MANUAL DO CURSO DO ALUNO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO CURSO DO ALUNO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS"

Transcrição

1 COORDENAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DO CURSO E DO ALUNO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Belo Horizonte, agosto 2011

2 Mensagem do Sr. Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais Professor Paulo Cezar Consentino dos Santos (ex-aluno de Ciências contábeis da Newton Paiva) Aos alunos de Ciências Contábeis da NEWTON PAIVA Sou Bacharel em Ciências Contábeis, formado pelo ICNPF Instituto Cultural Newton Paiva Ferreira. Pertenço à 3 a. Turma formada naquela instituição pois, lá adentrei no 1. semestre de Já com alguma experiência profissional, posteriormente à colação de grau, permaneci na instituição como professor até agosto de 1992, tendo me desligado, voluntariamente, com muito pesar, em virtude de, na época, muitos outros afazeres profissionais, mas continuo no magistério até os dias atuais, já tendo completado 30 (trinta) anos como professor. Sou profissional da Contabilidade desde a fase anterior a Newton Paiva, como Técnico em Contabilidade, e, posteriormente ao Bacharelado, tive a oportunidade de continuar estudando, visando sempre agregar novos conhecimentos para melhorar meu desempenho. Sou Mestre em Ciências Contábeis pela USP e estou atualmente (2006/2007) presidente do CRCMG - Conselho Regional de Contabilidade de MG. Com certeza a base adquirida no Curso da Newton Paiva foi fundamental, e o início de tudo. Tenho acompanhado ao longo deste tempo, com indisfarçável satisfação, à evolução da faculdade, hoje, o CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA e sinto ainda depois deste tempo, pelas ações de seu dia a dia, o mesmo vigor, entusiasmo, dinamismo e competência, que sempre caracterizaram sua Diretoria, que ciente de suas atribuições e também de suas funções e responsabilidades institucionais para com a instituição e o mercado, tem agido sempre com visão arrojada e empreendedora, buscando dotar não somente a instituição, mas também seu corpo docente das qualificações necessárias ao atendimento dos profissionais que o mercado exige. Seus professores são altamente qualificados e estão

3 inseridos no mercado em suas respectivas áreas de atuação docente, são atualizados, com credibilidade e visão das exigências do mercado, que aplicam no institucional e em sala de aula, são os principais ativos da instituição e desta forma procuram formar seus alunos dentro do que de mais atual existe nas exigências para o profissional dito globalizado, e que deve ser voltada para alta capacidade gerencial e desta forma são não só capazes de executar os mandamentos secundários da ciência contábil, mas sobretudo, enxergar o horizonte maior de sua atuação, planejando e fornecendo informações capazes de influenciar positivamente as decisões dos gestores. Paralela e concomitante com esta situação a diretoria tem oferecido uma ampla atualização de sua biblioteca, onde tanto alunos quanto professores podem dispor do que de mais atualizado existe em matéria de acervo bibliográfico a respeito dos temas e dos assuntos voltados para a nossa ciência. Outro assunto que tem chamado bastante atenção na atuação da Newton Paiva, diz respeito aos egressos de seus cursos, especialmente o de Ciências Contábeis, e, melhor indicador não poderia haver para atestar a alta qualidade do Curso, de que a posição ocupada hoje no mercado, por centenas de ex-alunos, que são encontrados em postos de comando em grandes empresas comerciais, bancárias, industriais, na área pública, auditoria, perícia e mesmo no magistério, também lá e em outras faculdades. Se o sucesso não vem por acaso, os egressos da Newton Paiva são a prova mais cabal da qualidade de seu curso. Um grande abraço e sucesso a todos. Paulo Cezar Consentino dos Santos Bacharel em Ciências Contábeis pela Newton Paiva Presidente do CRCMG 2

4 3 SUMÁRIO 1 Introdução Proposta do Curso Objetivo Geral Objetivos específicos e perfil do profissional Aspectos Legais A Profissão Contábil Contexto Histórico Legislações Cenário Atual A Simbologia Contábil O Caduceu O Anel do Contabilista O Patrono da Contabilidade A Bandeira da Contabilidade (do CRCMG) O Juramento do Contabilista Entidades de Classe O Conselho Federal de Contabilidade e os Conselhos Regionais de Contabilidade O Código de Ética Profissional do Contador O Dia do Contabilista O Disciplinas por Período Currículo Ementas das Disciplinas Trabalho de Conclusão de Curso Monografia Ementas das Disciplinas Trabalho de Conclusão de Curso Monografia Metodologia de Avaliação do Desempenho Acadêmico Práticas Pedagógicas do Curso Tratamento Especial por motivo de Saúde Comentários Padronização da Chamada Órgãos de Apoio ao Curso Laboratório do Curso Referências Bibliográficas... 31

5 4 1. INTRODUÇÃO A própria necessidade humana é que tem feito evoluir a Contabilidade, representando sempre as razões fundamentais da evolução. A evolução dos sistemas econômicos, o desenvolvimento das empresas e a atuação do Estado em suas múltiplas formas têm influído decisivamente no progresso dos estudos contábeis, segundo nos comprova a história da Contabilidade. O manejo das contas ligou-se, inicialmente, aos aspectos pessoais, profissionais, depois aos materiais (patrimônio), resultando, posteriormente, em aspectos múltiplos. A partir daí, livros que se escrevem, nos séculos XV e XVI já faziam tentativas de teorizações de contas, mostrando a ansiedade de desenvolvimento desse conteúdo como uma disciplina do conhecimento. Não obstante a gradativa evolução ao longo dos anos, ainda no contexto atual, torna-se difícil prever até onde a pesquisa na área contábil poderá conduzir os profissionais, pois, constata-se que, desde as últimas décadas já existe a extrapolação do campo tradicional que acena para o aspecto multidimensional da Contabilidade. Contabilidade dos recursos humanos, informática contábil, etc, com forma de expansão, paralelamente, a um relevante estudo de teorias. Inerentes a esse processo, os preocupantes fenômenos das grandes multinacionais, da concentração da riqueza, dos grupos coletivistas, etc, e que formam grandes problemas de ordem sócio-econômica, já se fazem sentir nas questões contábeis com o aparecimento de pesquisas que visam reformular conceitos sobre a avaliação do patrimônio, sobre a apuração do resultado e sobre o critério de análise da gestão, dentre outros. Existe um vasto campo de trabalho e a Contabilidade revigora na classe de profissionais o interesse pela manutenção de métodos de pesquisas que permitam, de forma ordenada, contribuir para o conhecimento humano, tal como é de se esperar de um ramo que há milhares de anos atende à humanidade, aliado aos objetivos do homem inserido na sociedade. Assim, no exercício das atividades cotidianas, o profissional contabilista demonstrará notória visão empresarial, financeira e estratégica, facilitando o atendimento das reais necessidades dos usuários de seus serviços, principalmente os pequenos empresários. 2. PROPOSTA DO CURSO O curso de Ciências contábeis propõe a formação de profissionais com visão generalista, capazes de captar e abstrair a essência dos conhecimentos transmitidos e sua aplicação em diversas situações; capazes de conduzir de forma competente e ética, processos de mudanças nos diversos ambientes organizacionais, na sua amplitude ou em setores específicos desse mesmo ambiente.

6 Objetivo Geral O propõe a formação de profissionais com visão generalista, capazes de: - captar e abstrair a essência dos conhecimentos transmitidos e sua aplicação em diversas situações; - conduzir de forma competente e ética, processos de mudanças nos diversos ambientes organizacionais, na sua amplitude, ou em setores específicos desse mesmo ambiente; - promover a formação de profissionais da área contábil, dotados de competências e habilidades que viabilizem aos agentes econômicos, (empresas, bancos, pessoas) o pleno cumprimento de sua responsabilidade de prestar contas de sua gestão perante a sociedade e participar ativamente do seu processo de integração com o meio econômico, estando alerta para não descaracterizar a sua atividade-fim Objetivos Específicos e Perfil do Profissional De acordo com a proposta do curso de Ciências Contábeis e em equilíbrio com prerrogativas e atribuições do profissional de contabilidade, os objetivos específicos do curso visam a formação de um profissional generalista e especializado, humano, social e político, com visão global, competência técnica, liderança, espírito empreendedor, ético, hábil para negociações, que possua objetivos, organização, perfil de pesquisador e dinamismo; Propomos um profissional que possa ter habilidades para organizar e planejar seu trabalho, tomar decisões, aplicar criativamente a teoria contábil, organizar sistemas de informação, exercer e delegar autoridade, administrar sistemas de informação, liderar equipes, negociar, ser capaz de trabalhar em equipe, adaptar-se ao ambiente organizacional e às novas tecnologias (flexibilidade), promover mudanças e desenvolvimento social, analisar e sintetizar informações, calcular e interpretar números, aprender a aprender, resolver problemas baseados em informações obtidas, falar e escrever o próprio idioma, compreender o inglês escrito; Pretendemos formar um Bacharel e um ser humano capaz de ter atitudes pessoais e sociais positivas em relação à vida e à profissão, participação, elevada autoconfiança e auto-estima, que busque a melhoria contínua nos campos pessoal e profissional, que tenha visão estratégica de sua vida, que queira ter um aprendizado contínuo, que seja pró-ativo e empreendedor, ético nos campos pessoal e profissional, aberto a mudanças, cumpridor de compromissos e responsabilidades, orgulhoso da sua profissão e seu país e promotor de bem-estar social.

7 3. ASPÉCTOS LEGAIS A profissão foi regulamentada em 1946, através do Decreto-Lei n.º 9.295, de , quando foram criados o Conselho Federal de Contabilidade e os Conselhos Regionais de contabilidade. O no Centro Universitário Newton Paiva foi iniciado no 1º. Semestre de Funciona no período noturno, na FACISA Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas, na Avenida Carlos Luz, nº. 800, bairro Caiçara. Foi autorizado pelo Decreto nº /72, de 31/01/1972, publicado no D.O.U. de 01/02/72, de acordo com o Parecer n.º 879/1971 CFE, de 08/12/1971. Foi reconhecido em , através do Decreto nº , de 18/03/1975, publicado no DOU em 19/03/1075, conforme Parecer n.º 22/1975 CFE, de 21/01/1975. O grau conferido é o de Bacharel em Ciências Contábeis e o período de integralização do curso é de horas-aulas, mais 72 horas de Trabalho de Conclusão de Curso e 98 horas de Atividades Complementares A PROFISSÃO CONTÁBIL 4.1. Contexto Histórico Surgida da necessidade humana de mensuração qualitativa e quantitativa, a contabilidade existe deste os primórdios da humanidade e é um instrumento indispensável à humanidade, enquanto necessária para o controle das riquezas. A contabilidade alcançou seu maior desenvolvimento, primeiramente na Itália, cuja história nos legou diversos estudiosos e fez seguidores em todo o mundo, inclusive no Brasil. Depois, houve o surgimento da Escola Americana de Contabilidade, que também veio, posteriormente, influenciar a contabilidade brasileira. Existem registros contábeis brasileiros da época da colonização portuguesa, mas, em termos legais e acadêmicos, a história da contabilidade brasileira começa no início deste século. A primeira escola de contabilidade surgida no Brasil data de 1902, com a criação da Escola Prática de Comércio de São Paulo, embora haja quem defenda o pioneirismo da Academia de Comércio de Juiz de Fora, que teria sido criada em 1891, com o objetivo de formar negociantes, banqueiros, diretores e empregados de estabelecimentos industriais e de comércio. Outros lembram que houve, antes, em 1808, a criação de uma aula de comércio na Bahia, pelo Visconde de Cairú ou que, em 1850 havia cursos no Rio de Janeiro, no Recife e no Seminário Episcopal de Diamantina.

8 4.2. Legislações Os egressos das escolas de contabilidade eram chamados de Guarda-livros, denominação que persistiu até 1845, quando o Decreto-Lei n.º alterou a sua denominação para Técnico em Contabilidade. Posteriormente, com a criação dos cursos superiores, a classe passou a ser chamada, genericamente, de Contabilistas, mantendo-se até hoje os dois níveis de formação: o de Técnico em Contabilidade e o de Bacharel em Ciências Contábeis. O embasamento legal que norteia a execução da contabilidade tem a sua origem em 1840, com a edição do Decreto-Lei n.º 2.627, de , que via a contabilidade de forma escritural, como simples registros voltados para o atendimento ao fisco e às sociedades familiares da época. A profissão começa a ser regulamentada em 1946, através do Decreto-Lei n.º 9.295, de , é criado o Conselho Federal de Contabilidade e os Conselhos Regionais de Contabilidade. Em 1972, a Resolução n.º 220 e a Circular n.º 179, versa sobre a abertura do capital das empresas e da necessidade da geração de mais informações pela contabilidade. Também cria a CVM - Comissão de Valores Mobiliários. Em 1976 a contabilidade passa a ser vista como um sistema de informações, gerando-as com maior quantidade e melhor qualidade, com o advento da Lei n.º 6.404, de Em 1983, o Conselho Federal de contabilidade define, através da sua Resolução n.º 560, de , as atribuições dos contabilistas, separando-as pelos dois níveis profissionais. Em 1996, é aprovado o Código de Ética Profissional do Contabilista, através da Resolução n.º 803, de Em 2007 o Brasil inicia o seu processo de convergência às normas internacionais de contabilidade, com a promulgação da Lei n.º , de Cenário Atual A classe dos contabilistas é constituída por duas categorias profissionais distintas: a dos Técnicos em Contabilidade, com nível de formação de segundo grau, e a dos Contadores, com formação superior de Bacharel em Ciências Contábeis. Somos, hoje, uma das 30 profissões regulamentadas, ou seja, que carecem de um diploma para serem exercidas, devendo, ainda, terem seus profissionais submetidos a deveres e prerrogativas, códigos de ética, sanções e órgãos de controle (os Conselhos de profissões regulamentadas, como o Conselho Federal de Contabilidade e os 27 Conselhos Regionais de Contabilidade).

9 8 A formação acadêmica contempla os conhecimentos ligados à formação geral, humanística e social, conhecimentos concernentes à formação profissional e conhecimentos complementares, através de disciplinas aplicadas, como laboratórios, trabalhos de conclusão de curso, estágios supervisionados, estudos de caso e outros. 5. A SIMBOLOGIA CONTÁBIL 5.1. O Caduceu Era um bastão de ouro que Apolo trocou por uma lira e uma flauta com Mercúrio, junto com o segredo da adivinhação, que acompanhava o Caduceu. Mercúrio usava, também, o capacete de Hades, que lhe permitia ficar invisível. Invisível e com o poder da adivinhação, Mercúrio era o protetor de tudo, inclusive do comércio. Daí vir a ser o Caduceu o símbolo da contabilidade. Para os contabilistas o caduceu evoca a proteção das riquezas, aos empreendimentos e ao patrimônio dos empreendedores. As asas simbolizam a agilidade do Deus Mercúrio O Anel do Contabilista Possui estrutura em ouro, uma pedra principal cor de rosa forte, com dois brilhantes ladeando-a, tendo em uma lateral a pedra da lei e na outra o caduceu, ambos em platina ou ouro branco. A pedra principal escolhida foi a rosa, por semelhança com a dos advogados (época da Teoria Personalista e da ligação da contabilidade com o ramo do direito). Os brilhantes significam a

10 lapidação do homem culto (o homem sem instrução era como uma pedra bruta). Depois de receber a luz da sabedoria, era como uma pedra polida. Além disso, o brilhante é a mais nobre de todas as pedras. A tábua da lei era a forma de escrever as leis (como a que Deus entregou a Moisés, com os seus mandamentos) e também de se publicar os balanços ou prestação de contas dos governantes O Patrono da Contabilidade Era o contador público da época, arrecadador de impostos e escriturador do governo romano, na Judéia ocupada. Trata-se de São Mateus. São Mateus nasceu em Cafarnaum, com o nome de Leví. Atuava na área da Contabilidade pública, sendo arrecadador de impostos, motivo pelo qual não era bem visto junto aos seus. O exercício da sua profissão exigia rígidos controles, os quais se refletiam na formulação do documentário contábil. Escriturava e auditava. Chamava-se telônio o local onde se pagavam os tributos e se trocava moeda estrangeira (era a casa arrecadadora e a casa de câmbio da época). Ao ser encontrado por Jesus e, ouvindo o seu chamado, abandonou os seus negócios e se converteu ao cristianismo, adotando o nome de Mateus, que significa o Dom de Deus. Pregou o evangelho, teve os olhos arrancados na prisão, tendo recebido, depois, o milagre da restituição dos olhos e a liberdade. Realizou o milagre da ressurreição de um príncipe. Caindo em desgraça com o Rei, foi condenado à morte, sendo assassinado em 69 d.c. Em 930. Seus restos mortais foram transportados para Salermo (Itália), cidade da qual é o padroeiro.

11 A Bandeira da Contabilidade (do CRCMG) Foi instituída em 1982, com os objetivos de ser desfraldada em todas as solenidades de interesse da classe contábil e ser colocada em lugar de destaque em todas as Entidades que representam a profissão em Minas Gerais. É composta de um triângulo vermelho, com as mesmas características do triângulo da bandeira de Minas Gerais, sobre um fundo de tecido branco, simbolizando a paz, a pureza da cor da neve e o leite de Minas Gerais, tendo ao centro o caduceu, na cor marrom. O marrom da cor é obtido pela mistura em partes iguais das cores vermelha (simbolizando o vermelho da bandeira de Minas), azul (simbolizando o azul celeste que cobre o universo) e amarela (simbolizando o ouro de Minas) O Juramento do Contabilista Prestado na colação de grau e no recebimento da Carteira Profissional de Contabilista. Prometo exercer com zelo, diligência e honestidade a profissão contábil, cumprir com

12 fidelidade os deveres impostos pelo meu grau, respeitar a verdade, a justiça e o sigilo profissional, lutar sempre pela solução dos problemas sociais e econômicos da humanidade. Juro cumprir fielmente o Código de Ética da Profissão contábil, quer na sua letra, quer no seu espírito, com o objetivo de tornar-me digno de ser mais um membro da grande classe de contabilistas do Brasil. Juro pela profissão, juro pela classe, juro pelo Brasil ENTIDADES DE CLASSE 6.1. O Conselho Federal de Contabilidade e os Conselhos Regionais de Contabilidade O Conselho Federal de Contabilidade e os Conselhos Regionais de Contabilidade (atualmente em número de 27), foram criados por meio do Decreto-Lei n.º 9.295, de 27 de maio de A Lei n.º 9.649, de transforma os Conselhos de Classe, de órgãos públicos, para Pessoa Jurídica de Direito Privado. Assim, cada Conselho passa a ter regulamentação própria, funcionando como se fosse uma empresa. A forma federativa, estrutura, organização e funcionamento são estabelecidas pelo seu estatuto. O Conselho pode fazer tudo em relação à profissão, desde que não contrarie a lei. Os Conselhos são organizados e dirigidos pelos próprios contabilistas, são mantidos por estes e pelas organizações contábeis, tem independência e autonomia, não tem vínculo funcional, técnico, com administração pública direta ou indireta e, finalmente, gozam de imunidade tributária. Compete ao CFC fixar o valor das contribuições anuais, ou anuidade, devidas pelos Contadores, Técnicos em Contabilidade e pelas organizações contábeis (empresas jurídicas e escritórios individuais). As sociedades entre Contadores, Técnicos e outras profissões afins, segundo critério do CFC, só adquirem personalidade jurídica quando tiverem seus atos constitutivos registrados no CRC da sua respectiva base. Compete também ao CFC elaborar, alterar e aprovar as Normas Brasileiras de Contabilidade e os seus princípios, e as normas de mediação e arbitragem e representar internacionalmente, com exclusividade, os contabilistas. As penalidades também foram alteradas. Agora o profissional pode, inicialmente, ser multado em duas até cem vezes o valor da anuidade, ou receber uma pena mais forte de advertência, ou mais forte ainda, de censura reservada, Numa escala seguinte poderá ser censurado publicamente, ou terá suspensão de registros em até 5 anos ou, finalmente, ver o seu registro

13 profissional cancelado, e assim não mais poder exercer a profissão. E mais, os sócios respondem solidariamente pelos atos relacionados ao exercício profissional em nome da organização contábil. Ambos são constituídos por 2/3 de Contadores e 1/3 de Técnicos em contabilidade, denominados conselheiros. No CFC são escolhidos por votação secreta e pessoal de um Colégio Eleitoral formado por um representante de cada CRC. Nos CRC s, por voto secreto, pessoal, direto e obrigatório de todos os Contabilistas com registro em vigor e em situação regular para o exercício da profissão contábil. Ao Conselho Federal de Contabilidade compete organizar o seu Regimento Interno, aprovar os Regimentos Internos dos Conselhos Regionais, dirimir quaisquer dúvidas oriundas dos Conselhos Regionais, e decidir, em última instância, os recursos de penalidades impostas pelos Conselhos Regionais, além de publicar o relatório anual dos seus trabalhos. Aos Conselhos Regionais de Contabilidade compete elaborar a proposta do seu Regimento Interno e submetê-lo ao Conselho Federal, expedir e registrar a carteira profissional, examinar reclamações sobre infrações aos dispositivos legais vigentes, relativos ao exercício da profissão, fiscalizar o exercício das profissões de Contador e de Técnico em Contabilidade, impedindo e punindo as infrações, publicar o relatório anual dos seus trabalhos e representar o Conselho Federal em seus Estados O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTADOR Capítulo I - DO OBJETIVO Art. 1º Este Código de Ética Profissional tem por objetivo fixar a forma pela qual se devem conduzir os Contabilistas, quando no exercício profissional. Capítulo II - DOS DEVERES E DAS PROIBIÇÕES Art. 2º São deveres do contabilista: I - exercer a profissão com zelo, diligência e honestidade, observada a legislação vigente e resguardados os interesses de seus clientes e/ou empregadores, sem prejuízo da dignidade e independência profissionais; II - guardar sigilo sobre o que souber em razão do exercício profissional lícito, inclusive no âmbito do serviço público, ressalvados os casos previstos em lei ou quando solicitado por autoridades competentes, entre estas os Conselhos Regionais de Contabilidade; III - zelar pela sua competência exclusiva na orientação técnica dos serviços a seu cargo;

14 IV - comunicar, desde logo, ao cliente ou empregador, em documento reservado, eventual circunstância adversa que possa influir na decisão daquele que lhe formular consulta ou lhe confiar trabalho, estendendo-se a obrigação a sócios e executores; 13 V - inteirar-se de todas as circunstâncias, antes de emitir qualquer caso; opinião sobre VI - renunciar às funções que exerce, logo que se positive falta de confiança por parte do cliente ou empregador, a quem deverá notificar com trinta dias de antecedência, zelando, contudo, para que os interesses dos mesmos não sejam prejudicados, evitando declarações públicas sobre os motivos da renúncia; VII - se substituído em suas funções, informar ao substituto sobre fatos que devam chegar ao conhecimento desse, a fim de habilitá-lo para o bom desempenho das funções a serem exercidas; VIII - manifestar, a qualquer tempo, a existência de impedimento para o exercício da profissão; IX - ser solidário com os movimentos de defesa da dignidade profissional, seja propugnando por remuneração condigna, seja zelando por condições de trabalho compatíveis com o exercício ético-profissional da Contabilidade e seu aprimoramento técnico. Art. 3º No desempenho de suas funções, é vedado ao Contabilista: I - anunciar, em qualquer modalidade ou veículo de comunicação, conteúdo que resulte na diminuição do colega, da Organização Contábil ou da classe, sendo sempre admitida a indicação de títulos, especializações, serviços oferecidos, trabalhos realizados e relação de clientes; II - assumir, direta ou indiretamente, serviços de qualquer natureza, com prejuízo moral ou desprestígio para a classe; III - auferir qualquer provento em função do exercício profissional que não decorra exclusivamente de sua prática lícita; IV - assinar documentos ou peças contábeis elaborados por outrem, alheio à sua orientação, supervisão e fiscalização; V - exercer a profissão, quando impedido, ou facilitar, por qualquer meio, o seu exercício aos não habilitados ou impedidos; VI - manter Organização Contábil sob forma não autorizada pela legislação pertinente; VII - valer-se de agenciador de serviços, mediante participação desse nos honorários a receber;

15 14 VIII - concorrer para a realização de ato contrário à legislação ou destinado a fraudá-la ou praticar, no exercício da profissão, ato definido como crime ou contravenção; IX - solicitar ou receber do cliente ou empregador qualquer vantagem que saiba para aplicação ilícita; X - prejudicar, culposa ou dolosamente, interesse confiado a sua responsabilidade profissional; XI - recusar-se a prestar contas de quantias que lhe forem, comprovadamente, confiadas; XII - reter abusivamente livros, papéis ou documentos, comprovadamente confiados à sua guarda; XIII - aconselhar o cliente ou o empregador contra disposições expressas em lei ou contra os Princípios Fundamentais e as Normas Brasileiras de Contabilidade editadas pelo Conselho Federal de Contabilidade; XIV - exercer atividade ou ligar o seu nome a empreendimentos com finalidades ilícitas; XV - revelar negociação confidenciada pelo cliente ou empregador para acordo ou transação que, comprovadamente, tenha tido conhecimento; XVI - emitir referência que identifique o cliente ou empregador, com quebra de sigilo profissional, em publicação em que haja menção a trabalho que tenha realizado ou orientado, salvo quando autorizado por eles; XVII - iludir ou tentar iludir a boa fé de cliente, empregador ou de terceiros, alterando ou deturpando o exato teor de documentos, bem como fornecendo falsas informações ou elaborando peças contábeis inidôneas; XVIII - não cumprir, no prazo estabelecido, determinação dos Conselhos Regionais de Contabilidade, depois de regularmente notificado; XIX - intitular-se com categoria profissional que não possua, na profissão contábil; XX - elaborar demonstrações contábeis sem observância dos Princípios Fundamentais e das Normas Brasileiras de Contabilidade editadas pelo Conselho Federal de Contabilidade; XXI - renunciar à liberdade profissional, devendo evitar quaisquer restrições ou imposições que possam prejudicar a eficácia e correção de seu trabalho; XXII - publicar ou distribuir, em seu nome, trabalho científico ou técnico do qual não tenha participado.

16 15 Art. 4º O Contabilista poderá publicar relatório, parecer ou trabalho técnicoprofissional, assinado e sob sua responsabilidade. Art. 5º O Contador, quando perito, assistente técnico, auditor ou árbitro, deverá: I - recusar sua indicação quando reconheça não se achar capacitado em face da especialização requerida; II - abster-se de interpretações tendenciosas sobre a matéria que constitui objeto de perícia, mantendo absoluta independência moral e técnica na elaboração do respectivo laudo; III - abster-se de expender argumentos ou dar a conhecer sua convicção pessoal sobre os direitos de quaisquer das partes interessadas, ou da justiça da causa em que estiver servindo, mantendo seu laudo no âmbito técnico e limitado aos quesitos propostos; IV - considerar com imparcialidade o pensamento exposto em laudo submetido a sua apreciação; V - mencionar obrigatoriamente fatos que conheça e repute em condições de exercer efeito sobre peças contábeis objeto de seu trabalho, respeitado o disposto no inciso II do art. 2º; VI - abster-se de dar parecer ou emitir opinião sem estar suficientemente informado e munido de documentos; VII - assinalar equívocos ou divergências que encontrar no que concerne à aplicação dos Princípios Fundamentais e Normas Brasileiras de Contabilidade editadas pelo CFC; VIII - considerar-se impedido para emitir parecer ou elaborar laudos sobre peças contábeis observando as restrições contidas nas Normas Brasileiras de Contabilidade editadas pelo Conselho Federal de Contabilidade; IX - atender à Fiscalização dos Conselhos Regionais de Contabilidade e Conselho Federal de Contabilidade no sentido de colocar à disposição desses, sempre que solicitado, papéis de trabalho, relatórios e outros documentos que deram origem e orientaram a execução do seu trabalho. Capítulo III - DO VALOR DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS Art. 6º O Contabilista deve fixar previamente o valor dos serviços, por contrato escrito, considerados os elementos seguintes: I - a relevância, o vulto, a complexidade e a dificuldade do serviço a executar; II - o tempo que será consumido para a realização do trabalho;

17 III - a possibilidade de ficar impedido da realização de outros serviços; IV - o resultado lícito favorável que para o contratante advirá com o serviço prestado; V - a peculiaridade de tratar-se de cliente eventual, habitual ou permanente; VI - o local em que o serviço será prestado. Art. 7º O Contabilista poderá transferir o contrato de serviços a seu cargo a outro Contabilista, com a anuência do cliente, sempre por escrito. Parágrafo único. O Contabilista poderá transferir parcialmente a execução dos serviços a seu cargo a outro Contabilista, mantendo sempre como sua a responsabilidade técnica. Art. 8º É vedado ao Contabilista oferecer ou disputar serviços profissionais mediante aviltamento de honorários ou em concorrência desleal. Capítulo IV - DOS DEVERES EM RELAÇÃO AOS COLEGAS E À CLASSE Art. 9º A conduta do Contabilista com relação aos colegas deve ser pautada nos princípios de consideração, respeito, apreço e solidariedade, em consonância com os postulados de harmonia da classe. Parágrafo único. O espírito de solidariedade, mesmo na condição de empregado, não induz nem justifica a participação ou conivência com o erro ou com os atos infringentes de normas éticas ou legais que regem o exercício da profissão. Art. 10. O Contabilista deve, em relação aos colegas, observar as seguintes normas de conduta: I - abster-se de fazer referências prejudiciais ou de qualquer modo desabonadoras; II - abster-se da aceitação de encargo profissional em substituição a colega que dele tenha desistido para preservar a dignidade ou os interesses da profissão ou da classe, desde que permaneçam as mesmas condições que ditaram o referido procedimento; III - jamais apropriar-se de trabalhos, iniciativas ou de soluções encontradas por colegas, que deles não tenha participado, apresentando-os como próprios; IV - evitar desentendimentos com o colega a que vier a substituir no exercício profissional. Art. 11. O Contabilista deve, com relação à classe, observar as seguintes normas de conduta: 16

18 I - prestar seu concurso moral, intelectual e material, salvo circunstâncias especiais que justifiquem a sua recusa; II - zelar pelo prestígio da classe, pela dignidade profissional e pelo aperfeiçoamento de suas instituições; III - aceitar o desempenho de cargo de dirigente nas entidades de classe, admitindo-se a justa recusa; IV - acatar as resoluções votadas pela classe contábil, inclusive quanto a honorários profissionais; V - zelar pelo cumprimento deste Código; VI - não formular juízos depreciativos sobre a classe contábil; VII - representar perante os órgãos competentes sobre irregularidades comprovadamente ocorridas na administração de entidade da classe contábil; VIII - jamais utilizar-se de posição ocupada na direção de entidades de classe em benefício próprio ou para proveito pessoal. Capítulo V - DAS PENALIDADES Art. 12. A transgressão de preceito deste Código constitui infração ética, sancionada, segundo a gravidade, com a aplicação de uma das seguintes penalidades: I - advertência reservada; II - censura reservada; III - censura pública. Parágrafo único. Na aplicação das sanções éticas são consideradas como atenuantes: I - falta cometida em defesa de prerrogativa profissional; II - ausência de punição ética anterior; III - prestação de relevantes serviços à Contabilidade. Art. 13. O julgamento das questões relacionadas à transgressão de preceitos do Código de Ética incumbe, originariamente, aos Conselhos Regionais de Contabilidade, que funcionarão como Tribunais Regionais de Ética, facultado recurso dotado de efeito suspensivo, interposto no prazo de quinze dias, para o Conselho Federal de Contabilidade em sua condição de Tribunal Superior de Ética e Disciplina. 1º O recurso voluntário somente será encaminhado ao Tribunal Superior de Ética e Disciplina se o Tribunal Regional de Ética e Disciplina respectivo mantiver ou reformar parcialmente a decisão. 17

19 2º Na hipótese do inciso III do art. 12, o Tribunal Regional de Ética e Disciplina deverá recorrer ex-ofício de sua própria decisão (aplicação de censura pública). 3º Quando se tratar de denúncia, o Conselho Regional de Contabilidade comunicará ao denunciante a instauração do processo até trinta dias após esgotado o prazo de defesa. Art. 14. O Contabilista poderá requerer desagravo público ao Conselho Regional de Contabilidade, quando atingido, pública e injustamente, no exercício de sua profissão O DIA DO CONTABILISTA - 25 DE ABRIL Saiba como surgiu essa data. "Trabalhemos, pois, bem unidos, tão convencidos de nosso triunfo, que desde já consideramos 25 de abril o Dia do Contabilista Brasileiro". Com esta frase, dita no meio de um discurso de agradecimento a uma homenagem que recebia da Classe Contábil, o Senador e Patrono dos Contabilistas, João Lyra, instituiu o Dia do Contabilista, prontamente adotado pela classe contábil e, atualmente, oficializado em grande número de municípios. Era o ano de Em dezembro do ano anterior, João Lyra havia sido eleito Presidente do Conselho Perpétuo dos Contabilistas Brasileiros e, em toda a sua vida parlamentar, propôs e fez aprovar várias leis em benefício da profissão contábil. Em seu discurso de agradecimento, Lyra homenageou outro grande contabilista, Carlos de Carvalho: "Quando, em 1916, justifiquei, no Senado Federal, a conveniência de se regularizar o exercício de nossa profissão, acentuada a merecida e geral confiança que adviria do abono da classe, por seus mais circunspectos representantes, à capacidade moral e técnica dos contadores, foi o grande e saudoso mestre paulista uma autoridade sem equivalente no Brasil, como bem disse o sr. Amadeu Amaral, quem me endereçou os primeiros e os mais desvanecedores protestos de apoio e de solidariedade". O Dia do Contabilista foi oficialmente instituído pela Lei Estadual nº 1989, em 23 de maio de 1979.

20 19 9. O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 9.1. Disciplinas por Período - Currículo Período Disciplina Crédito C.H. 1 Contabilidade Filosofia (a distância) Formação Hum. e Desenv. Profis. Contador Sociologia Leitura e Produção de Textos Metodologia de Estudo e Pesquisa Período Disciplina Crédito C.H. 2 Contabilidade Instrumental Introdução à Ciência do Direito Fundamentos de Administração Laboratório de Práticas Contábeis Economia (a distância) Período Disciplina Crédito C.H. 3 Contabilidade Comercial Direito Gestão de Processos (virtual) Fundamentos de Administração Financeira Economia Brasileira Período Disciplina Crédito C.H. 4 Cont. Aplic. Mineração, Sider. Agropec Teoria da Contabilidade Psicologia (a distância) Estatística Cálculos Comerciais e Financeiros Período Disciplina Crédito C.H. 5 Contabilidade Superior Orçamento e Contab. Instituições Públicas Tributos Direito Tributário Legislação Social, Previd. e Trabalhista 02 36

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Código de Ética Profissional tem por objetivo fixar a forma pela qual se devem conduzir os contabilistas, quando no exercício

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 DE 10 DE OUTUBRO DE 1996 APROVA O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA - CEPC

RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 DE 10 DE OUTUBRO DE 1996 APROVA O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA - CEPC RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 DE 10 DE OUTUBRO DE 1996 APROVA O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA - CEPC O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 Aprova o Código de Ética Profissional do Contador CEPC O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o Código de Ética

Leia mais

O Código de Ética do Contabilista 1

O Código de Ética do Contabilista 1 O Código de Ética do Contabilista 1 Capítulo I Do Objetivo Art. 1º. Este Código de Ética Profissional tem por objetivo fixar a forma pela qual se devem conduzir os contabilistas, quando no exercício profissional.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO Considerando a intensificação do relacionamento do profissional na área da segurança do trabalho, sendo imperativo para a disciplina profissional,

Leia mais

ÉTICA EXAME DE SUFICIÊNCIA CONTÁBIL

ÉTICA EXAME DE SUFICIÊNCIA CONTÁBIL ÉTICA EXAME DE SUFICIÊNCIA CONTÁBIL Esta apostila é destinada aos Técnicos e Bacharéis em contabilidade que irão prestar o Exame de Suficiência Contábil. A sua distribuição é gratuita em qualquer website

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA GIOVANA GARCIA. Você bem preparado para o futuro da profissão.

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA GIOVANA GARCIA. Você bem preparado para o futuro da profissão. DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA GIOVANA GARCIA OBJETIVOS Analisar a estrutura da prova; Conteúdos mais freqüentes; Modelo de questões; Tempo x desenvolvimento; Tipos de pegadinhas ; Exemplos de questões

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 DE 10 DE OUTUBRO DE 1996 APROVA O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTADOR - CEPC. (6)

RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 DE 10 DE OUTUBRO DE 1996 APROVA O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTADOR - CEPC. (6) RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 DE 10 DE OUTUBRO DE 1996 APROVA O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTADOR - CEPC. (6) O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Porto Alegre Janeiro de 2009 Editor: CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Rua Baronesa do Gravataí,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Porto Alegre Janeiro de 2011 Editor: CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Rua Baronesa do Gravataí,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Sem. CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS I II III IV V VI VI I Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2009.1A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ADMINISTRAÇÃO... 4 02 CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA I... 4 03 MATEMÁTICA... 4 04 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 05 NOÇÕES

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

Código de Ética do Administrador

Código de Ética do Administrador Código de Ética do Administrador Júlio Cesar Andrade de Abreu Fonte: CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO ADMINISTRADOR (Aprovado pela Resolução Normativa CFA nº 353, de 9 de abril de 2008) Dos Deveres (Art

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA TÍTULO I DA ÉTICA DA ORDEM DO MÉRITO SOCIAL CAPÍTULO I DAS REGRAS FUNDAMENTAIS

CÓDIGO DE ÉTICA TÍTULO I DA ÉTICA DA ORDEM DO MÉRITO SOCIAL CAPÍTULO I DAS REGRAS FUNDAMENTAIS CÓDIGO DE ÉTICA TÍTULO I DA ÉTICA DA ORDEM DO MÉRITO SOCIAL CAPÍTULO I DAS REGRAS FUNDAMENTAIS Art. 1º O exercício do Agente do Mérito do Elo Social exige conduta compatível com os preceitos deste Código,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS CONTÁBEIS COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Turno: MATUTINO/NOTURNO Matutino Currículo nº 8 Noturno Currículo nº 8 Reconhecido pelo Decreto n 83.799, de 30.07.79, D.O.U. de 31.07.79 Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

DIRETORIA CRCSC BIÊNIO 2006/2007

DIRETORIA CRCSC BIÊNIO 2006/2007 DIRETORIA CRCSC BIÊNIO 2006/2007 Presidente Nilson José Goedert Vice-Presidente de Administração e Finanças José Nilton Junckes Vice-Presidente de Fiscalização Vilson Wegener Vice-Presidente de Registro

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72 Matriz Curricular do Curso de Administração 2015.1 1ª Fase CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ- REQUISITOS CRED ADM001 Interpretação e Produção de Textos - ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário.

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. FACULDADE DE PSICOLOGIA Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. Estagiário é todo aluno, regularmente matriculado,

Leia mais

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 alunos

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento objetiva disciplinar os procedimentos

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA Resolução CONFEF n.º 25/2000 Dispõe sobre o Código de Ética do Profissional registrado no Sistema CONFEF/CREFs

MINUTA DE RESOLUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA Resolução CONFEF n.º 25/2000 Dispõe sobre o Código de Ética do Profissional registrado no Sistema CONFEF/CREFs Acre Amazonas Rondônia Roraima Código de Ética jan 06, 2015 Documentação MINUTA DE RESOLUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA Resolução CONFEF n.º 25/2000 Dispõe sobre o Código de Ética do Profissional registrado no Sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO Código de Ética aprovado pela Resolução do C.F.B.M. - /V 0002/84 DE i 6/08/84 - D. O. U. 27/08/84, e de conformidade com o Regimento Interno Art. 54, 55, 60 -

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 Regulamenta os Cursos de Pósgraduação lato sensu na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº PRPPG-036/2006, aprovou e eu

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965)

CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965) CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965) INTRODUÇÃO Considerando que: A formação da consciência profissional é fator essencial em qualquer profissão e que um Código

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CIÊNCIAS CONTÁBEIS

MATRIZ CURRICULAR CIÊNCIAS CONTÁBEIS Curso: Graduação: Regime: Duração: CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS -

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de O presente regulamento normativa as Atividades Complementares, componente do Projeto Pedagógico do Curso da Faculdade de Presidente Epitácio FAPE. DA NATUREZA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso

RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FACULDADE DE DIREITO RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso Regulamenta a elaboração e a defesa de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. O Colegiado

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Índice CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL 3 5 6 7 INTRODUÇÃO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS RELACIONAMENTOS CONSELHO DE ÉTICA SANÇÕES DISPOSIÇÕES FINAIS INTRODUÇÃO Considerando que a paz,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 821/97 Aprova a NBC P 1 Normas Profissionais de Auditor Independente com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Matriz Curricular vigente a partir de 2010/1 Fase Cód. Disciplina Carga Horária Prérequisitos

Leia mais

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento visa normatizar as atividades relacionadas a Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Graduação - Bacharelado em Relações Internacionais

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES

ANEXO 01. CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES ANEXO 01 CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES PERFIL DOS CANDIDATOS 1 2 3 4 de Custos Intermediária Introdução à Adm e Comp Organizacional Economia

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

MBA Executivo Contabilidade e Finanças

MBA Executivo Contabilidade e Finanças MBA Executivo Contabilidade e Finanças Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Contabilidade e Finanças proporciona ao aluno o conhecimento a respeito dos fundamentos de contabilidade e finanças

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO

PROJETO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO PROJETO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO O Estágio Curricular Supervisionado tem como objetivo desenvolver junto ao estudante a capacidade de desenvolver uma leitura problematizadora da realidade

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais