PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI"

Transcrição

1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI

2 S U M Á R I O INTRODUÇÃO I. MODELO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ADOTADO II. METODOLOGIA DO PLANO ESTRATÉGICO III. EIXOS TEMÁTICOS ESSENCIAIS DO PDI / INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SANTO ANDRÉ PERFIL INSTITUCIONAL Da missão: Qual é a missão institucional Breve Histórico da IES Finalidades Áreas de atuação Breve histórico do município Santo André Inserção regional Histórico da Faculdade Diretrizes Pedagógicas Dos Objetivos: Quais são os objetivos gerais da Instituição? Das metas: Quais são as metas previstas para se atingirem os objetivos gerais? Da Área de Ensino de Graduação Da Área de Ensino de Pós-Graduação e Pesquisa Da Área de Ensino Médio e Tecnológico Da Área de Extensão Da Área de Assuntos Estudantis Da Área de Administração e Planejamento Da Área de Recursos Humanos Prazos para atingir os objetivos PLANEJAMENTO E GESTÃO INSTITUCIONAL Objetivos e Metas específicos para Planejamento e Gestão Institucional Eixos Temáticos Essenciais do PDI MEC Organização acadêmica e administrativa Estrutura organizacional e Instâncias de decisão Relações e parcerias com a comunidade Cooperação e parcerias com instituições e empresas Organização e gestão de pessoal Corpo docente Políticas de qualificação Faculdade IESA Página: 2

3 Plano de carreira Regime de trabalho Corpo discente Condições de acesso Registro e controle acadêmico Quadro de Vagas e Distribuição dos Alunos Matriculados Planejamento e Organização Didático-Pedagógicos Apresentação Introdução Projeto político-pedagógico Projeto político-pedagógico de cursos Oferta de Cursos e Programas Graduação (bacharelado, licenciatura) Pós-Graduação (Lato Sensu) Programas de Extensão Programas de Pesquisa Infra-estrutura Física e Acadêmica Infra-estrutura geral Laboratórios de ensino Sistema de Bibliotecas e Informação Formas de acesso dos estudantes à biblioteca, laboratórios e horários de funcionamento Aspectos Financeiros e Orçamentários AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO INSTITUCIONAL Objetivos e Metas específicos para Avaliação e Acompanhamento de Desempenho Institucional Projeto de Acompanhamento e Avaliação do Desempenho Institucional Faculdade IESA Página: 3

4 INTRODUÇÃO O presente documento delineia um projeto institucional, e elabora plano de gestão para o período de 2008 a Esse trabalho foi elaborado com o objetivo de dotar a Instituição de Ensino com um conjunto de idéias que fundamentam sua ação de forma planejada. A Faculdade IESA tem experimentado diferentes enfoques e práticas gerenciais, frutos de mudanças conjunturais internas e externas. O ambiente dinâmico, que reflete diretamente no modo de pensar e planejar, resulta em uma necessidade constante de melhoria e inovação da estrutura organizacional existente. Realidades distintas, com preocupações e perspectivas diferenciadas, exigem que a Instituição tenha capacidade de adaptar-se, e de responder às contingências geradas pelo ambiente. À Faculdade IESA cabe uma contribuição fundamental na valorização do desenvolvimento técnico científico, humano e social, ou seja, desenvolvimento integral capaz de dar conta das novas condições emergentes. Por outro lado, mecanismos de estímulo à qualidade, utilizados em todas as áreas da sociedade, só poderão ser alcançados com instrumentos que estabeleçam a identidade das pessoas com a Instituição e a participação ativa de seus recursos humanos. Este é o caminho para a melhoria da gestão, redução dos desperdícios, adequação da estrutura organizacional, e elevação da produtividade e, para que isto aconteça, há necessidade de planejamento. O planejamento corresponde ao estabelecimento de um conjunto de providências a serem tomadas para a situação em que o futuro tende a ser diferente do passado: o planejamento é ainda um processo contínuo, um exercício mental que é executado. O planejamento pressupõe a necessidade de um processo decisório que ocorrerá antes, durante e depois de sua elaboração e implementação na faculdade. No caso da Faculdade IESA, torna-se imperativo que ela pense sua ação, ancorada na condição de Instituição Educacional. Desse modo, ao formular o seu Plano Institucional, ela deve ser capaz de projetar o seu futuro, incorporando os interesses maiores da sociedade da qual é parte, e tomando por base as evidências da realidade, o seu trajeto histórico, os critérios e as medidas para a apresentação do futuro da Faculdade. Por isso, fala-se na necessidade de empreender uma análise situacional muito mais do que um diagnóstico estático. As análises de situações permitem identificar interesses Faculdade IESA Página: 4

5 divergentes, contextos e ambientes que estão em constante mutação. Isto é fundamental ao planejamento estratégico que possibilita estabelecer o rumo a ser seguido pela instituição com vistas a obter um nível de otimização na relação da Faculdade com seu ambiente. O planejamento estratégico diz respeito tanto à formulação dos objetivos quanto à seleção dos cursos de ação a serem seguidos para a sua consecução, levando em conta as condições externas e internas à Faculdade e sua evolução esperada. A estratégia diz respeito ao estabelecimento de caminhos para alcançar os objetivos almejados. A adoção desse modo de caminhar pressupõe o reconhecimento da existência de uma dinâmica conflitiva, com a presença de vários sujeitos na arena política, e não apenas de um sujeito único, onipotente, como ocorreria num planejamento normativo. O outro, portanto, faz parte do horizonte do planejamento estratégico; deve-se trabalhar com as afinidades e as diferenças. Esse ideal é particularmente importante, por tratar de um espaço voltado à educação e à produção do conhecimento, como a Faculdade IESA, cuja responsabilidade está diretamente ligada à formação de uma nova cidadania, voltada para a superação do individualismo. Nessa perspectiva, trata-se de contribuir, através da educação para a concretização de uma cidadania comunitária, solidária, em que os indivíduos se interessem não apenas por si próprios, mas se envolvam com a constituição de uma efetiva esfera pública. Com esse processo participativo, todos (professores, alunos e funcionários) serão responsáveis pelo contínuo auto-conhecimento dos processos operacionais da Instituição, pelo estabelecimento de indicadores de desempenho, e pela avaliação das diferentes etapas e segmentos envolvidos. Com as ferramentas da gestão da qualidade, haverá uma busca contínua para a melhoria dos diferentes processos, bem como a realimentação dos objetivos, metas e critérios da Administração Superior. A partir de diretrizes do Plano de Desenvolvimento Institucional, busca-se diagnosticar, planejar e desenvolver ações que aprimorem a atuação da Faculdade IESA em seus compromissos com a sociedade. Espera-se que, dessa forma, a Instituição seja capaz de Faculdade IESA Página: 5

6 definir seus objetivos e formular o seu projeto institucional, articulando o local e o global, a qualificação técnica formal e a qualificação social, evidenciando o caráter de uma Faculdade sintonizada com o conhecimento universal e, ao mesmo tempo, com a realidade objetiva e concreta, em decorrência do seu compromisso social com a coletividade. Faculdade IESA Página: 6

7 I. MODELO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ADOTADO PELA FACULDADE IESA. As organizações diferem em tamanho, em tipos de informação, em estruturas organizacionais e em filosofia e estilo gerencial. Considerando a vasta bibliografia existente sobre planejamento, torna-se imprescindível adaptar um modelo que melhor se ajuste à realidade organizacional da Instituição. O modelo de planejamento estratégico proposto para a Instituição é composto de seis etapas básicas e está assim constituído: 1 Análise Interna e Externa 2 Missão 3 Objetivos e Estratégias 4 Metas 5 Planos de Ação 6 Implantação e Controle II. METODOLOGIA DO PLANO ESTRATÉGICO. Na Faculdade IESA, o Plano de Desenvolvimento Institucional contará com a participação de toda a estrutura organizacional. A metodologia adotada prevê a realização da análise do ambiente da organização (externo e interno), definindo as oportunidades e ameaças, assim como seus pontos fracos e fortes. Isto possibilita traçar os prováveis cenários em que a organização irá atuar, aproveitando as oportunidades, potencializando os pontos fortes e minimizando ameaças e riscos. Na próxima etapa, são identificados os valores e definidos a visão de futuro e a missão organizacionais. A seguir, são elencados os Fatores Críticos do Sucesso, constituídos como as condições fundamentais que precisam ser satisfeitas para que a organização tenha sucesso no ambiente no qual encontra-se inserida. Na etapa seguinte, são definidas as Diretrizes Gerais das quais derivam-se os objetivos propostos, as estratégias para alcançá-los e as ações para operacionalizá-los. Faculdade IESA Página: 7

8 Valores formam o conjunto de crenças e princípios que orientam as atividades e operações de uma organização. São padrões de conduta praticados pela organização que influenciam o comportamento geral de seus membros. Os VALORES definidos na Faculdade IESA são: Liberdade, Democracia, Responsabilidade, Justiça, Consciência Ética, Educação e Respeito, Identidade, Comprometimento Social, Cidadania, Pluralidade, Integração e Criatividade A missão define a razão de ser da Instituição e reflete os motivos pelos quais foi criada e é mantida. A missão responde a pergunta: por que existimos? O estabelecimento da missão demanda um dimensionamento concreto das possibilidade da organização. Assim, para fazê-lo, deve se levar em conta toda a análise interna e externa que já se fez até o momento e, principalmente, deve-se dar atenção aos pontos fortes, pois eles expressam as áreas em que melhor a Instituição pode atender às necessidades reais. A Missão deverá permear o dia-a-dia de todas as atividades. A MISSÃO definida na Faculdade IESA é: A qualidade do processo educativo, promovendo, de forma ética, humana e social, a formação do aluno nas dimensões técnico-científicas A Visão consiste em definir o estado que a organização deseja atingir no futuro. Ela precisa ser desafiadora, abrangente e detalhada, tendo como intenção propiciar o direcionamento dos rumos de uma organização. A VISÃO de Futuro da Faculdade IESA é: Ser reconhecida como referencial de excelência no ensino, pesquisa e extensão pela comunidade científica e pela sociedade em geral. A visão permite, portanto, delimitar a situação da Instituição dentro de um horizonte futuro. A visão de futuro foi delineada como uma continuada meta maior em torno da qual serão definidos os indicadores que irão sinalizar, pela sua avaliação e acompanhamento, se o rumo está certo e quais ações corretivas devem ser aplicadas. Compilados os resultados da análise ambiental dos diferentes seminários, foi possível, segundo a freqüência de citações, identificar como principais: Faculdade IESA Página: 8

9 1) Oportunidades Fontes financiadoras Inserção social Localização estratégica da Instituição Abrangência populacional Existência de novos fundos setoriais e globais Riquezas do cenário cultural 2) Ameaças Contingenciamento dos Recursos Orçamentários Política econômica e salarial Instabilidade do equilíbrio fiscal Políticas educacionais subordinadas às econômicas Despreparo dos alunos ingressantes Excesso de legislação 3) Pontos fortes Titulação e qualificação do corpo docente Credibilidade da instituição/imagem Localização geográfica Programas de assistência aos estudantes Parcerias em projetos de desenvolvimento regional Desenvolvimento de sistemas informatizados Equidade de acesso Diminuição do índice de evasão Presença na comunidade Laboratórios atualizados Recursos humanos atuantes junto a outros órgãos públicos e privados Política pedagógica 4) Pontos fracos Deficiência na infra estrutura da Instituição Falta de um programa permanente de capacitação Falta de uma política direcionada a novos desafios Falta de cultura de planejamento das ações Necessidade de mais espaço físico Falta normalização das atividades Rotina gerencial Falta discussão nas ações e tomada de decisões Mapeamento de processos meios e fins. Faculdade IESA Página: 9

10 III. EIXOS TEMÁTICOS ESSENCIAIS DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI / FACULDADE IESA. 1. PERFIL INSTITUCIONAL Da missão: Qual é a missão institucional? A missão da Faculdade IESA tem a função orientadora e delimitadora da ação educacional, dentro de um período de tempo de cinco anos, em que ficam comprometidos valores,crenças, expectativas, conceitos e recursos. A missão é a razão de ser da Faculdade IESA, é o por quê ela existe e aonde quer chegar. O estabelecimento da missão tem como ponto de partida a análise e interpretação das seguintes questões: Qual a razão de ser da Faculdade IESA? Qual a natureza do negócio da Faculdade IESA? Quais são as diversificações das atividades em que a Faculdade IESA deve concentrar seus esforços no futuro? A IESA Instituição tem, por missão, a qualidade do processo educativo, promovendo, de forma ética, a formação do aluno nas dimensões técnico-científica, humana e social. Sob essa ótica, o processo educativo deve voltar-se para a formação global do aluno com capacidade técnico-científica, humana e social. A Faculdade IESA entende que este processo é o resultado de um conjunto de relações com o conhecimento e que este deve ser entendido no contexto social em que acontece, principalmente na região do ABC. A instituição tem ainda como objetivo, atender as necessidades de ordem estrutural e conjuntural, no que diz respeito aos objetivos, finalidades e práticas referentes ao papel da Faculdade em suas atividades de ensino, pesquisa e extensão, bem como a interação entre a faculdade e as instâncias externas. Objetiva-se ainda assumir e desenvolver o compromisso social, a indissociabilidade do Ensino, Pesquisa e Extensão que deve traduzir-se num processo educativo único e integrado e, a integração compreendida como busca da unidade na diversidade. Tem, como objetivo final, a constituição coletiva de uma identidade única, superando-se a Faculdade IESA Página: 10

11 fragmentação do conhecimento, a compartimentalização curricular, as reformulações não contextualizadas e as posturas corporativas. Na Faculdade IESA, a flexibilidade de cursos enseja a superação de um modelo de ordenação institucional por outro que viabiliza a diversificação de experiências de formação, para atender às diferentes circunstâncias geográficas, político-sociais e acadêmicas, proporcionando a emergência de novas propostas pedagógicas articuladas ao dinamismo próprio de conhecimento e as demandas colocadas pela sociedade. Educar é substantivamente formar e a educação é uma atividade essencialmente humana. Assim, não significa e não representará aligeirar a formação profissional nem conferir a chancela à onipotente vontade do mercado. Ao contrário, sinalizará a busca da melhor qualidade no serviço prestado. Qualidade na formação integral da pessoa e do profissional, para o exercício crítico, criativo e cidadão, de habilidades e competências concernentes ao seu campo de atuação profissional, e coerentes com a sociedade com a qual IESA almeja contribuir. Em resumo, a Faculdade IESA tem como missão: a qualidade do processo educativo, promovendo de forma ética, a formação do aluno. Nas dimensões técnico-científica, humana e social, principalmente na região do ABC. Para isso, compromete-se com a aperfeiçoamento contínuo das práticas de ensino. Breve Histórico da Faculdade IESA A Faculdade IESA foi criada em 1972, com a finalidade de: a) criar, instalar e manter estabelecimentos de ensino de todos os ciclos e graus e demais promoções educacionais sem finalidade lucrativa, de forma a elevar o nível cultural e social na cidade e no país; b) prestar assistência aos alunos, mediante convênios com empresas ou entidades públicas ou privadas; c) emprestar colaboração aos órgãos públicos, paraestatais e entidades particulares, no sentido de que a educação seja um direito de todos, consoante o princípio constitucional consagrado. Faculdade IESA Página: 11

12 Finalidades Considerando-se seu Estatuto, a Faculdade IESA, destina-se a: I. Promover, de forma indissociável, o Ensino, a Pesquisa e a Extensão; II. Fomentar o desenvolvimento tecnológico, científico, filosófico, literário, artístico e desportivo; III. Formar profissionais e especialistas de nível superior; IV. Formar profissionais de nível médio nas áreas tecnológicas vinculadas ao desenvolvimento nacional; e V. Preparar recursos humanos qualificados, através de Cursos de Graduação e Pós- Graduação. Áreas de atuação A Faculdade IESA possui, atualmente, os Cursos de: Bacharelado em Administração Bacharelado em Ciências Contábeis Bacharelado em Sistemas de Informação Gestão da Qualidade em Metrologia Gestão de Logística Gestão de Recursos Humanos Gestão Financeira e Controladoria Empresarial Licenciatura em Letras Licenciatura em Pedagogia Tecnologia em Gestão de Marketing Empresarial Analise e Desenvolvimento de Sistema Faculdade IESA Página: 12

13 Breve histórico do Município de Santo André Inserção regional Histórico da Faculdade A Santo André de hoje nasceu no século XIX, com a passagem da Estrada de Ferro São Paulo Railway, a SPR ou Inglesa, que começou a ser construída em No ano seguinte, começou a ser formado o primeiro povoado do atual território de Santo André, denominado Alto da Serra ou Vila de Paranapiacaba Foi criada a Freguesia de São Bernardo, por aprovação régia do bispo diocesano e por alvará de 12 de Outubro. A Freguesia, espécie de distrito de São Paulo, abrangia área que não tinha limites exatos. Não equivale ao território atual da Região do Grande ABC, pois dela não fazia parte o bairro rural de São Caetano Foi instalado o Município de São Bernardo, abrangendo toda a área da atual Região do Grande ABC, com sede em São Bernardo Criação do Distrito de Paz de Ribeirão Pires (incluindo os atuais Municípios de Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, parte de Mauá e o atual Distrito de Paranapiacaba) Criado o Distrito de Paranapiacaba Criado o Distrito de Santo André (incluindo o atual Município de Santo André, São Caetano e parte de Mauá) Criado o Distrito de São Caetano Criado o Distrito de Mauá O Município de São Bernardo passou a denominar-se Santo André. O Distrito Sede do Município passa a ser o Distrito de Santo André, englobando o Distrito de São Caetano, mantendo as demais divisas distritais O Distrito de São Bernardo é elevado à Município com a denominação de São Bernardo do Campo. A instalação do novo Município ocorreu em 1 de Janeiro de O subdistrito de São Caetano é elevado à condição de Município com a denominação de São Caetano do Sul. Faculdade IESA Página: 13

14 1953 O Município de Santo André, inicialmente termo da Comarca de São Paulo, obteve pela Lei nº de 18/12/1953 sua autonomia jurídica, criando assim a Comarca de Santo André Os distritos de Mauá e Ribeirão Pires (incluindo o atual Município de Rio Grande da Serra), são elevados à condição de Município É criado o Município de Diadema É criado o Município de Rio Grande da Serra Em parte da área do 2º Subdistrito é criado o Distrito de Capuava. Faculdade IESA Página: 14

15 Preenchendo os anseios e as necessidades da cidade de Santo André, na região do ABC Paulista, foi fundado em 1939, o primeiro ginásio particular, integrando os municípios de São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá e Ribeirão Pires. Nesta época, poucas eram as oportunidades de se prosseguir nos estudos e a cidade, carente de escolas, ganha um novo espaço cultural que viria a brilhar mais adiante. Juntamente com o curso ginasial, instalou-se o curso Técnico em Contabilidade, o Comercial Básico e o Propedêutico; cursos da maior importância para a cidade e região, tendo em vista o aceleramento do crescimento econômico e a expansão das indústrias e comércio. Em 1950, foi autorizado o funcionamento do curso Normal, hoje habilitação específica de Ensino Médio para o Magistério. A formação de novos professores primários se fazia necessária, uma vez que a população crescia de forma vertigiosa e a busca de novos conhecimentos e aperfeiçoamento começava a ser exigido pelo mercado de trabalho. A escola começa a tomar dimensões e o espaço até então utilizado já não suportava a demanda. Passa-se então para um novo Prédio. A partir de 1962, o antigo Ginásio, e denomina-se Colégio Santo Andre, oferecendo à comunidade andreense, os cursos Ginasial, Científico, Normal, Técnico em Contabilidade e Comercial Básico, atendendo nos períodos diurno e norturno. Na década de 70, assume responsabilidades ainda maiores. Especificamente em 1972, o Ministério da Educação e Cultura - MEC - autoriza o funcionamento dos cursos Superiores de Ciências Contábeis e Estudos Sociais. Nessa época os cursos técnicos já não atendiam às expectativas do mercado e a profissionalização a nível superior era imprescíndivel àqueles que galgavam cargos mais importantes tanto na esfera pública quanto na privada. A partir de 1975, o curso de 2º grau sofre transformacões, sendo autorizadas outras habilitações, tais como: Técnico em Administração, Técnico em Secretariado, Técnico em Processamento de Dados. Mais tarde, em 1980, foi criado o curso Supletivo de 1º e 2º graus para suprir deficiências escolares daqueles que não puderam cursar em idade convencional. Com uma demanda cada vez maior, a Instituição se obriga a criar novos cursos. Em 1988, é autorizado pelo Ministério da Educação MEC - outro curso superior: o de Tecnologia em Faculdade IESA Página: 15

16 Informática, que funciona até hoje com uma procura bastante significativa. Mais tarde, em 1994, pôde-se contar com a autorização de outro novo curso superior: o de Administração. E ainda no mesmo ano, em nível de 2º grau, instalou-se a habilitação profissional de Técnico em Publicidade e o Acadêmico. Também em 1994, inaugura-se a Unidade II, em Santo André, que abriga a Pré-escola e o Maternal, numa área de 1000m². Em 1995, a Delegacia de Ensino de Santo André autoriza também o funcionamento do 1º grau, na Unidade I, integrando IESA, todos níveis de ensino, desde o maternal até a pósgraduação. Em 2001, a Faculdade obteve autorização para o funcionamento dos cursos de Pedagogia e Sistemas de Informação. Em setembro do mesmo ano, a Instituição também estava autorizada a oferecer um curso seqüencial de formação específica em Gestão de Serviços. No ano de 2002 foi autorizado o funcionamento do curso de Letras e, em 2003, mais quatro cursos seqüenciais de formação específica estavam autorizados pelo Ministério da Educação: Gestão do Comércio, Gestão Financeira, Gestão da Qualidade em Metrologia e Controladoria Empresarial. Neste mesmo ano, o curso de Gestão de Serviços foi reconhecido. Em 2004, obtivemos o reconhecimento do curso de Administração: habilitação em Comércio Exterior. Em fevereiro de 2005, o curso de Administração obteve a renovação do reconhecimento através da Portaria do MEC nº 501, de 18/02/2005. Com a expectativa e o reconhecimento da população da cidade de Santo André, a Mantenedora da Instituição almeja, em breve, construir a Unidade III, que irá abrigar o Ensino Médio e Fundamental, para que a Unidade I abrigue somente a população acadêmica de nível Superior. A Instituição também se destaca dentro e fora do município. Nas Atividades sociais, a participação é ativa. Exemplo: Gincana, Competições Esportivas, Semana Cultural de Artes, Visitas, Excursões, Passeios Ecológicos, Palestras, Clube de Xadrez e Futsal em Faculdade IESA Página: 16

17 Convênio com a Prefeitura de Santo André, dentre outras que nos engrandecem e fazem desta Organização Educacional sinônimo de cultura do Grande ABC. Faculdade IESA Página: 17

18 Localização da Instituição Faculdade IESA Página: 18

19 Diretrizes Pedagógicas Tendo em vista os padrões de qualidade exigidos e orientados pelo Ministério da Educação e aprovados pelo Conselho Nacional de Educação, a Faculdade IESA desenvolve suas diretrizes pedagógicas. A Instituição visa ser referência nas atividades de ensino, pesquisa e extensão para o desenvolvimento social, profissional e humano. Dessa forma, pode ser considerada como suporte de excelência para a sociedade, com participação determinante no desenvolvimento regional. As Diretrizes Curriculares Nacionais trazem a concepção de uma formação de nível superior como um processo contínuo, autônomo e permanente, que não prescinde de uma sólida formação básica e uma formação profissional fundamentada na competência teóricaprática. Tal concepção revela o perfil adaptável a novas e emergentes demandas do formando em nível superior. Diante do exposto, a Faculdade IESA tem como diretrizes pedagógicas: A promoção das necessárias adequações nos projetos pedagógicos de seus cursos às demandas sociais e do meio e aos avanços tecnológicos e científicos. O reconhecimento e aproveitamento de conhecimentos adquiridos fora da vida acadêmica. O fornecimento de uma sólida formação básica que prepare o futuro profissional para os desafios das rápidas transformações da sociedade, do mercado de trabalho e das condições de exercício profissional. A utilização de meios, os mais variados possíveis, para a formação de um profissional em permanente preparação, visando sua progressiva autonomia profissional e intelectual. A preparação do profissional: - apto a superar desafios e - adaptável a situações novas e emergentes. Faculdade IESA Página: 19

20 Dos objetivos: Quais são os objetivos gerais da Instituição? De acordo com o seu Regimento, a Faculdade IESA tem por objetivos: I FUNDAMENTAIS: a) a educação integral; b) ensino para a formação e o aperfeiçoamento de profissionais, técnicos e pesquisadores de alto nível; c) a pesquisa pura ou aplicada; d) a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; e) desenvolver educação profissional nos diversos níveis: básico, técnico, superior e tecnológico; f) a extensão, aberta a participação da população, visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica gerada na Instituição; e g) a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação. II ESPECIAIS: a) o estudo dos problemas relacionados com o progresso da sua região geoeconômica, do Estado e do País; b) a colaboração com o poder público na solução dos problemas nacionais, objetivando o desenvolvimento do país; c) o fortalecimento da paz e da solidariedade universais; e d) o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade. Faculdade IESA Página: 20

21 Das metas: Quais são as metas previstas para se atingirem os objetivos gerais? OBJETIVOS ESTRATÉGICOS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES O objetivo expressa uma situação que a Instituição deseja atingir no futuro, e tem razoável possibilidade de fazê-lo, através de meio adequados. Representa o que será realizado para construir a visão e cumprir a missão. Desta maneira, é importante que sejam vinculados a diferentes níveis dentro da estrutura organizacional: estratégico, gerencial e operacional. Os objetivos estratégicos são fundamentais como meio de medir o desempenho da Instituição, fonte de motivação e meio de orientação das atividades. Portanto, são os objetivos estratégicos que vão dar toda a orientação e direção à dinâmica do processo de planejamento, como também à sua execução. Estratégias são escolhas, decisões que caracterizam um conjunto integrado de ações, destinadas a viabilizar os objetivos institucionais. Desta maneira, cada estratégia está associada a um ou mais objetivos. Eles expressam como a Instituição usará seus recursos, seus pontos fortes e suas oportunidades, para atingir os resultados desejados. Estratégias são respostas a perguntas sobre como atingir os objetivos. As ações representam atividades específicas, necessárias a consecução dos resultados esperados. É o conjunto de atividades planejadas que indicam claramente o que deve ser feito. Objetivos Estratégicos, Estratégias e Ações do Plano de Desenvolvimento Institucionais 2008 a 2012, quanto à: 1 Da Área de Ensino de Graduação 2 Da Área de Ensino Médio e Tecnológico 3 Da Área de Extensão 4 Da Área de Administração e Planejamento 5 Da Área de Recursos Humanos 6 Da Área de Responsabilidade Social Faculdade IESA Página: 21

22 1 - Da Área de Ensino de Graduação Promover a implantação e o acompanhamento avaliativo do projeto Político Pedagógico em todos os Cursos, da Faculdade IESA, de modo a se buscar o aprimoramento da qualidade da formação científica, política e profissional do corpo discente, obedecida a legislação em vigor. Estratégias: Estabelecimento de critérios para implantação de novos cursos; Estabelecimento de critérios para acompanhamento da implantação do projeto político pedagógico; reformulações e atualizações curriculares dos cursos já existentes; mudança de postura didático-pedagógica do corpo docente e discente; divulgação dos resultados da nova política pedagógica. Ações: adequar e modernizar os laboratórios de apoio ao ensino; ampliar e atualizar o acervo bibliográfico; intensificar o envolvimento de alunos em projetos de iniciação científica e de extensão. Criar alternativas para aumento do número de alunos nos cursos de graduação existentes e a criação de novos cursos, direcionados ao desenvolvimento técnico científico da região. Estratégias: Estabelecer uma política institucional para Educação à Distância; realizar estudos para identificação das necessidades de criação de novos cursos que estejam inseridos dentro de sua região geo-econômica de atuação. Faculdade IESA Página: 22

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 Institui as Diretrizes de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS e providências pertinentes. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES ESTATUTOS TÍTULO I DO NOME, DA NATUREZA, DO OBJETO, DA SEDE e DO FORO Art. 1º - O INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.727, de 13 de junho de 2002 TÍTULO I Da Mantida e da Entidade Mantenedora Art. 1º. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia com

Leia mais

Documento de Referência

Documento de Referência P r ó - R e i t o r i a d e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l - I F A M 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA Av. Mamoré, nº 1520, Bairro Três Marias CEP: 78919-541 Tel: (69) 3733-5000 Porto Velho - RO 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL LONDRINA 2002 2 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03

TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03 SUMÁRIO TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03 Seção I - Da Direção...03 Subseção I - Do Diretor Geral...04 Subseção II - Da

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2010-2015 - EIXO X EIXO X

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2010-2015 - EIXO X EIXO X UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO X CONSIDERAÇÕES E ASPECTOS PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO X - CONSIDERAÇÕES E ASPECTOS PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 10. Considerações e Aspectos

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS Art. 1º. O Núcleo de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, doravante

Leia mais

FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO

FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO São Paulo 2011 1 SUMÁRIO TÍTULO I - DA FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS... 4 TÍTULO

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

CAPÍTULO I - DO FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

CAPÍTULO I - DO FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS ESTATUTO. Centro Universitário Cândido Rondon/UNIRONDON Abril de 2013 SUMÁRIO TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO, SEUS OBJETIVOS E AUTONOMIA CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO II - DOS OBJETIVOS CAPÍTULO III

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG

REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG CAPÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS. Art. 1º - A Educação a Distância EaD é uma modalidade

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE 1 ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Capítulo I Da Instituição Capítulo II Dos Objetivos Capítulo III Da Autonomia TÍTULO

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL Consultoria Técnica Delta Teresinha Buchfink Sandra Elena Gehlen Inhoqui Brasília, 2011 1 SUMÁRIO TÍTULO I... 5 DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS... 5 TÍTULO

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA MÉDICA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Curso de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Marília constitui modalidade de ensino de pós-graduação, lato sensu, caracterizado por

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado Stricto Sensu em Matemática (PMAT) da Universidade Federal de Itajubá têm por objetivo formar

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA Instituto de Física Instituto de Geociências Instituto de Matemática Observatório do Valongo CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA REGULAMENTO I DOS OBJETIVOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

REGULAMENTO DA EXTENSÃO Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF

REGULAMENTO DA EXTENSÃO Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF REGULAMENTO DA EXTENSÃO Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF 2010 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 DAS AÇÕES EXTENSIONISTAS... 4 CAPÍTULO III... 6 DA COMPETÊNCIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DO -CAEx CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art.1º O Conselho Acadêmico de Atividades de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, é um órgão

Leia mais

PLANO DE GESTÃO (2014-2018)

PLANO DE GESTÃO (2014-2018) PLANO DE GESTÃO (2014-2018) Reitor: Prof. Dr. Fernando Guaragna Martins Vice-Reitor: Prof. Dr. Leonardo Beroldt Porto Alegre, junho de 2014. PLANO DE GESTÃO (2014-2018) AVANÇAR PARA CONSOLIDAR! A Uergs

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

FACULDADE DE MACAPÁ - FAMA REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

FACULDADE DE MACAPÁ - FAMA REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Diretoria de Documentos e Gestão Matricial de CPA FACULDADE DE MACAPÁ - FAMA REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Macapá - 2015 Rodrigo Galindo Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO Nº 6/2014 O Diretor da Faculdade de Direito no uso de suas atribuições, altera a resolução 13/2005 que passará a ter a seguinte redação: TÍTULO I: DOS OBJETIVOS Art. 1º. A avaliação institucional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 45 -CONSUP/IFAM, de 13 de julho de 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 45 -CONSUP/IFAM, de 13 de julho de 2015. RESOLUÇÃO Nº. 45 -CONSUP/IFAM, de 13 de julho de 2015. O Magnífico Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas IFAM, neste ato como Presidente do Conselho Superior, órgão

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO N. 001 /2001 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Dr. Germano Alonso Shimizu, Diretor da FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IF-SC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais