MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. TOMADA DE PREÇOS N.º 34/05 Processo n.º

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. TOMADA DE PREÇOS N.º 34/05 Processo n.º 08190."

Transcrição

1 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS TOMADA DE PREÇOS N.º 34/05 Processo n.º /05-16 A Comissão Permanente de Licitação - CPL do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios - MPDFT, instituída pela Portaria n.º 688, de 08 de novembro de 2005, comunica aos interessados que fará realizar, no local, dia e hora abaixo indicados, ou no primeiro dia útil subseqüente, no mesmo horário e local, na hipótese de não haver expediente na data prevista, TOMADA DE PREÇOS, do tipo MENOR PREÇO, objetivando a contratação de serviços de ampliação do sistema de circuito fechado de televisão, em regime de empreitada por preço global, com sujeição às disposições da Lei n.º 8.666, de 21 de junho de 1993, e alterações posteriores, na conformidade do estabelecido no presente Edital e seus Anexos. LOCAL: SIG Q. 01 LOTES 525/575 SALA 202 Edifício Xerox DATA: 26/12/05 HORA: 14 (quatorze) horas 1. DO OBJETO 1.1A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa especializada para executar a implantação do SISTEMA COMPLEMENTAR DE CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO (CFTV) nas dependências do MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS, contemplando o fornecimento de equipamentos, materiais, serviços de instalação de equipamentos e de sistemas, assim como todo o treinamento de pessoal, conforme especificações constantes do Anexo I. 1.2 Os quantitativos fornecidos são orientativos e devem ser conferidos no local. 1.3 As dúvidas relacionadas ao projeto básico deverão ser esclarecidas pelos telefones , das 13 às 18 horas. 1.4 As dúvidas relacionadas ao processo licitatório deverão ser esclarecidas através dos telefones ou , das 13 às 18 horas. 2. DA PARTICIPAÇÃO 2.1 As empresas que desejarem participar desta licitação deverão comparecer no dia, hora e local indicados no preâmbulo deste Edital, para entregar à CPL a DOCUMENTAÇÃO e a PROPOSTA, em envelopes distintos e fechados com cola, contendo em sua parte externa e 1

2 frontal, respectivamente, os seguintes dizeres: a) TOMADA DE PREÇOS N.º 34/05 ENVELOPE A - DOCUMENTAÇÃO (nome do proponente) b) TOMADA DE PREÇOS N.º 34/05 ENVELOPE B - PROPOSTA (nome do proponente) 2.2 Os documentos e a proposta serão entregues à CPL, pelo representante legal da empresa, que, munido de credencial, será o único admitido a intervir nas fases da licitação. 2.3 Por credencial entende-se: a) procuração pública ou declaração dirigida à CPL, acompanhada de carteira de identidade e cópia do ato de investidura do outorgante, no qual declare, expressamente, ter poderes para a devida outorga; ou titular. b) documento que comprove sua capacidade de representar a empresa, no caso de 2.4 A não-apresentação ou incorreção do documento de credenciamento não inabilitará a licitante, mas impedirá o seu representante de se manifestar e responder por ela nas sessões públicas. 2.5 É vedada a participação de empresas em consórcio. 3. DA HABILITAÇÃO 3.1 Para habilitar-se à presente licitação, a empresa deverá estar cadastrada e habilitada parcialmente no Sistema de Cadastro Unificado de Fornecedores SICAF, de que trata a IN MARE N.º 05/95, e apresentar: a) Declaração de inexistência de fato impeditivo à habilitação; b) Declaração de que não utiliza mão-de-obra direta ou indireta de menores de 18 (dezoito) anos para a realização de trabalhos noturnos, perigosos ou insalubres, bem como não utiliza, para qualquer trabalho, mão-de-obra direta ou indireta de menores de 16 (dezesseis) anos, exceto na condição de aprendiz, a partir de 14 (quatorze) anos (conforme inciso V do art. 27 da Lei n.º 8.666/93); c) Certidão Negativa de Falência ou Concordata expedida pelo distribuidor da sede da pessoa jurídica; d) Certidão de Registro ou Inscrição no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do domicílio da pessoa jurídica, devendo constar os nomes dos responsáveis técnicos da empresa; e) Atestado(s) de Capacidade Técnica, ou declaração recente, fornecido(s) por pessoa jurídica de direito público ou privado, devidamente registrados no CREA, comprovando que a empresa realizou ou está realizando serviços de mesma natureza, compatíveis em características 2

3 e com complexidade igual ou superior ao objeto desta licitação; f) Declaração de que está ciente do grau de dificuldade do serviço, de que não serão admitidas quaisquer reclamações posteriores de desconhecimento das atuais condições e das medidas necessárias à execução dos serviços. A vistoria deverá ser feita no Ed. Sede do MPDFT, na Seção de Vigilância e Portaria, com o Sr. Carlos Sobral, telefone , no horário de 13 às 18h. Não haverá vistoria no dia da licitação O cadastramento no SICAF dar-se-á com a apresentação da documentação discriminada na IN MARE N.º 05/95, em qualquer unidade de cadastramento dos órgãos/entidades que integram o Sistema de Serviços Gerais SIASG, localizadas nas Unidades da Federação O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios não é unidade cadastradora do SICAF, apenas consultora. 3.2 Fica facultado à licitante que não se enquadrar nas hipóteses previstas no subitem 3.1 a apresentação dos documentos a seguir relacionados: Certificado de Registro Cadastral em vigor, expedido por qualquer Órgão ou entidade pública, emitido em obediência à Lei n.º 8.666/ Declaração de inexistência de fato impeditivo à habilitação Declaração de que não utiliza mão-de-obra direta ou indireta de menores de 18 (dezoito) anos para a realização de trabalhos noturnos, perigosos ou insalubres, bem como não utiliza, para qualquer trabalho, mão-de-obra direta ou indireta de menores de 16 (dezesseis) anos, exceto na condição de aprendiz, a partir de 14 (quatorze) anos (conforme inciso V do art. 27 da Lei n.º 8.666/93) Certificado de Regularidade perante o FGTS, fornecido pela Caixa Econômica Federal, devidamente atualizado, nos termos da Lei n.º 8.036, de 11 de maio de Certificado de Regularidade perante o INSS, devidamente atualizado, nos termos da Lei n.º 8.212, de 24 de julho de 1991, alterada pela Lei n.º 8.870, de 15 de abril de Certidão Negativa de Falência ou Concordata expedida pelo distribuidor da sede da pessoa jurídica Prova de regularidade com a Fazenda Nacional, mediante a apresentação da Certidão Conjunta de Débitos Relativos a Tributos Federais e à Divida Ativa da União (Portaria Conjunta PGFN/RFB n.º 02, de 31 de agosto de 2005) Prova de regularidade para com a Fazenda Estadual e Municipal do domicílio da licitante Certidão de Registro ou Inscrição no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do domicílio da pessoa jurídica, devendo constar os nomes dos responsáveis técnicos da empresa Atestado(s) de Capacidade Técnica, ou declaração recente, fornecido(s) por 3

4 pessoa jurídica de direito público ou privado, devidamente registrados no CREA, comprovando que a empresa realizou ou está realizando serviços de mesma natureza, compatíveis em características e com complexidade igual ou superior ao objeto desta licitação Declaração de que está ciente do grau de dificuldade do serviço, de que não serão admitidas quaisquer reclamações posteriores de desconhecimento das atuais condições e das medidas necessárias à execução dos serviços. A vistoria deverá ser feita no Ed. Sede do MPDFT, na Seção de Vigilância e Portaria, com o Sr. Carlos Sobral, telefone , no horário de 13 às 18h. Não haverá vistoria no dia da licitação Os documentos necessários à habilitação deverão ser apresentados em original, ou por qualquer processo de cópia autenticada por cartório ou por funcionários integrantes da CPL, ou por publicação em órgão de imprensa oficial Não será aceito nenhum protocolo de entrega em substituição aos documentos relacionados neste Edital Todos os documentos deverão se referir a um mesmo estabelecimento, seja ele matriz ou filial, exceto quando expressamente válido para ambos Todos os documentos, com exceção dos atestados de capacidade técnica, deverão estar datados no período de até 185 (cento e oitenta e cinco) dias quando não tiver prazo de validade fixado pelo órgão expedidor Quando todas as empresas forem inabilitadas, a CPL poderá fixar o prazo de 8 (oito) dias úteis, para que as licitantes apresentem nova documentação escoimada das causas da inabilitação. 4. DA PROPOSTA 4.1 A proposta deverá ser datilografada e apresentada no "ENVELOPE B", sem alternativas, emendas, rasuras ou entrelinhas, devidamente assinada e rubricadas todas as folhas pelo representante legal da licitante proponente, e conter: a) nome da proponente, endereço, números do CNPJ e da Inscrição Estadual ou do Distrito Federal, banco, agência, conta corrente; b) dados do representante da empresa que irá assinar o contrato (nome completo, número da carteira de identidade, CPF, estado civil, nacionalidade, naturalidade, cargo que ocupa na empresa e se assinará por procuração ou contrato social); c) preço global expresso em moeda corrente nacional, em algarismos e por extenso; d) prazo de execução, que não deverá ser superior a 30 (trinta) dias corridos, a contar da data de assinatura do contrato; e) prazo de garantia conforme item 5 do Projeto Básico. 4.2 O prazo de validade da proposta é de 60 (sessenta) dias, contados da data de sua entrega. 4.3 Não serão consideradas propostas com alternativas, nem qualquer oferta de vantagem não 4

5 prevista neste Edital, nem preços baseados nas ofertas das demais licitantes. 4.4 Em nenhuma hipótese poderá ser modificado o conteúdo da proposta apresentada, em relação a preço, pagamento, prazo, ou a qualquer outra condição ofertada. 4.5 No preço deverão estar incluídos todos os impostos, taxas, fretes e demais encargos incidentes sobre o fornecimento. 5. DO PROCEDIMENTO 5.1. No dia, hora e local citados no preâmbulo deste Edital serão abertos, inicialmente, os envelopes contendo a "DOCUMENTAÇÃO", sendo estes rubricados pelas licitantes presentes e pelos membros da CPL. 5.2 Caso a CPL considere necessário, poderá suspender a reunião para analisar os documentos e julgar a habilitação, marcando data e horário para nova sessão. 5.3 Ocorrendo a hipótese prevista no item anterior, os envelopes contendo as "PROPOSTAS", devidamente colados, serão rubricados pelos membros da Comissão, ficando em seu poder até que seja decidida a habilitação. 5.4 Não havendo licitante inabilitada ou se todas manifestarem desistência de interpor recurso, será procedida a imediata abertura das propostas, que serão rubricadas pela CPL e licitantes presentes. 5.5 Das reuniões para recebimento e abertura dos documentos de habilitação e das propostas, serão lavradas atas circunstanciadas, que mencionarão todas as ocorrências que interessarem ao julgamento desta licitação, devendo estas ser assinadas pelos membros da Comissão e por todas as licitantes presentes. 5.6 Depois da hora marcada para recebimento dos envelopes "DOCUMENTAÇÃO" e "PROPOSTA", nenhum documento será recebido pela CPL. 6. DO JULGAMENTO 6.1 O julgamento da licitação será realizado em 02 (duas) fases: a) fase de habilitação, que compreenderá análise dos documentos apresentados no envelope "DOCUMENTAÇÃO" de todas as licitantes. Só as empresas habilitadas passarão à próxima fase, ou seja, a de julgamento das propostas; b) fase de julgamento das propostas, que compreenderá a análise dos elementos contidos no envelope "PROPOSTA" das licitantes habilitadas. Será considerada vencedora a proposta que estiver de acordo com as especificações do Edital e ofertar o menor preço global. 6.2 No caso de empate entre duas ou mais propostas, a classificação se fará, obrigatoriamente, por sorteio, em ato público, para o qual todas as licitantes serão convocadas. 5

6 6.3 A Comissão poderá relevar erros formais evidentes, desde que não comprometam a compreensão e a lisura da proposta A Comissão poderá efetuar diligências, em especial na fase de verificação da conformidade das propostas, objetivando certificar a compatibilidade dos materiais ofertados com os requisitos do edital. 6.5 Havendo divergência entre o valor unitário e o valor global, prevalecerá o primeiro. Havendo divergência entre o valor expresso por extenso e o valor expresso em algarismo, prevalecerá o por extenso. 6.6 Quando todas as propostas forem desclassificadas, a CPL poderá fixar o prazo de 8 (oito) dias úteis, para que as licitantes apresentem novas propostas escoimadas das causas da desclassificação. 7. DA ADJUDICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO 7.1. Após verificação da conformidade das propostas com os requisitos do Edital e com os preços correntes no mercado, a adjudicação será feita pelo Chefe do Departamento de Apoio Administrativo e a homologação pelo Diretor-Geral do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Após o julgamento das propostas, com a classificação final das licitantes, será publicado no Diário Oficial da União o resultado desta licitação, conforme exigido pela Lei n.º 8.666/ DA CONTRATAÇÃO 8.1 A licitante vencedora será notificada para firmar contrato, no prazo de 5 (cinco) dias úteis a contar do recebimento da notificação. 8.2 O contrato a ser celebrado obedecerá à minuta constante do Anexo II, no qual serão considerados todos os elementos apresentados na proposta pela licitante vencedora, que tenham servido de base para o julgamento desta licitação, bem como as condições estabelecidas neste Edital. 8.3 A contratada deverá apresentar declaração em cumprimento à exigência do art. 4º da Resolução n.º 1 do Conselho Nacional do Ministério Público, de 7 de novembro de 2005, conforme modelo constante do Anexo III. 9. DAS OBRIGAÇÕES DA VENCEDORA 9.1. Caberá à licitante vencedora: a) entregar o serviço de acordo com as especificações e demais condições estipuladas em sua proposta, estando o local em perfeitas condições de uso; c) retirar e transportar, por conta própria, qualquer material rejeitado pelo MPDFT, bem como providenciar sua substituição, no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas, contado da notificação que lhe será entregue. 6

7 10. DO PREÇO 10. O preço, fixo e irreajustável, será pago pelo MPDFT, após atestação pelo setor competente, mediante ordem bancária creditada em conta corrente, no prazo de até 10 (dez) dias da apresentação dos documentos fiscais pela Adjudicatária O prazo de pagamento será suspenso se os bens forem rejeitados, ou se houver pendência de liquidação financeira Do montante devido à Adjudicatária poderão ser deduzidos os valores correspondentes a multa ou indenizações impostas pela Administração. 11. DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS A adjudicatária que se recusar, injustificadamente, a assinar o contrato ou retirar o instrumento equivalente, a contar da notificação que lhe será entregue, caracterizará o descumprimento total da obrigação assumida, sujeitando-se às penalidades legalmente estabelecidas no art. 81 da Lei n.º 8.666/93, bem como à multa de 10% (dez por cento) sobre o valor global da proposta Pela inexecução total ou parcial do contrato a Administração poderá, garantida a prévia defesa, aplicar à contratada as seguintes sanções: I - advertência; II - multa de 0,5% (cinco décimos por cento) por dia de atraso, sobre o valor global do contrato, até o 15º (décimo quinto) dia de atraso; III - multa de 10% (dez por cento) sobre o valor global do contrato, por atraso superior a 15 (quinze) dias, ou no descumprimento de qualquer outra obrigação que possa ensejar a rescisão do contrato; IV - suspensão temporária de participar em licitação e/ou contratação promovida pelo MPDFT por prazo não superior a 2 (dois) anos; e V - declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a Administração Pública, enquanto perdurarem os motivos determinantes da punição, ou até que seja promovida a reabilitação perante a autoridade que aplicou a penalidade, que será concedida sempre que a contratada ressarcir a Administração pelos prejuízos resultantes, e após decorrido o prazo da sanção aplicada com base no inciso anterior (Lei n.º 8.666/93, art. 87). 12. DOS RECURSOS ADMINISTRATIVOS Dos atos da Administração caberá recurso por escrito, na forma do disposto na Lei n.º 8.666/93, art. 109, incisos I a III, 1º a 5º. 7

8 12.2. Os recursos relacionados com as decisões da CPL e com a execução do contrato serão dirigidos ao Diretor-Geral, na forma do art. 109 da Lei n.º 8.666/ O recurso deverá ser endereçado ao Departamento de Apoio Administrativo. 13. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios fica reservado o direito de revogar a licitação por razões de interesse público decorrente de fato superveniente devidamente comprovado, pertinente e suficiente para justificar tal conduta, devendo anulá-la por ilegalidade, de ofício ou por provocação de terceiros, mediante parecer escrito e devidamente fundamentado A participação da licitante implica aceitação plena de todos os termos do Edital, independentemente de menção diversa contida em sua proposta É facultada à Comissão ou autoridade superior, em qualquer fase da licitação, a promoção de diligência destinada a esclarecer ou a complementar a instrução do processo, vedada a inclusão posterior de documento ou informação que deveria constar obrigatoriamente da proposta (Lei n.º 8.666/93, art. 43, 3º) As despesas decorrentes desta licitação correrão à conta do Orçamento do MPDFT para o presente exercício É facultado ao MPDFT, quando a licitante vencedora não assinar o contrato ou não retirar a Nota de Empenho no prazo e condições estabelecidos, convocar as licitantes remanescentes, na ordem de classificação, para fazê-lo em igual prazo e nas mesmas condições propostas pela primeira classificada, inclusive quanto aos preços atualizados, ou revogar a licitação, independentemente da cominação prevista na Lei n.º 8.666/93 (art. 81) A contratada fica obrigada a aceitar, nas mesmas condições pactuadas, os acréscimos ou supressões que se fizerem nas compras, até 25% (vinte e cinco por cento) do valor da respectiva nota de empenho Quaisquer tributos ou encargos legais criados, alterados ou extintos, bem como a superveniência de disposições legais, quando ocorridas após a data da apresentação da proposta, de comprovada repercussão nos preços contratados, implicarão revisão destes para mais ou para menos, conforme a Lei n.º 8.666/93, art. 65, 5º Os casos omissos e as demais dúvidas suscitadas serão dirimidas pela CPL, das 13 às 18 horas, no endereço mencionado no preâmbulo, ou pelo telefax , ou fones e Fazem parte integrante deste Edital: Anexo I Projeto Básico Anexo II Modelo de Declaração Anexo III Minuta de Contrato 8

9 Brasília, 06 de dezembro de Deusa Luzia de Freitas Lima Presidente da CPL 9

10 ANEXO I PROJETO BÁSICO SISTEMA COMPLEMENTAR DE CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO 1. DO OBJETO: Contratação de empresa especializada para executar a implantação do SISTEMA COMPLEMENTAR DE CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO (CFTV) nas dependências do MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS, contemplando o fornecimento de equipamentos, materiais, serviços de instalação de equipamentos e de sistemas, assim como todo o treinamento de pessoal, conforme especificação que integra o projeto básico. 2. DO FUNCIONAMENTO: - A implantação do sistema de CFTV disponibilizará 48 (quarenta e oito) pontos de observação que serão distribuídos nos diversos andares deste Ministério Público. A localização exata será repassada somente aos licitantes por ocasião da realização da vistoria para preservar sigilo mínimo, visto tratar-se de itens de segurança predial. - Cada ponto contará com uma câmera interligada à central de CFTV, de modo a permitir a visualização das imagens seqüenciais das câmeras em tela cheia e/ou multiplexada, mesmo em modo de reprodução. - Os componentes e equipamentos de gravação deverão ser instalados nos três módulos da central de CFTV, possibilitando o perfeito funcionamento do sistema integrado de gravação de imagem digital, com capacidade para captação simultânea de imagens das 48 (quarenta e oito) câmeras QUANTO A COMUNICAÇÃO DE DADOS - A velocidade de aquisição de imagens da unidade de controle deve ter como fator limitante unicamente a largura de banda disponível no canal de comunicação utilizado. - As imagens devem ser transmitidas já comprimidas, utilizando o protocolo de compressão proprietário do sistema, que possua ótimo desempenho tanto quanto à taxa de compressão quanto à qualidade das imagens comprimidas. - A unidade de controle deve permitir total configuração e atualização do software das unidades remotas através de qualquer meio de transmissão de dados utilizado. A seguir, uma relação de alguns dos itens que devem ser configurados através da unidade de controle: Faixas horárias: definição do comportamento do sistema em diferentes horários do dia, como a gravação das imagens em modo contínuo, por detecção de movimento, por ativação de entradas digitais ou ainda por diferentes combinações dessas condições; Envio de alarmes para a Central de Monitoramento; Acionamento de saídas digitais; Tipos de dias: definição de diferentes tipos de dias, como dias úteis, finais de semana, feriados e outros, cada um com a possibilidade de ter diferentes faixas horárias; Calendário perpétuo: associação dos tipos de dias às datas reais, isto é, informar para o sistema, por exemplo, que o dia 25 de dezembro de qualquer ano corresponde a um feriado; Programação de início e fim automáticos do horário de verão; 10

11 Definições de quais câmeras podem ser visualizadas por quais operadores, ou ainda em quais monitores secundários; Controle de chamadas: devem ser configuradas diversas centrais de monitoramento diferentes, e definida a prioridade de chamadas entre elas; Contas de usuários e direitos de acesso; A detecção de movimento deverá ser provida pela inteligência do módulo remoto, e não pelas câmeras. Em sua configuração, deve ser possível a definição de até seis áreas sensíveis diferentes para cada imagem, com parâmetros diferentes de tamanho do movimento e sensibilidade para cada uma. O tamanho do movimento deve definir o quanto de movimento precisa haver dentro da área sensível para disparar a gravação. A sensibilidade deve definir qual a variação mínima da cor na imagem para que o sistema identifique esta variação como sendo um movimento relevante (esse parâmetro permite, por exemplo, eliminar disparos falsos provocados por variações de iluminação). No caso de futura instalação de câmeras móveis, a configuração da detecção de movimento deve ser feita individualmente para cada preset existente. Outras funções de câmera; Parâmetros de comunicação. - Além da configuração remota, a unidade de controle deve permitir também o acesso a importantes informações dos sistemas, tais como: Visualização das imagens ao vivo; Download e gravação local de imagens; Visualização e exportação do log de eventos. Todos os eventos que acontecerem no sistema devem ser armazenados; Estado real-time das entradas e saídas digitais. - Deve ser possível, também, comandar câmeras móveis (PTZ ou Domes) localizadas fisicamente a partir da unidade de controle na Central de Monitoramento. Este comando deve ser realizado por um joystick virtual o mouse movimentando uma imagem no monitor ou ainda por um joystick real, conectado à unidade de controle e disponível para o operador. Além disto, deve ser possível também selecionar posições pré-programadas, também denominadas presets, e ao fazer isso, a câmera móvel deverá rapidamente se posicionar na imagem anteriormente definida. Em qualquer caso, o sistema deve ajustar automaticamente o foco das imagens, permitindo uma operação fácil e intuitiva. - A tela principal de operação deve oferecer uma interface amigável que permita, entre outras facilidades, identificar visualmente a qualquer momento quais câmeras estão gravando, quais estão apenas monitorando, ou ainda qual câmera eventualmente tem algum problema (imagem com pouca luminosidade, imagem com excesso de luminosidade, câmera deslocada de sua posição correta, perda do sinal de vídeo, etc). Além da identificação visual, estas informações devem ficar também armazenadas no Log de Eventos do sistema, permitindo posteriores auditorias tanto do funcionamento do sistema em si, quanto das atividades dos operadores. - O sistema deve estar preparado para trabalhar com linhas secundárias de comunicação (linhas de backup), e ser capaz de desviar a comunicação para estas linhas secundárias automaticamente quando não conseguir estabelecer o contato pela linha primária, retornando a essa assim que a situação tenha sido regularizada. Com este recurso, elimina-se a possibilidade de violação do sistema pela interrupção da comunicação; utilizando-se linhas de telefonia celular como backup, ainda que a comunicação principal seja interrompida, os sinais de uma eventual invasão serão recebidos pela Central de Monitoramento. 11

12 - Quando é utilizada uma rede ethernet, a unidade de controle pode fazer verificações constantes da comunicação com as unidades remotas, mecanismo denominado polling, e identificar rapidamente a perda do contato com qualquer unidade, permitindo que se verifique, através das linhas secundárias, se há algum problema nas unidades QUANTO À REPRODUÇÃO DE IMAGENS - Para reproduzir as imagens gravadas, o sistema deve oferecer além dos recursos habituais do tipo ir para, recursos gráficos para a fácil localização das imagens, onde seja possível identificar, dentro de uma janela, os momentos em que uma determinada câmera ficou fora do ar ou momentos de detecção de movimento. Deve apresentar um gráfico composto de barras horizontais e/ou verticais, sendo cada barra correspondente às imagens de uma câmera. As imagens são diferenciadas pelas cores em cada região da barra, segundo a tabela a seguir: Status da câmera Cor da barra vertical Desabilitada. Cor 01 Habilitada, mas não gravando. Cor 02 Habilitada e gravando. Cor 03 Habilitada, mas sem sinal. Cor 04 Habilitada, mas com excesso ou falta de luminosidade. Cor 05 Habilitada, mas fora de posição. Cor QUANTO A GRAVAÇÃO/REGISTRO - O sistema deve ser capaz de gravar as imagens de até 16 câmeras por módulo gerenciador, conforme a configuração, numa velocidade mínima total de 240 quadros por segundo. Essa velocidade é dividida entre as câmeras conforme a configuração, que pode, inclusive, definir velocidades diferentes entre a gravação normal e aquela em modo de alarme, de forma individual por câmera. - A unidade de controle deve permitir o download das imagens gravadas nas unidades remotas em situações especiais, como no caso de uma invasão, onde as imagens sejam armazenadas num outro local, facilitando e agilizando sua análise. A velocidade deste download depende apenas da largura de banda disponível no canal de comunicação. - A partir do download das imagens deve ser possível também exportá-las em formato de vídeo compatível com os principais aplicativos comerciais do mercado, e em qualquer mídia, tais como disquetes, CD-ROMs ou DVD-ROMs. - Os logs de eventos devem ser recuperados dos sistemas remotos, gravados na unidade central e posteriormente exportados para leitura em aplicativos comerciais (arquivos texto ou Word, ou Microsoft Excel, etc.), da mesma forma que as imagens. - A gravação das imagens deve permitir total liberdade de configuração, podendo ser contínua ou iniciada a partir de três tipos de eventos, ou ainda uma combinação lógica (do tipo E e OU ) entre eles: detecção de movimento, acionamento de uma entrada digital e falha em algum componente do sistema. - A detecção de movimento é um importante recurso, que, se utilizada, otimiza radicalmente a utilização de espaço em disco, fazendo com que seja possível armazenar grandes períodos de tempo em discos de tamanho relativamente pequeno. Em termos comparativos, deverá ser possível que, na aplicação típica, seja capaz de gerar uma economia de espaço em disco superior a 95%. - Para um melhor gerenciamento e otimização das configurações, o sistema deve oferecer um 12

13 algoritmo para cálculo e análise da utilização do espaço em disco, com informações individuais, por câmera, do tamanho médio das imagens, da taxa média de gravação (quadros por segundo), do tempo de utilização do sistema, do tempo de gravação total, dentre outras. - Possibilitar a gravação, em diferentes resoluções de imagens selecionáveis, individualmente para cada entrada de vídeo, variando de 640/512 para 256/240. Sendo qualidades de imagens diferenciadas para se ganhar em espaço e performance em geral. - Permitir regular individual para cada entrada de vídeo o contraste, o brilho e a saturação de cores ajustáveis para a imagem adquirida QUANTO AO ÁUDIO - O sistema devera possuir pelo menos um canal controlador de áudio bidirecional. - O áudio, quando habilitado, deve ser gravado pelo concentrador de forma semelhante às imagens de uma câmera, podendo ser reproduzido remotamente pela unidade de controle como se fosse uma imagem. Quando isto é feito, sua reprodução deve ser sincronizada com o vídeo, conferindo uma alta qualidade das informações obtidas numa eventual investigação QUANTO AO CONTROLE E ACESSO AO SISTEMA - Devera possuir um sistema de centralização e gerenciamento de áudio e vídeo, que possa integrar varias operações e gerenciadores através de ambientes de rede, com grandes reduções de custos para monitoramento. - O acesso ao sistema somente deve ser possível com a utilização de pares de nome de usuário / senha. Conforme o perfil previamente definido, o usuário terá direito de acesso a uma ou mais das seguintes funções: Iniciar e parar a gravação; Reproduzir remotamente as imagens; Movimentar as câmeras domes ou PTZ; Acionar as saídas digitais; Fazer download e exportar imagens; Definir e selecionar o modo de operação (faixas horárias, tipos de dias, etc.); Configurar as câmeras; Configurar as linhas de comunicação e os modos de chamada de alarme; Configurar os parâmetros locais básicos; Definir o tempo máximo de armazenamento de imagens; Ter acesso via protocolo HTTP (web browser, como Internet Explorer ou Netscape); Gerenciar atualizações de software; Adicionar, modificar e remover contas de usuários; Ter privilégios de supervisor. - Além disto, deve ser definido em cada unidade remota quais câmeras cada usuário pode visualizar, permitindo lidar com áreas superseguras de modo transparente no mesmo sistema que trata das áreas normais. - Algumas funções do sistema devem exigir uma verificação dupla de senhas para ser executada. Por exemplo, pode-se imaginar que um determinado operador possa fazer alterações na configuração das câmeras, mas somente quando um supervisor lhe autorizar, bastando para tanto que este supervisor entre também com sua senha no sistema. - Os usuários podem ser reunidos em grupos, de forma que todos os usuários de um determinado 13

14 grupo possuam o mesmo conjunto de direitos. Isto facilita em muito a manutenção deste cadastro, garantindo a mais alta segurança no acesso ao sistema. - O sistema deve permitir a possibilidade de uso de um servidor de senhas tipo Radius, com o objetivo de centralizar a base de usuários. Se um novo operador for admitido, bastará criar seu usuário no sistema uma única vez, e este usuário será válido em todas as unidades tanto da Central de Monitoramento quanto locais determinados, ainda que em cada uma deles ele possua um conjunto diferente de direitos de acesso. - Todas as atividades executadas pelos operadores deverão ser registradas no log de eventos, identificando a data e hora da atividade, bem como o usuário responsável. Esta é outra ferramenta de auditoria indispensável para a garantia da segurança da operação QUANTO À RONDA VIRTUAL - A unidade central deve permitir a definição de rondas virtuais ou tours, que consistem em seqüências de telas personalizadas, com a distribuição de câmeras definida pelo usuário. São criadas inicialmente as telas individuais, a partir de formatos pré-definidos com 1, 4, 6, 9, 10, 13, 14 ou 16 imagens, todas de uma única unidade remota ou mesmo de diversas unidades diferentes. Em seguida, são configuradas as seqüências de telas e, quanto tempo cada uma fica visível antes passar para a próxima. - Para conferir flexibilidade ainda maior à operação, deverá ser possível que em um único espaço de câmera, ou em outras palavras, o quadro correspondente à imagem de uma única câmera, seja definida uma seqüência de imagens. Assim, mesmo numa única tela, é possível fazer uma ronda através de diferentes câmeras QUANTO AO GERENCIAMENTO DE ALARMES - Conforme a programação estabelecida, as unidades remotas devem enviar sinais de alarme para as unidades de controle toda vez que detectarem uma situação anormal. Como descrito em mais detalhe na seção referente às unidades remotas, esta situação anormal deve ser identificada com a detecção de movimento em uma ou mais imagens, o recebimento de sinais de sensores, a detecção de mau-funcionamento em algum componente do sistema, ou ainda qualquer combinação destas condições. Quando isto acontece, a unidade remota deve estabelecer um canal de comunicação com a Central de Monitoramento enviando o sinal de alarme, que pode estar acompanhado da imagem correspondente, conforme a configuração. - Este alarme deve surgir na tela de todas as estações da Central, mas a partir do momento que um dos operadores iniciar o tratamento daquele alarme, ele deve sair das telas dos demais operadores, deixando-os livres para dar andamento a outras atividades. - Este tratamento centralizado dos alarmes recebidos confere uma eficiência muito maior ao trabalho da Central de Monitoramento, evitando retrabalhos e otimizando o tempo dos operadores. - A tela de tratamento de alarmes deve apresentar as seguintes informações mínimas: Hora de recebimento do alarme na unidade de controle; Hora do alarme na unidade remota; Nome de identificação da unidade remota; Identificação das câmeras correspondentes ao alarme recebido; Endereço IP da unidade remota; 14

15 Tipo de evento que originou o alarme pode ser moviment (movimento), input (sinal de sensor recebido numa entrada digital), ou fault (falha num componente). - Recebido um alarme, e após verificar as imagens referentes a ele, o operador deverá reconhecê-lo, registrando no sistema qualquer informação relevante, que poderá ser posteriormente recuperada para fins de investigação ou auditoria. - Deve ser possível exportar os alarmes do sistema para um arquivo que pode ser tratado em outros aplicativos, permitindo assim a elaboração de relatórios e estatísticas personalizadas, oferecendo ferramentas para aprimorar a gestão do sistema de segurança QUANTO AOS QUADROS SINÓTICOS OU MAPAS - O sistema deve permitir o uso de mapas, também chamados de quadros sinóticos, que são arquivos gráficos que representam os ambientes monitorados e que permitem ter acesso direto, por meio de ícones, às câmeras, telas personalizadas, ou a outros mapas. - Eles devem ser organizados numa estrutura hierárquica, permitindo agrupar os sistemas remotos, facilitando o acesso a eles. Por exemplo, é possível criar um mapa de todo o DF, a partir de qual, tem-se acesso aos mapas de cada Região Administrativa. Assim, mapa da unidade permite então ter acesso a cada uma das câmeras individualmente, ou ainda a uma tela previamente configurada, com até 16 câmeras daquele lugar. - Além disto, o mapa garante também ao operador uma melhor identificação dos ambientes do local, de forma que ele poderá antecipar os movimentos de um eventual invasor, e até mesmo prestar orientações importantes a uma unidade policial que pretenda efetuar a prisão do mesmo QUANTO ÀS ENTRADAS E SAÍDAS DIGITAIS - O sistema deve possuir 16 entradas digitais por módulo, permitindo a conexão de sensores ao DVR, que passa então a ser capaz de identificar as mais diversas situações no ambiente que controla, tais como: - a existência de movimento no ambiente, a abertura de portas ou janelas, tentativas de perfuração ou arrombamento, entre muitas outras. Recebidas estas informações, o DVR deve atuar conforme programado, podendo iniciar a gravação de uma ou mais câmeras, acionar uma saída digital à qual pode estar conectada, por exemplo, uma sirene, ou ainda enviar um sinal de alarme à Central de Monitoramento. Sendo possível, mais uma vez, combinar essas ações a partir de uma única entrada. - O sistema deve possuir 16 saídas digitais por módulo, podendo ser acionadas basicamente de duas maneiras: - automaticamente, em decorrência de um determinado estado do sistema (detecção de movimento, entrada digital, falha de componente), ou manualmente por um operador da Central de Monitoramento. - O tempo de acionamento é configurado para durar o mesmo tempo que a situação que o acionou, por exemplo, enquanto o operador da Central mantiver o botão correspondente pressionado, ou então por um tempo pré-determinado. 3. DAS ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS REQUERIDAS PARA OS EQUIPAMENTOS: Gravação e reprodução digital de imagens de alta resolução; Cabeamento de acordo com as normas da ABNT; Compressão de imagens através da seleção da qualidade da gravação; Ampliação (zoom digital) e busca de imagens gravadas; Detecção de movimentos setorizados; 15

16 Entradas de sensores de movimento, luz e alarme; Controle para câmeras robotizadas (PTZ), local e remoto; Sistema operacional OPEN SOURCE; Interface 10/100 Fast Ethernet incorporada; Acesso remoto para gerenciamento e controle de estações que se utilizem de sistemas operacionais WINDOWS (98,2000,XP Professional) ou Linux, através de sistemas de navegação (web browser, como Internet Explorer ou Netscape); Gravação cumulativa de, no mínimo, 240 quadros por segundo, devendo ser dimensionado e preparado para gravação em Hard Disk (HD), comportando, no mínimo, 48 entradas de câmeras, conectores do tipo BNC, com 16 entradas e 16 saídas de alarme. A gravação deverá ser armazenada, no mínimo por 30 dias; Visualização das imagens em tempo real; Auto-eliminação de imagens gravadas em prazo superior ao pré determinado, com espaço reutilizado para novas gravações, no esquema FIFO (first in first out); Conexão remota via TCP/IP, linha de telefone discada, Internet, Lan e Wan, desde que o meio de comunicação e conectividade fornecido seja autorizado; Possibilidade de expansão com simples incremento de módulos; Recurso de detecção de movimento por zonas; Possibilidade de controle interno de câmeras tipo PTZ; Entrada serial RS 485 ou RS 422 incorporada ao sistema; Permitir a criação de múltiplos usuários e grupos de acesso; Possuir, pelo menos, uma saída de vídeo analógica, por módulo, para visualização em monitores de TV; Possuir função pré e pós-alarme; Permitir a associação de cada câmera a um andar específico, inclusive com a personalização na tela; Permitir a associação de alarmes a eventos sonoros previamente gravados no microcomputador; Possuir função Watch-Dog, por hardware embutido, que reinicializa o sistema em caso de pane; Permitir a exportação do vídeo contido em pelo menos 2 (dois) formatos JPEG e AVI, possibilitando a distribuição dos eventos ocorridos para os órgãos competentes; Equipamentos do sistema de gravação digital em HD e software de acesso remoto produzidos pelo mesmo fabricante; Monitor LCD de 17 polegadas (um por módulo); Mouse padrão Microsoft ótico (um por módulo). DAS CÂMERAS DIGITAIS 48 unidades CÂMERAS DAY-NIGHT COLORIDAS 40 (quarenta) unidades Câmera fixa com DSP (processamento digital de sinais), 1/3 CCD de alta res. Resolução horizontal mínima: 480 linhas; Iluminação: sensibilidade mínima de 0,4 lux; Sensível a iluminação infravermelha; Com shutter variável de 1/60 a até 1/ ; Temperatura ambiente de operação de, no mínimo, 50ºC; Sincronismo do tipo line-lock; Entrada para íris automática do tipo DC ou vídeo; Fonte de alimentação, de acordo com a câmera, 12 ou 24V AC, 60 Hz; Lentes auto-íris varifocal com foco de 3,5mm a 8mm, compatíveis com as câmeras; 16

17 Todos os equipamentos produzidos pelo mesmo fabricante MINI-CÂMERAS COLORIDAS 8 (oito) unidades Com lente Auto-Íris 3,6 mm; Suporte com regulagem da Câmera em 360º; Ângulos de visão da lente de 55º vertical e 92º horizontal; Fonte de alimentação de 12 V AC, 60HZ; Resolução Horizontal mínima de 380 linhas; Iluminação: sensibilidade mínima de 0,1 lux DOS GRAVADORES/REPRODUTORES/TRANSMISSORES 48 canais no grupo; Entrada para no mínimo 16 câmeras por módulo, com 16 entradas e 16 saídas de alarme; Uma saída para monitor de imagem multiplexada; Gravação de no mínimo 240 quadros por segundo por sistema; Acesso às imagens gravadas através de pesquisa por data e hora; Cadastramento de senhas de acesso sem limite de usuário, com configuração de níveis independentes; Processador mínimo Pentium IV de 2,5 Ghz; Memória ram mínima de 1024 MB; Gravação, pelo menos, nas seguintes resoluções: 720 x 480 pixels, 720 x 240 pixels e 360 x 240 pixels; Hard Disk de no mínimo 300 Gbytes; Permitir o múltiplo acesso via rede local, acesso discado ou Internet; Permitir o acesso remoto via TCP/IP, Internet, Lan Modem; Possuir Log de gravação das atividades do micro; Placa de vídeo de no mínimo 64 MB, com saída para monitor RGB; Gravadora interna de DVD dual layer; Sistema operacional: open source; Temperatura ambiente de operação de no mínimo 45 ºC; Fonte de alimentação Bivolt 110/220V AC, 60 Hz DOS SOFTWARES Fácil utilização; Busca de imagens gravadas; Acesso remoto via TCP/IP, Internet, LAN, WAN, ISDN MODEM; Acesso às imagens ao vivo; Possibilidade de setup remoto; Exportação de vídeo e imagens; Exibição de imagens multiplexadas e em tela cheia; Possibilitar o zoom digital das imagens gravadas; Permitir a busca agendada, via alarme, de objeto DO NO-BREAK: Dimensionado a todo o sistema; Potência mínima estimada de 2 KVA. Monofásico; Entrada e saída bivolt 110/220V AC, 60 HZ. 17

18 4. DAS CONDIÇÕES GERAIS: A solução compreende a instalação de: 48 (quarenta e oito) câmeras digitais; gravadores digitais em HD, com capacidade mínima para comportar 48 (quarenta e oito) câmeras; monitores de vídeo; software de Circuito Fechado de Televisão com a devida licença de uso; além dos serviços de instalação dos equipamentos e do sistema, treinamento de pessoal, manuais técnicos em português, infra-estrutura de cabeamento e obras civis, bem como conexão à rede energética estabilizada do MPDFT. Estas especificações servem como informações descritivas básicas da solução. A empresa vencedora deverá prever e fornecer tudo o que for necessário para atender às normas técnicas e às normas dos fabricantes para o seu perfeito funcionamento, bem como para o acabamento das instalações. Todos os componentes da solução deverão atender às condições ambientais (temperatura, altitude, umidade etc.) do Distrito Federal, bem como, serem adequados aos locais de instalação. 5. DA GARANTIA 5.1. Todos os equipamentos de processamento e gravação, softwares e materiais de instalação deverão ter garantia de no mínimo, 36 (trinta e seis) meses, contados a partir da data de aceite, e deverá cobrir a assistência técnica de todos os seus componentes, através de manutenções preventivas e corretivas, sem qualquer ônus para o MPDFT, inclusive quanto a eventuais diárias ou despesas com deslocamentos de pessoal especializado; 5.2. As câmeras digitais deverão ter garantia mínima de 12 meses, devendo ser apresentados os certificados emitidos pelo respectivo fabricante; 5.3. Caso os serviços de manutenção sejam prestados por outra empresa que não a licitante, essa deverá apresentar declaração de solidariedade com os termos e condições deste Projeto Básico; 5.4. Durante o período de garantia, as manutenções corretivas estarão sujeitas aos seguintes critérios: Atendimento on site, em Brasília, em horário comercial; O atendimento deverá ocorrer a partir da abertura de um chamado técnico pelo cliente, por , telefone ou FAX; O TME (Tempo Máximo de Espera) caracteriza-se como sendo o tempo transcorrido entre a abertura do chamado técnico e o efetivo atendimento pelo técnico, devendo ser de, no máximo 4 (quatro) horas corridas para os equipamentos de processamento e gravação, e de 8 (oito) horas úteis para as câmeras; O TMR (Tempo Máximo de Reparo) caracteriza-se como sendo o tempo transcorrido entre o atendimento pelo técnico e o efetivo reparo ou substituição do equipamento ou componente defeituoso, devendo ser de, no máximo, 4 (quatro) horas corridas para os equipamentos de processamento e gravação, e de 8 (oito) horas úteis para as câmeras; Caso haja reincidência de um mesmo problema por mais de 2 (duas) vezes, em um intervalo de 30 (trinta) dias, o equipamento ou componente deverá ser necessariamente substituído por um novo A empresa vencedora deverá prover uma estrutura de suporte ao software durante o período de garantia, sem qualquer ônus adicional, com, no mínimo, os seguintes quesitos: Manutenções corretivas para manter o perfeito funcionamento do software; Adaptações no software decorrentes de alterações na legislação em vigor, que tenham 18

19 reflexos no mesmo; Adaptações necessárias para permitir a atualização das versões do Sistema Operacional e do Gerenciador de Banco de Dados; Atendimento, por telefone, para tirar dúvidas relativas a operação e/ou configuração do software. Este atendimento será restrito aos usuários, com senha de administrador do sistema, das áreas de segurança ou de informática, que atuarão como uma filtragem para as dúvidas mais elementares das recepcionistas e demais usuários; Atendimento, in loco, para auxiliar o administrador do sistema ou a área de informática na instalação e/ou configuração do software. 6. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 6.1. Este Projeto Básico estabelece normas gerais e específicas, métodos de trabalho e padrões de conduta para execução dos serviços complementares à instalação do Sistema Complementar de Circuito Fechado de Televisão nas dependências do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Os serviços compreendem, basicamente: execução de detalhamento construtivo, instalações lógicas e elétricas, recomposições dos locais afetados e todos os demais serviços necessários para o perfeito funcionamento do sistema A FISCALIZAÇÃO será exercida no interesse exclusivo do MPDFT, e não exclui nem reduz a responsabilidade da CONTRATADA, inclusive perante terceiros, por qualquer irregularidade A CONTRATADA se comprometerá a dar à FISCALIZAÇÃO, no cumprimento de suas funções, livre acesso aos locais de execução dos serviços, bem como fornecer todas as informações e demais elementos necessários. 6.5.Os LICITANTES deverão realizar levantamento nos locais, não se admitindo da CONTRATADA, posteriormente, desconhecimento das atuais condições e das medidas necessárias à execução dos serviços. A Contratada assumirá inteira responsabilidade sobre problemas não identificados na fase de vistoria Todas as despesas e providências necessárias à execução da obra serão a cargo da CONTRATADA, inclusive o fornecimento de material e pagamento de emolumentos, bem assim atender ao pagamento de seguro de pessoal, despesas decorrentes das leis trabalhistas e impostos, que digam diretamente respeito aos serviços contratados Os materiais a serem empregados, bem como os serviços a serem executados, deverão obedecer rigorosamente: Às normas e especificações deste caderno de especificações; Às normas da ABNT; Às prescrições e recomendações dos fabricantes; Às normas internacionais consagradas, na falta das normas da ABNT; 6.8. Correrá por conta exclusiva da CONTRATADA a responsabilidade por quaisquer acidentes no trabalho de execução dos serviços, bem como as indenizações que possam vir a serem devidas a terceiros por fatos relacionados com os serviços Caberá à CONTRATADA o fornecimento, por todo o período em que se fizer necessário, da totalidade do ferramental, mão de obra, máquinas e aparelhos, inclusive sua manutenção, 19

20 substituição, reparo e seguro, visando ao andamento satisfatório dos serviços e à sua conclusão no prazo fixado em contrato A responsabilidade sobre os serviços subempreitados não será transmitida aos subcontratados perante o cliente. A CONTRATADA deverá sempre responder direta e exclusivamente pela fiel observância das obrigações contratuais O projeto apresentado pelo MPDFT é básico e orientativo, e deverá ser redesenhado para cada local específico. Quaisquer divergências entre normas e execução serão de responsabilidade da CONTRATADA, inclusive todas as despesas e providências necessárias à aprovação de projetos e alvarás, caso necessário Cabe às LICITANTES realizar, com a devida atenção, minucioso estudo, englobando verificação e comparação do projeto fornecido, detalhes, especificações e demais componentes integrantes da documentação técnica eventualmente requerida ao cliente para a execução dos serviços Os LICITANTES deverão apresentar na proposta equipamentos e softwares compatíveis, visando o perfeito funcionamento do sistema digital de circuito fechado de televisão Caso seja necessária alguma alteração no layout original das instalações do Edifício Sede, a Contratada deverá previamente, submeter a questão à apreciação e aprovação do Departamento de Arquitetura e Engenharia do MPDFT. 20

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. PREGÃO N.º 54/05 Processo n.º 08190.061105/05-26

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. PREGÃO N.º 54/05 Processo n.º 08190.061105/05-26 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS PREGÃO N.º 54/05 Processo n.º 08190.061105/05-26 O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios MPDFT, por meio

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. PREGÃO N.º 87/04 Processo n.º 08190.129636/04-05

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. PREGÃO N.º 87/04 Processo n.º 08190.129636/04-05 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS PREGÃO N.º 87/04 Processo n.º 08190.129636/04-05 O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios MPDFT, por meio

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. PREGÃO N.º 74/05 Processo n.º 08190.061204/05-16

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. PREGÃO N.º 74/05 Processo n.º 08190.061204/05-16 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS PREGÃO N.º 74/05 Processo n.º 08190.061204/05-16 O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios MPDFT, por meio

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA TERRA DE LUTA E FÉ - DOE ORGÃOS, DOE SANGUE:SALVE VIDAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA TERRA DE LUTA E FÉ - DOE ORGÃOS, DOE SANGUE:SALVE VIDAS EDITAL DE CARTA CONVITE 027/2015 A PREFEITA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA, torna público, para conhecimento dos interessados, que no dia 20 DE NOVEMBRO DE 2015, às 10 horas, reunirse-á a Comissão Permanente

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS Nº 001/2010. SESSÃO DE ABERTURA: Local: Rua Pamplona 1200 7º andar Horário: 10:30 horas do dia 08 de março de 2.

TOMADA DE PREÇOS Nº 001/2010. SESSÃO DE ABERTURA: Local: Rua Pamplona 1200 7º andar Horário: 10:30 horas do dia 08 de março de 2. IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM 03 (TRÊS) DIAS DE ANTECEDENCIA NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP: 01405-001

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. TOMADA DE PREÇOS N.º 12/04 Processo n.º 08190.

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. TOMADA DE PREÇOS N.º 12/04 Processo n.º 08190. MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS TOMADA DE PREÇOS N.º 12/04 Pcesso n.º 08190.129353/04-82 A Comissão Permanente de Licitação - CPL do Ministério Público

Leia mais

Processo nº 0448.1511/15-9 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 066A/2015

Processo nº 0448.1511/15-9 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 066A/2015 Processo nº 0448.1511/15-9 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 066A/2015 DATA DA ABERTURA: 13/11/2015 HORA DA ABERTURA: 09:00 Horas NOME DA EMPRESA: ORIGINAL

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 005/2008 M I N U T A

CARTA CONVITE Nº 005/2008 M I N U T A IMPORTANTE : PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDÊNCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP:

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE CARTA CONVITE N.º 006/2006

EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE CARTA CONVITE N.º 006/2006 2 EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE CARTA CONVITE N.º 006/2006 TIPO: DATA DE ABERTURA HORÁRIO LOCAL MENOR PREÇO 04/12/2006 10 HORAS SALA DE REUNIÃO 1 - DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 A COMISSÃO PERMANNTE DE LICITAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. PREGÃO N.º 53/05 Processo n.º 08190.058861/05-41

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. PREGÃO N.º 53/05 Processo n.º 08190.058861/05-41 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS PREGÃO N.º 53/05 Processo n.º 08190.058861/05-41 O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios MPDFT, por meio

Leia mais

Tomada de Preços n.º 006/2009

Tomada de Preços n.º 006/2009 Tomada de Preços n.º 006/2009 Procedimento Administrativo n.º 0802/2008 Modalidade: Tomada de Preços Tipo: Menor Preço Julgamento: por item Regime de execução: empreitada por preço global Objeto: Aquisição

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 002/2010

CARTA CONVITE Nº 002/2010 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDENCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPIRANGA DO SUL Estado do Rio Grande do Sul Rua do Comércio, 124 IPIRANGA DO SUL RS EDITAL DE LICITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPIRANGA DO SUL Estado do Rio Grande do Sul Rua do Comércio, 124 IPIRANGA DO SUL RS EDITAL DE LICITAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO Modalidade...: Tomada de Preços Número...: 008/2014 Número da Modalidade: 003/2014 Data de Abertura da Licitação...: 20/02/2014 Data de Abertura das Propostas..: 14/03/2014 Horário...:

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO N.º 005/2014 CARTA CONVITE Nº 002/2014

EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO N.º 005/2014 CARTA CONVITE Nº 002/2014 EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO N.º 005/2014 CARTA CONVITE Nº 002/2014 O CONSELHO REGIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA 7ª REGIÃO CREF7/DF, Autarquia Federal, criada pela Lei nº 9.696/98, torna público

Leia mais

Tomada de Preços n.º 015/2010

Tomada de Preços n.º 015/2010 Tomada de Preços n.º 015/2010 Procedimento Administrativo n.º 0848/2010 Modalidade: Tomada de Preços Tipo: Menor Preço Julgamento: global Regime de execução: empreitada por preço unitário Objeto: Contratação

Leia mais

2.01.1 Atenderem as condições e exigências estabelecidas neste CONVITE;

2.01.1 Atenderem as condições e exigências estabelecidas neste CONVITE; CONVITE Nº 009/2007 LICITAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE 63 (SESSENTA E TRÊS) LICENÇAS DO SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS XP PROFESSIONAL-FULL VERSÃO EM PORTUGUÊS PARA ESTAÇÕES DE TRABALHO E 01(UMA) LICENÇA DE WINDOWS

Leia mais

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência CONVITE N.º 5030005-01/2011

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência CONVITE N.º 5030005-01/2011 1 CONVITE N.º 5030005-01/2011 A FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA -, CNPJ n.º 89.252.431/0001-59, realizará licitação por CONVITE, do tipo menor preço global, para a AQUISIÇÃO DE CERCA/MANGUEIRA

Leia mais

PROCESSO Nº 574/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº7/2014. Do Objeto

PROCESSO Nº 574/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº7/2014. Do Objeto PROCESSO Nº 574/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº7/2014 O Município de Mariano Moro, RS, torna público, em conformidade com a Lei Federal n.º 8.666/93 e suas alterações, que no dia 30 de setembro as 14

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº 001/2014 PROCESSO Nº 001/2014

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº 001/2014 PROCESSO Nº 001/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº 001/2014 PROCESSO Nº 001/2014 Encerramento: às 17:00 horas do dia 30 de setembro de 2014 Abertura dos Envelopes: às 8:00 horas do dia 01 de outubro de 2014 A SANTA CASA DE

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. PREGÃO N.º 12/06 Processo n.º 08190.006162/06-60

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. PREGÃO N.º 12/06 Processo n.º 08190.006162/06-60 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS PREGÃO N.º 12/06 Processo n.º 08190.006162/06-60 O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios - MPDFT, por meio

Leia mais

CONVITE N.º 004-001/2013-CV

CONVITE N.º 004-001/2013-CV 1 CONVITE N.º 004-001/2013-CV REFERÊNCIA: Contratação de organização, associação ou empresa que preste serviço de hospedagem com local para realização de evento, destinado aos contratados e convidados

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF Ref: Aviso de Edital ADG nº 003/2014 publicado em 28/10/2014. 1 1. OBJETO A

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 003/2014 TIPO: MENOR PREÇO

CARTA CONVITE Nº 003/2014 TIPO: MENOR PREÇO CARTA CONVITE Nº 003/2014 TIPO: MENOR PREÇO PROCESSO Nº 003/2014 Tipo de Licitação: MENOR PREÇO DATA: 22/08/2014 HORÁRIO: 10h00min LOCAL: Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro Edifício

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 023/2009

CARTA CONVITE Nº 023/2009 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDENCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP:

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 028/2009 M I N U T A

CARTA CONVITE Nº 028/2009 M I N U T A IMPORTANTE : PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDÊNCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JARDIM PAULISTA

Leia mais

CONVITE N.º 003-001/2013-CV

CONVITE N.º 003-001/2013-CV 1 CONVITE N.º 003-001/2013-CV REFERÊNCIA: Contratação de organização, associação ou empresa que preste serviço de fornecimento de alimentação no município de Santarém/Pará. A TERRA DE DIREITOS, entidade

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 003/2011

CARTA CONVITE Nº 003/2011 CARTA CONVITE Nº 003/2011 O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 10ª Região CREFITO-10, com jurisdição no Estado de Santa Catarina, através de sua Comissão Permanente de Licitações,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP 17/2009

TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP 17/2009 TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP 17/2009 1- DO OBJETO Visa o presente contratar empresa especializada para fornecimento e instalação de Circuito Fechado de TV- CFTV digital nas dependências da SUSEP, com fornecimento

Leia mais

CONVITE Nº 050A/2015

CONVITE Nº 050A/2015 Processo nº 0308.1511/15-3 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 050A/2015 DATA DA ABERTURA: 19/08/2015 HORA DA ABERTURA: 09:00 Horas NOME DA EMPRESA: ORIGINAL

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO. DATA DE ABERTURA E CLASSIFICAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PREÇOS E HABILITAÇÃO. a)- DIA 25/03/2013 às 14h15min

EDITAL DE LICITAÇÃO. DATA DE ABERTURA E CLASSIFICAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PREÇOS E HABILITAÇÃO. a)- DIA 25/03/2013 às 14h15min EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO Nº. 046/2013 MODALIDADE: CONVITE N.º.08/2013 TIPO DE LICITAÇÃO: MENOR PREÇO PREAMBULO A Prefeitura Municipal de Suzanápolis (SP), com sede na Avenida Primeiro de Maio, nº.

Leia mais

CONVITE n.º 6010004-01/2012

CONVITE n.º 6010004-01/2012 1 FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FATEC Cep: 97105-900 Prédio 66 - Campus/UFSM Santa Maria RS CONVITE n.º 6010004-01/2012 A FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FATEC, CNPJ n.º 89.252.431/0001-59,

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO ESTADO DE SANTA CATARINA

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO ESTADO DE SANTA CATARINA CARTA CONVITE N 005/2015 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SANTA CATARINA - SENAR-AR/SC Edital de Convite nº. 005/2015 1 - Preâmbulo 1.1 - O Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PREGÃO N 125/2008

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PREGÃO N 125/2008 PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PREGÃO N 125/2008 DATA DE ABERTURA: 04 de dezembro de 2008 HORÁRIO: 13:00 horas LOCAL DA SESSÃO PÚBLICA: Auditório da CPL/PGR, localizada no

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIOMEDICINA 1ª REGIÃO

CONSELHO REGIONAL DE BIOMEDICINA 1ª REGIÃO 1 CARTA CONVITE n.º 001/2011 São Paulo, 20 de outubro de 2011. O CONSELHO REGIONAL DE BIOMEDICINA - 1ª REGIÃO, nos termos da autorização constante no Processo Administrativo em epígrafe, vem, por intermédio

Leia mais

Carta Convite LICITAÇÃO PARA CONFECÇÃO DE MATERIAL GRÁFICO

Carta Convite LICITAÇÃO PARA CONFECÇÃO DE MATERIAL GRÁFICO Carta Convite LICITAÇÃO PARA CONFECÇÃO DE MATERIAL GRÁFICO CARTA CONVITE Nº 001/2015 A Associação de Centro de Treinamento de Educação Física Especial CETEFE, situada em SAIS Área 2ª ED. ENAP Ginásio de

Leia mais

PROCESSADOR COM DESEMPENHO EQUIVALENTE OU SUPERIOR A INTEL CORE I5 3570 3.4GHZ 6MB LGA 1 I5 3570

PROCESSADOR COM DESEMPENHO EQUIVALENTE OU SUPERIOR A INTEL CORE I5 3570 3.4GHZ 6MB LGA 1 I5 3570 1 CARTA CONVITE Nº 001/2013 PROCESSO N.º 001/2013 Regime Jurídico: Lei n.º 8.666/93, Alterações e normas complementares Tipo de Licitação: MENOR PREÇO Modalidade: CARTA CONVITE SESSÃO DE ABERTURA: Local:

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO - MODALIDADE CONVITE

EDITAL DE LICITAÇÃO - MODALIDADE CONVITE EDITAL DE LICITAÇÃO - MODALIDADE CONVITE PROCESSO nº 001/2014 CARTA CONVITE nº 001/2014 TIPO MENOR PREÇO POR ITEM A Presidenta da ASSOCIAÇÃO CASA DA MULHER CATARINA - CMC, mantenedora do Projeto: JORNALISTAS

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 003/2013 TIPO: MENOR PREÇO

CARTA CONVITE Nº 003/2013 TIPO: MENOR PREÇO CARTA CONVITE Nº 003/2013 TIPO: MENOR PREÇO PROCESSO Nº 003/2013 Tipo de Licitação: MENOR PREÇO DATA: 19/03/2013 HORÁRIO: 10:00 Horas LOCAL: Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 013/2007 PROCESSO N.º 1.612/2007

CARTA CONVITE Nº 013/2007 PROCESSO N.º 1.612/2007 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP: 01405-001 - DEPTO DE COMPRAS - 8º ANDAR. Regime

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 3ª Região (SP, MS)

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 3ª Região (SP, MS) CARTA CONVITE Nº: 008/2013. São Paulo, 04 de junho de 2.013. Processo n.º 042-05/2013 Tipo: MENOR PREÇO Firma: A/C: E-mail: Convidamos a referida empresa a apresentar proposta para atendimento do objeto

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ROMA DO SUL DEPARTAMENTO DE COMPRAS E LICITAÇÕES E D I T A L

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ROMA DO SUL DEPARTAMENTO DE COMPRAS E LICITAÇÕES E D I T A L CONVITE Nº 06/2013 MANUTENÇÃO DE POÇOS ARTESIANOS E D I T A L O Prefeito Municipal de Nova Roma do Sul, no uso de suas atribuições legais e de conformidade com a Lei Federal n 8.666, de 21 de junho de

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 007/2008

CARTA CONVITE Nº 007/2008 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO E COM ATÉ 24 HS DE ANTECEDÊNCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 - JD. PAULISTA -

Leia mais

CONVITE N.º 95971-01/2011

CONVITE N.º 95971-01/2011 1 FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FATEC Cep: 97.015-970 Prédio 66 - Campus/UFSM Santa Maria RS CONVITE N.º 95971-01/2011 A FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FATEC, CNPJ n.º 89.252.431/0001-59,

Leia mais

ABERTURA DE CARTA CONVITE Nº 001/2014

ABERTURA DE CARTA CONVITE Nº 001/2014 ABERTURA DE CARTA CONVITE Nº 001/2014 O CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS DO ESTADO DE SANTA CATARINA CRECI - 11ª REGIÃO/SC, através da Comissão de Julgamento de Licitação, comunica que, de acordo

Leia mais

1.1 O recebimento dos envelopes dar-se-á até às 14:00h do dia 09 de março de 2010, pela Comissão Permanente de Licitação, no endereço acima citado.

1.1 O recebimento dos envelopes dar-se-á até às 14:00h do dia 09 de março de 2010, pela Comissão Permanente de Licitação, no endereço acima citado. EDITAL DE CARTA CONVITE N 02/2010 CRM-PR OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA PARA O DESENVOLVIMENTO E SUPERVISÃO DE PROJETO DE TELEMEDICINA, VIDEOCONFERÊNCIA E EDUCAÇÃO CONTINUADA PARA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria de Infraestrutura MINUTA EDITAL DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO INTERNACIONAL N. 01/2013 PROCESSO N.

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria de Infraestrutura MINUTA EDITAL DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO INTERNACIONAL N. 01/2013 PROCESSO N. MINUTA INTERNACIONAL N. 01/2013 PROCESSO N.º 0900130000453 A SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA DO ESTADO DA BAHIA - SEINFRA, com sede na Avenida Luiz Viana Filho, 4ª Avenida, nº 440, Centro Administrativo da

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO À EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS CNPJ: 00.278.912/0001-20

FUNDAÇÃO DE APOIO À EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS CNPJ: 00.278.912/0001-20 EDITAL DE LICITAÇÃO N.º 04/07 MODALIDADE: CONVITE FORMA DE EXECUÇÃO: INDIRETA ENTREGA DO ENVELOPE ATÉ AS 17:00 HORAS DO DIA: 13/03/2007 DATA DA ABERTURA: 14/03/2007 OBJETO DA LICITAÇÃO: Plantio e fornecimento

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS n.º 3110005-04/2011

TOMADA DE PREÇOS n.º 3110005-04/2011 1 FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FATEC Cep: 97105-900 Prédio 66 - Campus/UFSM Santa Maria RS TOMADA DE PREÇOS n.º 3110005-04/2011 A FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FATEC, CNPJ n.º

Leia mais

EEEP FRANCISCA MAURA MARTINS

EEEP FRANCISCA MAURA MARTINS EXECUÇÃO DE SERVIÇO DE FORNECIMENTO DE SINAL DE INTERNET COM VELOCIDADE MÍNIMA DE 05 MB DESTINADO ÀS ATIVIDADES DA EEEP FRANCISCA MAURA MARTINS POR UM PERÍODO DE 12 (DOZE) MESES CONVITE Nº 20150001 OBJETO:

Leia mais

CONVITE N.º 97032-05/2010

CONVITE N.º 97032-05/2010 1 FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FATEC Cep: 97.015-970 Prédio 66 - Campus/UFSM Santa Maria RS CONVITE N.º 97032-05/2010 A FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FATEC, CNPJ n.º 89.252.431/0001-59,

Leia mais

CONVITE Nº 060E/2015

CONVITE Nº 060E/2015 Processo nº 0405.1511/15-3 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 060E/2015 DATA DA ABERTURA: 16/10/2015 HORA DA ABERTURA: 10:00 Horas NOME DA EMPRESA: ORIGINAL

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. Pregão Presencial. Prestação de Serviços Não Contínuos PROCESSO Nº 27.000.000452.2015. PREGÃO Presencial Nº XXX

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. Pregão Presencial. Prestação de Serviços Não Contínuos PROCESSO Nº 27.000.000452.2015. PREGÃO Presencial Nº XXX Página nº 1 de 6 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Pregão Presencial Prestação de Serviços Não Contínuos PROCESSO Nº 27.000.000452.2015 PREGÃO Presencial Nº XXX ÓRGÃO REQUISITANTE:Secretaria de Estado do Desenvolvimento

Leia mais

CONVITE N.º 001/2007

CONVITE N.º 001/2007 CONVITE N.º 001/2007 A Companhia das Docas do Estado da Bahia - CODEBA, com observância da Lei n.º 8.666/93, de 21/6/1993, e demais disposições legais, convida essa empresa a participar de Licitação acima

Leia mais

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA: 41.20.02 MOBILIÁRIO EM GERAL - R$ 16.000,00 (Dezesseis mil reais).

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA: 41.20.02 MOBILIÁRIO EM GERAL - R$ 16.000,00 (Dezesseis mil reais). PROCESSO N.º 003/2013 LICITAÇÃO Nº 003/2013-CONVITE TIPO: MENOR PREÇO POR LOTE À EMPRESA: ENDEREÇO: O Conselho Regional de Administração-CRA, através de sua Comissão Permanente de Licitação, nos termos

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CONTÍNUO SEM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CONTÍNUO SEM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA Página nº 1 de 6 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Pregão PRESENCIAL PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CONTÍNUO SEM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA PROCESSO Nº 34.206.019993.2014 PREGÃO PRESENCIAL Nº 057/2014 ÓRGÃO REQUISITANTE:SEIE/Companhia

Leia mais

INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO SELEÇÃO PÚBLICA TIPO: MENOR PREÇO

INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO SELEÇÃO PÚBLICA TIPO: MENOR PREÇO SELEÇÃO PÚBLICA Nº: 018/2015 PROCESSO Nº: 2259/2015/FAPEPE INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO SELEÇÃO PÚBLICA TIPO: MENOR PREÇO DATA MÁXIMA PARA ENVIO DA PROPOSTA ELETRÔNICA: 04/03/2015 ás 09H:00 DATA SESSÃO DE

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG)

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG) COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG) NORMAS DE CREDENCIAMENTO PARA INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS 1. DA FINALIDADE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 O Município de Boa Vista do Buricá, comunica aos interessados

Leia mais

Especificação técnica do Software de Gerenciamento de Vídeo

Especificação técnica do Software de Gerenciamento de Vídeo Especificação técnica do Software de Gerenciamento de Vídeo 1. Esta Especificação destina-se a orientar as linhas gerais para o fornecimento de equipamentos. Devido às especificidades de cada central e

Leia mais

EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA 01/2014

EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA 01/2014 EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA 01/2014 O PRESIDENTE DA COMPANHIA ÁGUAS TERMAIS MARCELINO RAMOS no uso de suas atribuições legais e estatutárias e de conformidade com a Lei 8666/93 de 21 de junho de 1993

Leia mais

EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº. 05/2012 PROCESSO Nº. 0116/2012

EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº. 05/2012 PROCESSO Nº. 0116/2012 EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº. 05/2012 PROCESSO Nº. 0116/2012 1. INTRODUÇÃO: 1.1 O CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL, por intermédio da Pregoeira Angela Ferraz Jaeger, torna público,

Leia mais

Município de Xangri-Lá Fone: (51) 3689-2400 www.xangrila.rs.gov.br

Município de Xangri-Lá Fone: (51) 3689-2400 www.xangrila.rs.gov.br EDITAL Nº 62/2012 PREGÃO ELETRÔNICO 34/2012 PROCESSO DE DESPESA: 2318/2012 (SEC. DE EDUCAÇÃO) PROCESSO DE LICITAÇÃO 2318/2012 PROCESSO DE COMPRA 45-12 ABERTURA: 29/03/2012 HORÁRIO: 15 horas O Prefeito

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã Comissão Permanente de Licitação

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã Comissão Permanente de Licitação EDITAL CARTA CONVITE 025/2010 1.0. DA LICITAÇÃO: 1.1. Licitação Carta Convite nº. 025/2010 1.2. Abertura às 08 horas do dia 21/09/2010 Local:PREFEITURA MUNICIPAL DE ARIPUANA. 1.3. A, através da Comissão

Leia mais

CARTA CONVITE FUnC 61/2012

CARTA CONVITE FUnC 61/2012 CARTA CONVITE FUnC 61/2012 A FUnC encaminha o presente formulário, para se houver interesse em participar do processo de fornecimento de venda de equipamentos conforme abaixo indicados para a unidade FUnC/CURITIBANOS

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO (Portaria nº 002/2013) Edital de Licitação Pública Lei nº 8.666/93

COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO (Portaria nº 002/2013) Edital de Licitação Pública Lei nº 8.666/93 COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO (Portaria nº 002/2013) Edital de Licitação Pública Lei nº 8.666/93 Processo: N.º 001/2013 Carta Convite: N.º001/2013 A Câmara Municipal e Uruaçu, Estado e Goiás, em Cumprimento

Leia mais

L I C I T A Ç Ã O: Convite: Compras e outros serviços, N.º 4/2014 Menor preço POR ITEM

L I C I T A Ç Ã O: Convite: Compras e outros serviços, N.º 4/2014 Menor preço POR ITEM Serviço Autônomo Municipal de Saneamento Básico SAMAE Travessa Theodoro Junctum, 124 - Bairro Centro RIO NEGRINHO - SC - Santa Catarina 85.908.309/0001-37 89.295-000 L I C I T A Ç Ã O: Convite: Compras

Leia mais

EDITAL TOMADA DE PREÇOS SETOR DE LICITAÇÕES PROCESSO Nº 45/2013. TOMADA DE PREÇO Nº

EDITAL TOMADA DE PREÇOS SETOR DE LICITAÇÕES PROCESSO Nº 45/2013. TOMADA DE PREÇO Nº EDITAL TOMADA DE PREÇOS SETOR DE LICITAÇÕES PROCESSO Nº 45/2013. TOMADA DE PREÇO Nº 07/2013. A Prefeitura Municipal de General Salgado, sito à Av: Antonino José de Carvalho, 940, centro, fará realizar

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 3ª Região (SP, MS)

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 3ª Região (SP, MS) TOMADA DE PREÇOS N.º: 2/213 PROCESSO N.º: 11-4/213 TIPO: MENOR PREÇO EDITAL O CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS 3ª. REGIÃO, por intermédio da COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO, torna pública a realização

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Comissão Permanente de Licitação

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Comissão Permanente de Licitação ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Comissão Permanente de Licitação CONTRATO DE FORNECIMENTO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ E A EMPRESA

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 004/2011 TIPO: MENOR PREÇO

CARTA CONVITE Nº 004/2011 TIPO: MENOR PREÇO CARTA CONVITE Nº 004/2011 TIPO: MENOR PREÇO PROCESSO Nº 004/2011 Tipo de Licitação: MENOR PREÇO REABERTURA DATA: 28/04/2011 HORÁRIO: 10:00 Horas LOCAL: Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy

Leia mais

EDITAL N.º CONVITE N.º PROCESSO N.º 011/2011-CPL 009/2011 011/2011. PRAZO MÁXIMO PARA ENTREGA DOS ENVELOPES Até 17 de Outubro de 2011 Às 14:00 horas

EDITAL N.º CONVITE N.º PROCESSO N.º 011/2011-CPL 009/2011 011/2011. PRAZO MÁXIMO PARA ENTREGA DOS ENVELOPES Até 17 de Outubro de 2011 Às 14:00 horas EDITAL N.º CONVITE N.º PROCESSO N.º 011/2011-CPL 009/2011 011/2011 PRAZO MÁXIMO PARA ENTREGA DOS ENVELOPES Até 17 de Outubro de 2011 Às 14:00 horas ABERTURA DOS ENVELOPES DOCUMENTAÇÃO Dia 17 de Outubro

Leia mais

CONTRATO N 02 / 2014

CONTRATO N 02 / 2014 CONTRATO N 02 / 2014 CONTRATANTE: CONTRATADA: RICARDO GABRIEL DE PAULA Pelo presente instrumento de Contrato, de um lado, a, Estado do Paraná, inscrita no CNPJ sob o nº. 77.780.245/0001-03, com sede à

Leia mais

ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO

ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DE SANTA CATARINA, autarquia federal de fiscalização profissional regida pela Lei n 12.378, de 31 de dezembro

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - ADMINISTRAÇAO REGIONAL DE SANTA CATARINA SENAR-AR/SC

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - ADMINISTRAÇAO REGIONAL DE SANTA CATARINA SENAR-AR/SC CARTA CONVITE N 008/2015 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - ADMINISTRAÇAO REGIONAL DE SANTA CATARINA SENAR-AR/SC 1 - Preâmbulo 1.1 - O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - Administração Regional

Leia mais

AVISO DE LICITAÇÃO CONVITE N 034/02

AVISO DE LICITAÇÃO CONVITE N 034/02 AVISO DE LICITAÇÃO CONVITE N 034/02 O CNPq, fundação pública federal, vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, sediada na SEPN Q. 507, Bloco B, Ed. CNPq Brasília-DF, CEP: 70740-901, informa que

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA ADMINISTRAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL DA ADMINISTRAÇÃO CONVITE Nº 05/2015 Objeto: Contratação de Empresa para Serviços de Acesso à internet. O MUNICÍPIO DE SÃO VALENTIM DO SUL, através de seu Prefeito Municipal, torna público e para o conhecimento dos interessados,

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE CONVITE Nº 006 / 2007 - DFEPAF ENCERRAMENTO E ABERTURA DAS PROPOSTAS: Dia 27 de novembro de 2007 às 10:00 horas. TIPO: Menor preço global 1. OBJETO DO CONVITE Constitui objeto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS SISTEMAS DE SDAI E CFTV DA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL BPE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS SISTEMAS DE SDAI E CFTV DA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL BPE TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS SISTEMAS DE SDAI E CFTV DA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL BPE 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em serviços

Leia mais

AV. BRASÍLIA, 1057 FONE: 054-3356 1244. Edital de Licitação

AV. BRASÍLIA, 1057 FONE: 054-3356 1244. Edital de Licitação Edital de Licitação Modalidade.:Tomada de Preço Numero...:0006/15 DATA DA ABERTURA DA LICITAÇÃO: 11/02/2015 DATA ABERTURA DAS PROPOSTAS..: 04/03/2015 HORARIO...: 14:00 Fornecedor.: Endereço...: CGCMF...:

Leia mais

EDITAL DE CONVITE Nº 004/2012

EDITAL DE CONVITE Nº 004/2012 EDITAL DE CONVITE Nº 004/2012 1. DA LICITAÇÃO O Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Estado de Santa Catarina CORE/SC, Órgão Fiscalizador do Exercício Profissional, criado pela Lei nº 4886,

Leia mais

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência 1 FUNDAÇÃO DE APOIO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS N 2015/6010003-02 A Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia - FATEC, por meio de sua Comissão de Licitações, torna público para conhecimento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 3ª REGIÃO RS/SC

CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 3ª REGIÃO RS/SC CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 3ª REGIÃO CONVITE Nº 05/2013 SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL O Conselho Regional de Biologia 3ª Região, através da Comissão Permanente de Licitações, convida V.S.a. a apresentar

Leia mais

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência FUNDAÇÃO DE APOIO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL DE CONCORRÊNCIA N 5030008-01/2013 (SRP)

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência FUNDAÇÃO DE APOIO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL DE CONCORRÊNCIA N 5030008-01/2013 (SRP) 1 FUNDAÇÃO DE APOIO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL DE CONCORRÊNCIA N 5030008-01/2013 (SRP) A Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia -, por meio de sua Comissão de Licitações, torna público para conhecimento

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO IICA/NEAD Nº 005/2008 Data: 29/02/2008. EMPRESA CONVIDADA: Telefone: Fax: Endereço: Cidade: Estado:

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO IICA/NEAD Nº 005/2008 Data: 29/02/2008. EMPRESA CONVIDADA: Telefone: Fax: Endereço: Cidade: Estado: SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO IICA/NEAD Nº 005/2008 Data: 29/02/2008 EMPRESA CONVIDADA: Telefone: Fax: Endereço: Cidade: Estado: Prezado (a) Senhor (a), O Projeto de Cooperação para Apoio às Políticas e à Participação

Leia mais

Solução Hibrida para Integração de Câmeras Analógicas e Câmeras IP no Mesmo Servidor

Solução Hibrida para Integração de Câmeras Analógicas e Câmeras IP no Mesmo Servidor Gravador de Vídeo Digital Hibrido em Tempo-Real de até 36 Câmeras Solução Hibrida para Integração de Câmeras Analógicas e Câmeras IP no Mesmo Servidor Velocidade de gravação e visualização entre 120 FPS

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO N.º 004/2015. Objeto

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO N.º 004/2015. Objeto EDITAL DE TOMADA DE PREÇO N.º 004/2015 O Município de Benjamin Constant do Sul - RS, em conformidade com a Lei Federal n.º 8.666/93 e suas alterações, torna público para conhecimento dos interessados a

Leia mais

EDITAL. TOMADA DE PREÇO Nº 16/2015 PROCESSO n 33.000.000301.2015. DATA DA REALIZAÇÃO: 23 de novembro de 2015. HORÁRIO: 09:00 horas

EDITAL. TOMADA DE PREÇO Nº 16/2015 PROCESSO n 33.000.000301.2015. DATA DA REALIZAÇÃO: 23 de novembro de 2015. HORÁRIO: 09:00 horas EDITAL EDITAL DE TOMADA DE PREÇO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO TÉCNICO PROFISSIONAL DE ASSESSORIA E CONSULTORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS, CONFORME DESCRITO NO TERMO DE REFERÊNCIA E PROJETO

Leia mais

TOMADA DE PREÇO Nº 004/2012 TIPO: MENOR PREÇO

TOMADA DE PREÇO Nº 004/2012 TIPO: MENOR PREÇO TOMADA DE PREÇO Nº 004/2012 TIPO: MENOR PREÇO PROCESSO Nº 004/2012 Tipo de Licitação: MENOR PREÇO DATA: 27/04/2012 HORÁRIO: 15h00min LOCAL: Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro Edifício

Leia mais

CÂMARA DE VEREADORES ATILIO VIVÁCQUA - ES

CÂMARA DE VEREADORES ATILIO VIVÁCQUA - ES CÂMARA MUNICIPAL DE ATÍLIO VIVACQUA - ES COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CONVITE Nº. 001/07 A CÂMARA MUNICIPAL DE ATÍLIO VIVACQUA - ES - CMAV, com sede na Praça José Valentim Lopes, nº 05 Centro, Atílio

Leia mais

CONVITE Nº. 001/2014

CONVITE Nº. 001/2014 CONVITE Nº. 001/2014 O CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL, autarquia federal criada pela Lei 1.411/51, através de sua Comissão de Licitações, designada pela Ata nº 1412/2014, da

Leia mais

EDITALCARTA CONVITE Nº. 001/2015

EDITALCARTA CONVITE Nº. 001/2015 1 EDITALCARTA CONVITE Nº. 001/2015 Processo Administrativo 004/2015 OBJETO: Contratação de Empresa especializada para prestação de serviços de digitalização de documentos; gerenciamento eletrônico de documentos;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ CREDENCIAMENTO Nº 001/09 PREÂMBULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ CREDENCIAMENTO Nº 001/09 PREÂMBULO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ CREDENCIAMENTO Nº 001/09 CHAMAMENTO PÚBLICO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE CLINICAS PARA TRATAMENTO DE DEPENDENTES QUIMICOS. PREÂMBULO A Prefeitura Municipal de Itajubá,

Leia mais

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência CONVITE N. º 95933-02/2010

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência CONVITE N. º 95933-02/2010 CONVITE N. º 95933-02/2010 A FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FATEC, CNPJ n.º 89.252.431/0001-59, realizará licitação por CONVITE, do tipo menor preço global, para a CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA

Leia mais

ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014. Termo de Referencia

ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014. Termo de Referencia ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014 Termo de Referencia 1. OBJETO Aquisição de equipamentos de sistema de segurança (circuito fechado DVR), sendo DVR, Câmeras e Fontes 2. Descrição Quantidade Equipamento

Leia mais

CONVITE DE ALIENAÇÃO Nº. 03 / 2012 Processo nº. 23219.000/2011-51

CONVITE DE ALIENAÇÃO Nº. 03 / 2012 Processo nº. 23219.000/2011-51 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO Câmpus Rio Verde GO CONVITE DE ALIENAÇÃO Nº. 03 / 2012 Processo nº. 23219.000/2011-51 O Instituto Federal

Leia mais

Carta Convite Nº 012/2015

Carta Convite Nº 012/2015 Carta Convite Nº 012/2015 A PREFEITURA MUNICIPAL DE AGUA BRANCA - PI torna público que realizará licitação na modalidade de CARTA CONVITE, do tipo MENOR PREÇO GLOBAL, às 08h30min do dia 19/06/2015, na

Leia mais

PREFEITURA DE ARROIO DO PADRE

PREFEITURA DE ARROIO DO PADRE PREFEITURA DE ARROIO DO PADRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, PLANEJAMENTO, FINANÇAS, GESTÃO E TRIBUTOS SETOR DE COMPRAS E LICITAÇÕES FONE FAX: (53) 3224 9000 32249141. EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE

Leia mais