Construção de um Simulador da zona de combustão do Alto-Forno para a avaliação de combustíveis sólidos e gasosos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Construção de um Simulador da zona de combustão do Alto-Forno para a avaliação de combustíveis sólidos e gasosos"

Transcrição

1 Construção de um Simulador da zona de combustão do Alto-Forno para a avaliação de combustíveis sólidos e gasosos André da S. Machado, René L. Rech Antônio C. F. Vilela & Eduardo Osório

2 Sumário Introdução Estado da Arte Planejamento Simulador Lasid-UFRGS Cronograma

3 Introdução Esquema de um alto-forno (AF) típico combustíveis Coke PCI Ar enriquecido

4 Introdução A PCI é uma técnica amplamente utilizada nos altos-fornos (AFs): Reduz o consume de coque nos AFs; Aumenta a produtividade; Taxas praticadas: kg/tgusa. Problemas associados a altas taxas de PCI: Deterioração da permeabilidade da carga; Operação instável do AF; Maior geração de finos de coque.

5 Introdução Processo de combustão do CP: Zona de Combustão Aquecimento pirólise ignição e combustão dos voláteis combustão parcial do char residual por O 2 gaseificação do char residual

6 Introdução Condições de desvolatilização e combustão do CP injetado no AF: Pressão ~ 450 kpa; Atmosfera de ar enriquecido com O2 (~ 1-5%); Temperatura ~ 2200 C; Taxa de aquecimento ~ 10 5 a 10 6 C/s; Tempo de residência ~ ms. Equipamentos para avaliar carvões e chars com relação à combustibilidade e reatividade no AF: DTF, simuladores e termobalança.

7 Estado da Arte simulação da injeção de carvão nos AFs Principais simuladores desenvolvidos: Austrália - Broken Hill Proprietary Company (BHP) em conjunto com a BlueScope Steel e BHP Billiton e a Universidade de Newcastle; Japão - Nippon Steel Corporation; Inglaterra Wire Mesh; Canadá - Canadian Centre for Mineral and Energy Technology (CANMET) Energy Research Laboratories; Espanha - DTF Drop Tube Furnace (INCAR Oviedo-ESP); Alemanha - Simulador da zona de combustão do AF da RWTH-IEHK; Brasil: UFOP, Usiminas (Ipatinga-MG) e CSN (Volta Redonda-RJ).

8 Estado da Arte simulação da injeção de carvão nos AFs Principais simuladores desenvolvidos: DTF (INCAR) Esquema DTF

9 Estado da Arte simulação da injeção de carvão nos AFs Principais simuladores desenvolvidos: RWTH-IEHK Desenho esquemático Simulador Aachen

10 Area 4 Area 3 Area 1 Estado da Arte simulação da injeção de carvão nos AFs Principais simuladores desenvolvidos: RWTH-IEHK A equação: O/C taxa de injeção: KM = WM x (18,56 + 0,05549 x WF)+ 89,07 x 02Z (0,8326 x C x O/C 0,625 x O) x RE KM - taxa de injeção (kg t-1 ferro-gusa); WM - taxa de sopro (190000ms3 h-1); WF- umidade do sopro (8g ms-3); 02Z - fluxo de oxigênio (4000 ms3 h-1); C - teor de carbono do carvão (wt% daf); O - teor de oxigênio do carvão (wt% daf); RE - produção de ferro-gusa (180 t h-1). P1 M1 Alta pressão (4 bar) O 2 E Area 2 Nitrogênio K1 M3 I M5 K3 T K2 V T P2 (1,8 bar) E: Entrada de amostra F: Coletor de residuo de amostra I: Forno de indução(1700 C) V:Forno de pré aquecimento(1100 C) K: Resfriamento M: Válvula magnética P: Medidor de pressao T: Termopar Lança de injeção Area 2 Ventaneira Area 1 Area 3 Area 4 Zona de combustão Analisador de gases - Coletor de gases M2 F M4

11 Estado da Arte simulação da injeção de carvão nos AFs Principais simuladores desenvolvidos no Brasil: USIMINAS

12 Planejamento Etapas da Construção do Simulador do LASID-UFRGS Avaliação dos modelos de simuladores existentes; Determinação do tipo de simulador desejado: configuração: horizontal x vertical; ensaio: discreto (one shot) x contínuo; acoplamento aço alumina aço; porta-amostras; instrumentação; atmosfera: O 2 x gás natural x misturas gasosas; amostras: CP x misturas carbonosas; outros detalhes técnicos. Previsão e aquisição dos equipamentos e instrumentos utilizados; Construção do equipamento.

13 Simulador Lasid-UFRGS Esquema e componentes -Equipamento - Zonas de combustão - Componentes Aço-alumina Porta amostra Coletores Char (N2) - Automatizado Tempo (P, T) - Contínuo-discreto

14 Simulador Lasid-UFRGS - Operação Purga, amostragem, pressurização, one shot e resfriamento do char

15 Cronograma Ano Semestre Revisão Bibliográfica Visitas Técnicas Planejamento Design do Simulador I (one shot) Compras de Equipamentos Construção da estrutura do Simulador Instalação dos equipamentos, instrumentação e calibração Determinação O/C à Taxa PCI; Estudo da cinética das reações no simulador Simulador I Simulações de combustão com combustíveis sólidos Simulador I Combustíveis sólidos + gasosos Design do Simulador II ( one shot + contínuo) Atualização dos sistemas de amostragem e controle de gases (II) Simulador II Combustíveis sólidos e sólidos + gasosos

16 Agradecimentos À Rede Carvão Ao CNPq pelo suporte financeiro

17 Agradecimentos Muito obrigado!

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

2 Descrição dos Sistemas Estudados

2 Descrição dos Sistemas Estudados 33 2 Descrição dos Sistemas Estudados A seguir são descritos em detalhes os dois ciclos objetos de comparação. O ciclo tradicional é baseado em uma planta existente. O ciclo inovador é o resultado do estudo

Leia mais

TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO

TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO de Matérias-Primas na Indústria Siderúrgica Tecnologia confiável Disponibilidade elevada 60 anos de experiência As melhores referências CARVÃO COQUE ArcelorMittal Tubarão,

Leia mais

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade:

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade: Introdução Você já parou para imaginar um mundo sem coisas simples como facas, agulhas de costura, chaves, fechaduras, alfinetes lâminas de barbear? Pois é, não faz muito tempo, na verdade cerca de 500

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 3 DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE DE CHAMA

EXPERIÊNCIA Nº 3 DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE DE CHAMA EXPERIÊNCIA Nº 3 DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE DE CHAMA 1. OBJETIVO Medir a velocidade de chama de uma mistura ar-combustível. 2. TEORIA 2.1 Combustíveis gasosos Os combustíveis gasosos tem aumentado sua

Leia mais

Dissertação de Mestrado

Dissertação de Mestrado Dissertação de Mestrado Construção e simulação de um algoritmo que permita prever os efeitos da injeção de diferentes materiais pulverizados pelas ventaneiras em altosfornos Autor: Marciano Matias Ângelo

Leia mais

REDEMAT UFOP CETEC UEMG. Dissertação de Mestrado

REDEMAT UFOP CETEC UEMG. Dissertação de Mestrado REDEMAT REDE TEMÁTICA EM ENGENHARIA DE MATERIAIS UFOP CETEC UEMG UFOP - CETEC - UEMG Dissertação de Mestrado "Caracterização de carvão vegetal para a sua injeção em altos-fornos a carvão vegetal de pequeno

Leia mais

TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo.

TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo. TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo. TERMOGRAVIMETRIA São frequentemente usados três modos distintos

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO. Orientador(es) FERNANDO DE LIMA CAMARGO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO. Orientador(es) FERNANDO DE LIMA CAMARGO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 18º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DIMENSIONAL DE GASEIFICADORES DO TIPO DOWNDRAFT PARA A GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM COMUNIDADES ISOLADAS Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO Orientador(es) FERNANDO

Leia mais

Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final. Gersina N. da R. Carmo Junior

Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final. Gersina N. da R. Carmo Junior Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final Gersina N. da R. Carmo Junior Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final INCINERAÇÃO Tratamento Incineração É um processo de queima do lixo em unidades

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Desde a inauguração, em 1983, a ArcelorMittal Tubarão segue uma gestão orientada pela busca contínua da inovação e da qualidade em processos

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL 1º SEMINÁRIO PARANAENSE DE ENERGIA DE BIOMASSA RESIDUAL AGRÍCOLA 06 DE DEZEMBRO DE 2013 LOCAL: SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica. Tabela 1 Composição típica de alguns combustíveis

UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica. Tabela 1 Composição típica de alguns combustíveis ESTEQUIOMETRIA DAS REAÇÕES DE COMBUSTÃO Waldir A. Bizzo Caio G. Sánchez Reações de combustão são reações químicas que envolvem a oxidação completa de um combustível. Materiais ou compostos são considerados

Leia mais

É hora de fabricar o aço

É hora de fabricar o aço É hora de fabricar o aço Introdução Mesmo quando os métodos de fabricação eram bastante rudimentares os artesãos da Antigüidade, na Ásia e, mais tarde, na Europa medieval, conseguiam fabricar o aço. O

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Laboratório de Combustão e Motores da UFRGS

Laboratório de Combustão e Motores da UFRGS Laboratório de Combustão e Motores da UFRGS Fernando M. Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Mecânica fernando@mecanica.ufrgs.br Sumário Objetivo do laboratório

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMBUSTIBILIDADE E REATIVIDADE DE BIOMASSAS TERMICAMENTE TRATADAS E CARVÕES COM VISTAS À INJEÇÃO EM ALTOS-FORNOS

AVALIAÇÃO DA COMBUSTIBILIDADE E REATIVIDADE DE BIOMASSAS TERMICAMENTE TRATADAS E CARVÕES COM VISTAS À INJEÇÃO EM ALTOS-FORNOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MINAS, METALÚRGICA E MATERIAIS PPGE3M JULIANA GONÇALVES POHLMANN AVALIAÇÃO

Leia mais

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Durante milhões de anos a Terra passou por ciclos naturais de aquecimento

Leia mais

3 A ArcelorMittal Tubarão

3 A ArcelorMittal Tubarão 3 A ArcelorMittal Tubarão 3.1. Breve histórico A ArcelorMittal Tubarão, reconhecida no País e no exterior como a maior produtora de semi-acabados de aço instalada no Brasil, foi constituída em Junho de

Leia mais

Soluções para produção de Oxigênio Medicinal

Soluções para produção de Oxigênio Medicinal Soluções para produção de Oxigênio Medicinal Page1 O propósito da BHP é de fornecer ao hospital uma usina de oxigênio dúplex e enchimento de cilindros para tornar o hospital totalmente independente do

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO

SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO para Alto-Forno, Aciaria e Fundição Captação eficiente das emissões Redução do consumo de energia Proteção do meio ambiente OTIMIZAÇÃO DO FLUXO: REDUÇÃO DE CUSTOS Placa de bocal

Leia mais

PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos. ABM - Março / 2008

PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos. ABM - Março / 2008 PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos ABM - Março / 2008 SUSTENTABILIDADE DO SETOR SIDERÚRGICO BRASILEIRO Paul Wurth 2008 Residuos siderúrgicos: Onde estão? A industria siderúrgica tem uma longa

Leia mais

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Gerador de nitrogênio Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Aplicações de nitrogênio Comidas e bebidas O nitrogênio é um gás ideal para armazenar (fumigação) e transportar alimentos e bebidas.

Leia mais

SIMULAÇÃO DA COMBUSTÃO DE CARVÃO PULVERIZADO EM REATOR TUBULAR NAS CONDIÇÕES DAS VENTANEIRAS DO ALTO-FORNO

SIMULAÇÃO DA COMBUSTÃO DE CARVÃO PULVERIZADO EM REATOR TUBULAR NAS CONDIÇÕES DAS VENTANEIRAS DO ALTO-FORNO doi: 10.4322/tmm.00204002 SIMULAÇÃO DA COMBUSTÃO DE CARVÃO PULVERIZADO EM REATOR TUBULAR NAS CONDIÇÕES DAS VENTANEIRAS DO ALTO-FORNO Resumo Anderson Willian de Souza Baltazar 1 José Adilson de Castro 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL RICARDO SEBASTIÃO NADUR MOTTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL RICARDO SEBASTIÃO NADUR MOTTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL RICARDO SEBASTIÃO NADUR MOTTA AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE SISTEMAS DE INJEÇÃO DE CARVÃO PULVERIZADO

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado

Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado O Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem AN3230 foi desenvolvido para a realização de ensaios de pelotas de minério

Leia mais

PERFIL DE EQUIPAMENTO

PERFIL DE EQUIPAMENTO PERFIL DE EQUIPAMENTO EOF ENERGY OPTIMIZING FURNACE MINITEC Minitecnologias Ltda. Rua Bananal, 405-5º andar - Bairro Santo Antônio CEP: 35500-036 Divinópolis/MG - Brasil Fones: +55 (37) 3085-7113 / 3222-7113

Leia mais

Difusão e Desenvolvimento de Tecnologias para uma Economia de Baixo Carbono no Brasil

Difusão e Desenvolvimento de Tecnologias para uma Economia de Baixo Carbono no Brasil Difusão e Desenvolvimento de Tecnologias para uma Economia de Baixo Carbono no Brasil Marcelo Pinho (DEP/UFSCar) Brasília, 7 de maio de 2015 Seminário Políticas Ambientais como Fonte de Novos Negócios

Leia mais

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015 TERMELÉTRICA Eficiência Energética 11/2015 O que é uma Termelétrica? É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada por qualquer produto que

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Discentes: Juliane C. Prado Vinícius F. Bernardo Docente: Profº Dr. César A. Moreira Disciplina: Recursos Energéticos Índice 1) Introdução 2)

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE NITRETAÇÃO GASOSA PROCESSO MARATHON SENSORS INC.

SISTEMA PARA CONTROLE DE NITRETAÇÃO GASOSA PROCESSO MARATHON SENSORS INC. SISTEMA PARA CONTROLE DE NITRETAÇÃO GASOSA PROCESSO MARATHON SENSORS INC. ** Controla ou monitora todas as variáveis criticas do processo. ** Automatiza o processo de TEMPERATURA e ATMOSFERA. ** Armazenamento

Leia mais

Métodos Espectroanalítcos. Espectrometria de absorção atômica com atomização eletrotérmica (ETAAS) - Introdução Aula 6

Métodos Espectroanalítcos. Espectrometria de absorção atômica com atomização eletrotérmica (ETAAS) - Introdução Aula 6 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química Métodos Espectroanalítcos Espectrometria de absorção atômica com atomização eletrotérmica (ETAAS) - Introdução

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Sandra Mazo-Nix SCS Engineers Consultora - US Environmental Protection Agency (US EPA) Sumário Conceitos Básicos

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL Mucio Pinto Guimarães Júnior 1 ; Jorge Recarte Henríquez Guerrero 2 1 Estudante do Curso de Engenharia

Leia mais

ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO PONTO DE FULGOR VASO ABERTO CLEVELAND

ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO PONTO DE FULGOR VASO ABERTO CLEVELAND ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. APARELHAGEM...4 6. EXECUÇÃO DO ENSAIO...9 7.

Leia mais

FGA 300. Analisador de oxigênio para gás de chaminé da Panametrics. GE Sensing. Características. Aplicações

FGA 300. Analisador de oxigênio para gás de chaminé da Panametrics. GE Sensing. Características. Aplicações Aplicações Um analisador externo de óxido de zircônio para medir o excesso de oxigênio em aplicações sólidas e sujas de combustão tais como: Caldeiras: todos os combustíveis e tipos, incluindo de aplicação

Leia mais

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP 'HVFULomRGDSODQWD Neste capítulo, será descrita a planta de produção de vapor para secagem do fermento. Os dados desta descrição correspondem às instalações em funcionamento durante o ano de 2002 de uma

Leia mais

Panorama do Setor Siderúrgico

Panorama do Setor Siderúrgico Panorama do Setor Siderúrgico 0 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico NT USO DE CARVÃO VEGETAL EM MINI ALTOS-FORNOS Ronaldo Santos Sampaio/ RSConsultants LTDA 1 Centro de Gestão e Estudos Estratégicos

Leia mais

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO Responsável pelo Projeto Luiz Augusto de Noronha Mendes FPT Industrial RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre o

Leia mais

SIDERURGIA. 1- Introdução

SIDERURGIA. 1- Introdução SIDERURGIA Siderurgia 1 1- Introdução Os metais encontrados no estado nativo são o ouro, a prata, a platina, o cobre, o arsênico e o bismuto. Estes metais eram encontrados na superfície ou próximo desta,

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS DE CRI E CSR DO COQUE PRODUZIDO EM FORNO INDUSTRIAL, FORNO DE SOLEIRA AQUECIDA E BOX TEST. Cátia Moreira Casagrande

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS DE CRI E CSR DO COQUE PRODUZIDO EM FORNO INDUSTRIAL, FORNO DE SOLEIRA AQUECIDA E BOX TEST. Cátia Moreira Casagrande REDE TEMÁTICA EM ENGENHARIA DE MATERIAIS REDEMAT UFOP CETEC UEMG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS DE CRI E CSR DO COQUE PRODUZIDO EM FORNO INDUSTRIAL, FORNO

Leia mais

III Congresso CBNA sobre Tecnologia da Produção de Alimentos para Animais Colégio Brasileiro de Nutrição Animal. Maringá - PR 16 de Setembro de 2015

III Congresso CBNA sobre Tecnologia da Produção de Alimentos para Animais Colégio Brasileiro de Nutrição Animal. Maringá - PR 16 de Setembro de 2015 III Congresso CBNA sobre Tecnologia da Produção de Alimentos para Animais Colégio Brasileiro de Nutrição Animal Maringá - PR 16 de Setembro de 2015 III Congresso CBNA Geração e qualidade do vapor Arnaldo

Leia mais

Comunicado Técnico nº 5

Comunicado Técnico nº 5 Comunicado Técnico nº 5 O Uso do Vapor e das Caldeiras na Gestão da Umidade nas Algodoeiras Giancarlo Goldoni Jr. 1. O que é vapor? O vapor pode ser definido como um gás resultante da mudança de estado

Leia mais

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 8

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 8 Geradores de Vapor 4º ano Aula 8 2 Perdas de Calor nos geradores de vapor Tópicos Balanço de energia Perdas de Calor Método do Balanço Directo Método do Balanço Indirecto Perdas de Calor com Gases Efluentes

Leia mais

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

Leia mais

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade 1 Índice : 1. Matérias combustíveis utilizáveis 2. A secagem com CO₂ - SEE

Leia mais

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade.

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Ciclo de Vida Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Sua análise permite a quantificação das emissões ambientais e o

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE ENXOFRE REDUZIDO TOTAL (ERT) Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE ENXOFRE REDUZIDO TOTAL (ERT) Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE ENXOFRE REDUZIDO TOTAL (ERT) Método de ensaio L9.227 MAR/93 SUMÁRIO 1 Objetivo...1 2 Documentos complementares...1 3 Definições...1 4 Aparelhagem...2

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA BIOMASSA NA INDÚSTRIA SIDERÚRGICA. Prof. Dr. Álvaro Lúcio

UTILIZAÇÃO DA BIOMASSA NA INDÚSTRIA SIDERÚRGICA. Prof. Dr. Álvaro Lúcio UTILIZAÇÃO DA BIOMASSA NA INDÚSTRIA SIDERÚRGICA Prof. Dr. Álvaro Lúcio 1 INTRODUÇÃO Uma das medidas do padrão de vida de um país é o seu PIB. A análise de dados mundiais mostra uma relação direta entre

Leia mais

Matéria prima. Fabricação de aço. Fabricação de aço

Matéria prima. Fabricação de aço. Fabricação de aço Matéria prima A fundição é usada para fabricação de componentes acabados. Também p/ produzir lingotes ou placas que serão posteriormente processados em diferentes formas, tais como: vergalhões, barras,

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Carvão Mineral: Perspectivas e Tendências nos Mercados Nacional e Internacional

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE OPERADORES DE ALTOS-FORNOS

NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE OPERADORES DE ALTOS-FORNOS NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE OPERADORES DE ALTOS-FORNOS N. º DOCUMENTO: PNCO-AF-CS-002 1 1. OBJETIVO...3 2. APLICAÇÃO...3 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...3 4. ABREVIATURAS

Leia mais

Métodos Experimentais em Energia e Ambiente

Métodos Experimentais em Energia e Ambiente Métodos Experimentais em Energia e Ambiente Medições para o controle de Motores de Combustão Interna João Miguel Guerra Toscano Bravo Lisboa, 27 de Outubro de 2004 Introdução Tipos de motores Gestão Electrónica

Leia mais

PRODUÇÃO DE ECO-COMBUSTÍVEIS POR CONVERSÃO TERMOQUÍMICA DE RESÍDUOS LIGNOCELULÓSICOS E POLIMÉRICOS

PRODUÇÃO DE ECO-COMBUSTÍVEIS POR CONVERSÃO TERMOQUÍMICA DE RESÍDUOS LIGNOCELULÓSICOS E POLIMÉRICOS PRODUÇÃO DE ECO-COMBUSTÍVEIS POR CONVERSÃO TERMOQUÍMICA DE RESÍDUOS LIGNOCELULÓSICOS E POLIMÉRICOS Andrei Longo 1*, Margarida Gonçalves 1, Paulo Brito 2. 1 Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade

Leia mais

ESTUDO DO FLUXO DE MATERIAIS PULVERIZADOS EM SIMULADOR DE INJEÇÃO DE VENTANEIRAS DE ALTOS-FORNOS ATRAVÉS DE VÍDEO-FOTOGRAFIA

ESTUDO DO FLUXO DE MATERIAIS PULVERIZADOS EM SIMULADOR DE INJEÇÃO DE VENTANEIRAS DE ALTOS-FORNOS ATRAVÉS DE VÍDEO-FOTOGRAFIA doi: 10.4322/tmm.00304002 ESTUDO DO FLUXO DE MATERIAIS PULVERIZADOS EM SIMULADOR DE INJEÇÃO DE VENTANEIRAS DE ALTOS-FORNOS ATRAVÉS DE VÍDEO-FOTOGRAFIA Geraldo Magela de Oliveira 1 Vani Aparecida de Oliveira

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

Instrumentação Para Um Sistema de Monitoramento das Grandezas de Um Projeto de Co-Geração de Energia

Instrumentação Para Um Sistema de Monitoramento das Grandezas de Um Projeto de Co-Geração de Energia Instrumentação Para Um Sistema de Monitoramento das Grandezas de Um Projeto de Co-Geração de Energia Yuri Ferruzzi, Samuel Nelson Melegari de Souza, James Morais, Estor Gnoatto, GuiLherme Moreira Fracaro.

Leia mais

Preparo de Amostras. Linha de produtos. ::: Clear Solutions in Sample Preparation

Preparo de Amostras. Linha de produtos. ::: Clear Solutions in Sample Preparation Preparo de Amostras Linha de produtos ::: Clear Solutions in Sample Preparation Multiwave PRO Soberano nos métodos de preparo de amostras 4 O sistema de reação assistido por micro-ondas Multiwave PRO oferece

Leia mais

Gerador de Nitrogênio - NG NG 7-81

Gerador de Nitrogênio - NG NG 7-81 Gerador de Nitrogênio - NG NG 7-81 O que é o Nitrogênio? Gás incolor, inodoro e sem gosto Constitui 78% da atmosfera de nosso planeta Gás inerte Gás Volume % Nitrogênio 78,08 Oxigênio 20,94 Argônio Hidrogênio

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2013 COM(2013) 919 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa à limitação das emissões para a atmosfera de certos

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Dep. Engeharia Mecânica Escola Politécnica Universidade de São Paulo Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Escola Politécnica

Leia mais

Combustão Industrial

Combustão Industrial Combustão Industrial JOSÉ EDUARDO MAUTONE BARROS Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador do Laboratório de Combustíveis e Combustão Doutor em Engenharia Mecânica - Térmica

Leia mais

Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11

Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11 Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11 Sumário Situação Atual de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) Definição de URE Instrumentos Legais

Leia mais

módulos solares de tubos de vácuo

módulos solares de tubos de vácuo módulos solares de tubos de vácuo benefícios Instalação simples. Amigo do ambiente. Tubos de vácuo de alta eficiência que reduzem perdas de calor. Fácil substituição individual de tubos em caso de quebra.

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura Geração de Energia Elétrica a partir de Combustível Inovador Proveniente da Conversão a Baixa Temperatura de Biomassas e Resíduos e Análise de Desempenho em Motores R.G. Pereira 1 ; G. A. Romeiro 2 ; R.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB 1 INTRODUÇÃO A poluição do ar é um fenômeno recorrente principalmente da atividade humana em vários aspectos. Dentre os quais podemos destacar:

Leia mais

Proteção e combate a incêndio

Proteção e combate a incêndio Proteção e combate a incêndio Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA MATRIZ ENERGÉTICA DA CST

OTIMIZAÇÃO DA MATRIZ ENERGÉTICA DA CST OTIMIZAÇÃO DA MATRIZ ENERGÉTICA DA CST Autores: Alencar Avelar Scarpe 1 Andréa Machado Melo 2 Cláudio José Rovay 3 André Pereira Barbosa 4 Ary Barcelos 5 Flavio Tovar Almeida 6 Jarildo Francisco Pinho

Leia mais

3 Bancada Experimental

3 Bancada Experimental Capítulo 3. Bancada Experimental -------------------------------------------------------------------- 29 3 Bancada Experimental Foi projetado e construído um aparato experimental para avaliar o desempenho

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM CALDEIRAS E FORNOS

TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM CALDEIRAS E FORNOS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM CALDEIRAS E FORNOS Waldir Bizzo Faculdade de Engenharia Mecânica UNICAMP A transferência de calor em geradores de vapor e fornos de processo é um complexo conjunto de fenômenos

Leia mais

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR Todo programa de monitoramento contínuo da qualidade do ar precisa de algum sistema que forneça uma garantia de que os valores medidos são válidos.

Leia mais

Motores a combustão interna

Motores a combustão interna Motores a combustão interna 1 Sumário Página 1. Histórico... 3 2. Definição de motores... 3 3. Tipos de motores... 4 3.1 Motores a combustão externa... 4 3.2 Motores a combustão interna... 4 4. Motores

Leia mais

USOS DA ENERGIA GERADA NA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO

USOS DA ENERGIA GERADA NA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL USOS DA ENERGIA GERADA NA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO Sergio Scherer Seminário CGEE & DECOI da SDP/MDIC - Brasília, 20.05.2014 Os elementos básicos na

Leia mais

Panorama do Setor Siderúrgico

Panorama do Setor Siderúrgico Panorama do Setor Siderúrgico 0 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico NT Carvão e Coque Eduardo Osório Antônio C. F. Vilela Carlos Hoffmann Sampaio 1 Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Presidenta

Leia mais

G-8000 - Instalação e Preparação

G-8000 - Instalação e Preparação G-8000 - Instalação e Preparação www.intecrom.com.br www.intecrom.com.br 1 Índice Título Página Instalação do Geração 8000 3 Configuração do Equipamento 4 Especificação do Geração 8000 5 Ambiente 6 Instalações

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA

TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica, Depto. de Recursos Hídricos e Meio Ambiente TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA Eduardo Pacheco Jordão, Dr. Eng. GMI, florianópolis 2014

Leia mais

Projeto rumo ao ita. Química. Exercícios de Fixação. Exercícios Propostos. Termodinâmica. ITA/IME Pré-Universitário 1. 06. Um gás ideal, com C p

Projeto rumo ao ita. Química. Exercícios de Fixação. Exercícios Propostos. Termodinâmica. ITA/IME Pré-Universitário 1. 06. Um gás ideal, com C p Química Termodinâmica Exercícios de Fixação 06. Um gás ideal, com C p = (5/2)R e C v = (3/2)R, é levado de P 1 = 1 bar e V 1 t = 12 m³ para P 2 = 12 bar e V 2 t = 1m³ através dos seguintes processos mecanicamente

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA. Prof. Dr. Estéfano A. Vieira

ANÁLISE TÉRMICA. Prof. Dr. Estéfano A. Vieira ANÁLISE TÉRMICA Análise Térmica - Thermal Analysis (TA) DEFINIÇÃO: Termo genérico para métodos pelos quais as propriedades físicas e químicas de uma substância ou mistura são determinadas em função da

Leia mais

&DUYRHMDPHQWR. Aumentando o Rendimento dos Fornos Possibilidades a Curto e Longo Prazos

&DUYRHMDPHQWR. Aumentando o Rendimento dos Fornos Possibilidades a Curto e Longo Prazos &DUYRHMDPHQWR Aumentando o Rendimento dos Fornos Possibilidades a Curto e Longo Prazos :25.6+230$'(,5$(1(5*e7,&$ %1'(60DLR $35(6(17$d 2 Apresentação preparada por: Ronaldo Sampaio PhD. - Diretor da RSConsultants

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE OPERADORES DE COQUERIA

NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE OPERADORES DE COQUERIA NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE OPERADORES DE COQUERIA N. º DOCUMENTO: PNCO-CQ-CS-002 1 1. OBJETIVO...4 2. APLICAÇÃO...4 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...4 4. ABREVIATURAS

Leia mais

Grupo de Trabalho de Controlo de Medicamentos e Inspecções

Grupo de Trabalho de Controlo de Medicamentos e Inspecções COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DA EMPRESA Mercado único: gestão e legislação de bens de consumo Produtos farmacêuticos: quadro regulamentar e autorizações de introdução no mercado Bruxelas, Abril de

Leia mais