Unidade 5. Instalações prediais de esgotos sanitários

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade 5. Instalações prediais de esgotos sanitários"

Transcrição

1 Unidade 5 Instalações prediais de esgotos sanitários 1. INTRODUÇÃO Um bom sistema de esgotos sanitários de uma residência, prédio ou logradouro público, é aquele que diante do qual não se percebe a sua existência. Ou seja, promove o afastamento rápido das águas servidas, não produz odores, ruídos ou contaminação, nem atrapalha o ambiente. É duradouro, de fácil manutenção e deve ser construído com o menor custo possível. É composto de tubulações, equipamentos e acessórios, projetados segundo normas e procedimentos padronizados, objetivando atender a cada caso específico, utilizando materiais disponíveis no mercado. As normas brasileiras que tratam do assunto são: NBR 8160 Instalação Predial de Esgoto Sanitário Procedimento Set/1983. NBR 5580 Tubos de aço carbono, aptos para rosca. NBR 6414 para usos comuns na condução de fluídos Especificações. NBR 5645 Tubos cerâmicos para canalizações Especificação NBR 5688 Tubos e conexões de PVC rígido para esgoto predial e ventilação Especificação. NBR 6943 Conexão de ferro maleável para tubulações Classe 10 Padronização. NBR 7229 Construção e instalação de fossas sépticas e disposição dos efluentes finais Procedimento. NBR 7362 Tubos de PVC rígido de seção circular, coletores de esgotos Especificação. NBR 8161 Tubos e conexões de ferro fundido para esgoto e ventilação Padronização. 2. FINALIDADE E OBJETIVOS A instalação predial de esgotos sanitários destina-se a coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos, encaminhando-os a um destino indicado pelo poder público competente, que pode ser: a) em rede pública de coleta de esgotos sanitários; b) em sistema particular, quando não houver rede pública de esgotos sanitários. Segundo a NBR 8160/83, as instalações prediais de esgotos sanitários devem ser projetadas e executadas de modo a: - Permitir rápido escoamento dos esgotos sanitários e fáceis desobstruções; - Vedar a passagem de gases e animais das tubulações para o interior das edificações; - Não permitir vazamentos, escapamentos de gases e formação de depósitos no interior das tubulações; - Impedir a poluição da água potável. 1

2 Figura 1 Esgoto primário, esgoto secundário e desconector (Fonte:Tigre). 3. CLASSIFICAÇÃO DOS ESGOTOS SANITÁRIOS Os esgotos sanitários prediais classificam-se em primários e secundários. São chamados primários os esgotos aos quais têm acesso os gases provenientes da rede pública. São secundários os esgotos aos quais não têm acesso aqueles gases. O acesso dos gases da rede pública aos esgotos secundários, é impedido através de desconectores. A figura 1, apresenta a planta de um banheiro, onde é ilustrada a distinção entre esgoto primário e secundário. Naquela figura, a caixa sinfonada é o desconector coletivo. 4. PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS a Canalizações para coleta e afastamento das águas servidas. b Desconectores c Canalizações para ventilação d Órgãos especiais CANALIZAÇÕES PARA A COLETA E O AFASTAMENTO DAS ÁGUAS SERVIDAS A rede para coleta e afastamento das águas servidas é constituída por: Ramais de descarga e de esgoto, tubos de queda, subcoletores e coletor predial (Figura 2). Existem também caixas de inspeção ou de passagem e peças de inspeção. É dimensionada em função das descargas dos aparelhos sanitários a que servem, cuja descarga é definida em função do número de unidades de descargas, ou UNIDADE HUNTER DE CONTRIBUIÇÃO (UHC). Uma UHC corresponde uma descarga de 28 l/min, ou a descarga de um lavatório de residência. Figura 2. Ramais de descarga, ramal de esgoto, tubo de queda e coluna de ventilação. 2

3 Ramal de descarga: Canalização diretamente ligada ao aparelho sanitário, do qual recebe os efluentes. Deve Ter seu diâmetro mínimo fixado de acordo com a Tabela 1. É exigido o diâmetro mínimo de 100mm (4 ) para as canalizações que recebem despejos de bacias sanitárias. Ramal de esgoto: Canalização que recebe os efluentes de ramais de descarga. É dimensionado somando-se as unidades de descarga de todos os aparelhos servidos pelo ramal e respeitando-se os diâmetros nominais mínimos fixados na Tabela 2. Tubo de queda: Canalização vertical que recebe efluentes de ramais de descarga, de esgoto ou subcoletores. Deve ter diâmetro uniforme e sempre que possível instalado no mesmo alinhamento. A descarga para dimensionamento é obtida somando-se as unidades de descarga por pavimento e em todo tubo. O diâmetro deve ser fixado respeitando-se os diâmetros nominais mínimos fixados na Tabela 3. O diâmetro do tubo de queda deve ser maior ou igual ao de qualquer ramal de esgoto servido por ele. Subcoletor: Canalização, normalmente horizontal, que recebe efluentes de um ou mais tubo de queda, ou ramal de esgoto. Coletor predial: É o trecho de canalização horizontal compreendido entre a última inserção de subcoletor, ramal de esgoto, de descarga ou tubo de queda, e a rede pública ou local de lançamento dos despejos. O coletor predial e o subcoletor devem ser dimensionados de acordo com a Tabela 4. Devem ser instalados com declividades uniformes, respeitados os valores mínimos fixados naquela tabela. Para o cômputo do número de UNIDADES HUNTER DE CONTRIBUIÇÃO, no caso dos coletores prediais e subcoletores, nos banheiros de prédios residenciais deve ser considerado apenas o aparelho de maior descarga. Nos demais casos, devem ser considerados todos os aparelhos. O coletor predial deve ter diâmetro nominal mínimo de 100mm. As tubulações horizontais com diâmetros nominais menores ou iguais a 75mm, devem ser instaladas com declividade mínima de 2%. As com diâmetros maiores ou iguais a 100mm devem ter declividade mínima de 1%, com exceção dos coletores e subcoletores que devem obedecer os valores fixados na Tabela 4. 3

4 TABELA 1 - UNIDADES HUNTER DE CONTRIBUIÇÃO DOS APARELHOS SANITÁRIOS E DIÂMETRO NOMINAL MÍNIMO DOS RAMAIS DE DESCARGA. DIÂMETRO APARELHO SANITÁRIO NÚMERO DE UNIDADES DE DESCARGA NOMINAL MÍNIMO DO RAMAL DE DESCARGA (mm) (DN) Banheira de residência 2 40 Bebedouro 0,5 40 Bidê 1 40 Chuveiro de residência 2 40 Chuveiro coletivo 4 40 Lavatório de residência 1 40 Lavatório de uso geral 2 40 Mictório com válvula de descarga 6 75 Mictório com cx. de descarga 5 50 Mictório com descarga automática 2 40 Mictório de calha * 2 50 Pia de residência 3 50 Pia de cozinha industrial preparação 3 50 Pia de cozinha industrial lavagem de panelas 4 50 Máquina de lavar pratos 2 ** 50 Máquina de lavar roupa 3 ** 50 Bacia sanitária Tanque de lavar roupas 3 40 * Por metro de calha considerar como ramal de esgoto (Tabela 5) ** Considerar também as recomendações dos fabricantes TABELA 2 - DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS DE ESGOTO. Número de unidades HUNTER de Diâmetro nominal (mm) contribuição (DN) TABELA 3 - DIMENSIONAMENTO DOS TUBOS DE QUEDA. Número máximo de unidades HUNTER de Diâmetro nominal do tubo (mm) contribuição (DN) Prédio de até três pavimentos Prédio com mais de três pavimentos

5 TABELA 4 - DIMENSIONAMENTO DOS SUBCOLETORES E COLETOR PREDIAL. Número máximo de unidades de HUNTER Diâmetro nominal do tubo (DN) de contribuição em função das declividades mínimas (%) 0, Desconectores Desconector é todo sifão sanitário ligado a uma canalização primária. Sifão sanitário é um dispositivo hidráulico destinado a vedar a passagem de gases e animais, do interior das canalizações de esgoto para o interior dos edifícios Sifões Todo aparelho sanitário deve ser isolado de canalização primárias através de sifão sanitário. Utiliza-se sifão sanitário individual em mictórios, bacias sanitárias, pias de cozinha, pias de despejo e tanques de lavar. A figura 3 mostra alguns tipos de sifões para bidês, lavatórios e pias de cozinha. As figuras 4 e 5 mostram sifões utilizados em vasos sanitários e a figura 6 mostra o sifão de mictórios. Os vasos sanitários e mictórios, são autosifonados. Figura 3. Sifões sanitários para bidê, lavatório e pia de cozinha. Os sifões podem ser feitos de chumbo, ferro fundido, bronze, plástico, cobre, latão, cimento amianto ou cerâmica vidrada. A NBR 8160 estabelece que os sifões devem: a - Ter fecho hídrico independente de partes móveis e de divisões internas, com altura mínima de 50mm. b - Ter secção de vazão igual ou superior à do respectivo ramal de esgoto ou de descarga. c - Ter bujão de limpeza amplo, e de metal não ferroso, conforme indicado na figura 6. Figura 4. Sifões de vaso sanitário. (Fonte: Belinazo 1986). 5

6 Comumente liga-se os ramais de descarga de lavatórios, banheiras, bidês e ralos (de boxes de chuveiros, ou de coleta de águas de pisos) a caixas sifonadas. Figura 5. Sifão de Mictório Caixas sifonadas Além da função de desconector, as caixas sinfonadas tem a função de unir o esgoto secundário proveniente dos ramais de descarga de lavatórios, banheiras, bidês e ralos de uma mesma peça de utilização, lançando-os ao ramal de esgoto correspondente. Podem ser fechadas ou com grelha. Devem ser fechadas se destinarem-se a receber despejos de mictórios e pias de despejo. A figura 7, apresenta a caixa sinfonada normatizada pela NBR Figura 6. Sifão normatizado (NBR 8160) Canalizações para ventilação Funcionamento A rede de ventilação é extremamente importante uma vez que ao permitir a entrada de ar nas canalizações de esgotos sanitários, asseguram que essas funcionem como condutos livres, ou seja, sob pressão atmosférica, impedindo o surgimento de pressões negativas que poderiam romper os fechos hídricos dos desconectores instaladas nas junções das canalizações de esgotos secundários com esgotos primários, possibilitam que os gases provenientes da rede pública de esgotos sanitários, sejam lançados na atmosfera sem penetrar no interior das edificações. A figura 8, ilustra de maneira esquemática o funcionamento de uma tubulação de esgotos sanitários e a importância da rede de ventilação: - Suponhamos que seja descarregada a bacia sanitária do piso superior: a - O esgoto descarregado, ao penetrar no tubo de queda, funciona como um pistão hidráulico, comprimindo o ar abaixo. b - O ar comprimido exerce pressão sobre as colunas d água que estão nos sifões. S2, S3, S4 se não houvesse saída ele tenderia a romper o fecho hídrico através do SIFONAMENTO POR COMPRESSÃO, permitindo a entrada de gases nos sanitários. Tal problema é evitado pela ligação dos ramais de ventilação à coluna de ventilação. c - Na parte superior, acima do pistão hidráulico, a coluna líquida ao descer tende a provocar vácuo parcial (fenômeno do sifonamento por aspiração que ocasionaria o 6

7 rompimento do fecho hídrico, se não houvesse o prolongamento do tubo de queda até a cobertura, de modo a permitir a entrada de ar. O rompimento do fecho hídrico, também pode se dar por autosifonamento, ou seja, o sifonamento que pode ocorrer devido à própria descarga do aparelho, se o ramal de descarga for muito comprido e de pequena secção-canal. Sob pressão, surge à montante do volume de água deslocado, condições para que haja aspiração da água que deveria formar o fecho hídrico no sifão. Esse problema é evitado pela rede de ventilação, que ao permitir entrada de ar no sistema, evita o aparecimento de sobrepressões e subpressões. A rede de ventilação é constituída por canalizações que se iniciam próximas aos sifões e que terminam abertas ao exterior. Seus componentes são: TUBO VENTILADOR: Canalização ascendente que permite o acesso do ar atmosférico na rede de esgotos, a saída de gases das canalizações e impede a ruptura do fecho hídrico dos desconectores. TUBO VENTILADOR PRIMÁRIO: É o tubo ventilador com extremidade aberta, situada acima da cobertura do edifício. TUBO VENTILADOR SECUNDÁRIO: É o tubo ventilador com extremidade superior ligada a um tubo ventilador primário, a uma coluna de ventilação ou a um outro tubo ventilador secundário. COLUNA DE VENTILAÇÃO: Canalização vertical destinada à ventilação de sifões sanitários localizados em pavimentos superpostos. RAMAL DE VENTILAÇÃO: É o tubo ventilador secundário ligando 2 ou mais tubos ventiladores individuais, a uma coluna de ventilação ou a um tubo ventilador primário. TUBO VENTILADOR INDIVIDUAL: É o tubo ventilador secundário ligado ao sifão, ou ao ramal de descarga de um aparelho sanitário. TUBO VENTILADOR DE CIRCUITO: É o tubo ventilador secundário ligado a um ramal de esgoto e servindo a um grupo de aparelhos, sem ventilação individual. TUBO VENTILADOR SUPLEMENTAR: Canalização vertical ligando um ramal de esgotos ao tubo de ventilador de circuito correspondente. TUBO VENTILADOR DE ALÍVIO: Tubo ventilador secundário ligando o tubo de queda ou ramal de esgoto ou de descarga á coluna de ventilação. Toda instalação predial de esgotos deve ter, no mínimo, um tubo ventilador primário, de diâmetro nuca inferior a 75mm. Todo desconector deve ser ventilado. Uma coluna de ventilação pode ser um tubo ventilador primário ou secundário, dependendo se está ligado ou não a outro tubo ventilador. Caso tenha extremidade livre, constitui-se em tubo ventilador primário. 7

8 Figura 8. Representação esquemática do funcionamento de uma canalização de esgotos (Fonte: Foresti 1980). Figura 9. Terminologia. Figura 10. Terminologia. 8

9 Prescrições da NBR em prédios de um só pavimento deve existir pelo menos um tubo ventilador de DN 100, ligado diretamente à caixa de inspeção ou em junção ao coletor predial, subcoletor ou ramal de descarga de um vaso sanitário e prolongado até acima da cobertura desse prédio. Se o prédio for residencial e tiver no máximo 3 vasos sanitários, o tubo ventilador pode ter diâmetro nominal DN em prédios de dois pavimentos, os tubos de queda devem ser prolongados até acima da cobertura, sendo todos os desconectores (vasos sanitários, sifões e caixas sifonadas) providos de ventiladores individuais ligados à coluna de ventilação, conforme indicados nas figuras 12 e Nos prédios cuja instalação de esgotos sanitários já possua pelo menos um tubo ventilador primário de DN 100, fica dispensado o prolongamento de todo tubo de queda, desde que preenchidas as seguintes condições: Figura 12. Arranjos típicos de ventilação. Figura 13. Esquema vertical. 9

10 a) o comprimento não exceda de ¼ da altura total do prédio, medida na altura vertical do tubo; b) não receba mais de 36 unidade HUNTER de contribuição; c) tenha a coluna de ventilação prolongada até a cobertura do prédio, ou em conexão com outra existente, respeitados os limites de TABELA 7. Toda a tubulação de ventilação deve ser instalada de modo que qualquer líquido que porventura nela venha ter ingresso, possa escoar-se completamente por gravidade, para dentro do tubo de queda, ramal de descarga ou desconector em que o ventilador tem origem. Toda a coluna de ventilação deve ter diâmetro uniforme, a extremidade inferior ligada a um subcoletor ou a um tubo de, em ponto situado abaixo da ligação do primeiro ramal de esgoto ou de descarga, ou neste ramal de esgoto ou de descarga. A extremidade superior deve ser situada acima da cobertura do edifício, ou ligada a um tubo ventilador primário a 150mm, ou mais, acima do nível de trasbordamento da água do mais elevado aparelho sanitário por ele servido. Quando não for possível o prolongamento dos tubos ventiladores até acima da cobertura, pode ser utilizado um barrilete de ventilação. Esse barrilete é dimensionado pela soma das unidades HUNTER dos tubos de queda servidos no trecho e o comprimento a considerar é o mais extenso, da base da coluna de ventilação mais longe da extremidade aberta do barrilete, até essa extremidade. Todo desconector deve ser ventilado. A distância do desconector à ligação do tubo ventilador que o serve, não deve exceder os limites da tabela 5. TABELA 5 - DISTÂNCIA MÁXIMA DE UM SIFÃO (DESCONECTOR) AO TUBO VENTILADOR. Diâmetro nominal do ramal de descarga Distância máxima (m) (mm) (DN) 40 1, , , ,40 A extremidade do tubo ventilador primário ou coluna de ventilação deve estar situada acima da cobertura do prédio a um a distância de no mínimo de 30cm, no caso de telhado ou laje simples e de 2,0m no caso de lajes utilizadas para outros fins (Playgrounds, áreas de recreação, etc...) devendo nesses casos, ser protegidas contra choques. Também não devem estar situadas a menos de 4,0m de qualquer porta, janela, ou outro vão de ventilação, a menos que situada a 1,0m acima das vigas dos respectivos vãos. São considerados devidamente ventilados os desconectores instalados no último pavimento do prédio, nas seguintes condições. a) o número de UHC for menor que 15; b) a distância entre a ligação do desconector até o tubo ventilador não exceder os limites da tabela 5. São considerados devidamente ventilados os desconectores, caixas sifonadas ou sifões, quando ligados a um tubo de queda que não receba efluentes de vasos sanitários e mictórios, observadas as distâncias indicadas na tabela 5. Os desconectores das caixas retentoras e caixas sinfonadas instaladas no térreo e ligadas ao subcoletor devidamente ventilado, são considerados ventilados. 10

11 A extremidade superior dos ramais de ventilação, deve ser ligada a um tubo ventilador primário, a auma coluna de ventilação ou a outro ramal de ventilação, sempre a 15cm ou mais acima do nível de trasbordamento da água do mais alto dos aparelhos servidos, conforme indicado na figura 14. Figura 14. Ligação do ramal de ventilação. O vaso sanitário provido de orifício para ventilação, com desconetor externo ou interno, deve ser ventilado individualmente. O vaso sanitário auto-sifonado não dispõe de orifício para ventilação, por isso deve ter o seu ramal de descarga ventilado individualmente, podendo essa ventilação ser dispensada quando houver qualquer desconector ligado a esse ramal e a 2,40m no máximo, do vaso sanitário e o ramal de ventilação tiver no mínimo DN 50. (figura 15) Os vasos sanitários autosifonados, ligados em bateria, devem ser ventilados por um tubo ventilador de circuito, ligando a coluna de ventilação ao ramal de esgoto na região entre o último e o penúltimo vaso sanitário. Quando o número de vasos sanitários exceder a 8 há necessidade de ventilação suplementar, conforme indicado nas figuras 16 e 17. Os tubos de queda que recebem descargas de mais de 10 andares devem ser ligados à coluna de ventilação através de tubo ventilador de alívio, a cada dez pavimentos à contar do andar mais alto. A extremidade inferior do tubo ventilador de alívio deve ser ligada ao tubo de queda através de junção de 45º, colocada a 15cm, ou mais acima do nível de trasbordamento da água do aparelho mais alto servido pelo ramal de esgoto ou de descarga. Nos desvios de tubos de queda que formem ângulo maior que 45º com a vertical deve ser prevista outra ventilação considerando-se como se houvesse dois tubos de queda um acima e outro abaixo do desvio, conforme indicado na figura 18. Nos tubos de queda que recebem despejos de pias, tanques, máquinas de lavar e outros aparelhos onde são usados detergentes que provoquem a formação de espuma, deve ser evitada a ligação de aparelhos ou tubos ventiladores nas zonas de pressão de espuma indicadas na figura

12 Figura 15. Dispensa de ventilação do ramal de descarga do vaso sanitário (NBR 8160). Figura 16. Ventilação em circuito (vasos autosifonados (NBR 8160). Figura 17. Ventilação em circuito (vasos autosifonados (NBR 8160). Figura 18. Desvio do tubo de queda. Figura 19. Zonas de pressão de espuma. 12

13 Dimensionamento TABELA 6 - UNIDADES HUNTER DE CONTRIBUIÇÃO PARA APARELHOS NÃO RELACIONADOS NA TABELA 1. Diâmetro nominal mínimo do ramal de Número de unidades descarga (mm) HUNTER de contribuição (DN) TABELA 7 - DIMENSIONAMENTO DO RAMAL DE VENTILAÇÃO. Grupo de aparelhos sem vasos sanitários Grupo de aparelhos com vasos sanitários Nº de HUC DN do ramal Nº de HUC DN do ramal Até Até a a a TUBO VENTILADOR SUPLEMENTAR: diâmetro nominal não inferior à metade do diâmetro do ramal de esgotos a que estiver ligado. COLUNA DE VENTILAÇÃO: Tabela 7. Inclui-se no comprimento da coluna de ventilação o trecho do ventilador primário entre o ponto de inserção da coluna e a extremidade do ventilador. BARRILETE DE VENTILAÇÃO: Tabela 7. Pela soma das unidades HUNTER de contribuição dos tubos de queda servidos; TUBO VENTILADOR DE ALÍVIO: diâmetro nominal igual ao da coluna de ventilação a que estiver ligado. As figuras 20, 21 e 22 mostram em planta esquemas de ventilação de banheiros. Figura 20. Ligação com desconector (caixa sinfonada) utilização de tubos ventiladores individuais. Figura 21. Ventilação em circuito (Obs.: o ralo sifonado tem ventilação individual). 13

14 Figura 22. Ligação com desconector ventilação em circuito. (Esquema comumente utilizado em apartamentos) Órgãos acessórios São órgãos acessórios as caixas retentoras de gordura, as caixas de passagem e as caixas e peças de inspeção Caixas retentoras de gordura É recomendado por norma o uso de caixas retentoras de gordura nos esgotos sanitários que contiverem resíduos de gorduras provenientes de pias de copas e cozinhas, devendo ser instaladas em locais de fácil acesso e boas condições de ventilação. As caixas de gordura podem ser: pequenas (CGP), simples (CGS), duplas (CGD) e especiais (CGE). Os componentes e dimensões das 3 primeiras estão indicados na figura 23. As especiais devem ter as seguintes características: - distância mínima entre o septo e a saída: 20cm; - parte submersa do septo: 40cm; - altura molhada: 60cm; - diâmetro nominal da tubulação de saída: 100mm - volume da câmara de retenção de gordura obtido pela fórmula; V = 2 N + 20 sendo: N = número de pessoas servidas pelas cozinhas que contribuem para a caixa de gordura V = volume em litros. Deve existir pelo menos uma caixa de gordura simples para a coleta dos resíduos gordurosos de uma ou até duas cozinhas. Havendo mais de duas e até doze cozinhas, deve ser utilizada a caixa de gordura dupla. Acima de doze cozinhas, ou ainda para cozinhas de restaurantes, escolas, hospitais quartéis, etc..., devem ser utilizadas caixas de gordura especiais. As pias de cozinha instaladas superpostas em vários pavimentos devem descarregar em tubos de queda que conduzam os esgotos para caixas retentoras de gordura coletivas, sendo vetado neste caso o uso de caixas retentoras de gordura individuais nos andares Elementos de inspeção As tubulações embutidas ou não, devem ser acessíveis por intermédio de caixas de inspeção ou peças especiais de inspeção, a NBR 8160 estabelece: - Na deflexão entre dois elementos de inspeção deve ser usada curva longa com ângulo central não superior a 90º, desde que não seja possível a instalação de outro elemento de inspeção; - Os sifões devem ser visitáveis ou inspecionáveis, na parte correspondente ao fecho hídrico, por meio de bujões ou outro meio de fácil remoção; - As desobstruções e limpezas dos coletores prediais, subcoletores e ramais de esgotos e de descarga devem ser feitas através de caixas de inspeção, 14

15 dependendo seu número e localização, das condições locais e do traçado dessas tubulações; - A distância entre caixas de inspeção, poços de visita ou peças de inspeção não deve ser superior a 25m; - A distância entre a ligação do coletor predial com o coletor público e a caixa de inspeção, poço de visita ou peça de inspeção mais próxima, não deve ser superior a 25m; - Os comprimentos dos trechos dos ramais de descarga e de esgotos de vasos sanitários, caixas retentoras e caixas sinfonadas, medidos entre os mesmos e as caixas de inspeção, não devem ser maiores que 10m. Quando as caixas de inspeção, poços de visita, caixas retentoras ou caixas sifonadas se localizarem em áreas internas ou poços de ventilação de prédios, essas áreas ou poços devem ser providos de janelas, que permitam fácil acesso aqueles dispositivos; - Não devem ser colocados caixas de inspeção ou poços de visita em locais pertencentes a uma unidade autônoma, quando os mesmos recebem a contribuição de despejos de outras unidades autônomas; - As tampas das caixas de inspeção, dos tubos operculados, dos bujões e das caixas retentoras devem ficar completamente livres, de modo que não haja necessidade de remover qualquer impecilho para a sua pronta abertura. - Figura 23. Caixa de gordura normatizada (Fonte: Belinazo 1986) Caixas de inspeção Devem ser feitas de concreto, alvenaria ou cimento-amianto e ter: a) forma retangular, com 0,60m x 0,60m, no mínimo, ou circular, com diâmetro de 0,60m, no mínimo, até a profundidade máxima de 1,00m; b) tampa de material resistente e facilmente removível, permitindo perfeita vedação. É recomendável que sejam dotadas de tampa de ferro fundido do tipo leve para locais com trânsito apenas de pedestres e do tipo pesado em locais onde há trânsito de veículos; c) fundo construído de modo a assegurar rápido escoamento e evitar a formação de depósitos. 15

16 d) Em prédios com mais de cinco pavimentos as caixas de inspeção não devem ser instaladas a menos de dois metros de distância dos tubos de queda que contribuem para as mesmas Caixas de passagem (Figura 24) As caixas de passagem devem ter as seguintes características: a) quando cilíndricas devem ter o diâmetro mínimo de 15cm e quando prismáticas permitir, na base, a inscrição de um círculo de diâmetro mínimo de 15cm; b) ser provida de grelha ou tampa cega; c) ter altura mínima de 10cm; d) ter tubulação de saída dimensionada em função do ramal de esgoto correspondente; As caixas de passagem não podem ser usadas para receber despejos fecais; As caixas de passagem que recebam efluentes de pias de cozinha ou mictórios devem ser providas de tampa hermética. No caso de servirem a mictórios devem ser de material não atacável pela urina Poços de visita (figura 25) Os poços de visita devem ter: a) profundidade maior que 1m; b) forma prismática de base quadrada ou retangular com as dimensões internas de 1,10m de lado mínimo ou cilíndrica com diâmetro mínimo de 1,10m; c) degraus que permitam o acesso ao seu interior; d) tampa removível que garanta perfeita vedação; e) fundo constituído de modo a assegurar rápido escoamento e evitar depósitos; f) duas partes constituídas pela câmara de trabalho e pela câmara de acesso ou chaminé de acesso; g) câmara de acesso com diâmetro interno mínimo de 60cm; Para dimensionamento e detalhes dos poços de visitas, devem ser seguidas as normas brasileiras relativas ao assunto. Figura 24. Caixa de passagem ou inspeção modelo Casa Sano S.A. (fonte Macintyre, 1988). 16

17 Figura 25. Poço de visita (fonte Macintyre, 1988) Tubos operculados Os tubos operculados devem ser instalados junto às curvas dos tubos de queda todas as vezes que elas forem inatingíveis pelas varas de limpeza introduzidas pelas caixas de inspeção ou outras peças de inspeção. Devem ter as seguintes características: a) Abertura suficiente para permitir as desobstruções com a utilização de instrumentos manuais e mecânicos de limpeza; b) Ter tampa hermética; Figura 26. Tubo radial com inspeção grande (Barbará) Caixa coletora Quando não for possível que os efluentes sejam lançados, por gravidade, no coletor público, reúne-se esses despejos numa caixa coletora, para posterior recalque através de conjuntos elevatórios, até a cota favorável ao lançamento por gravidade. A caixa coletora deve ser: impermeabilizada e ventilada, e ter: a) sistema de recalque próprio, de acionamento automático, para elevar o esgoto recolhido até uma caixa de inspeção de onde possa ser retirado por gravidade. Deve ser previsto um conjunto elevatório de reserva; b) ter fundo inclinado e tampa com fechamento hermético. c) Ter tubo ventilador próprio. Capacidade calculada de modo a evitar a freqüência exagerada de partidas e paradas das bombas e a ocorrência de estado séptico. (Prever casos de emergência). Instalação elevatória com uma unidade de reserva. 17

18 5. Traçado das instalações de esgoto e ventilação 5.1. Princípios Básicos.. a) Toda mudança de direção deve ser executada de maneira correta, através da utilização de conexões ou caixas de passagem. b) Projeto completo das instalações: plantas nas escalas 1:100 ou 1:50; detalhes (1;20); esquema vertical (1:50) c) As canalizações embutidas não devem estar solidárias às peças estruturais de edifício (descida dos tubos de queda próximo aos pilares) Espaço físico para a passagem das tubulações verticais e horizontais (Fonte: Belinazo, 1986) Tubulações verticais no prédio Deve-se prever traçados os mais retos possíveis e espaços adequados tais como: - embutidas na parede - em colunas falsas - em paredes falsas - outras a) paredes com tubulações embutidas - Vantagens: Se as paredes tem função estrutural, então as vigas, se existirem serão só de amarração e não serão prejudicadas com a passagem das tubulações. - Desvantagens: Se existirem vigas com função estrutural, só podem ser atravessadas se for previsto no projeto estrutural; Se existir viga de 15cm ou menores, com função estrutural, não podem ser atravessadas pelas tubulações; b) colunas falsas - Vantagens: Solução boa, porque a tubulação não necessita atravessar a estrutura do edifício; Facilita a manutenção, principalmente quando a coluna falsa for removível; As tubulações podem ser fixadas em apenas alguns pontos, permitindo liberdade e movimentos em relação a estrutura. - Desvantagem: Podem prejudicar a estética da dependência. c) Paredes falsas - Vantagens: Favorece a estética da dependência; Favorece a descida de outras tubulações; - Desvantagem: Podem reduzir área, o que nem sempre é possível de ser admitido Tubulações horizontais nas dependências Deve-se prever declividades e espaços adequados tais como: - lajes rebaixadas com piso normal; 18

19 - lajes normais com piso elevado; - lajes normais com forro rebaixado. a) Lajes rebaixadas e piso normal ou lajes normais e pisos elevados; - Vantagens: Mais confortável para executar a instalação, apoiada sobre a laje; As instalações ficam dentro da dependência da propriedade; - Desvantagens: Se ocorrerem vazamentos é necessário demolir parte do piso da dependência, acarretando transtornos e custos adicionais; Maior custo de construção da laje rebaixada; b) Laje normal e forro rebaixado: - Vantagens: Facilidade de solução de problemas de vazamentos, através da retirada do forro; Maior economia na construção da laje. - Desvantagem: Maior dificuldade de execução As tubulações ficam dentro da dependência da propriedade do vizinho, prejudicado em caso de vazamento Seqüência de passos a serem seguidos no traçado de instalações prediais de esgoto 1) Localização do tubo de queda próximo a projeção do pilar ou parede do térreo (Figura 27) 2) Ligação da saída da bacia sanitária com o tubo de queda a mais direta possível (Figura 28) 3) Ligação da caixa sifonada e ligação ao ramal de esgotos (Figura 26) 4) Caixa sifonada com grelha aspectos estéticos. Caixa sifonada com tampa cega qualquer lugar Ligação dos ramais de descarga à caixa sifonada Caixa sifonada normal 8 aberturas (7 entradas e uma saída). (Figura 28) 5) Ligação de tubo ventilador ao ramal de esgotos e a coluna de ventilação (Figura 27) Todo o sifão deve ser ventilado. A distância entre o tubo ventilador e o sifão não deve ultrapassar aos valores da Tabela 5. Ligação entre uma canalização de esgotos horizontal e o tubo ventilador deve ser efetuada acima do eixo da mesma, elevando-se o Tubo Ventilador verticalmente ou com desvio máximo de 45º de vertical, até 15cm acima do nível máximo da água no mais alto dos aparelhos servidos antes de desenvolver-se horizontalmente ou ligar-se a outro tubo ventilador. Geralmente, os ramais de descarga de pias de cozinha são ligados aos trechos do tubo de queda, acima do piso, utilizando-se sifão individual (desaconselhável o uso de caixa com grelha). - É desaconselhável a colocação de sifão em ramais de descarga de máquinas de lavar roupa. Usualmente os efluentes desse aparelho são lançados dentro do tanque de lavar ou de caixa sifonada aberta. - Consideram-se devidamente ventilados os desconectores de pias, lavatórios e tanques, quando ligados a um tubo de queda que não receba efluentes de bacias sanitárias e mictórios, observadas as distâncias indicadas na tabela 5. 19

20 Figura 27. Figura 28. Figura 29. Ligação do tubo ventilador ao ramal de esgotos e à coluna de ventilação. 6. Detalhes das instalações Figura 30. (Fonte Brasilit). 20

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTOS Os sistemas públicos de coleta, transporte e disposição de esgotos existem desde as primeiras civilizações conhecidas (assírios,

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2 Notas de aula Tabelas, e recomendações. Esgoto Sanitário. Prof. Ms. Gerson Antonio Lisita Lopes Arantes Agosto/2004

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG

FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG INSTALAÇÃOES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES PREDIAIS LUIZ HENRIQUE BASSO Instalações de Esgoto Sanitário As instalações de esgoto sanitário destinam-se

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Sistemas Prediais, Hidráulico-Sanitários e Gás Aula 2 Prof. Julio César B. Benatti SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO NBR 8160/99 Sistema de esgoto sanitário: coletar e conduzir os despejos provenientes

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Esgotos Sanitários Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 8160,, as instalações de esgotos sanitários têm a tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA NOTAS DE AULA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA NOTAS DE AULA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL NOTAS DE AULA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS ESGOTO SANITÁRIO Prof: Dib Gebara

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 14 Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Nos projetos de sistemas prediais de esgoto sanitário vamos traçar e dimensionar as tubulações que vão desde os aparelhos sanitários até o coletor

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil 4º ANO SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. MSc. Ricardo Prado Abreu Reis Setembro - 2007 CV VP CV VP Cob. 7 1

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS. Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng.

CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS. Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng. CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng. Civil Normas Técnicas ABNT NBR-05626. Instalações Prediais de Água Fria.

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR 81,9(56,'$'()('(5$/'2&($5È '(3$57$0(172'((1*(1+$5,$(6758785$/( &216758d 2&,9,/ 127$6'($8/$6 &216758d 2'((',)Ë&,26,,167$/$d (66$1,7È5,$6 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV,,QVWDODo}HV6DQLWiULDV

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

Dimensionamento das Instalações de Água Fria

Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento é o ato de determinar dimensões e grandezas. As instalações de água fria devem ser projetadas e construídas de modo a: - Garantir o fornecimento

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Caxias do Sul 2015 2 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Determinação do número de contribuintes...

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO 1. GENERALIDADES O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DOS PROJETOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, SANITÁRIAS E PLUVIAL MERCADO PÚBLICO DO SÃO JOAQUIM TERESINA PI AGOSTO/2014 IDENTIFICAÇÃO Obra: Mercado do São Joaquim Endereço: Bairro São

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

INSTALAÇÕES II - PROFESSORA: Dra. ELIETE DE PINHO ARAUJO INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO:

INSTALAÇÕES II - PROFESSORA: Dra. ELIETE DE PINHO ARAUJO INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO: INSTALAÇÕES II - PROFESSORA: Dra. ELIETE DE PINHO ARAUJO INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO: O abastecimento de água para as cidades gera alguns problemas. Toda água irá transformar-se em esgoto, que deve

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO OBRA: CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Sobral. ENDEREÇO: Rua Sem Denominação Oficial

Leia mais

1. Quais os objetivos da elaboração do projeto. 2. Apresentação da terminologia e simbologia.

1. Quais os objetivos da elaboração do projeto. 2. Apresentação da terminologia e simbologia. APRESENTAÇÃO A presente apostila foi elaborada para servir de material de apoio para as aulas da disciplina de Instalações. A apostila pretende fornecer elementos suficientes para a elaboração do projeto

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez 1. água 1.1 água fria 1.1.1 Cozinha 1.1.1.1 Interface placa cimentícia 1.1.2 Lavanderia 1.1.2.1 Interface placa

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf )

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) N = 33 pessoas C = 130 litros (tab.1) T = 0,83 (tab. 2 - volume entre 3001 a 4500 ) K = 94 (tab. 3 limpeza anual e t 10 ) Lf = 1

Leia mais

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Prof. Ms. José Benedito Gianelli Filho Nesta Unidade da Disciplina, tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nas instalações

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97)

DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97) DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97) Aprova o novo Regulamento para Instalações Prediais de Esgotos Sanitários no Distrito Federal, que com este baixa,

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS MEMORIAL DESCRITIVO I N S T A L A Ç Õ E S H I D R O - S A N I T Á R I A S EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS AC. CERES ENDEREÇO: AV. PRESIDENTE VARGAS, Nº220, CENTRO, CERES - GO. Página 1 de 8

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DESINFECÇÃO DO EFLUENTE TRATADO ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DESINFECÇÃO DO EFLUENTE TRATADO ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DESINFECÇÃO DO EFLUENTE TRATADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: Jarbas de Andrade Vasconcelos

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: Jarbas de Andrade Vasconcelos GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: Jarbas de Andrade Vasconcelos SECRETARIA DE CIÊNCIA,TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE SECTMA Secretário: Cláudio José Marinho Lúcio AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS Prof. Adolar Ricardo Bohn - M. Sc. 1 A instalação predial de águas pluviais

Leia mais

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS MEMORIAL CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM RUA TRIADENTES, S/Nº-CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL - AMAZONAS PÁGINA 1 DE 5 AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO

Leia mais

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas Guia de Soluções Problemas & Soluções Este manual técnico traz exemplos de situações que surgiram durante a instalação e operação dos sistemas URIMAT no país ou no exterior nos últimos anos. A seguir,

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDRO SANITÁRIO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng Civil Cleber Giordani

Leia mais

1. INTRODUÇÃO Sistema Predial de Esgoto Sanitário (SPES)

1. INTRODUÇÃO Sistema Predial de Esgoto Sanitário (SPES) 1. INTRODUÇÃO A importância do Sistema Predial de Esgoto Sanitário na Construção Civil relacionase não apenas com as primordiais necessidades relativas à higiene e saúde, mas também com as evolutivas noções

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO

UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO FERNANDO BARBOSA SANTOS PETUNIA DE ANDRADE SILVA RAFAEL ALBERTINI BELENTANI ARAÇATUBA-SP

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

Edificações - instalações de esgoto e águas pluviais

Edificações - instalações de esgoto e águas pluviais MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev GUIA DE INSTALAÇÃO Biodigestor Fortlev 1 CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Tratamento orgânico de esgoto do tipo domiciliar. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, sítios ou qualquer outra aplicação

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O H I D R O S S A N I T Á R I O COREN CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

FOSSAS SÉPTICAS. Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA

FOSSAS SÉPTICAS. Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA FOSSAS SÉPTICAS Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Apresentaçã ção 2-O que é a fossa séptica e como funciona 3-Restrições ao uso, Localização e Distâncias Mínimas 4-Aspectos

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: Autor do Projeto Resp. Técnico: Co-Autor: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO: 200_PB.HS.AF.ET-300000

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS

INSTALAÇÕES PREDIAIS INSTALAÇÕES PREDIAIS Prof. Marco Pádua ÁGUA FRIA As instalações prediais de água fria são o conjunto de tubulações, conexões, peças, aparelhos sanitários e acessórios, que permitem levar a água da rede

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR FILTRO ANAERÓBIO REATOR ANAERÓBIO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA UNIVERSIDADE PAULISTA - ARAÇATUBA ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA PROFESSOR: RODRIGO ANDOLFATO INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA Marcos Aurélio F. Pádua RA A54345-7 Antônio Waldir de

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

ENG 350 Instalações Hidráulico-Sanitárias

ENG 350 Instalações Hidráulico-Sanitárias Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola ENG 350 Instalações Hidráulico-Sanitárias Cecília de Fátima e Souza Profª. Departamento de Engenharia Agrícola

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento.

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento. RESPOSTA TÉCNICA Título Fossa séptica Resumo Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave Fossa séptica; esgoto; tratamento. Assunto Meio ambiente, reciclagem e tratamento de resíduos Demanda

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Materiais das Tubulações Profª Gersina Nobre Materiais das tubulações Fatores que devem ser observados na escolha: Resistência a cargas externas; Resistência a abrasão e a ataque químico;

Leia mais