Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais."

Transcrição

1 Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais. O uso de switches ethernet é cada vez maior em redes industriais, não resta dúvida, e essa utilização não é de agora. Sabemos também que esses equipamentos utilizados em redes industriais desempenham um papel importante na organização da rede e na forma como os dados trafegam por ela. A utilização de switches inteligentes (gerenciáveis) tornam a rede mais confiável, possibilitando determinar prioridade de pacotes (QoS), envio de pacotes para grupos (multicast), lan s virtuais (VLANs), controle de tráfego, roteamento, recuperação por falhas, e outras inúmeras funcionalidades. O objetivo desse trabalho é comentar algumas características dos switches industriais gerenciáveis. Nem todo switch utilizado em redes industriais é inteligente, pois o custo inviabiliza a sua adoção em alguns casos. Existem switches industriais não gerenciáveis, mas que possuem características para atuarem em redes industriais, tais como case (muitas vezes IP30), tamanho, possibilidade de prender em trilho, redundância da fonte de alimentação, entre outras. Lembramos que o ambiente onde esses equipamentos são instalados são muitas das vezes extremamente agressivos e por isso necessitam de equipamentos que suportem a agressividade ambiental para que seu controle seja bem feito: Multiple Super Ring (MSR) MSR é a nova geração de tecnologia de redes em anel, que inclui diversas novas tecnologias para diferentes aplicações e estruturas de redes redundantes, gerando maior flexibilidade nas topologias em anel. Com a tecnologia MSR, o tempo de recuperação (failover time deixando claro que failover é a capacidade de chaveamento automático em caso de falha, para um sistema redundante ou em standby) é reduzido para até 5ms, dependendo da topologia e do número de equipamentos, podemos ter variação nesse tempo de 5ms até 20ms, com 0s de tempo de restauração. Nas figuras abaixo um melhor entendimento da tecnologia: Figuras 1,2 e 3 apresentam Rapid Super Ring com recuperação entre 5 e 20ms com seleção automárica de novo Ring Master :

2 Figuras 4 e 5 apresentam RSP com 0s de tempo de restauração:

3 O MSR facilita a conexão (comunicação) com os switches gerenciáveis do core da rede, pelo padrão RSTP (Rapid Spanning tree protocol), através de múltiplos caminhos ou nós, para aumentar e/ou incrementar a confiabilidade da rede pela tecnologia RDH (Rapid Dual Homimg). Multiring até 32 anéis num único switch:

4 MSR (Multiple Super Ring) RSR (Rapid Super Ring) & MultiRing & TrunkingRing MSR (Multiple Super Ring) RSR (Rapid Super Ring) & MultiRing & TrunkingRing & AnyRing (compatibilidade entre anéis de diferentes fabricantes) MSR RDH (Rapid Dual Homing)

5 QoS: Qualidade de serviço pode ser definida como a capacidade de se priorizar o tráfego garantindo (determinismo) de dados (pacotes) importantes, para que sejam entregues de forma consistente e segura. Em telecomunicações, o uso de soluções QoS, tem como objetivo priorizar pacotes de voz, imagem e dados, dependendo para a escolha da priorização a aplicação. Em Automação essa priorização é mais voltada a pacotes de dados. Obviamente há aplicações em que voz e imagens estão presentes no ambiente, isto é, que informações são mais importantes e tem que ser recebidas imediatamente ou logo após terem sido geradas? VLAN: Virtual Lan ou Lans virtuais, ocorrem quando um grupo de dispositivos alocados em locais diferentes se comunicam como se estivessem no mesmo segmento físico. VLANs facilitam a organização da rede de forma lógica sem restrições por conexões físicas. No ambiente corporativo VLANs podem ter inúmeras aplicações, mas vamos usar como exemplo para facilitar o entendimento, a separação por departamentos. Imagine uma empresa com diversos departamentos (Marketing, vendas, engenharia, etc) e centenas ou milhares de funcionários. Seria melhor para o administrador de rede que todos os componentes de determinado departamento estivessem pendurados no mesmo switch, mas isso é inviável. Daí entram as VLANs que organizam num mesmo segmento virtual componentes de um mesmo departamento sem ter que pendurá-los num mesmo switch. Com isso podemos ter uma VLAN para o Marketing, para engenharia e etc. Podemos usar o mesmo raciocínio para o ambiente de automação, aonde temos diversos instrumentos com funções igauis em locais diferentes da planta. Com VLANs temos a vantagem de formar grupos de instrumentos com as mesmas características.

6 IGMP Snooping: Internet Group Management Protocol. É um protocolo de gerenciamento da rede que permite que somente dispositivos que façam parte de determinado grupo recebam aquela informação, que é importante para quele grupo e não para todos que pertençam a rede. Dessa forma há uma melhor perfomance da rede como um todo pois haverá menos pacotes trafegando pela rede, pois estes pacotes são muitas vezes desnecessários para quem não faz parte daquele grupo. Em automação, devido à grande quantidade de instrumentos no campo inundando a rede com informações que todos recebem, podem ser criados grupos que receberão somente informações que sejam interessantes e importantes para ele.

7 IEEE 802.3ad: Para assegurar a disponibilidade do link e aumentar sua capacidade, o padrão IEEE 802.3ad Link Aggregation Control Protocol (LACP) pode negociar automaticamente uma porta para geragação dinâmica entre switches. Duas ou mais conexões Fast Ethernet são combinadas ordenadamente para aumentar a largura de banda e e criar links resilientes e redundantes. PoE Power Over Ethernet: É a transmissão de energia elétrica no mesmo cabo que envia pacotes de dados. Dessa forma lugares distantes, ou de difícil acesso, aonde os equipamentos precisam ser instalados, além do cabo de dados, deve-se pensar na infra elétrica, o que muitas vezes pode inviabilizar a instalação ou torná-la bem mais cara. A tecnologia PoE pode ser a solução para alguns desses casos. Existem diversos tipos de distribuição de energia (Power distribution) no mercado. Alguns compatíveis com o padrão PoE (IEEE 802.3af PoE ou IEEE 802.3at PoE-Plus), outros que consomem alta potência, outros que não seguem padrão e recebem uma carga de 24Vdc diretamente. O importante é escolher um switch que funcione bem tanto com sistemas padronizados, quanto não padronizados.

8 - Planejando seu sistema PoE como um todo: Korenix Tech. Fonte: Quando estiver especificando seu sistema para trabalhar como PoE certifique-se de qual padrão ele está seguindo ou se não está seguindo nenhum padrão, para com isso especificar corretamente o switch. Verifique se os dispositivos suportam essa características ou se será necessário utilizar spliter ou injector (que vai depender de cada situação). Quais dispositivos estarão conectados ao sistema via PoE e como contornar situações como queda de alimentação, isto é, que tipo de redundância será dado ao sistema para evitar uma queda no tráfego das informações. Diferenciando IEEE 802.3af e IEEE 802.3at: O padrão 802.3af foi desenvolvido para fornecer alimentação em 15.4W ou pelo menos 12.9W por porta (é a primeira norma internacional a definir o envio de PoE). Mas com novas funcionalidades de dispositivos como câmeras Pan/Tilt, houve a necessidade de se fornecer mais energia para os sdispsoitivos do que o padrão IEEE 802.3af suporta., daí surgiu o padrão IEEE 802.3at PoE Plus com o objetivo de aumentar a potência disponível para 30W (possivelmente até 60W), para com isso proporcionar maior potência para essas aplicações. Fonte: Alan Flatman.

9 Redundância na Fonte de alimentação: O equipamento deve prover no mínimo 2 entradas e uma ampla faixa de alimentação, de 12VDc a 48VDC, suportando também -48VDC para aplicações industriais. Importante observar a resistência dos equipamentos para excesso (picos) ou carência de tensão. Observamos no mercado que muitos suportam a carência ou excesso, o que diferencia nesse caso, é a faixa de suporte. Outro fator importante é com relação a inversão de polaridade, nesse caso, percebemos que poucas marcas suportam a inversão, a maioria queima. Conclusão: Há outras inúmeras funcionalidades e caracterísiticas de switches industriais gerenciáveis, que não foram mencionadas nesse breve artigo. Nosso objetivo foi mostrar de forma resumida algumas características importantes que otimizam a forma de uso da rede, deixando-a com uma melhor perfomance e caracteristicas importante para a auotmação industrial. Não entramos e nem era essa a nossa intenção em detalhes de protocolos, tipos de protocolos industriais e nem em detalhes de configuração. Para maiores informações consulte os cursos da ISARJ Marcello Bello é formado em Telecomunicações com Pós em Automação Industrial e consultor técnico da MASBTEC Projetos&Serviços. Contatos: Tels: /

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso O switch Industrial Ethernet Cisco Catalyst 2955 garante a confiabilidade o determinismo e a segurança fundamentais para uma rede de controle de produção. A confiabilidade é obtida evitando que PLCs e

Leia mais

Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral

Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral Marcelo Fernandes Systems Engineer Dezembro, 2013 Introdução Link Aggregation (LA): Combinação de múltiplos enlaces físicos funcionando como um único enlace

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Locais Virtuais - VLANs Paulo Coelho 005 Versão 1.0 1 Segmentação de LANs As redes são normalmente segmentadas de modo a reflectir a estrutura administrativa da empresa aumentar

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

MUM Brasil - MikroTiK User Meeting Florianópolis - 2015

MUM Brasil - MikroTiK User Meeting Florianópolis - 2015 EVENTO MUM Brasil - MikroTiK User Meeting Florianópolis - 2015 MikroTiK PoE Automation APRESENTAÇÃO MikroTiK PoE Automation TÍTULO: Desenvolvimento de Soluções de Automação Comercial e Residencial através

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 56 Capítulo IV Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) As atuais soluções de automação de subestações um relé de proteção 99,9945%

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil

XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil Topologias de rede ethernet tipo anel para grandes sistemas elétricos baseados na norma IEC61850 Paulo Antunes Souza Jr Newton de Carvalho Fernandez Gilberto Morgado Siemens I&C SG EA Baumier Siemens I&C

Leia mais

Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga

Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga Sobre LAG na terminologia ethernet: Agregação de enlace (link aggregation), balanceamento de carga (load balancing), ligação de enlace (link bonding)

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI Agenda Conceitos básicos sobre protocolos utilizados em redes de dados Entendimento entre topologia física e lógica Estudo de caso em ambientes Enterprise,

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

Batalha, 2015.05.20. Participação na

Batalha, 2015.05.20. Participação na Batalha, 2015.05.20 Participação na Weidmüller - Quem Somos? A nossa Empresa Os nossos Mercados e Soluções Os nossos Produtos Weidmüller em números Crescemos de forma contínua e sustentável Somos um Parceiro

Leia mais

Transmissão HDMI via IP com PoE (SBHDIPb)

Transmissão HDMI via IP com PoE (SBHDIPb) Transmissão HDMI via IP com PoE (SBHDIPb) Versão 2012.11.01 (Tx / Rx) Você acaba de adquirir um produto AV LIFE!!! Não deixe de acessar nosso site www.avlife.com.br para ficar por dentro das novidades,

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Expansores de transmissão por Ethernet via cabo de cobre

Expansores de transmissão por Ethernet via cabo de cobre Expansores de transmissão por Ethernet via cabo de cobre Transmissão por Ethernet via cabo coaxial ou cabo Cat5 existente CopperLine é uma tecnologia avançada e exclusiva que expande redes de transmissão

Leia mais

AM@DEUS Manual do Usuário

AM@DEUS Manual do Usuário 80 P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 TI APPLICATION DELIVERY CONTROLLER ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto: PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

RESPOSTA Nº 01 DO EDITAL ADG 003/2015 - Contratação de Prestação de Serviços de Telecomunicação Corporativa (RTC)

RESPOSTA Nº 01 DO EDITAL ADG 003/2015 - Contratação de Prestação de Serviços de Telecomunicação Corporativa (RTC) RESPOSTA Nº 01 DO EDITAL ADG 003/2015 - Contratação de Prestação de Serviços de Telecomunicação Corporativa (RTC) PERGUNTA 1: Com relação ao exposto no item 3.1.12.2 do Anexo II: A solução deverá suportar

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 26430 - INST.FED.DE EDUC.,CIENC.E TEC.S.PERNAMBUCANO 158149 - INST.FED.EDUC.CIENC.E TEC.SERTãO PERNAMBUCANO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EQUIPAMENTO

Leia mais

Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES

Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES Nome: Guilherme M. Ramires Analista de Sistemas Pós-Graduado em Tecnologia e Gerenciamento de Redes de Computadores CEO

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. 3 Módulo e cabo stack para switch de borda 12

TERMO DE REFERÊNCIA. implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. 3 Módulo e cabo stack para switch de borda 12 TERMO DE REFERÊNCIA I DEFINIÇÃO DO OBJETO O presente Projeto Básico tem por objeto a aquisição de equipamentos para implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. ITEM DESCRIÇÃO QUANTIDADE 1 Switch

Leia mais

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Projeto Lógico da Rede

Projeto Lógico da Rede Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Devido ao contínuo aperfeiçoamento de nossos produtos e serviços, as especificações descritas a seguir estarão sujeitas a alterações sem prévio aviso.

Devido ao contínuo aperfeiçoamento de nossos produtos e serviços, as especificações descritas a seguir estarão sujeitas a alterações sem prévio aviso. Devido ao contínuo aperfeiçoamento de nossos produtos e serviços, as especificações descritas a seguir estarão sujeitas a alterações sem prévio aviso. Antes de utilizar o equipamento verifique a disponibilidade

Leia mais

A ECONET EVOLUTION S.A.S. nasce no ano de 2012 na Colômbia. Com sua filosofia de crescimento e expansão, projeta-se no mercado mundial, oferecendo

A ECONET EVOLUTION S.A.S. nasce no ano de 2012 na Colômbia. Com sua filosofia de crescimento e expansão, projeta-se no mercado mundial, oferecendo A ECONET EVOLUTION S.A.S. nasce no ano de 2012 na Colômbia. Com sua filosofia de crescimento e expansão, projeta-se no mercado mundial, oferecendo profissionalismo, velocidade, qualidade e conhecimento

Leia mais

Redes Roteadas. Estudo rápido de como implantar uma rede roteada fácil

Redes Roteadas. Estudo rápido de como implantar uma rede roteada fácil Redes Roteadas Estudo rápido de como implantar uma rede roteada fácil Edmilson José de Almeida Filho Analista e Consultor ISP Suporte a Provedores desde 2001 Suporte Linux desde 2001 Suporte Mikrotik desde

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

1 de 6 25/08/2015 10:22

1 de 6 25/08/2015 10:22 1 de 6 25/08/2015 10:22 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano Termo de Adjudicação

Leia mais

Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta

Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta April 29, 2008 No meu último ano de graduação tenho estudado redes sem fio. Confesso que não gostava muito desse assunto mas, passando a conhecê-lo um

Leia mais

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio BACKBONE e LANS VIRTUAIS Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio Redes Backbone Um backbone permite que diversas LANs possam se conectar. Em uma backbone de rede, não há estações diretamente conectadas ao

Leia mais

AmLight SDN: Uma plataforma aberta para experimentação de redes

AmLight SDN: Uma plataforma aberta para experimentação de redes AmLight SDN: Uma plataforma aberta para experimentação de redes V Workshop de Tecnologias de Redes do PoP- BA 29 de Setembro de 2014 Salvador, Bahia, Brasil Jeronimo Bezerra Quem somos?

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Nosso foco é facilitar a videovigilância profissional para todos. Armazenamento de dados seguro e excelente usabilidade

Nosso foco é facilitar a videovigilância profissional para todos. Armazenamento de dados seguro e excelente usabilidade Nosso foco é facilitar a videovigilância profissional para todos Armazenamento de dados seguro e excelente usabilidade 2 Fácil e confiável Frank Moore, proprietário da Keymusic 3 Fácil e confiável Eu não

Leia mais

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS Jamil de Almeida Silva ONS Brasília-DF Jean Carlos Borges Brito ONS

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof.:Eduardo Araujo Site- http://professoreduardoaraujo.com Objetivos: Entender e assimilar conceitos, técnicas

Leia mais

Guia do usuário. PoE 200 G

Guia do usuário. PoE 200 G Guia do usuário PoE 200 G Injetor PoE 200 G Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O injetor PoE 200 G é compatível com o padrão IEEE 802.3af. Ele oferece até

Leia mais

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do hardware, software e usuários para monitorar, configurar, analisar,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores II 2 3 Dispositivo que opera apenas na camada física recebendo

Leia mais

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de rede. Edson Venicius Jung, Ricardo Rafael Pellis

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de rede. Edson Venicius Jung, Ricardo Rafael Pellis Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de rede Edson Venicius Jung, Ricardo Rafael Pellis Pós-graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

HP Network Core Implementation

HP Network Core Implementation HP Network Core Implementation Dados técnicos O serviço HP Network Core Implementation tem como objetivo, através de uma análise técnica no ambiente de rede local, realizar a implementação de uma proposta

Leia mais

Referência Técnica - P&R 1. P: No gabinete combo ATX e micro-atx, quais furos são necessários para instalar uma placa-mãe micro-atx?

Referência Técnica - P&R 1. P: No gabinete combo ATX e micro-atx, quais furos são necessários para instalar uma placa-mãe micro-atx? Referência Técnica - P&R TSD-QA (2013/07) 1. P: No gabinete combo ATX e micro-atx, quais furos são necessários para instalar uma placa-mãe micro-atx? R: Por favor consulte abaixo os furos do formato ATX

Leia mais

Projeto Infra-Estrutura de rede Coordenadores: DIEGO MIRANDA. Projeto Integrador

Projeto Infra-Estrutura de rede Coordenadores: DIEGO MIRANDA. Projeto Integrador Projeto Infra-Estrutura de rede Coordenadores: DIEGO MIRANDA Projeto Integrador 1. Estrutura de Rede 2. Visão do Rack 3. Planta Baixa TI 4. Planta Baixa Geral 5. Tabela de Endereço 6. Tabela Router 7.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Formato de Frame FR Frame Relay Circuitos Virtuais É um circuito de dados virtual bidirecional configurado entre 2 portas

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

REDE FAST. Descrição:

REDE FAST. Descrição: REDE FAST Desenvolvido com o propósito de inovar o sistema de rede cabeada UTP tradicional que trabalha com tensão em toda a extensão do backbone, para uma solução que é alimentada pelo sistema de POE

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

A velocidade dos negócios

A velocidade dos negócios A velocidade dos negócios Índice Obstáculos para a velocidade nas empresas...... 2 Construindo blocos para na velocidade nas empresas... 3 Implementação de serviços 27 vezes mais rápida... 3 Avançando

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 OSPF Open Shortest Path First - OSPF Protocolo aberto e padronizado pelo IETF (RFC 2328), o que permite que diversas plataformas

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 06 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade.

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 2 Arquitetura de Data Center Ambientes Colaborativos A história dos sistemas

Leia mais

Cliente/Servidor. Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP

Cliente/Servidor. Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP Cliente/Servidor Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan Graça Bressan/LARC 1998 GB/LARC/PCS/EPUSP CS 11-1 Evolução das Tecnologias Computação Redes de comunicação

Leia mais

JUL / 04 FOUNDATION S W 7 0 0 M P

JUL / 04 FOUNDATION S W 7 0 0 M P JUL / 04 FOUNDATION S W 7 0 0 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site.

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Equipamento de rede Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 Eq. Rede Conceitos (I) Delay tempo que demora um bit desde que parte de uma máquina até chegar a outra. Acesso tempo para

Leia mais

Switch Gigabit MS gerenciado em nuvem

Switch Gigabit MS gerenciado em nuvem Switch Gigabit MS gerenciado em nuvem Resumo O Meraki MS é o primeiro switch gerenciado em nuvem do mundo que traz os benefícios da nuvem: gerenciamento simplificado, complexidade reduzida, visibilidade

Leia mais

Como Utilizar Power over Ethernet para Reduzir o Consumo de Energia

Como Utilizar Power over Ethernet para Reduzir o Consumo de Energia Como Utilizar Power over Ethernet para Reduzir o Consumo de Energia Documento Técnico Setembro de 2011 Visão Geral A tecnologia 'Power over Ethernet' (PoE) tornou-se uma ferramenta cada vez mais importante

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

(Open System Interconnection)

(Open System Interconnection) O modelo OSI (Open System Interconnection) Modelo geral de comunicação Modelo de referência OSI Comparação entre o modelo OSI e o modelo TCP/IP Analisando a rede em camadas Origem, destino e pacotes de

Leia mais