MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA DE MELHORIAS SANITÁRIAS DOMICILIARES - FUNASA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA DE MELHORIAS SANITÁRIAS DOMICILIARES - FUNASA"

Transcrição

1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA DE MELHORIAS SANITÁRIAS DOMICILIARES - FUNASA

2

3 Fundação Nacional de Saúde Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa Brasília, 2014

4 Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: <www.saude.gov.br/bvs>. Tiragem: 1ª edição exemplares Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Fundação Nacional de Saúde Departamento de Engenharia de Saúde Pública (Densp) Coordenação-Geral de Engenharia Sanitária (Cgesa) Coordenação de Programas de Saneamento em Saúde (Cosas) SAS Quadra 4, Bloco N, 6º andar, Ala Sul CEP: Brasília/DF Tel.: (61) / 6622 / 6404 Homepage: Editor: Coordenação de Comunicação Social (Coesc/GabPr/Funasa/MS) Divisão de Editoração e Mídias de Rede (Diedi) SAS Quadra 4, Bloco N, 2º andar, Ala Norte CEP: Brasília/DF Capa, projeto gráfico e diagramação: Impresso no Brasil / Printed in Brazil Ficha Catalográfica Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de orientações técnicas para elaboração de propostas para o programa de melhorias sanitárias domiciliares - Funasa / Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde. Brasília : Funasa, p. 1. Abastecimento de água. 2. Água. 3. Esgoto. I. Título. II. Série. CDU 628.1

5 Sumário Apresentação 5 1 Objetivo 7 2 Melhorias Sanitárias Domiciliares MSD Sistemas para o suprimento de água Ligação domiciliar/intradomiciliar de água Poço freático (raso) Sistema para captação e armazenamento de água de chuva Reservatório elevado Reservatório semielevado Utensílios sanitários Conjunto sanitário Pia de cozinha Tanque de lavar roupas Filtro doméstico Recipiente para resíduos sólidos Sistemas para destinação de águas residuais Ligação intradomiciliar de esgoto Tanque séptico + filtro biológico Sumidouro Valas de infiltração Valas de filtração Tanque de evapotranspiração com bananeiras Aproveitamento das águas servidas 28 3 Oficina Municipal de Saneamento 31 4 Documentação técnica para proposta LENE Levantamento das necessidades de MSD Orientações para o preenchimento da LENE Exemplo de preenchimento da LENE Planta da localidade ou bairro Projeto técnico de engenharia Especificações técnicas Planilha orçamentária Cronograma físico-financeiro Peças gráficas Plano de trabalho 39 5 Considerações Finais 41 Referências Bibliográficas 43

6

7 Apresentação O presente manual objetiva subsidiar os estados, municípios, Distrito Federal e órgãos ou entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos, interessadas na elaboração de proposta para repasse de recursos não onerosos para implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares. Melhorias Sanitárias Domiciliares são intervenções promovidas nos domicílios, com o objetivo de atender às necessidades básicas de saneamento das famílias, por meio de instalações hidrossanitárias mínimas, relacionadas ao uso da água, à higiene e ao destino adequado dos esgotos domiciliares. O programa surgiu com a necessidade de promover soluções individualizadas de saneamento em diversas situações, principalmente nas pequenas localidades e periferias das cidades. O nome da atividade originou-se da abordagem feita pelos auxiliares de saneamento da antiga Fundação de Serviço Especial de Saúde Pública junto aos interessados, no sentido de que estes promovessem melhorias em seus domicílios. A partir dessa prática, o nome melhorias passou a conceituar a atividade que, pioneiramente, tornou-se um dos programas de saneamento desenvolvidos, hoje, pela Funasa. O programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares tem os seguintes objetivos: I. Implantar soluções individuais e coletivas de pequeno porte, com tecnologias apropriadas; II. III. IV. Contribuir para a redução dos índices de morbimortalidade, provocados pela falta ou inadequação das condições de saneamento domiciliar; Dotar os domicílios de melhorias sanitárias, necessárias à proteção das famílias e à promoção de hábitos higiênicos; e Fomentar a implantação de oficina municipal de saneamento.

8

9 1 Objetivo Este manual apresenta orientações técnicas e modelos das melhorias sanitárias individuais mais usuais, com a descrição e orientações quanto a sua execução, operação e manutenção, além de apresentar os critérios para a solicitação de recursos da Funasa para a execução de tais melhorias. Poderão ser propostas tecnologias diferenciadas na forma e modelo adequados para cada região e ou domicílio, uma vez que este manual não tem a pretensão de se limitar às soluções e aos modelos de saneamento individuais propostos. Os modelos de projetos técnicos de engenharia para Melhorias Sanitárias Domiciliares apresentadas neste manual, com os respectivos detalhamentos, especificações técnicas e planilhas orçamentárias, estão disponíveis no site da Funasa e poderão ser utilizados pelo proponente. Estes projetos são disponibilizados a título de exemplo e podem ser alterados conforme a necessidade e característica regional, devendo ser submetidos à análise e aprovação dos técnicos da Funasa. Quando a solução individual de melhorias sanitárias domiciliares não for viável por questões técnicas ou situações diversas, poderão ser adotadas soluções coletivas de pequeno porte. A solução coletiva está condicionada à aceitação conjunta dos moradores a serem atendidos. Entretanto, antes de decidir pela intervenção coletiva, é importante observar algumas questões: Deverá ser comprovada a posse do terreno onde a solução será construída, conforme legislação vigente; Deverá ser apresentado o licenciamento ambiental ou sua dispensa emitida por órgão ambiental competente; Deverá ser apresentado termo de responsabilidade pela operação e manutenção da solução proposta pelo proponente.

10

11 2 Melhorias Sanitárias Domiciliares MSD O conceito de melhorias sanitárias, neste programa de repasse de recursos não onerosos, está relacionado ao saneamento individual do domicílio. Na Figura 1 são apresentados esquematicamente os eixos de atuação e exemplos de itens que poderão ser solicitados dentro do programa. Estes itens podem e devem fazer parte da proposta apresentada à Funasa, na medida exata da necessidade domiciliar percebida de forma integrada e devem ser combinados de acordo com as características da localidade. Suprimento de água potável Utensílios sanitários Destinação de águas residuais Ligação domiciliar / intradomiciliar de água Poço freático (raso) Sistema de captação e armazenamento da água de chuva Reservatórios Conjunto sanitário Pia de cozinha Tanque de lavar roupa Filtro doméstico Recipiente para resíduos sólidos (lixeiras) Tanque séptico / filtro biológico Sumidouro Valas de filtração ou infiltração Sistemas de aproveitamento de água Ligação intradomiciliar de esgoto Figura 1 Itens passíveis de solicitação de repasse de recursos no programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares. 2.1 Sistemas para o suprimento de água Neste tópico são detalhados alguns itens para suprimento de água em um domicílio, considerando as disponibilidades ou não de rede pública de abastecimento de água. Para a definição da tecnologia a ser implantada em cada domicílio, deverão ser consideradas as características locais.

12 2.1.1 Ligação domiciliar/intradomiciliar de água Item de saneamento recomendado quando a localidade for provida de sistema público de abastecimento de água e a rede estiver próxima à residência, possibilitando a instalação da ligação domiciliar/intradomiciliar de água. Será imprescindível a observação das normas e regulamentos do operador do serviço de abastecimento de água para realizar a correta instalação do ramal. Geralmente, utiliza-se um colar de tomada, para a ligação na rede, cavalete com ou sem hidrômetro e a tubulação até o reservatório elevado do domicílio (Figura 2). Figura 2 Esquema de ligação domiciliar/intradomiciliar de água Poço freático (raso) A construção de um poço freático é recomendada quando não há disponibilidade de rede pública de abastecimento de água na localidade ou quando a mesma não se encontra próxima ao domicílio a ser beneficiado. Desta forma, considera-se viável a utilização do lençol freático. O poço escavado ou perfurado no solo é uma instalação utilizada para aproveitamento do lençol freático, com profundidade de até 20 metros, revestido, tampado e equipado com bomba elétrica ou manual (Figura 3). 10 Fundação Nacional de Saúde

13 Figura 3 Esquema do poço raso. Alguns cuidados devem ser tomados quando da construção do poço raso: Verificar a necessidade de autorização junto ao órgão responsável, para a execução do poço; Observar a distância mínima de 15 metros de fossas seca, sumidouro (poço absorvente) e 45 metros de qualquer outra fonte de contaminação, pocilgas, lixões, galeria de infiltração, entre outros; O poço deverá ser preferencialmente perfurado em local livre de inundação e em nível mais alto do terreno. A instalação deve ser provida de bomba submersa conectada à tubulação de recalque para o reservatório domiciliar. Poderá ser previsto dispositivo para a desinfecção da água captada no poço. No caso da utilização de bomba elétrica submersa, um equipamento do tipo clorador deverá ser instalado na tubulação entre o poço e o reservatório elevado (Figura 4). Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa 11

14 Figura 4 Esquema do clorador instalado na tubulação. Em localidades desprovidas de energia elétrica, a bomba manual é o equipamento indicado para retirar a água do poço, conforme apresentado na Figura 5. Figura 5 Exemplo de bomba manual. 12 Fundação Nacional de Saúde

15 O processo de desinfecção deverá ser feito diretamente na água de consumo, no filtro, em vasilhas ou no reservatório, utilizando hipoclorito de sódio a 2,5%, na quantidade de 2 ml de hipoclorito de sódio para cada 20 litros de água, ou conforme Tabela 1. Tabela 1 Dosagem de hipoclorito de sódio para desinfecção da água. Volume de água ml Hipoclorito de sódio a 2,5% Dosagem gotas litros 100 ml litros 20 ml - 20 litros 2 ml 40 1 litro 0,1 ml 2 Tempo de contato 30 minutos Sistema para captação e armazenamento de água de chuva Em localidades onde houver baixa ou nenhuma disponibilidade de água potável, é recomendada a utilização de reservatórios (cisternas) que armazenam a água de chuva coletada dos telhados das casas por meio de calhas, conforme apresentado na Figura 6. Figura 6 Sistema completo da cisterna para captação e armazenamento da água de chuva. Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa 13

16 Geralmente, nos pequenos municípios, a água de chuva é de ótima qualidade e o armazenamento em cisternas com capacidade de até 16 mil litros pode garantir o suprimento de água para uma família de 5 pessoas, por 6 a 8 meses. Essa água poderá ser utilizada para cozinhar, lavar alimentos, beber e escovar dentes. Os tipos de cisternas variam conforme o material e técnicas de construção utilizadas, podendo ser de placas pré-fabricadas em concreto, argamassa armada (ferrocimento), de polietileno, entre outras, não sendo recomendado o uso de reservatórios que contenham amianto. Em localidades de difícil acesso, com pouca ou nenhuma disponibilidade de água potável, onde a ocorrência de chuvas é constante o ano inteiro, como em muitos locais da região norte, recomenda-se a utilização de pequenos reservatórios de até litros para a captação da água da chuva (Figura 7). Figura 7 Reservatório para pequenos volumes. Alguns cuidados são importantes para manter o sistema funcionando adequadamente. Para qualquer tipo de cisterna recomenda-se: Utilizar sistema que descarta os primeiros cinco minutos de chuva, período em que a água lava o telhado, carreando poeira, folhas e pequenos insetos; Manter o reservatório sempre fechado, protegido contra a luz solar e insetos; Manter as calhas limpas e sem folhas; Realizar a limpeza do reservatório periodicamente; e Utilizar hipoclorito de sódio a 2,5% para a desinfecção da água que será consumida, adicionando dentro do filtro ou em vasilhas a quantidade de 2 ml de hipoclorito de sódio para cada 20 litros de água, ou conforme Tabela Fundação Nacional de Saúde

17 Tabela 2 Dosagem de hipoclorito de sódio para desinfecção da água. Volume de água ml Hipoclorito de sódio a 2,5% Dosagem gotas litros 100 ml litros 20 ml - 20 litros 2 ml 40 1 litro 0,1 ml 2 Tempo de contato 30 minutos Reservatório elevado Recipiente destinado ao armazenamento de água no domicílio, podendo ser de fibra de vidro, polietileno, pré-fabricado de concreto armado ou alvenaria, não devendo ser utilizado material com amianto na sua composição. Nas localidades providas de sistema público de abastecimento de água com pressão suficiente, é indicado o reservatório elevado. O reservatório elevado poderá ser instalado sobre a estrutura do conjunto sanitário ou sobre torre em madeira, alvenaria com estrutura de concreto, concreto pré-moldado, ou outro tipo de estrutura que garanta altura suficiente para que a água chegue com pressão adequada nos utensílios sanitários (Figura 8). Figura 8 Esquema de reservatórios elevados. Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa 15

18 2.1.5 Reservatório semielevado Nas localidades em que não exista rede pública de água ou onde o sistema público de abastecimento de água não tenha pressão suficiente para elevar a água até o reservatório elevado, recomenda-se a instalação do reservatório em uma altura de 1,20 m, dotado de torneira, possibilitando o seu abastecimento com pouca pressão ou de forma manual, conforme apresentado na Figura 9. Figura 9 Esquema do reservatório semielevado. Na instalação do reservatório, deverão ser levadas em consideração as instruções do fabricante do modelo escolhido, principalmente no que diz respeito ao suporte de apoio do reservatório. 2.2 Utensílios sanitários Neste tópico são detalhados alguns utensílios de higiene e segurança sanitária. A escolha da tecnologia a ser implantada em cada domicílio deve levar em consideração as necessidades do domicilio e as características locais. 16 Fundação Nacional de Saúde

19 2.2.1 Conjunto sanitário É um espaço físico comumente chamado de banheiro, dotado de vaso sanitário, lavatório e chuveiro (Figura 10). Figura 10 Conjunto sanitário. O conjunto sanitário deverá ser construído preferencialmente na parte interna ou integrado ao domicílio para facilitar o acesso dos moradores. É importante ressaltar que nenhum material de construção utilizado na construção do conjunto sanitário possua amianto em sua composição. A área destinada para o banho no conjunto sanitário deve conter instalações que permitam o uso de água corrente, com chuveiro elétrico ou não, alimentado preferencialmente pelo reservatório domiciliar. Serão considerados também os banheiros com reservatório que permitam o banho de caneco, sem o reaproveitamento da água. Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa 17

20 O lavatório é destinado à lavagem das mãos, rosto e escovação dentária, entre outras ações de higiene pessoal e deverá ser equipados com torneira resistente, válvula e sifão. Em domicílios que tenham morador com dificuldade de locomoção, o conjunto sanitário deverá atender às condições de acessibilidade, tais como rampa de acesso, barras de apoio, torneiras adaptadas, entre outros, conforme projeto disponibilizado no site da Funasa (www.funasa.gov.br). Considerando que a instalação e utilização de um conjunto sanitário geram águas residuais, a proposta deverá, obrigatoriamente, prever itens de destinação com sistema de tratamento adequado, conforme descrito no item Pia de cozinha Utensílio doméstico dotado de torneira e cuba, destinado à lavagem de louças, vasilhas e alimentos, podendo ser instalada dentro da residência ou na área externa, devendo sempre ter uma estrutura adequada para seu suporte, conforme apresentada na Figura 11. Figura 11 Pia de cozinha separada da casa. 18 Fundação Nacional de Saúde

21 Considerando que a instalação e utilização da pia de cozinha geram águas residuais, a proposta deverá obrigatoriamente prever uma caixa de gordura entre a pia e o sistema de tratamento adotado Tanque de lavar roupas Utensílio doméstico destinado à lavagem de roupas (Figura 12) podendo ser instalado na parede externa do conjunto sanitário ou junto à residência. Figura 12 Tanque de lavar roupa. Nos domicílios que já utilizam máquina ou tanquinho de lavar roupa, deverá ser prevista a instalação sanitária adequada para o deságue do efluente gerado nestes utensílios. O efluente gerado no tanque ou máquina de lavar roupa deverá passar por caixa de sabão/ decantador antes de seguir para o sistema de tratamento de esgoto adotado no domicílio. Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa 19

22 2.2.4 Filtro doméstico Trata-se de utensílio doméstico, preferencialmente de barro, utilizado para filtrar água no domicílio conforme apresentado na Figura 13. A água passa lentamente pelo sistema de filtragem de partículas finas, retendo os microrganismos e sedimentos, gotejando para o compartimento de água filtrada. Figura 13 Filtro cerâmico comum. O filtro deverá ser instalado em local arejado e protegido da incidência de luz solar. Para manter o adequado funcionamento, o filtro deverá ser lavado periodicamente, a cada dois dias ou até uma vez por semana, dependendo da qualidade da água. A vela deverá ser limpa com água corrente e esponja macia e sua substituição deverá ser realizada a cada seis meses. Quando a água não tiver recebido tratamento de desinfecção, recomenda-se sempre utilizar o hipoclorito de sódio a 2,5%, a ser adicionado na parte superior do filtro a quantidade de 1 ml (20 gotas) de hipoclorito de sódio para cada 10 litros de água Recipiente para resíduos sólidos É um recipiente destinado à disposição temporária do resíduo sólido (lixo) produzido no domicílio, adaptado para colocação de sacos plásticos de lixo, até que sejam recolhidos 20 Fundação Nacional de Saúde

23 pelo veículo de coleta do município (Figura 14). Deverá ser preferencialmente metálico, protegido com pintura antioxidante, instalado a uma altura mínima de 80 cm do chão, fixado na frente da residência. Figura 14 Tipos de recipientes para resíduos sólidos. Nos locais em que já exista coleta seletiva implantada, o recipiente poderá ser dividido em dois compartimentos, para facilitar a separação do resíduo seco e úmido. 2.3 Sistemas para destinação de águas residuais Neste tópico são detalhados alguns tipos de tratamento e destinação de águas residuais. A escolha da tecnologia a ser implantada em cada domicílio deverá levar em consideração as características locais, principalmente aquelas relacionadas à constituição do solo e ao espaço físico disponível Ligação intradomiciliar de esgoto Nas localidades dotadas de rede coletora de esgoto próxima ao domicílio, devidamente interligada à estação de tratamento de esgoto ETE, poderá ser feita a ligação intradomiciliar (Figura 15), conectando a caixa de inspeção, que reúne as tubulações dos utensílios sanitários, à rede existente. É importante observar as normas do operador do sistema de esgotamento sanitário, para a correta ligação intradomiciliar. Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa 21

24 Figura 15 Esquema da ligação domiciliar de esgoto Tanque séptico + filtro biológico A utilização do tratamento complementar visa garantir melhor qualidade ao efluente que será disposto em solo. Deste modo, a combinação do tanque séptico e filtro biológico (sistema fossa/filtro) apresenta-se como a tecnologia mais indicada para o tratamento sanitário domiciliar (Figura 16). Figura 16 Sistema combinado tanque séptico/filtro biológico. O tanque séptico (fossa séptica) é uma unidade cilíndrica ou de seção retangular, utilizada para o tratamento de esgotos por processos de sedimentação, flotação e digestão. Pode ser construída em alvenaria, argamassa armada (ferrocimento), ou outro sistema construtivo que garanta a impermeabilidade, a durabilidade e as dimensões definidas no projeto técnico. 22 Fundação Nacional de Saúde

25 Em terrenos que ficam temporariamente ou sempre encharcados, recomenda-se a utilização de tanque séptico em material pré-fabricado, tipo polietileno, fibra de vidro, entre outros. As dimensões do tanque séptico poderão variar em função do número de moradores do domicílio. Outras informações necessárias à elaboração do projeto técnico, à construção e à operação do tanque séptico estão disponíveis na norma técnica NBR 7.229/1993. A manutenção do tanque séptico consiste na limpeza ou remoção periódica do lodo e escuma, cuja operação deve ser feita por profissionais especializados que disponham de equipamentos para realizar a retirada e a disposição do lodo em local apropriado. A freqüência de limpeza deve ser definida no projeto técnico. Antes de entrar em funcionamento, o tanque séptico deve ser submetido ao ensaio de estanqueidade, realizado após ele ter sido saturado por, no mínimo, 24h, conforme NBR 7.229/1993. O efluente que sai do tanque séptico deverá passar por mais um processo de tratamento, sendo preferencialmente um filtro biológico, a fim de garantir que o efluente final esteja em condições de ser disposto em solo ou reaproveitado na irrigação de pomares (ver item 3.3.6). Este filtro biológico é um tanque em forma cilíndrica, retangular ou quadrada. Pode ser construído em alvenaria, argamassa armada (ferrocimento), ou outro sistema construtivo que garanta a impermeabilidade, a durabilidade e as dimensões definidas no projeto técnico. Seu interior é dotado de leito filtrante, que poderá ser em brita, seixo rolado ou outro material que exerça a função desejada. Os parâmetros e critérios para dimensionamento do filtro deverão ser justificados. Existem diversos tipos de filtros biológicos, sendo que a sua dimensão e forma de funcionamento dependerão do tipo de sistema adotado. No site da Funasa são disponibilizados alguns modelos de projeto que poderão ser utilizados pelo proponente. O filtro biológico deverá dispor de tubulação para remoção do lodo acumulado, sendo que esta operação deverá ser feita por profissionais especializados, que disponham de utensílios adequados e realizem a disposição do lodo retirado em local apropriado. A frequência de limpeza deverá ser definida no projeto técnico. Para definir o local de construção do sistema tanque séptico/filtro biológico deverão ser respeitadas algumas distâncias mínimas: a. 1,50 m das construções, dos limites de terreno, dos sumidouros, das valas de infiltração e do ramal predial de água; b. 3,0 m de árvores e de qualquer ponto da rede pública de abastecimento de água; c. 15,0 m de poços freáticos e de corpos de água de qualquer natureza. O efluente que sai do filtro biológico será destinado a uma vala de infiltração, vala de filtração, sumidouro, reaproveitamento em pomares ou outra solução tecnicamente indicada. Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa 23

26 2.3.3 Sumidouro Poço escavado no solo, destinado à disposição final do efluente tratado em tanque séptico/filtro biológico, devendo ser revestido internamente e tampado, contendo sempre dispositivo de ventilação. É um poço seco, não ipermeabilizado, que orienta a infiltração de água residuária no solo (NBR 7229/1993). Deverá ser revestido com alvenaria em crivo ou anéis de concreto furados. (Figura 17). Figura 17 Esquema do sumidouro. As dimensões do sumidouro poderão variar em função do tipo de solo do local e do número de pessoas que moram no domicílio e que utilizam os utensílios domésticos. Para definir o local de construção do sumidouro deverão ser respeitadas algumas distâncias mínimas: a. 1,50 m das construções, dos limites de terreno, dos sumidouros, das valas de infiltração e do ramal predial de água; b. 3,0 m de árvores e de qualquer ponto da rede pública de abastecimento de água; c. 15,0 m de poços freáticos e de corpos de água de qualquer natureza Valas de infiltração São valas escavadas no solo, próximo à superfície, não impermeabilizadas, destinadas à disposição final do efluente tratado em tanque séptico/filtro biológico, sob o solo, sem o contato com as pessoas e animais, conforme apresentado na Figura 18. São utilizadas geralmente quando o lençol freático é bastante raso não sendo possível o uso de sumidouros. O tamanho e a forma das valas de infiltração dependerão do tipo de solo e da quantidade de moradores do domicílio. 24 Fundação Nacional de Saúde

27 Figura 18 Esquema de vala de infiltração Valas de filtração São valas escavadas no solo, próximas à superfície, preenchidas com pedras, areia ou carvão, onde o efluente tratado no tanque séptico/filtro biológico é lançado por gravidade, por meio de tubulação perfurada, conforme apresentado na Figura 19. O efluente percola pela vala de filtração e passa por processo de filtragem biológica aumentando assim o tratamento do efluente. Esse sistema é indicado para locais onde o solo é pouco permeável e o lençol freático é raso, sendo que a forma e o tamanho das valas de filtração serão definidos em função do tipo de solo e quantidade de pessoas que moram no domicílio. Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa 25

28 Figura 19 Esquema de vala de filtração Tanque de evapotranspiração com bananeiras Conhecido também como Fossa Verde, este sistema reaproveita o efluente gerado nos utensílios sanitários por meio de um processo de biorremediação. Consiste 26 Fundação Nacional de Saúde

29 em um tanque construído em alvenaria, ferrocimento ou outro material que impermeabilize o tanque. No seu interior utiliza-se estrutura em tijolos furados, em forma de câmara, de modo que o efluente percole por esta câmara, saindo pelos furos até atingir o material filtrante. Na parte superior do tanque, sob o solo, devem ser plantados alguns cultivares que funcionam como zona de raízes, tais como banana, tomate, pimenta, etc., podendo ser consumidas sem prejudicar a saúde (Figura 20). Figura 20 Tanque de evapotranspiração. Os efluentes de todos os utensílios sanitários serão destinados diretamente para a Fossa Verde, ressaltando que a pia de cozinha deverá ser sempre equipada com caixa de gordura. Assim como o tanque séptico, a manutenção da Fossa Verde consiste na remoção periódica do lodo acumulado no fundo do tanque, cuja operação deve ser feita por profissionais especializados que disponham de equipamentos adequados para realizar a retirada e a disposição do lodo em local apropriado. O tamanho, a forma e a frequência de limpeza das valas dependerão do tipo de solo e quantidade de moradores do domicílio, devendo ser definidos no projeto técnico Aproveitamento das águas servidas Em algumas regiões do Brasil onde a disponibilidade de água é restrita ao uso doméstico e a quantidade de chuva durante o ano é insuficiente para viabilizar a irrigação de pomares, recomenda-se o aproveitamento das águas servidas. Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa 27

30 Após o tratamento do esgoto doméstico no tanque séptico/filtro biológico ou na Fossa Verde, o efluente tratado pode ser destinado à irrigação de pomares nos quintais, por meio de tubulação sob o solo, sem permitir o contato com pessoas e animais. O efluente que sai do tanque séptico/filtro biológico ou da Fossa Verde segue para uma caixa de distribuição/inspeção. A partir desta caixa saem as tubulações sob o solo, com diâmetro mínimo de 40 mm, por onde o efluente percola por gravidade até chegar à região das raízes das árvores (Figura 21). Figura 21 Esquema de irrigação de pomares com aproveitamento de águas servidas. É possível também que ao longo dos tubos sejam feitas perfurações, em trechos onde for conveniente realizar o plantio de cultivares, de forma a umedecer levemente o solo ao seu redor, aproveitando, assim, os nutrientes presentes no efluente. Existem outras formas de aproveitamento do efluente tratado. Contudo, a adoção de qualquer tecnologia deverá ser acompanhada de informações técnicas que comprovem sua viabilidade técnica. O morador beneficiado deverá receber instruções quanto à operação e manutenção do sistema. Os efluentes provenientes da pia de cozinha podem também ser conduzidos diretamente para um sistema conhecido como círculo de bananeiras, devendo sempre ter uma caixa de gordura entre a pia e o sistema (Figura 22). 28 Fundação Nacional de Saúde

31 Figura 22 Círculo de bananeiras para efluente de pia de cozinha. Quando da decisão pela utilização deste sistema, é necessário que os moradores recebam informações, de forma a conhecerem o sistema, sua segurança sanitária e os benefícios de seu uso. Manual de Orientações Técnicas para Elaboração de Propostas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Funasa 29

32

33 3 Oficina Municipal de Saneamento Como alternativa para impulsionar a universalização das ações municipais em saneamento domiciliar, o programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares também apresenta a possibilidade de solicitação de recursos para a construção de Oficinas Municipais de Saneamento, bem como mobiliário e equipamentos necessários. A Oficina Municipal de Saneamento é um espaço físico organizacional, estruturado e equipado para a fabricação de utensílios sanitários com a utilização de tecnologias apropriadas, simplificadas e de baixo custo. Deverão ser empregados materiais locais, voltados para a confecção de peças pré-moldadas, tais como: produção de manilhas e tampas de concreto, tanque de lavar roupa, reservatórios de água, caixas de gordura e de passagem, placas pré-moldadas, dentre outras. A confecção dessas peças na oficina de saneamento proporciona a participação efetiva da comunidade nas ações de saneamento domiciliar. Essa oficina é um espaço aberto à população e tem como função principal, fomentar e difundir o conceito de saneamento como ação de saúde pública para a melhoria da qualidade de vida da população. O programa oferece também orientações iniciais para a implementação da oficina. Porém, o município deverá comprovar a disponibilidade de pessoal para a gestão do empreendimento, além de oferecer profissionais para a confecção e instalação de utensílios sanitários e para a condução das atividades de educação em saúde. Poderão ser solicitados recursos para os seguintes itens: Infraestrutura física da oficina: galpão com área de trabalho coberta, depósito fechado, escritório e sanitários, além de área descoberta para armazenagem de utensílios de concreto; Equipamentos: betoneira elétrica, dosador de traço, talha, entre outros; e Formas: para produção de manilhas e tampas de concreto, tanque de lavar roupa, pia de cozinha, lavatórios, reservatórios de água, placas pré-moldadas, entre outras. A implantação da oficina não impossibilita a obtenção de recursos para o custeio de Melhorias Sanitárias Domiciliares, sendo, portanto, um complemento para as ações integradas de saneamento no município. Para projeto visando à implantação de oficina municipal de saneamento, o município (proponente) deverá apresentar: Posse do terreno onde a oficina de saneamento será construída, conforme legislação vigente; Termo de responsabilidade garantindo a operação e manutenção da oficina;

Fundação Nacional de Saúde. Manual de Orientações Técnicas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares

Fundação Nacional de Saúde. Manual de Orientações Técnicas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares Fundação Nacional de Saúde Manual de Orientações Técnicas para o Programa de Melhorias Sanitárias Domiciliares MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA DE MELHORIAS

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

Tiragem: 1ª edição 2014 10.000 exemplares Elaboração, distribuição e informações:

Tiragem: 1ª edição 2014 10.000 exemplares Elaboração, distribuição e informações: Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra,

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade:

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: Data do Relatório: (dd:mm:aa) Entrevistador (a) N O. QUEST.: II. CARACTERÍTICAS DOS MORADORES DO DOMICÍLIO Nome do chefe da família: SEXO: 1. M 2.

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

FUNASA. OrientaçõesTécnicas paraelaboraçãodeprojetode MelhoriasSanitáriasDomiciliares, conformeportaria176, de28demarçode2000

FUNASA. OrientaçõesTécnicas paraelaboraçãodeprojetode MelhoriasSanitáriasDomiciliares, conformeportaria176, de28demarçode2000 FUNASA SANEAMENTO OrientaçõesTécnicas paraelaboraçãodeprojetode MelhoriasSanitáriasDomiciliares, conformeportaria176, de28demarçode2000 SANEAMENTO -2000 Formulários Ministério da Saúde Fundação Nacional

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev GUIA DE INSTALAÇÃO Biodigestor Fortlev 1 CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Tratamento orgânico de esgoto do tipo domiciliar. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, sítios ou qualquer outra aplicação

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA APRESENTAÇÃO SISTEMA ECOFOSSA A Ecofossa é um sistema biológico autônomo de tratamento de esgoto que não utiliza energia elétrica ou qualquer produto químico

Leia mais

inovação Rotoplas. Guatemala, Honduras, Nicarágua, Belize, Costa Rica Panamá e Rep. Dominicana

inovação Rotoplas. Guatemala, Honduras, Nicarágua, Belize, Costa Rica Panamá e Rep. Dominicana Acqualimp, inovação Rotoplas. Presente no mercado brasileiro desde 2001, a Acqualimp pertence ao Grupo Rotoplas, com sede no México, onde detém 70% de participação no mercado. O Grupo possui 19 unidades

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 A cidade de Cajazeiras, localizada no estado da Paraíba (PB), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros de obras que

Leia mais

Tecnologias e. Ações Socioeducativas. Saneamento Rural

Tecnologias e. Ações Socioeducativas. Saneamento Rural Tecnologias e Ações Socioeducativas Saneamento Rural abril/ 2013 OBJETIVO DO SANEAMENTO RURAL Desenvolver e coordenar atividades relacionadas com obras e serviços de engenharia voltados para o Saneamento

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

Melhorias Construtivas. Sustentáveis

Melhorias Construtivas. Sustentáveis Melhorias Construtivas Sustentáveis O que é sustentabilidade? O Projeto Melhorias Habitacionais Sustentáveis na Bomba do Hemetério, foi criado com o objetivo de reduzir o consumo e melhor aproveitar os

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento.

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento. RESPOSTA TÉCNICA Título Fossa séptica Resumo Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave Fossa séptica; esgoto; tratamento. Assunto Meio ambiente, reciclagem e tratamento de resíduos Demanda

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Caxias do Sul 2015 2 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Determinação do número de contribuintes...

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA Filtro

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE 14/03/2014 Jonas Age Saide Schwartzman Eng. Ambiental Instituições Afiliadas SPDM SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina OSS

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

central de relacionamento /acqualimpbr /acqualimpbr

central de relacionamento /acqualimpbr /acqualimpbr central de relacionamento /acqualimpbr /acqualimpbr Acqualimp, inovação Rotoplas. Presente no mercado brasileiro desde 2001, a Acqualimp pertence ao Grupo Rotoplas, com sede no México, onde detém 70% de

Leia mais

CENTRAL DE RELACIONAMENTO /acqualimpbr. /acqualimpbr

CENTRAL DE RELACIONAMENTO /acqualimpbr. /acqualimpbr CENTRAL DE RELACIONAMENTO /acqualimpbr /acqualimpbr ACQUALIMP, INOVAÇÃO ROTOPLAS. Presente no mercado brasileiro desde 2001, a Acqualimp pertence ao Grupo Rotoplas, com sede no México, onde detém 70% de

Leia mais

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO - Check list e Avaliação Dados do Imóvel: Endereço:

Leia mais

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM FIBRA DE VIDRO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água www.tsga.ufsc.br O QUE É E COMO FUNCIONA? Trata-se de um sistema desenvolvido para captar e armazenar

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços IN-2/06 Outubro/26 1/6 1. OBJETIVO Esta Instrução Normativa em sua primeira versão visa definir procedimentos genéricos para desativação de poços tubulares que tenham sido abandonados por qualquer motivo

Leia mais

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS ENDEREÇO: Rua nº 01 - Loteamento Maria Laura ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² 1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 1.1 Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM POLIETILENO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!!

Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!! Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!! Universidade Federal de Lavras Núcleo de Estudos em Agroecologia e Permacultura-NEAP/DEG Eco Fossa, é uma

Leia mais

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa de soluções para armazenamento de água no Brasil. Campeã de vendas no seu segmento, garante a liderança no mercado

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO FOSSAS SÉPTICAS: ÁGUA PURA NA TORNEIRA JARAGUÁ DO SUL 2014 RESUMO As deficiências

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires A construção da saúde pelo saneamento dos municípios Eng Civil Henrique Pires 2011 O Homem e a água uma longa história Os primeiros poços, chafarizes, barragens e aquedutos foram construídos no Egito,

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

DESDE. Catálogo de Produtos

DESDE. Catálogo de Produtos DESDE Catálogo de Produtos 2004 FILTROS PARA APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA Ciclo 250 Realiza a separação automática de até 99% dos resíduos sólidos; Filtra até 90% da água captada; Fácil manutenção,

Leia mais

Amanco Fossa Séptica

Amanco Fossa Séptica MANUAL DE INSTALAÇÃO Amanco Fossa Séptica M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o A m a n c o F o s s a S é p t i c a Este manual também pode ser visualizado através do site > Produtos > Predial > Esgoto e

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Cisterna Junho/2013 Sendo a água doce um recurso natural escasso, as diversas questões a ela relacionadas são hoje motivo de preocupação em todo o mundo. Dentre

Leia mais

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. BIODIGESTOR 600 L 1.300 L 3.000 L Guia de Instalação Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. 1. Apresentação O Biodigestor é uma miniestação de tratamento

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Limpando a Caixa D'água

Limpando a Caixa D'água Limpando a Caixa D'água É muito importante que se faça a limpeza no mínimo 2 (duas) vezes ao ano. Caixas mal fechadas/tampadas permitem a entrada de pequenos animais e insetos que propiciam sua contaminação.

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb Materiais necessários Separe todo o material que será utilizado para a limpeza do seu reservatório. Anotações Papai, precisamos separar o material de limpeza. Claro, filha! Caixa d Água SAIBA COMO LIMPAR

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN 25% 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 12.734,82 1.1 COTAÇÃO MOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E PESSOAL. M² 200,00 2,57 3,21 642,50 1.2 74220/001 TAPUME DE CHAPA DE MADEIRA COMPENSADA, E= 6MM, COM PINTURA

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos 11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP Agua: pague menos Atitudes para o usuário diminuir o consumo de água da rede pública: 1. Peças que economizam água 2. Medição individualizada e

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS

SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS CONJUNTO DE ATIVIDADES, INFRAESTRUTURAS E INSTALAÇÕES OPERACIONAIS que envolvem: COLETA DISPOSIÇÃO FINAL ADEQUADA TRANSPORTE TRATAMENTO Esgoto doméstico Efluentes industriais,

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais