CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA"

Transcrição

1 CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA

2 Luciano Agra // Prefeito Lígia Tavares // Secretária de Meio Ambiente Maristela Viana // Secretária Adjunta Wellintânia Freitas // Chefia de Gabinete Maria Aparecida Assis // Diretoria de Controle Ambiental - DCA Euzivan Lemos // Diretoria de Estudos e Pesquisas Ambientais - DIEP Vicente Félix // Coordenador do Viveiro de Plantas Nativas EQUIPE TÉCNICA: Texto e revisão: Bia Fernandes Arte e diagramação: murucutu.com Ilustrações: Jersey Alexandre Barros Consultoria Técnica: Anderson Fontes Antônio Cláudio C. de Almeida Genival Seabra Jersey Alexandre Barros Leonardo Torreão Socorro Menezes S446c Prefeitura Municipal de João Pessoa - Secretaria de Meio Ambiente Cartilha de Arborização Urbana. 3.ed. João Pessoa-Paraíba: SEMAM, p. II.: Esta publicação foi financiada com recursos da Prefeitura Municipal de João Pessoa, Arborização urbana; 2. Árvores; 3. Podas CDU - 582:711

3 1 APRESENTAÇÃO A cidade de João Pessoa é conhecida por seu verde exuberante. O hábito de plantar árvores em jardins e quintais é um traço forte do seu povo. A resistência exemplar dos ambientalistas, a legislação local de preservação ambiental e a rica diversidade de ecossistemas de seu ambiente natural, são responsáveis por essa marca da capital paraibana. Parque Solón de Lucena (Lagoa) Esta cartilha responde a quatro perguntas básicas sobre plantio de mudas em nossa cidade. Por que plantar? Onde plantar? Como plantar? O que plantar? Cada espécie de planta tem suas características e pode, ou não, se adequar a determinados tipos de locais, de solo e de clima. O plantio de árvores em espaços urbanos não é tão simples como parece: exige cuidados especiais, planejamento, e obedece às seguintes etapas: escolha das espécies adequadas aos locais onde serão plantadas, as técnicas de plantio e todo o acompanhamento até a muda se transformar em árvore. Para quem vai plantar uma árvore - que é uma grande ajuda no combate ao aquecimento global - sugerimos que o faça seguindo os ensinamentos desta Cartilha.

4 POR QUE PLANTAR? As árvores produzem oxigênio para nossa respiração, diminuem a poluição do ar, embelezam as nossas cidades, amenizam o reflexo da luz do sol e produzem frutos que nos alimentam. E isso é só o começo! Entre as muitas vantagens de se plantar uma árvore, lembramos algumas que fazem parte do nosso dia-a-dia e de nossa família: a sombra onde descansamos, locais onde estacionamos nossos carros e onde os passarinhos fazem ninho para se reproduzir. OUTROS BENEFÍCIOS: Embelezam as vias públicas, áreas verdes e praças; Regulam a umidade e a temperatura do ar; Influenciam o movimento dos ventos; Podem contribuir para a economia de energia; Atendem às necessidades lúdicas de recreação e lazer; Ajudam a conter a erosão do solo e evitam o assoreamento dos rios; Ajudam no abastecimento do lençol de água subterrâneo; Diminuem os ruídos urbanos; Melhoram a saúde física e mental. CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA

5 3 ONDE PLANTAR? De acordo com o porte, pode-se recomendar os melhores locais para plantio das mudas: PEQUENO PORTE Calçadas estreitas, largura menor que 2,00 m e até mesmo sob fiação elétrica. MÉDIO PORTE Calçadas largas, maiores que 2,00 m e sem fiação elétrica. GRANDE PORTE Canteiros centrais de avenidas, praças, parques, quintais grandes.

6 Na escolha da árvore é fundamental verificar se o espaço da calçada é suficiente para plantá-la. Uma árvore de pequeno porte (até 5 m de altura), por exemplo, exige uma calçada de no mínimo 1,50 m de largura. CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA

7 É sempre bom você ter noção da altura e do tamanho da copa da sua árvore. Lembre-se que o porte da espécie escolhida irá influenciar mais tarde na manutenção com relação à profundidade da raiz evitando problemas com a tubulação subterrânea, calçadas e muros. Quanto à copa, caso seja plantada uma muda de árvore de porte inadequado, podem ocorrer problemas com postes de iluminação, placas de sinalização de trânsito e paredes de edificações. 5

8 COMO PLANTAR? Cave uma cova medindo aproximadamente 60 x 40 x 40 cm a fim de que as raízes da muda acomodem-se perfeitamente; O solo deve ser preparado com adubo orgânico (esterco curtido ou terra vegetal); Ponha a muda deitada e retire com cuidado o saco plástico, para não quebrar o torrão; Corte com faca ou facão o fundo do torrão em aproximadamente 1 cm; Plante a muda no centro da cova e coloque o adubo entre todas as raízes, firmando bem o solo e deixando-o mais baixo que o terreno ao redor, para que retenha água e adubo; Escore a muda com um suporte (tutor) para orientar o crescimento da árvore. Pode-se usar um cabo de vassoura ou vara de bambu bem fincado ao lado da muda, amarrando-o levemente com cordão, em forma de um 8 deitado; Regar em seguida ao plantio e diariamente, até que a muda apresente uma copa desenvolvida. Se for realmente necessário o uso de uma proteção, prefira uma cerca de arame (liso) em vez de grade, no entorno da muda. Muda Tutor Cordão em forma de 8 deitado Cova O QUE PLANTAR? 5,00 m (mínimo) Dimensões da cova 60 cm 40 cm 40 cm Agora que você já sabe o passo-a-passo do plantio e da importância de se cuidar de uma árvore, nós sugerimos o nome de algumas espécies que se desenvolvem muito bem em nossa cidade. As espécies sugeridas enquadram-se nas categorias de pequeno, médio e grande porte, e são recomendadas para o município de João Pessoa. Todas apresentam boa receptividade ao clima e solo da região. Dê preferência às espécies nativas (brasileiras); se optar por exóticas (estrangeiras) escolha uma adaptada à sua região e que seja adequada ao local escolhido. CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA

9 ÁRVORES DE PEQUENO PORTE Murta, Eugenia punicifolia (Kunth) DC. Ipê-mirim, Tecoma stans (L.) Juss. ex Kunth. Papoula, Hibiscus rosa-sinensis L. Pata-de-vaca, Bauhinia monandra Kurz Pitanga, Eugenia uniflora L. Romã, Punica granatum L. Urucum, Bixa orellana L. ÁRVORES DE MÉDIO PORTE Aroeira, Schinus terebinthifolius Raddi Algodão-da-praia, Hibiscus pernambucensis Arruda Barbatenom, Abarema cochliocarpos (Gomes) Barneby & Grimes Cássia-chuva-de-ouro, Cassia ferruginea (Schrader) Schrader ex DC. Cássia-imperial, Cassia fistula L. Leiteira, Himatanthus phagedaenicus (Mart.) Woodson Mororó, Bauhinia forficata Link Murici, Byrsonima sericea DC. Pau-lacre, Vismia guianensis (Aubl.) Pers. Perobinha, Tabebuia roseoalba (Ridl.) Sandwith Nativas Exóticas ÁRVORES DE GRANDE PORTE Açoita-cavalo, Luehea ochrophylla Mart. Canafístula, Peltophorum dubium (Spreng.) Taub. Craibeira, Tabebuia caraiba (Mart.) Bureau Imbiribeira, Eschweilera ovata (Cambess.) Miers Ipê-amarelo, Tabebuia chrysotricha (Mart. ex A. DC.) Standl. Ipê-branco, Tabebuia elliptica (A. DC.) Sandwith Ipê-roxo, Tabebuia impetiginosa (Mart. ex DC.) Standl. Oitizeiro, Licania tomentosa (Benth.) Fritsch Pau-brasil, Caesalpinia echinata Lam. Pau-ferro, Caesalpinia ferrea Mart. Sibipiruna, Caesalpinia peltophoroides Benth. Sucupira, Bowdichia virgilioides Kunth PALMEIRAS Tamanhos: Grande, Médio e Pequeno Açaí, Euterpe edulis Mart. Areca-bambu, Dypsis lutescens (H. Wendl.) Beentje & J. Dransf. Aricuriroba, Syagrus schizophylla (Mart.) Glassman Catolé, Syagrus cearensis Noblick Palmeira-de-manila, Veitchia merrillii (Becc.) H.E. Moore Palmeira-imperial, Roystonea oleracea (Jacq.) O.F. Cook Palmeira-leque, Coccothrinax barbadensis (Lodd. ex Mart.) Becc Palmeira-leque-de-Fiji, Pritchardia pacifica Seem. & H. Wendl. Palmeira-triângulo, Dypsis decaryi (Jum.) Beentje & J. Dransf. Pindoba, Attalea oleifera Barb. Rodr. 7

10 PODA E TRATOS CULTURAIS Com o crescimento, sua árvore ou palmeira necessita de alguns cuidados para se manter saudável, bonita e funcional. Podar uma árvore ou realizar tratos culturais em palmeiras é uma prática periódica, seja para proporcionar mais vitalidade e beleza, ou por motivo de segurança. Galhos muito baixos ou compridos e copas muito altas ou fechadas podem causar problemas, tais como dificultar a locomoção dos pedestres e a passagem de veículos nas ruas, o perigo de escurecer a rua cobrindo a iluminação pública ou ainda provocar danos à fiação elétrica ou telefônica. OS TIPOS DE PODA: PODA DE FORMAÇÃO Essa poda tem a finalidade de regular o crescimento da árvore, para que depois de adulta, não apresente deformações ou ramos muito baixos que dificultem o trânsito de pedestre e veículos. A poda consiste na retirada dos ramos laterais, 180 dias após o plantio. PODA DE CONFORMAÇÃO Tem início quando a planta se desenvolve desordenadamente prejudicando a sinalização de trânsito - semáforos e placas - fiação elétrica e telefônica. PODA DE MANUTENÇÃO Tem a finalidade de dar continuidade ao formato estabelecido nas podas de formação e conformação, enquanto a planta vai crescendo e desenvolvendo novos galhos. PODA DE EMERGÊNCIA Tem a finalidade de retirar galhos que estejam em contato com fios elétricos e diminuir o volume da copa. Essa poda deverá ser realizada pela concessionária de energia elétrica e por determinação da Defesa Civil. TRATOS CULTURAIS EM PALMEIRAS Tipo de intervenção que consiste na retirada, apenas, das estruturas mortas da copa da palmeira.! OBSERVAÇÃO As podas em árvores e os tratos culturais em palmeiras, não podem eliminar totalmente as suas partes vegetativas (copa das árvores e ápices das palmeiras) que são essenciais a sobrevivência da planta. A Prefeitura Municipal é o órgão competente para realizar poda em áreas públicas. CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA

11 Mais informações sobre arborização urbana, consulte o Código Municipal de Meio Ambiente - Lei complementar Municipal: N 029/2002, Artigos 89 a 100 disponível no site: Prefeitura Municipal de João Pessoa Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SEMAM Av. Diógenes Chianca, Água Fria João Pessoa - PB - CEP: (83)

12 AJUDE A PRESERVAR O MEIO AMBIENTE, PLANTE UMA ÁRVORE. PROGRAMA

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

para Arborização Urbana MAIO de 2015

para Arborização Urbana MAIO de 2015 Produção de Mudas de Alta Qualidade para Arborização Urbana ARAÇUAÍ MG MAIO de 2015 Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte Sérgio André de Souza Oliveira Engenheiro Agrônomo, Fundação Zoo-Botânica de

Leia mais

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO 50 TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO Uma das atividades mais prazerosas da jardinagem é a duplicação das plantas. As plantas se reproduzdem de duas maneiras - sexuada com geração de sementes e assexuada ou vegetativa,

Leia mais

CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG

CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG Lilian Vilela Andrade Pinto (1) Professora DSc. em Manejo Ambiental do IFSULDEMINAS Campus Inconfidentes. Leciona as disciplinas de

Leia mais

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro.

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Eritrina-candelabro (Erythrina speciosa Andrews) Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Característica de floresta

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO

IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO Estela da Silva Lemes Secretaria do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia; coordenadora do Jardim Botânico;

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA EM PAINS-MG

ARBORIZAÇÃO URBANA EM PAINS-MG ARBORIZAÇÃO URBANA EM PAINS-MG Amanda Pereira do Carmo 1 ; Kátia Daniela Ribeiro 2 1 Bacharel em Engenharia Ambiental, amandambiental@yahoo.com.br 2 Professora Titular I, UNIFOR-MG, katiadr@bol.com.br

Leia mais

DICAS PARA UM MUNDO MELHOR

DICAS PARA UM MUNDO MELHOR DICAS PARA UM MUNDO MELHOR Cartilha do Meio Ambiente Mobilização Energia Transporte Água CUIDANDO DO FUTURO Desenvolvimento sustentável define-se como aquele que atende às necessidades do presente sem

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA SOB UM CIRCUITO ELÉTRICO DA REGIÃO NORTE DE MINAS GERAIS ALINE SILVA MUNDIM

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA SOB UM CIRCUITO ELÉTRICO DA REGIÃO NORTE DE MINAS GERAIS ALINE SILVA MUNDIM COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA SOB UM CIRCUITO ELÉTRICO DA REGIÃO NORTE DE MINAS GERAIS ALINE SILVA MUNDIM LAVRAS 2014 INTRODUÇÃO: Grande parcela da população mundial vive atualmente em cidades. De acordo com dados

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento glossário Mata ciliar Vegetação existente nas margens de córregos, rios e nascentes, também chamada de matas riparias ou matas de galeria; Nascentes Locais onde a água brota da terra, também chamadas de

Leia mais

Plano de A rborização Urbana de João Pessoa 2012

Plano de A rborização Urbana de João Pessoa 2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SEMAM SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DIEP DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS!!!! Plano de A rborização Urbana de João Pessoa 2012 JOÃO PESSOA/PB JANEIRO/2012

Leia mais

INVENTÁRIO FLORÍSTICO DAS PRAÇAS DO BAIRRO DO RECIFE - PE

INVENTÁRIO FLORÍSTICO DAS PRAÇAS DO BAIRRO DO RECIFE - PE INVENTÁRIO FLORÍSTICO DAS PRAÇAS DO BAIRRO DO RECIFE - PE Sales, M. R. (1); Gomes, S. M. (2); Silva, K. M. M. (3); Barreto R. C. (4) mozartrodriguesdesales@gmail.com (1) Graduando em Ciências Biológicas

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

GESTÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA: O CASO NOVA PRATA

GESTÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA: O CASO NOVA PRATA GESTÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA: O CASO NOVA PRATA Biólogo João Augusto Bagatini Resp. Técnico da Arborização Urbana de Nova Prata Secretaria Municipal de Planejamento e Ambiente Membro da Sociedade Brasileira

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA

ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA SILVA, S. M. O. 1 ; SANTOS, A.F. 2 1 Aluna do Curso de Engenharia Florestal; Campus de

Leia mais

ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG, EMPREGANDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG, EMPREGANDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG, EMPREGANDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lilian Vilela Andrade Pinto (1) Professora DSc. em Manejo Ambiental do IFSULDEMINAS Campus Inconfidentes. Leciona as disciplinas

Leia mais

ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO. 1. Generalidades. 2. Definições. 3. Tipos de Grama em Placa

ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO. 1. Generalidades. 2. Definições. 3. Tipos de Grama em Placa ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos mínimos necessários para a execução do revestimento vegetal por gramas em placas ou enleivamento

Leia mais

Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE

Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE Praça Governador Ivo Silveira, 296 Centro Garopaba/SC. CEP 88.495-000 Fone/Fax: (048) 3254.8100

Leia mais

Florestas. Sua importância para nós e o planeta

Florestas. Sua importância para nós e o planeta Florestas Sua importância para nós e o planeta Introdução município de São Bernardo O do Campo está localizado na região metropolitana de São Paulo e é conhecido por abrigar grandes indústrias. O que a

Leia mais

Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO

Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO PARCERIA: ROTARY / CECL-PEFI 1) Grupo de Espécies Preferenciais DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO Área Tipo Nome comum Nome científico Família 14/out Área 1 Área 2 Área 4 3 5 Abio Pouteria caimito Sapotaceae

Leia mais

Guia Prático para Construção de Calçadas

Guia Prático para Construção de Calçadas Guia Prático para Construção de Calçadas Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano 19 3851.7021/ 3851.7022 E-mail: : spdu-contato@mogiguacu.sp.gov.br Introdução A acessibilidade é um direito

Leia mais

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO Programa Calçada Segura Manual de Execução GUIA PRÁTICO Editorial Manual de Execução de Calçadas O Programa Calçada Segura interessa diretamente a todos. A Assessoria de Políticas para as Pessoas com

Leia mais

Cristian Perroni Professor: Fernando Pires Disciplina: Fotografia Ambiental Flora Ipê Amarelo /Roxo

Cristian Perroni Professor: Fernando Pires Disciplina: Fotografia Ambiental Flora Ipê Amarelo /Roxo Cristian Perroni Professor: Fernando Pires Disciplina: Fotografia Ambiental Flora Ipê Amarelo /Roxo Ipê - Amarelo Nome científico: Tabebuia pulcherrima Nomes populares: ipê-amarelo, ipê-da-praia Família:

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Figura 01 Vista lateral do tronco,mostrando a presença de cupins, gameleira parasita crescendo no centro e ramos epicórmicos oriundos

Leia mais

Vegetação Nativa Adequada à Convivência com Redes Urbanas

Vegetação Nativa Adequada à Convivência com Redes Urbanas Vegetação Nativa Adequada à Convivência com Redes Urbanas Ariosto Dantas da Luz, Frederico A.R.C. Mendonça, Jorge Eduardo Soto Marâmbio, Hiroshi Nakagawa, Feliciano Tavares Monteiro, Osvaldo M. Santos,

Leia mais

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel 3. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS Este capítulo apresenta as principais características das obras propostas para o prolongamento da Avenida Roberto Marinho via túnel e o Parque Linear com vias locais,

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho.

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho. 1 2 Recursos de desenho para a análise urbana A. Mapa de Zoneamento Macroestudo do entorno, características do lote em relação a uma determinada região, características do ponto de vista do zoneamento

Leia mais

http://www.opovo.com.br/app/colunas/opovoeconomia/2014/05/15/notopovoeconomia, 3250972/quanto-custa-uma-arvore-e-202.shtml

http://www.opovo.com.br/app/colunas/opovoeconomia/2014/05/15/notopovoeconomia, 3250972/quanto-custa-uma-arvore-e-202.shtml http://www.opovo.com.br/app/colunas/opovoeconomia/2014/05/15/notopovoeconomia, 3250972/quanto-custa-uma-arvore-e-202.shtml Quanto custa uma árvore? E 202? A sombra de uma árvore tem seu valor e não é só

Leia mais

PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL

PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL Autores: Leila Bueno de Oliveira¹; Eliete de Pinho Araujo¹ Afiliações: 1 - UniCEUB - Centro Universitário de Brasília 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia Considerações Sobre a Gestão de Áreas Verdes Com Foco na Arborização de Sertânia - PE Edmaylson Jóia Leandro 1 Maria Betânia Moreira Amador 2 RESUMO Face a necessidade de implantação de espécies vegetais

Leia mais

(Imagem da cartilha elaborada a partir do Plano Diretor de Arborização Urbana)

(Imagem da cartilha elaborada a partir do Plano Diretor de Arborização Urbana) PLANTIO EM ÁREAS PÚBLICAS 1 André Duarte Puente 2 Luiz Antonio Piccoli 3 Maria do Carmo Sanchotene 4 Introdução As árvores definem e estruturam o espaço urbano, por essa razão plantar árvores em cidades

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

PROJETO ADOTE UMA ÁRVORE

PROJETO ADOTE UMA ÁRVORE PROJETO ADOTE UMA ÁRVORE A FANS Faculdade de Nova Serrana fazendo uso da sua consciência ecológica em prol da sociedade de Nova Serrana/MG vem desenvolver o Projeto intitulado de Adote uma Árvore em seu

Leia mais

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO DE PESQUISA Plantar é preservar! Plante hoje, respire amanhã. Alegrete, de Janeiro de 2011 Plantar é preservar a vida. Plante hoje, respire amanhã. Professor

Leia mais

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM?

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? 1. Matéria Bruta Representa a vontade de melhorar o 6. Reciclagem mundo e construir um futuro mais próspero. É o equilíbrio econômico, social e ambiental que garante a qualidade

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

energia Elétrica com segurança

energia Elétrica com segurança energia Elétrica com segurança Ensino Fundamental II e Ensino Médio A energia elétrica está em tudo! 1 O caminho da energia elétrica até sua casa No Brasil, a maior parte da energia elétrica vem das hidroelétricas.

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA

CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA O QUE É A COCEL? A COCEL leva energia elétrica a toda Campo Largo. É esta energia que permite que as fábricas, o comércio e todo o setor produtivo funcionem. É graças

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Quais os casos passíveis de licenciamento ambiental junto ao setor Anexo III Áreas Verdes do (DLA), visando a Autorização Ambiental Municipal? São passíveis de licenciamento ambiental pelo Anexo III:

Leia mais

EnErgia Elétrica Em tudo Ensino Fundamental I

EnErgia Elétrica Em tudo Ensino Fundamental I em tudo Energia elétrica Ensino Fundamental I Em tudo, energia elétrica. 1 Para chegar até nossas casas, ela passa pelos cabos elétricos instalados nas torres e nos postes e deve sempre percorrer seu caminho

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS Maria E. M. Queiroga1 ; Lucas A. Levek2; Nathalie A. F. Luvison3; Marcelo Diel4; Alan Schreiner Padilha5 INTRODUÇÃO A Mata Atlântica é formada por um conjunto de formações

Leia mais

Anexo 12 - Guia de Arborização Urbana de Pelotas/RS

Anexo 12 - Guia de Arborização Urbana de Pelotas/RS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO- PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Guia de Arborização Urbana de Pelotas/RS 1. INTRODUÇÃO: A Prefeitura Municipal de Pelotas está empenhada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. OBRA: Revitalização do complexo rodoviário de acesso a Feliz-RS (RS452) TRECHO: KM 4+700 ao KM 5+940, inclusive vias laterais.

MEMORIAL DESCRITIVO. OBRA: Revitalização do complexo rodoviário de acesso a Feliz-RS (RS452) TRECHO: KM 4+700 ao KM 5+940, inclusive vias laterais. MEMORIAL DESCRITIVO 1 - INTRODUÇÃO OBRA: Revitalização do complexo rodoviário de acesso a Feliz-RS (RS452) TRECHO: KM 4+700 ao KM 5+940, inclusive vias laterais. O presente projeto tem por objetivo a revitalização

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

Uao bioma Caatinga tem incentivado atitudes

Uao bioma Caatinga tem incentivado atitudes Projeto de Educação Ambiental incentiva atitudes sustentáveis em escolas públicas O projeto Ensaio Ambiental tem como lema Práticas ecológicas, defesa da biodiversidade e construção da cidadania e este

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU LEI Nº 669/2012. SUMULA: Disciplina o plantio, replantio, a poda, supressão e o uso adequado e planejado da arborização urbana e estabelece outras providencias. A Câmara Municipal de Guaraniaçu, Estado

Leia mais

VAMOS CUIDAR DA HORTA COMUNITÁRIA

VAMOS CUIDAR DA HORTA COMUNITÁRIA 16 Vamos cuidar da horta comunitária O que é o projeto Cisternas nas Escolas? Projeto Cisternas nas Escolas O Projeto Cisternas nas Escolas é uma ação pioneira no Brasil, cujo foco principal é a construção

Leia mais

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 02/2011 Número de mudas plantadas: 300 (Trezentas) Data dos plantios: dez/ 2010 Patrocinadores: gência r - XVIII Congresso rasileiro de utomática 2010

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

USO DE ÁRVORES E ARBUSTOS EM CIDADES BRASILEIRAS

USO DE ÁRVORES E ARBUSTOS EM CIDADES BRASILEIRAS USO DE ÁRVORES E ARBUSTOS EM CIDADES BRASILEIRAS José Hamilton de Aguirre Junior 1, Ana Maria Liner Pereira Lima 2 O objetivo deste trabalho é demonstrar através de imagens e discussões que a substituição

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA EM UBERLÂNDIA: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO

ARBORIZAÇÃO URBANA EM UBERLÂNDIA: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO ARBORIZAÇÃO URBANA EM UBERLÂNDIA: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO Flávia Alice Borges Soares Ribeiro * RESUMO A arborização urbana gera benefícios ambientais e sociais e contribui para uma melhoria da qualidade

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO

POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Pesquisa Quantitativa de Opinião Pública POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Julho/ 2006 Índice I. Metodologia e Amostra II. Contexto III. Poluição Visual IV. O Projeto de Lei V. Considerações Finais

Leia mais

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado Sistema Laminar Médio Sistema Laminar Médio Objetivo O Sistema Laminar Médio tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Unidade Portugal. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã. AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE. Borboletas Urbanas

Unidade Portugal. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã. AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE. Borboletas Urbanas Unidade Portugal Ribeirão Preto, de de 2011. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE Eixo temático - Natureza amiga Disciplina/Valor Português 3,0 Matemática 3,0 Hist/Geo 3,0 Ciências

Leia mais

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação)

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação) (orientações para a implementação) Escolas Programa de Regeneração Urbana da Cidade de Estarreja Fases do Fase 1. Diagnóstico Fase 2. Estratégia e Plano de Ação 2 Exercícios para preparação de diagnóstico

Leia mais

Capitulo 3 Horta Orgânica

Capitulo 3 Horta Orgânica ASSOCIAÇÃO SOCIOAMBIENTALISTA SOMOS UBATUBA Conteúdo Pedagógico Capitulo 3 Horta Orgânica Organização Parceria Convênio Horta Orgânica Introdução Esta etapa é composta por atividades ligadas pelas relações

Leia mais

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE Recife 500 Anos uma visão de cidade 1 Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã. Victor Hugo 2 Recife 500 Anos uma visão de cidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DO BAIRRO PARQUE CASTELO BRANCO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

AVALIAÇÃO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DO BAIRRO PARQUE CASTELO BRANCO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 46 AVALIAÇÃO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DO BAIRRO PARQUE CASTELO BRANCO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. Plínio

Leia mais

enxertia de araucária para produção de pinhão

enxertia de araucária para produção de pinhão enxertia de araucária para produção de pinhão A Araucaria angustifolia, espécie quase exclusiva do Brasil, está ameaçada de extinção, restando apenas 2 a 3% de sua área original. Neste sentido, é fundamental

Leia mais

ARBORIZAÇÃO DE CALÇADAS

ARBORIZAÇÃO DE CALÇADAS ARBORIZAÇÃO DE CALÇADAS ÍNDICE AJUDE A TORNAR NOSSA CIDADE MAIS BELA E AGRADÁVEL Introdução....2 Benefícios... 3 Planejamento da arborização urbana... 3 Curiosidades... 4 Educação ambiental... 4 Critérios

Leia mais

MANUAL DE ARBORIZAÇÃO URBANA DE NATAL

MANUAL DE ARBORIZAÇÃO URBANA DE NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE E URBANISMO Nossa missão é servir com excelência, ética e eficiência, contando com servidores competentes e valorizados, primando todos

Leia mais

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAISAGISMO PARQUES E JARDINS Prof. Eliseu Figueiredo Neto 1 CONCEITOS PAISAGEM Refere-se ao espaço de terreno abrangido em um lance de vista, ou extensão territorial a partir de um ponto determinado. 2

Leia mais

Sítio: Maurício Magnagno- Rod. Br 262 x Afonso Cláudio-ES São Bento - Domingos Martins-ES

Sítio: Maurício Magnagno- Rod. Br 262 x Afonso Cláudio-ES São Bento - Domingos Martins-ES Sítio: Maurício Magnagno- Rod. Br 262 x Afonso Cláudio-ES São Bento - Domingos Martins-ES HISTÓRICO ntre as várias potencialidades naturais do Estado do Espírito Santo, destaca-se o cultivo de palmáceas,

Leia mais

Arborização Urbana e Sistema Elétrico: Realidade e Desafios

Arborização Urbana e Sistema Elétrico: Realidade e Desafios Arborização Urbana e Sistema Elétrico: Realidade e Desafios Teófilo Otoni Ipatinga Edvaldo Silva Dutra Gerência de Planejamento e Acompanhamento da Operação e Manutenção de Redes de Distribuição Alguns

Leia mais

Praça da Alfândega vai voltar no tempo

Praça da Alfândega vai voltar no tempo Praça da Alfândega vai voltar no tempo Obra, com remoção de palmeiras, devolverá ao local característica de 1924. A partir do final do ano, a Praça da Alfândega, no centro da Capital, será cercada por

Leia mais

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S Sua vida em transformação Do sonho à realidade. Do projeto à execução. Da necessidade dos clientes à superação das expectativas. Com essas idéias em mente,

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [ REV04 24112011 ] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

Sistema Modular Alveolar Leve. Ecotelhado

Sistema Modular Alveolar Leve. Ecotelhado Sistema Modular Alveolar Leve Sistema Modular Alveolar Leve Objetivo O Sistema Alveolar tem como objetivo proporcionar, ao telhado com pouca ou sem inclinação, uma cobertura vegetada para conforto térmico

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL PREFEITURA DO MUNICIPIO DE VALINHOS Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MOINHO DE VENTO Condomínio residencial Moinho de Vento

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA COM ESPÉCIES NATIVAS. Hyhago Ramão Stuelp Rohr¹. Curitibanos SC Fevereiro, 2013.

ARBORIZAÇÃO URBANA COM ESPÉCIES NATIVAS. Hyhago Ramão Stuelp Rohr¹. Curitibanos SC Fevereiro, 2013. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Universitário de Curitibanos Curso de Ciências Rurais Rod. Municipal Ulisses Gaboardi, km 3 CEP 89.520-000 Curitibanos Santa Catarina ARBORIZAÇÃO URBANA COM

Leia mais

Legislação Municipal e Mudanças Climáticas

Legislação Municipal e Mudanças Climáticas Legislação Municipal e Mudanças Climáticas Ronaldo Vasconcellos Vice-Prefeito de Belo Horizonte Coordenador do Comitê Municipal sobre Mudanças Climáticas e Ecoeficiência Legislação Municipal e Mudanças

Leia mais

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO Operadora Ambiental Expedições 1. Objetivo Este relatório tem o objetivo de fornecer informações e imagens, referentes ao

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

(9 coisas que deves saber sobre as árvores)

(9 coisas que deves saber sobre as árvores) (9 coisas que deves saber sobre as árvores) 1 Não cortes os ramos maiores das árvores! 2 Usa as regras de 1/3 nas podas. 3 Como fazer um corte de poda. 4 A importância da turfa. 5 Onde as raízes realmente

Leia mais

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School Escola verde Green School Sobre o Colégio Positivo Início das aulas: 18 de fevereiro de 2013 Lançamento oficial: 26 de março de 2013 Proposta de ensino bilíngue (português/inglês) Cerca de 350 alunos,

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

a p r e s e n t a CARTILHA EXPO.GRITO

a p r e s e n t a CARTILHA EXPO.GRITO a p r e s e n t a CARTILHA EXPO.GRITO ÍNDICE Pré Produção 04 Produção 11 Pós Produção 12 Contatos 13 PRÉ PRODUÇÃO 1) Levantamento do SPOT Foto boa, Medidas, Características do ponto, Tratamento do local

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

SUGESTÕES PARA MELHORAR A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA DAS ÁRVORES DO GRAJAÚ COM AS REDES AÉREAS E CALÇADAS DO BAIRRO NELSON ARAUJO LIMA

SUGESTÕES PARA MELHORAR A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA DAS ÁRVORES DO GRAJAÚ COM AS REDES AÉREAS E CALÇADAS DO BAIRRO NELSON ARAUJO LIMA SUGESTÕES PARA MELHORAR A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA DAS ÁRVORES DO GRAJAÚ COM AS REDES AÉREAS E CALÇADAS DO BAIRRO NELSON ARAUJO LIMA 1 SUMÁRIO página Apresentação... 3 A urbanização das ruas do Grajaú... 4

Leia mais

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Índice 1. Obras de infra-estrutura... 2 2. Base de concreto do Pivô... 2 3. Base de concreto da motobomba... 3 4. Casa de bombas... 4 5. Valeta da adutora...

Leia mais

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes 21 3. Referenciais "Se a mobilidade física é condição essencial da liberdade, a bicicleta talvez tenha sido o instrumento singular mais importante, desde Gutenberg, para atingir o que Marx chamou de plena

Leia mais

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Objetivos e Metas Alavancar a empresa de uma forma sustentável, não apenas ambiental mas financeiramente. Introdução Histórico Tijolo Muralha da China construída

Leia mais

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio Introdução A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) tem por finalidade colocar em prática ações efetivas de conservação do meio ambiente,

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 02 a 10 de junho de 2014

RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 02 a 10 de junho de 2014 RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 02 a 10 de junho de 2014 As cidades de Alagoa grande, Bananeiras, Caiçara, Cacimba de Dentro,Dona Inês, Guarabira, Sapé e Solânea participaram da Semana Nacional

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Paulo Secretaria de Educação Diretoria Regional de Educação CEI CEU Jaçanã. Genilde Chagas Coordenadora pedagógica

Prefeitura Municipal de São Paulo Secretaria de Educação Diretoria Regional de Educação CEI CEU Jaçanã. Genilde Chagas Coordenadora pedagógica Prefeitura Municipal de São Paulo Secretaria de Educação Diretoria Regional de Educação CEI CEU Jaçanã Genilde Chagas Coordenadora pedagógica IDENTIFICAÇÃO: 1. AGRUPAMENTOS: para todas as crianças de todos

Leia mais

Pavimentação Intertravada de Blocos de Concreto

Pavimentação Intertravada de Blocos de Concreto Pavimentação Intertravada de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que

Leia mais

BALANÇO GERAL - 2014 ANEXO II / 4.320

BALANÇO GERAL - 2014 ANEXO II / 4.320 Aquis./ BALANÇO GERAL - 214 ANEXO II / 4.32 Exercício de 1991 2 - Constr. de meio fios em div. ruas e aven.,2,2 Constr. Pont. cor. sec. loc. Faz. Campo Seco,1,1 Constr. de meio fios div. ruas e av.,1,1

Leia mais

LEI N.º 1504/98 TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N.º 1504/98 TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N.º 1504/98 Dispõe sobre o código de arborização do município de lagoa santa O povo do município de lagoa santa, através de seus representantes legais na câmara municipal, aprovou, e eu, prefeito municipal,

Leia mais

Manual do Usuário. Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. Imagem Ilustrativa

Manual do Usuário. Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. Imagem Ilustrativa Manual do Usuário Imagem Ilustrativa Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. * Este Manual inclui Certificado de Garantia. ÍNDICE Apresentação... 03 Instruções de Segurança...

Leia mais