LEI Nº 1.939/ 2004 CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEI Nº 1.939/ 2004 CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES"

Transcrição

1 LEI Nº 1.939/ 2004 EMENTA: Institui o Plano de Cargos Carreira e Remuneração do Grupo Ocupacional do Magistério de Goiana e revogada a Lei nº 1.817/98. O PREFEITO DO MUNICIPIO DE GOIANA, ESTADO D PERNAMBUCO, no uso das atribuições conferidas pelo Art. 72, IV, da Lei Orgânica do Município aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - A presente Lei institui o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração do grupo Ocupacional do magistério do município de Goiana, em cumprimento ao que estabelecem a Constituição Federal de 1988, as Leis Federais de nº 9394/96 Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) e a de nº 9424/96 Lei do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e da Valorização do Magistério (FUNDEF), a Lei Orgânica Municipal. Art. 2º - O Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração do grupo Ocupacional do magistério objetiva assegurar a profissionalização e a valorização do Professor, bem como, a melhoria do desempenho e da qualidade dos serviços de educação prestados pela Rede Escolar Pública do Município e especialmente: I - II - III - Estabelecer a carreira do Grupo Ocupacional do Magistério, dotando a Secretaria Municipal de Educação de um conjunto de cargos e funções compatíveis com a sua estrutura organizacional e de mecanismos e instrumentos que regulem o processo funcional e salarial; Adotar, para o desenvolvimento da carreira, os princípios da qualificação profissional, da avaliação do desempenho e do tempo de serviço; Integrar o desenvolvimento profissional dos Professores que compõem o Grupo Ocupacional do Magistério ao da Educação Municipal. Art. 3º - O Grupo Ocupacional do Magistério é composto pelos cargos de Professor 1 e Professor 2, profissionais que exercem atividades de docência e que podem ocupar as funções de suporte técnico-administrativo-pedagógico: Diretor Escolar, Vice-Diretor Escolar, Supervisor Escolar, Orientador Educacional,

2 Coordenador de Biblioteca Escolar, Coordenador de Laboratório de Tecnologia Educacional, Assessor Pedagógico, Inspetor Escolar e Planejador Educacional. Parágrafo Único - A qualificação profissional mínima exigida para o exercício das funções de suporte técnico- administrativo-pedagógico, quantidade por função e gratificação pelo desempenho dessas, constantes no Caput deste artigo, estão descritas no anexo I e II, desta Lei. CAPITULO II DOS CONCEITOS FUNDAMENTAIS Art. 4º - Para efeito desta Lei, considera-se que: I - Grupo ocupacional do magistério: é o conjunto de profissionais da educação, titulares dos cargos efetivos de Professor 1 e Professor 2, que exercem a docência e as funções de suporte técnico-administrativo-pedagógico, no âmbito do ensino público deste município; II - Cargo publico: é o conjunto de atribuições e de responsabilidades investidas ao servidor publico, criado por lei, com denominação própria, número estipulado e remuneração paga pelos recursos do município; III - Cargo efetivo: é o cargo cuja provisão decorre de prévia aprovação em concurso público de provas e títulos; IV - Função: é o conjunto de atribuições que a administração confere a cada categoria profissional e que visam atingir o mesmo objetivo; V - Carreira: é a seqüencia lógica dos cargos dispostos em uma sucessão de Classes, Níveis e Referencias; VI - Classe: é o agrupamento de categorias do mesmo cargo, com idênticas atribuições e responsabilidades, de acordo com a qualificação profissional do seu titular; VII - Nível: é a divisão da classe numa escala de valores para efeito de progressão por tempo de serviço; VIII - Referência: é a divisão do nível numa escala de valores para efeito de progressão por desempenho; IX - Enquadramento: é o posicionamento do professor na carreira do magistério; X - Progressão: é a evolução vertical e horizontal do professor na carreira do magistério; XI - Atividade de magistério: é o exercício efetivo de docência e de funções técnico-administrativo-pedagógicas que dão suporte ao ensino; XII - Estagio probatório: é o período transitório de 03 (três) anos, necessário à avaliação do exercício profissional a iniciar-se no ingresso da carreira; XIII - Professor: é o titular de cargo de carreira do Grupo Ocupacional do Magistério;

3 XIV - Desempenho: é a execução das atividades inerentes ao magistério com responsabilidade, competência e eficiência. CAPITULO III DO GRUPO OCUPACIONAL DO MAGISTERIO E DA ESTRUTURA DOS CARGOS E CARREIRAS Art. 5º - Fica criado, no quadro da Rede Pública Municipal de Educação, o Grupo Ocupacional do Magistério, com sua respectiva carreira. Art. 6º - A estrutura dos cargos e carreira do Grupo Ocupacional do magistério representa o conjunto de atividades da Rede Publica de Ensino de Goiana, relacionadas com os objetivos e finalidades da Secretaria Municipal de Educação. Art. 7º - Compõem o Grupo Ocupacional do magistério, os cargos de Professor 1 e de Professor 2, com suas atividades de Magistério constantes dos Anexos III e IV desta lei. Art. 8º - Os cargos de provimento efetivo são caracterizados por suas denominações, pela descrição sumária e detalhada de suas atividades e pelos requisitos exigidos pelo ingresso. Parágrafo Único - Os cargos de que trata o caput deste artigo, estão descritos e especificados no anexo V, da presente Lei. Art. 9º - Os Cargos do Grupo Ocupacional do Magistério estão vinculados as atividades finalísticas da Secretaria Municipal de Educação. Art. 10º - Os Cargos do Grupo Ocupacional do Magistério - Professor 1 e Professor 2 - são de provimento efetivo e estão divididos, verticalmente, para efeito de progressão por qualificação profissional, nas seguintes Classes: I - Para cargo de Professor 1: a) Classe I: Professor portador de curso Normal, em Nível Médio ou equivalente; b) Classe II: Professor portador de curso Normal, em Nível Médio ou equivalente, com somatório correspondente a 300 (trezentas) horas-aula de cursos de atualização na área em que atua; c) Classe III: Professor portador de graduação em Licenciatura Plena; d) Classe IV: Professor portador de graduação em Licenciatura Plena e cursos de aperfeiçoamento ou extensão universitária com somatório de carga horária correspondente a 180 (cento e oitenta) horas-aula;

4 e) Classe V: Professor portador de graduação em Licenciatura Plena e curso de Pós graduação Lato-Sensu, com carga horária mínima de 360 (trezentos e sessenta) horas-aula; f) Classe VI: Professor portador de graduação em Licenciatura Plena e curso de Pós graduação Strico-Sensu (Mestrado); g) Classe VII: Professor portador de graduação em Licenciatura Plena e curso de Pós graduação Strico-Sensu (Doutorado). II - Para Cargo de Professor 2: a) Classe I: Professor portador de graduação em Licenciatura Plena; b) Classe II: Professor portador de graduação em Licenciatura Plena e cursos de aperfeiçoamento ou extensão universitária com somatório de carga horária correspondente a 180 (cento e oitenta) horas-aula; c) Classe III: Professor portador de graduação em Licenciatura Plena e curso de Pós graduação Lato-Sensu, com carga horária mínima de 360 (trezentos e sessenta) horas-aula; d) Classe IV: Professor portador de graduação em Licenciatura Plena e curso de Pós graduação Strico-Sensu (Mestrado); e) Classe V: Professor portador de graduação em Licenciatura Plena e curso de Pós graduação Strico-Sensu (Doutorado). Art. 11º - As Classes constantes do art. 10, incisos I e II, desta Lei, estão divididas, horizontalmente, em 10 (dez) Níveis e 20 (vinte) Referências, para efeito de Progressão por tempo de serviço e desempenho, respectivamente: I - Nível 1 de 0 (zero) a 04 (quatro) anos, Referências A e B; II - Nível 2 de 04 (quatro) a 08 (oito) anos, Referências C e D; III - Nível 3 de 08 (oito) a 12 (doze) anos, Referências E e F; IV - Nível 4 de 12 (doze) a 16 (dezesseis) anos, Referências G e H; V - Nível 5 de 16 (dezesseis) a 20 (vinte) anos, Referências I e J; VI - Nível 6 de 20 (vinte) a 24 (vinde e quatro) anos, Referências L e M; VII - Nível 7 de 24 (vinde e quatro) a 28 (vinte e oito) anos, Referências N e O; VIII - Nível 8 de 28 (vinte e oito) a 32 (trinta e dois) anos, Referências P e Q; IX - Nível 9 de 32 (trinta e dois) a 36 (trinta e seis) anos, Referências R e S; X - Nível 10 de 36 (trinta e seis) a 40 (quarenta) anos, Referências T e U; Art. 12º - Ao integrante do Grupo Ocupacional do Magistério, designado para ocupar Cargo em Comissão, na Rede Pública Municipal de educação, ficam assegurados todos os direitos e vantagens inerentes ao desenvolvimento da carreira pela progressão;

5 Art. 13º - O ingresso aos cargos de Professor 1 e Professor 2, da Rede Publica Municipal de Educação, são acessíveis aos brasileiros natos ou naturalizados, através de Concurso Público de Provas e Títulos, que preencham os requisitos estabelecidos em lei, sendo o ingresso, obrigatoriamente, na Classe, Nível e Referência iniciais de cada cargo. I - Professor 1: Classe I, Nível 1, Referência A; II - Professor 2: Classe I, Nível 1, Referência A. Art. 14º - As atividades de Magistério exercidas por Professor 1 e Professor 2, de regência e suporte técnico-administrativo-pedagógico, serão desenvolvidas na educação Básica (Educação Infantil e Ensino Fundamental), Educação de Jovens e Adultos e Educação Especial da Rede Pública Municipal de Educação. 1º - Ao Professor 1, ficam garantidos os direitos de exercer atividades de magistério: regência e suporte técnico-administrativo-pedagógico, atendidos os requisitos previstos em lei e de complementar a carga horária de acordo com sua formação profissional, nos anos finais do Ensino fundamental (5ª a 8ª série), Educação de jovens e Adultos, nas Fases III e IV e no Ensino Médio. 2º - Deixando de exercer atividades técnico-administrativo-pedagógicas, o Professor 1, com 150 (cento e cinqüenta) horas aulas, retornará à sua área de ingresso. 3º - Após o retorno à área de ingresso, fica assegurado ao Professor 1, complementar com mais 50 (cinqüenta) horas-aula em atividades de regência, caso haja aulas disponíveis na rede de ensino. 4º - Ao Professor 2, ficam garantidos os direitos de exercer Atividades de magistério: regência e suporte técnico-administrativo-pedagógico, atendidos os requisitos previstos em lei. 5º - Fica assegurado ao Professor 2, habilitado em Educação Física, o direito de ministrar aulas em todos os níveis da Educação Básica, tomando como base o 3º do artigo 26, da Lei 9394/96 - LDBEN. 6º - Fica assegurado ao Professor 2, habilitado em Pedagogia, que deixar de exercer atividades técnico-administrativo-pedagógicas, por opção, ministrar aulas na Educação Básica, Educação de Jovens e Adultos e Educação Especial. CAPITULO IV

6 DA JORNADA DE TRABALHO Art. 15º - As jornadas de trabalho para o Professor 1 e Professor 2, em atividades de regência ou de suporte técnico pedagógico, serão fixadas em horas-aula, independente do nível em que atue, e ficam assim definidas. I - A jornada de trabalho do Professor 1, tanto em regência de sala de aula quanto em suporte técnico-pedagógico, será de, no mínimo, 150 (cento e cinqüenta) horas-aula e, no máximo, de 200 (duzentas) horas-aula. II - A jornada de trabalho do Professor 2, em atividades de regência, será fixada em 150 (cento e cinqüenta) horas-aula e, no máximo, de 200 (duzentas) horas-aula, independente do nível de ensino que atue. III - A jornada de trabalho do Professor 2, em atividade de suporte técnico pedagógico, será fixada em 200 (duzentas) horas-aula; Parágrafo Único - Da carga horária dos Professores 1 e 2, em efetiva regência de classe, ficam destinados os seguinte percentuais, a titulo de aulas atividades: I - 25% (vinte e cinco por cento), para o Professor 1; II - 30% (trinta por cento), para o Professor 2. CAPITULO V DO DESENVOLVIMENTO DA CARREIRA Art. 16º - O desenvolvimento da Carreira do Grupo Ocupacional do Magistério ocorrerá mediante progressão vertical e horizontal. Parágrafo Único - Não haverá progressão funcional, enquanto o professor estiver em estagio probatório ou afastado do efetivo exercício das atividades inerentes ao magistério, na Rede de Ensino d Município, com exceção daqueles cedidos que estejam exercendo atividades inerentes ao magistério, que terão direito à progressão vertical e horizontal por tempo de serviço. SEÇÃO I DA PROGRESSÃO vertical Art. 17º - A progressão Vertical corresponde à passagem automática do Professor 1 e do Professor 2 de uma Classe para outra, mediante qualificação profissional.

7 1º - Os cursos de Pós-Graduação Lato-Sensu e Strico-Sensu, de aperfeiçoamento e de atualização, para os fins previstos nesta Lei, realizados pelos ocupantes do Grupo Ocupacional do Magistério, somente serão considerados, para efeito de progressão, se ministrados por instituições autorizadas e reconhecidas pelo órgão competente e, quando realizados no exterior, forem revalidados por instituições brasileiras credenciadas para este fim. 2º - No caso dos cursos de atualização e de aperfeiçoamento, também, poderão ser considerados, para efeito de progressão vertical, ou que tenham reconhecida a sua validade, através da resolução ou parecer emitido pelo Conselho Municipal de educação. SEÇÃO II DA PORGRESSÃO HORIZONTAL Art A Progressão Horizontal dar-se-à por: a) Tempo de serviço; b) Desempenho. SUBSEÇÃO I DA PROGRESSÃO POR TEMPO DE SERVIÇO Art. 19º - A progressão Horizontal, por tempo de serviço, é a passagem automática do Professor 1 e do Professor 2, de um nível para outro. Parágrafo Único A Progressão horizontal, por tempo de serviço, dar-se-á, a cada 04 (quatro) anos de efetivo exercício na administração municipal e /ou em atividades inerentes ao grupo Ocupacional do Magistério. SUBSEÇÃO II DA PROGRESSÃO POR DESEMPENHO Art. 20º - A Progressão horizontal, por desempenho, é a passagem automática do Professor 1 e do Professor 2 de uma Referência para outra, dentro do mesmo nível. CAPITULO VI DA AVALIAÇÃO Art. 21º - A avaliação de desempenho é um processo contínuo e sistemático de verificação de desempenho do servidor, no cumprimento de suas atribuições e que

8 permite o seu desenvolvimento profissional na Carreira e no Serviço Publico Municipal, tendo em vista os objetivos e finalidades da Rede Publica Municipal de Educação. Art. 22º - A avaliação de desempenho do profissional do magistério será realizada para fins de: I - II - III - Progressão horizontal; Identificação da necessidade de capitação profissional; Compreensão do funcionamento da Rede publica Municipal de educação e detecção de distorções que refletem diretamente no processo de ensino e aprendizagem; IV - Criação de instrumentos que visem ao aprimoramento profissional do Grupo ocupacional do magistério. Art. 23º - Os critérios da avaliação de desempenho, para os Professores em Regência de Classe, para efeito de progressão, serão os seguintes: I - Assiduidade; II - Pontualidade; III - Desempenho didático-pedagógico, tomando como base o art. 13, da Lei nº 9394/96 - LDBEN; IV - Bom relacionamento no trabalho, baseado em princípios e ações que visem à integração da comunidade escolar, em torno de uma proposta didáticopedagógica e de gestão democrática, buscando, primordialmente, a qualidade de ensino. Art. 24º - A progressão por desempenho dar-se-á através de processo eletivo direto e secreto, garantindo-se a participação efetiva de todos os professores do quadro permanente do magistério municipal lotados na escola. 1º - Poderá concorrer à progressão por desempenho o servidor do Grupo Ocupacional do Magistério que: I - Esteja em efetivo exercício do magistério na Rede pública Municipal de educação; II - Tenha cumprido período relativo ao estágio Probatório; III - Não tenha se afastado de suas funções, por mais de 05 (cinco) meses, no ano vigente; IV - Não estar sendo submetido a inquérito administrativo.

9 2º- O pleito para progressão de que trata o Caput deste artigo, será realizado anualmente no mês de dezembro, correspondendo ao ano letivo, ainda, em curso, como balizador da avaliação e os efeitos financeiros, advindos dessa apuração, passarão a vigorar a partir de janeiro do ano subseqüente. 3º - O quantitativo de professores indicados à Progressão por Desempenho será de 50% (cinqüenta por cento) do total de professores do quadro permanente do magistério, lotados nas Unidades de Ensino, que preencherem todos os requisitos previstos em resolução do Conselho Municipal de Educação e Portaria Administrativa da Secretaria Municipal de Educação. Art. 25º - O processo de progressão por desempenho dos professores que estão em funções técnico-administrativo-pedagógicas, contidas nesta Lei, será definido através de critérios elaborados por uma comissão composta de 03 (três) membros da Secretaria de Educação (professores efetivos que desenvolvem atividades técnicoadministrativo-pedagógicasnas diversas Diretorias), 01 (um) representante da Diretoria do Sindicato dos servidores Públicos Municipais de Goiana - SINSEPUMG - e 01 (um) representante do Conselho Municipal de educação. CAPITULO VII DO VENCIMENTO Art. 26º - O vencimento do profissional do Grupo Ocupacional do magistério será fixado em horas-aula. Art. 27º - Os valores da hora-aula do Professor 1 e do Professor 2 são correspondentes a Classes, Níveis e Referências em que estejam enquadrados, de acordo com sua qualificação profissional, tempo de serviço e desempenho. Parágrafo Único - O valor das horas-aula é o estabelecido nas Referências A, Níveis 1, Classes I, dos cargos de Professor 1 e Professor 2, acrescidos da diferença entre: I - II - III - Referencias - 2% (dois por cento); Níveis - 4% (quatro por cento); Classes - 16% (dezesseis por cento). Art. 28º - Os valores das horas-aula do Professor 2, Classes I, II, III, IV e V, serão iguais aos do Professor 1, Classes III, IV, V, VI e VII, respectivamente.

10 Parágrafo Único - A estrutura do vencimento básico dos cargos de que trata o Caput deste artigo, está contida nos Anexos VI e VII desta Lei. CAPITULO VIII DAS GRATIFICAÇÕES Art. 29º - Fica atribuído ao professor, em regência de classe um adicional de 20% (vinte por cento) calculado sobre o vencimento, a título de Gratificação pelo Exercício do Magistério. Parágrafo Único - O Professor em desvio de função ou em disponibilidade, não fará jus ao adicional especificado no caput deste artigo. Art. 30º - Fica concedido ao Professor 1, quando no exercício das funções de suporte técnico pedagógico administrativo, gratificação nos percentuais definidos no anexo I. Art. 31º - Fica concedido ao Professor 2, quando no exercício das funções de suporte técnico pedagógico, gratificação nos percentuais definidos no anexo II. CAPÍTULO IX FORMA DE ACESSO ÀS FUNÇÕES DE SUPORTE TÉCNICO PEDAGÓGICO ADMINISTRATIVO Art. 32º - Para o Diretor Escolar e o Vice, o acesso virá através do processo eletivo da comunidade escolar. Parágrafo Único - Por comunidade escolar entende-se professores, servidores lotados nas escolas da Rede Pública Municipal de Ensino, pais de alunos e alunos. Art. 33º - O Supervisor Escolar, o Orientador Educacional, o Coordenador de Biblioteca Escolar, o Coordenador de Laboratório de Tecnologia Educacional, o Assessor Pedagógico, o Inspetor Escolar e o Planejador Educacional, serão designados por ato do Poder Executivo, seguindo-se os critérios de designação estabelecidos, previamente, em Resolução do Conselho Municipal de Educação. Art. 34º - O período em que o professor, 1 e 2, desempenhará as funções de suporte técnico pedagógico administrativo, será de 04 (quatro) anos, podendo ser renovado, observados os critérios estabelecidos n Resolução do Conselho Municipal de Educação de que trata o art. 33, da presente lei.

11 CAPITULO X DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art. 35º - Ao Professor, quando readaptado de função por motivo de doença contraída no exercício desta, devidamente, comprovada pela junta médica do município, através de laudo conclusivo e elucidativo, ficam mantidos todos os direitos e vantagens inerentes a função, anteriormente, exercida. 1º - Quando a readaptação da função do regente de classe ocorrer em caráter temporário, deverá o professor ser submetido à reavaliação, pela junta médica do município, após término do período descrito no respectivo laudo médico. 2º - Superado o motivo que deu causa à readaptação do professor a efetiva regência de classe, deverá o mesmo retornar às atividades inerentes a seu cargo. 3º - Ao professor readaptado da função de regente de classe, serão atribuídas novas funções compatíveis com a sua superveniente limitação da aptidão física no âmbito da Secretaria de Educação. Art. 36º - As disposições contidos nesta Lei, são extensivas aos Professores aposentados, inclusive, para efeito de enquadramento, com base nos critérios de qualificação profissional e de tempo de serviços, adquiridos em período anterior à data da aposentadoria, respeitando-se o estabelece a Constituição Federal. Art. 37º - A partir da vigência desta lei, fica estabelecido que: I - II - III - O Planejador Educacional atua no âmbito da Diretoria de Planejamento da Secretaria de Educação; O Assessor Pedagógico e o Inspetor Escolar atuam nas escolas e são vinculados à Diretoria de Ensino. O Diretor e o Vice-diretor Escolar, o Supervisor Escolar, o Orientador Educacional, o Coordenador de Biblioteca e o Coordenador de Laboratório de Tecnologia Educacional, atuam na escola em que estão lotados. Art. 38º - Será permitido ao Professor 1 e ao Professor 2, preferencialmente, em regência de classes, o exercício cumulativo de aulas em regência de classe, obedecendo ao limite de 150 horas-aula, desde que seja decorrente de vacância ou em substituição, na Rede Pública Municipal de Educação, ficando garantida a percepção da gratificação pelo exercício do magistério.

12 1º - Considera-se vacância, para efeito deste artigo, as horas-aula remanescentes da apuração do total da carga horária curricular e do numero de turmas, da Rede Municipal, a cada ano, atendidos todos os professores efetivos e aprovados em concursos vigentes. 2º - A concessão do exercício cumulativo, esta condicionada às necessidades da Rede Municipal de Educação, devendo o professor atender os seguintes critérios, simultaneamente: I - II - Conclusão do estágio probatória; Aprovação nos indicadores de avaliação de desempenho para substituição, traçados pela Secretaria Municipal de Educação. 3º - O exercício cumulativo, será concedido enquanto durar a substituição ou vacância e por período máximo de tempo de 1 (um) ano letivo, não podendo ser renovado. Art. 39º - O Poder Executivo destinará aos Professor contemplados na Lei Federal nº 9424/96, a titulo de gratificação especial, em percentual único, qualquer resíduo financeiro advindo da Lei Federal nº 9424/96 - Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério - FUNDEF. Art. 40º - Ao professor que se afastar de suas atividades regulares, seja de regência ou de suporte técnico administrativo pedagógico, para assumir cargo em instância do SINSEPUMG, fica assegurada a manutenção integral de seus vencimentos, inclusive das gratificações a que fizer jus na data de eleição para o mencionado cargo. Art. 41º - Para efeito de enquadramento nos cargos de Professor 1 ou de Professor 2, nos termos desta lei, deverão ser consideradas as áreas de ingressos dos membros no Grupo Ocupacional do Magistério. 1º - O Professor que exerce atividade na Educação Infantil, no Ensino Fundamental (1ª a 4ª), na Educação de Jovens e Adultos (Alfabetização, Fases I e II) e na Educação Especial, incluídos, atualmente, nas Classes II e IV (art. 2º da Lei 1817/98), será enquadrado como Professor 1, Classe de I a V, Níveis de 1 a 10 e Referência de A até U. 2º - O Professor que desenvolve atividades no Ensino Fundamental (5ª a 8ª serie), no Ensino Médio e na Educação de Jovens e Adultos (Fases III e IV), atualmente incluídos na classe IV (art. 2º da Lei 1817/98), será enquadrado como Professor 2, Classe de I a III, Níveis de 1 a 10 e Referência de A até U.

13 Art. 42º - O enquadramento do professor 1, na Classe, Nível e Referência correspondentes, dar-se-á de acordo com sua qualificação profissional e tempo de serviço atendido os requisitos e critérios estabelecidos nesta Lei. Parágrafo Único - O integrante do Grupo Ocupacional do Magistério, ficará enquadrado em seu tempo de serviço, na primeira referência correspondente ao nível em que se encontra. Art. 43º - O enquadramento dos integrantes do Grupo Ocupacional do Magistério da Rede Municipal de Educação, dar-se-á da seguinte forma: I - Ficam enquadrados no cargo de Professor 1, Classe I, os atuais ocupantes do cargo de Professor II, portadores de curso de Magistério em nível Médio ou Normal Médio; II - Ficam enquadrados no cargo de Professor 1, Classe III, os atuais ocupantes do cargo de Professor IV, portadores de graduação em Licenciatura Plena; III - Ficam enquadrados no cargo de Professor 1, Classe IV, os atuais ocupantes do cargo de Professor IV, portadores de graduação em Licenciatura Plena e curso de aperfeiçoamento ou extensão universitária, com somatório correspondente a 180 (cento e oitenta) horas-aula; IV - Ficam enquadrados no cargo de Professor 1, Classe V, os atuais ocupantes do cargo de Professor IV, portadores de graduação em Licenciatura Plena e curso de Pós-Graduação Lato-Sensu, com carga horária mínima de 360 (trezentos e sessenta) horas-aula. Art. 44º - O enquadramento do Professor 2, na Classe, Nível e Referência correspondentes, dar-se-á de acordo com sua qualificação profissional e tempo de serviço, atendidos os requisitos e critérios estabelecidos nesta lei. Parágrafo Único - O integrante do Grupo Ocupacional do Magistério ficará enquadrado em seu tempo de serviço, na primeira referência correspondente ao nível em que se encontra. Art. 45º - O enquadramento dos integrantes do Grupo Ocupacional do Magistério da Rede Pública Municipal de Educação, dar-se-á da seguinte forma: I - II - Ficam enquadrados no cargo Professor 2, Classe I, os atuais ocupantes do cargo de Professor IV, portadores de graduação em Licenciatura Plena; Ficam enquadrados no cargo Professor 2, Classe III, os atuais ocupantes do cargo de Professor IV, portadores de graduação em Licenciatura Plena e o curso

14 de Pós-Graduação Lato-Sensu, com carga horária mínima de 360 (trezentos e sessenta) horas-aula. Art. 46º - Pelo prazo de até 02 (dois) anos, as funções técnico administrativas pedagógicas de: Supervisor Escolar; Orientador Educacional; Inspetor escolar e Planejador Educacional, poderão ser assumidas por professor portador de Licenciatura Plena em qualquer área, desde que o mesmo seja selecionado nos critérios estabelecidos para a ocupação dessas funções, conforme o art. 33 desta lei. Parágrafo Único - Após o período citado no Caput deste artigo, só será admitido para o desempenho das funções supracitadas o professor que apresentar a titulação necessária para o preenchimento das mencionadas funções. Art. 47º Os servidores do grupo Ocupacional do Magistério, que, na data da publicação desta lei, não se encontrarem em efetivo exercício das atividades inerentes ao magistério, na Rede Pública Municipal de Educação, serão enquadrados, mas, não terão direito ao desenvolvimento na carreira, com exceção daqueles que estejam cedidos e exercendo atividades inerentes ao magistério. Art. 48º - Fica garantido ao Professor III, definido pela lei 1817/98 como cargo em extinção, o enquadramento no cargo de Professor 2,de acordo com sua qualificação profissional e tempo de serviço. 1º - A garantia dos direitos descritos no Caput deste artigo esta vinculada ao envio de documentos comprobatórios de conclusão de curso de Licenciatura Plena à secretaria de Educação do Município, no prazo de até 05 (cinco) anos, a partir da vigência desta lei. 2º - O Professor III, de que trata este artigo, enquanto não preencher os requisitos do art. 10, II, desta lei, terá o valor de sua hora-aula equivalente ao percebido pelo Professor 1, Classe II, ficando enquadrado, inicialmente, na primeira referencia do nível correspondente ao seu tempo de serviço, conforme Anexo VIII, desta lei. Art. 49º - Ao Professor I, também, definido pela Lei 1817/98 como cargo extinção, por não exercer atividades inerentes ao magistério, na forma da legislação vigente, fica assegurada a progressão horizontal por tempo de serviço e a carga horária mensal de 130 (cento e trinta) horas-aula, equivalente à do Professor I, Classe I, conforme anexo IX desta lei; ficando enquadrado, inicialmente, na primeira referência do nível correspondente ao seu tempo de serviço.

15 Art. 50º - Fica estipulado o prazo de até 30 (trinta) dias, a partir da data da publicação desta lei, para que a Secretaria de Educação constitua Comissão para a elaboração do sistema de avaliação do desempenho dos Professores que estiverem em funções técnico-administrativo- pedagógicas, respeitando-se o disposto no artigo 25 da presente lei. Art. 51º - Fica garantido aos professores que participaram do Curso de Formação de Capacitadores, com carga horária de 240 (duzentos e quarenta) horasaula, promovido pela Secretaria de Educação do município de Goiana, em convenio com a Faculdade de Formação de Professores de Goiana, o enquadramento como Assessores Pedagógicos, obedecendo as designações, o critério da pontuação classificatória, de acordo com as necessidades da Secretaria de Educação do Município. Art. 52º - A presente lei não prejudicará o direito adquirido e, por isso, o atual ocupante do cargo de provimento efetivo de Orientador Educacional, que passa a ser função gratificada, será enquadrado, na data da publicação desta lei, no quadro do cargo de Professor 2, de que trata o anexo VII, a ele assegurando a irredutibilidade de suas remunerações. Art. 53º - O Conselho Municipal de Educação, no prazo de até 30 (trinta) dias, a contar da publicação da presente lei, expedirá a Resolução de que cuida o art. 33, e o Poder Executivo Municipal, por sua vez, no prazo de até 30 (trinta) dias, a partir da expedição da Resolução do Conselho, regulamentará os arts. 32 e 33, da presente lei. Art. 54º - O cargo de Inspetor Escolar de que trata a Lei Municipal nº 1788/97 continuará a existir, até a publicação de ulterior Decreto do Poder Executivo, que regulamente a presente lei. Art. 55º - As despesas decorrentes da execução desta lei, correrão por conta dos recursos consignados no orçamento geral do município e serão classificadas nas dotações regulamente a presente lei. Art. 56º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos a 01 de Janeiro de Art. 57º - Revogam-se as disposições em contrário, em especial, a Lei nº 1.817/98, de 05 de Agosto de Gabinete do Prefeito do Município de Goiana, 12 de Abril de 2004.

16 ANEXO I Das funções e da qualidade mínima para o exercício das atividades de suporte-tecnico-pedagógico CARGOS FUNÇÕES QUALIFICAÇÃO MINIMA EXIGIDA PROFESSOR 1 Diretor Escolar Vice-diretor Escolar Supervisor Escolar Orientador Educacional Coordenador de Biblioteca Escolar Coordenador de Laboratório de Tecnologia Educacional Assessor Pedagógico Inspetor Escolar Planejador Educacional Graduação em Licenciatura Plena Graduação em Licenciatura Plena Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia ou Pós-Graduação na área de Políticas Educacionais. Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia ou Pós-Graduação nestas áreas. Graduação em Licenciatura Plena admitindo-se como formação mínima para o exercício da função em Unidade escolar de Educação Infantil, Ensino Fundamental, anos iniciais (1ª a 4ª séries), Educação Especial, Educação de Jovens e Adultos, o curso de Magistério ou Normal em Nível Médio. Graduação em Licenciatura Plena e curso de Pós-Graduação nas diversas áreas da Tecnologia Educacional ou ainda. Curso de extensão universitária (somando-se no mínimo de 180 horas-aula), na mesma área. Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia e Pós-Graduação na área de Educação. Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia ou Pós-Graduação na área de Políticas Educacionais. Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia ou Pós-Graduação na área de Políticas Educacionais.

17 ANEXO I (CONTINUAÇÃO) CARGOS FUNÇÕES QUANTIDADE POR ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1ª A 4ª PERCENTUAL DE GRATIFICAÇÃO SOBRE O VENCIMENTO BÁSICO Diretor Escolar 01 (um) 50% por escola de 02 (duas) a 05 (cinco) salas por turno; 60% por escola de 06 (seis) a 10 (dez) salas por turno e 70% por escolas de 11 (onze) salas por turno ou mais. Vice-diretor Escolar 01 (um) 40% por escola de 02 (duas) a 05 (cinco) salas por turno; 50% por escola de 06 (seis) a 10 (dez) salas por turno e 60% por escolas de 11 (onze) salas por turno ou mais. Supervisor Escolar 01 (um) por turno da escola de Educação Infantil e Ensino Fundamental, de 1ª a 4ª série. 30% Orientador Educacional 01 (um) por escola 50% PROFESSOR 1 Coordenador de Biblioteca Escolar 02 (dois) por escola que tenha instituído ou instituir biblioteca. 30% Coordenador de Laboratório de Tecnologia Educacional 01 (um) para cada escola que apresente no mínimo 06 (seis) salas por turno. 40% Assessor Pedagógico 10 (dez) para todas as escolas de Educação Infantil de 1ª a 4ª séries. 50% Inspetor Escolar 10 (dez) para todas as escolas de Educação Infantil de 1ª a 4ª séries. 40% Planejador Educacional 02 (dois) para todas as escolas de Educação Infantil de 1ª a 4ª séries. 50%

18 ANEXO II Das funções e da qualificação para o exercício das atividades de suporte-técnico-administrativo-pedagógico. CARGOS FUNÇÕES QUALIFICAÇÃO MINIMA EXIGIDA PROFESSOR 2 Diretor Escolar Vice-diretor Escolar Supervisor Escolar Orientador Educacional Coordenador de Biblioteca Escolar Coordenador de Laboratório de Tecnologia Educacional Assessor Pedagógico Inspetor Escolar Planejador Educacional Graduação em Licenciatura Plena Graduação em Licenciatura Plena Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia ou Pós-Graduação na área de Políticas Educacionais. Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia ou Pós-Graduação nestas áreas. Graduação em Licenciatura Plena admitindo-se como formação mínima para o exercício da função em Unidade escolar de Educação Infantil, Ensino Fundamental, anos iniciais (1ª a 4ª séries), Educação Especial, Educação de Jovens e Adultos, o curso de Magistério ou Normal em Nível Médio. Graduação em Licenciatura Plena e curso de Pós-Graduação nas diversas áreas da Tecnologia Educacional ou ainda. Curso de extensão universitária (somandose no mínimo de 180 horas-aula), na mesma área. Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia e Pós-Graduação na área de Educação. Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia ou Pós-Graduação na área de Políticas Educacionais. Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia ou Pós-Graduação na área de Políticas Educacionais.

19 ANEXO II (CONTINUAÇÃO) CARGOS FUNÇÕES QUANTIDADE POR ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1ª A 4ª PERCENTUAL DE GRATIFICAÇÃO SOBRE O VENCIMENTO BÁSICO Diretor Escolar 01 (um) 50% por escola de 02 (duas) a 05 (cinco) salas por turno; 60% por escola de 06 (seis) a 10 (dez) salas por turno e 70% por escolas de 11 (onze) salas por turno ou mais. Vice-diretor Escolar 01 (um) 40% por escola de 02 (duas) a 05 (cinco) salas por turno; 50% por escola de 06 (seis) a 10 (dez) salas por turno e 60% por escolas de 11 (onze) salas por turno ou mais. Supervisor Escolar 01 (um) por turno da escola de Educação Infantil e Ensino Fundamental, de 1ª a 4ª série. 30% Orientador Educacional 01 (um) por escola 50% PROFESSOR 2 Coordenador de Biblioteca Escolar 02 (dois) por escola que tenha instituído ou instituir biblioteca. 30% Coordenador de Laboratório de Tecnologia Educacional 01 (um) para cada escola que apresente no mínimo 06 (seis) salas por turno. 40% Assessor Pedagógico 10 (dez) para todas as escolas de Educação Infantil de 1ª a 4ª séries. 50% Inspetor Escolar 10 (dez) para todas as escolas de Educação Infantil de 1ª a 4ª séries. 40% Planejador Educacional 02 (dois) para todas as escolas de Educação Infantil de 1ª a 4ª séries. 50%

20 ANEXO III Da discriminação das atividades de Magnésia CARGOS FUNÇÕES Docência na Educação infantil Docência no ensino Fundamental anos iniciais (1ª a 4ª series) e nos anos finais (5ª a 8ª series)* Docência no Ensino Médio* Docência na Educação de Jovens e Adultos; Alfabetização, Fases I e II (1ª a 4ª series), Módulos III e IV (5ª a 8ª series)* Docência no Ensino Fundamental Direção escolar PROFESSOR 1 Vice-Direção Escolar Coordenação Escolar Supervisão Escolar Orientação Educacional Coordenação de Biblioteca Escolar Coordenação de Laboratório de Tecnologia Educacional Assessoria Pedagógica Inspeção Escolar Planejamento Educacional

21 ANEXO IV Da discriminação das atividades de Magnésia CARGOS FUNÇÕES Docência no Ensino Fundamental anos finais (5ª a 8ª series) Docência no Ensino Médio Docência na Educação de Jovens e Adultos; Fases III e IV (5ª a 8ª series)* Direção escolar Vice-Direção escolar Coordenação Escolar Supervisão Escolar PROFESSOR 2 Orientação Educacional Coordenação de Biblioteca Escolar Coordenação de Laboratório de Tecnologia Educacional Assessoria Pedagógica Inspeção Escolar Planejamento Educacional

22 ANEXO V Descrição dos cargos de provimento efetivo do quadro da Rede Pública Municipal de Educação Grupo: Ocupacional do magistério Cargos: Professor 1 e professor 2 Descrição sumária: Exercício da docência na Educação Básica, na Educação de Jovens e Adultos, na Educação Especial e em atividades técnico-administrativo-pedagógica que dão suporte ao ensino. Descrição detalhada: Professor 1 e Professor 2 em exercício da docência Participar da elaboração da execução e consolidação do Projeto Político pedagógico do estabelecimento de ensino; Elaborar e cumprir plano de trabalho segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; Zelar pela aprendizagem dos alunos; Estabelecer estratégias de recuperação para alunos de menor rendimento; Ministrar aulas nos dias letivos e horas-aula ou estabelecidas por lei, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação do desenvolvimento profissional; Colaborar com as atividades de articulação da escola com a família e a comunidade; Articular atividades extra-classe; Desenvolver as atividades de sala de aula, tendo em vista a apropriação do conhecimento pelo aluno; Elaborar instrumentos de avaliação com questões claras; Participar da capacitação e demais formas de reuniões promovidas pela escola; Estabelecer processo de ensino e de aprendizagem, resguardando sempre o respeito do aluno; Manter e promover relacionamentos cooperativo de trabalho, com seus colegas, com alunos e pais; Participar da elaboração de planos e programas de recuperação a serem proporcionados aos alunos que apresentem baixo rendimento escolar; Dispor de carga horária prevista para cada componente curricular. Atribuições do Professor 1 e do Professor 2, na função de Supervisor Escolar

23 Oferecer assistência técnico-pedagógica ao professorado, objetivando maior eficácia no ensino-aprendizagem; Subsidiar a direção com informações e dados relativos aos trabalhos pedagógicos e ao rendimento escolar; Propor à direção, a implantação de projetos de enriquecimento curricular a serem desenvolvidos pela escola e coordená-los, se aprovados; Organizar, com os professores, atividades usando a superação das dificuldades encontradas pelos alunos na aprendizagem; Desenvolver com os professores um processo de capacitação sistemática a partir das necessidades encontradas pelos alunos na aprendizagem; Incentivar o professor a diagnosticar a causa da recuperação escolar, com o objetivo de aplicar uma metodologia diversificada, numa tentativa de atender aos casos especiais; Planejar, acompanhar e avaliar, com os professores, estudos de recuperação, de modo a garantir novas oportunidades de aprendizagem; Elaborar, juntamente com dos diversos segmentos da unidade escolar, a proposta pedagógica do estabelecimento, processando os ajustes necessários; Promover a discussão e a reflexão sobre a prática pedagógica desenvolvida no estabelecimento de Ensino; Manter-se atualizado acerca da legislação educacional vigente; Articular a escola com a família de forma a assegurar sua participação efetiva numa gestão democrática; Identificar competências, dentro da escola e junto as outras instancias, para a realização de capacitação que venham contribuir para a melhoria da qualidades do ensino; Incentivar, junto ais professores e alunos, a produção de trabalhos escritos (textos, jornais, livros) e outras experiências; Articular ações com a biblioteca escolar, objetivando a melhoria da prática pedagógica; Realizar, como um dos objetivos primordiais da escola, reuniões com os pais objetivando a reflexão conjunta sobre o processo de desenvolvimento educacional dos alunos visando ao aprimoramento teórico e fortalecimento da prática; Trabalhar, integralmente com todos os segmentos da escola no sentido de assegurar a realização da proposta pedagógica. Atribuições do Professor 1 e do Professor 2, na função de Coordenador de biblioteca Escolar. Participar da elaboração, execução e consolidação do Projeto Político-Pedagógico da escola, articulando-se com a equipe técnica, docentes, discentes e integrantes da comunidade escolar; Manter-se atualizado acerca da legislação vigente; Promover, com todos os meios que a biblioteca dispõe, o atendimento às necessidades, interesses e objetivos dos seus usuários nos diversos segmentos da comunidade;

24 Participar das atividades de classe e extra-classe, divulgando os serviços e acervo bibliográfico; Orientar adequadamente, professores e alunos sobre técnicas de pesquisa; Articular com a equipe técnica, professores e educandos, uma ação conjunta de promoção da leitura e pesquisas, participando de eventos culturais como palestras, entrevistas, recitais, clubes de leitura, concursos literários, jornais, oficinas de arte e literatura, projeção de vídeos e slides; Divulgar a produção dos educadores, educandos e da comunidade escolar utilizando multimeios: murais, painéis, cartazes, jornais da biblioteca, jogos pedagógicos, etc. Organizar estrutura técnica e funcional específica da biblioteca escolar, facilitando acesso à informação; Participar do processo de avaliação e do desenvolvimento das ações em articulação com a comunidade escolar. Atribuições do Professor 1 e do Professor 2, na função de Diretor ou Vice Diretor Escolar Participar do processo de avaliação e do desenvolvimento das ações planejadas em articulação com a comunidade escolar; Manter-se atualizado acerca da legislação vigente; Elaborar e acompanhar a execução do projeto Político-Pedagógico do Estabelecimento de Ensino com a equipe técnico-administrativo-pedagógica; Supervisionar e avaliar o trabalho exercido pela equipe técnico-administrativo-pedagógica da Escola; Convocar e presidir as reuniões do Conselho de Classe; Elaborar e executar projetos administrativos e pedagógicos da unidade escolar, com a técnicoadministrativo-pedagógica; Elaborar o calendário escolar, de acordo com a Instrução da Secretaria de Educação adaptando-o a realidade sazonal da Unidade Escolar; Coordenar todo o processo de matricula e de formação de turmas; Estabelecer os horários da equipe técnico-administrativo-pedagógica; Promover articulação entre a escola e a família, visando uma maior participação entre os seguimentos; Organizar e presidir reuniões de pais e mestres e administrativo-pedagógicas; Divulgar as informações de interesse da Escola; Organizar as atividades administrativo-pedagógicas da Unidade Escolar; Representar a Unidade Escolar em reuniões e eventos educacionais. Atribuições do Professor 1 e do Professor 2, na função de Orientador Educacional.

25 Participar da elaboração, execução e consolidação do Projeto Político Pedagógico da Escola, articulando-se com a equipe técnica, docentes, discentes e integrantes da comunidade escolar; Manter-se atualizado acerca da legislação educacional vigente; Assistir o educando, individualmente ou em grupo nas unidades educacionais; Acompanhar ao rendimento escolar do aluno; Orientar a família no acompanhamento escolar do aluno; Constatar dificuldades de aprendizagem e encaminhar o educando ao setores específicos de atendimento; Organizar com os professores, atividades visando a superação das dificuldades encontradas pelos alunos na aprendizagem; Incentivar o professor a diagnosticar a causa da recuperação escolar; Participar das discussões e reflexões sobre as práticas pedagógicas desenvolvidas nas unidades de ensino; Aprimorar o seu desempenho profissional numa perspectiva de formação permanente e ampliação do conhecimento; Articular a escola com a família de forma a assegurar sua participação efetiva numa gestão democrática; Participar de reuniões com os pais, objetivando a reflexão conjunta sobre o processo de desenvolvimento educacional dos alunos, visando o aprimoramento pedagógico continuo da unidade escolar; Participar de ações de capacitação coordenadas pelos órgãos competentes como alternativa de aprimoramento teórico e fortalecimento da prática; Orientar, acompanhar e avaliar os estudantes de cursos de Licenciatura ou normal em Nível Médio, quando do cumprimento de estagio curricular. Atribuições do Professor 1 e do Professor 2, na função de Planejador Educacional e Inspetor escolar Coordenar o Planejamento Curricular; Acompanhar o desempenho da Rede Escolar de modo a caracterizar suas possibilidades, necessidades, níveis de desempenho, subsidiando as decisões, com base na realidade; Apresentar às escolas propostas que visem à melhoria da qualidade de ensino e ao alcance das metas estabelecidas pelo Plano Municipal de Educação; Estimular as atividades da escola, respeitando e incentivando iniciativas dos educadores, identificadas com a Política Educacional do município; Atuar articuladamente com as escolas, na aplicação de medidas que assegurem os direitos do aluno; Acompanhar continuadamente os trabalhos educacionais, no sentido de garantir aos alunos o número de horas e dias letivos, e a oferta e ensino de qualidade;

26 Assessorar, no que diz respeito a normalização e legislação em vigor, as atividades de matrícula, transferência e demais atos referentes à vida escolar do aluno; Definir, planejar e coordenar programas de desenvolvimento dos profissionais que atuam na Rede Municipal de Educação; Coordenar programas de acompanhamento e avaliação de produtividade docente e do estágio probatório; Assessorar na definição de políticas, programas e projetos educacionais; Compatibilizar planos, programas e projetos das esferas Federal, Estadual e Municipal; Assessorar a direção das escolas, na definição de diretrizes de ação, na aplicação de legislação referente ao ensinado no estabelecimento de alternativas de integração da escola com a comunidade. Atribuições do Professor 1 e do Professor 2, na função de Coordenador de Laboratório de Tecnologia Educacional. Organizar, registrar e divulgar o acervo de materiais e recursos tecnológicos facilitadores do processo ensino-aprendizagem existente na escola; Indicar ao professor, instrumentos de apoio à sua pratica pedagógica; Desenvolver programa de incentivos à leitura, com tecnologia da comunicação e informação; Orientar o manuseio de equipamentos de uso didático; Proporcionar ambiente favorável à utilização de multimeios, no cotidiano da prática docente; Coordenar Laboratórios de Informática Educacional; Dinamizar a utilização de programas e vídeo/tv, articulando-se também com outros materiais disponíveis; Analisar a conveniência e aplicar determinados programas na perspectiva da educação; Identificar a eficácia dos programas de vídeo em função das diversas formas possíveis de uso; Buscar novas tecnologias para a sistematização do trabalho educativo; Sugerir à direção da escola subsídios tecnológicos que visem a melhoria do funcionamento da secretaria da escola; Apresentar à escola, semestralmente, relatório das atividades desenvolvidas do Laboratório de Tecnologia Educacional; Analisar e desenvolver software educativo. REQUISITOS BASICOS AO INGRESSO NO CARGO DE PROFESSOR 1: Curso Normal em Nível Médio ou equivalente a esta modalidade de ensino Magistério, Próformação, Logus, etc, ou Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Área de atuação:

27 Exercício da docência na Educação Básica, na Educação de Jovens e Adultos, na Educação Especial e em atividades técnico-administrativo-pedagógicas que dão suporte ao ensino, na forma da Lei. REQUISITOS BASICOS AO INGRESSO NO CARGO DE PROFESSOR 2: Graduação em Cursos de Licenciatura Plena; Área de atuação Exercício da docência na Educação Básica, na Educação de Jovens e Adultos, na Educação Especial e em atividades técnico-administrativo-pedagógicas que dão suporte ao ensino, na forma da Lei.

28 PROFESSOR 1 CLASSES CARGO ANEXO VI DA ESTRURA DOS VENCIMENTOS BÁSICOS DO CARGO DE PROFESSOR 1 TEMPO DE SERVIÇO NÍVEL REFERÊNCIA A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U VII 5,01 5,11 5,21 5,32 5,42 5,53 5,64 5,75 5,86 5,97 6,09 6,21 6,33 6,45 6,58 6,71 6,84 6,97 7,11 7,25 VI 4,32 4,43 4,49 4,58 4,67 4,76 4,85 4,94 5,05 5,15 5,25 5,35 5,46 5,57 5,68 5,79 5,90 6,02 6,13 6,25 V 3,73 3,80 3,88 3,95 4,03 4,11 4,19 4,27 4,35 4,43 4,52 4,61 4,70 4,79 4,88 4,97 5,07 5,17 5,27 5,37 IV 3,22 3,28 3,35 3,42 3,55 3,62 3,69 3,76 3,83 3,90 3,98 4,05 4,14 4,22 4,30 4,38 4,46 4,55 4,54 4,73 III 3,78 2,83 2,89 2,95 3,00 3,06 3,12 3,18 3,25 3,31 3,38 3,44 3,51 3,58 3,65 3,72 3,78 3,85 3,93 4,00 II 2,38 2,42 2,47 2,51 2,56 2,51 2,66 2,71 2,76 2,81 2,87 2,92 2,98 3,03 3,09 3,15 3,21 3,27 3,40 3,45 I 2,06 2,10 2,14 2,18 2,22 2,26 2,30 2,35 2,40 2,45 2,50 2,55 2,60 2,56 2,70 2,75 2,80 2,85 2,91 2,97

29 PROFESSOR 1 CLASSES CARGO ANEXO VII DA ESTRURA DOS VENCIMENTOS BÁSICOS DO CARGO DE PROFESSOR 2 TEMPO DE SERVIÇO NÍVEL REFERÊNCIA A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U V 5,01 5,11 5,21 5,32 5,42 5,53 5,64 5,75 5,86 5,97 6,09 6,21 6,33 6,45 6,58 6,71 6,84 6,97 7,11 7,25 IV 4,32 4,43 4,49 4,58 4,67 4,76 4,85 4,94 5,05 5,15 5,25 5,35 5,46 5,57 5,68 5,79 5,90 6,02 6,13 6,25 III 3,73 3,80 3,88 3,95 4,03 4,11 4,19 4,27 4,35 4,43 4,52 4,61 4,70 4,79 4,88 4,97 5,07 5,17 5,27 5,37 II 3,22 3,28 3,35 3,42 3,55 3,62 3,69 3,76 3,83 3,90 3,98 4,05 4,14 4,22 4,30 4,38 4,46 4,55 4,54 4,73 I 3,78 2,83 2,89 2,95 3,00 3,06 3,12 3,18 3,25 3,31 3,38 3,44 3,51 3,58 3,65 3,72 3,78 3,85 3,93 4,00

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula LEI COMPLEMENTAR Nº 055/2007 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público do Município de Porciúncula/RJ e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE PORCIÚNCULA, no uso das

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N.º 3629, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2003. (Com alterações impostas pelas leis n. os 3.636, de 17 de dezembro de 2003; 3.727, de 27 de janeiro de 2005; 3.816, de 27 de dezembro de 2005; 4.048, de 07 de março

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUSQUE

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUSQUE LEI COMPLEMENTAR nº 146, DE 31 DE AGOSTO DE 2009 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público Municipal de Brusque. O PREFEITO MUNICIPAL DE BRUSQUE Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 278, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. Altera e insere dispositivos na Lei Municipal nº 016, de 20 de janeiro de 2004, a qual dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores do Magistério

Leia mais

LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 Dispõe sobre o Plano de Carreira, Remuneração e Valorização do Magistério Público Estadual e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA, no uso de suas

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1.691, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003. FLORISBALDO ANTONIO POLO, Prefeito Municipal de Santo Augusto, Estado do Rio Grande do Sul,

LEI MUNICIPAL Nº 1.691, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003. FLORISBALDO ANTONIO POLO, Prefeito Municipal de Santo Augusto, Estado do Rio Grande do Sul, LEI MUNICIPAL Nº 1.691, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal. FLORISBALDO ANTONIO POLO, Prefeito Municipal de Santo Augusto, Estado do Rio Grande

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 LEI COMPLEMENTAR NÚMERO 015, de 10 de novembro de 2011. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Profissionais da Educação Básica do Município de Sabará, estabelece normas de enquadramento,

Leia mais

PLANO DE CARREIRA: uma conquista dos profissionais da educação

PLANO DE CARREIRA: uma conquista dos profissionais da educação PLANO DE CARREIRA: uma conquista dos profissionais da educação 2ª edição [Lei 6.839/2011] - julho/2013 PLANO DE CARREIRA: UMA CONQUISTA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO É com muita alegria que apresentamos

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA LEI Nº. 209/12, DE 04 DE ABRIL DE 2012. INSTITUI O PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E VENCIMENTOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004. LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004. Institui o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal e dá outras providências. Grande do Sul. O PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio FAÇO SABER

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MESQUITA GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MESQUITA GABINETE DO PREFEITO (*) LEI Nº 416 DE 30 DE JANEIRO DE 2008. Autor: Poder Executivo DISPÕE SOBRE O ESTATUTO E PLANO DE CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE MESQUITA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº XXXX DE XX DE XXXXXX DE 201X ALTERA A LEI Nº 6720, DE 25 DE MARÇO DE 2014, QUE INSTITUI PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

LEI Nº 3.198 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 3.198 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 3.198 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE PELOTAS, Estado do Rio Grande do Sul. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNDO NOVO CNPJ Nº 00.163.055/0001-12

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNDO NOVO CNPJ Nº 00.163.055/0001-12 CNPJ Nº.163.55/1-12 LEI COMPLEMENTAR N.º 1/25 DE 1 DE MARÇO DE 25 Institui o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal e dá outras providências. Faço saber que a Câmara de Vereadores da cidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 493/09 ALTERA A LEI MUNICIPAL Nº 302/05 - PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 25/01/2012

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 25/01/2012 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 25/01/2012 LEI Nº 892 DE 25 DE JANEIRO DE 2013 Dispõe sobre a criação do Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações dos Servidores da

Leia mais

Minuta do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do Magistério de Vila Velha

Minuta do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do Magistério de Vila Velha Minuta do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do Magistério de Vila Velha PROPOSTA DE SUBSTITUIÇÃO DA LEI N.º 3.964/02 Institui o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do magistério Público do Município

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO GRUPO OCUPACIONAL DO MAGISTÉRIO DE JABOATÃO DOS GUARARAPES

PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO GRUPO OCUPACIONAL DO MAGISTÉRIO DE JABOATÃO DOS GUARARAPES PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO GRUPO OCUPACIONAL DO MAGISTÉRIO DE JABOATÃO DOS GUARARAPES CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1.º A presente Lei institui o Plano de Cargos, Carreira

Leia mais

ESTATUTO DO MAGISTÉRIO LEI 176/95 TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ESTATUTO DO MAGISTÉRIO LEI 176/95 TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ESTATUTO DO MAGISTÉRIO LEI 176/95 TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este ESTATUTO disciplina a situação jurídica do pessoal do MAGISTÉRIO de 1º e 2º graus, vinculado à Administração Municipal.

Leia mais

Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências.

Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 06, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências. O PREFEITO CONSTITUCIONAL DO MUNICIPIO DE PICUÍ, Estado

Leia mais

L E I Nº 244/2004, de 27 de janeiro de 2004.

L E I Nº 244/2004, de 27 de janeiro de 2004. 1 L E I Nº 244/2004, de 27 de janeiro de 2004. Dá nova redação ao Plano de Carreira do Magistério Público do Município, institui o respectivo Quadro de Empregos e dá outras providências. EUGÊNIO CARLINHO

Leia mais

DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR.

DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR. LEI Nº 8722/2014 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR. O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara

Leia mais

Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre:

Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre: Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre: Estabelece o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos Profissionais da Educação Básica do Município de Iracema e dá outras providências.

Leia mais

LEI N 1021 DE 30 DE JUNHO DE 2010

LEI N 1021 DE 30 DE JUNHO DE 2010 LEI N 1021 DE 30 DE JUNHO DE 2010 Altera a Lei nº 256, de 30 de março de 2000, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre o Plano de Carreira e Remuneração (PCR) do Grupo Ocupacional do Magistério

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO

PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ESPERANÇA PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 2011 1 Educação, um ato de amor! ÍNDICE POR ARTIGOS TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Lei nº 2203 de 30 de SETEMBRO de 2015

Lei nº 2203 de 30 de SETEMBRO de 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO MUNICÍPIO DE PATY DO ALFERES CÂMARA MUNICIPAL DE PATY DO ALFERES APROVADO 23/09/2015 - SO Presidente Lei nº 2203 de 30 de SETEMBRO de 2015 Dá nova

Leia mais

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5 SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 L E I N 8.037, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 Institui o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Pará e dá outras providências.

Leia mais

PLANO DE CARREIRA MAGISTÉRIO RESPECTIVO QUADRO CARGOS

PLANO DE CARREIRA MAGISTÉRIO RESPECTIVO QUADRO CARGOS PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO E RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS ÍNDICE SISTEMÁTICO Matéria artigos Título I - Disposições preliminares... 1º e 2º Título II - Da carreira do Magistério Capítulo I - Dos princípios

Leia mais

LEI Nº 3.356, DE 20/10/2010.

LEI Nº 3.356, DE 20/10/2010. LEI Nº 3.356, DE 20/10/2010. DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA MUNICIPAL DE ARACRUZ/ES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1 LEI N. º 1.613/2004 Em 21 de maio de 2004 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE JEQUIÉ, : Faço

Leia mais

TÍTULO II Da Carreira do Magistério Capítulo I Dos Princípios Básicos Art. 3º A Carreira do Magistério Público Municipal tem como princípios

TÍTULO II Da Carreira do Magistério Capítulo I Dos Princípios Básicos Art. 3º A Carreira do Magistério Público Municipal tem como princípios LEI Nº 2344/2001, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2001. ESTABELECE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL, INSTITUI O RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS E PAGAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O

Leia mais

LEI Nº 3.885, de 22 de junho de 2011.

LEI Nº 3.885, de 22 de junho de 2011. LEI Nº 3.885, de 22 de junho de 2011. Dispõe sobre a reformulação do Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público Municipal de Porto União, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Vicente Cidade Monumento da História Pátria CellulaMater da Nacionalidade

Prefeitura Municipal de São Vicente Cidade Monumento da História Pátria CellulaMater da Nacionalidade ESTATUTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DE SÃO VICENTE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1.º - Esta lei institui estrutura e organiza o Estatuto do Magistério Público Municipal da Educação

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado Licenciatura em Música

Regulamento de Estágio Supervisionado Licenciatura em Música Regulamento de Estágio Supervisionado Licenciatura em Música CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1.º Entende-se, para efeitos dessa resolução, o estágio como ato educativo escolar supervisionado,

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA Publicado no Diário Oficial nº 1.346 de 05/07/96. LEI COMPLEMENTAR Nº 018 DE 05 DE JULHO DE 1996

Leia mais

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS Ata de aprovação de alteração 395ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da CODATA Realizada em 10 de fevereiro de 2011 Resolução do Conselho de Administração nº 01/2011 - PECS MARÇO/2005 JULHO/2012

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) CAPÍTULO I DA CARREIRA

PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) CAPÍTULO I DA CARREIRA PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências CAPÍTULO I DA CARREIRA Art. 1. Carreira Assistência à Educação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DOS PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO:

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DOS PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO: LEI Nº 2550, DE 05 DE JANEIRO DE 2010. Estabelece o Plano de Carreira do Magistério Público do Município de Caçapava do Sul, institui o respectivo quadro de cargos e funções e dá outras providências. ZAURI

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO Matéria Artigos Título I - Das Disposições Preliminares 2. Título II - Da Carreira do Magistério 2.1 2.2 2.2.1. 2.2.2. 2.2.3.

ÍNDICE SISTEMÁTICO  Matéria Artigos Título I - Das Disposições Preliminares 2. Título II - Da Carreira do Magistério 2.1 2.2 2.2.1. 2.2.2. 2.2.3. 1 ÍNDICE SISTEMÁTICO Matéria Artigos 1. Título I - Das Disposições Preliminares 1º ao 3º 2. Título II - Da Carreira do Magistério 2.1. Capítulo I - Dos Princípios Básicos 4º 2.2. Capítulo II - As Estrutura

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Vicente Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade

Prefeitura Municipal de São Vicente Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade Prefeitura Municipal de São Vicente Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade LEI COMPLEMENTAR Nº 806 Institui, estrutura e organiza o Estatuto do Magistério Público Municipal

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO E RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS E FUNÇÕES

PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO E RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS E FUNÇÕES Prefeitura Municipal de Santo Cristo - RS PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO E RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS E FUNÇÕES Lei nº 3.063, de 02.01.2008. ÍNDICE SISTEMÁTICO Matéria Artigos Título I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES......1º

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO EM PLACAR Em / / PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI Nº 1529, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Cria os cargos públicos de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias e institui o Plano

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei complementar:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei complementar: ( ) LEI COMPLEMENTAR Nº 836, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1997 Institui Plano de Carreira, Vencimentos e Salários para os integrantes do Quadro do Magistério da Secretaria da Educação e dá outras providências

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ 1 LEI Nº 2.879, DE 03 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Cargos e Salários dos Servidores do Município de Arapongas, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAPONGAS, ESTADO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.697-C DE 2009 Dispõe sobre as carreiras dos servidores do Ministério Público da União e as carreiras dos servidores do Conselho Nacional do Ministério Público; fixa valores

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Cria o Plano de Carreira dos Servidores Técnicos e Administrativos da Polícia Rodoviária Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. 27/99 De 12 de Novembro de 1999 Aprova o Plano de Cargos dos Servidores do Poder Executivo Municipal e contém providências

Leia mais

Lei Complementar Nº 10/2001* Lei nº 2.882/2001

Lei Complementar Nº 10/2001* Lei nº 2.882/2001 Lei Complementar Nº 10/2001* Lei nº 2.882/2001 * (Epígrafe e numeração alterada pela Lei Municipal nº 3.194, de 05 de setembro de 2006). Dispõe sobre o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Leia mais

Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão - SEPLANG

Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão - SEPLANG MINHA CIOADE, MEU LAR AOMINISTRftÇ:i.O POPULAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N v14 /15L/201O. Institui o Plano de Carreira do Magistério Público do Município de Novo Hamburgo, e dá outras providências. O

Leia mais

PORTARIA Nº 08, DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 08, DE DEZEMBRO DE 2014 UNICÍPIO DE MARIANA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Rua Bom Jesus, 16 - CENTRO. 35420-000 MARIANA/MG (31) 3557-9030/9068 PORTARIA Nº 08, DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece normas para a organização do Quadro

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1 O Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo - CEFET-ES, com sede na cidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003 Institui o Plano de Carreira dos Servidores da Área de Atividades de Administração Geral da Prefeitura de Belo Horizonte, estabelece a respectiva Tabela de Vencimentos

Leia mais

LEI Nº 10.963 DE 16 DE ABRIL DE 2008

LEI Nº 10.963 DE 16 DE ABRIL DE 2008 LEI Nº 10.963 DE 16 DE ABRIL DE 2008 Reestrutura o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público do Ensino Fundamental e Médio do Estado da Bahia, na forma que indica, e dá outras providências.

Leia mais

Fixa normas para a educação infantil no Sistema Municipal de Ensino de Belo Horizonte.

Fixa normas para a educação infantil no Sistema Municipal de Ensino de Belo Horizonte. Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano V - Nº: 1.252-11/11/2000 Poder Executivo Conselho Municipal de Educação - CME Resolução CME/BH nº 01/2000 RESOLUÇÃO CME/BH Nº 01/2000 Fixa normas para a

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires LEI COMPLEMENTAR Nº 051, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre o Plano de Carreira dos Servidores Públicos Efetivos de Apoio à Educação Infantil do. AIRTON LUIZ ARTUS, PREFEITO MUNICIPAL DE VENÂNCIO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 009/2014 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 009/2014 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 009/2014 DE 21

Leia mais

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004 HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 REVOGADA RESOLUÇÃO Nº 145/04 Palmas, 08 de dezembro de 2004 Fixa normas para criação e autorização de funcionamento de instituições de educação

Leia mais

LEI Nº 9.241 DE 28 DE JULHO DE 2006. O POVO DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.241 DE 28 DE JULHO DE 2006. O POVO DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.241 DE 28 DE JULHO DE 2006 Institui o Plano de Carreira da Fundação Zôo-Botânica de Belo Horizonte e dá outras providências. O POVO DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, por seus representantes, decreta

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei:

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Súmula: Dispõe sobre a Carreira Técnica Universitária das Instituições de Ensino Superior do Estado do Paraná e adota outras providências.

Leia mais

Faculdade Adventista da Bahia. Plano de Cargos e Salários

Faculdade Adventista da Bahia. Plano de Cargos e Salários Plano de Cargos e Salários Abril de 2014 PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIORDA FADBA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Capítulo I DA NATUREZA E CONSTITUIÇÃO Art.1º. O Plano de Carreira do Magistério

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I Lei Complementar nº 182, de 07 de dezembro de 2000. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Funções e Vencimentos e institui o Quadro e Plano de Carreira dos Servidores dos Serviços Auxiliares de apoio administrativo

Leia mais

PLANO DE CARREIRA MAGISTÉRIO RESPECTIVO QUADRO CARGOS

PLANO DE CARREIRA MAGISTÉRIO RESPECTIVO QUADRO CARGOS PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO E RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS 1 ÍNDICE SISTEMÁTICO Matéria artigos Título I - Disposições preliminares... 1º e 2º Título II - Da carreira do Magistério Capítulo I - Dos

Leia mais

Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo Sr. Celso Giglio

Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo Sr. Celso Giglio São Paulo, 05 de fevereiro de 2013 Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo Sr. Celso Giglio Solicitamos a intercessão de Vossa Excelência no sentido da instituição de um plano de carreira

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 09/96, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

RESOLUÇÃO N o 09/96, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N o 09/96, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Plano Integrado de Capacitação dos Servidores Téc nicos-administrativos da Universidade Federal de Uberlândia. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Nº 196/2015 Pugmil, 30 de Julho de 2015. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Profissionais da Educação Básica do Município de Pugmil TO (PCCR). A PREFEITA MUNICIPAL

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SUMÁRIO TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 02 TITULO II DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO 02 MUNICIPAL CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS BÁSICOS 02 CAPÍTULO II DO ENSINO 03 CAPÍTULO III DA ESTRUTURA DA CARREIRA

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 274/2011, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE CRIXÁS DO TOCANTINS E DÁ OUTRAS

Leia mais

LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto- Lei n o 5.452, de 1 o de maio

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2005/2006

CONVENÇÃO COLETIVA 2005/2006 1 de 5 CONVENÇÃO COLETIVA 2005/2006 Convenção Coletiva de Trabalho que firmam entre si, de um lado, o SINDICATO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO DO ESTADO DA BAHIA, adiante denominado SINEPE-BA, e de outro

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS OBJETIVOS

LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS OBJETIVOS ESTADO DO CEARÁ Prefeitura Municipal de Farias Brito LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 Dispõe sobre o plano de cargos, salários e carreira dos servidores da Prefeitura Municipal de Farias

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 114, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 114, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 114, DE 2015 Altera a Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008, para instituir novo piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008 DIÁRIO OFICIAL Nº. 311 de 08/0/008 GABINETE DA GOVERNADORA L E I Nº 7.030, DE 30 DE JULHO DE 007* Cria o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará - IDESP, e dá outras providências.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 581/2007

PROJETO DE LEI Nº 581/2007 1 PUBLICADO DOC 09/02/2008, PÁG. 85 EMENDA Nº 01 AO PROJETO DE LEI Nº 581/2007 Altera-se redação do artigo 2º como segue Art. 2º. Ficam instituídas as carreiras dos servidores de nível superior da Prefeitura

Leia mais

http://www.camaraitapeva.sp.gov.br/servicos/leis/integra/2789/

http://www.camaraitapeva.sp.gov.br/servicos/leis/integra/2789/ Page 1 of 24 Lei Nº 2789/08 DISPÕE sobre o Plano de Carreira, Vencimentos e Salários, bem como o Estatuto do Magistério Público Municipal de Itapeva" Ver Lei 2529/07 LUIZ ANTONIO HUSSNE CAVANI, Prefeito

Leia mais

1º - As capacitações de Formação e Desenvolvimento serão classificadas em facultativas ou obrigatórias, conforme sua natureza, objetivos

1º - As capacitações de Formação e Desenvolvimento serão classificadas em facultativas ou obrigatórias, conforme sua natureza, objetivos Á nos, 70% (setenta por cento) de freqüência presencial no período de avaliação, que corresponde ao ano letivo. Art. 8º - A Bonificação não será devida: I - aos servidores cedidos à Secretaria de Estado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.871, DE 20 DE MAIO DE 2004. Conversão da MPv nº 155, de 2003 Texto compilado Dispõe sobre a criação de carreiras e organização

Leia mais

Legendas: CONSOLIDAÇÃO DA LEGISLAÇÃO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR

Legendas: CONSOLIDAÇÃO DA LEGISLAÇÃO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR CONSOLIDAÇÃO DA LEGISLAÇÃO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Asterisco (*): Texto em preto: Texto tachado Texto em azul: Texto em verde: Texto em vermelho: Legendas: VI - Houve modificação

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 21 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO UNIV N o 21 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO UNIV N o 21 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova novo Regulamento da Política Docente da UEPG, e revoga a Resolução UNIV n o 38, de 8 de dezembro de 2010. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso de suas

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DOCENTE

PLANO DE CARREIRA DOCENTE PLANO DE CARREIRA DOCENTE 2013 1 ÍNDICE CAPÍTULO I Do Regulamento 03 CAPÍTULO II Das Atribuições do Magistério no Ensino Superior 03 CAPÍTULO III Do Corpo Docente 04 CAPÍTULO IV Da Organização do Quadro

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.873-B, DE 2005 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Especialista Ambiental GDAEM e da Gratificação de Desempenho de Atividade Técnico-Administrativa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre o PCCR

Perguntas e Respostas sobre o PCCR Perguntas e Respostas sobre o PCCR 1) Como é o ingresso na Secretaria Municipal de Educação? O ingresso no Quadro de Pessoal da Secretaria Municipal de Educação, assim como em toda a Administração Pública

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁGIO

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁGIO LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio

Leia mais

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008).

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008). 1. O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes. O estágio integra o itinerário

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior, na forma do ANEXO.

Art. 1º Aprovar o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior, na forma do ANEXO. RESOLUÇÃO Nº 77/2010, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior, na forma do Anexo. O Reitor da Fundação Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METROLOGIA E QUALIDADE REGULAMENTO 1ª Versão Abril/2014 FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Metrologia e Qualidade, doravante denominado PPGMQ, destina-se a

Leia mais

LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE

LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a política remuneratória das carreiras do Grupo de Atividades de Educação Básica do Poder Executivo, altera a estrutura da carreira de Professor de Educação

Leia mais

Lei nº 12.796 de 04/04/2013

Lei nº 12.796 de 04/04/2013 O governo federal publicou nesta sexta-feira (5), no Diário Oficial da União, a lei número 12.796 que altera a lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Como novidade, o texto muda

Leia mais