FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG"

Transcrição

1 FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG INSTALAÇÃOES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES PREDIAIS LUIZ HENRIQUE BASSO

2 Instalações de Esgoto Sanitário As instalações de esgoto sanitário destinam-se a coletar e encaminhar ao local indicado pelo poder público competente, os despejos provenientes da água utilizada na edificação, para fins higiênicos. A norma brasileira NBR 8160/1999 estabelece as condições técnicas mínimas que devem nortear esses projetos, cujas premissas básicas são as seguintes: Rápido escoamento dos esgotos sanitários; Fácil desobstrução; Impedimento da passagem de gases e animais do interior das instalações para o exterior; Impedimento de acúmulo de gás no interior das tubulações. As instalações de esgotamento sanitário podem ser divididas, quanto à possibilidade de acesso dos gases provenientes do coletor público ou dos dispositivos de tratamento, em duas partes. A primeira dessas, denominada de instalações primárias, permite o acesso dos gases e na outra parte, denominada de instalações secundárias, é vedada a entrada desses gases. O desconector é o dispositivo que separa essas duas partes, interpondo um fecho hídrico que impede a passagem dos gases da instalação primária para a secundária. Critérios de Dimensionamento das Tubulações As instalações de esgotamento sanitário funcionam, sempre que possível, com escoamento livre. O dimensionamento deste tipo de instalação como tal, entretanto, torna-se complexo, tendo em vista a ocorrência de escoamento gradualmente e bruscamente variado no interior dos condutos. Assim, para facilitar o processo de dimensionamento, foram criadas as unidades Hunter de contribuição associadas aos aparelhos, para fins de dimensionamento das tubulações. A unidade Hunter é um número que leva em consideração a 2

3 probabilidade de simultaneidade de uso, associada à vazão dos aparelhos sanitários em hora de contribuição máxima. Tubo de queda Quadro 4 Ramal de esgoto Quadro 3 Coluna de ventilação Quadro 8 Ramal de descarga - Quadro 1 Ramal de esgoto - Quadro 3 Caixa sifonada com grelha Figura - Indicações para terminologia e dimensionamento Ramal de ventilação Quadro 7 A Figura acima mostra parte de uma instalação sanitária, com a finalidade de esclarecer algumas denominações específicas que recebem as tubulações, bem como para indicar os quadros que ajudam a dimensionar essas tubulações em função do valor da unidade Hunter recebido pela tubulação. Algumas denominações específicas estão relacionadas a seguir, bem como a sua finalidade: Ramal de descarga, tubulação destinada a receber efluentes diretamente dos aparelhos sanitários; Ramal de esgoto, tubulação destinada a receber efluentes dos ramais de descarga; Tubo de queda; tubulação vertical destinada a receber efluentes de subcoletores, ramais de esgoto e ramais de descarga; Subcoletor, tubulação destinada a receber efluente de um ou mais tubos de queda ou ramais de esgoto; 3

4 Coletor predial, tubulação compreendida entre o sistema público ou particular de coleta local e a última inserção do subcoletor, ramal de esgoto ou de descarga; Ramal de ventilação, tubo de ventilação ligado a desconector ou ramal de descarga, por um lado, e à coluna de ventilação ou tubo ventilador primário, pelo outro lado; Coluna de ventilação, tubo de ventilação vertical que tem a extremidade superior aberta à atmosfera, ou a tubo ventilador primário; Barrilete de ventilação, tubo horizontal que recebe dois ou mais tubos ventiladores, com a extremidade superior aberta à atmosfera; Tubo de ventilação, tubulação destinada à exaustão dos gases e admissão de ar atmosférico no interior da instalação primária, para proteger os fechos hídricos dos desconectores de ruptura e manter o escoamento livre nos condutos; Tubo ventilador primário, o prolongamento do tubo de queda com a extremidade superior aberta à atmosfera. 4

5 Quadro 1- Unidades Hunter de contribuição dos aparelhos sanitários e diâmetros nominais dos ramais de descarga Aparelho Diâmetro Número de unidades nominal do Hunter de ramal de contribuição descarga DN Banheira de residência 2 40 Bebedouro Bidê 1 40 Chuveiro de residência 2 40 Chuveiro coletivo 4 40 Lavatório de residência 1 40 Lavatório geral 2 40 Mictório válvula de descarga 6 75 Mictório caixa de descarga 5 50 Mictório descarga automática 2 40 Mictório de calha por metro 2 50 Pia de residência 3 50 Pia de cozinha industrial preparação 3 50 Pia de cozinha industrial lavagem de 4 50 panelas Tanque de lavar roupas 3 50 Máquinas de lavar louças 2 50 Máquinas de lavar roupas 3 50 Vaso sanitário

6 Quadro 2 Diâmetro nominal versus unidades Hunter de contribuição Diâmetro nominal do ramal de descarga DN Número de unidades Hunter de contribuição Quadro 3 Dimensionamento de ramais de esgoto Diâmetro nominal do tubo DN Número máximo de unidades Hunter de contribuição

7 Quadro 4 Dimensionamento de tubos de queda Número máximo de unidades Hunter de contribuição Diâmetro nominal do Prédio de até 3 Prédio com mais de três pavimentos tubo DN pavimentos Em 1 pavimento Em todo o tubo Observações: O diâmetro mínimo recomendado para o tubo de queda que recebe efluentes de vaso sanitário é de 100 mm; O diâmetro mínimo de tubo de queda que recebe efluente de pias de copa, cozinha ou despejo é 75 mm; O diâmetro do tubo de queda deve ser maior ou igual ao da tubulação a ele ligada. Quadro 5 Dimensionamento de coletores prediais e subcoletores Diâmetro nominal do tubo Número máximo de unidades Hunter de contribuição declividades mínimas (%) DN 0, Observação: Diâmetro nominal mínimo para o coletor predial: 100 mm 7

8 Quadro 6 Distância máxima de um desconector ao tubo ventilador Diâmetro nominal do ramal de descarga DN Distância máxima 40 1, , , ,40 Quadro 7 Dimensionamento de ramais de ventilação Grupo de aparelhos sem vasos sanitários Grupos de aparelhos com vasos sanitários Número de unidades Hunter de contribuição Diâmetro nominal do ramal de ventilação DN Números de unidades Hunter de contribuição Diâmetro nominal do ramal de ventilação DN até Até a a a

9 Quadro 8 Dimensionamento de colunas e barriletes de ventilação Diâmetro nominal do tubo de queda Número de unidades Diâmetro nominal mínimo do tubo de ventilação ou ramal de Hunter de esgoto DN contribuição Comprimento máximo permitido (m)

10 Caráter Geral das Condições para o Melhor Desempenho das Instalações de Esgotamento Sanitário Ramais de descarga Os ramais de descarga dos vasos sanitários, caixas ou ralos sifonados, caixas retentoras e sifões devem ser ligados, sempre que possível, diretamente a uma caixa de inspeção ou então a outra tubulação primária perfeitamente inspecionável. A inserção de um ramal de descarga ou de esgoto no coletor predial, subcoletor ou em outro ramal de esgoto deve ser feita, de preferência, mediante caixa de inspeção ou então com junção simples de ângulo não superior a 45º, devendo, neste último caso, ser o mesmo ramal provido de peça de inspeção. Tubos de queda O tubo de queda deve ter diâmetro uniforme, sempre que possível, e ser instalado em um único alinhamento reto. Nas interligações de tubulações horizontais com verticais devem ser empregadas junções a 45º simples ou duplas ou tês sanitários, sendo vedado o uso de cruzetas sanitárias. Coletores prediais e subcoletores O coletor deve ser de preferência retilíneo, devendo ser colocadas caixas de inspeção ou peças de inspeção, que permitam a limpeza e desobstrução dos trechos adjacentes nas deflexões impostas pela configuração do prédio ou do terreno. No dimensionamento dos coletores e subcoletores deve ser considerado apenas o parelho de maior descarga de cada banheiro de prédio residencial, para cômputo do número de unidades Hunter de contribuição. Nos demais casos, devem ser considerados todos os aparelhos contribuintes para o cálculo do número de unidades Hunter de contribuição. 10

11 Ventilação A ventilação do sistema de esgotamento sanitário pode ser realizada por meio de ventilação primária somente ou por ventilação primária acrescida de ventilação secundária. O primeiro caso corresponde à ventilação proporcionada pelo ar que escoa no tubo de queda, quando prolongado até a atmosfera. A ventilação secundária é realizada por colunas, ramais ou barriletes específicos para ventilação. É recomendável, em prédios de um só pavimento, a existência de pelo menos um tubo ventilador de DN 100, ligado diretamente à caixa de inspeção ou em junção ao coletor predial, subcoletor ou ramal de descarga de um vaso sanitário e prolongado até acima da cobertura desse prédio. Em prédios de dois ou mais pavimentos, os tubos de queda devem ser prolongados acima da cobertura, sendo todos os desconectores (vasos sanitários, sifões e caixas sifonadas) providos de ventiladores individuais ligados à coluna de ventilação. Todo desconector deve ser ventilado. A distância do desconector à ligação do tubo ventilador que o serve, não deve exceder os limites indicados no Quadro 6. A ligação de um tubo ventilador a uma tubulação horizontal deve ser feita acima do eixo da tubulação, elevando-se o tubo ventilador até 15 cm, ou mais, acima do nível de transbordamento da água do mais alto dos aparelhos servidos. Antes de ligar-se a outro tubo ventilador. A extremidade do tubo ventilador primário ou coluna de ventilação deve estar situada acima da cobertura do edifício a uma distância de no mínimo 30 cm, no caso de telhado ou de simples laje de cobertura, e 2,00 m, no caso de laje utilizada para outros fins além de cobertura. Neste último caso, deve ser devidamente protegido contra choques ou acidentes que possam danifica-la. A extremidade aberta de um tubo ventilador primário ou coluna de ventilação não deve estar situada a menos de 4,00 m de distância de qualquer janela, porta ou outro vão de ventilação, salvo se elevada pelo menos 1,00 m acima das vergas dos respectivos vãos. 11

12 Desconectores Em todas as instalações de esgoto sanitário devem ser colocados desconectores ventilados. Todos os aparelhos da instalação predial de esgotos sanitários devem ser ligados a tubulações primárias, com a interposição dos desconectores colocados o mais próximo possível desses aparelhos, excetuando-se os que trazem um desconector como parte integrante de sua estrutura, tais como vasos sanitários e aqueles que são protegidos em grupos por um só sifão, caixa ou ralo sifonado. As pias de copa e de cozinha devem ser dotadas de sifões, mesmo quando forem ligadas a caixas retentoras de gordura. Todo desconector deve satisfazer às seguintes condições: ter fecho hídrico com altura mínima de 50 mm; apresentar orifício de saída com diâmetro igual ou maior ao do ramal de descarga a ele ligado. Os sifões devem ter fecho hídrico com altura mínima de 50 mm e devem ser munidos de bujões com rosca na parte inferior ou qualquer outro meio para fácil limpeza e inspeção. As caixas sifonadas devem ter as seguintes características: fecho hídrico com altura mínima de 50 mm; DN 100, quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 6 UHC; DN 125, quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 10 UHC; DN 150, quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 15 UHC; o ramal de esgoto da caixa sifonada deve ser dimensionado pelo quadro 3, levando em consideração a soma das UHCs dos aparelhos que contribuem para a mesma. Para coletar os despejos de lavatório, bidê, banheira, chuveiro e tanque de lavagem, assim como as águas provenientes de lavagens de pisos, podem 12

13 ser instaladas caixas sifonadas com grelhas, também designadas por ralos sifonados, ligadas, sempre que possível, diretamente a uma caixa de inspeção ou, através de junção, a uma tubulação primária provida de peça de inspeção. As caixas sifonadas devem ser instaladas em locais que permitam fácil inspeção. Em casos excepcionais, quando de todo não for possível evitar, podem ser instaladas caixas sifonadas com grelha em áreas ou pátios descobertos, desde que estas áreas estejam cimentadas ou ladrilhadas. Essas caixas devem ser colocadas de forma que as águas pluviais, que devem ter seu esgotamento por tubulação própria, não o façam por elas. A caixa sifonada pode ser substituída por sifão quando a instalação deste dispositivo preencher as seguintes condições: Permitir sua fácil e imediata limpeza ou desobstrução, sem auxílio de andaimes ou outros meios especiais; Permitir o acesso ao bujão de limpeza pela própria unidade autônoma em que ele esteja instalado. As caixas sifonadas especiais devem ter as seguintes características: Fecho hídrico com altura mínima de 20 cm; Quando cilíndricas, devem ter o diâmetro interno mínimo de 30 cm e, quando prismáticas de base poligonal, devem permitir na base a inscrição de um círculo de diâmetro mínimo de 30 cm; Devem ser fechadas hermeticamente com tampa de ferro fundido, facilmente removível; Devem ter orifício de saída com o diâmetro nominal não inferior a DN 75. Os esgotos provenientes de máquinas de lavar roupa e/ou tanques situados em pavimentos superpostos, podem ser descarregados em tubos de queda exclusivos, com caixa sifonada especial instalada no seu final. 13

14 Caixas retentoras de gordura É recomendado o uso de caixa retentora de gordura nos esgotos sanitários que contiverem resíduos gordurosos provenientes de pia de copas e cozinhas; deve ser instalada em local de fácil acesso e boas condições de ventilação e fechada hermeticamente com tampa removível. As pias de cozinha instaladas superpostas, em vários pavimentos, devem descarregar em tubos de queda que conduzam os esgotos para caixas retentoras de gordura coletivas, sendo vedado neste caso, o uso de caixas individuais nos andares. As caixas retentoras de gordura podem ser dos seguintes tipos: a) Pequena (CGP), cilíndrica, com as seguintes dimensões: diâmetro interno 30 cm; parte submersa do septo 20 cm; capacidade de retenção 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75; b) Simples (CGS), cilíndrica, com as seguintes dimensões mínimas: diâmetro interno 40; parte submersa do septo 20 cm; capacidade de retenção 31 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75; c) Dupla (CGD), cilíndrica, com as seguintes dimensões mínimas: diâmetro interno 60; parte submersa do septo 35 cm; capacidade de retenção 120 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 100; d) Especial (CGE), prismática, de base retangular, com as seguintes características: distância mínima entre o septo e a saída 20 cm; volume da câmara de retenção de gordura obtido pela fórmula: V = 2N

15 Onde: N = número de pessoas servidas pelas cozinhas que contribuem para a caixa de gordura; V = volume em litros; altura molhada 60 cm; parte submersa do septo 40 cm; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 100 Para a coleta de apenas uma paia de cozinha pode ser usada a caixa retentora de gordura pequena (a). Para coletar esgotos gordurosos provenientes de uma ou duas cozinhas deve ser usada, no mínimo, a caixa retentora de gordura simples (b). Acima de duas, até o limite de doze cozinhas, deve ser usada, no mínimo, a dupla (c). Acima de doze cozinhas, ou ainda, para cozinhas de restaurantes, escolas, hospitais, quartéis etc., devem ser usadas caixas retentoras de gordura especiais (d). As caixas retentoras de gordura devem ser divididas em duas câmaras, uma receptora e outra vedadora, separadas por um septo não-removível. A parte submersa do septo deve ter 20 cm, no mínimo, abaixo do nível da geratriz inferior da tubulação de saída, enquanto que a parte emersa deve ter 20 cm acima do mesmo nível. 15

16 Exemplo: Dimensione uma caixa de gordura para atender a 215 pessoas numa mesma cozinha. O volume será: V = 2N + 20 V = 2 x = 450 l = 0,450 m 3 Chamando: V ce = volume da 1ª câmara (entrada) V cs = volume da 2º câmara (saída) A relação entre os volumes das câmaras deverá ser de 2:1, ou seja, a câmara de entrada deverá ter o dobro da câmara de saída, logo: V = V ce + V cs V ce = 2 V cs donde: V = 3 V cs ou V cs =V/3 V cs = 450 = 150 l e V ce = 2 V cs, V ce =300 l 3 Ficando em 0,50 m a largura e 0,60 m a profundidade, teremos: 1º Compartimento: Comprimento x = 0,300 = 1,00 m 0,50 x 0,60 2º Compartimento: Comprimento y = 0,150 = 0,50 m 0,50 x 0,60 Portanto, a caixa retentora de gordura terá no 1º compartimento, ou seja, no depósito propriamente dito, 300 litros, e no 2º compartimento, isto é, na câmara de saída, 150 litros. Caixas de inspeção As caixas de inspeção devem ter: Profundidade máxima de 1,00 m; 16

17 forma prismática, de base quadrada ou retangular, com dimensões internas de 60 cm de lado (mínimo) ou cilíndrica com diâmetro mínimo igual a 60 cm; tampa facilmente removível e permitindo perfeita vedação; fundo construído de modo a assegurar rápido escoamento e evitar formação de depósito. Caixas de passagem As caixas de passagem devem ter as seguintes características: Quando cilíndricas, diâmetro mínimo de 15 cm e, quando prismáticas de base poligonal, permitir na base a inscrição de um círculo de diâmetro mínimo de 15 cm; providas de grelha ou tampa cega; altura mínima de 10 cm; tubulação de saída dimensionada pelo quadro 3 para ramais de esgotos. As caixas de passagem não podem ser usadas para receber despejos fecais; as que recebem efluentes de pias e cozinhas ou mictórios devem ser providas de tampa hermética. Poços de visita Os poços de visita devem ter: Profundidade maior que 1,00 m; forma prismática, de base quadrada ou retangular, com as dimensões internas de 1,10m de lado (mínimo) ou cilíndrica com diâmetro mínimo de 1,10 m; degraus que permitam o acesso ao interior; tampa removível que garanta perfeita vedação; fundo constituído de modo a assegurar rápido escoamento e evitar formação de depósitos; 17

18 duas partes (câmara de trabalho e câmara de acesso ou chaminé de acesso); câmara de acesso com diâmetro interno mínimo de 60 cm. Tubos Operculados Os tubos operculados devem ser instalados junto às curvas dos tubos de queda, todas as vezes que elas forem inatingíveis pelas varas de limpeza introduzidas pelas caixas de inspeção ou por outras peças de inspeção existentes na instalação. Os tubos operculados devem ter as seguintes características: abertura suficiente para permitir as desobstruções com a utilização de equipamentos manuais e mecânicos; tampa hermética removível. Aparelhos sanitários Somente podem ser instalados aparelhos sanitários que permitam fácil limpeza e remoção e que impossibilitem a contaminação da água potável. Os aparelhos sanitários devem satisfazer as normas específicas da ABNT. Os vasos sanitários devem ser dotados de fecho hídrico mínimo de 50 mm, providos ou não de orifício de ventilação no colo alto do desconector. Para uso coletivo em quartéis, escolas, indústrias etc., podem ser usados vasos sanitários tipo turco. Todos os aparelhos sanitários, exceto vasos sanitários e lavadores de comadre, devem ser providos de grelhas ou crivos nos orifícios de saída, para impedir a intromissão de corpos sólidos que possam obstruir as tubulações. Elementos Necessários Para Elaboração de Projeto Para a elaboração do projeto das instalações prediais de esgotos sanitários, são necessários: a) Definição completa dos elementos do projeto de arquitetura do edifício. Plantas, cortes e fachadas. 18

19 b) Definição completa dos projetos de estruturas e de fundações, com pelo menos a planta de fôrmas. c) Definição da possibilidade de ligação da instalação em coletor público: normalmente pela frente do lote; d) Definição dos demais projetos de instalação do edifício: água fria, água quente, águas pluviais, combate a incêndios, gás, vapor, vácuo, oxigênio, instalações elétricas etc. e) No caso de impossibilidade temporária ou definitiva de ligação em coletor público, todos os elementos necessários ao projeto da Instalação para Destino Final. Atividades Necessárias para Elaboração de Projeto O projeto das instalações prediais de esgotos sanitários compreenderá as seguintes atividades: a) Definição de todos os pontos de recepção de esgotos. b) Definição do ponto ou dos pontos de destino; definição do coletor predial. c) Definição e localização das tubulações que transportarão todos os esgotos dos pontos de recepção ao ponto ou pontos de destino. Definição das inspeções. d) Definição e localização das tubulações necessárias à ventilação das tubulações primárias. e) Definição e localização da instalação elevatória e da instalação para destino final, quando for o caso. f) Determinação, para cada trecho das tubulações projetadas, do número de unidades Hunter que lhe corresponde. g) Especificação de materiais, dispositivos e equipamentos a serem utilizados. h) Determinação dos diâmetros das tubulações e dimensionamento da instalação elevatória, quando houver. 19

20 i) Fixação de disposições construtivas. j) Relação de materiais e equipamentos. k) Apresentação do projeto com implantação, plantas baixas e detalhes. l) Tabelas, memoriais, ART e desenhos. 20

21 Materiais Os materiais normalmente empregados são: tubos e conexões de ferro fundido, tubos de aço galvanizado e conexões de ferro maleável, tubos de chumbo, tubo e conexões de cerâmica vidrada de fibrocimento e de PVC rígido. Exemplo a) Projetar a instalação de esgoto sanitário do banheiro de um estabelecimento comercial, mostrado na figura a seguir e dimensionar os ramais de descarga e de esgoto; b) Dimensionar o ramal de ventilação; c) Dimensionar o tubo de queda, a coluna de ventilação e o coletor predial que recebe o esgoto do banheiro em questão, sabendo-se que estes condutos devem atender aos 5 andares do edifício, com o mesmo tipo de instalação. 21

22 Solução: 1. Lançamento da rede: 2. Dimensionamento: a) Dimensionamento dos ramais de descarga e esgoto Trecho Unidades Diâmetro Nominal Hunter mm Observações Chuveiro caixa sifonada 4 40 Ver Quadro 1 Lavatório caixa sifonada 2 40 Ver Quadro 1 Caixa sifonada tubo de 6 50 Ver Quadro 3 queda Vaso sanitário tubo de queda Ver Quadro 1 b) Dimensionamento do ramal de ventilação O ramal de ventilação será dimensionado para atender o desconector e o vaso sanitário auto-sifonado. Assim, entrando no Quadro 7 com 12 unidades Hunter geradas nesta instalação tem-se DN = 50 mm. 22

23 c) Dimensionamento do tubo de queda, coluna de ventilação e coletor predial Considerando a totalidade do esgoto efluente dos banheiros desta edificação, tem-se 60 unidades Hunter de contribuição. Com base nesse número, obtém-se: pelo Quadro 4 diâmetro do tubo de queda = 100 mm; pelo Quadro 8 diâmetro da coluna de ventilação = 75 mm, para uma coluna de, aproximadamente, 15,0 m; pelo Quadro 5 diâmetro do coletor predial = 100 mm com declividade de 1%. Resulstado: 23

24 Bibliografia Consultada Para Elaboração da Apostila CREDER, Hélio Instalações Hidráulicas e Sanitárias 5º Edição Rio de Janeiro Livros Técnicos e Científicos Editora, BAPTISTA, Márcio e LARA, Márcia Fundamentos de Engenharia Hidráulica 2º Edição Belo Horizonte Editora UFMG, COELHO, Ronaldo Sérgio de Araújo Instalações Hidráulicas Domiciliares Rio de Janeiro Antenna Edições Técnicas Ltda, GONÇALVES, Orestes Marraccini e OLIVEIRA, Lúcia Helena Sistemas Prediais de Águas Pluviais Texto Técnico - São Paulo Escola Politécnica da USP, BOHN, Adolar Ricardo Instalação Predial de Água Quente Apostila Centro Tecnológico, Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina,

25 ANEXO 1 ESGOTO SANITÁRIO EM PLANTA BAIXA DE PAVIMENTO SUPERIOR 25

26 ANEXO 2 DETALHE DE ESGOTO SANITÁRIO 26

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTOS Os sistemas públicos de coleta, transporte e disposição de esgotos existem desde as primeiras civilizações conhecidas (assírios,

Leia mais

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2 Notas de aula Tabelas, e recomendações. Esgoto Sanitário. Prof. Ms. Gerson Antonio Lisita Lopes Arantes Agosto/2004

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Sistemas Prediais, Hidráulico-Sanitários e Gás Aula 2 Prof. Julio César B. Benatti SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO NBR 8160/99 Sistema de esgoto sanitário: coletar e conduzir os despejos provenientes

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA NOTAS DE AULA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA NOTAS DE AULA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL NOTAS DE AULA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS ESGOTO SANITÁRIO Prof: Dib Gebara

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Esgotos Sanitários Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 8160,, as instalações de esgotos sanitários têm a tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil 4º ANO SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. MSc. Ricardo Prado Abreu Reis Setembro - 2007 CV VP CV VP Cob. 7 1

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

Unidade 5. Instalações prediais de esgotos sanitários

Unidade 5. Instalações prediais de esgotos sanitários Unidade 5 Instalações prediais de esgotos sanitários 1. INTRODUÇÃO Um bom sistema de esgotos sanitários de uma residência, prédio ou logradouro público, é aquele que diante do qual não se percebe a sua

Leia mais

DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97)

DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97) DECRETO N 5.631, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1980 (Com as alterações do Dec. 18.328, de 18/06/97) Aprova o novo Regulamento para Instalações Prediais de Esgotos Sanitários no Distrito Federal, que com este baixa,

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR 81,9(56,'$'()('(5$/'2&($5È '(3$57$0(172'((1*(1+$5,$(6758785$/( &216758d 2&,9,/ 127$6'($8/$6 &216758d 2'((',)Ë&,26,,167$/$d (66$1,7È5,$6 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV,,QVWDODo}HV6DQLWiULDV

Leia mais

CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS. Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng.

CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS. Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng. CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng. Civil Normas Técnicas ABNT NBR-05626. Instalações Prediais de Água Fria.

Leia mais

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 14 Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Nos projetos de sistemas prediais de esgoto sanitário vamos traçar e dimensionar as tubulações que vão desde os aparelhos sanitários até o coletor

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez 1. água 1.1 água fria 1.1.1 Cozinha 1.1.1.1 Interface placa cimentícia 1.1.2 Lavanderia 1.1.2.1 Interface placa

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DOS PROJETOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, SANITÁRIAS E PLUVIAL MERCADO PÚBLICO DO SÃO JOAQUIM TERESINA PI AGOSTO/2014 IDENTIFICAÇÃO Obra: Mercado do São Joaquim Endereço: Bairro São

Leia mais

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

INSTALAÇÕES II - PROFESSORA: Dra. ELIETE DE PINHO ARAUJO INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO:

INSTALAÇÕES II - PROFESSORA: Dra. ELIETE DE PINHO ARAUJO INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO: INSTALAÇÕES II - PROFESSORA: Dra. ELIETE DE PINHO ARAUJO INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO: O abastecimento de água para as cidades gera alguns problemas. Toda água irá transformar-se em esgoto, que deve

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Caxias do Sul 2015 2 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Determinação do número de contribuintes...

Leia mais

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Prof. Ms. José Benedito Gianelli Filho Nesta Unidade da Disciplina, tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nas instalações

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO 1. GENERALIDADES O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO Sistema Predial de Esgoto Sanitário (SPES)

1. INTRODUÇÃO Sistema Predial de Esgoto Sanitário (SPES) 1. INTRODUÇÃO A importância do Sistema Predial de Esgoto Sanitário na Construção Civil relacionase não apenas com as primordiais necessidades relativas à higiene e saúde, mas também com as evolutivas noções

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

Dimensionamento das Instalações de Água Fria

Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento é o ato de determinar dimensões e grandezas. As instalações de água fria devem ser projetadas e construídas de modo a: - Garantir o fornecimento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS 2 INTRODUÇÃO A água da chuva é um dos elementos

Leia mais

UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO

UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO FERNANDO BARBOSA SANTOS PETUNIA DE ANDRADE SILVA RAFAEL ALBERTINI BELENTANI ARAÇATUBA-SP

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf )

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) N = 33 pessoas C = 130 litros (tab.1) T = 0,83 (tab. 2 - volume entre 3001 a 4500 ) K = 94 (tab. 3 limpeza anual e t 10 ) Lf = 1

Leia mais

1. Quais os objetivos da elaboração do projeto. 2. Apresentação da terminologia e simbologia.

1. Quais os objetivos da elaboração do projeto. 2. Apresentação da terminologia e simbologia. APRESENTAÇÃO A presente apostila foi elaborada para servir de material de apoio para as aulas da disciplina de Instalações. A apostila pretende fornecer elementos suficientes para a elaboração do projeto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO

MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO 1 MEMORIAL DESCRITIVO Obra Serviço: Centro de Parto Normal - Maternidade Santa Mônica - Uncisal Local: Avenida Comendador Leão, 1.001 - Poço - Alagoas Área de Construção:

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO OBRA: CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Sobral. ENDEREÇO: Rua Sem Denominação Oficial

Leia mais

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS MEMORIAL CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM RUA TRIADENTES, S/Nº-CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL - AMAZONAS PÁGINA 1 DE 5 AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS MEMORIAL DESCRITIVO I N S T A L A Ç Õ E S H I D R O - S A N I T Á R I A S EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS AC. CERES ENDEREÇO: AV. PRESIDENTE VARGAS, Nº220, CENTRO, CERES - GO. Página 1 de 8

Leia mais

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI Contratante: SESI - FIEB Localização: Unidade SESI Simões Filho BA. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Memorial Descritivo

Leia mais

Projeto Corpo de Bombeiros ESPECIFICAÇÕES HIDRÁULICA

Projeto Corpo de Bombeiros ESPECIFICAÇÕES HIDRÁULICA Projeto Corpo de Bombeiros ESPECIFICAÇÕES HIDRÁULICA Área 01 (Térreo) 01-16.50 metros de tubo Ø20 02-06.30metros de tubo Ø25 03-11.50 metros de tubo Ø32 04-02 registros de gaveta Ø1/2 05-06 registros de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS. Introdução

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS. Introdução MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS Introdução O presente projeto pretende dimensionar e posicionar na edificação toda rede hidrossanitária. Estas instalações devem ser realizadas de acordo

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

Professor: Gustavo Tormena Engenheiro Civil Colaborador: Rafael Di Bello Engenheiro Civil

Professor: Gustavo Tormena Engenheiro Civil Colaborador: Rafael Di Bello Engenheiro Civil Professor: Gustavo Tormena Engenheiro Civil Colaborador: Rafael Di Bello Engenheiro Civil Maio/2010 Tipos de Sistemas existentes em uma edificação 2 (1) Instalações Hidrossanitárias: Água Fria; (2) Instalações

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

1- DESENHO ARQUITETÔNICO

1- DESENHO ARQUITETÔNICO 28 1- DESENHO ARQUITETÔNICO 1.1 - Generalidades Podemos dividir os desenhos arquitetônicos em dois grupos: Desenhos Preliminares de apresentação e Desenhos para execução. Nos desenhos preliminares são

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Esquema de Instalação Hidráulica RESIDENCIAL Atenção: Modelo meramente ilustrativo em casas térreas. Para sua segurança e garantia do bom funcionamento das tubulações de

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: Autor do Projeto Resp. Técnico: Co-Autor: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO: 200_PB.HS.AF.ET-300000

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS Prof. Adolar Ricardo Bohn - M. Sc. 1 A instalação predial de águas pluviais

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS

INSTALAÇÕES PREDIAIS INSTALAÇÕES PREDIAIS Prof. Marco Pádua ÁGUA FRIA As instalações prediais de água fria são o conjunto de tubulações, conexões, peças, aparelhos sanitários e acessórios, que permitem levar a água da rede

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

Rua Cruzeiro dos Peixotos, 499 Sala 1008 Bairro Aparecida UBERLÂNDIA-MG TELEFONES: (034) 3231-4235 & 9102-7015

Rua Cruzeiro dos Peixotos, 499 Sala 1008 Bairro Aparecida UBERLÂNDIA-MG TELEFONES: (034) 3231-4235 & 9102-7015 Biblioteca Educa Campus Educa Materiais Projetos Hidro-sanitário e Prevenção e Combate a Incêndio Lista de materiais do Térreo Esgoto - Caixas de Passagem Caixa de areia pluvial com grelha CAG- 60x60cm

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações.

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações. ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 05.01.000 ÁGUA FRIA 05.01.200 Tubulações e Conexões de PVC Rígido 05.01.201 Tubo Tipo: tubo PVC rígido soldável, classe 15, diâmetros 85, 60, 50, 32 e 25 mm. Aplicação: nas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ESTUDO DO SISTEMA HIDROSSANITÁRIO APARENTE COM RELAÇÃO À NORMA DE DESEMPENHO 15575-6/2008

ESTUDO DO SISTEMA HIDROSSANITÁRIO APARENTE COM RELAÇÃO À NORMA DE DESEMPENHO 15575-6/2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Fernando Morais Neves ESTUDO DO SISTEMA HIDROSSANITÁRIO APARENTE COM RELAÇÃO À NORMA DE DESEMPENHO 15575-6/2008

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 LIGAÇÕES PREDIAIS PÁGINA 1/49 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 17 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1701 a 1714 LIGAÇÃO PREDIAL DE

Leia mais

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2)

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) Resumo da NR 18 para áreas de vivência 18.1. Objetivo e campo de aplicação. 18.1.1. Esta Norma Regulamentadora NR

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O H I D R O S S A N I T Á R I O COREN CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina ECV5317 Instalações I INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA, PhD Florianópolis, Março de 2004 2 Sumário 1. Instalações Prediais

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 CADASTRO TÉCNICO DE SISTEMAS DE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM TIRADENTES, S/Nº- CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA/AM GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE. Unidade I:

Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE. Unidade I: Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE Unidade I: 0 Unidade: Instalações Prediais De Água Fria E De Água Quente 1 - INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA 1 1.1 Terminologia Abastecimento:

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

MÉTODO DE ENSINO DE INSTALAÇÕES HIDRO- SANITÁRIAS ATRAVÉS DE GRAFOS

MÉTODO DE ENSINO DE INSTALAÇÕES HIDRO- SANITÁRIAS ATRAVÉS DE GRAFOS MÉTODO DE ENSINO DE INSTALAÇÕES HIDRO- SANITÁRIAS ATRAVÉS DE GRAFOS Arnoldo Debatin Neto Antônio Carlos de Souza UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina, Depto. de Expressão Gráfica debatin@cce.ufsc.br,

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina ECV5317 Instalações I INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS Prof. Enedir Ghisi, PhD Eloir Carlos Gugel, Eng. Civil Florianópolis,

Leia mais

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas Guia de Soluções Problemas & Soluções Este manual técnico traz exemplos de situações que surgiram durante a instalação e operação dos sistemas URIMAT no país ou no exterior nos últimos anos. A seguir,

Leia mais

A Câmara Municipal de Araguari, Estado de Minas Gerais, aprova e eu, Prefeito, sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I TERMINOLOGIA DE ÁGUA

A Câmara Municipal de Araguari, Estado de Minas Gerais, aprova e eu, Prefeito, sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I TERMINOLOGIA DE ÁGUA 1 LEI COMPLEMENTAR N.º 021/02. Institui o Código de Instalações Hidrosanitárias no Município de Araguari. A Câmara Municipal de Araguari, Estado de Minas Gerais, aprova e eu, Prefeito, sanciono a seguinte

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS UNIDADE ONCO CIRÚRGICA

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS UNIDADE ONCO CIRÚRGICA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS UNIDADE ONCO CIRÚRGICA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA Marília/SP PROJETO: Engº Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio Garrido, 47 - Bairro Barbosa 17501-443

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA, ÁGUA QUENTE, ESGOTO SANITÁRIO E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA, ÁGUA QUENTE, ESGOTO SANITÁRIO E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA, ÁGUA QUENTE, ESGOTO SANITÁRIO E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDRO SANITÁRIO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng Civil Cleber Giordani

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MEMÓRIA DE CÁLCULO Objeto: CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Proprietário: Endereço: Área da Edificação: 165,30 M² Pavimento: térreo Área do Terreno: 450,00 M² INTRODUÇÃO Este documento técnico

Leia mais

Instalações Prediais de Água Fria

Instalações Prediais de Água Fria Unidade 2 Instalações Prediais de Água Fria As instalações prediais de água fria devem ser projetadas de modo que, durante a vida útil do edifício que as contém, atendam aos seguintes requisitos: a) Preservar

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Agora sua casa tem Plena. A Tigre apresenta Plena, nova marca de acessórios para banheiros, lavanderias, áreas externas e complementos hidráulicos. Linha completa com mais de 200 itens.

Leia mais