Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti"

Transcrição

1 Municípios em Dados SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Equipe da Dimensão Territorial do Planejamento: Haidine da Silva Barros Duarte Francisco Filomeno Abreu Neto Paulo Cesar Figueredo Vitor Acselrad

2 Municípios em Dados Vitor Acselrad No âmbito da SUBPL, a equipe dedicada ao estudo da Dimensão Territorial do Planejamento (DTP) assumiu a tarefa de, com vistas às próximas avaliações e revisões do planejamento do Estado, selecionar, apresentar e analisar os dados mais relevantes do banco de informações elaborado através da consultoria da FUJB. Os dados referentes à dinâmica demográfica recente dos municípios, à economia e às finanças municipais, bem como a indicadores sociais básicos, são exibidos adiante através de tabelas, mapas e gráficos. A intenção é tornar público o início do trabalho da equipe. Os dados demográficos devem ser os de maior interesse para os autores e gestores dos planos estaduais do Governo, uma vez que, em última instância, é a serviço da população que devem estar todas as políticas públicas, e é no território onde essas políticas devem ser implementadas. Conhecer a população fluminense é pressuposto de toda política pública comprometida com os direitos dos cidadãos. Os dados econômicos também revelarão como o planejamento deve estar atento à dinâmica espacial da população. A menção ao território e aos municípios não é fortuita. A população não apenas apresenta um padrão de dispersão e concentração espacial, mas também se localiza em territórios pelos quais respondem os poderes públicos em geral, entre os quais o poder municipal. Diante disso, e na certeza de que a coordenação de esforços é decisiva para o sucesso da intervenção pública, desde já dedicamos atenção à situação das finanças públicas municipais. As principais necessidades e potencialidades de cada município fluminense devem ser consideradas na perspectiva da referida coordenação de esforços e do constante aperfeiçoamento das políticas do Governo estadual para as diversas regiões em que se divide o Estado.

3 Atualmente, o Estado do Rio de Janeiro é subdividido em 92 municípios e oito regiões de Governo, sendo estas útlimas a Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ), a Região Noroeste, a Região Norte, a Região das Baixadas Litorâneas, a Região Serrana, a Região Centro-Sul, a Região do Médio Paraíba e a Região da Costa Verde. Desde 1975, o Governo fluminense inclui a dimensão regional no seus instrumentos de planejamento. De um modo geral, os diferentes planos de Governo afirmaram um compromisso com a promoção do desenvolvimento espacial integrado. Foram observados avanços no aspecto metodológico da elaboração do planejamento regional fluminense. O 3º Plano Estadual de Governo desde a fusão dos Estados do Rio de Janeiro e da Guanabara criticou a divisão regional vigente, de corte puramente teórico, sem a participação dos municípios. O 4º Plano de Governo, adotado em 1988 e responsável pela atual regionalização do Estado, elencou instrumentos para reverter os desequilíbrios espaciais, como a municipalização de serviços básicos, a articulação intersetorial e intergovernamental e a interiorização dos programas estaduais. Na prática, a tradição de privilegiar políticas setoriais relegou os planos de um desenvolvimento regional equilibrado ao campo do discurso. Paralelamente, as regiões não adquiriram uma clara expressão política, mantendo uma identidade relativamente abstrata. Em que pese a inexistência de níveis de governo propriamente regionais, a figura jurídica das regiões favorece o seu desenvolvimento de modo equitativo. A questão territorial, encarada com o devido rigor conceitual, tornou-se premente em áreas cruciais da administração, a exemplo da segurança pública, cujos desafios prometem extrapolar cada vez mais a Região Metropolitana do Estado. Após duas décadas de transformações territoriais e formação de novos municípios, parece oportuno refletir sobre a dinâmica regional fluminense. Nisso consiste o interesse deste trabalho.

4 DEMOGRAFIA As mais recentes informações referentes à dinâmica demográfica do Estado do Rio de Janeiro são preliminares e mesmo provisórias, uma vez que se baseiam tanto em dados Censo de 2000 como nas estimativas de população elaboradas pelo IBGE para A expectativa é que os técnicos e gestores da SUBPL tenham acesso, tão cedo quanto possível, aos resultados do Censo de 2010, realizado em todo o território nacional. Vemos na Tabela A, para cada região e cada município, a participação de suas respectivas populações na população total fluminense estimada em 2009, bem como o crescimento de cada uma delas, em ordem de importância, entre 2000 e Todas as tabelas neste trabalho estão seccionadas por região. TABELA A Municípios e Regiões População estimada 2009 (% do ERJ) Crescimento demográfico 2000/2009 (%) Estado do Rio de Janeiro 100,0% 11,3 Região Metropolitana 73.3% 8,8 Guapimirim 0.3% 31,1 Itaguaí 0.7% 28,8 Itaboraí 1.4% 22,1 Japeri 0.6% 22,1 Seropédica 0.5% 20,8 Magé 1.5% 18,7 Tanguá 0.2% 17,2 Belford Roxo 3.1% 15,4 Nova Iguaçu 5.4% 14,7 Mesquita 1.2% 14,4 Queimados 0.9% 14,3 Duque de Caxias 5.5% 12,5 São Gonçalo 6.2% 11,3 Paracambi 0.3% 11,2 Rio de Janeiro 38.6% 5,6 São João de Meriti 2.9% 4,5 Niterói 3.0% 4,3 Nilópolis 1.0% 3,7 Fonte: IBGE.

5 DEMOGRAFIA Região e Municípios TABELA A População estimada 2009 (% do ERJ) Crescimento demográfico 2000/2009 (%) Região Norte Fluminense 5.1% 16,1 Macaé 1.2% 46,8 Quissamã 0.1% 45,4 Carapebus 0.1% 37,8 São Francisco de Itabapoana 0.3% 16,3 São João da Barra 0.2% 10,5 Conceição de Macabu 0.1% 10,1 São Fidélis 0.2% 6,7 Campos dos Goytacazes 2.7% 6,6 Cardoso Moreira 0.1% 0,9 Região e Municípios População estimada 2009 (% do ERJ) Crescimento demográfico 2000/2009 (%) Região Noroeste Fluminense 2.0% 8,6 Aperibé 0.1% 19,2 Italva 0.1% 16,3 Porciúncula 0.1% 15,6 Itaperuna 0.6% 14,7 São José de Ubá 0.0% 13,8 Varre Sai 0.1% 12,7 Santo Antônio de Pádua 0.3% 9,6 Bom Jesus do Itabapoana 0.2% 4,9 Natividade 0.1% 1,9 Laje do Muriaé 0.0% 1,1 Cambuci 0.1% 0,7 Miracema 0.2% 0,9 Itaocara 0.1% 2,4 Região e Municípios População estimada 2009 (% do ERJ) Crescimento demográfico 2000/2009 (%) Região da Costa Verde 1.5% 36,4 Angra dos Reis 1.1% 41,4 Mangaratiba 0.2% 30,6 Parati 0.2% 20,9 Fonte: IBGE.

6 DEMOGRAFIA Região e Municípios TABELA A População estimada 2009 (% do ERJ) Crescimento demográfico 2000/2009 (%) Região Centro Sul Fluminense 1.7% 7,6 Areal 0.1% 21,0 Comendador Levy Gasparian 0.1% 11,5 Paraíba do Sul 0.3% 11,4 Vassouras 0.2% 8,9 Engenheiro Paulo de Frontin 0.1% 8,6 Miguel Pereira 0.2% 8,2 Três Rios 0.5% 5,7 Paty do Alferes 0.2% 5,1 Mendes 0.1% 3,4 Sapucaia 0.1% 1,2 Região e Municípios População estimada 2009 (% do ERJ) Crescimento demográfico 2000/2009 (%) Região Serrana 5.1% 9,4 Carmo 0.1% 17,9 Teresópolis 1.0% 17,4 Bom Jardim 0.2% 17,2 Macuco 0.0% 15,1 Petrópolis 2.0% 10,0 Sumidouro 0.1% 8,0 São Sebastião do Alto 0.1% 7,7 Cordeiro 0.1% 7,0 São José do Vale do Rio Preto 0.1% 6,7 Duas Barras 0.1% 5,4 Cantagalo 0.1% 3,6 Nova Friburgo 1.1% 3,0 Santa Maria Madalena 0.1% 2,9 Trajano de Morais 0.1% 1,2 Fonte: IBGE.

7 DEMOGRAFIA Região e Municípios TABELA A População Estimada 2009 (% do ERJ) Crescimento Demográfico 2000/2009 (%) Região Baixadas Litorâneas 5.7% 43,4 Rio das Ostras 0.6% 165,3 Maricá 0.8% 60,9 Armação dos Búzios 0.2% 57,4 Iguaba Grande 0.1% 52,1 Cabo Frio 1.2% 46,7 Casimiro de Abreu 0.2% 38,0 São Pedro da Aldeia 0.5% 34,2 Araruama 0.7% 32,5 Saquarema 0.4% 32,2 Cachoeiras de Macacu 0.4% 18,0 Arraial do Cabo 0.2% 12,6 Rio Bonito 0.3% 10,8 Silva Jardim 0.1% 4,5 Região e Municípios População Estimada 2009 (% do ERJ) Variação Demográfica (%) 2000/2009 Região do Médio Paraíba 5.6% 13,2 Itatiaia 0.2% 43,8 Porto Real 0.1% 34,4 Resende 0.8% 24,4 Quatis 0.1% 22,4 Piraí 0.2% 18,1 Barra do Piraí 0.6% 17,3 Rio das Flores 0.1% 15,2 Pinheiral 0.1% 14,9 Valença 0.5% 14,3 Rio Claro 0.1% 13,2 Volta Redonda 1.6% 8,0 Barra Mansa 1.1% 3,6 FONTE: IBGE.

8 DEMOGRAFIA Na Tabela A, destaca-se a Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ), que continuou a se expandir nesta década, com taxas de crescimento até superiores às das regiões Noroeste e Centro-Sul. A primeira constatação é, portanto, o persistente padrão fortemente desigual de distribuição da população no Estado, com mais de 70% dela concentrada na RMRJ, em cuja periferia há cinco municípios com crescimento estimado superior a 20% de 2000 a Uma segunda constatação consiste na forte expansão demográfica de nove cidades das Baixadas Litorâneas (com destaque para Rio das Ostras, Maricá, A. dos Búzios, Iguaba Grande e Cabo Frio), três da Região Norte (sobretudo Macaé e Quissamã), uma da Costa Verde (Angra dos Reis) e uma do Médio Paraíba (Itatiaia). Regionalmente, destacam-se as Baixadas Litorâneas, cujo crescimento estimado é de 43,3% em , chegando a 165,3% no caso de Rio das Ostras. Em contrapartida, estimam-se decréscimos na população de quatro municípios, a saber: Itaocara e Miracema, na Região Noroeste, Cardoso Moreira, na Norte, e Trajano de Morais, na Serrana. O Gráfico 1 ilustra os dados agregados por região. GRÁFICO 1: Crescimento e Participação da população regional na população estadual 50,0% 45,0% 40,0% 35,0% 30,0% 25,0% 20,0% 15,0% 10,0% 5,0% 0,0% 80,0% 75,0% 70,0% 65,0% 60,0% 55,0% 50,0% 45,0% 40,0% 35,0% 30,0% 25,0% 20,0% 15,0% 10,0% 5,0% 0,0% Crescimento Proporção FONTE: IBGE.

9 DEMOGRAFIA No Gráfico 1, o eixo da esquerda indica o crescimento demográfico estimado, e o eixo da direita, a proporção esperada da população fluminense residente em cada região em A Tabela B relaciona os dados da distribuição proporcional do eleitorado fluminense pelos municípios e regiões conforme dados do TSE atualizados em julho de Basicamente, eles acompanham a distribuição espacial do conjunto da população do Estado. Fonte: TSE RJ. TABELA B Participação do Eleitorado das Regiões e Municípios no Total de Eleitores do Estado do Rio de Janeiro julho de 2010 Estado do Rio de Janeiro 100,00% Região Metropolitana 72.7% Belford Roxo 2.6% Duque de Caxias 5.1% Guapimirim 0.3% Itaboraí 1.3% Itaguaí 0.7% Japeri 0.6% Magé 1.4% Mesquita 1.1% Nilópolis 1.1% Niterói 3.2% Nova Iguaçu 4.7% Paracambi 0.3% Queimados 0.8% Rio de Janeiro 40.3% São Gonçalo 5.6% São João de Meriti 3.0% Seropédica 0.4% Tanguá 0.2% Participação do Eleitorado das Regiões e Municípios no Total de Eleitores do Estado do Rio de Janeiro julho de 2010 Região Noroeste Fluminense 2.1% Aperibé 0.1% Bom Jesus do Itabapoana 0.2% Cambuci 0.1% Italva 0.1% Itaocara 0.2% Itaperuna 0.6% Laje do Muriaé 0.1% Miracema 0.2% Natividade 0.1% Porciúncula 0.1% Santo Antônio de Pádua 0.3% São José de Ubá 0.1% Varre Sai 0.1% Fonte: TSE RJ. Participação do Eleitorado das Regiões Municípios no Total de Eleitores do Estad Rio de Janeiro julho de 2010 Região Norte Fluminense 5.3% Campos dos Goytacazes 2.9% Carapebus 0.1% Cardoso Moreira 0.1% Conceição de Macabu 0.1% Macaé 1.2% Quissamã 0.1% São Fidélis 0.3% São Francisco de Itabapoana 0.3% São João da Barra 0.2% Fonte: TSE RJ.

10 DEMOGRAFIA TABELA B Participação do Eleitorado das Regiões e Municípios no Total de Eleitores do Estado do Rio de Janeiro julho de 2010 Região Serrana 5.5% Bom Jardim 0.2% Cantagalo 0.1% Carmo 0.1% Cordeiro 0.1% Duas Barras 0.1% Macuco 0.0% Nova Friburgo 1.3% Petrópolis 2.1% Santa Maria Madalena 0.1% São José do V.R. Preto 0.1% São Sebastião do Alto 0.1% Sumidouro 0.1% Teresópolis 1.0% Trajano De Morais 0.1% Fonte: TSE RJ. Participação do Eleitorado das Regiões e Municípios no Total de Eleitores do Estado do Rio de Janeiro julho de 2010 Região da Costa Verde 1.4% Angra dos Reis 1.0% Mangaratiba 0.2% Parati 0.2% Fonte: TSE RJ. Participação do Eleitorado das Regiões e Municípios no Total de Eleitores do Estado do Rio de Janeiro julho de 2010 Região Centro Sul Fluminense 1.9% Areal 0.1% Comendador Levy Gasparian 0.1% Engenheiro Paulo de Frontin 0.1% Mendes 0.1% Miguel Pereira 0.2% Paraíba Do Sul 0.3% Paty do Alferes 0.2% Sapucaia 0.1% Três Rios 0.5% Vassouras 0.2% Fonte: TSE RJ. Participação do Eleitorado das Regiõe Municípios no Total de Eleitores do Estado de Janeiro julho de 2010 Região das Baixadas Litorâneas 5.6% Araruama 0.7% Armação dos Búzios 0.2% Arraial Do Cabo 0.2% Cabo Frio 1.1% Cachoeiras de Macacu 0.4% Casimiro de Abreu 0.2% Iguaba Grande 0.2% Maricá 0.7% Rio Bonito 0.4% Rio das Ostras 0.5% São Pedro da Aldeia 0.5% Saquarema 0.5% Silva Jardim 0.1% Fonte: TSE RJ.

11 DEMOGRAFIA TABELA B Participação do Eleitorado das Regiões e Municípios no Total de Eleitores do Estado do Rio de Janeiro julho de 2010 Região do Médio Paraíba 5.6% Barra Do Piraí 0.6% Barra Mansa 1.1% Itatiaia 0.2% Pinheiral 0.1% Piraí 0.2% Porto Real 0.1% Quatis 0.1% Resende 0.7% Rio Claro 0.1% Rio Das Flores 0.1% Valença 0.5% Volta Redonda 1.8% Fonte: TSE RJ. Naturalmente, a distribuição dos eleitores por regiões e municípios segue de perto aquela referente à população em geral. Enquanto a RMRJ concentra mais de 70% dos eleitores fluminenses, há três regiões cujos eleitores representam, somados, apenas 4% do total estadual. Há ainda cinco regiões na página acima que abrigam, cada uma, mais de 5% do eleitorado do Rio de Janeiro. À luz da evolução demográfica recente das Baixadas Litorâneas e de sua base de crescimento (muito maior que a da segunda região cuja taxa de expansão foi expressiva a Costa Verde), pode-se esperar algum aumento em seu peso político nos próximos anos. Nada, porém, que torne este peso comparável ao da RMRJ, onde apenas São Gonçalo equivale a toda a Região das Baixadas Litorâneas ou às regiões Noroeste, Centro-Sul e da Costa Verde juntas. O Mapa 1 ilustra isso, com destaque para a l, com 40,3% do eleitorado estadual, São Gonçalo (5,6%), Duque de Caxias (5,1%), Nova Iguaçú (4,7%) e Niterói (3,2%). Somente em Niterói há aproximadamente o mesmo número de eleitores que nas regiões Noroeste e da Costa Verde em conjunto.

12 DEMOGRAFIA MAPA 1: Municípios Fluminenses Fonte: TSE RJ.

13 ECONOMIA A economia fluminense apresentou um comportamento cuja associação com o quadro demográfico é bastante nítida em determinados aspectos. Abaixo, a Tabela C indica a evolução do emprego formal nas regiões do Estado segundo os setores discriminados nas colunas. Três regiões se destacam pela maior expansão no total de empregos que criaram. São elas as regiões Norte, das Baixadas Litorâneas e da Costa Verde. A única em que a indústria de transformação ganhou expressão significativamente maior foi a da Costa Verde, cuja indústria naval foi reativada nos últimos anos. A indústria do petróleo é um dos fatores por trás do substantivo aumento do emprego formal nas regiões Metropolitana e Norte. Nesta última, assim como nas Biaxadas Litorâneas, nota-se ainda um surto de crescimento dos empregos na construção civil. Localiza-se em ambas as regiões e na Costa Verde o maior surto de expansão do emprego no setor de serviços geralmente atrelado ao emprego na indústria. No caso das Baixadas Litorâneas, cuja indústria não prosperou muito no período, os novos empregos estão parcialmente ligados à evolução recente das finanças públicas locais, como veremos mais adiante. Regiões TABELA C Variação do emprego formal nas Regiões de Governo do Rio de Janeiro entre 1995 e 2008 Agropecuária Ind. extrativa mineral Ind. Transformação Construção civil Comércio Serviços Adm. Pública Metropolitana 67,2 435,2 9,4 40,4 55,5 39,4 17,6 28,3 Noroeste Fluminense 19,0 98,3 74,7 115,3 123,3 80,0 52,1 68,0 Norte Fluminense 2, ,1 84,7 378,3 179,5 196,3 87,7 169,1 Serrana 31,6 16,3 24,5 56,9 65,8 39,4 55,2 39,9 Baixadas Litorâneas 19,8 42,4 59,2 314,6 229,2 174,6 117,9 144,0 Médio Paraíba 13,3 41,3 5,7 81,3 94,2 45,8 37,5 37,7 Centro Sul Fluminense 25,6 168,4 2,5 69,7 62,9 104,2 68,8 56,5 Costa Verde 9,4 11,1 218,6 28,9 147,2 248,7 119,1 148,1 Estado do Rio de Janeiro 13,2 421,3 1,7 59,4 67,8 48,3 26,9 38,1 Fonte: RAIS/MTE. Total

14 ECONOMIA MAPA 2: Municípios Fluminenses Fonte: IBGE.

15 ECONOMIA MAPA 3: Municípios Fluminenses Fonte: IBGE e elaboração do autor.

16 ECONOMIA Nos Mapas 2 e 3, respectivamente, vemos o crescimento da população e do PIB de cada município. (Os dados são do IBGE, e os do PIB foram convertidos em valores reais e em taxas anuais para essa ilustração.) Convém chamar a atenção sobretudo para as manchas em azul escuro, onde se observaram as maiores taxas de crescimento, e áreas em branco, que incluem municípios com crescimento acumulado negativo situação tanto mais intrigante quando se percebe que se trata de um considerável espaço de tempo. A mais evidente associação positiva entre as duas variações localiza-se em três zonas : o extremo oeste do Médio Paraíba (Resende e Porto Real), toda a Costa Verde e as áreas contíguas das regiões Norte e das Baixadas Litorâneas. Dos cinco municípios que associaram mais fortemente o boom econômico e o demográfico, quatro estão nas Baixadas Litorâneas Rio das Ostras, Casimiro de Abreu, Búzios e Cabo Frio. No extremo oposto da mesma região, Maricá e Saquarema também crescem rapidamente. Na região Norte, Macaé, Carapebus e São João da Barra seguem a mesma tendência. Antes mesmo de recorrermos a análises quantitativas mais precisas, o plano geográfico sugere outras relações espaciais, desta vez entre diferentes municípios. Nas imediações de Resende, o município de Barra Mansa apresenta um quadro de estagnação econômica e relativa estabilidade demográfica. Já Itatiaia, em que pese a grave estagnação da economia local (-1% a.a.), exibe taxas de crescimento populacional elevadas (43,8% acumulado em ). Essa dinâmica requer um escrutínio mais detido na escala regional, pois corrobora a hipótese de existência de alguma relação com os municípios vizinhos. O caso de Itatiaia estagnação do PIB e persistente expansão da população se reproduz em Arraial do Cabo e Conceição de Macabu, nos arredores do novo eixo litorâneo de crescimento ao Norte, situado entre Cabo Frio e Quissamã. Por sua vez, o caso de Barra Mansa repete-se no arco em branco acima do referido eixo litorâneo ao Norte arco formado por Silva Jardim, Friburgo, Trajano de Morais e Santa Maria Madalena. São padrões que exigem atenção do gestor público.

17 FINANÇAS MUNICIPAIS Para além da atenção do Governo, os novos desequilíbrios intra-regionais, decorrentes da emergência de novos polos de crescimento no interior do Estado, requerem estudos e previsões que permitam a antecipação e questões para as quais a falta de soluções pode significar a reprodução de mazelas vividas até hoje sobretudo pela população da Região Metropolitana. Tais soluções, naturalmente, devem incluir a participação dos poderes locais, cujos instrumentos dependem do estado de suas finanças públicas. A Tabela D apresenta dados do quadro de servidores e de receitas e despesas municipais, bem como a posição de cada município no ranking montado pelo consultor da FUJB, que não chegou a hierarquizar as regiões segundo os dados da primeira coluna ou das duas últimas. Em razão disso, calculou-se a simples média das posições dos municípios, criando-se uma hierarquia regional para todas as colunas de dados. TABELA D Finanças Públicas e Quadro de Servidores dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro em 2008 Municípios e Regiões Habitantes por servidor RCL per Peso dos royalties na RCL Custeio per Investimento per Região Metropolitana ,21 8 3, Belford Roxo 45, , , , ,91 89 Duque de Caxias 67, , , , ,51 29 Guapimirim 33, , , , ,35 59 Itaboraí 60, , , , ,33 68 Itaguaí 16, , , , ,20 14 Japeri 58, , , , ,18 66 Magé 107, , , , ,19 60 Mesquita 111, , , , ,23 65 Nilópolis 44, , , , ,28 64 Niterói 49, , , , ,01 79 Nova Iguaçu 103, , , , ,19 40 Paracambi 44, , , , ,34 78 Queimados 58, , , , ,60 69 Rio De Janeiro 67, , , , ,00 32 São Gonçalo 61, , , , ,95 85 São João de Meriti 99, , , , ,94 73 Seropédica 46, , , , ,62 56 Tanguá 42, , , , ,82 36 FONTE: FINBRA/STN, TCE/RJ, RAIS e IBGE.

18 FINANÇAS MUNICIPAIS TABELA D inanças Públicas e Quadro de Servidores dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro em 2008 Municípios e Regiões Habitantes por servidor RCL per Peso dos royalties na RCL (%) Custeio per Investimento per Região Norte , , Campos dos Goytacazes 34, , , ,33 4 Carapebus 10, , , , ,26 12 Cardoso Moreira 17, , , , ,39 18 Conceição de Macabu 29, , , , ,81 30 Macaé 21, , , , ,16 6 Quissamã 10, , , ,00 1 São Fidélis 20, , , , ,21 43 São Francisco de Itabapoana 40, , , , ,77 81 São João da Barra 13, , , , ,51 3 FONTE: FINBRA/STN, TCE/RJ, RAIS e IBGE. Municípios e Regiões Finanças Públicas e Quadro de Servidores dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro em 2008 Habitantes por servidor RCL per Peso dos royalties na RCL (%) Custeio per Investimento per Região Noroeste , , Aperibé 19, , , , ,75 41 Bom J. do Itabapoana 34, , , , ,02 91 Cambuci 15, , , , ,00 62 Italva 27, , , , ,98 72 Itaocara 28, , , , ,08 52 Itaperuna 60, , , , ,07 82 Laje do Muriaé 14, , , , ,21 92 Miracema 22, , , , ,26 38 Natividade 16, , , , ,33 25 Porciúncula 23, , , , ,55 26 Santo A. de Pádua 29, , , , ,46 71 São José de Ubá 13, , , , ,03 47 Varre Sai 12, , , , ,25 48 FONTE: FINBRA/STN, TCE/RJ, RAIS e IBGE.

19 FINANÇAS MUNICIPAIS TABELA D Finanças Públicas e Quadro de Servidores dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro em 2008 Municípios e Regiões Habitantes por servidor RCL per Peso dos royalties na RCL (%) Custeio per Investimento per Região do Médio Paraíba ,42 4 7, Barra Do Piraí 47, , , , ,18 54 Barra Mansa 45, , , , ,45 44 Itatiaia 19, , , , ,53 75 Pinheiral 21, , , , ,46 17 Piraí 13, , , , ,72 19 Porto Real 15, , , , ,83 5 Quatis 23, , , , ,37 15 Resende 31, , , , ,54 27 Rio Claro 19, , , , ,47 9 Rio Das Flores 9, , , , ,29 11 Valença 19, , , , ,92 87 Volta Redonda 29, , , , ,22 22 FONTE: FINBRA/STN, TCE/RJ, RAIS e IBGE. Finanças Públicas e Quadro de Servidores dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro em 2008 Municípios e Regiões Habitantes por servidor RCL per Peso dos royalties na RCL (%) Custeio per Investimento per Centro Sul Fluminense ,20 6 9, Areal 19, , , ,68 39 Comendador L. Gasparian 13, , , , ,80 70 Engenheiro P. de Frontin 34, , , , ,98 21 Mendes 15, , , , ,73 37 Miguel Pereira 23, , , , ,35 34 Paraíba do Sul 32, , , ,88 80 Paty do Alferes 15, , , , ,32 35 Sapucaia 25, , , , ,45 49 Três Rios 36, , , ,19 57 Vassouras 43, , , , ,70 74 FONTE: FINBRA/STN, TCE/RJ, RAIS e IBGE.

20 FINANÇAS MUNICIPAIS TABELA D Municípios e Regiões Finanças Públicas e Quadro de Servidores dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro em 2008 Habitantes por servidor RCL per Peso dos royalties na RCL (%) Custeio per Investimento per Baixadas Litorâneas , , Araruama 25, , , , ,05 88 Armação dos Búzios 10, , , , ,79 31 Arraial do Cabo 26, , , , ,72 42 Cabo Frio 34, , , , ,50 23 Cachoeiras de Macacu 24, , , , ,59 83 Casimiro de Abreu 22, , , , ,29 16 Iguaba Grande 22, , , , ,27 45 Maricá 52, , , , ,34 63 Rio Bonito 23, , , , ,28 76 Rio das Ostras 14, , , , ,33 2 São Pedro da Aldeia 37, , , , ,71 58 Saquarema 41, , , , ,69 24 Silva Jardim 20, , , , ,93 51 FONTE: FINBRA/STN, TCE/RJ, RAIS e IBGE. Municípios e Regiões Finanças Públicas e Quadro de Servidores dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro em 2008 Habitantes por servidor RCL per Peso dos royalties na RCL (%) Custeio per Investimento per Região Serrana ,12 7 7, Bom Jardim 37, , , , ,15 55 Cantagalo 18, , , , ,93 46 Carmo 16, , , , ,61 84 Cordeiro 41, , , , ,55 90 Duas Barras 15, , , , ,76 28 Macuco 12, , , , ,76 10 Nova Friburgo 27, , , , ,73 53 Petrópolis 43, , , , ,10 67 Santa Maria Madalena 12, , , , ,06 33 São José do V.R. Preto 28, , , , ,65 61 São Sebastião do Alto 18, , , , ,41 50 Sumidouro 22, , , , ,62 20 Teresópolis 40, , , , ,30 86 Trajano de Morais 11, , , , ,18 77 FONTE: FINBRA/STN, TCE/RJ, RAIS e IBGE.

21 FINANÇAS MUNICIPAIS TABELA D Municípios e Regiões Finanças Públicas e Quadro de Servidores dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro em 2008 Habitantes por servidor RCL per Peso dos royalties na RCL (%) Custeio per Investimento per Região da Costa Verde , , Angra dos Reis 31, , , , ,07 13 Mangaratiba 8, , , , ,50 7 Parati 31, , , , ,67 8 FONTE: FINBRA/STN, TCE/RJ, RAIS e IBGE. A RMRJ tem os municípios com menores valores de Receita Corrente Líquida (RCL) per. No extremo oposto está a Costa Verde, seguida pela Região Norte cujos municípios se destacam pela notável desigualdade de recursos públicos com os quatro mais ricos governos municipais de todo o Estado (Quissamã, São João da Barra, Macaé e Carapebus) e dois outros nas posições 69 e 73 do ranking. As Baixadas Litorâneas sobressaem igualmente pela desigualdade intermunicipal, uma vez que possui três municípios entre os dez mais ricos do Estado e três entre os 20 de menor RCL per. O ranking de municípios criado com o indicador Habitantes por servidor municipal (que o consultor da FUJB elaborou com as melhores posições 1, 2, 3... para municípios com menores valores, i.e., com menor número de habitantes por servidor) põe em evidência sobretudo a região Norte, com dois (Carapebus e Quissamã) dos cinco municípios que mais empregam servidores por habitante. Dona da maior RCL per entre as regiões fluminenses, a Região Norte foi também a que mais viu crescer essa receita em , como mostram as tabelas nas próximas páginas. A situação remete automaticamente o analista à questão dos royalties do petróleo, que na Região Norte representam quase 50% - mais precisamente, 48,18% da RCL do conjunto dos seus municípios. A Costa Verde, com a segunda maior RCL per em 2008 e a segunda maior taxa de expansão da RCL regional em , arrecada royalties equivalentes a apenas 23,39% dessa receita. Já as Baixadas Litorâneas representam um caso semelhante ao da Região Norte, pois

22 FINANÇAS MUNICIPAIS tiveram a teceira maior expansão de RCL no período , e hoje contam com os royalties para formarem mais de 40% da RCL do conjunto dos seus municípios. A Tabela E reapresenta os dados da RCL per dos municípios, desta vez ao lado do aumento relativo acumulado da RCL total municipal no período de Ao nível regional, estão hierarquizados os municípios pela coluna da direita, onde a expansão recente da RCL indica a tendência geral das receitas públicas de cada município. Nas Baixadas Litorâneas, destacam-se Rio das Ostras e Cabo Frio, com variações de RCL de, respectivamente, 219% e 216%. Na Região Norte, as maiores taxas de aumento da RCL foram de Campos, com 488%, e São João da Barra, com 316%, tendo dois outros municípios elevado também suas RCL em mais de 200%. Aumentos igualmente expressivos da RCL foram registrados em Porto Real (353%) e Mangaratiba (247%), nas regiões do Médio Paraíba e da Costa Verde, respectivamente. Em Porto Real, a diferença patente entre o aumento da RCL do município e o aumento da RCL regional concorre para evidenciar o aprofundamento da desigualdade no interior da região. Observa-se no Gráfico 2, após a Tabela E, a relação entre a RCL per e a participação dos royalties na RCL total de cada um dos municípios do Estado do Rio de Janeiro. Os pontos mais dispersos em direção ao canto superior direito do Gráfico 2 são exatamente os municípios das regiões Norte e das Baixadas Litorâneas, e se encontram reproduzidos no Gráfico 3. Isso revela que (a) a maioria dos municípios das demais regiões não tem níveis tão elevados de RCL per quanto as duas regiões em destaque e (b) que a RCL per dessas duas regiões é superior à média do restante do Estado em virtude dos royalties.

23 FINANÇAS MUNICIPAIS TABELA E RCL per em 2008 e variação da RCL em Municípios e Regiões (%) Região Metropolitana 1.369,21 41,9 Mesquita* 593,91 Guapimirim 1.808,66 188,2 Paracambi 1.664,41 185,5 Itaguaí 2.391,41 158,9 Magé 976,37 151,5 Duque de Caxias 1.558,33 141,2 Seropédica 1.122,07 119,9 Tanguá 1.616,60 107,5 Nilópolis 802,86 104,5 Japeri 894,05 103,0 Queimados 746,78 93,6 Itaboraí 934,33 79,3 Nova Iguaçu 720,55 70,8 Belford Roxo 649,18 69,7 Niterói 1.906,92 63,7 São João de Meriti 569,81 50,1 São Gonçalo 485,66 34,0 Rio de Janeiro 1.720,98 25,2 FONTE: FINBRA/STN/MF e TCE/RJ. Região Centro Sul Fluminense 1.638,20 86,2 Vassouras 1.859,54 152,2 Mendes 1.803,68 141,0 Engenheiro Paulo de Frontin 2.233,12 126,0 Miguel Pereira 1.810,59 105,9 Paty do Alferes 1.729,88 88,9 Paraíba do Sul 1.310,89 82,9 Sapucaia 2.052,95 72,1 Areal 2.252,63 62,7 Comendador Levy Gasparian 2.503,06 56,8 Três Rios 1.194,47 49,2 FONTE: FINBRA/STN/MF e TCE/RJ.

24 FINANÇAS MUNICIPAIS TABELA E RCL per em 2008 e variação da RCL em Municípios e Regiões (%) Região Serrana 1.573,12 40,9 Macuco 4.064,53 134,6 Duas Barras 2.590,23 131,3 Cordeiro 1.604,50 108,3 Bom Jardim 1.539,48 97,2 Santa Maria Madalena 2.852,54 69,1 São Sebastião do Alto 2.747,34 61,0 Teresópolis 1.352,21 59,2 São José do Vale do Rio Preto 1.754,39 58,2 Sumidouro 2.159,03 45,9 Petrópolis 1.597,28 31,8 Carmo 2.135,07 28,6 Nova Friburgo 1.200,70 23,9 Trajano de Morais 2.457,97 20,3 Cantagalo 2.248,31 19,1 Região do Médio Paraíba 1.767,42 37,6 Porto Real 5.726,71 353,3 Rio Claro 2.182,11 106,6 Barra do Piraí 933,73 92,3 Pinheiral 1.669,43 91,4 Rio das Flores 2.782,04 81,0 Resende 1.644,09 70,1 Quatis 1.965,69 58,4 Valença 1.004,55 43,8 Piraí 4.002,57 42,4 Volta Redonda 2.090,65 21,2 Barra Mansa 1.412,06 8,9 Itatiaia 1.765,77 8,4 Região da Costa Verde 3.506,81 209,8 Mangaratiba 5.229,06 247,0 Parati 3.027,14 231,4 Angra dos Reis 3.275,52 196,1 FONTE: FINBRA/STN/MF e TCE/RJ.

25 FINANÇAS MUNICIPAIS TABELA E RCL per em 2008 e variação da RCL em Região Norte Fluminense 3.989,85 289,7 Campos dos Goytacazes 2.997,16 488,6 São João da Barra 6.931,22 316,3 Macaé 6.338,14 274,7 São Francisco de Itabapoana 1.377,64 245,8 Quissamã ,41 145,9 Conceição de Macabu 1.813,03 80,9 Carapebus 5.949,00 75,2 São Fidélis 1.317,89 55,3 Cardoso Moreira 2.393,50 51,9 Região Noroeste Fluminense 1.684,21 68,2 São José de Ubá 2.878,43 121,3 Miracema 1.586,58 120,6 Italva 1.993,09 107,1 Natividade 2.086,62 80,8 Santo Antônio de Pádua 1.339,62 75,7 Porciúncula 1.674,50 72,5 Itaperuna 1.536,58 63,9 Cambuci 1.908,13 58,7 Varre Sai 2.560,86 57,9 Laje do Muriaé 2.624,80 56,8 Itaocara 1.726,25 56,1 Bom Jesus do Itabapoana 1.356,48 54,5 Aperibé 2.172,45 13,0 FONTE: FINBRA/STN/MF e TCE/RJ.

26 FINANÇAS MUNICIPAIS TABELA E RCL per em 2008 e variação da RCL em Municípios e Regiões (%) Região das Baixadas Litorâneas 2.338,77 150,2 Rio Bonito 1.575,16 Rio das Ostras 5.815,99 219,0 Cabo Frio 2.619,14 216,2 Cachoeiras de Macacu 1.817,24 186,0 Casimiro de Abreu 5.399,37 175,5 Armação dos Búzios 5.031,62 147,9 São Pedro da Aldeia 1.259,74 130,0 Silva Jardim 2.981,24 127,8 Maricá 981,48 100,1 Iguaba Grande 1.857,08 88,3 Saquarema 1.444,63 58,9 Arraial do Cabo 2.066,70 43,6 Araruama 974,96 39,1 FONTE: FINBRA/STN/MF e TCE/RJ. GRÁFICO 2: Municípios do Estado do Rio de Janeiro , , , , , , ,00 0,00 RCL Per Capita Peso dos Royalties na RCL 2008 GRÁFICO 3: Municípios do Norte e das Baixadas Litorâneas RCL Per Capita , , , , , , ,00 0,00 FONTE: FINBRA/STN/MF e TCE/RJ. Peso dos Royalties na RCL 2008

27 INDICADORES SOCIAIS Finalmente, era necessário abordar os indicadores sociais já nesta primeira iniciativa de divulgar os resultados do trabalho de organização dos novos dados do Estado fluminense. Foram privilegiados os dados produzidos pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN) em razão da abrangência com que tratam os aspectos relativos ao desenvolvimento social. O Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM), cujos componentes de saúde e educação apresentamos a seguir, interessa ao cidadão e ao gestor público por ser não apenas abrangente o que favorece uma análise global da situação da população local como também mais recente do que o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que retratou os municípios brasileiros pela última vez no ano Os dados atualmente disponíveis para o IFDM datam de Elaborado em âmbito nacional, o índice permite também a comparação dos municípios fluminenses com todos os demais municípios brasileiros. Estudos cotejando dados do Rio de Janeiro com os de outros Estados brasileiros já estão em curso na SUBPL, e pretendem igualmente dar conta de uma gama significativa de aspectos da realidade atual desses diferentes entes da federação. No entanto, esta primeira exposição de dados manteve o foco nos municípios do Estado do Rio. E nem poderia ser outro o objeto central das reflexões e ações do gestor estadual. A Tabela F apresenta indicadores sociais básicos dos municípios e suas respectivas posições em termos comparativos nas colunas. O ranking regional corresponde à simples média das posições dos respectivos municípios. No indicador de saúde da Firjan, o Médio Paraíba tem cinco dos dez melhores posicionados no Estado, levando a região à melhor posição no ranking regional. Por sua vez, a Região Norte, com o segundo melhor desempenho no indicador, parece ter um maior desvio em relação à média regional: tem dois municípios entre os dez melhores em saúde, mas outros dois nas posições 47 e 60 no ranking estadual. A desigualdade intrar-regional é também a marca da RMRJ, cujos municípios estão em posições do ranking que variam de 3 a 75. Chama atenção também o caso da Costa Verde, onde Angra dos Reis apresenta dados de saúde muito superiores aos de Parati e Mangaratiba.

28 INDICADORES SOCIAIS Mas é nas Baixadas Litorâneas que os dados de saúde surpreendem, em particuar à luz da evolução da arrecadação de recursos públicos pelas administrações municipais. Pior colocada no indicador de saúde da Firjan, a região é também a segunda pior colocada no indicador de educação da mesma instituição, posição confirmada pelas notas municipais no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), elaborado pelo Ministério da Educação. No IDEB, o pior desempenho estadual foi o da Região Norte terceira pior colocada no índice de educação da Firjan. Municípios IFDM 2006 Saúde TABELA F IFDM 2006 Educação Tanguá 0, , ,7 3,8 82 Fonte: FIRJAN. IDEB 2007 IDEB 2009 Região Metropolitana Belford Roxo 0, , ,5 3,6 87 Duque de Caxias 0, , ,6 3,7 83 Guapimirim 0, , ,5 4,0 74 Itaboraí 0, , ,7 4,1 66 Itaguaí 0, , ,8 4,1 67 Japeri 0, , ,6 3,6 88 Magé 0, , ,6 3,6 89 Mesquita 0, , ,7 4,1 69 Nilópolis 0, , ,9 3,7 84 Niterói 0, , ,1 4,3 53 Nova Iguacu 0, , ,8 3,9 77 Paracambi 0, , ,5 4,4 50 Queimados 0, , ,7 3,8 80 Rio de Janeiro 0, , ,6 5,1 15 São Gonçalo 0, , ,8 3,8 81 São João de Meriti 0, , ,5 3,9 78 Seropédica 0, , ,6 3,7 86

29 INDICADORES SOCIAIS TABELA F Municípios IFDM 2006 Saúde IFDM 2006 Educação IDEB 2007 IDEB 2009 Região Serrana Bom Jardim 0, , ,1 4,6 30 Cantagalo 0, , ,1 4,3 52 Carmo 0, , ,3 4,7 27 Cordeiro 0, , ,3 4,5 40 Duas Barras 0, , ,3 4,0 73 Macuco 0, , ,1 4,4 49 Nova Friburgo 0, , ,2 4,8 25 Petrópolis 0, , ,4 4,6 32 Santa Maria Madalena 0, , ,3 4,5 46 São José do Vale do Rio Preto 0, , ,4 4,5 47 São Sebastião do Alto 0, , ,1 4,6 36 Sumidouro 0, , ,6 5,5 3 Teresópolis 0, , ,2 5,3 9 Trajano de Morais 0, , ,7 5,1 17 Região Baixadas Litorâneas Araruama 0, , ,7 4,2 58 Armação de Búzios 0, , ,2 4,5 38 Arraial do Cabo 0, , ,7 3,9 75 Cabo Frio 0, , ,9 4,5 39 Cachoeiras de Macacu 0, , ,9 3,9 76 Casimiro de Abreu 0, , ,7 4,7 28 Iguaba Grande 0, , ,3 4,5 41 Maricá 0, , ,3 4,2 62 Rio Bonito 0, , ,2 4,3 55 Rio das Ostras 0, , ,0 5,3 8 São Pedro da Aldeia 0, , ,1 4,2 63 Saquarema 0, , ,0 4,3 57 Silva Jardim 0, , ,8 3,6 90 Fonte: FIRJAN.

30 INDICADORES SOCIAIS TABELA F Municípios IFDM 2006 Saúde IFDM 2006 Educação IDEB 2007 IDEB 2009 Região Norte Fluminense Campos dos Goytacazes 0, , ,8 3,2 92 Carapebus 0, , ,1 4,1 65 Cardoso Moreira 0, , ,2 3,8 79 Conceição de Macabu 0, , ,7 4,8 24 Macaé 0, , ,7 4,9 22 Quissamã 0, , ,5 4,3 54 São Fidelis 0, , ,4 4,6 35 São Francisco de Itabapoana 0, , ,4 3,7 85 São João da Barra 0, , ,9 3,3 91 Região Noroeste Fluminense Aperibé 0, , ,2 5,5 2 Bom Jesus do Itabapoana 0, , ,5 4,6 31 Cambuci 0, , ,6 5,8 1 Italva 0, , ,0 5,0 18 Itaocara 0, , ,7 5,1 13 Itaperuna 0, , ,0 5,4 4 Laje do Muriaé 0, , ,3 4,1 68 Miracema 0, , ,7 5,0 19 Natividade 0, , ,0 4,5 42 Porciúncula 0, , ,3 4,6 33 Santo Antonio de Pádua 0, , ,1 5,1 16 São José de Ubá 0, , ,2 5,4 5 Varre Sai 0, , ,0 4,6 37 Região da Costa Verde Angra dos Reis 0, , ,4 4,3 51 Mangaratiba 0, , ,0 4,2 61 Parati 0, , ,3 4,8 26 Fonte: FIRJAN.

31 INDICADORES SOCIAIS TABELA F Municípios IFDM 2006 Saúde IFDM 2006 Educação IDEB 2007 IDEB 2009 Região do Médio Paraíba Barra do Piraí 0, , ,0 4,2 60 Barra Mansa 0, , ,5 4,9 21 Itatiaia 0, , ,7 4,4 48 Pinheiral 0, , ,3 4,5 44 Piraí 0, , ,8 4,9 23 Porto Real 0, , ,8 4,1 70 Quatis 0, , ,1 4,7 29 Resende 0, , ,1 4,5 45 Rio Claro 0, , ,2 4,1 71 Rio das Flores 0, , ,2 4,6 34 Valença 0, , ,5 5,0 20 Volta Redonda 0, , ,8 5,2 10 Região Centro Sul Areal 0, , ,7 4,2 59 Comendador L. Gasparian 0, , ,3 5,1 11 Engenheiro P. de Frontin 0, , ,5 5,1 12 Mendes 0, , ,7 5,3 6 Miguel Pereira 0, , ,9 5,3 7 Paraíba do Sul 0, , ,3 4,5 43 Paty do Alferes 0, , ,7 5,1 14 Sapucaia 0, , ,9 4,3 56 Três Rios 0, , ,1 4,2 64 Vassouras 0, , ,7 4,1 72 Fonte: FIRJAN.

32 Considerações Finais Finanças municipais e indicadores sociais são dois objetos essenciais ao esforço de mapeamento da nova realidade fluminense, que a SUBPL se dedica atualmente a retratar. Cada uma dessas dimensões evidencia, respectivamente, as mais concretas possibilidades e necessidades de cada município do Estado. O aspecto mais notável dos dados observados consiste na heterogeneidade interna de certas regiões. Como vimos, o crescimento econômico recente foi bastante diferenciado no interior de seis das oito regiões do Estado sendo exceções a Costa Verde, com dinamismo forte e bem distribuído, e a Região Serrana, cujo baixo crescimento foi bastante difuso. A relação desses dados com a dinâmica populacional requer um estudo cuidadoso. Merece atenção, entretanto, o quadro estacionário ou negativo do crescimento demográfico em diversos municípios das regiões Noroeste e Serrana. Nesta última, os municípios de menor expansão demográfica são vizinhos ao novo eixo litorâneo de Maricá a Quissamã de forte crescimento populacional, em cujo núcleo estão municípios de alto dinamismo econômico e receitas públicas alavancadas pelos royalties gerados através da indústria do petróleo. Observa-se igualmente forte heteroeneidade intra-regional na área social. A Região Serrana possui indicadores de saúde situados entre os melhores (São José do V. do Rio Preto e Cantagalo) e os piores do Estado (Carmo, São Sebastião do Alto e Santa Maria Madalena), havendo forte a discrepância também entre os demais municípios serranos. Do mesma forma, o Noroeste possui municípios entre os melhores (Porciúncula e Italva) e piores colocados (Itaperuna e Itaocara) no indicador de saúde. Em contrapartida, quatro dos 13 municípios dessa mesma região estão entre os cinco de melhor desempenho no IDEB. Na Região Serrana, apenas dois de seus 14 municípios estão entre os dez melhores colocados no ranking estadual do IDEB. Na Região Norte, formada por nove municípios, quatro deles estão entre os 20 do Estado que possuem os melhores indicadores de saúde. Já no IDEB, a região é mais homogênea, não tendo nenhum município entre os 20 mais bem

33 posicionados no Estado. De fato, lá se encontram os dois piores registros do IDEB, tendo Campos dos Goytacazes e São João da Barra os dois piores desempenhos no indicador. O contraste entre a magnitude da RCL per da região a maior do Estado e os resultados da educação aferidos pelo IDEB sugere a importância da busca de alternativas de gestão a serem adotadas em favor da qualidade do ensino. O mesmo pode ser deduzido da análise dos dados das Baixadas Litorâneas, cuja RCL per a terceira maior do Estado convive, como vimos, com sensíveis necessidades na área social. Dos 13 municípios da região, nenhum está entre os 20 melhores em saúde, e apenas um está entre os 20 melhores no IDEB. Para fazer frente às necessidades das regiões Norte e das Baixadas Litorâneas, os dados de arrecadação municipal sugerem a existência de capacidades locais significativas. Ao contrário, a RMRJ apresenta carências correlatas na área social e no plano das receitas públicas. Apenas um (Niterói, na 10ª posição) dos 18 municípios da região situa-se entre os 20 melhores do Estado no indicador de saúde, e três deles (Belfort Roxo, Queimados e Tanguá) apresentam os piores desempenho em saúde de todo o território fluminense. No IDEB, o nível das carências da RMRJ não é diferente. Dos 18 municípios, nada menos do que 12 estão entre os 20 piores colocados no ranking estadual. Apenas um (Rio de Janeiro, na 15ª posição) situa-se entre os 20 melhores. Na mais populosa região do Estado, a capacidade local de enfrentar suas carências sociais não é tão evidente, uma vez que a RCL per l da RMRJ é claramente a menor de todas as oito regiões fluminenses. O objetivo exclusivo desse estudo foi descrever a dinâmica e o quadro atual dos indicadores municipais apresentados, chamando-se atenção para certas peculiaridades das diferentes regiões. A explicação para as semelhanças e diferenças entre as unidades territoriais abordadas é tarefa para estudos mais detalhados.

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UF Municipio RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Aperibé RJ Aperibé CNPJ Razão Social FUNDAÇÃO INSTITUTO DE DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 16/2015 Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref: Orientações para o Recolhimento da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis Teresópolis a) R$ 500,00 (quinhentos reais): Porteiro,

Leia mais

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu Apresentação: Lançado pelo SEBRAE RJ, é um roteiro turístico composto por 10 municípios do Estado do Rio de Janeiro; 3 Regiões turísticas: Metropolitana, Serra Verde Imperial, Costa do Sol - integradas

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Corregedor JUIZ ANTONIO AUGUSTO DE TOLEDO GASPAR Diretora -

Leia mais

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos 1/14 1a. DP 4a. DP 5a. DP 6a. DP 7a. DP 9a. DP 10a. DP 12a. DP 13a. DP Totais Praça Mauá Praça da República Mem de Sá Cidade Nova Santa Teresa Catete Botafogo Copacabana Ipanema Homicídio doloso (total)

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA RUBRICA: FLS.: 657 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA VOTO GC-2 1593/2014 PROCESSO: TCE-RJ N o 238.182-1/13 ORIGEM: COORDENADORIA DE AUDITORIA E

Leia mais

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO Código Serventia Nome da Serventia Município 1214 RCPN 02 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU (BARRA S. JO 1216 02 OFICIO DE JUSTICA CASIMIRO DE ABREU 1217 RCPN 01 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU 1221 OFICIO UNICO CONCEICAO

Leia mais

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. 1 CAPÍTULO XIV Dos Juízes de Direito nas Comarcas de Angra dos Reis, Araruama, Armação dos Búzios, Barra do Piraí, Belford Roxo, Bom Jesus do Itabapoana, Cabo Frio,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO POR MEIO DO SiSU NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O Reitor da Universidade

Leia mais

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro - 2010 Lista de Abreviaturas e Siglas FOB Significa livre a bordo (free on board) o vendedor encerra suas obrigações quando a mercadoria

Leia mais

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro Nº 20080101 Janeiro - 2008 Fernando Cavallieri, Fabrício Leal de Oliveira - IPP/Prefeitura

Leia mais

Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar. 25 de junho de 2008

Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar. 25 de junho de 2008 Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar 25 de junho de 2008 Estrutura da Apresentação I Objetivo do Trabalho; II Metodologia; e III Estudos de Caso. I Objetivo do Trabalho O objetivo

Leia mais

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando:

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando: RESOLUÇÃO CERHI-RJ Nº 107 DE 22 DE MAIO DE 2013 APROVA NOVA DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E REVOGA A RESOLUÇÃO CERHI N 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 O CONSELHO ESTADUAL

Leia mais

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Jurisdição das cidades da 7ª Região. Delegacia Cidade/Bairro* Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Pinheiral Pirai

Leia mais

CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000

CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000 CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000 Comarcas: Promotorias de Justiça da Infância e Juventude da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso e Promotorias de Justiça

Leia mais

COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich *

COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich * COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich * Como introdução ao tema, algumas observações se fazem necessárias. Primeiro, deve ser considerado que se trata de um

Leia mais

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 s Centro Regional de Apoio Administrativo Institucional MUNICÍPIOS Promotorias de Justiça ÚNICAS, CÍVEIS e de Proteção à INFÂNCIA

Leia mais

2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS

2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS 2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCAÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES: contradições e fracassos Resumo

Leia mais

II O Concurso destina-se ao preenchimento de 200 vagas, bem como daquelas que surgirem no decorrer do prazo de validade do Concurso.

II O Concurso destina-se ao preenchimento de 200 vagas, bem como daquelas que surgirem no decorrer do prazo de validade do Concurso. DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO COORDENAÇÃO GERAL DO ESTÁGIO FORENSE XXXIX CONCURSO PARA ADMISSÃO AO ESTÁGIO FORENSE DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EDITAL *A Coordenadora

Leia mais

Livro Adicional Eletrônico XML

Livro Adicional Eletrônico XML PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA Diretoria Geral de Fiscalização e Apoio às Serventias Extrajudiciais Divisão de Monitoramento Extrajudicial Livro Adicional Eletrônico

Leia mais

CUSTEIO 339093. Total: 12.860,57. Total: 6.513,13. Total: 8.272,46. Total: 10.317,23 33909302 RESTITUIÇÕES

CUSTEIO 339093. Total: 12.860,57. Total: 6.513,13. Total: 8.272,46. Total: 10.317,23 33909302 RESTITUIÇÕES CREDORES - R.P. e Realizadas - /INVESTIMENTO - Página: Page 1 of 16 02 RESTITUIÇÕES 2º DISTRITO DA COMARCA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES CNPJ/CPF: 23064378000154 2º RCPN DA COMARCA DA CAPITAL CNPJ/CPF: 23407222000129

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014 Fixa as normas do Processo Seletivo para ingresso na 3ª Turma do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

Q1 Cidade de Residência:

Q1 Cidade de Residência: Q Cidade de Residência: Respondidas: 8 Ignoradas: RIO DE JANEIRO ANGRA DO REIS APERIBE ARARUAMA AREAL ARMACAO DO BUZIOS ARRAIAL DO CABO BARRA DO PIRAI BARRA MANSA BELFORD ROXO BOM JARDIM BOM JESUS DO ITABAPOANA

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, agosto de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO * RESOLUÇÃO N o 746/10 TRE/RJ O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e CONSIDERANDO que compete, privativamente, aos Tribunais Regionais, nos

Leia mais

O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada

O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco Rudi Rocha 1. Introdução Ao longo da última década, o Brasil vêem experimentando

Leia mais

MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE

MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE FEVEREIRO DE 2011 MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE Coordenação Geral Martha Macedo de Lima Barata

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 47 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Gláucio José Marafon 1 João Rua 1 Adriana Paula da Silva Galhardo 2 Alvaro Henrique de Souza Ferreira 2 Ivan Luiz de Oliveira

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 20 de 2017 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 7 de 2017 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

ATENÇÃO PSICOS. EXTRA-HOSP. ATENÇÃO PSICOS. EXTRA- HOSP res.235 PORTARIAS SIA

ATENÇÃO PSICOS. EXTRA-HOSP. ATENÇÃO PSICOS. EXTRA- HOSP res.235 PORTARIAS SIA 1 PROGRAMAÇÃO PACTUADA E INTEGRADA DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LIMITES FINANCEIROS GLOBAIS MENSAIS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - TETO ABRIL DE 2009 APROVADO EM REUNIÃO

Leia mais

Dia da Consciência Negra - feriados municipais

Dia da Consciência Negra - feriados municipais Nº UF Município 1 AL UNIAO DOS PALMARES 2 AM MANAUS 3 GO FLORES DE GOIAS 4 MG ITAPECERICA 5 MT ACORIZAL 6 MT AGUA BOA 7 MT ALTA FLORESTA 8 MT ALTO ARAGUAIA 9 MT ALTO DA BOA VISTA 10 MT ALTO GARCAS 11 MT

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO SOMANDO FORÇAS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO Localização: Região Sudeste 57% do PIB Nacional Área: 43.696

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de, Janeiro e Fevereiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de, Janeiro

Leia mais

Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS)

Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) VOLUME 2 Diagnóstico

Leia mais

PROGRAMA O Drama MAIS da Inclusã EDUCAÇÃO - o PME Perversa

PROGRAMA O Drama MAIS da Inclusã EDUCAÇÃO - o PME Perversa PROGRAMA MAIS O Drama EDUCAÇÃO da Inclusão - PME Perversa Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Currículos e Educação Integral Construção da Política de Educação Integral no

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Janeiro/2014 Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Expediente

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Janeiro/2014 Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Expediente

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 11/2016 Rio de Janeiro, 29 de março de 2016. Ref: Desconto da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor Novamente estamos no período do desconto da Contribuição Sindical, anteriormente

Leia mais

QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Resumo: Vanessa Campagnac Thaís C. Ferraz Thiago Soliva Poucas pesquisas foram realizadas objetivando

Leia mais

Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais

Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais Requisitos: Para que a distribuição eletrônica ocorra são necessários: 1. Um sistema apto a criar um arquivo de texto cujos dados estejam de acordo com a formatação

Leia mais

ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015.

ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Transportes Departamento de Transportes Rodoviários ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. REAJUSTA AS TARIFAS

Leia mais

SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da da CIB CIB

SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da da CIB CIB SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da CIB CREDENCIAMENTOS Processo - E-08/05034/2012 - Credenciamento da Unidade de Saúde CAPS-IMBARIÊ, CNES nº 7032862, localizado no Município de Duque de Caxias RJ

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEMAIS MUNICÍPIOS CT 2 MUNICÍPIO ENDEREÇO TELEFONE CEP ANGRA DOS REIS RUA QUARESMA JÚNIOR, 38 / 202 (22) 9836-0136 / 9830-0136 FAX: (22) 2664-1513 23.900-000

Leia mais

2 Os indicadores sociais e educacionais e a qualidade da Educação nos municípios fluminenses

2 Os indicadores sociais e educacionais e a qualidade da Educação nos municípios fluminenses 24 2 Os indicadores sociais e educacionais e a qualidade da Educação nos municípios fluminenses A autonomia municipal adquirida com a CF/88 intensificou o processo de emancipação municipal. Como conseqüência,

Leia mais

26.03.10 29.03.10 018216

26.03.10 29.03.10 018216 1 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C129 Caderno de turismo do Estado do Rio de Janeiro : passaporte para o desenvolvimento do Estado / [João Carlos Gomes,

Leia mais

Estudo Estratégico n o 6. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen

Estudo Estratégico n o 6. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen Estudo Estratégico n o 6 Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen PANORAMA GERAL Processo de urbanização: expansão territorial

Leia mais

Nome da Unidade Endereço da Unidade Telefone da Unidade E-mails funcionais dos Membros

Nome da Unidade Endereço da Unidade Telefone da Unidade E-mails funcionais dos Membros PROMOTORIA DE JUSTIÇA JUNTO ÀS TURMAS RECURSAIS CRIMINAIS DA CAPITAL AVENIDA MARECHAL CÂMARA 350 7º ANDAR 20020080 CENTRO RIO DE carlara@mprj.mp.br PROMOTORIA DE JUSTIÇA JUNTO AO XVIII JUIZADO ESPECIAL

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 22 DE SETEMBRO DE 2014

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 22 DE SETEMBRO DE 2014 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 22 DE SETEMBRO DE 2014 A Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Desembargadora LEILA MARIA CARRILO CAVALCANTE RIBEIRO MARIANO, no uso das atribuições

Leia mais

SMART EXPRESS TRANSPORTES SERVIÇOS DE MOTOBOY E ENTREGAS COM CARROS UTILITÁRIOS E EXECUTIVOS AGILIDADE PARA QUEM MANDA E PARA QUEM RECEBE

SMART EXPRESS TRANSPORTES SERVIÇOS DE MOTOBOY E ENTREGAS COM CARROS UTILITÁRIOS E EXECUTIVOS AGILIDADE PARA QUEM MANDA E PARA QUEM RECEBE 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo estabelecer uma sistemática organizada de controle e combate a situações de vazamentos e derrames com risco ambiental e este procedimento se aplica a todas

Leia mais

HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013

HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013 HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013 Gerência de DST/AIDS/Hepatites Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Secretaria de Estado de Saúde DADOS GERAIS No Brasil: Prevalência do HIV

Leia mais

INTERNADOS INVOLUNTARIAMENTE

INTERNADOS INVOLUNTARIAMENTE 2012 RELATÓRIO do MÓDULO DE SAÚDE MENTAL - 2012 O Módulo de Saúde Mental - MSM é um sistema informatizado desenvolvido para o envio das notificações de internações psiquiátricas involuntárias, bem como

Leia mais

26.03.10 29.03.10 018216

26.03.10 29.03.10 018216 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C129 Caderno de turismo do Estado do Rio de Janeiro : passaporte para o desenvolvimento do Estado / [João Carlos Gomes, organização].

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE 30.03.2015

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE 30.03.2015 DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE 30.03.2015 APROVA A TABELA DE PLANTÃO DOS DEFENSORES PÚBLICOS PARA O MÊS DE ABRIL DE 2015, NOS TERMOS DA RESOLUÇÃO Nº 430/2007:

Leia mais

Ministério Público do Rio de Janeiro Av. Marechal Câmara, 370 Centro CEP 20020-080 (em frente ao Protocolo)

Ministério Público do Rio de Janeiro Av. Marechal Câmara, 370 Centro CEP 20020-080 (em frente ao Protocolo) Pontos de coleta Rio de Janeiro Clube Naval Av. Rio Branco, 180 Centro Rio de Janeiro Primeira Igreja Batista do Recreio Rua Helena Manela, 101, Recreio, Rio de Janeiro Superintendência Regional da Receita

Leia mais

Seção Nº Linha/Seção Cat Tipo. Tarifa (R$)

Seção Nº Linha/Seção Cat Tipo. Tarifa (R$) Seção Nº Linha/Seção Cat Tipo Tarifa (R$) RJ 101 AUTO ÔNIBUS FAGUNDES LTDA. 0 430 M Niterói - São José SA O 3,60 0 431 M Niterói - Monjolos SA C 3,60 0 701 M Alcântara - Itaboraí (via Bernardino) SA O

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DOS CONJUNTOS FUZZY NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ANÁLISE DA GERAÇÃO DE MASSA SALARIAL DA INDÚSTRIA EM 2006.

APLICAÇÃO DA TEORIA DOS CONJUNTOS FUZZY NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ANÁLISE DA GERAÇÃO DE MASSA SALARIAL DA INDÚSTRIA EM 2006. APLICAÇÃO DA TEORIA DOS CONJUNTOS FUZZY NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ANÁLISE DA GERAÇÃO DE MASSA SALARIAL DA INDÚSTRIA EM 2006. Guilherme Luis Nilson Pinto de Carvalho Doutorando em Economia UFF Jorge

Leia mais

PANORAMA DA PISCICULTURA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Augusto da Costa Pereira Pesquisador e Biólogo F I P E R J

PANORAMA DA PISCICULTURA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Augusto da Costa Pereira Pesquisador e Biólogo F I P E R J PANORAMA DA PISCICULTURA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Augusto da Costa Pereira Pesquisador e Biólogo F I P E R J MUNDIAL Produção Mundial de Pescado,5 milhões de toneladas FAO - 2 5,6 milhões ton. Consumo

Leia mais

Saneamento no estado do Rio de Janeiro Cobertura e Oportunidades de Investimentos

Saneamento no estado do Rio de Janeiro Cobertura e Oportunidades de Investimentos Novembro/2017 Saneamento no estado do Rio de Janeiro Cobertura e Oportunidades de Investimentos Saneamento básico é o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de

Leia mais

CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CREAS

CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CREAS CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - MUNICÍPIOS NOMES ENDEREÇOS TELEFONES EMAILS Angra dos Reis Aperibé Araruama Areal Armação de Búzios Arraial do Cabo Barra do Piraí Barra Mansa

Leia mais

DIRETORIA GERAL DE LOGÍSTICA DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA OPERACIONAL DIVISÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE EXPEDIENTES

DIRETORIA GERAL DE LOGÍSTICA DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA OPERACIONAL DIVISÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE EXPEDIENTES DIRETORIA GERAL DE LOGÍSTICA DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA OPERACIONAL DIVISÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE EXPEDIENTES MANUAL PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIA DATA DE VIGÊNCIA 01/10/2013 SUMÁRIO 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Sistema DCP. Provimento CGJ 63/2012. Alvará de Soltura Interior

Sistema DCP. Provimento CGJ 63/2012. Alvará de Soltura Interior Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012 Alvará de Soltura Interior Índice 1. Informações Iniciais... 3 2. Utilização do Texto Alvará de Soltura... 3 2.1. Andamento 52 - Digitação de Documentos... 3 3. Recebimento

Leia mais

MAPA DA VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FRENTE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS. 2014

MAPA DA VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FRENTE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS. 2014 i MAPA DA VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FRENTE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS. 2014 Coordenação Geral - Martha Macedo de Lima Barata D.Sc. Coordenação Técnica - Ulisses

Leia mais

DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LEI Nº 5636, DE 06 DE JANEIRO DE 2010. DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO SOMANDO FORÇAS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO Localização: Região Sudeste 57% do PIB Nacional Área: 43.696

Leia mais

CEJA ENDEREÇOS TELEFONES

CEJA ENDEREÇOS TELEFONES CEJA ENDEREÇOS TELEFONES Araruama CIEP Brizolão 148 Professor Carlos Élio Vogas da Silva Rua Oscar Clark, s/nº - Parque Mataruna - Araruama - RJ (22) 2665-5953 (22) 2665-5431 Arraial do Cabo Maricá CEJA

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014 PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014 NO PAÍS, OS INCIPIENTES SISTEMAS PÚBLICOS DE PLANEJAMENTO FORAM DESMOBILIZADOS, SEUS QUADROS FUNCIONAIS SÃO MÍNIMOS.

Leia mais

Demanda Potencial e Universidade: notas sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Demanda Potencial e Universidade: notas sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro Demanda Potencial e Universidade: notas sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro Documento de Trabalho nº 29 Série Educação em Números Edson Nunes Enrico Martignoni Márcia Marques de Carvalho Março

Leia mais

Seja a mudança que você quer ver no mundo.

Seja a mudança que você quer ver no mundo. C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A B R I G A D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O 3 4 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A B R I G A D A N

Leia mais

FINANCIAMENTO E DESIGUALDADE EDUCACIONAL ENTRE GOVERNOS LOCAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1

FINANCIAMENTO E DESIGUALDADE EDUCACIONAL ENTRE GOVERNOS LOCAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 1 FINANCIAMENTO E DESIGUALDADE EDUCACIONAL ENTRE GOVERNOS LOCAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 Bluma Salomão bssalomao@ig.com.br Mestre em Educação (UERJ) FSD UNESA - UCAM Emilio Luiz P. Araújo emilio_araujo@ig.com.br

Leia mais

Polícia Civil Principais Ocorrências Registro Interior - RJ 2010 Números Absolutos

Polícia Civil Principais Ocorrências Registro Interior - RJ 2010 Números Absolutos 1/8 Totais 88a. DP 89a. DP 90a. DP 91a. DP 92a. DP 93a. DP 94a. DP 95a. DP 96a. DP 97a. DP 98a. DP 99a. DP 100a. DP 101 DP 104a. DP 105a. DP Barra do Piraí Resende Barra Mansa Valença Rio das Flores Volta

Leia mais

O Estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O Estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O Estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios

PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios Capacitação em Gerenciamento de Projetos e em Gestão de Convênios Regis Fichtner Secretário de Estado Chefe da Casa Civil José Candido

Leia mais

PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios

PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios Capacitação em Gerenciamento de Projetos e em Gestão de Convênios Regis Fichtner Secretário de Estado Chefe da Casa Civil José Candido

Leia mais

VOLUME. Diagnóstic. Setembro, 2013 Rev.00 1/252. de Resíduos Sólidos (PERS) Volume 2: Diagnóstico

VOLUME. Diagnóstic. Setembro, 2013 Rev.00 1/252. de Resíduos Sólidos (PERS) Volume 2: Diagnóstico GOVERNOO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA Consultoria e Assessoria Técnica dee Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) VOLUME 2 Diagnóstic

Leia mais

Distribuição espacial dos polos regionais do Cederj: uma análise estatística

Distribuição espacial dos polos regionais do Cederj: uma análise estatística 82 doi: 10.1590/S0104-40362016000100004 Distribuição espacial dos polos regionais do Cederj: uma análise estatística Keila Mara Cassiano a Fátima Kzam Damaceno de Lacerda b Carlos Eduardo Bielschowsky

Leia mais

Coordenadoria Regional Metropolitana I E/CR19.R. Coordenadoria Regional Metropolitana II E/CR23.R. Coordenadoria Regional Metropolitana III E/CR26.

Coordenadoria Regional Metropolitana I E/CR19.R. Coordenadoria Regional Metropolitana II E/CR23.R. Coordenadoria Regional Metropolitana III E/CR26. Coordenadoria Regional Metropolitana I E/CR19.R Endereço: Rua: Profª Venina Correa Torres, nº 41 Bairro: Centro Município: Nova Iguaçu CEP: 26.220-100 Abrangência: Nova Iguaçu, Japeri, Mesquita, Nilópolis,

Leia mais

Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012

Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012 Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012 Alvará de Soltura Fórum Central e Regionais Índice 1. Informações Iniciais...3 2. Utilização do Texto Alvará de Soltura...3 2.1. Andamento 52 - Digitação de Documentos...3

Leia mais

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013 Autovistoria: prevenção agora é Lei Agosto/2013 1 2 Autovistoria: prevenção agora é Lei Um importante instrumento de defesa da sociedade passou a vigorar, em março de 2013, com a publicação de duas novas

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 172, DE 26 DE JANEIRO DE 2006

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 172, DE 26 DE JANEIRO DE 2006 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 172, DE 26 DE DE 2006 Homologa processo de adesão ao Programa de Reestruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no Sistema Único de Saúde

Leia mais

EAD na Graduação-UFRJ

EAD na Graduação-UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro EAD na Graduação-UFRJ Belkis Valdman Pró Reitora de Graduação Caetano Moraes Coordenador UFRJ - UAB Dalva Kato Técnica de Assuntos Educacionais EAD 1 Cursos de Graduação

Leia mais

A Importância dos Royalties na Economia dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro

A Importância dos Royalties na Economia dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro A Importância dos Royalties na Economia dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro Deputado Glauco Lopes Presidente da Comissão de Minas e Energia da Assembleia Legislativa Os royalties e o Pré-Sal Royalties

Leia mais

CADERNO DE TURISMO: APOIO À ORIENTAÇÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CADERNO DE TURISMO: APOIO À ORIENTAÇÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CADERNO DE TURISMO: APOIO À ORIENTAÇÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Autores Dayane Moraes Vidal, Eduardo Araujo de Melo, Fellipe Viêtas Rodrigues, Gabriel Campos Pereira da Costa,

Leia mais

II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE

II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE Redes Integradas de Monitoramento Rede Hidrometeorológica Básica do Estado do Rio de Janeiro Monitoramento de Quantidade e Qualidade de Água REDES DE MONITORAMENTO

Leia mais

PAINEL REGIONAL RIO DE JANEIRO

PAINEL REGIONAL RIO DE JANEIRO PAINEL REGIOL M É D I O P A R A Í B A RIO DE JANEIRO PAINEL REGIOL MÉDIO PARAÍBA RIO DE JANEIRO 2013 SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia,

Leia mais

RESOLUÇÃO/CERHI-RJ Nº 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 APROVA A DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

RESOLUÇÃO/CERHI-RJ Nº 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 APROVA A DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. RESOLUÇÃO/CERHI-RJ Nº 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 APROVA A DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/2014. Consulta para Identificação das Preferências da Comunidade Universitária para a escolha de Reitor e Vice-Reitor da UFF Quadriênio 204/208 INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/204. A Comissão Especial instituída

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELA SECRETARIA:

CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELA SECRETARIA: CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELA SECRETARIA: Curso CE Local Tel ADMINISTRAÇÃO ALMIRANTE TAMANDARÉ Japeri (21) 2670-1250 2667-4924 AURELINO LEAL Niterói 2717-2802 2620-2319 AYDANO DE ALMEIDA Nilópolis 3760-2475

Leia mais

SEGUNDO TERMO ADITIVO À CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012

SEGUNDO TERMO ADITIVO À CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012 O SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INSDUSTRIAS DA CONSTRUCAO PESADA INTERMUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO, CNPJ n. 05.400.195/0001-80, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). NILSON DUARTE COSTA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA. EDITAL Nº 017 /2015, de 14 de abril de 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA. EDITAL Nº 017 /2015, de 14 de abril de 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA EDITAL Nº 017 /2015, de 14 de abril de 2015 O Diretor-Geral do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow

Leia mais

Mudanças de estado do mercado de trabalho fluminense: diferenças regionais entre 2000 e 2010 Helcio de Medeiros Junior 1

Mudanças de estado do mercado de trabalho fluminense: diferenças regionais entre 2000 e 2010 Helcio de Medeiros Junior 1 Mudanças de estado do mercado de trabalho fluminense: diferenças regionais entre 2000 e 2010 Helcio de Medeiros Junior 1 1 INTRODUÇÃO O estado do Rio de Janeiro recebeu investimentos ao longo da primeira

Leia mais

PAINEL REGIONAL RIO DE JANEIRO

PAINEL REGIONAL RIO DE JANEIRO PAINEL REGIOL N O R T E RIO DE JANEIRO PAINEL REGIOL NORTE RIO DE JANEIRO 2013 SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º e 9º andares

Leia mais