FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL DE MATO GROSSO DO SUL REGIMENTO INTERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL DE MATO GROSSO DO SUL REGIMENTO INTERNO"

Transcrição

1 FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL DE MATO GROSSO DO SUL REGIMENTO INTERNO CAMPO GRANDE 2008

2 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, CONSTITUIÇÃO E SEDE... 3 TÍTULO II DAS FINALIDADES... 3 TÍTULO III DAS ATRIBUIÇÕES... 5 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO, FUNCIONAMENTO E DELIBERAÇÕES... 6 SEÇÃO I DA COMPOSIÇÃO E FUNCIONAMENTO... 6 SEÇÃO II DAS DELIBERAÇÕES... 9 CAPÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS CAPITULO III DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS EXTRAORDINÁRIAS CAPÍTULO IV DA ELEIÇÃO DO PRESIDENTE E DO VICE-PRESIDENTE CAPÍTULO V DO EXERCÍCIO E EXTINÇÃO DO MANDATO DOS MEMBROS CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

3 TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, CONSTITUIÇÃO E SEDE Art. 1º - O Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico-Racial de Mato Grosso do Sul FORPEDER/MS, é uma organização social apartidária, sem fins lucrativos de interlocução entre o poder público e a sociedade civil que atua como órgão consultivo e propositivo de ações voltadas a implementação, articulação e definição de políticas públicas comprometidas com a aplicabilidade das Leis nº , de 9 de janeiro de 2003, e de 10 de março de 2008 e temas correlatos à temática Étnico-Racial na área da Educação e Cultura, no processo ensino - aprendizagem em toda a rede pública e privada do Estado de Mato Grosso do Sul. Art. 2º - O FORPEDER-MS é constituído de forma colegiada por representantes de instituições do poder público e da sociedade civil que se reúnem periodicamente e de forma continuada, visando a promoção de políticas públicas para a Diversidade e a Educação das Relações Étnico-Raciais. Parágrafo único O FÓRUM é composto por diversas Instituições mas não podem faltar de sua composição: Instituições de Gestão de Educação (Secretarias Municipais e Estaduais de Educação) e Entidades da Sociedade Civil. Art. 3º - O FÓRUM terá duração contínua, sendo que este não pertence a nenhuma entidade especificamente, é uma força tarefa estabelecida para o diálogo permanente entre as partes que conjuntamente, participam do processo da Educação para as Relações Étnico-Raciais e Diversidade e tem como órgão articulador à Secretaria de Estado de Educação. Parágrafo Único. É assegurada a cada Entidade/Instituição a participação no FORPEDER-MS por meio de uma representação (titular e suplente) para a plenária formalmente indicada por carta ou oficio. A vaga no FÓRUM é da Entidade/Instituição e não da pessoa que a representa. Art. 4º - O FORPEDER-MS tem a sua sede na Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul SED/MS, localizada no Parque dos Poderes Avenida do Poeta, s/n Bloco 5 CEP Campo Grande/MS. Cabe a esta Secretaria, disponibilizar ao FÓRUM, espaço físico, recursos humanos e materiais para o suporte de suas atividades administrativas e funcionais. TÍTULO II DAS FINALIDADES Art. 5º - Para o cumprimento de suas finalidades compete ao FORPEDER-MS: I. acompanhar, propor, subsidiar, avaliar e discutir as ações voltadas as práticas educativas referentes a implementação da Lei de Diretrizes e Bases de Educação, artigos 26-A e 79-B, alterados pelas Leis /03, e /08 que estabelecem a obrigatoriedade do Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira, Africana e Indígena no currículo escolar nos níveis e 3

4 modalidades da Educação Básica na rede pública e privada de ensino, no Estado de Mato Grosso do Sul; II. atuar como colaborador das Políticas de Promoção da Educação para a Diversidade Étnico-Racial levadas a efeito pelo Ministério da Educação; fazer representação efetiva e permanente entre o Estado e o Ministério da Educação/SECAD a fim de acompanhar, informar e divulgar ações locais, regionais e nacionais de implementação das Leis n /03 e n /08, colaborando com a constante atualização do desenvolvimento da política de Educação para a Diversidade; III. No Ensino Superior, o FÓRUM deverá tratar das questões que se reportem às políticas de acesso e permanência dos segmentos étnicos historicamente excluídos e dos projetos curriculares dos cursos, de maneira a atender as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira, Africana e Indígena, conforme Parecer CNE/CP 3/2004 e Resolução CNE/CP 01/04; IV. tratar das questões relativas à formação profissional dos professores da Educação Básica, correlatas as temáticas definidas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais em conformidade com o Parecer do CNE/CP 003/2004 e Resolução CNE/CP 1 de 17 de dezembro de 2004, para o Ensino de História e Cultura Afro- Brasileira e Africana; V. apoiar, informar, propor, orientar, colaborar, acionar, sensibilizar, analisar, acompanhar o cumprimento das Leis que determinam políticas públicas para a diversidade étnico-racial; VI. participar de discussões e eventos referentes a educação e diversidade; VII. incentivar e apoiar a criação/reestruturação/ativação de Fóruns Municipais de Educação e Diversidade Étnico-Racial; VIII. sensibilizar/mobilizar a comunidade local para a discussão da temática da diversidade étnico-racial; IX. manter amplo diálogo com os NEABs (Núcleos de Estudos Afro- Brasileiros) e/ou grupos correlatos das instituições de Ensino Superior das esferas estaduais, federais, públicas e privadas do Mato Grosso do Sul, com organismos, entidades, coletivos e instituições, com o objetivo de fomentar ações para a implementação da legislação para a Educação da Diversidade e das relações Étnico-Raciais, no que se refere à formação inicial e continuada, bem como para a elaboração de materiais de subsídio pedagógico, metodológico e científico que contemplem tais temáticas; X. promover continuamente a articulação formativa do diálogo, com vista a garantir a interlocução entre os gestores das unidades executoras das políticas públicas de educação e as representações da sociedade civil e demais representações necessárias em prol da concretização de compromissos coletivos firmados, das políticas e prioridades definidas no Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico-Racial de Mato Grosso do Sul; 4

5 TÍTULO III DAS ATRIBUIÇÕES Art. 6º São atribuições do Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico- Racial de Mato Grosso do Sul FORPEDER/MS: I. acompanhar, monitorar e avaliar a implementação/implantação das Leis n /03 e Lei n /08 nas redes públicas e privadas de ensino no Estado de Mato Grosso do Sul; II. monitorar o processo de implementação e disseminação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, conforme Lei /08 e Parecer CNE/CP 3/2004 e Resolução CNE/CP 1, de 17 de dezembro de 2004 nas redes pública e privada de Educação do Estado de Mato Grosso do Sul; III. propor, acompanhar e avaliar os programas e projetos de interesses educacionais, de planos institucionais, pedagógicos e de ensino, voltados para a valorização da diversidade étnico-racial; IV. propor, acompanhar e avaliar as políticas públicas de ações afirmativas, tais como: políticas de reparações, de reconhecimento e de valorização da história, cultura e identidade étnico-racial das populações historicamente excluídas (negra/indígena), visando a construção de uma sociedade efetivamente democrática em que todos igualmente, tenham seus direitos garantidos e suas identidades valorizadas; V. contribuir para a implantação de políticas públicas educacionais com vista a garantir o acesso, a permanência e sucesso da população escolar, dispensando especial atenção as chamadas minorias étnicas que historicamente têm sido excluídas no processo educacional; VI. promover estudos, debates e reflexões referentes a temática étnico-racial, com o objetivo de sensibilizar, informar, e integrar os diversos segmentos sócio-educacionais; VII. incentivar, apoiar e divulgar a produção de conhecimentos, pesquisas, publicações, temas e ações correlatos a Educação das Relações Étnico- Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira, Africana e Indígena; VIII. propor políticas públicas de valorização do patrimônio material e imaterial histórico-cultural afro-brasileiro e Indígena; IX. sugerir a elaboração de material didático-pedagógico referente a diversidade étnico racial e cultural com vista a subsidiar o processo ensino aprendizagem, tendo em vista o desfazer de todas e quaisquer formas de preconceito, discriminação e racismo; X. fomentar o diálogo social e a manutenção de intercâmbios junto aos órgãos, instituições e entidades concordantes e interessadas na temática da educação para as relações étnico-raciais, tendo em vista a promoção/realização em instância colaborativa de eventos no âmbito educacional; 5

6 XI. cooperar com as atividades que visam ao cumprimento dos objetivos dispostos nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana; XII. denunciar o descumprimento das legislações vigentes em relação a Educação das Relações Étnico-Raciais e Diversidade; XIII. acompanhar a execução de atividades das Secretarias Estadual e Municipais de Educação, no que diz respeito à implementação de políticas educacionais e das ações voltadas para a Educação das Relações Étnico- Raciais; XIV. apresentar proposições referentes a matérias de competência do Fórum; XV. Obedecer as disposições deste Regimento. CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO, FUNCIONAMENTO E DELIBERAÇÕES SEÇÃO I DA COMPOSIÇÃO E FUNCIONAMENTO Art. 7º O Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico-Racial/ FORPEDER MS, é um colegiado formado por representantes das Secretarias de Educação Estadual e Municipais de Mato Grosso do Sul, das Instituições de Ensino de Educação Básica e Educação Superior do Estado, dos órgãos e instituições públicas, privadas, organizações da sociedade civil, dos movimentos sociais, em especial dos Movimentos Negro e Indígena, entidades religiosas, em especial as de matriz africana, instituições que articulam com a educação, a saúde, a juventude, a questão de gênero, a cultura e a arte, visando assegurar a valorização cultural e o fortalecimento das comunidades negras e indígenas do Estado. 1º As instituições representadas no FORPEDER-MS, respondem subsidiariamente na organização e execução de ações locais deliberadas pela Coordenação Colegiada do Fórum; 2º - Cada instituição/órgão indicará 01 (um) representante titular e 01 (um) suplente, podendo substituí-lo mediante oficio a Presidência do FÓRUM, sendo permitida a participação de convidados que têm direito a voz, mas não a voto; 3º - Define-se o termo, com direito a voz, a participação nos debates e propostas limitando a possibilidade de votação à deliberação do Fórum; 4º-Cada titular e suplente representante de organização não governamental, apresentará uma carta de indicação do Coordenador/Presidente e ou Responsável; 6

7 5º - Cada titular e suplente representantes de instituição governamental apresentarão um ofício assinado pelo responsável do órgão e ou setor; 6º - O suplente pode participar, com direito a voz e voto, das reuniões ordinárias determinadas no Calendário Anual do FORPEDER/MS, bem como das reuniões extraordinárias quando convocadas; 7º - Três ausências consecutivas, sem justificativa, implicarão em comunicação a Instituição, representada no FÓRUM, podendo ser solicitada a substituição do representante; 8º - Cinco ausências consecutivas nas Sessões Plenárias Ordinárias implicarão em comunicação a Instituição, para a substituição do representante; Art. 8º - As Sessões Plenárias de caráter extraordinário ocorrerão somente quando matéria de urgência assim as exigirem e poderão ser convocadas pela Presidência do FORPEDER/MS, ou pela maioria simples de seus membros em exercício, com no mínimo, três dias úteis. Parágrafo Único - Só serão discutidos em reuniões extraordinárias assuntos que determinarem a sua convocação; Art. 9º - As reuniões ordinárias constam de Expediente e Ordem do Dia. 1º O Expediente abrange avisos, comunicações, registros de fatos, apresentação de correspondência e documentação de interesse do FORPEDER/MS. 2º A Ordem do Dia compreende a aprovação da ata de reunião anterior bem como discussão e aprovação das matérias constantes na convocação da reunião. 3º - A inclusão de matéria não prevista na Ordem do Dia dependerá da aprovação da reunião ordinária, cabendo a Presidência do FORPEDER o voto qualitativo, no caso de empate. Art.10º No caso de ocorrer vaga de membro titular ou de suplente no FORPEDER/MS, esta será ocupada por um novo membro, mediante a indicação do segmento representativo do antecessor; 1º A cada membro titular será designado o respectivo suplente. Art. 11º - A Presidência do FORPEDER/MS, cargo de caráter administrativo que compreende presidir e coordenar as suas atividades deverá ser composto por representante da Secretaria de Estado de Educação e por representante da Sociedade Civil, sendo ambos eleitos pelos membros que compõem o FÓRUM para o mandato de 02 (dois) anos, podendo ser reconduzido por igual período; 1º - O FORPEDER/MS será dirigido por seu Presidente e no seu afastamento ou impedimento, pelo Vice-Presidente. 7

8 2º - Na ausência do Presidente e do Vice Presidente, a reunião será presidida por um dos membros presentes, a ser escolhido pelo Plenário. Art. 12º Os membros do FORPEDER-MS em exercício na Presidência, Secretaria Executiva ou Comissões, não são, sob nenhum pretexto, remunerados; 1º - Ocorrendo vaga do cargo de Presidente, a qualquer tempo, por solicitação do mesmo ou por outros motivos, assume o Vice-Presidente, até a conclusão do mandato. 2º - Para o preenchimento do cargo de Vice-Presidente deve ser realizada nova eleição, em plenária ordinária ou extraordinária, desde que o período de vacância exceda sessenta dias. 3º- Na vacância dos dois cargos a sessão plenária elege um Presidente interino que convoca nova eleição. 4º- Em caso de vacância na Secretaria Executiva do FÓRUM, o Plenário deve indicar imediatamente seu membro substituto; Art. 13º - As reuniões do FORPEDER/MS terão sempre o seguinte encaminhamento: I. Expediente; II. Ordem do Dia. Art. 14º - A estrutura organizacional Colegiada do FORPEDER/MS compreende: I. Plenário; II. Presidência; III. Secretaria Executiva; IV. Comissões de Trabalho/Estudo. Art. 15º A sequência normal das reuniões será a seguinte: a) Confirmação de quorum, feita pelo Secretário Executivo; b) Abertura pelo Presidente; c) Leitura, discussão, votação e assinatura da Ata da reunião anterior; d) Comunicação pelo Secretário Executivo, dos expedientes recebidos; e) Leitura da pauta da reunião; f) Inclusão na pauta de matéria considerada urgente; g) Discussão e votação das matérias constantes na pauta; h) Assuntos de ordem geral, com a palavra livre; i) Encerramento. Art. 16º - São instâncias do FÓRUM: I. Assembléia/Sessão Plenária; II. Presidência/Secretaria Executiva; III. Comissões Temáticas. 8

9 SEÇÃO II DAS DELIBERAÇÕES Art. 17º - As atividades do Fórum têm início no mês de março de cada ano e as Sessões Plenárias de caráter ordinário, serão realizadas bimestralmente, obedecendo ao Calendário Anual de reuniões aprovado pelos membros do FORPEDER/MS. Art. 18º - A Plenária do Fórum é órgão máximo de deliberação, nela tendo assento, com direito a voz e voto, os membros titulares, na ausência justificada destes, os respectivos suplentes das entidades/instituições que aderiram ao FÓRUM. Art. 19º - Por Deliberação do FÓRUM, entende-se a tomada de decisão por parte dos Membros nas Sessões Plenárias, sobre os assuntos discutidos e aprovados pela maioria simples de votos. 1º- As decisões do FÓRUM serão aprovadas por maioria simples dos seus Membros. 2º- Em caso de empate a proposição deverá ser remetida ao Presidente do FÓRUM para decisão (Voto Minerva). Art. 20º - As reuniões do FÒRUM serão registradas em Atas, delas participando seus Membros e podendo participar qualquer interessado, mediante solicitação por escrito à Secretaria Executiva. Art. 21º - As Comissões são grupos de trabalho/estudo instituídos no âmbito do FÓRUM, sob a Coordenação de 01 (um) de seus membros, podendo contar com o apoio de outras instituições, autoridades públicas, cientistas, e técnicos, para colaborarem em estudos de interesse do FÓRUM. Parágrafo Único. Nas Comissões somente terão direito a voto os membros titulares do FÓRUM, podendo ser as reuniões das Comissões tantas quantas necessárias, dispensando convocações expressas para tal. Art. 22º O Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico-Racial de Mato Grosso do Sul seguirá regimento próprio, definido pelo referido órgão em até 90 (noventa) dias após a designação de seus membros, e deverá ser homologado pelo Secretário de Estado de Educação. 9

10 CAPÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS Art. 23º Ao Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico-Racial de Mato Grosso do Sul, compete: I. A formação, quando necessário, de comissões cujas finalidades e número de componentes serão determinados no ato de sua criação; II. A manutenção e atualização do cadastro dos seus membros e de palestrantes; III. A elaboração e divulgação do calendário das atividades do FORPEDER/MS; IV. A formação de grupos de trabalho, oficinas, e seminários no sentido de estudar, pesquisar e orientar os componentes do fórum, visando a adequada compreensão e tratamento da Educação das Relações Étnico-Raciais; V. O levantamento em seu âmbito de atuação, das demandas educacionais referentes a população negro/indígena, com vistas a encaminhar essas demandas às instâncias competentes; VI. A fomentação da publicização das ações do FORPEDER/MS; VII. Discutir e propor políticas de valorização do patrimônio histórico-cultural afro-brasileiro e indígena; VIII. Discutir e propor políticas de ações afirmativas na educação, com vistas a garantir o reconhecimento efetivo e a valorização da história, cultura e identidade étnico-raciais brasileira. IX. A emissão de Parecer sobre: a) as reivindicações das populações negra/indígena referentes as políticas públicas para a Educação das Relações Étnico-Raciais e Diversidade; b) Outras matérias correlatas ao FORPEDER/MS ou que a ele forem submetidas à apreciação; c) As ações e políticas públicas comprometidas com a aplicabilidade das Leis n /03 e Lei n /08 nas redes pública e privada de ensino no Estado de Mato Grosso do Sul; bem como da implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico- Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, conforme Parecer CNE/CP 3/2004 e Resolução CNE/CP 1, de 17 de dezembro de Art. 24º - Compete ao Plenário: I. formular, reformular e aprovar o Regimento do FORPEDER/MS; II. eleger a Presidência e a Secretaria Executiva do FORPEDER-MS; 10

11 III. Instituir as Comissões de Trabalho; IV. escolher representantes do FORPEDER/MS para participar de encontros/capacitações de Educação; V. sugerir e deliberar sobre o plano de trabalho anual do FORPEDER/MS; VI. aprovar o relatório anual das atividades do FORPEDER/MS; VII. decidir sobre as propostas ou matérias submetidas pela Plenária. Art. 25º - Compete ao Presidente: I. convocar e presidir sessões plenárias ordinárias e extraordinárias, divulgando previamente as respectivas pautas; II. suspender reuniões anteriormente convocadas, caso seja necessário, excetuando as extraordinárias, convocadas diretamente pelo plenário; III. suspender reuniões, por conveniência do Plenário, falta de ordem e/ou quorum para votação, inclusive podendo alterar pautas e transferi-las para outra reunião; IV. coordenar o uso da palavra nas reuniões; V. submeter à votação as matérias a serem decididas pelo Plenário, suspendendo e ou intervindo quando necessário, na ordem dos trabalhos; VI. assinar os termos de abertura, deliberação do Plenário, atos relativos ao seu cumprimento e encerramento das atividades; VII. receber, despachar e encaminhar, via Secretaria Executiva, as correspondências, papéis e expedientes necessários ao bom funcionamento do FÓRUM; VIII. encaminhar a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade- SECAD/MEC, a Secretaria de Estado de Educação - SED/MS, e ao demais Órgãos que compõem o FÒRUM, quando for o caso, exposição de motivos e/ou informações de matérias aprovadas pelo FÓRUM e de suas competências; IX. representar o FÓRUM em solenidades, eventos ou delegar tais competências; X. instituir comissões de trabalho/estudo, conforme solicitação e escolha da plenária, para finalidades específicas; XI. referendar e dar posse aos Membros do FÓRUM; XII. escolher conjuntamente com o Plenário, os componentes da Secretaria Executiva do Fórum para o mandato de 01 (um) ano, permitida a recondução; XIII. referendar e dar posse a Secretaria Executiva e as Comissões do Fórum; XIV. propor calendário de atividades do Fórum; XV. convidar instituições do poder público e/ou segmentos da sociedade civil ligadas as questões da Educação e da Diversidade Étnica as reuniões do FORPEDER-MS; XVI. entregar, ao final do mandato, o acervo do FÓRUM a nova Presidência; 11

12 XVII. designar, entre os presentes na Sessão Plenária, um Secretário para elaborar a ata, no caso da Secretaria Executiva do FÓRUM não estar presente; XVIII. manter atualizados os registros das Sessões Plenárias e das demais atividades realizadas pelo Fórum; XIX. elaborar relatórios das atividades do FORPEDER-MS; XX. delegar tarefas de natureza administrativa a colaboradores do FÓRUM quando necessário; XXI. zelar pelo cumprimento do Regimento Interno. Art. 26º Compete ao Vice-Presidente: I. auxiliar o Presidente nas atribuições pertinentes à função; II. substituir o Presidente em suas ausências ou impedimentos. Art. 27º Compete ao Secretário Executivo: I. secretariar as reuniões; II. Elaborar de comum acordo com o Presidente, as pautas das reuniões; III. elaborar e encaminhar com antecedência de 03 (três dias) as convocações e pautas das reuniões; IV. responsabilizar-se pelo controle e registro da Atas e dos documentos, bem como da supervisão, digitação, reprodução e impressão dos mesmos; V. organizar o bom funcionamento do FÓRUM; VI. ser responsável pelo bom andamento das reuniões, processos ou outros instrumentos legais pertencentes ao FÓRUM; VII. assessorar as Comissões, quando solicitado; VIII. assessorar os membros do FÓRUM quando necessário e solicitado; IX. Fazer convocações das reuniões devidamente autorizadas pelo Presidente do FÓRUM; X. encarregar-se da organização e da seleção da legislação e jurisprudência relativas à ação do FÓRUM; receber as moções, resoluções, portarias, atos e divulgá-las; XI. efetuar a revisão técnica dos documentos, publicações e atos; XII. a leitura das atas, reificando-as quando necessário, e a coleta das assinaturas dos Membros presentes na reunião; XIII. a elaboração das correspondências e documentos, tais como cartas, ofícios, comunicações, convites e outros; XIV. assinar, juntamente com o Presidente, as correspondências especiais; XV. a coordenação dos serviços de Expediente, da Ordem do Dia e de outros utilizados pelo Plenário; XVI. a prestação de assessoramento administrativo e técnico ao Presidente; 12

13 XVII. observar o cumprimento das normas e determinações exaradas pela Plenária do FÓRUM. Art. 28º Compete ao Secretário Adjunto: I. auxiliar o Secretário Executivo nas atribuições pertinentes à função; II. Substituir o Secretário em suas ausências ou impedimentos. Art. 29º Compete às Comissões: I. realizar estudos e elaborar propostas para o entendimento de leis, normas e assuntos pertinentes ao Fórum, quando instituídas para esse fim; II. exercer outras competências de natureza educacional que sejam demandadas pelo FÓRUM. III. articular, incentivar e promover a visibilidade das ações inerentes ao FÓRUM; IV. encaminhar para apreciação do FÓRUM, os processos com os procedimentos adotados e instruções necessárias às suas resoluções; V. Subsidiar as propostas e ações do Fórum tendo em vista a aplicação das Leis n /03 e /09 no sistema educacional de ensino; VI. articular e co-executar atividades e eventos projetados pelo FÓRUM. CAPITULO III DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS EXTRAORDINÁRIAS Art. 30º - As assembléias extraordinárias serão realizadas nos seguintes casos: I. De convocação do Coordenador (a) geral; II. De requerimento de um terço dos membros do FÓRUM. Parágrafo único - Para as assembléias extraordinárias, os membros do FÓRUM serão convocados por ofício, com o mínimo de 72 horas (três dias) de antecedência que terá como finalidade a discussão de assuntos ou temas específicos que exijam exposição de autoridades ou técnicos convidados. CAPÍTULO IV DA ELEIÇÃO DO PRESIDENTE E DO VICE-PRESIDENTE Art. 31º - O Presidente e o Vice-Presidente serão eleitos pelos membros do FORPEDER-MS, convocados em tempo hábil para esse fim, para um período de 02 (dois) anos, permitida a sua recondução por igual período. 13

14 Parágrafo Único. Tempo hábil corresponde à plenária ordinária que antecede à plenária da eleição. Art. 32º - O Presidente e o Vice-Presidente podem ser reeleitos para mais um mandato de igual período. Art. 33º- Os candidatos à Presidência e à Vice-Presidência devem ter suas candidaturas respaldadas, por meio de termo de compromisso assinado pela direção da instituição ou segmento que representam, observando-se o que dispõe o Art. 3 deste Regimento. Parágrafo Único - Os candidatos devem apresentar o termo de compromisso com, no mínimo, sete dias de antecedência à data da eleição, ao presidente do FORPEDER-MS, a ser homologada pela Plenária. Art. 34º - O processo eletivo far-se-á em Plenária por voto secreto ou aclamação. 1º Para a realização do processo eletivo é exigida a presença da maioria simples das representações que compõem o FORPEDER-MS. 2º É eleito o candidato que obtiver os votos da maioria simples dos representantes presentes na Plenária convocada para eleição. Art. 35º - A perda do mandato dar-se-á por: I. manifestação própria de desistência; II. desligamento do candidato eleito da instituição; III. ausências consecutivas sem prévia justificativa em, pelo menos, três reuniões. Art. 36º - As assembléias do FORPEDER-MS deverão ocorrer, seguindo as seguintes modalidades: a) Ordinárias; b) Extraordinárias. CAPÍTULO V DO EXERCÍCIO E EXTINÇÃO DO MANDATO DOS MEMBROS Art. 37º - Os membros efetivos e suplentes do FÓRUM terão exercício de 02 (dois) anos com possibilidade de reeleição com substituição de no mínimo 1/3 dos seus membros. Parágrafo Único: A escolha dos membros, prazos e demais obrigações da Comissão será de responsabilidade da plenária do FÓRUM. Art. 38º - Extingue-se o mandato de membro do FÓRUM: I. Pela expiração do prazo legal; 14

15 II. Por renúncia expressa; III. Por ausência em três reuniões consecutivas ou em cinco reuniões no período de doze meses, sem a presença do suplente e justificativa oficial. CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 39º O FORPEDER-MS manterá articulações com os Conselhos de Educação e Fóruns similares, visando à consecução das finalidades propostas neste Regimento. Art. 40º As propostas de alteração total ou parcial do presente Regimento Interno, deverão ser apreciadas em Reunião Plenária Ordinária ou Extraordinária, convocada por escrito e especificamente para este fim, com antecedência mínima de quinze dias úteis, devendo ser as alterações aprovadas em regime de votação pela maioria qualificada de 2/3 (dois terços) dos membros presentes. Art. 41º Os casos omissos neste Regimento serão resolvidos pela maioria simples do Plenário, constando em Ata e incorporado ao Regimento, se houver votação para tal. Art. 42º Este Regimento entra em vigor após sua aprovação pelo Plenário, devendo ser devidamente homologado e publicado em órgão de imprensa de circulação no Estado, revogando-se as disposições em contrário. Campo Grande, 09 de julho de Profª Ma. Rute Martins Valentim Presidente do FORPEDER/MS Coordenadoria de Políticas para Diversidade SED/MS Sonia Catarina Vacchiano Vice-Presidente do FORPEDER/MS Coletivo de Mulheres Negras/MS Aprovado pela Ata n.21, de 09/07/08 do Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico- Racial de MS. Homologado pela RESOLUÇÃO/SED n , de 1º de março de DIÁRIO OFICIAL n de 3 de março de

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

Capítulo I das Atividades do Conselho

Capítulo I das Atividades do Conselho REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ITARANTIM BA, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.947/2009 E RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 038/2009. Capítulo I das Atividades do Conselho

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULOI DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho de Alimentação Escolar - CAE, do Município de Sorriso-MT criado por meio da Lei municipal nº 870

Leia mais

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÀO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE Bacharelado RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regimento interno disciplina o funcionamento do Conselho Municipal de Políticas Culturais,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 584, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014. Homologa Regimento Interno do Fórum Municipal de Educação de Alegrete. O PREFEITO MUNICIPAL, no uso de sua atribuição, que lhe confere o Art. 101, IV, da Lei

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE MINEIROS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO MINEIROS-GO

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE MINEIROS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO MINEIROS-GO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE MINEIROS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO MINEIROS-GO ÍNDICE TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO, DA NATUREZA JURÍDICA E FINALIDADES...04 CAPÍTULO I - DAS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º. O Colegiado do Curso de Graduação em Arquivologia é um órgão normativo e deliberativo, com sede no Centro de

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA - COMPED ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - Conarenf, criada pela

Leia mais

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE LEI N.º 1.297, DE 06 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre apoio a Gestão do Sistema Único de Saúde, da realização de conferências no âmbito municipal, da reformulação e funcionamento do Conselho Municipal de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO 1/12 REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º O Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA Art. 1. O Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente do Estado do Amapá é a

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições legais, de acordo com o artigo 24 do Estatuto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, para observância

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Meio Ambiente, dá outras providências sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente, revoga e altera disposições indicadas

Leia mais

ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO

ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO Art. 1º - O presente estatuto dispõe sobre o Conselho Escolar da Escola Municipal Ensino e é constituído

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ TÍTULO I DA FINALIDADE E DA COMPETÊNCIA DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ CVSP Art. 1º O Campus Virtual

Leia mais

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI)

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI) PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI) Abril/2013 CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art. 1º. O Comitê de Tecnologia da Informação CTI do Instituto Federal

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI ESTATUTO DA ABRAFI ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE Título I Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Capítulo Único Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Associativas Art. 1 - A Associação

Leia mais

LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007

LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007 LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Malhada/BA, no uso de uma de suas atribuições legais,

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. Aprova o Regulamento do Sistema Brasileiro de Tecnologia. O Presidente do Comitê

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 3, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 3, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 3, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA, no uso das atribuições que lhe conferem o Decreto

Leia mais

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. Pág. 1 de 7 MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. DO: PODER EXECUTIVO AO: PODER LEGISLATIVO DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE ATENDIMENTO DOS DIREITOS DO IDOSO, CRIA O FUNDO MUNICIPAL

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO. 1 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO. Art. 1º - O Agrária CEDAFRA, instituído com base

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO Autor: Poder Executivo. LEI N 1.328/2016. CRIA O CONSELHO E FUNDO MUNICIPAL E POLÍTICAS SOBRE DROGAS DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário de Castanhal. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Art. 2º Compete ao Conselho Estadual do Idoso:

Art. 2º Compete ao Conselho Estadual do Idoso: PROJETO DE LEI Nº Dispõe sobre o Conselho Estadual dos Direitos do Idoso - CEI/SC - e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, Faço saber a todos os habitantes deste Estado

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev

ESTATUTO SOCIAL. FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev ESTATUTO SOCIAL FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev Setembro/2015 ÍNDICE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO I Do Departamento de Engenharia Elétrica Art. 1 O Departamento de Engenharia Elétrica é o órgão acadêmico que congregam docentes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CITOLOGIA CLÍNICA Capítulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º. A Liga de Citologia Clínica é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015.

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. Secretaria Estadual De Saúde Conselho Estadual De Saúde - RJ DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. APROVA O REGIMENTO IN- TERNO DA 7ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. O

Leia mais

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social Jeep Clube de Brasília Estatuto Social CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO NATUREZA E FINS Art. 1º O JEEP CLUBE DE BRASÍLIA, com a sigla JCB, fundado em 17 de junho de 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Políticas Escola de Ciências Jurídicas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO REGULAMENTO

Leia mais

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 Aprova o novo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química, níveis Mestrado e Doutorado, do Instituto de Química. O

Leia mais

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp Resolução Unesp-38, de 10-9-2008 Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista o deliberado

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos da LDB 9394, de 20 de dezembro

Leia mais

PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010.

PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010. PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010. Aprova o Regimento Interno do Conselho Deliberativo da Área de Proteção Ambiental - APA do Banhado Grande. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - TITULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFES compreende o conjunto de atividades de ensino,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 22/2014 Aprova o Regimento do Centro de Informática da Universidade Federal da Paraíba. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO TRABALHO DO ESTADO DE ALAGOAS CAPITULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS

REGMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO TRABALHO DO ESTADO DE ALAGOAS CAPITULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS REGMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO TRABALHO DO ESTADO DE ALAGOAS Aprovado em Reunião Ordinária de 05 de julho de 1995 Alterado em Reunião Ordinária de 12 de dezembro de 2001 e em Reunião Ordinária

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.727, de 13 de junho de 2002 TÍTULO I Da Mantida e da Entidade Mantenedora Art. 1º. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia com

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CARIACICA REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CARIACICA REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CARIACICA REGIMENTO INTERNO O ES, no uso de suas atribuições legais conferidas pelas Leis 8.080 e 8.142/1990; Resolução 333/2003 do Conselho Nacional de Saúde; Lei municipal

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA DE GRADUAÇÃO REGIMENTO INTERNO 2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

Como montar uma ONG no Amapá

Como montar uma ONG no Amapá Como montar uma ONG no Amapá Eis um modelo básico do Estatuto Social de uma ONG comumente divulgado na internet. Faça as alterações e adapte à sua realidade. Existem modelos mais amplos e mais completos,

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

REGIMENTO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RO GRANDE DO SUL

REGIMENTO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RO GRANDE DO SUL REGIMENTO DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO RO GRANDE DO SUL DECRETO N.º 27.474, DE 24 DE AGOSTO DE 1978* Aprova Regimento do Conselho Estadual de Educação. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE, FORO E DURAÇÃO. Art. 1º - A União Nacional das Cooperativas

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO Art. 1º - A Associação dos Moradores e Proprietários do Loteamento VILLAGIO I, com o nome de fantasia ASSOCIAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PUBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 633, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2007

SERVIÇO PUBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 633, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2007 SERVIÇO PUBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 633, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2007 Cria o Instituto de Ciências Sociais Aplicadas. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 0204.0/2012 TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO

PROJETO DE LEI Nº 0204.0/2012 TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 0204.0/2012 Dispõe sobre a gestão democrática da educação pública estadual, e adota outras providências. TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO Art.1º A gestão democrática do

Leia mais

Estatuto Social do Instituto LIFE

Estatuto Social do Instituto LIFE Estatuto Social do Instituto LIFE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E AFINS Art 1º O Instituto LIFE, com número ilimitado de associados e duração por tempo indeterminado, é uma associação sem fins econômicos,

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI (Aprovado pela resolução n 23-2010, de 02 de julho de 2010)

NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI (Aprovado pela resolução n 23-2010, de 02 de julho de 2010) NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI (Aprovado pela resolução n 23-2010, de 02 de julho de 2010) 1. Justificativa O Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígena (NEABI) do Instituto Federal

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O PPG-CR de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL Alterado em Assembléia Geral em 09 de dezembro de 2010 CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS E COMPOSIÇÃO DA ENTIDADE

ESTATUTO SOCIAL Alterado em Assembléia Geral em 09 de dezembro de 2010 CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS E COMPOSIÇÃO DA ENTIDADE ESTATUTO SOCIAL Alterado em Assembléia Geral em 09 de dezembro de 2010 CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS E COMPOSIÇÃO DA ENTIDADE ARTIGO 1 º - A Associação dos Municípios dos Campos Gerais, é órgão de representação

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Natal/RN - 2015 Sumário Capítulo I... 2 Dos Objetivos e Propósitos... 2 Capítulo II... 2

Leia mais