Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011."

Transcrição

1 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA R E S O L U Ç Ã O Nº 074/2011-PGJ.* O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 10, inciso V, da Lei nº 8.625, de (Lei Orgânica Nacional do Ministério Público) e pelo artigo 22, inciso IV, da Lei Complementar Estadual nº 141, de (Lei Orgânica do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte), RESOLVE: Art. 1º Aprovar e publicar o Regimento Interno do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte, em anexo à presente Resolução. Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de MANOEL ONOFRE DE SOUZA NETO Procuradora Geral de Justiça *Republicada por incorreção Publicado no DOE ANO 78 - Nº Data 09/06/2011 (1º Publicação) Publicado no DOE ANO 78 - Nº Data 10/06/2011 (Republicada por incorreção)

2 ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO Nº 074/2011- PGJ REGIMENTO INTERNO DO MP/RN SUMÁRIO TÍTULO I DA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA... 4 CAPÍTULO I DA NATUREZA JURÍDICA... 4 Art. 1º (Sobre a A Procuradoria Geral de Justiça)... 4 CAPÍTULO II DAS UNIDADES DIRETAMENTE VINCULADAS... 4 Seção I Da Chefia de Gabinete...4 Arts. 2º, 3º e 4º (Unidade subordinada: Secretaria Administrativa) Seção II Da Secretaria Especial da Procuradoria Geral de Justiça... 5 Art. 5º (Sobre a Secretaria Especial da Procuradoria Geral de Justiça) Seção III Da Coordenadoria Jurídica... 6 Arts. 6º ao 8º (Unidade subordinada: Secretaria Administrativa) Seção IV Do Gabinete de Segurança Institucional... 8 Arts. 9º e 10 (Unidade subordinada: Setor de Operações) Seção V Da Controladoria Interna... 9 Art. 11 ( Sobre a Controladoria Interna) Seção VI Da Comissão Permanente de Licitação Art. 12 (Sobre a Comissão Permanente de Licitação) Seção VII Da Assessoria de Cerimonial e Eventos Art. 13 ( Sobre a Assessoria de Cerimonial e Eventos) CAPÍTULO III DA DIRETORIA GERAL 13 Seção I Das Disposições Gerais Arts. 14 a 16 (Unidade subordinada: Secretaria Administrativa) Seção II Da Diretoria de Planejamento e Gestão Estratégica Arts. 17 a 22 (Unidades subordinadas: Gerência de Modernização Administrativa; Gerência de Gestão Estratégica; Escritório de Projetos; e Assessoria de Processos Organizacionais) Seção III Da Diretoria de Tecnologia da Informação Arts. 23 a 28 (Unidades subordinadas: Gerência de Sistemas; Gerência de Infraestrutura, Redes e Segurança; Setor de Atendimento ao Usuário; e Assessoria de Inovações Tecnológicas) Seção IV Da Diretoria de Gestão de Pessoas Arts. 29 a 35 (Unidades subordinadas: Gerência de Desenvolvimento Humano; Setor de Bem-estar, Saúde e Segurança no Trabalho; Setor de Administração de Pessoal; Setor de Folha de Pagamento; e Assessoria de Comportamento Organizacional) Seção V Da Diretoria de Orçamento, Finanças e Contabilidade...29 Arts. 36 a 39 (Unidades subordinadas: Setor de Execução Orçamentária e Financeira; e Setor de Contabilidade)

3 Seção VI Da Diretoria Administrativa...32 Arts. 40 e 41 (Sobre a Diretoria Administrativa) Subseção I Da Gerência de Material e Patrimônio Arts. 42 a 46 (Unidades subordinadas: Setor de Compras; Setor de Gestão de Contratos e Serviços e Setor de Suprimentos) Subseção II Da Gerência de Engenharia, Arquitetura e Manutenção Arts. 47 a 50 (Unidades subordinadas: Setor de Projetos e Obras; e Setor de Manutenção) Subseção III Da Gerência de Documentação, Protocolo e Arquivo Arts. 51 a 54 (Unidades subordinadas: Setor de Protocolo e Arquivo Geral) Subseção IV Do Setor de Transportes Art. 55 (Sobre o Setor de Transportes) Subseção V Do Setor de Serviços Auxiliares Art. 56 (Sobre o Setor de Serviços Auxiliares) Seção VII Da Diretoria de Comunicação... Arts. 57 a 61 (Unidades subordinadas: Setor de Imprensa; Setor de Produção e Arte; Assessoria de Relações Públicas) TÍTULO II DO COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA Art. 62 (Unidade subordinada: Secretaria Especial do Colégio de Procuradores de Justiça) TÍTULO III DO CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 63 (Unidade subordinada: Secretaria Especial do Conselho Superior do Ministério Público) TÍTULO IV DA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA ADJUNTA Art. 64 (Unidade subordinada: Secretaria Administrativa TÍTULO V DA CORREGEDORIA GERAL Arts. 65 e 66 (Unidades subordinadas: Secretaria Administrativa e Diretoria Geral) TÍTULO VI DOS ÓRGÃOS AUXILIARES CAPÍTULO I DO GRUPO DE ATUAÇÃO ESPECIAL DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO (GAECO) Arts. 67 a 73 (Unidades subordinadas: Secretaria Administrativa; Coordenadoria de Informações; Setor de Análise; Setor de Operações; Setor de 43

4 Contrainteligência; e Assessoria Técnica de Pesquisa e Gestão da Informação) CAPÍTULO II DO CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL Arts. 74 a 76 (Unidades subordinadas: Setor de Estágios; Setor Técnico Pedagógico e Assessoria de Editoração) CAPÍTULO III DOS CENTROS DE APOIO OPERACIONAL 58 Arts. 77 e 78 (Unidades subordinadas: Secretaria Administrativa; e Assessoria Técnica) CAPÍTULO IV DA OUVIDORIA 59 Art. 79 (Unidade subordinada: Secretaria Administrativa) TÍTULO VII DAS PROCURADORIAS DE JUSTIÇA Art. 80 (Unidade subordinada: Assessoria Técnica) TÍTULO VIII DAS PROMOTORIAS-POLO Arts. 81 a 83 (Unidades subordinadas: Secretaria Administrativa; e Assessoria Técnica) TÍTULO IX DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA Arts. 84 e 85 (Unidades subordinadas: Secretaria Administrativa; e Assessoria Técnica) TÍTULO X DAS DISPOSIÇÕES FINAIS... Arts. 86 a 87 (Sobre as Disposições Finais) 62

5 TÍTULO I DA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CAPÍTULO I DA NATUREZA JURÍDICA Art. 1º A Procuradoria Geral de Justiça constitui um dos órgãos da administração superior do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (MPRN), sob a direção do Procurador Geral de Justiça, cabendo-lhe as competências estabelecidas na Lei Complementar Estadual nº 141/1996 (Lei Orgânica do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte) e alterações posteriores. CAPÍTULO II DAS UNIDADES DIRETAMENTE VINCULADAS Seção I Da Chefia de Gabinete Art. 2º À Chefia de Gabinete da Procuradoria Geral de Justiça compete: I assessorar e subsidiar o Procurador Geral de Justiça na coordenação e execução de suas atividades; II assistir o Procurador Geral de Justiça em sua representação política e social; III assessorar o Procurador Geral de Justiça no planejamento e fixação de diretrizes para a administração do Ministério Público Estadual, principalmente, na estruturação e execução das atividades da área fim; IV assessorar o Procurador Geral de Justiça na coordenação das atividades do Gabinete do Procurador Geral de Justiça, relacionadas às áreas de controladoria, licitação, cerimonial, eventos, e segurança institucional; V supervisionar, coordenar, e controlar as atividades desenvolvidas pela Secretaria Especial do Gabinete do Procurador Geral de Justiça, e pela Assessoria de Cerimonial e Eventos; VI dirigir as atividades realizadas pelas unidades subordinadas promovendo a articulação e integração dessas aos planos e diretrizes estratégicos estabelecidos pela VII dirigir e coordenar a elaboração dos planos operacionais de suas unidades subordinadas; VIII cumprir os objetivos e as metas definidos pelo Planejamento Estratégico do Ministério Público Estadual; IX fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à Chefia de Gabinete da Procuradoria Geral de Justiça; X elaborar Termos de Referência para a aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XI elaborar os atos administrativos relacionados à Chefia de Gabinete da

6 Procuradoria Geral de Justiça; XII desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Art. 3º A Chefia de Gabinete funciona apoiada nas seguintes unidades orgânicas: I Secretaria Administrativa da Chefia de Gabinete da Procuradoria Geral de Justiça; II Assessoria de Cerimonial e Eventos; e III Secretaria Especial da Procuradoria Geral de Justiça. Art. 4º À Secretaria Administrativa da Chefia de Gabinete da Procuradoria Geral de Justiça compete: I recepcionar e assistir às pessoas com audiência marcada; II organizar a agenda de sessões, reuniões, audiências, e despachos da Chefia de Gabinete do Procurador Geral de Justiça; III receber, preparar, e encaminhar as correspondências e o expediente pessoal da Chefia de Gabinete do Procurador Geral de Justiça; IV providenciar passagens, reserva de hotel, traslados, e demais necessidades para os deslocamentos a serviço do Chefe de Gabinete da Procuradoria Geral de Justiça; V coordenar e controlar os serviços de copa, quando das reuniões; despachos e audiências da Chefia de Gabinete da Procuradoria Geral de Justiça; VI solicitar e controlar o material de expediente utilizado pela Chefia de Gabinete da Procuradoria Geral de Justiça; VII fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados a sua unidade; VIII elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; IX atender o público interno e externo; X desempenhar outras atividades que lhe forem delegadas. Seção II Da Secretaria Especial da Procuradoria Geral de Justiça Art. 5º À Secretaria Especial da Procuradoria Geral de Justiça compete: I recepcionar e assistir as pessoas com audiência marcada; II organizar a agenda de sessões, reuniões, audiências e despachos do Procurador Geral de Justiça; III receber, preparar e encaminhar as correspondências e os expedientes do Procurador Geral de Justiça; IV providenciar passagens, reserva de hotel, traslados e demais necessidades para os deslocamentos a serviço do Procurador Geral de Justiça ou seu representante; V coordenar as atividades administrativas do gabinete do Procurador Geral de Justiça;

7 VI cumprir os despachos e diligências determinados pelo Procurador Geral de Justiça; VII instruir os procedimentos administrativos relacionados a Procuradoria Geral de Justiça; VIII preparar ofícios, despachos e relatórios requeridos pelo Procurador Geral de Justiça; IX solicitar e controlar o material de expediente utilizado pelo Gabinete da Procuradoria Geral de Justiça; X elaborar planos operacionais da Secretaria Especial da Procuradoria Geral de Justiça; XI fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados a sua unidade; XII elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XIII elaborar os atos administrativos relacionados a sua unidade; XIV atender o público interno e externo; XV desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Seção III Da Coordenadoria Jurídica Judicial e Coordenadoria Jurídica Administrativa Art. 6º À Coordenadoria Jurídica Judicial compete: I prestar assessoramento jurídico ao Procurador Geral de Justiça nos processos e procedimentos judiciais e extrajudiciais; II elaborar parecer em processos da competência da Instituição, na Segunda Instância, com aprovação do Procurador Geral de Justiça; III atender a consultas e manifestar-se, conclusivamente, nos processos que lhe forem encaminhados; IV receber e examinar documentos de interesse dos órgãos de execução da Instituição, a fim de: a) providenciar o adequado esclarecimento dos fatos neles noticiados; b) providenciar o encaminhamento a quem deles deva conhecer, para instauração de procedimento criminal ou cível; V realizar as diligências necessárias nos procedimentos administrativos, representações, peças de informação e outros expedientes que digam respeito à matéria criminal e cível; VI preparar mensalmente as informações referentes à movimentação de feitos necessários à elaboração da estatística mensal; VII fazer estudos e pesquisas da legislação, doutrina e jurisprudência, mantendo arquivo atualizado com assuntos de interesse da Procuradoria Geral de Justiça; VIII cumprir os objetivos e metas definidos pelo Planejamento Estratégico da IX elaborar planos operacionais da Coordenadoria Jurídica Judicial; X fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à Coordenadoria

8 Jurídica Judicial; XI elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XII elaborar os atos administrativos relacionados à Coordenadoria Jurídica Judicial; XIII elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente, para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; XIV desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Art. 7º À Coordenadoria Jurídica Administrativa compete: I prestar assessoramento jurídico ao Procurador Geral de Justiça; II atender a consultas, analisar os processos que lhe forem submetidos e emitir pareceres conclusivos; III prestar assessoramento no preparo de relatórios, despachos e expedientes administrativos; IV analisar e emitir pareceres sobre minutas de contratos, convênios e atos a serem firmados pela V executar pesquisas de legislação, elaborar minutas de anteprojetos de lei e suas justificativas, além de atos administrativos e normativos para atendimento da demanda administrativa; VI manifestar-se nos processos relativos a direitos, deveres, vantagens, responsabilidades e tempo de serviço dos membros e servidores da VII produzir análises, pesquisas e estudos especializados na área jurídica administrativa; VIII proceder com a orientação das diversas unidades administrativas, promovendo o respeito à legislação e às normas da IX assistir à Diretoria Geral em assuntos relacionados à área jurídica administrativa; X analisar e emitir pareceres sobre conflitos de atribuições entre órgãos de execução do Ministério Público do Rio Grande do Norte; XI cumprir os objetivos e as metas definidos pelo Planejamento Estratégico da XII elaborar planos operacionais da Coordenadoria Jurídica Administrativa; XIII fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à Coordenadoria Jurídica Administrativa; XIV elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XV elaborar os atos administrativos relacionados à Coordenadoria Jurídica Administrativa; XVI elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente, para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; XVII desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas

9 Art. 8º À Secretaria Administrativa da Coordenadoria Jurídica Judicial e Administrativa compete: I recepcionar e assistir às pessoas com audiência marcada; II receber, preparar e encaminhar as correspondências e o expediente pessoal; III solicitar e controlar o material de expediente utilizado pelas Coordenadorias Jurídicas Judicial e Administrativa; IV gerenciar a movimentação processual; V prestar informações acerca de processos e procedimentos com vista às Coordenadorias Jurídicas Judicial e Administrativa; VI cumprir os despachos e as diligências determinados pelas coordenadorias; VII instruir os procedimentos administrativos relacionados à Coordenadoria Jurídica; VIII preparar ofícios, despachos, relatórios requeridos pelo Coordenador Jurídico Judicial e Coordenador Jurídico Administrativo; IX elaborar pesquisas e relatórios estatísticos requeridos pelos coordenadores; X fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados a sua unidade; XI elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XII atender o público interno e externo; XIII desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Seção IV Do Gabinete de Segurança Institucional Art. 9º Ao Gabinete de Segurança Institucional compete: I executar, no plano operacional, as ações que digam respeito ao desenvolvimento e à atualização da Política de Segurança da Instituição, respeitadas as atribuições dos demais órgãos; II oferecer diretrizes estratégicas, liderança, aconselhamento e assistência em questões de segurança; III desenvolver padrões operacionais e documentos técnicos para a administração da política, defesa da segurança (avaliação de confiabilidade), proteção de membros e servidores, segurança em emergências e aumento na escalada de ameaças (avaliação de risco), plano de continuidade de atividades, investigação de incidentes de segurança e outros assuntos correlatos que forem exigidos, tudo em consulta aos setores envolvidos; IV dirigir e coordenar o desenvolvimento de normas operacionais e documentação técnica para segurança física, segurança de recursos humanos, segurança de tecnologia de informações e segurança na contratação, juntamente com as demais unidades competentes; V coordenar o oferecimento de treinamento de segurança e conscientização em

10 conjunto com a Diretoria Geral; o Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (CEAF); a Diretoria de Planejamento e Gestão Estratégica; e Diretoria de Gestão de Pessoal da VI coordenar pesquisas e desenvolvimentos na área de segurança; VII realizar desenvolvimentos em tecnologia da informação de produtos relacionados ou úteis à segurança institucional; VIII monitorar e relatar ao Procurador Geral de Justiça, com a assistência de todas as unidades envolvidas, a implementação da política e o estado de segurança da IX desenvolver e ocupar-se com a estratégia que capacitará a Instituição a identificar, recrutar, manter e, continuamente, preparar profissionais de segurança, em conjunto com o Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (CEAF); X emitir notas sobre a implementação da Política de Segurança Institucional; XI manter banco de dados relacionados com a segurança institucional; XII cumprir os objetivos e as metas definidos pelo Planejamento Estratégico do Ministério Público Estadual; XIII elaborar planos operacionais do Gabinete de Segurança Institucional; XIV fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados ao Gabinete de Segurança Institucional; XV elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XVI elaborar os atos administrativos relacionados ao Gabinete de Segurança Institucional; XVII desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas por chefia imediata ou institucional; Art. 10 Ao Setor de Operações compete: I assessorar tecnicamente e munir de informações seu superior imediato, a a sua competência; II assessorar diretamente o Coordenador do Gabinete de Segurança Institucional; III identificar e propor técnicas e ferramentas de gestão adequadas à sua área de atuação; IV gerenciar, no plano operacional, as crises de segurança na Instituição, tomando as medidas urgentes necessárias e elaborando avaliações de risco e protocolos de segurança; V manter contatos com o Comandante Geral da Polícia Militar, com Comandantes de Batalhões, Companhias, Pelotões e Destacamentos, com o Secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social e com os órgãos especializados em sua pasta, no interesse dos serviços afetos ao Gabinete de Segurança Institucional, fazendo de tudo ciência ao Coordenador; VI elaborar planos operacionais do Setor de Operações; VII fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados ao Setor de Operações; VIII elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados

11 à sua área de atuação; IX elaborar os atos administrativos relacionados ao Setor de Operações; X desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Seção V Da Controladoria Interna Art. 11 À Controladoria Interna compete: I proceder ao exame prévio nos processos originários dos atos de gestão orçamentária, financeira e patrimonial, examinando a regularidade da realização de despesa em todas as suas fases; II verificar o cumprimento de contratos, convênios, acordos, ajustes e de outros atos que resultem da criação ou da extinção de direitos e obrigações na Procuradoria Geral de Justiça; III analisar a aplicação de recursos oriundos de quaisquer fontes das quais a Procuradoria Geral de Justiça participe como gestora ou mutuária; IV analisar a execução de programas, projetos e atividades realizados pela Procuradoria Geral de Justiça e efetuar a avaliação dos resultados, em termos da correspondência com os recursos financeiros aplicados; V elaborar relatórios, pareceres ou certificados dos exames, avaliações, análises e verificações realizadas e fornecê-las ao Procurador Geral de Justiça; VI respaldar e fundamentar os seus trabalhos, especificados, na legislação federal, estadual, regimentos e atos normativos expedidos pelo Procurador Geral de Justiça e Tribunal de Contas do Estado; VII proceder com a orientação das diversas unidades administrativas, promovendo o respeito à legislação e às normas da VIII acompanhar o controle orçamentário e financeiro das receitas e despesas da IX avaliar regulamentos e manuais inerentes ao funcionamento das atividades e dos processos de trabalho relativos a sua área de competência; X acompanhar planejar e organizar objetivos e medidas adotadas pela administração para ressalvar os ativos da XI definir procedimentos, orientar a realização das atividades de acompanhamento da execução orçamentária, financeira, patrimonial e administrativas no âmbito do Ministério Público; XII organizar informações e coletar dados relativos à administração financeira, orçamentária, patrimonial e contábil; XIII avaliar, mediante inspeções regulares, os resultados da gestão orçamentária, financeira, patrimonial e administrativa da PGJ; XIV realizar auditorias, quando solicitado pelo Procurador Geral de Justiça, e impugnação de atos de gestão considerados ilegais, em assuntos de sua competência; XV avaliar o cumprimento das metas previstas no Plano Plurianual (PPA), a execução dos programas, projetos, das atividades e do orçamento do Ministério Público;

12 XVI verificar ou acompanhar o controle das demonstrações/processos do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Estado, de acordo com a legislação vigente; XVII proceder ao atendimento às solicitações do Tribunal de Contas do Estado; XVIII realizar auditorias, fiscalizações ou outros procedimentos pertinentes nos sistemas contábil, financeiro, orçamentário, de pessoal e demais sistemas administrativos e operacionais; XIX cumprir os objetivos e as metas definidos pelo Planejamento Estratégico do Ministério Público Estadual; XX elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente, para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; XXI elaborar planos operacionais da Controladoria Interna; XXII fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à Controladoria Interna; XXIII elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XXIV elaborar os atos administrativos relacionados à Controladoria Interna; XXV desempenhar outras atividades correlatas que lhe forem delegadas por chefia imediata ou institucional. Seção VI Da Comissão Permanente de Licitação Art. 12 À Comissão Permanente de Licitação compete: I recepcionar o processo administrativo, formalizando-o, na forma e nas condições estabelecidas na legislação federal e estadual específicas; II propor, formalmente, adequações técnicas aos Termos de Referência, elaborados pelas áreas solicitantes, visando à conformidade com a legislação, antes da realização do procedimento licitatório, abstendo-se de proceder qualquer alteração unilateral, sem a ratificação da área técnica; III coordenar, acompanhar e supervisionar as publicações (avisos, resultados, etc.) relativas aos procedimentos licitatórios, ou ato de declaração de dispensa ou inexigibilidade no Diário Oficial do Estado (DOE), no sítio do Ministério Público e nos jornais de ampla circulação; IV prestar informações aos públicos interno e externo referentes aos processos e procedimentos licitatórios; V sugerir a modalidade licitatória, em conformidade com a legislação que rege a matéria, bem como opinar sobre a possibilidade de dispensa ou inexigibilidade de licitação, fundamentando todas as suas decisões; VI elaborar atas com vistas ao registro de todas as etapas do processo licitatório; VII acompanhar e avaliar, permanentemente, as atualizações realizadas referentes ao cadastro de fornecedores vinculado ao Sistema Orçamentário, Financeiro e Contábil;

13 VIII manter atualizado o sítio do MPRN no tocante aos procedimentos licitatórios; IX receber e examinar os recursos administrativos, submetendo-os ao Procurador Geral de Justiça para julgamento; X expedir informações e relatórios sobre as licitações de aquisições de bens e serviços à Diretoria de Orçamento, Finanças e Contabilidade a fim de consolidar informações do balancete mensal e balanço geral da Procuradoria Geral de Justiça, bem como atualizar as informações no Portal da Transparência; XI efetuar cotações eletrônicas para aquisição de materiais por dispensa de licitação; XII propor revogação, anulação e repetição dos processos licitatórios; XIII publicar os atos de revogação, anulação e julgamento de recurso referente a procedimentos licitatórios; XIV cumprir os objetivos e metas definidos pelo Planejamento Estratégico do Ministério Público Estadual; XV elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente, para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; XVI elaborar planos operacionais da Comissão Permanente de Licitação; XVII fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à Comissão Permanente de Licitação; XVIII elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XIX elaborar os atos administrativos relacionados à Comissão Permanente de Licitação; XX desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Seção VII Da Assessoria de Cerimonial e Eventos Art. 13 À Assessoria de Cerimonial e Eventos compete: I assessorar, tecnicamente, e munir de informações seu superior imediato, a a sua competência; II coordenar a execução dos serviços de confecção de placas de inauguração e prismas de mesa; III manter articulação com os cerimoniais de outros órgãos e poderes, realizando contatos e visitas prévias, quando houver a participação do Procurador Geral de Justiça, do Procurador Geral de Justiça Adjunto ou do representante por eles indicado; IV organizar a composição das mesas de honra nas cerimônias, solenidades e reuniões de trabalho realizadas na Instituição, com a presença do Procurador Geral de Justiça, do Procurador Geral de Justiça Adjunto ou do representante por eles indicado;

14 V elaborar e manter atualizado o cadastro de autoridades e do público de interesse da Instituição, bem como elaborar listas das autoridades para os eventos, zelando pelo cumprimento das normas de cerimonial do órgão e do cerimonial público; VI coordenar, no âmbito de sua competência, em conjunto com a Chefia de Gabinete, a preparação das visitas institucionais do Procurador Geral de Justiça; VII coordenar a recepção e os traslados, quando solicitada, das autoridades nacionais e estrangeiras ; VIII acompanhar a agenda dos eventos internos e externos e das viagens do Procurador Geral de Justiça, do Procurador Geral de Justiça Adjunto ou do representante por eles indicado, bem como acompanhá-los em viagem, quando se fizer necessário; IX preparar e expedir as correspondências de agradecimento e de cortesia, como congratulações, felicitações e pêsames, de iniciativa do Procurador Geral de Justiça; X planejar, coordenar e executar eventos no âmbito do Ministério Público; XI verificar a funcionalidade das instalações e dos equipamentos necessários para eventos da XII preparar e expedir os convites relativos aos eventos de iniciativa da Procuradoria Geral de Justiça; XIII planejar e executar as atividades relativas ao Mestre de Cerimônias, no cumprimento às normas de cerimonial e protocolo; XIV reservar e supervisionar a organização do local no qual será realizado o evento; XV elaborar relatório de avaliação dos eventos realizados pela Assessoria; XVI coordenar e fiscalizar a utilização do auditório da Procuradoria Geral de Justiça; XVII cumprir os objetivos e metas definidos pelo Planejamento Estratégico do Ministério Público Estadual; XVIII identificar e propor técnicas e ferramentas de gestão adequadas a sua área de atuação; XIX elaborar planos operacionais da Assessoria de Cerimonial e Eventos; XX fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à Assessoria de Cerimonial e Eventos; XXI elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XXII elaborar os atos administrativos relacionados à Assessoria de Cerimonial e Eventos; XXIII desempenhar outras atividades correlatas à sua área que lhe forem delegadas CAPÍTULO II DA DIRETORIA GERAL Seção I Das Disposições Gerais

15 Art. 14 À Diretoria Geral compete: I dirigir os serviços e atividades administrativas da Instituição da área meio composta por: planejamento, gestão estratégica, tecnologia da informação, gestão de pessoas, orçamento, finanças, contabilidade, administração, e comunicação; II planejar, elaborar, propor, dirigir e acompanhar as políticas e diretrizes de administração da III participar do planejamento, execução e avaliação de planos, projetos, programas e pesquisas da administração superior da IV assessorar, direta e indiretamente, o Procurador Geral de Justiça, em assuntos de administração geral; V emitir parecer ou decisão sobre assuntos técnico-administrativos que lhe forem encaminhados; VI conduzir os processos administrativos ou sindicâncias de servidores da Instituição, quando nomeada para tanto pelo Procurador Geral de Justiça; VII determinar a instauração de sindicância ou de processo administrativo para apurar faltas administrativas dos servidores da VIII cumprir e fazer cumprir as políticas, planos, programas e projetos da Procuradoria Geral de Justiça; IX dirigir a elaboração de rotinas de trabalho que visem ao aperfeiçoamento e ao desenvolvimento das atividades do Ministério Público; X participar da coordenação e elaboração do Planejamento Estratégico do Ministério Público Estadual; XI gerenciar as despesas com passagens aéreas e diárias dos membros e servidores da XII coordenar a movimentação funcional, afastamentos e licenças dos servidores; XIII gerenciar o Portal da Transparência do Ministério Público Estadual; XIV prover e coordenar o suporte técnico e operacional aos órgãos de execução da XV propor programa de capacitação profissional para o corpo técnico de sua unidade; XVI articular-se junto a organismos públicos e privados para a realização de estudos, pesquisas, troca de informações, bem como elaboração de projetos especiais, compatíveis com o planejamento estratégico da XVII elaborar o planejamento orçamentário de sua unidade para subsidiar o planejamento institucional; XVIII elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; XIX dirigir e coordenar a elaboração dos planos operacionais de sua unidade; XX dirigir as atividades realizadas pelas unidades subordinadas promovendo a articulação e integração dessas aos planos e diretrizes estratégicos estabelecidos pela XXI realizar estudos e pesquisas exploratórios visando a aperfeiçoar sistemas e métodos de trabalho da Diretoria Geral;

16 XXII cumprir os objetivos e metas definidos pelo planejamento estratégico da XXIII fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados a sua unidade; XXIV elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XXV elaborar os atos administrativos relacionados a sua unidade; XXVI desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Art. 15 À Secretaria Administrativa da Diretoria Geral compete: I recepcionar e assistir as pessoas com audiência marcada; II receber, preparar e encaminhar as correspondências e o expediente pessoal; III solicitar e controlar o material de expediente utilizado pela Diretoria Geral; IV gerenciar a movimentação processual; V prestar informações acerca de processos e procedimentos com vistas à Diretoria Geral; VI cumprir os despachos e diligências determinados pela Diretoria Geral; VII instruir os procedimentos administrativos relacionados à Diretoria Geral; VIII preparar ofícios, despachos, relatórios requeridos pelo Diretor Geral; IX elaborar pesquisas e relatórios estatísticos requeridos pelo Diretor Geral; X fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados a sua unidade; XI elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XII atender o público interno e externo; XIII desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Art. 16 A Diretoria Geral funciona apoiada nas seguintes unidades orgânicas: I Diretoria de Planejamento e Gestão Estratégica; II Diretoria de Orçamento, Finanças e Contabilidade; III Diretoria de Tecnologia da Informação; IV Diretoria de Gestão de Pessoas; V Diretoria Administrativa; VI Diretoria de Comunicação. VII Biblioteca Seção II Da Diretoria de Planejamento e Gestão Estratégica Art. 17 À Diretoria de Planejamento e Gestão Estratégica compete: I planejar, elaborar, propor, dirigir e acompanhar as políticas e diretrizes na área de planejamento e gestão estratégica da

17 II planejar, dirigir, elaborar e avaliar tecnicamente, os planos, projetos, programas e pesquisas da administração superior da III propor, dirigir, acompanhar, avaliar e controlar projetos visando à modernização e organização da IV dirigir, coordenar e executar a elaboração dos instrumentos orçamentários da V propor programa de capacitação profissional para o corpo técnico de sua unidade; VI articular-se junto aos organismos públicos e privados para a realização de estudos, pesquisas, troca de informações, bem como elaboração de projetos especiais, compatíveis com o planejamento estratégico da Instituição, para a sua área de atuação; VII elaborar o plano orçamentário de sua unidade para subsidiar o planejamento institucional; VIII elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; IX dirigir e coordenar a elaboração dos planos operacionais de suas unidades subordinadas; X dirigir as atividades realizadas pelas unidades subordinadas promovendo a articulação e integração dessas aos planos e diretrizes estratégicos estabelecidos pela XI realizar estudos e pesquisas exploratórios visando a aperfeiçoar sistemas e métodos de trabalho da área de planejamento e gestão estratégica; XII cumprir os objetivos e metas definidos pelo planejamento estratégico da XIII articular-se junto às demais unidades para prestar informações e apoio técnico sobre sua área de atuação; XIV fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à Diretoria de Planejamento e Gestão Estratégica; XV elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XVI elaborar os atos administrativos relacionados à Diretoria de Planejamento e Gestão Estratégica; XVII desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Art. 18 A Diretoria de Planejamento e Gestão Estratégica funciona apoiada nas seguintes unidades: I Gerência de Modernização Administrativa; II Gerência de Gestão Estratégica; III Escritório de Projetos, diretamente vinculado à Gerência de Gestão Estratégica; IV Assessoria de Processos Organizacionais. Art. 19 À Gerência de Modernização Administrativa compete:

18 I gerenciar e coordenar as atividades realizadas por seus subordinados; II gerenciar os processos e procedimentos administrativos de modernização da III adquirir conhecimentos sobre gestão aplicáveis à realidade administrativa da IV estabelecer e implementar normas e métodos de padronização, controle e gerenciamento dos processos de trabalho, em conjunto com as unidades envolvidas; V propor a aplicação de modernas ferramentas tecnológicas de gestão na VI identificar, combinar e utilizar as fontes e os tipos de conhecimento disponíveis na Instituição para gerar novas competências necessárias, aperfeiçoar as já existentes e estimular a capacidade inovadora; VII gerenciar e coordenar o Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização no âmbito da VIII desenvolver e implementar o programa interno da qualidade na IX propor, acompanhar, avaliar e atualizar procedimentos e atos de modernização da estrutura organizacional e funcional da X fornecer apoio técnico às unidades da Instituição na implantação de programas e projetos que envolvam propostas de modernização administrativa e desenvolvimento institucional; XI elaborar e atualizar manuais de organização administrativa, de procedimentos e de rotinas; XII identificar necessidades, propor melhorias e acompanhar o desempenho dos métodos e processos de trabalho realizados na Instituição. XIII realizar estudos e pesquisas exploratórios visando a aperfeiçoar sistemas e métodos de trabalho da Gerência de Modernização Administrativa; XIV assessorar tecnicamente e munir de informações seu superior imediato, a a sua competência; XV elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; XVI elaborar planos operacionais da Gerência de Modernização Administrativa; XVII fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à Gerência de Modernização Administrativa; XVIII elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XIX elaborar os atos administrativos relacionados à Gerência de Modernização Administrativa; XX desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Art. 20 À Gerência de Gestão Estratégica compete:

19 I gerenciar e coordenar as atividades realizadas pelas unidades subordinadas; II gerenciar e coordenar, tecnicamente, a elaboração, o monitoramento e avaliação do planejamento estratégico da III coordenar, comunicar e assessorar a elaboração, o acompanhamento, o monitoramento e a avaliação dos planos táticos e operacionais. IV elaborar e gerenciar o sistema de indicadores a fim de subsidiar as ações da V acompanhar o cumprimento dos objetivos e metas estratégicas institucionais; VI prestar assessoria técnica para todas as unidades da Instituição objetivando a elaboração e realização das atividades decorrentes dos planos táticos e operacionais; VII definir o cronograma de atividades e a metodologia utilizada para o desenvolvimento dos Planos Táticos e Operacionais; VIII manter as demais unidades da Instituição atualizadas de informações sobre o Planejamento Estratégico, divulgando os resultados e as ações decorrentes do mesmo; IX prestar informações à Administração Superior, quando solicitado para conhecimento da situação dos projetos em andamento na X gerenciar, coordenar e elaborar a realização da coleta de dados para o provimento de informações estatísticas, indicadores sociais e de resultados a fim de subsidiar a elaboração dos Planos Operacionais da XI realizar estudos e pesquisas exploratórios visando a aperfeiçoar sistemas e métodos de trabalho da Gerência de Gestão Estratégica; XII identificar e propor técnicas e ferramentas de gestão adequadas a sua área de atuação; XIII assessorar tecnicamente e munir de informações seu superior imediato, a a sua competência; XIV elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente, para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; XV elaborar planos operacionais da Gerência de Gestão Estratégica; XVI fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à Gerência de Gestão Estratégica; XVII elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XVIII elaborar os atos administrativos relacionados à Gerência de Gestão Estratégica; XIX desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Art. 21 Ao Escritório de Projetos compete: I pesquisar e implementar a metodologia de gerenciamento de projetos; II disponibilizar informações e disseminar o conhecimento para a utilização de ferramentas adequadas para a gestão de projetos; III prestar assessoramento aos gerentes de projetos e coordenadores de programas

20 na elaboração de projetos e programas; IV manter atualizados os registros relativos aos projetos aprovados; V realizar o acompanhamento, controle e monitoramento do portfólio de projetos, fazendo a interligação entre o gerenciamento de projetos e o processo de Gestão Estratégica da VI orientar o desenvolvimento dos projetos de acordo com os planos táticos e operacionais; VII expedir informações e relatórios sobre o cumprimento dos programas e projetos executados, identificando e avaliando os processos de execução dos projetos; VIII pesquisar, junto a outras instituições, disponibilização de recursos para realização de convênios ou patrocínios para a execução de projetos da IX prestar assessoramento para a captação de recursos extra orçamentários; X realizar cadastro, acompanhamento do processo de aprovação, contratação e prestação de contas de contratos e convênios, realizados através do Sistema de Gestão de Convênios (SICONV) e/ou de outras instituições; XI faze a articulação entre as unidades envolvidas com o objeto de convênio; XII coordenar, em nível administrativo, todas as atividades necessárias à aplicação dos recursos; XIII assessorar tecnicamente e munir de informações, seu superior imediato, a à sua competência; XIV elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente, para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; XV elaborar planos operacionais do Escritório de Projetos; XVI fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados ao Escritório de Projetos; XVII elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados à sua área de atuação; XVIII elaborar os atos administrativos relacionados ao Escritório de Projetos; XIX desempenhar outras atividades correlatas à sua área que lhe forem delegadas Art. 22 À Assessoria de Processos Organizacionais compete: I assessorar tecnicamente e munir de informações, seu superior imediato, a à sua competência; II mapear e sistematizar, juntamente com as unidades das áreas meio e fim, os processos institucionais e descrevê-los em procedimentos operacionais; III identificar e selecionar técnicas e ferramentas de gestão de processos que promovam o mapeamento e otimização dos mesmos; IV avaliar e controlar o desempenho dos processos da Instituição e propor melhorias; V coordenar e executar o mapeamento dos procedimentos de trabalho da

21 VI fornecer assessoria técnica quanto às práticas relacionadas aos processos de trabalho; VII identificar e propor técnicas e ferramentas de gestão adequadas à sua área de atuação; VIII elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente, para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; IX elaborar planos operacionais da Assessoria de Processos Organizacionais; X fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à Assessoria de Processos Organizacionais; XI elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados à sua área de atuação; XII elaborar os atos administrativos relacionados à Assessoria de Processos Organizacionais; XIII desempenhar outras atividades correlatas à sua área que lhe forem delegadas Seção III Da Diretoria de Tecnologia da Informação Art. 23 À Diretoria Tecnologia da Informação compete: I planejar, elaborar, propor, dirigir e acompanhar as políticas e diretrizes da tecnologia da Informação, alinhadas às políticas de segurança da informação da Instituição II dirigir e coordenar a implantação da governança de Tecnologia da Informação; III dirigir e coordenar o processo de aquisição de soluções tecnológicas; IV acompanhar e controlar a satisfação dos usuários dos serviços oferecidos pela Tecnologia da Informação; V estudar, avaliar, propor e implantar inovações tecnológicas dentro da Instituição que vise a melhorar o atendimento das demandas presentes e futuras e/ou a redução dos custos operacionais; VI mapear as demandas de tecnologia da informação reprimidas da Instituição e futuras demandas; VII gerenciar certificados digitais de uso pessoal dentro da VIII propor programa de capacitação profissional para o corpo técnico de sua unidade; IX articular-se junto aos organismos públicos e privados para a realização de estudos, pesquisas, troca de informações, bem como elaboração de projetos especiais, compatíveis com o planejamento estratégico da Instituição para a tecnologia da informação; X elaborar o planejamento orçamentário de sua unidade para subsidiar o planejamento institucional;

22 XI participar do planejamento, execução e avaliação de planos, projetos, programas e pesquisas da administração superior da XII elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; XIII dirigir e coordenar a elaboração dos planos operacionais de suas unidades subordinadas; XIV dirigir as atividades realizadas pelas unidades subordinadas promovendo a articulação e integração destas aos planos e diretrizes estratégicos estabelecidos pela XV realizar estudos e pesquisas exploratórios visando a aperfeiçoar sistemas e métodos de trabalho da tecnologia da informação; XVI cumprir os objetivos e metas definidos pelo planejamento estratégico da XVII articular-se junto às demais unidades para prestar informações e apoio técnico sobre a tecnologia da informação; XVIII fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados à sua unidade; XIX elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados à sua área de atuação; XX elaborar os atos administrativos relacionados à sua unidade; XXI desempenhar outras atividades correlatas à sua área que lhe forem delegadas por chefia imediata ou institucional; Art. 24 A Diretoria Tecnologia da Informação funciona apoiada nas seguintes unidades: I Gerência de Sistemas; II Gerência de Infraestrutura, Redes e Seguranças; III Setor de Atendimento ao Usuário; IV Assessoria de Inovações Tecnológicas. Art. 25 À Gerência de Sistemas compete: I gerenciar e coordenar as atividades realizadas pelas suas equipes; II planejar, gerenciar, controlar e supervisionar as atividades de aquisição, desenvolvimento, e homologação de sistemas de informação da III projetar, analisar, coordenar o desenvolvimento e otimizar sistemas para automatização de processos da IV prestar assessoramento técnico no desenvolvimento de sistemas por empresas contratadas, ou na aquisição de sistemas, bem como acompanhar e avaliar sua implantação; V ministrar treinamento para os integrantes do setor de atendimento ao usuário em novas soluções implantadas e quando houver atualização em alguma solução já em uso; VI gerenciar o portfólio dos sistemas da Instituição, avaliando o desempenho dos mesmos e implantando medidas corretivas quando necessárias;

23 VII prestar suporte técnico ao usuário, em segundo nível, relativo à área Gerência de Sistemas; VIII participar da definição de diretrizes objetivando a formação, o desenvolvimento e a capacitação profissional do corpo técnico e dos demais recursos existentes no âmbito da gerência; IX realizar auditorias de performance e dos níveis de qualidade de softwares e de serviços de terceiros contratados; X emitir parecer técnico, quando for o caso, para as aquisições e serviços relacionados às atividades da gerência; XI elaborar e administrar base de conhecimento para resolução de problemas futuros; XII realizar estudos e pesquisas exploratórios visando a aperfeiçoar sistemas e métodos de trabalho de sua unidade adotando as melhores práticas de gestão de tecnologia da informação; XIII assessorar tecnicamente e munir de informações seu superior imediato, a a sua competência; XIV elaborar relatório anual referente às suas atividades, o qual deverá ser enviado à Administração até o dia 15 de janeiro do ano subsequente para subsidiar o Relatório Anual das Atividades do MPRN; XV elaborar planos operacionais de sua unidade; XVI fiscalizar os contratos administrativos e convênios vinculados a sua unidade; XVII elaborar Termos de Referência para aquisição de bens ou serviços relacionados a sua área de atuação; XVIII elaborar os atos administrativos relacionados a sua unidade; XIX desempenhar outras atividades correlatas a sua área que lhe forem delegadas Art. 26 À Gerência de Infraestrutura, Redes e Segurança compete: I gerenciar, coordenar e supervisionar as atividades de infraestrutura, redes e segurança; II propor programa de capacitação profissional do corpo técnico; III acompanhar, fiscalizar e certificar os serviços contratados e as aquisições relacionados a sua área; IV planejar aquisição, instalação e disponibilização dos componentes da infraestrutura tecnológica no Ministério Público Estadual; V gerenciar a infraestrutura tecnológica da Instituição, mantendo-a com desempenho, segurança e capacidade adequada às suas necessidades; VI elaborar base de conhecimento para resolução de problemas e dimensionamento futuro da infraestrutura tecnológica da VII viabilizar a integração de soluções de infraestrutura computacional; VIII planejar e documentar a infraestrutura de rede, inclusive servidores, ativos remotos e topologias;

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMPRAS E LICITAÇÕES End: Rua Siqueira Campos, S-64 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9576 Email: compras@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Dr. Luis Carlos Rinaldi Atribuições

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003.

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA DA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO CGE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Auditoria Interna do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003. Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ

RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003. Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003 Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI, no uso de suas atribuições

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 024, DE 8 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD Estabelece o Regimento e o Organograma da Unidade de Auditoria Interna da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO, da Universidade Federal do

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 2598, DE 19 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Municipal de Políticas para as Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, estabelece seu Regulamento e dá outras providências. A CORTE SUPERIOR

Leia mais

EDUARDO BRAGA Governador do Estado

EDUARDO BRAGA Governador do Estado DECRETO N.º 24031, DE 26 DE JANEIRO DE 2.004 APROVA o Regimento Interno da SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO, ÉTICA E TRANSPARÊNCIA - SCI, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no

Leia mais

ANEXO À PORTARIA PGR Nº 556/2014 SUMÁRIO

ANEXO À PORTARIA PGR Nº 556/2014 SUMÁRIO ANEXO À PORTARIA PGR Nº 556/2014 SUMÁRIO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II DA ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I Da Estrutura CAPÍTULO II Da Chefia de Gabinete Seção I Da Assessoria de Cerimonial

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.484, 15 DE MAIO DE 2014. (publicado no DOE nº 92, de 16 de maio de 2014) Aprova o Regimento Interno

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 734/2012- PGJ, 27 DE ABRIL DE 2012 (Protocolado nº 59.120/12)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 734/2012- PGJ, 27 DE ABRIL DE 2012 (Protocolado nº 59.120/12) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 734/2012- PGJ, 27 DE ABRIL DE 2012 (Protocolado nº 59.120/12) Revogado pelo Ato (N) nº 970/2016 PGJ, de 28 de junho de 2016. Institui a Coordenadoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIAL / CODETS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIAL / CODETS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO D COORDENDORI DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIL / CODETS PRÓ-REITORI DE EXTENSÃO CPÍTULO I D FINLIDDE rt. 1 o Coordenadoria de Desenvolvimento Tecnológico e Social CODETS, Setor

Leia mais

DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010.

DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Executiva do Núcleo Segurança. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a Instituição da Autarquia Estadual, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM, aprova seu Regimento interno e dá outras providências. O

Leia mais

ATO PGJ N.º 230/2010

ATO PGJ N.º 230/2010 ATO PGJ N.º 230/2010 REGULAMENTA AS ATRIBUIÇÕES DA ASSESSORIA DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAZONAS. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS, no uso de suas

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências.

Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências. 1 RESOLUÇÃO Nº 08/03, DE 01 DE SETEMBRO DE 2003. Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA, no uso de suas atribuições

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº.132, DE 02 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos em comissão de livre provimento e exoneração sem aumento da despesa e dá outras providências. O povo do Município

Leia mais

2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO...

2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO... GRANDEZA PELA DA PÁTRIA Diário Oficial MUNICÍPIO DE GOIÂNIA 2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA N 5.572 DECRETOS... PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO

Leia mais

GABINETE DO VICE - PREFEITO

GABINETE DO VICE - PREFEITO 4 GABINETE DO VICE - PREFEITO ESTRUTURA O RGANIZACIONAL GABINETE DO VICE-PREFEITO - Cadastro Organizacional/PMS Gabinete do Vice- Prefeito VICE-PREFEITO Coordenadoria Administrativa Setor de Material e

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL DECRETO Nº 309, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e o Organograma da Secretaria Municipal do Trabalho e Cooperativismo e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS no uso das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0089/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0089/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0089/2014 Dispõe sobre a estrutura e a competência dos Órgãos Auxiliares do Tribunal de Contas do Estado, e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no

Leia mais

*LEI COMPLEMENTAR Nº 283, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2004.

*LEI COMPLEMENTAR Nº 283, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2004. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais *LEI COMPLEMENTAR Nº 283, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2004. Altera a Lei Complementar n.º 163, de 5 de

Leia mais

PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013

PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013 PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013 A Reitora da, Profª. Drª. Soraya Soubhi Smaili, considerando a decisão do Conselho Universitário em sua reunião ordinária de 13 de março de 2013, no uso de suas atribuições

Leia mais

PORTARIA-ISC Nº 11, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2007

PORTARIA-ISC Nº 11, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2007 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Instituto Serzedello Corrêa PORTARIA-ISC Nº 11, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Organiza a estrutura, as competências e a distribuição das funções de confiança no Instituto Serzedello

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS Art. 1º A Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

PORTARIA PGR N.º 581 DE 18 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA PGR N.º 581 DE 18 DE NOVEMBRO DE 2010 PORTARIA PGR N.º 581 DE 18 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre alterações no Regimento Interno do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1 RESOLUÇÃO NORMATI VA N.º 0 0 6 / 2 0 0 1 O Tribunal de Contas do Estado de Goiás, considerando as atribuições estabelecidas pela Constituição Estadual em seu artigo 26, o disposto no inciso XII do art.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR 140, DE 14 DE SETEMBRO DE 2015 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E EXTINÇÃO DE CARGOS EM COMISSÃO DE LIVRE PROVIMENTO E EXONERAÇÃO, AFETOS ÀS FUNÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL Nº 67/2008, SEM

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999.

LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999. LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999. Dispõe sobre a Reorganização da Estrutura Administrativa do Poder Executivo do Município de Chapadão do Sul (MS), e dá outras providências. O Prefeito

Leia mais

PORTARIA Nº 1.146, DE 10 DE JUNHO DE 2008

PORTARIA Nº 1.146, DE 10 DE JUNHO DE 2008 PORTARIA Nº 1.146, DE 10 DE JUNHO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 4o- do Decreto no- 6,061, de 15 de março de 2007, resolve: Art. 1 Aprovar o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre a reestruturação da Loteria do Estado do Pará - LOTERPA e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CONSELHOR CONSULTIVO CONSELHO FISCAL CAMARAS TEMÁTICAS COMÉRCIO VAREJISTA ALIMENTAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO SERVIÇOS TURISMO E HOSPITALIDADE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008 DIÁRIO OFICIAL Nº. 311 de 08/0/008 GABINETE DA GOVERNADORA L E I Nº 7.030, DE 30 DE JULHO DE 007* Cria o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará - IDESP, e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura

- REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura - REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decreto nº 12.633/06, nº 14.770/10, nº 15.416/12 e nº 15.486/12 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário

Leia mais

CATEGORIA FUNCIONAL: CHEFE DE SERVIÇOS PADRÃO DE VENCIMENTO: CC1

CATEGORIA FUNCIONAL: CHEFE DE SERVIÇOS PADRÃO DE VENCIMENTO: CC1 CATEGORIA FUNCIONAL: CHEFE DE SERVIÇOS PADRÃO DE VENCIMENTO: CC1 Dirigir, orientar, planejar e controlar as atividades do setor e da equipe que dirige, acompanhando os trabalhos dos mesmos para assegurar

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

Capítulo XIII SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Capítulo XIII SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Capítulo XIII SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO FINALIDADE A Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação, órgão de direção especializada, subordinada ao diretor-geral da Secretaria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário de Castanhal. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

RESOLUÇÃO RES-PGJ Nº 001/06. (DOPE Ministério Público - 18.01.2006)

RESOLUÇÃO RES-PGJ Nº 001/06. (DOPE Ministério Público - 18.01.2006) RESOLUÇÃO RES-PGJ Nº 001/06 (DOPE Ministério Público - 18.01.2006) EMENTA: Regulamenta as atribuições dos cargos e os requisitos de formação especializada e experiência profissional a serem exigidos para

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto nº 4.504, de 09 de Dezembro

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Proposta do Regimento Geral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Documento

Leia mais

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS 1624/2014 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região 2 A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o que consta no PA nº 0008096-80.2014.5.04.0000,

Leia mais

Loteria do Estado de Minas Gerais (LEMG)

Loteria do Estado de Minas Gerais (LEMG) Loteria do Estado de Minas Gerais (LEMG) DECRETO Nº 45.683 DE 9 DE AGOSTO DE 2011 Contém o regulamento da Loteria do Estado de Minas Gerais - LEMG. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de atribuição

Leia mais

PORTARIA Nº 17 de 15 de maio de 2014.

PORTARIA Nº 17 de 15 de maio de 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS IFMG CAMPUS FORMIGA GABINETE DO DIRETOR GERAL Rua Padre Alberico,

Leia mais

ANEXO II 1 DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MUNICÍPIO CARGO: ASSESSOR TÉCNICO GRADUADO

ANEXO II 1 DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MUNICÍPIO CARGO: ASSESSOR TÉCNICO GRADUADO ANEXO II 1 DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MUNICÍPIO PADRÃO DE VENCIMENTO: CC 1-6 FG 1-6 CARGO: ASSESSOR TÉCNICO GRADUADO a) descrição sintética: prestar consultoria e

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios RESOLUÇÃO N.º 004/2010 Dispõe sobre a produção de normas e procedimentos para realização de auditorias internas e inspeções na Associação Matogrossense dos Municípios - AMM. A Presidência da Associação

Leia mais

TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ (Alterado pela Resolução 014/2014- COU/UNESPAR, publicada na edição nº 9476 do Diário Oficial do Estado, em 22/06/15). TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA PRAD Nº 2 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014. Prof. Sidnei Azevedo de Souza Pró-Reitor de Administração PRAD/UFGD

INSTRUÇÃO NORMATIVA PRAD Nº 2 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014. Prof. Sidnei Azevedo de Souza Pró-Reitor de Administração PRAD/UFGD MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA PRAD Nº 2 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre o Rol de Atribuições da Pró-Reitoria de Administração (PRAD) da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade do Norte Pioneiro CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O Núcleo de Prática

Leia mais

TITULO I DA CARACTERIZAÇÃO E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA TITULO II DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

TITULO I DA CARACTERIZAÇÃO E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA TITULO II DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL REGIMENTO INTERNO TITULO I DA CARACTERIZAÇÃO E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º - A Secretaria Municipal de Planejamento e Finanças - SMPF é órgão de natureza estratégica e instrumental,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências.

LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que

Leia mais

. PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 2396

. PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 2396 RESOLUÇÃO Nº 2396 O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições e Considerando a criação da Subprocuradoria Geral de Justiça para Assuntos de Planejamento Institucional

Leia mais

ASSUNTO. Estrutura da Auditoria Interna (AUDIN) TÍTULO ΙΙ DISPOSIÇÕES GERAIS

ASSUNTO. Estrutura da Auditoria Interna (AUDIN) TÍTULO ΙΙ DISPOSIÇÕES GERAIS AE-008-REITORIA /06 TÍTULO Ι DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Ato Executivo dispõe sobre a estrutura da Auditoria Interna, com a finalidade de disciplinar seu funcionamento. Art 2º - A AUDIN desempenhará

Leia mais

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências.

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências. Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XI - Nº: 2.273-01/01/2005 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Lei nº 9.011 de 1º de janeiro de 2005 - Anexos LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE

Leia mais

ATO REGULAMENTAR Nº 15, DE 18 DE ABRIL DE 2012

ATO REGULAMENTAR Nº 15, DE 18 DE ABRIL DE 2012 Publicado no DJE/STF, n. 77, p. 1-3 em 20/4/2012. ATO REGULAMENTAR Nº 15, DE 18 DE ABRIL DE 2012 Altera dispositivos do Regulamento da Secretaria. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, nos termos do

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 552, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 552, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 552, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Altera os artigos 31 e 34, bem como os Anexos I e II, da Lei Complementar Estadual nº 446, de 29 de novembro de 2010, e dá outras

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Texto compilado) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. Estabelece a Política de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Agência Nacional de Aviação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ Resolução n. º02/2007. Dispõe sobre as atividades relacionadas ao Estágio Supervisionado,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP Pág. 1 de 8 CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica do Instituto Federal do Piauí (IFPI), criado pela Resolução nº 012, de 12 de agosto de 2011,

Leia mais

D E C R E T A: Art. 2º Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos a 29 de junho de 2007.

D E C R E T A: Art. 2º Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos a 29 de junho de 2007. PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1510, DE 26 DE JUNHO DE 2008. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Municipal de Assistência Social - SEMAS, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa

Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulga Edital do Processo Seletivo destinado ao preenchimento do cargo em comissão

Leia mais

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 2163/2015 Reformula o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos Servidores da Caixa de Assistência, Previdência e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Porciúncula CAPREM e estabelece normas

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

Subseção I Da Subsecretaria de Biblioteca SUBIB. I coordenar atividades relativas ao controle e à atualização do acervo bibliográfico do Tribunal;

Subseção I Da Subsecretaria de Biblioteca SUBIB. I coordenar atividades relativas ao controle e à atualização do acervo bibliográfico do Tribunal; Subseção I Da Subsecretaria de Biblioteca SUBIB Art. 273. À Subsecretaria de Biblioteca SUBIB compete: I coordenar atividades relativas ao controle e à atualização do acervo bibliográfico do Tribunal;

Leia mais

Regimento Geral Instituto Federal Farroupilha

Regimento Geral Instituto Federal Farroupilha Regimento Geral Instituto Federal Farroupilha TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 O presente Regimento Geral é um instrumento normativo, conforme o disposto no Art. 2 do Estatuto, que estabelece

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.478, DE 15 DE JANEIRO DE 2003 Cria o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Acre IDAF/AC e define sua competência e organização básica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte

Leia mais

ANEXO VI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO VI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014) ANEXO VI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Planejamento

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DISPÕE SOBRE A REVISÃO GERAL ANUAL DA REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE ALAGOAS, NOS TERMOS DO ART. 37, INCISO X, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, ALTERA O QUADRO DE SERVIDORES EFETIVOS

Leia mais

DECRETO Nº 8.679, DE 23 DE AGOSTO DE 2012

DECRETO Nº 8.679, DE 23 DE AGOSTO DE 2012 DECRETO Nº 8.679, DE 23 DE AGOSTO DE 2012 Aprova o novo REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de Feira de Santana, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Feira

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Parágrafo único. No exercício de suas competências, as atividades da ANAC se estruturam nas seguintes categorias:

Parágrafo único. No exercício de suas competências, as atividades da ANAC se estruturam nas seguintes categorias: SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 245, DE 4 DE SETEMBRO DE 2012 Altera dispositivos do Regimento Interno da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

Leia mais

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008 COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA - CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS - FCSF Credenciada pela Portaria MEC n. 109, de 10 de fevereiro de 2000 (DOU 11.02.2000) BIBLIOTECA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA FOLHA DE PAGAMENTO COAF. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA FOLHA DE PAGAMENTO COAF. Capítulo I REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA FOLHA DE PAGAMENTO COAF. Em reunião ordinária, a Comissão de Auditoria da Folha de Pagamento do Município de Natal aprova o presente Regimento Interno, o qual

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE FINALIDADE A Secretaria de Serviços Integrados de Saúde, órgão de direção especializada, subordinada ao diretor-geral da Secretaria do Tribunal,

Leia mais