O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:"

Transcrição

1 LEI N.º 3629, DE 28 DE NOVEMBRO DE (Com alterações impostas pelas leis n. os 3.636, de 17 de dezembro de 2003; 3.727, de 27 de janeiro de 2005; 3.816, de 27 de dezembro de 2005; 4.048, de 07 de março de 2008; e Lei n.º 4.441, de 24 de março de 2010.) DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA, VENCIMENTOS E SALÁRIOS PARA OS INTEGRANTES DO QUADRO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE BARRETOS. O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1.º - Esta Lei dispõe sobre a instituição, implantação e gestão do Plano de Carreira do Magistério Público Municipal. ART. 2.º - Para os efeitos desta Lei, entende-se por: I - rede municipal de ensino o conjunto de instituições e órgãos que realiza atividades de educação sob a coordenação da Secretaria Municipal da Educação; II - Magistério Público Municipal o conjunto de profissionais da educação, titulares dos cargos de Professor I, Professor II e Pedagogo, do ensino público municipal; III - Professor I o titular de cargo da Carreira do Magistério Público Municipal, com função de docência na educação infantil e/ou nas séries iniciais do ensino fundamental; IV - Professor II o titular do cargo da Carreira do Magistério Público Municipal, com função de docência nas séries finais do ensino fundamental; V - Pedagogo o titular de cargo de Pedagogo, da Carreira do Magistério Público Municipal, com funções de suporte pedagógico direto à docência, como as de administração escolar, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional; e VI - funções de magistério as atividades de docência e de suporte pedagógico direto à docência, aí incluídas as de administração escolar, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional.

2 2 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 2 CAPÍTULO II DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS BÁSICOS ART. 3.º - A Carreira do Magistério Público Municipal tem como princípios básicos: I - a profissionalização, que pressupõe vocação e dedicação ao magistério e qualificação profissional, com remuneração condigna e condições adequadas de trabalho; II - a valorização do desempenho, da qualificação e do conhecimento; e III - a progressão através de mudança de padrão e de promoções periódicas. SEÇÃO II DA ESTRUTURA DA CARREIRA Subseção I Disposições Gerais ART. 4.º - A carreira do Magistério Público Municipal é integrada pelos cargos de provimento efetivo de Professor I, de Professor II e Suporte Pedagógico, e estruturada em duas classes, conforme Anexo I desta Lei. 1.º - Cargo do Magistério: é o lugar na organização do serviço público, com denominação própria, atribuições e responsabilidades específicas e vencimento correspondente, para ser provido e exercido por um titular de cargo, sob regime estatutário ou celetista. 2.º - Classe: o conjunto de cargos da mesma profissão e com idênticas atribuições, responsabilidades e vencimento. 3.º - Carreira do Magistério: o conjunto de classes da mesma profissão ou atividades, escalonada segundo a hierarquia do serviço. 4.º - Quadro do Magistério: o conjunto de cargos e de funções atividades de docentes e de profissionais que oferecem suporte pedagógico direto a tais atividades, privativos do Magistério Público Municipal. 5.º - Função: conjunto de encargos e atribuições ao qual não corresponde cargo público e, quanto à natureza, divide-se nos seguintes quadros: I - FUNÇÕES PERMANENTES: são aquelas de confiança, de livre nomeação e exoneração, correspondentes à direção, supervisão, assessoramento, coordenação, chefia e encarregatura e serão exercidas, exclusivamente, por servidores efetivos; e

3 3 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 3 II - FUNÇÕES TRANSITÓRIAS: são aquelas exercidas por servidores contratados, temporariamente, com base no inciso IX do art. 37 da Constituição Federal. 6.º - Constitui requisito para ingresso na carreira, a formação: I - em nível superior, em curso de licenciatura plena em Pedagogia ou curso normal superior, admitida como formação mínima a obtida em nível médio, na modalidade normal para o cargo de Professor I; II - em nível superior, em curso de licenciatura plena ou outra graduação correspondente a áreas específicas do currículo, com formação pedagógica, nos termos da legislação vigente, para o cargo de Professor II; e III - em nível superior, em curso de graduação plena em pedagogia ou habilitação específica para os cargos da classe de Suporte Pedagógico. 7.º - Constitui requisito adicional para ingresso na carreira, nos cargos da classe de Suporte Pedagógico: I - experiência de dois anos de docência para o cargo de Coordenador Pedagógico; II - experiência de três anos de docência para o cargo de Diretor de Escola; e III - experiência de cinco anos de docência para o cargo de Supervisor de Ensino. Subseção II Das Classes ART. 5.º - Os cargos do quadro do Magistério Público do Município de Barretos estão distribuídos pelas classes: (NR) I - Classe de Docentes: a) Educador da Educação Infantil; b) Educador de Criança e Adolescente; c) Professor de Suplência I; d) Professor I; e e) Professor II; II - Classe de Suporte Pedagógico: a) Coordenador Pedagógico Auxiliar; b) Orientador Educacional;

4 4 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 4 c) Coordenador Pedagógico; d) Diretor de Escola de Educação Infantil; e) Diretor de Escola; e f) Supervisor de Ensino; 1.º - Haverá cargo de: I - Diretor de Escola, em escolas com 10 (dez) ou mais classes; e II - Diretor de Escola de Educação Infantil, em escola de educação infantil e em Centro Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental CEMEIEF. 2.º - O número de cargos do quadro do Magistério Público Municipal é o estipulado no Anexo V desta Lei. (NR) Nova Redação em vigor imposta pelo art. 1.º da Lei n.º 4.048, de 07/03/2008. Redação Anterior imposta pelo art. 1.º da Lei n.º 3.816, de 27/12/2005: ART. 5.º -... I - Classe de Docentes: a) Professor de Suplência I; b) Professor I; e c) Professor II. (NR) Redação Anterior imposta pelo art. 6.º da Lei n.º 3.727, de 27/01/2005: Redação Original: 1.º Haverá cargo de Diretor em escolas com 10 (dez) ou mais classes. (NR) ART. 5.º - Os cargos do Quadro do Magistério Público do Município de Barretos estão distribuídos pelas classes em proporção decrescente, da inicial a final: I - Classe de Docentes: a) Professor I; e b) Professor II. II - Classe de Suporte Pedagógico: a) Coordenador Pedagógico Auxiliar; b) Orientador Educacional; c) Coordenador Pedagógico; d) Diretor de Escola; e e) Supervisor de Ensino. 1.º - Haverá cargo de Diretor em escolas com mais de dezoito classes. 2.º - O número de cargos do quadro do Magistério Público Municipal é o estipulado no Anexo V desta Lei. ART. 6.º - Além das classes previstas no artigo anterior, poderá haver postos de trabalho, destinados às seguintes funções: (NR) I - de Vice Diretor nas unidades escolares; II - de Professor Coordenador nas unidades escolares e na administração central da Secretaria Municipal de Educação;

5 5 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 5 III - de Supervisor Geral das áreas de educação infantil, de ensino fundamental, da administração, do Centro de Formação dos Profissionais da Educação Ceforpe e do Pólo de Apoio Barretos de Educação a Distância; IV - de Secretário da Comissão Certificadora de Qualidade; V - de Encarregado Geral de Projeto na administração central da Secretaria Municipal de Educação ou em uma unidade de projeto de atividades educacionais complementares; VI - de Encarregado de Projeto nas unidades de projeto de atividades educacionais complementares; e VII - de Tutor de Cursos de Nível Superior, de Tutor de Cursos de Nível Técnico e de Tutor de Outros Cursos no Pólo de Apoio Barretos de Educação a Distância. 1.º - A função de Vice-Diretor será exercida por um servidor efetivo habilitado, ocupante de cargo do quadro do Magistério Público Municipal, indicado pelo Secretário Municipal de Educação e designado pelo Prefeito Municipal. 2.º - O Vice-Diretor poderá ser designado para a escola que, alternativamente: I - não contar com o cargo de Diretor; ou II - tiver o cargo de Diretor e: a) contar com 18 (dezoito) ou mais classes; ou b) funcionar em 3 (três) períodos, com no mínimo 8 (oito) classes em cada; ou c) contar com mais de 24 (vinte e quatro) classes e funcionar em 3 (três) períodos, com no mínimo 8 (oito) classes em cada, podendo nesse caso serem designados 2 (dois) vices-diretores; e d) funcionar em regime de tempo integral. 3.º - REVOGADO 3.º A - A função de Professor-Coordenador será exercida por servidor efetivo habilitado ocupante de cargo do quadro do Magistério Público Municipal, indicado pelo Secretário Municipal de Educação e designado pelo Prefeito Municipal. 4.º - A função de Supervisor Geral será exercida por servidor efetivo, ocupante de cargo do quadro do Magistério Público Municipal habilitado para o cargo de supervisor de ensino, indicado pelo Secretário Municipal de Educação e designado pelo Prefeito Municipal. 5.º - A função de Secretário da Comissão Certificadora de Qualidade será exercida por servidor efetivo, ocupante de cargo do quadro do

6 6 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 6 Magistério Público Municipal, indicado pelo Secretário Municipal de Educação e designado pelo Prefeito Municipal. 6.º - O Professor-Coordenador, o Supervisor Geral e o Secretário da Comissão Certificadora de Qualidade cumprirão 40 (quarenta) horas semanais de trabalho. 7.º - As funções de Encarregado de Projeto e de Encarregado Geral de Projeto serão exercidas por servidor público efetivo ocupante de cargo do quadro do Magistério Público Municipal, indicado pelo Secretário Municipal de Educação e designado pelo Prefeito Municipal. 8.º - A função de tutor será exercida por profissional docente habilitado ocupante de cargo ou função do quadro do Magistério Público Municipal ou por profissional habilitado recrutado mediante processo seletivo realizado em conformidade com as normas da instituição conveniada. 9.º - A jornada de trabalho da função de tutor será de, no mínimo, 20 (vinte) horas semanais e a remuneração será feita com base no valor da hora/aula correspondente à do Professor II do Magistério Público Municipal Os servidores a que se refere o 9.º deste artigo serão designados pelo Prefeito Municipal mediante indicação do Secretário Municipal de Educação, ou então, na inexistência de servidores, serão contratados por tempo determinado mediante processo seletivo público. (NR) Nova Redação em vigor imposta pelo art. 1.º da Lei n.º 4.048, de 07/03/2008. Redação Anterior imposta pelo art. 1.º da Lei n.º 3.816, de 27/12/2005: ART. 6.º - Além das classes previstas no artigo anterior, poderão haver postos de trabalho, destinados às seguintes funções: I - de Vice Diretor nas unidades escolares; II - de Coordenador de Suplência e de Professor Coordenador nas unidades escolares e na administração central da Secretaria Municipal de Educação; e III - de Supervisor Geral de cada uma das áreas de: educação infantil, ensino fundamental, formação continuada e infra-estrutura e operações na Secretaria Municipal de Educação. 1.º - A função de Vice-Diretor será exercida por um profissional efetivo habilitado, do quadro do Magistério, indicado pelo Secretário Municipal de Educação e designado pelo Prefeito Municipal. 2.º - O Vice-Diretor poderá ser designado para a escola que, alternativamente: a) não contar com o cargo de Diretor; ou b) tiver o cargo de Diretor e contar com 18 (dezoito) ou mais classes, ou funcionar em 3 (três) períodos; 3.º - Revogado. 4.º - As funções de Coordenador de Suplência e de Professor-Coordenador serão exercidas por servidor do quadro do magistério público municipal ocupante de cargo efetivo habilitado designado pelo Secretário Municipal de Educação. 5.º - A função de Supervisor Geral será exercida por servidor efetivo do quadro do magistério público municipal habilitado para o cargo de supervisor de ensino e designado pelo Secretário Municipal de Educação. 6.º - O Coordenador de Suplência, o Professor-Coordenador e o Supervisor Geral cumprirão 40 (quarenta) horas semanais de trabalho.(nr) Redação Anterior imposta ao 2.º pelo Art. 7.º da Lei n.º 3.727, de 27/01/2005: 2.º - O Vice-Diretor poderá ser designado sempre que a escola tiver 18 classes ou mais, ou funcione em 3 períodos. (NR)

7 7 Revogado o 3.º do Art. 6.º pelo art. 8.º da Lei n.º 3.727, de 27/01/2005: Redação Original: Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 7 ART. 6.º - Além das classes previstas no artigo anterior, poderá haver nas unidades escolares postos de trabalho, destinados às funções de Vice- Diretor. 1.º - A função de Vice-Diretor será exercida por um profissional efetivo habilitado, do quadro do Magistério, indicado pelo Secretário Municipal de Educação e designado pelo Prefeito Municipal. 2.º - O Vice-Diretor será designado sempre que a escola tiver mais de 25 classes ou funcione em 3 períodos. 3.º - Poderá ser designado um Vice-Diretor para a escola com até 18 (dezoito) classes, que não comporta o cargo de diretor. SEÇÃO III DA JORNADA DE TRABALHO ART. 7.º - A jornada semanal de trabalho do titular docente é constituída de horas atividades com alunos, de horas de trabalho pedagógico na escola e de horas de trabalho em local de livre escolha, a saber: I - jornada básica de trabalho docente, composta por: a) 25 (vinte e cinco) horas em atividades com alunos; e b) 05 (cinco) horas de trabalho pedagógico das quais 02 (duas) na escola em atividades coletivas e 03 (três) em local de livre escolha do docente; II - jornada inicial de trabalho docente, composta por: a) 20 (vinte) horas em atividades com alunos; e b) 04 (quatro) horas de trabalho pedagógico das quais 02 (duas) na escola em atividades coletivas e 02 (duas) em local de livre escolha pelo docente. Parágrafo único. A jornada de trabalho do titular do cargo de: (NR) I - Educador da Educação Infantil e de Educador de Criança e Adolescente será de 40 (quarenta) horas semanais; II - Professor de Suplência I será de 24 (vinte e quatro) horas, sendo 20 (vinte) horas de trabalho com alunos, 2 (duas) horas de trabalho pedagógico na escola e 2 (duas) horas de trabalho em local de livre escolha. (NR) (AC) Nova Redação do Parágrafo único e acréscimo dos Incisos I e II em vigor impostos pelo art. 1.º da Lei n.º 4.048, de 07/03/2008. Redação Anterior imposta pelo Art. 1.º da Lei n.º 3.816, de 27/12/2005, que acrescentou o Parágrafo único: Parágrafo único. A jornada semanal de trabalho do titular do cargo de Professor de Suplência I será de 20 (vinte) horas, sendo 15 (quinze) horas de trabalho com alunos, 4 (quatro) horas de trabalho pedagógico na escola e 1 (uma) hora de trabalho em local de livre escolha." ART. 8.º - Os cargos de Suporte Pedagógico serão exercidos em jornada de 40 (quarenta) horas semanais.

8 8 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 8 ART. 9.º - Na hipótese de acumulação de dois cargos docentes ou de um docente e um de suporte pedagógico, a carga horária total não poderá ultrapassar o limite constitucional, devendo o horário de trabalho entre um cargo e outro ser igual ou superior a uma hora. ART As jornadas de trabalho previstas nos artigos 7.º e 8.º não se aplicam aos admitidos em caráter temporário, os quais deverão ser remunerados conforme a carga horária que vierem a cumprir. 1.º - Entende-se por carga horária o conjunto de horas em atividades com alunos, horas de trabalho pedagógico na escola e horas de trabalho em local de livre escolha pelo docente. 2.º - As horas de trabalho pedagógico referentes à carga horária estão previstas no Anexo II desta Lei. SEÇÃO IV DA CARGA SUPLEMENTAR DE TRABALHO ART Os docentes em jornada básica ou inicial poderão exercer carga suplementar de trabalho. 1.º - Entende-se por carga suplementar de trabalho o número de horas prestadas pelo docente além daquela fixada para a jornada de trabalho a que estiver sujeito o titular de cargo. 2.º - As horas prestadas a título de carga suplementar de trabalho são constituídas de hora atividade com alunos, hora de trabalho pedagógico na escola e hora de trabalho em local de livre escolha. 3.º - O número de horas semanais de carga suplementar de trabalho corresponderá à diferença entre o limite de 40 (quarenta) horas e o número de horas previsto na jornada a que se refere o art. 7.º desta Lei. SEÇÃO V DA REMUNERAÇÃO Subseção I Do Vencimento ART A remuneração do titular da carreira corresponde ao vencimento relativo à classe e ao padrão a que se encontra, acrescido das vantagens, incorporáveis ou não. 1.º - O vencimento: (NR) I - básico da carreira do Magistério Público Municipal é o fixado para o cargo de Professor I, da classe inicial e no nível mínimo de habilitação, exceto para os cargos de Professor de Suplência I, Educador da Educação Infantil, Educador de Criança e Adolescente.

9 9 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 9 II - básico inicial do cargo de Professor de Suplência I é o fixado no padrão I, da faixa 1, previsto no Anexo III desta Lei; III - da função de Professor-Coordenador é o correspondente ao padrão I, da faixa 1, da escala de vencimentos da classe de suporte pedagógico, prevista no Anexo IV, desta Lei; IV - da função de Supervisor Geral é o correspondente ao padrão V, da faixa 5, da escala de vencimentos da classe de suporte pedagógico, prevista no Anexo IV, desta Lei; V - básico inicial do cargo de Educador da Educação Infantil é o correspondente à Faixa Inicial, da escala de vencimentos da classe de docentes, prevista no Anexo III; VI - básico inicial do cargo de Educador de Criança e Adolescente é o correspondente à Faixa Inicial, da escala de vencimentos da classe de docentes, prevista no Anexo III; VII - básico inicial do cargo de Diretor de Escola de Educação Infantil é o correspondente ao padrão I, da faixa 1, da escala de vencimentos da classe de suporte pedagógico, prevista no Anexo IV desta Lei; VIII - da função de Secretário da Comissão Certificadora de Qualidade é o correspondente ao Grau IV, Padrão 3, da Tabela Única de vencimentos para funcionários mensalistas, de que trata a Lei n.º 2.839, de 15 de março de 1994, com alterações subseqüentes. IX - da função de Encarregado de Projeto é o correspondente ao Grau IV, Padrão 3, da Tabela Única de vencimentos para funcionários mensalistas, de que trata a Lei n.º 2.839, de 15 de março de 1994, com alterações subseqüentes; e X - da função de Encarregado Geral de Projeto é o correspondente ao Grau IV, Padrão 5, da Tabela Única de vencimentos para funcionários mensalistas, de que trata a Lei n.º 2.839, de 15 de março de 1994, com alterações subseqüentes. 2.º - Os vencimentos são fixados nos Anexos III e IV desta Lei, incluindo a progressão horizontal, nas classes e padrões. (NR) Nova Redação imposta ao 1.º, pelo Art. 1.º da Lei n.º 4.048, de 07/03/2008, que substituiu suas alíneas por incisos e acrescentou os incisos VI, VII, VIII, IX e X. Redação Anterior imposta ao 1.º, pelo Art. 2.º da Lei n.º 3.816, de 27/12/2005, que também acrescentou as alíneas a, b, c, d e e : ART º - O vencimento: (NR) a) básico da carreira do magistério público municipal é o fixado para o cargo de professor I, da classe inicial e no nível mínimo de habilitação, exceto para o cargo de Professor de Suplência I; b) básico inicial do cargo de Professor de Suplência I é o fixado no padrão 1, da faixa 1, previsto no Anexo III desta Lei; c) da função de Professor-Coordenador é o correspondente ao padrão I, da faixa 1, da escala de vencimentos da classe de suporte pedagógico, prevista no Anexo IV, desta Lei;

10 10 Redação Original: Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 10 d) da função de Coordenador de Suplência é o correspondente ao padrão I, da faixa 1, da escala de vencimentos da classe de suporte pedagógico, prevista no Anexo IV, desta Lei; e) da função de Supervisor Geral é o correspondente ao padrão V, da faixa 5, da escala de vencimentos da classe de suporte pedagógico, prevista no Anexo IV, desta Lei. ART. 12.º - A remuneração do titular da carreira corresponde ao vencimento relativo à classe e ao padrão a que se encontra, acrescido das vantagens, incorporáveis ou não. 1.º - Considera-se vencimento básico da carreira o fixado para o cargo de Professor I, da classe inicial e no nível mínimo de habilitação. 2.º - Os vencimentos são fixados nos Anexos III e IV desta Lei, incluindo a progressão horizontal, nas classes e padrões. ART O valor da hora-aula para o admitido em caráter temporário e para a carga suplementar do titular de cargo corresponde a 1/150 (um cento e cinqüenta) avo do valor fixado para jornada inicial de trabalho docente, de acordo com o padrão em que estiver enquadrado o servidor. ART O integrante da carreira do magistério, quando nomeado ou designado para cargo de outra classe da mesma carreira, poderá optar pelo vencimento correspondente ao padrão retribuitório inicial da nova classe, sem incorporação dos vencimentos, passando a perceber o salário de seu cargo quando deixar de exercer a função. Parágrafo único. O servidor estável com mais de cinco anos de efetivo exercício no serviço público municipal, que venha a exercer, ininterruptamente e a qualquer título, cargo que lhe proporcione vencimentos superiores ao do cargo de que seja titular, incorporará 1/10 (um décimo) dessa diferença por ano, até o limite de dez décimos. ART O Professor I habilitado que ministrar aulas de 5.ª a 8.ª séries do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, terá a retribuição referente a essas aulas calculadas com base no Padrão I da Faixa 2, da Tabela de Vencimentos da Classe de Docentes, na conformidade do disposto no art. 13 desta Lei. ART Os portadores de curso superior, com licenciatura plena, que atuarem em componente curricular diverso do de sua habilitação serão admitidos como Professor de Educação Básica I e remunerados pela carga horária cumprida, com base no valor referente ao Padrão III da Faixa 1 da Tabela de Vencimentos da Classe de Docentes, na conformidade do disposto no art. 13 desta Lei. Subseção II Das Vantagens ART Além do vencimento, o titular de cargo de carreira fará jus às seguintes vantagens: I - indenizações; II - gratificações; e

11 11 III - adicionais. Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls º - As indenizações não se incorporarão ao vencimento ou provento para nenhum efeito. 2.º - As gratificações e os adicionais incorporar-se-ão ao vencimento, nas condições previstas nesta Lei Complementar e demais legislações pertinentes. ART Constituem indenizações ao servidor: I - ajuda de custo; II - diárias; e III - transporte. 1.º - A ajuda de custo será concedida a critério da Administração, de acordo com a legislação pertinente. 2.º - As diárias são concedidas ao servidor que se deslocar da sede para outro ponto do território nacional ou para o exterior, a serviço da Administração. 3.º - A indenização de transporte será concedida na seguinte conformidade: I - 30% (trinta por cento) do valor do nível inicial da classe aos docentes que exercem atividades na Zona Rural; II - 20% (vinte por cento) do nível inicial do cargo, posto de trabalho ou função para Supervisor Geral, Supervisor de Ensino, Coordenador Pedagógico, Coordenador Pedagógico Auxiliar, Encarregado Geral de Projeto e Orientador Educacional que visitam escolas; e (NR) III - 10% (dez por cento) do nível inicial do cargo, posto de trabalho ou função para Diretor de Escola, Diretor de Escola de Educação Infantil, Encarregado de Projeto e Chefe de Setor que visita escolas. (NR) (NR) Nova Redação imposta aos incisos II e III do 3.º do artigo 18, pelo Art. 1.º da Lei n.º 4.048, de 07/03/2008. Redação Anterior imposta aos incisos II e III do 3.º do artigo 18, pelo Art. 3.º da Lei n.º 3.816, de 27/12/2005: Art. 18.º º -... Redação Original: I - 20% (vinte por cento) do nível inicial do cargo para Supervisor de Ensino, Coordenador Pedagógico, Coordenador Auxiliar, Orientador Educacional e Coordenador de Suplência que visitam escolas; e II - 10% (dez por cento) do nível inicial do cargo para Diretor de Escola e Coordenador de Creche." ART Constituem indenizações ao servidor: I - ajuda de custo; II - diárias; e III - transporte.

12 12 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls º - A ajuda de custo será concedida a critério da Administração, de acordo com a legislação pertinente. 2.º - As diárias são concedidas ao servidor que se deslocar da sede para outro ponto do território nacional ou para o exterior, a serviço da Administração. 3.º - A indenização de transporte será concedida na seguinte conformidade: I - 30% (trinta por cento) do valor do nível inicial da classe aos docentes que exercem atividades na Zona Rural; II - 20% (vinte por cento) do nível inicial do cargo para Supervisor de Ensino, Coordenador Pedagógico, Coordenador Auxiliar e Orientador Educacional, que visitam escolas; e III - 10% (dez por cento) do nível inicial do cargo para Diretor de Escola. ART Constituem gratificações ao servidor abrangido por esta Lei: I - a gratificação pelo exercício de função de direção, supervisão e coordenação; e II - a gratificação pela prestação de serviço especial. ART O servidor abrangido por esta Lei fará jus, ainda, aos seguintes adicionais: I - adicional por tempo de serviço, à razão de 5% (cinco por cento) a cada 5 (cinco) anos de efetivo exercício; II - sexta parte, após 20 (vinte) anos de efetivo exercício; III - adicional noturno correspondente a 25% (vinte e cinco por cento) do valor da hora de trabalho, exceto para horário de trabalho pedagógico coletivo, quando este for realizado em horário escolhido pelo professor; e IV - adicional de férias. 1.º - O servidor fará jus ao adicional do tempo de serviço a partir do mês em que completar o qüinqüênio de efetivo exercício no cargo. 2.º - O adicional de tempo de serviço que trata este artigo será incorporado ao vencimento para todos os efeitos, inclusive de aposentadoria e disponibilidade. SEÇÃO VI DA PROMOÇÃO ART O integrante do Quadro do Magistério terá direito à promoção horizontal, que é a passagem para padrão retribuitório superior da respectiva classe, mediante a avaliação de indicadores da capacidade potencial de trabalho do profissional do magistério. ART A passagem para padrão superior da respectiva classe dar-se-á através das seguintes modalidades: I - pela via acadêmica, considerado o fator habilitação acadêmica obtido em grau superior de ensino;

13 13 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 13 II - pela via não acadêmica, considerados os fatores relacionados à atualização, aperfeiçoamento e produção profissional; Subseção I Da Promoção pela Via Acadêmica ART O enquadramento em padrão retribuitório superior, na respectiva classe, pela via acadêmica, observará os seguintes critérios: I - Professor I: a) Padrão III: mediante apresentação de diploma registrado no órgão competente, de curso de grau superior de ensino, correspondente a licenciatura plena, com disciplinas pedagógicas das séries iniciais do ensino fundamental; b) Padrão IV: mediante a apresentação de Certificado de conclusão de curso de aperfeiçoamento, obtido em instituição de ensino devidamente reconhecida, com duração mínima de 360 horas (trezentos e sessenta) horas; (NR); c) Padrão V: mediante apresentação do curso de mestrado, obtido em curso devidamente credenciado; d) Padrão VI: mediante apresentação do título de doutor, obtido em curso devidamente credenciado. II - Professor II: a) Padrão IV: mediante a apresentação de certificado de conclusão de curso de aperfeiçoamento, obtido em instituição de ensino devidamente reconhecida, com duração mínima de 320 horas; b) Padrão V: mediante apresentação do curso de mestrado, obtido em curso devidamente credenciado; c) Padrão VI: mediante apresentação do título de doutor, obtido em curso devidamente credenciado. III - Classe de Suporte Pedagógico: a) Padrão IV: mediante apresentação do curso de aperfeiçoamento com duração mínima de 320 horas; b) Padrão V: mediante apresentação do curso de mestrado, obtido em curso devidamente credenciado; e c) Padrão VI: mediante apresentação do título de doutor, obtido em curso devidamente credenciado. (NR) Nova Redação imposta à alínea b do inciso I do artigo 23, pelo Art. 4.º da Lei n.º 3.816, de 27/12/2005: Redação Original:

14 14 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 14 ART. 23.º - O enquadramento em padrão retribuitório superior, na respectiva classe, pela via acadêmica, observará os seguintes critérios: I - Professor I: a) Padrão III: mediante apresentação de diploma registrado no órgão competente, de curso de grau superior de ensino, correspondente a licenciatura plena, com disciplinas pedagógicas das séries iniciais do ensino fundamental; b) Padrão IV: mediante a apresentação de Certificado de conclusão de curso de aperfeiçoamento, obtido em instituição de ensino devidamente reconhecida, com duração mínima de 320 horas; c) Padrão V: mediante apresentação do curso de mestrado, obtido em curso devidamente credenciado; d) Padrão VI: mediante apresentação do título de doutor, obtido em curso devidamente credenciado. II - Professor II: a) Padrão IV: mediante a apresentação de certificado de conclusão de curso de aperfeiçoamento, obtido em instituição de ensino devidamente reconhecida, com duração mínima de 320 horas; b) Padrão V: mediante apresentação do curso de mestrado, obtido em curso devidamente credenciado; c) Padrão VI: mediante apresentação do título de doutor, obtido em curso devidamente credenciado. III - Classe de Suporte Pedagógico: a) Padrão IV: mediante apresentação do curso de aperfeiçoamento com duração mínima de 320 horas; b) Padrão V: mediante apresentação do curso de mestrado, obtido em curso devidamente credenciado; e c Padrão VI: mediante apresentação do título de doutor, obtido em curso devidamente credenciado. ART O processamento do enquadramento pela via acadêmica, da progressão horizontal, fica condicionado à disponibilidade financeira, observado o disposto no art. 169 da Constituição Federal e dispensados os interstícios. 1.º - Para efeito do enquadramento, serão aceitos, preliminarmente, certificados de conclusão de cursos da área de educação, desde que devidamente reconhecidos, devendo o interessado apresentar, no prazo de 24 meses, o registro no órgão competente. 2.º - Na hipótese de inobservância do prazo fixado neste artigo, sem apresentação de motivo justificado e comprovado pelo órgão competente, esgotadas todas as possibilidades, o benefício concedido, na forma do art. 24 desta Lei, será anulado, a contar da data de sua concessão. 3.º - Para os fins previstos nesta Lei somente serão considerados os títulos que guardem estreito vínculo de ordem programática com a natureza das disciplinas, objeto da área de atuação docente ou atividade inerente ao trabalho dos integrantes das classes de suporte pedagógico. ART O integrante da carreira do magistério, quando nomeado por concurso para outro cargo da mesma carreira poderá reapresentar, para fins de progressão horizontal, comprovantes de habilitações acadêmicas desde que compatíveis com o campo de atuação do novo cargo. Subseção II

15 15 Da Promoção pela Via não Acadêmica Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 15 ART A promoção pela via não acadêmica ocorrerá através da conjugação dos fatores atualização e/ou aperfeiçoamento com o valor de 5 (cinco) pontos e do fator produção profissional com o valor de 5 (cinco) pontos, na seguinte conformidade: I - os cursos de atualização no campo de atuação, com duração mínima de 30 horas, realizados pela Secretaria Municipal de Educação ou por instituições reconhecidas oficialmente terão valor de 1 (um) ponto cada até total de 5 (cinco) pontos; e II - os cursos de aperfeiçoamento, no campo de atuação, de 180 (cento e oitenta) horas realizados por instituições devidamente reconhecidas terão valor de 5 (cinco) pontos. ART A produção profissional será avaliada, anualmente, levando-se em consideração os seguintes critérios: I - promoção escolar para a educação básica e cumprimento dos objetivos para série inicial e educação infantil; II - assiduidade; III - capacidade; IV - interesse e participação; e V - disponibilidade. 1.º - O critério estabelecido no inciso I do caput deste artigo será avaliado da seguinte forma: I - para os docentes da série inicial e da educação infantil serão considerados os objetivos cumpridos, em substituição à promoção escolar; II - o diretor da escola será avaliado pela promoção ou cumprimento dos objetivos do total de alunos da escola pela qual é responsável; e III - os integrantes da classe de suporte pedagógico serão avaliados pelo total de alunos das séries ou classes pela quais são responsáveis. IV - o docente da educação básica será avaliado pela promoção dos alunos de sua classe, os quais serão submetidos a uma avaliação externa realizada pela Secretaria Municipal de Educação ou órgão por ela designado. (AC) (AC) Inciso IV acrescentado pela Lei n.º 3.636, de 17/12/2003. ART Os critérios estabelecidos no artigo anterior serão apurados pela comissão de gestão, tendo por base a ficha de avaliação constante do Anexo VI da presente Lei, a qual compreende as definições de cada grau de desenvolvimento do servidor, no exercício de seu cargo, com o respectivo valor.

16 16 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 16 ART Para obtenção da média final será adotado o seguinte procedimento: I - far-se-á a soma do total dos pontos obtidos nos diversos critérios, durante o período do interstício; II - o total de pontos obtidos na produção profissional será somado aos pontos obtidos pelos cursos de atualização ou de aperfeiçoamento, de acordo com o previsto no art. 26 da presente Lei; III - o resultado obtido será dividido pelo número de anos do interstício; IV - na divisão de que trata o inciso anterior não serão consideradas as decimais; e V - será considerado merecedor da promoção para grau superior o servidor que atingir média final igual ou superior a 4 (quatro). ART Os cursos de atualização e aperfeiçoamento serão considerados uma única vez, vedada a acumulação. ART Para fins da promoção prevista no art. 26 da presente Lei deverão ser cumpridos interstícios mínimos, computado sempre o tempo de efetivo exercício do profissional do Magistério, no padrão em que estiver enquadrado, na seguinte conformidade: I - para a classe de docentes: a) do Padrão I para o Padrão II três anos; b) do Padrão II para o Padrão III três anos; c) do Padrão III para o Padrão IV quatro anos; d) do Padrão IV para o Padrão V quatro anos; e) do Padrão V para o Padrão VI cinco anos. II - para a classe de suporte pedagógico: a) do Padrão I para o Padrão II quatro anos; b) do Padrão II para o Padrão III quatro anos; e c) do Padrão III para o Padrão IV cinco anos; d) do Padrão IV para o Padrão V cinco anos; (AC) e) do Padrão V para o Padrão VI cinco anos. (AC) (AC) Acrescidas as alíneas d e e no Inciso II do art. 31, pelo Art. 1.º da Lei n.º 3.816, de 27/12/2005: ART Fica interrompido o período de interstício, nas seguintes situações: I - nomeações em comissão para outras Secretarias Municipais;

17 17 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 17 II - afastamento, para prestar serviços junto à empresa, fundação ou autarquia, bem como órgãos do Estado ou União; III - licenças para tratamento de saúde por prazo superior a 6 (seis) meses; IV - licenças para tratar de interesses particulares ou afastamentos para exercer mandato eletivo; V - REVOGADO VI - licença para o serviço militar. Revogado o inciso V do Art. 32 pelo Art. 10 da Lei n.º 3.816, de 27/12/2005: Redação Original: ART V - licença para capacitação; e ART Os pontos acumulados e não utilizados para fins de promoção, via não acadêmica, serão considerados para os mesmos fins, em relação ao integrante do quadro do magistério que vier a ser investido por concurso em outro cargo deste mesmo quadro. ART O docente, em regime de acumulação de cargo e ou função atividade, poderá requerer os benefícios da promoção para cada situação funcional, mediante apresentação da documentação exigida. SEÇÃO VII DAS FÉRIAS ART O período de férias anuais do titular de cargo de carreira será de: I - 30 (trinta) dias para o professor em função docente; e II - 30 (trinta) dias para o titular da classe de suporte pedagógico ou professor em exercício de outras funções. Parágrafo único. Para o professor em função docente serão concedidos, ainda, 15 (quinze) dias de recesso, de acordo com o calendário escolar. SEÇÃO VIII DA COMISSÃO DE GESTÃO DO PLANO DE CARREIRA ART Fica instituída a Comissão de Gestão do Plano de Carreira do Magistério Público Municipal, com a finalidade de orientar e acompanhar a sua operacionalização. Parágrafo único. A Comissão de Gestão será presidida pelo Secretário Municipal de Educação e integrada por representantes do Magistério Público Municipal e um membro da Secretaria Municipal de Administração.

18 18 CAPÍTULO III DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 18 ART Aplica-se aos readaptados o disposto nesta Lei. ART São considerados em extinção, à medida que vagarem, os cargos de Coordenador Pedagógico Auxiliar e Orientador Educacional. ART A contratação para preenchimento de funções atividades da classe de docente e de suporte pedagógico, será efetuada pela CLT, nas seguintes hipóteses: I - para reger classes e ou ministrar aulas cujo número reduzido não justifique o provimento de cargo; II - para reger classes e ou ministrar aulas atribuídas a ocupantes de cargos ou funções atividades, com afastamentos estabelecidos na legislação vigente, em caráter de substituição; III - para reger classes e ou ministrar aulas provenientes de cargos vagos ou que ainda não tenham sido criados; e IV - para substituir os cargos da classe de suporte pedagógico, em virtude de vacância ou afastamentos estabelecidos na legislação vigente. ART As despesas com a execução da presente Lei correrão à conta de dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário, a saber: 11. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDO MANUTENÇÃO ENSINO - FUNDEF DESPESAS CORRENTES PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS APLICAÇÕES DIRETAS ART Aplicam-se, subsidiariamente, aos integrantes do Quadro do Magistério, naquilo que for compatível, as disposições da Lei Municipal vigente. ART Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário, em especial a Lei n.º 3.213, de 6 de julho de 1998, alterada pelas Leis 3.252, de 13 de janeiro de 1999, 3.284, de 5 de julho de 1999, 3.326, de 29 de dezembro de 1999, 3.327, de 29 de dezembro de 1999 e 3.349, de 14 de fevereiro de PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRETOS, Estado de São Paulo, em 28 de novembro de UEBE REZECK PREFEITO MUNICIPAL

19 19 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 19 ANEXO I (A QUE SE REFERE O ART. 4.º) CLASSE DE DOCENTES Denominação Tabela Faixa Professor I SQC 1 Professor II SQC 2 CLASSE DE SUPORTE PEDAGÓGICO Denominação Tabela Faixa Coordenador Pedagógico Auxiliar SQC 1 Orientador Educacional SQC 2 Coordenador Pedagógico SQC 3 Diretor de Escola SQC 4 Supervisor de Ensino SQC 5

20 20 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 20 ANEXO II (A QUE SE REFERE O ART. 10) HORA DE TRABALHO PEDAGÓGICO HORA / AULA H.T.P. NA ESCOLA H.T.P. LOCAL LIVRE ESCOLHA a a a a a12 2 0

21 21 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 21 ANEXO III (A QUE SE REFERE O ART. 12) ESCALA DE VENCIMENTOS DA CLASSE DE DOCENTES Jornada de 24 Horas Semanais FAIXA Padrão I II III IV V VI 1 R$803,55 R$843,72 R$885,91 R$930,19 R$976,71 R$1.025,54 2 R$913,11 R$958,77 R$1.006,71 R$1.057,05 R$1.109,91 R$1.165,40 Jornada de 30 Horas Semanais FAIXA Padrão I II III IV V VI 1 R$1.004,44 R$1.054,65 R$1.107,37 R$1.162,74 R$1.220,86 R$1.281,93 2 R$1.141,40 R$1.198,48 R$1.258,39 R$1.321,30 R$1.387,39 R$1.456,74 ESCALA DE VENCIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR DE SUPLÊNCIA I FAIXA PADRÃO I II III IV V VI 1 751,64 789,22 828,68 870,11 913,62 959,30 Escala de Vencimentos acrescida pelo artigo 8.º da Lei n.º 3.816, de 27/12/2005. EDUCADOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL E EDUCADOR DE CRIANÇA E ADOLESCENTE Jornada de 40 Horas Semanais FAIXA NÍVEL

22 22 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 22 INICIAL I II III IV V VI R$833,55 R$888,21 R$946,77 R$1.009,47 R$1.076,46 R$1.148,28 R$1.225,06 Escala de Vencimentos acrescida pelo artigo 3.º da Lei n.º 4.048, de 07/03/2008. ANEXO IV (A QUE SE REFERE O ART. 12) ESCALA DE VENCIMENTOS DA CLASSE DE SUPORTE PEDAGÓGICO FAIXA PADRÃO DENOMINAÇÃO I II III IV V VI , , , , , ,44 DIRETOR DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL , , , , , ,75 COORDENADOR PEDAGÓGICO AUXILIAR , , , , , ,69 ORIENTADOR EDUCACIONAL , , , , , ,45 COORDENADOR PEDAGÓGICO , , , , , ,40 DIRETOR DE ESCOLA , , , , , ,97 SUPERVISOR DE ENSINO Escala de Vencimentos alterada pelo artigo 4.º da Lei n.º 4.048, de 07/03/2008. Escala de Vencimentos da Classe de Suporte Pedagógico Original: ESCALA DE VENCIMENTOS DA CLASSE DE SUPORTE PEDAGÓGICO Faixa Padrão DEMONINAÇÃO I II III IV V VI 1 R$1.538,32 R$1.615,24 R$1.696,08 R$1.780,88 R$ 1.869,92 R$ 1.963,42 Coordenador Pedagógico Auxiliar 2 R$1.692,15 R$1.776,76 R$1.865,60 R$1.958,88 R$ 2.056,82 R$ 2.159,66 Orientador Educacional 3 R$1.861,36 R$1.954,42 R$2.052,14 R$2.154,75 R$ 2.262,48 R$ 2.375,60 Coordenador Pedagógico 4 R$2.047,49 R$2.149,86 R$2.257,35 R$2.370,22 R$ 2.488,73 R$ 2.613,17 Diretor de Escola 5 R$2.252,23 R$2.364,84 R$2.483,08 R$2.607,23 R$ 2.737,59 R$ 2.874,47 Supervisor de Ensino

23 23 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 23 ANEXO V (A QUE SE REFERE O ART. 5.º) NÚMERO DE CARGOS DO QUADRO DE MAGISTÉRIO N.º DE CARGOS CARGO / FUNÇÃO ATIVIDADE TABELA FAIXA PADRÃO 165 Educador da Educação Infantil Inicial Antigo cargo de Pajem que passou a integrar o quadro da carreira do Magistério Público Municipal de acordo com o artigo 2.º, inciso I, da Lei n.º 4.048, de 07/03/ Educador de Criança e Adolescente Inicial Antigo cargo de Monitor de Criança e Adolescente que passou a integrar o quadro da carreira do Magistério Público Municipal de acordo com o artigo 2.º, inciso III, da Lei n.º 4.048, de 07/03/ Professor de Suplência 1 Criados 5 cargos, Faixa 1, Lei n.º 3.816, de 27/12/2005. Criados 6 cargos, Faixa 1, Lei n.º 4.260, de 24/11/2009. Redação Anterior: Professor de Suplência, Faixa 1, 5 cargos. 282 Professor I II 1 I Criados 71 cargos, Tabela II, Faixa 1, Padrão I, pela Lei n.º 3.727, de 27/01/2005. Redação Original: Professor I, Faixa 1, 211 cargos. 75 Professor II I 2 I Criados 08 cargos, Tabela II, Faixa 2, Padrão I, pela Lei n.º 4.441, de 24/11/2010. Criados 25 cargos, Tabela I, Faixa 2, Padrão I, pela Lei n.º 3.727, de 27/01/2005. Redação Original: Professor II, Faixa 1, 42 cargos. 7 Coordenador Pedagógico Auxiliar 1 1 Orientador Educacional 2 15 Coordenador Pedagógico 3 20 Diretor de Escola da Educação Inicial Infantil Antigo cargo de Coordenador de Creche que passou a integrar o quadro da carreira do Magistério Público Municipal de acordo com o artigo 2.º, inciso II, da Lei n.º 4.048, de 07/03/ Diretor de Escola SQC 4 I Criados 06 cargos, Tabela SQC, Faixa 4, Padrão I, pela Lei n.º 3.727, de 27/01/2005. Redação Original: Diretor de Escola, Faixa 4, 10 cargos. 6 Supervisor de Ensino SQC 5 Número de cargos do quadro do Magistério Público Municipal, com alterações impostas pela Lei n.º 3.727, de 27/01/2005 e pela Lei n.º 4.048, de 07/03/2008.

24 24 Lei n.º 3.629/2003 COMPILADA Fls. 24 Número de cargos do quadro do Magistério Público Municipal Original: NÚMERO DE CARGOS DO QUADRO DE MAGISTÉRIO N.º DE CARGOS CARGO / FUNÇÃO ATIVIDADE FAIXA 211 Professor I 1 42 Professor II 2 7 Coordenador Pedagógico Auxiliar 1 1 Orientador Educacional 2 15 Coordenador Pedagógico 3 10 Diretor de Escola 4 6 Supervisor de Ensino 5

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei complementar:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei complementar: ( ) LEI COMPLEMENTAR Nº 836, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1997 Institui Plano de Carreira, Vencimentos e Salários para os integrantes do Quadro do Magistério da Secretaria da Educação e dá outras providências

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula LEI COMPLEMENTAR Nº 055/2007 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público do Município de Porciúncula/RJ e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE PORCIÚNCULA, no uso das

Leia mais

LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 Dispõe sobre o Plano de Carreira, Remuneração e Valorização do Magistério Público Estadual e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA, no uso de suas

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004. LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004. Institui o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal e dá outras providências. Grande do Sul. O PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio FAÇO SABER

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

LEI N 1021 DE 30 DE JUNHO DE 2010

LEI N 1021 DE 30 DE JUNHO DE 2010 LEI N 1021 DE 30 DE JUNHO DE 2010 Altera a Lei nº 256, de 30 de março de 2000, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre o Plano de Carreira e Remuneração (PCR) do Grupo Ocupacional do Magistério

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1.691, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003. FLORISBALDO ANTONIO POLO, Prefeito Municipal de Santo Augusto, Estado do Rio Grande do Sul,

LEI MUNICIPAL Nº 1.691, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003. FLORISBALDO ANTONIO POLO, Prefeito Municipal de Santo Augusto, Estado do Rio Grande do Sul, LEI MUNICIPAL Nº 1.691, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal. FLORISBALDO ANTONIO POLO, Prefeito Municipal de Santo Augusto, Estado do Rio Grande

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA LEI Nº. 209/12, DE 04 DE ABRIL DE 2012. INSTITUI O PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E VENCIMENTOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO

Leia mais

Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre:

Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre: Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre: Estabelece o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos Profissionais da Educação Básica do Município de Iracema e dá outras providências.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 LEI COMPLEMENTAR NÚMERO 015, de 10 de novembro de 2011. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Profissionais da Educação Básica do Município de Sabará, estabelece normas de enquadramento,

Leia mais

PLANO DE CARREIRA: uma conquista dos profissionais da educação

PLANO DE CARREIRA: uma conquista dos profissionais da educação PLANO DE CARREIRA: uma conquista dos profissionais da educação 2ª edição [Lei 6.839/2011] - julho/2013 PLANO DE CARREIRA: UMA CONQUISTA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO É com muita alegria que apresentamos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUSQUE

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUSQUE LEI COMPLEMENTAR nº 146, DE 31 DE AGOSTO DE 2009 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público Municipal de Brusque. O PREFEITO MUNICIPAL DE BRUSQUE Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 63, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2005.

LEI COMPLEMENTAR N.º 63, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2005. LEI COMPLEMENTAR N.º 63, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2005. ALTERA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR N.º 45, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2004 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) CAPÍTULO I DA CARREIRA

PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) CAPÍTULO I DA CARREIRA PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências CAPÍTULO I DA CARREIRA Art. 1. Carreira Assistência à Educação

Leia mais

DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1 LEI N. º 1.613/2004 Em 21 de maio de 2004 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE JEQUIÉ, : Faço

Leia mais

Minuta do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do Magistério de Vila Velha

Minuta do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do Magistério de Vila Velha Minuta do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do Magistério de Vila Velha PROPOSTA DE SUBSTITUIÇÃO DA LEI N.º 3.964/02 Institui o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do magistério Público do Município

Leia mais

LEI Nº 1.939/ 2004 CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI Nº 1.939/ 2004 CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 1.939/ 2004 EMENTA: Institui o Plano de Cargos Carreira e Remuneração do Grupo Ocupacional do Magistério de Goiana e revogada a Lei nº 1.817/98. O PREFEITO DO MUNICIPIO DE GOIANA, ESTADO D PERNAMBUCO,

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MESQUITA GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MESQUITA GABINETE DO PREFEITO (*) LEI Nº 416 DE 30 DE JANEIRO DE 2008. Autor: Poder Executivo DISPÕE SOBRE O ESTATUTO E PLANO DE CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE MESQUITA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Lei nº 2203 de 30 de SETEMBRO de 2015

Lei nº 2203 de 30 de SETEMBRO de 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO MUNICÍPIO DE PATY DO ALFERES CÂMARA MUNICIPAL DE PATY DO ALFERES APROVADO 23/09/2015 - SO Presidente Lei nº 2203 de 30 de SETEMBRO de 2015 Dá nova

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNDO NOVO CNPJ Nº 00.163.055/0001-12

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNDO NOVO CNPJ Nº 00.163.055/0001-12 CNPJ Nº.163.55/1-12 LEI COMPLEMENTAR N.º 1/25 DE 1 DE MARÇO DE 25 Institui o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal e dá outras providências. Faço saber que a Câmara de Vereadores da cidade

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 669. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

LEI COMPLEMENTAR Nº 669. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte LEI COMPLEMENTAR Nº 669 Institui a modalidade de remuneração por subsídio e o Plano de Carreira para os servidores ocupantes dos cargos de Músico de Orquestra Nível Superior, Músico A e Músico B e dá outras

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO

PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ESPERANÇA PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 2011 1 Educação, um ato de amor! ÍNDICE POR ARTIGOS TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

L E I Nº 244/2004, de 27 de janeiro de 2004.

L E I Nº 244/2004, de 27 de janeiro de 2004. 1 L E I Nº 244/2004, de 27 de janeiro de 2004. Dá nova redação ao Plano de Carreira do Magistério Público do Município, institui o respectivo Quadro de Empregos e dá outras providências. EUGÊNIO CARLINHO

Leia mais

http://www.camaraitapeva.sp.gov.br/servicos/leis/integra/2789/

http://www.camaraitapeva.sp.gov.br/servicos/leis/integra/2789/ Page 1 of 24 Lei Nº 2789/08 DISPÕE sobre o Plano de Carreira, Vencimentos e Salários, bem como o Estatuto do Magistério Público Municipal de Itapeva" Ver Lei 2529/07 LUIZ ANTONIO HUSSNE CAVANI, Prefeito

Leia mais

LEI Nº 3.198 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 3.198 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 3.198 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE PELOTAS, Estado do Rio Grande do Sul. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou

Leia mais

DEPARTAMENTO JURÍDICO DO DE 18/06/2011 CADERNO LEGISLATIVO SEÇÃO l PÁGINA 22-23- 24

DEPARTAMENTO JURÍDICO DO DE 18/06/2011 CADERNO LEGISLATIVO SEÇÃO l PÁGINA 22-23- 24 DEPARTAMENTO JURÍDICO DO DE 18/06/2011 CADERNO LEGISLATIVO SEÇÃO l PÁGINA 22-23- 24 PROJETOS DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 2011 Mensagem nº 41/2011, do Senhor Governador do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 278, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. Altera e insere dispositivos na Lei Municipal nº 016, de 20 de janeiro de 2004, a qual dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores do Magistério

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Vicente Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade

Prefeitura Municipal de São Vicente Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade Prefeitura Municipal de São Vicente Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade LEI COMPLEMENTAR Nº 806 Institui, estrutura e organiza o Estatuto do Magistério Público Municipal

Leia mais

LEI Nº 3.885, de 22 de junho de 2011.

LEI Nº 3.885, de 22 de junho de 2011. LEI Nº 3.885, de 22 de junho de 2011. Dispõe sobre a reformulação do Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público Municipal de Porto União, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO

Leia mais

LEI N.º 4.048, DE 07 DE MARÇO DE 2008.

LEI N.º 4.048, DE 07 DE MARÇO DE 2008. LE N.º 4.048, DE 07 DE MARÇO DE 2008. ALTERA DSPOSTVOS DA LE N.º 3.629, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2003, COM ALTERAÇÕES SUBSEQÜENTES E DÁ OUTRAS PROVDÊNCAS. O PREFETO MUNCPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO:

Leia mais

Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo Sr. Celso Giglio

Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo Sr. Celso Giglio São Paulo, 05 de fevereiro de 2013 Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo Sr. Celso Giglio Solicitamos a intercessão de Vossa Excelência no sentido da instituição de um plano de carreira

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.697-C DE 2009 Dispõe sobre as carreiras dos servidores do Ministério Público da União e as carreiras dos servidores do Conselho Nacional do Ministério Público; fixa valores

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Vicente Cidade Monumento da História Pátria CellulaMater da Nacionalidade

Prefeitura Municipal de São Vicente Cidade Monumento da História Pátria CellulaMater da Nacionalidade ESTATUTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DE SÃO VICENTE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1.º - Esta lei institui estrutura e organiza o Estatuto do Magistério Público Municipal da Educação

Leia mais

EMENTA: Dispõe sobre a reestruturação do Grupo Ocupacional Fisco de que trata a Lei nº 3.981/91, de 07 de janeiro de 1991, e dá outras providências.

EMENTA: Dispõe sobre a reestruturação do Grupo Ocupacional Fisco de que trata a Lei nº 3.981/91, de 07 de janeiro de 1991, e dá outras providências. LEI NÚMERO: 00035/01 TIPO: LEI COMPLEMENTAR AUTOR: CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL DATA: 12/7/2001 EMENTA: Dispõe sobre a reestruturação do Grupo Ocupacional Fisco de que trata a Lei nº 3.981/91, de 07 de

Leia mais

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. 27/99 De 12 de Novembro de 1999 Aprova o Plano de Cargos dos Servidores do Poder Executivo Municipal e contém providências

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ 1 LEI Nº 2.879, DE 03 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Cargos e Salários dos Servidores do Município de Arapongas, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAPONGAS, ESTADO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO FERREIRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO FERREIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO FERREIRA Departamento de Educação Av. Engenheiro Nicolau de Vergueiro Forjaz, nº 860 Centro CEP: 13.660-000 Porto Ferreira/SP. Instrução DE - 2, de 27 de novembro de 2014

Leia mais

LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE

LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a política remuneratória das carreiras do Grupo de Atividades de Educação Básica do Poder Executivo, altera a estrutura da carreira de Professor de Educação

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DOS PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO:

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DOS PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO: LEI Nº 2550, DE 05 DE JANEIRO DE 2010. Estabelece o Plano de Carreira do Magistério Público do Município de Caçapava do Sul, institui o respectivo quadro de cargos e funções e dá outras providências. ZAURI

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

PLANO DE CARREIRA MAGISTÉRIO RESPECTIVO QUADRO CARGOS

PLANO DE CARREIRA MAGISTÉRIO RESPECTIVO QUADRO CARGOS PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO E RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS ÍNDICE SISTEMÁTICO Matéria artigos Título I - Disposições preliminares... 1º e 2º Título II - Da carreira do Magistério Capítulo I - Dos princípios

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 581/2007

PROJETO DE LEI Nº 581/2007 1 PUBLICADO DOC 09/02/2008, PÁG. 85 EMENDA Nº 01 AO PROJETO DE LEI Nº 581/2007 Altera-se redação do artigo 2º como segue Art. 2º. Ficam instituídas as carreiras dos servidores de nível superior da Prefeitura

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.871, DE 20 DE MAIO DE 2004. Conversão da MPv nº 155, de 2003 Texto compilado Dispõe sobre a criação de carreiras e organização

Leia mais

Lei Complementar Nº 10/2001* Lei nº 2.882/2001

Lei Complementar Nº 10/2001* Lei nº 2.882/2001 Lei Complementar Nº 10/2001* Lei nº 2.882/2001 * (Epígrafe e numeração alterada pela Lei Municipal nº 3.194, de 05 de setembro de 2006). Dispõe sobre o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal.

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 25/01/2012

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 25/01/2012 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 25/01/2012 LEI Nº 892 DE 25 DE JANEIRO DE 2013 Dispõe sobre a criação do Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações dos Servidores da

Leia mais

ESTATUTO E PLANO DE CARREIRA, EMPREGOS E REMUNERAÇÃO DO QUADRO DO MAGISTÉRIO DE BARUERI

ESTATUTO E PLANO DE CARREIRA, EMPREGOS E REMUNERAÇÃO DO QUADRO DO MAGISTÉRIO DE BARUERI ESTATUTO E PLANO DE CARREIRA, EMPREGOS E REMUNERAÇÃO DO QUADRO DO MAGISTÉRIO DE BARUERI LEI COMPLEMENTAR Nº XXXXX/15. Dispõe sobre o Estatuto do Magistério e o Plano de Carreira e remuneração dos Profissionais

Leia mais

LEI Nº 3.356, DE 20/10/2010.

LEI Nº 3.356, DE 20/10/2010. LEI Nº 3.356, DE 20/10/2010. DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA MUNICIPAL DE ARACRUZ/ES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA:

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. Altera a Lei Municipal nº 2101 de 02/09/2004 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: Art. 1º Fica alterado o art. 6º da Lei Complementar

Leia mais

Diário Oficial Estado de São Paulo

Diário Oficial Estado de São Paulo Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 227 DOE de 03/12/11 Seção 1 - p.1 LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Cria o Plano de Carreira dos Servidores Técnicos e Administrativos da Polícia Rodoviária Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR.

DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR. LEI Nº 8722/2014 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR. O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara

Leia mais

LEI FEDERAL DO VALE TRANSPORTE

LEI FEDERAL DO VALE TRANSPORTE LEI FEDERAL DO VALE TRANSPORTE A LEI FEDERAL NÃO SE APLICA AOS SERVIDORES MUNICIPAIS LEI 7418/ 1985 Art. 1º Fica instituído o vale-transporte, (Vetado) que o empregador, pessoa física ou jurídica, antecipará

Leia mais

LEI 10.073. Parágrafo único - São consideradas atividades do Agente Comunitário

LEI 10.073. Parágrafo único - São consideradas atividades do Agente Comunitário LEI 10.073 Regulamenta o exercício das atividades de Agente Comunitário de Saúde e de Agente de Combate às Endemias no âmbito do Município e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO E RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS E FUNÇÕES

PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO E RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS E FUNÇÕES Prefeitura Municipal de Santo Cristo - RS PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO E RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS E FUNÇÕES Lei nº 3.063, de 02.01.2008. ÍNDICE SISTEMÁTICO Matéria Artigos Título I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES......1º

Leia mais

ESTATUTO DO MAGISTÉRIO LEI 176/95 TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ESTATUTO DO MAGISTÉRIO LEI 176/95 TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ESTATUTO DO MAGISTÉRIO LEI 176/95 TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este ESTATUTO disciplina a situação jurídica do pessoal do MAGISTÉRIO de 1º e 2º graus, vinculado à Administração Municipal.

Leia mais

LEI Nº 9.241 DE 28 DE JULHO DE 2006. O POVO DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.241 DE 28 DE JULHO DE 2006. O POVO DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.241 DE 28 DE JULHO DE 2006 Institui o Plano de Carreira da Fundação Zôo-Botânica de Belo Horizonte e dá outras providências. O POVO DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, por seus representantes, decreta

Leia mais

TÍTULO II Da Carreira do Magistério Capítulo I Dos Princípios Básicos Art. 3º A Carreira do Magistério Público Municipal tem como princípios

TÍTULO II Da Carreira do Magistério Capítulo I Dos Princípios Básicos Art. 3º A Carreira do Magistério Público Municipal tem como princípios LEI Nº 2344/2001, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2001. ESTABELECE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL, INSTITUI O RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS E PAGAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O

Leia mais

LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003 Institui o Plano de Carreira dos Servidores da Área de Atividades de Administração Geral da Prefeitura de Belo Horizonte, estabelece a respectiva Tabela de Vencimentos

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei:

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Súmula: Dispõe sobre a Carreira Técnica Universitária das Instituições de Ensino Superior do Estado do Paraná e adota outras providências.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº XXXX DE XX DE XXXXXX DE 201X ALTERA A LEI Nº 6720, DE 25 DE MARÇO DE 2014, QUE INSTITUI PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências.

Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 06, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências. O PREFEITO CONSTITUCIONAL DO MUNICIPIO DE PICUÍ, Estado

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS PLANO DE CARREIRA DOCENTE SANTA ROSA MARÇO/2010 PLANO DE CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - O presente

Leia mais

Subchefia de Assuntos Parlamentares PROJETO DE LEI

Subchefia de Assuntos Parlamentares PROJETO DE LEI Subchefia de Assuntos Parlamentares PROJETO DE LEI Cria, transforma e extingue cargos e funções, reestrutura cargos e carreiras, altera a remuneração de servidores, altera a remuneração de militares de

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I Lei Complementar nº 182, de 07 de dezembro de 2000. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Funções e Vencimentos e institui o Quadro e Plano de Carreira dos Servidores dos Serviços Auxiliares de apoio administrativo

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA PROJETO DE LEI Nº Disciplina a admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO EM PLACAR Em / / PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI Nº 1529, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Cria os cargos públicos de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias e institui o Plano

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 21 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO UNIV N o 21 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO UNIV N o 21 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova novo Regulamento da Política Docente da UEPG, e revoga a Resolução UNIV n o 38, de 8 de dezembro de 2010. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso de suas

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA Publicado no Diário Oficial nº 1.346 de 05/07/96. LEI COMPLEMENTAR Nº 018 DE 05 DE JULHO DE 1996

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires LEI COMPLEMENTAR Nº 051, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre o Plano de Carreira dos Servidores Públicos Efetivos de Apoio à Educação Infantil do. AIRTON LUIZ ARTUS, PREFEITO MUNICIPAL DE VENÂNCIO

Leia mais

LEI Nº 10.963 DE 16 DE ABRIL DE 2008

LEI Nº 10.963 DE 16 DE ABRIL DE 2008 LEI Nº 10.963 DE 16 DE ABRIL DE 2008 Reestrutura o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público do Ensino Fundamental e Médio do Estado da Bahia, na forma que indica, e dá outras providências.

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 203, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito da Polícia Civil do Estado de Santa Catarina e estabelece outras

Leia mais

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5 SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 L E I N 8.037, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 Institui o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Pará e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960

LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 Federaliza a Universidade do Rio Grande do Norte, cria a Universidade de Santa Catarina e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

Legendas: CONSOLIDAÇÃO DA LEGISLAÇÃO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR

Legendas: CONSOLIDAÇÃO DA LEGISLAÇÃO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR CONSOLIDAÇÃO DA LEGISLAÇÃO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Asterisco (*): Texto em preto: Texto tachado Texto em azul: Texto em verde: Texto em vermelho: Legendas: VI - Houve modificação

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 295, DE 11 DE OUTUBRO DE 2005. JOSÉ ALBERTO WENZEL, PREFEITO MUNICIPAL DE SANTA CRUZ SUL.

LEI COMPLEMENTAR Nº 295, DE 11 DE OUTUBRO DE 2005. JOSÉ ALBERTO WENZEL, PREFEITO MUNICIPAL DE SANTA CRUZ SUL. 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 295, DE 11 DE OUTUBRO DE 2005. CONSOLIDA A LEI COMPLEMENTAR Nº 30, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1999, QUE ESTABELECE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL, INSTITUI

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 265, DE 26 DE JUNHO DE 2014

LEI COMPLEMENTAR Nº 265, DE 26 DE JUNHO DE 2014 LEI COMPLEMENTAR Nº 265, DE 26 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a Reorganização do plano de carreiras do SANTAFÉPREV Instituto Municipal de Previdência Social e dá outras providências correlatas. Armando

Leia mais

LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960

LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 Federaliza a Universidade do Rio Grande do Norte, cria a Universidade de Santa Catarina e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 33, DE 27 DE AGOSTO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 33, DE 27 DE AGOSTO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 33, DE 27 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe

Leia mais

I - Grupo ocupacional de controle externo, integrado pelas seguintes carreiras:

I - Grupo ocupacional de controle externo, integrado pelas seguintes carreiras: PROPOSTA PROJETO DE LEI Autor: Tribunal de Contas Dispõe sobre a reestruturação organizacional dos cargos e carreiras do quadro permanente, a criação de cargos de provimento em comissão e fixa o subsídio

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2005/2006

CONVENÇÃO COLETIVA 2005/2006 1 de 5 CONVENÇÃO COLETIVA 2005/2006 Convenção Coletiva de Trabalho que firmam entre si, de um lado, o SINDICATO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO DO ESTADO DA BAHIA, adiante denominado SINEPE-BA, e de outro

Leia mais

Capítulo I DOS OBJETIVOS

Capítulo I DOS OBJETIVOS PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS Capítulo I DOS OBJETIVOS Art.1º - O presente documento tem por objetivo estabelecer uma política de administração de cargos, salários e carreira para os quadros de pessoal da

Leia mais

considerando o Decreto nº 6.114, de 15 de maio de 2007; considerando a Portaria/MEC nº 1.084 de 02 de setembro de 2008;

considerando o Decreto nº 6.114, de 15 de maio de 2007; considerando a Portaria/MEC nº 1.084 de 02 de setembro de 2008; Dispõe sobre os critérios e valores para pagamento de Gratificações por Encargo de Cursos ou Concursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (IFMS). A COORDENADORA-GERAL

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º Esta Lei institui o Plano de Carreira do Magistério Público do Município de Mangueirinha-PR.

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º Esta Lei institui o Plano de Carreira do Magistério Público do Município de Mangueirinha-PR. LEI MUNICIPAL Nº. 1031/98 SÚMULA: Dispõe sobre o plano de carreira e de Remuneração do Magistério do Município de Mangueirinha-PR. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná,

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 9128, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Trabalhadores Administrativos da Educação do Município de Goiânia e dá outras

Leia mais

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS Ata de aprovação de alteração 395ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da CODATA Realizada em 10 de fevereiro de 2011 Resolução do Conselho de Administração nº 01/2011 - PECS MARÇO/2005 JULHO/2012

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.873-B, DE 2005 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Especialista Ambiental GDAEM e da Gratificação de Desempenho de Atividade Técnico-Administrativa

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO Matéria Artigos Título I - Das Disposições Preliminares 2. Título II - Da Carreira do Magistério 2.1 2.2 2.2.1. 2.2.2. 2.2.3.

ÍNDICE SISTEMÁTICO  Matéria Artigos Título I - Das Disposições Preliminares 2. Título II - Da Carreira do Magistério 2.1 2.2 2.2.1. 2.2.2. 2.2.3. 1 ÍNDICE SISTEMÁTICO Matéria Artigos 1. Título I - Das Disposições Preliminares 1º ao 3º 2. Título II - Da Carreira do Magistério 2.1. Capítulo I - Dos Princípios Básicos 4º 2.2. Capítulo II - As Estrutura

Leia mais

FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Barretos aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Barretos aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Lei Complementar 45/2004 - COMPILADA fl. 1 LEI COMPLEMENTAR N.º 45, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2004. (Alterada pelas Leis Complementares n.º s 63, de 27/12/2005, 87, de 07/03/2008 e 142, de 24/11/2010) REVOGA

Leia mais

PLANO DE CARREIRA MAGISTÉRIO RESPECTIVO QUADRO CARGOS

PLANO DE CARREIRA MAGISTÉRIO RESPECTIVO QUADRO CARGOS PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO E RESPECTIVO QUADRO DE CARGOS 1 ÍNDICE SISTEMÁTICO Matéria artigos Título I - Disposições preliminares... 1º e 2º Título II - Da carreira do Magistério Capítulo I - Dos

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar.

O PREFEITO MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar. LEI COMPLEMENTAR Nº 499, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015(ORIGINAL) (Original) Processo: PROCESSO 245/2015 Autor: Poder Executivo Data de Publicação: 30/12/2015 (jornal Jornal do Município) Data de Promulgação:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 Dispõe sobre o Regulamento sobre Movimentação de servidores no âmbito do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a concessão da licença para atividade política, do afastamento para o exercício de mandato eletivo e da licença para desempenho de mandato classista

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 201, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito do Instituto Geral de Perícias (IGP) e estabelece outras providências.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão - SEPLANG

Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão - SEPLANG MINHA CIOADE, MEU LAR AOMINISTRftÇ:i.O POPULAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N v14 /15L/201O. Institui o Plano de Carreira do Magistério Público do Município de Novo Hamburgo, e dá outras providências. O

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 28/12/2009) LEI COMPLEMENTAR Nº 530 Altera dispositivos da Lei Complementar nº 16, de 09.01.1992; da Lei Complementar nº 353, de 06.01.2006; da

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA GP N. 2, DE 12 DE MARÇO DE 2013

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA GP N. 2, DE 12 DE MARÇO DE 2013 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA GP N. 2, DE 12 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre o Adicional de Qualificação - AQ, instituído pela Lei n. 11.416, de 15 de dezembro de 2006, no

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁGIO

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁGIO LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio

Leia mais