais

PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA

PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA Manual do usuário, funcionamento e garantia 03 IMPORTANTE -Antes de instalar o pressurizador leia atentamente todos os itens deste manual

Leia mais

Informação do Produto Filtros da Linha RCS

Informação do Produto Filtros da Linha RCS Rev-00 Plug: ½ NPT Os filtros da Linha RCS são projetados para separação de água e sólidos de hidrocarbonetos em aplicação no abastecimento industrial, aeronaves e postos de gasolina. Objetivamente, os

Leia mais

MANUAL DE FUNCIONAMENTO FILTROS INDUSTRIAIS. G:Manuais/Manuais atualizados/ta

MANUAL DE FUNCIONAMENTO FILTROS INDUSTRIAIS. G:Manuais/Manuais atualizados/ta MANUAL DE FUNCIONAMENTO FILTROS INDUSTRIAIS TA G:Manuais/Manuais atualizados/ta Rev.01 ESQUEMA HIDRÁULICO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações teóricas e de

Leia mais

Manual do Usuário. Produto LUBE-SEAL. Versão: LUBE-SEAL Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos

Manual do Usuário. Produto LUBE-SEAL. Versão: LUBE-SEAL Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos Manual do Usuário Produto Versão: Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. TERMOS E CONVENÇÕES 4 2. INFORMAÇÕES GERAIS 5 2.1. Dados do

Leia mais

Telefax: (11) 4524-1949 / (11) 4538-1650

Telefax: (11) 4524-1949 / (11) 4538-1650 Pág.: 1 CÓDIGO: IM 02 REVISÃO: 01 DATA DA ÚLTIMA REVISÃO:Janeiro/1999 DESCRIÇÃO: MANUAL DE BOMBAS DE DUPLO DIAFRAGMA ELABORADO POR: Eng. Marcos Tancini Mingrone APROVADO POR: mesmo 1. OPERAÇÃO DE BOMBAS

Leia mais

Seção 4 Sistemas de combustível e carburação

Seção 4 Sistemas de combustível e carburação Seção 4 Sistemas de combustível e carburação Página CARBURAÇÃO... 79 Identificação do carburador... 79 Remoção do carburador... 79 Manutenção do carburador... 81 Carburador Aisan - Modelos 290700, 303700,

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

Lava-Jato de Alta Pressão

Lava-Jato de Alta Pressão Lava-Jato de Alta Pressão Manual de operação LT 18/20M LT 8.7/19M LT 8.7/18M LT 8.7/16M Aviso: Este manual deve ser lido antes de manusear o equipamento. Este manual é considerado uma parte importante

Leia mais

Bomba Circuladora SLX-PMP/6A. Manual do Usuário

Bomba Circuladora SLX-PMP/6A. Manual do Usuário Bomba Circuladora SLX-PMP/6A Manual do Usuário Manual do Usuário SOLX - Bomba Circuladora - SLX-PMP/6A Reservados os direitos de alteração sem prévio aviso. Versão 1 - outubro/2013 Permitida a reprodução

Leia mais

Manual de instalação, operação e manutenção. Bomba centrífuga CS

Manual de instalação, operação e manutenção. Bomba centrífuga CS Manual de instalação, operação e manutenção Bomba centrífuga CS .Segurança. Informação Importante.2 Sinais de Aviso Este manual salienta os procedimentos incorretos e outras informações importantes. Os

Leia mais

6 Manutenção de Tratores Agrícolas

6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6.1 Introdução Desenvolvimento tecnológico do país Modernização da agricultura Abertura de novas fronteiras agrícolas Aumento no uso de MIA Aumento da produtividade Maiores

Leia mais

27 Sistemas de vedação II

27 Sistemas de vedação II A U A UL LA Sistemas de vedação II Ao examinar uma válvula de retenção, um mecânico de manutenção percebeu que ela apresentava vazamento. Qual a causa desse vazamento? Ao verificar um selo mecânico de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS!

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS! MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO Página 1- Indicações de uso AVISOS! *Não é permitido para pessoas que não entenderam o manual de instruções, dirigirem a mini-moto. *Deve ser utilizado a mistura de gasolina

Leia mais

APOSTILA DE MANUTENÇÃO - Compactador RAM 70 (Honda) -

APOSTILA DE MANUTENÇÃO - Compactador RAM 70 (Honda) - APOSTILA DE MANUTENÇÃO 1- OBJETIVO. Apresentar os passos necessários para a manutenção do compactador RAM70 com motor Honda GX120. 2- PASSOS DE DESMONTAGEM / MONTAGEM. Retirar filtro de ar. Retirar mangueira

Leia mais

FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE

FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações teóricas e de instalação, operação e manutenção dos filtros

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO Série 9300 BOMBA SUBMERSÍVEL ALIMENTAÇÃO EM CORRENTE CONTÍNUA MANUAL DO PROPRIETÁRIO Observação: ANTES DE CONECTAR OU OPERAR ESTE PRODUTO, FAVOR LER COMPLETAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES 911-415 REV. C 9/93 CONTEÚDO

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades.

Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades. CAPÍTULO 3 MÉTODOS DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO. Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades. BOMBEIO

Leia mais

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 Conheça o funcionamento, diagnóstico e reparo do ajustador de freio automático, um componente primordial para segurança, aplicado em veículos pesados. Que a

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS AL. DOS ANAPURUS, 1939 MOEMA - SÃO PAULO BRASIL

MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS AL. DOS ANAPURUS, 1939 MOEMA - SÃO PAULO BRASIL MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS AL. DOS ANAPURUS, 1939 MOEMA - SÃO PAULO BRASIL TEL/FAX (11) 5535-7200 / 5531-5945 / 5531-8784 / 5535-0038 Visite nosso site: http://www.wcv.com.br e-mail:

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CATRACA PNEUMÁTICA ¼ : TCP1/4P

MANUAL DE INSTRUÇÕES CATRACA PNEUMÁTICA ¼ : TCP1/4P MANUAL DE INSTRUÇÕES CATRACA PNEUMÁTICA ¼ : TCP1/4P www.tanderequipamentos.com.br assistencia@tanderequipamentos.com.br Conteúdo DESCRIÇÃO... 3 SEGURANÇA GERAL... 3 DICAS DE MANUTENÇÃO... 3 OPERAÇÕES...

Leia mais

Tecnologia do Vácuo 1. INTRODUÇÃO

Tecnologia do Vácuo 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A automação dos processos industriais de produção vem crescendo dia após dia e, com ela, a necessidade do emprego de novas tecnologias cujo objetivo, na maior parte das vezes, busca substituir

Leia mais

Operação e Regras de segurança...01. Manutenção Geral...02. Lubrificação de motores...03. Limpeza...04. Armazenamento...05. Identificando falhas...

Operação e Regras de segurança...01. Manutenção Geral...02. Lubrificação de motores...03. Limpeza...04. Armazenamento...05. Identificando falhas... Índice Operação e Regras de segurança...01 Manutenção Geral...02 Lubrificação de motores...03 Limpeza...04 Armazenamento...05 Identificando falhas...06 Certificado de Garantia...07 Operando seu gerador

Leia mais

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Ciclos de operação Motores alternativos: O pistão move-se pra frente e pra trás no interior de um cilindro transmitindo força para girar um eixo (o virabrequim) por meio de um sistema de biela e manivela.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MACACO PORTATIL HIDRAULICO COM MALETA- 2TON TMHP2T

MANUAL DE INSTRUÇÕES MACACO PORTATIL HIDRAULICO COM MALETA- 2TON TMHP2T MANUAL DE INSTRUÇÕES MACACO PORTATIL HIDRAULICO COM MALETA- 2TON TMHP2T www.tanderequipamentos.com.br assistencia@tanderequipamentos.com.br Conteúdo I. INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO... 3 III. INSTRUÇÕES DE USO...

Leia mais

Ferramentas Pneumáticas

Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Para se tomar a decisão com relação ao uso de ferramentas pneumáticas é necessário saber as diferenças principais entre elas e outros tipos de ferramentas

Leia mais

PRESSURIZADOR PL - 9 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA. ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com.

PRESSURIZADOR PL - 9 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA. ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com. PRESSURIZADOR ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com.br Lorenzetti S.A. Indústrias Brasileiras Eletrometalúrgicas Av. Presidente Wilson, 1230 - CEP 03107-901 Mooca - São Paulo - SP

Leia mais

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos.

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos. Dúvidas Filtros e Bombas A Piscina dos seus Sonhos. - Filtros Água vazando para o esgoto. Nas opções filtrar e recircular, observo através do visor de retrolavagem que a água continua indo para o esgoto

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI CÓD: MAN001-10 REVISÃO: 00 27/09/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 1. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO...6 2. IDENTIFICAÇÃO DO EQUIPAMENTO...6

Leia mais

PF-17/PF-17C/PF-22. Manual de Utilização e Instalação. www.dancor.com.br. Atendimento ao Consumidor Tel.: 0800 021 9290. www.dancor.com.

PF-17/PF-17C/PF-22. Manual de Utilização e Instalação. www.dancor.com.br. Atendimento ao Consumidor Tel.: 0800 021 9290. www.dancor.com. www.dancor.com.br Bombas AUTO-ESCORVANTES COM PRÉ-FILTRO PARA PISCINAS PF-17/PF-17C/PF-22 Manual de Utilização e Instalação - Consumidores - Representantes - Revendedores Atendimento ao Consumidor Tel.:

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES ASPIRADOR DE PÓ 800 W COM CABO TELESCÓPICO Equipamento somente para uso doméstico. Obrigado por escolher um produto com a marca Tramontina. Por favor, leia o Manual de Instruções por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 4 - ESTAÇÕES DE RECALQUE: BOMBAS 4.1 Introdução No estudo das máquinas

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

Manual Do Usuário BVM - 8000. Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda

Manual Do Usuário BVM - 8000. Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº Manual Do Usuário A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer MANUAL DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA Finalidade deste Manual Este manual proporciona as informações necessárias para uma correta manutenção dos filtros Metalsinter, contendo também importantes informações

Leia mais

BOMBA DE VÁCUO MANUAL DE OPERAÇÃO MODELOS. VP-50D (1,8cfm) VP-140D ( 5cfm) VP-200D (7cfm) VP-340D (12cfm) I COMPONENTES

BOMBA DE VÁCUO MANUAL DE OPERAÇÃO MODELOS. VP-50D (1,8cfm) VP-140D ( 5cfm) VP-200D (7cfm) VP-340D (12cfm) I COMPONENTES BOMBA DE VÁCUO MANUAL DE OPERAÇÃO MODELOS VP-50D (1,8cfm) VP-140D ( 5cfm) VP-200D (7cfm) VP-340D (12cfm) I COMPONENTES II -MANUAL DE OPERAÇÃO 1 Leia atentamente antes de utilizar a bomba de Vácuo Todos

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE 1-8 1 INTRODUÇÃO Neste manual de operação, você encontrará todas as informações necessárias sobre o equipamento para usá-lo corretamente. Ao adquirir um dos modelos

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO DO SolarPRO XF

MANUAL DO PROPRIETÁRIO DO SolarPRO XF MANUAL DO PROPRIETÁRIO DO SolarPRO XF MODELO SB 001 NORMAS DE SEGURANÇA IMPORTANTES Leia todas as instruções ANTES de montar e utilizar este produto. GUARDE ESTE MANUAL Seu Aquecedor de Piscina foi projetado

Leia mais

BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA

BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA (com fluxostato interno) MODELOS: BOMBA COM CORPO DE FERRO (revestimento cerâmico) RPHSBFP 11 (127V 120W) RPHSBFP 12 (220V 120W) MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO INFORMAÇÕES

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO GERADORES A DIESEL VULCAN VG-3600D / VG-6000D

MANUAL DO USUÁRIO GERADORES A DIESEL VULCAN VG-3600D / VG-6000D MANUAL DO USUÁRIO GERADORES A DIESEL VULCAN VG-3600D / VG-6000D ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. Parabéns pela escolha. Este manual explica como operar e manter

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A DIESEL VULCAN VMB-20D / VMB-20HD / VMB-30D / VMB-40D / VMBE-40D ATENÇÃO

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A DIESEL VULCAN VMB-20D / VMB-20HD / VMB-30D / VMB-40D / VMBE-40D ATENÇÃO MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A DIESEL VULCAN VMB-20D / VMB-20HD / VMB-30D / VMB-40D / VMBE-40D ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. Obrigado por adquirir uma motobomba

Leia mais

Galoneira Industrial série ZJ-W562

Galoneira Industrial série ZJ-W562 Galoneira Industrial série ZJ-W562 Instruções de Segurança IMPORTANTE Antes de utilizar sua máquina, leia atentamente todas as instruções desse manual. Ao utilizar a máquina, todos os procedimentos de

Leia mais

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação.

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR INTRODUÇÃO O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. Se o Grupo Gerador for instalado dentro dos parâmetros recomendados e se

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

ÍNDICE. Descrição das Moto Bombas...2. Condições de operação...3. Instalação Elétrica e Hidráulica...4. Problemas e medidas a serem tomadas...

ÍNDICE. Descrição das Moto Bombas...2. Condições de operação...3. Instalação Elétrica e Hidráulica...4. Problemas e medidas a serem tomadas... ÍNDICE Descrição das Moto Bombas...2 Condições de operação...3 Instalação Elétrica e Hidráulica...4 Problemas e medidas a serem tomadas...7 Garantia...8 ATENÇÃO Por favor, leia estas instruções cuidadosamente

Leia mais

Manual do Usuário. Climatizador de Ar

Manual do Usuário. Climatizador de Ar Climatizador de Ar SUMÁRIO TERMO DE GARANTIA...03 PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA...04 INFORMAÇÕES IMPORTANTES...05 VISTA GERAL DO APARELHO...06 PAINEL DE CONTROLE KC05LFM...07 RETIRADA E LIMPEZA DO FILTRO...08

Leia mais

Manual de instruções

Manual de instruções Manual de instruções Compressores: TC24L-1 TC24L-2 Sumário 1.Introdução... 3 2.Instalação e preparação. Verifique:... 3 3.Liga/desliga... 3 4.Precauções... 4 5.Ajuste do interruptor de pressão.... 4 7.Guia

Leia mais

Torres de Iluminação "Night Hawk" Multiquip

Torres de Iluminação Night Hawk Multiquip Torres de Iluminação Night Hawk Multiquip A série de torres de iluminação Night Hawk LT-12 Multiquip foi criada para fornecer iluminação confiável para um amplo campo de aplicações. Se você necessita de

Leia mais

X20 30 36 AC GEARLESS

X20 30 36 AC GEARLESS 3141 pt - 02.1999 / a Este manual deve ser entregue ao usuário final X20 30 36 AC GEARLESS Manual de instalação e manutenção Com o objetivo de obter o máximo de desempenho de sua nova máquina GEARLESS,

Leia mais

ArtLav Manual de Instruções V.P.1.0. Índice. Recebimento da Máquina... 04. Introdução... Apresentação da Máquina AL450E...

ArtLav Manual de Instruções V.P.1.0. Índice. Recebimento da Máquina... 04. Introdução... Apresentação da Máquina AL450E... Índice Recebimento da Máquina... 04 Introdução... Apresentação da Máquina AL450E... Numeração das Peças e Nomenclatura... Tabela de Descrição Técnica... Normas Gerais de Segurança... 04 05 06 07 08 Produtos

Leia mais

DRENO ECOLÓGICO. Dreno Ecológico de Condensado

DRENO ECOLÓGICO. Dreno Ecológico de Condensado DRENO ECOLÓGICO Dreno Ecológico de Condensado O problema O ar comprimido é uma fonte de energia essencial, amplamente utilizada em toda a indústria. Por ser uma ferramenta que oferece segurança, potência

Leia mais

TORVEL EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS LTDA. PENSE EM SEGURANÇA

TORVEL EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS LTDA. PENSE EM SEGURANÇA TORVEL EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS LTDA. PENSE EM SEGURANÇA Manual Sobre Segurança e Utilização de equipamentos Hidráulicos de Alta Pressão. Página 1 de 24 DE TORVEL PARA VOCÊ... EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Especificações Técnicas & Dados de Performance

Especificações Técnicas & Dados de Performance Bomba 6 HP Especificações Técnicas & Dados de Performance Solução em Alta Pressão! Rev. B /1-2005 1 2 3 4 5 1 - Tampa do Ar Motor Superior 2 - Pistão Pneumático 3 - Camisa do Ar Motor 4 - Tampa do Ar Motor

Leia mais

Manual de Operação e Manutenção

Manual de Operação e Manutenção CORTADORA DE PISO WCP20 Manual de Operação e Manutenção - WCP 20 GASOLINA DIESEL ELÉTRICO TRIFÁSICO ELÉTRICO MONOFÁSICO 3 UTILIZAÇÃO - As cortadoras de piso WCP20,são utilizadas para fazer corte em asfalto

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Treinamento Antenor Vicente VEDAÇÃO PROCESSO USADO PARA IMPEDIR A PASSAGEM, DE MANEIRA ESTÁTICA OU DINÂMICA DE LÍQUIDOS, GASES E SÓLIDOS DE UM MEIO PARA OUTRO JUNTAS JUNTA É TODO MATERIAL

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 10 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

Sistemas de Pasta Fluida DuPont

Sistemas de Pasta Fluida DuPont Sistemas de Pasta Fluida DuPont Abstrato Serviços de pasta fluida DuPont são listados e as considerações do projeto para o sistema de pasta fluida são discutidos. Novembro de 1998 Copyright 00 E.I. du

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Tipos (continuação) Contato plano-frontal para junções móveis. Contato plano-frontal para junções móveis. Contato plano-frontal para junções móveis. Frontais: é composto

Leia mais

HPP06 UNIDADE HIDRÁULICA

HPP06 UNIDADE HIDRÁULICA HPP06 UNIDADE HIDRÁULICA A partir do nº de Série 5688 ANTES Antes DE UTILIZAR Agradecemos a sua preferência pela unidade HYCON. Por favor note que a unidade foi vendida sem óleo hidráulico, o qual deverá

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSA 8.1/25 - WTA 8.1/25-1 ESTÁGIO - 116 psig CSA 8.5/25-1 ESTÁGIO - 120 psig

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSA 8.1/25 - WTA 8.1/25-1 ESTÁGIO - 116 psig CSA 8.5/25-1 ESTÁGIO - 120 psig CT MSA./2 WTA./2 CSA./2 CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR MSA./2 WTA./2 ESTÁGIO psig CSA./2 ESTÁGIO psig TÉRMINO DE COMERCIALIZAÇÃO ABRIL/ (PRODUTO 0% IMPORTADO) MSA./2 TÉRMINO DE FABRICAÇÃO NOVEMBRO/ WAYNE

Leia mais

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO Há não muito tempo atrás, antes que os computadores fossem introduzidos

Leia mais

Bomba Centrífuga Vertical Multiestágio Grundfos CR

Bomba Centrífuga Vertical Multiestágio Grundfos CR Bomba Centrífuga Vertical Multiestágio Grundfos CR Motor Grundfos A Grundfos desenvolve motores para garantir o desempenho máximo. Todos os motores Grundfos são EFF1 (alto rendimento) e extremamente silenciosos.

Leia mais

Como cuidar do seu compressor portátil

Como cuidar do seu compressor portátil Como cuidar do seu compressor portátil Insert picture here and delete this rectangle Marketing APE - 2012 Instruções de Operação e Manutenção Compressores Portáteis, produzidos pela Atlas Copco Como cuidar

Leia mais

Manual de Instruções e Lista de Peças. Máquina de Costura Industrial Galoneira BC 500-01 CB

Manual de Instruções e Lista de Peças. Máquina de Costura Industrial Galoneira BC 500-01 CB Manual de Instruções e Lista de Peças Máquina de Costura Industrial Galoneira BC 500-01 CB ÍNDICE DETALHES TÉCNICOS, INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA... 01 MONTAGEM MOTOR E ROTAÇÃO DA MÁQUINA... 02 LUBRIFICAÇÃO...

Leia mais

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 *Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 Modelo Tensão nominal Frequência Corrente nominal Tensão

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS BHI. Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9000:2008.

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS BHI. Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9000:2008. MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS BHI Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9000:2008. Sr. Proprietário Parabéns! Você acaba de adquirir um equipamento de construção simples, projetado e

Leia mais

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo)

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo) Manual Técnico A3405.0P Bombas Submersas 1. Aplicação É recomendada para o abastecimento de água limpa ou levemente contaminada, abastecimento de água em geral, irrigação e sistemas de aspersão pressurizados

Leia mais

MOTORES ESTACIONÁRIOS GX MEGA 160/200/390

MOTORES ESTACIONÁRIOS GX MEGA 160/200/390 MOTORES ESTACIONÁRIOS GX MEGA 160/200/390 MANUAL DO PROPRIETÁRIO INTRODUÇÃO GX MEGA 160/200/390 MANUAL DO PROPRIETÁRIO Estes motores foram projetados para barcos. 1 Aproveitamos a oportunidade para agradecê-lo

Leia mais

Filtro fino Vortex da WISY (WFF 300) Para coletar a água de chuva em edifícios industriais e comerciais

Filtro fino Vortex da WISY (WFF 300) Para coletar a água de chuva em edifícios industriais e comerciais Filtro fino Vortex da WISY (WFF 300) Para coletar a água de chuva em edifícios industriais e comerciais Instruções para a instalação e o uso O filtro fino do Vortex da WISY (WFF), é projetado para a instalação

Leia mais

Introdução... 1. Aplicação / Características... 2. Material / Acabamento... 3. Instalação / Cavitação / NPSH... 4. Manutenção / Limpeza...

Introdução... 1. Aplicação / Características... 2. Material / Acabamento... 3. Instalação / Cavitação / NPSH... 4. Manutenção / Limpeza... Índice Introdução... 1 Aplicação / Características... 2 Material / Acabamento... 3 Instalação / Cavitação / NPSH... 4 Manutenção / Limpeza... Tipos de Selos Mecânicos... 6 Composição dos Selos Mecânicos...

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/50 - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 120 psig

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/50 - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 120 psig SCHULZ: INÍCIO DE FABRICAÇÃO - ABRIL/005 CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/ - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 10 psig CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ISENTO DE ÓLEO L C DESLOCAMENTO TEÓRICO pés /min PRESSÃO MÁX.

Leia mais

bombas dosadoras a motor Por acionamento hidráulico

bombas dosadoras a motor Por acionamento hidráulico Dosadoras a Motor bombas dosadoras a motor Por acionamento hidráulico Serie 600 Serie 500 Há opção de duplo diafragma cabeçotes duplex e válvulas EZE- Serie 700 CLEAN TM consulte-nos! Detalhamento de sistema

Leia mais

BAIXA MANUTENÇÃO, EXCEPCIONAL RENDIMENTO

BAIXA MANUTENÇÃO, EXCEPCIONAL RENDIMENTO BAIXA MANUTENÇÃO, EXCEPCIONAL RENDIMENTO O projeto fundamental das bombas Iwaki Air manteve-se constante através dos anos. Este legado de qualidade significa que as bombas tem uma longa vida útil e não

Leia mais

Manual de instruções. Máquina de desmontar e montar pneus MDE-600

Manual de instruções. Máquina de desmontar e montar pneus MDE-600 Manual de instruções Máquina de desmontar e montar pneus MDE-600 Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo

Leia mais