CABEAMENTO ESTRUTURADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CABEAMENTO ESTRUTURADO"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DAE-E CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Cuiabá-MT, 15/09/2014 CABEAMENTO ESTRUTURADO Professor: Fabiano de Pádua Aluno(a): Turma:

2 2/55 SUMÁRIO 1. OBJETIVO CONCEITOS BÁSICOS Cabeamento Estruturado Padronização Dispositivos de Comunicação Topologias Comunicação de Dados Taxa de Transmissão Protocolo de Comunicação CABEAMENTO METÁLICO Normas Técnicas Cabo Coaxial Cabo Par-Trançado Acessórios Codificação de Cores CABEAMENTO ÓPTICO Fibra Óptica Sistema de Comunicação Normas Terminações Ópticas Lançamentos de Fibra Óptica Cabos Ópticos Ligando o Mundo (2006) CABEAMENTO ESTRUTURADO Introdução Normas Subsistema De Um Cabeamento Estruturado Conexões Identificação do Cabeamento Estruturado CERTIFICAÇÃO E TESTES Conceitos Principais Parâmetros Testes de Certificação Certificação de Obra Equipamento PROJETOS Análise Inicial do Projeto Ciclo de Vida de um Projeto Etapas do Projeto Desenvolvimento da Documentação WLAN Definição Padrão IEEE Técnicas de Modulação Espalhamento Espectral Segurança Área de Cobertura Wimax BIBLIOGRAFIA... 55

3 3/55 1. OBJETIVO A presente documentação tem por objetivo introduzir e direcionar profissionais de áreas afins na formação com competência técnica para Cabeamento Estruturado de uma Rede de Computadores, conforme a disciplina de Cabeamento Estruturado do Curso Técnico em Telecomunicações do IFMT-Cuiabá. Este material não tem intuito de esgotar os conhecimentos e se baseia em literaturas conhecidas e encontradas no final deste material. 2. CONCEITOS BÁSICOS 2.1- CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento estruturado pode ser definido como um sistema baseado na padronização das interfaces e meios de transmissão, de modo a tornar o cabeamento independente da aplicação e do leiaute. O projeto de cabeamento estruturado não é feito apenas para obedecer às normas de hoje, mas, também, para que esteja de conformidade com as tecnologias futuras, além de proporcionar grande flexibilidade de alterações e expansões do sistema. Um sistema de cabeamento estruturado permite o tráfego de qualquer tipo de sinal elétrico de áudio, vídeo, controles ambientais e de segurança, dados e telefonia, convencional ou não, de baixa intensidade, independente do produto adotado ou fornecedor. Este tipo de cabeamento, possibilita mudanças, manutenções ou implementações de forma rápida, segura e controlada, ou seja, toda alteração do esquema de ocupação de um edifício comercial é administrada e documentada seguindo-se um padrão de identificação que não permite erros ou dúvidas quanto aos cabos, tomadas, posições e usuários. Para estas características sejam conseguidas, existem requisitos mínimos relativos à distâncias, topologias, pinagens, interconectividade e transmissão, permitindo desta forma que atinja-se o desempenho esperado. Tendo base que um sistema de cabeamento estruturado, quando da instalação, está instalado em pisos, canaletas e dutos, este sistema deve se ter uma vida útil de no mínimo 10 anos, este é o tempo médio da vida útil de uma ocupação comercial.

4 4/ PADRONIZAÇÃO fabricante. Uma norma ou padrão de cabeamento especifica um sistema independente do Benefícios: Flexibilidade: mudança. Facilidade de Administração: troca de cabos. Vida Útil. Controle de Falhas. Custo e Investimento. Principais Normas envolvidas: ANSI/EIA/TIA-568: Commercial Building Telecommunications Wiring. ANSI/TIA/EIA 606: Administração dos sistemas de cabeamento, a norma especifica técnicas e métodos para identificar e gerenciar a infraestrutura de telecomunicações. Ansi/tia/eia 607: Instalação do Sistema de Aterramento de Telecomunicações; esta norma define os padrões de aterramento contra descargas atmosférica nas redes de cabeamento metálico. ANSI/TIA/EIA 570A: Infraestrutura de Telecomunicações edifícios residenciais: esta norma se aplica aos sistemas de cabeamento e respectivos espaços e caminhos para prédios residenciais multiusuários, bem como casas individuais. ISSO/IEC Sistema de cabeamento de telecomunicações; norma europeia equivalente a TIA/EIA 568B. NBR-14565: Procedimentos básicos para a elaboração de projetos de cabeamento estruturado em redes de telecom. ANATEL: Certificação e Homologação DISPOSITIVOS DE COMUNICAÇÃO Classificação: Ativos: energizados e com processamento. Passivos: sem energia e processamento (acessórios). Tipos: Placa de Rede. Rede de Computadores

5 5/55 HUB: concentrador. HUB Switch: comutação. Switch Roteador: controla o encaminhamento de dados sobre a rede. Switch Roteador Roteador Switch REDE Modem Switch Internet Modem Roteador

6 6/55 Wi-Fi (Wireless Fidelity). AP Roteador WAN Switch Switch AP 2.4- TOPOLOGIAS Física e Lógica: Barramento (Bus) Anel (Ring) Estrela (Star) Mista ou Malha (Mesh) 2.5- COMUNICAÇÃO DE DADOS Tipos de ligação entre computadores: Ponto-a-Ponto: apenas dois pontos de comunicação. Ponto-Multiponto: três ou mais pontos de comunicação, com possibilidade de usar mesmo enlace (link). Sentido de Comunicação:

7 7/55 Simplex: apenas um sentido. Half-Duplex: um sentido por vez. ou Full-Duplex: dois sentidos ao mesmo tempo TAXA DE TRANSMISSÃO É a capacidade de transmissão de informações ou a quantidade de dados por um intervalo de tempo. As informações que devem ser transmitidas podem ser chamadas de pacote, que possuem um determinado tamanho. Tx =? bps (bit por segundo) 1 byte = 8 bits 1 pacote =? bytes MTU = Maximum Transfer Unit 2.7- PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO Estabelece rigorosamente a forma como o processo de comunicação se deve realizar para viabilizar a comunicação entre computadores numa rede. Os protocolos definem tipos de cabos de ligação, comprimentos, conectores, métodos de acesso ao meio, tamanho de pacotes de informação, encaminhamento; detecção e correção de erros, retransmissões, compatibilidade entre sistemas, etc. Existem diversos protocolos, cada um deles mais apropriado para determinado tipo de rede ou de comunicação. Os protocolos baseiam-se nas camadas do modelo OSI, sendo que a camada na qual o protocolo trabalha descreve sua função MODELO OSI O Modelo OSI permite comunicação entre máquinas heterogêneas e define diretivas genéricas para a construção de redes de computadores (seja de curta, média ou longa distância) independente da tecnologia utilizada. É um modelo que divide as redes de computadores em 7 camadas, de forma a se obter camadas de abstração. Cada protocolo implementa uma funcionalidade assinalada a uma determinada camada.

8 8/55 O cabeamento estruturado é diretamente ligado a primeira camada (camada física). A camada física define especificações elétricas e físicas dos dispositivos. Em especial, define a relação entre um dispositivo e um meio de transmissão, tal como um cabo de cobre ou um cabo de fibra óptica. Isso inclui o leiaute de pinos, tensões, impedância da linha, especificações do cabo, temporização, hubs, repetidores, adaptadores de rede, adaptadores de barramento de host, entre outros. Ela é a camada mais baixa do modelo OSI, diz respeito a transmissão e recepção do fluxo de bits brutos não-estruturados em um meio físico. Descreve as interfaces elétricas óptica, mecânicas e funcionais para o meio físico e transporta sinais para todas as camadas superiores. 3. CABEAMENTO METÁLICO Existem duas categorias de cabos utilizados para transmissão de dados em redes de computadores. Uma utiliza sinais elétricos transmitidos através de cabos metálicos (tipicamente de cobre); outra utiliza pulsos luminosos emitidos sobre cabos de fibra de vidro (conhecidos como fibras ópticas) NORMAS TÉCNICAS No Brasil, as normas mais conhecidas para cabeamento estruturado são: ANSI/EIA/TIA-568: especifica sistemas de cabeamento estruturado para edifícios comerciais. EIA/TIA-570: padroniza a infraestrutura para suportar voz, dados, vídeo, multimídia, TV, etc. NBR-14565: norma brasileira que traz os procedimentos básicos para elaboração de projetos de cabeamento estruturado em redes de telecomunicações. IEEE 802: desenvolveu e publicou uma série de normas para redes locais (LANs) e Metropolitanas (MANs) que foram adotadas mundialmente CABO COAXIAL Consistem de dois condutores cilíndricos, um interno e outro externo, separados por um material dielétrico. O interno é o condutor e o externo é proteção. Resistência de Base2 e 10Base5. dielétrico condutor interno condutor externo (blindagem) encapsulamento de proteção Em certa época, cabo coaxial era o tipo de cabeamento de rede mais amplamente utilizado. Porém, com a redução nos custos da fibra óptica e melhoria de qualidade nos cabos de par-trançado o mercado migrou para as novas tecnologias deixando de lado o

9 Prof. Fabiano de Pádua Cabeamento Estruturado 9/55 cabo coaxial. Outro problema do cabo coaxial era verificado com quedas da rede provocada por mau contato em qualquer um dos pontos da rede, a identificação dessa falha é difícil e também contribuiu para o crescimento na utilização do cabo de par-trançado. Terminador Terminador Conector Barramento Conector BNC Interface Rede 3.3- CABO PAR-TRANÇADO Em sua forma mais simples, o cabo par-trançado (Twisted-Pair) é constituído por filamentos isolados de cobre torcidos (trançados). Geralmente é um cabo formado por vários pares de fios trançados, agrupados e fechados em um revestimento protetor. O número real de pares em um cabo varia, porém é mais comum encontrar cabos de 4 pares e 25 pares. O comprimento máximo de segmento de cabo é de cerca de 100 metros. Para evitar que os sinais de um cabo interfiram com os dos vizinhos, cada par de cabos utiliza um padrão de trança diferente, com um número diferente de tranças por metro. Há três tipos de cabos par-trançado: par-trançado não-blindado (UTP - Unshielded Twisted-Pair), par-trançado blindado simples (FTP - Foiled Twisted Pair) e par-trançado blindado (STP - Shielded Twisted-Pair). O UTP é o tipo mais utilizado em redes LAN. O STP utiliza uma proteção de cobre entrelaçada de maior qualidade e mais protetora do que a do UTP. O STP também utiliza um envoltório de folha metálica entre e em torno dos pares de fio e, internamente, entre as torções dos pares. Isso proporciona ao STP ótimo isolamento para proteger os dados transmitidos contra interferências externas. Isso significa que o STP é menos suscetível à interferência elétrica e suporta taxas de transmissão maiores, ao longo de distâncias maiores, do que o UTP. Este docum ento é propriedade do IFMT-Cuiabá, sendo proibida sua reprodução sem prévia autorização.

10 10/55 Com a evolução dos cabos par-trançados fizeram com que fossem criados cabos diferentes, chamados de categorias. As categorias são as seguintes: Categoria 1: Utilizado para frequências menores que 100 KHz, referindo-se ao cabo telefônico UTP tradicional que pode transportar voz, mas não dados (até 1983). Categoria 2: Suporta frequências de até 4 MHz, com taxa de transmissão de dados de até 4 Mbps. Categoria 3: Suporta frequências de até 20 MHz, para transmissões de dados de até 10 Mbps, onde contém quatro pares trançados com cerca de nove torções por metro. Categoria 4: Suporta frequências de até 16 MHz, para transmissões de dados de até 16 Mbps. Categoria 5: Suporta frequências de até 100 MHz, para transmissões de dados de até 100 Mbps (FastEthernet). Categoria 5e (enhanced): suporta frequências de até 100 MHz, para transmissões de dados em 1 Gbps (GigaEthernet), onde é o cabo mais utilizado atualmente e foi desenvolvido para tráfego de voz, dados e imagens. Categoria 6: Suporta frequências entre 250 e 500 MHz, para transmissões de dados em 10 Gbps. Categoria 7: Suporta frequências de até 700 MHz, podendo chegar a 100 Gbps, porém não há ainda aplicação em LAN. Demais características básicas: o Bitola: 24 AWG. o Impedância: 100. o Conector: RJ-45 macho (plug) e fêmea (jack). o Distância máxima: 100m. o Tipo Conexão: direto ou cruzado (crossover). o Redes 10BaseT, 100BaseT e 1000BaseT Conectorização Para a conectorização do cabo par-trançado, a norma EIA/TIA-568 determina a pinagem e configuração. Existem no mercado duas padronizações para a pinagem: padrão 568-A e 568-B. Há uma técnica de conectorização para o RJ-45 macho e outra para o RJ-45 fêmea. Um registered jack (RJ) é uma interface física para conectar equipamentos de telecomunicação ou equipamento de rede de computadores. O cabo UTP Cat 5e é normalmente encontrado em caixas de 300 metros, no entanto muitas lojas o vendem também no varejo (por metro). É muito comum também encontra-lo já conectorizado.

11 Prof. Fabiano de Pádua Cabeamento Estruturado Macho 11/55 Fêmea Conectorização do RJ-45 Macho: Usa-se uma ferramenta chamada Alicate de Crimpagem. Normalmente estes alicates permitem a utilização tanto de conectores RJ-45 como RJ-11 (usados em telefones). Possuem uma seção para "corte" dos cabos e descascar o isolamento. Conectorização do RJ-45 Fêmea: Usa-se uma ferramenta chamada Ferramenta de Inserção. Pinagem: Pino T-568A T-568B Branco/Verde Verde Branco/Laranja Azul Branco/Azul Laranja Branco/Marrom Marrom Branco/Laranja Laranja Branco/Verde Azul Branco/Azul Verde Branco/Marrom Marrom Este docum ento é propriedade do IFMT-Cuiabá, sendo proibida sua reprodução sem prévia autorização.

12 Prof. Fabiano de Pádua Cabeamento Estruturado 12/55 Crimpagem das pontas do cabo: Direto ou Normal o Crimpar mesmo padrão nas duas pontas. T568-A T568-A Cruzado (cross-over) o Crimpar cada ponta com um padrão diferente. T568-A T568-B 3.4- ACESSÓRIOS PATCH PANEL São painéis de conexão utilizados para a manobra de interligação entre os pontos da rede e os dispositivos concentradores da rede. É constituído de um painel frontal, onde estão localizados os conectores RJ-45 fêmea e de uma parte traseira onde estão localizados os conectores que são do tipo "110 IDC" PATCH CORD Cabo de manobra com um metro de extensão, confeccionado com cabo de par- trançado extra flexível, categoria 5e com dois plugs RJ45 montados nas extremidades; utilizado para interconexão de painéis e/ou equipamentos. Este docum ento é propriedade do IFMT-Cuiabá, sendo proibida sua reprodução sem prévia autorização.

13 Prof. Fabiano de Pádua Cabeamento Estruturado 13/ STATION CORD Cabo de estação com três metros de extensão, confeccionado com cabo de partrançado extra flexível, categoria 5e com dois plugs RJ45 montados nas extremidades; utilizado para a interconexão de dispositivos eletrônicos na Área de Trabalho TOMADAS E ESPELHOS Para a acomodação e fixação dos conectores RJ-45 fêmea. São necessários os acessórios de terminação que, no caso, são as tomadas e espelhos para redes locais, os quais, fazem parte da lista de acessórios obrigatórios que compõe uma instalação estruturada GUIA DE CABOS É um acessório que possui a função de organizar a sobra de cabos de manobra no bastidor. Um guia de cabos dispõe de uma tampa encaixável que proporciona um bom acabamento além de ser bastante prático BRACKETS São suportes constituídos de peças metálicas onde são fixados os equipamentos como, por exemplo, Switches e os acessórios (patch panels). Este docum ento é propriedade do IFMT-Cuiabá, sendo proibida sua reprodução sem prévia autorização.

14 14/ RÉGUA DE TOMADAS É um acessório que complementa os componentes descritos anteriormente, necessitando de alimentação elétrica. A régua de tomadas proporciona uma grande facilidade em termos de alimentação elétrica dos equipamentos, pois a mesma dispõe de tomadas no padrão 2P + T, adequados para a alimentação de equipamentos de rede BASTIDOR (Rack) São gabinetes com largura padrão de 19 que poderão ser abertos ou fechados onde serão fixados os equipamentos ativos de rede, patch panels e demais acessórios. São suportes constituídos de peças metálicas que compõem uma estrutura na qual são fixados os equipamentos concentradores e respectivos acessórios de uma rede.

15 15/ MONTAGEM DO CABEAMENTO Exemplo do cabeamento que interliga o computador a um switch. Caminho Switch Patch Panel Station Cord Patch Cord Tomada RJ-45 5m 90m 5m 3.5- CODIFICAÇÃO DE CORES Adotou-se uma codificação de cores na capa externa prevendo uma diferenciação visual entre cabos, bem como para as várias funções e aplicações existentes. Cabo de Manobra: o Dados (pinagem direta): cor da capa externa verde. o Dados (pinagem cruzada): cor da capa externa vermelho. o Voz (Telefone): cor da capa externa amarelo. o Vídeo (P&B e Colorido): cor da capa externa violeta. Cabo de Estação: o Recomenda-se utilizar a cor azul ou cinza ou branco para a capa externa.

16 16/55 4. CABEAMENTO ÓPTICO É o transporte de informação utilizando fontes de luz e fibras ópticas (comunicações por fibras ópticas) FIBRA ÓPTICA Histórico As primeiras etapas práticas para o emprego da luz em comunicações foram realizadas a partir de 1790 (Claude Chappe) Transmissão de mensagens telegráficas por meio das reflexões dos raios de sol em um espelho Definição do termo fibra óptica (Kapany); Aparição do laser (Schalow e Townes); Lasers - comercial em 850nm (Chicago); Fibras monomodo em 1550nm de 0,2 db/km; Redes local do tipo Ethernet; Produtos de óptica integrada; Redes Metropolitana em fibra; Redes local do tipo anel; Primeiro cabo submarino óptico; Comutação e computação fotônica; Amplificadores ópticos em 1550 m; Dispositivos em fotônica integrada; Rede mundial com protocolo IP; Redes totalmente fotônicas Vantagens Imunidade a Interferências (EMI); Condutividade elétrica nula; Leveza (30g/Km ) e dimensões reduzidas; Largura de Banda; Baixa Perda; Imunidade a Ruídos; Sigilo na transmissão.

17 17/ Aplicações Rede Telefônica: serviços de tronco de telefonia, interligando centrais de tráfego interurbano e interligação de centrais telefônicas urbanas. Rede Digital de Serviços Integrados (RDSI): rede local de assinantes, isto é, a rede física interligando os assinantes à central telefônica local. Cabos Submarinos: sistemas de transmissão em cabos submarinos. Televisão por Cabo (CATV): transmissão de sinais de vídeo através de fibas ópticas. Sistema de Energia e Transporte: distribuição de energia elétrica e sistema de transmissão ferroviário. Redes Locais de Computadores: aplicações em sistemas de longa distância e locais. Na busca de padrões a fim de facilitar a conectividade e minimizar os custos de aquisição e implantação com fibras ópticas, foi desenvolvido o FDDI Princípio de Funcionamento Uma das aplicações, usando fibra óptica em telecomunicações, é o transporte de informação utilizando fontes de luz e fibras ópticas (comunicações por fibras ópticas). Uma portadora óptica é equivalente a uma portadora de radiofreqüência, com uma freqüência na faixa de TeraHertz. É usual caracterizar a portadora óptica através do comprimento de onda, ao contrário dos sistemas convencionais que caracterizam a portadora através da freqüência da onda eletromagnética. A relação entre o comprimento de onda e a freqüência de uma onda eletromagnética é dada por: f ( Hz ) c ( m / s ) ( m ) A transmissão de um raio de luz dentro da fibra óptica ocorre via uma série de reflexões internas totais na interface do núcleo de sílica e a casca, de índice de refração levemente inferior. Lei de Snell: n 0 sen n n sen n 1 i c 1 2 sen sen t j

18 18/55 n ar j n casca i t n núcleo c n casca < n núcleo Reflexão Interna Total: A relação entre velocidade da luz no vácuo e a velocidade da luz num meio qualquer define índice de refração do meio em questão, expresso por: Estrutura c n luz c meio Capa de plástico Camada de silicone Casca Núcleo 50 m 125 m Tipos de Fibra Óptica Multimodo (MM) - a luz tem vários modos de propagação, ou seja, a luz percorre o interior da fibra óptica por diversos caminhos. Índice Degrau ( m/ m) Índice Gradual ( m/ m) Monomodo (SM) - a luz possui apenas um modo de propagação, ou seja, a luz percorre interior do núcleo por apenas um caminho (125 m / 8-12 m).

19 19/ Abertura Numérica (NA) NA 2 n 1 n 2 2 2*arcsen(NA)= Fabricação As fibras de alta capacidade de transmissão possuem como matéria-prima a sílica (SiO2). Na primeira etapa de fabricação obtém-se um tubo chamado de preforma, constituído de sílica. Este tubo será a casca da fibra. No interior deste tubo de sílica pura são injetados gases (SiCl4, GeCl4) para compor o núcleo. Controlando a concentração destes materiais obtém-se o índice de refração desejado. Tubo de descarga Gases Tubo de Sílica Rotação O 2 POCl 4 SiCl 4 GeCl 4 Maçarico (O 2 e H 2 ) Tipos de fabricação da pré-forma: MCVD (Modificated Chemical Vapour Deposition). PVCD (Plasma Chemical Vapour Deposition). OVD (Outside Vapour Deposition). VAD (Vapour Axial Deposition). A outra etapa é o puxamento. Essa etapa da fabricação que tem por objetivo converter

20 20/55 a preforma em um filamento de vidro com diâmetro bem fino. Produz cerca de 10 a 40 km de filamento de fibra. Calor Preforma Calor Perigo! Emenda o Deve-se ter muito cuidado quando se manipula fibras e equipamentos de transmissão ópticos, pois como a propagação de luz se dá na faixa do infravermelho, o feixe de luz é invisível, apesar da grande potência emitida, havendo grande risco de danos irreparáveis a visão. Uma emenda óptica consiste na junção de dois ou mais seguimentos de fibras, podendo ser permanente ou temporária. Servem para prolongar um cabo óptico, uma mudança de tipo de cabo, para conexão de um equipamento ativo ou efetuarmos manobras em um sistema de cabeamento estruturado. Existem três tipos de emendas ópticas: Emenda por Fusão: as fibras são fundidas entre si; Emenda Mecânica: as fibras são unidas por meios mecânicos; Emenda por Conectorização: são aplicados conectores ópticos, nas fibras envolvidas na emenda Perdas Dois fatores têm fundamental importância na avaliação de desempenho do sistema: Atenuação (db/km) reduz a amplitude do campo: o Absorção o Espalhamento Rayleigh Mie Raman e Brillouin

21 21/55 o Deformações Mecânicas Dispersão ( s/km. m) modifica a forma de onda: 2 0,188 o D f m c d o Modal o Cromática Material Guia de Onda o PMD o Four Wave Mixing Exemplo Seja uma transmissão através de uma fibra óptica. De acordo com o fabricante, tem-se um fator de atenuação de 0.5dB/km no comprimento de onda de 825 m. Aplicando-se uma potência óptica de 500 W, qual seria a potência de saída após 12km de extensão, se não houvesse nenhuma emenda na fibra? Perda dB / km log 3,981 P P S PS S 125,6 W Para um sistema óptico com fibra monomodo, taxa de 10Gb/s, calcular a distância do enlace para a banda L (1565 a 1625 m), com dispersão cromática igual a 11ps/ m.km.

22 22/ M ,8164 m ,188 9 L L 2,1km , Elementos de um Sistema Para se criar um sistema de comunicação através de fibras ópticas, é necessário a utilização de alguns elementos além da fibra, tais como: emissores e receptores; que transformam o sinal elétrico em óptico, e vice-versa. Fontes Ópticas: o LED (Light-Emitting Diode); o Laser (Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation). Receptor: o Pré-amplificador; o Fotodiodo. Amplificador o EDFA (Erbium Doped Fiber Amplifiers) Exemplo: # canais microonda 5Gb / s 64kb / s canais # canais óptico m 64kb / s canais Cuidados Nunca olhe diretamente na extremidade da fibra óptica ou de conectores. A radiação luminosa que a fibra transporta não é visível. É altamente concentrada Intensa causa danos irreversíveis e permanentes ao olho humano Pedaços do Núcleo da Fibra são potencialmente perigosos, pois podem ser mais afiados que agulhas e penetrar nos dedos, debaixo das unhas, ou ainda podem aderir a pele e ser transportados aos olhos, boca, nariz, etc. Em Cabos de Fibra Óptica que apresentam elementos de tração de materiais

23 23/55 como Kvlar ou similares, deve se evitar inspirar próximo a fragmentos destes materiais, pois por serem extremamente leves, podem ser inalados e se alojar nos pulmões SISTEMA DE COMUNICAÇÃO Redes Ópticas Descrição LAN Chamadas de LAN s (Local Area Networks) servem para interligar equipamentos, geralmente localizados em um mesmo domicílio. Acesso MAN Estaduais Nacionais Internacionais Apesar de hoje em dia, devido aos custos, as Redes Ópticas de Acesso serem utilizadas predominantemente por Grandes Assinantes, existem Empresas Operadoras de Telecomunicações, em alguns paises, que já oferecem este tipo de Rede de Acesso para assinantes comuns que necessitam de banda larga. São utilizadas para suportar todo o tráfego de dados, voz e imagem, existentes em uma metrópole. São as Redes onde trafegam os maiores volumes de tráfego. São Redes de Longa Distância, que geralmente usam os seguintes Cabos Ópticos: Comuns, enterrados diretamente ou em dutos. OPGW (OPtical Ground Wire), em torres de Energia Elétrica. São Redes de Longa Distância, que usam Cabos Ópticos dos seguintes tipos: Comuns enterrados diretamente ou em dutos. OPGW em torres de Energia Elétrica. Submarinos, lançados ao longo da costa. São Redes de Ultra Longa Distância, que interligam continentes, usando Cabos Ópticos Submarinos.

24 24/55 Comprimento máximo em Redes Locais Ethernet: Modo Comp. Onda (nm) Distância 10BaseFL 100BaseFX 1000BaseSX 1000BaseLX MM 850 2Km 2Km - - MM 62,5 m m 550m MM 50 m m 550m SM 10 m Km 4.3- NORMAS ANSI/EIA/TIA-568-B o Substituiu a 568-A. o EIA/TIA-568-B.1: General Requirements. o EIA/TIA-568-B.2: Balanced Twisted Pair Cabling Components. o EIA/TIA-568-B.3: Optical Fiber Cabling Components Standard. ANSI/EIA/TIA-568-B.3 o Especifica os requerimentos mínimos para os componentes de fibra óptica utilizados no sistema de cabeamento como cabos ópticos, conectores, hardware de conexão, patch cordes e equipamentos de teste e medição em campo. o Nesta norma são reconhecidos os cabos ópticos multimodo e monomodo. ANSI/EIA/TIA-492AAAA: fibra multimodo. ANSI/EIA/TIA-492CAAA: fibra monomodo. Escolha do tipo de fibra óptica Modo Rede Primária Rede Secundária Cabeamento Centralizado Distância Taxa Distância Taxa Distância Taxa MM >2Km Até 155Mbps Até 90Km Até 2,5Gbps Até 300m Até 1,25Gbps SM >3Km Até 10Gbps

25 25/ TERMINAÇÕES ÓPTICAS Conectores: São dispositivos passivos que servem de interface e providenciam a conexão da fibra óptica, seja de um cabo ou de um cordão, aos dispositivos ativos aos cabos backbones instalados em uma rede LAN Estrutura de um Conector Ferrolho: parte cilíndrica, normalmente de porcelana, por onde flui a luz da fibra. Na extremidade é realizado um polimento (exemplo: APC - Angled Physical Contact). Corpo: estrutura do conector, normalmente de plástico. Base: onde é feito o acabamento e colocada a capa, normalmente de PVC. Corpo Capa Ferrolho Anel de fixação Alguns tipos de conectores: o Tipo ST Baioneta o o Tipo SC Push-pull o o Tipo FC Rosqueável o o Tipo E2000 Engate o DIO (Distribuidor Interno Óptico):

26 26/55 Extensões Ópticas (Pigtail) Cordões Ópticos Simplex ou Duplex 4.5- LANÇAMENTOS DE FIBRA ÓPTICA LAN Tubulações e Calhas (DD) WAN Diretamente em Dutos (DD). Diretamente Enterradas (DE). Cabo Fluvial. Cabo Submarino.

27 27/ CABOS ÓPTICOS LIGANDO O MUNDO (2006)

28 28/55 5. CABEAMENTO ESTRUTURADO 5.1- INTRODUÇÃO Cabeamento estruturado pode ser definido como um sistema baseado na padronização das interfaces e meios de transmissão, de modo a tornar o cabeamento independente da aplicação e do leiaute. O projeto de cabeamento estruturado não é feito apenas para obedecer às normas de hoje, mas, também, para que esteja de conformidade com as tecnologias futuras, além de proporcionar grande flexibilidade de alterações e expansões do sistema. Um sistema de cabeamento estruturado permite o tráfego de qualquer tipo de sinal elétrico de áudio, vídeo, controles ambientais e de segurança, dados e telefonia, convencional ou não, de baixa intensidade, independente do produto adotado ou fornecedor. Este tipo de cabeamento, possibilita mudanças, manutenções ou implementações de forma rápida, segura e controlada, ou seja, toda alteração do esquema de ocupação de um edifício comercial é administrada e documentada seguindo-se um padrão de identificação que não permite erros ou dúvidas quanto aos cabos, tomadas, posições e usuários. Para estas características sejam conseguidas, existem requisitos mínimos relativos à distâncias, topologias, pinagens, interconectividade e transmissão, permitindo desta forma que atinja-se o desempenho esperado. Tendo base que um sistema de cabeamento estruturado, quando da instalação, está instalado em pisos, canaletas e dutos, este sistema deve se ter uma vida útil de no mínimo 10 anos, este é o tempo médio da vida útil de uma ocupação comercial NORMAS ANSI/TIA/EIA-568-B.1 Requerimentos Gerais do CE. ANSI/TIA/EIA-568-B.2 Componentes UTP do CE. ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 Componentes UTP Categoria 6. ANSI/TIA/EIA-568-B.3 Componentes Ópticos do CE. ANSI/EIA/TIA-569-A Caminhos e Espaços do CE.

29 29/55 ANSI/TIA/EIA-606A Administração e Identificação do CE. ANSI/TIA/EIA-607 Aterramento do CE. ANSI/TIA/EIA Base-TX sobre UTP Cat.6. ANSI/TIA/EIA-862 Sistemas de Automação sobre CE. ABNT - NBR (~ 568A). ANSI/TIA/EIA Base-TX sobre UTP Cat.6. Manual TDMM da BICSI (Building Industry Consulting Service International) Associação de Profissionais em Sistemas de Transporte de Informação SUBSISTEMA DE UM CABEAMENTO ESTRUTURADO Um sistema de cabeamento estruturado pode-se dividir em 6 subsistemas, cada qual tendo suas próprias especificações de instalação, desempenho e teste. Cabeamento Horizontal (Horizontal Cabling); Cabeamento Vertical (BackBone); Área de Trabalho (Work Area); Sala de Equipamento (Equipments Room); Armário de Telecomunicações (Telecommunications Closet); Sala de Entrada de Telecomunicações. 1. Cabeamento Horizontal. 2. Cabeamento Vertical. 3. Área de Trabalho (ATR). 4. Sala de Equipamentos (SEQ). 5. Armário de Telecomunicações (AT). 6. Sala de Entrada de Telecomunicações (SET).

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida ...rede interna estruturada

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida Já imaginou a bagunça...

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabos Metálicos de Cobre (Norma ANSI/TIA-568-C.2) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace)

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 1 2 Cabeamento Estruturado Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

TESTES E CERTIFICAÇÃO

TESTES E CERTIFICAÇÃO PROFESSOR NORBERTO - CABEAMENTO ESTRUTURADO TESTES E CERTIFICAÇÃO Para garantir a qualidade das instalações e a performance desejada é necessário que tenha-se certeza que a obra foi realizada dentro das

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado Sistema de Cabeamento Estruturado Subsistemas 1 Subsistema Cabeamento Horizontal 2 Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho - ATR 4 - Armário de Telecomunicações

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Cabo coaxial Cabo par trançado Fibra óptica IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Foi um dos primeiros tipos de cabo utilizados nas redes de computadores Malha de cobre

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 04 Sistemas

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04 PLANO DE ENSINO Curso: REDES DE COMPUTADORES Disciplina: PRÁTICAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Professor: FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ Período: NOTURNO Carga Horária: 80h Ano Letivo: 2008 Período: 1º semestre

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Ten Selecting Technologies and Devices for Campus Networks Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Selecionando Tecnologias e Dispositivos Neste ponto do projeto

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão

Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Meios Físicos de Transmissão Volnys B. Bernal (c) 2 Volnys

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 02 Cabeamento

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 2 INTERFACE E CABEAMENTO DE REDES - Parte física da rede - Cabeamento - Placas de rede (interfaces)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado 01 - Visão geral das Redes Ethernet 02 - Conceitos de cabeamento estruturado 03 - O cabling e as normas EIA/TIA 04 - Infraestrutura para o cabeamento 05 -

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

-568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica cabeamento estruturado

-568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica cabeamento estruturado - Norma EIA/TIA 568A e 568B Padrões T 568A e T 568B -568B.1 Requisitos gerais - EIA/TIA 568B (julho/2001) -568B.2 Cabeamento de par trançado de 100 ohms -568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica

Leia mais

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor Dispositivos de rede roteador bridge switch switch ATM transceiver repetidor hub 1 Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Tudo de que se encarregam são bits (por exemplo,

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng. Categoria 6 Aumentada: Standards Update Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1 Resumo A nova norma, em desenvolvimento, ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Meios físicos Os meios físicos

Meios físicos Os meios físicos Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Se encarregam daquilo que diz respeito à representação física são bits (por exemplo, voltagem ou pulsos de luz). 1 Representação

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES OBRA: Reforma Sala do Núcleo

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Prof.: Roberto Franciscatto CRIMPANDO CABOS DE REDE Crimpagem de cabos de rede Valor aproximado R$ 50,00 CRIMPANDO CABOS

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais

Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores

Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores Fonte: Prof. Ivan Max Freire de Lacerda Bacharel em Ciências da Computação pela UFRN; Professor âncora do SENAC/RN nas áreas de informática

Leia mais

Aula 2 Cabeamento Metálico

Aula 2 Cabeamento Metálico Aula 2 Cabeamento Metálico Prof. José Mauricio S. Pinheiro - 2010 1 Cada meio de transmissão possui características próprias que o tornam adequado para tipos específicos de serviço. Os cabos metálicos

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Módulo 03 - Meios Físicos de Transmissão Página 1. Tecnologia de Redes. Volnys B. Bernal & Edson T. Midorikawa

Módulo 03 - Meios Físicos de Transmissão Página 1. Tecnologia de Redes. Volnys B. Bernal & Edson T. Midorikawa Módulo 0 - Meios Físicos Transmissão Página Volnys B. Bernal (c) Volnys B. Bernal (c) Tecnologia Res: Meios Físicos Transmissão Meios Físicos Transmissão Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 10 Testes e certificação Configuração de teste de campo para cabos de par trançado de 100 ohms Teste de Canal: Inclui os 90m do cabeamento horizontal, o patch cord do equipamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Elementos ativos de rede e meios de transmissão Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Hub Os hubs são dispositivos concentradores, responsáveis por centralizar a distribuição dos quadros de dados em redes fisicamente

Leia mais