REGIMENTO INTERNO. Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital Unimed João Pessoa I - FINALIDADE:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO. Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital Unimed João Pessoa I - FINALIDADE:"

Transcrição

1 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 1 de 20 I - FINALIDADE: Este documento apresenta a forma de organização das instâncias de poder do Hospital, sua configuração em Departamentos, Serviços e Setores, as competências de cada um, os cargos gerenciais existentes e as respectivas atribuições. DA NATUREZA, SEDE E FINALIDADES TÍTULO I II - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I Art. 1º. O Hospital da Unimed João Pessoa é unidade própria da Unimed, subordinando-se a suas normas e Estatuto. Tem sede e foro civil na Capital do Estado da Paraíba. Art. 2º. Tem por finalidade: Atender os clientes portadores de patologias de maior complexidade, dentro de padrões técnicos desejados, proporcionando desenvolvimento da medicina paraibana, dispensando a necessidade de deslocamento de nossos pacientes para outros centros Parágrafo Único Para consecução dos seus objetivos deverá o hospital atingir a seguinte Visão: Ser um hospital dotado da melhor qualidade e resolução médica PARAGRÁFO ÚNICO Para consecução dos seus objetivos deverá o Hospital desenvolver, dentre outras, as seguintes atividades: (Detalhamento da Missão) CAPÍTULO II DO PATRIMÔNIO, DA RECEITA E DO ORÇAMENTO Art. 3º. O Hospital utiliza recursos do patrimônio da Unimed. Art. 4º. Constituem receitas do Hospital: I- a remuneração pelos serviços técnicos prestados à Unimed João Pessoa; II- a remuneração pelos serviços técnicos prestados às outras Unimeds (Intercâmbio) ; III- remuneração advinda da prestação de serviços a outros clientes: planos de saúde, auto-gestão e pacientes particulares. IV- Recursos advindos de outras atividades de terceiros: arrendamento de espaços (lanchonete, floricultura, jornais e revistas, auditório)

2 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 2 de 20 DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Art 1. O Hospital terá autonomia para administrar seus recursos, em conformidade com o plano orçamentário operacional elaborado pela Direção do Hospital e aprovado pela Diretoria Executiva da Unimed. I - O Plano Orçamentário deverá estar em conformidade com o Planejamento Estratégico do Hospital, devendo constar do mesmo o detalhamento das Receitas previstas para o ano, bem como dos Custos, Despesas e Investimentos necessários para a geração das receitas. II Deverá constar do plano de investimentos (reformas, aquisição de bens permanentes ou duráveis), o detalhamento objetivo, serviço que será contemplado, demanda, viabilidade, oportunidade, devendo ser aprovado pela Diretoria Executiva da Unimed. III - A Diretoria do Hospital fará a gestão do mesmo, rigorosamente em conformidade com o Orçamento aprovado, devendo apresentar relatórios mensais de acompanhamento e avaliação do desempenho à Diretoria Executiva da Unimed. TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 5º. O Hospital da Unimed João Pessoa tem a seguinte estrutura organizacional: São órgãos da Direção Geral: DIREÇÃO GERAL Diretoria Geral Coordenação de Gestão de Pessoas Núcleo de Informação Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Comissão de Padronização de Materiais e Medicamentos Faz parte da Coordenação de Gestão de Pessoas: Coordenação Geral do Setor Serviço de Administração de Pessoas Setor de Treinamento, Desenvolvimento e Educação Continuada Serviço Especializado de Medicina e Segurança do Trabalho Faz parte do Núcleo de Informação: Coordenação do Núcleo Apoio operacional

3 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 3 de 20 São órgãos do Departamento : Diretoria de Gestão Assistencial Divisão das Unidades de Internação Divisão de Apoio Técnico Divisão de Apoio ao Cliente Comissão de Prontuários Comissão de Óbitos Colegiado de Enfermagem DEPARTAMENTO DE GESTÃO ASSISTENCIAL Faz parte da Divisão das Unidades de Internação: Gerência da Divisão Coordenação das Unidades de Internação Clínicas Coordenação das Unidades de Internação Cirúrgicas Coordenação do Centro Cirúrgico e Central de Esterilização de Materiais Coordenação da Maternidade Unidade de Internação da Maternidade, Centro Obstétrico. Coordenação da Unidade de Internação Pediátrica Faz parte da Divisão de Apoio Técnico: Coordenação das Unidades de Cuidados Especiais do Neonato e UTI Neonatal Coordenação da UTI Pediátrica Coordenação de Pronto Atendimento/ Pronto Socorro/ SOS Coordenação do CDI Coordenação da UTI Geral e Unidade Coronariana Serviço de Farmácia Faz parte da Divisão de Apoio ao Cliente Setor de Arquivo Médico Setor de Central de Vagas/ Agendamento e Autorizações Setor de Recepções: Internação, PA/PS, CDI. Setor de Apoio ao Médico e Pacientes Setor de Estatísticas Médicas DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PRODUÇÃO São órgãos do Departamento de Gestão de Produção: Diretoria de Gestão de Produção Divisão de Hotelaria Divisão de Finanças e Custos Setor de Compras Setor de Almoxarifado Setor de Manutenção Serviços de Nutrição Faz parte da Divisão de Hotelaria: Setor de Vigilância e Portaria Setor de Transportes Setor da Limpeza e Conservação Setor de Lavanderia Setor de Governança

4 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 4 de 20 Faz parte da Divisão de Finanças e Custos: Setor de Contas a Pagar Serviço de Faturamento Setor de Custos Setor de Tesouraria Setor de Controle Patrimonial DA INDICAÇÃO E CONTRATAÇÃO DOS DIRETORES E GERENTES Art. 6º. Compete a Diretoria Executiva da Unimed, indicar: Diretor Geral do Hospital, o Gestor Assistencial e de Gestor de Produção e os Gerentes de Áreas, obedecidos os pré requisitos para os cargos. 1º. Os Chefes de Seção, de Serviço e Setor, serão selecionados pelo setor de recrutamento e seleção, referendados pelos gerentes e Diretores, sendo contratados para as respectivas funções de acordo com os pré-requisitos e rotinas estabelecidas. 1 - Direção Geral TÍTULO III DAS COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES CAPÍTULO I DA DIRETORIA GERAL É a instância máxima do Hospital, sendo o Diretor Geral a autoridade responsável pela coordenação geral do mesmo e pela implementação das políticas e diretrizes estratégicas, em consonância com a Presidência e o Diretoria Executiva da Unimed; São órgãos da Direção Geral: 1.1. Diretoria Geral 1.2 Coordenação de Gestão de Pessoas 1.3 Núcleo de Informação 1.4 Comissão de Padronização de Materiais e Medicamentos 1.5 Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 1.1 Diretoria Geral: Competências da Diretoria Geral: Acatar a definição das diretrizes políticas da Unimed, repassadas pela Diretoria Executiva da Unimed; Definir, juntamente com as outras Diretorias, as prioridades estratégicas do Hospital, coerentes com as propostas da Unimed; Coordenar a elaboração do Plano Estratégico anual do Hospital, a partir das diretrizes estabelecidas; Definir as estratégias para a Gestão de Pessoas, norteadas pelas linhas políticas da Unimed; Coordenar, a partir das diretrizes, as mudanças internas necessárias para o cumprimento da Missão e da Visão da Instituição; Aprovar os planos elaborados pelas outras Diretorias e Gerências; Representar a Instituição junto às entidades e Instituições públicas ou privadas;

5 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 5 de 20 Definir, juntamente com as outras instâncias da rede de serviços da Unimed, as interfaces, relações e trocas necessárias ao bom atendimento da população de usuários; Avaliar e acompanhar internamente o desenvolvimento dos planos e metas, priorizando a satisfação do usuário e a qualidade técnica do atendimento; Coordenar a elaboração do Plano Orçamentário e Financeiro da Instituição, a partir das diretrizes da Unimed, buscando garantir junto à mesma os recursos necessários à consecução dos objetivos propostos; Avaliar continuadamente o desempenho e resultados atingidos pelo Hospital, propondo as revisões de estratégias necessárias ao cumprimento da Missão e da Visão e à obtenção dos resultados propostos Atribuições do Diretor Geral: Participar das reuniões e despachos da Diretoria Executiva da Unimed divulgando as informações e dados relevantes do Hospital, inclusive análise dos resultados, e buscando resolver os assuntos de interesse da Instituição que sejam da alçada deste fórum; Deliberar sobre os assuntos propostos pela Diretoria Executiva da Unimed, divulgando aos níveis envolvidos as decisões tomadas; Participar de reuniões de outras Instituições e Entidades, quando houver interesse institucional envolvido; Promover reuniões mensais com as Gerências e Diretorias, para avaliação de resultados e de desempenho, de acordo com planos e metas propostos para a instituição (Plano Estratégico); Realizar reuniões de despachos semanais com os Gestores, a fim de avaliar as questões pendentes e que necessitem de revisão e decisões de sua alçada; Avaliar as informações geradas pelo Núcleo de Informações, divulgando-as às outras instâncias; Definir, junto com a Diretoria Executiva da Unimed, os pré-requisitos e critérios de contratação de serviços de terceiros com vistas a eficiência e eficácia na prestação de serviços, preservando os interesses da Instituição e o bom atendimento dos usuários. 1.2 Coordenação de Gestão de Pessoas É o setor da Instituição que se responsabiliza pela implementação das políticas de Gestão de Pessoas propostas pela Diretoria Executiva da Unimed, adequando-as às peculiaridades e necessidades do Hospital, responsabilizando-se pela sua disseminação e pelo acompanhamento e avaliação da sua operacionalização. Fazem parte da Coordenação de Gestão de Pessoas: Serviço de Administração de Pessoas Setor de Treinamento e Desenvolvimento Setor de Recrutamento e Seleção Serviço Especializado de Medicina e Segurança do Trabalho Competências da Coordenação de Gestão de Pessoas: Apoiar a Direção Geral na definição de estratégias para implementação das políticas de Recursos Humanos da Unimed, responsabilizando-se por sua operacionalização; Fazer interface com as instâncias da Unimed responsáveis pela definição destas políticas, buscando parceria na operacionalização das metas do Hospital; Participar, interna e externamente das definições de ações relativas à gestão de pessoas, buscando garantir os princípios definidos para a área ; Apoiar tecnicamente as iniciativas das outras áreas, para capacitação e desenvolvimento de pessoas, obedecidos os requisitos das políticas e planos internos;

6 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 6 de 20 Atribuições do Coordenador: Compor, juntamente com os membros das outras Diretorias, os Comitês e Fóruns de Ensino, Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas; Fazer interface e estabelecer parcerias com outras Instituições, a fim de viabilizar e instrumentalizar os treinamentos e cursos necessários ao pessoal interno; Propor e participar das definições de cursos, treinamentos e estágios para desenvolvimento e capacitação de pessoas, dentro dos planos de ação das diferentes áreas; Propor e implementar metodologias para integração, acompanhamento e avaliação de desempenho de pessoal; Incentivar a criação e apoiar a atuação do Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) e da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA; Elaborar relatórios técnicos de subsídio à discussão das políticas de cargos e carreiras e salários do Hospital e da Unimed, buscando opinar no processo de definição da mesma; Elaborar proposta para o plano de implementação das políticas de Desenvolvimento de Pessoas, submetendo-a à aprovação da Direção; Divulgar, junto a todas as instâncias do Hospital, os planos e propostas definidos e aprovados; Definir normas e rotinas de pessoal para todos os setores do Hospital, em parceria com os mesmos, com vistas ao cumprimento das políticas aprovadas e metas propostas; Participar das reuniões da Diretoria, opinando sobre assuntos de sua competência; Realizar reuniões sistematizadas com as Direções e Chefias, com vistas à implementação do Plano de ação de Gestão de Pessoas; Participar das reuniões e debates das outras áreas (Diretorias e Gerências), de avaliação dos planos, opinando nas questões relativas à sua área de atuação; Definir instrumentos de avaliação e controle, além de indicadores de resultados, para as ações relativas a Gestão de Pessoas; Participar, com anuência da Diretoria Geral, das reuniões da Unimed que envolvam temas e decisões das áreas de Gestão de Pessoas; Elaborar cronograma de cursos, treinamentos e capacitação de pessoal, para o plano estratégico anual, de acordo com as necessidades definidas pelas áreas; Elaborar o plano de operacionalização para isto, definindo, junto com as áreas, os recursos necessários para sua implementação; Acompanhar a implementação do cronograma, elaborando relatórios sobre seu desempenho e resultados; Elaborar Manual de normas e rotinas relativas à operacionalização das políticas de Gestão de Pessoas, divulgando-as aos setores do Hospital, atualizando-as quando necessário e zelando pelo seu cumprimento; Elaborar e implantar propostas e rotinas para integração de novos funcionários; Desenvolver modelos, propostas e rotinas para formação e treinamento de multiplicadores para as ações de treinamento e capacitação de sua área Serviço de Administração de Pessoas Ë a instancia do Hospital que cuida da vida funcional do servidor, responsabilizando-se pelos controles e pela avaliação do quadro, a partir de parâmetros existentes. Faz também a interface com os setores de recrutamento, seleção e treinamento e desenvolvimento. Competências do Serviço de Administração de Pessoas: Responsabilizar-se pelo gerenciamento quantitativo do quadro de pessoal, excluída a contratação, normatizando e controlando o quadro de colaboradores, avaliando movimentação e rotatividade, de forma a

7 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 7 de 20 garantir a adequada distribuição dos profissionais nos vários setores, necessária à boa assistência médicohospitalar proposta. Atribuições do Chefe: Acompanhar as normas e legislações relativas à área de pessoal; Definir as regras para o controle da movimentação e freqüência do pessoal, Propor as diretrizes para administração, controle e acompanhamento do quadro de pessoal, ressalvadas as normas e diretrizes emanadas pela Direção do Hospital e pela Unimed; Divulgar a legislação trabalhista pertinente a todos os colaboradores da Instituição; Fornecer à Diretoria as informações necessárias sobre processamento da folha, pagamento dos salários e remunerações dos servidores e prestadores; Acompanhar e manter atualizada a vida funcional do servidor; Definir, juntamente com a Direção, as normas relativas a afastamentos, licenças e férias dos servidores; Acompanhar e controlar as escalas de trabalho dos prestadores de serviços assistenciais, informando às gerências responsáveis sobre ocorrências na freqüência dos mesmos; Controlar os benefícios concedidos aos funcionários, viabilizando-os aos mesmos. 1.3 Núcleo de Informações É a instância responsável por elaborar os indicadores e relatórios técnicos, administrativos e gerenciais, obtidos através dos dados e informações disponíveis nos setores do hospital, necessários ao processo de avaliação, controle e tomada de decisão das várias instâncias de poder da Instituição. Fazem parte do Núcleo: Coordenação do Núcleo Apoio operacional Competências do Núcleo de Informação: Desenvolver e acompanhar o sistema de informações técnicas, administrativas e gerenciais, a partir da proposta definida pela Direção e do sistema de informação existente; Apoiar as instâncias gerenciais e técnicas nas suas necessidades de informação, para implementação da gestão da Instituição. Atribuições do Coordenador: Elaborar o Painel de indicadores e relatórios técnicos e gerenciais, de relevância para controle, avaliação e decisão, estratificado para as chefias, gerências e Diretorias; Estabelecer, junto aos setores do hospital, os dados e informações necessários à elaboração dos indicadores; Dar suporte aos setores na coleta de dados, treinando-os quando necessário, de forma a garantir a confiabilidade dos mesmos; Buscar os parâmetros para os indicadores propostos; Estabelecer, a partir do plano estratégico, junto com a Direção, os limites e metas para os indicadores; Acompanhar o desempenho dos parâmetros e metas propostos; Elaborar mensalmente o boletim de indicadores, distribuindo-os aos setores competentes; Buscar externamente, sempre que necessário, informações e dados técnicos e gerenciais, relevantes para o processo de gestão interno; Divulgar os indicadores definidos pela Direção, internamente aos servidores e prestadores de serviços, com a avaliação das metas e parâmetros estabelecidos;

8 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 8 de 20 Participar, juntamente com a Direção, Gerências e Chefias, de reuniões mensais, para avaliação de desempenho do hospital, apresentando a metodologia utilizada na apropriação e elaboração dos indicadores. 3. Departamento de Gestão Assistencial GESTÃO ASSISTENCIAL É responsável por todas as atividades técnico-assistenciais da Instituição, nos seus vários desdobramentos, gerenciando todas as unidades responsáveis diretamente pelo atendimento ao paciente (atividades fim e atividades de apoio diagnóstico, terapêutico e técnico), e pela organização e normatização ético-profissional do corpo clínico, dentro das normas do Conselho Regional de Medicina. São órgãos do Departamento da Gestão Assistencial Gerência das Unidades de Internação Gerência de Apoio técnico Gerência de Apoio ao Cliente Comissão de óbitos Comissão de prontuários Colegiado de Enfermagem Competências do Departamento de Gestão Assistencial Propor à Diretoria Geral os critérios e requisitos adequados ao bom atendimento dos pacientes, no enfoque multidisciplinar, considerando-se as necessidades e o perfil de população usuária (modelo assistencial); Avaliar as demandas de serviços existentes, definindo o perfil e dimensão de serviços técnicoassistenciais necessários ao Hospital; Coordenar as atividades assistenciais da Instituição buscando cumprir a Missão da Instituição e atingir a Visão proposta; Garantir, junto às várias categorias profissionais do Hospital a observância e cumprimento de normas e legislações relativas aos exercícios e ética profissionais; Definir as diretrizes e normas técnicas para o atendimento do paciente; Zelar pelo cumprimento das normas, rotinas e atividades estabelecidas para a assistência médicohospitalar aos pacientes; Acompanhar as escalas e rodízios de médicos, de modo a garantir a cobertura permanente às unidades do Hospital; Participar, juntamente com a Direção Geral, da definição dos mecanismos de avaliação de desempenho e qualidade do trabalho das equipes assistenciais; Participar, juntamente com a Direção Geral, da avaliação dos indicadores de desempenho, produtividade e qualidade do Hospital, principalmente daqueles que dizem respeito ao trabalho dos médicos; Informar sistematicamente aos setores sobre estes indicadores, definido medidas para sua melhoria; Comunicar à Direção Geral as falhas e faltas administrativas ou éticas dos médicos, participando da definição das medidas e providências a serem tomadas; Participar das reuniões periódicas técnicas e gerenciais, definidas pela Direção e nas eventuais, quando solicitado pela Diretoria. Coordenar as atividades médicas do Hospital de maneira a atingir as metas propostas com relação à qualidade do atendimento, ao modelo assistencial e à humanização da atenção ao paciente. Assessorar e apoiar o Diretor Geral em todas as decisões e ações que envolvam atividades médicas, fazendo a interface junto ao corpo clínico.

9 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 9 de 20 Zelar pelo cumprimento das normas éticas e profissionais da categoria médica, encaminhando as medidas previstas no Regimento do Corpo Clínico, sempre que couber. Atribuições do Gestor Assistencial: Definir internamente, junto aos Gerentes, Chefes e Coordenadores Técnicos, os atributos e indicadores para acompanhamento do bom desempenho das atividades e garantia de qualidade no atendimento, preservando-se o enfoque multidisciplinar; Definir, junto com a Coordenação de Gestão de Pessoas, o perfil e requisitos necessários aos profissionais técnicos da Instituição, incluindo níveis de formação e especialização; Coordenar a elaboração dos planos das áreas assistenciais, avaliando junto com Coordenadores e Gerentes as metas a serem cumpridas, recursos necessários, subordinando-os às diretrizes políticas, Missão e Visão definidos; Realizar reuniões quinzenais com Gerentes e Coordenadores da área, para avaliação do andamento do Plano, desempenho e resultados alcançados; Realizar reuniões semanais de despachos com Gerentes, coordenadores, chefes e supervisores da área técnica, com objetivo de acompanhar a operacionalização do atendimento ao paciente, avaliar dificuldades, problemas, buscando solucioná-los no seu nível de competência; Participar de ou realizar reuniões com outras Diretorias e instâncias da Instituição, sempre que o assunto envolver a área técnico-assistencial, ou quando os problemas de sua área necessitarem da deliberação das outras instâncias; Participar das reuniões da Diretoria, opinando nos assuntos de sua alçada; Participar de reuniões do Corpo Clínico sempre que necessário, com o objetivo de divulgar junto aos mesmos os planos e propostas institucionais, o plano de ações da área assistencial, além de deliberações, de âmbito geral, sobre atividades assistenciais; Coordenar reuniões do corpo de enfermagem, sempre que necessário, para divulgação de propostas institucionais, plano de ações assistenciais, e deliberações de ordem geral que envolvam a categoria; Avaliar, junto às Gerências e Coordenações, os indicadores de desempenho e resultados esperados, norteados pela definição dada pela Diretoria Geral, propondo as modificações necessárias na operacionalização; Acompanhar os indicadores de satisfação do usuário, zelando pela adequação dos serviços às suas necessidades. Presidir as reuniões e Assembléias do Corpo Clínico, dentro das normas do Regimento; Coordenar as Comissões de Prontuários, Óbitos definindo junto com seus membros os pré-requisitos para seu funcionamento; Representar o Hospital junto às instâncias técnicas e entidades médicas, sempre que necessário, em conjunto com o Diretor Geral; Propor e submeter à aprovação do Corpo Clínico o Regimento do Corpo Clínico, zelando pelo seu cumprimento. Comissão de Prontuários É a Comissão responsável por orientar e fiscalizar a forma, conteúdos e metodologia de documentação da informação médica, através da análise dos prontuários médicos, zelando pela adequada organização dos mesmos, de forma a garantir que a informação seja facilitadora para o atendimento do paciente, a qualquer momento que a mesma seja solicitada. Constituição da Comissão de Prontuários É constituída por membros do Corpo Clínico, escollhidos pelo Gestor Assistencial, de acordo com critérios estipulados pelo Regimento do Corpo Clínico. Comissão de Óbitos

10 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 10 de 20 É instância responsável por avaliar, do ponto de vista técnico científico, todos os óbitos ocorridos em pacientes internados no Hospital, divulgando ao corpo clínico, através de reuniões ou relatórios, as conclusões e recomendações. Constituição da Comissão de Óbitos A Comissão será constituída por membros do Corpo clínico, de acordo com critérios definidos pelo Regimento do Corpo Clínico. Gerência de Apoio Técnico É a instância responsável pela coordenação médica e gerenciamento das unidades de tratamentos especiais ou intensivos, atendimento de urgência e emergência, além das atividades complementares e de apoio técnico ao tratamento do paciente. Fazem parte da Gerência; Coordenação Médica da UTI Geral Coordenação Médica da UTI Neonatal Coordenação Médica da UTI Pediátrica Coordenação Médica da Unidade Coronariana Coordenadores Médicos do Pronto Atendimento e SOS Coordenação Médica do CDI Farmácia Competências da Dvisão de Apoio Técnico: Estabelecer diretrizes para a atenção ao paciente crítico, definindo critérios para o estabelecimento de padrões de qualidade na assitência médica e de enfermagem no setor Zelar pelo cumprimento das normas, rotinas e atividades estabelecidas para a assistência médicohospitalar aos pacientes; Acompanhar as escalas e rodízios de médicos, de modo a garantir a cobertura permanente às unidades do Hospital; Participar, juntamente com o Gestor Assistencial, da definição dos mecanismos de avaliação de desempenho e qualidade do trabalho das equipes assistenciais; Participar, juntamente com Gestor Assistencial, da avaliação dos indicadores de desempenho, produtividade e qualidade destes setores; Atribuições do Gerente: Coordenar a elaboração dos planos das áreas assistenciais de sua responsabilidade, avaliando junto com Coordenadores e Chefias, as metas a serem cumpridas, recursos necessários, subordinando-os às diretrizes políticas, Missão e Visão definidos; Realizar reuniões quinzenais com Chefes e Coordenadores da área, para avaliação do andamento do Plano, desempenho e resultados alcançados; Realizar reuniões semanais de despachos com Coordenadores e chefes, com objetivo de acompanhar a operacionalização do atendimento ao paciente, avaliar dificuldades, problemas, buscando solucioná-los no seu nível de competência; Participar de ou realizar reuniões com outras Gerências e instâncias da Instituição, sempre que o assunto envolver a área técnico-assistencial, ou quando os problemas de sua área necessitarem da deliberação das outras instâncias; Participar, juntamente com o Gestor Assistencial da definição dos mecanismos de avaliação de desempenho e qualidade do trabalho das equipes; Buscar mecanismos para viabilização da participação dos profissionais em eventos, cursos e treinamentos que visem o aperfeiçoamento e melhoria de qualidade do atendimento do paciente;

11 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 11 de 20 Promover o desenvolvimento e atualização técnico - científicos dos profissionais destas unidades, através de reuniões científicas, debates e discussão de casos clínicos; Tomar as medidas necessárias e cabíveis, com relação ao baixo desempenho ou à qualidade do trabalho desenvolvido pelo colega da equipe, informando ao Gestor Assistencial; Discutir com os Coordenadores as normas técnicas e critérios para admissão e alta de pacientes das unidades que compõem esta Divisão; Apoiar as equipes médicas e Coordenadores, na definição de protocolos padronizados para procedimentos técnicos de competência dos médicos; Participar das reuniões periódicas médicas, técnicas e, gerenciais definidas pela Direção Geral e Gestão Assistencial e nas eventuais, quando solicitado pela Diretoria; Coordenação Médica da UTI Pediátrica Competências do Coordenador: Definir as diretrizes e normas técnicas para o atendimento do paciente pediátrico na unidade; Cumprir e fazer cumprir as normas, rotinas e atividades estabelecidas para o atendimento médico aos pacientes; Estabelecer, juntamente com a equipe médica, protocolos médicos e guidelines para o tratamento do paciente; Estabelecer normas técnicas com critérios para admissão e alta de pacientes nesta unidade; Estabelecer, juntamente com a equipe, protocolos padronizados para procedimentos técnicos de competência dos médicos; Definir, juntamente com a equipe médica, as escalas e rodízios, de modo a garantir a cobertura permanente a esta unidade; Controlar e buscar alternativas para os afastamentos e ausências dos médicos da equipe, escalados para as várias atividades (plantão, rotina, etc.); Participar, juntamente com a Gerência de Apoio Técnico, da avaliação dos indicadores de desempenho, produtividade e qualidade dos médicos e do setor; Informar sistematicamente a equipe sobre estes indicadores, definido medidas para sua melhoria; Responsabilizar-se, 24 horas por dia, pelas atividades dos intensivistas pediátricos, definindo, juntamente com a Gerência Técnica, instrumentos e ferramentas para o acompanhamento e controle deste trabalho; Comunicar à Gerência as falhas e faltas administrativas ou éticas dos médicos da equipe, informando sobre as medidas e providências tomadas; Participar das reuniões periódicas médicas, técnicas, gerenciais definidas pela Gerência e nas eventuais, quando solicitado; Participar, juntamente com o Gestor Assistencial, das atividades das Comissões da área médica. Coordenação Médica da UTI Geral Competências do Coordenador: Definir as diretrizes e normas técnicas para o atendimento do paciente neste setor, juntamente com a Coordenadora de Enfermagem; Estabelecer, juntamente com a equipe médica, protocolos médicos e guidelines para o tratamento do paciente; Estabelecer normas técnicas com critérios para admissão e alta de pacientes nesta unidade; Estabelecer, juntamente com a equipe, protocolos padronizados para procedimentos técnicos de competência dos médicos; Cumprir e fazer cumprir as normas, rotinas e atividades estabelecidas para o atendimento médico aos pacientes;

12 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 12 de 20 Definir, juntamente com a equipe médica, as escalas e rodízios, de modo a garantir a cobertura permanente a esta unidade; Controlar e buscar alternativas para os afastamentos e ausências dos médicos da equipe, escalados para as várias atividades (plantão, rotina, etc.); Participar da definição dos mecanismos de avaliação de desempenho e qualidade do trabalho da equipe; Buscar mecanismos para viabilização da participação dos profissionais em eventos, cursos e treinamentos que visem o aperfeiçoamento e melhoria de qualidade do atendimento do paciente; Promover o desenvolvimento e atualização técnico - científicos dos profissionais destas unidades, através de reuniões científicas, debates e discussão de caso clínicos; Tomar as medidas necessárias e cabíveis, com relação ao baixo desempenho ou à qualidade do trabalho desenvolvido pelo colega da equipe, informando ao Gerente de Apoio Técnico; Participar, juntamente com a Gerência, da avaliação dos indicadores de desempenho, produtividade e qualidade que dizem respeito ao trabalho dos médicos; Informar sistematicamente a equipe sobre estes indicadores, definido medidas para sua melhoria; Responsabilizar-se, 24 horas por dia, pelas atividades dos intensivistas, definindo, juntamente com a Gerência, instrumentos e ferramentas para o acompanhamento e controle deste trabalho; Comunicar ao Gerente de Apoio Técnico as falhas e faltas administrativas ou éticas dos médicos da equipe, informando-a sobre as medidas e providências tomadas; Participar, juntamente com a Gestão sistencial, das atividades das Comissões da área médica. Coordenação Médica da UTI Neonatal Competências do Coordenador: Definir as diretrizes e normas técnicas para o atendimento do paciente neonato, na unidade de terapia intensiva e cuidados especiais, incluindo critérios técnicos e médicos de admissão e alta nestas unidades. Estabelecer, juntamente com a equipe médica, protocolos médicos e guidelines para o tratamento do paciente; Estabelecer normas técnicas com critérios para admissão e alta de pacientes nesta unidade; Estabelecer, juntamente com a equipe, protocolos padronizados para procedimentos técnicos de competência dos médicos; Cumprir e fazer cumprir as normas, rotinas e atividades estabelecidas para o atendimento médico e de enfermagem aos pacientes destas unidades; Definir, juntamente com as equipes médica e Coordenação de enfermagem, as escalas e rodízios, de modo a garantir a cobertura permanente destas unidades do Hospital; Controlar e buscar alternativas para cobertura de afastamentos e ausências dos médicos da equipe, escalados para as várias atividades (plantão, rotina); Buscar mecanismos para viabilização da participação dos profissionais em eventos, cursos e treinamentos que visem o aperfeiçoamento e melhoria de qualidade do atendimento do paciente; Promover o desenvolvimento e atualização técnico - científicos dos profissionais destas unidades, através de reuniões científicas, debates e discussão de caso clínicos; Participar, juntamente com a Gerência Técnica, da definição dos mecanismos de avaliação de desempenho e qualidade do trabalho da equipe multiprofissional da UTI; Tomar as medidas necessárias e cabíveis, com relação ao baixo desempenho ou à qualidade do trabalho desenvolvido pelos profissionais das equipes, informando ao Gerente Técnico; Participar, juntamente com a Gerência de Apoio Técnico, da avaliação dos indicadores de desempenho, produtividade e qualidade do Hospital, em especial aqueles que dizem respeito a estas unidades; Informar sistematicamente aos profissionais das equipes sobre estes indicadores, definido medidas para sua melhoria. Responsabilizar-se, 24 horas por dia, pelas atividades das unidades, definindo instrumentos e ferramentas para o acompanhamento e controle deste trabalho; Comunicar à Gerência as falhas e faltas administrativas ou éticas dos médicos, informando-a sobre as medidas e providências tomadas;

13 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 13 de 20 Participar das reuniões periódicas, técnicas e gerenciais definidas pela Gerência e nas eventuais, quando solicitado. Colegiado de Enfermagem: É a instância responsável pela normatização e padronização das atividades de enfermagem além da definição e atualização do modelo assistencial para estes profissionais, zelando pelo cumprimento das normas éticas estabelecidas e pela qualidade do atendimento ao paciente, incentivando o desenvolvimento técnico-científico dos profissionais desta área. São membros do Colegiado: Coordenadores de enfermagem de: Unidades de Internação Clínica Unidades de Internação Cirúrgica Unidade de Internação Pediátrica Maternidade e Centro Obstétrico Centro Cirúrgico e Central de Materiais e Esterilização UTI Geral e Unidade Coronariana UTI Neonatal e Cuidados Especiais do RN UTI Pediátrica PA/ PS/ SOS/ CDI Gerente das Unidades de Internação ( quando for enfermeira(o)) Atribuições do Colegiado: Definir as diretrizes e normas técnicas para a assistência de enfermagem ao paciente, em todas as unidades de atendimento, definindo critérios, parâmetros e protocolos técnicos, em conjunto com a equipe de profissionais da área. Definir, juntamente com a equipe de profissionais de enfermagem, as normas, rotinas e atividades a serem desenvolvidas em cada unidade para o atendimento de enfermagem aos pacientes Zelar pelo cumprimento das diretrizes, normas e rotinas estabelecidas. Participar, juntamente com as Gerências Técnicas e a Gestão Assistencial, da definição dos mecanismos de avaliação de desempenho e qualidade do trabalho da equipe profissional de enfermagem. Tomar as medidas necessárias e cabíveis, em conjunto com as Gerências de Áreas técnicas, com relação ao baixo desempenho ou à qualidade do trabalho desenvolvido pelos profissionais das equipes, informando ao Gestor Assistencial. Participar, juntamente com a Direção Clínica e Direção Técnica, da avaliação dos indicadores de desempenho, produtividade e qualidade do Hospital, em especial aqueles que dizem respeito a estas unidades. Informar sistematicamente aos profissionais das equipes sobre estes indicadores, definido medidas, dentro de sua área de competência, para sua melhoria. Supervisionar tecnicamente as enfermeiras de unidade. Participar da definição de diretrizes e programações do setor de educação continuada da Coordenação de Gestão de Pessoas para a área de enfermagem. Definir juntamente com a equipe de enfermagem as normas de conduta ética para os mesmos. Monitorar e avaliar os profissionais com relação a estas normas, definindo fóruns para a avaliação de infrações éticas dos mesmos Participar das reuniões periódicas, técnicas, gerenciais definidas pela Direção e nas eventuais, quando solicitado pela Gestão Assistencial. Gerência das Unidades de Internação:

14 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 14 de 20 Gerencia o trabalho dos profissionais desta área em todos os setores onde exerçam atividades. Faz parte desta Gerência: Coordenação das Unidades de Internação Clínicas Coordenação das Unidades de Internação Cirúrgicas Coordenação do Centro Cirúrgico e Central de Esterilização de Materiais Coordenação da Maternidade Unidade de Internação da Maternidade, Centro Obstétrico Coordenação da Pediatria Competências da Gerência : Estabelecer as diretrizes e normas técnicas para a assistência aos pacientes, em todas as unidades de atendimento, definindo critérios, parâmetros e prarticipando da definição de protocolos técnicos, em conjunto com a equipe de profissionais da área, zelando pela qualidade do atendimento aos pacientes nas várias unidades assistenciais. Atribuições do Gerente: Definir, juntamente com a equipe de profissionais de enfermagem, as normas, rotinas e atividades a serem desenvolvidas em cada unidade para o atendimento de enfermagem aos pacientes, de acordo com as diretrizes definidas pelo Colegiado de Enfermagem; Zelar pelo cumprimento das normas e rotinas do trabalho médico, estabelecidas pelo Gestor Assistencial e Equipes de especialidades atuantes nestas unidades; Zelar pelo cumprimento das diretrizes, normas e rotinas estabelecidas; Participar, juntamente com o Gestor Assistencial, da definição dos mecanismos de avaliação de desempenho e qualidade do trabalho da equipe profissional de enfermagem. Tomar as medidas necessárias e cabíveis, em conjunto com o Gestor Assistencial, relativas ao baixo desempenho ou à qualidade do trabalho desenvolvido pelos profissionais das equipes; Participar, juntamente com a Gestão Assistencial, da avaliação dos indicadores de desempenho, produtividade e qualidade do Hospital, em especial aqueles que dizem respeito a estas unidades. Informar sistematicamente aos profissionais das equipes sobre estes indicadores, definido medidas, dentro de sua área de competência, para sua melhoria. Supervisionar as coordenadoras de unidade, avaliando o desempenho dos setores e das mesmas; Participar da definição de diretrizes e programações do setor de educação continuada para osprofissionais da área ; Participar das reuniões periódicas, técnicas, gerenciais definidas pela Gestão Assistencial e nas eventuais, quando solicitado. Gerência de Apoio ao Cliente É a instância responsável pelo acompanhamento do fluxo do paciente desde sua admissão em quaisquer das unidades assistenciais, até sua alta, controlando a utilização dos recursos assistenciais, zelando pela documentação das informações do atendimento, apoiando a clientela médica e de pacientes na suas demandas para o atendimento. Faz parte da Gerência de Apoio ao Cliente: Serviço de Arquivo Médico Central de Vagas/ Agendamento e Autorizações Recepções: Internação, PA/PS, CDI. Setor de Atendimento do Médico e Pacientes Setor de Estatísticas Médicas

15 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 15 de 20 Competência da Gerência: Controlar e acompanhar as vagas das unidades assistenciais do Hospital gerenciando a capacidade instalada e agenda dos setores de atendimento, de forma a otimizar a utilização destes recursos técnicos; Fazer a guarda, movimentação e controle da documentação médica dos pacientes; Elaborar os indicadores técnicos hospitalares que serão encaminhados ao Núcleo de Informação; Recepcionar e informar pacientes e acompanhantes; orientar pacientes quanto à documentação necessária para utilização dos serviços; Providenciar, junto aos convênios, as autorizações, guias e senhas, de forma a facilitar o ingresso dos pacientes e garantir a cobrança adequada dos serviços prestados pelo Hospital; Dar suporte aos médicos da Instituição quanto à documentação, cobranças, normas e rotinas do Hospital. Atribuições do Gerente: Coordenar a elaboração de normas e rotinas para os setores da Divisão; Participar da elaboração do Plano Estratégico do Hospital, nas suas áreas de competência; Coordenar reuniões com as Chefias e Encarregados da Divisão, para acompanhamento da operacionalização do Plano, avaliando as metas e resultados; Realizar reuniões semanais de despacho com os setores, deliberando sobre assuntos de sua alçada; Participar de reuniões com a Gestão Assistencial sempre que convocado; Coordenar a realização das pesquisas de satisfação dos clientes, pacientes e médicos; Encaminhar ao Núcleo de Informações os dados necessários à elaboração dos indicadores de clientes; Realizar reuniões com as outras instâncias sempre que necessário para encaminhamento de propostas que garantam a melhoria do atendimento ao cliente. Departamento de Gestão de Produção GESTÃO DE PRODUÇÃO É responsável por toda a infra-estrutura de suporte à assistência ao paciente, devendo garantir os serviços e recursos para a operacionalização da mesma. São órgãos do Departamento de Gestão de Produção: Gerência de Hotelaria Setor de Portaria e Vigilância Setor de Transportes Setor de Limpeza Setor de Lavanderia Setor de Governança Gerência de Finanças Setor do Orçamento e Finanças Serviço de Faturamento Setor de Controle Patrimonial Setor de Nutrição

16 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 16 de 20 Setor de Compras Setor de Manutenção Setor de Almoxarifado Competências do Departamento de Gestão de Produção Coordenar a elaboração dos planos administrativos e orçamentário - financeiros, para dar conta das diretrizes e objetivos propostos pela Instituição; Aprovar os planos setoriais elaborados pelas gerências das áreas; Acompanhar o desempenho econômico - financeiro da Instituição, propondo ao Diretor Geral, medidas para sua correção, quando necessário; Fazer a interface com as unidades econômico - financeiras da Unimed, buscando garantir os recursos necessários aos cumprimentos dos objetivos do Hospital; Definir, a partir dos objetivos e metas estabelecidos pelo Hospital, a política de suprimentos para o mesmo, consideradas sua Missão, Visão e as normas da Unimed e legislação vigente. Definir mecanismos e meios que garantam o adequado fornecimento de todos os insumos necessários à operacionalização do Hospital, Fazer interface com os responsáveis pela aquisição de bens permanentes, incluindo equipamentos; Facilitar, agilizar e apoiar todos os planos e operações voltados a esta função. Acompanhar, junto à Unimed, as normas, legislações e atividades relativas a compras e suprimentos, representando os interesses do Hospital, nestas instâncias; Garantir o adequado funcionamento das áreas operacionais de apoio geral, avaliando as necessidades junto às áreas técnicas, concorrendo para o adequado atendimento ao usuário. Atribuições do Gestor: Coordenar a elaboração de normas e rotinas para o adequado funcionamento dos setores responsáveis pelo suprimento de materiais; Estabelecer indicadores e definir parâmetros para a adequada avaliação dos níveis de consumo do Hospital; Acompanhar mensalmente o desempenho destes indicadores; Definir as diretrizes e normas, junto com as gerências e Chefias, para o controle do patrimônio da Instituição; Zelar pela eficiência e eficácia na utilização dos recursos do Hospital, buscando medidas e propostas que minimizem custos, sem perder de vista a qualidade do atendimento; Coordenar, junto aos gerentes e chefias, a elaboração dos planos de ação setoriais relativos à sua área de competência; Definir, junto com a Coordenação de Gestão de Pessoas e Administração de Pessoal, os critérios e atributos (perfil) para os cargos de confiança da área; Coordenar quinzenalmente reuniões com Gerentes da área, para avaliação e acompanhamento da operacionalização dos planos de ação, com relação a desempenho e resultados; Realizar despachos semanais com os gerentes da área, com o objetivo de avaliar e encaminhar os problemas operacionais da sua área de atuação; Participar das reuniões da Diretoria, responsabilizando-se pelas informações de sua área, opinando sobre assuntos de sua competência e alçada; Participar das reuniões externas, da Unimed ou outras instâncias, quando a pauta envolver assuntos de sua área de atuação; Acompanhar mensalmente a execução orçamentária e financeira do Hospital, informando a Diretoria Geral e outras do andamento da mesma, propondo medidas que possam melhorar seu desempenho; Divulgar junto ao Hospital, os indicadores financeiros e de custos, para avaliação e tomada de decisão das outras instâncias; Participar de reuniões das outras áreas sempre que a pauta envolver assuntos de sua área de atuação;

17 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 17 de 20 Buscar sempre conhecer as necessidades das áreas assistenciais, disseminando-as junto aos seus setores, buscando cumprir o seu papel de suporte, na busca da melhor qualidade do atendimento; Garantir, nas suas áreas de atuação, a atenção adequada às necessidades do usuário; Gerência de Hotelaria É a instância responsável pela coordenação das atividades dos setores de infra-estrutura operacional da Instituição. São setores desta unidade: Setor de Limpeza Setor de Transporte Setor de Portaria e Vigilância Setor de Manutenção Setor de Controle Patrimonial Competências: Garantir, através do apoio logístico operacional da área, o suporte necessário ao adequado atendimento dos clientes, dentro de seu âmbito de ação. Zelar pelo patrimônio físico do hospital, através das atividades de vigilância, dos controles de fluxos das pessoas, cuidando também das condições do ambiente físico do mesmo, garantindo conforto o e higienização adequada do mesmo. Atribuições do Gerente: Definir, juntamente com os setores, os protocolos, normas e rotinas operacionais; Estabelecer, juntamente com o setor de Portaria, proposta para os fluxos de pessoas nas dependências do Hospital, definindo os acessos para cada categoria e as formas de controle do mesmo, submetendo-a ao Gestor de Produção para aprovação. Definir, juntamente com o Encarregado da Manutenção, o programa operacional do setor, estabelecendo as prioridades da área, de forma a garantir o adequado atendimento aos clientes internos (setores). Estabelecer, juntamente com a Direção e Gerências Técnicas, critérios para definição de unidades e setores críticos e estratégicos para o acompanhamento preventivo e corretivo, pelo setor de manutenção. Estabelecer junto aos setores acima, a listagem de equipamentos considerados estratégicos para o atendimento, como prioridade da manutenção. Desenvolver, juntamente com o Encarregado do setor, os instrumentos para acompanhamento e controle do parque de equipamentos do Hospital. Acompanhar as atividades deste setor, responsabilizando-se, juntamente com o encarregado da área, pela resolução de problemas e situações de urgência, nas 24 horas do dia. Definir juntamente com o Coordenação de Gestão de Pessoas, os critérios e conteúdos para o treinamento do pessoal da Portaria, visando o adequado atendimento ao público e à clientela interna e externa. Estabelecer a classificação das áreas do Hospital para o setor de Limpeza, a partir dos parâmetros técnicos e referências fornecidas pela CCIH. Estabelecer, juntamente com o Encarregado do setor de Limpeza, as normas, rotinas e protocolos por nível de criticidade da área, que comporão o Manual Operacional da Limpeza. Estabelecer, juntamente com o Setor de Gasoterapia, as normas, rotinas e instrumentos de acompanhamento e avaliação para o controle da rede de instalações e do consumo de gases do Hospital.

18 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 18 de 20 Fazer as interfaces com o fornecedor para definir o suprimento de gases, além da manutenção e consertos necessários. Realizar reuniões semanais com os encarregados dos setores, para encaminhamento dos problemas operacionais das áreas. Avaliar, juntamente com as encarregaturas, o desempenho de cada área, a partir da programação operacional e dos instrumentos e indicadores de avaliação estabelecidos para o Hospital. Participar das reuniões gerenciais da Diretoria (Gestão de Produção) e das reuniões eventuais, sempre que convocado. Setor de Compras Competências: Estabelecer as normas gerais de compras, obedecendo as diretrizes gerais da Unimed. Proceder à programação das compras de consumo continuado, de acordo com definições dadas pelo Gestor de Produção e com o histórico e indicadores de consumo estabelecidos pelo Almoxarifado. Proceder às compras eventuais, de acordo com normas e rotinas estabelecidas pelo Hospital; Definir as normas e rotinas para o adequado funcionamento do setor, de forma a garantir a aquisição de insumos da melhor qualidade e menor preço; Atribuições do Encarregado: Proceder à programação de compras para o Hospital, atendendo à programação orçamentária definida, às especificações estabelecidas nos Cadastros e Catálogos de Materiais e Medicamentos e aos perfis de consumo estabelecidos; Organizar e atualizar o Cadastro de Fornecedores do Hospital, de forma a manter aqueles que ofereçam produtos de melhor qualidade e menor preço; Estabelecer e manter atualizados, juntamente com Almoxarifado, Farmácia e Comissão de Padronização, regras e mecanismos para avaliação da qualidade dos materiais em processo de compras, respeitando as especificidades definidas pelo usuário; Elaborar manual de normas e rotinas para o setor; Supervisionar o processamento de compras do Setor, zelando pelas boas práticas de negociação e compras e pela idoneidade do processo; Elaborar relatórios mensais sobre compras para o Gestor de Produção; Estabelecer mecanismos de informação sobre o andamento das compras, para os setores usuários; Setor de Almoxarifado É o setor responsável pela guarda e estocagem dos insumos (materiais e medicamentos) em condições adequadas, além da organização das informações sobre os mesmos, desde sua recepção até sua saída. É também responsável pela distribuição, controle de consumo e solicitação de reposição de todo geral do Hospital, excluídos os medicamentos e materiais médico-hospitalares. Competências do Setor: Manter os materiais em condições de estocagem adequadas, com registro de entradas e saídas dos mesmos, garantindo o fornecimento dos mesmos de forma ágil e adequada a seus usuários internos ( Farmácia e setores do Hospital). Atribuições do Encarregado:

19 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 19 de 20 Fazer a recepção de todo material que chega ao Hospital, fazendo a conferência para garantir a correspondência com o que foi comprado e analisando minimamente os requisitos para avaliar conformidade e qualidade dos produtos. Definir formas de estocagem de modo a garantir a durabilidade e qualidade do produto, facilitando o seu manuseio Definir os mecanismos de dispensação e distribuição, de forma a atender plenamente os clientes da unidade em suas necessidades Estabelecer instrumentos e mecanismos de acompanhamento dos estoques, definindo, juntamente com o setor de Compras, os prazos e níveis para solicitação de compras Organizar e atualizar as informações sobre a movimentação dos estoques do setor, tanto do físico quanto do contábil, repassando-as aos setores competentes. Manter atualizados os protocolos e cadastros de materiais da Instituição; Participar das Comissões de padronização e revisão de materiais e medicamentos do Hospital; Elaborar relatórios mensais sobre consumo e movimentação do estoque, repassando-os ao Gestor de Produção; Participar das reuniões do Departamento, sempre que convocado; Informar ao Gestor todas as ocorrências ou intercorrências do setor, de forma a garantir a continuidade de distribuição de insumos aos setores; Elaborar manual de normas e rotinas para o setor, treinando os funcionários internos e divulgando-as aos setores usuários; Gerência de Finanças Setor de Tesouraria Setor de Contas a Receber Serviço de Faturamento Competências da Gerência de Finanças: Elaborar o plano orçamentário / financeiro anual, a partir das normas e diretrizes definidas pelo Gestor de produção e Diretoria Executiva da Unimed, e a partir das prioridades definidas no plano estratégico do Hospital; Controlar a receita mensal gerada pelo atendimento da clientela; Controlar a execução mensal da despesa; Coordenar e controlar a elaboração dos indicadores de custos, repassando-os ao Gestor de Produção e às Chefias dos setores, de acordo com programação estabelecida pelo Núcleo de Informações; Atribuições do Gerente: Coordenar e controlar as cobranças e os recebimentos feitos pelo Hospital, pelos serviços prestados, buscando mecanismos de agilizá-los; Elaborar e controlar planilha de custo mensal do setor, verificar e informar a disponibilidade de recursos orçamentários e financeiros, para a Direção; Efetuar pagamentos aos fornecedores, de acordo com planilhas de pagamentos elaborados pelo setor de compras e programação de liberação de recursos financeiros aprovado pela direção. Coordenar e controlar a elaboração do fluxo de caixa do Hospital; Participar de reuniões da Diretoria, conforme programação estabelecida; Prestar contas, semanalmente, ao Gestor de Produção, do andamento do setor, detalhando dificuldades e intercorrências; Encaminhar ao Setor de Contabilidade da Unimed, todas as informações necessárias à elaboração de balancetes e balanços, conforme programação previamente estabelecida pela Diretoria; Realizar reuniões periódicas com chefias e encarregaturas dos setores subordinados, zelando pelo adequado funcionamento dos mesmos.

20 Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 20 de 20 Serviço de Faturamento Competência do Serviço de Faturamento: Elaborar e processar cobranças de procedimentos, exames e serviços médicos, de acordo com contratos e tabelas previamente negociadas com as empresas clientes, de forma a garantir receitas e recebimentos adequados, correspondentes aos serviços prestados aos pacientes. Negociar com os convênios clientes o reprocessamento de contas glosadas, de forma a garantir a cobrança da receita gerada. Atribuições do Chefe do Faturamento Definir normas e rotinas para o adequado funcionamento do serviço; Divulgar e negociar com os os setores envolvidos as normas relativas a prazos e documentações necessárias para o adequado processamento das contas; Fazer interface com os convênios, sempre que necessário, com o objetivo de esclarecer situações omissas ou viabilizar cobranças de procedimentos não autorizados; Manter estreita interface com o setor de autorizações, gerência de Enfermagem e Gestor Assistencial, com o objetivo de garantir o processamento e fluxo adequado de documentos e informações necessários ao processamento de contas; Elaborar relatórios mensais sobre o faturamento, encaminhado-o ao Gerente de Finanças; Participar das reuniões da Gerência, estabelecidas em programação, ou sempre que convocado; Fazer interface com as Auditorias das empresas clientes, sempre que necessário, a fim de esclarecer dúvidas ou viabilizar cobranças dos serviços. REFERÊNCIAS/DOCUMENTOS COMPLEMENTARES: Não há referências. VALIDAÇÃO: Documento Elaborado pela Diretoria do Hospital

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V. REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD Estabelece o Regimento e o Organograma da Unidade de Auditoria Interna da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO, da Universidade Federal do

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS Art. 1º A Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação da Universidade Federal

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº.132, DE 02 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos em comissão de livre provimento e exoneração sem aumento da despesa e dá outras providências. O povo do Município

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR 140, DE 14 DE SETEMBRO DE 2015 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E EXTINÇÃO DE CARGOS EM COMISSÃO DE LIVRE PROVIMENTO E EXONERAÇÃO, AFETOS ÀS FUNÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL Nº 67/2008, SEM

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 014, DE 29 DE ABRIL DE 2015. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Proposta do Regimento Geral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Documento

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011.

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA R E S O L U Ç Ã O Nº 074/2011-PGJ.* O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso das atribuições

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA O presente Regimento interno complementará e regulamentará o Estatuto da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), nas atribuições e competências da sua Diretoria executiva e coordenadores de departamentos,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP Pág. 1 de 8 CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica do Instituto Federal do Piauí (IFPI), criado pela Resolução nº 012, de 12 de agosto de 2011,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO TÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º. O Museu de Porto Alegre Joaquim

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Cria e estabelece o Regimento Interno do órgão suplementar, Centro de Educação a Distância (CEAD) da Universidade Federal de Juiz de Fora. O CONSELHO SUPERIOR da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE REGIMENTO INTERNO DA CLINICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE - Capítulo I Caracterização do Serviço Clínica-Escola de Psicologia Art. 1º - O SEPsi - Serviço Escola de Psicologia

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 47/CT/2015 Assunto: Administração de Radiofármaco Palavras chaves: Oncologia; Radiofármaco; Punção Venosa. I Solicitação recebida pelo Coren/SC: A punção venosa para aplicação

Leia mais

PLANO DE CARGO E SALÁRIO

PLANO DE CARGO E SALÁRIO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ORGANIZAÇÃO SOCIAL - OS HOSPITAL DO TRICENTENÁRIO PLANO DE CARGO E SALÁRIO OLINDA, 2012 O Gestor Administrativo e Financeiro do Hospital do Tricentenário, no uso das suas atribuições,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA DE GRADUAÇÃO REGIMENTO INTERNO 2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A Asa Norte, 70 910 900 Brasília, DF Tel.

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999.

LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999. LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999. Dispõe sobre a Reorganização da Estrutura Administrativa do Poder Executivo do Município de Chapadão do Sul (MS), e dá outras providências. O Prefeito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (Lei nº. 11.640, de 11 de janeiro de 2008) REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS Art. 1º - O sistema

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010

LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010 LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, REGULAMENTAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL E VENCIMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SÃO CARLOS, ESTADO DE

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS Regimento do Serviço de Saúde do Corpo Discente (SSCD) da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) Unifesp Da denominação, composição e competências Artigo 1º O Serviço de Saúde do Corpo Discente (SSCD)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto nº 4.504, de 09 de Dezembro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 002, DE 29 DE OUTUBRO DE 1999, DA CONGREGAÇÃO. Institui Auditoria Interna da FMTM. A CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA

Leia mais

ANEXO A do Contrato de Gestão nº /2013 G E S T Ã O D A U N I D A D E D E P R O N T O A T E N D I M E N T O. UPA Senador Camará

ANEXO A do Contrato de Gestão nº /2013 G E S T Ã O D A U N I D A D E D E P R O N T O A T E N D I M E N T O. UPA Senador Camará ANEXO A do Contrato de Gestão nº /2013 G E S T Ã O D A U N I D A D E D E P R O N T O A T E N D I M E N T O UPA Senador Camará A. GESTÃO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) Do conjunto de equipamentos

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá Normatiza a organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CURSO DE JORNALISMO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CURSO DE JORNALISMO Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá Normatiza a organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário de Castanhal. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. O TCC é uma atividade acadêmica de natureza científica, técnica, filosófica e ou artística com

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

Manuais ISGH Coordenadoria de Educação Permanente, Ensino e Pesquisa CEPEP

Manuais ISGH Coordenadoria de Educação Permanente, Ensino e Pesquisa CEPEP Manuais ISGH Coordenadoria de Educação Permanente, Ensino e Pesquisa CEPEP Página 1 ELABORAÇÃO Assessoras Técnicas da Educação Permanente ISGH Ana Karine Girão Lima Társia Vitoria de Araujo Joaquim Nogueira

Leia mais

REGIMENTO INTERNO GABINETE DE GESTÃO INTEGRADA EM SEGURANÇA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE-MT.

REGIMENTO INTERNO GABINETE DE GESTÃO INTEGRADA EM SEGURANÇA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE-MT. REGIMENTO INTERNO GABINETE DE GESTÃO INTEGRADA EM SEGURANÇA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE-MT. TÍTULO I DA DEFINIÇÃO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO Art. 1º O Gabinete de Gestão Integrada em Segurança

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 035, DE 22 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando:

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando: RESOLUÇÃO CD 28/2009 - DEFINE O REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO CLÍNICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SERCEPS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIAL / CODETS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIAL / CODETS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO D COORDENDORI DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIL / CODETS PRÓ-REITORI DE EXTENSÃO CPÍTULO I D FINLIDDE rt. 1 o Coordenadoria de Desenvolvimento Tecnológico e Social CODETS, Setor

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003. Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ

RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003. Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003 Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA.

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA. RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA. O CONSELHO SUPERIOR, face ao disposto no Artigo 7º do Regimento Interno

Leia mais

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE FINALIDADE A Secretaria de Serviços Integrados de Saúde, órgão de direção especializada, subordinada ao diretor-geral da Secretaria do Tribunal,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.484, 15 DE MAIO DE 2014. (publicado no DOE nº 92, de 16 de maio de 2014) Aprova o Regimento Interno

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

1ª Adequação do Regimento do Serviço de Enfermagem do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Oeste do Paraná INTRODUÇÃO

1ª Adequação do Regimento do Serviço de Enfermagem do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Oeste do Paraná INTRODUÇÃO 1ª Adequação do Regimento do Serviço de Enfermagem do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Oeste do Paraná INTRODUÇÃO A assistência de enfermagem com qualidade está diretamente ligada à organização

Leia mais

Página 1 de 5 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 02/2002 Aprova o Regimento Interno da Coordenação de Controle Interno da UFPB. Legislação correlata:

Leia mais

Pelo exposto e considerando a relevância do tema, contamos com o apoio e compreensão de V. Exª e ilustres Pares para aprovação do Projeto

Pelo exposto e considerando a relevância do tema, contamos com o apoio e compreensão de V. Exª e ilustres Pares para aprovação do Projeto Vitória, 22 de junho de 2012 Mensagem nº 150/2012 Senhor Presidente: Encaminho à apreciação dessa Casa de Leis o anexo projeto de lei que propõe a criação de cargos para contratação temporária, Funções

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS Aprovado através da Resolução nº 06/CMS/2010, de 09 de março de 2010, Ananindeua PA Capítulo I DO CADASTRAMENTO

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1 O Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo - CEFET-ES, com sede na cidade

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$ 572,00 R$ 572,00

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$ 572,00 R$ 572,00 ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA CAMPUS FUNÇÃO REMUNERAÇÃO Caruaru Salgueiro Arcoverde Garanhuns Secretaria Executiva Téc. em Contabilidade Secretaria Executiva Téc. em Contabilidade

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 02/2010 CONSU/UNIFAP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 02/2010 CONSU/UNIFAP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 02/2010 CONSU/UNIFAP Regulamenta o Estágio Supervisionado, no âmbito da Universidade Federal do Amapá.

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

ANEXO VI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO VI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014) ANEXO VI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Planejamento

Leia mais

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 2163/2015 Reformula o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos Servidores da Caixa de Assistência, Previdência e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Porciúncula CAPREM e estabelece normas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA

PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA EDITAL N.º 002/ 2010. ANEXO III DESCRIÇÃO DOS CARGOS CARGO: 012- Ajudante Geral Requisitos: Conhecimentos gerais na área Atribuições do cargo: Proceder a limpeza

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Capítulo I Da Natureza Art. 1º. A Fazenda Experimental de Ciências

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

Anexo I Resolução nºc21/2009 CD/FAP de 27.05.2009

Anexo I Resolução nºc21/2009 CD/FAP de 27.05.2009 Anexo I Resolução nºc21/2009 CD/FAP de 27.05.2009 CENTRO DE ATENDIMENTO E ESTUDOS EM MUSICOTERAPIA CLOTILDE LEINIG A Universidade Estadual do Paraná - - Faculdade de Artes do Paraná, ao implementar o Centro

Leia mais

Regulamento de Utilização do Complexo de Hidroterapia UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA

Regulamento de Utilização do Complexo de Hidroterapia UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA Página 1 de 5 UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO COMPLEXO DE HIDROTERAPIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O complexo de hidroterapia

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL DECRETO Nº 309, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e o Organograma da Secretaria Municipal do Trabalho e Cooperativismo e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS no uso das atribuições

Leia mais

PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013

PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013 PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013 A Reitora da, Profª. Drª. Soraya Soubhi Smaili, considerando a decisão do Conselho Universitário em sua reunião ordinária de 13 de março de 2013, no uso de suas atribuições

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. Institui o Projeto Qualidade de Vida dos Profissionais de Segurança Pública e Agentes Penitenciários.

Leia mais

2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO...

2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO... GRANDEZA PELA DA PÁTRIA Diário Oficial MUNICÍPIO DE GOIÂNIA 2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA N 5.572 DECRETOS... PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO

Leia mais

EDUARDO BRAGA Governador do Estado

EDUARDO BRAGA Governador do Estado DECRETO N.º 24031, DE 26 DE JANEIRO DE 2.004 APROVA o Regimento Interno da SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO, ÉTICA E TRANSPARÊNCIA - SCI, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no

Leia mais

CHEFE DA SEÇÃO DE MANUTENÇÃO ESCOLAR compete acompanhar a tramitação de documentos e processos, observando o protocolo do mesmo; classificar, informar e conservar documentos; controle de matériais, providenciando

Leia mais

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL.

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Período 2015/2016 O Diretor da Santa Casa de Misericórdia de Sobral,

Leia mais

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências.

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências. Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XI - Nº: 2.273-01/01/2005 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Lei nº 9.011 de 1º de janeiro de 2005 - Anexos LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento para Atividades Práticas do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento para Atividades Práticas do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM. RESOLUÇÃO CSA N 10/2010 APROVA O REGULAMENTO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DO CURSO DE ENFERMAGEM, BACHARELADO, DA FACULDADE DO MARANHÃO FACAM. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016. RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº 43/2016

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

Plano de Funções Gerenciais e de Assessoramento PGA

Plano de Funções Gerenciais e de Assessoramento PGA Casa da Moeda do Brasil CMB Reestruturação Organizacional e Implantação de Modelo de Gestão de Pessoas Plano de Funções Gerenciais e de Assessoramento PGA Janeiro/2013 Casa da Moeda do Brasil CMB Sumário

Leia mais

Curso de Graduação em Enfermagem REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Curso de Graduação em Enfermagem REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Sumário Curso de Graduação em Enfermagem 1. DA APRESENTAÇÃO... 3 2. DA LEGISLAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR EM ENFERMAGEM...

Leia mais

PORTARIA Nº 17 de 15 de maio de 2014.

PORTARIA Nº 17 de 15 de maio de 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS IFMG CAMPUS FORMIGA GABINETE DO DIRETOR GERAL Rua Padre Alberico,

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria. Proposta de Política de Segurança da Informação e Comunicações da UTFPR

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria. Proposta de Política de Segurança da Informação e Comunicações da UTFPR Proposta de Política de Segurança da Informação e Comunicações da UTF Trata da gestão da segurança da informação, no âmbito da UTF, considerando o disposto na Norma Complementar nº 03/IN01/DSIC/GSI/, de

Leia mais

JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE

JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE História Recente na Saúde Suplementar Planos de Saúde Contratos Código do Consumidor Planos de Saúde = relação de consumo Lei dos Planos Obrigação de Coberturas

Leia mais

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003.

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA DA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO CGE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CONSELHOR CONSULTIVO CONSELHO FISCAL CAMARAS TEMÁTICAS COMÉRCIO VAREJISTA ALIMENTAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO SERVIÇOS TURISMO E HOSPITALIDADE

Leia mais