VADE-MÉCUM PARA PESQUISA E REDAÇÃO EM FILOSOFIA E TEOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VADE-MÉCUM PARA PESQUISA E REDAÇÃO EM FILOSOFIA E TEOLOGIA"

Transcrição

1 VADE-MÉCUM PARA PESQUISA E REDAÇÃO EM FILOSOFIA E TEOLOGIA FAJE - FACULDADE JESUÍTA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA Belo Horizonte 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 1 NOÇÕES GERAIS Trabalho acadêmico Tipos de trabalhos acadêmicos Trabalhos de aula Trabalhos de conclusão: Monografia, Dissertação e Tese Trabalho de Iniciação à Pesquisa Científica Artigo científico Recensão/resenha 5 2 MONTANDO A PESQUISA Primeiros passos Definição e delimitação da pesquisa Reconhecimento do campo científico Tipo de pesquisa Heurística, coleta de dados, fichamento Como pesquisar Como ler Como registrar (fichamento) Elementos de um trabalho de pesquisa científica Problema e hipótese Estado da questão e levantamento da literatura Análise Síntese Conclusão do trabalho Metatextos 9 3 A REDAÇÃO Linguagem e estilo 9 1

2 3.1.1 Estilo sóbrio e direto Verbos Pronomes Pontuação Outras observações Citações Noções gerais Citação direta e indireta Notas diversas e anotações de fonte Notas explicativas, remissivas e bibliográficas A anotação de fonte bibliográfica 13 4 A REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Elementos da referência em geral Autoria Título Edição Imprenta (dados referentes à impressão) Casos específicos Referência de livros Referência de partes de livros Referência de verbetes de dicionários Referência de periódicos, coleções etc Referência de artigos de revista Referência de artigos ou cadernos de jornais Referência de trabalhos não publicados Referência de fontes informáticas Referência de recensão A Referência Bibliográfica final 23 5 APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Texto padrão: diagramação e disposição Trabalhos de aula Projetos para trabalhos de conclusão Projetos de pesquisa na Graduação Projetos de pesquisa na Pós-Gradução Trabalhos de conclusão 26 2

3 5.4.1 Monografia de Bacharelado Dissertação de Mestrado e tese de Doutorado Excerto de Tese 30 6 OUTRAS PRODUÇÕES ACADÊMICAS Artigo científico Recensão ou resenha Nota ou resumo bibliográfico, boletim bibliográfico Conferências, palestras e debates Orientações gerais Uso da tecnologia audiovisual Roteiro para um bom debate 34 ANEXO I - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS INDIVIDUAIS ANALISADAS 36 ANEXO II REFERÊNCIA (LISTA) BIBLIOGRÁFICA ALFABÉTICA E ABREVIATURAS 38 ANEXO III- EXEMPLOS DE FICHAMENTO 41 ANEXO IV - PÁGINA DE TEXTO NORMAL 42 ANEXO V - PÁGINA COM TÍTULO DE CAPÍTULO 43 ANEXO VI - FOLHA DE ROSTO PARA PROJETOS 44 ANEXO VII - FOLHA DE ROSTO PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO 45 ANEXO VIII - CAPA DE DISSERTAÇÃO OU TESE 46 ANEXO IX - CAPA E FOLHA DE ROSTO DE EXCERTO 47 ANEXO X - EXEMPLO DE ARTIGO ACADÊMICO 48 ANEXO XI - EXEMPLO DE RESENHA 51 ANEXO XII ABREVIATURAS DOS MESES EM DIVERSOS IDIOMAS 52 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 53 Outras obras aconselhadas 53 3

4 APRESENTAÇÃO O presente subsídio tem, principalmente, dupla finalidade: orientar os alunos para a pesquisa e redação científicas (#1-4) e oferecer orientações para os trabalhos de aula e de conclusão de curso (#5). Outras produções acadêmicas são tratadas de modo suplementar (#6). O subsídio, aberto a atualização, está sob a responsabilidade do Serviço de Orientação Metodológica, que atende discentes e docentes na Biblioteca da FAJE. 1.1 Trabalho acadêmico 1 NOÇÕES GERAIS O trabalho acadêmico é a apresentação escrita de um estudo ou pesquisa em determinado área acadêmica, para fins escolares e/ou de publicação cientifica. Executado num espírito de honestidade, responsabilidade e humildade, caracteriza-se pelo rigor da pesquisa relativa a um assunto devidamente delimitado e pela adequação e exatidão da apresentação. 1.2 Tipos de trabalhos acadêmicos Trabalhos de aula São os trabalhos exigidos pelos professores em margem das disciplinas lecionadas. As exigências específicas de cada trabalho dependem de sua natureza e devem ser indicadas pelo professor Trabalhos de conclusão: Monografia, Dissertação e Tese Para a conclusão do Bacharelado exige-se uma monografia visando à compreensão e exposição científica de determinado tópico do campo de pesquisa. A dissertação, exigida para a obtenção do Mestrado a fim de mostrar a capacidade didática, intenta um tratamento sistemático do assunto, sem ser exaustivo, nem visar a uma contribuição original. Já a tese, exigência para o Doutorado, procura tratar o assunto devidamente delimitado com relativa exaustividade e oferecer alguma contribuição para o progresso do saber no respectivo campo Trabalho de Iniciação à Pesquisa Científica Os trabalhos de Iniciação à Pesquisa Científica dependem das orientações específicas fornecidas pela Instância responsável. Suas características são, mutatis mutandis, semelhantes às da monografia de Bacharelado Artigo científico O artigo científico ou acadêmico, publicado em periódico especializado, apresenta dados referentes a um projeto de pesquisa dentro de uma área de conhecimento específica. Como, normalmente, os conteúdos ainda se encontram em fase de pesquisa ou discussão, não são publicados em livro, nem manualizados. 4

5 1.2.5 Recensão/resenha A resenha ou recensão é a apresentação critica de nova publicação para informação da comunidade acadêmica. 2 MONTANDO A PESQUISA A pesquisa acadêmica deve estar alicerçada num projeto, que define o tema a ser tratado e o modo de executar a pesquisa e a redação. No caso dos trabalhos de conclusão de curso e de iniciação científica, o projeto deve ser aprovado pela instância acadêmica competente. A pesquisa inicia-se com a elaboração do projeto (#5.3), o qual, para ser realista, deve mostrar conhecimento exploratório dos aspectos essenciais do tema e das principais fontes utilizáveis. Aprovado o projeto, a pesquisa será completada. Os primeiros passos da pesquisa são a delimitação do tema e a heurística, ou seja, a identificação e localização das fontes para a pesquisa. 2.1 Primeiros passos Definição e delimitação da pesquisa É preciso definir claramente o objeto da pesquisa. A percepção inicial do problema ou da hipótese a ser (des)verificada deve estar presente desde o encaminhamento do projeto. No termo do trabalho, não importa chegar a uma solução definitiva; importa a cientificidade do procedimento pelo qual se chega ao resultado, que poderá ser positivo, negativo ou aberto. O tema deve ser monográfico, ou seja, tratar de um único assunto, bem delimitado, sob um ângulo específico. Normalmente escolhe-se como assunto específico um único tema numa única fonte (obra autoral ou documento) ou âmbito (determinado período ou espaço cultural), tendo como pano de fundo um horizonte mais amplo, que não é tematizado ou focalizado especificamente. O tema poderá receber adequações no decorrer da elaboração. A delimitação se faz: pelo tema: o o objeto material (o assunto que se vai examinar): por exemplo, a consciência de Cristo ; o o objeto formal (o ângulo sob o qual se pretende examiná-lo): à luz das profecias ; pelas fontes: limitando-se à obra de um determinado autor ou a um determinado período ou ambiente: na obra do segundo Schillebeeckx Reconhecimento do campo científico Para se ter uma ideia do que é relevante em determinado campo científico, consultem-se as obras introdutórias gerais, as sínteses (muitas vezes artigos de revista científica ou de enciclopédia), as obras de divulgação de boa qualidade, ou ainda, os manuais didáticos adequados para o estudo planejado. Convém iniciar pelos correspondentes verbetes dos grandes dicionários, que, via de regra, indicam a bibliografia fundamental. Consultem-se também as publicações periódicas, especialmente os boletins bibliográficos, referentes ao campo da pesquisa. Utilizem-se os catálogos da Biblioteca da FAJE e de outras bibliotecas acessíveis on-line. 5

6 2.1.3 Tipo de pesquisa É preciso ter uma ideia do(s) tipo(s) de pesquisa que o objeto visado e o método aplicado supõem, por exemplo: bibliográfica (literária): investiga obras escritas acerca do assunto; de campo: coleciona informações por observação direta e cientificamente organizada do objeto da pesquisa (pessoas, comunidades, costumes...), mediante entrevistas, questionários, estatísticas, reportagens etc. histórica (lançando mão dos métodos histórico-científicos); arqueológica, de vestígios mudos (ruínas, paisagens, monumentos...); arquivística ou documental (documentos etc.); experimental: organiza experimentos repetíveis e quantificáveis (sobretudo nas ciências física, biológica etc.); 2.2 Heurística, coleta de dados, fichamento A heurística (do grego heuriskein = encontrar ) significa a atividade de situar e abordar as fontes de informação/documentação necessárias para a pesquisa que se pretende. Depois do reconhecimento geral mencionado acima (#2.1.2), e tendo uma primeira ideia das fontes de documentação e do tipo de pesquisa a ser executada (#2.1.3), estreita-se o zoom sobre o tema específico. Para tanto consultem-se: o catálogo de assuntos na biblioteca (catálogo geral e indexação de revistas); verbetes correspondentes dos dicionários/enciclopédias; a internet, usada com senso crítico. Tendo base suficiente para a pesquisa e o recolhimento de dados, passa-se à consulta das fontes e a anotação de dados ou de observações em fichas ou em documentos eletrônicos (cf. Anexo III): Fichamento bibliográfico. Constitua-se um catálogo bibliográfico (em fichas ou no meio eletrônico), no qual se registra a referência completa dos documentos utilizados na pesquisa. Este fichário deve acompanhar o trabalho do início ao fim e ser atualizado regularmente. Fichamento de resumos. Para se lembrar da exposição geral de livros ou artigos convém anotar o resumo ou síntese, acompanhado de destaques ou comentários. Fichamento de dados analíticos e de citações. Anotem-se os dados relevantes em fichas ou anotações electrônicas, que podem conter citações formais ou resumos de informações encontradas. Junto aos dados encontrados deve figurar a referência suficiente das fontes para poder revisitá-las (no caso de livros e artigos, a referência bibliográfica abreviada e, se for o caso, o código de localização na biblioteca frequentada ou no meio eletrônico). Fichamento de ideias pessoais. Do mesmo modo como se recolhem informações de fontes (cf. acima, 3) podem-se anotar em fichas ou em itens eletrônicos ideias pessoais que virão a ser relevantes na hora da redação da pesquisa. 6

7 2.2.1 Como pesquisar Pesquisa manual: ver o que outras bibliografias básicas indicam, em verbetes de dicionários, vocabulários (ou léxicos), enciclopédias e bibliografias (ou repertórios bibliográficos), em autores significativos. Pesquisa eletrônica em vários momentos e locais: biblioteca local, bibliotecas na internet 1. Seleção dos títulos, segundo os seguintes critérios: o obras que aparecem com mais frequência nas diversas bibliografias; o obras indicadas pelo orientador, por professores etc.; o percepção pessoal, com base numa primeira leitura sobre o tema Como ler Pode-se ler bem ou ler mal. O que mais contribui para ler mal é a lei do menor esforço e os vícios de leitura 2. A leitura boa supõe a mente descansada e o corpo concentrado. Ordem de leitura: iniciar por obras gerais e comentários às fontes, ir do geral para o específico 3. Níveis de leitura: a) Leitura de superfície: para ter uma ideia geral do texto. b) Leitura temática: em função dos temas relevantes para a pesquisa Como registrar (fichamento) A anotação do que se lê é de extrema importância para ter a memória escrita do que, nas fontes consultadas, é relevante. Coloquem-se por escrito os pontos principais do que se lê na pesquisa bibliográfica, porque não se pode confiar somente na memória e porque o próprio ato de anotar ajuda a memória. A leitura não tem valor para a pesquisa se não se traduzir em documentação pessoal, como recursos escritos facilmente consultáveis. Anota-se o estritamente necessário e de interesse à pesquisa. a) Detecção do material relevante: - Ao longo da leitura de um texto, anotam-se rapidamente os temas de interesse, com as respectivas páginas do material consultado. Ao usar material que não lhe pertence, faça fotocópias das páginas que deseja marcar. - Depois de ler todo o texto, passe os trechos selecionados para papel ou meio eletrônico. Desaconselha-se tomar notas em caderno, pois não poderão ser reorganizadas posteriormente. b) Passagem do material para fichas de papel. - No cabeçalho: assunto, autor, título, página, editora e data. - A anotação pode ser um resumo ou a transcrição do texto. 1 Cf. capítulo 8 de TACHIZAWA; MENDES, Como fazer monografia na prática. 2 Cf. a interessante tabela comparativa em CHAVES, Projeto de pesquisa, p BASTOS; KELLER, Aprendendo a aprender, p. 64 7

8 - Exemplos: cf. Anexo III. - Para maior facilidade de manuseio, usa-se sempre o mesmo tamanho de ficha (comprada pronta), escreve-se só numa face, arquiva-se numa caixa apropriada. c) Passagem do material ao computador: - Microsoft One Note (aplicativo do pacote Office, frequentemente não instalado pelo usuário). É ferramenta para anotações e coleta de informações. - Outros aplicativos: Word, Excel, etc. d) Colagem do material em folhas sinóticas: - Faz-se fotocópia das páginas do livro com textos selecionados. - Ao lado de cada trecho selecionado, escreve-se o número da página. - Recorta-se cada trecho selecionado, que são espalhados pela mesa. - Faz-se a agrupação dos pedaços por assunto, independentemente da página de cada um. - Os pedaços, agrupados por assunto, são colados em folha A4, que tem na primeira página a referência completa da obra. 2.3 Elementos de um trabalho de pesquisa científica Quando a pesquisa alcança um nível satisfatório para se ter uma ideia do que colocar no trabalho, pode-se iniciar a elaboração, tendo consciência, porém, do surgimento de novos elementos (dados, percepções) que exigirão remanejamentos e atualizações. Os diversos momentos descritos aqui segundo a ordem lógica da elaboração podem sobrepor-se parcialmente Problema e hipótese O que quero mostrar? O primeiro elemento a ser elaborado é a formulação do objetivo, que será, essencialmente, uma pergunta a ser respondida ou uma hipótese a ser verificada ou desverificada. No início da pesquisa, é preciso problematizar, expressar bem o problema de que se trata, a partir da percepção inicial e de certa intuição da resposta ou do resultado. Tal pergunta ou hipótese ganhará contornos mais claros ao longo da pesquisa Estado da questão e levantamento da literatura O que se está dizendo sobre o assunto? Tendo uma visão clara do objeto da pesquisa, é importante verificar o estado da questão, ou seja, a situação do debate no momento atual, para não passar ao lado de importantes estudos já realizados ou formular conclusões que já invalidadas. Tal estado da questão se baseia normalmente nas obras de reconhecida importância da atualidade e nas produções parciais (artigos etc.) dos anos recentes, apresentados em ordem cronológica ou temática (revisão de literatura) Análise Que elementos devem ser analisados? Na análise, os elementos observados na pesquisa são separados ( isolados ) para serem observados individualmente (assim como, para estudar uma doença, é preciso isolar o vírus e estudar seu comportamento). Ultimamente fala-se em desconstrução, isto é, tirar os elementos fora de seu quadro costumeiro de interpretação, para integrá-los num novo quadro de compreensão. 8

9 2.4.4 Síntese O que devo guardar disso e como articulá-lo numa unidade? Depois da análise, organizam-se os elementos que contribuem para a questão ou hipótese proposta, segundo as relações lógicas que conduzem à confirmação ou invalidação Conclusão do trabalho Que posso responder à pergunta inicial? A conclusão da pesquisa deve corresponder ao problema ou à hipótese iniciais: deve ser a resposta ao problema ou a verificação da hipótese, ou então, a constatação da impossibilidade de tal resposta ou verificação. Também o resultado negativo ou aberto é um resultado que contribui para o progresso do saber Metatextos Na redação final, os diversos elementos são interligados por metatextos (textos sobre o texto) que explicam, no início e no fim de cada secção primária (capítulo), a concatenação do argumento. A introdução do trabalho é um metatexto que explica a delimitação do assunto, diz de que se quer falar e de que não, mostra os passos do caminho. Como só quem já os percorreu sabe mostrar os passos, a Introdução se escreve por último, formulando a pergunta ou hipótese de partida nos mesmos termos em que é tratada na Conclusão e anunciando o resultado da pesquisa. O texto da defesa de dissertação ou tese poderá ser baseado na Introdução/Conclusão, com o cuidado de tornar o tema acessível para a assistência que não leu o trabalho. 3.1 Linguagem e estilo 3 A REDAÇÃO Frequentes são os vícios quanto à compreensão (falta de clareza, pleonasmo, construção confusa ou híbrida), quanto à estética (vocabulário e fraseologia desajeitados) e quanto à economia (desperdício de palavras, falta de objetividade). Por isso, mesmo o autor treinado tenha sempre à disposição, na mesa ou no computador, gramática e dicionário atualizados e consulte-os Estilo sóbrio e direto A linguagem do texto acadêmico ou científico não é a coloquial, nem aquela exageradamente retórica. Usa um código objetivo e sóbrio. Por isso: Respeite a lei da economia. Crie frases curtas ou períodos simples (prótase e apódose simples), usando conjunções adequadas para evidenciar a conexão lógica. Evite: pleonasmos e repetições (a não ser para enfatizar); afirmações óbvias, que chovem no molhado ; circunlocuções e conectivos expletivos ( Assim sendo, Evidentemente...); enchimentos (em vez de dizer Para começar, quero explicar que..., explique logo! Evite os possamos, saibamos etc.); adjetivos, artigos e pronomes inúteis ( Eu levantei a minha mão => Levantei a mão ; Um certo homem => Certo homem ); uso indevido de formas perifrásticas ( estaremos fazendo => faremos ; vamos ver => veremos ). Use termos concisos e certeiros, o que não exclui o uso de sinônimos, para evitar a monotonia e enriquecer a semântica dos conceitos recorrentes. 9

10 Prefira a voz ativa à passiva: Este texto foi estudado pelos biblistas => Os biblistas estudaram Verbos Evite erros de concordância de gênero, de número ou de modo e tempo verbal. Em caso de dúvida sobre a regência (regime) de verbos, substantivos e adjetivos, consulte os dicionários adequados 4. Evite regências contaminadas, por exemplo, juntando o mesmo complemento a dois verbos de regência diferente ( Ele desconfiou e ao mesmo tempo confiou nele => Ele desconfiou dele e, ao mesmo tempo, confiou nele ). Ênclise e próclise. O pronome oblíquo, normalmente, segue depois do verbo (uso enclítico: O gato espreguiça-se no sofá ). Quando, porém, há partículas atraindo o pronome oblíquo, como em frases subordinadas ou negativas, o pronome precede o verbo (uso proclítico: Não se faz isso ; O vento que se abateu sobre a aldeia destruiu tudo ; O marido, quando se levanta, vai tomar café ), a não ser que algum elemento separe consideravelmente o sujeito e o verbo. Evite a próclise em construções com infinitivo ou gerúndio ( No afã de consegui-lo, não: de o conseguir ; Continuou amando-a, não: a amando ) Não se inicia a frase com o pronome oblíquo, especialmente o da 3ª pessoa ( se ), que se pode confundir com a conjunção condicional se. Pode-se, porém, escrever: Se se pensa nas consequências..., porque, neste caso, o se inicial não é o pronome, mas a conjunção da frase subordinada (que atrai o pronome). Uso e limites da forma impessoal. Nos trabalhos acadêmicos, no Brasil, é praxe o autor não se expressar na 1ª pessoa do singular; usa-se a forma impessoal ( Percebe-se que... ). Verbos reflexivos não podem ser usados no impessoal passivo; nesse caso prefira-se a 1ª pessoa do plural (não: Nesta parte debruça-se sobre..., mas: Nesta parte, debruçamo-nos sobre... ) 5 ou procure-se expressão equivalente ( Esta parte focaliza... ). O verbo propriamente impessoal está sempre na terceira pessoa do singular: houve (não: houveram) sete pessoas, faz (não: fazem) vinte anos que não o vejo. Observe: há três dias refere-se aos dias passados, a três dias (daqui) refere-se aos dias por vir. Uso impessoal de tratar-se. Não escreva: O presente capítulo trata-se de..., pois o capítulo não se trata de doença alguma... a não ser da falta de conhecimento gramatical! O certo é: No presente capítulo trata-se de... (uso impessoal). Dica: ao usar tratar-se, pense em falar-se : Neste texto fala-se/trata-se de.... E lembre-se desta: O manual de medicina trata da gripe, o médico trata a gripe, minha irmã tratase da gripe. Ou ainda: Em se tratando de tratar-se, trate de evitar esse verbo... tente um sinônimo. O mineirês economiza descabidamente o pronome reflexivo ( eu assustei em vez de eu me assustei ); ou então, por hipercorreção, insere-o onde não convém (p.ex., As pessoas sobem à serra para se ver o vale => para ver o vale. 4 Além dos grandes dicionários Houaiss e Caldas-Aulete, os clássicos de Francisco Fernandes: Dicionário de Regimes de Substantivos e Adjetivos e Dicionário de Verbos e Regimes. 5 É perfeitamente válido usar a 1ª pessoa do plural, que, além de elegante, implica o leitor ( Tendo examinado x, analisaremos agora y... ). 10

11 Não use indevidamente o infinitivo pessoal; se fica claro quem é o sujeito do infinitivo, prefira o simples ( Eles se dispuseram a brigarem => a brigar ) Pronomes Pronomes demonstrativos. Evite a inflação do pronome esse. Distinga os pronomes demonstrativos pela seguinte regra de mão: Este aqui, esse aí, aquele lá : o este : próximo, presente ou por vir, com certa ênfase. Neste parágrafo falamos do assunto central ; o esse : pode-se apontar com o dedo, a certa distância, recém mencionado, porém já não presente. Nesses anos éramos levianos ; o aquele : o que está bem longe (no espaço ou no tempo, passado ou futuro), antípoda de este. Naquele tempo foi criado o universo, Naqueles dias, os astros desabarão sobre a terra. Não é preciso explicitar sempre o sujeito do verbo pelo pronome; o verbo português pode implicar o sujeito: João foi à praça. Comprou um salame. Ele mesmo/si mesmo. Com sujeito pessoal usa-se ele mesmo/ela mesma quando é sujeito do verbo ou aposto, e si mesmo/si mesma quando é objeto (direto ou indireto) do verbo: Davi não construiu o templo ele mesmo, Maria é ela mesma, Ele se engana a si mesmo. Quando o sujeito é impessoal, usa-se si mesmo: Importa ser si mesmo. Use o pronome relativo-genitivo cujo(a/os/as) com a flexão certa, isto é, regido pelo substantivo que determina: Os habitantes de Atenas, cuja origem se perde no tempo e cujos ancestrais eram áticos Pontuação A vírgula serve para evidenciar a construção da frase, mas não deve ser multiplicada a ponto de tornar o texto pesado. A hipercorreção que multiplica A multiplicação indevida das vírgulas (muitas vezes por hipercorreção ou incompreensão) atravanca o texto. Em caso de dúvida, não use vírgula: parecerá distração já uma vírgula fora de lugar parecerá erro. Não separe o sujeito do verbo numa frase em ordem direta (não invertida ou enfática); não use vírgula depois da conjunção mas (a não ser para enfatizar). Proposições coordenadas ligadas por e : o não são separadas por vírgula quando o sujeito continua o mesmo, a não ser que a primeira frase seja muito comprida; o quando, porém, há troca de sujeito, insira-se vírgula antes da conjunção e : Ele foi embora para jogar futebol, e ela ficou onde estava. Advérbios e adjuntos adverbiais podem, para clareza, ser separados por vírgulas (antes e depois). Contudo, não se separe por vírgulas um advérbio que qualifica especificamente um substantivo ou adjetivo adjacente (ex.: um templo esplendorosamente decorado não: um templo, esplendorosamente, decorado ). Proposições subordinadas relativas: o são precedidas de vírgula quando descritivas (acrescentam ao antecedente uma qualificação que não modifica o sentido da frase principal): O capitão, que era míope, mandou atirar no alvo errado ; o não são precedidas de vírgula quando restritivas (restringem a extensão do antecedente): Os militares que são míopes devem ir para a reserva (a frase se 11

12 3.1.5 Outras observações restringe aos militares míopes; se se escrevesse: Os militares, que são míopes, estar-se-ia dizendo que todos os militares são míopes!). Pois, no sentido causal (= porque ), abre a proposição subordinada e não é seguido de vírgula: Reinava silêncio, pois Fulano se calara. No sentido consecutivo (= portanto ), não encabeça a proposição e vem entre vírgulas: Fulano calou-se. Reinava, pois, um silêncio mortal. 3.2 Citações Noções gerais Considera-se citação o uso de textos de outra autoria que não a própria, exceto expressões da cultura geral (provérbios etc.). Para que possa ser verificada, mediante pesquisa bibliográfica e de modo inconfundível, a proveniência, a autenticidade e a exatidão da citação, deve estar acompanhada de uma anotação de fonte (#3.3.2). Distingam-se: citação: (parte de) outro documento copiado(a) no seu trabalho, de modo direto/ formal ou indireto/ informal (livre); anotação de fonte 6 : informação (integrada no texto ou apresentada em nota) da fonte (documento) do qual a citação foi copiada e que vem identificada na referência; referência bibliográfica (#4): identificação exata e inconfundível dos documentos referenciados no trabalho Citação direta e indireta a) A citação direta (formal/literal) reproduz o texto citado tal qual. Distingam-se: citação breve (até aprox. 3 linhas ou uma frase): no texto, entre aspas duplas (as aspas duplas que eventualmente ocorrerem dentro da citação são substituídas por aspas simples). citação longa (mais de uma frase ou mais de 3 linhas): reproduzida em parágrafo recolhido (letra tipo 10 e margem a 4 cm da margem principal, sem recuo na primeira linha; #5.1), não incluída entre aspas (as aspas que ocorrerem na citação permanecem intocadas). Na citação direta, eventuais modificações ou supressões são assinaladas por colchetes [ ]. Exemplo: Ao estudar as cartas de Paulo surge a pergunta: Que diferença há entre lei e exortação? Lei é a norma a ser seguida e impõe uma ordem a ser obedecida [...]. As exortações são formas de orientação e aconselhamento. Romanos 12 é um exemplo belíssimo de exortação [...] sobre o modo como as pessoas devem comportar-se [...]. (RODRIGUES, 2004, p. 87) Não é preciso sinalizar por colchetes a mudança da maiúscula inicial em minúscula em consequência da inserção na frase introdutória 7. O melhor, porém, é formular a frase introdutória de tal modo que a citação possa começar sem modificação. 6 A distinguir das notas explicativas/informativas (#3.3.1). 7 Como fazem certas publicações, especialmente anglo-saxônicas. 12

13 Se a inserção de uma citação acarretar muitas modificações (mudança de pessoa, conjugação do verbo etc.), aconselha-se transformar a maior parte da citação em citação indireta e limitar a citação direta ao estritamente necessário. Pode-se também tratar a citação inteira como indireta, colocando-se em nota de rodapé aquilo que merece citação literal. Para citações de tipo especial (jurídico etc.) consultem-se os manuais de metodologia da área específica. Normalmente, citações em língua estrangeira aparecerão, no texto do trabalho, em tradução (a não ser que se queira mostrar a literalidade do idioma original); acrescente-se à anotação de fonte a identificação do tradutor (p.ex.: tradução nossa ). Se desejável, pode-se reproduzir em nota explicativa o idioma original. b) A citação indireta (informal/livre) parafraseia o texto da fonte. Não exige destaque gráfico especial, mas é preciso incluir a anotação da fonte (#3.3.2). 3.3 Notas diversas e anotações de fonte Tratamos aqui das notas explicativas e remissivas (no rodapé), bem como das anotações de fonte de citação (no texto ou no rodapé) Notas explicativas, remissivas e bibliográficas Distinguem-se notas explicativas: explicações que sobrecarregariam o texto, comentários, orientações para leitura etc.; notas remissivas, que remetem a outras partes do trabalho; notas bibliográficas ou de anotação de fonte. No sistema autor-data de anotação de fonte (# ), em que a anotação está entre parênteses no texto, o rodapé fica reservado para as notas explicativas e/ou remissivas. No sistema misto (# ), tanto as notas explicativas/remissivas quanto as bibliográficas estão no rodapé. Se, na mesma nota, figurarem observações explicativas ou remissivas ao lado de uma anotação de fonte, esta estará no início, precedendo as outras informações. Todas as notas são numeradas numa seqüência única. A numeração reinicia em cada capítulo do texto, o que se faz, automaticamente, pelos correspondentes comandos do programa eletrônico A anotação de fonte bibliográfica Tanto as citações diretas quanto as indiretas devem ser acompanhadas de uma anotação de fonte, que indica o lugar exato de onde provém a citação. Isto se pode fazer de diversas maneiras Anotação de fonte por meio de sigla ou abreviação Fontes primárias e instrumentais (textos-base, S. Escritura ou outras fontes clássicas ou institucionais, dicionários, bem como as obras do autor sobre o qual se faz a monografia etc.) podem ser indicadas, quer na nota de rodapé, quer (preferencialmente) no texto, logo depois da citação, entre parênteses ( ), por uma sigla devidamente explicada na lista de abreviações antes do sumário. A indicação do trecho citado pode ser pelo verbete, pelo número ou parágrafo, pelo capítulo e versículo ou pela página, conforme a natureza da obra citada. 13

14 Na lista de abreviações, a sigla deve ser explicada mediante referência reduzida, enquanto na referência bibliográfica final deve aparecer a referência integral. Exemplos: No texto Na lista de abreviações Na referência bibliográfica (DHLP, Escatologia ) DHLP = DICIONÁRIO HOUAISS da Língua Portuguesa DICIONÁRIO HOUAISS da Língua Portuguesa, São Paulo: Objetiva, 2004 (SZ 114) SZ = HEIDEGGER, Sein und Zeit. HEIDEGGER, Martin. Sein und Zeit. Tübingen: Max Niemeyer, (CIC, cân. 2205, 1) CIC = CÓDIGO de Direito Canônico CÓDIGO de Direito Canônico. São Paulo: Loyola, Quanto às siglas bíblicas, basta mencionar, no fim da lista de abreviações, a edição bíblica da qual foram tomadas as abreviações, se bastante conhecida. Exemplo: As abreviações bíblicas são tomadas de: CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Bíblia Sagrada: Tradução da CNBB. 8.ed. Brasília: CNBB, Anotação de fonte no rodapé (sistema de notas mistas ) As anotações de fonte (prescindindo das mencionadas em # ) podem aparecer em nota de rodapé (com a correspondente chamada no texto), inserida sequencialmente entre as outras notas de rodapé, que podem ser de natureza diferente; daí o nome de notas mistas (#3.3.1). É o sistema aconselhado para monografia, dissertação e tese. a) Regra geral Atrás da citação ou atrás do nome do autor 8, insira-se a chamada da anotação, em número alto/expoente. A nota de rodapé exibirá o mesmo número que a chamada e exibirá a referência reduzida, composta do sobrenome do autor (em maiúsculas), da(s) primeira(s) ou palavra(s) do título (incluindo o artigo) e da localização da parte citada (página, coluna ou outra indicação, segundo a natureza da fonte) 9. 3 VAZ, Escritos de Filosofia I, p KÜNG, Ser cristão, p RAHNER, Schriften VI, p KONINGS, Evangelho seg. João, p Fontes primárias ou instrumentais, quando citadas em nota, são identificadas pela sigla representada na lista de abreviações (# ). b) Repetição por advérbios/locuções adverbiais 8 Caso ele apareça no texto. Em geral, é preferível colocar a chamada depois da citação. 9 Não é necessário que a primeira nota exiba a referência completa da obra, pois esta é facilmente encontrada na referência/lista bibliográfica final. 14

15 Se há repetição próxima 10, podem-se utilizar os advérbios ou locuções adverbiais de uso tradicional 11. Observe-se a lógica inerente ao sentido de tais expressões: em relação à referência imediatamente anterior usa-se: id. (mesmo autor), ibid. (mesma obra; sendo a mesma obra, o autor é necessariamente o mesmo, portanto, não se usa id. ibid. ); em relação à referência não imediatamente anterior, porém situada na proximidade (no mesmo parágrafo), pode-se usar: op. cit. (última obra citada do referido autor; o nome do autor deve ser repetido). Porém, preferível é repetir a referência reduzida. O uso de maiúsculas iniciais depende do lugar na frase: no início da frase: Id. / Op. cit. não no início: Cf. id. / Cf. op. cit. do mesmo modo, em parêntese: (op. cit.) Anotação de fonte em parêntese (sistema autor-data) Segundo este sistema, que é praxe ou até exigência para artigos acadêmicos, insere-se no texto, logo depois da citação, entre parênteses ( ), o sobrenome do autor, em maiúsculas, a data da obra e a parte citada (com p. [página] ou c. [coluna]), tudo separado por vírgulas. No caso de dois autores da mesma obra, os sobrenomes são separados por ponto-e-vírgula. Havendo mais de dois autores, menciona-se apenas o primeiro e acrescenta-se et al. (= abreviatura de et alii ) (KONINGS, 2005, p. 45).... como se vê. (TABORDA; LIBANIO, 1999, p ).... e basta! (BARROS et al., 2002, p. 345). Se o autor é mencionado no corpo do texto, na proximidade da citação, pode-se colocar a anotação logo depois desse nome (grafado em tipo normal), mencionando-se entre parênteses apenas data e página. Como diz Libanio (2007, p. 99): Deus é amor. Deus é amor, diz Libanio (2007, p. 99). Caso haja diversas obras do mesmo autor com o mesmo ano de edição, sejam individuadas acrescentando-se a, b etc. O sol avermelhou (MEIRELLES, 1938a, p. 72), roxeou (id., 1938b, p. 32). Ocorrendo citações de diversos autores com o mesmo sobrenome, faz-se a distinção acrescentando as iniciais do nome, separadas por vírgula:... (SILVA, C., 1987, p. 14)... (SILVA, A., 2005, p. 56). 10 Geralmente, dentro do mesmo parágrafo. Como o texto está exposto a remanejamento, não convém usar este recurso para citações afastadas entre si, pois no decorrer do trabalho podem inserir-se outras referências que interrompem a repetição. 11 A norma da ABNT não usa itálico nas abreviaturas latinas usadas na referência, mas não proíbe que se o faça. 12 Evite-se, porém, referenciar coletâneas como um todo e procure-se na medida do possível fazer a referência pelo nome do autor da parte específica, para que seja respeitada a propriedade autoral de cada um. 15

16 Caso o mesmo autor seja repetido imediatamente depois, seu nome será substituído por id. (= idem ); se a mesma obra for repetida, nome e data são substituídos por ibid. (= ibidem ). Nessa obra, nossa romancista usa a expressão se deixou estar (ASSIS, 1899, p. 25), e assim também em outro romance: Ele se deixou estar (id., 1902, p. 32). Nesta mesma obra ocorre uma variante: Ele se pôs (ibid., p. 33). 4 A REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA A expressão referência bibliográfica pode se referir à obra individual ou, no uso atual, à lista de obras citadas no final do trabalho acadêmico (#4.3). A referência serve para a identificação inconfundível da fonte da citação. Na lista final das referências, tem de aparecer em sua forma essencial integral (não abreviada, como nas anotações de fonte). Na forma essencial não se consideram as informações suplementares, como título original, tradutor, coleção, tamanho, preço etc., que servem para outros fins 13. O que permite a identificação da anotação de fonte (#3.3.2) com a referência (#4) é a entrada, ou seja, a primeira palavra da referência (grafada em maiúsculas) acompanhada de um complemento (no sistema autor-data, o ano de publicação; no sistema de referência abreviada, as primeiras palavras do título da obra). No sistema de siglas (# ), a identificação se faz mediante a lista de siglas e abreviações. 4.1 Elementos da referência em geral Autoria Autoria pessoal No Brasil, a entrada é pelo último sobrenome, seguida de vírgula e os nomes e demais sobrenomes. Para o caso de sobrenomes estrangeiros (ou de sobrenomes duplos inseperáveis brasileiros) consultem-se os catálogos de autores de cada região 14. VAZ, Henrique C. de Lima. MAC DOWELL, João Augusto Anchieta Amazonas. Em caso de dúvida insira-se na lista bibliográfica uma remissiva. Exemplo: > Se, na lista alfabética, sob a letra C aparece a remissiva: CHARDIN, Pierre Teilhard de. Ver TEILHARD >> aparecerá sob a letra T a referência integral: TEILHARD de Chardin, Pierre. Le milieu divin. [etc.] Sobrenomes unidos por hífen (-) ou apóstrofe ( ) não se separam: LÉON-DUFOUR, O CONNOR, D AUBUISSON Também neste caso pode ser útil usar remissiva: AUBUISSON. Ver D AUBUISSON. 13 Como resenhas, orientações bibliográficas etc. Informações sobre o registro dos elementos suplementares encontram-se nas normas da ABNT e nos manuais de redação. 14 Disponíveis na Biblioteca. 16

17 O nome é transcrito na forma que ocorre na obra à qual se faz referência. Se, porém, aparece em formas divergentes nas diferentes obras do mesmo autor, é preciso padronizar, para que todas as obras do mesmo autor se encontrem reunidas; as formas divergentes são mencionados em remissiva. FREIRE, Gilberto. Ver FREYRE. FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala [etc.]. SICRE, José Luis. Ver SICRE DIAZ. SICRE DIAZ, José Luis. Introdução ao Antigo Testamento [etc.]. Quando a obra tem até três autores, mencionam-se os três na entrada da referência, na ordem em que aparecem na publicação, separados por ponto-e-vírgula. MAIA, Tom; CALMON, Pedro; MAIA, Thereza Regina de Camargo. Se há mais de três autores, mencionam-se um (é preferível), dois ou os três primeiros, seguidos pela expressão: et al. (= et alii, e outros ). ALMEIDA, José da Costa et al. ALMEIDA, José da Costa; VARGAS, Feliciano et al. ALMEIDA, José da Costa; VARGAS, Feliciano; LOBATO, Maria Luísa et al. No caso de coletâneas ou obras coletivas, a entrada pode ser feita pelo nome do responsável intelectual, se destacado como tal na obra. Indica-se entre parênteses ( ) sua qualificação (organizador, coordenador etc.; abreviado, com maiúscula inicial). CUNHA, Antônio da (Coord.). A poesia no Brasil. [etc.] Em caso de autoria desconhecida, entra-se pelo título, grafando a primeira palavra em maiúsculas (não usar expressões como Anônimo, Vários, Diversos, VV.AA. etc.). A NUVEM do não-saber Em lista bibliográfica, todas as obras do mesmo autor, mesmo publicadas sob diversos nomes, figuram sob o nome que tem maior oficialidade, usando-se remissiva para os demais: LOBO, Fernando. Ver TUPINAMBÁ, Marcelo.... TUPINAMBÁ, Marcelo. O amanhecer. Rio de Janeiro: Aurora, Autoria coletiva As obras de responsabilidade de entidades coletivas (órgãos governamentais, congressos etc.) entram na lista por seu próprio nome, em extenso: CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. XII Assembléia Geral [etc.] BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil). Relatório da diretoria geral, 1984, [etc.] CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO, 10, 1979, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Associação Bibliotecária do Paraná, v. Quando a entidade coletiva tem denominação genérica, seu nome é precedido pelo órgão superior ou pelo nome da jurisdição geográfica à qual pertence: BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento... IBGE. Centro de Serviços Gráficos 17

18 Quando a entidade coletiva, embora vinculada a um órgão maior, tem uma denominação específica que a identifica, entra-se diretamente pelo seu nome. Em caso de ambiguidade coloca-se no final, entre parênteses, o nome da unidade geográfica a que pertence. Exemplo: Título INSTITUTO MÉDICO LEGAL (RJ) INSTITUTO MÉDICO LEGAL (SP) O título é reproduzido tal como figura na obra referenciada, transliterado se necessário (em caso de idioma com alfabeto não latino). O subtítulo segue depois de dois pontos. Subtítulos que não fornecem informação essencial podem ser suprimidos. São permitidas supressões em títulos demasiadamente longos, desde que a supressão não altere o sentido. Elas são indicadas por reticências entre colchetes [...]. Também acréscimos (tradução do título etc.) vão entre [...]. No caso de periódicos referenciados como um todo, o título é sempre o primeiro elemento da referência, mesmo quando a publicação é obra de um autor ou entidade identificável. No caso de periódico com título genérico, incorpora-se o nome da entidade autora ou editora, ligado por uma flexão gramatical, posta entre colchetes [ ]: Edição NOTÍCIAS [da] Paróquia S. José, São Venceslau, SP. A edição é indicada em algarismo arábico, seguido de ponto e da abreviatura ed. (p.ex.: 2.ed.). Indicam-se emendas e acréscimos à edição, de forma abreviada: 2.ed. rev. e aum. (a ABNT recomenda o uso da língua original para esta indicação) Imprenta (dados referentes à impressão) 1) Local/cidade É indicado tal como figura na publicação referenciada. Quando há mais de um local para a editora, indica-se o mais destacado ou o primeiro. Ex.: Freiburg: Herder (não: Friburgo em Brisgóvia-Colônia-Roma: Herder). No caso de homônimos, acrescenta-se o nome do país, estado etc. Viçosa, MG Viçosa, RN Quando a cidade não aparece na publicação, mas pode ser identificada, indica-se entre colchetes. Não sendo possível identificar, escreva-se, entre colchetes : [S.l.] (= sine loco). 2) Editor O editor é mencionado tal como figura na publicação referenciada, abreviando-se os prenomes e suprimindo-se outros elementos, dispensáveis para a identificação ( editora, livraria etc.). Vozes Paulinas Loyola Quando há mais de um editor, indica-se o mais destacado ou o primeiro. Os demais podem, mas não precisam ser registrados, com seus respectivos locais. Exemplo: Petrópolis: Vozes; Aparecida do Norte: Santuário,

19 Quando o editor não aparece na publicação, mas pode ser identificado, indica-se entre colchetes. Quando não pode ser identificado, pode-se indicar o impressor. Na falta de ambos, indica-se, entre colchetes: [s.n.](= sine nomine). Não aparecendo nem local, nem editor ou impressor, indique-se: [S.l.: s.n.] 3) Data O ano de publicação é indicado em algarismos arábicos, sem ponto depois do milhar. Se a data não se encontra na folha de rosto ou em outro espaço oficial, mas pode ser estabelecida, indica-se entre colchetes. P. ex.: [1985]. Se há incerteza, essa deve ser manifestada. P. ex.: [1985?]; [197-] (= na década de 1970); [18--] (= no século XIX). Não aparecendo a data, indique-se: [s.d.] Nas referências bibliográficas de monografias em vários volumes, de periódicos ou de publicações seriadas consideradas no todo, indica-se a data inicial, seguida de hífen, se a publicação ainda não foi concluída, ou hífen e data do último volume publicado, em caso de publicação encerrada. Exemplos: São Paulo, Rio de Janeiro, Os meses devem ser abreviados no idioma original da publicação (cf. Anexo XV) Se a publicação indicar, em vez dos meses, as estações do ano ou as divisões do ano em trimestres, semestres etc., transcrevem-se as primeiras tais como figuram na publicação e abreviam-se as últimas: Summer trim maio/ ago Casos específicos Referência de livros Dados essenciais: Sobrenome autor (maiúsc.), nome. Título (itálico ou negrito): subtítulo. Edição (se não for a primeira). Local: editor, ano de publicação. Dependendo da finalidade da lista (p.ex., em sugestões para compra de livros), podem-se acrescentar informações suplementares (Coleção [entre parênteses]. Número de páginas ou de volumes. Outras informações), mas em trabalhos acadêmicos isso não é preciso. a) Caso mais simples: um autor apenas GOTTWALD, Norman Karol. As tribos de Iahweh: uma sociologia da religião de Israel liberto, a.c. 2.ed. São Paulo: Paulinas, GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, b) Mesmo autor, outra obra Substituir o nome por traço prolongado (de seis espaços, independentemente do tamanho do nome substituído), seguido de ponto. c) Dois autores d) Três autores GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, Esfinge clara. Rio de Janeiro: São José, MORGAN, Clifford; DEESE, James. Como estudar. Rio de Janeiro: Freitas Bastos,

20 KATZ, Samuel; DORIA, Francisco; LIMA, Luís Costa. Dicionário crítico da comunicação. Rio de Janeiro: Terra e Paz, ou: e) Mais de três autores KATZ, Samuel et al. Dicionário crítico da comunicação. Rio de Janeiro: Terra e Paz, BECKER, Fernando et al. Apresentação de trabalhos escolares. 6.ed. Porto Alegre: Prodil, f) Autoria impessoal, entidades coletivas CONSELHO NACIONAL DE GEOGRAFIA. Tipos e aspectos do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, g) Entrada pelo editor ou organizador h) Entrada pelo título ARCHAMBAULT, Reginald D. (Org.). Educação e análise filosófica. São Paulo: Saraiva, RELIGIÃO e Cristianismo: manual de Cultura Religiosa. 2.ed. Porto Alegre: Instituto de Teologia e Ciências Religiosas PUCRS, Obs.: neste caso, o título não vai em itálico. i) Obras em vários volumes INSTITUTO CATEQUÉTICO SUPERIOR DE WÜRZBURG. Teologia para o cristão de hoje. São Paulo: Loyola, v Referência de partes de livros Aconselha-se referenciar as obras pela parte em que se encontra citação, sobretudo em se tratando de obras coletivas ou coletâneas, para que a propriedade de cada autor seja respeitada, inclusive porque existem instâncias de qualificação de autores conforme a freqüência com que são citados nas publicações científicas. O mesmo vale para os verbetes de dicionários (#4.2.3). a) Com autoria própria Referenciar as páginas: RAD, Gerhard von. Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: ASTE, v. 2, p. 45. ROBERT, A.; FEUILLET, A. Introdução à Bíblia. São Paulo: Herder, v. 5, p. 22. Ou, especificando o título da parte: INSTITUTO CATEQUÉTICO SUPERIOR DE WÜRZBURG. A resposta de Deus em Jesus Cristo. In:. Teologia para o cristão de hoje. São Paulo: Loyola, v. 2. b) Sem autoria própria Sobrenome autor da parte considerada (maiúsc.), nome. Título da parte (normal). In: Referência da publicação no todo (autor, título etc., como acima). Páginas da parte referenciada. 1) Volume de uma obra em diversos volumes WIEDERKEHR, Dietrich. Cristologia sistemática. In: FEINER, Johannes; LÖHRER, Magnus. Mysterium Salutis: compêndio de dogmática histórico-salvífica. Petrópolis: Vozes, v. III/ 3. 2) Secção ou parte de livro - Com título e autor próprios: GRELOT, P. A interpretação católica dos livros santos. In: ROBERT, A.; FEUILLET, A. Introdução à Bíblia. São Paulo: Herder, v. l, secção 3, p

MANUAL PARA TRABALHOS ESCRITOS 1 CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

MANUAL PARA TRABALHOS ESCRITOS 1 CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MANUAL PARA TRABALHOS ESCRITOS 1 CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1. ELEMENTOS DE UM TRABALHO DE PESQUISA CIENTÍFICA Quando a pesquisa alcança um nível satisfatório para se ter uma ideia do que colocar

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO

FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO LONDRINA 2009 SUMÁRIO 1 ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO...01 1.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS...01

Leia mais

FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA

FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA CURITIBA 2012 SUMÁRIO 1. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA...03 1.1. Elementos pré-textuais...03

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

O título e subtítulo (quando houver) devem ser separados por dois pontos (:).

O título e subtítulo (quando houver) devem ser separados por dois pontos (:). VIII Jornada Ibmec de Iniciação Científica - 2013 Normas para submissão dos artigos Os autores devem ser cuidadosos com a apresentação técnica, com a sintaxe e a ortografia de seu texto, sob pena de recusa

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 39 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 1. MONOGRAFIA Monografias são exposições de um problema ou assunto específico, investigado cientificamente, assim, não exige originalidade,

Leia mais

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório.

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório. 1 - ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório do Estágio Supervisionado de todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus Formiga - irá mostrar

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS F A C UL DA DE DE P R E S I DE N T E V E N C E S L A U REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS APRESENTAÇÃO GRÁFICA - CONFIGURAÇÃO DAS MARGENS Ir ao menu Arquivo, escolher a opção Configurar

Leia mais

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Mestrado Profissional em Metrologia e Qualidade Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial 2010 APRESENTAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA DO TIID 2010

ESTRUTURA DO TIID 2010 ESTRUTURA DO TIID 2010 7. Anexos c 7. A ficha de entrevista, agora com as respostas, deve ser apresentada como anexo, após as referências bibliográficas. 6. Referências Bibliográficas 6. As referências

Leia mais

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMO E ARTIGO COMPLETO

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMO E ARTIGO COMPLETO NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMO E ARTIGO COMPLETO RESUMOS - Os resumos deverão ter no máximo 500 palavras. - A estrutura do resumo deverá conter, obrigatoriamente: problematização da pesquisa; objetivos;

Leia mais

ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO

ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES BÁSICAS ESTRUTURA DO ARTIGO Regra geral um artigo possui a seguinte estrutura: 1.Título 2. Autor (es) 3. Resumo e Abstract 4. Palavras-chave; 5. Conteúdo (Introdução,

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 APRESENTAÇÃO Tanto o artigo quanto a monografia são trabalhos monográficos, ou seja, trabalhos que apresentam resultados de pesquisa sobre um

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

Normas da ABNT para referências bibliográficas

Normas da ABNT para referências bibliográficas 1) Grifos Normas da ABNT para referências bibliográficas " " (aspas): apenas para metáforas, transcrições e CITAÇÕES; negrito: somente para títulos de capítulos, tópicos, tabelas e gráficos; sublinhado:

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DOS ORIGINAIS 1 - Os artigos e as resenhas devem estar acompanhados de uma carta de encaminhamento, com nome e endereço

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DOS ORIGINAIS 1 - Os artigos e as resenhas devem estar acompanhados de uma carta de encaminhamento, com nome e endereço NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DOS ORIGINAIS 1 - Os artigos e as resenhas devem estar acompanhados de uma carta de encaminhamento, com nome e endereço completo dos autores e de uma declaração de que o trabalho

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

Envio de trabalhos. 1.3. Serão aceitos somente os trabalhos enviados para o correio eletrônico da revista (revistaaproximacao@gmail.com).

Envio de trabalhos. 1.3. Serão aceitos somente os trabalhos enviados para o correio eletrônico da revista (revistaaproximacao@gmail.com). Envio de trabalhos 1.1. Serão aceitos trabalhos na área de Filosofia, de alunos vinculados a cursos de graduação (não necessariamente em Filosofia). Aceitaremos também contribuições de pós-graduandos e

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

FACULDADE SATC/UNESC METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

FACULDADE SATC/UNESC METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO FACULDADE SATC/UNESC METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Este documento tem por função dar orientações sobre a elaboração do relatório de estágio para os alunos de Tecnologias. Abordaremos

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

REVISTA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS CESCAGE

REVISTA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS CESCAGE REVISTA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS CESCAGE INSTRUÇÕES AOS AUTORES 1 GERAIS: Originais: Artigos, resenhas, análises jurisprudenciais devem ser enviados

Leia mais

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA PESQUISA CIENTÍFICA

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA PESQUISA CIENTÍFICA MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA PESQUISA CIENTÍFICA Toda pesquisa deve passar por uma fase preparatória de planejamento devendo-se estabelecer certas diretrizes de ação e fixar-se uma estratégia global.

Leia mais

REGRAS PARA A PULICAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NA REVISTA JURÍDICA DA AJUFESC

REGRAS PARA A PULICAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NA REVISTA JURÍDICA DA AJUFESC REGRAS PARA A PULICAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NA REVISTA JURÍDICA DA AJUFESC 1. O artigo deve apresentar enfoque INÉDITO e abordar tema relativo à Jurisdição Federal. O tema deve ser preferencialmente

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

Seminário de Pesquisa Prof. José Carlos Vinhais

Seminário de Pesquisa Prof. José Carlos Vinhais 1 MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1 PRINCIPIOS O Seminário de Pesquisa exigido pelo curso de Administração é um projeto de atividades centrado em áreas teórico práticas, e deverá

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

Normas para apresentação de trabalhos

Normas para apresentação de trabalhos Normas para apresentação de trabalhos Missão da revista A revista Horizonte é uma publicação semestral da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) e tem por objetivo veicular trabalhos

Leia mais

REVISTA CEUMA PERSPECTIVAS. Chamada para submissão de trabalhos científicos

REVISTA CEUMA PERSPECTIVAS. Chamada para submissão de trabalhos científicos REVISTA CEUMA PERSPECTIVAS Chamada para submissão de trabalhos científicos A Revista Científica Ceuma Perspectivas é uma publicação científica voltada à divulgação da produção acadêmica discente e docente

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO)

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) O RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. CONCEITO DE RELATÓRIO Exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados

Leia mais

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Biblioteca Normas para elaboração do TCC O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O TCC, é um trabalho acadêmico feito sob a coordenação

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

REGULAMENTO DA III MOSTRA CIENTÍFICA DA FACULDADE ESTÁCIO VILA VELHA ANEXO I

REGULAMENTO DA III MOSTRA CIENTÍFICA DA FACULDADE ESTÁCIO VILA VELHA ANEXO I Diretrizes para Autores das áreas de GESTÃO E FINANÇAS / LICENCIATURAS/ ENGENHARIAS: Os trabalhos deverão seguir a seguinte extensão: - artigos: entre 10 (dez) e 25 (vinte e cinco) páginas, incluindo as

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO Finalidade de um Artigo Científico Comunicar os resultados de pesquisas, idéias e debates de uma maneira clara, concisa e fidedigna. Servir de medida da produtividade

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

REVISTA DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS / FAeCC / UFMT. NORMAS DE APRESENTAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO PARA A RCiC

REVISTA DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS / FAeCC / UFMT. NORMAS DE APRESENTAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO PARA A RCiC NORMAS DE APRESENTAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO PARA A 1 ARTIGO É o trabalho acadêmico que apresenta resultado de uma pesquisa, submetido ao exame de um corpo Editorial, que analisa as informações, os métodos

Leia mais

Normas para apresentação de dissertações

Normas para apresentação de dissertações Normas para apresentação de dissertações Bases Essenciais Manuel A. Matos Resumo: Neste documento descrevem-se os aspectos essenciais a ter em conta na apresentação de dissertações ou documentos similares,

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) 1 MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) OBJETIVO: Destina-se a ser um guia prático para os alunos organizarem os aspectos formais de redação e apresentação do trabalho

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

O TÍTULO DO TRABALHO DEVERÁ SER EM FONTE TIPO ARIAL 12, NEGRITO, CENTRALIZADO, ESPAÇO SIMPLES (ESPAÇAMENTO DE 1,0) SEM PONTO FINAL

O TÍTULO DO TRABALHO DEVERÁ SER EM FONTE TIPO ARIAL 12, NEGRITO, CENTRALIZADO, ESPAÇO SIMPLES (ESPAÇAMENTO DE 1,0) SEM PONTO FINAL O TÍTULO DO TRABALHO DEVERÁ SER EM FONTE TIPO ARIAL 12, NEGRITO, CENTRALIZADO, ESPAÇO SIMPLES (ESPAÇAMENTO DE 1,0) SEM PONTO FINAL Nome do autor principal (sigla da instituição a que pertence, entre parênteses)

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Segundo a NBR 15287:2011

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO NA RECeT POLÍTICA EDITORIAL

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO NA RECeT POLÍTICA EDITORIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS PRESIDENTE EPITÁCIO CNPJ 10.882.594/0001-65 Al. José Ramos Júnior, 27-50, Jardim Tropical Presidente Epitácio

Leia mais

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Manual de Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Engenharia de Produção NATAL RN 2010 Apresentação O curso de Engenharia de Produção institui

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO. Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO

FACULDADE DOM BOSCO. Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO CORNÉLIO PROCÓPIO 2012 Como elaborar um TC 1 Introdução Objetiva-se

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA 2014 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO Murilo Barros Alves 1 Maika Rodrigues Amorim 2 RESUMO Estas orientações têm por finalidade orientar os acadêmicos de Graduação da Faculdade de Imperatriz

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS DOS TRABALHOS Formato: A4 Cor preta Espaçamento entre linhas: 1,5cm Fonte texto: Times New Roman, 12 ou Arial, 11 Margem superior

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS Elaborado por Prof. Dr. Rodrigo Sampaio Fernandes Um projeto de pesquisa consiste em um documento no qual

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

CENTRO DE ENSINO MÉDIO 02 DE CEILÂNDIA

CENTRO DE ENSINO MÉDIO 02 DE CEILÂNDIA CENTRO DE ENSINO MÉDIO 02 DE CEILÂNDIA Normas Técnicas para Apresentação de Trabalhos Escritos 1 Os trabalhos escritos serão apresentados aos professores de todos os componentes curriculares desta escola

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO NORMAS PARA REDAÇÃO DE ARTIGOS Pompeia 2012 A composição dos textos deverá obedecer as orientações abaixo.

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: normatização; submissão de trabalhos; Revista Síntese; Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro TCE-RJ.

PALAVRAS-CHAVE: normatização; submissão de trabalhos; Revista Síntese; Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro TCE-RJ. NORMAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS À REVISTA SÍNTESE: principais regras de formatação Flávia Andréa de Albuquerque Melo (Analista da CGA/SGA no TCE-RJ; mestre em Letras Clássicas pela UFRJ) Renata de Oliveira

Leia mais

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA NORMAS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS JUINA/MT JULHO/2009 SUMÁRIO Introdução...

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Dissertação é a apresentação escrita do trabalho de pesquisa desenvolvido no âmbito do Programa de

Leia mais

REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS

REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS A Revista Ius Gentium é uma publicação anual do Curso de Direito (graduação e pós-graduação) da Faculdade Internacional de Curitiba, que visa: propiciar à comunidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/ DE 30 DE MAIO DE 2011/ PRODEMA-UFS DE Estas normas de redação foram definidas como diretrizes básicas pelo Colegiado do Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO.

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO. SEMINÁRIO Seminário é um grupo de pessoas que se reúnem com o propósito de estudar um tema sob a direção de um professor ou autoridade na matéria. O nome desta técnica vem da palavra semente, indicando

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA - FADIVA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PESQUISA E MONOGRAFIA PROFª Ms Mª AUXILIADORA PINTO COELHO FROTA MATÉRIA: METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA A ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA A ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA A ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Este texto trata a respeito das Normas da ABNT e do Manual do Unisal com a finalidade de orientar os alunos sobre as regras básicas para a publicação

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011. Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa

PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011. Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011 Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa REFERÊNCIA NORMATIVA Documentos indispensáveis à aplicação deste documento ABNT NBR 6023

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações 1ª edição Ilhéus BA 2012 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1,5 espaçamento entre as linhas CURSO xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Nome do Estagiário 2 espaços 1,5 Fonte 14 Fonte 14 RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Fonte 16 COLOCADO NO CENTRO DA FOLHA LOCAL ANO Fonte

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA CURSO DE DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA RIO DE JANEIRO MÊS - ANO NOME DO AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao orientador

Leia mais

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005)

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Errata Folha de Rosto Capa ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Epígrafe Resumo L. estrangeira Resumo Agradecimentos Dedicatória Folha de Aprovação Anexos Apêndices Glossário Referências

Leia mais

Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico

Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico Nome do autor: principais atividades acadêmicas em no máximo 3 linhas, colocar e-mail. 1. Se estudante de direito colocar apenas: Acadêmico

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL Estrutura formal do relatório Estrutura Elemento Capa Folha de Rosto Pré-textuais Folha de Identificação Sumário 1. Introdução Textuais 2. Atividades

Leia mais

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT FACULDADE CRISTÃ DE CURITIBA Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT Elaborado pela bibliotecária Teresinha Teterycz - CRB 9 / 1171

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais

4. Em caso de artigos em coautoria, somente serão aceitos textos com, NO MÁXIMO, dois (02) autores.

4. Em caso de artigos em coautoria, somente serão aceitos textos com, NO MÁXIMO, dois (02) autores. Fênix Revista de História e Estudos Culturais é uma publicação eletrônica do Núcleo de Estudos em História Social da Arte e da Cultura (NEHAC), da Universidade Federal de Uberlândia. Tal iniciativa tem

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO [colocar o título em caixa alta, Arial 14, centralizado, em negrito]

TÍTULO DO PROJETO [colocar o título em caixa alta, Arial 14, centralizado, em negrito] UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE PEDAGOGIA [Arial 12] NOME COMPLETO DO ALUNO [obs: nome completo em caixa alta, centralizado, sem negrito, Arial 12]

Leia mais

Guia rápido ABNT NBR 10520:2002 Informação e documentação Citações em documentos

Guia rápido ABNT NBR 10520:2002 Informação e documentação Citações em documentos Guia rápido ABNT NBR 10520:2002 Informação e documentação Citações em documentos O que é uma citação? É a menção de uma informação extraída de outra fonte. TIPOS DE CITAÇÕES Citação direta Citação indireta

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO UNIDADE DE ENSINO DE SÃO CARLOS ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO MANUAL PARA O ALUNO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO UNIDADE DE ENSINO DE SÃO CARLOS ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO MANUAL PARA O ALUNO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO UNIDADE DE ENSINO DE SÃO CARLOS ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO MANUAL PARA O ALUNO São Carlos 2009 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO

Leia mais

FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores

FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores ESTRUTURA DO ARTIGO 1. Recomenda-se a utilização do processador

Leia mais

1 - Sobre o I CONGRESSO HISPANO-BRASILEIRO DE DIREITO EMPRESARIAL: REGULAÇÃO JURÍDICA E INTERVENÇÃO DO ESTADO NA ATIVIDADE EMPRESARIAL

1 - Sobre o I CONGRESSO HISPANO-BRASILEIRO DE DIREITO EMPRESARIAL: REGULAÇÃO JURÍDICA E INTERVENÇÃO DO ESTADO NA ATIVIDADE EMPRESARIAL EDITAL DE CHAMADA DE ARTIGOS PARA PARTICIPAÇÃO NO I CONGRESSO HISPANO-BRASILEIRO DE DIREITO EMPRESARIAL: REGULAÇÃO JURÍDICA E INTERVENÇÃO DO ESTADO NA ATIVIDADE EMPRESARIAL 1 - Sobre o I CONGRESSO HISPANO-BRASILEIRO

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1,5 espacejamento entre as linhas CURSO xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx 2 espaços 1,5 Fonte 14 Nome do Estagiário Fonte 14 RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Fonte 16 COLOCADO NO CENTRO DA FOLHA BAMBUÍ ANO Fonte

Leia mais