Portfólio CampusTec Treinamentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portfólio CampusTec Treinamentos"

Transcrição

1 Portfólio CampusTec Treinamentos janeiro 2015

2 2 SOBRE A CAMPUSTEC TREINAMENTOS Em um cenário de evolução tecnológica constante e acelerada a CampusTec vem cobrir a lacuna da reduzida capacitação nas tecnologias empregadas atualmente. Procuramos de forma ágil, atraente e didática tornar o domínio das tecnologias acessível para todos. Nas páginas a seguir você encontrará o descritivo completo de nossos treinamentos. Periodicamente são oferecidas turmas abertas na modalidade online. Oferecemos também a possibilidade de turmas presenciais in company de acordo com a necessidade do cliente: no local de sua preferência, com o conteúdo e a duração adequados a sua necessidade. O investimento em treinamento sempre deve ser feito de forma a atender 100% das suas necessidades! Turmas fechadas também podem ser organizadas na modalidade online. Nossos cursos online são sempre ao vivo pois acreditamos que a interação entre o instrutor e os alunos e entre os próprios alunos é essencial para que os melhores resultados sejam alcançados. Os instrutores que ministram os treinamentos CampusTec possuem larga experiência em treinamentos corporativos e já estiveram presentes em treinamentos nas principais empresas nacionais como, por exemplo: Alcatel-Lucent, Embratel, Net, Vale, Oi, Huawei, Ericsson, Vivo, GVT, CTEEP, CPFL, Banco do Brasil, Anatel, entre outras. Traga sua necessidade de treinamentos para a CampusTec e vamos juntos encontrar a melhor solução.

3 3 TREINAMENTOS CAMPUSTEC REDES DE DADOS CT 101 Introdução às Redes de Dados 4 CT 105 Redes Ethernet 5 CT 106 Redes Metro Ethernet 6 CT 201 Arquitetura TCP/IP 7 CT 202 Protocolo IP e Endereçamento em Ambientes IPv4 8 CT 203 Roteamento IGP em Ambientes IPv4 9 CT 204 Protocolos de Roteamento: RIP 10 CT 205 Protocolos de Roteamento: OSPF 11 CT 206 Protocolos de Roteamento EIGRP 12 CT 208 Protocolos de Roteamento BGP 13 CT 209 Multicast 14 CT 301 Protocolo IPv6 15 CT 302 Roteamento em Ambientes IPv6 16 CT 305 MPLS 17 REDES DE NOVA GERAÇÃO CT 401 Introdução às Redes NGN 18 CT 402 Protocolo SIP 19 CT 403 Sinalização em Ambientes NGN 20 SISTEMAS DE TV CT 505 IPTV 21 CT 507 TV Digital 22 REDES DE ACESSO E TRANSPORTE CT 501 Redes HFC 23 CT 502 DOCSIS 24 CT 601 Tecnologia SDH e SDH-NG 25 CT 602 Tecnologia OTN 26 CT 605 Redes Ópticas 27 CT 606 Redes PON 28 CT 701 Redes Wi-Fi 29 CT 703 Radioenlaces Digitais 30 CT 705 Tecnologias de Acesso 31 PROVEDORES CT 801 Protocolos e Tecnologias para Provedores 32

4 4 CT Introdução às Redes de Dados Equipes técnicas ou não que necessitam das informações básicas relacionadas à Comunicação de Dados. Em um processo de capacitação / atualização na área de redes este é o curso de fundamentação inicial. 3 dias Não possui. 1. Definições Iniciais: tensão, corrente, frequência, impedância, analógico x digital, sistema binário. 2. Meios de Transmissão: meios metálicos (par trançado e cabo coaxial), meio óptico (fibras ópticas) e meio wireless. 3. Transmissão da Informação: códigos, ruídos e interferências, detecção de erros (paridade simples, paridade combinada, check-sum e CRC), comutação de circuitos e comutação de pacotes, transmissão em banda básica e com modulação. 4. Modelo em Camadas: modelo OSI, funções das camadas, interação entre as camadas, conceito de encapsulamento. 5. Protocolos: definição, overhead, modos de operação. 6. Introdução às arquiteturas de redes: redes de acesso e backbones. 7. Principais tecnologias associadas a redes de dados LAN e WAN: Ethernet, Frame Relay, PPP, HDLC, Wi-Fi, WiMax. 8. Principais protocolos associados a serviços de dados: arquitetura TCP/IP, protocolo MPLS. 9. Convergência e Serviços.

5 5 CT 105 Redes Ethernet Equipes técnicas e administradores de rede que necessitam conhecer os detalhes de operação das redes Ethernet. 2 dias Conhecimentos básicos de telecomunicações. 1. Introdução: origem e evolução do padrão Ethernet, padronização. 2. Modelo em Camadas: camada física, subcamadas LLC e MAC. 3. Endereçamento MAC: formação e análise do endereço MAC. 4. Equipamentos em Redes Ethernet: repetidor / hub, conversores de mídia. 5. Equipamentos em Redes Ethernet: bridge / switch: classificação de switches, estados de operação, tabela de comutação. 6. Atividade de implementação de uma rede Ethernet, visualização de sua operação básica, etapas de operação dos switches. 7. Loops em ambiente Ethernet: Protocolo Spanning Tree (STP), Rapid Sapanning Tree (RSTP) e Multiple Spanning Tree (MSTP). 8. Atividade de implementação de uma rede Ethernet com loops, visualização da operação do protocolo STP, manipulação de características do protocolo STP. 9. VLANs: padrão IEEE 802.1q, formas de associação de estações com VLANs, roteamento entre VLANs. 10. Atividade de implementação de uma rede Ethernet com uso de VLANs e configuração de roteamento entre VLANs. 11. Recursos adicionais em ambientes Ethernet: protocolo VTP (proprietário Cisco), link aggregation, port channel. 12. Atividades práticas com o auxílio de simuladores envolvendo os recursos adicionais apresentados.

6 6 CT 106 Redes Metro Ethernet Equipes técnicas envolvidas no planejamento e operação da solução Metro Ethernet. 2 dias Conhecimentos básicos de telecomunicações e redes de dados. 1. Introdução: padrão Ethernet, especificações, formato de quadro, VLANs. 2. Redes Ethernet no Ambiente Metropolitano Redes Metro Ethernet: objetivos, funcionalidades esperadas, integração com tecnologias legadas, padronização. 3. Modelamento em Camadas: camada de aplicação, camada de serviços, camada de transporte. 4. Modelo de Referência da Rede: interfaces UNI (tipo 1, 2 e 3), interfaces NNI, suporte a VLANs. 5. Perfis de Tráfego: caracterização do tráfego, marcação CoS, parâmetros de tráfego e de performance. 6. Transporte TDM: emulação de circuitos, transporte de PDH e SDH. 7. Topologias e Disponibilidade: transporte sobre MPLS, rede em anel com uso de STP (Spanning Tree Protocol), transporte sobre SDH/SONET, uso de link aggregation.

7 7 CT 201 Arquitetura TCP/IP Equipes técnicas e administradores de rede que necessitam conhecer detalhadamente o funcionamento dos protocolos da família TCP/IP. 3 dias Conhecimentos básicos de telecomunicações e redes de dados 1. Modelo em Camadas da Arquitetura TCP/IP. 2. Visão geral das tecnologias de transporte para IP: Ethernet, Wi-Fi, PPP. 3. Protocolo IP: formato de cabeçalho, significado dos campos, fragmentação, captura de tráfegos para análise e identificação dos campos. 4. Endereçamento IP: formato de representação, classes de endereço, uso das máscaras, endereços públicos e privados, NAT, sub-redes, CIDR, VLSM, exercícios de análise de endereçamento, segmentação e planejamento. 5. Protocolos ARP, ICMP e DHCP, uso dos aplicativos ping e traceroute para identificação de falhas. 6. Roteamento IP: roteamento direto x roteamento indireto, roteamento estático, roteamento dinâmico, protocolos de roteamento, sistemas autônomos. 7. Atividade prática de configuração de roteamento em cenários simples de rede. 8. Camada de Transporte: definição de portas e sockets, protocolo UDP (formato de cabeçalho, significado dos campos), protocolo TCP (formato de cabeçalho, significado dos campos, estabelecimento da conexão, processo de desconexão, troca de dados com confiabilidade, controle de fluxo e de congestionamento), captura de tráfegos para análise de informações. 9. Camada de Aplicação: principais protocolos: HTTP, HTTPS, POP, SMTP, FTP (modo ativo e passivo), NTP, DNS. 10. Noções de Segurança em Redes IP: firewall, identificação de tráfegos, boas práticas em segurança.

8 8 Protocolo IP e Endereçamento em Ambientes IPv4 Equipes técnicas ou administradores de rede que necessitam de maiores conhecimentos relacionados ao protocolo IP, especialmente nas questões que envolvem endereçamento. Diversos exemplos e exercícios de fixação são realizados ao longo do curso para maior fixação dos conceitos apresentados. 1 dia Noções de redes IP. 1. Revisão de Numeração Binária: conversão decimal binário e binário decimal. 2. Funções do Protocolo IP: visualização do protocolo dentro de um cenário em camadas, estrutura de cabeçalho, fragmentação, captura de tráfegos para identificação das informações. 3. Endereçamento IP: identificação das classes de endereços, tipos de endereços (unicast, broadcast e multicast), associação com as máscaras de endereçamento, identificação do endereço de rede e de host, endereços de loopback, aplicações para loopback, configuração estática dos endereços e uso de DHCP. 4. Endereços públicos e privados: uso de NAT e suas variações. 5. Endereçamento em sub redes com máscaras fixas e variáveis: elaboração de planos de endereçamento, exercícios de análise de endereçamento em sub-redes. 6. CIDR: fundamentos de sumarização, objetivos, exercícios de fixação. 7. Uso da máscara /31.

9 9 CT 203 Roteamento IGP em Ambientes IPv4 : Equipes técnicas ou administradores de rede que necessitam conhecer de forma profunda os mecanismos de roteamento IGP através dos protocolos RIP, OSPF e EIGRP. Atividades de configuração são realizadas ao longo do curso para maior fixação e entendimento dos conceitos. 5 dias Conhecimento de redes IP e de endereçamento IP. 1. Revisão de endereçamento IPv4. 2. Definições: protocolo de roteamento, protocolo roteado, sistema autônomo, algoritmos de roteamento, métricas, IGP, EGP. 3. Roteamento Estático: atividade de configuração de roteamento estático com auxílio do GNS3, uso de rota default, falhas na configuração de rotas estáticas. 4. Protocolo RIP: arquitetura RIP, custo, contagem de saltos, atividades de configuração do RIP com o auxílio do software GNS3. 5. Protocolo OSPF: arquitetura OSPF, custo, algoritmo de Dijkstra, áreas, ABR, ASBR, DR, BDR, LSA, LSDB, OSPF em segmentos de múltiplo acesso, eleição do DR/BDR, links virtuais, atividade de configuração em cenário com área única com o auxílio do software GNS, atividade de configuração em cenário com múltiplas áreas com o auxílio do GNS3, tipos de LSAs, manipulação dos LSAs, sumarização. 6. Protocolo EIGRP: terminologia EIGRP (Advertised Distance (AD), Feasible Distance (FD), Successor, Feasible successor (FS), métrica composta, protocol RTP (Reliable Transport Protocol)), tabelas EIGRP (vizinhos, topologia e rotas, rotas passivas e rotas ativas), sumarização automática e manual no EIGRP, atividades de configuração com o auxílio do GNS3. 7. Mecanismos de Redistribuição entre Protocolos IGP: atividade de configuração com o auxílio do GNS3. 8. Integração dos Protocolos IGP com EGP: noções de redistribuição com o protocolo BGP. 9. Protocolos FHRP (Firs Hop Redundancy Protocolos): HSRP e VRRP, atividade de configuração.

10 10 CT 204 Protocolos de Roteamento: RIP Equipes técnicas ou administradores de redes que fazem uso do protocolo RIP. Exercícios de configuração e captura de tráfegos são realizados ao longo do curso. 1 dia Conhecimentos básicos de redes IP. 1. Revisão de endereçamento IP. 2. Algoritmo de Vetor de Distância: princípio de operação, contagem de saltos, limites e recursos contra falhas. 3. RIP versão 1 e RIP versão 2: estrutura de cabeçalho, recursos, segurança e temporizadores. 4. Atividades de configuração e captura de pacotes com o auxílio do GNS3.

11 11 CT 205 Protocolos de Roteamento: OSPF Equipes técnicas ou administradores de redes onde o OSPF é ou será o protocolo de roteamento adotado. Ao longo do curso diversas atividades de configuração e captura de pacotes são realizadas para maior fixação dos conceitos. 2 dias Conhecimentos básico de redes IP. 1. Roteamento por Estado de Enlace: custo, algoritmo de Djkistra. 2. Conceitos OSPF: áreas, identificação das áreas, ABR, ASBR, DR, BDR, LSAs, LSDB. 3. DR e BDR: manipulação da eleição, eliminando a eleição. 4. LSAs: tipos, influência da sumarização e do uso de áreas. 5. Operação OSPF: protocolos Hello, Flooding, Exchance, análise dos pacotes OSPF, atividades de configuração e captura de tráfego com o auxílio do GNS3. 6. Balanceamento de Carga e Autenticação OSPF. 7. Uso do OSPF com Múltiplas Áreas: tipos de áreas, alterações nos LSAs, atividades de configuração com o auxílio do GNS3. 8. Uso de Links Virtuais: necessidade, atividades de configuração com o auxílio do GNS3. 9. Propagação de Rota Default pelo OSPF, Rotas Externas Tipo 1 e 2, Redistribuição, Atividades de configuração com o auxílio do GNS3.

12 12 CT 206 Protocolos de Roteamento: EIGRP Equipes técnicas ou administradores de redes onde o EIGRP é ou será o protocolo de roteamento adotado. Ao longo do curso diversas atividades de configuração e captura de pacotes são realizadas para maior fixação dos conceitos. 1 dia Conhecimentos básicos de redes IP. 1. Terminologia EIGRP: Advertised Distance (AD), Feasible Distance (FD), Successor, Feasible successor (FS), métrica composta, protocol RTP (Reliable Transport Protocol), pacotes EIGRP. 2. Tabelas EIGRP: Vizinhos, topologia e rotas, rotas passivas e rotas ativas. 3. Interfaces passivas. 4. Sumarização automática e manual no EIGRP. 5. Balanceamento de carga. 6. Mecanismos de autenticação. 7. Atividades de configuração e análise com o auxílio do GNS3 distribuídas ao longo dos tópicos.

13 13 CT 208 Protocolos de Roteamento: BGP Equipes técnicas ou administradores de redes onde o protocolo BGP é ou será usado para troca de informações com outros sistemas autônomos ou para transporte de rotas sobre um backbone. 4 dias Conhecimento de redes e roteamento IP. 1. Introdução: diferenças entre IGP e EGP, sistemas autônomos, conceito de trânsito, peering, necessidade de uso do BGP. 2. Iniciando no BGP: estabelecimento de sessões, vizinhança, mensagens, atributos. 3. ibgp x ebgp: integração com IGPs, filtragem de rotas, agregação. 4. Manipulando os Atributos BGP: controle e seleção de caminho através de Route Maps, Prefix Lists e dos atributos preferência local, MED, AS-Path, weight. 5. BGP em Cenários Multihomed: com o mesmo provedor, com provedores diferentes. 6. Escalabilidade BGP: route reflectors, confederações, mecanismos de dampening. 7. BGP em Sistemas Autônomos Trânsito. 8. Atividades de configuração com o GNS3 distribuídas ao longo dos tópicos anteriores.

14 14 CT Multicast Equipes técnicas ou administradores de redes onde uso de Multicast é ou será usado para a distribuição de informações (especialmente áudio/vídeo) e é necessário um maior conhecimento sobre o assunto. Atividades práticas de configuração são realizadas ao longo do treinamento como forma de fixação dos conceitos apresentados. 2 dias Conhecimento de redes IP. 1. Motivadores para endereçamento aplicações multicast. 2. Endereçamento IP multicast, endereçamento MAC multicast, mapeamento de IP em MAC. 3. Gerenciamento de grupos multicast: protocolo IGMP. 4. Roteamento multicast: protocolos PIM (Dense e Sparce) e MOSPF. 5. Atividades de configuração e captura de tráfegos com o auxílio do emulador GNS3.

15 15 CT 301 Protocolo IPv6 Equipes técnicas ou administradores de redes onde a adoção do protocolo IPv6 se torna necessário. 2 dias Conhecimento do protocolo IPv4 1. Introdução: esgotamento da capacidade de endereçamento IPv4 e a necessidade do IPv6. 2. Endereçamento IPv6: sintaxe de representação, regras de simplificação, tipos de endereços (unicast, multicast, anycast), endereços locais e globais. 3. Cabeçalhos: estrutura de cabeçalho, cabeçalhos de extensão, funcionalidades, captura de tráfegos para visualização dos cabeçalhos. 4. Protocolos ICMPv6 e NDP: mapeamento de endereços MAC, processo de autoconfiguração (statefull e stateless), privacidade na geração do ID de interface, identificação de vizinhança, redirecionamento, atividades de visualização de tráfegos IPv6. 5. Configuração de Endereços com DHCPv6. 6. DNS em Ambientes IPv6. 7. Integração do IPv6 com Outros Protocolos e Tecnologias: Ethernet, Wi-Fi, MPLS, TCP e UDP. 8. Roteamento IPv6: rotas estáticas, protocolos de roteamento (RIPng, OSPFv3), atividades de configuração de cenários IPv6 com o auxílio do GNS3. 9. Técnicas de transição IPv4 IPv6: pilha dupla, tunelamento, NAT-PT.

16 16 CT 302 Roteamento IGP em Ambientes IPv6 Equipes técnicas ou administradores de redes que já possuem conhecimento básico em IPv6 e necessitam aprofundar o conhecimento em roteamento no ambiente IPv6. Ao longo do curso diversas atividades de configuração são realizadas para maior fixação dos conceitos. 3 dias Conhecimento de roteamento no ambiente IPv4. 1. Revisão de Endereçamento IPv6. 2. Roteamento Estático: rota default, estudo em cenário com uso de roteamento estático e uso de rota default com o auxílio do GNS3. 3. Protocolo RIPng: princípio de operação do protocolo RIP, formatos de pacotes, estudo em cenário com uso do protocolo RIPng com o auxílio do GNS3, uso de autenticação, manipulação dos timers, interfaces passivas. 4. Protocolo OSPFv3: princípio de operação do protocolo OSPF, formato de pacotes, protocolos auxiliares, mudanças em relação ao OSPFv2, estudo de cenários com área única e múltiplas áreas com o auxílio do GNS3, uso de autenticação, manipulação dos timers, interfaces passivas.

17 17 CT MPLS Equipes técnicas ou administradores de redes IP onde a necessidade de maior controle no encaminhamento e engenharia de tráfego tornam necessária a adoção do MPLS. Aplicações de VPNs MPLS L2 e L3 são abordadas ao longo do treinamento. Ao longo do curso diversas atividades de configuração e captura de pacotes são realizadas para maior fixação dos conceitos. 3 dias Conhecimento de Redes IP 1. Operação básica MPLS: Roteamento IP x Comutação MPLS. 2. Definições iniciais: LSP, LER, LSR, FEC. 3. Rótulo MPLS: Label, TTL, EXP, bit S empilhamento de rótulos, mesclagem de rótulos. 4. Encaminhamento MPLS: captura de tráfego em um ambiente MPLS para visualização da operação MPLS. 5. Sinalização com Protocolo LDP: operação do protocolo LDP, estrutura de pacotes, estabelecimento de vizinhança, estabelecimento dos LSPs, atividades de configuração do LDP com o auxílio do GNS3. 6. Sinalização com Protocolo RSVP-TE: operação do protocolo RSVP-TE, estrutura de pacotes, modalidades de reserva, mecanismos de escolha do caminho, integração com o OSPF-TE, LSAs opacos do OSPF, atividades de configuração do RSVP-TE com o auxílio do GNS3. 7. Engenharia de Tráfego com MPLS: abordagens, balanceamento de carga entre LSPs. 8. Mecanismos de proteção em MPLS. 9. Aplicações MPLS: VPN L3 (VPRN) para transporte de informações de roteamento, VPN L2 (VPLN e VLL) para transporte de Ethernet, transporte de outras tecnologias sobre MPLS, atividades de configuração com o auxílio do GNS3.

18 18 CT Introdução às Redes NGN Equipes técnicas que necessitam de um conhecimento inicial sobre a arquitetura NGN conhecendo seus componentes e os protocolos envolvidos. Este treinamento não apresenta o detalhamento dos protocolos, tornando o curso adequado para um primeiro contato com o ambiente NGN 1 dia Conhecimentos básicos de telefonia e redes IP. 1. Evolução do Ambiente de Telefonia: telefonia analógica, telefonia digital, telefonia sobre IP. 2. Componentes da arquitetura NGN: Media Gateway, Signaling Gateway, Media Gateway Controler (SoftSwitch). 3. Protocolos envolvidos: RTP, SIP, H, Arquitetura SIGTRAN. 5. Coexistência com o Ambiente Tradicional de Telefonia: interfaceamento com mundo TDM. 6. Telefonia em Ambientes Puramente IP. 7. Estudos de Caso: estabelecimento de uma chamada no ambiente puramente IP, estabelecimento de uma chamada IP TDM, estabelecimento de uma chamada TDM TDM atravessando uma rede IP.

19 19 CT 402 Protocolo SIP Equipes técnicas que possuem contato direto com o protocolo de sinalização SIP nos mais diversos ambientes (VoIP, redes NGN, soluções IPTV, entre outros) e necessitam de um conhecimento profundo sobre sua arquitetura e operação. Diversos traces são usados ao longo do treinamento como forma de melhorar a fixação e visualização dos conceitos apresentados. 2 dias Conhecimentos básicos de redes IP. 1. Componentes da Arquitetura SIP: definições iniciais, padronização, funcionalidades SIP, endereços SIP, UAs, servidores proxy, servidores de registro, servidores de redirecionamento. 2. Operação básica SIP: cabeçalho SIP, protocolo SDP, requests básicos (Invite, Ack e Bye), estabelecimento de uma sessão básica, transações e Diálogos SIP. 3. Responses: interpretação dos códigos 1xx 6xx. 4. Montagem Back to Back: funcionalidades esperadas, controle das sessões. 5. Transferência de Sessões SIP: request Refer. 6. Serviço de Presença e Mensagem: requests Message, Publish, Notify. 7. Configuração de um PABX IP gratuito para captura e análise de tráfegos, identificação dos parâmetros negociados pelo SIP no cabeçalho do protocolo RTP. 8. Confiabilidade em ambientes SIP: mecanismos de confiabilidade, temporizadores. 9. SIP em ambientes com NAT. 10. SIP-T.

20 20 CT 403 Sinalização em Ambientes NGN Equipes técnicas envolvidas diretamente com a implantação e operação das redes NGN e necessitam conhecer detalhes dos protocolos de sinalização usados neste ambiente. Diversas capturas e traces de chamadas são usados para melhor fixação dos conceitos apresentados. 4 dias Conhecimento de redes IP e básico de telefonia. 1. Introdução: arquitetura tradicional do ambiente de telefonia, sistema de sinalização SS7. 2. Componentes e Arquitetura NGN: media gateway, signalling gateway, media gateway controler (SoftSwitch). 3. Digitalização e transporte da voz: digitalização da voz, codificadores típicos, protocolos RTP e RTCP, noções de dimensionamento, captura de tráfego para identificação das informações. 4. Protocolo SIP: componentes, operação básica, Request e Responses, cabeçalhos, serviços de presença e de mensagens, confiabilidade SIP, análise de traces, configuração de um PABX IP gratuito para estabelecimento de chamada e captura de tráfego. 5. Arquitetura SIGTRAN: protocolo SCTP, camadas xua/xpa. 6. Protocolo H.248/MEGACO: definições, associações, contextos, comandos, estabelecimento de chamada passo a passo. 7. Integração Entre os Diversos Protocolos.

21 21 CT IPTV Equipes técnicas de implantação e/ou operação de serviços de vídeo sobre IP. 3 dias Conhecimento básicos de telecomunicações e redes IP. 1. Digitalização do sinal de vídeo: amostragem, codificação, mecanismos de compressão, padrões MPEG-2, MPEG-4 e H.264, estrutura de transporte MPEG. 2. Digitalização do sinal de áudio: amostragem, codificação, mecanismos de compressão, curvas de mascaramento, MPEG-1 Layer 1 e Layer Noções do protocolo IP: endereçamento unicast e roteamento unicast, endereçamento multicast e roteamento multicast, grupos multicast e protocolo IGMP, mapeamento de endereços IP multicast em endereços MAC multicast. 4. Protocolos auxiliares: RTP, RTCP, RTSP, SDP. 5. Encapsulamento das informações para transporte: MPEG-TS, metadados. 6. Rede de acesso e transporte: tecnologias de acesso xdsl, HFC, redes PON, Wi-Fi e Satélite, considerações sobre a rede de transporte (QoS, suporte a multicast). 7. Servidores, considerações sobre a CDN. 8. Estrutura do Set-Top Box, Middleware, recursos e funcionalidades adicionais, interatividade.

22 22 CT 507 TV Digital Equipes técnicas envolvidas com os serviços de distribuição de TV no formato Digital. 3 dias Conhecimentos básicos de telecomunicações. 1. Introdução: Evolução dos sistemas, sistemas Standard, HD, Full HD e 4K. 2. Sistema visual humano, noções de colorimetria, Sistemas RGB, Sinais de Luminância e Crominância. 3. Amostragem e Digitalização do sinal de vídeo analógico. 4. Mecanismos de detecção e correção de erros: codificação Reed-Solomon, códigos convolucionais, decodificação Viterbi, códigos de treliça, CRC, FEC, codificação aritmética, códigos de comprimento fixo e variável. 5. Compressão do sinal de vídeo: redundância, entropia, compressão temporal e espacial, compensação de movimento. 6. Padrões MPEG: evolução, Modelo em Camadas, MPEG-1, MPEG-2, MPEG- 4, padrão H.264, Codificador MPEG-4/H Sistema auditivo humano e Técnicas de compressão de sinais de áudio: digitalização e compressão de sinais de áudio, concepção básica do ouvido humano, discriminação no tempo e na frequência, mascaramento, redundância estereofônica, Normas MPEG voltadas para áudio (MPEG-1 Layer 1 e Layer 3). 8. Modulações digitais e uso de OFDM para TV Digital.

23 23 CT 501 Redes HFC Equipes técnicas de implantação e/ ou operação de redes HFC. Diversas informações práticas são apresentadas ao longo do treinamento. Exercícios de fixação são usados para aumentar a fixação dos conceitos apresentados. Em treinamentos in company atividades práticas podem ser realizadas caso haja disponibilidade de rede e equipamentos. 4 dias Conhecimentos básicos de telecomunicações. 1. Arquitetura Básica HFC e Definições Iniciais: evolução, topologia, características, conceitos de ganho, atenuação, db, dbm, dbmv. 2. Meios de Transmissão - Cabos Coaxiais: principais tipos, atenuações típicas, cuidados necessários na instalação, exercícios de fixação. 3. Meios de Transmissão - Fibras Ópticas: comprimentos de onda típicos, atenuação. 4. Canal Direto e Canal de Retorno: ambiente coaxial e ambiente óptico. 5. Componentes Passivos: conectores, divisores, taps, atenuadores, equalizadores, exercícios de fixação, projetos de distribuição interna e em edifícios, coletores passivos. 6. Componentes Ativos - Amplificadores: tipos, estudo dos diagramas em blocos de equipamentos dos principais fabricantes. 7. Componentes Ativos - Receptores Ópticos: estudo dos diagramas em blocos de equipamentos dos principais fabricantes. 8. Equipamentos Ativos - Coletores Ativos: necessidade e aplicações. 9. Fontes de Alimentação: redundância, forma de onda, medida de tensão. 10. Análise de Diagramas de Rede: localização das informações, simbologia. 11. Equalização da Rede HFC: atenuadores e equalizadores, equalização do canal direto, equalização do canal de retorno. 12. Medida de Fuga de Sina: procedimento, uso da tag, valores limites definidos pela ANATEL. 13. Sweep da Rede e Medidas Digitais: procedimento, falhas comuns, BER e MER. 14. Headend: topologia, componentes.

24 24 CT DOCSIS Equipes técnicas que trabalham com redes HFC e necessitam de maior conhecimento sobre o uso desta rede para oferta de serviços de dados. 1 dia Conhecimentos básicos de redes HFC. 1. Visão Geral das Redes HFC: arquitetura, canalização, faixas de frequência. 2. Componentes: CMTS, Cable Modem, níveis de serviço. 3. Serviços de Dados em Redes HFC: evolução do padrão DOCSIS (1.0, 2.0, 3.0 e 3.1). 4. Operação DOCSIS: controle de acesso, transmissão, concatenação de capacidade, autenticação, QoS. 5. Modelo em Camadas: camada física (upstream e downstream, modulações digitais empregadas, camada MAC. 6. Serviços sobre DOCSIS (BSoD): serviços Ethernet, serviços TDM. 7. edocsis.

25 25 CT 601 Tecnologia SDH e SDH-NG Equipes técnicas envolvidas com a operação e implantação de redes de transporte baseadas nas tecnologias SDH e/ou SDH-NG. 4 dias Conhecimento básicos de telecomunicações. 1. Revisão da Rede PDH: Características da rede PDH, motivadores para SDH. 2. Características gerais da rede SDH e motivadores para seu uso. 3. Estrutura do Quadro SDH e suas opções de Formação com sinais VC-12, VC-3 e VC-4, Multiplexação SDH para geração dos sinais STM-N. 4. Descrição e Aplicação dos Overhead s de Baixa (VC-12 e VC-3) e Alta Ordem (VC-4). 5. Mapeamento dos sinais de 2Mbps, 34Mbps e 140Mbps. 6. Geração, Processamento e Interpretação dos Ponteiros, Justificação de Frequência Positiva e Negativa. 7. Concatenação Virtual e Contígua e suas Aplicações. 8. Topologia de Rede e Funcionalidades: Ponto a Ponto, em Barramento, Anel, Estrela e em Malha. 9. Aplicações dos Modelos Multiplex Terminal, Add Drop, Cross Connect e Regeneradores. 10. Operação SDH em Redes ópticas, Rádio e em Ambientes DWDM. 11. Mecanismo de Proteção em Redes SDH. 12. Sincronismo em Redes SDH, escorregamento, níveis de estabilidade. 13. Gerenciamento, Operação e Manutenção em Redes SDH com a utilização dos Overhead s disponíveis. 14. Desempenho em Redes SDH: Bytes Envolvidos e Interpretações. 15. SDH-NG: Motivadores, comportamento estatístico e determinístico, Princípios Ethernet e VLANs, Tráfego Ethernet, Fast, Giga e 10 Gigabit Ethernet sobre VC s concatenados de Forma Virtual. 16. Protocolo LCAS e Encapsulamento GFP.

26 26 CT 602 Tecnologia OTN Equipes técnicas responsáveis pela implantação e operação da tecnologia OTN como forma de expandir a capacidade de transporte nos backbones. 1 dia Conhecimento básicos de telecomunicações e redes SDH. 1. Redes OTN como evolução das redes SDH. 2. Modelo em camadas, camadas elétricas e ópticas, hierarquia e taxas, OTUk, ODUk e OPUk. 3. Estrutura de frame e processamento dos cabeçalhos OPUk, ODUk e OTUk. 4. Processo de multiplexação ODUk, justificação de taxa e de frequência, identificação da estrutura de multiplexação e do payload. 5. Concatenação virtual de ODUk. 6. Sincronização: necessidade de sincronismo, requerimentos de sincronismo da rede e dos elementos. 7. Manutenção de redes OTN: sinais e alarmes de manutenção.

27 27 CT 605 Redes Ópticas Equipes técnicas responsáveis pela operação da infraestrutura de transmissão óptica das redes. 2 dias Conhecimentos básicos de telecomunicações. 1. Fundamentos de Óptica: refração, reflexão, reflexão total, índice de refração, lei de Snell. 2. Evolução das Fibras Ópticas: composição das fibras, tipos de fibras (monomodo e multimodo), construção das fibras. 3. Parâmetros dos Sistemas Ópticos: janelas ópticas, atenuação, cone de aceitação, conectores, dispersão. 4. Tipos de Cabos Ópticos: instalação aérea, subterrânea, cabos submarinos, OPGW, cabo drop, cordões ópticos. 5. Emendas Ópticas: emendas mecânicas, emendas por fusão, caixas de emenda, conectores. 6. Transmissores Ópticos: fontes ópticas, características, processo de transmissão. 7. Receptores Ópticos: detectores ópticos, sensibilidade, saturação, atenuadores. 8. Amplificadores Ópticos: principais tipos, aplicações. 9. Dimensionamento de Sistemas: equacionamento de sistemas ópticos. 10. Análise de Redes Ópticas com uso de OTDR: princípio de operação, medidas típicas, identificação de falhas. 11. Introdução aos Sistemas WDM: objetivo e benefícios, sistemas CWDM, DWDM e Ultra-DWDM, capacidades, aplicações.

Curso de Redes de Computadores

Curso de Redes de Computadores Curso de Redes de Computadores EMENTA Objetivo do curso: abordar conceitos básicos das principais tecnologias de rede e seus princípios de funcionamento. Instrutor: Emanuel Peixoto Conteúdo CAPÍTULO 1

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores...17 1.1 Introdução... 17

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33 Sumário 1 Introdução... 19 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 19 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA Routing and Switching (R&S)... 20 1.2.1 Por que Tornar-se um

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1

Sumário. CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1 Sumário Sumário IX CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1 Por que Ser um Profissional Certificado... 2 Por que Cisco?... 3 CCNA Routing and Switching (200-120)... 4 Como é a Prova?... 6 As

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Copyright 2007, 2016 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

ANEXO 2. Fundamentos e Padrões de TV Digital Distribuição de Vídeo em Redes IP

ANEXO 2. Fundamentos e Padrões de TV Digital Distribuição de Vídeo em Redes IP ANEXO 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS DE TV DIGITAL E IPTV A2.1. ORGANIZAÇÃO E MÓDULOS O curso de Pós-graduação em Engenharia de Sistemas de TV Digital tem 368 horas de atividades presenciais

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Conteúdo Programático CISCO CCNA (ICND 1)

Conteúdo Programático CISCO CCNA (ICND 1) Conteúdo Programático CISCO CCNA (ICND 1) 40 horas Módulo 1: Conceitos Gerais de Redes Modelos de Redes em Camadas As Funções das camadas do Modelo OSI Comunicação Ponto a Ponto Encapsulamento de dados

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22 DEPARTAMENTO: Sistemas de Informação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Redes de Computadores I PROFESSOR: SERGIO ROBERTO VILLARREAL SIGLA: RED I E-MAIL: sergio.villarreal@udesc.br CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA:

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

P L A N O D E D I S C I P L I N A

P L A N O D E D I S C I P L I N A INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ SC CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES / REDES DE COMPUTADORES P L A N O D E D I S C I P L I N A DISCIPLINA: Redes de Computadores Carga Horária: 95 HA

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

A) 3; B) 1, 2 e 3; C) 1; D) 2; E) 1e2.

A) 3; B) 1, 2 e 3; C) 1; D) 2; E) 1e2. 21. A empresa ALPHA possui uma classe C para endereçamento de rede IP e usa como máscara o valor 255.255.255.224, para definir suas sub-redes. A quantidade máxima de equipamentos que podem estar conectados

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes

Planejamento e Projeto de Redes Planejamento e Projeto de Redes Carlos Sampaio Identificação das Necessidades e Objetivos do Cliente Análise dos objetivos e restrições de negócio Análise dos objetivos e restrições técnicos Caracterização

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES www.professormarcelomoreira.com.br falecom@professormarcelomoreira.com.br Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento:

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento: Fundado em 1965, o Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel - é um centro de excelência em ensino e pesquisa na área de Engenharia, e tem se consolidado cada vez mais, no Brasil e no exterior, como

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 1 2 O Modelo OSI... 13 3 Switching e VLANs... 53

Sumário 1 Introdução... 1 2 O Modelo OSI... 13 3 Switching e VLANs... 53 Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 1 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA... 2 1.2.1 Por que Tornar-se um CCNA?... 3 1.2.2 Perguntas Freqüentes...

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede e o protocolo IP... 2 O protocolo IP... 2 Formato do IP... 3 Endereçamento IP... 3 Endereçamento com Classes

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI Agenda Conceitos básicos sobre protocolos utilizados em redes de dados Entendimento entre topologia física e lógica Estudo de caso em ambientes Enterprise,

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Repetidores e hubs Pontes e switches Roteadores Outros equipamentos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Um repetidor é um equipamento usado para ampliar o comprimento

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Pós-Graduação: INF/CETUC

Pós-Graduação: INF/CETUC Pós-Graduação: INF/CETUC Disciplina: Redes de Acesso em Banda Larga Princípios Básicos Prof. Sérgio Colcher Prof. Luiz A. R. Da Silva Mello Copyright 1999-2004 by TeleMídia Lab. 1 Cenário 2 Modelo Provedores

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer Protocolo de roteamento EIGRP Cronograma Introdução Formato das mensagens Módulos independentes de protocolos Tipos de pacote Protocolo Hello Atualizações associadas Algoritmo DUAL Distância administrativa

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CTS DE REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a história e a evolução

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Redes Corporativas. 9 junho 2004 Fabio Montoro

Redes Corporativas. 9 junho 2004 Fabio Montoro Redes Corporativas 9 junho 2004 Fabio Montoro Experiência do responsável técnico Experiência em redes de dados, áudio e vídeo Primeiro fornecimento de mux voz-dados do Brasil em 1991 Primeiro fornecimento

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1 MODELO OSI/ISO 01(CESPE STF 2008 Q93) Na arquitetura do modelo OSI da ISO, protocolos de transporte podem ser não-orientados a conexão e localizam-se na terceira camada. As responsabilidades desses protocolos

Leia mais

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC I WORKSHOP DE TECNOLOGIA DE REDES Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 IPv6 em rede de Campus Case UFSC &

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes 2a Edição Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio III DISPOSITIVOS

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde Eduardo Braum Fernando Klabunde Índice da apresentação * A estrutura da empresa * Problemas vividos * Soluções estudadas e adotadas * MPLS * VPLS * Estudos de caso * Implementação * Considerações finais

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

IPv6 A nova versão do Protocolo IP

IPv6 A nova versão do Protocolo IP IPv6 A nova versão do Protocolo IP A internet precisa continuar crescendo... Agenda A Internet e o TCP/IP Entendendo o esgotamento do IPv4 Por que IPv6? O que melhorou? Nova estrutura do IPv6 Técnicas

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais