REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA)"

Transcrição

1 REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA) CIS,

2 Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Regulamento Financeiro rege e disciplina os termos de prestação de propinas devidas pela frequência dos diversos cursos de licenciatura ministrados no Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais (CIS), bem como os demais pagamentos devidos por serviços diversos e quaisquer outras obrigações pecuniárias, durante o período lectivo, decorrentes do contrato celebrado entre o estudante ou seu representante legal e o CIS. 2. Os valores estabelecidos neste Regulamento Financeiro constituem os Encargos Educacionais, que se classificam em: a) Parcelas das anualidades, também denominadas propinas; b) Penalizações e serviços c) Indemnização por danos causados ao CIS ou a terceiros, nas dependências do CIS, por acção ou omissão dolosa ou culposa. Artigo 2º (Encargos Educacionais) 1. Os Encargos Educacionais são fixados na Tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS. 2. A tabela é anualmente revista tendo em conta, designadamente, a projecção da inflação anual prevista no respectivo Orçamento Geral do Estado (O.G.E.) e corrigida, no final do ano, pelo Índice de Preços no Consumidor (I.P.C.) na cidade de Luanda, oficialmente publicado pelos competentes serviços de estatística da República de Angola. 2

3 Artigo 3º (Modalidades de pagamento) 1. Os Encargos Educacionais são liquidados por depósito junto das instituições bancárias indicadas pelo CIS, seguindo-se a apresentação dos comprovativos de depósitos (bordereaux) à Secretaria de Estudantes e Caixas; que os confirmará mediante comparação com o extracto bancário. 2. Os pagamentos executados por TPA (terminal de pagamento automático), vulgo multicaixa, e transferência bancária (electrónica ou outra) são também aceites. 3. Na apresentação do comprovativo bancário, o CIS dará por quitada a dívida do estudante relativa ao Encargo Educacional correspondente, através de um recibo impresso em papel, assinado e carimbado pelo funcionário em serviço e emitido a favor do estudante. 4. Cópias do comprovativo bancário só serão aceites como títulos suficientes para quitação de dívidas se para tal forem autenticadas com o selo branco da instituição bancária emitente e os serviços de tesouraria do CIS confirmarem o crédito respectivo em conta através de consulta ao extracto bancário. 5. Os pagamentos deverão ser efectuados em moeda nacional, o Kwanza. Contudo, caso o estudante ou o seu representante legal assim o preferirem, poderão fazê-lo em Dólares Americanos, de acordo com a respectiva tabela de Emolumentos e Preços alternativa, publicada pelo CIS. 3

4 Artigo 4.º (Devoluções) 1. Em geral, uma vez realizados os pagamentos dos Encargos Educacionais, não serão aceites devoluções. 2. Contudo, o CIS condescende na devolução relativa a pagamentos efectuados nos seguintes casos: a) Quando comprovadamente o pagamento for efectuado indevidamente, devido a informação errónea prestada por funcionário autorizado do CIS; b) Quando se verifique que o pagamento excede o valor correspondente. Artigo 5.º (Despesas do candidato) 1. Para efectuar e validar a sua inscrição para o Exame de Admissão, o candidato deve proceder ao pagamento do montante correspondente inscrito na Tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS. 2. O pagamento da candidatura só se efectua uma vez, para o exame de admissão. 3. O reingresso na Instituição não obriga a novo exame de admissão. 4. A inscrição fora de prazo está sujeita ao pagamento de um valor adicional de acordo com a Tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS. Artigo 6.º (Matrícula) 1. O Regulamento Académico do CIS prevê a admissão de estudantes por via de transferência inter-universitária, depois de 4

5 submetidos a um processo de equivalência pela Coordenação do curso que pretendam frequentar. 2. A matrícula fora de prazo, desde que devidamente autorizada pela Direcção Geral, fica sujeita à penalização conforme tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS. 3. No acto de matrícula, o candidato deve realizar os pagamentos dos seguintes itens, de acordo com a tabela de emolumentos e preços de serviços do CIS: a) Matrícula; b) Cartão de Estudante; c) Equivalências; d) Propina. Artigo 7º (Acordo) 1. No acto da matrícula em qualquer dos cursos ministrados pelo CIS, o Estudante, ou o seu representante legal, assume, por via de contrato formal, o compromisso de cumprir integralmente os Encargos Educacionais estabelecidos. 2. Caso no acto de reconfirmação de matrícula não haja uma posição definitiva quanto ao cumprimento de todos os requisitos académicos para passagem do estudante ao ano ou semestre seguinte, a reconfirmação da matrícula não será efectivada. 3. O ano lectivo compreende dez (10) meses, sendo este o número de propinas devidas por cada estudante independentemente de ter sido dispensado de prestar determinados exames e/ou disciplinas do currículo do respectivo ano lectivo/semestre do curso, ressalvadas as hipóteses de concessão de bolsa de estudo ou desconto, a critério exclusivo do CIS. 5

6 4. Pagamento das Propinas: a) O aluno pagará 10 propinas em nove (9) pagamentos mensais. b) A mensalidade referente ao último mês será repartida em cinco (5) prestações iguais adicionadas às cinco (5) primeiras propinas do Ano Académico em curso. c) Os pagamentos serão efectuados da seguinte forma: i. O 1º pagamento, efectuado no acto de matrícula ou reconfirmação de matrícula, corresponde à 1ª propina mais 1/5 da última propina; ii. Os 2º, 3º, 4º e 5º pagamentos, efectuados até ao dia 10 (dez) de cada mês, correspondem ao valor da propina mensal mais 1/5 da última propina. iii. Os restantes cinco (5) pagamentos, efectuados até ao dia 10 (dez) de cada mês, correspondem ao valor da propina. Artigo 8º (Propina) 1. O acto de matrícula no CIS denota a aceitação do regime de pagamento de propinas. 2. A primeira propina é paga no acto da matrícula e/ou reconfirmação de matrícula. 3. O prazo de pagamento da mensalidade vence no 1º (primeiro) dia de cada mês de referência, devendo ser paga até ao dia 10 (dez) do mesmo mês. 4. O estudante a quem tenha sido reconhecido o estatuto de trabalhador-estudante, por meio de documentação comprovativa da sua condição no acto de matrícula ou reconfirmação de matrícula, 6

7 poderá proceder ao pagamento da propina até ao dia 20 (vinte) de cada mês. 5. Todos os estudantes são obrigados ao pagamento integral da propina, incluindo os que anteriormente tenha estado inscritos no CIS e solicitem mudança de curso, independentemente do número de disciplinas que tiverem de frequentar. 5.1 Exceptuam-se os estudantes do último ano, que não tendo reprovado tenham, contudo, cadeiras em atraso. 5.2 Os estudantes que tenham transitado de outras IES ficam obrigados ao pagamento da propina integral no ano em que forem inseridos independentemente do número de disciplinas que tenham de cursar. Artigo 9º (Reconfirmação de matrícula) 1. A reconfirmação de matrícula anual, bem como as inscrições nas disciplinas, somente serão consideradas efectivas após o preenchimento das formalidades regulamentares junto da Secretaria de Estudantes e Caixas e após comprovada a regularidade da situação financeira e académica do estudante. 2. No acto da reconfirmação de matrícula, em função da especificidade da sua situação académica e financeira, o estudante deve pagar os seguintes encargos: a) Reconfirmação de matrícula (início de cada ano); b) Reconfirmação fora do prazo (até 2 meses e sujeita a autorização do Director-Geral); c) Disciplinas em atraso em regime de avaliação contínua d) Disciplinas em atraso em regime de exame; 7

8 Artigo 10.º (Anulação de matrícula) 1. A anulação de matrícula é o acto através do qual o estudante rompe a relação contratual que vinha mantendo com o CIS. 2. Apenas a anulação da matrícula ou a transferência para outra instituição de ensino exime o estudante do pagamento das propinas. 3. Nos casos de anulação de matrícula e/ou transferência para outra instituição de ensino, será devido o pagamento integral das mensalidades vencidas, relativas aos meses durante os quais o aluno esteve matriculado. 4. Para a efectivação do pedido de anulação da matrícula o estudante deve pagar o montante definido na tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS. 5. Nos termos definidos no Regulamento Académico do CIS, o estudante pode solicitar a reactivação da sua matrícula e, em caso de autorização expressa do Director dos Serviços Académicos, deve pagar o montante definido na tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS. Artigo 11º (Mudança de curso) 1. Nos termos definidos no Regulamento Académico do CIS, o Estudante pode solicitar a mudança de curso. Em caso de aceitação, para cobrir os custos administrativos incorridos, este deve pagar o montante definido na tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS. 8

9 2. No caso de deferimento do pedido o estudante fica dependente da regularização das dívidas, incluindo os juros de mora, que estejam pendentes desde a primeira inscrição como estudante no CIS. Artigo 12º (Mora na Mensalidade) 1. Se a mensalidade não for paga até ao dia 10 (dez) do mês de referência, esta será considerada em mora. 2. As penalizações por mora são calculadas da seguinte forma: a) 1ª semana após a data limite de pagamento 5% b) 2ª semana após a data limite de pagamento 10% c) 3ª semana após a data limite de pagamento. 20% d) 4ª semana após a data limite de pagamento.. 30% e) 5ª semana após a data limite de pagamento.. 50% 3. Cumulativamente à penalização por mora referida no número anterior, a partir do 11º (décimo primeiro) dia do mês seguinte ao de referência, a matrícula do estudante será suspensa administrativamente, restringindo-se o seu acesso às aulas, às provas de frequência, aos exames e aos restantes serviços providos pelo CIS. 4. Se os pagamentos devidos não forem efectuados até ao limite de dois (2) meses após a data limite de pagamento, o CIS procederá à anulação unilateral da matrícula. 5. A renovação da matrícula, após anulação unilateral pelo CIS, implica o pagamento da reactivação da matrícula, para além da liquidação das propinas e das penalizações respectivas. 9

10 Artigo 13º (Recurso, Melhoria de Notas e Exame Especial) 1. Os estudantes que não conseguirem aprovar nos exames correntes poderão realizar um exame de recurso mediante o pagamento do montante definido na tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS; 2. Os estudantes que tenham aprovado mas que pretendam ser submetidos a um novo exame para melhorar a sua nota terão esta oportunidade na época dos exames de recurso, mediante o pagamento do montante definido na tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS; 3. Têm acesso às provas de exame especial, após pagamento, os estudantes que tenham feito a prova de recurso e não tenham aprovado 4. Os pagamentos referentes às provas de recurso, melhoria de notas ou exame especial devem ser efectuados até 24 horas antes da data aprazada para as mesmas. Artigo 14º (Revisão de prova) 1. Para garantir a transparência no processo de avaliação, a instituição reserva aos estudantes o direito de solicitar revisões de provas nos termos definidos no Regulamento Académico do CIS. 2. Para o efeito, o estudante deve efectuar uma caução no montante definido na tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS. 10

11 3. No caso de, em resultado do processo de revisão, a nota do estudante aumentar, o estudante deve apresentar à Secretaria de Estudantes e Caixas o comprovativo deste resultado para que lhe seja efectuada a devolução daquele valor. 4. No caso de a nota se manter, ou reduzir, este valor reverte a favor do CIS, a título de compensação de custas e transtornos. Artigo 15º (Trabalho de Conclusão de Curso) 1. A admissão do Aluno Finalista, candidato ao grau de Licenciado, para elaboração do TCC, é feita mediante inscrição na respectiva Coordenação de Curso, e está sujeita ao pagamento de 50% do valor da inscrição, sendo condicionada à aprovação em 80% das Disciplinas do Plano Curricular do Curso. 2. Os restantes 50% do valor da inscrição deverão ser pagos antes do acto de Defesa Pública e na condição do aluno ter sido aprovado em todas as disciplinas constantes do plano curricular do curso. Artigo 16º (Emolumentos por Serviços Solicitados) No decorrer do ano académico, o estudante pode solicitar ao CIS diversos serviços. Com a finalidade de cobrir custos operacionais directos e indirectos, a prestação dos respectivos serviços estará condicionada ao pagamento dos seguintes emolumentos de acordo com a tabela de Emolumentos e Preços de Serviços do CIS: a) Factura proforma; b) Certificado de fim de curso com notas; c) Declaração de frequência sem notas; 11

12 d) Declaração com notas; e) Outras declarações; f) Conteúdo programático; g) Diploma Artigo 17º (Adiantamentos de Mensalidade) O CIS concederá, a título de estímulo à adimplência, um desconto percentual sobre o valor estipulado, se, ao invés da mensalidade, o estudante ou seu representante legal, prestarem semestralidades ou anuidades no acto da matrícula, a saber: a) Se o pagamento for referente à anuidade e for prestado dentro do período normal reservado às matrículas, será concedido integralmente o desconto de 5% sobre o valor total; b) Se o pagamento for referente à semestralidade e for prestado dentro do Período normal reservado às matrículas, será concedido integralmente o desconto de 2% sobre o valor total; c) A política de descontos sobre o valor das anuidades e Semestralidades supra estabelecidas, bem como outros programas de estímulo à adimplência, ou para pagamento antecipado de prestações, que vierem a ser criados, poderão ser revistos, suspensos ou extintos, a critério do CIS. Artigo 18.º (Tradição Familiar) 1. O CIS concederá, a título de estímulo à tradição familiar, um desconto percentual sobre o valor estipulado da mensalidade, se, devidamente comprovado, um representante legal tiver à sua responsabilidade encargos educacionais com mais de um estudante 12

13 no CIS, sem prejuízo dos descontos previsto no artigo 8.º, com base nas taxas: a) Duas matrículas - Redução de 5% na propina anual correspondente à matrícula mais antiga. b) Mais de duas matrículas - Redução de 10% na propina anual correspondente à matrícula mais antiga 1. A aplicabilidade das regras do n.º 1, deste artigo depende de requerimento feito pelo representante dos estudantes, dirigido ao Director-Geral do CIS. Artigo 19.º (Funcionários) 1. O CIS pode conceder aos seus funcionários uma isenção de até 50% do valor da propina. 2. Para efeitos do número anterior, ficam excluídos, os docentes e os titulares de cargos de direcção que sejam membros de órgãos colegiais, tais como: Conselho de Direcção, Conselho Pedagógico e Conselho Científico. 3. As reduções previstas vigoram enquanto se mantiver o vínculo entre o funcionário e a instituição e devem ser solicitadas em requerimento próprio dirigido ao Director-Geral. Artigo 20º (Reduções: descontos, situação especial) 1. As reduções previstas no Regulamento Financeiro não têm efeitos retroactivos. 2. Os descontos, em nenhuma hipótese serão cumulativos, o aluno deverá optar por apenas um tipo de desconto, bem como ainda, nos casos que o aluno for beneficiado com Bolsa de Estudo, 13

14 perderá automaticamente o direito a qualquer outro desconto descrito neste regulamento ou aprovado em regulamentação ad-hoc pela Instituição. 3. A política de descontos sobre o valor das mensalidades estabelecida neste regulamento pode ser revista ou descontinuada pelo CIS, sem necessidade de aviso prévio Artigo 21.º (Estudante bolseiro pelo CIS) 1. As bolsas de estudos concedidas pelo CIS terão validade a partir do mês subsequente ao da decisão, não sendo permitida a concessão de bolsa retroactiva. 2. O Estudante contemplado com a bolsa de estudo do CIS, estará sujeito à perda do benefício quando deixar de cumprir, injustificadamente, qualquer obrigação pecuniária da sua responsabilidade, nos termos estabelecidos pelo CIS. Artigo 22.º (Alterações ao regulamento) Este regulamento poderá ser alterado, sempre que a dinâmica das actividades financeiras do CIS, em decorrência de alterações da legislação vigente ou por proposta do Conselho de Direcção, assim o exigir. Artigo 23.º (Dúvidas e Omissões) As dúvidas e omissões ao presente Regulamento serão resolvidas pelo Director-Geral 14

15 15

FACULDADE METODISTA GRANBERY GABINETE DA DIREÇÃO PORTARIA Nº 01/2015

FACULDADE METODISTA GRANBERY GABINETE DA DIREÇÃO PORTARIA Nº 01/2015 FACULDADE METODISTA GRANBERY GABINETE DA DIREÇÃO PORTARIA Nº 01/2015 Ementa: Altera e estabelece o Regulamento Financeiro para os cursos de graduação da Faculdade Metodista Granbery. O TESOUREIRO DO INSTITUTO

Leia mais

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação ENSINO ONLINE. ENSINO COM FUTURO 2015 Preâmbulo Este documento identifica e regula todas

Leia mais

Regulamento Financeiro

Regulamento Financeiro Regulamento Financeiro 09/12/2011 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Cursos de graduação... 3 1.1 Matrícula... 3 1.2 Propina... 3 1.3 Reduções... 4 1.4 Seguro escolar... 5 1.5 Penalizações... 5 2 Programas

Leia mais

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14 Tesouraria REGULAMENTO Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL Direção do ISPA - CRL O presidente da Direção do ISPA - CRL (Prof. Doutor Emanuel Gonçalves) O presidente da Direção do

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL Preâmbulo A necessidade de expandir a informação superior dos profissionais integrados no mercado trabalho constitui

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016

ORDEM DE SERVIÇO. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016 N.º: 2015001 DATA: 14-05-2015 Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016 Por deliberação da Direcção da CEU-Cooperativa de Ensino Universitário, CRL, entidade instituidora

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

TABELA DE PROPINAS, TAXAS, EMOLUMENTOS E MULTAS A APLICAR NO ANO LECTIVO 2014/2015

TABELA DE PROPINAS, TAXAS, EMOLUMENTOS E MULTAS A APLICAR NO ANO LECTIVO 2014/2015 TABELA DE PROPINAS, TAXAS, EMOLUMENTOS E MULTAS A APLICAR NO ANO LECTIVO Página n.º 0 1º Ciclo (Licenciatura 3 anos) LISTA DE CURSOS Grupo 1 Grupo 2 Administração de Unidades de Saúde Ciências da Comunicação

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO

REGULAMENTO FINANCEIRO REGULAMENTO FINANCEIRO Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento aplica-se a todos os cursos ministrados pelo Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. Artigo 2.º (Regimes de Pagamento

Leia mais

REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I. Secção I. (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto)

REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I. Secção I. (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto) REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I Secção I (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Regulamento, destinado a todos os estudantes da UAL, tem por objectivo

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL. Regulamento do Pagamento de Propinas de Mestrado

ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL. Regulamento do Pagamento de Propinas de Mestrado ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Regulamento do Pagamento de Propinas de Mestrado Nos termos previstos nos artigos 15.º e 16.º da Lei n.º 37/2003, de 22 de Agosto (Lei que define as bases

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

O QUE É O FIES? divulgação dos resultados e entrevistas são realizadas pela Internet. Os pagamentos ocorrerão em três etapas: Fase de utilização:

O QUE É O FIES? divulgação dos resultados e entrevistas são realizadas pela Internet. Os pagamentos ocorrerão em três etapas: Fase de utilização: O QUE É O FIES? O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Ministério da Educação (MEC) destinado à concessão de financiamento a estudantes matriculados em cursos superiores não gratuitos

Leia mais

Regulamento Financeiro dos Cursos de Graduação 2013

Regulamento Financeiro dos Cursos de Graduação 2013 Regulamento Financeiro dos Cursos de Graduação 2013 Universidade Jean Piaget de Moçambique Beira, Moçambique 15 de Novembro de 2012 Resumo Este documento identifica e regula todas as implicações financeiras

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DO OBJETIVO Cláusula Primeira Estabelecer as regras gerais para a concessão de bolsas nas mensalidades de alunos regularmente matriculados na Universidade Guarulhos. DAS

Leia mais

FIES. O que é o FIES? Quem pode solicitar o FIES? É exigido o ENEM para o FIES?

FIES. O que é o FIES? Quem pode solicitar o FIES? É exigido o ENEM para o FIES? FIES O que é o FIES? O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior de estudantes matriculados em instituições

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos Deliberação nº /CI/2007 Reunido em sua Sessão Ordinária no dia 6 de Setembro de 2007, a Comissão Instaladora

Leia mais

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO 1 REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO O Professor Dr. Marcus Vinícius Crepaldi, Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia do Ipê FAIPE no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno e, considerando

Leia mais

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Instituto Politécnico de Beja Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Serviços Académicos (Sector I) Introdução O presente documento constitui um breve guia que visa ajudar

Leia mais

Artigo 1.º Candidatura

Artigo 1.º Candidatura Artigo 1.º Candidatura 1. Concursos e Regimes a que obedecem a candidatura aos cursos conferentes de grau académico da ESTAL. As candidaturas a qualquer dos cursos conferentes de grau académico da ESTAL

Leia mais

REGULAMENTO ADMINISTRATIVO

REGULAMENTO ADMINISTRATIVO Página 1 de 7 Artigo 1.º (objeto) O presente regulamento determina as normas reguladoras dos procedimentos relativos a atos administrativos e académicos, quer de âmbito geral, quer de âmbito específico.

Leia mais

FIES - Dúvidas frequentes

FIES - Dúvidas frequentes FIES - Dúvidas frequentes Até quando posso solicitar o financiamento? Você pode se inscrever no FIES em qualquer período do ano, sendo que o financiamento é sempre para o semestre letivo. Há um percentual

Leia mais

REGULAMENTO DO PAGAMENTO DE PROPINAS

REGULAMENTO DO PAGAMENTO DE PROPINAS REGULAMENTO DO PAGAMENTO DE PROPINAS 2011 Sumário CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES... 3 Capítulo II - SOBRE OS VALORES... 3 Capítulo III - SOBRE A MODALIDADES DE PAGAMENTO... 3 Capítulo IV. SOBRE OS PRAZOS DE PAGAMENTO...

Leia mais

Regulamento Financeiro 2015

Regulamento Financeiro 2015 Regulamento Financeiro 2015 SUZANO, 2014 Página 1 ÍNDICE Disposições Gerais... 4 Artigo 1.º... 4 Artigo 2º... 4 Da Matrícula... 4 Artigo 3º... 4 Artigo 4º... 5 Artigo 5º... 5 Artigo 6º... 5 Artigo 7º...

Leia mais

DESPACHO. N.º 41/2012 Data: 2012/10/22 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente. ASSUNTO: Alteração ao Regulamento Nº.

DESPACHO. N.º 41/2012 Data: 2012/10/22 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente. ASSUNTO: Alteração ao Regulamento Nº. DESPACHO N.º 41/2012 Data: 2012/10/22 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Alteração ao Regulamento Nº. 1/2012 A recente revisão do Regulamento de Prazos e Procedimentos

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE. Regulamento Administrativo

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE. Regulamento Administrativo INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Regulamento Administrativo Índice REGULAMENTO ADMINISTRATIVO... 1 Artigo 1 (Da propina)... 2 Artigo 2 (Das Modalidades)... 2 Artigo 3 (Dos pagamentos

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

KROTON EDUCACIONAL S/A. Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - FIES

KROTON EDUCACIONAL S/A. Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - FIES KROTON EDUCACIONAL S/A Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - FIES Í N D I C E SOBRE O FIES O que é o FIES? 1 Qual o marco legal do FIES? 1 Condições de financiamento 2 Quem pode se candidatar

Leia mais

PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores

PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores A pretende impulsionar as actividades de Responsabilidade Social em Angola, contribuindo para o seu desenvolvimento.

Leia mais

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Considerando que pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela sua Direcção dos serviços Técnicos, em conformidade com o disposto no n.º 1 do artigo 43.º,da lei

Leia mais

CONSERVATÓRIO SUPERIOR DE MUSICA DE GAIA REGULAMENTO INTERNO PRELIMINAR. Artigo 1º Âmbito

CONSERVATÓRIO SUPERIOR DE MUSICA DE GAIA REGULAMENTO INTERNO PRELIMINAR. Artigo 1º Âmbito CONSERVATÓRIO SUPERIOR DE MUSICA DE GAIA REGULAMENTO INTERNO PRELIMINAR Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento Interno aplica-se indistintamente aos dois cursos ministrados no Conservatório Superior

Leia mais

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa FAQ S 1. Quais os requisitos necessários para ingressar num Mestrado? O candidato deverá ser titular do grau de licenciatura ou de mestre sendo as áreas de formação definidas aquando da publicação do edital

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior 3 de Setembro de 2010 Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Capítulo I Princípios da

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL 1.º INTRODUÇÃO O Decreto-Lei nº 152/91, de 23 de Abril, consagra o estatuto do dirigente associativo estudantil. O Decreto-Lei nº 55/96, de 22 de Maio, altera

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS * Rio de Janeiro * MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO ALUNO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS * Rio de Janeiro * MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO ALUNO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS * Rio de Janeiro * MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO ALUNO NOME: IDENTIDADE: ORGAO EMISSOR: DATA DE EMISSÃO: CPF: DATA DE NASCIMENTO: UF : CELULAR: E-MAIL:

Leia mais

FUNDO DE APOIO AO ACADÊMICO DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO FAAES - PARA INGRESSANTES SEGUNDO SEMESTRE 2014

FUNDO DE APOIO AO ACADÊMICO DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO FAAES - PARA INGRESSANTES SEGUNDO SEMESTRE 2014 REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO FAAES - PARA INGRESSANTES SEGUNDO SEMESTRE 2014 A AJES, mantenedora da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis do Vale do Juruena, Instituto Superior de Educação do

Leia mais

Secretaria de Estado para o Ensino Superior

Secretaria de Estado para o Ensino Superior Secretaria de Estado para o Ensino Superior Decreto n.º 21/08 de 28 de Fevereiro Com a aprovação da Lei de Bases do Sistema de Educação, torna se necessário regulamentar a política de Acção Social no Ensino

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA. 05-00-00-00-00 Outras despesas correntes 3,268,000.00. Total das despesas

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA. 05-00-00-00-00 Outras despesas correntes 3,268,000.00. Total das despesas 420 23 2010 6 7 Unidade: MOP Classificação funcional Classificação económica Designação Montante 02-03-07-00-00 Publicidade e propaganda 8-01-0 02-03-07-00-01 Encargos com anúncios 02-03-08-00-00 Trabalhos

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 31 DE MARÇO DE 2008

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 31 DE MARÇO DE 2008 PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 31 DE MARÇO DE 2008 Dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior - FIES. DA POLÍTICA DE OFERTA DE FINANCIAMENTO Art. 4º A concessão de financiamento

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

TUTORIAL/RENOV.MATRÍCULA/GRAD.EAD RJ. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. Estimados Estudantes,

TUTORIAL/RENOV.MATRÍCULA/GRAD.EAD RJ. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. Estimados Estudantes, TUTORIAL/RENOV.MATRÍCULA/GRAD.EAD RJ Estimados Estudantes, Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. Gostaríamos de manifestar nossa alegria e gratidão pela confiança em nossa Instituição durante o período

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES 2012

REGULAMENTO PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES 2012 REGULAMENTO PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES 2012 1) Constitui pré requisito para o ingresso no Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes 2012 UNINOVE a apresentação de Diploma

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013 Estabelece normas para o pagamento de semestralidade, mensalidades, taxas e outros emolumentos estabelecidos em portaria pelos serviços prestados pela FACCREI/FACED.

Leia mais

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos.

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos. Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril Regulamento n.º 100/2006 (Diário da República II Série de 16 de Junho de 2006) Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade

Leia mais

Regulamento Financeiro 2015

Regulamento Financeiro 2015 Regulamento Financeiro 2015 SUZANO, 2014 Página 1 ÍNDICE Disposições Gerais... 4 Artigo 1.º... 4 Artigo 2º... 4 Da Matrícula... 4 Artigo 3º... 4 Artigo 4º... 5 Artigo 5º... 5 Artigo 6º... 5 Artigo 7º...

Leia mais

Manual do Candidato. Grupo Educacional LBS-FAPPES. Vestibular FAPPES 2016. WEST PLAZA R. Barão de Tefé, 247 - São Paulo - SP, 05003-100

Manual do Candidato. Grupo Educacional LBS-FAPPES. Vestibular FAPPES 2016. WEST PLAZA R. Barão de Tefé, 247 - São Paulo - SP, 05003-100 Grupo Educacional LBS-FAPPES CREDENCIADO PELO MEC. DECRETO N 485 de 09/02/2006 Manual do Candidato Vestibular FAPPES 2016 1. Disposições Gerais 1.1. O Processo Seletivo consiste na seleção e classificação

Leia mais

ISEC SGAP Paula Mexia Paulo Oliveira

ISEC SGAP Paula Mexia Paulo Oliveira Secretaria Virtual INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA MANUAL DE MATRÍCULA / INSCRIÇÃO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO CONCURSOS ESPECIAIS REINGRESSOS MUDANÇAS DE CURSO E TRANSFERÊNCIAS CTESP Revisão

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre

Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre Edital Cursos de Mestrado em Enfermagem (Despachos n.º 23087/2009, n.º 23089/2009, n.º 23088/2009 20 de Outubro de 2009). 1 Por

Leia mais

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa.

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa. Decreto n.º 87/79 de 20 de Agosto Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Portuguesa e a República Popular de Moçambique O Governo decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

Portaria Normativa n.º 21, de 26 de dezembro de 2014

Portaria Normativa n.º 21, de 26 de dezembro de 2014 Portaria Normativa n.º 21, de 26 de dezembro de 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas MEC n.º 2, de 31 de agosto de 2008; n.º 1, de 22 de janeiro de 2010; n.º 10, de 30 de abril de 2010; n.º

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº21, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas MEC nº 2, de 31 de agosto de 2008; nº 1, de 22 de janeiro de 2010; nº 10, de 30 de

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

Regulamento de Matrículas e Inscrições

Regulamento de Matrículas e Inscrições REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES Artigo 1 (Âmbito) O presente regulamento fixa as regras gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos ministrados nas Escolas do IPCA. Artigo 2.º (Competência)

Leia mais

1. DESCONTOS COMERCIAIS

1. DESCONTOS COMERCIAIS Resolução nº. 04/2015 Normatiza a Concessão de Descontos Institucionais nas Mensalidades de Graduação e, conforme determinado pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade - CNEC. A Diretora da Faculdade

Leia mais

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Escola Superior de Turismo e Hotelaria Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Data 2008-07-22 Conselho Científico Índice 1. Introdução... 3 2. Avaliação da aprendizagem...

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO Setembro de 2012 Luanda CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) Artigo 1.º (Natureza) O Trabalho de Conclusão do Curso, neste regulamento designado abreviadamente

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO - 2015

MANUAL DO ACADÊMICO - 2015 MANUAL DO ACADÊMICO - 2015 1. INFORMAÇÕES IMPORTANTES 1.1 - A matrícula deve ser renovada semestralmente. O período para a renovação de matrícula para o 1º semestre será até o dia 31 de janeiro de 2014,

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO No âmbito da sua ação sócio-cultural e educacional, a Santa Casa da Misericórdia de Mora decidiu atribuir bolsas de estudo

Leia mais

Até 15 dias letivos após o início das aulas disciplinas

Até 15 dias letivos após o início das aulas disciplinas EDITAL DE RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2010 O Diretor da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA, no uso da suas atribuições, torna público o calendário e as normas para renovação de matrícula

Leia mais

ALUNO Nome: Identidade: Órgão Emissor: UF: Data de Expedição: / /. CPF: Data de Nascimento: / /. CEP: Cidade: UF: Curso:

ALUNO Nome: Identidade: Órgão Emissor: UF: Data de Expedição: / /. CPF: Data de Nascimento: / /. CEP: Cidade: UF: Curso: Pelo presente instrumento particular, o ALUNO e, se for o caso, seu RESPONSÁVEL FINANCEIRO, em conjunto denominados CONTRATANTE, ALUNO Nome: Identidade: Órgão Emissor: UF: Data de Expedição: / /. CPF:

Leia mais

11,00 classificações obtidas 1.4 De conclusão de curso do curso de especialização tecnológica

11,00 classificações obtidas 1.4 De conclusão de curso do curso de especialização tecnológica TABELA DE EMOLUMENTOS DO IPL 1 1 Certidões: Euros 1.1 Certidão do registo de graus e diplomas de ensino superior (licenciatura; mestrado; diploma de estudos superiores de curta duração; 15,00 conclusão

Leia mais

REGULAMENTOS DO IPB. Índice dos Regulamentos e Estatutos

REGULAMENTOS DO IPB. Índice dos Regulamentos e Estatutos REGULAMENTOS DO IPB Índice dos Regulamentos e Estatutos Regulamentos Gerais Matrículas e Inscrições...1 Exames.(não aplicável à ESE)...9 Exames para Melhoria de Nota.(não aplicável à ESE)...12 Equivalências...14

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示.

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示. 956 澳 門 特 別 行 政 區 公 報 第 一 組 第 40 期 2005 年 10 月 3 日 獨 一 條 許 可 透 過 三 月 二 十 二 日 第 89/99/M 號 訓 令 而 獲 授 許 可 於 澳 門 設 立 分 支 公 司 以 經 營 一 般 保 險 業 務 的 Companhia de Seguros Fidelidade S.A., 中 文 名 稱 為 忠 誠 保 險 公 司,

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO FISCAL

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO FISCAL REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO FISCAL OUTUBRO - 2003 ÍNDICE CAPÍTULO I ÁREA CIENTÍFICA, OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO Artigo 1.º - Criação Artigo 2.º - Objectivos Artigo 3.º - Estrutura Artigo

Leia mais

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NOS CURSOS DO 1.º CICLO DE ESTUDOS E MESTRADO INTEGRADO NA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Âmbito

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE. Regulamento Pedagógico Específico

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE. Regulamento Pedagógico Específico INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Regulamento Pedagógico Específico Índice Regulamento Pedagógico específico... 1 Conceitos chaves:... 1 1. Disposições Gerais... 2 1.1. Regime

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC)

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) Nos termos do disposto nos artigos 12º e 15º do Decreto-Lei

Leia mais

REGIME DO ESTUDANTE A TEMPO PARCIAL

REGIME DO ESTUDANTE A TEMPO PARCIAL REGIME DO ESTUDANTE A TEMPO PARCIAL Considerando: a) O conceito do estudante em regime de tempo parcial previsto no no 4 do artigo 5 0 da Lei no 37/2003, de 22 de Agosto, e a criação desse regime pelo

Leia mais

política de crédito e cobrança.

política de crédito e cobrança. Página 1 de 9 Última Alteração 1. FINALIDADE: Esta política tem por objetivo estabelecer normas à concessão de crédito educacional e estabelecer regras de negociações técnicas eficientes para manter o

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016 Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo CANDIDATURAS 1. O pagamento da taxa de candidatura (quando aplicável) só se efetua uma única vez, desde que

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

MESTRADO EM DIREITO E ECONOMIA DO MAR A GOVERNAÇÃO DO MAR * 2015/2016

MESTRADO EM DIREITO E ECONOMIA DO MAR A GOVERNAÇÃO DO MAR * 2015/2016 MESTRADO EM DIREITO E ECONOMIA DO MAR A GOVERNAÇÃO DO MAR * 2015/2016 VAGAS o 15 vagas para a candidatura na 1.ª fase o 15 vagas para a candidatura na 2.ª fase Na 1.ª fase aceitam-se candidaturas condicionadas

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito

Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito Aprovado pelo Conselho Geral em 29/06/09 Nos termos do despacho n.º 13531/2009 (2.ª Série), publicado na II Série do Diário da República n.º 111,

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS PARA O ANO DE 2015

REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS PARA O ANO DE 2015 REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS PARA O ANO DE 2015 Bacabal 2015 REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS DO OBJETIVO Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras gerais do Programa de Bolsas e Benefícios

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 07/2014. Regulamenta o Programa Institucional De Descontos Financeiros - PIDF da Faculdade Fucapi (Instituto de Ensino Superior Fucapi)

RESOLUÇÃO nº 07/2014. Regulamenta o Programa Institucional De Descontos Financeiros - PIDF da Faculdade Fucapi (Instituto de Ensino Superior Fucapi) Regulamenta o Programa Institucional De Descontos Financeiros - PIDF da Faculdade Fucapi (Instituto de Ensino Superior Fucapi) O Presidente do CONSUP, no uso de suas atribuições regimentais, artigo 8 inciso

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 185/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

NORMAS E CRONOGRAMA DE RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA PARA O 2º SEMESTRE DE 2015 1. CRONOGRAMA DA RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA PARA O 2º SEMESTRE DE 2015

NORMAS E CRONOGRAMA DE RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA PARA O 2º SEMESTRE DE 2015 1. CRONOGRAMA DA RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA PARA O 2º SEMESTRE DE 2015 Prezado (a) estudante, NORMAS E CRONOGRAMA DE RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA PARA O 2º SEMESTRE DE 2015 Neste documento serão apresentadas orientações sobre a renovação de matrícula para o 2º semestre de 2015.

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais