Sebastião Nery A NUVEM. O Q u e F I C O u D O Q u e P a S S O u

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sebastião Nery A NUVEM. O Q u e F I C O u D O Q u e P a S S O u"

Transcrição

1 Sebastião Nery A NUVEM O Q u e F I C O u D O Q u e P a S S O u

2 NUVENS O QUE FICOU DO QUE PASSOU Copyright 2009 by Sebastião Nery 1ª edição setembro de 2009 Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou em vigor no Brasil em Editor e Publisher Luiz Fernando Emediato Diretora Editorial Fernanda Emediato Capa e Projeto Gráfico Alan Maia Diagramação Preparação de Texto Revisão DADOS INTERNACIONAIS DE CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Nery, Sebastião Nuvens : o que ficou do que passou / Sebastião Nery. -- São Paulo : Geração Editorial, ISBN Abuso de poder - Brasil 2. Brasil - Política e governo 3. Coronelismo - Brasil 4. Corrupção na política - Brasil 5. Impunidade 6. Reportagens investigativas 7. Repórteres e reportagens 8. Sarney, José, I. Título CDD: Índices para catálogo sistemático 1. Loren Ipsun : Loren Ipsun Loren : Loren GERAÇÃO EDITORIAL ADMINISTRAÇÃO E VENDAS Rua Pedra Bonita, 870 CEP: Belo Horizonte MG Telefax: (31) EDITORIAL Rua Major Quedinho, º andar CEP: São Paulo SP Tel.: (11) Fax: (11) Impresso no Brasil Printed in Brazil

3 O passado não é o que passou. É o que fi cou do que passou. Alceu Amoroso Lima

4

5 Éramos onze. Somos seis. Para José, Antonio, Miguel, Fátima, Vivalda, que vieram comigo. Para Beatriz, a nuvem.

6

7 SUMÁRIO 1. O Coronel O Defuntinho Jaguaquara O Integralista O Seminarista amargosa Santa Tereza O amor O Pecado Pedra azul Belo Horizonte O Diário Juscelino a une O vereador O Jornalismo

8 Sebastião Nery 17. moscou O Comunismo O PCB O Jornal da Bahia a Tarde O Jornal da Semana O Deputado O Golpe São Paulo Rio Polítika Portugal espanha Prêmio esso Sibéria Brizola Câmara Grécia Collor Roma Paris O que Ficou do que Passou? Índice Remissivo

9

10 Sebastião Nery 12

11 1 O CORONEL Quando o trem apitou, meu mundo desabou. não vi mais ninguém, mais nada. Olhei a estação, desapareceu. Minha mãe, meus irmãos, parentes e amigos, sumiram todos. Ficou apenas aquele apito longo, sofrido, doído. Do outro lado da linha, nem a casa de meu avô eu via. A Baixa da Lagoa afundou. Queria agarrar-me a uma última lembrança, não sobrou nada. Nem mais um apito. Só um profundo silêncio, lá fora e dentro de mim. A meu lado, um homem chorava devagarinho. Meu pai. Desmontei. Solucei como acordando de um pesadelo. E eu tinha sonhado anos seguidos aquele instante. Finalmente estava voando na minha nuvem, atrás de meu sonho, que não sabia bem qual era, o que era, como era, onde ficava. Só sabia que queria ir, ir. Onze anos, magrinho, sequinho, doentinho, a cabeça enorme, ia enfiar-me o ano inteiro no seminário, acordar às 5 da manhã, tomar banho frio, rezar e estudar o dia todo. Rever minha casa, meu pai, minha mãe, meus irmãos, só no fim do ano. Quem quis ir fui eu. Quem disse que ia fui eu. Agora, era aguentar. Já ouvia o trem rangendo nos trilhos e relembrava a sabedoria de minha mãe: Nunca vou dizer a um filho meu: não vá. Ir nunca fez mal a ninguém. E meu pai me consolando baixinho, segurando minha mão: Quando a gente quer, só tem esse jeito: é fazer. 13

12 Sebastião Nery Pela primeira vez olhei longamente pela janela do trem. E lá estava ela, minha nuvem, bem ali ao meu lado, me acompanhando, me seguindo nas doces serras verdes dos pastos da minha infância. Deitado embaixo da jaqueira, lá na Palmeira, a pequena fazendinha de meus pais onde nasci, sem luz elétrica, sem estrada, passava horas descobrindo animais no céu. As nuvens iam se enovelando, brancas e enormes como elefantes, de repente com cara de boi e logo viravam outros bichos, até que lá vinha um cavalo alado, eu subia nele e voava, voava, sumia no infinito, como aquele trem gemendo nas curvas. Parei de chorar. Já era noite quando chegamos a Amargosa. Minha mala, como na canção de Caetano, também era de couro cru, mas não fedia nem cheirava mal. Estava cheia de naftalina e sabonete Lifebuoy misturados com minhas roupas. Meu pai ia dormir no hotel e voltar no dia seguinte cedo. Me levou até a casa (palácio) do bispo. Tudo apagado, em silêncio. Batemos uma vez, duas, apareceu uma mulher, que me olhou espantada, com visível surpresa, como se eu fosse um intruso: Por que você já veio hoje? O Padre Flamarion me disse que era para vir no dia 2 de fevereiro. Não é 2. É 12. Seus colegas só vão começar a chegar daqui a alguns uns dias. Vou falar com o Florêncio (o bispo). E sumiu. Demorou, demorou, eu já meio desesperado, quando apareceu o bispo, de rosto bom, sereno, cabelos grisalhos, que já tinha visto numa missão dele na minha terra: Seu Lindolpho, houve um engano. O Padre se confundiu. O seminário vai começar dia 12. Já que ele está aqui, pode ficar logo, mas sozinho, porque só estamos aqui eu e minha irmã. Meu pai ficou com pena de mim: Dom Florêncio, se o senhor quiser, nós voltamos e dia 12 estaremos aqui de novo. Abracei meu pai como se fosse na porta de um cemitério: Eu fico logo, papai. Pode ir. Aquele homem valente, que montava em cavalo brabo para amansar e não caía, pegou meu rosto, deu um beijo e chorou. Quase me desmanchei. Mas em nenhum instante pensei em voltar. A nuvem me levou, ela é que sabia o que ia fazer comigo. 14

13 a nuvem Olhei para trás, meu pai tinha desaparecido na curva da rua. Peguei a mala, entrei com o bispo. Numa sala grande, chamou a irmã, dona Tina, a surpreendida, pediu que mandasse a empregada providenciar um café com pão e começou a conversar comigo como se meus 11 anos fossem três vezes mais: Pode ser um sinal de Deus que o primeiro aluno a chegar seja logo você. Esta casa, que é o palácio do bispo, foi doada à diocese pelo seu tioavô, o coronel José Augusto Vaz Sampaio, irmão de sua avó Generosa, mãe de sua mãe. Já morreu. Era um bom cristão, como é a sua família, que é toda daqui de Amargosa e conheço bem. Você vai dormir no quarto grande, que era o dele e que foi também da mãe dele, dona Beatriz. Quase disse: Pelo amor de Deus, lá não! Fiquei todo arrepiado, mas não podia contar ao bispo, na chegada, as doidas e fascinantes histórias que eu sabia do coronel, tio e padrinho de minha mãe, a quem acabei devendo o Augusto de meu nome. Fui me deitar logo, porque a luz da cidade apagava cedo. E apagou. Quase não consegui dormir. No escuro, comecei a ver as pernas dela rolando roliças e brancas pelas gretas do telhado. Era uma história macabra. Dona Beatriz era uma índia alta, bonita, pegada a laço, como contava meu avô, genro dela. Batizada, foi dada para casar a um jovem português, Antão Vaz Sampaio. Tiveram filhas e só um filho, o coronel José Augusto, fazendeiro, chefe político poderoso na região, pela força do café, intendente (prefeito) de Amargosa várias vezes, deputado. Em 1975, em Portugal, escrevendo meu livro Portugal, um Salto no Escuro sobre a Revolução dos Cravos (Editora Francisco Alves, Rio), encontrei um vinho tinto, bom, no Alentejo, chamado Antão Vaz. Seria da família do bisavô? Morreu o marido Antão, dona Beatriz foi morar com o filho. No dia em que ela morreu, exatamente naquele quarto grande onde eu estava, o coronel mandou fazer o caixão em Nazaré das Farinhas, cidade próxima, porque era lá que se faziam caixões bons. Mas só chegava no dia seguinte, no trem. Velório à noite toda, com o corpo estendido na cama, naquela mesma cama que me deram para dormir. Quando o caixão chegou, de manhã, o desespero: não cabia. O caixão era pequeno demais para ela, que era alta. 15

14 Sebastião Nery E não havia tempo de providenciar outro. O enterro já estava passando da hora. A cidade quase toda na casa, na rua, esperando para acompanhar. O coronel disse às irmãs que a decisão tinha que ser dele. Pediu para saírem do quarto, pegou uma machadinha, cortou as pernas da mãe, dobrou, pôs o corpo no caixão, com ele as pernas cortadas, fechou o caixão. Abriu a porta, mandou o enterro sair. E eu ali, onze anos, tentando dormir na cama da minha linda bisavó de nome bonito e pernas cortadas. Não conseguia. Olhava o teto, via aquele balé de pernas girando no ar. E chorava de medo, no silêncio fúnebre do palácio de um bispo e sua irmã. De manhã, no café, no canto da mesa, meus olhos inchados, dona Tina olhou, assustada para mim e disse ao irmão: Florêncio, manda esse menino de volta. Olha a cara dele. Está com olhos de louco. Vai ter uma coisa aqui e somos os responsáveis. Não é nada disso, Tina. Conheço a família toda. Ele está é com saudade de casa. A Sisínia (prima dele e minha professora) me disse que é um menino bom e inteligente, melhor aluno dela. E o bispo me deu para ler uma vida de São Francisco de Assis. Não adiantou. São Francisco falava aos pássaros e aos peixes, todos vivos. Não entendia de pernas mortas. O coronel foi o primeiro herói de minha infância. Minha mãe, sobrinha e afilhada querida, adorava-o. Minha avó, irmã, também. As histórias dele corriam pela família e pela região. Católico, piedoso, era um racista do cão. Em um domingo, chovia muito e ele, com seu guarda-chuva, saía de casa, na rua do Ribeirão (Rua Dr. José Gonçalves, que emancipou o município, hoje governador Lomanto Júnior, que nem de lá é), para a missa na igreja. Atravessando a rua, também com um guarda-chuva, vinha um negro. Ele jogou o guardachuva no chão e protestou: Homem já não pode mais nem usar guarda-chuva. Chegou à igreja todo molhado, teve pneumonia, quase morre. De quando em vez, o coronel pegava o trem, magrinho, elegante, com seu indefectível chapéu, terno escuro, colete, gravata preta, polainas, bengala, e ia a Jaguaquara visitar minha avó, sua irmã Generosa, e meu avô 16

15 a nuvem Joaquim José de Souza, que moravam na fazenda Casca, a cinco quilômetros da cidade. Desceu do trem, chovia, pegou o único carro de praça que havia na cidade, do Aurelino Moscoso (viveu quase cem anos): Vamos para a casa do Joaquim José. E não disse mais nada. A cancela da fazenda ficava a 500 metros da sede, um casarão cheio de salas, quartos e despensas. O motorista parou na chuva, abriu a cancela. O coronel já estava fora do carro, sem guarda-chuva, com o dinheiro na mão: Quanto foi a corrida? O que é isso, coronel? Está chovendo. Levo o senhor lá. Já viu chofer chegar perto de casa de família? E fez o meio quilômetro na chuva. Todo molhado. E era muito católico e piedoso. Imaginem se não fosse. Sábado de manhã, vestido como sempre, chapéu, gravata, colete, polainas, bengala, ia bem cedo para a feira. Apontava as mercadorias com a ponta da bengala: Quanto é que está a banana? Tanto, coronel. Muito cara. Você está roubando. O preço é esse. E dizia. Batia a bengala em cima das bananas e saía. Ninguém aumentava um tostão do que ele falava. Era o Procon da cidade. Ia a outro feirante: Quanto está a farinha? Tanto, coronel. Barata demais, seu besta. Assim você quebra. A mandioca está cara. O preço é esse. E dizia. Produto por produto, em cada feira o preço era o dele. Conheci alguns filhos: seu Américo, dona Mira, primos de minha mãe. Moravam ao lado do seminário, aonde eu ia tomar café e comer bolos e doces muitos domingos de tarde e ouvir mais histórias. Um dia, ele teve um aborrecimento com as filhas, desapareceu. Mais de um mês sem dar notícia. Procuraram em toda parte, na Bahia (Salvador era a Bahia), no Rio. Nada. Até que chegou pelo correio uma carta de Roma. Um pequeno bilhete. Li na época, só lembro o principal. Curto, enxuto, um primor de texto e sabedoria. O coronel era um craque. Escre- 17

16 Sebastião Nery via como um experiente jornalista. Uma lição de redação. Mais ou menos assim: Meninas, minha zanga já terminou. Está na hora de voltar. Peguei um vapor na Bahia, passei pelo Rio, saltei em Gênova, vim para Roma. É a Bahia com o Papa. De Roma fui de trem a Paris. É o Rio sem mar. De Paris, para Berlim. É São Paulo com mais fábrica. Como vocês veem, o mundo é todo a mesma merda. a) A bênção de seu Pai. Três noites terríveis passei na cama dele, imaginando seu vulto miúdo rondando os corredores escuros daquela casa enorme, que ele deu para palácio do bispo. Mas sobretudo vendo as pernas decepadas da mãe dele entrando pelas gretas do telhado. E meus colegas começaram a chegar. Mudei de quarto. Saí do açouge da bisavó. Estava salvo. De medo ninguém morre. 18

17 2 O DEFUNTINHO Tia Bela, irmã mais velha de minha mãe, alta, grandona, inteligente, sempre vestida até os pés, desenrolou o manto em que a criancinha estava embrulhada, viu o corpo todo à mostra, por fora e por dentro, coração, pulmão, intestinos, tudo se vendo, abriu-lhe os olhinhos com os dedos grossos e desistiu: Elvira, você fez a promessa, vá pagar. Vá visitar os presépios e deixe esse defuntinho comigo. Quando você voltar, a gente enterra. É o segundo seu que Deus vai levar. Ficam os outros. Nada disso, Bela. Vou ver os presépios com meu filho. Quando voltar, vou levar para doutor Campos ver. E ele vai ficar bom. Eu o entreguei à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e a São Sebastião. O defuntinho era eu. Mal nasci, logo adoeci. Naquele 8 de março de 1932, uma terça-feira, onze da noite, estava quente na casinha toda branca, cercada de flores, frutas e um quintal de café, na pequena fazendinha de 49 hectares, a Palmeira, em Jaguaquara, na Bahia, 800 metros de altura, uma Suíça baiana, onde já haviam nascido três dos meus quatro irmãos mais velhos. O primeiro, José Augusto, morreu logo no primeiro ano. Onze da noite, o candeeiro aceso a um canto, meu pai nervoso lá fora, minha mãe viu que eu estava inteirinho, pediu à parteira, Tia Chica, que abrisse a janela para entrar ar. Um galho de café, todo de bagos 19

18 Sebastião Nery vermelhos, entrou para dentro do quarto. Muitos anos depois, ela me viu escrevendo uma pequena história do café para o IBC (Instituto Brasileiro do Café) e me disse: Meu filho, haja o que houver, nunca fale mal do café. Foi a primeira saudação que você recebeu quando nasceu. Comecei a mamar e a pipocar minha pele fina e branquinha. A cabeça grande, os cabelos claros e eu magrinho, magrinho. Parecia um alfinete. Minha madrinha, Tia Viva não creio que uma madrinha tenha amado um afilhado mais do que ela me amou irmã mais nova de minha mãe, saiu da casa de meu avô e veio ajudar a cuidar de mim. E ficou anos seguidos, até nos mudarmos para a cidade, sete anos depois. E eu piorando, piorando. Meu pai foi à cidade, conversou com doutor Campos, que receitou uns remédios. Eu tomava e mamava, mamava, mas não melhorava. Era preciso registrar e batizar logo, para não morrer sem nome e pagão. Como todo sábado, meu pai montou no seu melhor cavalo para ir à cidade, Jaguaquara, a seis quilômetros, fazer a feira. Minha mãe recomendou: Registre logo os meninos, José, Braz, Antonio, Sebastião. E não esqueça que assim como o primeiro (o que morreu), o José também será Augusto, José Augusto, como meu padrinho (o coronel). No meio do caminho, meu pai se baralhou. Já não lembrava bem qual dos quatro teria o Augusto no nome. Resolveu rápido. Chegou ao cartório, registrou os quatro com o Augusto: José Augusto, Braz Augusto, Antônio Augusto, Sebastião Augusto. Os dois que vieram depois, Miguel e Gabriel, não tiveram o Augusto. Em 1946, aos 18 anos, esse meu irmão José Augusto foi fazer o alistamento militar e descobriu que não existia. No cartório da cidade não havia nada sobre ele. Como já tinha havido o primeiro José Augusto, o irmão mais velho nascido em fevereiro de 1926, que morreu com um ano, o tabelião que atendeu meu pai decidiu que não era preciso registrar outro José Augusto. Bastava o segundo herdar o nome e o registro do primeiro, ficando o morto como se vivo fosse. E meu irmão só foi afinal registrado, com a idade certa dele, aos 18 anos, em E mais uma vez sofreu a velha, multissecular e portuguesa ditadura dos cartórios. A escrevente lhe disse que ia sair uma lei acabando com o K, o W e o Y. E por isso ela ia mudar logo o nome dele e registrá-lo como Neri, com I e não mais com Y. E ficou ele sem o Y e com o Neri com I. 20

19 a nuvem Agora, em 2009, 63 anos depois, o novo Acordo Ortográfico Brasil- Portugal lhe devolveu o Y. O meu nunca deixei tomarem. Chegou o Natal de 1932, fomos para a casa de meus avós. Fui batizado e minha mãe fez a promessa de visitar todos os presépios comigo. Tia Bela não acreditava mais no defuntinho. Minha mãe ainda estava visitando os presépios, meu pai foi falar com doutor Campos, pegou outra receita, passou na farmácia do doutor Guilhermino, Guilherme Silva Filho, farmacêutico e advogado, filho do fundador de minha cidade e casado com uma parenta de minha mãe. Doutor Guilhermino fez um interrogatório: Lindolpho, a Elvira continua forte como sempre foi, comendo tudo, carne de boi, carne de porco, feijoadas, caças? Sim. Come tudo que tem na fazenda. E ela tem leite à vontade. O menino mama muito. Pois é ela que está fazendo mal a esse menino. É o leite dela, muito gordo. Diga a ela para cortar tudo, toda a alimentação dela, inclusive leite, e só comer frutas e mingaus muito leves. Daqui a um mês volte aqui e vocês vão ver esse menino melhor. Em um mês, não havia mais o defuntinho. Eu estava bom. Ainda apareciam pequenas brotoejas no corpo, mas sumiram logo. Doutor Guilhermino, meu salvador, além de outros filhos e filhas, é o pai do saudoso Book, técnico e campeão olímpico de remo do Flamengo, e do Raimundo Eirado, presidente da UNE (58 a 60). Trinta anos depois, morávamos no mesmo edifício, na Alameda Capimirim, na Graça, em Salvador. Três andares, três apartamentos: Doutor Guilhermino, subsecretário de segurança do governo Juracy Magalhães, em cima o doutor Vilas Boas Machado no térreo e eu no meio. Um dia, doutor Vilas Boas morreu de repente. Semanas depois, Doutor Guilhermino morreu também de repente. Depois do enterro, à tarde, volto para casa, arrasado, e vejo pregada na minha porta, com cola escolar, uma folha de papel pautado com letra infantil e esta profecia genial: U ôto é tu. O canalha do menino malvado do prédio não acertou. O milagre do Doutor Guilhermino fez meus pais e minha madrinha me criarem cheio de cuidados. Continuava magrinho, mas bem. Só não 21

20 Sebastião Nery podia viver a vida da roça, andar nos pastos, no mato, como meus irmãos. Até os três anos fui um prisioneiro. Não podia dar um passo fora de casa. Só até a calçada. Minha primeira grande alegria foi o dia em que fiz três anos. Lembro perfeitamente: meu pai trouxe da cidade um chinelo bonito para eu começar a sair de dentro de casa, e uma pedra, uma lousa com giz, para aprender a escrever. Em pouco tempo, não havia árvore que resistisse a mim. Subia em mangueira, jaqueira, pé de ameixa, cavalo e boi. Aos cinco anos meu avô me deu um carneiro selado. Virei um marajá. Quem nunca viveu não pode imaginar o que é viver no escuro: escorpiões, cobras, aranhas caranguejeiras. O perigo rondava dia e noite. O medo, permanente. Na roça, a noite descia como um túmulo. Havia barulhos estranhos, morcegos viravam onças imensas. Era dormir cedo até a luz voltar. O sol era Deus. Minha mãe estava grávida de meu quarto irmão, Antônio. Passeava numa das fazendas de meu avô, a Bonina, e ele nasceu de sete meses. Tão pequeno, que puseram numa caixa de sapatos, todo envolto em algodão. Numa manhã, amanheceu roxo. Um escorpião tinha dividido a caixa com ele, mordido a perna e continuado lá no macio do algodão. Salvou-se por milagre. Durante semanas dormiu entre os seios quentes e gordos de Tia Bela, sua madrinha, aquela que me chamou de defuntinho. E ficou morando com meu avô. É o mais alto e forte da família. Deve ser vitamina de escorpião, misturada com cobra. Ainda muito criança, estava sentado nos degraus da cozinha da fazenda de meu avô, sentiu uma dor terrível e uma coisa pendurada na perna. Uma jararaca o mordeu tão forte, que não largou. Foi cortada a facão. Um final de tarde, sábado, meu pai ainda na feira, na cidade, minha mãe sozinha em casa conosco, um gato negro, gordo, enorme e manso, que criávamos, começou a uivar como um desesperado, dentro do nosso quarto, o dos meninos. José, o irmão mais velho, abriu a porta para ver o que era. A um canto, os olhos esbugalhados, faiscando, apavorantes, o gato deu um salto em cima dele. Fechou a porta a tempo. O gato havia enlouquecido. A casa era de telha, não tinha forro. O gato podia saltar para onde quisesse. Minha mãe chorava. 22

21 a nuvem Mandamos chamar Seu Neco, velho morador da fazenda e amigo nosso, que morava perto. Pegou um pedaço de pau, abriu a porta, o gato pulava em cima dele, com miados infernais, ele batia com o pau, mas não acertava uma, o gato desviava no ar. A noite chegou e com ela o pânico. Só se ouvia o uivo histérico do gato, como um lobo doido. Felizmente meu pai chegou e apanhou a espingarda, acostumado a matar gavião voando ou paca correndo no mato. O gato continuava acuado lá no canto do quarto. Minha mãe segurava um candeeiro, meu pai entrou, errou o primeiro tiro. O gato pulava e voltava. Errou o segundo, o gato pulava e voltava. No terceiro, acertou na testa. Era uma vez um gato louco. A casinha tinha duas salas e três quartos. Um de meus pais. Outro, dos cinco meninos. Antônio morava com meu avô. O dos meninos tinha uma cama só, um catre grande. O das três irmãs também com uma cama só. A quarta e última acabara de nascer, ficou no berço no quarto de minha mãe. Dormíamos no escuro, sem candeeiro. De noite, se qualquer um de nós acordava querendo ir ao banheiro, que era um só, chamava e minha mãe respondia na hora: O que é, meu filho, ou minha filha? O candeeiro. Minha mãe se levantava, acendia o candeeiro, ficava esperando no corredor. Voltávamos, ela apagava e ia dormir. Se daí a meia hora um outro chamava, ela respondia sempre ao primeiro chamado. Foi o maior milagre da maternidade que já vi. Para minha mãe, sábia e sofrida, vida era a luz: Criei dez filhos com candeeiro e lamparina. Sei o que é o escuro. Progresso é luz elétrica. Todo o resto vem depois. Até os quatro anos, eu nunca tinha visto luz acesa. Minha mãe me levou à igreja da cidade, na festa da padroeira. De repente, acendem as luzes. Dei um grito e caí sentado no chão. Por isso Deus começou o mundo acendendo a luz. Fiat lux. 23

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA C. S. LEWIS O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA ILUSTRAÇÕES DE PAULINE BAYNES Martins Fontes São Paulo 1997 CAPÍTULO I Uma estranha descoberta ERA uma vez duas meninas e dois meninos: Susana, Lúcia,

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

O galo e a coruja cupinzeira Celeste Krauss 2

O galo e a coruja cupinzeira Celeste Krauss 2 E-livro FICHA CATALOGRÁFICA Celeste, Krauss O galo e a coruja cupinzeira/celeste Emília Krauss Guimarães Antônio Carlos Guimarães [organização e revisão] Lambari: Edição do Autor; Belo Horizonte: Antônio

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA Uma Aventura na Serra da Estrela Coleção UMA AVENTURA Atividades Propostas Leitura em voz alta de um ou dois capítulos por aula. Preenchimento das fichas na sequência

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol)

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol) CD EU QUERO DEUS 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) EU QUERO DEUS \ EU QUERO DEUS SEM DEUS EU NÃO SOU NADA EU QUERO DEUS Deus sem mim é Deus \ Sem Deus eu nada sou Eu não posso viver sem Deus \ Viver longe

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Rinaldo de Fernandes ROMEU NA ESTRADA. Romance

Rinaldo de Fernandes ROMEU NA ESTRADA. Romance ROMEU NA ESTRADA Rinaldo de Fernandes ROMEU NA ESTRADA Romance Copyright Rinaldo de Fernandes Direitos cedidos para esta edição à Editora Garamond Ltda. Rua Candido de Oliveira, 43/Sala 101 - Rio Comprido

Leia mais

Arte dos poemas em Sol-te, seção de Caprichos e relaxos retamozo, mirandinha, solda, swain, bellenda, fui vai, tiko

Arte dos poemas em Sol-te, seção de Caprichos e relaxos retamozo, mirandinha, solda, swain, bellenda, fui vai, tiko Copyright 2013 by herdeiros de Paulo Leminski Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou em vigor no Brasil em 2009. Arte dos poemas em Sol-te, seção de Caprichos

Leia mais

Carcará composição: João do Vale/José Cândido

Carcará composição: João do Vale/José Cândido 104 A FLOR E O CARCARÁ Carcará Lá no sertão É um bicho que avoa que nem avião É um pássaro malvado Tem o bico volteado que nem gavião... trecho da canção Carcará composição: João do Vale/José Cândido Ana?

Leia mais

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17 Capítulo 1 No qual o Mumintroll, o Farisco e o Sniff encontram o Chapéu do Papão; como aparecem inesperadamente cinco pe quenas nuvens e como o Hemulo arranja um novo passatempo. Numa manhã de primavera

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

para ajudar você a descobrir que o Natal é para a vida

para ajudar você a descobrir que o Natal é para a vida para ajudar você a descobrir que o Natal é para a vida O Fabinho está na igreja, no primeiro banco. Com o queixo apoiado nas mãos, ele está olhando o presépio. Um presépio grande como se montava antigamente.

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA

OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA Fátima Borges Silva 1ª Edição 2014 OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA,

Leia mais

O NASCIMENTO DE RUNA

O NASCIMENTO DE RUNA Für die Übersetzung ins brasilianische Porugiesisch danken wir herzlich Adriana Dantas Breust. O NASCIMENTO DE RUNA MINHA IRMÃ VEM AO MUNDO Concepção e texto: Uwe Spillmann. Ilustração: Inga Kamieth Este

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha um verde que saía da metade do casco e se espalhava manso até a beirada. Viviam dizendo que ela era lerda, preguiçosa até. É preciso reconhecer

Leia mais

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol?

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol? Domingo Cocoricóóó! Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! Urrggghhoquefoi? Eu disse que já é de manhã e está na hora de você sair da cama. De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam

Leia mais

A menina que queria visitar a tia

A menina que queria visitar a tia Cenas urbanas A menina que queria visitar a tia A menina, conversando com a jornaleira, na manhã de domingo, tinha o ar desamparado. Revolvia, com nervosismo, um lenço com as pontas amarradas, dentro

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se A VOZ DAS COISAS Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se Marta, naquela noite, a sós na cama. Há as línguas que as pessoas falam: francês, alemão, espanhol, chinês, italiano. Para indicar a mesma

Leia mais

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br MUDANÇA DE IMAGEM Os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Isto porque eu não tinha a quem relatar o que me havia acontecido. Eu estava com medo de sair do meu corpo novamente, mas também não

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

Coleção Amigos da Floresta. Festa na Floresta. Patrícia Engel Secco. Ilustrações Maria Eugênia

Coleção Amigos da Floresta. Festa na Floresta. Patrícia Engel Secco. Ilustrações Maria Eugênia Coleção Amigos da Floresta Festa na Floresta Patrícia Engel Secco Ilustrações Maria Eugênia Coleção Amigos da Floresta Festa na Projeto Folclore, Alegria e Tradição Coleção Amigos da Floresta Floresta

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

ANTES DO FIM EPISÓDIOS 3 E 4. E-MAIL: gilfnascimento@hotmail.com

ANTES DO FIM EPISÓDIOS 3 E 4. E-MAIL: gilfnascimento@hotmail.com ANTES DO FIM EPISÓDIOS 3 E 4 E-MAIL: gilfnascimento@hotmail.com EPISÓDIO 03 Anteriormente: Célia bofeteia Álvaro e chora, mas fica para ajudá-lo, Leandro defende Laila de Caio, Marques encontra a mãe com

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Olá. Esta é minha casa em São Miguelito. São Miguelito é uma pequena cidade com cerca de 50 ou 60 famílias. A cidade tem uma escola, um campo de futebol e algumas igrejas, mas não tem um centro, como a

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

SOUL LOVE, A NOITE O CÉU É PERFEITO

SOUL LOVE, A NOITE O CÉU É PERFEITO SOUL LOVE, A NOITE O CÉU É PERFEITO ALUNA: LAIANE ZANOTTO GEMELLI ANO: 2012 LOCAL: Chapecó DESCRIÇÃO DOS PERSONAGENS PRINCIPAIS Jenna: 17 anos, alta, magra, ruiva, cabelos lisos, olhos verdes, traços delicados,

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento CHAVE DE ANTEROS de Adriano Henrique Cândido Segundo Tratamento Copyright 2013 by Adriano Henrique Cândido. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. CENA 01 - INT. IGREJA - NOITE FADE IN., 20 e poucos anos, entra

Leia mais

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Eric Ponty O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Pinturas de Fernando Campos [2005] Virtual Book s Numa noite de outubro a pequena Maria Lúcia viu o azul do céu escuro da tarde um homem andando de bicicleta.

Leia mais

Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima

Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima Meu nome é Carla Karen Quispe Lipa. Sou nascida na Bolívia, na cidade de La Paz e vim para o Brasil com nove anos de idade com os

Leia mais

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Projeto Gráfico Ilustra Online Revisão Trisco Comunicação Uma história de amor pelo nosso planeta. Coordenação Editorial Ler é Fundamental Produções e Projetos

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais