Juliana Fagundes dos Santos GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: ALGUNS ASPECTOS DO INSTRUMENTO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juliana Fagundes dos Santos GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: ALGUNS ASPECTOS DO INSTRUMENTO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA."

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM DIREITOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS LINHA DE PESQUISA EM CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORÂNEO Juliana Fagundes dos Santos GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: ALGUNS ASPECTOS DO INSTRUMENTO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA. Santa Cruz do Sul, março de 2011.

2 1 Juliana Fagundes dos Santos GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: ALGUNS ASPECTOS DO INSTRUMENTO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado, Área de Concentração em Direitos Sociais e Políticas Públicas, Linha de Pesquisa em Constitucionalismo Contemporâneo da Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Direito. Orientador: Prof. Dr. José Guilherme Giacomuzzi Santa Cruz do Sul, março de 2011.

3 2 Juliana Fagundes dos Santos GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: ALGUNS ASPECTOS DO INSTRUMENTO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA. Esta dissertação foi submetida ao Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado, Área de Concentração em Direitos Sociais e Políticas Públicas, da Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Direito. Dr. José Guilherme Giacomuzzi Orientador Dr. André Viana Custódio Professor convidado Unisc Pós Dr. Itiberê de Oliveira Castellano Rodrigues Professor convidado UFRGS/UFPEL Santa Cruz do Sul, março de 2011.

4 3 Dedico este trabalho aos meus pais, Aldo (in memorian) e Antônia, as minhas irmãs: Janaína e Liliane e ao Luiz Carlos Merlin.

5 4 AGRADECIMENTOS À Deus por me amparar, dar força interior para superar as dificuldades e mostrar o caminho nas horas incertas. Ao professor Dr. Liton Lanes Pilau Sobrinho pelo apoio e encorajamento que me dispensou durante todo o mestrado. Por transmitir com muita sabedoria, simplicidade e dedicação seus conhecimentos. Ao segundo orientador, José Guilherme Giacomuzzi que ajudou a concluir o trabalho, com sua presteza e rigor necessário. À minha família pelo carinho e atenção, em especial a memória de meu pai que sempre incentivou a estudar enquanto estava presente entre nós e à minha mãe pela sua dedicação. Ao Luiz Carlos Merlin, pela força para começar e para seguir em frente, pelo carinho, paciência e incentivo em todo esse caminho. A todos professores e colegas do mestrado, especialmente a Lívia Copelli Copatti, pelo convívio e aprendizado durante a longa etapa do mestrado. Ao IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus Sertão, que proporcionou a licença para terminar este trabalho, sem o apoio do qual este trabalho não teria sido viável. E a todas as outras pessoas que direta ou indiretamente colaboraram com este trabalho. Obrigada!

6 5 "A natureza não faz milagres; faz revelações." Carlos Drummond de Andrade

7 6 RESUMO Este trabalho apresenta a perspectiva da gestão dos recursos hídricos a partir do instrumento da cobrança pelo uso da água. O estudo desenvolve-se na linha de pesquisa de Constitucionalismo Contemporâneo, pretendendo identificar os possíveis riscos ambientais na Gestão dos Recursos Hídricos a partir da análise do art. 225 da Constituição Federal de 1988 e das condições de sustentabilidade. A presente pesquisa tem como objetivo analisar os riscos ambientais na gestão dos Recursos Hídricos e aplicar os conceitos desenvolvidos por Ulrich Beck para explicar a teoria do risco e sua relação com os recursos hídricos. Para tanto, a constatação da existência dos riscos concretos e abstratos é fundamental a fim de destacar a importância da formação da teoria do risco no direito. Parte-se da seguinte hipótese: em que medida a descentralização do uso dos recursos hídricos determina a quebra do paradoxo na sociedade de risco? A fim de atingir os objetivos especificados, adota-se o método hipotético-dedutivo e, para aplicá-lo, o método de procedimento será o monográfico. A problemática se dá em razão de a questão ambiental, atualmente, se apresentar como de grande importância em decorrência de os problemas ambientais atingirem a todos Estados indistintamente, independentemente de fronteiras. Os mecanismos atuais são capazes de evitar ou reduzir os riscos ambientais na gestão dos Recursos Hídricos? Existe algum instrumento que possibilita a gestão dos riscos ambientais? Os problemas de escassez e da degradação dos recursos hídricos acarretados pelo aumento populacional e pela industrialização registrados nas últimas décadas demandam uma mudança de comportamento no uso deste recurso diante da possibilidade de uma crise na disponibilidade de água em várias partes do mundo. Entre as diversas mudanças necessárias, uma será, provavelmente, tratá-la como um bem dotado de valor econômico. A pesquisa é composta pela fundamentação teórica de base dividida em três partes: os aspectos legais, a gestão dos recursos hídricos e a contextualização do instrumento da cobrança pelo uso da água. Busca-se verificar se o instrumento da cobrança pelo uso da água se constitui em um instrumento eficaz para a gestão dos RH e (dos riscos ambientais), estabelecendo perspectivas e desafios para sustentabilidade. Palavras-chave: gestão; recursos hídricos; teoria do risco.

8 7 ABSTRACT This work presents the perspective of water resources management from the perspective of the instrument for the charging of water use. The study develops in the research line of Contemporary Constitutionalism. It intends to identify possible environmental risks in the water Resources Management from the analysis of the article number 225 of the 1988 Federal Constitution. It also intends to identify conditions of sustainability. The research has as its objective to analyze environmental risks in the water resources management, and to apply concepts which were developed by Ulrich Beck to explain the risk theory and its relationship with water resources. For that, the realizing of the existence of concrete and abstract risks is fundamental so as to highlight the importance of the formation of the risk theory in law. There is the following hypothesis: in what measure the decentralization of water resources determines the break of paradox in the risk society? To attain the specified objectives, the hypothetical-deductive method is adopted, and to apply it, the procedure method will be monographic. This matter happens due to the environmental question, nowadays, is being presented as of great importance because the environmental issue hits all States, independently of borders. Are the mechanisms used nowadays able to avoid or reduce environmental risks? Is there any instrument capable of managing environmental risks? The problems of scarcity and degradation of water resources brought by the population and industrial rises registered in the last decades require a change in behavior in the use of this resource before the possibility of a crisis in the availability of water in several parts of the world. The survey consists of the theoretical base divided into three parts: the legal aspects, management of water resources and the context of the instrument of charging for water use. Among several necessary changes, one will be, probably, treating it as a good with economic value. Verifying if the instrument for charging for the use of water is efficient to manage environmental risks, establishing perspectives and challenges to its sustainability are very important actions. Key words: management; water resources; risk theory.

9 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL OS RECURSOS HÍDRICOS NAS ORDENAÇÕES DO REINO OS RECURSOS HÍDRICOS NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS PRINCIPAIS DOCUMENTOS INTERNACIONAIS ANTERIORES E POSTERIORES À ECO Conferências anteriores à ECO ECO Conferências internacionais: Declaração de San José da Costa Rica, Declaração de Paris e Declaração de Haia A EVOLUÇÃO DA PROTEÇÃO JURÍDICA DA ÁGUA EM ALGUNS DIPLOMAS INFRACONSTITUCIONAIS Código Civil de 1916 (Lei 3.071/1916) Código das Águas (Decreto-Lei nº /1934) Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei 9.433/1997) Código Civil de 2002 (Lei /2002) APLICABILIDADE DOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS/ AMBIENTAIS Princípio da prevenção Princípio da precaução Princípio da cooperação/princípio da participação Princípio do poluidor-pagador GESTÃO DAS ÁGUAS NO BRASIL O INÍCIO DOS PLANOS DE GESTÃO DE ÁGUAS NO BRASIL EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GERENCIAMENTOS DAS ÁGUAS Modelo burocrático Modelo econômico-financeiro (custo-benefício) Modelo sistêmico de integração participativa... 83

10 9 2.4 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE FÍSICO-TERRITORIAL DE PLANEJAMENTO A DESCENTRALIZAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA O sistema nacional e os comitês de bacia no RS O RISCO COMO INTEGRANTE DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA Riscos concretos e riscos abstratos O risco na gestão dos recursos hídricos a partir da CF/ O INSTRUMENTO DA COBRANÇA DA ÁGUA COMPETÊNCIA ADMINISTRATIVA PARA EFETUAR A COBRANÇA DO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS ASPECTOS DA COBRANÇA DOS RECURSOS HÍDRICOS ASPECTOS CONTRÁRIOS À COBRANÇA DA ÁGUA A COBRANÇA INCITATIVA NA BACIA DO RIO DOS SINOS (RS) CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

11 10 INTRODUÇÃO Há algum tempo, o debate sobre a crise da água tem se acentuado em razão da iminente escassez deste bem, o que é uma ameaça constante para a humanidade, visto que cada vez mais se acentuam a tendência a doenças de veiculação hídrica, a produção de estresses econômicos e sociais, o aumento das desigualdades entre regiões e países e as dificuldades ao desenvolvimento de maneira geral. Assim, o estágio atual da crise que se enfrenta pela escassez de Recursos Hídricos (doravante, RH) possui várias causas, entre as quais a distribuição desproporcional em determinadas regiões do mundo, a poluição ambiental, o crescimento populacional, o desperdício e outros. O Brasil é considerado o país mais rico e abundante em água do mundo, pois, além de possuir dimensões continentais, conta com o maior rio (Amazonas) e o maior aquífero subterrâneo (Guarani) do mundo. A produção total de águas doces no Brasil representa 53% do continente sul-americano ( m 3 /s) e 12% do total mundial ( m 3 /s) 1. Contudo, enfrenta problemas em relação aos RH, o que leva a que o tema venha ganhando espaço nas últimas décadas. Aliás, a água, que antes era considerada inesgotável, passou a ser tratada com maior interesse. Apesar de o país ser privilegiado no tocante à disponibilidade de água doce pela sua grande riqueza hídrica, falta um melhor gerenciamento deste elemento da natureza. Ora, não existe como pensar em desenvolvimento humano sem o uso eficiente dos RH e, portanto, sem uma eficiente gestão de RH. O centro do problema nacional não está focado na distribuição da água, mas no seu gerenciamento 1. Na realidade, a preocupação com os RH, notadamente com a sua gestão, têm estado presente desde há muito tempo. Porém, somente nas últimas décadas o conceito de gestão ambiental incorporou-se de forma significativa nos modelos de gerenciamento de RH. Naturalmente, os avanços na legislação promovem novas perspectivas para o planejamento e para a gestão das águas. Consequentemente, essas perspectivas apontam para o processo de descentralização na gestão, 1 VIEGAS, Eduardo Coral. Visão jurídica da água. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005, p.57.

12 11 utilizando-se a bacia hidrográfica como unidade de planejamento. É possível que o princípio da descentralização seja efetivamente colocado em prática quando os Comitês de Bacia tiverem plenas condições de exercer as funções que lhe são atribuídas por lei. O objetivo geral do estudo será analisar os riscos ambientais na gestão descentralizada dos RH. Assim, o presente estudo examinará os possíveis riscos na gestão dos RH a partir da análise do art. 225 da Constituição Federal e as possibilidades do uso da água de maneira racional e sustentável. Para tal objetivo ser concretizado, será analisado o instrumento da cobrança da água em seus aspectos positivos e negativos para verificar a imprescindibilidade e a efetividade deste instrumento de gestão. Ademais, a Lei de RH, Lei nº de 08 de janeiro de 1997, propõe um novo modelo de gestão de águas, apresentando-se como um instrumento bastante evoluído e adaptado à realidade global da crise da água, por abordar meios práticos de gerenciamento de RH, com grandes possibilidades de alterar o quadro da crise vivenciada quanto ao uso de tal elemento. A primeira parte do trabalho buscará analisar de forma breve, a evolução histórica do tratamento conferido à água nas constituições brasileiras, para uma melhor compreensão das características protetivas do meio ambiente no mundo contemporâneo. A hipótese da pesquisa foi circunscrita, prioritariamente, às principais normas jurídicas ambientais referentes aos RH e sua efetividade no direito brasileiro. Na sequência deste capítulo, o trabalho abordará a análise do direito ordinário com os principais dispositivos referentes aos RH do Código Civil de 1916, Código de Águas (Decreto nº /1934), na Lei de RH (Lei nº 9.433/1997) e Código Civil de Outrossim, serão abordados neste estudo alguns princípios constitucionais ambientais, entre os quais o princípio da prevenção, o da precaução, poluidor-pagador e da cooperação. A abordagem da pesquisa procurará identificar a importância do estudo da proteção do meio ambiente no âmbito do direito internacional, tendo em vista os vários documentos celebrados, frutos do interesse mundial na causa ambiental. Dessa forma, será demonstrado neste trabalho alguns

13 12 pontos relativos ao direito internacional ambiental, tais como antecedentes e os principais documentos internacionais existentes, tendo como referencial a Eco 92. A segunda parte do trabalho abordará alguns aspectos da gestão dos RH e da teoria do risco, desenvolvendo-se a fundamentação teórica propriamente dita. A contextualização da importância da gestão dos riscos ambientais tem como ponto de partida a pré-compreensão das espécies de riscos que são produzidas pela sociedade contemporânea. Com o propósito de colaborar com gestão dos RH, o estudo dos riscos, notadamente na questão hídrica, onde existe a aleatoriedade ou a incerteza dos processos hidrológicos, será de fundamental importância. Dessa forma, torna-se importante verificar a estimativa do risco envolvido para se possível, prevenir, minimizar ou mitigar esses riscos. Foi a percepção desses riscos, dentre outros, que mobilizou as Nações Unidas a realizar a Conferência sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, em 1992, no Rio de Janeiro. Nesta conferência, 179 países, voluntariamente, assinaram o documento denominado Agenda 21, que se constitui num amplo conjunto de compromissos a serem realizados no presente século para mudar a forma como se produz e se consome, visando à construção de sociedades sustentáveis. Por essa razão, será tratada a questão do risco em matéria ambiental, especificamente dos RH, no contexto a partir da Constituição Brasileira de Nesta última parte desenvolve-se a tese propriamente dita por meio da análise da legislação federal de RH, com a utilização da teoria de Ulrich Beck. Portanto, será estudada a teoria do risco e sua relação com os RH, principalmente a partir da Constituição Federal de Além disso, a constatação da existência dos riscos concretos e abstratos é fundamental para destacar a importância da formação da teoria do risco no direito. A operacionalização desta comunicação na estrutura do direito acerca do risco no direito ambiental se dá pela distinção prevenção-precaução.

14 13 O desenvolvimento do trabalho também apresentará a importância do estudo da proteção do meio ambiente, no âmbito do direito internacional, tendo em vista os vários documentos celebrados, frutos do interesse mundial na causa ambiental e da sua influência na legislação ambiental brasileira no âmbito dos RH. O direito ao meio ambiente saudável, direito fundamental positivado nas constituições e nos tratados internacionais, apresenta características próprias dos chamados direitos de solidariedade 2. Por outro lado, o fenômeno econômico mostrase presente em várias dimensões, como, por exemplo, no princípio do poluidorpagador (concretizado nos instrumentos econômicos), ou seja, numa zona de transição entre o jurídico e o econômico-ambiental. A relevância da pesquisa justifica-se, além da questão da riqueza hídrica, da crise da água e, principalmente, da falta de um melhor gerenciamento, já elencados, porque o estudo pode colaborar para esclarecer alguns aspectos do instrumento da cobrança na gestão dos RH, como, por exemplo, qual órgão possui a competência administrativa para efetuar a cobrança pelo uso da água, o significado da cobrança incitativa, bem como a análise crítica dos aspectos positivos e negativos da cobrança pelo uso da água, com a consequente realização dos preceitos constitucionais e legais de uma política nacional de RH. A água é um recurso estratégico para a sociedade, mas a cultura do desperdício impera e, portanto, precisa ser modificada. Além de outros fatores, a questão da cobrança pelo uso da água poderá colaborar para mudar essa realidade. Até porque esse instrumento de natureza econômica assume um papel fundamental no processo de gestão dos RH, principalmente em nosso país, em que há poucos recursos à disposição para realizar a política ambiental; logo, a aplicação eficiente dos recursos adquire grande relevância. Ainda assim, a área da gestão dos RH é uma área que continua em evolução. Portanto, os estudos serão sempre de alguma forma positivos para esclarecer pontos visando a um melhor desenvolvimento nesta área fundamental. 2 FARIAS, Paulo José Leite. Água: bem jurídico econômico ou ecológico? Brasília: Brasília Jurídica, 2005, p.24.

15 14 A problemática se dá em razão de a questão ambiental, atualmente, se apresentar como de grande importância em decorrência de os problemas ambientais atingirem a todos Estados indistintamente, independentemente de fronteiras. Os mecanismos atuais são capazes de evitar ou reduzir os riscos ambientais? Existe algum instrumento na política ambiental brasileira que possibilite a gestão dos riscos ambientais? Os problemas de escassez e da degradação dos RH acarretados pelo aumento populacional e pela industrialização registrados nas últimas décadas demandam uma mudança de comportamento no uso deste recurso diante da possibilidade de uma crise na disponibilidade de água em várias partes do mundo. Para responder ao problema proposto, elencam-se as seguintes hipóteses: Em que medida a descentralização do uso dos RH determina a quebra do paradoxo na sociedade de risco? O instrumento da cobrança pelo uso da água poderá ser eficaz para a gestão dos RH? Na parte final desta pesquisa, apresentam-se as conclusões do estudo, que visam tentar responder o problema suscitado, bem como o cumprimento dos objetivos propostos.

16 15 1 EVOLUÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL A retomada da proteção jurídica da água nas constituições brasileiras, destacando aquelas que fizeram alguma referência aos Recursos Hídricos, permite verificar se houve uma tendência em colocar o direito ao meio ambiente no direito constitucional. Embora, no início, a evolução dos RH fosse determinada por fatores de ordem predominantemente econômica, com o passar do tempo passou a ser determinada por fatores de natureza ambiental. Assim, tecem-se breves considerações acerca dos documentos internacionais que influenciaram a comunidade internacional e também o nosso país na tomada da consciência ambiental e da necessidade de defender o meio ambiente. Estudados os textos constitucionais e os tratados internacionais, da evolução dos institutos jurídicos, depreende-se que são definidos princípios que se aplicam às águas e também ao meio ambiente que regem o direito interno, os quais se originam no direito internacional. Por outro lado, destaca-se que, no âmbito da gestão e do gerenciamento dos RH, vem se seguindo há alguns anos, um modelo diferente, com destaque para uma gestão descentralizada e para a participação dos comitês de bacia. Após uma breve exposição panorâmica do início dos planos de gestão de águas no Brasil, bem como uma rápida explanação sobre os modelos de gerenciamento das águas, é importante analisar a bacia hidrográfica como unidade físico-territorial de planejamento, a descentralização da bacia hidrográfica e a importância dos comitês de bacia, para facilitar o entendimento do tema da cobrança da água que será desenvolvido posteriormente. Ainda nesta parte será tratada da fundamentação teórica do risco e sua relação com os RH. Para tanto, serão fornecidas breves explicações sobre aspectos elementares da teoria do risco, dando-se especial destaque aos riscos concretos e abstratos. Em seguida, serão discutidos aspectos centrais do risco na gestão dos RH a partir da Constituição Federal de Tecidas tais considerações, será analisado um dos instrumentos econômicos, ou seja, a cobrança pelo uso da água, a quem competirá a cobrança do uso dos RH.

17 OS RECURSOS HÍDRICOS NAS ORDENAÇÕES DO REINO Desde a invasão do Brasil, no início do século XVI, o patrimônio natural foi muito explorado, inclusive por outros Estados. Entretanto, a utilização econômica dos recursos naturais não levou ao esgotamento dos recursos finitos e manteve a capacidade de regeneração dos recursos renováveis durante o período imperial. De fato, o problema da poluição gerada pelas atividades humanas ainda não se fazia presente, o crescimento demográfico era baixo, a população era pequena e, consequentemente, também a demanda por água. Ainda na época do Brasil-Colônia, as Ordenações do Reino regulavam o regime de águas existentes neste território. Antes da edição da Constituição de 1824 vigia em Portugal o Alvará de 1804, aplicado no Brasil pelo Alvará de Verificase, portanto, uma forte influência da nação portuguesa na formação da história e da legislação ambiental brasileira, no relato de Benjamin. Com a incorporação abrupta da região ao sistema econômico mundial, o Brasil foi inserido num processo de dependência e subordinação, ainda vigente, que o transformou em fonte inesgotável de recursos ambientais. As grandes dimensões do território foram um convite aos exploradores para que explorassem pelo simples prazer de explorar, estimulando, com o esgotamento de recursos, a procura de novas regiões a serem desbravadas 3. O domínio dos rios foi objeto das Ordenações Filipinas, liv. II, título XXVI, par. 8º 4. A Resolução de 17 de agosto de 1775 declarou que o domínio e a posse das águas particulares pertenciam ao dono do prédio em que nascessem e estabelecia sobre as águas supérfluas uma servidão legal em favor dos prédios inferiores. Conforme a leitura do liv. II, título XXVI, par. 8º, percebe-se que o legislador adotou o princípio estabelecido pelo direito feudal, enumerando entre os direitos reais, regalia, os rios navegáveis, assim como todos aqueles, de que se fazem os navegáveis, parecendo deixar fora do patrimônio do rei os não navegáveis e os que nem direta nem indiretamente 3 BENJAMIN, Antônio Herman. A proteção do meio ambiente nos países menos desenvolvidos: o caso da América Latina. Revista de Direito Ambiental, São Paulo: Revista dos Tribunais, n.0, [s.d.], p «E as estradas e ruas públicas, antigamente usadas, e os rios navegáveis, e os de se fazem os navegáveis, se são caudais, que corram em todo o tempo. E posto que o uso das estradas públicas e dos rios seja igualmente comum a toda a gente, e ainda a todos os animais, sempre a propriedade delas fica no Patrimônio Real.»

18 17 concorrem para a formação daqueles. Sendo omissa a este respeito a nossa lei, começou a invocar-se o direito romano e tem ele sido observado, quando conforme com a equidade e com a boa razão, embora modificado pelos costumes e usos locais. 5 O Alvará de , aplicado ao Brasil pelo Alvará de , criou a servidão legal de aqueduto para a agricultura e permitia que as águas dos rios e ribeiros pudessem ser ocupadas por particulares e derivadas para canais em benefício da agricultura e da indústria 8. Portanto, no Brasil, as primeiras normas de natureza ambiental foram importadas de Portugal, que já havia editado leis para proteger alguns recursos ambientais, especialmente os bens escassos, motivados por questões econômicas. A questão ambiental ganha novos matizes, salientando-se, a definição dos bens ambientais como de uso comum do povo e essenciais à sadia qualidade de vida, acrescentando-se uma outra dimensão, a ambiental. 5 GARCIA, Manuel Emygdio. Propriedade das águas no direito romano f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Direito- Mestrado) - Universidade de Lisboa, Coimbra, 1862, p «XI. Em qualquer das províncias do reino, aonde alguma povoação em comum, ou algum proprietário em particular, empreender o tirar de algum rio, ribeira, paul ou nascente de água, algum canal, ou levada, para regar as suas terras, ou para as esgotar, sendo inundadas, requererá a qualquer dos ministros de vara branca do termo, ou comarca, para que lhe demarque, e assine o lugar, e sítio mais cômodo, por onde ela pode ser construída, ouvindo o parecer de louvados, ou de pessoas inteligentes: o qual do que acordarem mandará formalizar um processo verbal, e por ele lhe dará ou negará a licença para a construção, citando-se por editos as partes interessadas, e do que julgar e do que julgar se poderá recorrer a mesa do desembargo do paço. Não poderão estas obras ser embaraçadas pelos proprietários dos terrenos, por onde elas passarem; mas serão obrigados a deixarem construir o aqueduto, e passar a água, pagando-se-lhe o prejuízo por arbítrios de louvados». 7 GRANZIERA, Maria Luíza Machado. Direito de águas: disciplina jurídica das águas doces. São Paulo: Atlas, p VALLADÃO, Alfredo. Rios públicos e particulares. Belo Horizonte, p.23.

19 OS RECURSOS HÍDRICOS NAS CONSTITUIÇÕES FEDERAIS BRASILEIRAS A questão hídrica foi tratada de alguma forma nas constituições federais brasileiras; inicialmente, porém, não teve tratamento específico. O domínio dos RH foi se afirmando, se modificando e se incorporando com o passar do tempo nas constituições pátrias. Apesar de, no período colonial brasileiro as normas serem de natureza econômica, infere-se que as constituições posteriores foram traduzindo a tutela da água conforme a natureza ambiental. Assim, a elevação dos RH ao status constitucional representou um grande avanço. A abordagem dos RH leva à efetivação dos fundamentos, objetivos e princípios da República Federativa do Brasil, na qual prepondera a valorização do trabalho humano e a livre-iniciativa, de forma que seja assegurada a todos uma existência digna, consoante os ditames da justiça social quando o Estado atua como agente da atividade econômica, ou quando a iniciativa privada maneje os RH. Araújo destaca que não se pode pensar uma tutela do patrimônio (água), sem uma análise do texto constitucional. A análise do bem em discussão deve ter presente o enquadramento legislativo quer superior, quer ordinário, em que se insere 9. Dessa forma, apresenta-se uma breve análise do patamar constitucional e do prisma da competência federativa, ou seja, a questão da competência para sua legislação e atuação. O Brasil independente foi desde o início uma monarquia constitucional. Assim, a Constituição Federal de 1824, a semelhança das demais Constituições do século XIX, assentava na separação dos poderes, com forte posição do Imperador, simultaneamente titular do poder moderador e chefe do Poder Executivo ARAÚJO, Luiz Alberto David. A tutela da água e algumas implicações nos direitos fundamentais. Bauru: ITE, p MIRANDA, Jorge. Teoria do Estado e da Constituição. Rio de Janeiro: Forense, p.145.

20 19 Dessa forma, a conservação da unidade política manteve-se por longos setenta anos; porém, com a propaganda republicana, de inspiração positivista francesa, o regime da monarquia foi abalado. As instituições políticas não poderiam deixar de ser influenciadas por uma estrutura étnica e cultural em vias de consolidação e sedimentação, na qual se integrariam fortes correntes imigratórias europeias; por profundas divisões sociais; pela oposição entre o Brasil agrário, dominado pela aristocracia rural das plantações, e o Brasil urbano, concentrado no litoral e de tendência burguesa 11. A Constituição Imperial de 1824, primeiro diploma constitucional brasileiro, é produto de um tempo e de uma cultura 12. Embora esta Constituição não tratasse especificamente do meio ambiente, mencionou a questão da saúde, matéria de interesse estatal, em virtude das situações precárias de insalubridade. Nos termos do art , nº 24, a Constituição Federal 1824 proibia a instalação de indústrias que de alguma forma causassem danos à saúde das pessoas. No entanto, As Águas não foram objeto de tratamento específico nessa Carta, pertencendo todos os rios à Coroa, em conformidade com as Ordenações do Reino. Todavia, o item 22 do art. 179 garantia o direito de propriedade em toda sua plenitude e estatuía que o patrimônio privado, poderia ser previamente indenizado se o bem público, legalmente verificado, exigisse seu uso e emprego 14. A respeito da falta de reconhecimento formal da proteção ambiental, registra Antunes 15 que a Constituição Federal 1824 foi omissa. Contudo, uma Lei de 1828 atribuiu às Câmaras de Vereadores a competência legislativa sobre as águas, e a Lei nº 15, de 1834, estabeleceu a competência das assembleias legislativas provinciais para legislar sobre obras públicas, estradas e navegação nos respectivos territórios, o que traria evidentes reflexos com relação às águas MIRANDA, Jorge. Teoria do Estado e da Constituição. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p TEIXEIRA, Orci Paulino Bretanha. O direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado como direito fundamental. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p Art A inviolabilidade dos Direitos Civis, e Políticos dos Cidadãos Brasileiros, que tem por base a liberdade, a segurança individual, e a propriedade, é garantida pela Constituição do Império, pela maneira seguinte. XXIV. Nenhum gênero de trabalho, de cultura, indústria, ou comércio pode ser proibido, uma vez que não se oponha aos costumes públicos, á segurança, e saúde dos Cidadãos. 14 GRANZIERA, Maria Luíza Machado. Direito de águas: disciplina jurídica das águas doces. São Paulo: Atlas, p ANTUNES, Paulo Bessa. Direito Ambiental. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 1998, p CAMPOS, Nilson. STUDART, Ticiana. Gestão das águas: princípios e práticas. Porto Alegre: ABRH, p.209.

RECURSOS HÍDRICOS. Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos

RECURSOS HÍDRICOS. Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos RECURSOS HÍDRICOS Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos WORKSHOP A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR PRODUTIVO EM FÓRUNS AMBIENTAIS CIESP - JUNDIAÍ SETEMBRO - 2010 Wilson A. Bonança

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Congresso Internacional de Segurança da Água Brasília,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Nelson Neto de Freitas 8º Seminário Água, Comunicação e Sociedade XVI ENCOB - Maceió, 23 de novembro de 2014 A Política e o Sistema Nacional de Gerenciamento

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 21- Compete à União: TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO I - Manter relações com Estados estrangeiros e participar de organizações internacionais; II - Declarar a guerra e celebrar

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

O TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA

O TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA O TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA As Repúblicas da Bolívia, do Brasil, da Colômbia, do Equador, da Guiana, do Peru, do Suriname e da Venezuela, CONSCIENTES da importância que para cada uma das Partes têm

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

6º Congresso de Pós-Graduação

6º Congresso de Pós-Graduação 6º Congresso de Pós-Graduação CAPTAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) SABRINA MAC FADDEN Co-Autor(es) ENÉAS XAVIER DE OLIVEIRA Orientador(es) SABRINA MAC FADDEN 1. Introdução Atualmente

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

COMPETÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E DOMÍNIO HÍDRICO

COMPETÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E DOMÍNIO HÍDRICO COMPETÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E DOMÍNIO HÍDRICO MÁRCIA DIEGUEZ LEUZINGER 1 Introdução Tanto o excesso quanto a falta de desenvolvimento geram degradação ambiental, o que inclui a degradação dos recursos

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL GOMES, Alessandro. alefot@bol.com.br Resumo: O texto que se segue parte de uma rápida passagem

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA O PODER DE POLÍCIA AMBIENTAL E SUA EXECUÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE CASTRO CASTRO

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O DIREITO CONSTITUCIONAL

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O DIREITO CONSTITUCIONAL ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O DIREITO CONSTITUCIONAL Francis Priscilla Vargas Hager 1 & Marcelo Lopes D almeida 2 RESUMO Este artigo discorre sobre questões do direito constitucional e sua aplicação na gestãio

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO AMBIENTAL 1. Introdução: Decreto 99.274 de 6 de junho de 1990 - artigo 17: A construção, instalação, ampliação e funcionamento de atividades utilizadoras

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Adriana Niemeyer Pires Ferreira Gerência de Águas Subterrâneas Superintendência de Implementação

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos:

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: Patrimonio Hídrico Brasileiro - Explicação do Abaixo Assinado. Observação: O melhor instrumento para entender essa proposta é o Texto Base da Campanha da Fraternidade de 2004, Fraternidade e Água, realizada

Leia mais

Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental

Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental Abril 2009 Prof. Dr. Roger Stiefelmann Leal nas Constituições Anteriores Constituição de 1946 Art 5º - Compete à União: XV - legislar sobre: l)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

A QUESTÃO DA INDENIZABILIDADE DOS TERRENOS MARGINAIS DE RIOS FEDERAIS NAS DESAPROPRIAÇÕES AGRÁRIAS: Desapropriações feitas no Estado de Goiás.

A QUESTÃO DA INDENIZABILIDADE DOS TERRENOS MARGINAIS DE RIOS FEDERAIS NAS DESAPROPRIAÇÕES AGRÁRIAS: Desapropriações feitas no Estado de Goiás. A QUESTÃO DA INDENIZABILIDADE DOS TERRENOS MARGINAIS DE RIOS FEDERAIS NAS DESAPROPRIAÇÕES AGRÁRIAS: Desapropriações feitas no Estado de Goiás. Roberto Élito dos Reis GUIMARÃES; Cleuler Barbosa das NEVES

Leia mais

Quem é responsável pela administração dos rios? Bernardo Cabral 1 e Jerson Kelman 2

Quem é responsável pela administração dos rios? Bernardo Cabral 1 e Jerson Kelman 2 Quem é responsável pela administração dos rios? Bernardo Cabral 1 e Jerson Kelman 2 Introdução O Estado de São Paulo foi o primeiro a aprovar uma lei sobre recursos hídricos (Lei 7663/91), após a Constituição

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Novembro de 2009. Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Suraya Modaelli DAEE 1,2 bilhão de pessoas sem acesso a água potável no mundo 2 bilhões sem infra-estrutura de saneamento milhões de crianças

Leia mais

Organismos de Regulação, Controle e Fiscalização Ambiental no Brasil. Profª MSc. Maria Bernadete Miranda

Organismos de Regulação, Controle e Fiscalização Ambiental no Brasil. Profª MSc. Maria Bernadete Miranda Organismos de Regulação, Controle e Fiscalização Ambiental no Brasil Apresentação e objetivos A presente aula tem por objetivo apresentar os organismos de regulação, controle e fiscalização ambiental no

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas

Leia mais

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 2. AÇÕES GOVERNAMENTAIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A Organização das Nações Unidas (ONU), formada por quase todos os países do mundo, realiza reuniões para discutir sobre temas importantes para a humanidade

Leia mais

O Direito Ambiental no Brasil.

O Direito Ambiental no Brasil. NOTA DE CONJUNTURA JURÍDICA Março de 2009 Nº3 O Direito Ambiental no Brasil. Profa. Sandra Mara Ribeiro Muradi Mestra em Direito pela PUCSP. Professora da ESPM e da PUCSP. Introdução O homem e o mundo

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca DURANTE OS TRABALHOS DA 8? CONFERÊNCIA

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

XI CONGRESSO DOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO MEIO AMBIENTE. Relator: Gilberto Leme Garcia Promotor de Justiça de Meio Ambiente da Capital/SP

XI CONGRESSO DOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO MEIO AMBIENTE. Relator: Gilberto Leme Garcia Promotor de Justiça de Meio Ambiente da Capital/SP XI CONGRESSO DOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO MEIO AMBIENTE PAINEL VI 05/08/11 Relator: Gilberto Leme Garcia Promotor de Justiça de Meio Ambiente da Capital/SP Dráusio Barreto Secretário Municipal

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

RESUMO. Desenvolvimento Econômico. Meio Ambiente. Lei 12.462/2011. Preservação Ambiental.

RESUMO. Desenvolvimento Econômico. Meio Ambiente. Lei 12.462/2011. Preservação Ambiental. Princípio do Desenvolvimento Sustentável aplicado ao Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC: aspectos constitucionais ambientais da Lei nº 12.642/2011. DANIEL DE MORAIS MATOS Jornalista Profissional

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Giuliano Marcon* Departamento de Saúde Ambiental, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 994.120 - RS (2007/0234852-0) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO REPR. POR ADVOGADO INTERES. ADVOGADO : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL : CONDOMÍNIO

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA JOSÉ DE SENA PEREIRA JR. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2002

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Texto Atualizado Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

Para ser presente á Assembleia Nacional.

Para ser presente á Assembleia Nacional. Decreto-Lei n.º 286/71 Tratado sobre os Princípios Que Regem as Actividades dos Estados na Exploração e Utilização do Espaço Exterior, Incluindo a Lua e Outros Corpos Celestes, assinado em Washington,

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Brasília, 29 de março de 2012 SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - SISNAMA O

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

Meio Ambiente & Sociedade

Meio Ambiente & Sociedade Meio Ambiente & Sociedade Módulo II Ambiente: natural, cultural, artificial e do trabalho; ambiente rural e urbano; Ambiente: natural, cultural, artificial e do trabalho; Conceituar o meio ambiente, ou

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Gestão e Legislação Ambiental

Gestão e Legislação Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA Mestrado em Recursos Hídricos H e Saneamento Disciplina: Gestão e Legislação Ambiental Professora: Selêude Wanderley da NóbregaN Legislação Ambiental

Leia mais

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA ESTUDO POLUIÇÃO SONORA José de Sena Pereira Júnior Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO DEZEMBRO/2005 Câmara

Leia mais