SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO"

Transcrição

1 Sistemas Prediais, Hidráulico-Sanitários e Gás Aula 2 Prof. Julio César B. Benatti SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO NBR 8160/99 Sistema de esgoto sanitário: coletar e conduzir os despejos provenientes do uso adequado dos aparelhos sanitários a um destino apropriado; a) Evitar a contaminação da água; b) Permitir o rápido escoamento do esgoto; c) Impedirasaídadegasesdosistema; d) Impossibilitar o acesso de corpos estranhos; e) Permitir a inspeção; Deve ser separador absoluto em relação ao sistema de drenagem de águas pluviais. 1

2 2

3 Componentes: a) Aparelhos Sanitários; Com a função básica de coletar os dejetos, os aparelhos sanitários devem propiciar uma utilização confortável e higiênica por parte do usuário. b) Desconectores Um desconector tem por função, através de um fecho hídrico próprio, vedar a passagem de gases oriundos das tubulações de esgoto para o ambiente utilizado. 3

4 Componentes: b) Desconectores Componentes: c) Tubulação Ramal de descarga: Recebe o efluente diretamente do aparelho sanitário; Ramal de esgoto: Recebe o efluente do ramal de descarga ou de um desconector(caixa sifonada); Tubo de queda: Tubulação vertical que recebe efluente dosramaisdedescargaedeesgoto; Subcoletor: Tubulação horizontal que recebe o efluente deumoumaistubosdequedaeramaisdeesgoto; Coletor predial: Trecho de tubulação entre subcoletor(ou ramaldedescargaouramaldeesgoto)eocoletorpúblico ou sistema particular de tratamento e disposição de esgoto. 4

5 Componentes: d) Conexões Elementos cuja função é interligar tubos, tubos e aparelhos sanitários, tubos e equipamentos, além de viabilizar mudanças de direção e diâmetro da tubulação. Componentes: e) Caixas de Gordura Trata-se de um dispositivo complementar, cuja finalidade é a retenção de substâncias gordurosas contidas no esgoto. 5

6 Componentes: f) Dispositivos de Inspeção São elementos complementares, através dos quais tem-se acesso ao interior do sistema, de maneira a possibilitar inspeções e desobstruções eventuais. A caixa de inspeção e as conexões com uma das derivações com um plug ou com um cap são dispositivos de inspeção bastante usados. Componentes: f) Dispositivo de Inspeção 6

7 Componentes: g) Subsistema de Ventilação O subsistema de ventilação pode ser composto apenas de ventilação primária ou pelo conjunto de ventilação primária e secundária. A ventilação primária constitui-se noprolongamentodotubode quedaalémdacoberturado prédio, denominado tubo ventilador primário, enquanto que a ventilação secundária consiste de ramais e colunas de ventilação ou de apenas colunas de ventilação. A eficiência deste subsistema será satisfatória na medida em que os fechos hídricos sejam preservados. Componentes: g) Subsistema de Ventilação Tubo ventilador primário: É o prolongamento do tubo de queda além da cobertura do prédio, cuja extremidade deve ser aberta à atmosfera; Coluna de ventilação: Tubulação vertical que abrange um ou mais andares, com a extremidade superior aberta; Ramal de ventilação: Tubulação que conecta o desconector, ramal de descarga ou ramal de esgoto à coluna de ventilação; 7

8 Componentes: g) Subsistema de Ventilação Tipos de Escoamento no SPES Nos trechos horizontais (ramais de descarga e de esgoto, subcoletores e coletores) admite-se que o escoamento seja em canal: Nos trechos verticais (tubo de queda), o escoamento é anular, isto é, uma lâmina de água escoa pelas paredes do tubo emformade anele, nointeriordeste,háescoamento dear: 8

9 Ações sobre fechos hídricos Auto-sifonagem: atua sobre um fecho hídrico quando ocorre uma descarga. Nesta situação, desenvolve-se uma depressão a jusante do fecho hídrico, o qual poderá ser rompido, dependendo da magnitude desta depressão. Ações sobre fechos hídricos Sifonagem induzida: impõe depressões a jusante de um determinado fecho hídrico, com a diferença que o escoamento não se desenvolve através deste fecho hídrico, mas sim ao longo de outras tubulações conectadas a ele 9

10 Ações sobre fechos hídricos Sobrepressão: Ocorrem pressões positivas a jusante do fecho hídrico. Os gases borbulham através do fecho e atingem o ambiente. Tipologias do SPES Ventilação através do tubo ventilador primário, coluna e ramais de ventilação 10

11 Tipologias do SPES Ventilação através do tubo ventilador primário e coluna de ventilação Tipologias do SPES Ventilação através do tubo ventilador primário 11

12 Estrutura Básica AsetapasdoprojetodoSPESsãoasseguintes: 1º) concepção; 2º) dimensionamento; 3º) elaboração do projeto de produção; Planta baixa da cobertura, do pavimento tipo, do térreo e do subsolo, apresentando os tubos de queda, ramais, desvios, colunas de ventilação e dispositivos diversos; Planta baixa do pavimento inferior, apresentando os subcoletores, coletores, dispositivos de inspeção, pontos de emissão dos esgotos sanitários, entre outros detalhes específicos; Esquema vertical (fluxograma) sem escala, no qual serão apresentados os principais componentes do sistema; Plantas dos ambientes sanitários apresentando o traçado e diâmetros das tubulações, normalmente em escala 1:20; Detalhes específicos. 12

13 3º) elaboração do projeto de produção; a) memorial descritivo; b) memória de cálculo; c) especificações técnicas; d) quantificação; e) orçamento. 4º) elaboração do projeto como construído (as built). 3º) elaboração do projeto de produção; a) memorial descritivo; b) memória de cálculo; c) especificações técnicas; d) quantificação; e) orçamento. 4º) elaboração do projeto como construído (as built). 13

14 RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) a) Todos os aparelhos sanitários devem ser protegidos por desconectores, os quais podem atender apenas um aparelho ou a um conjunto de aparelhos de um mesmo ambiente; b) As caixas sifonadas podem ser utilizadas para a coleta dos despejos de conjuntos de aparelhos sanitários (lavatórios, bidês, chuveiros) de um mesmo ambiente, além de águas provenientes de lavagens de pisos; neste caso as caixas sifonadas devem ser providas de grelhas. Quanto às bacias sanitárias, as mesmas já são providas internamente de um desconector, devendo, assim, ser ligadas diretamente ao tubo de queda; 14

15 RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) c) Devem ser previstos dispositivos de inspeção nos ramais de descarga de pias de cozinha e máquina de lavar louças; RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) d) Os tubos de queda devem, sempre que possível, ser instalados em um único alinhamento. Quando necessários, os desvios devem ser feitos com peças com ângulo central igual ou inferior a 90, de preferência com curvas de raio longo ou duas curvas de 45 ; e) Para edifícios de dois ou mais andares, quando os tubos de queda recebem efluentes contendo detergentes geradores de espuma, pelo menos uma das seguintes soluções, a fim de evitar o retorno de espuma para os ambientes sanitários, deve ser adotada: i. não conectar as tubulações de esgoto e de ventilação nas regiões de ocorrência de sobrepressão; ii. atenuar a sobrepressão através de desvios do tubo de queda para a horizontal,utilizando umacurvade90ºde raiolongo ouduas curvasde45 ; iii. instalar de dispositivos que evitem o retorno de espuma. 15

16 RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) f) Para pias de cozinha e máquinas de lavar louças, devem ser previstos tubos de queda especiais com ventilação primária; estes tubos devem descarregar em uma caixa de gordura coletiva; g) Recomenda-se o uso de caixas de gordura para efluentes que contenham resíduos gordurosos; h) As pias de cozinha e/ou máquinas de lavar louças instaladas superpostas em vários pavimentos devem descarregar em tubos de queda exclusivos, os quais conduzem os esgotos para caixas de gordura coletivas; sendo vetado o uso de caixas de gordura individuais nos andares; 16

17 RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) i) O interior das tubulações deve ser sempre acessível através de dispositivos de inspeção; j) Desvios em tubulações enterradas devem ser feitos empregando-se caixas de inspeção; l) A extremidade aberta de um tubo ventilador primário ou coluna de ventilação: i. deve elevar-se verticalmente pelo menos 0,30 m acima da cobertura; Quando esta atender outros fins além de simples cobertura, a elevação vertical deveser,nomínimo,de2,00m; ii.deve conterum terminal tipochaminé, têououtrodispositivo que impeça a entrada das águas pluviais diretamente ao tubo de ventilação. 17

18 RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) m) O projeto do subsistema de ventilação deve ser feito de modo a impedir o acesso de esgoto sanitário ao interior do mesmo; n) O tubo ventilador primário e a coluna de ventilação devem ser verticais e, sempre que possível, instalados em uma única prumada; o) Todo o desconector deve ser ventilado. A distância máxima de um desconector até o ponto onde o tubo ventilador que o serve está conectado é apresentada abaixo: RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) p) Toda coluna de ventilação deve ter: i. diâmetro uniforme; ii. a extremidade inferior ligada a um subcoletor ou a um tubo de queda, em ponto situado abaixo da ligação do primeiro ramal de esgoto ou de descarga, ou neste ramal de esgoto ou de descarga; iii. a extremidade superior situada acima da cobertura do edifício, ou ligada a um tubo ventilador primário a 0,15 m, ou mais, acima do nível de transbordamento da água do mais elevado aparelho sanitário por ele servido; 18

19 RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) p) Toda coluna de ventilação deve ter: i. diâmetro uniforme; ii. a extremidade inferior ligada a um subcoletor ou a um tubo de queda, em ponto situado abaixo da ligação do primeiro ramal de esgoto ou de descarga, ou neste ramal de esgoto ou de descarga; iii. a extremidade superior situada acima da cobertura do edifício, ou ligada a um tubo ventilador primário a 0,15 m, ou mais, acima do nível de transbordamento da água do mais elevado aparelho sanitário por ele servido; q) Quando não for conveniente o prolongamento de cada tubo ventilador até acima da cobertura, pode ser usado um barrilete de ventilação; RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) r) As ligações da coluna de ventilação aos demais componentes do sistema de ventilação ou do sistema de esgotos sanitários devem ser feitas com conexões apropriadas: i. quando feita em uma tubulação vertical, a ligação deve ser executada por meio dejunção a45 ; ii. quando feita em uma tubulação horizontal, deve ser executada acima do eixo da tubulação, elevando-se o tubo ventilador de uma distância de até 0,15 m, ou mais, acima do nível de transbordamento da água do mais alto dos aparelhos sanitários por ele ventilados, antes de ligar-se a outro tubo ventilador, respeitando-se o que se segue: 19

20 RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) A ligação ao tubo horizontal deve ser feita por meio de tê 90 ou junção 45, com a derivação instalada em ângulo, de preferência, entre 45 e 90 em relação ao tubo de esgoto: RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) Quando não houver espaço vertical para a solução apresentada no item acima, podem ser adotados ângulos menores, com o tubo ventilador ligado somente por junção 45 ao respectivo ramal de esgoto e com seu trecho inicial instalado em aclive mínimo de 2%; A distância entre o ponto de inserção do ramal de ventilação ao tubo de esgoto e o cotovelo de mudança do trecho horizontal para a vertical deve ser a mais curta possível. 20

21 RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) s) Quando não for possível ventilar o ramal de descarga da bacia sanitária ligada diretamente ao tubo de queda, o tubo de queda pode ser ventilado imediatamente abaixo da ligação do ramal da bacia sanitária. RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) t) É dispensada a ventilação do ramal de descarga de uma bacia sanitária ligada através de ramal exclusivo a um tubo de queda a uma distância máxima de 2,40m, desde que esse tubo de queda receba, do mesmo pavimento, imediatamente abaixo, outros ramais de esgoto ou de descarga devidamente ventilados. 21

22 RECOMENDAÇÕES GERAIS(NBR 8160/99) u) Bacias sanitárias instaladas em bateria devem ser ventiladas por um tubo ventilador de circuito ligando a coluna de ventilação ao ramal de esgoto na região entre a última e a penúltima bacia sanitária. Deve ser previsto um tubo ventilador suplementar a cada grupo de, no máximo, oito bacias sanitárias, contadas a partir damaispróximaaotubo dequeda. 22

23 DIMENSIONAMENTO As tubulações do SPES podem ser dimensionadas pelo Método das Unidades de Hunter de Contribuição (UHC) ou pelo Método Hidráulico devendo, em qualquer um dos casos, ser respeitados os diâmetros mínimos dos ramais de descarga. O método das Unidades Hunter de Contribuição baseia-se na atribuição de um certo número de Unidades de Hunter de Contribuição (UHC) para cada aparelho sanitário integrante do SPES em questão. 23

24 Subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário Tubulações: a) Ramais de descarga Tabelas de dimensionamento Ramais de descarga Utiliza-se a tabela abaixo para dimensionar ramais de descarga de aparelhos sanitários que não constam na tabela anterior. O número de UHC deve ser estimado. 24

25 Subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário Tubulações: b) Ramais de esgoto OdimensionamentoéfeitoapartirdasomadasUHCdosaparelhos sanitários que são drenados pelo ramal. Tabela de dimensionamento Ramais de esgoto Obs. A declividade mínima recomendada para Ramais de Esgoto são as seguintes: 2,0%para tubulações comdiâmetro nominal(dn) igualouinferiora75 1,0%para tubulação comdiâmetronominal(dn) igualousuperior a100 25

26 Subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário Tubulações: c)tubosdequeda O tubo de queda deve ser dimensionado a partir da somatória das UHC, utilizando a tabela a seguir: Tabela de dimensionamento Tubos de Queda Obs. Caso ocorra desvio da vertical, deve-se considerar: i. Quandootubodequeda apresenta desvioigualouinferiora 45 comavertical, dimensiona-se como se fosse vertical; ii. Caso o desvio seja superior a 45 : A parte anterior ao desvio é dimensionada normalmente. O trecho horizontal é dimensionado como se fosse um subcoletor. A parte vertical do TQ após o desvio não deve ter diâmetro inferior ao trecho horizontal. 26

27 Subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário Tubulações: d) Subcoletor e coletor predial O subcoletor e o coletor predial devem ser dimensionados a partir da somatória das UHC, utilizando a tabela a seguir: 27

28 Tabela de dimensionamento Subcoletor e Coletor Predial Obs. No dimensionamento do coletor predial e dos subcoletores em prédios residenciais, deve ser considerado apenas o aparelho de maior descarga de cada banheiro para a somatória do número de unidades Hunter de contribuição. Nos demais casos, devem ser considerados todos os aparelhos contribuintes para o cálculo do número de UHC. Subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário Dispositivos Complementares a) Caixa Sifonada Tabela de dimensionamento Caixa Sifonada 28

29 Subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário Dispositivos Complementares b) Caixa de Gordura Função do número de cozinhas: i. Apenas 1 pia: caixa de gordura pequena; ii. Uma ou mais cozinhas: caixa de gordura simples; iii. De duas a doze cozinhas: caixa de gordura dupla; iv. Mais de duas cozinhas ou cozinha de restaurante, escola, hospital..: caixa de gordura especial. 29

30 Subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário Dispositivos Complementares b) Caixa de Gordura Caixa de gordura especial: Volume da câmara de retenção: V ( l) = (2* N ) + 20 A altura molhada deve ter 0,6m; Distânciamínimaentreoseptoeasaídadeveserde0,2m. Subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário Dispositivos Complementares c) Caixa de Inspeção Destinada a permitir a inspeção, limpeza e desobstrução. Mudanças de declividade, junção de subcoletores... i. Profundidade máxima de 1,0m; ii. Dimensão mínima de 0,6m; iii. Tampa facilmente removível; iv. Fundo construído de modo a facilitar o escoamento; 30

31 d) Poço de Inspeção i. Profundidade maior que 1,0m; ii. Dimensão mínima de 1,1m; iii. Degraus que permitam o acesso ao interior; iv. Tampa facilmente removível; v. Fundo construído de modo a facilitar o escoamento; vi. Caso a profundidade seja maior que 1,8m, o poço deverá ser feito em duas parte: a. Câmara de acesso: Diâmetro mínimo de 0,6m b. Câmara de trabalho: Altura mínima de 1,5m e diâmetro mínimo de 1,1m. e) Caixa de Passagem Sãocaixasdepassagemcomapenasumaentradaeumasaída. Devem: i. Quando cilíndricas ter diâmetro mínimo de 0,15m e quando prismáticas, permitir a inserção de um cilindro de 0,15m de diâmetro. ii. Ter altura mínima de 0,1m. 31

32 e) Caixa de Passagem Subsistema de Ventilação a) Tubo ventilador secundário 32

33 Subsistema de Ventilação b) Coluna de ventilação Diâmetro nominal mínimo em função das UHC e do comprimento da coluna. O comprimento é medido desde a extremidade superior da coluna até a sua base. Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Aplicação: Esgoto doméstico. Em casos plenamente justificados:ao tratamento de esgoto sanitário (esgoto doméstico, despejo industrial admissível e água de infiltração); Unidade de serviço de saúde: consultar as autoridades sanitárias, para a fixação de eventuais exigências específicas para pré e pós tratamento; O sistema deve ser dimensionado e implantado de forma a receber a totalidade dos despejos, exceto águas pluviais e outros que possam causar interferência negativa ao tratamento (água de piscina e proveniente de lavagem de caixa d água. 33

34 Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Indicação: Área desprovida de rede pública; Área desprovida de rede local; Retenção prévia de sólidos sedimentáveis; Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Condições específicas: i. Distâncias mínimas: 1,5m de construções, divisas, sumidouros, valas de infiltração e ramal de água; 3,0mdeárvoresequalquerpontodaredepúblicadeágua; 15,0mdepoçosedecorposdeágua. 34

35 Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Condições específicas: ii. Materiais Resistência mecânica; Resistência ao ataque químico. Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Condições específicas: iii. Dimensionamento V = 1000* N( C * T + K * Lf ) V. volume útil(l); N. Número de pessoas ou unidades de contribuição; T. Período de detenção(dias); C. Contribuição de despejos; K. Taxa de acumulação de lodo digerido Lf. Contribuição de lodo fresco. 35

36 Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Condições específicas: Contribuição dos despejos Considera-se: Número de pessoas atendidas; 80,0% do consumo de água; Caso não haja dados de consumo: Utiliza-se a tabela a seguir: Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Contribuição diária de esgoto e de lodo fresco 36

37 Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Condições específicas: Período de detenção Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Condições específicas: Taxa de acumulação de lodo digerido 37

38 Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Condições específicas: Geometria dos Tanques Podem ser prismáticos ou cilíndricos, de câmara simples, dupla ou múltipla; Profundidade mínima e máxima: Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Condições específicas: Geometria dos Tanques Diâmetro interno mínimo: 1,1m; Largura interna mínima: 0,8m; Relação comprimento/largura: entre 2:1 e 4:1; Câmaras Múltiplas: para tanques que servem até 30 pessoas: Cilíndricos: três câmaras em série; Prismáticos: dias câmaras em série. 38

39 Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Condições específicas: Geometria dos Tanques Proporção entre as câmaras: Projeto de Tanques Sépticos(NBR 7229/93) Condições específicas: Geometria dos Tanques Dispositivos de entrada e saída: Intercomunicação entre as câmaras; Mecanismos de inspeção VER NORMA! 39

40 40

41 41

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2 Notas de aula Tabelas, e recomendações. Esgoto Sanitário. Prof. Ms. Gerson Antonio Lisita Lopes Arantes Agosto/2004

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTOS Os sistemas públicos de coleta, transporte e disposição de esgotos existem desde as primeiras civilizações conhecidas (assírios,

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Esgotos Sanitários Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 8160,, as instalações de esgotos sanitários têm a tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 14 Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Nos projetos de sistemas prediais de esgoto sanitário vamos traçar e dimensionar as tubulações que vão desde os aparelhos sanitários até o coletor

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil 4º ANO SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. MSc. Ricardo Prado Abreu Reis Setembro - 2007 CV VP CV VP Cob. 7 1

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG

FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG INSTALAÇÃOES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES PREDIAIS LUIZ HENRIQUE BASSO Instalações de Esgoto Sanitário As instalações de esgoto sanitário destinam-se

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez 1. água 1.1 água fria 1.1.1 Cozinha 1.1.1.1 Interface placa cimentícia 1.1.2 Lavanderia 1.1.2.1 Interface placa

Leia mais

1. INTRODUÇÃO Sistema Predial de Esgoto Sanitário (SPES)

1. INTRODUÇÃO Sistema Predial de Esgoto Sanitário (SPES) 1. INTRODUÇÃO A importância do Sistema Predial de Esgoto Sanitário na Construção Civil relacionase não apenas com as primordiais necessidades relativas à higiene e saúde, mas também com as evolutivas noções

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Prof. Ms. José Benedito Gianelli Filho Nesta Unidade da Disciplina, tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nas instalações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA NOTAS DE AULA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA NOTAS DE AULA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL NOTAS DE AULA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS ESGOTO SANITÁRIO Prof: Dib Gebara

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS. Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng.

CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS. Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng. CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng. Civil Normas Técnicas ABNT NBR-05626. Instalações Prediais de Água Fria.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

Unidade 5. Instalações prediais de esgotos sanitários

Unidade 5. Instalações prediais de esgotos sanitários Unidade 5 Instalações prediais de esgotos sanitários 1. INTRODUÇÃO Um bom sistema de esgotos sanitários de uma residência, prédio ou logradouro público, é aquele que diante do qual não se percebe a sua

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO OBRA: CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Sobral. ENDEREÇO: Rua Sem Denominação Oficial

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO 1. GENERALIDADES O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas

Leia mais

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS MEMORIAL CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM RUA TRIADENTES, S/Nº-CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL - AMAZONAS PÁGINA 1 DE 5 AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO

Leia mais

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 075

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 075 USO RACIONAL DA ÁGUA: AVALIAÇÃO DE IMPACTOS NOS SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIOS ATRAVÉS DE METODOLOGIA RACIONAL PARA CONCEPÇÃO, PROJETO E DIMENSIONAMENTO Daniel C. Santos (1) Eng. Civil, Professor

Leia mais

Instalações prediais de esgotos sanitários

Instalações prediais de esgotos sanitários Instalações prediais de esgotos sanitários Esgotos sanitários Objetivos de uma instalação de esgotos sanitários: Coletar e afastar da edificação os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR 81,9(56,'$'()('(5$/'2&($5È '(3$57$0(172'((1*(1+$5,$(6758785$/( &216758d 2&,9,/ 127$6'($8/$6 &216758d 2'((',)Ë&,26,,167$/$d (66$1,7È5,$6 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV,,QVWDODo}HV6DQLWiULDV

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Vista de instalação de esgoto sob laje e shaft em edifício comercial (Fonte: www.suzuki.arq.br).

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS 2 INTRODUÇÃO A água da chuva é um dos elementos

Leia mais

Conservação de Água nos Edifícios. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP

Conservação de Água nos Edifícios. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Conservação de Água nos Edifícios Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP 13% águas superficiais - mundo 34,9% Américas 68 região Norte 6% região Sudeste ~ 9,1 milhões hab. 68%

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DOS PROJETOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, SANITÁRIAS E PLUVIAL MERCADO PÚBLICO DO SÃO JOAQUIM TERESINA PI AGOSTO/2014 IDENTIFICAÇÃO Obra: Mercado do São Joaquim Endereço: Bairro São

Leia mais

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO

MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO 1 MEMORIAL DESCRITIVO Obra Serviço: Centro de Parto Normal - Maternidade Santa Mônica - Uncisal Local: Avenida Comendador Leão, 1.001 - Poço - Alagoas Área de Construção:

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Caxias do Sul 2015 2 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Determinação do número de contribuintes...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf )

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) N = 33 pessoas C = 130 litros (tab.1) T = 0,83 (tab. 2 - volume entre 3001 a 4500 ) K = 94 (tab. 3 limpeza anual e t 10 ) Lf = 1

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

1. Quais os objetivos da elaboração do projeto. 2. Apresentação da terminologia e simbologia.

1. Quais os objetivos da elaboração do projeto. 2. Apresentação da terminologia e simbologia. APRESENTAÇÃO A presente apostila foi elaborada para servir de material de apoio para as aulas da disciplina de Instalações. A apostila pretende fornecer elementos suficientes para a elaboração do projeto

Leia mais

INSTALAÇÕES II - PROFESSORA: Dra. ELIETE DE PINHO ARAUJO INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO:

INSTALAÇÕES II - PROFESSORA: Dra. ELIETE DE PINHO ARAUJO INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO: INSTALAÇÕES II - PROFESSORA: Dra. ELIETE DE PINHO ARAUJO INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO: O abastecimento de água para as cidades gera alguns problemas. Toda água irá transformar-se em esgoto, que deve

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 1993 NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS. Introdução

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS. Introdução MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS Introdução O presente projeto pretende dimensionar e posicionar na edificação toda rede hidrossanitária. Estas instalações devem ser realizadas de acordo

Leia mais

Dimensionamento das Instalações de Água Fria

Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento é o ato de determinar dimensões e grandezas. As instalações de água fria devem ser projetadas e construídas de modo a: - Garantir o fornecimento

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA 1. ÂMBITO DA NOTA TÉCNICA A presente nota técnica diz respeito aos princípios gerais orientadores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Sistemas de Esgotos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito Sistemas de Esgotos

Leia mais

ESTUDO DO SISTEMA HIDROSSANITÁRIO APARENTE COM RELAÇÃO À NORMA DE DESEMPENHO 15575-6/2008

ESTUDO DO SISTEMA HIDROSSANITÁRIO APARENTE COM RELAÇÃO À NORMA DE DESEMPENHO 15575-6/2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Fernando Morais Neves ESTUDO DO SISTEMA HIDROSSANITÁRIO APARENTE COM RELAÇÃO À NORMA DE DESEMPENHO 15575-6/2008

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas Guia de Soluções Problemas & Soluções Este manual técnico traz exemplos de situações que surgiram durante a instalação e operação dos sistemas URIMAT no país ou no exterior nos últimos anos. A seguir,

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS MEMORIAL DESCRITIVO I N S T A L A Ç Õ E S H I D R O - S A N I T Á R I A S EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS AC. CERES ENDEREÇO: AV. PRESIDENTE VARGAS, Nº220, CENTRO, CERES - GO. Página 1 de 8

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO

UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO FERNANDO BARBOSA SANTOS PETUNIA DE ANDRADE SILVA RAFAEL ALBERTINI BELENTANI ARAÇATUBA-SP

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Caxias do Sul 2015 1 Sumário 1 REDES DE ÁGUA... 3 1.1 Assentamento

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Esquema de Instalação Hidráulica RESIDENCIAL Atenção: Modelo meramente ilustrativo em casas térreas. Para sua segurança e garantia do bom funcionamento das tubulações de

Leia mais

DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97)

DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97) DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97) Aprova o novo Regulamento para Instalações Prediais de Esgotos Sanitários no Distrito Federal, que com este baixa,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014 5 DIMENSIONAMENTO Versão 2014 Data: Março / 2014 5.1. Parâmetros para o dimensionamento... 5.3 5.1.1. Escolha de parâmetros... 5.3 5.1.2. Tipologia construtiva da instalação predial... 5.3 5.1.3. Pressão

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDRO SANITÁRIO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng Civil Cleber Giordani

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

Professor: Gustavo Tormena Engenheiro Civil Colaborador: Rafael Di Bello Engenheiro Civil

Professor: Gustavo Tormena Engenheiro Civil Colaborador: Rafael Di Bello Engenheiro Civil Professor: Gustavo Tormena Engenheiro Civil Colaborador: Rafael Di Bello Engenheiro Civil Maio/2010 Tipos de Sistemas existentes em uma edificação 2 (1) Instalações Hidrossanitárias: Água Fria; (2) Instalações

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS

INSTALAÇÕES PREDIAIS INSTALAÇÕES PREDIAIS Prof. Marco Pádua ÁGUA FRIA As instalações prediais de água fria são o conjunto de tubulações, conexões, peças, aparelhos sanitários e acessórios, que permitem levar a água da rede

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Uso sustentável da água na construção Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Profa. Dra. Marina Ilha, FEC/UNICAMP 13% águas superficiais - mundo 34,9% Américas 68 região Norte

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3.

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3. PROJECTO DA REDE PREDIAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Memória Descritiva e Justificativa COMUNICAÇÃO PRÉVIA, Mata do Duque 2ª Fase, 58A 59B, Santo Estêvão, Benavente Requerente: Karen Simpson

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

FOSSAS SÉPTICAS. Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA

FOSSAS SÉPTICAS. Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA FOSSAS SÉPTICAS Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Apresentaçã ção 2-O que é a fossa séptica e como funciona 3-Restrições ao uso, Localização e Distâncias Mínimas 4-Aspectos

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistemas prediais de esgoto

Leia mais

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Órgãos acessórios Profª Gersina Nobre Concepção da coleta de esgoto sanitário Para a concepção da coleta de esgoto sanitário é necessária a definição dos dispositivos que serão empregados

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II TIPOS Água Fria Esgoto Águas Pluviais Água Quente Incêndio

Leia mais