Alternativas Tecnológicas para Mitigação de Afundamento e Interrupção Momentâneas de Tensão em Cargas Sensíveis do Sistema Elétrico de Potência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alternativas Tecnológicas para Mitigação de Afundamento e Interrupção Momentâneas de Tensão em Cargas Sensíveis do Sistema Elétrico de Potência"

Transcrição

1 Alternativas Tecnológicas para Mitigação de Afundamento e Interrupção Momentâneas de Tensão em Cargas Sensíveis do Sistema Elétrico de Potência João Luis Reis e Silva otorantim Metais Zinco S.A UGB-Engenharia de Manutenção & Utilidades Três Marias/MG-Brasil Luiz Carlos de Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Gerencia de Construções de LT e SE Belo Horizonte/MG-Brasil Resumo Distúrbios na rede elétrica causados principalmente por afundamentos e interrupções momentâneas de tensão representam a grande maioria dos problemas de qualidade de energia enfrentados por típicos consumidores industriais, que utilizam cada vez mais equipamentos sofisticados em seus processos de controle. Interrupções nos processos industriais causados por esses distúrbios podem gerar um alto prejuízo para esses consumidores. Muitos desses problemas podem ser mitigados com a adoção de tecnologias que melhoram a robustez dos equipamentos frente aos distúrbios elétricos. Esse trabalho apresenta algumas dessas alternativas tecnológicas destinadas à mitigação desses distúrbios em cargas sensíveis do sistema elétrico de potência. investimentos no setor elétrico, o que direciona a solução para a forma da mitigação destes afundamentos nas principais cargas utilizando tecnologias apropriadas que serão abordadas na seqüência de desenvolvimento deste trabalho. Palavras-chave: Afundamento de tensão, interrupção momentânea de tensão, distúrbios elétricos, mitigação, ridethrough, corretor dinâmico de tensão (DySC), qualidade de energia. I. INTRODUÇÃO Perdas de produção nas indústrias ocasionadas por problemas de qualidade da energia possuem um impacto significativo na economia comercial, representando prejuízos anuais em torno de bilhões de dólares somente nos Estados Unidos. Os eventos típicos de qualidade da energia responsáveis por estes prejuízos residem basicamente em eventos que acontecem em períodos de tempos da ordem de 6 a 10 ciclos e queda de tensão na ordem de 50% da tensão nominal. Tais eventos na sua maioria são classificados como afundamentos de tensão e interrupção momentânea de tensão. A figura 1 ilustra um quadro onde é possível representar a susceptibilidade de diversas cargas de um sistema elétrico frente aos afundamentos de tensão. O afundamento de tensão pode ser melhor compreendido observando o histograma tridimensional da figura 2 que caracteriza os principais tipos de afundamentos de tensão durante uma amostragem anual de eventos. Na grande maioria das vezes o trabalho para eliminar as ocorrências dos afundamentos de tensão requer grandes Figure 1. Susceptibilidade de diversas cargas de um sistema elétrico frente aos afundamentos de tensão. Figure 2. Histograma tridimensional para as características de afundamento de tensão. 1

2 II. TECNOLOGIAS PARA MITIGAÇÃO DE AFUNDAMENTOS DE TENSÃO A. Causas do afundamento de tensão Problemas de natureza física na rede de distribuição tornam inevitável a ocorrência de afundamentos e interrupções de tensão, apesar dos esforços adotados pelas concessionárias de energia elétrica. Condições do tempo, galhos de árvores ou contato de animais, e falhas na isolação ou atividade humana, podem criar faltas fase-terra ou fase-fase e mais raramente faltas trifásicas. Um relativamente pequeno número de consumidores próximo da falta irá perceber um afundamento severo de tensão seguido de uma interrupção quando ocorre a operação do religador da concessionária. Entretanto a grande maioria dos consumidores conectados em outros alimentadores irá perceber um afundamento de tensão com a amplitude determinada pela distância do consumidor ao ponto de falta. A duração do afundamento será determinada pelos tempos de operação da proteção e dos dispositivos de manobra tais como: disjuntores, religadores, chaves fusíveis. Esses consumidores estarão isolados pela presença de vários transformadores entre a falta e os consumidores. A presença dos transformadores, com suas respectivas impedâncias, é que irão diminuir a profundidade do afundamento visto pela maioria dos consumidores. B. Sensibilidade de cargas industriais frente aos afundamentos de tensão Fonte de alimentação chaveada, relés de controle industrial (PLC s), contatores, solenóides, acionamentos a velocidade variável (ASD s), retificadores, computadores entre outros, são exemplo de cargas sensíveis às variações de tensão de curta duração. A indústria de semicondutores através do padrão SEMI F47 e o ITIC ( Information Technology Industry Council) reconheceram a vulnerabilidade frente à afundamentos de tensão, e os custos relacionados ao usuário final. Diante disso esses órgãos têm publicado curvas de magnitude e duração para a tensão de alimentação que os equipamentos deveriam seguir. O IEEE recentemente desenvolveu uma ferramenta que ajuda usuários de equipamento, a avaliar o custo financeiro do afundamento de tensão. III. TECNOLOGIAS PARA MITIGAÇÃO DE AFUNDAMENTOS DE TENSÃO Este capítulo tem como principal objetivo apresentar diversas tecnologias de mitigação dos efeitos de afundamento e interrupção momentânea de tensão em cargas sensíveis de um sistema elétrico padrão. Para cada tecnologia apresentada são expostas as vantagens e desvantagens da utilização frente às limitações e particularidades da carga presente no sistema elétrico em estudo. A. UPS Uninterruptible Power Supply Os sistemas de armazenamento de energia a base de baterias proporcionam uma solução ride-through através da operação de comutação entre a fonte de tensão principal e a fonte de tensão fornecida pela bateria. Na detecção de um distúrbio elétrico, um circuito isola a carga alimentando-a com a energia armazenada pela bateria. A figura 3 mostra a configuração típica de um UPS on-line. Nesse projeto a carga é continuamente alimentada através da UPS. Figure 3. UPS - diagrama funcional A tensão alternada da rede é retificada e na forma continua carrega o banco de baterias. A energia armazenada nas baterias na forma DC é transforma em alternada através do inversor que então alimenta a carga. Na ocorrência de um distúrbio na alimentação alternada da UPS, o inversor alimenta a carga continuamente através do banco de baterias. Além de prover ride-through para interrupções na rede elétrica, a UPS consegue uma alta isolação para as cargas críticas de todos os tipos de distúrbios presentes na rede elétrica. A especificação de uma UPS deve conter além da sua capacidade em ka, a regulação estática e dinâmica de tensão, o nível de distorção harmônica (THD) na corrente de entrada e na tensão de saída, o nível de proteção contra surtos e a atenuação de ruído. Também deve estar presente a autonomia do banco de baterias frente a uma interrupção na tensão de alimentação. Um dos mais baixos custos de armazenamento de energia; Sistema de fácil aquisição e instalação; Proporciona uma solução ride-through para os afundamentos de tensão de grande amplitude e duração. ida útil entre 2 a 5 anos com uma forte necessidade de monitoramento e exigências de manutenção; Menor confiabilidade de operação comparada com os principais dispositivos do sistema elétrico. 2

3 B. Banco de Capacitores O banco de capacitor adicional representa uma tecnologia de mitigação de afundamento de tensão na medida em que ele é inserido em um barramento DC de um típico ASD (Adjustable-speed driver). A função deste banco de capacitor é suprir energia adicional para o motor durante um evento de afundamento de tensão, mantendo a tensão dentro de limites aceitáveis. O cálculo do banco de capacitor adicional (C) é obtido em função da potência do motor/carga (Po), do tempo do afundamento de tensão (tr) e das tensões nominal () e mínima do barramento (-trip). As formulações a seguir ilustram o cálculo: t r I Po 746 = C I (, trip ) (1) (2) Custo de implementação relativamente elevado; Necessidade de painel com grande espaço para os capacitores. Adicional circuitos de pré-carga e de segurança operacional. C. Contatores de Corrente Contínua Uma solução bastante simples para mitigação de afundamentos de tensão reside na substituição de contatores de corrente alternada por contatores de corrente contínua. Nos contatores de corrente contínua o fluxo magnético é constante devido a corrente que percorre a bobina. Esta propriedade possibilita um acúmulo maior de energia nas bobinas durante um afundamento de tensão. A substituição de contatores ac por em motores elétricos possibilita uma solução ride-through para afundamentos de tensão menores que 80% da tensão nominal. O conceito de corrente em bobinas magnéticas também pode ser estendido para relés de controle. onde: C = I t LL r trip = 1,35 LL (3) (4) : tensão de linha Para implementar a solução com contatores e relés, uma fonte retificadora deverá ser utilizada para a conversão ac-, assim como um pequeno banco de capacitores também poderá ser empregado em paralelo com a bobina para aumentar a energia e conseqüentemente prolongar o tempo de ridethrough. As vantagens no uso de contatores e relés residem no preço e na facilidade de implementação desta solução. A grande desvantagem deve-se ao fato de que nos cotatores o arco elétrico durante a abertura da bobina é mais intenso, causando maior desgaste nos contatos. D. SMES Superconducting Magnetic Energy Storage System Figure 4. Foto ilustrativa de um banco de capacitor Solução simples e robusta garantindo um ridethrough para pequenos distúrbios; O dispositivo SMES pode ser utilizado para mitigar afundamentos de tensão bem como interrupções momentâneas. A energia disponível em um sistema SMES é proveniente da energia elétrica armazenada na corrente fluindo em uma bobina supercondutora. Desde que a bobina não apresente perdas, a energia pode ser liberada quase instantaneamente. Através de um banco de inversor e regulador, essa energia é entregue ao sistema a ser protegido em menos de um ciclo para compensar a tensão faltosa durante o sag. O ciclo de recarga é tipicamente menor que 90 s. A figura 4 mostra um sistema SMES típico. Ele consiste de uma bobina supercondutora, regulador de tensão, banco de capacitores, conversor -, contatores, modulo de inversão, sensores e dispositivos de controle e um transformador de injeção serie. A bobina supercondutora é formada de Niobium Titanium (NbTi) e um sistema de refrigeração que mantem a temperatura em aproximadamente 3

4 4.2 kelvin (k). O material magnético pode armazenar uma energia da ordem de 3 megajoules (3MJ). O subsistema inversor consiste de 6 pontes monofásicas. Um típico sistema SMES pode proteger cargas até 8 MA com tensões tão baixa quanto 0,25 pu. Sistema confiável; Requer pouca manutenção; Um sistema SMES pode conviver com operações de cargas e descargas rápidas sem comprometer sua performance e vida útil. compostos à base de fibras de vidro e carbono tem permitido a confecção de volantes de inércia de grandes dimensões, capazes de operar a velocidades de rpm (com velocidade tangencial de 1 km/s) tornando a densidade de energia competitiva com outros dispositivos de armazenamento, tais como baterias químicas, supercapacitores e SMES. O sistema com um DR (compensador dinâmico para afundamento de tensão) utilizando um armazenador de enrgia do tipo flyweel pode ser visto na figura 5. Os componentes principais odem ser identificados: conversor de acoplamento com a rede elétrica; elo CC; conversor de acionamento da MR; máquina de relutâncai variável; e o flyweel. Hardware e espaços adicionais são necessários; Um sistema de refrigeração avançado é necessário para manter as baixas temperaturas para o supercondutor; Custo elevado para implantação. Figure 6. Compenador série com Flyweel Figure 5. Diagrama funcional de um regulador de tensão utilizando o SMES como elemento armazenador de energia. E. Flyweels Energia girante Numa máquina elétrica, pode-se acumular energia cinética nas suas partes girantes. Assim, é possível extrair energia do rotor, de forma eficiente, mesmo quando a tensão do sistema cai a valores muito baixos. Recentemente a literatura tem apresentado exemplos de armazenadores o tipo flyweels, que se utilizam deste principio. De maneira fera, estes sistemas baseiam-se na energia armazenada em volantes de inércia com massa pequena e fiando a velocidades muito elevadas ou volantes com massa elevada girando a velocidades baixas. Um moderno sistema de energia flyweel utiliza flyweels de alta velocidade e eletrônica de potência para obter capacidades de ride-through entre 10 s e 2 mim. Enquanto um sistema motorgerador (M-G) opera em um ambiente aberto e está sujeito a perdas por fricção aerodinâmicas, o sistemas flyweels operam no vácuo e empregam rolamentos magnéticos que reduzem as perdas substancialmente. O desenvolvimento de matérias Suporta uma solução ride-through para afundamentos de tensão de grande severidade e também de interrupções; O tamanho e a massa do sistema é reduzido quando comparado com a solução para o motor-gerador. Hardware e espaços adicionais são necessários; Um programa de manutenção para o sistema da roda livre é necessário. F. Controlador de Tensão Série DR Princípio básico de operação O controlador de tensão série consiste em um conversor de tensão montado em série com a fonte de tensão do sistema, como mostrado na figura 6. 4

5 Um transformador é utilizado para conectar o controlador ao sistema. A tensão de saída do controlador é obtida através de uma modulação PWM (pulse width modulation). Uma fonte de armazenamento de energia é necessária, uma vez que o controlador precisa fornecer à carga tanto potência ativa quanto reativa. O termo DR (Dynamic oltage Restorer) é mais comumente usado do que o nome controlador de tensão série. Nos DR s atualmente comercializados, grandes bancos de capacitores são usados com a função de armazenadores de energia. Outros armazenadores de energia tais como: banco de baterias, bobinas supercondutoras (SMES) e flyweels podem ser utilizados. A capacidade do DR de proteger a carga sensível, está relacionada com a amplitude e duração d sag, bem como a quantidade de energia armazenada. Figure 7. Controlador série de tensão diagrama básico O bloco SC indicado na figura acima representa u conversor de tensão omposto de dispositivos eletrônicos de potência (GTO, IGBT) que podem gerar uma tensão senoidal com qualquer freqüência, amplitude e ângulo de fase. A figura 7 mostra a estrutura de um SC. Avaliação da potência ativa do DR A potência ativa que ser gerada pelo DR é igual a diferença entre a potência ativa absorvia do sistema e a potência ativa consumida pela carga, ou seja: Pcont = P Psys (1) Adotando-se as seguintes ponderações: I sag = 1+ j0 tensão na carga é igual a 1pu = cosφ j sin Φ corrente na carga é igual a 1pu com FP = cos Φ = cosϕ j sinϕ tensão do sag e salto de faseϕ Temos que a potência drenada pela carga durante o afundamento é: P + jq = * I * = cos Φ + j sin Φ A potência complexa tomada do sistema é: Figure 8. SC Conversor de fonte de tensão trifásico. A tensão nos terminais da carga é igual a soma da tensão da fonte com a tensão do controlador ou seja: = cont + sys A figura 8 ilustra o diagrama simplificado com as tensões envolvidas no controlador série. P sys + jq * * = I = cos( Φ + ϕ ) + j sin( Φ + ϕ) sys sag Reescrevendo a equação (1) em função da potência da carga e do sistema, temos que a potência do controlador é: cos( ) P 1 Φ + ϕ = * cos Φ cont P Assumindo um afundamento de tensão sem salto de fase, ou seja, ϕ = 0, temos que a potência ativa requerida pelo controlador é: Figure 9. Diagrama do circuito com o sistema de potência, controlador série e a carga. cont [ 1 ] P P = * Conclui-se através da expressão anterior que a potência ativa requerida do controlador é diretamente proporcional à queda na tensão nominal ou seja à severidade do sag. Através da equação anterior é possível estimar a potência necessária para o dimensionamento do transformador série e do SC. O projeto de um DR que protege a carga contra 5

6 afundamentos de até 50 % da tensão nominal deve possuir um transformado com metade da potência da carga, ou seja, para uma carga de 1MA deve-se ter um transformador de 0,5 MA, aproximadamente. Avaliação da faixa de tensão do DR O valor da faixa de alcance da tensão do DR determina a máxima tensão que pode ser injetadas e consequentemente o máximo sag para o qual a carga encontrase protegida. É possível cobrir toda a faixa de afundamentos pela escolha de um controlador com uma faixa de tensão muito ampla. Entretanto o número de sags diminui com o aumento da severidade deles e o custo do DR aumenta quando aumentamos a faixa de tensão. Os controladores série atualmente em uso têm uma faixa de cobertura de 50 % ou seja, protegem as cargas para afundamentos de até 50 % da tensão nominal. A figura 9 ilustra bem a situação descrita acima. O custo para a correção de tensão inferior quando comparado com a tecnologia UPS de mesma faixa de potência; Possibilita proteger a carga da influência de harmônicos na rede. Maior confiabilidade quando comparado com o sistema UPS. Não possibilita uma solução ride-through para interrupções momentâneas de tensão. Necessita de um caminho de baixa impedância à montante do DR, de forma a permitir a circulação de corrente. Necessidade de espaço físico considerável para o transformador série. G. DySC Dynamic Sag Corretor Figure 10. Parte do plano complexo de tensão protegido por um DR com indicação da faixa (rating) de tensão. A figura 10 apresenta as formas de onda de tensão a montante e jusante de um DR durante a ocorrência de um afundamento de tensão. Nota-se que o equipamento funciona como esperado mantendo a tensão na carga regulada. O DySC é a mais recente solução disponível no mercado para mitigação de afundamento de tensão, que consiste em um dispositivo série/shunt híbrido que protege cargas sensíveis de afundamento s de tensão e de interrupções momentâneas. Com valores nominais que variam de 250 A a mais de 3000 ka, o DySC pode ser aplicado no ponto de utilização da carga sensível dentro de uma planta, ou até mesmo dentre do equipamento sensível. O DySC atinge e excede as exigências da norma SEMI F47, conforme mostra a figura 11. A tecnologia empregada no DySC é baseada nos dispositivos de compensação série ativa. Esse dispositivos injetam uma tensão (boost) em série com a tensão remanescente do sistema durante um afundamento de tensão. Um diagrama básico, mostrando os dispositivos eletrônicos que são utilizados para se obter a compensação, é mostrado na figura 12. Quando um distúrbio é detectado na tensão de entrada, uma chave eletrônica abre e a potencia é suprida através da eletrônica conectada em série. Esse circuito adiciona ou subtrai um sinal de tensão da tensão de entrada da rede de modo que a tensão de saída permaneça dentro de um valor aceitável durante o distúrbio. Figure 11. Tensão antes e depois do DR durante a ocorrência de um sag. Figure 12. Norma SEMI F47 e a faixa de proteção do DySC (em azul). 6

7 A chave eletrônica atua de forma muito rápida de forma que o distúrbio visto pela carga seja menor que um quarto de ciclo de duração. Essa atuação é rápida o suficiente para evitar problemas com quase todos os tipos de cargas sensíveis. para a manutenção do conjunto em funcionamento é obtida da energia cinética do motor (inércia) através da desaceleração do mesmo. No retorno da rede o motor é reacelerado para a velocidade definida pela referência de velocidade. A figura 13 mostra o perfil da tensão no barramento CC durante a ocorrência de um afundamento ou interrupção momentânea de tensão. Figure 13. Diagrama básico do DySC. No caso de um afundamento de até 50% da tensão nominal, o DySC pode, em princípio prover 100% da tensão de alimentação indefinidamente sem qualquer sistema se armazenamento de energia significativo e sem o transformador série do DR. No caso de uma interrupção, o DySC provê de 3 a 12 ciclos de suporte de tensão, limitada pela quantia de energia armazenada nos capacitores da barra de corrente contínua. O custo de um DySC está abaixo das alternativas tecnológicas existentes; Não é necessário o uso de transformador; Não é necessária a utilização de grandes armazenadores de energia. Figure 14. Atuação da função Ride-Through em modo vetorial. Após a falta de rede (t0), a tensão do link CC (Ud) começa a diminuir segundo uma taxa dependente da condição de carga do motor, podendo atingir o nível de subtensão (t2) se a função Ride-through não estiver operando. O tempo necessário para que isto ocorra, típico para carga nominal, é da ordem de 5 a 15ms. Com a função ride-through ativa, a falta de rede é detectada quando a tensão Ud cai abaixo do valor Ud falta de rede (t1). Imediatamente o inverdor inicia a desaceleração controlada do motor, regenerando a energia Não é projetado para suportar interrupções momentâneas de tensão. Proporciona uma solução ride-through para afundamentos acima de 50%; H. Uso da inércia da carga O software de controle do inversor (ASD) pode ser modificado de forma que na ocorrência de um distúrbio que cause a queda na tensão do barramento CC abaixo de um valor especificado, o inversor irá ajustar a freqüência ligeiramente abaixo da freqüência do motor, fazendo o motor atuar como gerador. O inversor irá absorver uma pequena quantidade de energia da massa girante de forma a manter a tensão do barramento CC dentro de limites especificados. Acionamentos comerciais já estão disponíveis no mercado com essa característica, como é o caso do inversor da WEG modelo CFW 09. O objetivo da função ride-through parametrizável nesse equipamento em modo vetorial, é fazer com que o inversor mantenha o motor girando durante a falta de rede, sem interrupção a memorização de falha. A energia necessária para o link CC de modo a manter o motor operando com a tensão Ud regulada no valor Ud Ride-Through. Caso a rede não retorne, o conjunto permanece nesta condição o maior temo possível (dependendo do balanço energético) até a ocorrência da subtensão (E02 em t5). Se a rede retornar (t3) antes da ocorrência da subtensão, o inversor detecta o retorno da mesma quando a tensão UD atinge o nível Ud retorno rede (t4). O motor é então reacelerado, seguindo a rampa ajustada, desde o valor corrente de velocidade até o valor definido pela referencia de velocidade ativa. Nenhum hardware adicional é necessário, somente a modificação do software do inversor; Inversores comerciais estão disponíveis no mercado com essa característica com 2 s de ride-through para afundamentos para 80 % da tensão nominal. 7

8 [3] D. Ezer, R. A. Hanna, J. Penny, Active oltage Correction for Industrial Plants IEEE Transactions on Industry Applications, vol. 38, NO. 6, pp , November-December A velocidade do motor é reduzida e o torque revertido, o que é aceitável para cargas do tipo ventilador e bomba, mas não aceitável para outros tipos de carga. A duração da capacidade de ride-through irá depender da inércia da carga acoplada ao eixo do motor. I. CONCLUSÃO As tecnologias para mitigação do afundamento e interrupção momentânea de tensão apresentadas anteriormente, são uma pequena amostra da variedade de soluções que podem ser adotadas para tais tipos de problemas. A escolha do método adequando irá depender, entre outros aspectos, dos seguintes pontos: potência da carga, severidade e duração do afundamento de tesão que se quer proteger. Os avanços nas áreas de eletrônica de potência e microprocessadores têm permitido o aparecimento de várias tecnologias para o acondicionamento de energia e sistemas de proteção. Experiências realizadas, principalmente nos EUA, têm demonstrado a eficiência técnica e a viabilidade econômica da aplicação de algumas dessas tecnologias no controle e mitigação de afundamentos de tensão. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Bollen, M. H. J., Understanding Power Quality Problems oltage Sags and Interruptions, IEEE Press Series on Power Engineering, 543p, 1999, New York. [2] A. von Jouanne, P. N. Enjeti, Assessment of Ride-Through Alternatives for Adjustable-Speed Drives, IEEE Transactions on Industry Applications, vol. 35, NO. 4, pp , July-August [4] W. E. Brumsickle, R. S. Schneider, G. A. Luckjiff, D. M. Divan, M. F. Mcgranaghan, Dynamic Sag Correctors: Cost-Effective Industrial Power Line Conditioning IEEE Transactions on Industry Applications, vol. 37, NO. 1, January-February [5] C. J. Melhorn, A. Braz, P. Hofmann, R. J. Mauro, An Evaluation of Energy Storage Techiniques for Improving Ride-Through Capability for Sensitive Customers on Underground Networks IEEE Transactions on Industry Applications, vol. 33, NO. 4, July- August [6] D. Divan, F. R. Garcia, A. C. Naves, Uma Análise Comparativa entre as Principais Tecnologias existentes e a Nova Tecnologia DYSC para correção de Problemas Causados pelos Afundamentos de Tensão em Processos Industriais I SBQEE, agosto [7] M. MacGranaghan, C. Melhorn, Economics of Different Plant Ride- Through Improvement Soluctions for Power System Problems. (Incompleta) [8] oltage Sag Ride-Through Mitigation in Sequence by Increasing Cost. (Incompleta) [9] Dugan, R.C, Mcgranaghan, M.F, Santoso, S., Beaty, H.W, Electrical power System Quality, McGraw-Hill, 528p, 2002 [10] Inversores de Freqüência CFW 09 Manual do Usuário, WEG, 282p,

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 11 7608 Tópico: Modelagem e Simulações AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS PARA AUMENTO DE SUPORTABILIDADE DE UM SISTEMA DE ACIONAMENTO À VELOCIDADE VARIÁVEL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA RODOLFO RIBEIRO DE OLIVEIRA UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE SOLUÇÕES PARA MITIGAÇÃO DE AFUNDAMENTOS MOMENTÂNEOS DE TENSÃO

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil

SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil STE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE VARIAÇÕES MOMENTÂNEAS DE TENSÃO NA OPERAÇÃO

Leia mais

V SBQEE. SIMULAÇÕES E TESTES DE SENSIBILIDADE DE ACIONAMENTOS A VELOCIDADE VARIÁVEL (ASD s) FRENTE A VOLTAGE SAGS

V SBQEE. SIMULAÇÕES E TESTES DE SENSIBILIDADE DE ACIONAMENTOS A VELOCIDADE VARIÁVEL (ASD s) FRENTE A VOLTAGE SAGS V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 103 Tópico: Modelagens e Simulações SIMULAÇÕES E TESTES DE SENSIBILIDADE

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Sistema UPS (Uninterruptible Power Supply) 160 kva

Sistema UPS (Uninterruptible Power Supply) 160 kva Sistema UPS (Uninterruptible Power Supply) 160 kva 1. Características gerais 1.1. Sistema de alimentação ininterrupta trifásico, especificado para no mínimo 160 kva, na configuração SINGELO, contendo banco

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

RIELLO ELETTRONICA. Flywheel armazenamento energético

RIELLO ELETTRONICA. Flywheel armazenamento energético RIELLO ELETTRONICA Flywheel armazenamento energético REDES LOCAIS (LAN) ServidoreS DATA CENTERS DISPOSITIVOS DE TELECOMU- NICAÇÃO E-BUSINESS (Parques de Servidores, ISP/ ASP/POP) PROCESSOS INDUSTRIAIS

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Dispositivos de Proteção de CCM

Dispositivos de Proteção de CCM 58 Dispositivos de Proteção de CCM Elaborado por Weberton Eller, Thiago Ribeiro, Gilberto Marques e Allan Souto A utilização dos centros de controle de motores (CCM) é bastante comum nas indústrias, em

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp. CONVERSORES ELETRÔNICOS DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BAIXA TENSÃO CONECTADOS À REDE Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.br

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br

Leia mais

Inversor de Freqüência

Inversor de Freqüência Descrição do Funcionamento. Inversor de Freqüência Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil,

Leia mais

Aplicação de soft-start e conversores de freqüência no acionamento de motores assíncronos

Aplicação de soft-start e conversores de freqüência no acionamento de motores assíncronos Aplicação de soft-start e conversores de freqüência no acionamento de motores assíncronos João Batista de Oliveira, Luciano Antônio de Oliveira, Luiz Octávio Mattos dos Reis, Ronaldo Rossi Universidade

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Projeto de instalação de sistemas UPS

Projeto de instalação de sistemas UPS 22 Capítulo IX Projeto de instalação de sistemas UPS Por Luis Tossi e Azarias Macedo Júnior* Neste capítulo, abordaremos os aspectos relacionados ao projeto de sistemas UPS. Trataremos de forma separada

Leia mais

GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA - GCQ

GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA - GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCQ - 14 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Conceitos gerais sobre qualidade da energia

Conceitos gerais sobre qualidade da energia 28 Capítulo I Conceitos gerais sobre qualidade da energia Por Gilson Paulilo* O termo qualidade da energia inclui uma gama de fenômenos, abrangendo áreas de interesse de sistemas da energia elétrica até

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA.

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. Marco Antonio Souza 1, Milton Benedito Faria 2, Carlos Eduardo Cabral Vilela, Prof. MSc 3. Homero Santiago Maciel, Prof. DR 4. UNIVAP,

Leia mais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

Tecnologia Inversor: Freqüência de saída Capacidade de sobrecarga: Fusíveis de Proteção: Proteção da Bateria:

Tecnologia Inversor: Freqüência de saída Capacidade de sobrecarga: Fusíveis de Proteção: Proteção da Bateria: Sistema de proteção e fornecimento de energia elétrica ininterrupto, com tempo limitado a capacidade das baterias, autonomia de 10 (dez) minutos em plena carga, capacidade de 30KVA, 24.000W, entrada e

Leia mais

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva 10 a 100 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 50KVA de 60 a 100KVA Perfil Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC GSC/018 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC SIMULAÇÃO DA RESPOSTA AO TRANSITÓRIO DE CHAVEAMENTO EM SISTEMAS

Leia mais

Controle de Motores de Indução

Controle de Motores de Indução Controle de Motores de UERJ PROMINP Prof. José Paulo V. S. da Cunha Referência: Bose, B. K., Modern Power Electronics and AC Drives, Upper Saddle River: Prentice Hall PTR, 2001. Seções 5.3, 7.1, 7.2 e

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RAFAEL SIMÕES DOS SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RAFAEL SIMÕES DOS SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RAFAEL SIMÕES DOS SANTOS DISTÚRBIOS NAS PARTIDAS DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS VIÇOSA 2011

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA EM MÁQUINAS DE FLUXO

ECONOMIA DE ENERGIA EM MÁQUINAS DE FLUXO ECONOMIA DE ENERGIA EM MÁQUINAS DE FLUXO Ventiladores - Exaustores - Bombas Centrífugas Geral Máquinas de Fluxo são equipamentos destinados a movimentação de fluidos como líquidos e gases. As principais

Leia mais

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos Características operacionais Equipamento padrão Confiabilidade Elevada disponibilidade Facilidades da tecnologia digital

Leia mais

DRIVES. Instruções para Instalações de Conversores de Freqüência. Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline

DRIVES. Instruções para Instalações de Conversores de Freqüência. Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline s DRIVES Instruções para Instalações de Conversores de Freqüência Edição 08.2002 IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline ÍNDICE INTRODUÇÃO...2 A IMPORTÂNCIA DO REATOR DE SAÍDA...2 FILTROS

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 A Empresa A PSYS Consultoria em Engenharia e Sistemas Ltda. surgiu do desejo de

Leia mais

CATÁLAGO TÉCNICO SOLUÇÕES EM ECONOMIA DE ÁGUA E ENERGIA.

CATÁLAGO TÉCNICO SOLUÇÕES EM ECONOMIA DE ÁGUA E ENERGIA. CATÁLAGO TÉCNICO MODELO TRIFÁSICO MODELO BIFÁSICO FILTRO REDU-LUZ O que é SISTEMA REDU-LUZ Trata-se de filtro de linha capacitivo, montado em caixa ABS, encapsulado em resina inífoga (não propagadora de

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos:

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos: Introdução: Inversor de Freqüência: Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil, com isto uma

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

Monitoramento de Motores Assíncronos através de Relés de Proteção Avançados

Monitoramento de Motores Assíncronos através de Relés de Proteção Avançados Monitoramento de Motores Assíncronos através de Relés de Proteção Avançados Renan Bernardes e Geraldo Rocha SEL Schweitzer Engineering Laboratories R. Ana Maria Souza, 61, Jd. Sta. Genebra, Campinas,SP

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

Qualidade de Energia Causas, Efeitos e Soluções. Autor: Edgard Franco.

Qualidade de Energia Causas, Efeitos e Soluções. Autor: Edgard Franco. Qualidade de Energia Causas, Efeitos e Soluções. Autor: Edgard Franco. 1. INTRODUÇÃO. O conceito de qualidade de energia esta relacionado a um conjunto de alterações que podem ocorrer no sistema elétrico.

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009 GRAMEYER Equipamentos Eletrônicos Ltda / GRAMEYER Indústria Eletroeletrônica Ltda. R. Mal. Castelo Branco, 2477 Schroeder SC Brasil 89275-000 e-mail: info@grameyer.com.br - www.grameyer.com.br Fones: 55

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK

SINUS DOUBLE II BLACK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o Nobreak senoidal on-line - dupla convers o modelos isolados e n o isolados com PFC opcional 3,2 a 20 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas PERFIL O nobreak inteligente

Leia mais

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS Sumário Introdução... 3 Motores Elétricos... 4 Motores Assíncronos... 5 Estator... 6 Rotor... 8 Escorregamento, torque e velocidade.... 9 Eficiência e Perdas...

Leia mais

PROPOSTA DE MODELAGEM DE CONDICIONADOR DE AR INVERTER, VISANDO ESTUDOS DE DESEMPENHO FRENTE A DISTÚRBIOS DA QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

PROPOSTA DE MODELAGEM DE CONDICIONADOR DE AR INVERTER, VISANDO ESTUDOS DE DESEMPENHO FRENTE A DISTÚRBIOS DA QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA PROPOSTA DE MODELAGEM DE CONDICIONADOR DE AR INVERTER, VISANDO ESTUDOS DE DESEMPENHO FRENTE A DISTÚRBIOS DA QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA Vinícius. F. Bossa, Carlos. E. Tavares, Paulo. H. O. Rezende, Isaque.

Leia mais

QUEM SOMOS PERFIL DA EMPRESA

QUEM SOMOS PERFIL DA EMPRESA QUEM SOMOS PERFIL DA EMPRESA Desde a descoberta da eletricidade para uso tremendo de hoje, é um espaço de tempo onde a proteção de energia desenvolvida para indústrias em grande escala. Pergunte a qualquer

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5.1 Introdução O objetivo principal de um sistema elétrico de potência é transmitir potência dos geradores para as cargas e esta responsabilidade é dos agentes que

Leia mais

para cargas críticas.

para cargas críticas. 50 anos NO-BREAKS & ESTABILIZADORES DE TENSÃO Soluções em sistemas de pura ENERGIA para cargas críticas. www.amplimag.com.br EMPRESA Amplimag Controles Eletrônicos Ltda. Empresa 100% Nacional, desde 1962

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

Acionamento de Máquinas Elétricas de Indução. Diego Brito dos Santos Cesar Fábio da Conceição Cruz Thiago Timbó Matos

Acionamento de Máquinas Elétricas de Indução. Diego Brito dos Santos Cesar Fábio da Conceição Cruz Thiago Timbó Matos Acionamento de Máquinas Elétricas de Indução Diego Brito dos Santos Cesar Fábio da Conceição Cruz Thiago Timbó Matos Exercícios de Fixação Qual a importância de se manter a relação V/Hz constante e qual

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

INVERSOR DE FREQÜÊNCIA CFW09 ACIMA DE 500 HP 380-480V 500-600V 660-690V

INVERSOR DE FREQÜÊNCIA CFW09 ACIMA DE 500 HP 380-480V 500-600V 660-690V INVERSOR DE FREQÜÊNCIA CFW09 ACIMA DE 500 HP 380-480V 500-600V 660-690V Adendo ao Manual do Usuário ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. LINHA CFW-09 ACIMA DE 500 HP... 3 3. INSTALAÇÃO MECÂNICA... 7 4. INSTALAÇÃO

Leia mais

Action₀EMS Power System Simulator

Action₀EMS Power System Simulator SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀EMS Power System Simulator Descrição Funcional 00101.01 Action₀EMS

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO

GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO ÍNDICE 2ª EDIÇÃO 1 INTRODUÇÃO 1.1 Sistemas de velocidade variável 11 1.2 Sistemas de variação de velocidade tradicionais 14 1.2.1 Variadores mecânicos

Leia mais

SELEÇÃO DE MOTORES DE CORRENTE CONTÍNUA 1GG e 1GH

SELEÇÃO DE MOTORES DE CORRENTE CONTÍNUA 1GG e 1GH PUBLICAÇÃO TÉCNICA SELEÇÃO DE MOTORES DE CORRENTE CONTÍNUA 1GG e 1GH Eng. Flávio Honda 30 de março de 2004 1. INTRODUÇÃO Atualmente, o desenvolvimento das técnicas de acionamentos de corrente alternada

Leia mais

GE Digital Energy Power Quality. Energy Commander TM. Conjunto de Manobra em Paralelo

GE Digital Energy Power Quality. Energy Commander TM. Conjunto de Manobra em Paralelo GE Digital Energy Power Quality Energy Commander TM Conjunto de Manobra em Paralelo 2 Energy Commander TM Conjunto de Manobra em Paralelo Conjuntos de Manobra em Paralelo A ligação em paralelo é uma operação,

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UPS Fontes Ininterruptas de Energia APRESENTADOR: LEANDRO ROGGIA, ME. ORIENTADOR:

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais