AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA AVALIAÇÕES INTERDISCIPLINARES. Paripiranga 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA AVALIAÇÕES INTERDISCIPLINARES. Paripiranga 2014"

Transcrição

1 1 AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA AVALIAÇÕES INTERDISCIPLINARES Paripiranga 2014

2 2 SUMÁRIO 1. DEFINIÇÃO CURSOS, PERÍODOS E/OU TURMAS QUE SÃO INTERDISCIPLINARES DIFERENÇAS ENTRE AS PROVAS INTERDISCIPLINARES DA FACULDADE AGES AVALIAÇÃO INTEDISCIPLINAR DE PRIMEIRO PERÍODO PRIMEIRO MOMENTO DA AVALIAÇÃO SEGUNDO MOMENTO DA AVALIAÇÃO TERCEIRO MOMENTO DA AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTEDISCIPLINAR DOS DEMAIS PERÍODOS PRIMEIRO MOMENTO DA AVALIAÇÃO SEGUNDO MOMENTO DA AVALIAÇÃO TERCEIRO MOMENTO DA AVALIAÇÃO CÁLCULO DAS AVALIAÇÕES INTERDISCIPLINARES AVALIAÇÕES DOS PRIMEIROS PERÍODOS AVALIAÇÕES DOS DEMAIS PERÍODOS OBSERVAÇÕES SOBRE ÀS AVALIAÇÕES INTERDISCIPLINARES OBSERVAÇÕES REFERENTES ÀS AVALIAÇÕES DOS PRIMEIROS PERÍODOS OBSERVAÇÕES REFERENTES ÀS AVALIAÇÕES DOS DEMAIS PERÍODOS CHOQUES NOS HORÁRIOS DAS AVALIAÇÕES ANEXOS... 20

3 3 1. DEFINIÇÃO O MEC/INEP em seu documento sobre o Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância/2012 define interdisciplinaridade como: É uma estratégia de abordagem e tratamento do conhecimento em que duas ou mais disciplinas/unidades curriculares, ofertadas simultaneamente, estabelecem relações de análises e interpretação de conteúdos, com fim de propiciar condições de apropriação, pelo discente, de um conhecimento mais abrangente e contextualizado. (MEC/Inep, 2012) Na Faculdade Ages as avaliações em determinados cursos são interdisciplinares. Essas avaliações unem todas as disciplinas de determinado período em apenas uma avaliação. Tal prova é constituída por um caso que contempla o conteúdo e competências que são dispostos gradativamente de acordo com a etapa da avaliação (50% ou 100%). Então, partindo dessa situação-problema o acadêmico deverá usar do seu aprendizado e do seu conhecimento para diagnosticar e propor possíveis soluções. Nessa perspectiva, a Faculdade AGES trabalha a interdisciplinaridade, buscando respeitar o território de cada campo do conhecimento, bem como distinguir os pontos que os unem e que os diferenciam. Acredita-se que essa é a condição básica para detectar as áreas em que se possam estabelecer as conexões possíveis. São adotadas práticas pedagógicas voltadas para a formação do aluno, visando o exercício da cidadania plena e respeitando a individualidade de cada um, utilizando-se de conteúdos interdisciplinares e contextualizados. (Projeto Pedagógico Institucional Faculdade Ages)

4 4 2. CURSOS, PERÍODOS E/OU TURMAS QUE SÃO INTERDISCIPLINARES O sistema de avaliações interdisciplinares ainda não foi implantado em todos cursos e períodos da IES, pois em educação os processos se dão de forma gradativa. Assim sendo, na Faculdade Ages os cursos, períodos e turmas que possuem a avaliação interdisciplinar atualmente, são: CURSO TURNO PERÍODO TURMA I - NOT II A CIÊNCIAS BIOLÓGICAS B III - IV A E B I - CAL II C D III - IV B E C EDUCAÇÃO FÍSICA NOT I - CAL I - I - II A B NOT III - IV - V - VI - VII - ENFERMAGEM VIII - IX - I - II C CAL D III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - NOT I - ENGENHARIA CIVIL II - CAL I - II B C FÍSICA NOT I - II - CAL I - II - NUTRIÇÃO NOT I -

5 II - CAL I - II - QUÍMICA NOT I - II - CAL I - II - 5

6 6 3. DIFERENÇAS ENTRE AS PROVAS INTERDISCIPLINARES DA FACULDADE AGES Como foi visto anteriormente são diversas turmas em que a interdisciplinaridade está sendo aplicada. Mas existem dois tipos de avaliações interdisciplinares na Faculdade Ages: as avaliações interdisciplinares de primeiro período e as dos demais períodos. Será apresentada a seguir a definição de cada uma delas bem como suas principais diferenças. É importante salientar que é comum aos dois tipos de provas apenas a quantidade de dias de provas, no caso, 03 dias, também chamados de momentos AVALIAÇÃO INTEDISCIPLINAR DE PRIMEIRO PERÍODO Na Faculdade Ages a matriz curricular dos primeiros períodos é composta por duas disciplinas básicas que é comum a todos os cursos e sempre será ofertada no primeiro semestre do curso. São elas: Metodologia do Trabalho Científico (MTC) e Produção Textual (PT). As demais disciplinas do período são chamadas de específicas, cada turma possui geralmente 05 disciplinas no total. A interdisciplinaridade presume que as competências sejam estudadas e analisadas em conjunto, mas de que modo poderia ligar as competências de MTC e PT com as demais disciplinas? Para uma melhor visualização e estudo é importante saber quais são as ementas de MTC e PT. METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO EMENTA COMPETÊNCIAS Introdução ao pensamento científico. Introdução a História e Filosofia da Ciência. Ciência Contemporânea. Revoluções científicas. Formas de conhecimento: senso comum, conhecimento científico, conhecimento religioso. O método científico e sua aplicação na produção do conhecimento científico. A pesquisa científica. O texto científico e suas características. Método e eficiência no estudo. A importância da leitura. Resumos e esquemas de textos. Orientações para a elaboração de trabalhos científicos: a resenha, o artigo, a monografia, trabalhos de pós-graduação. A comunicação oral: seminários e painel. Compreender o que é ciência. Diferenciar as formas de conhecimento. Compreender as bases e os fundamentos da Metodologia Científica a partir do conhecimento popular, religioso, filosófico e científico. Compreender a importância pelo hábito da leitura e a disciplina do estudo. Elaborar resumos, resenhas, ensaio, fichamentos e esquemas de textos. Conhecer e aplicar as ferramentas necessárias para a pesquisa científica através dos meios eletrônicos disponíveis. Conhecer e aplicar as normas da ABNT e técnicas na construção acadêmica. Ampliar e sistematizar seus conhecimentos em uma determinada área de interesse. Conhecer os procedimentos metodológicos. Classificar as pesquisas com base nos procedimentos metodológicos. Elaborar trabalhos científicos: artigo e a

7 7 monografia. Desenvolver a percepção da importância de participar de eventos científicos. Desenvolver a competência da apresentação de trabalhos orais, seminários e painéis. PRODUÇÃO DE TEXTO EMENTA O estudo da linguagem como objeto científico e fonte de pesquisa de variadas áreas do conhecimento esportivo educacional. Análise de aspectos linguísticos a partir de leituras e produção de textos. Leitura crítica e analítica de textos. Produção de textos orais e escritos coerentes, coesos e funcionais. COMPETÊNCIAS Conhecer e compreender o método ativo e suas implicações pedagógicas. Compreender a importância pelo hábito da leitura e a disciplina do estudo. Ampliar as concepções de texto, leitura e linguagem. Estabelecer relações entre diferentes textos. Interpretar diferentes textos. Ampliar a capacidade de escrever. Ler textos não-verbais. Melhorar o discurso oral. Escrever com coerência e coesão. Escrever com parâmetros da norma culta. Discutir e escrever sobre a linguagem e suas formas de poder. Compreender as tipologias argumentativas É difícil imaginar como esses conteúdos podem ser aplicados e estudado de forma conjunta com as demais disciplinas, então foi criado na Faculdade Ages um método diferente para essa avaliação. Dessa forma, essas competências serão avaliadas de forma individual e ao mesmo tempo juntas. Ficará mais fácil de visualizar tais procedimentos observando individualmente cada momento da avaliação PRIMEIRO MOMENTO DA AVALIAÇÃO No primeiro momento o aluno recebe a avaliação com o caso e as competências de MTC e PT, mas não das demais disciplinas. As atribuições para essa primeira parte são as seguintes: Primeira etapa: Na primeira etapa, deverá ser realizado: a) Mapa conceitual do caso e/ou texto: do caso focará os problemas e, dos textos conceitos. b) No mínimo três parágrafos explicativos das relações que foram colocados no mapa. c) Será disponibilizada uma folha (02 laudas) para resolução da primeira parte da prova. (frente e verso).

8 8 Nessa primeira parte da avaliação o aluno responderá apenas em relação às competências de MTC e PT. Ele deverá tomar como base as orientações passadas anteriormente e os critérios de correção que estão contidos nos quadros específicos de cada disciplina. Tais quadros seguem a seguir (e estão inseridas também na avaliação): Critérios de correção da primeira etapa: Metodologia do Trabalho Científico: 1. Mapa Conceitual Critérios Pontuação Obtida Organização do pensamento/objetividade (1,0) Problemas do caso (1,5) Apresentação em palavras- chave (1,0) Estabelecimento de relações (1,5) Olhar interdisciplinar (1,0) Referência e citação (2,0) Total 2. Parágrafos explicativos das relações do mapa: Os parágrafos devem mostrar as relações existentes no mapa. (1,0) Unidade de relação de parágrafo a parágrafo. (1,0) Produção de Texto: Critérios Pontuação Obtida Unidade (perfeita relação entre as orações, (2,0) períodos e parágrafos). Coerência (perfeita relações de sentido (2,0) geral do parágrafo/texto). Coesão (uso dos conectivos, ausência dos (2,0) conectivos e pontuação). Acentuação, ortografia, concordância e (2,0) regência. Apresentação (organização, legibilidade, (1,0) margem, visibilidade e outros). Adequação da citação ao texto. (1,0) Total

9 9 O primeiro quadro será utilizado pelo professor de MTC e o segundo será utilizado pelo professor de PT para fazer a correção e atribuição dos pontos. É possível observar que o valor total de pontos para cada disciplina é igual a 10 (dez). O que está relacionado à distribuição de pontos e cálculos será explicado posteriormente SEGUNDO MOMENTO DA AVALIAÇÃO No segundo momento de avaliação o aluno receberá a primeira parte da avaliação, incluindo a folha de respostas e a segunda parte da avaliação com as competências das disciplinas específicas. Conforme é explicado na própria avaliação: Segunda etapa: o aluno elaborará texto dissertativo orientado com as competências das disciplinas especificas. Serão disponibilizadas três folhas (06 laudas) para resolução da segunda parte da prova. (frente e verso). Ou seja, o aluno deverá utilizar os quadros de competências das disciplinas específicas e redigir um texto dissertativo interdisciplinar, contendo todas as competências de todas as disciplinas. As competências de MTC e PT são fixas, todas as avaliações dos primeiros períodos possuem os mesmos quadros e competências. Já as competências das disciplinas específicas são variáveis, uma vez que depende de cada disciplina e período TERCEIRO MOMENTO DA AVALIAÇÃO O terceiro momento da avaliação, conforme a orientação que consta na avaliação, será para a continuação da segunda parte. Assim, o aluno usará esse momento para finalizar a avaliação, por conta disso, essa terceira parte da prova é opcional: Terceira etapa: continuação da segunda etapa. Serão disponibilizadas duas folhas (04 laudas) para continuação da segunda parte da prova. (frente e verso) AVALIAÇÃO INTEDISCIPLINAR DOS DEMAIS PERÍODOS Diferente da avaliação de primeiro período, a avaliação dos demais períodos já vem completa, com as competências de todas as disciplinas. Uma vez que do segundo período em diante não tem mais as disciplinas MTC e PT, a sistemática dessa avaliação é um pouco diferente.

10 PRIMEIRO MOMENTO DA AVALIAÇÃO No primeiro momento o aluno recebe a avaliação com o caso e as competências de todas as disciplinas, mas não das demais disciplinas. As atribuições para essa primeira parte são as seguintes: Primeira etapa: Na primeira etapa, deverá ser realizado: 1. Mapa conceitual dos problemas; com texto explicativo das relações estabelecidas no mapa; 2. Perguntas de aprendizagem; 3. Objetivos de aprendizagem; 4. Hipóteses explicativas ou hipóteses de solução 5. Serão disponibilizadas três folhas (frente e verso) para resolução do mapa. Observações: a. Todas as propostas devem estar relacionadas ao caso e as competências. b. As quatro propostas dessa primeira parte são feitas sem consulta. c. O estudante devolve a avaliação junto com suas propostas e anota para levar suas perguntas e hipóteses para estudo e pesquisa. d. A nota é única para todas as disciplinas. Essa será corrigida em conjunto pelo grupo de professores na IES com acompanhamento, também, do coordenador pedagógico e orientadores técnicos e adjuntos. Conforme bem explicado nas orientações acima, nesse primeiro momento de avaliação, o aluno deverá construir um mapa relacionado ao caso. Além disso, deverá também fazer as perguntas, objetivos e hipóteses todos esses elementos deverão ser construídos com o intuito de auxiliar na resolução do caso. Esse primeiro momento de avaliação é sem consulta. Junto com essas orientações, vem também o quadro com os critérios para correção de todos esses elementos citados. Mapa conceitual Valor 0,5 ( ) Organização do pensamento/objetividade; ( ) Problemas do caso; ( ) Apresentação em palavras-chave; ( ) Estabelecimento de relações ( ) Olhar interdisciplinar Explicação do mapa: Valor 0,25 ( ) explica as relações existentes no mapa Perguntas de aprendizagem: Valor 0,5 ( ) possibilitam a explicação ou solução do caso ( ) complexidade ( ) relação com os problemas ( ) clareza linguística ( ) abordagem de todas as competências Objetivos de aprendizagem: Valor 0,5 ( ) relacionam-se com as perguntas e/ou problemas

11 11 ( ) tem clareza linguística Hipóteses explicativas/solução: Valor 0,5 ( ) complexidade ( ) relacionam-se com as perguntas e/ou problemas ( ) tem clareza linguística Confronto de hipóteses Valor 0,5 ( ) atende todas as hipóteses ( ) 75% das hipóteses ( ) 50% das hipóteses ( ) 25% das hipóteses ( ) 0% das hipóteses Tomada de posição Valor 0,25 Todos os elementos desse quadro são critérios para correção do primeiro dia, com exceção do último (tomada de posição) que, obviamente, só poderá acontecer no final, depois, junto com a resolução do caso SEGUNDO MOMENTO DA AVALIAÇÃO No segundo momento de avaliação o aluno deverá buscar, a partir das perguntas que fez no primeiro momento e de suas pesquisas e fundamentações teóricas, fazer a discussão, lembrando sempre de buscar alcançar as disciplinas de cada disciplina: Segunda etapa: o aluno discute as perguntas de aprendizagem em texto único, fundamentando-se teoricamente, acrescentando outros elementos necessários para abordar todas as competências (caso isso não tenha sido alcançado com as perguntas de aprendizagem). Serão disponibilizadas 05 folhas (frente e verso) para resolução do caso. Observações: a. No terceiro dia, o aluno poderá continuar a segunda etapa; b. A nota é individual para cada disciplina. As competências de cada disciplina já estão inseridas na avaliação que é entregue no primeiro momento, portanto, tanto no segundo quando no terceiro momento são adicionadas apenas as folhas para que aluno responda a avaliação.

12 TERCEIRO MOMENTO DA AVALIAÇÃO O terceiro momento é, obviamente, o fechamento do caso, onde o aluno deverá confrontar as hipóteses construídas no primeiro momento de avaliação e fazer a tomada de decisão final: Terceira etapa: após a teorização, o aluno deverá confrontar as hipóteses levantadas na primeira etapa, confirmando-as ou negando-as, acrescentando outros elementos necessários para o confronto. A nota é única para todas as disciplinas. A correção, também, será conjunta. Serão disponibilizadas três folhas (frente e verso) para conclusão do caso.

13 13 4. CÁLCULO DAS AVALIAÇÕES INTERDISCIPLINARES Por conta das diferenças que já foram apresentadas anteriormente, o cálculo das avaliações é diferente. Assim, a explicação será dada separadamente. 4.1.AVALIAÇÕES DOS PRIMEIROS PERÍODOS O cálculo das avaliações dos primeiros períodos é dividida em três partes: Nota de MTC + PT (a); Nota de cada disciplina específica (b); Soma de a + b. Nesse sistema de avaliação as notas de MTC e PT equivalem a 30% da nota, assim sendo, depois de corrigir essas duas disciplinas é necessário aplicar uma fórmula simples: (NOTA DE MTC + NOTA DE PT / 2) X 0,3 Ou seja, primeiramente tira a média de MTC + PT e depois disso calcula-se os 30% da média das duas disciplinas. Tal cálculo juntamente com a fórmula está disposto de forma autoexplicativa na primeira parte das avaliações. Segue exemplo abaixo: MÉDIA NOTA MTC/PT NOTA MTC 8,5 NOTA PT 7,6 MÉDIA DE MTC/PT (NOTA 1+NOTA 2/2 X 0,3): 2,41 Em seguida é necessário fazer o cálculo das disciplinas específicas. Se as notas de MTC e PT equivalem a 30% do valor total da avaliação, então a nota da disciplina específica equivale a 70% do valor da avaliação. É importante salientar que diferente de MTC e PT que são calculadas juntas, as disciplinas específicas são calculadas separadamente. O quadro com esse cálculo está localizado na segunda parte da avaliação. Conforme o exemplo abaixo:

14 14 DISCIPLINA 01 DISCIPLINA 02 DISCIPLINA 03 NOTA ESPECIFICA NOTA ESPECIFICA NOTA ESPECIFICA (NOTA GERAL 7,5 (NOTA GERAL 9,6 (NOTA GERAL PROFESSOR X 0,7) PROFESSOR X 0,7) PROFESSOR X 0,7) RESULTADO FINAL 5,25 RESULTADO FINAL 6,72 RESULTADO FINAL 6,1 4,27 Depois disso, é necessário somar o valor de cada disciplina específica com o a nota de MTC/PT. O resultado dessa soma será o valor final da nota das disciplinas específicas. O quadro com esse cálculo está na primeira parte da avaliação. Segue abaixo o exemplo: DISCIPLINA 01 DISCIPLINA 02 DISCIPLINA 03 COMPETÊNCIA TRNSVERSAL (MÉDIA MTC/PT) COMPETÊNCIA ESPECÍFICA NOTA FINAL 2,41 5,25 6,72 4,27 7,66 9,13 6,68 Assim sendo, no exemplo que foi dado, as notas finais de cada disciplina seria: MTC = 8,5 PT = 7,6 DISCIPLINA 01 = 7,66 DISCIPLINA 02 = 9,13 DISCIPLINA 03 = 6, AVALIAÇÕES DOS DEMAIS PERÍODOS Assim como nas avaliações dos primeiros períodos, o cálculo das avaliações dos demais períodos também são divididas em três partes: Nota da primeira parte da avaliação (a); Nota das disciplinas (b); Soma de a + b.

15 15 Nesse sistema a primeira parte da avaliação equivale a 30% da nota, no caso, 3,0 pontos. Os outros 70%, evidentemente, é atribuído a cada disciplina. As correções dessa primeira parte da avaliação são feitas a partir do quadro que foi apresentado anteriormente. Segue um exemplo de correção da primeira parte da avaliação: Mapa conceitual Valor 0,5 ( x ) Organização do pensamento/objetividade; ( x ) Problemas do caso; ( x ) Apresentação em palavras-chave; 0,3 ( ) Estabelecimento de relações ( ) Olhar interdisciplinar Explicação do mapa: Valor 0,25 ( x ) explica as relações existentes no mapa 0,25 Perguntas de aprendizagem: Valor 0,5 ( x ) possibilitam a explicação ou solução do caso ( ) complexidade ( x ) relação com os problemas 0,4 ( x ) clareza linguística ( x ) abordagem de todas as competências Objetivos de aprendizagem: Valor 0,5 ( x ) relacionam-se com as perguntas e/ou problemas 0,5 ( x ) tem clareza linguística Hipóteses explicativas/solução: Valor 0,5 ( ) complexidade ( x ) relacionam-se com as perguntas e/ou 0,34 problemas ( x ) tem clareza linguística Confronto de hipóteses Valor 0,5 ( ) atende todas as hipóteses ( ) 75% das hipóteses ( x ) 50% das hipóteses 0,5 ( ) 25% das hipóteses ( ) 0% das hipóteses Tomada de posição Valor 0,25 0,25 TOTAL 2,54 Depois disso, haverá a correção individual de cada disciplina de acordo com suas competências. Diferente da avaliação dos primeiros períodos, nessa o professor já fará a correção valendo os 7,0 pontos, não sendo necessário fazer outro cálculo.

16 16 Por fim, depois de obter as notas individuais de cada disciplina, será preciso apenas somar a nota da primeira parte com a da segunda como segue no exemplo abaixo: 2,54 DISCIPLINA 01 Capacidade de produzir texto articulando teoria e caso com discussão das perguntas e competências específicas das áreas NOTA FINAL DISCIPLINA 02 DISCIPLINA 03 DISCIPLINA 04 DISCIPLINA 05 6,5 3,2 7,0 2,7 4,3 9,04 5,74 9,54 5,24 6,84 Assim sendo, no exemplo que foi dado, as notas finais de cada disciplina seria: DISCIPLINA 01 = 9,04 DISCIPLINA 02 = 5,74 DISCIPLINA 03 = 9,54 DISCIPLINA 04 = 5,24 DISCIPLINA 05 = 6,84

17 17 5. OBSERVAÇÕES SOBRE ÀS AVALIAÇÕES INTERDISCIPLINARES Por conta das suas sistemáticas diferentes, as avaliações interdisciplinares tem algumas peculiaridades que tanto o aluno quanto o professor e os próprios funcionários devem estar cientes. Evidentemente cada tipo de avaliação tem observações diferentes, assim, em seguida serão apresentadas cada uma das observações referentes a cada tipo de avaliação. períodos: 5.1.OBSERVAÇÕES REFERENTES ÀS AVALIAÇÕES DOS PRIMEIROS PERÍODOS Segue abaixo o quadro com as observações referentes às avaliações interdisciplinares dos primeiros OBSERVAÇÕES EM RELAÇÃO ÀS AVALIAÇÕES INTERDISCIPLINARES DOS PRIMEIROS PERÍODOS 1. O aluno que faz duas ou mais disciplinas específicas (aquelas que não são nem MTC e nem PT) fará os 03 dias da avaliação com mapa, parágrafos explicativos e texto dissertativo. 2. O aluno que faz apenas 01 (uma) disciplina específica (que não seja MTC/PT), fará a avaliação apenas no segundo dia com uma dissertação sem mapa conceitual. 3. O aluno que faz apenas MTC e PT (juntas) fará somente o primeiro dia com mapa e dissertação a respeito do mapa. 4. O aluno que faz apenas MTC fará apenas o primeiro dia com o mapa conceitual e os parágrafos explicativos. 5. O aluno que faz apenas PT fará apenas o primeiro dia com o mapa e a dissertação a respeito do mapa. 6. O aluno que faz apenas PT e uma disciplina específica, fará apenas o segundo dia com o texto dissertativo sem mapa. 7. O aluno que faz MTC e uma disciplina específica fará o primeiro e o segundo dia (sendo o terceiro dia opcional) com mapa, parágrafos explicativos e texto dissertativo. 8. O aluno que, seguindo as regras acima, tiver que fazer os três dias de prova e: - não comparecer no primeiro dia de avaliação; ou - deixar a folha de resposta em branco ou sem o mapa e/ou parágrafos Não poderá fazer o mapa e/ou parágrafos explicativos na segunda etapa, caso faça, será desconsiderado pelo professor e não terá atribuição da nota. 9. Só serão atribuídas notas às respostas que forem feitas nas suas respectivas etapas, ou seja, mapa e parágrafos explicativos na primeira etapa (primeiro dia) e texto dissertativo interdisciplinar na segunda etapa e terceira etapas (segundo e terceiro dias).

18 18 períodos: 5.2.OBSERVAÇÕES REFERENTES ÀS AVALIAÇÕES DOS DEMAIS PERÍODOS Segue abaixo o quadro com as observações referentes às avaliações interdisciplinares dos demais OBSERVAÇÕES EM RELAÇÃO ÀS AVALIAÇÕES INTERDISCIPLINARES DOS DEMAIS PERÍODOS 1. O aluno que faz apenas 01 (uma) disciplina fará a avaliação no primeiro dia com uma dissertação sem mapa conceitual. 2. O aluno que faz 02 (duas) disciplinas ou mais fará os três dias de prova com todas as competências e critérios exigidos.

19 19 6. CHOQUES NOS HORÁRIOS DAS AVALIAÇÕES Pelo fato da avaliação interdisciplinar conter todas as disciplinas do período, a avaliação não ocorre necessariamente no dia da disciplina. Geralmente o segundo momento acontece uma semana depois do primeiro momento e o terceiro ocorre no dia seguinte ao segundo dia. Por conta disso, existem muitos casos choques nos horários de prova de alunos que fazem disciplinas em períodos e cursos diferentes. Por exemplo, o aluno que é do 5º período de enfermagem, no entanto, só faz 03 disciplinas desse período, as outras duas são respectivamente do 2º e 6º. Supõe-se que o primeiro momento da prova do 5º e 6º período sejam no mesmo dia, o que fazer? Quando isso ocorrer o aluno deve adotar as seguintes orientações: AVISO PARA OS ALUNOS QUE FAZEM PROVAS INTERDISCIPLINARES! Os calendários de provas interdisciplinares de 50% e 2ª chamada de 50% já estão disponíveis no site da Faculdade Ages, acessem e olhem suas datas de provas para verificar se há algum tipo de choque; Caso haja choque em horário de prova, os alunos deverão entrar em contato com a Diretoria de Ensino (antiga Coordenação Pedagógica) PESSOALMENTE até, no máximo, 05 (cinco) dias antes da data da primeira etapa da avaliação; Se forem relatados choques depois desse prazo o aluno deverá optar entre fazer as avaliações no mesmo horário ou realizar a segunda chamada (COM ÔNUS); O aluno não poderá fazer a avaliação em outra turma ou turno diferente sem antes passar na Diretoria de Ensino (antiga Coordenação Pedagógica); Informamos que não é considerado choque de avaliação provas nos horários de 7h e 9h no mesmo dia; Caso o aluno tenha 3 (três) avaliações no mesmo dia, a Diretoria de Ensino fica responsável de mudar uma das avaliações apenas se as mesmas forem em 3 (três) turnos diferentes (manhã, tarde e noite); É importante salientar que o fato do aluno passar na Diretoria de Ensino (antiga Coordenação Pedagógica) não resulta, necessariamente, na liberação. Cada caso será registrado e visto individualmente;

20 20 7. ANEXOS MODELO DA PRIMEIRA PARTE DA AVALIAÇÃO DE PRIMEIRO PERÍODO AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DIRETORIA DE ENSINO 1ª PARTE II DA AVALIAÇÃO PROGRESSIVA DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 100% DISCIPLINAS PROFESSOR (A) DATA PRODUÇÃO DE TEXTO ( ) sim ( ) não METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTIFICO ( ) sim ( ) não DISCIPLINA 01 ( ) sim ( ) não DISCIPLINA 02 ( ) sim ( ) não DISCIPLINA 03 ( ) sim ( ) não ACADÊMICO (A): DO ACADÊMICO (letras de forma): Critérios de Aplicação da Avaliação 1. As respostas devem ter clareza, coerência, organização, uso correto da língua portuguesa; 2. Respostas à caneta azul ou preta; Questões respondidas a lápis serão desconsideradas. 3. É proibido o uso de celular, notebook e fone de ouvido; 4. Consulta somente ao material específico da disciplina (obras, cadernos, dicionários); 5. Proibido empréstimo de qualquer material entre alunos; 6. Após recebimento da prova, não será permitida a saída da sala sem autorização do aplicador; 7. O aluno que usar de meios ilícitos para realização da prova automaticamente zera a avaliação; 8. Fica o aplicador autorizado a recolher a avaliação em caso de qualquer anormalidade. 00/00/ /00/ /00/ CURSO/ PERÍODO/TURNO: I PERIODO DE / NOT/CAL CEL: MÉDIA NOTA MTC/PT NOTA MTC NOTA PT MÉDIA DE MTC/PT (NOTA 1+NOTA 2/2 X 0,3): COMPETÊNCIA TRNSVERSAL (MÉDIA MTC/PT) INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS DE BIOLOGIA PROFISSIONALIZAÇÃO DOCENTE: TRABALHO E ÉTICA PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO COMPETÊNCIA ESPECÍFICA NOTA FINAL

21 21 ORIENTAÇÃO PARA AVALIAÇÃO INTERDISCIPLINAR A prova é com consulta O aluno não deve esquecer-se de assinar com X as disciplinas que cursa. OBSERVAÇÕES EM RELAÇÃO ÀS AVALIAÇÕES INTERDISCIPLINARES DOS PRIMEIROS PERÍODOS 1. O aluno que faz duas ou mais disciplinas específicas (aquelas que não são nem MTC e nem PT) fará os 03 dias da avaliação com mapa, parágrafos explicativos e texto dissertativo. 2. O aluno que faz apenas 01 (uma) disciplina específica (que não seja MTC/PT), fará a avaliação apenas no segundo dia com uma dissertação sem mapa conceitual. 3. O aluno que faz apenas MTC e PT (juntas) fará somente o primeiro dia com mapa e dissertação a respeito do mapa. 4. O aluno que faz apenas MTC fará apenas o primeiro dia com o mapa conceitual e os parágrafos explicativos. 5. O aluno que faz apenas PT fará apenas o primeiro dia com o mapa e a dissertação a respeito do mapa. 6. O aluno que faz apenas PT e uma disciplina específica, fará apenas o segundo dia com o texto dissertativo sem mapa. 7. O aluno que faz MTC e uma disciplina específica fará o primeiro e o segundo dia (sendo o terceiro dia opcional) com mapa, parágrafos explicativos e texto dissertativo. 8. O aluno que, seguindo as regras acima, tiver que fazer os três dias de prova e: - não comparecer no primeiro dia de avaliação; ou - deixar a folha de resposta em branco ou sem o mapa e/ou parágrafos Não poderá fazer o mapa e/ou parágrafos explicativos na segunda etapa, caso faça, será desconsiderado pelo professor e não terá atribuição da nota. 9. Só serão atribuídas notas às respostas que forem feitas nas suas respectivas etapas, ou seja, mapa e parágrafos explicativos na primeira etapa (primeiro dia) e texto dissertativo interdisciplinar na segunda etapa e terceira etapas (segundo e terceiro dias). Primeira etapa: Na primeira etapa, deverá ser realizado: 1. Mapa conceitual do caso e/ou texto: do caso focará os problemas e, dos textos conceitos. 2. No mínimo três parágrafos explicativos das relações que foram colocados no mapa. 3. Será disponibilizada uma folha (2 laudas) para resolução da primeira parte da prova. (frente e verso). Observações: a. Todas as propostas devem estar relacionadas ao caso e as competências. b. A nota do mapa e dos parágrafos explicativos corresponde a nota da disciplina MTC. c. A correção da estrutura textual em termos macro e micro corresponde a nota da disciplina de Produção de Texto. d. A média da nota de MTC com PT terá peso 3 somado a nota das disciplinas especificas. e. O estudante devolve a avaliação junto com suas propostas. f. As disciplinas especificas terão como resultado final os 30% das notas das competências transversais mais os 70% das especificas.

22 22 Critérios de correção da primeira etapa: Metodologia do Trabalho Científico: 1. Mapa Conceitual Critérios Pontuação Obtida Organização do pensamento/objetividade (1,0) Problemas do caso (1,5) Apresentação em palavras- chave (1,0) Estabelecimento de relações (1,5) Olhar interdisciplinar (1,0) Referência e citação (2,0) Total 2. Parágrafos explicativos das relações do mapa: Os parágrafos devem mostrar as relações existentes no mapa. (1,0) Unidade de relação de parágrafo a parágrafo. (1,0) Produção de Texto: Critérios Pontuação Obtida Unidade (perfeita relação entre as orações, (2,0) períodos e parágrafos Coerência (perfeita relações de sentido geral (2,0) do parágrafo / texto. Coesão(uso dos conectivos, ausência dos (2,0) conectivos e pontuação Acentuação, ortografia, concordância e (2,0) regência Apresentação (organização, legibilidade, (1,0) margem, visibilidade e outros) Adequação da citação ao texto (1,0) Total Segunda etapa: o aluno elaborará texto dissertativo orientado com as competências das disciplinas especificas. Serão disponibilizadas três folhas (6 laudas) para resolução da segunda parte da prova. (frente e verso). Terceira etapa: continuação da segunda etapa. Serão disponibilizadas duas folhas (4 laudas) para continuação da segunda parte da prova. (frente e verso). CASO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO.

23 23 MODELO DA SEGUNDA PARTE DA AVALIAÇÃO DE PRIMEIRO PERÍODO AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DIRETORIA DE ENSINO 2ª PARTE II DA AVALIAÇÃO PROGRESSIVA DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DE - 100% DISCIPLINAS PROFESSOR (A) DATA PRODUÇÃO DE TEXTO ( ) sim ( ) não METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTIFICO ( ) sim ( ) não DISCIPLINA 01 ( ) sim ( ) não DISCIPLINA 02 ( ) sim ( ) não DISCIPLINA 03 ( ) sim ( ) não ACADÊMICO (A): DO ACADÊMICO (letras de forma): Critérios de Aplicação da Avaliação 1. As respostas devem ter clareza, coerência, organização, uso correto da língua portuguesa; 2. Respostas à caneta azul ou preta; Questões respondidas a lápis serão desconsideradas 3. É proibido o uso de celular, notebook e fone de ouvido; 4. Consulta somente ao material específico da disciplina (obras, cadernos, dicionários); 5. Proibido empréstimo de qualquer material entre alunos; 6. Após recebimento da prova, não será permitida a saída da sala sem autorização do aplicador; 7. O aluno que usar de meios ilícitos para realização da prova automaticamente zera a avaliação; 8. Fica o aplicador autorizado a recolher a avaliação em caso de qualquer anormalidade. 00/00/ /00/ /00/ CURSO/ PERÍODO/TURNO: I PERIODO DE / NOT/CAL CEL: DISCIPLINA 01 DISCIPLINA 02 DISCIPLINA 03 NOTA ESPECIFICA (NOTA GERAL PROFESSOR X 0,7) NOTA ESPECIFICA (NOTA GERAL PROFESSOR X 0,7) NOTA ESPECIFICA (NOTA GERAL PROFESSOR X 0,7) RESULTADO FINAL RESULTADO FINAL RESULTADO FINAL Tomando como base o caso descrito na primeira parte da avaliação, bem como as referências bibliográficas, redija um texto dissertativo contendo:

24 24 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DISCIPLINA 01 VALOR NOTA TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO 2,0 TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO 2,5 TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO 2,5 DISCIPLINA 02 VALOR NOTA TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO 2,5 TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO 2,0 TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO 2,5 TEXTO TEXTO TEXTO DISCIPLINA 03 PONTUAÇÃO MÁXIMA VALOR TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO 3,0 TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO 1,5 TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO 1,5 1,0 TOTAL

25 25 MODELO DA AVALIAÇÃO DOS DEMAIS PERÍODOS AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DIRETORIA DE ENSINO II AVALIAÇÃO PROGRESSIVA DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 100% DISCIPLINAS DISCIPLINA 01 ( ) sim ( ) não DISCIPLINA 02 ( ) sim ( ) não DISCIPLINA 03 ( ) sim ( ) não DISCIPLINA 04 ( ) sim ( ) não DISCIPLINA 05 ( ) sim ( ) não ACADÊMICO (A): DO ACADÊMICO (letras de forma): PROFESSOR (A) DATA 00/00/ /00/ /00/ CURSO/ PERÍODO/TURNO: PERIODO DE / NOT/CAL CEL: Critérios de Aplicação da Avaliação 1. As respostas devem ter clareza, coerência, organização, uso correto da língua portuguesa; 2. Respostas à caneta azul ou preta; Questões respondidas a lápis serão desconsideradas 3. É proibido o uso de celular, notebook e fone de ouvido; 4. Consulta somente ao material específico da disciplina (obras, cadernos, dicionários); 5. Proibido empréstimo de qualquer material entre alunos; 6. Após recebimento da prova, não será permitida a saída da sala sem autorização do aplicador; 7. O aluno que usar de meios ilícitos para realização da prova automaticamente zera a avaliação; 8. Fica o aplicador autorizado a recolher a avaliação em caso de qualquer anormalidade. Mapa conceitual Valor 0,5 Objetivos de aprendizagem: Valor 0,5 ( ) Organização do pensamento/objetividade; ( ) relacionam-se com as perguntas e/ou problemas ( ) Problemas do caso; ( ) tem clareza lingüística ( ) Apresentação em palavras-chave; Hipóteses explicativas/solução: Valor 0,5 ( ) Estabelecimento de relações ( ) complexidade ( ) Olhar interdisciplinar ( ) relacionam-se com as perguntas e/ou problemas Explicação do mapa: Valor 0,25 ( ) tem clareza lingüística ( ) explica as relações existentes no mapa Confronto de hipóteses Valor 0,5 Perguntas de aprendizagem: Valor 0,5 ( ) atende todas as hipóteses ( ) possibilitam a explicação ou solução do caso ( ) 75% das hipóteses ( ) complexidade ( ) 50% das hipóteses ( ) relação com os problemas ( ) 25% das hipóteses ( ) clareza lingüística ( ) 0% das hipóteses ( ) abordagem de todas as competências Tomada de posição Valor 0,25 Capacidade de produzir texto articulando teoria e caso com discussão das perguntas e competências específicas das áreas DISCIPLINA 01 DISCIPLINA 02 DISCIPLINA 03 DISCIPLINA 04 DISCIPLINA 05 NOTA FINAL

26 26 ORIENTAÇÃO PARA AVALIAÇÃO INTERDISCIPLINAR O aluno que fizer apenas 01 disciplina fará apenas um texto único relacionando problemas do caso e competências, em um único dia. Primeira etapa: Na primeira etapa, deverá ser realizado: 1. Mapa conceitual dos problemas; com texto explicativo das relações estabelecidas no mapa; 2. Perguntas de aprendizagem; 3. Objetivos de aprendizagem; 4. Hipóteses explicativas ou hipóteses de solução 5. Serão disponibilizadas três folhas (frente e verso) para resolução do mapa. Observações: a. Todas as propostas devem estar relacionadas ao caso e as competências. b. As quatro propostas dessa primeira parte são feitas sem consulta. c. O estudante devolve a avaliação junto com suas propostas e anota para levar suas perguntas e hipóteses para estudo e pesquisa. d. A nota é única para todas as disciplinas. Essa será corrigida em conjunto pelo grupo de professores na IES com acompanhamento, também, do coordenador pedagógico e orientadores técnicos e adjuntos Segunda etapa: o aluno discute as perguntas de aprendizagem em texto único, fundamentando-se teoricamente, acrescentando outros elementos necessários para abordar todas as competências (caso isso não tenha sido alcançado com as perguntas de aprendizagem). Serão disponibilizadas 5 folhas (frente e verso)para resolução do caso. Observações: c. No terceiro dia, o aluno poderá continuar a segunda etapa d. A nota é individual para cada disciplina Terceira etapa: após a teorização, o aluno deverá confrontar as hipóteses levantadas na primeira etapa, confirmando-as ou negando-as, acrescentando outros elementos necessários para o confronto. A nota é única para todas as disciplinas. A correção, também, será conjunta. Serão disponibilizadas três folhas (frente e verso) para conclusão do caso. Critérios propostos para construção da avaliação 1. Todas as propostas devem estar relacionadas ao caso; 2. O texto deve está fundamentado teoricamente e discutido de acordo com a resolução do problema proposto na situação clínica; 3. Será avaliado na construção do texto a clareza, coerência, organização, uso correto da língua portuguesa, uso da terminologia científica, correlação e criticidade; COMPETÊNCIAS DISCIPLINA 01 Prof. BLÁ BLÁ TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO

27 27 DISCIPLINA 02 Prof. BLÁ BLÁ TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO DISCIPLINA 03 Prof. BLÁ BLÁ TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO DISCIPLINA 04 Prof. BLÁ BLÁ TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO DISCIPLINA 05 Prof. BLÁ BLÁ TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO CASO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS 1 Capítulo I Da Natureza Artigo 1º - O presente Regulamento tem por finalidade

Leia mais

Art. 1º - Definir o sistema de avaliação dos discentes nas disciplinas dos cursos de Graduação da FEAMIG, nos seguintes termos:

Art. 1º - Definir o sistema de avaliação dos discentes nas disciplinas dos cursos de Graduação da FEAMIG, nos seguintes termos: Belo Horizonte, 15 de julho de 2011. PORTARIA DIRETORIA ACADÊMICA Nº 10/2011 DEFINE O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FEAMIG O Diretor da Faculdade de Engenharia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA 1 2015 2 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º.

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1. Das Disposições Preliminares Art. 1 o. Este Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

DO PROJETO DE MONOGRAFIA. Art. 2º. A elaboração da monografia deverá ser precedida de elaboração e aprovação de projeto de monografia.

DO PROJETO DE MONOGRAFIA. Art. 2º. A elaboração da monografia deverá ser precedida de elaboração e aprovação de projeto de monografia. Art. 1º. Este regulamento é aplicável aos cursos que em seu projeto definiram a monografia como trabalho final, conforme previsto no Regimento Interno do Instituto Superior do Ministério Público ISMP.

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA Este regulamento normatiza as atividades relacionadas com o Projeto de Monografia e a Monografia Final da

Leia mais

Projeto: Atualização em Língua Portuguesa

Projeto: Atualização em Língua Portuguesa Projeto: Atualização em Língua Portuguesa 1-Apresentação O Projeto Atualização em Língua Portuguesa - ALP que está integrado ao aspecto interdisciplinar das atividades complementares oferecidas pela Vice-Reitoria

Leia mais

AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NÚCLEO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NÚCLEO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NÚCLEO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO MANUAL DE NORMATIZAÇÃO CONFORME RESOLUÇÃO 001/2010: elaboração, apresentação e avaliação de TCC PARIPIRANGA 2010 AGES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 004/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 004/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 004/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011. Aprova o Manual de Procedimentos para o Projeto Integrador do Curso Superior de Tecnologia em Marketing, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (PROJETO DE PESQUISA E RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA)

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (PROJETO DE PESQUISA E RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA) REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (PROJETO DE PESQUISA E RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA) ARARUAMA / RIO DE JANEIRO AGOSTO / 2013 Diretor Geral: Prof. Rogério Leopoldo Rocha Diretor Acadêmico:

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Art. 2º Dê-se ciência aos interessados e a quem de direito para que a presente produza seus efeitos. Publique-se.

R E S O L U Ç Ã O. Art. 2º Dê-se ciência aos interessados e a quem de direito para que a presente produza seus efeitos. Publique-se. RESOLUÇÃO CONSEACC/BP 27/2011 APROVA O REGULAMENTO DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTERTEC, DO CAMPUS BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO.

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º -O Trabalho de Conclusão de Curso tem por objetivos contribuir

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. O que é o TCC? O O TCC é uma atividade de síntese e integração de conhecimentos adquiridos ao longo do curso,

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE PESQUISA E ANÁLISE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS, PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO E TRABALHO

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE CASSILÂNDIA - FIC PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu

FACULDADES INTEGRADAS DE CASSILÂNDIA - FIC PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu FACULDADES INTEGRADAS DE CASSILÂNDIA - FIC PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DA MONOGRAFIA DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu DA FIC Cassilândia - 2010 APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC de Nova Odessa Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança no Trabalho Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC ESPECÍFICO PARA O CURSO DE DIREITO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC ESPECÍFICO PARA O CURSO DE DIREITO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC ESPECÍFICO PARA O CURSO DE DIREITO 2 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1 - O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade SEDAC

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade SEDAC Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade SEDAC O Trabalho de Conclusão de Curso, neste Regulamento também designado como TCC, requisito curricular obrigatório

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU O Trabalho de Conclusão de Curso, neste Regulamento também designado como TCC, requisito curricular obrigatório para todos os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de São Vicente FSV se constitui

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: : Gestão e Negócios MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Superior em Administração/Bacharelado FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP

Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TCC CURSO DE DIREITO DA FESP FACULDADES Ultima versão 21/08/2012 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CAPÍTULO I DEFINIÇÃO

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CAPÍTULO I DEFINIÇÃO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CAPÍTULO I DEFINIÇÃO Artigo 1 o. Considerando a Resolução CNE/CES N o 5, de 7 de novembro de 2001, artigo 12, a qual institui diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é exigência obrigatória para integralização curricular

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso TCC

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso TCC Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso TCC Capítulo I Das Condições Gerais 1 O aluno do curso, cuja estrutura curricular contemple o TCC, deve se matricular na disciplina conforme as normas institucionais

Leia mais

FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO JAÚ/ SP - 2014 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FAJAU REGULAMENTO APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente regulamento tem como finalidade de normatizar

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1 INTRODUÇÃO As Atividades Complementares são consideradas componentes pedagógicos próprios ao processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA ALAGOINHAS 2014 1 SUMÁRIO DAS CARACTERÍSTICAS DO PROJETO INTERDISCIPLINAR...

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

Curso de Tecnologia em Marketing. Manual. Projeto Integrador

Curso de Tecnologia em Marketing. Manual. Projeto Integrador Curso de Tecnologia em Marketing Manual Projeto Integrador Ano: 2014 2 Sumário 1. Introdução... 2. Caracterização Geral do Projeto... 3 4 2.1 Projeto Integrador I... 5 2.2 Projeto Integrador II e III...

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Componente Curricular: BIOLOGIA Série:

Leia mais

REGULAMENTO TCC (GRADUAÇÃO) MONOGRAFIA (PÓS-GRADUAÇÃO)

REGULAMENTO TCC (GRADUAÇÃO) MONOGRAFIA (PÓS-GRADUAÇÃO) REGULAMENTO TCC (GRADUAÇÃO) MONOGRAFIA (PÓS-GRADUAÇÃO) RESOLUÇÃO Nº 1/2010 Cuida da regulamentação de TCC e Monografia MANOEL FERNANDO PASSAES, ADMINISTRADOR DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E LETRAS DON DOMÊNICO

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS TI TRABALHO INTERDISCIPLINAR

NORMAS E PROCEDIMENTOS TI TRABALHO INTERDISCIPLINAR NORMAS E PROCEDIMENTOS TI TRABALHO INTERDISCIPLINAR ARUJÁ SP 2º / 2012 APRESENTAÇÃO Mais um semestre se inicia e a Faculdade de Arujá FAR está propondo um novo modelo de Trabalho Interdisciplinar. A interdisciplinaridade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) INTRODUÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e é um componente curricular obrigatório

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM NORMAS COMPLEMENTARES DE TRABALHO DE CURSO (MONOGRAFIA)

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM NORMAS COMPLEMENTARES DE TRABALHO DE CURSO (MONOGRAFIA) NORMAS COMPLEMENTARES DE TRABALHO DE CURSO (MONOGRAFIA) Art. 1º. O presente documento tem por finalidade normatizar, no âmbito dos Cursos de Graduação da Faculdade Santa Terezinha CEST, o Trabalho de Curso

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEX Nº 014/2011 Teresina, 13 de maio de 2011.

RESOLUÇÃO CEPEX Nº 014/2011 Teresina, 13 de maio de 2011. RESOLUÇÃO CEPEX Nº 014/2011 Teresina, 13 de maio de 2011. Revoga a Resolução CEPEX 003/2010 e aprova o Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação da Universidade Estadual do Piauí

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: FÍSICA

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIOANAL DO PLANALTO CENTRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PROVA INSTITUCIONAL DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACILAC

FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIOANAL DO PLANALTO CENTRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PROVA INSTITUCIONAL DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACILAC FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIOANAL DO PLANALTO CENTRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PROVA INSTITUCIONAL DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACILAC Portaria Provisória nº 01, de 20 de dezembro de 2011 Institui

Leia mais

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA OS ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG APRESENTAÇÃO Prezado(a) aluno(a): Este manual tem como objetivo orientá-lo quanto às normas do Trabalho de

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR MÚLTIPLO - IESM - PROCESSO SELETIVO IESM 2015.2 EDITAL Nº. 01/2015

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR MÚLTIPLO - IESM - PROCESSO SELETIVO IESM 2015.2 EDITAL Nº. 01/2015 INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR MÚLTIPLO - IESM - PROCESSO SELETIVO IESM 2015.2 EDITAL Nº. 01/2015 O Instituto de Ensino Superior Múltiplo - IESM, situado na Avenida Boa Vista, 700, bairro Parque São Francisco,

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DO PROJETO DE ATIVIDADES

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DO PROJETO DE ATIVIDADES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DO PROJETO DE ATIVIDADES DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Artigo 1º. O Projeto de Atividades é componente curricular obrigatório, destinado à consolidação dos desempenhos

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FGV DIREITO RIO. Capítulo I OBJETIVOS E ATRIBUTOS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FGV DIREITO RIO. Capítulo I OBJETIVOS E ATRIBUTOS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FGV DIREITO RIO Capítulo I OBJETIVOS E ATRIBUTOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um componente curricular obrigatório (RESOLUÇÃO CNE/CES

Leia mais

VESTIBULAR 2015/2 MANUAL DO CANDIDATO

VESTIBULAR 2015/2 MANUAL DO CANDIDATO VESTIBULAR 2015/2 MANUAL DO CANDIDATO PREZADO ALUNO, Encontre conosco o que busca para sua realização profissional e pessoal. Leia e reflita sobre nossos Cursos: O Curso de Licenciatura em Pedagogia forma

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Art. 1º - Este regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do Trabalho Final de Graduação (TFG) do curso de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Campus Bagé Curso de Engenharia de Computação. Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Campus Bagé Curso de Engenharia de Computação. Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Campus Bagé Curso de Engenharia de Computação Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso Capítulo I Da Caracterização e dos Objetivos Art. 1 o O Trabalho de Conclusão de

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnologia em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANTENEDORA: COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE CACHOEIRINHA MANTIDA: FACULDADE INEDI Cachoeirinha Rio Grande do Sul REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIREITO

PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIREITO PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIREITO Dispõe sobre a forma de operacionalização do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Curso de Direito. CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Engenharias

CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Engenharias CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Engenharias BELO HORIZONTE 2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento dispõe sobre as diretrizes específicas para a realização de Trabalho de Conclusão

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1. DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um processo de reflexão e elaboração intelectual

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO Aprovado pelo Colegiado do Curso através da Resolução nº 03 de 13 de agosto de 2010 NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

Leia mais

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências torna público as Normas Complementares do Processo Seletivo Ano Letivo 2015, aos candidatos a discente do Programa de Pós-Graduação em Ensino

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA REGULAMENTO DE MONOGRAFIA Lavras - 2010 Regulamento de Monografia CAPÍTULO I DA ORIGEM E FINALIDADE Art. 1º - Este regulamento disciplina a apresentação, depósito e a avaliação da Monografia de conclusão

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CURSO DE DIREITO CAPITULO I - DA NATUREZA E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CURSO DE DIREITO CAPITULO I - DA NATUREZA E OBJETIVOS REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CURSO DE DIREITO CAPITULO I - DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) constitui-se numa atividade

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Design de Moda FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE - FAPEPE APRESENTAÇÃO O presente Regulamento de Projeto de Graduação, em forma de TCC - Trabalho de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Manual Projeto Interdisciplinar Ano: 2014 2 Sumário 1. Introdução... 2. Caracterização Geral do Projeto... 3 4 2.1 Projeto Interdisciplinar I... 5 2.2

Leia mais

FABEL - FACULDADE DE BELÉM EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015.1

FABEL - FACULDADE DE BELÉM EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015.1 FABEL - FACULDADE DE BELÉM EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015.1 A Diretora da FABEL FACULDADE DE BELÉM, instituição de ensino superior autorizada a funcionar pela Portaria Ministerial nº. 675 de 17 de março

Leia mais

REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL

REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que

Leia mais

Desenvolver a capacidade de planejamento para identificar, analisar e programar abordagens e soluções para problemas reais;

Desenvolver a capacidade de planejamento para identificar, analisar e programar abordagens e soluções para problemas reais; REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS ASSIS CHATEAUBRIAND CAPÍTULO 1: DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 Este

Leia mais

NORMAS DE TRABALHO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CÂMPUS CERES DO IF GOIANO

NORMAS DE TRABALHO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CÂMPUS CERES DO IF GOIANO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CÂMPUS CERES NORMAS DE TRABALHO DE CURSO DOS

Leia mais

O EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DAS Fatecs PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 1

O EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DAS Fatecs PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 1 O EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DAS Fatecs PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 1 Esta instrução foi elaborada com base no Regulamento da Graduação e seu objetivo principal é orientar Gestores e

Leia mais

Sumário. 1. Da preparação... 3. 2. Da realização... 6. 3. Da Correção:... 8. 4. Do lançamento das notas:... 9

Sumário. 1. Da preparação... 3. 2. Da realização... 6. 3. Da Correção:... 8. 4. Do lançamento das notas:... 9 Sumário 1. Da preparação... 3 2. Da realização... 6 3. Da Correção:... 8 4. Do lançamento das notas:... 9 2 Guia de Orientações Gerais para a Prova Presencial março/abril 2014 Prezado coordenador/tutor:

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Ciências Contábeis

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Ciências Contábeis Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Ciências Contábeis MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE 2012 O

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 202 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 202 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 202 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

Regulamento TCC do curso de Relações Públicas 2014

Regulamento TCC do curso de Relações Públicas 2014 Regulamento TCC do curso de Relações Públicas 2014 O TCC do curso de Relações Públicas das Faculdades Integradas do Brasil tem dois formatos a ser escolhido pelo aluno: monografia, realizada individualmente,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL O Colegiado do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental, no uso de suas atribuições, resolve aprovar, com registro

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

FACULDADE D. PEDRO II MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE D. PEDRO II MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE SERVIÇO SOCIAL FACULDADE D. PEDRO II MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE SERVIÇO SOCIAL TÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS CAPÍTULO I DA FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO Art. 1º - Este manual destina-se

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FISIOTERAPIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FISIOTERAPIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FISIOTERAPIA Capítulo I Definições e Finalidade Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS:

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Bacharelado em Sistemas de Informação (Reconhecido pela Portaria MEC nº 315 D.O.U. 31/12/2012) Bacharelado em Administração de Empresas (Reconhecido

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Trabalho de Conclusão do Curso (TCC)

Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) CURSO DE ENFERMAGEM Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) O Trabalho de Conclusão de Curso ou Monografia constitui um instrumento que possibilita ao acadêmico a oportunidade de demonstrar o grau de habilidade

Leia mais

REGULAMENTO DA ATIVIDADE ACADÊMICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE

REGULAMENTO DA ATIVIDADE ACADÊMICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE REGULAMENTO DA ATIVIDADE ACADÊMICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE CAPÍTULO I Da Natureza e dos Objetivos Art. 1. Com base no disposto no Art. 77 do Regulamento da Graduação da Universidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 03/2014

RESOLUÇÃO N. 03/2014 RESOLUÇÃO N. 03/2014 Regulamenta os Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação e de Pós-Graduação da Faculdade Palotina O DIRETOR GERAL da Faculdade Palotina, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Manual de Orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP)

Manual de Orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de Orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de Orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA (PIP) Itu/SP 2013 Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Etapa 1 Proposta... 2 1.2 Etapa

Leia mais

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC RESOLUÇÃO DEC No 01/2013 Fixa normas para Elaboração e Apresentação dos Trabalhos de Conclusão do Curso de Graduação em Engenharia Civil. A Chefia do Departamento do Curso de Engenharia Civil, no uso de

Leia mais