Redes de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Computadores"

Transcrição

1 Redes de Computadores Aula 6:, roteamento broadcast e multicast, protocolos IPv6 e ICMP Prof. Silvana Rossetto 5 de maio de 2010

2 1 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) 2 Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast 3 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 4 5

3 Recaptulando roteamento hierárquico... Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP)..resolve os problemas de escalabilidade e autoridade administrativo definindo-se Sistemas Autônomos (ASs) Os ISPs podem usar um único AS para toda a sua rede ou dividí-la em vários ASs interconectados A escalabilidade é resolvida porque um roteador intra-as precisa saber apenas sobre os roteadores dentro do AS A autoridade administrativa é resolvida uma vez que cada organização pode escolher o protocolo de roteamento intra-as Examinaremos dois protocolos de roteamento intra-as (RIP e OSPF) e um protocolo inter-as (BGP), usados atualmente na Internet

4 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Histórico RIP (Routing Information Protocol) é um protocolo de vetor de distância Foi incluído no início dos anos 80 na versão BSD do UNIX com suporte a TCP/IP A versão original (RFC1058) usa número de saltos (hops) como métrica de custo, i.e. cada enlace tem custo 1 Os custos são contabilizados do roteador fonte até a subrede de destino (cada AS normalmente contém várias subredes), incluindo essa subrede

5 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Figura: Fonte: Computer Networking, Kurose and Ross, 5ed, 2009.

6 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) O custo máximo de um caminho é limitado em 15, o que restringe o uso do RIP em ASs com diâmetro menor que 15 saltos No RIP atualizações de roteamento são trocadas entre vizinhos a cada 30seg (aproximadamente) usando a mensagem RIP response message ou RIP advertisements A mensagem enviada contém uma lista de até 25 subredes destino dentro do AS, junto com a distância do emissor a cada uma delas Cada roteador mantém uma tabela de roteamento: tabela de redirecionamento + vetor de distância

7 Exemplo de RIP (tabela do roteador D) Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Figura: Fonte: Computer Networking, Kurose and Ross, 5ed, 2009.

8 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Aspectos da implementação do protocolo RIP Falhas nos roteadores vizinhos Se um roteador não receber mensagens de um vizinho por mais de 180 seg, o vizinho é considerado inalcançável (o rotador morreu ou o enlace foi perdido) O RIP modifica a sua tabela de roteamento e a propaga para os demais vizinhos

9 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Aspectos da implementação do protocolo RIP Um roteador pode requisitar informações sobre custos dos vizinhos para um dado destino usando mensagens RIP (usa UDP e porta 520) (uso de protocolo de transporte para implementar roteamento da camada 3!) A implementação do RIP em uma estação de trabalho UNIX cria uma processo chamado routed (esse processo é responsável por manter informações de roteamento e troca mensagens com outros processos routed em roteadores vizinhos)

10 Processamento da tabela RIP Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Figura: Fonte: Computer Networking, Kurose and Ross, 5ed, 2009.

11 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) OSPF (Open Shortest Path First): projetado como sucessor do RIP, apresenta várias características avançadas A versão mais atual do OSPF é definida na RFC2328 (versão 2 de 1998) É um protocolo de estado de enlace: usa flooding (inundação) para obter informações do grafo de roteadores e o algoritmo de caminhos mínimos de Dijkstra Os custos individuais de cada enlace são configurados pelo administrador da rede Os roteadores divulgam as informações de estado de enlace sempre que há mudanças, e periodicamente (cerca de 30min) para aumentar a robustez

12 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Avisos (advertisements) OSPF são incluídos em mensagens OSPF que são carregadas diretamente pelo protocolo IP, usando o código de protocolo 89 (o próprio OSPF deve implementar funcionalidades como transferência confiável de mensagens e broadcast LS)

13 Vantagens incorporadas pelo OSPF Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Segurança: trocas de mensagens entre roteadores (ex., atualizações de LS) podem ser autenticadas (uso de MD5 e chaves secretas pré-configuradas nos roteadores) Vários rotas de mesmo custo: permite que várias rotas de mesmo custo sejam usadas Suporte integrado para roteamento unicast e multicast: MOSPF (Multicast OSPF) (RFC1584) provê extensões ao OSPF para oferecer roteamento multicast Suporte para hierarquia dentro de um domínio único de roteamento: possibilidade de estruturar um AS de forma hierárquica

14 Suporte a hierarquia no OSPF Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Figura: Fonte: Computer Networking, Kurose and Ross, 5ed, 2009.

15 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Roteamento inter-as na Internet (BGP) BGP (Border Gateway Protocol) (RFC4271): é o padrão usado hoje na Internet, e provê as seguintes funcionalidades para os ASs: 1 Obter informação de alcance de subredes de ASs vizinhos 2 Propagar a informação de alcance para todos os roteadores internos ao AS 3 Determinar boas rotas para subredes baseado nas informações de alcance e poĺıticas do AS 4 As poĺıticas são configuradas manualmente em cada roteador (não fazem parte do protocolo) 5 O BGP permite que cada subrede avise sua existência para o resto da Internet

16 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Roteamento inter-as na Internet (BGP)

17 Sessões internas e externas no BGP Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Os pares de roteadores trocam informações de roteamento sobre conexões usando TCP e a porta 179 Para cada conexão TCP, os dois roteadores nas portas de conexão são chamados peers BGP e a conexão TCP com todas as mensagens trocadas é chamada BGP session Uma sessão BGP que envolve dois ASs é chamada external BGP session e uma sessão entre roteadores do mesmo AS é chamada internal BGP session (ibgp)

18 Sessões internas e externas no BGP Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Usando as sessões externas, os ASs trocam listas de prefixos de subredes alcançáveis por cada AS Usando as sessões internas, quando um gateway recebe prefixos BGP, ele os distribui para outros roteadores do AS Destinos em BGP não são hosts, e sim subredes ou coleção de subredes (ex., /22)

19 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Características de implementação do BGP O BGP é um protocolo de vetor de distância, mas um pouco diferente de outros protocolos desse tipo (ex., o RIP) Ao invés de manter apenas o custo de cada destino, cada roteador BGP mantém a informação do caminho (rota) usado e informa aos seus vizinhos (periodicamente) esse caminho (ajuda a resolver o problema de count-to-infinity)

20 Exemplo de execução do BGP Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP)

21 Exemplo de execução do BGP Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet (OSPF) Roteamento inter-as na Internet (BGP) Supondo que F usa a rota FGCD para chegar a D Depois de receber as informações dos vizinhos, ele descarta os caminhos de I e E porque passam pelo próprio F O BGP examina as outras rotas recalculando as distâncias ao destino D Se existir alguma restrição em uma rota sugerida, o custo vai para infinito

22 Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Roteamento unicast: comunicação ponto-a-ponto, um nó fonte envia um pacote para um destino único Roteamento broadcast: a camada de rede provê um serviço de entrega de pacotes enviados de um nó fonte para todos os outros nós da rede Roteamento multicast: permite que um nó fonte envie uma cópia de um pacote para um grupo de outros nós da rede

23 Algoritmos de roteamento broadcast Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Modo mais elementar Dado N nós destinos, o nó fonte cria N cópias do pacote, os endereça a cada nó da rede e os envia de forma unicast A primeira otimização: enviar apenas uma cópia em cada enlace e os nós ao longo do caminho criam as cópias quando necessário

24 Algoritmos de roteamento broadcast Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Problemas 1 Necessidade de conhecer a priori o endereço de todos os nós da rede (pode precisar de um algoritmo anterior para registros de endereços) 2 O propósito do algoritmo broadcast pode ser a descoberta de enlaces, por isso ele não deveria assumir essa informação a priori Requisitos Os próprios nós da rede desempenham papel ativo na duplicação de pacotes, no redirecionamento de pacotes e na computação de rotas broadcast

25 Inundação (flooding) não-controlado Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Um nó fonte envia uma cópia do pacote a cada nó vizinho Quando um nó recebe um pacote broadcast, ele cria cópias do pacote e as envia para cada um dos seus vizinhos (exceto o nó fonte) Se o grafo da rede possui ciclos, uma ou mais cópias de cada pacote broadcast irá circular indefinidamente (ver figura anterior!) O problema crítico é a inundação de cópias do pacote na rede quando os nós têm mais de 2 vizinhos

26 Inundação controlada Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Para limitar a inundação de pacotes, o nó deve julgar quando deve retransmitir um pacote, há diferentes modos para isso: Usar número de sequência: o nó fonte insere no pacote seu endereço (ou um ID único) e um número de sequência de broadcast Cada nó mantém uma lista de endereços fonte e números de sequência dos pacotes que já foram recebidos, duplicados e redirecionados Quando um pacote é recebido e já está nessa lista, ele é descartado ex., o software Gnutella usa essa técnica

27 Redirecionamento de caminho reverso Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Reverse Path Forwarding (RPF) Um roteador retransmite o pacote para todos os seus enlaces de saída (exceto aquele de quem recebeu o pacote) apenas se o pacote chegou pelo enlace que é seu caminho mais curto (rotas unicast) de volta ao nó fonte Em outro caso, o pacote é descartado (porque já foi recebido ou porque irá recebê-lo ainda nesse enlace) O RPF precisa saber apenas quem é o próximo roteador no caminho mais curto para o emissor do pacote recebido!

28 Broadcasting em árvores geradoras Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Os algoritmos anteriores controlam a inundação, mas não evitam tansmissão redundante de pacotes Idealmente, todo nó deveria receber apenas uma cópia do pacote Isso pode ser alcançado usando a estrutura de uma Árvore Geradora (AG) (grafo sem ciclos)

29 Broadcasting em árvores geradoras Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Funcionamento Os nós da rede inicialmente contrõem a AG Quando um nó deseja enviar um pocote broadcast, ele o envia a todos os enlaces que fazem parte da AG O nó não precisa conhecer toda a AG, apenas os vizinhos do grafo que são seus vizinhos na AG

30 Construção da Árvore Geradora Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast A complexidade maior dessa técnica está na construção da AG, há diferentes algoritmos para isso Algoritmo do ponto de encontro Um nó central é escolhido Os nós enviam mensagens tree-join endereçadas a esse nó Essas mensagens são redirecionadas usando roteamento unicast para o nó destino até chegarem nele ou a um outro nó que já faça parte da AG Em qualquer caso, o caminho percorrido pela mensagem é considerado um ramo da AG

31 Algoritmo do ponto de encontro Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Figura: Fonte: Computer Networking, Kurose and Ross, 5ed, 2009.

32 Construção e uso da AG Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Figura: Fonte: Computer Networks, Tanenbaum, 4ed, 2003.

33 Algoritmos broadcast na prática Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Protocolos broadcast são usados nas camadas de rede e de aplicação Um campo adicional que pode ser incluído é o TTL (Time-To-Live) para limitar o número de saltos (hops) de um pacote Quando um pacote duplicado é recebido, o TTL é decrementado, assim os pacotes irão atingir os nós que estão a um certo número de saltos (TTL) (inundação com escopo limitado)

34 Roteamento multicast Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Requer gerência de grupos! Problemas principais: 1 Como identificar os destinatários de um pacote multicast? 2 Como endereçar um pacote enviado para esses destinatários?

35 Destinatários dos pacotes Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast No caso unicast, o IP do destino é colocado no datagrama No caso broadcast, todos devem receber o pacote, então não é necessário endereçá-lo No caso multicast, há vários destinatários, e nem sempre é o caso do emissor saber exatamente quem são esses destinatários

36 Destinatários dos pacotes Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Indireção de endereço Na Internet (e em outras redes), um pacote multicast é endereçado usando indireção de endereço (address indirection), i.e., um único identificador é usado para o grupo de receptores e uma cópia do pacote é entregue a todos os nós associados ao grupo especificado Na Internet, o ID de um grupo é um endereço IP multicast de classe D O grupo de receptores associados a um endereço de classe D é um grupo multicast Cada membro do grupo tem seu próprio endereço IP, que é independente do endereço de grupo

37 Grupos multicast Sumário Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Outras questões a tratar: 1 Como um grupo começa e termina? 2 Como o endereço do grupo é escolhido? 3 Como os hosts são adicionados ao grupo? 4 Qualquer host pode se juntar ao grupo como emissor e receptor? 5 Os membros sabem a identidade dos outros membros? 6 Como os nós da rede interoperam para entregar um pacote multicast para todos os membros do grupo? Protocolo IGMP Na Internet essas questões são respondidas pelo protocolo IGMP

38 Protocolo IGMP (RFC3376) Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast O IGMP (Internet Group Management Protocol) opera entre um host e seu roteador direto Ele provê meios para um host informar ao seu roteador que uma aplicação rodando nesse host quer se juntar a um grupo multicast específico Outra funcionalidade é dada por um algoritmo de roteamento multicast da camada de rede, o qual deve coordenar a operação multicast dos roteadores (os pacotes trocados são encapsulados em datagramas IP com código 2)

39 Mensagens do protocolo IGMP Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast membership-query: enviada pelo roteador a todos os hosts em uma interface anexada (ex., todos os hosts de uma LAN), para determinar o conjunto de todos os grupos multicast para os quais os hosts da interface se incluiram (pode ser enviada também por um host quando uma aplicação quer se juntar a um grupo) membership-report: resposta para a mensagem anterior leave-group: é opcional pois um roteador infere que um host não está mais em um grupo multicast se ele não responde a mensagens membership-query com o ID do grupo

40 Exemplo de protocolo soft state Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast A informação de estado é removida via um evento de timeout (no caso do IGMP, por uma mensagem membership-query) se ele não fo explicitamente atualizado Essa estratégia elimina a necessidade de mecanismos para tratar o caso de entidades que terminam abruptamente e não removem os seus estados

41 Algoritmos de roteamento multicast Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Árvore de enlaces de conexão do grupo A meta do algoritmo de roteamento multicast é encontrar uma árvore de enlaces que conecta todos os roteadores que possuem hosts anexados pertencentes a um grupo multicast Os pacotes multicast serão roteados ao longo dessa árvore A árvore pode conter roteadores que não possuem hosts anexados pertencentes ao grupo multicast Duas abordagens são usadas para encontar essa árvore: árvore de grupo compartilhada árvore baseada em um nó fonte

42 Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Árvore de grupo compartilhada e baseada em nó fonte Figura: Fonte: Computer Networks, Tanenbaum, 4ed, 2003.

43 Árvore de grupo compartilhada Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Contrõe uma árvore que inclui todos as arestas de roteadores com hosts anexados pertencentes ao grupo multicast Abordagem baseada na escolha de um nó central (uma questão crítica é a escolha desse nó)

44 Árvore baseada em nó fonte Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast Constrõe uma árvore de roteamento multicast para cada host fonte no grupo multicast Na prática, um algoritmo RPF (com fonte x) é usado para construir a árvore multicast de pacotes originados em X Um problema é a possibilidade dos roteadores receberem pacotes multicast sem terem hosts anexados para um dado grupo Nesse caso, os roteadores enviam uma mensagem prune para o seu roteador superior Se um roteador recebe uma mensagem prune de cada um dos seus roteadores inferiores, ele pode redirecionar a mensagem para o roteador acima

45 Roteamento multicast na Internet Algoritmos de roteamento broadcast Roteamento multicast O primeiro protocolo de roteamento multicast usado na Internet foi o DVMRP (Distance Vector Multicast Routing Protocol), usando um algoritmo RPF com pruning O protocolo mais usado na Internet é o PIM (Protocol Independent Multicast), o qual explicitamente reconhece dois cenários de distribuição multicast: 1 modo denso (RFC3973): membros do grupo estão densamente localizados, usa técnica similar ao DVMRP 2 modo esparso (RFC4601): membros do grupo estão dispersos, usa pontos de encontro para configurar a árvore de distribuição multicast

46 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 ICMP (Internet Control Message Protocol) A camada de rede da Internet tem três componentes principais: 1 Protocolo IP 2 Protocolos de roteamento (RIP, OSPF e BGP) 3 ICMP (RFC792): usado pelos hosts e roteadores para trocar informações da camada de rede

47 Protocolo ICMP Sumário Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Arquiteturalmente o ICMP está acima do protocolo IP, uma vez que as mensagens ICMP são transportadas dentro de datagramas IP (da mesma maneira que segmentos TCP e UDP) Mensagens ICMP possuem um campo de tipo e código, acrescidas dos cabeçalho e dos primeiros 8 bytes do datagrama IP que gerou a mensagem ICMP (assim o emissor pode determinar o datagrama que causou o erro)

48 Protocolo ICMP Sumário Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Exemplo o programa ping envia uma mensagem ICMP do tipo 8, código 0 o receptor envia de volta uma mensagem do tipo 0, código 0 (o programa traceroute usa as respostas ICMP para realizar a sua tarefa)

49 Tipos de mensagens ICMP Protocolo ICMP Protocolo IPv6

50 Protocolo IPv6 Sumário Protocolo ICMP Protocolo IPv6 No início dos anos 90, a IETF iniciou a tarefa de desenvolver um sucessor do protocolo IPv4 A motivação principal foi o fato do espaço de endereços IP de 32 bits começar a ficar insuficiente A idéia foi aproveitar o esforço para propor avanços e melhorias no protocolo IP

51 Formato do datagrama IPv6 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Mudanças principais em relação ao IPv4 Extensão do espaço de endereçamento: o endereço IP passa de 32 bits para 128 bits (é possível dar um endereço IP a cada grão de areia..) Introdução do tipo de endereço anycast: permite que um datagrama seja enviado para qualquer membro de um grupo de hosts (ex., enviar um HTTP GET para o site/mirror mais próximo que contenha um determinado documento) Cabeçalho de tamanho fixo em 40 bytes: o campo de opções foi eliminado Prioridade e rotulamento de fluxo: IPv6 define fluxo permitindo rotular pacotes pertencentes a um fluxo para o qual o emissor requisita um tratgamento especial

52 Formato do datagrama IPv6 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Figura: Fonte: Computer Networking, Kurose and Ross, 5ed, 2010.

53 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Campos do IPv4 que não aparecem no IPv6 Fragmentação Checksum do cabeçalho Opções

54 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Campos do IPv4 que não aparecem no IPv6 Fragmentação IPv6 não permite fragmentação e remontagem de datagramas nos roteadores intermediários (apenas na fonte e no destino) Se o datagrama for maior que o MTU do roteador, ele é descartado e uma mensagem ICMP apropiada é enviada de volta

55 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Campos do IPv4 que não aparecem no IPv6 Checksum do cabeçalho Os projetistas consideram a redundância de checagem de erro já realizada nas camadas de enlace e de transporte suficiente Lembrando que, uma vez que um dos campos do cabeçalho é o TTL, o qual deve ser alterado em cada roteador, o checksum precisa ser recalculado em cada roteador, com implicações de desempenho

56 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Campos do IPv4 que não aparecem no IPv6 Opções O campo de opções foi excluído do datagrama Permite fixar o tamanho do cabeçalho O antigo campo de opções foi reprojetado como um dos possíveis next headers apontado de dentro do cabeçalho IPv6 (i.e., assim como cabeçalhos UDP e TCP podem ser os próximos cabeçalhos dentro do pacote IP, o mesmo vale para o campo opções)

57 ICMP para IPv6 Sumário Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Uma nova versão do ICMP foi definida para o IPv6 (RFC4443) Foram incluídos novos códigos e tipos ICMPv6 também incorpora as funcionalidades do protocolo IGMP (usados para gerenciar grupos multicast)

58 Transição de IPv4 para IPv6 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Alternativas para migrar de IPv4 para IPv6 O problema de migrar de IPv4 para IPv6 na Internet pública é que sistemas IPv4 já em uso não são capazes de manipular datagramas IPv6 Pilha dual: nós IPv6 possuem também uma implementação IPv4 completa (RFC4213) (um problema é forçar dois nós IPv6 falarem IPv4) Tunelamento (Tunneling): os roteadores IPv4 entre dois roteadores IPv6 são chamados tunnel (RFC4213)

59 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Tunelamento para migração IPv4 para IPv6 Figura: Fonte: Computer Networking, Kurose and Ross, 5ed, 2010.

60 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Tunelamento para migração IPv4 para IPv6 Usando tunelamento, um nó fonte IPv6 coloca o datagrama IPv6 completo no campo payload de uma datagrama IPv4 Esse datagrama IPv4 é então endereçado para o nó IPv6 do lado do receptor O datagrama é enviado para o primeiro nó no túnel O receptor determina que o datagrama IPv4 contém um datagrama IPv6, extrai esse datagrama e então passa a rotear o datagrama IPv6

61 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Tunelamento para migração IPv4 para IPv6

62 Transição de IPv4 para IPv6 Protocolo ICMP Protocolo IPv6 Mesmo que a transição inicial para o IPv6 tenha sido lenta (primeiros 10 anos) a visão a longo prazo é que ela irá acontecer de fato Meta de aplicar o IPv6 na computação ubíqua A experiência com o IPv6 mostra o quanto é difícil alterar protocolos da Internet pública (é como mexer nas fundações de uma casa!)

63 Roteamento em nós móveis A meta do roteamento em redes com nós móveis é tornar possível enviar pacotes para nós que mudam de lugar usando seus endereços locais Cada unidade/área da rede (LAN) possui um ou mais agentes estrangeiros e um agente local Um agente estrangeiro mantém as informações sobre todos os nós móveis que visitam a área Um agente local mantém informações sobre todos os nós cujo home é a área local, mas estão visitando outra área no momento

64 Roteamento em nós móveis Figura: Fonte: Computer Networks, Tanenbaum, 4ed, 2003.

65 Roteamento em nós móveis Registro de nós móveis Quando um novo nó entra na área, seu computador deve se registrar com o agente estrangeiro: Periodicamente, cada agente estrangeiro propaga um pacote anunciando a sua existência e endereço O nó visitante pode esperar por uma mensagem desse tipo ou enviar uma mensagem de pergunta O nó móvel faz seu registro passando as informações necessárias

66 Roteamento em nós móveis Registro de nós móveis O agente estrangeiro contacta o agente local do nó e diz um dos seus nós está aqui O agente local examina as informações (checagem de segurança) e manda um ok Quando o agente estrangeiro recebe a resposta do agente local, ele cria uma entrada na sua tabela e informa o ao nó móvel que ele está registrado

67 Roteamento em nós móveis Quando um pacote é enviado para o nó móvel, ele é roteado para a sua LAN home O agente local consulta a sua tabela e informa a localização atual do nó

68 Roteamento em redes ad hoc Um caso mais extremo é aquele em que nós e roteadores são móveis (redes não-estruturas, ou redes ad-hoc): MANETs (Mobile Ad hoc Networks) Nesses casos, cada nó normalmente tem o papel de host e de roteador Todas as regras usuais de topologias fixas, vizinhos fixos e conhecidos, relacionamento fixo entre IPs e localização são inválidos Vários algoritmos de roteamento tem sido propostos para essas redes

69 1 KUROSE and ROSS, Computer Networking, 5ed, TANENBAUM, Computer Networks, 4ed, 2003.

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Roteamento Unicast e Multicast. Profa. Priscila Solís Barreto

Roteamento Unicast e Multicast. Profa. Priscila Solís Barreto Roteamento Unicast e Multicast Profa. Priscila Solís Barreto Entrega A camada de rede supervisiona a manipulação dos pacotes nas redes física subjacente. Essa manipulação é definida como a entrega de um

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Hardware multicast Ethernet multicast IP multicast Endereçamento e mapeamento para Ethernet multicast

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.5 Algoritmos de Roteamento Capítulo 4.6 Roteamento na Internet Prof. Jó Ueyama Abril/2011 SSC0641-2011 1 Rede Roteador default? saltos? rotas? SSC0641-2011 2 Roteamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Cap. 04 Camada de Rede

Cap. 04 Camada de Rede Cap. 04 Camada de Rede 4.1 Introdução e Serviços 4.1.1 Repasse e Roteamento 4.1.2 Modelo de Serviço de Rede 4.2 Redes Datagramas / Circuitos Virtuais 4.2.1 Redes de Circuitos Virtuais 4.2.2 Redes de Datagramas

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Tipos de Comunicação entre Estações. Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Comunicação Multiponto em Redes Locais

Tipos de Comunicação entre Estações. Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Comunicação Multiponto em Redes Locais Tipos de Comunicação entre Estações Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Unicast Broadcast Multicast Multicast: ação de enviar um datagrama para multiplos receptores

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 19: 29 de junho de 2010 1 camada de transporte camada de rede 2 Questão 1 (Kurose/Ross) camada de transporte camada de rede Um processo em um host C tem um socket UDP com

Leia mais

PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF

PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF Monografia apresentada na disciplina Laboratório de Redes II no Mestrado de Redes de Computadores da UNIFACS. Alunos : Manoel Carvalho Marques Neto manoel.netom@unifacs.br

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 3 Prof. Dr. S. Motoyama Protocolo de configuração dinâmica de host - DHCP DHCP proporciona uma estrutura para passar informação de configuração aos hosts (de maneira dinâmica

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede Modelo de Referência OSI 1 Camada de Rede: O que veremos. Entender os princípios

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-7 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Encaminhamento IP Exemplo de tabela de roteamento de R: Rede/Sub-rede Mácara de sub-rede Próximo salto 28.96.34.0 255.255.255.28

Leia mais

Camada de Rede - Roteamento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede - Roteamento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede - Roteamento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Algoritmos de Roteamento: Roteamento de estado de enlace (link-state LS) Roteamento de Vetor de Distância (distancevector

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - A CAMADA DE REDE (Parte 2) 1. Flooding (Inundação) Outro algoritmo estático é o algoritmo de inundação, no qual cada pacote de entrada é enviado para todas as linhas de saída, exceto para aquela

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Camada de rede. Funções

Camada de rede. Funções amada de rede Serviços fornecidos pela camada de rede Encaminhamento Estado-da-ligação Vector-distância Internet Protocol (IP) Encaminhamento na Internet Intra-domínio Inter-domínio IPv6, DHP, IP móvel,

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo.

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo. RIP (Protocolo de Informação de Rotemento) como o próprio nome diz é um protocolo de roteamento: isso significa que ele é responsável por manter as tabelas de roteamento entre os roteadores da mesma rede

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Cap. 4 Roteamento e Mobilidade

Cap. 4 Roteamento e Mobilidade Redes sem Fio e Slide 1 Sistemas Móveis de Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Cap. 4 Roteamento e Mobilidade Prof. Marcelo Moreno moreno@ice.ufjf.br Slide 2 Redes sem Fio e Sistemas Móveis de IETF RFC

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 12 -MOSPFDifuso Inter-Domnio (MSDP, MBGP e BGMP) p.4. Optimização na procura por difusão MOSPF

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 12 -MOSPFDifuso Inter-Domnio (MSDP, MBGP e BGMP) p.4. Optimização na procura por difusão MOSPF Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 12 - Extensões OSPF para difusão. Aplicação de difusão em grande escala. MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

DHCP Cenário de Utilização

DHCP Cenário de Utilização Redes de Computadores Redes de Computadores Camada Rede 1 Obtenção Dinâmica de Endereços IP Endereço IP de uma interface individual ( host portion ) É atribuído pelo administrador do sistema e configurado

Leia mais

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP Camada de Rede Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Redes de Computadores Conceitos Básicos Endereçamento IP Internet e TCP/IP Internet Conjunto de redes de escala mundial, ligadas pelo protocolo IP TCP/IP

Leia mais

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Redes de Computadores Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br 1 Roteamento Relembrando: O roteamento IP consiste em duas fases: 1. Como repassar um pacote de uma

Leia mais

IPv6. Problema do espaço de endereços do IPv4 Outros problemas abordados

IPv6. Problema do espaço de endereços do IPv4 Outros problemas abordados IPv6 Problema do espaço de endereços do IPv4 Outros problemas abordados IPv6 - formato do datagrama Mudanças mais importantes Capacidade de endereçamento expandida Cabeçalho fixo de 40 octetos Aumentar

Leia mais

IP - endereçamento. Endereço IP. Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros

IP - endereçamento. Endereço IP. Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros Endereço IP Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros 223.1.1.1 = 11011111 00000001 00000001 00000001 223 1 1 1 Endereços de interfaces e sub-redes (fonte: Kurose) No ex.,

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES INTERCONEXÃO DE REDES LOCAIS COM ROTEADORES POR QUE NÃO SÓ PONTES? LANs podem ser conectadas entre si com pontes (bridges) Por que não usar sempre pontes para construir redes grandes? Pontes não fazem

Leia mais

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um PROTOCOLO TCP/IP 1 INTRODUCÃO Foi inicialmente desenvolvido como parte de um projeto incentivado pela DARPA; Tinha como objetivo desenvolver tecnologias para que as máquinas interligadas em rede continuassem

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO OBJETIVO Internet Protocol Security Antonio Abílio da Costa Coutinho José Eduardo Mendonça da Fonseca Apresentar conceitos sobre segurança em redes de comunicação de dados, relacionados ao Protocolo (Internet

Leia mais

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com IPv6 Clécio Oliveira Pinto Segurança e Integração em Redes de Computadores para Ambientes Corporativos Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás cleciooliveira at gmail com Abstract. The Internet Protocol version

Leia mais

Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação

Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2011/02 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico Os protocolos de roteamento utilizados em redes pertencem a duas categorias: IGP (Interior Gateway Protocol)

Leia mais

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4 Problemas atuais com o IPv4 Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Falhas de segurança: A maioria dos ataques contra computadores hoje na Internet só é possível devido a falhas

Leia mais

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2 omunicação de Dados IV Gabarito da Lista de Exercícios ) Na topologia abaixo, considerando que as redes estão interligadas através de pontes transparentes, indique as informações armazenadas em cache nas

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios 2 B C. Tabela de B B C

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios 2 B C. Tabela de B B C Redes de omputadores I Gabarito da Lista de xercícios ) Na topologia abaixo, considere que: o protocolo de roteamento utilizado é baseado em istance Vector usando a técnica Split Horizon com poison reverse,

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Software de IP nos hosts finais O software de IP consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação

Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2012/02 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados Aula : Roteamento em Redes de Dados Slide Redes de Pacotes Comutados Mensagens dividas em Pacotes que são roteados ao seu destino PC PC PC Rede de Pacotes PC PC PC PC Buffer Pacote Comutado Slide Roteamento

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Prefixo a ser comparado Interface 1 0 10 1 111 2 Senão 3

Prefixo a ser comparado Interface 1 0 10 1 111 2 Senão 3 PEL/FEN Redes de Computadores 015/1 Segunda Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein 1) Descreva os principais serviços providos pela camada rede. ) Cite as diferenças entre datagrama e circuito

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

O Protocolo RIPv1. Prof. José Gonçalves. Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo RIPv1. Prof. José Gonçalves. Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br O Protocolo RIPv1 Prof. José Gonçalves Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br RIP Routing Information Protocol É o protocolo distance vector mais antigo e ainda em grande uso. Possui duas

Leia mais