ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013"

Transcrição

1 1 ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013 Por: Flavia Daniel Vianna Advogada especialista e instrutora na área das licitações e contratos administrativos. Pós-graduada em Direito Administrativo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Coordenadora Técnica e consultora jurídica da Vianna & Consultores Associados Ltda. Autora de diversos livros e dezenas de artigos jurídicos sobre Licitações, Pregão e Sistema de Registro de Preços. 1. ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP: ÓRGÃO GERENCIADOR, ÓRGÃO PARTICIPANTE e ÓRGÃO NÃO-PARTICIPANTE (CARONA) O Sistema de Registro de Preços, além de oferecer inúmeras vantagens, é conhecido por servir, por meio de licitação única, a diversos órgãos COMPRADORES ou CONTRATANTES. Imagine determinada Universidade Pública, que instaura uma licitação convencional (sem registro de preços) para aquisição de cadeiras escolares. A licitação possuirá apenas um ator, um comprador, qual seja, a Universidade que promoveu o certame licitatório e que efetuará a contratação daí decorrente. Findo o processo, a Universidade contratará o vencedor, receberá e pagará o material licitado. Já, na licitação por registro de preços, há a possibilidade trazida pelo anterior Decreto 3.931/2001 e atual Decreto 7.892/13, de três espécies de atores, compradores ou contratantes: o órgão gerenciador, os órgãos participantes e os órgãos não participantes (caronas). Com o advento do novo Decreto Federal nº 7.892/2013, surgiram importantes alterações nos deveres e atribuições destes

2 2 órgãos. Este artigo irá analisar, detalhadamente, as implicações nas atribuições dos órgãos Gerenciador, Participantes e Não-Participantes, segundo o novo regramento federal ÓRGÃO GERENCIADOR No SRP, o órgão ou entidade responsável pela instauração do certame e pela prática de todos os atos de controle e administração do registro de preços, denomina-se órgão gerenciador. Conforme Decreto 7892/13, art. 2º, In. III, órgão gerenciador é o órgão ou entidade da administração pública federal responsável pela condução do conjunto de procedimentos para registro de preços e gerenciamento da ata de registro de preços dele decorrente. Vamos analisar as atribuições do órgão gerenciador frente ao novo regulamento (art. 5º, caput e incisos do Decreto 7.892/2013): Art. 5º Caberá ao órgão gerenciador a prática de todos os atos de controle e administração do Sistema de Registro de Preços, e ainda o seguinte: O Órgão Gerenciador é responsável pelos atos de controle e administração do registro de preços, ou seja, pela condução do conjunto de procedimentos do certame desde a fase interna até o gerenciamento da Ata de Registro de Preços. I - registrar sua intenção de registro de preços no Portal de Compras do Governo federal;

3 3 Cabe ao órgão Gerenciador convidar outros órgãos ou entidades que desejarem participar do registro e utilizar a Ata. Essa convocação que, na égide do Decreto 3.931/01 era manual, ocorrendo por meio eletrônico ou outro meio eficaz, agora, pelo novo Decreto 7.892/13, ocorre pelo IRP Intenção de Registro de Preços. O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, por meio Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação e do Departamento de Logística e Serviços Gerais, desenvolveu uma nova ferramenta tecnológica que tende a revolucionar as licitações/contratações públicas: IRP Intenção de Registro de Preços. O IRP torna público no COMPRASNET ( as licitações que os órgãos gerenciadores irão realizar mediante o Sistema de Registro de Preços, por concorrência ou pregão presencial e eletrônico. Tal inovação concede uma divulgação ampla da futura licitação por SRP, permitindo que diversos órgãos/entidades que desejem tornar-se órgãos participantes daquela licitação, manifestem o interesse e participem dos certames desde o início dos trabalhos. Essa ferramenta por si só será responsável pela diminuição de caronas (uma vez que as intenções de registro de preços ficam em aberto, com a possibilidade de consulta por todos os interessados, que já podem adentrar aos trabalhos na condição de órgão PARTICIPANTE). O Sistema permite que os órgãos interessados criem contas como Órgão Gerenciador e/ou Órgão Participante, podendo inclusive selecionar os serviços ou produtos de sua preferência para serem futuramente avisados via de novas Intenções de Registro de Preços cadastradas no sistema. Para ter acesso, basta acessar o site e clicar em: Serviço de Governo > SIASGWeb > SISRP > IRP.

4 4 II - consolidar informações relativas à estimativa individual e total de consumo, promovendo a adequação dos respectivos termos de referência ou projetos básicos encaminhados para atender aos requisitos de padronização e racionalização; Existindo órgãos participantes do registro, o órgão gerenciador terá a tarefa de consolidar todas as informações relativas à estimativa individual e total de consumo, reunindo as expectativas de consumo do gerenciador e todos os participantes e adequando os respectivos projetos básicos encaminhados pelos órgãos/entidades para atender requisitos de padronização e racionalização. O órgão gerenciador terá que aglutinar os Projetos Básicos ou Termos de Referências encaminhados pelos órgãos participantes, resultando em apenas um projeto básico/termo de referência. Assim o trabalho do Gerenciador ao receber as expectativas e necessidades dos órgãos participantes, deverá adequar o projeto básico ou termo de referência no que tange à quantidades máximas estimadas, especificações e características dos objetos, reenviando essa consolidação, após pronta, aos participantes para que forneçam a confirmação final que a consolidação está correta. III - promover atos necessários à instrução processual para a realização do procedimento licitatório; Promover todos os atos necessários à instrução processual para a realização do registro de preços, ou seja, todos os atos necessários relativos à fase interna do certame: confecção do edital, publicação do aviso do edital, abertura do processo administrativo etc.

5 5 IV - realizar pesquisa de mercado para identificação do valor estimado da licitação e consolidar os dados das pesquisas de mercado realizadas pelos órgãos e entidades participantes; Realizar pesquisa de mercado efetuada na fase interna da licitação, para que, através da pesquisa de mercado chegue no valor estimado da contratação (e, se julgar conveniente, estabeleça também o valor unitário máximo que a Administração se dispõe a pagar). A novidade, pelo novo Regulamento, é que o Gerenciador poderá solicitar o auxílio técnico dos órgãos participantes para que também efetuem a pesquisa prévia de mercado nessa etapa interna da licitação e, sendo solicitado este auxílio, caberá ao Gerenciador consolidar também os dados referentes às pesquisas de mercado efetuadas pelos participantes. V - confirmar junto aos órgãos participantes a sua concordância com o objeto a ser licitado, inclusive quanto aos quantitativos e termo de referência ou projeto básico; Após efetuar toda a consolidação das expectativas, quantitativos máximos estimados, especificações do objeto (ou seja, consolidação do TR ou PJ), o Órgão Gerenciador deve assegurar que os órgãos ou entidades participantes atestem sua concordância com essa consolidação final, no que tange ao objeto licitado, quantitativos e projeto básico/termo de referência. VI - realizar o procedimento licitatório; Responsabilidade do Órgão Gerenciador em instaurar e promover a realização da licitação em toda sua etapa externa (ou seja, a fase externa, no dia e data marcados

6 6 pelo edital), realizar a sessão do procedimento licitatório e todas as suas etapas (credenciamento, classificação e julgamento das propostas, fase de habilitação, fase recursal, homologação do procedimento, formalização e assinatura da Ata de Registro de Preços etc). VII - gerenciar a ata de registro de preços; É o órgão Gerenciador que será o gestor da ARP, devendo gerenciar e monitorar a Ata de Registro de Preços. É o Gerenciador que acompanha, por exemplo, se algum fornecedor teve seu registro cancelado; o Gerenciador quem deve acompanhar os quantitativos máximos estimados constantes na Ata, verificando os itens que já foram adquiridos em sua totalidade, dar baixa nos quantitativos já adquiridos, controlar o quantitativo restante e ainda disponível para compra/contratação, controlar o prazo de validade da Ata de Registro de Preços etc. Assim, para que o sistema funcione adequadamente, deverá existir uma constante interação entre os participantes e gerenciador, de forma que os participantes não façam a aquisição diretamente da ARP, mas antes, informem o gerenciador que irão efetuar a compra ou contratação, para que sejam atualizados de informações recentes (ex.: cancelamento de um fornecedor do registro), informando a quantidade que será adquirida para que o Gerenciador acompanhe e dê baixa nos quantitativos previstos na ata. VIII - conduzir eventuais renegociações dos preços registrados; Sendo o órgão Gerenciador o Gestor da ARP, ele quem irá conduzir renegociações dos preços registrados. Nas hipóteses em que os preços registrados estejam defasados, é

7 7 possível a revisão dos preços registrados e a tarefa da negociação de preços junto ao licitante é exclusiva do órgão gerenciador. IX - aplicar, garantida a ampla defesa e o contraditório, as penalidades decorrentes de infrações no procedimento licitatório; e Existindo alguma infração pelos licitantes ainda na fase do procedimento licitatório (ex.: entrega de declaração falsa), é o gerenciador que detém a atribuição de aplicação de penalidades aos licitantes infratores, ainda na sede da fase da licitação. X - aplicar, garantida a ampla defesa e o contraditório, as penalidades decorrentes do descumprimento do pactuado na ata de registro de preços ou do descumprimento das obrigações contratuais, em relação às suas próprias contratações. O órgão gerenciador além de ser o responsável para a aplicação de sanções na fase do procedimento licitatório, também detém competência para aplicação de penalidades por descumprimento da ata de registro de preços (isto é, antes de assinado o contrato ou retirado o instrumento equivalente). Entretanto, formalizada a contratação decorrente da Ata, isto é, assinado o contrato administrativo ou retirado o instrumento equivalente, o órgão competente para sancionar descumprimento contratual é o dono do próprio contrato, ou seja, o contratante. Se o contratante for o gerenciador, ele quem aplicará a penalidade; se o contratante for o participante, este quem deverá penalizar, informando a ocorrência ao gerenciador (art. 5º, parágrafo único); sendo o contratante o carona, este

8 8 deverá aplicar a penalidade, informando ao gerenciador a ocorrência (art. 22 7º). 2º O órgão gerenciador poderá solicitar auxílio técnico aos órgãos participantes para execução das atividades previstas nos incisos III, IV e VI do caput. A novidade trazida pelo Decreto 7.892/13, é na possibilidade do órgão gerenciador solicitar o auxílio técnico dos órgãos participantes, no desenvolvimento das seguintes atribuições: pesquisa prévia de preços, efetuada na fase interna da licitação (cabendo ao gerenciador consolidar essas informações); promover atos necessários à instrução processual para a realização do procedimento licitatório e realizar o procedimento licitatório, atribuições estas que, anteriormente, eram exclusivas do órgão gerenciador. Dessa forma, o gerenciador poderá solicitar ajuda aos participantes para realizar a pesquisa prévia de preços, os atos referentes à instrução processual da licitação e, a realização do próprio certame, isto é, a realização da própria sessão de licitação. ÓRGÃOS PARTICIPANTES Além do órgão gerenciador, desde o início do procedimento, poderão participar do certame e integrar a Ata de Registro de Preços os chamados órgãos participantes, definidos pelo mesmo Decreto como: Art. 2 (...) IV - órgão participante - órgão ou entidade da administração pública federal que participa dos

9 9 procedimentos iniciais do Sistema de Registro de Preços e integra a ata de registro de preços. Então, como surgem os órgãos participantes? Como mencionamos, em momento anterior à sessão licitatória por registro de preços, o órgão gerenciador efetua o convite através do IRP aos órgãos ou entidades, para aqueles que se interessarem, possam participar do registro de preços e utilizar a Ata de registro para suas futuras compras e contratações. Os órgãos participantes integram o procedimento desde seu início: seus quantitativos estimados integram o edital e a Ata de Registro de Preços, tendo a garantia que, se houver a necessidade da contratação, têm o compromisso da entrega do produto ou fornecimento do serviço, durante o lapso de validade da Ata, do fornecedor cujo preço foi registrado. Portanto, se o órgão gerenciador pretende adquirir 100 veículos e, para esta licitação, apresentem-se dois órgãos participantes, solicitando 50 veículos cada um, a licitação, desde o início irá prever o objeto em 200 veículos (soma dos quantitativos do órgão gerenciador com os dos órgãos participantes). O órgão participante interessado em participar do registro de preços deverá, por sua vez: Art. 6º O órgão participante será responsável pela manifestação de interesse em participar do registro de preços, providenciando o encaminhamento ao órgão gerenciador de sua estimativa de consumo, local de entrega e, quando couber, cronograma de contratação e respectivas especificações ou termo de referência ou projeto básico, nos termos da Lei nº 8.666, de

10 10 21 de junho de 1993, e da Lei nº , de 17 de julho de 2002, adequado ao registro de preços do qual pretende fazer parte, devendo ainda: O órgão ou entidade interessado em tornar-se participante da ata de registro de preços, deve manifestar esta intenção antes da realização do procedimento licitatório, o que é feito em resposta ao convite enviado pelo órgão gerenciador. A novidade no novo regulamento está na forma de manifestação que, agora, será pelo IRP (Intenção de Registro de Preços). Deverá, então, em resposta ao convite próprio IRP. encaminhar ao órgão gerenciador sua expectativa de consumo e respectivas especificações contidas no termo de referência ou projeto básico, adequado ao registro de preço que irá participar. I - garantir que os atos relativos a sua inclusão no registro de preços estejam formalizados e aprovados pela autoridade competente; Garantir a formalização e aprovação pela autoridade competente de todos os atos inerentes ao procedimento para sua inclusão no registro de preços. Essa aprovação diz respeito à aprovação pela autoridade competente do órgão Participante, ou seja, um processo dentro do próprio órgão participante formalizando e aprovando sua participação na Ata de Registro de Preços de outro órgão. II - manifestar, junto ao órgão gerenciador, mediante a utilização da Intenção de Registro de Preços, sua concordância com o objeto a ser licitado, antes da realização do procedimento licitatório; e

11 11 Manifestar, junto ao órgão gerenciador, sua concordância com o objeto a ser licitado, antes da realização da licitação. Ou seja, após o participante encaminhar suas expectativas ao Gerenciador e este consolidar todas as informações e remeter de volta aos participantes, cabem a estes dar a concordância final quanto ao objeto, termo de referência ou projeto básico no que tange aos quantitativos máximos estimados, especificações e características do objeto. Essa confirmação final garantirá o sucesso da licitação. III - tomar conhecimento da ata de registros de preços, inclusive de eventuais alterações, para o correto cumprimento de suas disposições. Tomar conhecimento da Ata de Registros de Preços, inclusive as respectivas alterações porventura ocorridas, com o objetivo de assegurar, quando de seu uso, o correto cumprimento de suas disposições. Assim, sempre deverá ser mantida uma comunicação entre Gerenciador e Participantes, durante toda a vigência da ARP. No caso, por exemplo, de um fornecedor ter seu registro cancelado, o Participante deve ter ciência desse acontecimento, pois não poderá solicitar o pedido do objeto aquele fornecedor que foi extinto da Ata de Registro de Preços ou, em outro exemplo, caso os preços registrados tenham sofrido alterações resultantes de revisão de preços. Assim, antes de cada solicitação, compra ou contratação, o participante deve contatar o gerenciador para verificar se houve atualizações na ARP. Consoante Sidney Bittencourt trata-se, efetivamente, de uma obrigação a quatro mãos, de vez que, é claro, está o Órgão Gerenciador obrigado muito mais do que o Órgão

12 12 Participante a informar tempestivamente as ocorrências de alteração na ata 1. Parágrafo único. Cabe ao órgão participante aplicar, garantida a ampla defesa e o contraditório, as penalidades decorrentes do descumprimento do pactuado na ata de registro de preços ou do descumprimento das obrigações contratuais, em relação às suas próprias contratações, informando as ocorrências ao órgão gerenciador. Ficou expressamente definida a competência do órgão participante aplicar penalidades referente ao descumprimento contratual de seus próprios contratos, sempre informando tais ocorrências ao gerenciador pois, tal fato poderá ter reflexos na ata de registro de preços (ex. o cancelamento da ata). Mas quem aplica a penalidade por descumprimento contratual (isto é, após formalizada a contratação) é o contratante (o dono do próprio contrato). Por outro lado, o novo regulamento trouxe a possibilidade do órgão participante aplicar penalidades decorrentes do descumprimento da ata de registro de preços (isto é, antes de assinado o contrato ou retirado o instrumento equivalente). Como visto, esta competência também é do órgão gerenciador. Portanto, para que não exista problemáticas no momento de aplicação de sanções relativas ao descumprimento da Ata de Registro de preços, o edital deve deixar claro que será o responsável pela aplicação de tal penalidade: gerenciador ou participante. Recomendamos para que não exista a prática ilegal do bis in idem" (isto é, o licitante ser penalizado duas vezes 1 BITTENCOURT, Sidney. Licitação de Registro de Preços. 2.ed. Belo Horizonte: Fórum, 2008, p. 74.

13 13 pela mesma infração, o que é proibido em nosso ordenamento jurídico), que a competência para aplicação de sanções referente ao descumprimento da ARP (isto é, antes de formalizada a contratação), seja sempre efetuada pelo órgão Gerenciador que é o Gestor da ARP. ÓRGÃOS NÃO PARTICIPANTES (CARONAS) O Decreto 7892/2013, traz, ainda, a possibilidade de órgãos ou entidades que, mesmo não tendo participado dos procedimentos iniciais, possam tornar-se usuários da Ata de Registro de Preços já existente. São os denominados órgãos não-participantes ou, simplesmente, caronas. Os órgãos não participantes são definidos pelo Decreto 7.892/2013 como: Art. 2 (...) V - órgão não participante - órgão ou entidade da administração pública que, não tendo participado dos procedimentos iniciais da licitação, atendidos os requisitos desta norma, faz adesão à ata de registro de preços. Os órgãos não participantes (caronas), diferentemente dos órgãos participantes, para que possam utilizar a Ata de Registro de Preços, estão sujeitos a uma série de requisitos, disciplinado pelo art. 22, caput e parágrafos, do Decreto 7.892/13, a saber: (a) O carona deverá efetuar consulta ao órgão gerenciador, manifestando o interesse em aderir à Ata, tendo que obter a anuência do gerenciador para efetivação da adesão (ou seja, o gerenciador poderá não permitir a adesão);

14 14 (b) O carona deverá comprovar a vantagem em aderir àquela Ata (a adesão à Ata existente deve ser mais vantajosa do que realizar um novo procedimento); (c) Para existir a adesão, é necessária a concordância do fornecedor, pois este não é obrigado a aceitar a contratação por carona, sendo que o fornecedor apenas poderá aceitar se não existir prejuízo para com as obrigações que assumiu anteriormente na Ata de registro de preços (compromisso que o licitante já assumiu perante os órgãos gerenciador e participantes); (d) Após autorizada pelo órgão gerenciador a adesão, o carona terá até 90 dias para concretizar a compra ou contratação solicitada (observado o prazo de vigência da ata); (e) Apenas será permitida adesão do carona caso já tenha sido efetuada alguma compra/contratação pelo órgão gerenciador ou órgão participante; exceto se, justificadamente, não exista previsão no edital p/aquisição ou contratação pelo gerenciador; (f) Sujeitam-se, consoante o Decreto 7.892/13, a dois limites quantitativos: (I) Cada carona, individualmente, poderá adquirir até 100% dos quantitativos registrados em Ata; (II) O quantitativo total decorrente de adesões à Ata por caronas, não poderá exceder o quíntuplo do quantitativo inicial registrado em ata para cada item. Ou seja, em uma licitação para aquisição de impressoras, na qual o Órgão Gerenciador pretende adquirir 50 impressoras e, mais dois órgãos participantes, pretendam adquirir 25 impressoras cada um, a soma dos quantitativos do órgão gerenciador e participantes resulta em 100 impressoras. Por consequência, cada carona que efetue adesão nesta ata, poderá adquirir 100 impressoras cada um. Entretanto, todos os caronas que efetuarem a adesão à ata (independentemente de quantos órgãos se tornarão caronas), estarão limitados

15 15 à aquisição de 500 impressoras, não podendo ultrapassar (somados todos os caronas), o quíntuplo do quantitativo inicialmente previsto. Importante lembrar que, formalizada a contratação decorrente da Ata, isto é, assinado o contrato administrativo ou retirado o instrumento equivalente, o órgão competente para sancionar descumprimento contratual é o dono do contrato, ou seja, o contratante. Se o contratante for o carona, este deverá aplicar a penalidade, informando ao gerenciador a ocorrência, uma vez que tais fatos podem gerar reflexos na Ata de registro de preços, até mesmo, seu cancelamento(art. 22 7º). Por fim, é imprescindível que o órgão não participante possua processo administrativo na intimidade do próprio carona, atestando todos os requisitos acima mencionados. São estas as considerações, a respeito dos deveres e atribuições dos atores que atuam no polo de compradores de uma ata de registro de preços, em função das alterações trazidas pelo novo regramento federal, Decreto nº 7.892/2013.

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 612, DE 16 DE MARÇO DE 2007. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Registro de Preços nas compras, obras e serviços contratados pelos órgãos da

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL Nº 032, DE 17-02-2004 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP, previsto no art. 15, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de

Leia mais

Art. 2º Este Ato Normativo entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Art. 2º Este Ato Normativo entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. ATO NORMATIVO Nº 92 13 de agosto de 2007 Aprova o Regulamento do Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. O Presidente do TRIBUNAL

Leia mais

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005.

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no artigo 15, 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e artigo 11 da Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. ANEXO III do Edital

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. ANEXO III do Edital ANEXO III do Edital ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 12/2013 CGTI/DPF A Coordenação de Tecnologia da Informação do Departamento de Polícia Federal, com sede no SAIS Quadra 07 Lote 23 Edifício CGTI Setor Policial

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº. 53/2009

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº. 53/2009 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº. 53/2009 Processo nº: 1866AD/2009 Pregão nº: Nº. 33/2009 Validade: 12 (doze) meses, de 03/09/2009 a 02/09/2010 Empresa: FABIANA RIMES COSTA FERREIRA - ME. CNPJ: 08.004.529/0001-95

Leia mais

PROCESSO Nº 1.23.000.000388/2015-83

PROCESSO Nº 1.23.000.000388/2015-83 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 03/2015 PROCESSO Nº 1.23.000.000388/2015-83 VALIDADE: 12 MESES Aos 25 dias do mês de março de 2015, na, Sala de licitações, localizada na Rua Domingos Marreiros, nº 690 Bairro

Leia mais

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 1. OBJETIVO Este manual tem por objetivo esclarecer as questões

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E CULTURAL DO SISTEMA DE CRÉDITO COOPERATIVO FUNDAÇÃO SICREDI, institui o presente

Leia mais

INSTITUTO CHAPADA DE EDUCAÇÃO E PESQUISA. Regulamento de Compras e Contratos

INSTITUTO CHAPADA DE EDUCAÇÃO E PESQUISA. Regulamento de Compras e Contratos INSTITUTO CHAPADA DE EDUCAÇÃO E PESQUISA Regulamento de Compras e Contratos A presidente do ICEP no uso de suas atribuições e de acordo com lei 9.790/99 e decreto 3.100, torna público o Regulamento de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO ELETRÔNICO 01/2010 Processo nº 0.000.000.001735/2010-31 VALIDADE 12 (DOZE) MESES ATA Nº 1/2010 No dia 21 de dezembro do ano de dois mil e dez, no CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO

Leia mais

LUÍS SANTOS DA SILVA, brasileiro, solteiro, portador da Carteira de Identidade n 3129720, expedida

LUÍS SANTOS DA SILVA, brasileiro, solteiro, portador da Carteira de Identidade n 3129720, expedida SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETÁRIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 02/2016 PREGÃO ELETRÔNICO n.36/2015 PROCESSO n.23000.011829/2015-28 Aos. _ dias do mês

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MEDIANTE LICITAÇÃO, INCLUSIVE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE,

Leia mais

definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado.", conforme

definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado., conforme PROCESSO: 059229/2015 INTERESSADO: Divisão de Informática ASSUNTO: Pregão Presencial nº 008/2015 ANULAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2015 JUSTIFICATIVA A Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão,

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS FORMAS DE AQUISIÇÃO/CONTRATAÇÃO LICITAÇÃO:

COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS FORMAS DE AQUISIÇÃO/CONTRATAÇÃO LICITAÇÃO: COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Quase todas as despesas das Unidades são realizadas através de compras ou contratações de serviços. Elas são classificadas de acordo com a forma de aquisição/contratação

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas e condições

Leia mais

SEGUNDA ATUALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº.006/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº.008/2015. VALIDADE: 01/04/2016

SEGUNDA ATUALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº.006/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº.008/2015. VALIDADE: 01/04/2016 SEGUNDA ATUALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº.006/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº.008/2015. VALIDADE: 01/04/2016 Aos três dias do mês de junho de 2015, o Município de Santo Antônio da Patrulha/RS, neste

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº. 001/2010/SENAR-AR/RO

CONCORRÊNCIA Nº. 001/2010/SENAR-AR/RO PROCESSO nº 006/2010 CONCORRÊNCIA SOB REGISTRO DE PREÇOS n.º 001/2010 CONTRATO SOB REGISTRO DE PREÇOS PARA FORNECIMENTO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS, PRODUTOS DESCARTAVÉIS E PRODUTOS DE HIGIENE E LIMPEZA QUE

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2013 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 037/2013

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2013 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 037/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2013 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 037/2013 Pelo presente instrumento, a SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, órgão gerenciador do Registro de Preços, localizada na

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 070/2015 PREGÃO Nº 022/2015

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 070/2015 PREGÃO Nº 022/2015 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 070/2015 PREGÃO Nº 022/2015 Aos dezesseis dias do mês de julho de 2015, na sede da Coordenadoria Executiva de Licitações, localizada à Avenida Brahim Antônio Seder, nº 34 /

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 01/2012

TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 01/2012 TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 01/2012 PREÂMBULO O Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente - CONPAM sito à Rua Osvaldo Cruz, 2366 Dionísio Torres Fortaleza-CE, torna público este Termo de Participação,

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Coordenação de Contratos Núcleo de Gerenciamento de Atas ATA REGISTRO DE PREÇOS Nº 31 /2014 PREGAO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 26/2014

Coordenação de Contratos Núcleo de Gerenciamento de Atas ATA REGISTRO DE PREÇOS Nº 31 /2014 PREGAO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 26/2014 PROCESSO Nº 08008.000600/2014-03 PREGAO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 26/2014 No dia de de 20, a União, por intermédio do Ministério da Justiça, situado na Esplanada dos Ministérios, Bloco T, Anexo

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Visita técnica é atividade complementar dos componentes curriculares dos cursos

Leia mais

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação )

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Versão: 1.0, 08/03/2013 Fatos Relevantes v 1.docx 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2. PESSOAS SUJEITAS

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014 A LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S. A. concessionária de serviços públicos de distribuição de energia

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.213, DE 2015 (Do Sr. João Fernando Coutinho)

PROJETO DE LEI N.º 1.213, DE 2015 (Do Sr. João Fernando Coutinho) *C0052894A* C0052894A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.213, DE 2015 (Do Sr. João Fernando Coutinho) Altera as Leis nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, para

Leia mais

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO Referência: Licitação Concorrência Técnica e Preço Processo Administrativo n : 21221.001621/2012-28 1. Cuida-se de reposta ao Pedido de Impugnação ao Edital interposto pela Sociedade

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA Aos administradores, conselheiros e participantes Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná e da Caixa de Assistência

Leia mais

PREGÃOELETRONICOPARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 01/2015

PREGÃOELETRONICOPARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 01/2015 PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 01/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº. 004/2015 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 06 PREGÃOELETRONICOPARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 01/2015 PROCESSO N 004/2015 VALIDADE 12 meses Aos 11 dias do

Leia mais

EDITAL Nº 0059/2014 UNESCO

EDITAL Nº 0059/2014 UNESCO UNESCO Brasília Office Representação da UNESCO no Brasil EDITAL Nº 0059/2014 UNESCO Desenvolvimento de um sistema de informações para a realização da atividade de gestão estratégica em nível governamental

Leia mais

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR. física. EXCEPCIONALIDADE NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PESSOA FÍSICA

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR. física. EXCEPCIONALIDADE NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PESSOA FÍSICA GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR Orientação Técnica n 01/2015 Assunto: Contratação de serviços de pessoa física. Legislação: Lei n 4.320/64; Lei n 8.666/93;

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 01/06/2006 Emissão inicial 05/06/2007 Primeira Revisão Elaborado: 05/06/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Revisado: 05/06/2007

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento que disciplina a prestação de serviço de pagamento no âmbito dos arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/DIR/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/DIR/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/DIR/2013 ESTABELECE AS NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE PESQUISA PARA SERVIDORES DOCENTES, TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS E DISCENTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Módulo 14: O Sistema de Registro de Preços

Módulo 14: O Sistema de Registro de Preços Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Legislação Aplicada à Logística de Suprimentos Lei nº 8.666/93, pregão e registro de preços Conteúdo para impressão Módulo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 004/2011 PGJ/MPPB PREGÃO PRESENCIAL N.º 002/2011 - PGJ/MPPB

MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 004/2011 PGJ/MPPB PREGÃO PRESENCIAL N.º 002/2011 - PGJ/MPPB MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 004/2011 PGJ/MPPB PREGÃO PRESENCIAL N.º 002/2011 - PGJ/MPPB O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA-PGJ, inscrito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 ATA DO REGISTRO DE PREÇOS CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DO RAMO DE PRESTAÇÃO DE

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam:

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam: MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SISTEMA PARTICIPATIVO DE GARANTIA DA QUALIDADE ORGÂNICA E BIODINÂMICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA BIODINÂMICA - VERSÃO 5 No Sistema Participativo de Garantia as avaliações

Leia mais

MANUAL DE CONTRATOS PÚBLICOS

MANUAL DE CONTRATOS PÚBLICOS 2013 MANUAL DE CONTRATOS PÚBLICOS UNIPAMPA Pró-Reitoria de Administração 12/02/2013 APRESENTAÇÃO Este Manual destina-se a orientar sobre procedimentos de contratações de serviços (terceirizados; energia

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

REGULAMENTO GERAL DOS GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SOCIAL PRO-EDUCA- INSTITUTO SOCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

ORGANIZAÇÃO SOCIAL PRO-EDUCA- INSTITUTO SOCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE ORGANIZAÇÃO SOCIAL PRO-EDUCA- INSTITUTO SOCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE CNPJ N 05.303.355/0001-73 REGISTRO EM RCPJ- BARUERI/SP 222857 REGULAMENTO DE COMPRAS, CONTRATAÇÕES DE

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE COMPRAS

DIVULGAÇÃO DE COMPRAS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS DIVULGAÇÃO DE COMPRAS EVENTOS DE LICITAÇÃO, DISPENSA E INEXIGIBILIDADE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS/CONTRATO Nº004-B/2016 PROCESSO LICITATÓRIO Nº018/2016 MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL N 006/2016 VALIDADE: 12 (doze) meses O Município de Jaguaraçu, neste ato representado por seu

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA N 108/2014 CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO Processo n.º 23370.000471.2014-19

COTAÇÃO ELETRÔNICA N 108/2014 CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO Processo n.º 23370.000471.2014-19 COTAÇÃO ELETRÔNICA N 108/2014 CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO Processo n.º 23370.000471.2014-19 1 - OBJETO: Cotação Eletrônica para Aquisição de Mesas de Xadrez para a Direção de Extensão do do IFRS. 2

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 026/2010

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 026/2010 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 026/2010 EDITAL DE LICITAÇÃO N.º 112/2010 MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL PROCESSO Nº 2010 0000 5017 VALIDADE: 12 (DOZE) MESES ATA Nº 026/2010 Ao 1º (primeiro) dia do mês de outubro

Leia mais

Políticas de troca, devolução e reembolso

Políticas de troca, devolução e reembolso Trocas e Devoluções Políticas de troca, devolução e reembolso Para que você mantenha a sua confiança e total satisfação nas compras realizadas na Marcenaria Tiradentes criamos uma Política de Troca e Devolução

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS - Nº 005/2015 PROCESSO N 2014.030552 VALIDADE: 12 (doze) meses.

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS - Nº 005/2015 PROCESSO N 2014.030552 VALIDADE: 12 (doze) meses. 1 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS - Nº 005/2015 PROCESSO N 2014.030552 VALIDADE: 12 (doze) meses. Ata de registro de preço, para Modalidade: : REGISTRO DE PREÇOS PARA FUTURA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE CRIAÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 79, 26 DE maio DE 2015

PORTARIA Nº 79, 26 DE maio DE 2015 PORTARIA Nº 79, 26 DE maio DE 2015 Institui, no âmbito da Autoridade Pública Olímpica APO, o Serviço de Informação ao Cidadão SIC, e revoga a Portaria nº 41, de 2013, que instituíra e disciplinava o Serviço

Leia mais

Elaboração de Editais, Termos de Referência e Projetos Básicos (conhecimentos necessários do início ao fim do processo licitatório)

Elaboração de Editais, Termos de Referência e Projetos Básicos (conhecimentos necessários do início ao fim do processo licitatório) Elaboração de Editais, Termos de Referência e Projetos Básicos (conhecimentos necessários do início ao fim do processo licitatório) A CASP Online é uma entidade especializada em capacitação para o setor

Leia mais

Sobre o Sistema FiliaWEB

Sobre o Sistema FiliaWEB Setembro/2009 SUMÁRIO SOBRE O SISTEMA FILIAWEB... 3 I - PAPÉIS E RESPONSABILIDADES NA NOVA SISTEMÁTICA DAS LISTAS DE FILIAÇÃO PARTIDÁRIA... 4 II CADASTRAMENTO DE USUÁRIO... 5 III REGISTRO DE FILIADOS...

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Bacharelado em Administração Modalidade a Distância é uma

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária. Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda

Legislação em Vigilância Sanitária. Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda título: Resolução RDC nº 99, de 30 de dezembro de 2008

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 039/2014 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 096/2013

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 039/2014 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 096/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 039/2014 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 096/2013 Pelo presente instrumento, a SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, órgão gerenciador do Registro de Preços, localizada na

Leia mais

Ata de Registro de Preços 10/2015

Ata de Registro de Preços 10/2015 _ Ata de Registro de Preços 10/2015 PREGAO PRESENCIAL Nº ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 10/2015 Objeto Aquisição de Material e Instrumental Odontológico Aos vinte e seis dias do mês de março de 2015 do ano

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

Assunto Instrução CVM nº 409/04 Audiência Pública Manifestação ANBIMA Instrução CVM nº 555/14 Observações

Assunto Instrução CVM nº 409/04 Audiência Pública Manifestação ANBIMA Instrução CVM nº 555/14 Observações Assunto Instrução CVM nº 409/04 Audiência Pública Manifestação ANBIMA Instrução CVM nº 555/14 Observações Classe de Fundos Rebate Os Fundos eram divididos em sete classes: (i) Curto Prazo (ii) Referenciado

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA Versão.0 Sistema de Controle de Concessão de Adiantamentos Sumário O Sistema CCA ----------------------------------------------------- 3 Iniciando a operacionalização do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL. Expede Instruções para Funcionamento de Agência de Carga Aérea.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL. Expede Instruções para Funcionamento de Agência de Carga Aérea. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N o 749B/DGAC, DE 25 DE JUNHO DE 2002 Expede Instruções para Funcionamento de Agência de Carga Aérea. O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 045/2012 PGJ/MPPB PREGÃO PRESENCIAL N.º 049/2012 - PGJ/MPPB

MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 045/2012 PGJ/MPPB PREGÃO PRESENCIAL N.º 049/2012 - PGJ/MPPB MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 045/2012 PGJ/MPPB PREGÃO PRESENCIAL N.º 049/2012 - PGJ/MPPB O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA - PGJ, inscrito

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 08 /2009 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 200928 COMPRASNET N 227/2009 PROCESSO Nº 09000397-7 VALIDADE DA ATA: 12 MESES Governo do Estado do Ceará ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Aos 03 dias

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU PLANO

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Políticas e Declaração de

Leia mais

Fatec de São Carlos. A Faculdade de Tecnologia de São Carlos será a última parte envolvida a assinar o termo de compromisso e demais documentos.

Fatec de São Carlos. A Faculdade de Tecnologia de São Carlos será a última parte envolvida a assinar o termo de compromisso e demais documentos. Memo 04/15 Coordenação São Carlos, 26 de Fevereiro de 2015. Orientações Gerais aos Discentes Assunto: Estágio obrigatório e não obrigatório O estágio é regulamentado pela legislação através da LEI DO ESTÁGIO

Leia mais

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado)

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) Considerando: 1) A importância dos mananciais e nascentes do Município para o equilíbrio e a qualidade ambiental,

Leia mais

CHAMADA DE SELEÇÃO 006 2016 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL (PAPCI)

CHAMADA DE SELEÇÃO 006 2016 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL (PAPCI) CHAMADA DE SELEÇÃO 006 2016 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL (PAPCI) O Diretor de Relações Internacionais da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Professor Fabio Alves da

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ.

R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. (*) O Presidente do Conselho Universitário no uso de suas

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977.

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO N o 18, DE 10.02.72, DO CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27.03.72. CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB

COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA PROFESSOR VISITANTE DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ (PPV-UTFPR)

REGULAMENTO DO PROGRAMA PROFESSOR VISITANTE DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ (PPV-UTFPR) Resolução 18/2015 - COPPG Institui e Regulamenta, na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, o PROGRAMA PROFESSOR VISITANTE DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ para a contratação por tempo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Quinta-feira, 15 de Março de 2012 Ano XVIII - Edição N.: 4030 Poder Executivo Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação - Secretaria Municipal Adjunta de Recursos Humanos INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum Controle de alterações 10 de março de 2008 emissão inicial 1 ÍNDICE 0. Condições Gerais... 3 1. Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 2. Abertura de Processo... 5 3. Processo Técnico Reconhecimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética no Uso de Animais, da MercoLab Laboratórios Ltda. O conselho de pesquisa

Leia mais

Departamento Regional Minas Gerais. Errata Nº 01/2014

Departamento Regional Minas Gerais. Errata Nº 01/2014 Errata Nº 01/2014 Considerando a impugnação apresentada por e-mail no dia 26 de agosto de 2014, a Comissão Permanente de Licitação, no desempenho de suas atribuições, com base na análise dos argumentos

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS LEILÃO ADMINISTRATIVO Nº 002/2014 - COPASA MG A COPASA MG, com sede na cidade de Belo Horizonte - MG, à Rua Mar de Espanha, 525 Bairro Santo Antônio, CNPJ/MF n.º 17.281-106/0001-03, torna público que realizará

Leia mais

Resolução Normativa PUC n o 021/10 ATRIBUIÇÂO DE AULA PROCESSO SELETIVO EXTERNO DE DOCENTE

Resolução Normativa PUC n o 021/10 ATRIBUIÇÂO DE AULA PROCESSO SELETIVO EXTERNO DE DOCENTE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Resolução Normativa PUC n o 021/10 Campinas (SP), 1 o /6/10 DESTINATÁRIO: TODAS AS UNIDADES DA PUC-CAMPINAS ASSUNTO: ATRIBUIÇÂO DE AULA PROCESSO SELETIVO EXTERNO

Leia mais

Interessados: RESPONSÁVEIS: João Paulo Bastos Hildebrandt e Paulo Macedo de Carvalho Mesquita

Interessados: RESPONSÁVEIS: João Paulo Bastos Hildebrandt e Paulo Macedo de Carvalho Mesquita Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0054-06/99-1 Identidade do documento: Acórdão 54/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas. Centro Psiquiátrico Pedro II. Exercício de 1997. Garantias

Leia mais

M A N U A L D O C I D A D Ã O

M A N U A L D O C I D A D Ã O M A N U A L D O C I D A D Ã O O Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão (e-sic) servirá de auxílio ao SIC (setor físico), para consulta via internet. E-SIC Versão 1.05 Sumário Introdução

Leia mais

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE 2 / 14 MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS PELA CETIP _6 CAPÍTULO

Leia mais