Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE"

Transcrição

1 Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE SIMULAÇÃO DIGITAL, COM SENSORES NA MALHA, DE SISTEMAS DE CONTROLE DE ATITUDE DE SATÉLITES ARTIFICIAIS Patrícia Trindade de Araújo Tredinnick Dissertação de Mestrado em Engenharia e Tecnologia Espaciais/Mecânica Espacial e Controle - ETE/CMC, orientada pelo Dr. Marcelo Lopes de Oliveira e Souza e pelo Dr. Paulo Giácomo Milani aprovada em 25 de Fevereiro de1999 INPE São José dos Campos 1999

2

3 Ao meu marido Marcelo Ricardo e aos meus pais Regina e Carlos Roberto.

4

5 " Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe para onde ir." (Seneca - 4 a.c. a 65 d.c.)

6

7 AGRADECIMENTOS: - À Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) pela bolsa de estudos que financiou este programa de Mestrado; - aos meus dois orientadores por todos os ensinamentos fornecidos durante o Mestrado: Dr. Marcelo Lopes de Oliveira e Souza e Dr. Paulo Giácomo Milani; - ao colega Silvano Vargas Prudêncio pelo programa de simulação do satélite SACI-1 usado neste trabalho; - ao meu marido Marcelo Ricardo pelo apoio e incentivo.

8

9 RESUMO Este trabalho discute e faz a simulação digital, com um simulador dinâmico em 3 eixos e seus sensores de ângulo na malha, de sistemas de controle de atitude de satélites artificiais. Tem como aplicação o primeiro Satélite de Aplicações Científicas brasileiro (SACI-1) que utiliza um controle de atitude autônomo e será estabilizado por rotação com controle ativo da velocidade de rotação e da sua precessão através de bobinas geradoras de torques magnéticos interagindo com o campo geomagnético. O trabalho: 1) utiliza um simulador dinâmico em 3 eixos e seus sensores de ângulo, uma interface PC-C e seus "drivers", rotinas de comando e acionamento do simulador dinâmico, rotinas de medição precisa de tempo, e a simulação stand-alone de Prudêncio modificada por nós; 2) verifica e caracteriza as ferramentas que são utilizadas; 3) investiga algumas formas de estimação de velocidade angular a partir das medidas de ângulo; e 4) compara a simulação stand-alone de Prudêncio modificada por nós com a simulação feita neste trabalho. Com base nisto concluímos que é possível substituir um modelo em software pelo correspondente hardware na malha, que, no nosso caso, foi um simulador dinâmico com seus sensores de ângulo em 3 eixos.

10

11 DIGITAL SIMULATION, WITH SENSORS IN THE LOOP, OF ATTITUDE CONTROL SYSTEMS OF ARTIFICIAL SATELLITES ABSTRACT This work discusses and implements the digital simulation, with a 3 axis dynamic simulator and its angle sensors in the loop, of attitude control systems of artificial satellites. It has as application the first brazilian Scientific Applications Satellite (SACI-1) which uses an autonomous attitude control system and will be spin stabilized with active spin rate, spin axis and precession control through magnetic torque coils interacting with the geomagnetic field. The work: 1) uses a three axis dynamic simulator and its angle sensors, an interface PC-C and its drivers, command and drive routines of the dynamic simulator, precise time routines, and the stand-alone simulation of Prudêncio modified by us; 2) verifies and characterizes the tools that are used; 3) investigates some forms of estimating the spin rate; and 4) compares the stand-alone simulation of Prudêncio modified by us, with the simulation done in this work. Based on that, we conclude that it is possible to substitute a software model by the corresponding hardware in the loop that, in our in case, was a dynamic simulator with its three axis angle sensors.

12

13 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SÍMBOLOS CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO, OBJETIVO, JUSTIFICATIVA E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Introdução Objetivo Justificativa Organização do Trabalho...32 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS BÁSICOS E REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Modelagem Simulação Simulação em Software em Tempo Não-Real Simulação em Software com Características de Tempo Real Simulação Estática com um 2 0 Computador na Malha e em Tempo Real Simulação Dinâmica com Sensores na Malha Simulador Dinâmico...39

14 Interface PC - C Características Gerais do Satélite SACI Programa de Simulação de Prudêncio (1997) Linguagens de Programação Ferramentas de Simulação...51 CAPÍTULO 3 - MEDIDA DE TEMPO Motivações Rotina Dedicada em Software Hardware Dedicado Hardware do PC e um Software Especial Um Contador Interno do PC O "Programmable Internal Timer" Descrição da Rotina de Medida de Tempo Descrição das Modificações da Rotina para a Utilização Neste Trabalho Análise da Duração de Algumas Funções Precisão da Duração da Rotina de Tempo Precisão da Duração da Rotina delay Precisão da Duração da Rotina r_position Precisão da Duração da Rotina r_position_passive...70

15 Precisão da Duração da Integração de Várias Rotinas (incluindo r_position) Precisão da Duração da Integração de Várias Rotinas (incluindo r_position_passive)...76 CAPÍTULO 4 - MEDIDA DE VELOCIDADE ANGULAR Motivação Estimação da Velocidade Angular Primeiro Teste para Estimação da Velocidade Angular Segundo Teste para Estimação da Velocidade Angular Terceiro Teste para Estimação da Velocidade Angular Verificação do Método de Estimação de Velocidade Utilizado neste Trabalho Teste para Consolidar o Método CAPÍTULO 5 - SIMULAÇÕES E RESULTADOS EM MALHA ABERTA E EM MALHA FECHADA. COMPARAÇÕES COM AS DE PRUDÊNCIO (1997) Teste do Sistema em Malha Aberta Teste do Sistema em Malha Fechada no Modo Simulate Teste do Sistema em Malha Fechada no Modo Real. Comparações Comparações entre a Simulação de Prudêncio (1997) e a Simulação deste Trabalho...141

16 CAPÍTULO 6 - CONCLUSÕES E SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS Dificuldades Conclusões Sugestões para Trabalhos Futuros REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A - SISTEMAS DE COORDENADAS...169

17 LISTA DE FIGURAS Pág FASES DE DESENVOLVIMENTO DO SCA DO SATÉLITE DIAGRAMA DE BLOCOS DA SIMULAÇÃO ESTÁTICA DIAGRAMA DE BLOCOS DA SIMULAÇÃO COM COMPUTADOR NA MALHA ESQUEMA DE UMA SIMULAÇÃO COM SENSORES NA MALHA ARQUITETURA DO HARDWARE DO LABSIM VETOR SATÉLITE-SOL E SUAS COMPONENTES NO REFERENCIAL FIXO AO SATÉLITE E ÂNGULO DE APONTAMENTO REFERENCIAL FIXO AO SATÉLITE, COMPONENTES DO VETOR MOMENTO ANGULAR E O ÂNGULO DE NUTAÇÃO HIERARQUIA DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO DIAGRAMA DO SISTEMA SOFTWARE-HARDWARE DIAGRAMA DOS CONTADORES COM SEUS TEMPOS DE CONTAGEM DIAGRAMA DA CONTAGEM DE TEMPO DIAGRAMA DE BLOCOS DOS COMANDOS BÁSICOS DAS ROTINAS DE DOMÍNIO PÚBLICO DIAGRAMA DE BLOCOS DOS COMANDOS DA ROTINA MODIFICADA DIAGRAMA DE BLOCOS DO 1 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA ROTINA DE TEMPO INTERVALO DE TEMPO ENTRE DUAS MEDIDAS DE TEMPO CONSECUTIVAS....62

18 3.7 - "ZOOM" DO INTERVALO DE TEMPO ENTRE DUAS MEDIDAS DE TEMPO CONSECUTIVAS DIAGRAMA DE BLOCOS DO 2 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA ROTINA DE TEMPO DIAGRAMA DE BLOCOS DO 1 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA ROTINA DELAY EXCESSO DE TEMPO DO INTERVALO DE 100 MS "ZOOM" DO EXCESSO DE TEMPO DO INTERVALO DE 100 MS DIAGRAMA DE BLOCOS DO 2 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA ROTINA DELAY DIAGRAMA DE BLOCOS DO 1 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA ROTINA R_POSITION INTERVALO DE TEMPO DE DURAÇÃO DA ROTINA R_POSITION "ZOOM" DO INTERVALO DE TEMPO DE DURAÇÃO DA ROTINA R_POSITION DIAGRAMA DE BLOCOS DO 2 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA ROTINA R_POSITION DIAGRAMA DE BLOCOS DO 1 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA ROTINA R_POSITION_PASSIVE INTERVALO DE TEMPO DE DURAÇÃO DA ROTINA R_POSITION_PASSIVE "ZOOM" DO INTERVALO DE TEMPO DE DURAÇÃO DA ROTINA R_POSITION_PASSIVE DIAGRAMA DE BLOCOS DO 2 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA ROTINA R_POSITION_PASSIVE...72

19 DIAGRAMA DE BLOCOS DO 1 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS ROTINAS INTERVALO DE TEMPO DE DURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS ROTINAS "ZOOM" DO INTERVALO DE DURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS ROTINAS DIAGRAMA DE BLOCOS DO 2 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS ROTINAS DIAGRAMA DE BLOCOS DO 1 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS ROTINAS INTERVALO DE TEMPO DE DURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS ROTINAS "ZOOM" DO INTERVALO DE DURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS ROTINAS DIAGRAMA DE BLOCOS DO 2 0 TESTE DE PRECISÃO DA DURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS ROTINAS DIAGRAMA DE BLOCOS DO ESQUEMA DO TESTE ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 0,001 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 0,01 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 0,1 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 1,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 10,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS...89

20 4.7 - ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 20,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 30,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 36,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS DIAGRAMA DE BLOCOS DO ESQUEMA DO TESTE ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 0,001 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 0,01 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 0,1 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 1,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 10,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 20,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 30,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 36,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS DIAGRAMA DE BLOCOS DO ESQUEMA DO TESTE

21 ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 0,001 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 0,01 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 0,1 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 1,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 10,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 20,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 30,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE ANGULAR DE 36,0 0 /S NO INTERVALO DE 1 MS ATÉ 500 MS AMOSTRAS DE V EST PARA V COM = 0,001 0 /S COM T = 100 MS AMOSTRAS DE V EST PARA V COM = 0,01 0 /S COM T = 100 MS AMOSTRAS DE V EST PARA V COM = 0,1 0 /S COM T = 100 MS AMOSTRAS DE V EST PARA V COM = 1,0 0 /S COM T = 100 MS AMOSTRAS DE V EST PARA V COM = 10,0 0 /S COM T = 100 MS AMOSTRAS DE V EST PARA V COM = 20,0 0 /S COM T = 100 MS...114

22 AMOSTRAS DE V EST PARA V COM = 30,0 0 /S COM T = 100 MS AMOSTRAS DE V EST PARA V COM = 36,0 0 /S COM T = 100 MS HISTOGRAMA DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO DE V COM = 0,001 0 /S HISTOGRAMA DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO DE V COM = 0,01 0 /S HISTOGRAMA DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO DE V COM = 0,1 0 /S HISTOGRAMA DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO DE V COM = 1,0 0 /S HISTOGRAMA DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO DE V COM = 10,0 0 /S HISTOGRAMA DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO DE V COM = 20,0 0 /S HISTOGRAMA DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO DE V COM = 30,0 0 /S HISTOGRAMA DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO DE V COM = 36,0 0 /S DIAGRAMA DE BLOCOS DO SISTEMA EM MALHA ABERTA VELOCIDADE ANGULAR COMANDADA DO EIXO Z VELOCIDADE ANGULAR ESTIMADA SEM RESTRIÇÕES DO EIXO Z, VELOCIDADE ANGULAR ESTIMADA COM RESTRIÇÕES DO EIXO Z, COMPARAÇÃO ENTRE A VELOCIDADE ANGULAR COMANDADA E ESTIMADA SEM RESTRIÇÕES DO EIXO Z ZOOM DA COMPARAÇÃO ENTRE A VELOCIDADE ANGULAR COMANDADA E ESTIMADA SEM RESTRIÇÕES DO EIXO Z COMPARAÇÃO ENTRE AS VELOCIDADES ANGULARES NO EIXO Z, COMANDADA E ESTIMADA, COM RESTRIÇÕES

23 5.8 - ZOOM DA COMPARAÇÃO ENTRE AS VELOCIDADES ANGULARES NO EIXO Z COMANDADA E ESTIMADA COM RESTRIÇÕES HIST. DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO ENTRE V EST SEM RESTRIÇÕES E A V COM HIST. DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO ENTRE V EST COM RESTRIÇÕES E A V COM DIAGRAMA DE BLOCOS DO SISTEMA EM MALHA FECHADA VELOCIDADE ANGULAR COMANDADA DO EIXO Z VELOCIDADE ANGULAR ESTIMADA SEM RESTRIÇÕES DO EIXO Z VELOCIDADE ANGULAR ESTIMADA COM RESTRIÇÕES DO EIXO Z COMPARAÇÃO ENTRE AS VELOCIDADES ANGULARES NO EIXO Z COMANDADA E ESTIMADA SEM RESTRIÇÕES ZOOM DA COMPARAÇÃO ENTRE AS VELOCIDADES ANGULARES NO EIXO Z COMANDADA E ESTIMADA SEM RESTRIÇÕES COMPARAÇÃO ENTRE AS VELOCIDADES ANGULARES NO EIXO Z COMANDADA E ESTIMADA COM RESTRIÇÕES ZOOM DA COMPARAÇÃO ENTRE AS VELOCIDADES ANGULARES NO EIXO Z COMANDADA E ESTIMADA COM RESTRIÇÕES HIST. DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO ENTRE V EST SEM RESTRIÇÕES E A V COM HIST. DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO ENTRE V EST COM RESTRIÇÕES E A V COM DIAGRAMA DE BLOCOS DO SISTEMA EM MALHA FECHADA

24 VELOCIDADE ANGULAR COMANDADA DO EIXO Z VELOCIDADE ANGULAR ESTIMADA SEM RESTRIÇÕES DO EIXO Z VELOCIDADE ANGULAR ESTIMADA COM RESTRIÇÕES DO EIXO Z COMPARAÇÃO ENTRE AS VELOCIDADES ANGULARES NO EIXO Z COMANDADA E ESTIMADA SEM RESTRIÇÕES ZOOM DA COMPARAÇÃO ENTRE AS VELOCIDADES ANGULARES NO EIXO Z COMANDADA E ESTIMADA SEM RESTRIÇÕES COMPARAÇÃO ENTRE AS VELOCIDADES ANGULARES NO EIXO Z COMANDADA E ESTIMADA COM RESTRIÇÕES ZOOM DA COMPARAÇÃO ENTRE AS VELOCIDADES ANGULARES NO EIXO Z COMANDADA E ESTIMADA COM RESTRIÇÕES HIST. DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO ENTRE V EST SEM RESTRIÇÕES E A V COM HIST. DO ERRO PERCENTUAL RELATIVO ENTRE V EST COM RESTRIÇÕES E A V COM VELOCIDADE ANGULAR REAL NO EIXO X DA SIMULAÇÃO SA VELOCIDADE ANGULAR REAL NO EIXO X DA SIMULAÇÃO SM VELOCIDADE ANGULAR REAL NO EIXO Y DA SIMULAÇÃO SA VELOCIDADE ANGULAR REAL NO EIXO Y DA SIMULAÇÃO SM VELOCIDADE ANGULAR REAL NO EIXO Z DA SIMULAÇÃO SA VELOCIDADE ANGULAR REAL NO EIXO Z DA SIMULAÇÃO SM ERRO DO ÂNGULO DE AZIMUTE DA SIMULAÇÃO SA

25 ERRO DO ÂNGULO DE AZIMUTE DA SIMULAÇÃO SM ERRO DO ÂNGULO DE COELEVAÇÃO DA SIMULAÇÃO SA ERRO DO ÂNGULO DE COELEVAÇÃO DA SIMULAÇÃO SM POSIÇÃO DO FLUIDO NO INT. DO AMORT. DE NUTAÇÃO DA SIMULAÇÃO SA POSIÇÃO DO FLUIDO NO INT. DO AMORT. DE NUTAÇÃO DA SIMULAÇÃO SM VELOCIDADE ANGULAR DO FLUIDO NO INT. DO AMORT. DE NUTAÇÃO DA SIMULAÇÃO SA VELOCIDADE ANGULAR DO FLUIDO NO INT. DO AMORT. DE NUTAÇÃO DA SIMULAÇÃO SM COMPONENTE X DO VETOR TORQUE DE CONTROLE DA SIMULAÇÃO SA COMPONENTE X DO VETOR TORQUE DE CONTROLE DA SIMULAÇÃO SM COMPONENTE Y DO VETOR TORQUE DE CONTROLE DA SIMULAÇÃO SA COMPONENTE Y DO VETOR TORQUE DE CONTROLE DA SIMULAÇÃO SM COMPONENTE Z DO VETOR TORQUE DE CONTROLE DA SIMULAÇÃO SA COMPONENTE Z DO VETOR TORQUE DE CONTROLE DA SIMULAÇÃO SM ÂNGULO DE APONTAMENTO REAL DA SIMULAÇÃO SA ÂNGULO DE APONTAMENTO REAL DA SIMULAÇÃO SM ÂNGULO DE APONTAMENTO MEDIDO DA SIMULAÇÃO SA ÂNGULO DE APONTAMENTO MEDIDO DA SIMULAÇÃO SM ÂNGULO θ ENTRE OS VETORES KS E H DA SIMULAÇÃO SA...154

26 ÂNGULO θ ENTRE OS VETORES KS E H DA SIMULAÇÃO SM ÂNGULO θ ENTRE OS VETORES KS E W DA SIMULAÇÃO SA ÂNGULO θ ENTRE OS VETORES KS E W DA SIMULAÇÃO SM ÂNGULO θ ENTRE OS VETORES W E H DA SIMULAÇÃO SA ÂNGULO θ ENTRE OS VETORES W E H DA SIMULAÇÃO SM SINAL DE COMANDO DA BOBINA X DA SIMULAÇÃO SA SINAL DE COMANDO DA BOBINA X DA SIMULAÇÃO SM SINAL DE COMANDO DA BOBINA Y DA SIMULAÇÃO SA SINAL DE COMANDO DA BOBINA Y DA SIMULAÇÃO SM SINAL DE COMANDO DA BOBINA Z DA SIMULAÇÃO SA SINAL DE COMANDO DA BOBINA Z DA SIMULAÇÃO SM A.1 - RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE COORDENADAS INERCIAL E O SISTEMA DE COORDENADAS ORBITAL A.2 - RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE COORDENADAS FIXO AO SATÉLITE E O SISTEMA DE COORDENADAS ORBITAL

27 LISTA DE TABELAS Pág ELEMENTOS KEPLERIANOS NO INSTANTE DE INJEÇÃO EM ÓRBITA RESULTADOS DO SEGUNDO TESTE DA DURAÇÃO DA ROTINA DE TEMPO RESULTADOS DO SEGUNDO TESTE DA DURAÇÃO DA ROTINA "DELAY" RESULTADOS DO SEGUNDO TESTE DA DURAÇÃO DA ROTINA R_POSITION RESULTADOS DO SEGUNDO TESTE DA DURAÇÃO DA ROTINA R_POSITION_PASSIVE RESULTADOS DO SEGUNDO TESTE DA DURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DE VÁRIAS ROTINAS (INCLUINDO R_POSITION) RESULTADOS DO SEGUNDO TESTE DA DURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DE VÁRIAS ROTINAS (INCLUINDO R_POSITION_PASSIVE) FAIXAS DE VELOCIDADE ANGULARES E SEUS INCREMENTOS ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA

28 4.9 - ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA ALGUNS VALORES DA FIGURA

29 LISTA DE SÍMBOLOS e i Excentricidade Inclinação da órbita V est Velocidade estimada θ 1 Valor do ângulo no instante 1 θ 2 Valor do ângulo no instante 2 θ Diferença angular (θ 2 - θ 1 ) t 1 Valor do tempo no instante 1 t 2 Valor do tempo no instante 2 t Intervalo de tempo V com Velocidade comandada e a erro absoluto e rp erro relativo percentual

30

31 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO, OBJETIVO, JUSTIFICATIVA E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO INTRODUÇÃO Atualmente, muitos satélites artificiais são controlados em órbita e atitude através de sistemas digitais operando em tempo real. Com o objetivo de testálos, mas economizando os recursos disponíveis pela missão e até testar novas técnicas, recria-se virtualmente o ambiente natural dos satélites e de suas operações via a sua modelagem e simulação. Um dos modos de fazer isto é o objetivo deste trabalho OBJETIVO Este trabalho objetiva estudar e simular digitalmente, com um simulador dinâmico e seus sensores na malha, Sistemas de Controle de Atitude (SCAs) de satélites artificiais JUSTIFICATIVA Este trabalho se justifica pela necessidade de simulação digital, com um simulador dinâmico e seus sensores na malha, de sistemas de controle de atitude de satélites artificiais. Em particular, o INPE está engajado na construção do primeiro Satélite de Aplicações Científicas (SACI-1) que terá aproximadamente 60 kg de massa. Sua órbita será quase circular (e=0, ) e polar (i=98,53 ), a 741,464 km de altitude. O SACI-1 terá controle digital autônomo, que está sendo desenvolvido e simulado conforme os conceitos básicos resumidos no Capítulo 2. 31

32 1.4 - ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Este trabalho está assim organizado: O Capítulo 1 apresenta a introdução, o objetivo, a justificativa e a forma como este trabalho está organizado. O Capítulo 2 apresenta os conceitos básicos e a revisão bibliográfica necessária a este trabalho. O Capítulo 3 apresenta métodos de medida de tempo e qual foi a melhor maneira encontrada para sua utilização neste trabalho. O Capítulo 4 apresenta uma verificação de qual é a maneira mais fácil e simples de se obter uma estimativa da velocidade angular do simulador dinâmico. O Capítulo 5 apresenta simulações e resultados em malha aberta e em malha fechada para o eixo z (eixo de maior momento de inércia ou eixo de rotação) do satélite. E após, apresenta-as em três eixos e compara-as com a simulação de Prudêncio (1997). O Capítulo 6 apresenta as dificuldades encontradas durante o desenvolvimento deste trabalho, as conclusões e as sugestões para trabalhos futuros. 32

33 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS E REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELAGEM Modelagem, basicamente, é o processo de descrever um fenômeno ou sistema em diversos graus de fidelidade e de simplicidade ( graus de realismo segundo Milani (1993)) e com uma linguagem que torne o desenvolvimento e a sua análise a mais útil mas, a menos difícil possível. Os graus e a linguagem a serem utilizados dependem do conhecimento da área do fenômeno ou do sistema que, no caso, será digital. Para se modelar um fenômeno ou sistema deve-se ter em mente sempre a situação física para que nem o modelo traduza erradamente o fenômeno, nem o analista o interprete erroneamente ou até não consiga interpretá-lo. O modelo deve ser o mais fiel possível à realidade, mas deve ser simples sempre que possível. É verdade que para a construção de qualquer modelo existem certas aproximações que estarão sempre presentes, porque só a natureza possui precisão infinita. Para se modelar o comportamento do satélite em seu ambiente natural, o primeiro passo é considerar as leis que melhor descrevem tal comportamento: Leis de Newton, Leis de Kepler, Lei da Gravitação Universal, perturbações gravitacionais, magnéticas, aerodinâmicas, etc. Após o modelamento, estamos prontos para implementar a simulação digital por meio de software e hardware interagindo-se mutuamente SIMULAÇÃO A simulação é uma ferramenta fundamental no desenvolvimento de Sistemas de Controle de Atitude e Órbita (SCAOs) de satélites artificiais. Para se dar 33

34 início a uma simulação é necessário ter em mente os quatro grandes blocos da Figura Análise e Projeto 1 Modelagem e Simulação Implementação do Software 3 Integração e Testes em Hardware 4 Fig Fases de desenvolvimento do SCA do satélite. FONTE: Adaptada de Prudêncio (1997, p. 13). 1 - Modelagem e Simulação: Nesta fase o objetivo é identificar o sistema e o seu ambiente a serem simulados, traduzi-los em uma linguagem (diagrama de blocos, FORTRAN, etc.) simples, mas o mais fiel à realidade, e simulá-los em computadores, simuladores, etc. 2 - Análise e Projeto: Nesta fase o objetivo é analisar o comportamento do sistema no seu ambiente, e projetar seu sistema de controle. 3 - Implementação do Software: Nesta fase o objetivo é implementar em software o sistema de controle projetado anteriormente; e testá-lo exaustivamente. Caso se conclua que não é possível implementar o sistema de controle projetado no passo 2, devemos voltar a ele e refazê-lo até que seja possível a sua implementação. 4 - Integração e Testes em Hardware: Nesta fase o objetivo é integrar em hardware o sistema de controle projetado anteriormente; e testá-lo 34

35 exaustivamente. Esta fase é muito delicada, pois cuidados devem ser tomados para que não se cometam erros que podem acarretar estragos no hardware utilizado. A integração entre o software e o hardware deve ser feita aos poucos. Devem ser feitos testes exaustivos para que se tenha uma confiabilidade do sistema software-hardware. Caso seja detectada alguma falha, as fases 1, 2 ou 3 devem ser verificadas de modo a avaliar o tipo de falha no sistema SIMULAÇÃO EM SOFTWARE EM TEMPO NÃO-REAL Segundo Prudêncio (1996 e 1997), para simular um sistema em tempo não real podem ser usados, por exemplo, software/ambientes como SIMNON, CC, VisSim, MATLAB ou MATRIX x. Todo o sistema é codificado em software e é executado num computador sem interfaceamento com hardware externo. Nesta simulação podemos testar o escopo do software, ou seja, como ele funciona como um todo SIMULAÇÃO EM SOFTWARE COM CARACTERÍSTICAS DE TEMPO REAL Segundo Prudêncio (1996 e 1997), uma simulação com características de tempo real leva em consideração os tempos, as prioridades e as interrupções que serão empregadas nas diversas funções executadas num computador e pode ser feita através de linguagem de alto nível, podendo-se usar software/ambientes como MATRIX X, pelo menos de acordo com nossa experiência. Existem outros software/ambientes como SIMNON e MATLAB, que também se propõem ao mesmo objetivo. Contudo, não possuímos experiência deste tipo de simulação nesses ambientes. O software é executado em velocidade proporcional à do sistema real, produzindo resultados na mesma razão. Isto impõe restrições às leis de controle que podem ser usadas e, principalmente, restrições ao integrador devidas à dinâmica do satélite, ou seja, devemos estar atentos para o número 35

36 de entradas (variáveis) do sistema e se o software é capaz de gerenciá-las em tempo real. Temos que levar em conta que o número de rotinas pode retardar o tempo de resposta do sistema, devido aos recursos de CPU serem limitados. A simulação do SACI-1 feita por Prudêncio foi desenvolvida em diagrama de blocos no ambiente MATRIX X e em uma estação HP-712. Após tê-la desenvolvido Prudêncio utilizou um recurso (AUTOCODE) do ambiente MATRIX x, que converte o diagrama de blocos em rotinas em C com características de tempo real. Utilizando a linguagem C da estação HP-712 Prudêncio executou seus testes desta simulação. Para o desenvolvimento deste trabalho utilizaremos as rotinas em C de Prudêncio, que simulam o ambiente e o sistema de controle do satélite SACI-1, mas modificadas por nós para o Turbo C e para um computador PC DX4 100 MHz SIMULAÇÃO ESTÁTICA COM UM 2 0 COMPUTADOR NA MALHA E EM TEMPO REAL Uma simulação estática é aquela que se realiza sem movimentos nos componentes integrantes da simulação. Segundo Barbosa (1997), neste caso (ver Figuras 2.2 e 2.3), somente o bloco da lei de controle é tirado do primeiro computador e colocado num segundo computador; mas a dinâmica do satélite, seus sensores, atuadores e o ambiente permanecem simulados no primeiro computador. A simulação é então realizada com um 2 0 computador na malha de controle a fim de se obter resultados mais próximos do real. Dinâmica do Sistema (Primeiro Computador) Controlador (Segundo Computador) Fig Diagrama de blocos da simulação estática. 36

37 Segundo Computador R(t) Ref. E(t) Controlador Atuadores Sistema Satélite Y(t) Ambiente Primeiro Computador Sensores Fig Diagrama de blocos da simulação com computador na malha. Para esse tipo de simulação precisamos ficar atentos para o interfaceamento do controlador de um satélite, implementado no computador de bordo, pois, com certeza, teremos que levar em conta problemas de conexões físicas e de tempos de entrada, de processamento, e de saída de dados desse computador de bordo. O computador de bordo pode ser compatível até com um PC/AT286, já tendo sido utilizadas CPUs inferiores até a um 8086, dependendo da missão a ser executada. A capacidade de processamento do computador deve ser dimensionada com cuidado uma vez que o computador de bordo muitas vezes é usado também para outras tarefas, ou seja, não é dedicado apenas para controle. Barbosa (1997) utilizou as rotinas em C de Prudêncio (1997), mas com modificações próprias para seu uso. Uma dessas modificações foi a de colocar a simulação em tempo real. Essa mesma modificação será usada neste trabalho, mas com o período de amostragem mais preciso que o usado por Barbosa (1997), pois estaremos utilizando outra forma de medida de tempo. 37

38 2.6 - SIMULAÇÃO DINÂMICA COM SENSORES NA MALHA Segundo Milani (1993), para a simulação digital dinâmica com sensores na malha usam-se simuladores dinâmicos para mover (ou excitar) fisicamente os sensores reais que são usados nos SCAs, comandados pelos ângulos e velocidades angulares da Dinâmica do Satélite (Figura 2.4) via um interfaceamento com um hardware apropriado. Os simuladores então estimulam os sensores, os quais realimentam os módulos que contém o estimador de estado e a lei de controle, de modo a fechar a malha. Essa simulação em tempo real permite uma gradual substituição dos softwares de simulação dos sensores pelos seus respectivos hardwares equivalentes tais como eles estão disponíveis para o satélite, seja por desenvolvimento próprio seja por sua aquisição no mercado. A Figura 2.4 mostra o sistema de simulação deste trabalho. O ambiente de simulação é composto pelos módulos controlador, atuadores, dinâmica do satélite, estimador de estado e pelo ambiente do satélite que são simulados num PC. O hardware na malha é composto de um Simulador Contraves 53M2-30H, e de seus sensores (velocidade angular e posição). A conexão entre o PC e o hardware acima citado é feita através de uma interface dedicada, que é instalada no PC, chamada de Interface PC-C. 38

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Sincronização de Relógios

Sincronização de Relógios Sistemas de Tempo Real: Sincronização de Relógios Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC romulo@das.ufsc.br http://www.das.ufsc.br/~romulo 1 Sincronização de Relógios Motivação

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES. Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2.

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES. Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2. DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2. 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professor

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVAS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVAS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVAS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 1.1 - INTRODUÇÃO Com o aumento da demanda de serviços de tecnologia e também buscando atender às necessidades atuais do progresso

Leia mais

Figura 1 - O computador

Figura 1 - O computador Organização e arquitectura dum computador Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Representação da informação no computador... 4 3. Funcionamento básico dum computador... 5 4. Estrutura do processador...

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1 Informática I Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Marcela Trindade Engenheira de Vendas Pesquisa rápida Alguém tem que manter sistemas de teste em funcionamento por mais de 10 anos?

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Contadores Contadores (cont.) Os contadores podem ser classificados por: Tipo de controle - Assíncrono - Síncrono Tipo de contagem

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

Conversão Analógica Digital

Conversão Analógica Digital Slide 1 Conversão Analógica Digital Até agora, discutimos principalmente sinais contínuos (analógicos), mas, atualmente, a maioria dos cálculos e medições é realizada com sistemas digitais. Assim, precisamos

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo Notas de Aplicação Utilizando ZAP500 com Encoders HI Tecnologia Documento de acesso publico / corporativo ENA.00015 Versão 1.01 dezembro-2013 HI Tecnologia Utilizando ZAP500 com Encoders Apresentação Esta

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO. José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ)

CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO. José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ) CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ) Resumo: Este trabalho teve por objetivo caracterizar sensores inerciais, especialmente

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Resumo Atualmente muitos Controladores Programáveis (CPs) classificados como de pequeno porte possuem, integrados em um único invólucro, uma densidade significativa

Leia mais

Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1

Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1 Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1 Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1 Conteúdo Programático Capítulo 1: Introdução aos Sistemas de Tempo Real Definição, caracterização e classificação

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Operação da Unidade de Controle Unidade de controle: parte do

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 7 Unidade Central de Processamento (UCP): O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento e de controle, durante a execução de um

Leia mais

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br Introdução INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br introdução Tópicos conceitos básicos o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

Projeto de Sistemas de Tempo Real

Projeto de Sistemas de Tempo Real Projeto de Sistemas de Tempo Real Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides elaborados pelo professor Marcio Cornélio O autor

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Hardware HARDWARE Sistema Computacional = conjunto de circuitos eletrônicos interligados formado por processador, memória, registradores,

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José. CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES. Marcos Moecke

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José. CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES. Marcos Moecke MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES Marcos Moecke São José - SC, 29 SUMÁRIO 5. CONTADORES... 5. CONTADORES ASSÍNCRONOS 5. C 5.2 C ASSÍNCRONOS......

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Organização e Arquitectura do Computador

Organização e Arquitectura do Computador Arquitectura de Computadores II Engenharia Informática (11545) Tecnologias e Sistemas de Informação (6621) Organização e Arquitectura do Computador Fonte: Arquitectura de Computadores, José Delgado, IST,

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

CAPTURAS DE VÍDEO CONHECENDO :: PLACAS DE CAPTURAS

CAPTURAS DE VÍDEO CONHECENDO :: PLACAS DE CAPTURAS CAPTURAS DE VÍDEO CONHECENDO :: PLACAS DE CAPTURAS MODALIDADES : US, ECO, ENDO E COLO. CAPTURA DE IMAGENS. Criamos uma linha de produtos denominado PROCapVG para a utilização em serviços de captura de

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores

Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores 1 Introdução Vimos no capítulo anterior que flip-flops são dispositivos capazes de memorizar o seu estado (SET ou RESET). Neste capítulo estudaremos

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE

RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE TEMPORIZADORES SÃO ESSENCIAIS PARA MULTIPROGRAMAÇÃO; HÁ UM DRIVER PARA O TIMER; ALIMENTADO EM 110 OU 220 V, CAUSAVA UMA INTERRUPÇÃO A CADA CICLO DE VOLTAGEM, A UM FREQUÊNCIA DE

Leia mais

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores.

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. 7.3.1.2 Registradores: São pequenas unidades de memória, implementadas na CPU, com as seguintes características:

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. Introdução. Ivan Saraiva Silva Leonardo Casillo

Organização e Arquitetura de Computadores I. Introdução. Ivan Saraiva Silva Leonardo Casillo Organização e Arquitetura de Computadores I Introdução Ivan Saraiva Silva Leonardo Casillo Sumário Introdução Bibliografia Recomendada O que é um computador Organização de um Computador Modelo de Von Neumann

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

CONTROLE DISCRETO DA ATITUDE DE SATÉLITES ARTIFICIAIS COM APÊNDICES FLEXÍVEIS.

CONTROLE DISCRETO DA ATITUDE DE SATÉLITES ARTIFICIAIS COM APÊNDICES FLEXÍVEIS. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE-7179-TDI/680 CONTROLE DISCRETO DA ATITUDE DE SATÉLITES ARTIFICIAIS COM APÊNDICES FLEXÍVEIS. Marcelo Ricardo Alves da Costa

Leia mais

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES Escola Europeia de t Ensino Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES TRABALHO REALIZADO: ANDRÉ RIOS DA CRUZ ANO LETIVO: 2012/ 2013 TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS 2012 / 2013 3902 Escola

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Avaliação de desempenho Introdução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Adaptado do material de aula de Hennessy e Patterson Desempenho Meça,

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Principal

Introdução à Organização de Computadores Memória Principal Introdução à Organização de Computadores Memória Principal Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal (seção 2.2)

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução Um sistema operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O propósito

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação de grandeza com sinal O bit mais significativo representa o sinal: 0 (indica um número

Leia mais

GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS

GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS Profa. Regiane Dalazoana 4 Métodos baseados em Geodésia Espacial 4.1 Métodos Celestes da Geodésia

Leia mais

Teste de interruptores CBT-8000. www.amperis.com. 27003 Agricultura,34 +T [+34] 982 20 99 20 F [+34] 982 20 99 11 info@amperis.com www.amperis.

Teste de interruptores CBT-8000. www.amperis.com. 27003 Agricultura,34 +T [+34] 982 20 99 20 F [+34] 982 20 99 11 info@amperis.com www.amperis. Teste de interruptores CBT-8000 www.amperis.com O CBT-8000 é um analisador de disjuntor de EHV de baixo custo, autônomo e acionado por micro-processador da quinta geração da Amperis. Este analisador de

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais Estruturas de Sistemas Computacionais Por que estudar a arquitetura de sistemas computacionais? Talvez porque o comportamento de um sistema operacional está ligado aos mecanismos de E/S de um computador.

Leia mais

Parte II Introdução a Linguagens de Programação

Parte II Introdução a Linguagens de Programação Programação de Computadores III Aula 1 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed.

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal e secundária) Equipamentos (dispositivos, elementos, unidades,...) de Entrada/Saída

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Dispositivos de Entrada e Saída Aula 9 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira ENTRADA e SAÍDA (E/S) (I/O - Input/Output) n Inserção dos dados (programa)

Leia mais

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA Laboratório de Controle e Automação 1 ( LECI 1 ) Professor: Reinaldo Martinez Palhares Integrantes: Henrique Goseling Araújo, Hugo Montalvão

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva

Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva Arquitetura de Computadores Introdução Ivan Saraiva Silva Sumário Introdução Bibliografia Recomendada O que é um computador Organização de um Computador Modelo de Von Neumann IAS Máquina de Von Neuman

Leia mais