2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS"

Transcrição

1 2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCAÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES: contradições e fracassos Resumo Luíza Cassiano Rangel 1 Ludmila Gonçalves da Matta 2 O Município de Campos dos Goytacazes é considerado um município com inúmeras fontes de oportunidades e de condições de progresso em diversas atividades econômicas, desde a produção de açúcar e álcool até o petróleo, combustível que sustenta não só a condição de vida de diversos habitantes, mas também a administração pública municipal que, por sua vez, recebe uma arrecadação vultosa dos chamados royalties e participações especiais da exploração do petróleo. Apesar do grande montante de recurso que o município recebe, em 2013 recebeu de royalties e participações especiais R$ ,37 (INFOROYALTIES, 2014), o mesmo não é nenhum exemplo de qualidade de vida. Os indicadores sociais sinalizam para graves problemas, como o da educação. Em 2011 Campos ficou em último lugar no estado em relação à nota do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - IDEB. Diante desse cenário, o objetivo desse trabalho é apresentar a relação entre os gastos públicos e arrecadação e os resultados obtidos no IDEB e no Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - IDH-M. Palavras-chave: Educação, IDEB, Gastos Públicos, Políticas Públicas. Abstract Campos dos Goytacazes is considered a municipality with numerous sources of opportunities and conditions for progress in various economic activities, such as production of sugar, alcohol and oil, fuel that sustains not only the condition of life for several inhabitants but also the municipal administration which, in turn, receives a sizable collection of so-called royalties and special participation of oil exploration. Despite the large amount of resources that the municipality receives (it was R$ 1,375,983, (INFOROYALTIES, 2014) in royalties and special participations in 2013), it is not an example of quality of life. Social indicators point to serious problems such as education. In 2011, Campos dos Goytacazes, in Rio de Janeiro state, came last in relation to the position obtained in the Basic Education Development Index - IDEB. Given this scenario, the 1 Especialista em Design e Mídias Interativas e Programadora Visual do Instituto Federal Fluminense - campus Campos-Guarus. Mestranda do programa de Pós-graduação em Planejamento Regional e Gestão de Cidades da Universidade Cândido Mendes/Campos dos Goytacazes - RJ. E- mail: 2 Doutora em Sociologia Política- Professora/pesquisadora do Curso de Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades da Universidade Candido Mendes/Campos dos Goytacazes - RJ.

2 objective of this paper is to present the relation between public spending and revenues and the results obtained in the IDEB and the Municipal Human Development Index - MHDI. Keywords: Education, IDEB, Public Spending, Public Policy. Apresentação O Município de Campos dos Goytacazes está situado na região norte do Estado do Rio de Janeiro, sendo o maior município fluminense em área territorial com km 2 e uma população em 2013 estimada de habitantes. (IBGE, 2014) Sua posição estratégica (entre as capitais do Estado do Rio de Janeiro e do Estado do Espírito Santo) abrange o norte e o noroeste do estado além do sul capixaba. Está à aproximadamente 280 km da cidade do Rio de janeiro (capital do estado) e a 250 km de Vitória, capital do Espírito Santo. Atualmente, grandes e médias empresas, nacionais e internacionais se instalaram no município e produzem desde medicamentos a tubulações para o setor offshore. Campos também é o maior pólo cerâmico do estado e um dos maiores produtores de açúcar e álcool do país. (ECONOMIA, 2014) FIGURA 1 - LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO FONTE: Elaboração própria a partir dos dados do IBGE (IBGE, 2014)

3 Por ser o maior município das regiões norte e noroeste fluminense, Campos ocupa um papel de grande relevância para o desenvolvimento do interior do estado, considerada uma cidade com inúmeras fontes de oportunidades em diversas atividades setoriais, desde o setor primário até o terciário, além dos setores sucroalcooleiro e o petrolífero, que sustenta não só a condição de vida de diversos munícipes, mas também da administração pública municipal que, por sua vez, recebe uma arrecadação vultosa dos chamados royalties da exploração do petróleo. Todavia, a imagem que se projeta em diversos cantos da região, senão nacionalmente, é da existência de um oásis de prosperidade econômica que motiva diversas pessoas a um êxodo regional rumo a uma cidade que guarda oportunidades nos setores de construção civil, petrolíferos e serviços dos mais diversos e especializados, mas que tem deixado a desejar na qualidade da educação. A atual gestão municipal ( ) tem feito reformas e ampliado a rede de escolas municipais, mas essa oferta ainda está muito aquém da necessidade. Não obstante do grande montante de recurso que Campos recebe, em 2013 recebeu em Royalties e Participações Especiais R$ ,37 (INFOROYALTIES, 2014), o município não é exemplo em qualidade de vida, os indicadores sociais sinalizam para graves problemas na educação. Em 2011 a rede municipal de ensino de Campos ficou em último lugar no Estado no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - IDEB nas séries iniciais e com a 5ª pior nota nas séries finais, alcançando o 67º lugar dos 77 avaliados (vide anexos I e II). O objetivo desse trabalho é apresentar a relação entre os gastos públicos e arrecadação e os resultados obtidos nos Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - IDH-M e IDEB no município. Para tanto, esse trabalho se baseia num levantamento de dados nos sites do Ministério da Educação e Cultura - MEC, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas - IBGE, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP e Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes - PMCG, Atlas Brasil e outros. O Índice De Desenvolvimento Humano Municipal O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal é elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD, pelo Instituto de Pesquisa

4 Econômica Aplicada - IPEA e pela Fundação João Pinheiro - FJP e tem por objetivo principal instrumentalizar a sociedade democratizando informações sobre o desenvolvimento humano e promovendo o conhecimento acerca das realidades municipais. Ele classifica os municípios de 0 a 1 e quanto mais próximo de 1, maior é o desenvolvimento humano naquele município. O IDH-M em Campos dos Goytacazes vem subindo nas últimas décadas, passou de 0,505 em 1991 para 0,716 em É um índice alto (de acordo com as faixas de desenvolvimento) e vale ressaltar que no IDH-M Longevidade o município tem seu melhor resultado: 0,830 considerado muito alto, conforme ilustra a figura 2. FIGURA 2 - IDH-M de Campos dos Goytacazes FONTE: Elaboração própria a partir dos dados do PNUD (2013). O IDH-M da Educação também melhorou no período, passou de 0,318 para 0,619, o que o classifica na faixa de médio. Entretanto, devemos salientar que por apenas dois centésimo de diferença ele poderia estar na faixa de IDH-M baixo. Outro ponto importante é a comparação entre o IDH-M da educação e os outros índices como o da longevidade e renda que estão bem acima do adquirido em educação. Este índice (IDH-M Educação) é uma composição de indicadores de escolaridade da população adulta e de fluxo escolar da população jovem, esses indicadores são obtidos a partir das respostas ao questionário do Censo Demográfico do IBGE e calculados a partir dos índices das populações adultas e jovens, observados os pesos 1 para a escolaridade da população adulta e peso 2 para o fluxo escolar da população jovem. Abaixo observamos os componentes do IDH-M Campista da Educação.

5 TABELA 1 - Índice de Desenvolvimento Humano Municipal da Educação e seus componentes - Campos dos Goytacazes - RJ IDHM da Educação e componentes IDHM Educação 0,318 0,474 0,619 % de 18 anos ou mais com ensino fundamental completo 33,55 41,76 55,50 % de 5 a 6 anos na escola 51,03 87,83 95,78 % de 11 a 13 anos nos anos finais do fundamental ou com fundamental completo 35,91 55,39 77,30 % de 15 a 17 anos com fundamental completo 22,60 35,70 49,24 % de 18 a 20 anos com médio completo 14,12 22,53 39,31 FONTE: Elaboração própria a partir dos dados do Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. (PNUD, 2013) O IDH-M Campista da Educação evidencia que menos da metade da população de 18 a 20 anos possui ensino médio completo, ou seja, menos da metade está apto a ingressar no ensino superior. Em contrapartida, importantes universidades públicas e privadas se instalaram na cidade, transformando-a num pólo universitário, referência em ensino superior para toda a região. Variedade de áreas e formações acadêmicas se multiplicam; a cada semestre cursos cada vez mais especializados tem sido ofertados em Campos dos Goytacazes, inclusive pós-graduações lato e stricto sensu. Em suma, o IDH-M da Educação em Campos tem aumentado, e mensura a ampliação do acesso da população ao sistema educacional, mas ainda é preciso ampliar mais para que todos os componentes desse índice ascenda, em especial, o da população de 18 a 20 anos com ensino médio completo para que possam ingressar no ensino superior e assim, fortalecer o IDH-M da Educação para se aproximar dos demais índices: IDH-M Municipal, IDH-M Longevidade e IDH-M Renda. O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - IDEB A necessidade de avaliar o setor educacional despontou no Brasil anos 60 e 70 com a intenção de atender a maior demanda possível da população escolarizável maximizando a alocação de recursos, uma vez que esses eram limitados. Nos anos 80 as inovações tecnológicas e a competição no mercado mundial evidenciaram vantagens comparativas a sociedades que possuíam qualidade educacional de seus trabalhadores.

6 Com isso, a educação se tornou propulsora do desenvolvimento dos países emergentes e evidenciou a necessidade de análise da qualidade do ensino fornecido no país para refletir a realidade da forma mais efetiva possível, ampliando e aprofundando avaliações nessa área. Se a aquisição de educação básica pode ser entendida como a condição essencial para a formação de um indivíduo participativo em uma sociedade democrática e o meio mais acessível e seguro para a manutenção e melhoria do nível de vida da população, é fundamental a verificação e o acompanhamento de como e a que tipo de educação básica o cidadão brasileiro está tendo acesso, ou seja, é preciso avaliar. (RICO, 2009, p. 56) Com o objetivo de melhorar a educação no país, o Governo Federal via Ministério da Educação e Cultura - MEC lançou em 2007 o Plano de Desenvolvimento da Educação - PDE, fixado pelo Decreto nº /2007. O PDE é organizado a partir de quatro eixos: educação básica; educação superior; educação profissional e alfabetização e foi elaborado a fim de estabelecer diretrizes para promover uma educação de qualidade a todos. Para tanto, foi necessário implementar um sistema de avaliação (também meta do PDE) com o intuito de identificar que unidades estariam mais fragilizadas e, por isso, necessitariam maior atenção, apoio financeiro e de gestão. (BRASIL, 2007) O IDEB é um dos eixos desse PDE. Criado em 2007 pelo INEP, o IDEB tem por finalidade reunir em um só indicador dados sobre aprovação escolar e as médias de desempenho nas avaliações do INEP. Esse índice pretende levar em conta toda a diversidade e especificidades das escolas brasileiras. O Censo Escolar tem papel fundamental nessa conta, uma vez que fornece os dados de fluxo e aprovação para o cálculo do índice. Já as médias das avaliações são fornecidas pela Prova Brasil, para a rede municipal e o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica - SAEB para a rede estadual e federal. Assim o IDEB promove uma prestação de contas transparente à sociedade de como está a qualidade da educação em cada escola, além de servir de instrumento para o MEC promover apoio técnico e financeiro para que a educação brasileira dê um salto de qualidade. (INEP, 2012) O IDEB vai de zero a dez e quanto mais próximo de 10, melhor o índice. Sua forma geral é dada por: IDEB ji = N ji P ji ; 0 N j 10; 0 P j 1 e 0 IDEB j 10 em que, i = ano do exame (SAEB e Prova Brasil) e do Censo Escolar;

7 N ji = média da proficiência em Português e Matemática, padronizada para um indicador entre 0 e 10, dos alunos da unidade j, obtida em determinada edição do exame realizado ao final da etapa de ensino; P ji = indicador de rendimento baseado na taxa de aprovação da etapa de ensino dos alunos da unidade j. Esse cálculo é feito para os anos iniciais e finais separadamente conforme apresentado nas tabelas 2 e 3. Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do INEP (2012). Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do INEP (2012). Esse índice expressa em valores, segundo o INEP (2012), os resultados mais importantes da educação: aprendizagem (N) e fluxo (P). Apesar de apresentar melhorias nos índices se comparados ao ano anterior, as escolas municipais ainda assim não atingiram a modesta meta estipulada que era de 3,7 para os anos iniciais, atingindo apenas a meta para os anos finais, que era de 3,2 (vide tabelas 6 e 7). Com isso, foi possível identificar que Campos dos Goytacazes precisa aprimorar ambos resultados: as taxas de aprovação (P) e notas (N) em todas as etapas do Ensino Fundamental, do 1º ao 9º ano, dado que ainda são índices e metas abaixo dos ideais para uma educação de qualidade. Vale ressaltar que a média brasileira para os anos iniciais foi de 5,0 e para os anos finais 4,1 e metas de 4,6 e 3,9 respectivamente. No Estado do Rio de Janeiro, O IDEB dos anos iniciais foi de 5,1 atingindo a meta que era de mesmo valor e para os anos finais a nota foi de 4,2 e meta de 4,1. Com quase todas as metas atingidas e valores acima dos campistas, as médias nacionais e estaduais evidenciam ainda mais a precariedade da educação básica no município, uma vez que estão acima das municipais.

8 Conforme informado pelo INEP, o IDEB 2013 deve ser divulgado a partir da segunda quinzena de agosto de 2014 e novas metas estão previstas. Para Campos, são elas: 4,0 para os anos iniciais e 3,5 para os finais. Foi estabelecida, como meta para 2022, que a média brasileira seja 6,0 (seis), o que corresponde a um sistema educacional de qualidade comparável a dos países desenvolvidos. Várias são as críticas ao método e ao cálculo do IDEB, que são interpretados como decretos de sucesso ou fracasso. Porém, a iniciativa de avaliar a qualidade de ensino no país é extremamente necessária e a tentativa de traduzir esses dados complexos em um único índice de fácil entendimento é útil para que todos possam acompanhar a evolução da educação em cada escola, município, estado e consequentemente, no país. Gastos na educação versus resultados nos índices de qualidade Segundo a Secretaria de Educação do Município, esses resultados refletem a precariedade herdada dos governos anteriores, já que a atual prefeita assumiu o cargo em 2009 e, atualmente, está em seu segundo mandato. O IDEB 2013 vai poder indicar se as políticas desenvolvidas pela atual gestão estão adequadas para, efetivamente, melhorar a qualidade do ensino da rede municipal. Algumas dessas ações são questionáveis como a adoção de material didático próprio. O município é o único do estado a não adotar os livros didáticos do MEC. Ou seja, todos os outros municípios do estado que ficaram melhores colocados que Campos dos Goytacazes utilizam o material indicado e distribuído gratuitamente pelo Ministério da Educação. Amplamente divulgado no portal da prefeitura são os investimento em educação, a saber: adaptações de creches em creches-modelos, novas escolas e melhorias nas existentes, além dos concursos para repor os servidores contratados por servidores aprovados em concurso público. Foram divulgados também um novo plano de cargos para os professores municipais e um Projeto de Lei sancionado (Projeto de Lei 8.407/2013) criando uma gratificação para profissionais que atingirem a meta do IDEB. O benefício de R$ 400,00 (para os servidores da escola que atingir a meta do ano) e de R$ 600,00 (para os servidores da escola que atingir a meta do ano subseqüente). A gratificação será paga a partir do mês posterior à divulgação dos resultados oficiais do MEC e terá validade no interstício até a divulgação do próximo índice. (DELFINO, 2013)

9 Abaixo podemos observar a relação dos municípios da Região Norte Fluminense em ordem crescente de gastos per capita com Educação no Estado do Rio de Janeiro. Destaque para Quissamã e São João da Barra, primeiro e segundo colocados. Os altos gastos por aluno em 2009, não garantiram resultados proporcionais no IDEB do mesmo ano, porém, foi possível observar um salto no IDEB 2011 nesses municípios (vide tabelas 6 e 7). Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do Anuário 2010 da Frente Nacional de Prefeitos e do INEP (2012). Um aspecto que merece destaque é o aumento dos gastos per capita com educação em Campos dos Goytacazes. Conforme Tabela 4, foram despendidos com educação em 2009 um total de R$ ,00 com educação e este era o 38º município em gastos com educação per capita no estado, com uma despesa de R$ 3.316,00 por aluno. (MORAES, 2011) A Lei Municipal nº /2012 previa um orçamento para a Secretaria Municipal de Educação em 2013 de R$ ,00 e segundo o CENSO Escolar, o município tinha matrículas regulares e 812 especiais, totalizando matrículas no referido ano. Portanto, os gastos per capita com Educação em Campos passaram a R$ 5.474,00 por aluno, é possível observar um aumento de 65% no período de 2009 a (ORÇAMENTO, 2012) (INEP, 2014) Para 2014, o orçamento previsto foi de R$ ,00 conforme noticiado no site da Câmara do Vereadores. (CÂMARA, 2013) Espera-se que, assim como Quissamã e São João da Barra em 2011, o IDEB de Campos dê um salto no IDEB 2013, corroborando com ideia de Borges (2010), de que os investimentos em educação são de longo prazo.

10 Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do IBGE (2010). A principal contradição apresentada é a distância entre primeiro lugar no Produto Interno Bruto - PIB e os últimos resultados no IDEB. O município tem o 3º maior PIB do Estado do Rio de Janeiro e o 1º. da Região Norte Fluminense. (IBGE, 2010) Percebe-se que não há uma relação direta do PIB com gastos na Educação e, menos ainda, com os resultados no IDEB. Porém, questionamentos a respeito da forma como são adotadas as políticas públicas nesses ricos municípios se fazem necessárias, uma vez que, esse orçamento possibilita a implantação de políticas adequadas ao aumento da oferta e qualidade da educação. Na Região Norte Fluminense, temos o exemplo do município de São Fidélis que possui um PIB e gastos com educação moderados (abaixo dos gastos de Campos dos Goytacazes) e apresentou bons resultados no IDEB (vide tabelas 6 e 7). Apesar do significativo aumento no orçamento da Educação no período de 2009 a 2013, esse percentual em relação ao orçamento municipal se estagnou nos últimos anos, variou 1% como podemos observar abaixo (MORAES, 2012): Em 2011 o orçamento planejado da Educação foi de R$ 237 milhões (13,1%); Em 2012 o orçamento planejado da Educação foi de R$ 265,7 milhões (12,1%);

11 Em 2013 o orçamento planejado da Educação foi de R$ 295,6 milhões (12,2%); Em 2014 a previsão de orçamento da Educação é de R$ 326,4 milhões (13,1%). É possível observar outra contradição com relação ao ensino superior, dado que Campos dos Goytacazes tem se tornado destaque no cenário nacional com relação à qualidade do ensino no nível superior, enquanto a educação básica não atinge nem as modestas metas propostas. Em 2012, a Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF, situada em Campos, foi considerada a melhor universidade do Estado do Rio de Janeiro e a 12ª melhor do país. Esse sucesso tem sido atribuído à pesquisa e à formação dos docentes que, em sua totalidade, possuem doutorado e são contratados em regime de dedicação exclusiva. Realidade esta, muito diferente da encontrada na Rede Municipal de Ensino onde mais de 40% dos professores possuem só o ensino médio, quando todos deveriam ter, por princípio, pelo menos o nível superior. A realidade estadual é melhor, 83% possuem formação superior, como podemos observar no gráfico 1. (AVELLAR, 2012) Vale ressaltar assim os paradoxos: na medida em que, o ensino superior é o melhor do estado, o ensino fundamental é o pior. Outro é que mais da metade da população campista de 18 a 20 anos não estão aptos a ingressar no ensino superior e mais de 40% dos professores do ensino fundamental também não o fazem. Logo, observamos um contraste quando relacionamos a qualidade da educação superior do município à qualidade da formação básica da rede municipal de ensino. Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do Estudo Socioeconômico de Campos dos Goytacazes (2011).

12 Abaixo a relação dos municípios do Norte Fluminense e seus respectivos índices em ordem decrescente a partir do IDEB 2011 separadamente para os anos iniciais e finais do Ensino Fundamental. Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do INEP (2012). Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do INEP (2012). Conclusões Os resultados alcançados pelo município de Campos dos Goytacazes nos índices educacionais e econômicos expostos são antagônicos e refletem a precariedade da educação no município mais rico da Região Norte Fluminense. Estudos como de Piquet (2007) demonstram que o recebimento de recursos não reverbera em melhorias concretas para a população, o mau uso dos recursos públicos é frequentemente propalado na mídia e em outros canais de comunicação. A Indústria do

13 Petróleo tampouco tem se mostrado eficaz no desenvolvimento regional, uma vez que esses recursos não dialogam com a região. É preciso esclarecer que o bom desempenho nos índices de qualidade de ensino é decorrente também de outras causas além da econômica, porém esses recursos podem proporcionar a implantação de políticas públicas adequadas ao aumento da oferta e qualidade da educação. Fatores intra e extraescolares como comprometimento das direções, coordenações e professores com a escola, articulação entre os profissionais, trabalho em equipe, compromisso e apoio dos pais no processo educacional são fundamentais para atingir os resultados esperados. Freitas (2007) salienta que a elaboração de políticas de Estado que potencializem ações nos municípios corroboram com a melhoria do ensino, da mesma forma, as avaliações institucionais o fazem. A gestão escolar deve valorizar as ações desenvolvidas na escola, não isoladamente, mas relacionando-as com as políticas públicas já existentes. A constante discussão a respeito do tema é imprescindível para a melhoria da educação no país. Assim, as avaliações e seus resultados permitem mais do que classificar sucesso ou fracasso, nos permite diagnosticar a situação para orientar ações a fim de corrigir problemas e garantir, conforme direito constitucional, uma educação pública de qualidade para todos. BIBLIOGRAFIA CITADA AVELLAR, Simone. VANINI, Eduardo. Instituições de ensino superior reprovadas no Rio são todas privadas. O Globo, Rio de Janeiro, 7 dez Disponível em: < Acesso em: 3 jun BORGES, André. Federalismo, dinâmica eleitoral e políticas públicas no Brasil: uma tipologia e algumas hipóteses. Sociologias, Porto Alegre, ano 12, no 24, mai./ago BRASIL. Decreto n de 24 de abril de Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 25 abr Disponível em: < Acesso em: 29 maio CÂMARA começa a discutir Orçamento de R$ 2,4 bilhões para In: Site Oficial da Câmara de Vereadores de Campos dos Goytacazes Disponível em: < bilhoes-para-2014/>. Acesso em 10 jun

14 1 DELFINO, JUALMIR. ROSINHA: GRATIFICAÇÃO PARA ESCOLA QUE ATINGIR META DO IDEB. CAMPOS DOS GOYTACAZES, 20 OUT DISPONÍVEL EM: < ACESSO EM: 10 JUN ECONOMIA. In: Campos Turismo Disponível em: < Acesso em: 10 jun ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Campos dos Goytacazes: TCE-RJ, Disponível em: < Acesso em: 10 jun FREITAS, Luiz Carlos de. Eliminação adiada: o ocaso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Educ. Soc. [online]. 2007, vol.28, n.100, p Disponível em: < Acesso em: 10 jun IBGE. Censo Demográfico Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Disponível em: < Acesso em: 29 maio Produto Interno Bruto dos Municípios Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Disponível em: < Acesso em: 29 maio INEP. Censo Escolar. Brasília: Disponível em: < Acesso em: 10 maio Ideb 2011: Brasil continua a avançar. Brasília: Disponível em: < Acesso em: 10 maio INFOROYALTIES. Royalties e participações especiais. Disponível em: < Acesso em: 01 jun MORAES, Roberto. Mesmo com todos os royalties, Campos tem gasto per capita com Educação menor que a média dos municípios do mesmo porte no país. Blog do Roberto Moraes, 17 mar Disponível em: < Acesso em 20 jun Orçamento da Saúde e da Educação caem, proporcionalmente, nos últimos três anos em Campos. Blog do Roberto Moraes, 13 out Disponível em: < Acesso em 20 jun

15 1.1.1 ORÇAMENTO para 2013 é de R$ 2, 4 bilhões. In: Blog Campos em alerta Disponível em: < e-de-r-2-4-bilhoes.html>. Acesso em: 20 de jun PIQUET, Rosélia. Indústria do Petróleo e Dinâmica Regional: reflexões teóricometodológicas. In: PIQUET, R.; SERRA, R. (orgs). Petróleo e Região no Brasil, o desafio da abundância. Rio de Janeiro: Garamond, PNUD, Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Disponível em: < Acesso em: 10 jun RICO, Elizabeth Melo (org.). Avaliação Educacional: o sistema nacional de avaliação da educação básica. São Paulo: Cortez, ANEXO I Ensino Fundamental Regular - Anos Iniciais IDEB 2011 e Projeção 2013 da Rede Municipal de Ensino do Estado do Rio de Janeiro Código do Município Nome do Município IDEB 2011 Projeção SANTO ANTONIO DE PADUA 5,9 5, MIGUEL PEREIRA 5,8 5, RIO DAS OSTRAS 5,7 5, TERESOPOLIS 5,7 5, TRAJANO DE MORAIS 5,6 6, APERIBE 5,5 6, PATY DO ALFERES 5,5 4, SAO JOSE DE UBA 5,5 6, COMENDADOR LEVY GASPARIAN 5,4 5, ITALVA 5,4 5, NOVA FRIBURGO 5,4 5, RIO DE JANEIRO 5,4 5, VOLTA REDONDA 5,4 5, MANGARATIBA 5,3 5, MIRACEMA 5,3 5, CASIMIRO DE ABREU 5,2 5, PIRAI 5,2 5, RESENDE 5,2 5, SANTA MARIA MADALENA 5,2 6, ANGRA DOS REIS 5,1 4, BARRA MANSA 5,1 5, QUATIS 5,1 5, QUISSAMA 5,1 4, SAO FIDELIS 5,1 4, BOM JESUS DO ITABAPOANA 5,0 5, ITAPERUNA 5,0 5, MACAE 5,0 5, PORTO REAL 5,0 4, SAO JOSE DO VALE DO RIO PRETO 5,0 4,8

16 ITATIAIA 4,9 4, MENDES 4,9 5, PARACAMBI 4,9 4, PETROPOLIS 4,9 5, PINHEIRAL 4,9 5, ENGENHEIRO PAULO DE FRONTIN 4,8 5, PARAIBA DO SUL 4,8 5, RIO BONITO 4,8 4, SAO JOAO DA BARRA 4,8 4, SAO SEBASTIAO DO ALTO 4,8 5, SAQUAREMA 4,8 4, CABO FRIO 4,7 5, CAMBUCI 4,7 5, ITAOCARA 4,7 4, SAO PEDRO DA ALDEIA 4,7 4, VALENCA 4,7 4,9 Código do Município Nome do Município IDEB 2011 Projeção VARRE-SAI 4,7 5, AREAL 4,6 4, ARMACAO DOS BUZIOS 4,6 5, BOM JARDIM 4,6 5, CONCEICAO DE MACABU 4,6 4, IGUABA GRANDE 4,6 4, ITABORAI 4,6 4, NITEROI 4,6 5, PORCIUNCULA 4,6 5, RIO DAS FLORES 4,6 4, ARARUAMA 4,5 5, ARRAIAL DO CABO 4,5 5, BARRA DO PIRAI 4,5 5, CARAPEBUS 4,5 4, ITAGUAI 4,5 4, NATIVIDADE 4,5 4, TANGUA 4,5 4, TRES RIOS 4,5 5, NILOPOLIS 4,4 4, PARATI 4,4 4, RIO CLARO 4,4 5, CARMO 4,3 4, DUAS BARRAS 4,3 5, DUQUE DE CAXIAS 4,3 4, GUAPIMIRIM 4,3 4, MARICA 4,3 5, SAO FRANCISCO DE ITABAPOANA 4,3 4, SEROPEDICA 4,3 4, CORDEIRO 4,2 5, MACUCO 4,2 5, QUEIMADOS 4,2 4, SAO JOAO DE MERITI 4,2 4,8

17 CACHOEIRAS DE MACACU 4,1 5, MESQUITA 4,1 4, NOVA IGUACU 4,1 4, SAO GONCALO 4,1 4, SAPUCAIA 4,1 5, SILVA JARDIM 4,1 5, VASSOURAS 4,1 4, CANTAGALO 3,9 4, LAJE DO MURIAE 3,9 5, MAGE 3,9 4, BELFORD ROXO 3,8 4, CARDOSO MOREIRA 3,8 4, JAPERI 3,8 4, CAMPOS DOS GOYTACAZES 3,6 4,0 Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do INEP (2012).

18 ANEXO II Ensino Fundamental Regular - Anos Finais IDEB 2011 e Projeção 2013 da Rede Municipal de Ensino do Estado do Rio de Janeiro Código do Município Nome do Município IDEB 2011 Projeção BOM JESUS DO ITABAPOANA - 4, CACHOEIRAS DE MACACU - 4, CAMBUCI - 4, CANTAGALO - 5, CARMO - 5, CORDEIRO - 4, LAJE DO MURIAE - 5, SAO FRANCISCO DE ITABAPOANA - 4, SAO PEDRO DA ALDEIA - 4, VASSOURAS - 3, MIGUEL PEREIRA 5,6 5, PORCIUNCULA 5,3 5, SANTO ANTONIO DE PADUA 5,1 4, SAO FIDELIS 5,0 5, PARACAMBI 4,9 4, PATY DO ALFERES 4,9 5, SANTA MARIA MADALENA 4,9 5, APERIBE 4,8 4, ARRAIAL DO CABO 4,7 4, BARRA DO PIRAI 4,7 4, MIRACEMA 4,7 4, PINHEIRAL 4,7 4, RIO BONITO 4,7 4, BOM JARDIM 4,6 4, PARAIBA DO SUL 4,6 4, MANGARATIBA 4,5 4, NOVA FRIBURGO 4,5 5, PIRAI 4,5 4, RIO DAS OSTRAS 4,5 4, RIO DE JANEIRO 4,4 4, TERESOPOLIS 4,4 4, CARDOSO MOREIRA 4,3 4, ITALVA 4,3 4, QUEIMADOS 4,3 4, TANGUA 4,3 3, VOLTA REDONDA 4,3 5, ITAPERUNA 4,2 5, PETROPOLIS 4,2 4, SAO JOAO DA BARRA 4,2 4, TRES RIOS 4,2 4, BARRA MANSA 4,1 4, CONCEICAO DE MACABU 4,1 4,2

19 IGUABA GRANDE 4,1 4,3 Código do Município Nome do Município IDEB 2011 Projeção ITATIAIA 4,1 3, MACAE 4,1 4, NILOPOLIS 4,1 3, RESENDE 4,1 4, SAQUAREMA 4,1 4, ARMACAO DOS BUZIOS 4,0 4, ITAOCARA 4,0 4, MARICA 4,0 5, SAO JOSE DO VALE DO RIO PRETO 4,0 4, VALENCA 4,0 5, ANGRA DOS REIS 3,9 4, ARARUAMA 3,9 4, CASIMIRO DE ABREU 3,9 4, ENGENHEIRO PAULO DE FRONTIN 3,9 4, ITABORAI 3,9 4, ITAGUAI 3,9 3, QUISSAMA 3,9 4, RIO CLARO 3,9 4, CABO FRIO 3,8 4, COMENDADOR LEVY GASPARIAN 3,8 4, VARRE-SAI 3,8 3, AREAL 3,7 3, MENDES 3,7 4, NITEROI 3,7 4, RIO DAS FLORES 3,7 4, SEROPEDICA 3,7 4, GUAPIMIRIM 3,6 3, QUATIS 3,6 4, SILVA JARDIM 3,6 4, DUQUE DE CAXIAS 3,5 3, MESQUITA 3,5 4, NOVA IGUACU 3,5 4, SAO JOAO DE MERITI 3,5 3, CAMPOS DOS GOYTACAZES 3,4 3, MAGE 3,4 3, PORTO REAL 3,4 4, CARAPEBUS 3,3 4, DUAS BARRAS 3,3 4, SAPUCAIA 3,3 4, BELFORD ROXO 3,2 3, SAO GONCALO 3,2 3, NATIVIDADE 3,1 4, JAPERI 2,9 3, PARATI 2,9 4,9 Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do INEP (2012).

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UF Municipio RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Aperibé RJ Aperibé CNPJ Razão Social FUNDAÇÃO INSTITUTO DE DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 16/2015 Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref: Orientações para o Recolhimento da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis Teresópolis a) R$ 500,00 (quinhentos reais): Porteiro,

Leia mais

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu Apresentação: Lançado pelo SEBRAE RJ, é um roteiro turístico composto por 10 municípios do Estado do Rio de Janeiro; 3 Regiões turísticas: Metropolitana, Serra Verde Imperial, Costa do Sol - integradas

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Corregedor JUIZ ANTONIO AUGUSTO DE TOLEDO GASPAR Diretora -

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA RUBRICA: FLS.: 657 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA VOTO GC-2 1593/2014 PROCESSO: TCE-RJ N o 238.182-1/13 ORIGEM: COORDENADORIA DE AUDITORIA E

Leia mais

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos 1/14 1a. DP 4a. DP 5a. DP 6a. DP 7a. DP 9a. DP 10a. DP 12a. DP 13a. DP Totais Praça Mauá Praça da República Mem de Sá Cidade Nova Santa Teresa Catete Botafogo Copacabana Ipanema Homicídio doloso (total)

Leia mais

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando:

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando: RESOLUÇÃO CERHI-RJ Nº 107 DE 22 DE MAIO DE 2013 APROVA NOVA DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E REVOGA A RESOLUÇÃO CERHI N 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 O CONSELHO ESTADUAL

Leia mais

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO POR MEIO DO SiSU NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O Reitor da Universidade

Leia mais

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Municípios em Dados SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Equipe da Dimensão Territorial do Planejamento: Haidine da Silva Barros Duarte Francisco Filomeno Abreu Neto Paulo Cesar Figueredo

Leia mais

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 s Centro Regional de Apoio Administrativo Institucional MUNICÍPIOS Promotorias de Justiça ÚNICAS, CÍVEIS e de Proteção à INFÂNCIA

Leia mais

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO Código Serventia Nome da Serventia Município 1214 RCPN 02 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU (BARRA S. JO 1216 02 OFICIO DE JUSTICA CASIMIRO DE ABREU 1217 RCPN 01 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU 1221 OFICIO UNICO CONCEICAO

Leia mais

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. 1 CAPÍTULO XIV Dos Juízes de Direito nas Comarcas de Angra dos Reis, Araruama, Armação dos Búzios, Barra do Piraí, Belford Roxo, Bom Jesus do Itabapoana, Cabo Frio,

Leia mais

CUSTEIO 339093. Total: 12.860,57. Total: 6.513,13. Total: 8.272,46. Total: 10.317,23 33909302 RESTITUIÇÕES

CUSTEIO 339093. Total: 12.860,57. Total: 6.513,13. Total: 8.272,46. Total: 10.317,23 33909302 RESTITUIÇÕES CREDORES - R.P. e Realizadas - /INVESTIMENTO - Página: Page 1 of 16 02 RESTITUIÇÕES 2º DISTRITO DA COMARCA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES CNPJ/CPF: 23064378000154 2º RCPN DA COMARCA DA CAPITAL CNPJ/CPF: 23407222000129

Leia mais

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro - 2010 Lista de Abreviaturas e Siglas FOB Significa livre a bordo (free on board) o vendedor encerra suas obrigações quando a mercadoria

Leia mais

Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar. 25 de junho de 2008

Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar. 25 de junho de 2008 Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar 25 de junho de 2008 Estrutura da Apresentação I Objetivo do Trabalho; II Metodologia; e III Estudos de Caso. I Objetivo do Trabalho O objetivo

Leia mais

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Jurisdição das cidades da 7ª Região. Delegacia Cidade/Bairro* Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Pinheiral Pirai

Leia mais

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro Nº 20080101 Janeiro - 2008 Fernando Cavallieri, Fabrício Leal de Oliveira - IPP/Prefeitura

Leia mais

II O Concurso destina-se ao preenchimento de 200 vagas, bem como daquelas que surgirem no decorrer do prazo de validade do Concurso.

II O Concurso destina-se ao preenchimento de 200 vagas, bem como daquelas que surgirem no decorrer do prazo de validade do Concurso. DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO COORDENAÇÃO GERAL DO ESTÁGIO FORENSE XXXIX CONCURSO PARA ADMISSÃO AO ESTÁGIO FORENSE DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EDITAL *A Coordenadora

Leia mais

Q1 Cidade de Residência:

Q1 Cidade de Residência: Q Cidade de Residência: Respondidas: 8 Ignoradas: RIO DE JANEIRO ANGRA DO REIS APERIBE ARARUAMA AREAL ARMACAO DO BUZIOS ARRAIAL DO CABO BARRA DO PIRAI BARRA MANSA BELFORD ROXO BOM JARDIM BOM JESUS DO ITABAPOANA

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014 Fixa as normas do Processo Seletivo para ingresso na 3ª Turma do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000

CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000 CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000 Comarcas: Promotorias de Justiça da Infância e Juventude da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso e Promotorias de Justiça

Leia mais

Dia da Consciência Negra - feriados municipais

Dia da Consciência Negra - feriados municipais Nº UF Município 1 AL UNIAO DOS PALMARES 2 AM MANAUS 3 GO FLORES DE GOIAS 4 MG ITAPECERICA 5 MT ACORIZAL 6 MT AGUA BOA 7 MT ALTA FLORESTA 8 MT ALTO ARAGUAIA 9 MT ALTO DA BOA VISTA 10 MT ALTO GARCAS 11 MT

Leia mais

Livro Adicional Eletrônico XML

Livro Adicional Eletrônico XML PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA Diretoria Geral de Fiscalização e Apoio às Serventias Extrajudiciais Divisão de Monitoramento Extrajudicial Livro Adicional Eletrônico

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de, Janeiro e Fevereiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de, Janeiro

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO * RESOLUÇÃO N o 746/10 TRE/RJ O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e CONSIDERANDO que compete, privativamente, aos Tribunais Regionais, nos

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, agosto de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Setembro, Outubro e Novembro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, setembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Setembro, Outubro e Novembro

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Outubro, Novembro e Dezembro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, outubro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Outubro, Novembro e Dezembro

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Novembro e Dezembro de e Janeiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, novembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Novembro e Dezembro de

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de 2018 e Janeiro e Fevereiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de 2018 ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Janeiro, Fevereiro e Março de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, janeiro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Janeiro, Fevereiro e Março de

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de e Janeiro e Fevereiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de e Janeiro

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, agosto de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de

Leia mais

PROGRAMA O Drama MAIS da Inclusã EDUCAÇÃO - o PME Perversa

PROGRAMA O Drama MAIS da Inclusã EDUCAÇÃO - o PME Perversa PROGRAMA MAIS O Drama EDUCAÇÃO da Inclusão - PME Perversa Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Currículos e Educação Integral Construção da Política de Educação Integral no

Leia mais

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Recursos Humanos

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Recursos Humanos Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Recursos Humanos A presente pesquisa foi realizada em abril de 2012, na Unidade da Carioca,

Leia mais

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética A presente pesquisa foi realizada em abril de 2012, na unidade da

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEMAIS MUNICÍPIOS CT 2 MUNICÍPIO ENDEREÇO TELEFONE CEP ANGRA DOS REIS RUA QUARESMA JÚNIOR, 38 / 202 (22) 9836-0136 / 9830-0136 FAX: (22) 2664-1513 23.900-000

Leia mais

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Data: 2016-05-05 Índice Mapa do Estado Código de Cores Sinopse Variáves nas tabelas Região Metropolitana I Duque de Caxias e Rio

Leia mais

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Data: 2016-03-16 Situação da dengue em todos os municípios do estado do Rio de Janeiro referentes a semana epidemiológica 10-2016,

Leia mais

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Data: 2016-03-07 Situação da dengue em todos os municípios do estado do Rio de Janeiro referentes a semana epidemiológica 07-2016,

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO SOMANDO FORÇAS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO Localização: Região Sudeste 57% do PIB Nacional Área: 43.696

Leia mais

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Data: 2016-02-28 Situação da dengue em todos os municípios do estado do Rio de Janeiro referentes a semana epidemiológica 06-2016,

Leia mais

26.03.10 29.03.10 018216

26.03.10 29.03.10 018216 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C129 Caderno de turismo do Estado do Rio de Janeiro : passaporte para o desenvolvimento do Estado / [João Carlos Gomes, organização].

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública Estado do Rio de Janeiro

Pesquisa de Opinião Pública Estado do Rio de Janeiro Pesquisa Estado do Paraná Rio de Janeiro Outubro Junho de de 2018 Pesquisa Espírito Santo Junho de 2018 1 essa Pesquisa de Opinião Pública Estado do Rio de Janeiro Account Manager: Murilo Hidalgo (paranapesquisas@gmail.com

Leia mais

MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE

MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE FEVEREIRO DE 2011 MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE Coordenação Geral Martha Macedo de Lima Barata

Leia mais

Ministério Público do Rio de Janeiro Av. Marechal Câmara, 370 Centro CEP 20020-080 (em frente ao Protocolo)

Ministério Público do Rio de Janeiro Av. Marechal Câmara, 370 Centro CEP 20020-080 (em frente ao Protocolo) Pontos de coleta Rio de Janeiro Clube Naval Av. Rio Branco, 180 Centro Rio de Janeiro Primeira Igreja Batista do Recreio Rua Helena Manela, 101, Recreio, Rio de Janeiro Superintendência Regional da Receita

Leia mais

ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015.

ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Transportes Departamento de Transportes Rodoviários ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. REAJUSTA AS TARIFAS

Leia mais

HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013

HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013 HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013 Gerência de DST/AIDS/Hepatites Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Secretaria de Estado de Saúde DADOS GERAIS No Brasil: Prevalência do HIV

Leia mais

ATENÇÃO PSICOS. EXTRA-HOSP. ATENÇÃO PSICOS. EXTRA- HOSP res.235 PORTARIAS SIA

ATENÇÃO PSICOS. EXTRA-HOSP. ATENÇÃO PSICOS. EXTRA- HOSP res.235 PORTARIAS SIA 1 PROGRAMAÇÃO PACTUADA E INTEGRADA DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LIMITES FINANCEIROS GLOBAIS MENSAIS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - TETO ABRIL DE 2009 APROVADO EM REUNIÃO

Leia mais

Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais

Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais Requisitos: Para que a distribuição eletrônica ocorra são necessários: 1. Um sistema apto a criar um arquivo de texto cujos dados estejam de acordo com a formatação

Leia mais

PROFESSORA RAQUEL TINOCO

PROFESSORA RAQUEL TINOCO PROFESSORA RAQUEL TINOCO DIVISÃO TERRITORIAL Art. 9º ao14 ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA Regiões Judiciárias Comarcas Distritos Zonas Judiciárias Subdistritos Circunscrições 1 DIVISÃO JUDICIÁRIA Regiões Judiciárias

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 34 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 36 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 39 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 31 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 49 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 46 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 25 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 47 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 44 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 43 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 15 de 2017 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 20 de 2017 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 7 de 2017 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 46 de 2018 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 2 de 2019 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 9 de 2019 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 11 de 2019 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

RESOLUÇÃO SES N 1477 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 ATUALIZA O PROGRAMA DE FINANCIAMENTO INTEGRADO DA ATENÇÃO BÁSICA COFINANCIAMENTO ESTADUAL.

RESOLUÇÃO SES N 1477 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 ATUALIZA O PROGRAMA DE FINANCIAMENTO INTEGRADO DA ATENÇÃO BÁSICA COFINANCIAMENTO ESTADUAL. RESOLUÇÃO SES N 1477 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 ATUALIZA O PROGRAMA DE FINANCIAMENTO INTEGRADO DA ATENÇÃO BÁSICA COFINANCIAMENTO ESTADUAL. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE e Gestor do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial

Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial 29 Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial Gabriel Barreto Correa (*) Isabel Opice (**) 1 Introdução Não é novidade que o Brasil apresenta, além de índices educacionais muito baixos

Leia mais

Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS)

Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) VOLUME 2 Diagnóstico

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Janeiro/2014 Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Expediente

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Janeiro/2014 Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Expediente

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira NOTA INFORMATIVA DO IDEB 2013 (Atualizada em maio de 2015) Os resultados do Ideb 2013 para escola, município,

Leia mais

COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich *

COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich * COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich * Como introdução ao tema, algumas observações se fazem necessárias. Primeiro, deve ser considerado que se trata de um

Leia mais

Demanda Potencial e Universidade: notas sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Demanda Potencial e Universidade: notas sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro Demanda Potencial e Universidade: notas sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro Documento de Trabalho nº 29 Série Educação em Números Edson Nunes Enrico Martignoni Márcia Marques de Carvalho Março

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 11/2016 Rio de Janeiro, 29 de março de 2016. Ref: Desconto da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor Novamente estamos no período do desconto da Contribuição Sindical, anteriormente

Leia mais

DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Gláucio José Marafon 1 João Rua 1 Adriana Paula da Silva Galhardo 2 Alvaro Henrique de Souza Ferreira 2 Ivan Luiz de Oliveira

Leia mais

SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da da CIB CIB

SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da da CIB CIB SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da CIB CREDENCIAMENTOS Processo - E-08/05034/2012 - Credenciamento da Unidade de Saúde CAPS-IMBARIÊ, CNES nº 7032862, localizado no Município de Duque de Caxias RJ

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

1 Introdução. Lei Nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

1 Introdução. Lei Nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 11 1 Introdução No contexto da reforma da administração do Estado, ocorrida com o fim da ditadura militar, a educação sofreu ajustamentos que se refletiram nas mudanças ocorridas na legislação durante

Leia mais

26.03.10 29.03.10 018216

26.03.10 29.03.10 018216 1 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C129 Caderno de turismo do Estado do Rio de Janeiro : passaporte para o desenvolvimento do Estado / [João Carlos Gomes,

Leia mais

Nome da Unidade Endereço da Unidade Telefone da Unidade E-mails funcionais dos Membros

Nome da Unidade Endereço da Unidade Telefone da Unidade E-mails funcionais dos Membros PROMOTORIA DE JUSTIÇA JUNTO ÀS TURMAS RECURSAIS CRIMINAIS DA CAPITAL AVENIDA MARECHAL CÂMARA 350 7º ANDAR 20020080 CENTRO RIO DE carlara@mprj.mp.br PROMOTORIA DE JUSTIÇA JUNTO AO XVIII JUIZADO ESPECIAL

Leia mais

CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CREAS

CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CREAS CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - MUNICÍPIOS NOMES ENDEREÇOS TELEFONES EMAILS Angra dos Reis Aperibé Araruama Areal Armação de Búzios Arraial do Cabo Barra do Piraí Barra Mansa

Leia mais

Conheça as 20 metas aprovadas para o Plano Nacional da Educação _PNE. Decênio 2011 a 2021. Aprovado 29/05/2014

Conheça as 20 metas aprovadas para o Plano Nacional da Educação _PNE. Decênio 2011 a 2021. Aprovado 29/05/2014 Conheça as 20 metas aprovadas para o Plano Nacional da Educação _PNE Decênio 2011 a 2021. Aprovado 29/05/2014 Meta 1 Educação Infantil Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 4 e

Leia mais

O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada

O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco Rudi Rocha 1. Introdução Ao longo da última década, o Brasil vêem experimentando

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

PNE: análise crítica das metas

PNE: análise crítica das metas PNE: análise crítica das metas Profa. Dra. Gilda Cardoso de Araujo Universidade Federal do Espírito Santo Ciclo de Palestras do Centro de Educação 2015 Metas do PNE Contexto Foram 1.288 dias de tramitação,

Leia mais

EAD na Graduação-UFRJ

EAD na Graduação-UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro EAD na Graduação-UFRJ Belkis Valdman Pró Reitora de Graduação Caetano Moraes Coordenador UFRJ - UAB Dalva Kato Técnica de Assuntos Educacionais EAD 1 Cursos de Graduação

Leia mais

QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Resumo: Vanessa Campagnac Thaís C. Ferraz Thiago Soliva Poucas pesquisas foram realizadas objetivando

Leia mais

INTERNADOS INVOLUNTARIAMENTE

INTERNADOS INVOLUNTARIAMENTE 2012 RELATÓRIO do MÓDULO DE SAÚDE MENTAL - 2012 O Módulo de Saúde Mental - MSM é um sistema informatizado desenvolvido para o envio das notificações de internações psiquiátricas involuntárias, bem como

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT

Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT Senhor presidente, Senhores e senhoras senadoras, Amigos que nos acompanham pela agência Senado e redes sociais, Hoje, ocupo

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Autor(a): Alessandra Barbara Santos de Almeida Coautor(es): Alessandra Barbara Santos de Almeida, Gliner Dias Alencar,

Leia mais